SlideShare uma empresa Scribd logo
Leitura e conhecimento no
espaço da biblioteca escolar


         Ana Paula Cecato de Oliveira
        Mestranda em Letras/UNIRITTER
             anacecato@gmail.com
Leitura e conhecimento no espaço da biblioteca escolar
Leitura e conhecimento no espaço da biblioteca escolar
Considerações a partir de PRIETO
               (1999):

• As narrativas constituem uma das formas de
  pensar o mundo.

• Todos nós nascemos imersos numa trama de
  narrativas. Algumas delas, dada sua influência
  sobre nosso imaginário, parecem que nos
  possuem. Elas condicionam nosso modo de ver a
  vida, de tomar decisões, de resolver os
  problemas afetivos...
• Estas narrativas formam o repertório que
  as crianças trazem à escola e deve ser
  considerado pelo mediador de leitura.

• As histórias são materiais de grande
  carga afetiva. Por exemplo, todos nós
  nos tornamos mediadores de leitura
  porque, de alguma forma, o espaço da
  biblioteca é presente em nossa memória
  afetiva.
“Mar de histórias” é a expressão que se usava em
    sânscrito para se referir ao universo das narrativas. Ao
   transitar por essas rotas imaginárias, é sempre bom ter
  em mente a metáfora do mar. Ou seja, é preciso ter um
           caminho, é preciso manter o leme firme, mas é
   também necessária a consciência de que se navega em
     águas que ora podem ser muito tranquilas, ora podem
                se transformar em verdadeiros maremotos.
Esta é a aventura literária da qual fazem parte o mestre e
          seus alunos: é preciso coragem para trafegar por
      mundos imaginários; porém, as viagens serão sempre
                                     cheias de descobertas.

              Heloisa Prieto, em Quer ouvir uma história?
 Mnemosine ou Mnemósine (em grego Mνημοσύνη,
                                      pronounciado /mnɛːmosýːnɛː/) era uma das
                                      Titânides, filha de Urano e Gaia e a deusa que
                                      personificava a Memória. Ela é a mãe de todas as
                                      criações, com Zeus teve as Nove Musas:
                                      Calíope (Poesia Épica)
                                      Clio (Historia)
                                      Érato (Poesia Romântica)
                                      Euterpe (Música)
                                      Melpômene (Tragédia)
                                      Polímnia (Hinos)
                                      Terpsícore (Dança)
                                      Tália (Comédia)
                                      Urânia (Astronomia)
                                      Era aquela que preserva do esquecimento. Seria a
                                      divindade da enumeração vivificadora frente aos
                                      perigos da infinitude, frente aos perigos do
                                      esquecimento que na cosmogonia grega aparece
                                      como um rio, o Lete, um rio a cruzar a morada dos
                                      mortos (o de "letal" esquecimento), o Tártaro, e de
                                      onde "as almas bebiam sua água quando estavam
Mnemosyne, por Dante Gabriel          prestes a reencarnarem-se, e por isso esqueciam sua
Rossetti, 1828-1882, pintor e poeta
inglês.                               existência anterior".
A memória é o essencial, visto
 que a literatura está feita de
 sonhos e os sonhos fazem-se
   combinando recordações.
      Jorge Luis Borges
• Quando alguém conta uma história, desperta
  a memória do outro, e assim começa uma
  roda de histórias.

• O homem faz uma pergunta ao mundo. Deseja
  compreender o universo como um todo, mas
  também quer conhecer os pormenores da
  vida. O homem coloca-se diante do mundo e o
  interroga, pedindo que lhe revele seus
  fenômenos. Recebe então uma resposta:
  palavras que vêm ao encontro das suas. Por
  pergunta e resposta, temos a formação da
  narrativa mitológica. (PRIETO, 1999)
• A relação de significação com a
  linguagem na infância acontece por e
  com imagens, que remetem a um
  mundo sensível e mítico.

• A criança percebe o mundo através das
  imagens e de sua ludicidade.
FALCÃO, Adriana. Ilust. MASSARANI,
Mariana. Mania de explicação. São
    Paulo: Salamandra, 2001.
Tirinha da Mafalda, de Quino
• Assim sendo, não se trata de somente
  conhecer a realidade social da comunidade
  onde trabalhamos, mas também conhecermos
  o modo como nossos leitores se relacionam
  com a linguagem.

• Em algumas comunidades, por exemplo, onde
  a leitura e de escrita pouco integram suas
  práticas cotidianas, gêneros que envolvam a
  imagem (quadrinhos, livros de imagem, de
  música) podem ser a “porta de entrada” para
  a constituição dos acervos de seus leitores.
• Oportunizar eventos de letramento
  (práticas que precisam da escrita para
  serem significadas) na biblioteca
  colaboram para a construção do valor
  simbólico da leitura no imaginário da
  comunidade escolar.

• Envolver a comunidade nestes eventos
  (experiências como o Programa de
  Leitura Adote um Escritor).
A partir da proposta de Britto
   (2009), perguntamo-nos:

LEITURA gera CONHECIMENTO
             ou
CONHECIMENTO gera LEITURA?
• Não se trata de dizer que a leitura não
  proporciona conhecimento ao leitor, mas que
  o conhecimento (no étimo da palavra latina,
  saber a ação) só pode ser aperfeiçoado
  através da leitura. Dessa forma, abarcamos o
  repertório de conhecimentos prévios que o
  sujeito traz consigo ao ler (no étimo da
  palavra, colher o que está escrito).

• Nesse sentido, a biblioteca pode se tornar um
  espaço de estudo e acesso ao conhecimento
  elaborado pela tradição ocidental.
A função da arte
Diego não conhecia o mar. O pai, Santiago Kovadloff,
levou-o para que descobrisse o mar. Viajaram para o
Sul. Ele, o mar, estava do outro lado das dunas altas,
esperando. Quando o menino e o pai enfim alcançaram
aquelas alturas de areia, depois de muito caminhar, o
mar estava na frente de seus olhos. E foi tanta a
imensidão do mar, e tanto seu fulgor, que o menino
ficou mudo de beleza. E quando finalmente conseguiu
falar, tremendo, gaguejando, pediu ao pai:
                   - Me ajuda a olhar!

GALEANO, Eduardo. O Livro dos Abraços. Tradução de Eric
Nepomuceno. - 9. ed. - Porto. Alegre: L&PM, 2002.
O que é um bom livro infantil?
• Antes de tudo, deve considerar o repertório, o interesse e
  o propósito do leitor;

• Como mediadores, o texto deve aproximar o leitor do
  prazer estético e propor “uma educação do olhar”;

• Deve permitir ao leitor a construção de sentidos a partir
  da leitura;

• O essencial é que as produções cativem com o recurso à
  fantasia, por seu caráter mágico, pela valorização das
  sensações e emoções que os transporta para o mundo da
  imaginação, edificado pelas imagens e símbolos do texto
  literário. (MARTHA, 2011, p.50)

• O livro inserir-se num campo de produção cultural para a
  criança.
O livro infantil como objeto cultural*
 • Elementos externos ao texto verbal (capa,
   contracapa, orelhas, paratextos, informações
   contextualizantes dos autores, fonte, papel,
   ilustrações, projeto gráfico);

 • Elementos internos (estruturais como foco narrativo,
   verossimilhança, linguagem, caráter de
   experimentação, intertextualidade, relação com
   outras lggs, rompimento de clichês e modelos,
   ambiguidade e pluralidade de significação da lggm
   literária, adequação do discurso das personagens a
   variáveis como tempo e espaço no mundo narrado).

 • Jogo de sentidos – diálogo entre palavras e imagens –
   Literatura Infantil é um gênero híbrido.
                             *De acordo com MARTHA, 2011, p.49-53)
Sugestões de trabalho na biblioteca
              escolar
• Com políticas de distribuição de livros para as
  bibliotecas escolares, o grande desafio do mediador de
  leitura é encontrar estratégias de trabalho com estas
  obras.

• Para isso, propomos algumas sugestões de trabalho,
  que, naturalmente, serão adequadas à realidade local
  da comunidade escolar.
• O mediador deve ser um atento observador
  da realidade em que está inserido (conhecer
  o repertório cultural da comunidade, se
  participam de eventos de letramento,
  observar de que forma se expressam, quais
  temas lhes interessam) e um bom conhecedor
  de obras clássicas e contemporâneas de LI (o
  caminho pode ser o acervo disponibilizado
  pelo PNBE às bibliotecas escolares, a
  participação em eventos como seminários na
  Feira do Livro, acesso a sites sobre o gênero,
  onde podem ser encontradas resenhas dos
  livros...)
• É preciso que a leitura e a escrita sejam
  entendidas como práticas que são
  significadas a partir das produções dos
  sujeitos envolvidos.

• Trabalhos interdisciplinares,
  contemplando os níveis de expressão
  oral, visual e escrito.

• Contextualização da obra lida.
• Encarregar as turmas para produzirem
  material para exposição na biblioteca
  (experiência Dia do Livro).

• Investir em práticas de linguagem
  artística (verbal, visual, corporal).

• A biblioteca é o coração das nossas
  escolas, espaço de todos os membros
  da comunidade escolar!
A convenção da maioria das escolas tem sido a de
tratar a arte da narrativa – as canções, o drama,
a ficção, o teatro, seja lá o que for – mais como
uma “decoração” do que como uma necessidade,
como algo que tenha que enfeitar o lazer, ou, às vezes,
até como moralmente exemplar. Apesar disso,
formulamos os relatos de nossas origens culturais e das
crenças que nos são mais caras sob a forma de histórias, e
não apenas o “conteúdo” dessas histórias nos atrai, mas
seu artifício narrativo. (BRUNER, 2001, p. 171 apud
CORSO, 2011 p.21).
Alguns sites sobre LI:
• Dobras da Leitura:
  http://www.dobrasdaleitura.com/index.html
• Memórias da LIJ:
• http://www.museudapessoa.net/mdl/memoriasDaLiteratura
• Mundo da Leitura:
• http://mundodaleitura.upf.br/novo/index.php
• O livro infantil:
• http://olivroinfantil.blogspot.com.br/
• Revista Tigre Albino (poesia infantil)
• http://www.tigrealbino.com.br/
• http://programasdeleitura.blogspot.com
Leitura e conhecimento no espaço da biblioteca escolar
Leitura e conhecimento no espaço da biblioteca escolar
Referências
• CORSO, Diana & Mario. A psicanálise na Terra do
  Nunca: ensaios sobre a fantasia. Porto alegre: Penso,
  2011.
• MARINHO, Jorge Miguel. A convite das palavras:
  motivações para ler, escrever e criar. São Paulo: Biruta,
  2009.
• OLIVEIRA, Ieda de. O que é qualidade em Literatura
  Infantil e Juvenil – com a palavra o educador. São
  Paulo: DCL, 2011.
• PRIETO, Heloisa. Quer ouvir uma história? Lendas e
  mitos no mundo da criança. Campinas: Angra, 1999.
• RAMOS, Flávia Brochetto & NEVES, Nathalie Vieira.
  Biblioteca escolar e práticas educativas: o mediador
  em formação. Disponível em:
  http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid
  =S1806-58212009000300020&script=sci_arttext. Acesso
  em 30 abr 2012.
Livros Infantis:

BRENMAN, Ilan. MORICONI, Renato. (Ilust.)
O Alvo. São Paulo: Ática, 2011.

VASSALLO, Márcio. TERRA, Ana. (Ilust.) A
professora encantadora. BH: Abacatte,
2010.

FALCÃO, Adriana. MASSARANI, Mariana.
Mania de explicação. São Paulo: Moderna,
2011.
“Entrar em uma biblioteca é
 entrar em uma viagem que
    pode mudar a vida.”


Alberto Manguel, escritor argentino, autor de muitas obras, dentre
         elas Uma história da leitura (Cia das Letras, 1997)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Literatura infantil e juvenil aula2
Literatura  infantil e juvenil   aula2Literatura  infantil e juvenil   aula2
Literatura infantil e juvenil aula2
Carla Karinne Oliveira
 
A literatura infantil e seu poder de formar leitores
A literatura infantil e seu poder de formar leitoresA literatura infantil e seu poder de formar leitores
A literatura infantil e seu poder de formar leitores
marcia cristina da silva souza
 
A literatura Infantil na Revista do Globo
A literatura Infantil na Revista do GloboA literatura Infantil na Revista do Globo
A literatura Infantil na Revista do Globo
+ Aloisio Magalhães
 
A natureza da literatura infantil
A natureza da literatura infantilA natureza da literatura infantil
A natureza da literatura infantil
Rosemary Batista
 
Tessituras 2011
Tessituras 2011Tessituras 2011
Tessituras 2011
Ana Paula Cecato
 
Literatura infantil
Literatura infantilLiteratura infantil
Literatura infantil
Patrícia Éderson Dias
 
Apresentação literatura infanto juvenil turma
Apresentação literatura infanto juvenil turma Apresentação literatura infanto juvenil turma
Apresentação literatura infanto juvenil turma
Norma Almeida
 
Quem conta um conto aumenta um ponto
Quem conta um conto aumenta um pontoQuem conta um conto aumenta um ponto
Quem conta um conto aumenta um ponto
raimundapequeno
 
A importância da literatura na educação infantil
A importância da literatura na educação infantilA importância da literatura na educação infantil
A importância da literatura na educação infantil
Keilita Igor Fabrine
 
Literatura infantil
Literatura infantilLiteratura infantil
Literatura infantil
Joana Melazzo
 
A escolarização da literatura infantil e juvenil completo
A escolarização da literatura infantil e juvenil completoA escolarização da literatura infantil e juvenil completo
A escolarização da literatura infantil e juvenil completo
Geruza Duarte
 
Atps história e geografia
Atps história e geografiaAtps história e geografia
Atps história e geografia
Paulo Wanderson
 
Palestra de rolim de moura literatura infanto-juvenil ou simplesmente liter...
Palestra de rolim de moura   literatura infanto-juvenil ou simplesmente liter...Palestra de rolim de moura   literatura infanto-juvenil ou simplesmente liter...
Palestra de rolim de moura literatura infanto-juvenil ou simplesmente liter...
angelamariagomes
 
Atps literatura infantil oficial
Atps literatura infantil oficialAtps literatura infantil oficial
Atps literatura infantil oficial
Regina Gidzinski
 
Literatura infantil
Literatura infantilLiteratura infantil
Literatura infantil
Gerdian Teixeira
 
Livro - literatura infantil construção, recepção e descobertas
Livro - literatura infantil construção, recepção e descobertasLivro - literatura infantil construção, recepção e descobertas
Livro - literatura infantil construção, recepção e descobertas
Edilson A. Souza
 
Literatura infantil brasileira
Literatura infantil brasileiraLiteratura infantil brasileira
Literatura infantil brasileira
Silvana Aranda
 
Literatura infantil Adriano
Literatura infantil AdrianoLiteratura infantil Adriano
Literatura infantil Adriano
Adriano De Campos
 
Literatura Infantil Slides
Literatura Infantil   SlidesLiteratura Infantil   Slides
Literatura Infantil Slides
estercotrim
 
Que leitores queremos formar com a literatura infanto-juvenil?
Que leitores queremos formar com a literatura infanto-juvenil?Que leitores queremos formar com a literatura infanto-juvenil?
Que leitores queremos formar com a literatura infanto-juvenil?
Letícia Cristina
 

Mais procurados (20)

Literatura infantil e juvenil aula2
Literatura  infantil e juvenil   aula2Literatura  infantil e juvenil   aula2
Literatura infantil e juvenil aula2
 
A literatura infantil e seu poder de formar leitores
A literatura infantil e seu poder de formar leitoresA literatura infantil e seu poder de formar leitores
A literatura infantil e seu poder de formar leitores
 
A literatura Infantil na Revista do Globo
A literatura Infantil na Revista do GloboA literatura Infantil na Revista do Globo
A literatura Infantil na Revista do Globo
 
A natureza da literatura infantil
A natureza da literatura infantilA natureza da literatura infantil
A natureza da literatura infantil
 
Tessituras 2011
Tessituras 2011Tessituras 2011
Tessituras 2011
 
Literatura infantil
Literatura infantilLiteratura infantil
Literatura infantil
 
Apresentação literatura infanto juvenil turma
Apresentação literatura infanto juvenil turma Apresentação literatura infanto juvenil turma
Apresentação literatura infanto juvenil turma
 
Quem conta um conto aumenta um ponto
Quem conta um conto aumenta um pontoQuem conta um conto aumenta um ponto
Quem conta um conto aumenta um ponto
 
A importância da literatura na educação infantil
A importância da literatura na educação infantilA importância da literatura na educação infantil
A importância da literatura na educação infantil
 
Literatura infantil
Literatura infantilLiteratura infantil
Literatura infantil
 
A escolarização da literatura infantil e juvenil completo
A escolarização da literatura infantil e juvenil completoA escolarização da literatura infantil e juvenil completo
A escolarização da literatura infantil e juvenil completo
 
Atps história e geografia
Atps história e geografiaAtps história e geografia
Atps história e geografia
 
Palestra de rolim de moura literatura infanto-juvenil ou simplesmente liter...
Palestra de rolim de moura   literatura infanto-juvenil ou simplesmente liter...Palestra de rolim de moura   literatura infanto-juvenil ou simplesmente liter...
Palestra de rolim de moura literatura infanto-juvenil ou simplesmente liter...
 
Atps literatura infantil oficial
Atps literatura infantil oficialAtps literatura infantil oficial
Atps literatura infantil oficial
 
Literatura infantil
Literatura infantilLiteratura infantil
Literatura infantil
 
Livro - literatura infantil construção, recepção e descobertas
Livro - literatura infantil construção, recepção e descobertasLivro - literatura infantil construção, recepção e descobertas
Livro - literatura infantil construção, recepção e descobertas
 
Literatura infantil brasileira
Literatura infantil brasileiraLiteratura infantil brasileira
Literatura infantil brasileira
 
Literatura infantil Adriano
Literatura infantil AdrianoLiteratura infantil Adriano
Literatura infantil Adriano
 
Literatura Infantil Slides
Literatura Infantil   SlidesLiteratura Infantil   Slides
Literatura Infantil Slides
 
Que leitores queremos formar com a literatura infanto-juvenil?
Que leitores queremos formar com a literatura infanto-juvenil?Que leitores queremos formar com a literatura infanto-juvenil?
Que leitores queremos formar com a literatura infanto-juvenil?
 

Destaque

A loira do banheiro
A loira do banheiroA loira do banheiro
A loira do banheiro
Ana Paula Cecato
 
Retratos da Leitura em Esteio
Retratos da Leitura em EsteioRetratos da Leitura em Esteio
Retratos da Leitura em Esteio
Ana Paula Cecato
 
Projeto de leitura literária
Projeto de leitura literáriaProjeto de leitura literária
Projeto de leitura literária
Ana Paula Cecato
 
Dinamica
DinamicaDinamica
Dinamica
adriamar
 
A literatura infantil na escola
A literatura infantil na escolaA literatura infantil na escola
A literatura infantil na escola
UESPI - PI
 
Literatura infantil auxilio no processo de alfabetização e letramento
Literatura infantil   auxilio no processo de alfabetização e letramentoLiteratura infantil   auxilio no processo de alfabetização e letramento
Literatura infantil auxilio no processo de alfabetização e letramento
Ana Lúcia Hennemann
 

Destaque (6)

A loira do banheiro
A loira do banheiroA loira do banheiro
A loira do banheiro
 
Retratos da Leitura em Esteio
Retratos da Leitura em EsteioRetratos da Leitura em Esteio
Retratos da Leitura em Esteio
 
Projeto de leitura literária
Projeto de leitura literáriaProjeto de leitura literária
Projeto de leitura literária
 
Dinamica
DinamicaDinamica
Dinamica
 
A literatura infantil na escola
A literatura infantil na escolaA literatura infantil na escola
A literatura infantil na escola
 
Literatura infantil auxilio no processo de alfabetização e letramento
Literatura infantil   auxilio no processo de alfabetização e letramentoLiteratura infantil   auxilio no processo de alfabetização e letramento
Literatura infantil auxilio no processo de alfabetização e letramento
 

Semelhante a Leitura e conhecimento no espaço da biblioteca escolar

Apresentação final poesia
Apresentação final poesiaApresentação final poesia
Apresentação final poesia
Amanda Oliveira
 
Laboratório de Contação de Histórias
Laboratório de Contação de HistóriasLaboratório de Contação de Histórias
Laboratório de Contação de Histórias
Evany Nascimento
 
E trabalhar poesia em sala de aula
E trabalhar poesia em sala de aulaE trabalhar poesia em sala de aula
E trabalhar poesia em sala de aula
Marcos Antonio Leopoldino
 
Da crítica e da seleção de livros para crianças e jovens
Da crítica e da seleção de livros para crianças e jovensDa crítica e da seleção de livros para crianças e jovens
Da crítica e da seleção de livros para crianças e jovens
leandronegreiros2004
 
Apostila do módulo de Contação de Histórias, por Cris Velasco
Apostila do módulo de Contação de Histórias, por Cris VelascoApostila do módulo de Contação de Histórias, por Cris Velasco
Apostila do módulo de Contação de Histórias, por Cris Velasco
institutobrincante
 
Atps lite (2)
Atps lite (2)Atps lite (2)
Atps lite (2)
Hosana Souza
 
Contos e Cantos 2018
Contos e Cantos 2018Contos e Cantos 2018
Contos e Cantos 2018
Dennis123123
 
Esopo bilbiografia, fábula, importância lingua
Esopo bilbiografia, fábula, importância linguaEsopo bilbiografia, fábula, importância lingua
Esopo bilbiografia, fábula, importância lingua
Jomari
 
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
CAMILADELMONDES3
 
Gêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercíciosGêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercícios
MaiteFerreira4
 
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
lluiscarlosdassilva
 
elefante
elefanteelefante
elefante
Ana Lopes
 
1 1 arte e literatura
1 1 arte e literatura1 1 arte e literatura
1 1 arte e literatura
Luan02
 
Contacto - abril de 2023.pdf
Contacto - abril de 2023.pdfContacto - abril de 2023.pdf
Contacto - abril de 2023.pdf
BibliotecasEscolares3
 
Aula
AulaAula
Boletim Informativo 1
Boletim Informativo 1Boletim Informativo 1
Boletim Informativo 1
Gracinda Maria Pinto
 
Projeto: Fábulas fabulosas
Projeto: Fábulas fabulosasProjeto: Fábulas fabulosas
Projeto: Fábulas fabulosas
simonha
 
O texto poético de infância.pptx
O texto poético de infância.pptxO texto poético de infância.pptx
O texto poético de infância.pptx
KATIUCELOPESJUSTINO1
 
Páginas2 abril2011
Páginas2 abril2011Páginas2 abril2011
Páginas2 abril2011
mrvpimenta
 
Lit Infant 2a Aula
Lit Infant  2a AulaLit Infant  2a Aula
Lit Infant 2a Aula
guestdef931
 

Semelhante a Leitura e conhecimento no espaço da biblioteca escolar (20)

Apresentação final poesia
Apresentação final poesiaApresentação final poesia
Apresentação final poesia
 
Laboratório de Contação de Histórias
Laboratório de Contação de HistóriasLaboratório de Contação de Histórias
Laboratório de Contação de Histórias
 
E trabalhar poesia em sala de aula
E trabalhar poesia em sala de aulaE trabalhar poesia em sala de aula
E trabalhar poesia em sala de aula
 
Da crítica e da seleção de livros para crianças e jovens
Da crítica e da seleção de livros para crianças e jovensDa crítica e da seleção de livros para crianças e jovens
Da crítica e da seleção de livros para crianças e jovens
 
Apostila do módulo de Contação de Histórias, por Cris Velasco
Apostila do módulo de Contação de Histórias, por Cris VelascoApostila do módulo de Contação de Histórias, por Cris Velasco
Apostila do módulo de Contação de Histórias, por Cris Velasco
 
Atps lite (2)
Atps lite (2)Atps lite (2)
Atps lite (2)
 
Contos e Cantos 2018
Contos e Cantos 2018Contos e Cantos 2018
Contos e Cantos 2018
 
Esopo bilbiografia, fábula, importância lingua
Esopo bilbiografia, fábula, importância linguaEsopo bilbiografia, fábula, importância lingua
Esopo bilbiografia, fábula, importância lingua
 
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
 
Gêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercíciosGêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercícios
 
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
 
elefante
elefanteelefante
elefante
 
1 1 arte e literatura
1 1 arte e literatura1 1 arte e literatura
1 1 arte e literatura
 
Contacto - abril de 2023.pdf
Contacto - abril de 2023.pdfContacto - abril de 2023.pdf
Contacto - abril de 2023.pdf
 
Aula
AulaAula
Aula
 
Boletim Informativo 1
Boletim Informativo 1Boletim Informativo 1
Boletim Informativo 1
 
Projeto: Fábulas fabulosas
Projeto: Fábulas fabulosasProjeto: Fábulas fabulosas
Projeto: Fábulas fabulosas
 
O texto poético de infância.pptx
O texto poético de infância.pptxO texto poético de infância.pptx
O texto poético de infância.pptx
 
Páginas2 abril2011
Páginas2 abril2011Páginas2 abril2011
Páginas2 abril2011
 
Lit Infant 2a Aula
Lit Infant  2a AulaLit Infant  2a Aula
Lit Infant 2a Aula
 

Mais de Ana Paula Cecato

Somos feitos de histórias: reflexões sobre a literatura e a biblioteca
Somos feitos de histórias: reflexões sobre a literatura e a bibliotecaSomos feitos de histórias: reflexões sobre a literatura e a biblioteca
Somos feitos de histórias: reflexões sobre a literatura e a biblioteca
Ana Paula Cecato
 
Lista de escolas Lendo pra Valer
Lista de escolas Lendo pra ValerLista de escolas Lendo pra Valer
Lista de escolas Lendo pra Valer
Ana Paula Cecato
 
Coração de bigodes
Coração de bigodesCoração de bigodes
Coração de bigodes
Ana Paula Cecato
 
Estratégias digitais na educação - Escritora e especialista em Informática na...
Estratégias digitais na educação - Escritora e especialista em Informática na...Estratégias digitais na educação - Escritora e especialista em Informática na...
Estratégias digitais na educação - Escritora e especialista em Informática na...
Ana Paula Cecato
 
Projeto de leitura na EMEF Maria Gusmão Britto (São Leopoldo) - Profª Neusa P...
Projeto de leitura na EMEF Maria Gusmão Britto (São Leopoldo) - Profª Neusa P...Projeto de leitura na EMEF Maria Gusmão Britto (São Leopoldo) - Profª Neusa P...
Projeto de leitura na EMEF Maria Gusmão Britto (São Leopoldo) - Profª Neusa P...
Ana Paula Cecato
 
Dedilhando Sonhos
Dedilhando SonhosDedilhando Sonhos
Dedilhando Sonhos
Ana Paula Cecato
 
LEndo pra Valer na EEEF Porto Alegre
LEndo pra Valer na EEEF Porto AlegreLEndo pra Valer na EEEF Porto Alegre
LEndo pra Valer na EEEF Porto Alegre
Ana Paula Cecato
 
Maribel Soares: é hora da história
Maribel Soares: é hora da históriaMaribel Soares: é hora da história
Maribel Soares: é hora da história
Ana Paula Cecato
 
Tessituras: apresentação de Rosane Castro
Tessituras: apresentação de Rosane CastroTessituras: apresentação de Rosane Castro
Tessituras: apresentação de Rosane Castro
Ana Paula Cecato
 
Relato de experiência - EEEF Ezequiel Nunes Filho (Esteio)
Relato de experiência - EEEF Ezequiel Nunes Filho (Esteio)Relato de experiência - EEEF Ezequiel Nunes Filho (Esteio)
Relato de experiência - EEEF Ezequiel Nunes Filho (Esteio)
Ana Paula Cecato
 
Livro ilustrado
Livro ilustrado Livro ilustrado
Livro ilustrado
Ana Paula Cecato
 
Literatura Juvenil
Literatura JuvenilLiteratura Juvenil
Literatura Juvenil
Ana Paula Cecato
 
Tessituras: Poesia oral e autoral
Tessituras: Poesia oral e autoralTessituras: Poesia oral e autoral
Tessituras: Poesia oral e autoral
Ana Paula Cecato
 
Relato de experiência
Relato de experiênciaRelato de experiência
Relato de experiência
Ana Paula Cecato
 
Literatura e primeira infância
Literatura e primeira infânciaLiteratura e primeira infância
Literatura e primeira infância
Ana Paula Cecato
 
Como se faz um livro? Elaine Martiza
Como se faz um livro? Elaine MartizaComo se faz um livro? Elaine Martiza
Como se faz um livro? Elaine Martiza
Ana Paula Cecato
 
Como se faz um livro? Gláucia de Souza
Como se faz um livro? Gláucia de SouzaComo se faz um livro? Gláucia de Souza
Como se faz um livro? Gláucia de Souza
Ana Paula Cecato
 
Programas de Leitura Lendo pra Valer
Programas de Leitura Lendo pra ValerProgramas de Leitura Lendo pra Valer
Programas de Leitura Lendo pra Valer
Ana Paula Cecato
 
Programa de Leitura Adote um Escritor
Programa de Leitura Adote um EscritorPrograma de Leitura Adote um Escritor
Programa de Leitura Adote um Escritor
Ana Paula Cecato
 
Programa de Leitura LeiturAção
Programa de Leitura LeiturAçãoPrograma de Leitura LeiturAção
Programa de Leitura LeiturAção
Ana Paula Cecato
 

Mais de Ana Paula Cecato (20)

Somos feitos de histórias: reflexões sobre a literatura e a biblioteca
Somos feitos de histórias: reflexões sobre a literatura e a bibliotecaSomos feitos de histórias: reflexões sobre a literatura e a biblioteca
Somos feitos de histórias: reflexões sobre a literatura e a biblioteca
 
Lista de escolas Lendo pra Valer
Lista de escolas Lendo pra ValerLista de escolas Lendo pra Valer
Lista de escolas Lendo pra Valer
 
Coração de bigodes
Coração de bigodesCoração de bigodes
Coração de bigodes
 
Estratégias digitais na educação - Escritora e especialista em Informática na...
Estratégias digitais na educação - Escritora e especialista em Informática na...Estratégias digitais na educação - Escritora e especialista em Informática na...
Estratégias digitais na educação - Escritora e especialista em Informática na...
 
Projeto de leitura na EMEF Maria Gusmão Britto (São Leopoldo) - Profª Neusa P...
Projeto de leitura na EMEF Maria Gusmão Britto (São Leopoldo) - Profª Neusa P...Projeto de leitura na EMEF Maria Gusmão Britto (São Leopoldo) - Profª Neusa P...
Projeto de leitura na EMEF Maria Gusmão Britto (São Leopoldo) - Profª Neusa P...
 
Dedilhando Sonhos
Dedilhando SonhosDedilhando Sonhos
Dedilhando Sonhos
 
LEndo pra Valer na EEEF Porto Alegre
LEndo pra Valer na EEEF Porto AlegreLEndo pra Valer na EEEF Porto Alegre
LEndo pra Valer na EEEF Porto Alegre
 
Maribel Soares: é hora da história
Maribel Soares: é hora da históriaMaribel Soares: é hora da história
Maribel Soares: é hora da história
 
Tessituras: apresentação de Rosane Castro
Tessituras: apresentação de Rosane CastroTessituras: apresentação de Rosane Castro
Tessituras: apresentação de Rosane Castro
 
Relato de experiência - EEEF Ezequiel Nunes Filho (Esteio)
Relato de experiência - EEEF Ezequiel Nunes Filho (Esteio)Relato de experiência - EEEF Ezequiel Nunes Filho (Esteio)
Relato de experiência - EEEF Ezequiel Nunes Filho (Esteio)
 
Livro ilustrado
Livro ilustrado Livro ilustrado
Livro ilustrado
 
Literatura Juvenil
Literatura JuvenilLiteratura Juvenil
Literatura Juvenil
 
Tessituras: Poesia oral e autoral
Tessituras: Poesia oral e autoralTessituras: Poesia oral e autoral
Tessituras: Poesia oral e autoral
 
Relato de experiência
Relato de experiênciaRelato de experiência
Relato de experiência
 
Literatura e primeira infância
Literatura e primeira infânciaLiteratura e primeira infância
Literatura e primeira infância
 
Como se faz um livro? Elaine Martiza
Como se faz um livro? Elaine MartizaComo se faz um livro? Elaine Martiza
Como se faz um livro? Elaine Martiza
 
Como se faz um livro? Gláucia de Souza
Como se faz um livro? Gláucia de SouzaComo se faz um livro? Gláucia de Souza
Como se faz um livro? Gláucia de Souza
 
Programas de Leitura Lendo pra Valer
Programas de Leitura Lendo pra ValerProgramas de Leitura Lendo pra Valer
Programas de Leitura Lendo pra Valer
 
Programa de Leitura Adote um Escritor
Programa de Leitura Adote um EscritorPrograma de Leitura Adote um Escritor
Programa de Leitura Adote um Escritor
 
Programa de Leitura LeiturAção
Programa de Leitura LeiturAçãoPrograma de Leitura LeiturAção
Programa de Leitura LeiturAção
 

Leitura e conhecimento no espaço da biblioteca escolar

  • 1. Leitura e conhecimento no espaço da biblioteca escolar Ana Paula Cecato de Oliveira Mestranda em Letras/UNIRITTER anacecato@gmail.com
  • 4. Considerações a partir de PRIETO (1999): • As narrativas constituem uma das formas de pensar o mundo. • Todos nós nascemos imersos numa trama de narrativas. Algumas delas, dada sua influência sobre nosso imaginário, parecem que nos possuem. Elas condicionam nosso modo de ver a vida, de tomar decisões, de resolver os problemas afetivos...
  • 5. • Estas narrativas formam o repertório que as crianças trazem à escola e deve ser considerado pelo mediador de leitura. • As histórias são materiais de grande carga afetiva. Por exemplo, todos nós nos tornamos mediadores de leitura porque, de alguma forma, o espaço da biblioteca é presente em nossa memória afetiva.
  • 6. “Mar de histórias” é a expressão que se usava em sânscrito para se referir ao universo das narrativas. Ao transitar por essas rotas imaginárias, é sempre bom ter em mente a metáfora do mar. Ou seja, é preciso ter um caminho, é preciso manter o leme firme, mas é também necessária a consciência de que se navega em águas que ora podem ser muito tranquilas, ora podem se transformar em verdadeiros maremotos. Esta é a aventura literária da qual fazem parte o mestre e seus alunos: é preciso coragem para trafegar por mundos imaginários; porém, as viagens serão sempre cheias de descobertas. Heloisa Prieto, em Quer ouvir uma história?
  • 7.  Mnemosine ou Mnemósine (em grego Mνημοσύνη, pronounciado /mnɛːmosýːnɛː/) era uma das Titânides, filha de Urano e Gaia e a deusa que personificava a Memória. Ela é a mãe de todas as criações, com Zeus teve as Nove Musas: Calíope (Poesia Épica) Clio (Historia) Érato (Poesia Romântica) Euterpe (Música) Melpômene (Tragédia) Polímnia (Hinos) Terpsícore (Dança) Tália (Comédia) Urânia (Astronomia) Era aquela que preserva do esquecimento. Seria a divindade da enumeração vivificadora frente aos perigos da infinitude, frente aos perigos do esquecimento que na cosmogonia grega aparece como um rio, o Lete, um rio a cruzar a morada dos mortos (o de "letal" esquecimento), o Tártaro, e de onde "as almas bebiam sua água quando estavam Mnemosyne, por Dante Gabriel prestes a reencarnarem-se, e por isso esqueciam sua Rossetti, 1828-1882, pintor e poeta inglês. existência anterior".
  • 8. A memória é o essencial, visto que a literatura está feita de sonhos e os sonhos fazem-se combinando recordações. Jorge Luis Borges
  • 9. • Quando alguém conta uma história, desperta a memória do outro, e assim começa uma roda de histórias. • O homem faz uma pergunta ao mundo. Deseja compreender o universo como um todo, mas também quer conhecer os pormenores da vida. O homem coloca-se diante do mundo e o interroga, pedindo que lhe revele seus fenômenos. Recebe então uma resposta: palavras que vêm ao encontro das suas. Por pergunta e resposta, temos a formação da narrativa mitológica. (PRIETO, 1999)
  • 10. • A relação de significação com a linguagem na infância acontece por e com imagens, que remetem a um mundo sensível e mítico. • A criança percebe o mundo através das imagens e de sua ludicidade.
  • 11. FALCÃO, Adriana. Ilust. MASSARANI, Mariana. Mania de explicação. São Paulo: Salamandra, 2001.
  • 13. • Assim sendo, não se trata de somente conhecer a realidade social da comunidade onde trabalhamos, mas também conhecermos o modo como nossos leitores se relacionam com a linguagem. • Em algumas comunidades, por exemplo, onde a leitura e de escrita pouco integram suas práticas cotidianas, gêneros que envolvam a imagem (quadrinhos, livros de imagem, de música) podem ser a “porta de entrada” para a constituição dos acervos de seus leitores.
  • 14. • Oportunizar eventos de letramento (práticas que precisam da escrita para serem significadas) na biblioteca colaboram para a construção do valor simbólico da leitura no imaginário da comunidade escolar. • Envolver a comunidade nestes eventos (experiências como o Programa de Leitura Adote um Escritor).
  • 15. A partir da proposta de Britto (2009), perguntamo-nos: LEITURA gera CONHECIMENTO ou CONHECIMENTO gera LEITURA?
  • 16. • Não se trata de dizer que a leitura não proporciona conhecimento ao leitor, mas que o conhecimento (no étimo da palavra latina, saber a ação) só pode ser aperfeiçoado através da leitura. Dessa forma, abarcamos o repertório de conhecimentos prévios que o sujeito traz consigo ao ler (no étimo da palavra, colher o que está escrito). • Nesse sentido, a biblioteca pode se tornar um espaço de estudo e acesso ao conhecimento elaborado pela tradição ocidental.
  • 17. A função da arte Diego não conhecia o mar. O pai, Santiago Kovadloff, levou-o para que descobrisse o mar. Viajaram para o Sul. Ele, o mar, estava do outro lado das dunas altas, esperando. Quando o menino e o pai enfim alcançaram aquelas alturas de areia, depois de muito caminhar, o mar estava na frente de seus olhos. E foi tanta a imensidão do mar, e tanto seu fulgor, que o menino ficou mudo de beleza. E quando finalmente conseguiu falar, tremendo, gaguejando, pediu ao pai: - Me ajuda a olhar! GALEANO, Eduardo. O Livro dos Abraços. Tradução de Eric Nepomuceno. - 9. ed. - Porto. Alegre: L&PM, 2002.
  • 18. O que é um bom livro infantil? • Antes de tudo, deve considerar o repertório, o interesse e o propósito do leitor; • Como mediadores, o texto deve aproximar o leitor do prazer estético e propor “uma educação do olhar”; • Deve permitir ao leitor a construção de sentidos a partir da leitura; • O essencial é que as produções cativem com o recurso à fantasia, por seu caráter mágico, pela valorização das sensações e emoções que os transporta para o mundo da imaginação, edificado pelas imagens e símbolos do texto literário. (MARTHA, 2011, p.50) • O livro inserir-se num campo de produção cultural para a criança.
  • 19. O livro infantil como objeto cultural* • Elementos externos ao texto verbal (capa, contracapa, orelhas, paratextos, informações contextualizantes dos autores, fonte, papel, ilustrações, projeto gráfico); • Elementos internos (estruturais como foco narrativo, verossimilhança, linguagem, caráter de experimentação, intertextualidade, relação com outras lggs, rompimento de clichês e modelos, ambiguidade e pluralidade de significação da lggm literária, adequação do discurso das personagens a variáveis como tempo e espaço no mundo narrado). • Jogo de sentidos – diálogo entre palavras e imagens – Literatura Infantil é um gênero híbrido. *De acordo com MARTHA, 2011, p.49-53)
  • 20. Sugestões de trabalho na biblioteca escolar • Com políticas de distribuição de livros para as bibliotecas escolares, o grande desafio do mediador de leitura é encontrar estratégias de trabalho com estas obras. • Para isso, propomos algumas sugestões de trabalho, que, naturalmente, serão adequadas à realidade local da comunidade escolar.
  • 21. • O mediador deve ser um atento observador da realidade em que está inserido (conhecer o repertório cultural da comunidade, se participam de eventos de letramento, observar de que forma se expressam, quais temas lhes interessam) e um bom conhecedor de obras clássicas e contemporâneas de LI (o caminho pode ser o acervo disponibilizado pelo PNBE às bibliotecas escolares, a participação em eventos como seminários na Feira do Livro, acesso a sites sobre o gênero, onde podem ser encontradas resenhas dos livros...)
  • 22. • É preciso que a leitura e a escrita sejam entendidas como práticas que são significadas a partir das produções dos sujeitos envolvidos. • Trabalhos interdisciplinares, contemplando os níveis de expressão oral, visual e escrito. • Contextualização da obra lida.
  • 23. • Encarregar as turmas para produzirem material para exposição na biblioteca (experiência Dia do Livro). • Investir em práticas de linguagem artística (verbal, visual, corporal). • A biblioteca é o coração das nossas escolas, espaço de todos os membros da comunidade escolar!
  • 24. A convenção da maioria das escolas tem sido a de tratar a arte da narrativa – as canções, o drama, a ficção, o teatro, seja lá o que for – mais como uma “decoração” do que como uma necessidade, como algo que tenha que enfeitar o lazer, ou, às vezes, até como moralmente exemplar. Apesar disso, formulamos os relatos de nossas origens culturais e das crenças que nos são mais caras sob a forma de histórias, e não apenas o “conteúdo” dessas histórias nos atrai, mas seu artifício narrativo. (BRUNER, 2001, p. 171 apud CORSO, 2011 p.21).
  • 25. Alguns sites sobre LI: • Dobras da Leitura: http://www.dobrasdaleitura.com/index.html • Memórias da LIJ: • http://www.museudapessoa.net/mdl/memoriasDaLiteratura • Mundo da Leitura: • http://mundodaleitura.upf.br/novo/index.php • O livro infantil: • http://olivroinfantil.blogspot.com.br/ • Revista Tigre Albino (poesia infantil) • http://www.tigrealbino.com.br/ • http://programasdeleitura.blogspot.com
  • 28. Referências • CORSO, Diana & Mario. A psicanálise na Terra do Nunca: ensaios sobre a fantasia. Porto alegre: Penso, 2011. • MARINHO, Jorge Miguel. A convite das palavras: motivações para ler, escrever e criar. São Paulo: Biruta, 2009. • OLIVEIRA, Ieda de. O que é qualidade em Literatura Infantil e Juvenil – com a palavra o educador. São Paulo: DCL, 2011. • PRIETO, Heloisa. Quer ouvir uma história? Lendas e mitos no mundo da criança. Campinas: Angra, 1999. • RAMOS, Flávia Brochetto & NEVES, Nathalie Vieira. Biblioteca escolar e práticas educativas: o mediador em formação. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid =S1806-58212009000300020&script=sci_arttext. Acesso em 30 abr 2012.
  • 29. Livros Infantis: BRENMAN, Ilan. MORICONI, Renato. (Ilust.) O Alvo. São Paulo: Ática, 2011. VASSALLO, Márcio. TERRA, Ana. (Ilust.) A professora encantadora. BH: Abacatte, 2010. FALCÃO, Adriana. MASSARANI, Mariana. Mania de explicação. São Paulo: Moderna, 2011.
  • 30. “Entrar em uma biblioteca é entrar em uma viagem que pode mudar a vida.” Alberto Manguel, escritor argentino, autor de muitas obras, dentre elas Uma história da leitura (Cia das Letras, 1997)