SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
“A constituição da Literatura
Infantil e Juvenil como Gênero
   literário e como campo de
    conhecimento no Brasil”
Vimos nos textos estudados
anteriormente como começou, e vinha se
 constituindo como campo específico no
    Brasil a literatura infantil e juvenil.
Lourenço Filho foi pioneiro em escrever uma
 teoria em que apontasse a importância e os
problemas desse campo. A sugerir estudos e
     denunciar a qualidade da produção.
 Cecília Meirelles abordou problemas como a
  própria conceituação do livro infantil, obras
não destinadas às crianças e que foram lidas
por elas, a fragmentação da obra literária para
            fins didáticos e outros.
Leonardo Arroyo escreveu a primeira teoria
  sobre o gênero. “Que ainda não existia
             concretamente”.
    Influenciou outros pesquisadores.
A Literatura Infantil: história, teoria,
               análise




                              Versão atualizada
     1ª versão
Na obra A Literatura Infantil: história,
 teoria, análise de Nelly Novaes Coelho.
 A autora discorre de forma ampla sobre o campo
     de conhecimento literatura infantil e juvenil.
    Mostrando possíveis abordagens, leituras ou
                        análises.
  E também a necessidade de reflexão e críticas
      acerca dos problemas causados pela arte
      literária produzida até o momento (1981).
Em sua abordagem mostrou outro ponto de vista e
     que outros pesquisadores ainda não tinham
                        estudado.
 Como professora escritora, uniu bem a literatura
          ao ensino e traçou uma metodologia
   esclarecedora. O livro já foi atualizado e agora
      tem como título Literatura Infantil Teoria –
                    Análise - Didática.
LITERATURA INFANTIL: PROBLEMAS
       DE CONCEITUAÇÃO

O livro foi produzido no início da década
de 80. Momento em que surgia a
tecnologia eletrônica e científica: vídeo
games, laser nas danceterias, criação da
MTV maior emissora de música no mundo,
fundação da TVS (SBT), domínio do
espaço planetário e outros.
Período pós moderno, em que o mundo
 estava passando por transformações e o
 povo experimentando-as. Influenciado por
países com sociedades mais avançada. O
     Brasil vivia um desequilíbrio social.
   Exigindo urgência em estudar e refletir
       sobre a educação e o ensino.
  Aonde todas, (Coelho) as experiências,
     debates, propostas para reformas
  educacionais vinha se multiplicando e o
     mais polêmico eram nas áreas da
Literatura Infantil e na do ensino da Língua.
Coelho, defende a literatura infantil como agente
       formador em que o professor deve estar
     “antenado” com as mudanças do momento
       devendo reorganizar seu conhecimento
                     de mundo.
    Orientado em três direções: da Literatura, da
           Realidade Social e da Docência.
    Ela observa que no século XX, no campo da
literatura estava sendo “semeados” valores, que
iria integrar a nova mentalidade futura, resultante
  do confronto do “valores tradicionais” do século
    XIX, com os “valores novos” e que ainda não
  tinham sido ponderados em sistema. Mas, que
      determinam à especialidade da literatura.
A NATUREZA DA
          LITERATURA INFANTIL

  Quanto à natureza da literatura infantil, Coelho
(1987), afirma que a Literatura Infantil é antes de
     tudo arte resultante da criatividade que
 representa o Mundo, o Homem, a Vida, através
da palavra. Unindo os sonhos e a vida prática; a
   imaginação e a realidade; os desejos e sua
        possível/impossível realização...

A essência da literatura para o adulto e para a
  criança é a mesma o que a diferencia é a
  natureza do seu leitor/receptor: a própria
  criança.
Ao escrever o livro demonstra
  preocupação com: a “...iniciação lúdica
  do pré leitor no mundo da literatura...”
          (Coelho. 1987.pg. 12).
 Em sua opinião a formação do mesmo
   deve começar cedo, e prosseguir de
  maneira gradativa sendo aprofundada,
    até o final dos estudos na escola.
Baseando-se na psicologia experimental
    sugere a adequação dos textos as
         várias “faixas etárias” do
       desenvolvimento da criança.
Por isso ela viu a necessidade de uma
 formação educativa em decorrência dos
    problemas existentes no Brasil com
  relação a criança e seu contato com os
                   livros.
   Em que acredita ser um processo de
     evolução, a médio e longo prazo.
No texto propõe um roteiro de temas para
            reflexão e estudo.
Considerando a literatura como um triplo
   fenômeno de criação, produção e de
   matéria para leitura, prazer e estudo.
O POPULAR E O
            INFANTIL

    Identificam-se devido os sentimentos,
 emoções e a consciência primária, porque
  tanto o povo quanto a criança vivenciam
apenas o presente. Os valores são abstratos
  e a forma para transmiti-los manifestou e
      manifesta pela linguagem poética.
O que eterniza e faz permanente a literatura é a
    linguagem simbólica a qual representa os
             sentimentos humanos.
LITERATURA INFANTIL:
        ARTE LITERÁRIA OU
           PEDAGÓGICA?

  Coelho apresenta o primeiro problema da
                  literatura infantil.
   E questiona sua finalidade destinada aos
pequenos, Instruir? Ou Divertir? e afirma que
 o problema está longe de se resolvido. Pois,
as opiniões se divergem e até se radicalizam.
    Restando aos escritores se situarem no
   tempo e associar a intenção da literatura
     infantil, fundindo o ensinar e o divertir.
LITERATURA E CONSCIÊNCIA DE
             MUNDO

   O autor precisa ter uma consciência de
   mundo e se suas relações, entre ele, o
    espaço, e o tempo forem profundas e
coerentes, melhor será sua criação literária.
 (Coelho, 1987, p. 31), explica e mostra um
     exemplo em que a especificidade da
  literatura infantil fundida no divertir e no
       ensinar foi plenamente atingida.

  Ex: a série infantil “Um, Dois, feijão com
                    arroz”.
A LITERATURA INFANTIL IDEAL:
       REALISTA OU FANTASISTA?

    Segundo problema levantado pela autora
(Coelho, 1987.p. 31) é a da validade, maior ou
  menor, da cada uma das formas básicas da
 Literatura Infantil:... Provocando discussões e
     dividindo opiniões conforme a época.
Ela afirma que nenhuma das formas é melhor
 ou pior,...São apenas diferentes e dependem
     das relações de conhecimento que os
escritores fizerem com os homens e o mundo.
 As duas tendências alternam-se conforme a
                        época.
Sobre o maravilhoso e a formação do espírito
   infantil faz um questionamento e analisa
concordando com Bettelheim, afirmando que
 este material estudado por ela será útil para
     reflexões a cerca da criação literária.

 Levando – nos a acreditar que por meio da
 literatura infantil se prepara à criança para
 enfrentar problemas e dificuldades na vida,
  assim como vivenciar suas experiências.
LITERATURA ATUALIZADA E LITERATURA
            DEFASADA

  Neste trecho a autora questiona e analisa a
  época, afirma que o teor da obra literária atual
    com a vida prática já superou os valores
   herdados prevalecendo os “valores novos”.
  Mesmo ainda não apropriados pelo sistema.
 Apela para que os escritores nacionais tomem
 consciência do processo evolutivo e o ajudem a
       se desenvolver de forma dinâmica.
Uns dos objetivos desse é ajudar os jovens
  profissionais da educação a se posicionarem,
    criticamente, diante da realidade histórica,
     social e cultural para que entendessem a
     Tradição herdada e a sua dissociação .
   Quanto à crítica e a literatura infantil: outros
       ramos das ciências humanas tinha se
   interessado pela literatura infantil não como
fenômeno literário. Mas, como veículo de ideias
ou padrões de comportamento. Pois, coloca em
risco a literariedade do gênero. No livro Coelho,
  sugere a organização de uma crítica literária
          para Literatura Infantil Brasileira
UMA GRAMÁTICA DA LITERATURA
         INFANTIL
Na segunda parte do livro, Coelho
  estuda e questiona a estrutura
   da literatura infantil: o que é;
   como se constrói; a partir do
       que; quais os gêneros,
       subgêneros, formas ou
    espécies. E tenta responder
  estas questões sem a intenção
     de encerrar esse material.
     Criando uma espécie de
      gramática que oriente os
   interessados no uso do texto
              literário.
Na análise a autora detalha
      os fatores estruturais,
  características estilísticas
   do texto literário antigo e
  contemporâneo e explica
   as técnicas construtivas.
Refere-se aos textos antigos
         como narrativas
       primordiais e que se
  tornaram obras clássicas.
    Exemplifica por meio de
  textos consagrados. E ao
    longo da análise sugere
   temas para discussões e
           pesquisas.
LITERATURA INFANTIL
   Visualidade e poesia
O álbum de figuras ou o livro de estampas
Álbum de Figuras(Álbums du Pére Castor-
Experiência pioneira na França por Faucher
-Traduzida 1980)

   A invenção/produção desses álbuns,
    surgiram em consequência das atividades
    do educador e orientador pedagógico.Foi
    através de pesquisas / intercâmbios de
    ideias / congressos / pesquisas
    pedagógicas que em 1931 surge o
    primeiro resultado concreto,que vem se
    constituir em uma das grande conquistas
    na divulgação dos princípios
da Escola Nova. O álbum de figuras foi
  concebido por Faucher e realizado por
  uma equipe de profissionais da educação.
  (p.137)
 E a partir dos anos 30 o elemento literário
  passa a ser visto com relevância, na
  tentativa de livrar as crianças da leitura
  convencional para a de experiência vivida.
Linguagem iconográfica á Verbal
  Através dos estudos da
   psicologia da criança e a
   experimental, sabe –se
   que o conhecimento
   infantil se processa
   basicamente pelo
  contato direto da

  criança com o objeto

 com que ela entra em
 contato.(p.143)
Por fim fica registrado aqui que a literatura
  tem de se preocupar com esse público leitor-
   curioso que inicia suas leituras e merece ser
 tratado como ser que pensa,critica ,emociona-
  se e se deixa levar pela história,muitas vezes
  identificando-se com ela,formando assim,sua
       própria opinião sobre vários assuntos
                    apresentados.

          Elenir (elenir_haach@hotmail.com)
         Silvana (silvana-let@hotmail.com)

DISCIPLINA MESTRADO UEMS LITERATURA
  INFANTIL E JUVENIL E FORMAÇÃO DE
  LEITORES/2011/45h/03 CRÉDITOS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Alfabetização e Letramento _apresentação 1 - formação de professores
Alfabetização e Letramento _apresentação 1 - formação de professoresAlfabetização e Letramento _apresentação 1 - formação de professores
Alfabetização e Letramento _apresentação 1 - formação de professoresMicheli Rader
 
Sistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAICSistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAICVera Marlize Schröer
 
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTOSlides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTOEdna Monteiro
 
Planejamento na educação infantil
Planejamento na educação infantilPlanejamento na educação infantil
Planejamento na educação infantillucavao2010
 
Literatura infantil auxilio no processo de alfabetização e letramento
Literatura infantil   auxilio no processo de alfabetização e letramentoLiteratura infantil   auxilio no processo de alfabetização e letramento
Literatura infantil auxilio no processo de alfabetização e letramentoAna Lúcia Hennemann
 
Fundamentação teorica sobre leitura
Fundamentação teorica sobre leituraFundamentação teorica sobre leitura
Fundamentação teorica sobre leituraAldo Socram
 
AlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E LetramentoAlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E Letramentohenriqueocarvalho
 
Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Adriana Pereira
 
A importância da leitura na infância
A importância da leitura na infânciaA importância da leitura na infância
A importância da leitura na infânciaMarcone Oliveira
 
2ª formação leitura e escrita
2ª formação   leitura e escrita2ª formação   leitura e escrita
2ª formação leitura e escritaPNAIC UFSCar
 
Eja slides
Eja  slidesEja  slides
Eja slideslks5
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolarAnanda Lima
 
Psicogênese da língua escrita segundo maria emilia ferreiro
Psicogênese da língua escrita segundo maria emilia ferreiroPsicogênese da língua escrita segundo maria emilia ferreiro
Psicogênese da língua escrita segundo maria emilia ferreiroRoseParre
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoLianeMagnolia
 
Métodos de alfabetização
Métodos de alfabetizaçãoMétodos de alfabetização
Métodos de alfabetizaçãoDayane Hofmann
 

Mais procurados (20)

Alfabetização e Letramento _apresentação 1 - formação de professores
Alfabetização e Letramento _apresentação 1 - formação de professoresAlfabetização e Letramento _apresentação 1 - formação de professores
Alfabetização e Letramento _apresentação 1 - formação de professores
 
Sistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAICSistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAIC
 
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTOSlides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
 
Níveis de escrita (1)pnaic
Níveis de escrita (1)pnaicNíveis de escrita (1)pnaic
Níveis de escrita (1)pnaic
 
Planejamento na educação infantil
Planejamento na educação infantilPlanejamento na educação infantil
Planejamento na educação infantil
 
Emilia ferreiro
Emilia ferreiroEmilia ferreiro
Emilia ferreiro
 
Literatura infantil auxilio no processo de alfabetização e letramento
Literatura infantil   auxilio no processo de alfabetização e letramentoLiteratura infantil   auxilio no processo de alfabetização e letramento
Literatura infantil auxilio no processo de alfabetização e letramento
 
Produção e revisão de textos
Produção e revisão de textosProdução e revisão de textos
Produção e revisão de textos
 
LEITURA
LEITURALEITURA
LEITURA
 
Fundamentação teorica sobre leitura
Fundamentação teorica sobre leituraFundamentação teorica sobre leitura
Fundamentação teorica sobre leitura
 
AlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E LetramentoAlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E Letramento
 
Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento
 
A importância da leitura na infância
A importância da leitura na infânciaA importância da leitura na infância
A importância da leitura na infância
 
2ª formação leitura e escrita
2ª formação   leitura e escrita2ª formação   leitura e escrita
2ª formação leitura e escrita
 
Eja slides
Eja  slidesEja  slides
Eja slides
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
 
Psicogênese da língua escrita segundo maria emilia ferreiro
Psicogênese da língua escrita segundo maria emilia ferreiroPsicogênese da língua escrita segundo maria emilia ferreiro
Psicogênese da língua escrita segundo maria emilia ferreiro
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
Métodos de alfabetização
Métodos de alfabetizaçãoMétodos de alfabetização
Métodos de alfabetização
 
Slides leitura
Slides leituraSlides leitura
Slides leitura
 

Destaque

Ficha de leitura couto viana
Ficha de leitura  couto vianaFicha de leitura  couto viana
Ficha de leitura couto vianamjoaodelgado
 
Para cada um seu modo de ver alexandra
Para cada um  seu modo de ver alexandraPara cada um  seu modo de ver alexandra
Para cada um seu modo de ver alexandraBandodos15
 
Bd pedro madruga
Bd pedro madrugaBd pedro madruga
Bd pedro madrugaBandodos15
 
Conto couto viana-versos-de-caracaca
Conto couto viana-versos-de-caracacaConto couto viana-versos-de-caracaca
Conto couto viana-versos-de-caracacaCláudia Realista
 
Determinantes e pronomes (5.º ano)
Determinantes e pronomes (5.º ano)Determinantes e pronomes (5.º ano)
Determinantes e pronomes (5.º ano)suzanamar
 

Destaque (12)

Ficha de leitura couto viana
Ficha de leitura  couto vianaFicha de leitura  couto viana
Ficha de leitura couto viana
 
Para cada um seu modo de ver alexandra
Para cada um  seu modo de ver alexandraPara cada um  seu modo de ver alexandra
Para cada um seu modo de ver alexandra
 
Bd rodrigo
Bd rodrigoBd rodrigo
Bd rodrigo
 
Bd martim
Bd martimBd martim
Bd martim
 
Bd duarte
Bd duarteBd duarte
Bd duarte
 
Guilherme bd
Guilherme bdGuilherme bd
Guilherme bd
 
Bd pedro madruga
Bd pedro madrugaBd pedro madruga
Bd pedro madruga
 
Conto couto viana-versos-de-caracaca
Conto couto viana-versos-de-caracacaConto couto viana-versos-de-caracaca
Conto couto viana-versos-de-caracaca
 
Ficha de leitura
Ficha de leituraFicha de leitura
Ficha de leitura
 
Determinantes e pronomes (5.º ano)
Determinantes e pronomes (5.º ano)Determinantes e pronomes (5.º ano)
Determinantes e pronomes (5.º ano)
 
Fichas gramaticais
Fichas gramaticaisFichas gramaticais
Fichas gramaticais
 
Ficha de leitura
Ficha de leituraFicha de leitura
Ficha de leitura
 

Semelhante a Slide seminário

A escolarização da literatura infantil e juvenil completo
A escolarização da literatura infantil e juvenil completoA escolarização da literatura infantil e juvenil completo
A escolarização da literatura infantil e juvenil completoGeruza Duarte
 
leitura-e-literatura-na-infancia.ppt
leitura-e-literatura-na-infancia.pptleitura-e-literatura-na-infancia.ppt
leitura-e-literatura-na-infancia.pptSoniaMaia18
 
Literatura infantil.narrativa
Literatura infantil.narrativaLiteratura infantil.narrativa
Literatura infantil.narrativaAna Paula Cecato
 
Literatura infantil auxilio no processo de alfabetização e letramento
Literatura infantil auxilio no processo de alfabetização e letramentoLiteratura infantil auxilio no processo de alfabetização e letramento
Literatura infantil auxilio no processo de alfabetização e letramentoAna Lúcia Hennemann
 
Texto aula 10 cursino crianças pequenas e os livros
Texto aula 10 cursino crianças pequenas e os livrosTexto aula 10 cursino crianças pequenas e os livros
Texto aula 10 cursino crianças pequenas e os livrosLiana Pereira Borba
 
A literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a críticaA literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a críticamarimidlej
 
A literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a críticaA literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a críticamarimidlej
 
Tessituras literatura infantil
Tessituras   literatura infantilTessituras   literatura infantil
Tessituras literatura infantilAna Paula Cecato
 
A LITERATURA DE MONTEIRO LOBATO E SUAS CONTRIBUIÇÕES - apresentação .pptx
A LITERATURA DE MONTEIRO LOBATO E SUAS CONTRIBUIÇÕES - apresentação .pptxA LITERATURA DE MONTEIRO LOBATO E SUAS CONTRIBUIÇÕES - apresentação .pptx
A LITERATURA DE MONTEIRO LOBATO E SUAS CONTRIBUIÇÕES - apresentação .pptxKARINEVONEYVIEIRABAR
 
Livros e Infância
Livros e InfânciaLivros e Infância
Livros e Infânciaeducadores
 
O picapau amarelo, de monteirolobato...
O picapau amarelo, de monteirolobato...O picapau amarelo, de monteirolobato...
O picapau amarelo, de monteirolobato...Tânia Cappó Bandera
 
Projeto de contação de histórias
Projeto de contação de históriasProjeto de contação de histórias
Projeto de contação de históriasAmanda Freitas
 
Va literatura infantojuvenil aula_01_impressao
Va literatura infantojuvenil aula_01_impressaoVa literatura infantojuvenil aula_01_impressao
Va literatura infantojuvenil aula_01_impressaoEberson Luz
 

Semelhante a Slide seminário (20)

Gt1 racismo e_infância
Gt1 racismo e_infânciaGt1 racismo e_infância
Gt1 racismo e_infância
 
A escolarização da literatura infantil e juvenil completo
A escolarização da literatura infantil e juvenil completoA escolarização da literatura infantil e juvenil completo
A escolarização da literatura infantil e juvenil completo
 
leitura-e-literatura-na-infancia.ppt
leitura-e-literatura-na-infancia.pptleitura-e-literatura-na-infancia.ppt
leitura-e-literatura-na-infancia.ppt
 
Literatura infantil.narrativa
Literatura infantil.narrativaLiteratura infantil.narrativa
Literatura infantil.narrativa
 
Literatura infantil auxilio no processo de alfabetização e letramento
Literatura infantil auxilio no processo de alfabetização e letramentoLiteratura infantil auxilio no processo de alfabetização e letramento
Literatura infantil auxilio no processo de alfabetização e letramento
 
Monografia Lucélia Pedagogia 2011
Monografia Lucélia Pedagogia 2011Monografia Lucélia Pedagogia 2011
Monografia Lucélia Pedagogia 2011
 
Atps lite (2)
Atps lite (2)Atps lite (2)
Atps lite (2)
 
Texto aula 10 cursino crianças pequenas e os livros
Texto aula 10 cursino crianças pequenas e os livrosTexto aula 10 cursino crianças pequenas e os livros
Texto aula 10 cursino crianças pequenas e os livros
 
A literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a críticaA literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a crítica
 
A literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a críticaA literatura infantil e a crítica
A literatura infantil e a crítica
 
Revisão do conteúdo
Revisão do conteúdoRevisão do conteúdo
Revisão do conteúdo
 
Tessituras literatura infantil
Tessituras   literatura infantilTessituras   literatura infantil
Tessituras literatura infantil
 
Literatura infantil
Literatura infantilLiteratura infantil
Literatura infantil
 
A LITERATURA DE MONTEIRO LOBATO E SUAS CONTRIBUIÇÕES - apresentação .pptx
A LITERATURA DE MONTEIRO LOBATO E SUAS CONTRIBUIÇÕES - apresentação .pptxA LITERATURA DE MONTEIRO LOBATO E SUAS CONTRIBUIÇÕES - apresentação .pptx
A LITERATURA DE MONTEIRO LOBATO E SUAS CONTRIBUIÇÕES - apresentação .pptx
 
Livros e Infância
Livros e InfânciaLivros e Infância
Livros e Infância
 
A literatura infantil e seu poder de formar leitores
A literatura infantil e seu poder de formar leitoresA literatura infantil e seu poder de formar leitores
A literatura infantil e seu poder de formar leitores
 
Literatura infantil Adriano
Literatura infantil AdrianoLiteratura infantil Adriano
Literatura infantil Adriano
 
O picapau amarelo, de monteirolobato...
O picapau amarelo, de monteirolobato...O picapau amarelo, de monteirolobato...
O picapau amarelo, de monteirolobato...
 
Projeto de contação de histórias
Projeto de contação de históriasProjeto de contação de histórias
Projeto de contação de histórias
 
Va literatura infantojuvenil aula_01_impressao
Va literatura infantojuvenil aula_01_impressaoVa literatura infantojuvenil aula_01_impressao
Va literatura infantojuvenil aula_01_impressao
 

Mais de Silvana Menezes

Apresentaçãoliteratura arcadismo
Apresentaçãoliteratura arcadismoApresentaçãoliteratura arcadismo
Apresentaçãoliteratura arcadismoSilvana Menezes
 
Capacitação coleção a b c d
Capacitação coleção a b c dCapacitação coleção a b c d
Capacitação coleção a b c dSilvana Menezes
 
Relato da atividade_4_multimidia_silvana_dorvalina_neuze_vaniacsom
Relato da atividade_4_multimidia_silvana_dorvalina_neuze_vaniacsomRelato da atividade_4_multimidia_silvana_dorvalina_neuze_vaniacsom
Relato da atividade_4_multimidia_silvana_dorvalina_neuze_vaniacsomSilvana Menezes
 
Atividade 5unid1 silvana_s_menezes
Atividade 5unid1 silvana_s_menezesAtividade 5unid1 silvana_s_menezes
Atividade 5unid1 silvana_s_menezesSilvana Menezes
 
Ativ7 unid1 silvana_neuze_vania_dorvalina
Ativ7 unid1 silvana_neuze_vania_dorvalinaAtiv7 unid1 silvana_neuze_vania_dorvalina
Ativ7 unid1 silvana_neuze_vania_dorvalinaSilvana Menezes
 
Ativ2.ab unid2 navegandoemhipertexto_silvana_s_m
Ativ2.ab unid2 navegandoemhipertexto_silvana_s_mAtiv2.ab unid2 navegandoemhipertexto_silvana_s_m
Ativ2.ab unid2 navegandoemhipertexto_silvana_s_mSilvana Menezes
 
Sala de tecnologia educacional regras
Sala de tecnologia educacional regrasSala de tecnologia educacional regras
Sala de tecnologia educacional regrasSilvana Menezes
 
Aula do 8 ano sis. circulatorio 2
Aula do 8 ano sis. circulatorio 2Aula do 8 ano sis. circulatorio 2
Aula do 8 ano sis. circulatorio 2Silvana Menezes
 

Mais de Silvana Menezes (11)

Apresentaçãoliteratura arcadismo
Apresentaçãoliteratura arcadismoApresentaçãoliteratura arcadismo
Apresentaçãoliteratura arcadismo
 
STE em ação
STE em açãoSTE em ação
STE em ação
 
Capacitação coleção a b c d
Capacitação coleção a b c dCapacitação coleção a b c d
Capacitação coleção a b c d
 
Relato da atividade_4_multimidia_silvana_dorvalina_neuze_vaniacsom
Relato da atividade_4_multimidia_silvana_dorvalina_neuze_vaniacsomRelato da atividade_4_multimidia_silvana_dorvalina_neuze_vaniacsom
Relato da atividade_4_multimidia_silvana_dorvalina_neuze_vaniacsom
 
Atividade 5unid1 silvana_s_menezes
Atividade 5unid1 silvana_s_menezesAtividade 5unid1 silvana_s_menezes
Atividade 5unid1 silvana_s_menezes
 
Ativ7 unid1 silvana_neuze_vania_dorvalina
Ativ7 unid1 silvana_neuze_vania_dorvalinaAtiv7 unid1 silvana_neuze_vania_dorvalina
Ativ7 unid1 silvana_neuze_vania_dorvalina
 
Ativ2.ab unid2 navegandoemhipertexto_silvana_s_m
Ativ2.ab unid2 navegandoemhipertexto_silvana_s_mAtiv2.ab unid2 navegandoemhipertexto_silvana_s_m
Ativ2.ab unid2 navegandoemhipertexto_silvana_s_m
 
Os saltimbancos
Os saltimbancosOs saltimbancos
Os saltimbancos
 
Sala de tecnologia educacional regras
Sala de tecnologia educacional regrasSala de tecnologia educacional regras
Sala de tecnologia educacional regras
 
Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
 
Aula do 8 ano sis. circulatorio 2
Aula do 8 ano sis. circulatorio 2Aula do 8 ano sis. circulatorio 2
Aula do 8 ano sis. circulatorio 2
 

Slide seminário

  • 1. “A constituição da Literatura Infantil e Juvenil como Gênero literário e como campo de conhecimento no Brasil”
  • 2. Vimos nos textos estudados anteriormente como começou, e vinha se constituindo como campo específico no Brasil a literatura infantil e juvenil. Lourenço Filho foi pioneiro em escrever uma teoria em que apontasse a importância e os problemas desse campo. A sugerir estudos e denunciar a qualidade da produção. Cecília Meirelles abordou problemas como a própria conceituação do livro infantil, obras não destinadas às crianças e que foram lidas por elas, a fragmentação da obra literária para fins didáticos e outros.
  • 3. Leonardo Arroyo escreveu a primeira teoria sobre o gênero. “Que ainda não existia concretamente”. Influenciou outros pesquisadores.
  • 4. A Literatura Infantil: história, teoria, análise Versão atualizada 1ª versão
  • 5. Na obra A Literatura Infantil: história, teoria, análise de Nelly Novaes Coelho. A autora discorre de forma ampla sobre o campo de conhecimento literatura infantil e juvenil. Mostrando possíveis abordagens, leituras ou análises. E também a necessidade de reflexão e críticas acerca dos problemas causados pela arte literária produzida até o momento (1981). Em sua abordagem mostrou outro ponto de vista e que outros pesquisadores ainda não tinham estudado. Como professora escritora, uniu bem a literatura ao ensino e traçou uma metodologia esclarecedora. O livro já foi atualizado e agora tem como título Literatura Infantil Teoria – Análise - Didática.
  • 6. LITERATURA INFANTIL: PROBLEMAS DE CONCEITUAÇÃO O livro foi produzido no início da década de 80. Momento em que surgia a tecnologia eletrônica e científica: vídeo games, laser nas danceterias, criação da MTV maior emissora de música no mundo, fundação da TVS (SBT), domínio do espaço planetário e outros.
  • 7. Período pós moderno, em que o mundo estava passando por transformações e o povo experimentando-as. Influenciado por países com sociedades mais avançada. O Brasil vivia um desequilíbrio social. Exigindo urgência em estudar e refletir sobre a educação e o ensino. Aonde todas, (Coelho) as experiências, debates, propostas para reformas educacionais vinha se multiplicando e o mais polêmico eram nas áreas da Literatura Infantil e na do ensino da Língua.
  • 8. Coelho, defende a literatura infantil como agente formador em que o professor deve estar “antenado” com as mudanças do momento devendo reorganizar seu conhecimento de mundo. Orientado em três direções: da Literatura, da Realidade Social e da Docência. Ela observa que no século XX, no campo da literatura estava sendo “semeados” valores, que iria integrar a nova mentalidade futura, resultante do confronto do “valores tradicionais” do século XIX, com os “valores novos” e que ainda não tinham sido ponderados em sistema. Mas, que determinam à especialidade da literatura.
  • 9. A NATUREZA DA LITERATURA INFANTIL Quanto à natureza da literatura infantil, Coelho (1987), afirma que a Literatura Infantil é antes de tudo arte resultante da criatividade que representa o Mundo, o Homem, a Vida, através da palavra. Unindo os sonhos e a vida prática; a imaginação e a realidade; os desejos e sua possível/impossível realização... A essência da literatura para o adulto e para a criança é a mesma o que a diferencia é a natureza do seu leitor/receptor: a própria criança.
  • 10. Ao escrever o livro demonstra preocupação com: a “...iniciação lúdica do pré leitor no mundo da literatura...” (Coelho. 1987.pg. 12). Em sua opinião a formação do mesmo deve começar cedo, e prosseguir de maneira gradativa sendo aprofundada, até o final dos estudos na escola. Baseando-se na psicologia experimental sugere a adequação dos textos as várias “faixas etárias” do desenvolvimento da criança.
  • 11. Por isso ela viu a necessidade de uma formação educativa em decorrência dos problemas existentes no Brasil com relação a criança e seu contato com os livros. Em que acredita ser um processo de evolução, a médio e longo prazo. No texto propõe um roteiro de temas para reflexão e estudo. Considerando a literatura como um triplo fenômeno de criação, produção e de matéria para leitura, prazer e estudo.
  • 12. O POPULAR E O INFANTIL Identificam-se devido os sentimentos, emoções e a consciência primária, porque tanto o povo quanto a criança vivenciam apenas o presente. Os valores são abstratos e a forma para transmiti-los manifestou e manifesta pela linguagem poética. O que eterniza e faz permanente a literatura é a linguagem simbólica a qual representa os sentimentos humanos.
  • 13. LITERATURA INFANTIL: ARTE LITERÁRIA OU PEDAGÓGICA? Coelho apresenta o primeiro problema da literatura infantil. E questiona sua finalidade destinada aos pequenos, Instruir? Ou Divertir? e afirma que o problema está longe de se resolvido. Pois, as opiniões se divergem e até se radicalizam. Restando aos escritores se situarem no tempo e associar a intenção da literatura infantil, fundindo o ensinar e o divertir.
  • 14. LITERATURA E CONSCIÊNCIA DE MUNDO O autor precisa ter uma consciência de mundo e se suas relações, entre ele, o espaço, e o tempo forem profundas e coerentes, melhor será sua criação literária. (Coelho, 1987, p. 31), explica e mostra um exemplo em que a especificidade da literatura infantil fundida no divertir e no ensinar foi plenamente atingida. Ex: a série infantil “Um, Dois, feijão com arroz”.
  • 15. A LITERATURA INFANTIL IDEAL: REALISTA OU FANTASISTA? Segundo problema levantado pela autora (Coelho, 1987.p. 31) é a da validade, maior ou menor, da cada uma das formas básicas da Literatura Infantil:... Provocando discussões e dividindo opiniões conforme a época. Ela afirma que nenhuma das formas é melhor ou pior,...São apenas diferentes e dependem das relações de conhecimento que os escritores fizerem com os homens e o mundo. As duas tendências alternam-se conforme a época.
  • 16. Sobre o maravilhoso e a formação do espírito infantil faz um questionamento e analisa concordando com Bettelheim, afirmando que este material estudado por ela será útil para reflexões a cerca da criação literária. Levando – nos a acreditar que por meio da literatura infantil se prepara à criança para enfrentar problemas e dificuldades na vida, assim como vivenciar suas experiências.
  • 17. LITERATURA ATUALIZADA E LITERATURA DEFASADA Neste trecho a autora questiona e analisa a época, afirma que o teor da obra literária atual com a vida prática já superou os valores herdados prevalecendo os “valores novos”. Mesmo ainda não apropriados pelo sistema. Apela para que os escritores nacionais tomem consciência do processo evolutivo e o ajudem a se desenvolver de forma dinâmica.
  • 18. Uns dos objetivos desse é ajudar os jovens profissionais da educação a se posicionarem, criticamente, diante da realidade histórica, social e cultural para que entendessem a Tradição herdada e a sua dissociação . Quanto à crítica e a literatura infantil: outros ramos das ciências humanas tinha se interessado pela literatura infantil não como fenômeno literário. Mas, como veículo de ideias ou padrões de comportamento. Pois, coloca em risco a literariedade do gênero. No livro Coelho, sugere a organização de uma crítica literária para Literatura Infantil Brasileira
  • 19. UMA GRAMÁTICA DA LITERATURA INFANTIL
  • 20. Na segunda parte do livro, Coelho estuda e questiona a estrutura da literatura infantil: o que é; como se constrói; a partir do que; quais os gêneros, subgêneros, formas ou espécies. E tenta responder estas questões sem a intenção de encerrar esse material. Criando uma espécie de gramática que oriente os interessados no uso do texto literário.
  • 21. Na análise a autora detalha os fatores estruturais, características estilísticas do texto literário antigo e contemporâneo e explica as técnicas construtivas. Refere-se aos textos antigos como narrativas primordiais e que se tornaram obras clássicas. Exemplifica por meio de textos consagrados. E ao longo da análise sugere temas para discussões e pesquisas.
  • 22. LITERATURA INFANTIL Visualidade e poesia O álbum de figuras ou o livro de estampas
  • 23. Álbum de Figuras(Álbums du Pére Castor- Experiência pioneira na França por Faucher -Traduzida 1980)  A invenção/produção desses álbuns, surgiram em consequência das atividades do educador e orientador pedagógico.Foi através de pesquisas / intercâmbios de ideias / congressos / pesquisas pedagógicas que em 1931 surge o primeiro resultado concreto,que vem se constituir em uma das grande conquistas na divulgação dos princípios
  • 24. da Escola Nova. O álbum de figuras foi concebido por Faucher e realizado por uma equipe de profissionais da educação. (p.137)  E a partir dos anos 30 o elemento literário passa a ser visto com relevância, na tentativa de livrar as crianças da leitura convencional para a de experiência vivida.
  • 25. Linguagem iconográfica á Verbal  Através dos estudos da psicologia da criança e a experimental, sabe –se que o conhecimento infantil se processa basicamente pelo  contato direto da  criança com o objeto com que ela entra em contato.(p.143)
  • 26. Por fim fica registrado aqui que a literatura tem de se preocupar com esse público leitor- curioso que inicia suas leituras e merece ser tratado como ser que pensa,critica ,emociona- se e se deixa levar pela história,muitas vezes identificando-se com ela,formando assim,sua própria opinião sobre vários assuntos apresentados. Elenir (elenir_haach@hotmail.com) Silvana (silvana-let@hotmail.com) DISCIPLINA MESTRADO UEMS LITERATURA INFANTIL E JUVENIL E FORMAÇÃO DE LEITORES/2011/45h/03 CRÉDITOS