SlideShare uma empresa Scribd logo
SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE
                   PARACURU




ACS: Aline Braúna Dos Santos
AIDS no Ceará: Nº de casos notificados
 (1983-março de 2008): 7.841
 HIV/Aids no Brasil – 55.060 casos de
 AIDS entre menores de 24 anos = 15.2 %
 dos casos notificados de Aids no
 Brasil, no período de 1980 a 2004.(PN
 DST/AIDS 2004).
 340 milhões de casos de DST curáveis
 por ano, entre 15 e 49 anos (OMS-99);
 CANCRO  MOLE      AIDS
 CANDIDÍASE
 CONDILOMA
 GONORRÉIA
 DONOVANOSE

 TRICOMONÍASE

 HERPES

 LINFOGRANULOMA

 SÍFILIS
   Agente: Candida albicans (Microbiota);
   Queda de imunidade, higiene pessoal ou distúrbios
    no organismos, levam ao aparecimento da
    doença, três a quatro dias após o contágio ou no
    período pré-menstrual;
   Transmissão: contato sexual, água contaminada e
    objetos contaminados;
   Sintomas:corrimento branco, irritação e coceira;
    Sinais e/ou sintomas (manifestações clínicas)
   Na mulher manifesta-se em forma de corrimento
    tipo leite talhado, sem cheiro.
   Tratamento: O tratamento, nos casos não
    complicados, é feito com comprimidos, pomadas ou
    óvulos vaginais de antibióticos. Nos casos
    complicados, o tratamento é feito com uma maior
    freqüência e quantidade maior de antibióticos. Os
    esquemas de tratamento (local e/ou oral)
    apresentam eficácia semelhantes, que raramente
    ultrapassam os 90% ).
   Agente Parasita: Trichomonas
    vaginalis,
   Transmissão: relações sexuais ou
    por ambientes contaminados como
    banheiros e piscinas.
   Nas mulheres, os sintomas são
    coceira            intensa      na
    vagina, corrimento amarelado de
    odor desagradável e ardor ao
    urinar.
   O processo inflamatório intenso na
    vagina e no colo do útero pode
    facilitar a penetração do HIV no
    organismo.
   Nos homens, geralmente, os
    sintomas podem ficar ocultos
    durante semanas ou aparecer na
    forma de pequena irritação no pênis
    e ardor ao urinar.
   Nome         popular:      Blenorragia,     pingadeira,     gota
    matinal, esquentamento, escorrimento,estrela da manhã.
   Conceito: Doença infecto-contagiosa de mucosa, clássica DST.
   Período de incubação: Dois a 10 dias após contato infectante.
    Existem relatos de casos cujo período de incubação foi de 24
    horas e casos que ultrapassaram 20 dias.
   Agente      causador      (etiológico):    Bactéria    (Neisseria
    gonorrhoeae), que é sensível à maioria dos anti-
    sépticos, morrendo facilmente fora do seu habitat.
   Sinais e/ou sintomas (manifestações clínicas): Inicia-se
    geralmente com sensação de formigamento; logo após surge a
    liberação     abundante     e    espontânea     de    corrimento
    amarelado, purulento, com ardência ao urinar. Nas mulheres a
    freqüência de secreção amarelada é menor e geralmente não
    ocorre a presença de sintoma como nos homens. A gonorréia
    pode afetar a pele, articulações, o coração e o cérebro
    (meningite).
   Tratamento: O tratamento é realizado com antibióticos, devendo
    sempre ser orientado pelo médico. A automedicação pode
    provocar resistência bacteriana.
Dst   aids para adolescentes
 Nome popular: Cavalo de
  buraco, cancróide, cancrela.
 Conceito: Ferida dolorosa e com pus nos órgãos
  genitais. Podem aparecer caroços na virilha, que
  rompem e soltam pus. É mais comum nos homens.
 Período de incubação: De dois a seis dias.
  Períodos mais longos são raros.
 Agente causador (etiológico): Haemophilus
  ducreyi: cocobacilos que se agrupam em cadeias;
 A proporção e de 20 casos em homens para um
  caso em mulheres. Quando não cuidadas no início
  podem provocar deformações locais por cicatrização
  em baixo relevo.
Dst   aids para adolescentes
  Nome popular: Úlcera venérea, donovani
 Conceito: Doença progressiva caracterizada por
  lesões e ulceras indolores. Acontece mais na pele e
  mucosas das regiões genitais.
 Período de incubação: De três dias a seis meses.
 Agente      causador        (etiológico):   Bactéria
  Calymmatobacterium granulomatis, que é encontrada
  em lesões dentro do citoplasma ou macrófagos.
 Sinais e/ou sintomas (Manifestações clínicas)
 São ulceras de bordas planas com fundo áspero, de
  aspecto vermelho vivo e sangramento fácil.
 O tratamento: É feito com antibióticos
Dst   aids para adolescentes
   Nome popular: Herpes febril, bolhas, gotas de orvalho.
   Período de incubação: De um a 26 dias (média sete dias) após
    o contágio. O contato com lesões, feridas é a via mais
    comum, mas a transmissão também se pode dar através do
    paciente assintomático.
   Agente causador (etiológico): O Herpes simples vírus é
    causado por dois tipos: HSV 1, que ocorre mais em lesões dos
    lábios, face e regiões expostas à luz solar e HSV 2, que
    predomina na região genital;
   Sinais e/ou sintomas (manifestações clínicas): Em cerca de
    24 horas surgem as primeiras manifestações, como
    vermelhidão, ardor, coceira e aparecimento de pequenas bolhas
    agrupadas que permanecem por 4 ou 5 dias e depois
    murcham, este processo pode durar de 2 a 3 semanas. Nos
    genitais pode aparecer febre, dor de cabeça, mal-estar, ínguas.
   O tratamento: É feito com medicamentos que controlam a ação
    dos vírus. E com a aplicação de pomada sobre as bolhas.
Dst   aids para adolescentes
 Nome    popular : Mula, quarta moléstia:
 Conceito: Doença de tansmissão exclusivamente
  sexual é caracterizada pela presença de grande
  bubão ingual na fase aguda;
 Período de incubação: Uma a duas semanas.
 Agente      causador (etiológico): Chlamydia
  tracomatis, cepas L1,L2,L3;
 Sinais e sintomas: Inicia-se com discreta ferida
  nos orgãos genitais que na maioria das vezes
  nem é percebida. Em seguida causa grande
  íngua na virilha que tende a romper em múltiplos
  orifícios. Sua evolução é lenta e pode causar
  grande inchaço nos orgãos genitais externos
Dst   aids para adolescentes
 Período      incubação     variável      ou
indeterminado, não sendo possível estabelecer
um período mínimo entre contaminação e
desenvolvimento das lesões, variando de
semanas a décadas;
Causa lesões de pele (verrugas ou feridas no
colo uterino);
70% dos casos não há manifestações visíveis
A recidiva das lesões está mais associada a
ativação de “reservatórios” do virus que a
reinfecção por parceiro sexual;
Dst   aids para adolescentes
 Nomes populares: cancro duro, sangue ruim;
 Conceito:    Doença infecto-contagiosa, de evolução
  sistêmica (crônica) ocorrendo por transmissão sexual e
  por outros contatos íntimos.
 Pode ser transmitida da mãe para o feto (intra-útero) ou
  pelo contato da criança com as lesões maternas durante
  o parto.
 Estima-se que mais de 900 mil casos novos ocorram por
  ano no Brasil. No mundo, são mais de 12 milhões por
  ano.
 Período de incubação: De 21 a 30 dias, após contato
  infectante. Porém, pode variar de 10 a 90
  dias, dependendo do número e virulência de bactérias
  infectantes e da resposta imunológica do hospedeiro.
 Agente causador (etiológico): Treponema pallidum. É
  uma bactéria espiroqueta sensível ao calor, a
  detergentes, aos anti-sépticos e frágil para sobreviver em
  ambientes secos.
 Sinais e/ou sintomas (manifestações clínicas):
 Sífilis primária (recente): ferida indolor nos órgãos
  genitais, acompanhada de ínguas na virilha. Os
  sintomas surgem de 1 a 12 semanas após o contágio;
 Pessoas infectadas podem não apresentar sintomas;
 Sífilis    secundária      (latente):   manchas    no
  corpo, principalmente nas palmas das mãos e planta
  dos pés. Os sintomas surgem até seis (06) meses
  após o contágio;
 As manchas não coçam, mas podem surgir ínguas no
  corpo.
 Sífilis Terciária (tardia); Ocorre vários anos após o
  contágio. Nesta fase geralmente são afetados:
  Pele, coração, ossos e cérebro, podendo levar à
  morte;
 Tratamento: É feito com antibióticos e o exame para
  saber se a sorologia é o VDRL.
Dst   aids para adolescentes
   O QUE É A DOENÇA
   O que quer dizer a sigla?
   Quem causa a doença?
   O caráter da doença?
   Vírus implantado X doente;
   Como é detectada;
    Quais os líquidos onde foi encontrado o HIV?
   Quando o contato com os líquidos pode
    contaminar?
   Quais as formas mais comuns de contaminação?
   A criança recém nascida deve ser amamentada
    pela mãe portadora?
Dst   aids para adolescentes
Pega o vírus
                                              Febre
                                              Dor no
                            2a4               corpo
                          semanas             Dor de
                                              cabeça
                                              Dor de
    Sorologia só                              garganta
        positiva           Doença             Náuseas, V
 3 a 6 meses após a        aguda              ômitos, Dia
       infecção           50 % dos            rréia
Janela imunológica:         casos             Gânglios
                                              Vermelhidã
      Transmite
                                              o na pele
                                              Fígado e
                                              baço
                                              inflamado
                                              Dura 2 a 4
                            Infecção          semanas
                      Assintomática por 5 a   Sorologia
                      10 anos – Progressão    negativa
                           para AIDS
Dst   aids para adolescentes
Dst   aids para adolescentes
OBRIGADA!!!!!!!

   Visite os blogs



      Acsdeparacuru.blogspot.com
      Spedeparacuru.blogspot.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

DSTs
DSTsDSTs
DST
DSTDST
Dst/aids
Dst/aidsDst/aids
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Marcelo Henrique
 
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa GobbiDoenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
Eduarda Gobbi
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTsDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
Saúde Hervalense
 
Metodos contraceptivos spe
Metodos contraceptivos speMetodos contraceptivos spe
Metodos contraceptivos spe
Alinebrauna Brauna
 
Dst na adolescência
Dst na adolescênciaDst na adolescência
Dst na adolescência
Samuel Cevidanes
 
Vacinas: mitos e verdades
Vacinas: mitos e verdadesVacinas: mitos e verdades
Dst/aids SIPAT (oficial)
Dst/aids SIPAT (oficial)Dst/aids SIPAT (oficial)
Dst/aids SIPAT (oficial)
Claudio Cesar Pontes ن
 
Gravidez na adolescencia
Gravidez na adolescenciaGravidez na adolescencia
Gravidez na adolescencia
Alinebrauna Brauna
 
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Alinebrauna Brauna
 
Apresentação dst
Apresentação dstApresentação dst
Apresentação dst
Robson Peixoto
 
Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
Laboratório Sérgio Franco
 
Modelo de panfleto editável (DST's) Frente e verso. Dobrar ao meio
Modelo de panfleto editável (DST's) Frente e verso. Dobrar ao meioModelo de panfleto editável (DST's) Frente e verso. Dobrar ao meio
Modelo de panfleto editável (DST's) Frente e verso. Dobrar ao meio
Danillo Rodrigues
 
Doenças sexualmente transmissíveis e sida
Doenças sexualmente transmissíveis e sidaDoenças sexualmente transmissíveis e sida
Doenças sexualmente transmissíveis e sida
Ricardo Pais
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
lipe98
 
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de AcaoPrevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Alexandre Naime Barbosa
 
Aids
AidsAids
Candidíase
CandidíaseCandidíase
Candidíase
Géssica Freire
 

Mais procurados (20)

DSTs
DSTsDSTs
DSTs
 
DST
DSTDST
DST
 
Dst/aids
Dst/aidsDst/aids
Dst/aids
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
 
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa GobbiDoenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTsDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
 
Metodos contraceptivos spe
Metodos contraceptivos speMetodos contraceptivos spe
Metodos contraceptivos spe
 
Dst na adolescência
Dst na adolescênciaDst na adolescência
Dst na adolescência
 
Vacinas: mitos e verdades
Vacinas: mitos e verdadesVacinas: mitos e verdades
Vacinas: mitos e verdades
 
Dst/aids SIPAT (oficial)
Dst/aids SIPAT (oficial)Dst/aids SIPAT (oficial)
Dst/aids SIPAT (oficial)
 
Gravidez na adolescencia
Gravidez na adolescenciaGravidez na adolescencia
Gravidez na adolescencia
 
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
 
Apresentação dst
Apresentação dstApresentação dst
Apresentação dst
 
Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
 
Modelo de panfleto editável (DST's) Frente e verso. Dobrar ao meio
Modelo de panfleto editável (DST's) Frente e verso. Dobrar ao meioModelo de panfleto editável (DST's) Frente e verso. Dobrar ao meio
Modelo de panfleto editável (DST's) Frente e verso. Dobrar ao meio
 
Doenças sexualmente transmissíveis e sida
Doenças sexualmente transmissíveis e sidaDoenças sexualmente transmissíveis e sida
Doenças sexualmente transmissíveis e sida
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
 
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de AcaoPrevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
Prevencao do HIV e Outras ISTs Identificando as Oportunidades de Acao
 
Aids
AidsAids
Aids
 
Candidíase
CandidíaseCandidíase
Candidíase
 

Destaque

Saúde e Prevenção nas Escolas: Prevenção de DST/Aids
Saúde e Prevenção nas Escolas: Prevenção de DST/AidsSaúde e Prevenção nas Escolas: Prevenção de DST/Aids
Saúde e Prevenção nas Escolas: Prevenção de DST/Aids
Elos da Saúde
 
DoençAs Sexualmente TransmissíVeis Power Poit
DoençAs Sexualmente TransmissíVeis Power PoitDoençAs Sexualmente TransmissíVeis Power Poit
DoençAs Sexualmente TransmissíVeis Power Poit
edsaude
 
DST
DSTDST
Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2
'Alice Tinoco
 
DST
DSTDST
Doenças Sexualmente Transmissíveis ( Aula Professora Zilmara)
Doenças Sexualmente Transmissíveis ( Aula Professora Zilmara)Doenças Sexualmente Transmissíveis ( Aula Professora Zilmara)
Doenças Sexualmente Transmissíveis ( Aula Professora Zilmara)
xandaobyte
 
Dst 8o Ano
Dst   8o AnoDst   8o Ano
Dst 8o Ano
pit
 
MéTodos Contraceptivos Adolescentes
MéTodos Contraceptivos AdolescentesMéTodos Contraceptivos Adolescentes
MéTodos Contraceptivos Adolescentes
renalinhares
 
puberdade e métodos contraceptivos
puberdade e métodos contraceptivospuberdade e métodos contraceptivos
puberdade e métodos contraceptivos
jppaco
 
Métodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosMétodos Contraceptivos
Métodos Contraceptivos
Maria Carolina Esteves
 
Apresentação metodos anticoncepcionais
Apresentação metodos anticoncepcionaisApresentação metodos anticoncepcionais
Apresentação metodos anticoncepcionais
joao11batista
 
MéTodos Contraceptivos
MéTodos ContraceptivosMéTodos Contraceptivos
MéTodos Contraceptivos
veronicasilva
 

Destaque (12)

Saúde e Prevenção nas Escolas: Prevenção de DST/Aids
Saúde e Prevenção nas Escolas: Prevenção de DST/AidsSaúde e Prevenção nas Escolas: Prevenção de DST/Aids
Saúde e Prevenção nas Escolas: Prevenção de DST/Aids
 
DoençAs Sexualmente TransmissíVeis Power Poit
DoençAs Sexualmente TransmissíVeis Power PoitDoençAs Sexualmente TransmissíVeis Power Poit
DoençAs Sexualmente TransmissíVeis Power Poit
 
DST
DSTDST
DST
 
Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2Dst pronto mesmo2
Dst pronto mesmo2
 
DST
DSTDST
DST
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis ( Aula Professora Zilmara)
Doenças Sexualmente Transmissíveis ( Aula Professora Zilmara)Doenças Sexualmente Transmissíveis ( Aula Professora Zilmara)
Doenças Sexualmente Transmissíveis ( Aula Professora Zilmara)
 
Dst 8o Ano
Dst   8o AnoDst   8o Ano
Dst 8o Ano
 
MéTodos Contraceptivos Adolescentes
MéTodos Contraceptivos AdolescentesMéTodos Contraceptivos Adolescentes
MéTodos Contraceptivos Adolescentes
 
puberdade e métodos contraceptivos
puberdade e métodos contraceptivospuberdade e métodos contraceptivos
puberdade e métodos contraceptivos
 
Métodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosMétodos Contraceptivos
Métodos Contraceptivos
 
Apresentação metodos anticoncepcionais
Apresentação metodos anticoncepcionaisApresentação metodos anticoncepcionais
Apresentação metodos anticoncepcionais
 
MéTodos Contraceptivos
MéTodos ContraceptivosMéTodos Contraceptivos
MéTodos Contraceptivos
 

Semelhante a Dst aids para adolescentes

Dst aidsparaadolescentes
Dst aidsparaadolescentesDst aidsparaadolescentes
Dst aidsparaadolescentes
georgiamfc
 
DSTS E AIDS.pptx
DSTS E AIDS.pptxDSTS E AIDS.pptx
DSTS E AIDS.pptx
MariaAuxiliadoraCamp3
 
aula de Doenças Sexualmente Transmissíveis
aula de Doenças Sexualmente Transmissíveisaula de Doenças Sexualmente Transmissíveis
aula de Doenças Sexualmente Transmissíveis
adriano silva
 
Aids
AidsAids
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
Fernanda Gonçalves
 
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdfModulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
HilderlanArajo
 
Ds ts
Ds tsDs ts
Doenças Sexualmente Transmissíveis e Métodos Contracetivos
Doenças Sexualmente Transmissíveis e Métodos ContracetivosDoenças Sexualmente Transmissíveis e Métodos Contracetivos
Doenças Sexualmente Transmissíveis e Métodos Contracetivos
lucia_nunes
 
As Doenças Sexualmente Transmissíveis
As Doenças Sexualmente TransmissíveisAs Doenças Sexualmente Transmissíveis
As Doenças Sexualmente Transmissíveis
held
 
DoençAs S[1]..
DoençAs S[1]..DoençAs S[1]..
DoençAs S[1]..
tiafer96
 
DST
DSTDST
Hiv mario martins pereira
Hiv  mario martins pereiraHiv  mario martins pereira
Hiv mario martins pereira
SANTOS Odirley
 
IST - 1º ANO.ppt
IST - 1º ANO.pptIST - 1º ANO.ppt
IST - 1º ANO.ppt
GiulianeSantos2
 
DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..
pedro30cunha11
 
DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..
pedro30cunha11
 
DST
DSTDST
DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..
pedro30cunha11
 
Dst
DstDst
InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]
InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]
InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]
Cristina0910
 
Doenças sexualmente transmissíveis (DST)
Doenças sexualmente transmissíveis (DST)Doenças sexualmente transmissíveis (DST)
Doenças sexualmente transmissíveis (DST)
Luis Augusto
 

Semelhante a Dst aids para adolescentes (20)

Dst aidsparaadolescentes
Dst aidsparaadolescentesDst aidsparaadolescentes
Dst aidsparaadolescentes
 
DSTS E AIDS.pptx
DSTS E AIDS.pptxDSTS E AIDS.pptx
DSTS E AIDS.pptx
 
aula de Doenças Sexualmente Transmissíveis
aula de Doenças Sexualmente Transmissíveisaula de Doenças Sexualmente Transmissíveis
aula de Doenças Sexualmente Transmissíveis
 
Aids
AidsAids
Aids
 
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
 
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdfModulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
 
Ds ts
Ds tsDs ts
Ds ts
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis e Métodos Contracetivos
Doenças Sexualmente Transmissíveis e Métodos ContracetivosDoenças Sexualmente Transmissíveis e Métodos Contracetivos
Doenças Sexualmente Transmissíveis e Métodos Contracetivos
 
As Doenças Sexualmente Transmissíveis
As Doenças Sexualmente TransmissíveisAs Doenças Sexualmente Transmissíveis
As Doenças Sexualmente Transmissíveis
 
DoençAs S[1]..
DoençAs S[1]..DoençAs S[1]..
DoençAs S[1]..
 
DST
DSTDST
DST
 
Hiv mario martins pereira
Hiv  mario martins pereiraHiv  mario martins pereira
Hiv mario martins pereira
 
IST - 1º ANO.ppt
IST - 1º ANO.pptIST - 1º ANO.ppt
IST - 1º ANO.ppt
 
DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..
 
DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..
 
DST
DSTDST
DST
 
DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..
 
Dst
DstDst
Dst
 
InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]
InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]
InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]
 
Doenças sexualmente transmissíveis (DST)
Doenças sexualmente transmissíveis (DST)Doenças sexualmente transmissíveis (DST)
Doenças sexualmente transmissíveis (DST)
 

Mais de Alinebrauna Brauna

Pnab
PnabPnab
Orientacoes coleta analise_dados_antropometricos
Orientacoes coleta analise_dados_antropometricosOrientacoes coleta analise_dados_antropometricos
Orientacoes coleta analise_dados_antropometricos
Alinebrauna Brauna
 
Livro completo senad5
Livro completo senad5Livro completo senad5
Livro completo senad5
Alinebrauna Brauna
 
Radis 131 web
Radis 131 webRadis 131 web
Radis 131 web
Alinebrauna Brauna
 
Copia de radis_129_23maio2013
Copia de radis_129_23maio2013Copia de radis_129_23maio2013
Copia de radis_129_23maio2013
Alinebrauna Brauna
 
O que são conferências 21.05.2012
O que são conferências 21.05.2012O que são conferências 21.05.2012
O que são conferências 21.05.2012
Alinebrauna Brauna
 
Pmaq
PmaqPmaq
Pmaq
PmaqPmaq
Violência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentesViolência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentes
Alinebrauna Brauna
 
Todo sentimento
Todo sentimentoTodo sentimento
Todo sentimento
Alinebrauna Brauna
 
Suas os desafios da assistencia social
Suas   os desafios da assistencia socialSuas   os desafios da assistencia social
Suas os desafios da assistencia social
Alinebrauna Brauna
 
Slides infanto completo
Slides infanto completoSlides infanto completo
Slides infanto completo
Alinebrauna Brauna
 
Saúde mental
Saúde mentalSaúde mental
Saúde mental
Alinebrauna Brauna
 
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociaisO papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
Alinebrauna Brauna
 
Mpcda
MpcdaMpcda
Histórico sobre o eca
Histórico sobre o ecaHistórico sobre o eca
Histórico sobre o eca
Alinebrauna Brauna
 
Politica de ad
Politica de adPolitica de ad
Politica de ad
Alinebrauna Brauna
 
Perguntas e-respostas-crack
Perguntas e-respostas-crackPerguntas e-respostas-crack
Perguntas e-respostas-crack
Alinebrauna Brauna
 
Palestra álcool
Palestra álcoolPalestra álcool
Palestra álcool
Alinebrauna Brauna
 
O que é violência sexual
O que é violência sexualO que é violência sexual
O que é violência sexual
Alinebrauna Brauna
 

Mais de Alinebrauna Brauna (20)

Pnab
PnabPnab
Pnab
 
Orientacoes coleta analise_dados_antropometricos
Orientacoes coleta analise_dados_antropometricosOrientacoes coleta analise_dados_antropometricos
Orientacoes coleta analise_dados_antropometricos
 
Livro completo senad5
Livro completo senad5Livro completo senad5
Livro completo senad5
 
Radis 131 web
Radis 131 webRadis 131 web
Radis 131 web
 
Copia de radis_129_23maio2013
Copia de radis_129_23maio2013Copia de radis_129_23maio2013
Copia de radis_129_23maio2013
 
O que são conferências 21.05.2012
O que são conferências 21.05.2012O que são conferências 21.05.2012
O que são conferências 21.05.2012
 
Pmaq
PmaqPmaq
Pmaq
 
Pmaq
PmaqPmaq
Pmaq
 
Violência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentesViolência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Todo sentimento
Todo sentimentoTodo sentimento
Todo sentimento
 
Suas os desafios da assistencia social
Suas   os desafios da assistencia socialSuas   os desafios da assistencia social
Suas os desafios da assistencia social
 
Slides infanto completo
Slides infanto completoSlides infanto completo
Slides infanto completo
 
Saúde mental
Saúde mentalSaúde mental
Saúde mental
 
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociaisO papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
 
Mpcda
MpcdaMpcda
Mpcda
 
Histórico sobre o eca
Histórico sobre o ecaHistórico sobre o eca
Histórico sobre o eca
 
Politica de ad
Politica de adPolitica de ad
Politica de ad
 
Perguntas e-respostas-crack
Perguntas e-respostas-crackPerguntas e-respostas-crack
Perguntas e-respostas-crack
 
Palestra álcool
Palestra álcoolPalestra álcool
Palestra álcool
 
O que é violência sexual
O que é violência sexualO que é violência sexual
O que é violência sexual
 

Dst aids para adolescentes

  • 1. SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PARACURU ACS: Aline Braúna Dos Santos
  • 2. AIDS no Ceará: Nº de casos notificados (1983-março de 2008): 7.841  HIV/Aids no Brasil – 55.060 casos de AIDS entre menores de 24 anos = 15.2 % dos casos notificados de Aids no Brasil, no período de 1980 a 2004.(PN DST/AIDS 2004). 340 milhões de casos de DST curáveis por ano, entre 15 e 49 anos (OMS-99);
  • 3.  CANCRO MOLE  AIDS  CANDIDÍASE  CONDILOMA  GONORRÉIA  DONOVANOSE  TRICOMONÍASE  HERPES  LINFOGRANULOMA  SÍFILIS
  • 4. Agente: Candida albicans (Microbiota);  Queda de imunidade, higiene pessoal ou distúrbios no organismos, levam ao aparecimento da doença, três a quatro dias após o contágio ou no período pré-menstrual;  Transmissão: contato sexual, água contaminada e objetos contaminados;  Sintomas:corrimento branco, irritação e coceira;  Sinais e/ou sintomas (manifestações clínicas)  Na mulher manifesta-se em forma de corrimento tipo leite talhado, sem cheiro.  Tratamento: O tratamento, nos casos não complicados, é feito com comprimidos, pomadas ou óvulos vaginais de antibióticos. Nos casos complicados, o tratamento é feito com uma maior freqüência e quantidade maior de antibióticos. Os esquemas de tratamento (local e/ou oral) apresentam eficácia semelhantes, que raramente ultrapassam os 90% ).
  • 5. Agente Parasita: Trichomonas vaginalis,  Transmissão: relações sexuais ou por ambientes contaminados como banheiros e piscinas.  Nas mulheres, os sintomas são coceira intensa na vagina, corrimento amarelado de odor desagradável e ardor ao urinar.  O processo inflamatório intenso na vagina e no colo do útero pode facilitar a penetração do HIV no organismo.  Nos homens, geralmente, os sintomas podem ficar ocultos durante semanas ou aparecer na forma de pequena irritação no pênis e ardor ao urinar.
  • 6. Nome popular: Blenorragia, pingadeira, gota matinal, esquentamento, escorrimento,estrela da manhã.  Conceito: Doença infecto-contagiosa de mucosa, clássica DST.  Período de incubação: Dois a 10 dias após contato infectante. Existem relatos de casos cujo período de incubação foi de 24 horas e casos que ultrapassaram 20 dias.  Agente causador (etiológico): Bactéria (Neisseria gonorrhoeae), que é sensível à maioria dos anti- sépticos, morrendo facilmente fora do seu habitat.  Sinais e/ou sintomas (manifestações clínicas): Inicia-se geralmente com sensação de formigamento; logo após surge a liberação abundante e espontânea de corrimento amarelado, purulento, com ardência ao urinar. Nas mulheres a freqüência de secreção amarelada é menor e geralmente não ocorre a presença de sintoma como nos homens. A gonorréia pode afetar a pele, articulações, o coração e o cérebro (meningite).  Tratamento: O tratamento é realizado com antibióticos, devendo sempre ser orientado pelo médico. A automedicação pode provocar resistência bacteriana.
  • 8.  Nome popular: Cavalo de buraco, cancróide, cancrela.  Conceito: Ferida dolorosa e com pus nos órgãos genitais. Podem aparecer caroços na virilha, que rompem e soltam pus. É mais comum nos homens.  Período de incubação: De dois a seis dias. Períodos mais longos são raros.  Agente causador (etiológico): Haemophilus ducreyi: cocobacilos que se agrupam em cadeias;  A proporção e de 20 casos em homens para um caso em mulheres. Quando não cuidadas no início podem provocar deformações locais por cicatrização em baixo relevo.
  • 10.  Nome popular: Úlcera venérea, donovani  Conceito: Doença progressiva caracterizada por lesões e ulceras indolores. Acontece mais na pele e mucosas das regiões genitais.  Período de incubação: De três dias a seis meses.  Agente causador (etiológico): Bactéria Calymmatobacterium granulomatis, que é encontrada em lesões dentro do citoplasma ou macrófagos.  Sinais e/ou sintomas (Manifestações clínicas)  São ulceras de bordas planas com fundo áspero, de aspecto vermelho vivo e sangramento fácil.  O tratamento: É feito com antibióticos
  • 12. Nome popular: Herpes febril, bolhas, gotas de orvalho.  Período de incubação: De um a 26 dias (média sete dias) após o contágio. O contato com lesões, feridas é a via mais comum, mas a transmissão também se pode dar através do paciente assintomático.  Agente causador (etiológico): O Herpes simples vírus é causado por dois tipos: HSV 1, que ocorre mais em lesões dos lábios, face e regiões expostas à luz solar e HSV 2, que predomina na região genital;  Sinais e/ou sintomas (manifestações clínicas): Em cerca de 24 horas surgem as primeiras manifestações, como vermelhidão, ardor, coceira e aparecimento de pequenas bolhas agrupadas que permanecem por 4 ou 5 dias e depois murcham, este processo pode durar de 2 a 3 semanas. Nos genitais pode aparecer febre, dor de cabeça, mal-estar, ínguas.  O tratamento: É feito com medicamentos que controlam a ação dos vírus. E com a aplicação de pomada sobre as bolhas.
  • 14.  Nome popular : Mula, quarta moléstia:  Conceito: Doença de tansmissão exclusivamente sexual é caracterizada pela presença de grande bubão ingual na fase aguda;  Período de incubação: Uma a duas semanas.  Agente causador (etiológico): Chlamydia tracomatis, cepas L1,L2,L3;  Sinais e sintomas: Inicia-se com discreta ferida nos orgãos genitais que na maioria das vezes nem é percebida. Em seguida causa grande íngua na virilha que tende a romper em múltiplos orifícios. Sua evolução é lenta e pode causar grande inchaço nos orgãos genitais externos
  • 16.  Período incubação variável ou indeterminado, não sendo possível estabelecer um período mínimo entre contaminação e desenvolvimento das lesões, variando de semanas a décadas; Causa lesões de pele (verrugas ou feridas no colo uterino); 70% dos casos não há manifestações visíveis A recidiva das lesões está mais associada a ativação de “reservatórios” do virus que a reinfecção por parceiro sexual;
  • 18.  Nomes populares: cancro duro, sangue ruim;  Conceito: Doença infecto-contagiosa, de evolução sistêmica (crônica) ocorrendo por transmissão sexual e por outros contatos íntimos.  Pode ser transmitida da mãe para o feto (intra-útero) ou pelo contato da criança com as lesões maternas durante o parto.  Estima-se que mais de 900 mil casos novos ocorram por ano no Brasil. No mundo, são mais de 12 milhões por ano.  Período de incubação: De 21 a 30 dias, após contato infectante. Porém, pode variar de 10 a 90 dias, dependendo do número e virulência de bactérias infectantes e da resposta imunológica do hospedeiro.  Agente causador (etiológico): Treponema pallidum. É uma bactéria espiroqueta sensível ao calor, a detergentes, aos anti-sépticos e frágil para sobreviver em ambientes secos.
  • 19.  Sinais e/ou sintomas (manifestações clínicas):  Sífilis primária (recente): ferida indolor nos órgãos genitais, acompanhada de ínguas na virilha. Os sintomas surgem de 1 a 12 semanas após o contágio;  Pessoas infectadas podem não apresentar sintomas;  Sífilis secundária (latente): manchas no corpo, principalmente nas palmas das mãos e planta dos pés. Os sintomas surgem até seis (06) meses após o contágio;  As manchas não coçam, mas podem surgir ínguas no corpo.  Sífilis Terciária (tardia); Ocorre vários anos após o contágio. Nesta fase geralmente são afetados: Pele, coração, ossos e cérebro, podendo levar à morte;  Tratamento: É feito com antibióticos e o exame para saber se a sorologia é o VDRL.
  • 21. O QUE É A DOENÇA  O que quer dizer a sigla?  Quem causa a doença?  O caráter da doença?  Vírus implantado X doente;  Como é detectada;  Quais os líquidos onde foi encontrado o HIV?  Quando o contato com os líquidos pode contaminar?  Quais as formas mais comuns de contaminação?  A criança recém nascida deve ser amamentada pela mãe portadora?
  • 23. Pega o vírus Febre Dor no 2a4 corpo semanas Dor de cabeça Dor de Sorologia só garganta positiva Doença Náuseas, V 3 a 6 meses após a aguda ômitos, Dia infecção 50 % dos rréia Janela imunológica: casos Gânglios Vermelhidã Transmite o na pele Fígado e baço inflamado Dura 2 a 4 Infecção semanas Assintomática por 5 a Sorologia 10 anos – Progressão negativa para AIDS
  • 26. OBRIGADA!!!!!!!  Visite os blogs  Acsdeparacuru.blogspot.com  Spedeparacuru.blogspot.com