SlideShare uma empresa Scribd logo
Povos que não
falavam o latim, não
eram cristãos,
portanto não
compartilhavam dos
costumes, da
mentalidade e do
comportamento
(cultura)
estabelecidos pelos
romanos.
Relembrando
Relembrando
A INVASÃO DOS POVOS BÁRBAROS
A partir do século III, os germanos começaram a
invadir o território romano. Essa invasão nem sempre
era pacífica, por vezes os grupos guerreiros conseguiam
vencer os exércitos de Roma e ocupavam territórios do
Império Romano.
No século V, entretanto, movidos pela necessidade
de terras férteis e temendo o avanço de outros
povos bárbaros (hunos), os germanos promoveram
uma maciça invasão no enfraquecido Império Romano do
Ocidente, devastando cidades e campos.
OS POVOS BÁRBAROS
Dentre os principais povos
bárbaros estavam os
germanos. Esse grupo
habitavam a região
norte da Europa,
denominada Germânia.
Eram considerados
“bárbaros”, pois não
possuíam aspectos da
cultura romana.
Dividiam-se em
numerosas tribos.
Outros povos bárbaros que se destacaram,
além dos povos germânicos, foram os:
 os ESLAVOS – provenientes da Europa Oriental e
da Ásia compreendiam os russos, tchecos, poloneses,
sérvios, entre outros.
 os TÁRTAROS-MONGÓIS – eram de origem
asiáticos. Faziam parte desse grupo as tribos dos hunos,
turcos, búlgaros, entre outros.
Os povos germânicos vão pouco a pouco invadindo o
território do Império Romano do Ocidente e
lentamente foram dominando vastas áreas e acabam
por formar REINOS.
Dentre as características dos
Germanos destacam-se:
 A GUERRA era a
atividade de maior prestígio
para esses grupos.
 Formavam bandos
chamados COMITATUS
(assembleia de
companheiros, onde
dividiam o espólio da guerra
(BUTIM)).
O direito era CONSUETUDINÁRIO, ou seja,
baseado no costumes orais.
Havia uma fragilidade das instituições estatais.
Sociedade germânica era patriarcal e as decisões
mais importantes eram tomadas pelo chefe de cada grupo
familiar.
 Os germânicos praticavam a agricultura e criavam
animais, como também a caça e a pesca.
 Também praticavam o comércio trocando como produtos
madeira e peles por armas, tecidos, ouro e prata.
Esses povos eram POLITEÍSTAS.
Eram animistas, ou seja, adoravam as forças da
natureza (trovão, sol, raio, lua).
Acreditavam na vida após a morte e diziam que
os guerreiros mortos nos campos da batalha eram
levados pelas valquírias (deusas da guerra) até uma
espécie de paraíso, denominado Valhala.
Suas principais divindades eram: Odin, Tiwas e
Thor.
Senhor dos mortos, do
comércio, da guerra e das
tempestades.
Protetor dos camponeses, cujos
braços lançavam raios.
Deus que comandava o céu e
dirigia as assembleias.
No processo de conquista
do Império Romano do
Ocidente os bárbaros
germanos assimilaram
muitos traços da cultura
romana, como se pode
observar na organização de
seus reinos e na ADOÇÃO
DO LATIM como língua
oficial.
Na política, era necessário o estabelecimento de um
governo estável e estruturado. Adotaram a
monarquia inicialmente eletiva e depois
hereditária .Os chefes germanos,
copiando os romanos,
criaram Códigos de Leis
e seus conselheiros eram
requisitados entre
os romanos mais cultos
e experientes.
Na economia as invasões germanas
precipitaram a decadência econômica e
a RURALIZAÇÃO da Europa Ocidental.
O Mar Mediterrâneo continuava sendo a via
de comunicação com outros povos do Oriente.
Os novos reinos converteram-se progressivamente ao
catolicismo e aceitaram a AUTORIDADE DA IGREJA
CATÓLICA. Com a ruptura da antiga unidade romana, a
Igreja tornou-se a única instituição universal europeia.
Página 36 Nº 10
Folha de Atividades (“Os Povos Bárbaros”)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A crise no império romano
A crise no império romanoA crise no império romano
A crise no império romano
Nilton Silva Jardim Junior
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
guest39d69919
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Aulas de História
 
1º ano - Civilização Árabe
1º ano - Civilização Árabe 1º ano - Civilização Árabe
1º ano - Civilização Árabe
Daniel Alves Bronstrup
 
Barbaros
BarbarosBarbaros
Barbaros
Lilian Larroca
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Janaína Tavares
 
O declínio do Imperio Romano
O declínio do Imperio RomanoO declínio do Imperio Romano
O declínio do Imperio Romano
Janayna Lira
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
harlissoncarvalho
 
O fim do Império Romano
O fim do Império RomanoO fim do Império Romano
O fim do Império Romano
Patrícia Costa Grigório
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
Eduard Henry
 
Povos barbaros
Povos barbarosPovos barbaros
Povos barbaros
Marcos Souza
 
Slides bizantinos 1º. ano
Slides bizantinos    1º. anoSlides bizantinos    1º. ano
Slides bizantinos 1º. ano
Fatima Freitas
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
Nila Michele Bastos Santos
 
História Idade Média (Francos)
História Idade Média (Francos)História Idade Média (Francos)
História Idade Média (Francos)
Giorgia Marrone
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
Norberto Correa
 
Civilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-ColombianasCivilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-Colombianas
joana71
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
Nívia Sales
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Paulo Alexandre
 
Mineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil ColôniaMineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil Colônia
Jerry Guimarães
 
A economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasilA economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasil
Rogerio Alves
 

Mais procurados (20)

A crise no império romano
A crise no império romanoA crise no império romano
A crise no império romano
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
1º ano - Civilização Árabe
1º ano - Civilização Árabe 1º ano - Civilização Árabe
1º ano - Civilização Árabe
 
Barbaros
BarbarosBarbaros
Barbaros
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
O declínio do Imperio Romano
O declínio do Imperio RomanoO declínio do Imperio Romano
O declínio do Imperio Romano
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
O fim do Império Romano
O fim do Império RomanoO fim do Império Romano
O fim do Império Romano
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
 
Povos barbaros
Povos barbarosPovos barbaros
Povos barbaros
 
Slides bizantinos 1º. ano
Slides bizantinos    1º. anoSlides bizantinos    1º. ano
Slides bizantinos 1º. ano
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
 
História Idade Média (Francos)
História Idade Média (Francos)História Idade Média (Francos)
História Idade Média (Francos)
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
Civilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-ColombianasCivilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-Colombianas
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Mineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil ColôniaMineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil Colônia
 
A economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasilA economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasil
 

Destaque

A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
Nefer19
 
O Renascimento - 7º Ano (2016)
O Renascimento  - 7º Ano (2016)O Renascimento  - 7º Ano (2016)
O Renascimento - 7º Ano (2016)
Nefer19
 
Guia de análises de acidentes de trabalho
Guia de análises de acidentes de trabalhoGuia de análises de acidentes de trabalho
Guia de análises de acidentes de trabalho
Josué Sampaio
 
Aspectos populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2017)
Aspectos populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2017)Aspectos populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2017)
Aspectos populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
Ap. fundamentos bioquímica
Ap. fundamentos bioquímicaAp. fundamentos bioquímica
Ap. fundamentos bioquímica
Fernanda Sanches
 
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)
Nefer19
 
Analema de Vitruvius dos relógios solares até o relógio de sol plano horizon...
Analema de Vitruvius  dos relógios solares até o relógio de sol plano horizon...Analema de Vitruvius  dos relógios solares até o relógio de sol plano horizon...
Analema de Vitruvius dos relógios solares até o relógio de sol plano horizon...
Marcos Calil
 
História da Astronomia - Johannes Kepler - Parte 6 de 7
História da Astronomia - Johannes Kepler - Parte 6 de 7História da Astronomia - Johannes Kepler - Parte 6 de 7
História da Astronomia - Johannes Kepler - Parte 6 de 7
Instituto Iprodesc
 
4.2015 2.observação de objetos celestes noturnos
4.2015 2.observação de objetos celestes noturnos4.2015 2.observação de objetos celestes noturnos
4.2015 2.observação de objetos celestes noturnos
Instituto Iprodesc
 
História da Astronomia - Copérnico e Tycho Brahe - Parte 4 de 7
História da Astronomia - Copérnico e Tycho Brahe - Parte 4 de 7História da Astronomia - Copérnico e Tycho Brahe - Parte 4 de 7
História da Astronomia - Copérnico e Tycho Brahe - Parte 4 de 7
Instituto Iprodesc
 
A Divisão da História (2017) - 6º Ano
A Divisão da História (2017) - 6º AnoA Divisão da História (2017) - 6º Ano
A Divisão da História (2017) - 6º Ano
Nefer19
 
Relogio de sol analematico calil
Relogio de sol analematico calilRelogio de sol analematico calil
Relogio de sol analematico calil
Instituto Iprodesc
 
As Regiões do Brasil - 7º Ano (2017)
As Regiões do Brasil - 7º Ano (2017)As Regiões do Brasil - 7º Ano (2017)
As Regiões do Brasil - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
Ficha 5 Astronomia Diurna 2014
Ficha 5 Astronomia Diurna 2014Ficha 5 Astronomia Diurna 2014
Ficha 5 Astronomia Diurna 2014
Instituto Iprodesc
 
Panorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo Brasil
Panorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo BrasilPanorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo Brasil
Panorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo Brasil
Sydney Dias
 
As coordenadas geográficas - 6º ANO (2016)
As coordenadas geográficas - 6º ANO (2016)As coordenadas geográficas - 6º ANO (2016)
As coordenadas geográficas - 6º ANO (2016)
Nefer19
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
Localizando Objetos celestes no Stellarium
Localizando Objetos celestes no StellariumLocalizando Objetos celestes no Stellarium
Localizando Objetos celestes no Stellarium
Instituto Iprodesc
 
Rochas e solos
Rochas e solosRochas e solos
Rochas e solos
Guilherme Ribeiro
 
Aspectos populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2016)
Aspectos populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2016)Aspectos populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2016)
Aspectos populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2016)
Nefer19
 

Destaque (20)

A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
 
O Renascimento - 7º Ano (2016)
O Renascimento  - 7º Ano (2016)O Renascimento  - 7º Ano (2016)
O Renascimento - 7º Ano (2016)
 
Guia de análises de acidentes de trabalho
Guia de análises de acidentes de trabalhoGuia de análises de acidentes de trabalho
Guia de análises de acidentes de trabalho
 
Aspectos populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2017)
Aspectos populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2017)Aspectos populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2017)
Aspectos populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2017)
 
Ap. fundamentos bioquímica
Ap. fundamentos bioquímicaAp. fundamentos bioquímica
Ap. fundamentos bioquímica
 
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)
 
Analema de Vitruvius dos relógios solares até o relógio de sol plano horizon...
Analema de Vitruvius  dos relógios solares até o relógio de sol plano horizon...Analema de Vitruvius  dos relógios solares até o relógio de sol plano horizon...
Analema de Vitruvius dos relógios solares até o relógio de sol plano horizon...
 
História da Astronomia - Johannes Kepler - Parte 6 de 7
História da Astronomia - Johannes Kepler - Parte 6 de 7História da Astronomia - Johannes Kepler - Parte 6 de 7
História da Astronomia - Johannes Kepler - Parte 6 de 7
 
4.2015 2.observação de objetos celestes noturnos
4.2015 2.observação de objetos celestes noturnos4.2015 2.observação de objetos celestes noturnos
4.2015 2.observação de objetos celestes noturnos
 
História da Astronomia - Copérnico e Tycho Brahe - Parte 4 de 7
História da Astronomia - Copérnico e Tycho Brahe - Parte 4 de 7História da Astronomia - Copérnico e Tycho Brahe - Parte 4 de 7
História da Astronomia - Copérnico e Tycho Brahe - Parte 4 de 7
 
A Divisão da História (2017) - 6º Ano
A Divisão da História (2017) - 6º AnoA Divisão da História (2017) - 6º Ano
A Divisão da História (2017) - 6º Ano
 
Relogio de sol analematico calil
Relogio de sol analematico calilRelogio de sol analematico calil
Relogio de sol analematico calil
 
As Regiões do Brasil - 7º Ano (2017)
As Regiões do Brasil - 7º Ano (2017)As Regiões do Brasil - 7º Ano (2017)
As Regiões do Brasil - 7º Ano (2017)
 
Ficha 5 Astronomia Diurna 2014
Ficha 5 Astronomia Diurna 2014Ficha 5 Astronomia Diurna 2014
Ficha 5 Astronomia Diurna 2014
 
Panorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo Brasil
Panorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo BrasilPanorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo Brasil
Panorama Dos Biocombustiveis no BrasilNo Brasil
 
As coordenadas geográficas - 6º ANO (2016)
As coordenadas geográficas - 6º ANO (2016)As coordenadas geográficas - 6º ANO (2016)
As coordenadas geográficas - 6º ANO (2016)
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)
 
Localizando Objetos celestes no Stellarium
Localizando Objetos celestes no StellariumLocalizando Objetos celestes no Stellarium
Localizando Objetos celestes no Stellarium
 
Rochas e solos
Rochas e solosRochas e solos
Rochas e solos
 
Aspectos populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2016)
Aspectos populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2016)Aspectos populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2016)
Aspectos populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2016)
 

Semelhante a Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano

Povos bárbaros.pptx
Povos bárbaros.pptxPovos bárbaros.pptx
Povos bárbaros.pptx
GilvanaGiordani
 
A queda do império romano do ocidente
A queda do império romano do ocidenteA queda do império romano do ocidente
A queda do império romano do ocidente
Nelia Salles Nantes
 
A queda do império romano bárbaros
A queda do império romano bárbarosA queda do império romano bárbaros
A queda do império romano bárbaros
João Paulo
 
Da república para o império roma antiga
Da república para o império   roma antigaDa república para o império   roma antiga
Da república para o império roma antiga
historiando
 
Roma antiga da república ao império
Roma antiga   da república ao impérioRoma antiga   da república ao império
Roma antiga da república ao império
historiando
 
Alta idade média ok
Alta idade média   okAlta idade média   ok
Alta idade média ok
hillary2011
 
Os povos germânicos
Os povos germânicosOs povos germânicos
Os povos germânicos
Izaac Erder
 
Invasões bárbaras e império carolíngio
Invasões bárbaras e império carolíngioInvasões bárbaras e império carolíngio
Invasões bárbaras e império carolíngio
Fatima Freitas
 
A formação dos reinos bárbaros
A formação dos reinos bárbarosA formação dos reinos bárbaros
A formação dos reinos bárbaros
Ana Selma Sena Santos
 
Formação da europa feudal
Formação da europa feudalFormação da europa feudal
Formação da europa feudal
José Gomes
 
1 invasões bárbaras
1 invasões bárbaras1 invasões bárbaras
1 invasões bárbaras
Kerol Brombal
 
Povos Bárbaros e Feudalismo
Povos Bárbaros e FeudalismoPovos Bárbaros e Feudalismo
Povos Bárbaros e Feudalismo
REYSDS
 
Roma
RomaRoma
Os Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península IbéricaOs Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península Ibérica
HistN
 
As grandes civilizações ROMA
As grandes civilizações ROMAAs grandes civilizações ROMA
As grandes civilizações ROMA
Paulo Rogerio Corrêa
 
Vasco 5º a
Vasco 5º aVasco 5º a
Vasco 5º a
dafgpt
 
Os romanos
Os romanosOs romanos
Os romanos
Isabel Mendinhos
 
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
Joemille Leal
 
1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf
1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf
1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf
HelderCastro22
 
1ano aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01
1ano aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp011ano aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01
1ano aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01
edson lopes diniz
 

Semelhante a Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano (20)

Povos bárbaros.pptx
Povos bárbaros.pptxPovos bárbaros.pptx
Povos bárbaros.pptx
 
A queda do império romano do ocidente
A queda do império romano do ocidenteA queda do império romano do ocidente
A queda do império romano do ocidente
 
A queda do império romano bárbaros
A queda do império romano bárbarosA queda do império romano bárbaros
A queda do império romano bárbaros
 
Da república para o império roma antiga
Da república para o império   roma antigaDa república para o império   roma antiga
Da república para o império roma antiga
 
Roma antiga da república ao império
Roma antiga   da república ao impérioRoma antiga   da república ao império
Roma antiga da república ao império
 
Alta idade média ok
Alta idade média   okAlta idade média   ok
Alta idade média ok
 
Os povos germânicos
Os povos germânicosOs povos germânicos
Os povos germânicos
 
Invasões bárbaras e império carolíngio
Invasões bárbaras e império carolíngioInvasões bárbaras e império carolíngio
Invasões bárbaras e império carolíngio
 
A formação dos reinos bárbaros
A formação dos reinos bárbarosA formação dos reinos bárbaros
A formação dos reinos bárbaros
 
Formação da europa feudal
Formação da europa feudalFormação da europa feudal
Formação da europa feudal
 
1 invasões bárbaras
1 invasões bárbaras1 invasões bárbaras
1 invasões bárbaras
 
Povos Bárbaros e Feudalismo
Povos Bárbaros e FeudalismoPovos Bárbaros e Feudalismo
Povos Bárbaros e Feudalismo
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Os Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península IbéricaOs Romanos na Península Ibérica
Os Romanos na Península Ibérica
 
As grandes civilizações ROMA
As grandes civilizações ROMAAs grandes civilizações ROMA
As grandes civilizações ROMA
 
Vasco 5º a
Vasco 5º aVasco 5º a
Vasco 5º a
 
Os romanos
Os romanosOs romanos
Os romanos
 
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
História de roma antiga e o império romano/Dica Enem!
 
1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf
1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf
1ano-aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01.pdf
 
1ano aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01
1ano aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp011ano aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01
1ano aulaslide-feudalismo-110603215952-phpapp01
 

Mais de Nefer19

As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
China Antiga - 6º Ano (2018)
China Antiga - 6º Ano (2018)China Antiga - 6º Ano (2018)
China Antiga - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
Os Persas - 6º Ano (2018)
Os Persas - 6º Ano (2018)Os Persas - 6º Ano (2018)
Os Persas - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
Os Fenícios - 6º Ano (2018)
Os Fenícios - 6º Ano (2018)Os Fenícios - 6º Ano (2018)
Os Fenícios - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
O Renascimento - 7º Ano (2018)
O Renascimento - 7º Ano (2018)O Renascimento - 7º Ano (2018)
O Renascimento - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
As Diferentes Regionalizações do Brasil - 7º Ano (2018)
As Diferentes Regionalizações do Brasil - 7º Ano (2018)As Diferentes Regionalizações do Brasil - 7º Ano (2018)
As Diferentes Regionalizações do Brasil - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2018)
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2018)A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2018)
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2018)
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2018)O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2018)
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
Os Meios de Orientação - 6º Ano (2018)
Os Meios de Orientação - 6º Ano (2018)Os Meios de Orientação - 6º Ano (2018)
Os Meios de Orientação - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2018)
Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2018)Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2018)
Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
África Medieval - 7º Ano (2018)
África Medieval - 7º Ano (2018)África Medieval - 7º Ano (2018)
África Medieval - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
O Sistema Solar - 6º ANO (2018)
O Sistema Solar - 6º ANO (2018)O Sistema Solar - 6º ANO (2018)
O Sistema Solar - 6º ANO (2018)
Nefer19
 
O Brasil no Mundo - 7º Ano (2018)
O Brasil no Mundo - 7º Ano (2018)O Brasil no Mundo - 7º Ano (2018)
O Brasil no Mundo - 7º Ano (2018)
Nefer19
 

Mais de Nefer19 (20)

As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)
 
China Antiga - 6º Ano (2018)
China Antiga - 6º Ano (2018)China Antiga - 6º Ano (2018)
China Antiga - 6º Ano (2018)
 
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
 
Os Persas - 6º Ano (2018)
Os Persas - 6º Ano (2018)Os Persas - 6º Ano (2018)
Os Persas - 6º Ano (2018)
 
Os Fenícios - 6º Ano (2018)
Os Fenícios - 6º Ano (2018)Os Fenícios - 6º Ano (2018)
Os Fenícios - 6º Ano (2018)
 
O Renascimento - 7º Ano (2018)
O Renascimento - 7º Ano (2018)O Renascimento - 7º Ano (2018)
O Renascimento - 7º Ano (2018)
 
Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)
 
As Diferentes Regionalizações do Brasil - 7º Ano (2018)
As Diferentes Regionalizações do Brasil - 7º Ano (2018)As Diferentes Regionalizações do Brasil - 7º Ano (2018)
As Diferentes Regionalizações do Brasil - 7º Ano (2018)
 
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2018)
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2018)A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2018)
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2018)
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
 
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
 
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
 
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2018)
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2018)O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2018)
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2018)
 
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)
 
Os Meios de Orientação - 6º Ano (2018)
Os Meios de Orientação - 6º Ano (2018)Os Meios de Orientação - 6º Ano (2018)
Os Meios de Orientação - 6º Ano (2018)
 
Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2018)
Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2018)Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2018)
Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2018)
 
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)
 
África Medieval - 7º Ano (2018)
África Medieval - 7º Ano (2018)África Medieval - 7º Ano (2018)
África Medieval - 7º Ano (2018)
 
O Sistema Solar - 6º ANO (2018)
O Sistema Solar - 6º ANO (2018)O Sistema Solar - 6º ANO (2018)
O Sistema Solar - 6º ANO (2018)
 
O Brasil no Mundo - 7º Ano (2018)
O Brasil no Mundo - 7º Ano (2018)O Brasil no Mundo - 7º Ano (2018)
O Brasil no Mundo - 7º Ano (2018)
 

Último

Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Luana Neres
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 

Último (20)

Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 

Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano

  • 1.
  • 2. Povos que não falavam o latim, não eram cristãos, portanto não compartilhavam dos costumes, da mentalidade e do comportamento (cultura) estabelecidos pelos romanos.
  • 5. A INVASÃO DOS POVOS BÁRBAROS
  • 6. A partir do século III, os germanos começaram a invadir o território romano. Essa invasão nem sempre era pacífica, por vezes os grupos guerreiros conseguiam vencer os exércitos de Roma e ocupavam territórios do Império Romano. No século V, entretanto, movidos pela necessidade de terras férteis e temendo o avanço de outros povos bárbaros (hunos), os germanos promoveram uma maciça invasão no enfraquecido Império Romano do Ocidente, devastando cidades e campos.
  • 8. Dentre os principais povos bárbaros estavam os germanos. Esse grupo habitavam a região norte da Europa, denominada Germânia. Eram considerados “bárbaros”, pois não possuíam aspectos da cultura romana. Dividiam-se em numerosas tribos.
  • 9.
  • 10. Outros povos bárbaros que se destacaram, além dos povos germânicos, foram os:  os ESLAVOS – provenientes da Europa Oriental e da Ásia compreendiam os russos, tchecos, poloneses, sérvios, entre outros.  os TÁRTAROS-MONGÓIS – eram de origem asiáticos. Faziam parte desse grupo as tribos dos hunos, turcos, búlgaros, entre outros.
  • 11. Os povos germânicos vão pouco a pouco invadindo o território do Império Romano do Ocidente e lentamente foram dominando vastas áreas e acabam por formar REINOS.
  • 12. Dentre as características dos Germanos destacam-se:  A GUERRA era a atividade de maior prestígio para esses grupos.  Formavam bandos chamados COMITATUS (assembleia de companheiros, onde dividiam o espólio da guerra (BUTIM)).
  • 13. O direito era CONSUETUDINÁRIO, ou seja, baseado no costumes orais. Havia uma fragilidade das instituições estatais.
  • 14. Sociedade germânica era patriarcal e as decisões mais importantes eram tomadas pelo chefe de cada grupo familiar.  Os germânicos praticavam a agricultura e criavam animais, como também a caça e a pesca.  Também praticavam o comércio trocando como produtos madeira e peles por armas, tecidos, ouro e prata.
  • 15. Esses povos eram POLITEÍSTAS. Eram animistas, ou seja, adoravam as forças da natureza (trovão, sol, raio, lua). Acreditavam na vida após a morte e diziam que os guerreiros mortos nos campos da batalha eram levados pelas valquírias (deusas da guerra) até uma espécie de paraíso, denominado Valhala. Suas principais divindades eram: Odin, Tiwas e Thor.
  • 16. Senhor dos mortos, do comércio, da guerra e das tempestades.
  • 17. Protetor dos camponeses, cujos braços lançavam raios.
  • 18. Deus que comandava o céu e dirigia as assembleias.
  • 19.
  • 20.
  • 21. No processo de conquista do Império Romano do Ocidente os bárbaros germanos assimilaram muitos traços da cultura romana, como se pode observar na organização de seus reinos e na ADOÇÃO DO LATIM como língua oficial.
  • 22. Na política, era necessário o estabelecimento de um governo estável e estruturado. Adotaram a monarquia inicialmente eletiva e depois hereditária .Os chefes germanos, copiando os romanos, criaram Códigos de Leis e seus conselheiros eram requisitados entre os romanos mais cultos e experientes.
  • 23. Na economia as invasões germanas precipitaram a decadência econômica e a RURALIZAÇÃO da Europa Ocidental. O Mar Mediterrâneo continuava sendo a via de comunicação com outros povos do Oriente.
  • 24. Os novos reinos converteram-se progressivamente ao catolicismo e aceitaram a AUTORIDADE DA IGREJA CATÓLICA. Com a ruptura da antiga unidade romana, a Igreja tornou-se a única instituição universal europeia.
  • 25. Página 36 Nº 10 Folha de Atividades (“Os Povos Bárbaros”)