SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
ELISIA ANDRADE DOS SANTOS 374733
MARIA DE FATIMA DOS S. DE OLIVEIRA 381248
MARIA HELENA COELHO BECHARA 364410
HOSANA SOUZA GONÇALVES 379177
PÓLO: MACAÉ/RJ
UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP-CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS
DISCIPLINA:LITERATURA INFANTIL
CURSO: PEDAGOGIA
TUTOR PRESENCIAL: WYLLER CERUTTI
TUTOR A DISTÂNCIA:PRISCILA DOS
SANTOS VIDOTTI
JUNHO/ 2014
SUMÁRIO
• INTRODUÇÃO
• FILME: DEU A LOUCA NA CHAPEUZINHO VERMELHO
• AFINAL O QUE É LITERATURA INFANTIL
• LITERATURA INFANTIL
• A HISTÓRIA INFANTIL COMO FORMA DE CONCIÊNCIA MUNDO
• ORIGEM DA LITERATURA INFANTIL
• CONTO
• OS PRIMEIROS CONTOS
• FAIXA ETÁRIA
• REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
FILME: DEU A LOUCA NA CHAPEUZINHO VERMELHO
No filme os protagonistas favorecem para o universo infantil uma versão totalmente
oposta a história contada pelo livro, onde o lobo não come a chapeuzinho e a vovó desempenha
grande papel além de ser praticante de esportes radicais, o lobo perde sua violência, e outros
personagens como o detetive Nick Pirueta e os vilões, entre eles o coelho, que não existem no conto,
criando assim uma trama policial. A investigação é desencadeada pelo roubo do livro de receitas,
único elo que aparece na história da Chapeuzinho Vermelho; já que ela ia levar bolos para a vovó. O
filme é divertido e agrada não só as crianças como também os adultos. Podemos observar que nos
contos, a história da Chapeuzinho tem duas versões, a primeira, os caçadores salvam a vovó e
chapeuzinho, abrem a barriga do lobo, retirando-as vivas, já na segunda versão a chapeuzinho
aprende a lição, não ouve mais o lobo, e seguindo pela floresta.
Com o passar do tempo, percebemos que cada autor reinventa uma versão diferente, e
os protagonistas centrais continuam presentes na história; ou seja cria possibilidades dentro do
universo infantil, a criança passa a investigar, qual a verdadeira história.
No filme Deu a Louca na Chapeuzinho, de forma sucinta ele passa uma mensagem, onde
as mulheres deixam de ser frágeis, vovó enfrenta tudo e todos e a chapeuzinho não tem medo de
nada,seguindo assim os passos da sua avó. As diferenças entre o livro e o filme são muitas; como as
tecnologias. Para nós conhecedores das histórias narradas através de livros, estamos aguçando a
criatividade, trabalhando a oralidade e escrita das crianças. O filme também é uma forma divertida de
acrescentarmos um pouco mais esse universo literário infantil.
AFINAL O QUE LITERATURA INFANTIL
Descobrir, explorar, aprender…
E criar novos mundos, novas realidades – o céu não é o limite para aquele que lê!
Embora tenhamos informações em excesso a cada vez que “surfamos” no mundo virtual, a literatura
apresenta a crianças, jovens e adultos um horizonte infinito em histórias, romances, poemas, contos,
e muito mais.
Mas… o que é mesmo literatura? A palavra literatura vem do latim “litteris” que significa
“letra”, que também quer dizer “escritos, cartas” e parece referir-se, primordialmente, à palavra escrita
ou impressa. Em latim, literatura significa uma instrução ou um conjunto de saberes ou habilidades de
escrever e ler bem e se relaciona com as artes da gramática, da retórica e da poética. Segundo o
crítico e historiador literário José Veríssimo, várias são as acepções do termo literatura: conjunto da
produção intelectual humana escrita; conjunto de obras literárias; conjunto das obras sobre um dado
assunto, ao que chamamos bibliografia de um assunto ou matéria; boas letras; e uma variedade de
Arte, a arte literária.
LITERATURA INFANTIL
A literatura infantil é destinada especialmente às crianças entre dois a dez anos de idade.
O conteúdo de uma obra infantil precisa ser de fácil entendimento pela criança que a lê, seja por si
mesma, ou com a ajuda de uma pessoa mais velha. Além disso, precisa ser interessante e, acima de
tudo, estimular a criança. Os primeiros livros direcionados as crianças foram feitos por professores e
pedagogos no final do século XVII, com o objetivo de passar valores e criar hábitos. Atualmente a
literatura infantil não tem só este objetivo, hoje também é usada para propiciar uma nova visão da
realidade, diversão e lazer. Obras literárias destinadas às crianças com dois a quatro anos de idade
possuem apenas grupos deQuase toda obra literária infantil possui algumas características em
comum, embora exceções existam:
A HISTÓRIA INFANTIL COMO FORMA DE
CONSCIÊNCIA DE MUNDO
É no encontro com qualquer forma de Literatura que os homens têm a oportunidade de
ampliar, transformar ou enriquecer sua própria experiência de vida. Nesse sentido, a Literatura
apresenta-se não só como veículo de manifestação de cultura, mas também de ideologias.
A Literatura Infantil, por iniciar o homem no mundo literário, deve ser utilizada como
instrumento para a sensibilização da consciência, para a expansão da capacidade e interesse de
analisar o mundo. Sendo fundamental mostrar que a literatura deve ser encarada, sempre, de modo
global e complexo em sua ambigüidade e pluralidade.
Até bem pouco tempo, em nosso século, a Literatura Infantil era considerada como um
gênero secundário, e vista pelo adulto como algo pueril (nivelada ao brinquedo) ou útil (forma de
entretenimento). A valorização da Literatura Infantil, como formadora de consciência dentro da vida
cultural das sociedades, é bem recente.
Para investir na relação entre a interpretação do texto literário e a realidade, não há
melhor sugestão do que obras infantis que abordem questões de nosso tempo e problemas
universais, inerentes ao ser humano.
”Infantilizar" as crianças não cria cidadãos capazes de interferir na organização de uma
sociedade mais consciente e democrática
ORIGEM DA LITERATURA INFANTIL
A vontade de contar histórias nasceu há muitos anos atrás, como forma de comunicação
entre os homens, quando contavam uns aos outros as suas vivências e experiências de vida.
Com o passar do tempo, foi-se formando a literatura infantil, que actualmente é um texto que discute
valores morais, sentimentos e atitudes e tem como público-alvo, as crianças entre os dois e dez anos
de idade. A sua função é educar moralmente as crianças e demarcar claramente o bem a ser
aprendido pelas crianças e o mal a ser desprezado pelas mesmas.
Neste tipo de literatura as histórias necessitam de ser elaboradas de uma forma que seja
facilmente entendida pelas crianças que as lêem ou ouvem, para que as possam compreender sem
qualquer tipo de problema.
Estas histórias são no fundo aquelas que tratam dos problemas das crianças, dirigindo-se
às suas fantasias, transmitindo as suas emoções, respondendo à sua necessidade de não se
contentar com a própria vida.
Resumindo, a literatura infantil veio corresponder aos anseios do leitor e à sua
identificação com a mesma e serve como instrumento para a sensibilização da consciência, para a
expansão da capacidade e interesse em analisar o mundo.
CONTO
Conto é uma obra de ficção que cria um universo de seres e acontecimentos, de fantasia
ou imaginação. Como todos os textos de ficção, o conto apresenta um narrador, personagens, ponto
de vista e enredo..
Classicamente, diz-se que o conto se define pela sua pequena extensão. Mais curto que A novela
ou o romance, o conto tem uma estrutura fechada, desenvolve uma história e tem apenas um clímax.
Num romance, a trama desdobra-se em conflitos secundários, o que não acontece com o conto. O
conto é conciso.
No que se refere às origens, o mesmo remonta aos tempos antigos, representado pelas
narrativas orais dos antigos povos nas noites de luar, passando pelos gregos e romanos, lendas
orientais, parábolas bíblicas, novelas medievais italianas, pelas fábulas francesas de Esopo e La
Fontaine, chegando até os livros, como hoje conhecemos. Em meio a esta trajetória, revestiu-se de
inúmeras classificações, resultando nas chamadas antologias, as quais reúnem os contos por
nacionalidade: brasileiro, russo, francês e por categorias relacionadas ao gênero, denominando-se
em contos maravilhosos, policiais, de amor, ficção científica, fantásticos, de terror, mistério, dentre
outras classificações, tais como tradicional, moderno e contemporâneo.
•
OS PRIMEIROS CONTOS
O conto inicialmente fazia parte da literatura oral, com origem na narrativa de mitos e
lendas. Foi com Boccaccio, autor do Decamerão, que o conto pela primeira vez ocupou um lugar entre
as grandes obras universais. Os contos do Decamerão deram origem à novela renascentista italiana.
Os espanhóis também se dedicaram a um ramo dessa novela, através do subgênero criado por
Cervantes e denominado "novela exemplar". Quase desaparecido durante o século XVII, o gênero
ressurgiu no século seguinte, como "conto filosófico", meio de que se utilizaram Voltaire e Diderot para
a exposição de suas idéias.
Na Alemanha, depois do romantismo, surgiu o "conto gótico", com a introdução de
elementos fantásticos e sobrenaturais em sua composição, tendo C.T.A. Hoffmann como o seu maior
representante..
Em Portugal, foram grandes contistas Eça de Queiroz, Camilo Castelo Branco e Fialho de
Almeida. No Brasil, alguns consideram Machado de Assis como o maior contista da literatura
brasileira. Outros autores importantes, porém, entre os quais Monteiro Lobato, Lima Barreto e Simões
Lopes Neto. Nos dias atuais, podem ser citados Dalton Trevisan e Clarice Lispector, dois escritores
que se notabilizaram no gênero. Atribui-se a Mário de Andrade a feição moderna que o conto adquiriu
no Brasil depois do modernismo. . Sem chegar a exercer grande influência em seu próprio país,
Hoffmann constituiu, no entanto, modelo seguido por grandes escritores de outros países, entre os
quais Edgar Allan Poe, nos E.U.A. Despido de qualquer sentido filosófico, o "conto gótico" foi
substituído pelo conto policial (veja CONAN DOYLE, SIR ARTHUR), até ganhar, no século XX,
significações especiais e profundas com autores como Kafka, Jorge Luís Borges e Julio Cortázar.
Guy Maupassant, na França, e Anton Tchekov, na Rússia, foram dois grandes nomes na história do
gênero.
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
• http://www.reginaceliaseusite.hpg.com.br/lit.l.6histconto.1.htm
• http://literaturainfantilportaldoprofessor.wordpress.com
• infantil@graudez.com.br
• :Wikipédia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A literatura Infantil na Revista do Globo
A literatura Infantil na Revista do GloboA literatura Infantil na Revista do Globo
A literatura Infantil na Revista do Globo+ Aloisio Magalhães
 
Apresentação literatura infanto juvenil turma
Apresentação literatura infanto juvenil turma Apresentação literatura infanto juvenil turma
Apresentação literatura infanto juvenil turma Norma Almeida
 
Literatura infantil eli 2013 1
Literatura infantil eli 2013 1Literatura infantil eli 2013 1
Literatura infantil eli 2013 1rosanafpontes
 
A literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a críticaA literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a críticamarimidlej
 
Literatura infantil brasileira
Literatura infantil brasileiraLiteratura infantil brasileira
Literatura infantil brasileiraSilvana Aranda
 
Palestra de rolim de moura literatura infanto-juvenil ou simplesmente liter...
Palestra de rolim de moura   literatura infanto-juvenil ou simplesmente liter...Palestra de rolim de moura   literatura infanto-juvenil ou simplesmente liter...
Palestra de rolim de moura literatura infanto-juvenil ou simplesmente liter...angelamariagomes
 
Atps literatura infantil oficial
Atps literatura infantil oficialAtps literatura infantil oficial
Atps literatura infantil oficialRegina Gidzinski
 
Oficina de leitura e interpretação david araujo
Oficina de leitura e interpretação david araujoOficina de leitura e interpretação david araujo
Oficina de leitura e interpretação david araujoLORENA BRITO
 
Constituição de acervo para bibliotecas
Constituição de acervo para bibliotecasConstituição de acervo para bibliotecas
Constituição de acervo para bibliotecasAna Paula Cecato
 
Atps -literatura_infantil
Atps  -literatura_infantilAtps  -literatura_infantil
Atps -literatura_infantilmkbariotto
 
Era uma vez: a contribuição dos contos de fadas para a formação do leitor
Era uma vez: a contribuição dos contos de fadas para a formação do leitorEra uma vez: a contribuição dos contos de fadas para a formação do leitor
Era uma vez: a contribuição dos contos de fadas para a formação do leitorMarilia Pires
 
Hubia literatura ok
Hubia literatura okHubia literatura ok
Hubia literatura okMarcia Silva
 

Mais procurados (20)

A literatura Infantil na Revista do Globo
A literatura Infantil na Revista do GloboA literatura Infantil na Revista do Globo
A literatura Infantil na Revista do Globo
 
Literatura infantil
Literatura infantilLiteratura infantil
Literatura infantil
 
Apresentação literatura infanto juvenil turma
Apresentação literatura infanto juvenil turma Apresentação literatura infanto juvenil turma
Apresentação literatura infanto juvenil turma
 
Literatura infantil eli 2013 1
Literatura infantil eli 2013 1Literatura infantil eli 2013 1
Literatura infantil eli 2013 1
 
A literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a críticaA literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a crítica
 
Literatura infantil brasileira
Literatura infantil brasileiraLiteratura infantil brasileira
Literatura infantil brasileira
 
A Literatura Infantil na Escola
A Literatura Infantil na EscolaA Literatura Infantil na Escola
A Literatura Infantil na Escola
 
Literatura infantil
Literatura infantilLiteratura infantil
Literatura infantil
 
Palestra de rolim de moura literatura infanto-juvenil ou simplesmente liter...
Palestra de rolim de moura   literatura infanto-juvenil ou simplesmente liter...Palestra de rolim de moura   literatura infanto-juvenil ou simplesmente liter...
Palestra de rolim de moura literatura infanto-juvenil ou simplesmente liter...
 
Atps literatura infantil oficial
Atps literatura infantil oficialAtps literatura infantil oficial
Atps literatura infantil oficial
 
Oficina de leitura e interpretação david araujo
Oficina de leitura e interpretação david araujoOficina de leitura e interpretação david araujo
Oficina de leitura e interpretação david araujo
 
Literatura infantil e juvenil aula2
Literatura  infantil e juvenil   aula2Literatura  infantil e juvenil   aula2
Literatura infantil e juvenil aula2
 
Constituição de acervo para bibliotecas
Constituição de acervo para bibliotecasConstituição de acervo para bibliotecas
Constituição de acervo para bibliotecas
 
Atps -literatura_infantil
Atps  -literatura_infantilAtps  -literatura_infantil
Atps -literatura_infantil
 
Literatura infantil uma
Literatura infantil umaLiteratura infantil uma
Literatura infantil uma
 
Vo lduclasoares a
Vo lduclasoares aVo lduclasoares a
Vo lduclasoares a
 
Era uma vez: a contribuição dos contos de fadas para a formação do leitor
Era uma vez: a contribuição dos contos de fadas para a formação do leitorEra uma vez: a contribuição dos contos de fadas para a formação do leitor
Era uma vez: a contribuição dos contos de fadas para a formação do leitor
 
Contos de Fadas em libras.pdf
Contos de Fadas em libras.pdfContos de Fadas em libras.pdf
Contos de Fadas em libras.pdf
 
Hubia literatura ok
Hubia literatura okHubia literatura ok
Hubia literatura ok
 
livro infantil
livro infantillivro infantil
livro infantil
 

Semelhante a Atps lite (2)

Semelhante a Atps lite (2) (20)

Literatura infantil.narrativa
Literatura infantil.narrativaLiteratura infantil.narrativa
Literatura infantil.narrativa
 
Tessituras literatura infantil
Tessituras   literatura infantilTessituras   literatura infantil
Tessituras literatura infantil
 
85 16-05169-2 (1)
85 16-05169-2 (1)85 16-05169-2 (1)
85 16-05169-2 (1)
 
Aula
AulaAula
Aula
 
A literatura infantil na escola
A literatura infantil na escolaA literatura infantil na escola
A literatura infantil na escola
 
Contexto Histórico e Conceitos Literatura Infantil.pptx
Contexto Histórico e Conceitos Literatura Infantil.pptxContexto Histórico e Conceitos Literatura Infantil.pptx
Contexto Histórico e Conceitos Literatura Infantil.pptx
 
Monografia Lucélia Pedagogia 2011
Monografia Lucélia Pedagogia 2011Monografia Lucélia Pedagogia 2011
Monografia Lucélia Pedagogia 2011
 
Slide seminário
Slide seminárioSlide seminário
Slide seminário
 
Trabalho de portuques
Trabalho de portuquesTrabalho de portuques
Trabalho de portuques
 
Literatura infantil juvenil linguagens do imaginário iv prof. dr. josé nic...
Literatura infantil  juvenil linguagens do imaginário iv   prof. dr. josé nic...Literatura infantil  juvenil linguagens do imaginário iv   prof. dr. josé nic...
Literatura infantil juvenil linguagens do imaginário iv prof. dr. josé nic...
 
Contacto março 2016
Contacto março 2016Contacto março 2016
Contacto março 2016
 
Biblioteca boletim nº 8
Biblioteca   boletim nº 8Biblioteca   boletim nº 8
Biblioteca boletim nº 8
 
Atps -literatura_infantil
Atps  -literatura_infantilAtps  -literatura_infantil
Atps -literatura_infantil
 
leitura-e-literatura-na-infancia.ppt
leitura-e-literatura-na-infancia.pptleitura-e-literatura-na-infancia.ppt
leitura-e-literatura-na-infancia.ppt
 
breve-panorama.pdf
breve-panorama.pdfbreve-panorama.pdf
breve-panorama.pdf
 
Livros e Infância
Livros e InfânciaLivros e Infância
Livros e Infância
 
Contacto julho 2018
Contacto julho 2018Contacto julho 2018
Contacto julho 2018
 
Contacto - junho 2014
Contacto - junho 2014Contacto - junho 2014
Contacto - junho 2014
 
Contador de Histórias
Contador de HistóriasContador de Histórias
Contador de Histórias
 
Contacto
Contacto Contacto
Contacto
 

Último

EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persafelipescherner
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024azulassessoria9
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 

Último (20)

EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 

Atps lite (2)

  • 1. ELISIA ANDRADE DOS SANTOS 374733 MARIA DE FATIMA DOS S. DE OLIVEIRA 381248 MARIA HELENA COELHO BECHARA 364410 HOSANA SOUZA GONÇALVES 379177 PÓLO: MACAÉ/RJ UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP-CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS DISCIPLINA:LITERATURA INFANTIL CURSO: PEDAGOGIA TUTOR PRESENCIAL: WYLLER CERUTTI TUTOR A DISTÂNCIA:PRISCILA DOS SANTOS VIDOTTI JUNHO/ 2014
  • 2. SUMÁRIO • INTRODUÇÃO • FILME: DEU A LOUCA NA CHAPEUZINHO VERMELHO • AFINAL O QUE É LITERATURA INFANTIL • LITERATURA INFANTIL • A HISTÓRIA INFANTIL COMO FORMA DE CONCIÊNCIA MUNDO • ORIGEM DA LITERATURA INFANTIL • CONTO • OS PRIMEIROS CONTOS • FAIXA ETÁRIA • REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
  • 3. FILME: DEU A LOUCA NA CHAPEUZINHO VERMELHO No filme os protagonistas favorecem para o universo infantil uma versão totalmente oposta a história contada pelo livro, onde o lobo não come a chapeuzinho e a vovó desempenha grande papel além de ser praticante de esportes radicais, o lobo perde sua violência, e outros personagens como o detetive Nick Pirueta e os vilões, entre eles o coelho, que não existem no conto, criando assim uma trama policial. A investigação é desencadeada pelo roubo do livro de receitas, único elo que aparece na história da Chapeuzinho Vermelho; já que ela ia levar bolos para a vovó. O filme é divertido e agrada não só as crianças como também os adultos. Podemos observar que nos contos, a história da Chapeuzinho tem duas versões, a primeira, os caçadores salvam a vovó e chapeuzinho, abrem a barriga do lobo, retirando-as vivas, já na segunda versão a chapeuzinho aprende a lição, não ouve mais o lobo, e seguindo pela floresta.
  • 4. Com o passar do tempo, percebemos que cada autor reinventa uma versão diferente, e os protagonistas centrais continuam presentes na história; ou seja cria possibilidades dentro do universo infantil, a criança passa a investigar, qual a verdadeira história. No filme Deu a Louca na Chapeuzinho, de forma sucinta ele passa uma mensagem, onde as mulheres deixam de ser frágeis, vovó enfrenta tudo e todos e a chapeuzinho não tem medo de nada,seguindo assim os passos da sua avó. As diferenças entre o livro e o filme são muitas; como as tecnologias. Para nós conhecedores das histórias narradas através de livros, estamos aguçando a criatividade, trabalhando a oralidade e escrita das crianças. O filme também é uma forma divertida de acrescentarmos um pouco mais esse universo literário infantil.
  • 5. AFINAL O QUE LITERATURA INFANTIL Descobrir, explorar, aprender… E criar novos mundos, novas realidades – o céu não é o limite para aquele que lê! Embora tenhamos informações em excesso a cada vez que “surfamos” no mundo virtual, a literatura apresenta a crianças, jovens e adultos um horizonte infinito em histórias, romances, poemas, contos, e muito mais. Mas… o que é mesmo literatura? A palavra literatura vem do latim “litteris” que significa “letra”, que também quer dizer “escritos, cartas” e parece referir-se, primordialmente, à palavra escrita ou impressa. Em latim, literatura significa uma instrução ou um conjunto de saberes ou habilidades de escrever e ler bem e se relaciona com as artes da gramática, da retórica e da poética. Segundo o crítico e historiador literário José Veríssimo, várias são as acepções do termo literatura: conjunto da produção intelectual humana escrita; conjunto de obras literárias; conjunto das obras sobre um dado assunto, ao que chamamos bibliografia de um assunto ou matéria; boas letras; e uma variedade de Arte, a arte literária.
  • 6. LITERATURA INFANTIL A literatura infantil é destinada especialmente às crianças entre dois a dez anos de idade. O conteúdo de uma obra infantil precisa ser de fácil entendimento pela criança que a lê, seja por si mesma, ou com a ajuda de uma pessoa mais velha. Além disso, precisa ser interessante e, acima de tudo, estimular a criança. Os primeiros livros direcionados as crianças foram feitos por professores e pedagogos no final do século XVII, com o objetivo de passar valores e criar hábitos. Atualmente a literatura infantil não tem só este objetivo, hoje também é usada para propiciar uma nova visão da realidade, diversão e lazer. Obras literárias destinadas às crianças com dois a quatro anos de idade possuem apenas grupos deQuase toda obra literária infantil possui algumas características em comum, embora exceções existam:
  • 7. A HISTÓRIA INFANTIL COMO FORMA DE CONSCIÊNCIA DE MUNDO É no encontro com qualquer forma de Literatura que os homens têm a oportunidade de ampliar, transformar ou enriquecer sua própria experiência de vida. Nesse sentido, a Literatura apresenta-se não só como veículo de manifestação de cultura, mas também de ideologias. A Literatura Infantil, por iniciar o homem no mundo literário, deve ser utilizada como instrumento para a sensibilização da consciência, para a expansão da capacidade e interesse de analisar o mundo. Sendo fundamental mostrar que a literatura deve ser encarada, sempre, de modo global e complexo em sua ambigüidade e pluralidade. Até bem pouco tempo, em nosso século, a Literatura Infantil era considerada como um gênero secundário, e vista pelo adulto como algo pueril (nivelada ao brinquedo) ou útil (forma de entretenimento). A valorização da Literatura Infantil, como formadora de consciência dentro da vida cultural das sociedades, é bem recente. Para investir na relação entre a interpretação do texto literário e a realidade, não há melhor sugestão do que obras infantis que abordem questões de nosso tempo e problemas universais, inerentes ao ser humano. ”Infantilizar" as crianças não cria cidadãos capazes de interferir na organização de uma sociedade mais consciente e democrática
  • 8. ORIGEM DA LITERATURA INFANTIL A vontade de contar histórias nasceu há muitos anos atrás, como forma de comunicação entre os homens, quando contavam uns aos outros as suas vivências e experiências de vida. Com o passar do tempo, foi-se formando a literatura infantil, que actualmente é um texto que discute valores morais, sentimentos e atitudes e tem como público-alvo, as crianças entre os dois e dez anos de idade. A sua função é educar moralmente as crianças e demarcar claramente o bem a ser aprendido pelas crianças e o mal a ser desprezado pelas mesmas. Neste tipo de literatura as histórias necessitam de ser elaboradas de uma forma que seja facilmente entendida pelas crianças que as lêem ou ouvem, para que as possam compreender sem qualquer tipo de problema. Estas histórias são no fundo aquelas que tratam dos problemas das crianças, dirigindo-se às suas fantasias, transmitindo as suas emoções, respondendo à sua necessidade de não se contentar com a própria vida. Resumindo, a literatura infantil veio corresponder aos anseios do leitor e à sua identificação com a mesma e serve como instrumento para a sensibilização da consciência, para a expansão da capacidade e interesse em analisar o mundo.
  • 9. CONTO Conto é uma obra de ficção que cria um universo de seres e acontecimentos, de fantasia ou imaginação. Como todos os textos de ficção, o conto apresenta um narrador, personagens, ponto de vista e enredo.. Classicamente, diz-se que o conto se define pela sua pequena extensão. Mais curto que A novela ou o romance, o conto tem uma estrutura fechada, desenvolve uma história e tem apenas um clímax. Num romance, a trama desdobra-se em conflitos secundários, o que não acontece com o conto. O conto é conciso. No que se refere às origens, o mesmo remonta aos tempos antigos, representado pelas narrativas orais dos antigos povos nas noites de luar, passando pelos gregos e romanos, lendas orientais, parábolas bíblicas, novelas medievais italianas, pelas fábulas francesas de Esopo e La Fontaine, chegando até os livros, como hoje conhecemos. Em meio a esta trajetória, revestiu-se de inúmeras classificações, resultando nas chamadas antologias, as quais reúnem os contos por nacionalidade: brasileiro, russo, francês e por categorias relacionadas ao gênero, denominando-se em contos maravilhosos, policiais, de amor, ficção científica, fantásticos, de terror, mistério, dentre outras classificações, tais como tradicional, moderno e contemporâneo. •
  • 10. OS PRIMEIROS CONTOS O conto inicialmente fazia parte da literatura oral, com origem na narrativa de mitos e lendas. Foi com Boccaccio, autor do Decamerão, que o conto pela primeira vez ocupou um lugar entre as grandes obras universais. Os contos do Decamerão deram origem à novela renascentista italiana. Os espanhóis também se dedicaram a um ramo dessa novela, através do subgênero criado por Cervantes e denominado "novela exemplar". Quase desaparecido durante o século XVII, o gênero ressurgiu no século seguinte, como "conto filosófico", meio de que se utilizaram Voltaire e Diderot para a exposição de suas idéias. Na Alemanha, depois do romantismo, surgiu o "conto gótico", com a introdução de elementos fantásticos e sobrenaturais em sua composição, tendo C.T.A. Hoffmann como o seu maior representante..
  • 11. Em Portugal, foram grandes contistas Eça de Queiroz, Camilo Castelo Branco e Fialho de Almeida. No Brasil, alguns consideram Machado de Assis como o maior contista da literatura brasileira. Outros autores importantes, porém, entre os quais Monteiro Lobato, Lima Barreto e Simões Lopes Neto. Nos dias atuais, podem ser citados Dalton Trevisan e Clarice Lispector, dois escritores que se notabilizaram no gênero. Atribui-se a Mário de Andrade a feição moderna que o conto adquiriu no Brasil depois do modernismo. . Sem chegar a exercer grande influência em seu próprio país, Hoffmann constituiu, no entanto, modelo seguido por grandes escritores de outros países, entre os quais Edgar Allan Poe, nos E.U.A. Despido de qualquer sentido filosófico, o "conto gótico" foi substituído pelo conto policial (veja CONAN DOYLE, SIR ARTHUR), até ganhar, no século XX, significações especiais e profundas com autores como Kafka, Jorge Luís Borges e Julio Cortázar. Guy Maupassant, na França, e Anton Tchekov, na Rússia, foram dois grandes nomes na história do gênero.
  • 12.
  • 13. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA • http://www.reginaceliaseusite.hpg.com.br/lit.l.6histconto.1.htm • http://literaturainfantilportaldoprofessor.wordpress.com • infantil@graudez.com.br • :Wikipédia