SlideShare uma empresa Scribd logo
CONCEITO DE LITERATURA
INFANTIL
“... É antes de tudo, LITERATURA, ou
melhor, é ARTE: FENÔMENO de
CRIATIVIDADE que REPRESENTA
o MUNDO, o HOMEM, a VIDA,
através da PALAVRA... (NOVAES, 2000)
“... Em sua ESSÊNCIA, sua NATUREZA é a
mesma que se destina aos adultos. As
DIFERENÇAS SINGULARES são
determinadas pela NATUREZA do seu
LEITOR/RECEPTOR: a CRIANÇA...”
(NOVAES, 2000)
LITERATURA, por sua vez “é uma
LINGUAGEM ESPECÍFICA que,
como toda linguagem, EXPRESSA uma
determinada EXPERIÊNCIA
HUMANA, e dificilmente poderá ser
definida com exatidão... Cada época
compreendeu e produziu literatura a seu
modo...” (NOVAES, 2000)
O CAMINHO PARAA REDESCOBERTA DA
LITERATURA INFANTIL...
Foi aberto pela PSICOLOGIA
EXPERIMENTAL que:
REVELOU a INTELIGÊNCIA como
ELEMENTO EXTRUTURAL do
UNIVERSO INDIVIDUAL;
Chamou a ATENÇÃO para os diferentes
ESTÁGIOS de DESENVOLVIMENTO (da
infância à adolescência).
“O ato de ler (ou de ouvir), pelo qual se
completa o fenômeno literário, se
transforma em um ato de
aprendizagem... uma das
peculiaridades da Literatura Infantil.”
(NOVAES, 2000)
A LITERATURA E OS ESTÁGIOS
PSICOLÓGICOS DA CRIANÇA.
Segundo NOVAES (2000) “para que
o convívio do leitor com a literatura se
resulte efetivo, nessa aventura
espiritual que é a leitura, muitos são os
fatores. Entre os mais importantes está
a necessidade de adequação dos textos
às diversas etapas do desenvolvimento
infantil/juvenil.”
Há cinco categorias de leitor que
norteiam as fases de desenvolvimento
psicológico da criança, são elas:
• Pré-leitor: É a categoria de
leitores da primeira infância
(0 aos 3 anos) – onde a
criança começa o processo
de reconhecimento do
mundo ao seu redor através
do tato e do contato afetivo
– e da segunda infância (3 a
6 anos).
• Leitor iniciante: É o leitor que tem entre
6 e 7 anos e está começando a ler sozinho,
mas ainda depende de um adulto para
estimulá-lo.
A linguagem dos livros deve ser
simples, e a história deve ter começo,
meio e fim.
• Leitor em processo: O
mecanismo da leitura já é
dominado pela criança,
que nessa fase possui
entre 8 e 9 anos, e seu
pensamento está mais
maduro, permitindo que
realize operações
mentais. Nessa fase, a
criança se interessa por
todo tipo de
conhecimento e pelos
desafios que lhe são
propostos...
• Leitor fluente: Inicia-se por volta dos 11
anos e é a fase caracterizada pelo domínio
do mecanismo de leitura e pelo aumento
da capacidade de concentração. Não há a
necessidade de um adulto para estimular a
leitura...
• Leitor Crítico: A partir dos 12 ou 13
anos, é a fase caracterizada pelo domínio
total da leitura e da linguagem escrita.
Nesta época, há um aumento da
capacidade de reflexão, permitindo a
intertextualização.
CARACTERÍSTICAS
ESTILÍSTICAS/ESTRUTURAIS DA
LITERATURA INFANTIL/JUVENIL
CONTEMPORÂNEA
1. Efabulação: tende a iniciar de imediato com o
motivo principal ou circunstâncias que levam
direto à problemática;
2. A sequência narrativa nem sempre é linear;
3. As personagens tipo reaparecem (reis, rainhas,
princesas, etc.);
4. A forma narrativa dominante é o conto,
multiplicando-se as formas de romance/novela
para o leitor juvenil (fluente/crítico);
5. A voz narradora mostra-se cada vez mais
familiar e consciente da presença do leitor,
seja na 1ª ou 2ª pessoa;
6. O ato de contar faz-se cada vez mais presente
e consciente no corpo da narrativa;
7. O tempo é variável;
8. O espaço é variável;
9. O nacionalismo, patente na produção anterior,
apresenta novo sentido. O entusiasmo pelo
país dá lugar à consciência nativista;
10. A exemplaridade desaparece como intenção
pedagógica da literatura. Em relação ao
comportamento ético prevalece a
complexidade das forças interiores
(positiva/negativa);
11. O humor é dos aspectos mais característicos
da produção literária;
12. A intenção de realismo e verdade se alterna
com a atração pela fantasia, imaginário ou
maravilhoso;
13. Multiplicam-se os recursos de apelo à
visualidade (desenhos, ilustrações, cores, etc.)
LINHAS OU TENDÊNCIAS DA LITERATURA
INFANTTIL/JUVENIL CONTEMPORÂNEA
"O que define hoje a contemporaneidade de
uma literatura é sua intenção de estimular a
consciência crítica do leitor...e torná-lo
consciente da complexa realidade em
transformação que é a sociedade, em que
ele deve atuar quando chegar a sua vez de
participar ativamente do processo em
curso." Nelly N. Coelho (2000)
Como orientação didática, selecionamos cinco
linhas básicas que se desdobram em outras:
a) Linha do Realismo cotidiano (desdobrada em
Realismo crítico, Realismo lúdico, Realismo
humanitário, Realismo histórico ou memorialista,
e Realismo mágico);
b) Linha do Maravilhoso (desdobrada em:
Maravilhoso metafórico, Maravilhoso satírico,
Maravilhoso popular ou folclórico, Maravilhoso
fabular, e Maravilhoso Científico);
c) Linha do Enigma ou Intriga Policialesca;
d) Linha da Narrativa por Imagens;
e) Linha dos Jogos Linguísticos.
OS GÊNEROS E OS SUBGÊNEROS
• Gênero (forma geradora) é a expressão
estética de determinada experiência
humana de caráter universal: a vivência
lírica (o eu mergulhado em suas próprias
emoções), cuja expressão essencial é a
poesia; a vivência épica (o eu em relação
com o outro, com o mundo social), cuja
expressão é a prosa, a ficção; e a
vivência dramática, cuja expressão
básica é o diálogo, a representação, isto é,
Subgêneros (formas básicas):
a) Elegia, soneto, ode, hino, madrigal, etc.
(poesia)
b) Conto, romance, novela, literatura
infantil (ficção)
c) Farsa, tragédia, ópera, comédia, etc.
(teatro)
De acordo com essa classificação, a
literatura infantil pertence ao gênero
ficção, o qual abrange toda e qualquer prosa
narrativa literária.
Muitas dessas narrativas têm origem
antiga anônima, e são consideradas
como formas simples por serem
resultado de uma “criação
espontânea”, são simples e autênticas e
quase todas elas foram absorvidas pela
Literatura Infantil por meio da
tradição popular. Vejamos as principais:
fábula, apólogo, parábola, alegoria,
mito, lenda, saga, conto maravilhoso,
conto de fada, etc.
Fábula
Do latim fari, falar, e do
grego phaó, contar algo,
é a narrativa de uma
situação
vivida por animais em
situações humanas
e com o objetivo de
transmitir princípios
morais. É também a
primeira forma de
narrativa registrada.
Parábola
A parábola é uma narrativa
alegórica que tem como
objetivo comparar a ficção
com a realidade,
transmitindo, assim,
uma moral da história... A
Bíblia é uma
fonte de parábolas, como
“A volta do
filho pródigo”.
Alegoria
A expressão alegoria exprime uma ideia
através de uma imagem. É uma
narrativa que pode ser tanto verso quanto
prosa e que pode ter dois níveis de
significação como, por exemplo, a narrativa
em si ou a interpretação que pode ser
variada de acordo com o leitor (o exemplo
da Bíblia que é diferentemente interpretada
pelas religiões).
Mito
Caracterizados por
narrativas breves,
sempre possuem
deuses, duendes e
heróis
como personagens
e situações
sobrenaturais.
Lenda
Do latim legenda,
significa algo que
deve ser lido...
Apresenta-se com
elementos fictícios,
mas com
fundamentos
verdadeiros que de
fato aconteceram.
Conto Maravilhoso
A forma do conto maravilhoso possui
origem nas narrativas orientais, e o seu
modelo mais completo é a coletânea As Mil
e Uma Noites. O conto maravilhoso foi a
fonte para o nascimento da literatura e
assim nasceram personagens com poderes
sobrenaturais, forças do bem e do mal,
benefícios de milagres, entre outras
características.
Conto de fada
Sua natureza é
espiritual/ética/existencial
, e sua origem é celta,
com heróis e
heroínas cujas aventuras
estão sempre atreladas ao
sobrenatural, ao mistério
além-vida e
à realização humana.
A leitura proporciona à criança um
universo de aventuras que ela vai
descobrindo à medida que se insere neste
mundo maravilhoso.
Adevândia Epifanio Ferreira
Contatos: (74) 8103-9920/ (74) 9141-2846
adevandiaef@gmail.com
Face book: Adevândia Epifanio Ferreira
REFERÊNCIAS:
• COELHO, Nelly Novaes. Literatura Infantil:
teoria, análise, didática. – 1 ed. – São Paulo:
Moderna, 2000.
• REINER, Nery Nice Biancalana. Literatura
Infantojuvenil.Unisa Digital, Setembro/2012.
• www.cursos24horas.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ensino Especial
Ensino EspecialEnsino Especial
Ensino Especial
Margarete Macedo
 
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.
Magda Marques
 
Inclusão na Educação Infantil
Inclusão na Educação InfantilInclusão na Educação Infantil
Inclusão na Educação Infantil
Lucas Silva
 
Diretrizes curriculares nacionais
Diretrizes curriculares nacionaisDiretrizes curriculares nacionais
Diretrizes curriculares nacionais
marcaocampos
 
inclusão escolar
inclusão escolarinclusão escolar
inclusão escolar
Ulisses Vakirtzis
 
Apresentação planejamento e avaliação
Apresentação   planejamento e avaliaçãoApresentação   planejamento e avaliação
Apresentação planejamento e avaliação
Ana Lúcia M. Benício
 
Organização do tempo e do espaço escolar
Organização do tempo e do espaço escolarOrganização do tempo e do espaço escolar
Organização do tempo e do espaço escolar
Thiago Cellin Duarte
 
Apresentação alfabetização e letramento
Apresentação alfabetização e letramentoApresentação alfabetização e letramento
Apresentação alfabetização e letramento
Vivi Veloso
 
Educação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitosEducação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitos
Thiago de Almeida
 
Ludicidade
LudicidadeLudicidade
Ludicidade
Heloiza Moura
 
Sistema de organização educaçao brasileira
Sistema de organização educaçao brasileiraSistema de organização educaçao brasileira
Sistema de organização educaçao brasileira
Herbert Schutzer
 
Apresentação do pedagogo
Apresentação do pedagogoApresentação do pedagogo
Apresentação do pedagogo
Andréa Kochhann
 
Avaliação na educação infantil
Avaliação na educação infantilAvaliação na educação infantil
Avaliação na educação infantil
Fátima Regina
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências Pedagógicas
Marcelo Assis
 
Saberes e práticas na ed. infantil
Saberes e práticas na ed. infantilSaberes e práticas na ed. infantil
Saberes e práticas na ed. infantil
VIROUCLIPTAQ
 
4. avaliação
4. avaliação4. avaliação
4. avaliação
Lilian Moreira
 
O PAPEL DO CUIDADOR.MEDIADOR.pptx
O PAPEL DO CUIDADOR.MEDIADOR.pptxO PAPEL DO CUIDADOR.MEDIADOR.pptx
O PAPEL DO CUIDADOR.MEDIADOR.pptx
AnaRocha812480
 
ALFABETIZAÇÃO
ALFABETIZAÇÃOALFABETIZAÇÃO
ALFABETIZAÇÃO
Paulo David
 
A INCLUSÃO ESCOLAR
A  INCLUSÃO ESCOLAR A  INCLUSÃO ESCOLAR
A INCLUSÃO ESCOLAR
Zélia Cordeiro
 
Aula 1- Gestão Escolar
Aula 1- Gestão EscolarAula 1- Gestão Escolar
Aula 1- Gestão Escolar
Professora Florio
 

Mais procurados (20)

Ensino Especial
Ensino EspecialEnsino Especial
Ensino Especial
 
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.
 
Inclusão na Educação Infantil
Inclusão na Educação InfantilInclusão na Educação Infantil
Inclusão na Educação Infantil
 
Diretrizes curriculares nacionais
Diretrizes curriculares nacionaisDiretrizes curriculares nacionais
Diretrizes curriculares nacionais
 
inclusão escolar
inclusão escolarinclusão escolar
inclusão escolar
 
Apresentação planejamento e avaliação
Apresentação   planejamento e avaliaçãoApresentação   planejamento e avaliação
Apresentação planejamento e avaliação
 
Organização do tempo e do espaço escolar
Organização do tempo e do espaço escolarOrganização do tempo e do espaço escolar
Organização do tempo e do espaço escolar
 
Apresentação alfabetização e letramento
Apresentação alfabetização e letramentoApresentação alfabetização e letramento
Apresentação alfabetização e letramento
 
Educação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitosEducação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitos
 
Ludicidade
LudicidadeLudicidade
Ludicidade
 
Sistema de organização educaçao brasileira
Sistema de organização educaçao brasileiraSistema de organização educaçao brasileira
Sistema de organização educaçao brasileira
 
Apresentação do pedagogo
Apresentação do pedagogoApresentação do pedagogo
Apresentação do pedagogo
 
Avaliação na educação infantil
Avaliação na educação infantilAvaliação na educação infantil
Avaliação na educação infantil
 
Tendências Pedagógicas
Tendências PedagógicasTendências Pedagógicas
Tendências Pedagógicas
 
Saberes e práticas na ed. infantil
Saberes e práticas na ed. infantilSaberes e práticas na ed. infantil
Saberes e práticas na ed. infantil
 
4. avaliação
4. avaliação4. avaliação
4. avaliação
 
O PAPEL DO CUIDADOR.MEDIADOR.pptx
O PAPEL DO CUIDADOR.MEDIADOR.pptxO PAPEL DO CUIDADOR.MEDIADOR.pptx
O PAPEL DO CUIDADOR.MEDIADOR.pptx
 
ALFABETIZAÇÃO
ALFABETIZAÇÃOALFABETIZAÇÃO
ALFABETIZAÇÃO
 
A INCLUSÃO ESCOLAR
A  INCLUSÃO ESCOLAR A  INCLUSÃO ESCOLAR
A INCLUSÃO ESCOLAR
 
Aula 1- Gestão Escolar
Aula 1- Gestão EscolarAula 1- Gestão Escolar
Aula 1- Gestão Escolar
 

Destaque

A literatura infantil na escola
A literatura infantil na escolaA literatura infantil na escola
A literatura infantil na escola
UESPI - PI
 
Literatura A Arte da Palavra
Literatura   A Arte da PalavraLiteratura   A Arte da Palavra
Literatura A Arte da Palavra
CrisBiagio
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
Faell Vasconcelos
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
Ademir Teixeira de Freitas
 
Tessituras literatura infantil
Tessituras   literatura infantilTessituras   literatura infantil
Tessituras literatura infantil
Ana Paula Cecato
 
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANOCOLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
Mara Sueli
 
Proerd evangélico
Proerd evangélicoProerd evangélico
Proerd evangélico
Adriana Martins
 
Cronograma do Curso - Literatura para a Infância
Cronograma do Curso - Literatura para a InfânciaCronograma do Curso - Literatura para a Infância
Cronograma do Curso - Literatura para a Infância
lereabracar
 
família estudo em guaira
família estudo em guairafamília estudo em guaira
família estudo em guaira
JonatasMLopes
 
As três partes_Releitura
As três partes_ReleituraAs três partes_Releitura
As três partes_Releitura
Liliam Gonçalves
 
Monografia Lucélia Pedagogia 2011
Monografia Lucélia Pedagogia 2011Monografia Lucélia Pedagogia 2011
Monografia Lucélia Pedagogia 2011
Biblioteca Campus VII
 
A literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a críticaA literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a crítica
marimidlej
 
Slide seminário
Slide seminárioSlide seminário
Slide seminário
Silvana Menezes
 
EVANGELHO PARA CRIANÇAS!!!
EVANGELHO PARA CRIANÇAS!!!EVANGELHO PARA CRIANÇAS!!!
EVANGELHO PARA CRIANÇAS!!!
Lucinéia Martim Diogo
 
4 principios básicos da educação
4 principios básicos da educação4 principios básicos da educação
4 principios básicos da educação
Daniel de Carvalho Luz
 
Apresentação do projeto quem conta um conto
Apresentação do projeto quem conta um contoApresentação do projeto quem conta um conto
Apresentação do projeto quem conta um conto
marcia cristina
 
Foucault: Ordem do Discurso e Arqueologia do Saber
Foucault: Ordem do Discurso e Arqueologia do SaberFoucault: Ordem do Discurso e Arqueologia do Saber
Foucault: Ordem do Discurso e Arqueologia do Saber
Tatiana Couto
 
Nova escola producao_textual
Nova escola producao_textualNova escola producao_textual
Nova escola producao_textual
Ana Beckenkamp
 
Literatura 1 2013
Literatura 1   2013Literatura 1   2013
Literatura 1 2013
Letícia Contilde
 
Literatura.ppt
Literatura.pptLiteratura.ppt
Literatura.ppt
preuniversitarioitab
 

Destaque (20)

A literatura infantil na escola
A literatura infantil na escolaA literatura infantil na escola
A literatura infantil na escola
 
Literatura A Arte da Palavra
Literatura   A Arte da PalavraLiteratura   A Arte da Palavra
Literatura A Arte da Palavra
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Tessituras literatura infantil
Tessituras   literatura infantilTessituras   literatura infantil
Tessituras literatura infantil
 
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANOCOLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
 
Proerd evangélico
Proerd evangélicoProerd evangélico
Proerd evangélico
 
Cronograma do Curso - Literatura para a Infância
Cronograma do Curso - Literatura para a InfânciaCronograma do Curso - Literatura para a Infância
Cronograma do Curso - Literatura para a Infância
 
família estudo em guaira
família estudo em guairafamília estudo em guaira
família estudo em guaira
 
As três partes_Releitura
As três partes_ReleituraAs três partes_Releitura
As três partes_Releitura
 
Monografia Lucélia Pedagogia 2011
Monografia Lucélia Pedagogia 2011Monografia Lucélia Pedagogia 2011
Monografia Lucélia Pedagogia 2011
 
A literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a críticaA literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a crítica
 
Slide seminário
Slide seminárioSlide seminário
Slide seminário
 
EVANGELHO PARA CRIANÇAS!!!
EVANGELHO PARA CRIANÇAS!!!EVANGELHO PARA CRIANÇAS!!!
EVANGELHO PARA CRIANÇAS!!!
 
4 principios básicos da educação
4 principios básicos da educação4 principios básicos da educação
4 principios básicos da educação
 
Apresentação do projeto quem conta um conto
Apresentação do projeto quem conta um contoApresentação do projeto quem conta um conto
Apresentação do projeto quem conta um conto
 
Foucault: Ordem do Discurso e Arqueologia do Saber
Foucault: Ordem do Discurso e Arqueologia do SaberFoucault: Ordem do Discurso e Arqueologia do Saber
Foucault: Ordem do Discurso e Arqueologia do Saber
 
Nova escola producao_textual
Nova escola producao_textualNova escola producao_textual
Nova escola producao_textual
 
Literatura 1 2013
Literatura 1   2013Literatura 1   2013
Literatura 1 2013
 
Literatura.ppt
Literatura.pptLiteratura.ppt
Literatura.ppt
 

Semelhante a Revisão do conteúdo

Atps lite (2)
Atps lite (2)Atps lite (2)
Atps lite (2)
Hosana Souza
 
Literatura infantil.narrativa
Literatura infantil.narrativaLiteratura infantil.narrativa
Literatura infantil.narrativa
Ana Paula Cecato
 
A natureza da literatura infantil
A natureza da literatura infantilA natureza da literatura infantil
A natureza da literatura infantil
Rosemary Batista
 
A natureza da literatura infantil
A natureza da literatura infantilA natureza da literatura infantil
A natureza da literatura infantil
Rosemary Batista
 
Biblioterapia
BiblioterapiaBiblioterapia
Biblioterapia
daianadelima
 
Leitura e conhecimento no espaço da biblioteca escolar
Leitura e conhecimento no espaço da biblioteca escolarLeitura e conhecimento no espaço da biblioteca escolar
Leitura e conhecimento no espaço da biblioteca escolar
Ana Paula Cecato
 
A literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a críticaA literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a crítica
marimidlej
 
Estudo das diversas modalidades de textos infantis
Estudo das diversas modalidades de textos infantisEstudo das diversas modalidades de textos infantis
Estudo das diversas modalidades de textos infantis
Espaco_Pedagogia
 
Desconstruindo os contos maravilhosos com clarice lispector
Desconstruindo os contos maravilhosos com clarice lispectorDesconstruindo os contos maravilhosos com clarice lispector
Desconstruindo os contos maravilhosos com clarice lispector
Lari Aveiro
 
Livros e Infância
Livros e InfânciaLivros e Infância
Livros e Infância
educadores
 
Esopo bilbiografia, fábula, importância lingua
Esopo bilbiografia, fábula, importância linguaEsopo bilbiografia, fábula, importância lingua
Esopo bilbiografia, fábula, importância lingua
Jomari
 
Da crítica e da seleção de livros para crianças e jovens
Da crítica e da seleção de livros para crianças e jovensDa crítica e da seleção de livros para crianças e jovens
Da crítica e da seleção de livros para crianças e jovens
leandronegreiros2004
 
85 16-05169-2 (1)
85 16-05169-2 (1)85 16-05169-2 (1)
85 16-05169-2 (1)
Gisele Parra
 
A literatura infantil e seu poder de formar leitores
A literatura infantil e seu poder de formar leitoresA literatura infantil e seu poder de formar leitores
A literatura infantil e seu poder de formar leitores
marcia cristina da silva souza
 
O imaginário na obra de clarice lispector
O imaginário na obra de clarice lispectorO imaginário na obra de clarice lispector
O imaginário na obra de clarice lispector
ELOI DE OLIVEIRA BATISTA
 
Literatura infantil Adriano
Literatura infantil AdrianoLiteratura infantil Adriano
Literatura infantil Adriano
Adriano De Campos
 
Projeto de contação de histórias
Projeto de contação de históriasProjeto de contação de histórias
Projeto de contação de histórias
Amanda Freitas
 
GêNeros LiteráRios
GêNeros LiteráRiosGêNeros LiteráRios
GêNeros LiteráRios
hsjval
 
Tessituras
TessiturasTessituras
Tessituras
Ana Paula Cecato
 
Va literatura infantojuvenil aula_01_impressao
Va literatura infantojuvenil aula_01_impressaoVa literatura infantojuvenil aula_01_impressao
Va literatura infantojuvenil aula_01_impressao
Eberson Luz
 

Semelhante a Revisão do conteúdo (20)

Atps lite (2)
Atps lite (2)Atps lite (2)
Atps lite (2)
 
Literatura infantil.narrativa
Literatura infantil.narrativaLiteratura infantil.narrativa
Literatura infantil.narrativa
 
A natureza da literatura infantil
A natureza da literatura infantilA natureza da literatura infantil
A natureza da literatura infantil
 
A natureza da literatura infantil
A natureza da literatura infantilA natureza da literatura infantil
A natureza da literatura infantil
 
Biblioterapia
BiblioterapiaBiblioterapia
Biblioterapia
 
Leitura e conhecimento no espaço da biblioteca escolar
Leitura e conhecimento no espaço da biblioteca escolarLeitura e conhecimento no espaço da biblioteca escolar
Leitura e conhecimento no espaço da biblioteca escolar
 
A literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a críticaA literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a crítica
 
Estudo das diversas modalidades de textos infantis
Estudo das diversas modalidades de textos infantisEstudo das diversas modalidades de textos infantis
Estudo das diversas modalidades de textos infantis
 
Desconstruindo os contos maravilhosos com clarice lispector
Desconstruindo os contos maravilhosos com clarice lispectorDesconstruindo os contos maravilhosos com clarice lispector
Desconstruindo os contos maravilhosos com clarice lispector
 
Livros e Infância
Livros e InfânciaLivros e Infância
Livros e Infância
 
Esopo bilbiografia, fábula, importância lingua
Esopo bilbiografia, fábula, importância linguaEsopo bilbiografia, fábula, importância lingua
Esopo bilbiografia, fábula, importância lingua
 
Da crítica e da seleção de livros para crianças e jovens
Da crítica e da seleção de livros para crianças e jovensDa crítica e da seleção de livros para crianças e jovens
Da crítica e da seleção de livros para crianças e jovens
 
85 16-05169-2 (1)
85 16-05169-2 (1)85 16-05169-2 (1)
85 16-05169-2 (1)
 
A literatura infantil e seu poder de formar leitores
A literatura infantil e seu poder de formar leitoresA literatura infantil e seu poder de formar leitores
A literatura infantil e seu poder de formar leitores
 
O imaginário na obra de clarice lispector
O imaginário na obra de clarice lispectorO imaginário na obra de clarice lispector
O imaginário na obra de clarice lispector
 
Literatura infantil Adriano
Literatura infantil AdrianoLiteratura infantil Adriano
Literatura infantil Adriano
 
Projeto de contação de histórias
Projeto de contação de históriasProjeto de contação de histórias
Projeto de contação de histórias
 
GêNeros LiteráRios
GêNeros LiteráRiosGêNeros LiteráRios
GêNeros LiteráRios
 
Tessituras
TessiturasTessituras
Tessituras
 
Va literatura infantojuvenil aula_01_impressao
Va literatura infantojuvenil aula_01_impressaoVa literatura infantojuvenil aula_01_impressao
Va literatura infantojuvenil aula_01_impressao
 

Último

Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 

Último (20)

Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 

Revisão do conteúdo

  • 1. CONCEITO DE LITERATURA INFANTIL “... É antes de tudo, LITERATURA, ou melhor, é ARTE: FENÔMENO de CRIATIVIDADE que REPRESENTA o MUNDO, o HOMEM, a VIDA, através da PALAVRA... (NOVAES, 2000)
  • 2. “... Em sua ESSÊNCIA, sua NATUREZA é a mesma que se destina aos adultos. As DIFERENÇAS SINGULARES são determinadas pela NATUREZA do seu LEITOR/RECEPTOR: a CRIANÇA...” (NOVAES, 2000)
  • 3. LITERATURA, por sua vez “é uma LINGUAGEM ESPECÍFICA que, como toda linguagem, EXPRESSA uma determinada EXPERIÊNCIA HUMANA, e dificilmente poderá ser definida com exatidão... Cada época compreendeu e produziu literatura a seu modo...” (NOVAES, 2000)
  • 4. O CAMINHO PARAA REDESCOBERTA DA LITERATURA INFANTIL... Foi aberto pela PSICOLOGIA EXPERIMENTAL que: REVELOU a INTELIGÊNCIA como ELEMENTO EXTRUTURAL do UNIVERSO INDIVIDUAL; Chamou a ATENÇÃO para os diferentes ESTÁGIOS de DESENVOLVIMENTO (da infância à adolescência).
  • 5. “O ato de ler (ou de ouvir), pelo qual se completa o fenômeno literário, se transforma em um ato de aprendizagem... uma das peculiaridades da Literatura Infantil.” (NOVAES, 2000)
  • 6. A LITERATURA E OS ESTÁGIOS PSICOLÓGICOS DA CRIANÇA. Segundo NOVAES (2000) “para que o convívio do leitor com a literatura se resulte efetivo, nessa aventura espiritual que é a leitura, muitos são os fatores. Entre os mais importantes está a necessidade de adequação dos textos às diversas etapas do desenvolvimento infantil/juvenil.”
  • 7. Há cinco categorias de leitor que norteiam as fases de desenvolvimento psicológico da criança, são elas: • Pré-leitor: É a categoria de leitores da primeira infância (0 aos 3 anos) – onde a criança começa o processo de reconhecimento do mundo ao seu redor através do tato e do contato afetivo – e da segunda infância (3 a 6 anos).
  • 8. • Leitor iniciante: É o leitor que tem entre 6 e 7 anos e está começando a ler sozinho, mas ainda depende de um adulto para estimulá-lo. A linguagem dos livros deve ser simples, e a história deve ter começo, meio e fim.
  • 9. • Leitor em processo: O mecanismo da leitura já é dominado pela criança, que nessa fase possui entre 8 e 9 anos, e seu pensamento está mais maduro, permitindo que realize operações mentais. Nessa fase, a criança se interessa por todo tipo de conhecimento e pelos desafios que lhe são propostos...
  • 10. • Leitor fluente: Inicia-se por volta dos 11 anos e é a fase caracterizada pelo domínio do mecanismo de leitura e pelo aumento da capacidade de concentração. Não há a necessidade de um adulto para estimular a leitura...
  • 11. • Leitor Crítico: A partir dos 12 ou 13 anos, é a fase caracterizada pelo domínio total da leitura e da linguagem escrita. Nesta época, há um aumento da capacidade de reflexão, permitindo a intertextualização.
  • 12. CARACTERÍSTICAS ESTILÍSTICAS/ESTRUTURAIS DA LITERATURA INFANTIL/JUVENIL CONTEMPORÂNEA 1. Efabulação: tende a iniciar de imediato com o motivo principal ou circunstâncias que levam direto à problemática; 2. A sequência narrativa nem sempre é linear; 3. As personagens tipo reaparecem (reis, rainhas, princesas, etc.); 4. A forma narrativa dominante é o conto, multiplicando-se as formas de romance/novela para o leitor juvenil (fluente/crítico);
  • 13. 5. A voz narradora mostra-se cada vez mais familiar e consciente da presença do leitor, seja na 1ª ou 2ª pessoa; 6. O ato de contar faz-se cada vez mais presente e consciente no corpo da narrativa; 7. O tempo é variável; 8. O espaço é variável; 9. O nacionalismo, patente na produção anterior, apresenta novo sentido. O entusiasmo pelo país dá lugar à consciência nativista;
  • 14. 10. A exemplaridade desaparece como intenção pedagógica da literatura. Em relação ao comportamento ético prevalece a complexidade das forças interiores (positiva/negativa); 11. O humor é dos aspectos mais característicos da produção literária; 12. A intenção de realismo e verdade se alterna com a atração pela fantasia, imaginário ou maravilhoso; 13. Multiplicam-se os recursos de apelo à visualidade (desenhos, ilustrações, cores, etc.)
  • 15. LINHAS OU TENDÊNCIAS DA LITERATURA INFANTTIL/JUVENIL CONTEMPORÂNEA "O que define hoje a contemporaneidade de uma literatura é sua intenção de estimular a consciência crítica do leitor...e torná-lo consciente da complexa realidade em transformação que é a sociedade, em que ele deve atuar quando chegar a sua vez de participar ativamente do processo em curso." Nelly N. Coelho (2000)
  • 16. Como orientação didática, selecionamos cinco linhas básicas que se desdobram em outras: a) Linha do Realismo cotidiano (desdobrada em Realismo crítico, Realismo lúdico, Realismo humanitário, Realismo histórico ou memorialista, e Realismo mágico); b) Linha do Maravilhoso (desdobrada em: Maravilhoso metafórico, Maravilhoso satírico, Maravilhoso popular ou folclórico, Maravilhoso fabular, e Maravilhoso Científico); c) Linha do Enigma ou Intriga Policialesca; d) Linha da Narrativa por Imagens; e) Linha dos Jogos Linguísticos.
  • 17. OS GÊNEROS E OS SUBGÊNEROS • Gênero (forma geradora) é a expressão estética de determinada experiência humana de caráter universal: a vivência lírica (o eu mergulhado em suas próprias emoções), cuja expressão essencial é a poesia; a vivência épica (o eu em relação com o outro, com o mundo social), cuja expressão é a prosa, a ficção; e a vivência dramática, cuja expressão básica é o diálogo, a representação, isto é,
  • 18. Subgêneros (formas básicas): a) Elegia, soneto, ode, hino, madrigal, etc. (poesia) b) Conto, romance, novela, literatura infantil (ficção) c) Farsa, tragédia, ópera, comédia, etc. (teatro) De acordo com essa classificação, a literatura infantil pertence ao gênero ficção, o qual abrange toda e qualquer prosa narrativa literária.
  • 19. Muitas dessas narrativas têm origem antiga anônima, e são consideradas como formas simples por serem resultado de uma “criação espontânea”, são simples e autênticas e quase todas elas foram absorvidas pela Literatura Infantil por meio da tradição popular. Vejamos as principais: fábula, apólogo, parábola, alegoria, mito, lenda, saga, conto maravilhoso, conto de fada, etc.
  • 20. Fábula Do latim fari, falar, e do grego phaó, contar algo, é a narrativa de uma situação vivida por animais em situações humanas e com o objetivo de transmitir princípios morais. É também a primeira forma de narrativa registrada.
  • 21. Parábola A parábola é uma narrativa alegórica que tem como objetivo comparar a ficção com a realidade, transmitindo, assim, uma moral da história... A Bíblia é uma fonte de parábolas, como “A volta do filho pródigo”.
  • 22. Alegoria A expressão alegoria exprime uma ideia através de uma imagem. É uma narrativa que pode ser tanto verso quanto prosa e que pode ter dois níveis de significação como, por exemplo, a narrativa em si ou a interpretação que pode ser variada de acordo com o leitor (o exemplo da Bíblia que é diferentemente interpretada pelas religiões).
  • 23. Mito Caracterizados por narrativas breves, sempre possuem deuses, duendes e heróis como personagens e situações sobrenaturais.
  • 24. Lenda Do latim legenda, significa algo que deve ser lido... Apresenta-se com elementos fictícios, mas com fundamentos verdadeiros que de fato aconteceram.
  • 25. Conto Maravilhoso A forma do conto maravilhoso possui origem nas narrativas orientais, e o seu modelo mais completo é a coletânea As Mil e Uma Noites. O conto maravilhoso foi a fonte para o nascimento da literatura e assim nasceram personagens com poderes sobrenaturais, forças do bem e do mal, benefícios de milagres, entre outras características.
  • 26. Conto de fada Sua natureza é espiritual/ética/existencial , e sua origem é celta, com heróis e heroínas cujas aventuras estão sempre atreladas ao sobrenatural, ao mistério além-vida e à realização humana.
  • 27. A leitura proporciona à criança um universo de aventuras que ela vai descobrindo à medida que se insere neste mundo maravilhoso. Adevândia Epifanio Ferreira Contatos: (74) 8103-9920/ (74) 9141-2846 adevandiaef@gmail.com Face book: Adevândia Epifanio Ferreira
  • 28. REFERÊNCIAS: • COELHO, Nelly Novaes. Literatura Infantil: teoria, análise, didática. – 1 ed. – São Paulo: Moderna, 2000. • REINER, Nery Nice Biancalana. Literatura Infantojuvenil.Unisa Digital, Setembro/2012. • www.cursos24horas.com.br