SlideShare uma empresa Scribd logo
ROMANTISMO
ROMANTISMO CONTEXTO HISTÓRICO-
CULTURAL
• O Romantismo está ligado a dois
acontecimentos: a Revolução Francesa e a
Revolução Industrial, responsáveis pela
formação da sociedade burguesa. Depois da
revolução francesa (1787-1789), seguiu-se
uma época de rápidas e profundas mudanças
no mundo europeu. A sociedade se tornou
muito mais complexa.
A Revolução Industrial gerou novos investimentos que buscavam
solucionar os problemas técnicos decorrentes do aumento de
produção. Sua consequência mais evidente foi a divisão do
trabalho e o início da especialização da mão-de-obra.
Após a Revolução Francesa, o absolutismo entrou em crise,
cedendo lugar ao liberalismo (doutrina fundamentada na crença
da capacidade individual do homem). A economia da época
estimula a livre iniciativa, a livre empresa. O individualismo
tornou-se um valor básico da sociedade da época.
O progresso político, econômico e social da burguesia, portanto,
preparou terreno para que surgisse um fenômeno cultural
baseado na liberdade de criação e expressão e na supremacia do
indivíduo, que não mais obedece a padrões preestabelecidos. Foi
nesse contexto que surgiu o Romantismo.
O romântico é um descontente com o mundo de
seu tempo: tenta fugir dele ou modificá-lo.
Tudo isso significa, na arte, uma ruptura com os
padrões clássicos e neoclássicos até então em
moda.
O Romantismo literário surgiu na Alemanha, por
volta de 1800, conquistou a Inglaterra, a França e,
posteriormente, todas as literaturas europeias e
americanas.
CARACTERÍSTICAS
• Como nas demais artes, as características da
literatura romântica decorrem de uma visão
de mundo centrada no indivíduo. Essa
subjetividade expressa-se sobretudo em:
a) Liberdade de criação: A recriação da realidade não
obedece mais a esquemas preestabelecidos. Não se
aceitam mais as fontes grega e romana como
modelos de criação literária. A proposta romântica é
não aceitar nenhum modelo, ele se expressa através
de uma atitude pessoal, individual e única. O não-
conformismo aos valores estabelecidos é a marca
registrada do romântico.
b) Sentimentalismo: O romântico analisa e expressa a
realidade por meio dos sentimentos. Isso equivale a dizer
que a razão fica em segundo plano. O romântico acredita
que só sentimentalmente se consegue traduzir aquilo que
ocorre no interior do indivíduo. Por isso, é o sentimento
de cada um que define a importância ou não das coisas.
c) Mal do século (Idealização do mundo): Os escritores
buscavam um mundo perfeito e ideal, onde houvesse
compensação para seu sofrimento.
d) Evasão e sonho: O romântico foge da realidade para
um mundo imaginário, criado a partir de sonhos e
emoções pessoais.
e) Eleição de heróis grandiosos: Na ânsia da glória, de
infinito, o herói criado pelo escritor romântico não se
contenta com o mundo em que vive. Por isso, ele o
desafia, numa atitude rebelde que se volta contra a
sociedade, contra o destino e até contra Deus.
f ) Senso de Mistério: Na compreensão do mundo, o romântico
deixa a razão em segundo plano. Por isso, está disponível para
aceitar as coisas misteriosas, inexplicáveis, fantásticas,
sobrenaturais, elementos que valoriza e incorpora em suas obras.
g) Supervalorização do amor: O amor é considerado a coisa mais
importante da vida e, como tal, constitui o tema mais frequente
do Romantismo. A perda do amor leva a três consequências
básicas: a loucura, a morte ou o suicídio.
h) Subjetivismo: De uma visão universalista do homem
(Classicismo) passa-se a uma visão individualista. A realidade é
revelada pelo impulso pessoal do artista e não pela imposição
dos moldes clássicos.
ROMANTISMO NO BRASIL (1836-1881)
CONTEXTO HISTÓRICO-CULTURAL
O país assiste, no início do século XIX, ao fato que vai
desencadear sua independência política e social: a vinda da
família real ao Brasil.
Logo após a chegada da corte de D. João VI ao Rio de Janeiro,
tem lugar uma série de transformações sociais e econômicas
que visavam possibilitar o funcionamento da administração do
governo. A vinda da família real cria uma nova metrópole: o Rio
de Janeiro.
Aos poucos, o sentimento anticolonialista do povo brasileiro
começa a se fazer perceber, gerando também nossa
independência política em 1822.
LITERATURA
• 1836- O poeta Gonçalves de Magalhães publica Suspiros poéticos e
saudades, obra que é considerada o marco inicial do Romantismo
brasileiro.
• 1881- Publicam-se o Mulato de Aluísio Azevedo e Memórias
póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis, que inauguram um
novo estilo de época: o Realismo/Naturalismo. Esse fato marca o fim
do Romantismo no Brasil.
• No continente americano, a aparição do Romantismo é tardia, por
causa da dependência cultural em relação à Europa. No Brasil, o
período romântico tem que ser compreendido paralelamente ao
processo de Independência política.
É fundamental levar em conta dois
fatores:
• a) o desejo consciente de enfatizar o nacionalismo, o orgulho
patriótico.
• b) o desejo consciente de exprimir, no plano literário, a
independência, ou seja, de criar uma literatura independente da
portuguesa.
• O Romantismo brasileiro repete muitas características do
Romantismo europeu. No entanto, o Romantismo brasileiro criou a
consciência nacionalista. Os escritores deste período tentaram
utilizar na poesia os elementos que constituem o nacionalismo.
Neste sentido, procuram realçar a nossa natureza e o nosso índio.
Desta consciência de brasilidade decorrem as características
específicas do Romantismo que aqui se desenvolveu:
a) Ênfase na cor local
• A descrição da paisagem tropical, com sua
variedade de aspectos, muito diferente da
europeia, indica uma tomada de consciência e
uma afirmação daquilo que é característico de
cada país. No caso do Brasil, a descrição
idealizada do ambiente natural transformou-
se numa das características mais marcantes da
literatura romântica.
b) Indianismo
• Foi a forma mais representativa do nacionalismo
literário. Corresponde no Brasil, à busca de um
legítimo antepassado nacional, já que não
possuíramos Idade Média com heróis típicos. Por
outro lado a figura do índio foi idealizada pelos
escritores românticos com a finalidade de nivelar
esse nosso antepassado ao português
colonizador. O índio romântico é sempre bom,
nobre, bonito e cavaleiro generoso; e, com essas
características, passou a ser o símbolo da nossa
independência espiritual, social, política e
literária.
1ª GERAÇÃO ROMÂNTICA
NACIONALISTA ou INDIANISTA
• Marcada por: exaltação da natureza, volta ao
passado histórico, medievalismo e criação do
herói nacional na figura do índio, donde a
denominação indianista. O sentimentalismo e
a religiosidade também são características
marcantes.
GONÇALVES DIAS (1823 –1864)
Filho de um comerciante português e de uma mestiça, corria
em suas veias sangue branco, índio e negro. Em 1838, viajou
para Coimbra, onde se matriculou no curso de Direito. Em
1846, retornou ao Rio de Janeiro. Foi professor do Colégio
Pedro II e oficial da Secretaria dos Negócios Estrangeiros. Em
1864, ao regressar de uma viagem da Europa, onde se
encontrava em tratamento de saúde (estava tuberculoso),
morreu em naufrágio na costa do Maranhão.
Natureza e saudade se entrelaçam na obra de Gonçalves dias. A
nostalgia, o retorno ao passado e a exaltação da pátria também
caracterizam a sua obra.
As lamentações pelo amor impossível, os anseios, as
inquietações, os desencantos caracterizam o lirismo amoroso
desse autor, que muitas vezes se identifica com a atitude de
vassalagem do trovador medieval.
Do ponto de vista temático, o indianismo dominou sua obra: idealizou o indígena,
ressaltando seu sentimento de honra e nobreza de caráter, descreveu o índio
como herói, procurando torná-lo símbolo de toda uma raça, capaz de categorizar o
brasileiro em face do europeu; exaltou a natureza em que viviam os selvagens e
procurou interpretar a psicologia do índio brasileiro.
Uma síntese disso é I-Juca Pirama (pronuncia-se iuca-pirama, que significa “o que
há de ser morto”).
O poema narra a história de um guerreiro tupi aprisionado pelos timbiras. No
momento da execução, exalta a sua bravura, mas pede clemência, pois dele
dependia a sobrevivência do pai, cego e doente. Considerado covarde pelo chefe
dos timbiras, é solto. Ao reencontrar o pai, este o amaldiçoa pela perda da honra.
O jovem arma-se e torna a lutar com os timbiras, é abatido, recupera sua honra e
recebe o perdão do pai.
2ª GERAÇÃO ROMÂNTICA
MAL DO SÉCULO ou ULTRARROMANTISMO
Inspirados pelo inglês Byron, pelo italiano Giacomo Leopardi e pelos
franceses Alphonse de Lamartine e Alfred de Musset, os poetas da
segunda geração escrevem poemas que sugerem uma entrega total
aos caprichos da sensibilidade e da fantasia, abordando temas que
vão do vulgar ao sublime, do poético ao sarcástico e ao prosaico. A
morte precoce ajudou a compor a mística em torno desses poetas
de inspiração byroniana, que não raro fazem apologia da
misantropia e do narcisismo, cultivam paixões incestuosas,
macabras, demoníacas e mórbidas.
ÁLVARES DE AZEVEDO (São Paulo 1831 – 1852
Rio de Janeiro)
Bacharelou-se pelo Colégio Pedro II (RJ) e matriculou-se na Faculdade de
Direito de São Paulo, em 1848. A morte prematura, no entanto, impediu-o
de concluir o curso. Sua obra só começou ser publicada postumamente.
Sua obra, influenciada também pela sua personalidade adolescente, revela
ambiguidade, indecisão: ora aspira aos amores virginais e idealiza a mulher,
ora descreve-a erotizada e degradada. Brumas, visões, sonhos e
sentimentalidade cedem lugar muitas vezes ao realismo humorístico, ao
cinismo e a irreverência. Revelando uma dúbia inclinação pela mãe e pela
irmã, a imagem punitiva da mãe talvez tivesse contribuído para a sua
oscilação entre o erotismo e a moralidade.
Foi o poeta brasileiro que mais se deixou contagiar pelo mal-do-século,
influenciado sobretudo pela leitura de autores como Byron e Musset: a
temática do tédio e da morte, o ceticismo e o culto do funéreo atravessam
toda a sua obra; a angústia, a descrença e o satanismo estão presentes até
mesmo no lirismo amoroso, no qual o amor e a felicidade se mostram como
coisas inatingíveis.
3ª GERAÇÃO ROMÂNTICA
CONDOREIRA
As ideias liberais, abolicionistas e republicanas formam a
base do pensamento da inteligência brasileira a partir da
década de 1870, que concentra a produção da chamada
Terceira Geração do Romantismo e marca o início da
transição para o Realismo. Influenciados pela filosofia
positivista e pelo evolucionismo professado por Auguste
Conte, Charles Darwin e outros pensadores europeus,
escritores importantes como Tobias Barreto, Silvio Romero e
Capistrano de Abreu empenham-se na luta contra a
monarquia. Ao lado deles, intelectuais de vasta formação
humanística, como Joaquim Nabuco e Rui Barbosa, e poetas
de grande expressão, como Castro Alves, assumem papel de
destaque na divulgação do novo ideário.
Principal poeta: Castro Alves
CASTRO ALVES (1847-1871)
Antônio Frederico de Castro Alves nasceu na Fazenda Cabaceiras, perto da vila
de Curralinho, hoje cidade Castro Alves, no Estado da Bahia, a 14 de março de
1847 e morreu na cidade de Salvador, no mesmo Estado, a 06 de julho de
1871.
O mais brilhante dos poetas românticos brasileiros. Viveu os primeiros anos da
juventude no interior do sertão. Em 1864, foi para o Recife, estudar Direito. Aí,
começou desde logo a patentear uma notável vocação poética e a demonstrar
dotes oratórios pouco comuns, que mais tarde fizeram dele um dos arautos do
movimento abolicionista e da causa republicana.
Em 1867, conheceu a atriz teatral Eugênia Câmara, por quem se apaixonou.
Acompanhou-a à Bahia, onde escreveu o drama em prosa, Gonzaga, ou A
Revolução de Minas, que ela representou.
Algum tempo depois, o poeta decidiu-se a viajar para o Sul, a fim de terminar
o curso de Direito em São Paulo. De passagem pelo Rio de Janeiro, conheceu
Machado de Assis, que o introduziu nos meios literários.
OBRAS
Para um poeta que morreu com 24 anos, deixou-nos
uma produção volumosa, esteticamente madura,
com um estilo rico em figuras que empolgam o leitor.
Vozes d’África e O navio negreiro são seus mais
divulgados poemas abolicionistas, ambos em sua
obra Os Escravos, dentro da qual alguns críticos
colocam 33 poemas publicados depois da morte do
poeta. Neles é patente a veia romântica de
endeusamento da natureza. É nesta poesia que ele se
mostra realmente condoreiro.
O poema O navio negreiro, assim datado pelo autor: “São Paulo, 18 de abril de
1868. “Ele é longo, feito para empolgar. O autor o divide em seis partes: a
majestade do mar, o destino dos marinheiros, o espanto com a triste cena que
ocorre no navio, a descrição detalhada da violência que lá está instalada, um
longo apelo a Deus para que acabe com toda essa barbárie e um grito ao Brasil
que é coautor desse crime.
O NAVIO NEGREIRO (TRAGÉDIA NO MAR) ) 4ª (Fragmento)
Era um sonho dantesco … O tombadilho
Que das luzernas avermelha o brilho,
Em sangue a se banhar.
Tinir de ferros… estalar de açoite…
Legiões de homens negros como a noite,
Horrendos a dançar…
Negras mulheres, suspendendo às tetas
Magras crianças, cujas bocas pretas
Rega o sangue das mães
Negras mulheres, suspendendo às tetas
Magras crianças, cujas bocas pretas
Rega o sangue das mães:
Outras moças, mas nuas e espantadas,
No turbilhão de espectros arrastadas,
Em ânsia e mágoa vãs!
E ri-se a orquestra irônica, estridente…
E da ronda fantástica a serpente
Faz doudas espirais …
Se o velho arqueja, se no chão resvala,
Ouvem-se gritos… o chicote estala.
E voam mais e mais…
Presa nos elos de uma só cadeia,
A multidão faminta cambaleia,
E chora e dança ali!
Um de raiva delira, outro enlouquece,
Outro, que martírios embrutece,
Cantando, geme e ri!
No entanto o capitão manda a manobra,
E após fitando o céu que se desdobra,
Tão puro sobre o mar,
Diz do fumo entre os densos nevoeiros:
“Vibrai rijo o chicote, marinheiros!
Fazei-os mais dançar!…”
E ri-se a orquestra irônica, estridente. . .
E da ronda fantástica a serpente
Faz doudas espirais…
Qual um sonho dantesco as sombras voam!…
Gritos, ais, maldições, preces ressoam!
E ri-se Satanás!…

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
Luciene Gomes
 
segunda geração romântica
segunda geração românticasegunda geração romântica
segunda geração romântica
alinesantana1422
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
Fernando Moreira
 
Literatura: Primeira Geração Romântica Brasileira
Literatura: Primeira Geração Romântica BrasileiraLiteratura: Primeira Geração Romântica Brasileira
Literatura: Primeira Geração Romântica Brasileira
Ingrit Silva Sampaio
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
Marcimária Xavier
 
Slides Humanismo
Slides   HumanismoSlides   Humanismo
Slides Humanismo
ISJ
 
2ª e 3ª geração romântica
2ª e 3ª geração romântica2ª e 3ª geração romântica
2ª e 3ª geração romântica
Andriane Cursino
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
Adriana Masson
 
Realismo - Naturalismo
Realismo - NaturalismoRealismo - Naturalismo
Realismo - Naturalismo
Andriane Cursino
 
Realismo no brasil ll
Realismo no brasil llRealismo no brasil ll
Realismo no brasil ll
Thais Oliveira
 
2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo
Gabriel Luck
 
Romantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasilRomantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasil
Josi Motta
 
O romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geraçãoO romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geração
Antonio Minharro
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Quezia Neves
 
O manifesto
O manifestoO manifesto
O manifesto
ma.no.el.ne.ves
 
A geração de 45
A geração de 45A geração de 45
A geração de 45
Claudia Ribeiro
 
Realismo Português
Realismo PortuguêsRealismo Português
Realismo Português
Vitor Barreto
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Lucas Queiroz
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.
Ajudar Pessoas
 
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog
Luciene Gomes
 

Mais procurados (20)

Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
 
segunda geração romântica
segunda geração românticasegunda geração romântica
segunda geração romântica
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
 
Literatura: Primeira Geração Romântica Brasileira
Literatura: Primeira Geração Romântica BrasileiraLiteratura: Primeira Geração Romântica Brasileira
Literatura: Primeira Geração Romântica Brasileira
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
 
Slides Humanismo
Slides   HumanismoSlides   Humanismo
Slides Humanismo
 
2ª e 3ª geração romântica
2ª e 3ª geração romântica2ª e 3ª geração romântica
2ª e 3ª geração romântica
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
Realismo - Naturalismo
Realismo - NaturalismoRealismo - Naturalismo
Realismo - Naturalismo
 
Realismo no brasil ll
Realismo no brasil llRealismo no brasil ll
Realismo no brasil ll
 
2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo
 
Romantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasilRomantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasil
 
O romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geraçãoO romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geração
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
 
O manifesto
O manifestoO manifesto
O manifesto
 
A geração de 45
A geração de 45A geração de 45
A geração de 45
 
Realismo Português
Realismo PortuguêsRealismo Português
Realismo Português
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.
 
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog
 

Destaque

Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Evandro Batista
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
guest276c9
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Prof Palmito Rocha
 
Romantismo I
Romantismo IRomantismo I
Romantismo I
Ana Karina Silva
 
Romantismo contexto histórico e características
Romantismo   contexto histórico e característicasRomantismo   contexto histórico e características
Romantismo contexto histórico e características
VIVIAN TROMBINI
 
Romantismo em portugal aula 03
Romantismo em portugal   aula 03Romantismo em portugal   aula 03
Romantismo em portugal aula 03
xipolito
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
Slides Romantismo
Slides RomantismoSlides Romantismo
Slides Romantismo
mix1981
 
Romantismo contexto historico caracteristicas
Romantismo contexto historico caracteristicasRomantismo contexto historico caracteristicas
Romantismo contexto historico caracteristicas
Sirlene Rosa Santos
 
Aristóteles poética
Aristóteles   poéticaAristóteles   poética
Aristóteles poética
almar24
 
1 tragédia
1 tragédia1 tragédia
1 tragédia
Ana Maria Accorsi
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Revisão de literatura
Revisão de literaturaRevisão de literatura
Revisão de literatura
CrisBiagio
 
Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
Marcos Souza
 
Slide introdução ao romantismo
Slide introdução ao romantismoSlide introdução ao romantismo
Slide introdução ao romantismo
Elaine Chiullo
 
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
FOLHA NAZA
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Lurdes Augusto
 
Literatura romantismo
Literatura romantismoLiteratura romantismo
Literatura romantismo
Cristina Medina
 
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
Isabelle Ribeiro
 

Destaque (20)

Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo I
Romantismo IRomantismo I
Romantismo I
 
Romantismo contexto histórico e características
Romantismo   contexto histórico e característicasRomantismo   contexto histórico e características
Romantismo contexto histórico e características
 
Romantismo em portugal aula 03
Romantismo em portugal   aula 03Romantismo em portugal   aula 03
Romantismo em portugal aula 03
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Slides Romantismo
Slides RomantismoSlides Romantismo
Slides Romantismo
 
Romantismo contexto historico caracteristicas
Romantismo contexto historico caracteristicasRomantismo contexto historico caracteristicas
Romantismo contexto historico caracteristicas
 
Aristóteles poética
Aristóteles   poéticaAristóteles   poética
Aristóteles poética
 
1 tragédia
1 tragédia1 tragédia
1 tragédia
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Revisão de literatura
Revisão de literaturaRevisão de literatura
Revisão de literatura
 
Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula
Romantismo - aula
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
Slide introdução ao romantismo
Slide introdução ao romantismoSlide introdução ao romantismo
Slide introdução ao romantismo
 
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
Romantismo no Brasil(trabalho 2ºano)
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
 
Literatura romantismo
Literatura romantismoLiteratura romantismo
Literatura romantismo
 
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
O romantismo em Portugal (Romanticism in Portugal)
 

Semelhante a Romantismo

Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Daniel Leitão
 
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europaRomantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Igor Moura
 
Romantismo em textos e imagens
Romantismo em textos e imagensRomantismo em textos e imagens
Romantismo em textos e imagens
kacau
 
Romantismo No Brasil
Romantismo No BrasilRomantismo No Brasil
Romantismo No Brasil
martinsramon
 
Romantismo 1
Romantismo 1Romantismo 1
Romantismo 1
nixsonmachado
 
webnode
webnodewebnode
webnode
pauloyjosiele
 
Concepção do amor romântico.
Concepção do amor romântico.Concepção do amor romântico.
Concepção do amor romântico.
Fábio Oliveira
 
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Alexandre Barbosa
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
GreenDragon123
 
Romantismo.
Romantismo.Romantismo.
Romantismo.
Ana Sales
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
miovi
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Amanda Resende
 
Romantismo i
Romantismo iRomantismo i
Romantismo i
Davison Assis
 
ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL/ POESIA E PROSA
ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL/ POESIA E PROSAROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL/ POESIA E PROSA
ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL/ POESIA E PROSA
RegileneCutrim1
 
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
WandersonBarros16
 
Set 1em o romantismo no brasil
Set 1em o romantismo no brasilSet 1em o romantismo no brasil
Set 1em o romantismo no brasil
Natalia Cristine
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Evandro Batista
 
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdfromantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
ANNAPAULAAIRESDESOUZ
 
Romantismo no brasil geral
Romantismo no brasil   geralRomantismo no brasil   geral
Romantismo no brasil geral
VIVIAN TROMBINI
 
Características do Romantismo e Romance Romântico
Características do Romantismo e Romance RomânticoCaracterísticas do Romantismo e Romance Romântico
Características do Romantismo e Romance Romântico
Thiago Rodrigues
 

Semelhante a Romantismo (20)

Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europaRomantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
Romantismo primeira & segunda geração e romantismo na europa
 
Romantismo em textos e imagens
Romantismo em textos e imagensRomantismo em textos e imagens
Romantismo em textos e imagens
 
Romantismo No Brasil
Romantismo No BrasilRomantismo No Brasil
Romantismo No Brasil
 
Romantismo 1
Romantismo 1Romantismo 1
Romantismo 1
 
webnode
webnodewebnode
webnode
 
Concepção do amor romântico.
Concepção do amor romântico.Concepção do amor romântico.
Concepção do amor romântico.
 
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
Romantismo1836 1881-121031124003-phpapp02
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo.
Romantismo.Romantismo.
Romantismo.
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo i
Romantismo iRomantismo i
Romantismo i
 
ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL/ POESIA E PROSA
ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL/ POESIA E PROSAROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL/ POESIA E PROSA
ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL/ POESIA E PROSA
 
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
03a37350dc3539a02f66d544e6326e74.pdf
 
Set 1em o romantismo no brasil
Set 1em o romantismo no brasilSet 1em o romantismo no brasil
Set 1em o romantismo no brasil
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdfromantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
romantismo1836-1881-121031124003-phpapp02.pdf
 
Romantismo no brasil geral
Romantismo no brasil   geralRomantismo no brasil   geral
Romantismo no brasil geral
 
Características do Romantismo e Romance Romântico
Características do Romantismo e Romance RomânticoCaracterísticas do Romantismo e Romance Romântico
Características do Romantismo e Romance Romântico
 

Último

Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 

Último (20)

Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 

Romantismo

  • 2. ROMANTISMO CONTEXTO HISTÓRICO- CULTURAL • O Romantismo está ligado a dois acontecimentos: a Revolução Francesa e a Revolução Industrial, responsáveis pela formação da sociedade burguesa. Depois da revolução francesa (1787-1789), seguiu-se uma época de rápidas e profundas mudanças no mundo europeu. A sociedade se tornou muito mais complexa.
  • 3. A Revolução Industrial gerou novos investimentos que buscavam solucionar os problemas técnicos decorrentes do aumento de produção. Sua consequência mais evidente foi a divisão do trabalho e o início da especialização da mão-de-obra. Após a Revolução Francesa, o absolutismo entrou em crise, cedendo lugar ao liberalismo (doutrina fundamentada na crença da capacidade individual do homem). A economia da época estimula a livre iniciativa, a livre empresa. O individualismo tornou-se um valor básico da sociedade da época. O progresso político, econômico e social da burguesia, portanto, preparou terreno para que surgisse um fenômeno cultural baseado na liberdade de criação e expressão e na supremacia do indivíduo, que não mais obedece a padrões preestabelecidos. Foi nesse contexto que surgiu o Romantismo.
  • 4. O romântico é um descontente com o mundo de seu tempo: tenta fugir dele ou modificá-lo. Tudo isso significa, na arte, uma ruptura com os padrões clássicos e neoclássicos até então em moda. O Romantismo literário surgiu na Alemanha, por volta de 1800, conquistou a Inglaterra, a França e, posteriormente, todas as literaturas europeias e americanas.
  • 5. CARACTERÍSTICAS • Como nas demais artes, as características da literatura romântica decorrem de uma visão de mundo centrada no indivíduo. Essa subjetividade expressa-se sobretudo em:
  • 6. a) Liberdade de criação: A recriação da realidade não obedece mais a esquemas preestabelecidos. Não se aceitam mais as fontes grega e romana como modelos de criação literária. A proposta romântica é não aceitar nenhum modelo, ele se expressa através de uma atitude pessoal, individual e única. O não- conformismo aos valores estabelecidos é a marca registrada do romântico.
  • 7. b) Sentimentalismo: O romântico analisa e expressa a realidade por meio dos sentimentos. Isso equivale a dizer que a razão fica em segundo plano. O romântico acredita que só sentimentalmente se consegue traduzir aquilo que ocorre no interior do indivíduo. Por isso, é o sentimento de cada um que define a importância ou não das coisas.
  • 8. c) Mal do século (Idealização do mundo): Os escritores buscavam um mundo perfeito e ideal, onde houvesse compensação para seu sofrimento. d) Evasão e sonho: O romântico foge da realidade para um mundo imaginário, criado a partir de sonhos e emoções pessoais. e) Eleição de heróis grandiosos: Na ânsia da glória, de infinito, o herói criado pelo escritor romântico não se contenta com o mundo em que vive. Por isso, ele o desafia, numa atitude rebelde que se volta contra a sociedade, contra o destino e até contra Deus.
  • 9. f ) Senso de Mistério: Na compreensão do mundo, o romântico deixa a razão em segundo plano. Por isso, está disponível para aceitar as coisas misteriosas, inexplicáveis, fantásticas, sobrenaturais, elementos que valoriza e incorpora em suas obras. g) Supervalorização do amor: O amor é considerado a coisa mais importante da vida e, como tal, constitui o tema mais frequente do Romantismo. A perda do amor leva a três consequências básicas: a loucura, a morte ou o suicídio. h) Subjetivismo: De uma visão universalista do homem (Classicismo) passa-se a uma visão individualista. A realidade é revelada pelo impulso pessoal do artista e não pela imposição dos moldes clássicos.
  • 10. ROMANTISMO NO BRASIL (1836-1881) CONTEXTO HISTÓRICO-CULTURAL
  • 11. O país assiste, no início do século XIX, ao fato que vai desencadear sua independência política e social: a vinda da família real ao Brasil. Logo após a chegada da corte de D. João VI ao Rio de Janeiro, tem lugar uma série de transformações sociais e econômicas que visavam possibilitar o funcionamento da administração do governo. A vinda da família real cria uma nova metrópole: o Rio de Janeiro. Aos poucos, o sentimento anticolonialista do povo brasileiro começa a se fazer perceber, gerando também nossa independência política em 1822.
  • 12. LITERATURA • 1836- O poeta Gonçalves de Magalhães publica Suspiros poéticos e saudades, obra que é considerada o marco inicial do Romantismo brasileiro. • 1881- Publicam-se o Mulato de Aluísio Azevedo e Memórias póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis, que inauguram um novo estilo de época: o Realismo/Naturalismo. Esse fato marca o fim do Romantismo no Brasil. • No continente americano, a aparição do Romantismo é tardia, por causa da dependência cultural em relação à Europa. No Brasil, o período romântico tem que ser compreendido paralelamente ao processo de Independência política.
  • 13. É fundamental levar em conta dois fatores: • a) o desejo consciente de enfatizar o nacionalismo, o orgulho patriótico. • b) o desejo consciente de exprimir, no plano literário, a independência, ou seja, de criar uma literatura independente da portuguesa. • O Romantismo brasileiro repete muitas características do Romantismo europeu. No entanto, o Romantismo brasileiro criou a consciência nacionalista. Os escritores deste período tentaram utilizar na poesia os elementos que constituem o nacionalismo. Neste sentido, procuram realçar a nossa natureza e o nosso índio. Desta consciência de brasilidade decorrem as características específicas do Romantismo que aqui se desenvolveu:
  • 14. a) Ênfase na cor local • A descrição da paisagem tropical, com sua variedade de aspectos, muito diferente da europeia, indica uma tomada de consciência e uma afirmação daquilo que é característico de cada país. No caso do Brasil, a descrição idealizada do ambiente natural transformou- se numa das características mais marcantes da literatura romântica.
  • 15. b) Indianismo • Foi a forma mais representativa do nacionalismo literário. Corresponde no Brasil, à busca de um legítimo antepassado nacional, já que não possuíramos Idade Média com heróis típicos. Por outro lado a figura do índio foi idealizada pelos escritores românticos com a finalidade de nivelar esse nosso antepassado ao português colonizador. O índio romântico é sempre bom, nobre, bonito e cavaleiro generoso; e, com essas características, passou a ser o símbolo da nossa independência espiritual, social, política e literária.
  • 16. 1ª GERAÇÃO ROMÂNTICA NACIONALISTA ou INDIANISTA • Marcada por: exaltação da natureza, volta ao passado histórico, medievalismo e criação do herói nacional na figura do índio, donde a denominação indianista. O sentimentalismo e a religiosidade também são características marcantes.
  • 17. GONÇALVES DIAS (1823 –1864) Filho de um comerciante português e de uma mestiça, corria em suas veias sangue branco, índio e negro. Em 1838, viajou para Coimbra, onde se matriculou no curso de Direito. Em 1846, retornou ao Rio de Janeiro. Foi professor do Colégio Pedro II e oficial da Secretaria dos Negócios Estrangeiros. Em 1864, ao regressar de uma viagem da Europa, onde se encontrava em tratamento de saúde (estava tuberculoso), morreu em naufrágio na costa do Maranhão. Natureza e saudade se entrelaçam na obra de Gonçalves dias. A nostalgia, o retorno ao passado e a exaltação da pátria também caracterizam a sua obra. As lamentações pelo amor impossível, os anseios, as inquietações, os desencantos caracterizam o lirismo amoroso desse autor, que muitas vezes se identifica com a atitude de vassalagem do trovador medieval.
  • 18. Do ponto de vista temático, o indianismo dominou sua obra: idealizou o indígena, ressaltando seu sentimento de honra e nobreza de caráter, descreveu o índio como herói, procurando torná-lo símbolo de toda uma raça, capaz de categorizar o brasileiro em face do europeu; exaltou a natureza em que viviam os selvagens e procurou interpretar a psicologia do índio brasileiro. Uma síntese disso é I-Juca Pirama (pronuncia-se iuca-pirama, que significa “o que há de ser morto”). O poema narra a história de um guerreiro tupi aprisionado pelos timbiras. No momento da execução, exalta a sua bravura, mas pede clemência, pois dele dependia a sobrevivência do pai, cego e doente. Considerado covarde pelo chefe dos timbiras, é solto. Ao reencontrar o pai, este o amaldiçoa pela perda da honra. O jovem arma-se e torna a lutar com os timbiras, é abatido, recupera sua honra e recebe o perdão do pai.
  • 19. 2ª GERAÇÃO ROMÂNTICA MAL DO SÉCULO ou ULTRARROMANTISMO
  • 20. Inspirados pelo inglês Byron, pelo italiano Giacomo Leopardi e pelos franceses Alphonse de Lamartine e Alfred de Musset, os poetas da segunda geração escrevem poemas que sugerem uma entrega total aos caprichos da sensibilidade e da fantasia, abordando temas que vão do vulgar ao sublime, do poético ao sarcástico e ao prosaico. A morte precoce ajudou a compor a mística em torno desses poetas de inspiração byroniana, que não raro fazem apologia da misantropia e do narcisismo, cultivam paixões incestuosas, macabras, demoníacas e mórbidas.
  • 21. ÁLVARES DE AZEVEDO (São Paulo 1831 – 1852 Rio de Janeiro) Bacharelou-se pelo Colégio Pedro II (RJ) e matriculou-se na Faculdade de Direito de São Paulo, em 1848. A morte prematura, no entanto, impediu-o de concluir o curso. Sua obra só começou ser publicada postumamente. Sua obra, influenciada também pela sua personalidade adolescente, revela ambiguidade, indecisão: ora aspira aos amores virginais e idealiza a mulher, ora descreve-a erotizada e degradada. Brumas, visões, sonhos e sentimentalidade cedem lugar muitas vezes ao realismo humorístico, ao cinismo e a irreverência. Revelando uma dúbia inclinação pela mãe e pela irmã, a imagem punitiva da mãe talvez tivesse contribuído para a sua oscilação entre o erotismo e a moralidade. Foi o poeta brasileiro que mais se deixou contagiar pelo mal-do-século, influenciado sobretudo pela leitura de autores como Byron e Musset: a temática do tédio e da morte, o ceticismo e o culto do funéreo atravessam toda a sua obra; a angústia, a descrença e o satanismo estão presentes até mesmo no lirismo amoroso, no qual o amor e a felicidade se mostram como coisas inatingíveis.
  • 22. 3ª GERAÇÃO ROMÂNTICA CONDOREIRA As ideias liberais, abolicionistas e republicanas formam a base do pensamento da inteligência brasileira a partir da década de 1870, que concentra a produção da chamada Terceira Geração do Romantismo e marca o início da transição para o Realismo. Influenciados pela filosofia positivista e pelo evolucionismo professado por Auguste Conte, Charles Darwin e outros pensadores europeus, escritores importantes como Tobias Barreto, Silvio Romero e Capistrano de Abreu empenham-se na luta contra a monarquia. Ao lado deles, intelectuais de vasta formação humanística, como Joaquim Nabuco e Rui Barbosa, e poetas de grande expressão, como Castro Alves, assumem papel de destaque na divulgação do novo ideário. Principal poeta: Castro Alves
  • 23. CASTRO ALVES (1847-1871) Antônio Frederico de Castro Alves nasceu na Fazenda Cabaceiras, perto da vila de Curralinho, hoje cidade Castro Alves, no Estado da Bahia, a 14 de março de 1847 e morreu na cidade de Salvador, no mesmo Estado, a 06 de julho de 1871. O mais brilhante dos poetas românticos brasileiros. Viveu os primeiros anos da juventude no interior do sertão. Em 1864, foi para o Recife, estudar Direito. Aí, começou desde logo a patentear uma notável vocação poética e a demonstrar dotes oratórios pouco comuns, que mais tarde fizeram dele um dos arautos do movimento abolicionista e da causa republicana. Em 1867, conheceu a atriz teatral Eugênia Câmara, por quem se apaixonou. Acompanhou-a à Bahia, onde escreveu o drama em prosa, Gonzaga, ou A Revolução de Minas, que ela representou. Algum tempo depois, o poeta decidiu-se a viajar para o Sul, a fim de terminar o curso de Direito em São Paulo. De passagem pelo Rio de Janeiro, conheceu Machado de Assis, que o introduziu nos meios literários.
  • 24. OBRAS Para um poeta que morreu com 24 anos, deixou-nos uma produção volumosa, esteticamente madura, com um estilo rico em figuras que empolgam o leitor. Vozes d’África e O navio negreiro são seus mais divulgados poemas abolicionistas, ambos em sua obra Os Escravos, dentro da qual alguns críticos colocam 33 poemas publicados depois da morte do poeta. Neles é patente a veia romântica de endeusamento da natureza. É nesta poesia que ele se mostra realmente condoreiro.
  • 25. O poema O navio negreiro, assim datado pelo autor: “São Paulo, 18 de abril de 1868. “Ele é longo, feito para empolgar. O autor o divide em seis partes: a majestade do mar, o destino dos marinheiros, o espanto com a triste cena que ocorre no navio, a descrição detalhada da violência que lá está instalada, um longo apelo a Deus para que acabe com toda essa barbárie e um grito ao Brasil que é coautor desse crime.
  • 26. O NAVIO NEGREIRO (TRAGÉDIA NO MAR) ) 4ª (Fragmento) Era um sonho dantesco … O tombadilho Que das luzernas avermelha o brilho, Em sangue a se banhar. Tinir de ferros… estalar de açoite… Legiões de homens negros como a noite, Horrendos a dançar… Negras mulheres, suspendendo às tetas Magras crianças, cujas bocas pretas Rega o sangue das mães Negras mulheres, suspendendo às tetas Magras crianças, cujas bocas pretas Rega o sangue das mães: Outras moças, mas nuas e espantadas, No turbilhão de espectros arrastadas, Em ânsia e mágoa vãs! E ri-se a orquestra irônica, estridente… E da ronda fantástica a serpente Faz doudas espirais … Se o velho arqueja, se no chão resvala, Ouvem-se gritos… o chicote estala. E voam mais e mais…
  • 27. Presa nos elos de uma só cadeia, A multidão faminta cambaleia, E chora e dança ali! Um de raiva delira, outro enlouquece, Outro, que martírios embrutece, Cantando, geme e ri! No entanto o capitão manda a manobra, E após fitando o céu que se desdobra, Tão puro sobre o mar, Diz do fumo entre os densos nevoeiros: “Vibrai rijo o chicote, marinheiros! Fazei-os mais dançar!…” E ri-se a orquestra irônica, estridente. . . E da ronda fantástica a serpente Faz doudas espirais… Qual um sonho dantesco as sombras voam!… Gritos, ais, maldições, preces ressoam! E ri-se Satanás!…