SlideShare uma empresa Scribd logo
REVISAO DA ANALISE
FINANCEIRA
Prof. Dr. Joao Mutondo
Ching sintetiza o interessa de cada um dos usuários
das demonstrações financeiras na seguinte
tabela:
CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA GRÁFICA – PÓS GRADUAÇÃO – GESTÃO INOVADORA DA EMPRESA SENAI - SP
1. Usuários das demonstrações
financeiras
Usuário Questões
Proprietários Rentabilidade, valor do negócio?
Aumentar ou diminuir investimentos?
Administradores Que operações devem ser
incrementadas/ reduzidas?
Fornecedores Aumentar ou diminuir crédito?
Bancos Ceder empréstimos?
Governo IR calculado corretamente?
Funcionários A empresa é lucrativa?
Concorrentes Vendas, margens de lucro,
rentabilidade?Fonte: Ching, H.Y. Contabilidade & Finanças para não especialistas. Pág. 100
• Podemos acrescentar mais um grupo de usuário:
cliente. Rentabilidade? Capacidade de entrega
dos produtos / serviços contratados?
• Qualquer que seja a necessidade do usuário, a
análise das demonstrações financeiras permite
avaliar:
 capacidade de liquidez – situação
financeira
 estrutura patrimonial – origem dos
recursos (capital próprio ou de terceiros).
 rentabilidade do negócio – retorno sobre
o investimento realizado
CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA GRÁFICA – PÓS GRADUAÇÃO – GESTÃO INOVADORA DA EMPRESA SENAI - SP
1. Usuários das demonstrações financeiras
NATUREZA E SCOPE DA GESTAO
FINANCEIRA
• Gestao financeira: aquisicão e uso de
recursos financeiros e proteccão dos ganhos
do empresario de varias fontes de risco.
• Financial flow chart
Folha de balanço
Activos Passivos
Correntes Correntes
Não correntes Não correntes
Capital próprio
Total de activos = total de passivos
+ Capital próprio
Fluxo de
dinheiro
Operações
Investimento
Financiament
o
Renda
Receitas
Despesas
-+ Renda e despesas fora
da farmas
- Taxas
= Renda liquida
Leased assets
Real estate
Non real estate
Reavaliação de activos
Folha de balanco
Activos Passivo
Correntes Correntes
Nao correntes Nao correntes
Capital proprio
Total de activos = total de
passivos + Capital próprio
Inicio do ano
Fim do ano
FOLHA DE BALANÇO
•Apresenta a situação patrimonial de uma empresa em
determinada data, derivada dos fluxos económicos e financeiros.
•Mapa onde se vai fazer a comparação entre o Activo e o Passivo
paradestacar a Situação Líquida (capitais próprios)
Aspecto Estático - conhecer a situação patrimonial da empresa
num dado momento.
Aspecto Dinâmico - conhecendo a situação patrimonial agora e a
inicial podemos determinar os resultados num dado período
FOLHA DE BALANÇO
• Activos
• Correntes
• Não correntes
• Passivo
• Corrente
• Não corrente
• Capital próprio
FOLHA DE BALANÇO
• Activos correntes: Consistem em
dinheiro e bens que podem ser convertidos
em dinheiro durante o ano financeiro da
empresa.
• Mercadorias, animais, semente, fertilizantes,
químicos e outros activos que rapidamente
podem ser convertidos em dinheiro sem
mudanças nas operações normais da empresa.
FOLHA DE BALANÇO
• Activos não correntes: inclui todos os
activos que não são facilmente convertidos
em dinheiro sem mudar as operações
normais da empresa.
• Terra e benfeitorias
• Maquinaria
• Equipamento
• Veículos
•
FOLHA DE BALANCO
Activos correntes
Dinheiro e bens equivalentes: outros bens que podem
ser transformados em dinheiro rapidamente.
Contas a receber: valores a receber resultantes da
venda de bens e serviços.
Inventário: Bens existentes para a venda ou para se
usar no processo produtivo (produção de bens para a
venda)
.
FOLHA DE BALANCO
Activos correntes
Despesas pré pagas: Custos operacionais que foram pagas em
adiantado: De notar que quando a despesa é paga esta consta na
folha de rendimento. Se uma empresa tem uma despesa anual
de 400.000 Meticais para arrendamento e paga este valor em
adiantamento, o valor é reduzido no activo dinheiro e
adicionado no activo despesas pré pagas. No fim do primeiro
trimestre pode-se assumir que a empresa pagou 25% do valor
da renda (100.000 Meticais) e assim subtrai-se este valor nos
activos despesas pre pagas para a folha de rendimento.
FOLHA DE BALANCO
Activos tangíveis: Propriedades, Edifícios, Equipamentos e
terra.
Estes activos são registados na folha de balanço com os
respectivos valores que são iguais aos custos menos a
depreciação. O custo inclui o valor de compra e o valor
necessário para por o activo em funcionamento. De notar
que a terra pode não ser depreciada.
Activos intangíveis: Activos que não existem de uma forma
física tais como patentes, marcas, direitos de autor…
FOLHA DE BALANÇO
• Passivo: consiste normalmente por
dinheiro emprestado para suportar o
processo produtivo e comercialização e para
financiar investimentos.
• Passivo corrente: inclui rubricas que
devem ser pagas durante o ano de operação
(normalmente 12 meses).
• Passivo não corrente
FOLHA DE BALANCO
Passivo
Contas a pagar: valores que a empresa tem de pagar a
fornecedores para bens e serviços adquiridos a crédito.
Notas a pagar: obrigações da empresa em termos de notas
de promessa que a empresa deve pagar aos fornecedores.
Estas notas podem ser incluídas no passivo não corrente se
devem ser pagas depois de um ano.
Taxas a pagar: São taxas reflectidas na folha de rendimento
que ainda não foram pagas
FOLHA DO BALANCO
Despesas por pagar: Despesas que constam na folha de
rendimento e que ainda não foram pagas pela empresa.
Imagina uma empresa que tem que pagar taxa de juro no
fim do ano de 100.000Meticais do empréstimo bancário e
no fim do primeiro trimestre assume-se que a empresa
devia ter pago 25.000Meticais e sendo assim, a firma vai
anotar 25.000 Meticais como despesas de taxas de juro na
folha de balanço e também as despesas a pagar devem ser
acrescidas em 25.000 Meticais na folha de balanço na
rubrica de despesas a pagar apesar de não ter sido pago
ainda ao banco.
FOLHA DO BALANCO
Receitas não produzidas: receitas recebidas em
adiantamento e que a empresa ainda não produziu os bens e
serviços correspondentes as receitas recebidas. Produção
agrícola por contrato de pronto pagamento. Se um produtor
recebe 100.000 Meticais para providenciar tomate no
futuro, o valor é lançado nos activos na rubrica de activos
correntes (dinheiro) e também no passivo corrente (receitas
não produzidas). Quando o produtor providenciar o tomate,
o valor de 100.000 Meticais é lançado como receitas na
folha de rendimento e diminui o valor correspondente na
folha de balanço na rubrica receitas não produzidas.
BALANCE SHEET
Income Statement of GOOD MAIZE COMPANY
Assets Year 2 Year 1 Liabilities Year 2 Year 1
Current assets Current liabilities
Cash and equivalents 140 107 Accounts payable 213 197
Accounts receivable 294 270 Notes payable 50 53
Inventories 269 280 Accrued expenses* 223 205
Other 58 50 Total current liabilities 486 455
Total current assets 761 707 Long term liabilities
Fixed assets Total long term liabilities 588 562
Property, plant and equipment 1423 1274 Stakeholders’ equity
Less accumulated depreciation (550) (460) Total stakeholders equity 805 725
Net property, plant and
equipment
873 814
Intangible assets and other 245 221
Total fixed asset 1118 1035
Total assets 1879 1742 Total liabilities and
stakeholders equity
1879 1742
* Despesa que se espera pagar num futuro proximo
FOLHA DE RENDIMENTO
Definição: Reporta as receitas e despesas da empresa durante um
determinado período.
Receitas – Despesas = Renda líquida
-Providencia o valor da empresa
-Providencia informação sobre a capacidade da empresa de cumprir
com as suas obrigações (financeiras e de produção).
Folha de rendimento pode ser apresentada num único estágio
(todas as receitas e despesas agrupadas separadamente) e múltiplos
estágios (incorpora lucros brutos = receitas – custos dos bens
produzidos).
FOLHA DE RENDIMENTO
Receitas
Custos dos bens vendidos
Lucros brutos = Receitas - custos dos bens produzidos
Despesas de comercialização, gerais e administrativos
Despesas de depreciação
Lucro de operação = Lucro bruto - Despesas de
comercialização, gerais e administrativos - Despesas de
depreciação.
FOLHA DE RENDIMENTO
Taxas de juro
Renda antes de taxas = Lucro de operação - Taxas de juro
Taxas
Renda para continuação de operação = Renda antes de taxas –
Taxas
Ganhos (perdas) devido a descontinuidade de operação
Renda líquida = Renda para continuação de operação - Ganhos
(perdas) devido a descontinuidade de operação
INCOME STATEMENT-CONT.
Income Statement of GOOD MAIZE COMPANY YEAR 2
Total operating revenues 2262
Cost of goods sold (1655)
Selling, general, and administrative
expenses
(327)
Depreciation (90)
Operating income 190
Other income 29
Earnings before interest and taxes 219
Interest expenses (49)
Pretax income 170
Taxes (84)
Current tax: 71
Deferred tax (84-71=13)
Net income 86
Retained earnings 43
FLUXO DE CAIXA
• Fluxo de caixa indica o fluxo e a fonte de dinheiro
usado na empresa.
1. Fluxo de dinheiro derivado das actividades de
producao da empresa (usando os activos da
empresa)
2. Fluxo de caixa referente as actividades de
investimento da empresa
3. Fluxo de caixa referente as actividades de
financiamento da empresa
PROCESSO DE DETERMINAR O FLUXO DE CAIXA
1. Fluxo de caixa gerado pelos activos da empresa
1.1 Provenientes da operação de produção
Ganhos antes de juros e taxas: 219
Depreciação: 90
Taxas: (71)
Fluxo de caixa proveniente da operação: 238
1.2 Mudança nos activos fixos
Aquisição de activos fixos: 198
Venda de activos fixos (25)
Gasto de capital: 173
PROCESSO DE DETERMINAR O FLUXO DE CAIXA
1.3 Mudança no capital liquido de operação
Capital liquido de operação (NWC)= activos correntes – passivo corrente
Ano 1: 707-455=252
Ano 2: 761-486=275
Mudança de NWC=275-252=23
Fluxo de caixa total gerado pelos activos da empresa e a soma de:
Fluxo de caixa proveniente da operação: 238
Gasto de capital: (173)
Mudança de NWC(23)
Total: 42
PROCESSO DE DETERMINAR O FLUXO DE CAIXA
2. Fluxo de caixa para os investidores da empresa
Juros: 49
Pagamento do valor investido: 73
Total :122
Divida de longo prazo incluindo juros: (86)
Total: 36
3. Fluxo de caixa para capital próprio dos investidores
Dividendos: 43
Recompra de stocks: 6
Dinheiro para os investidores (stakeholders): 49=43+6
Compra de novos stocks: (43)
Total: 6
PROCESSO DE DETERMINAR O FLUXO DE CAIXA
CASH FLOW
Cash flow of GOOD-MAIZE COMPANY
Cash flow of the firm
Operating cash flow 238
Capital spending (173)
Additions to net working
capital
(23)
Total 42
Cash flow to investors in the
firm
Debt 36
Equity 6
Total 42
METODOS DE ANALISE FINANCEIRA
• Comparação de documentos financeiros ao longo
do tempo e com empresas da mesma industria
• Uso de índices
• Medição do crescimento dos elementos dos
documentos financeiros.
• Crescimento de activos (2008-
2011)=(253,854/98,237)*100=257%
• O valor de activos cresceu em 257%
SPECIFIC FINANCIAL PERFORMANCE
MEASURES
Financial statement analysis
1. Short term solvency: the ability of the firm to meet
its short-run obligations. The extent the firm has
sufficient cash flow to meet its financial obligations
2. Activity: the ability of the firm to control its
investment in assets
3. Financial leverage: the extent to which a firm relies
on debt financing
4. Profitability: the extent to which a firm is profitable
5. Value: the value of the firm
SOLVENCY
Short-tem solvency
Year 1: Current ratio =Total current assets/total current
liabilities=761/486=1.57
Should be more than 1 meaning that the firm has
sufficient cash to meet its financial obligation
It can be computed over time
It can be compared with current ratios from similar firms
SOLVENCY
Short-tem solvency
Year 1: Quick ratio = Quick assets/total current
liabilities=492/486=1.01
Quick assets are those that are quickly converted into
cash. Inventories are not quick assets and therefore
should be subtracted in calculation of quick assets.
ACTIVITY
Activity: How effectively the firm assets are being
managed.
Avoid over accumulation of assets
Compare assets to the sale to arrive at turnover
(how effectively assets are used to generate sales)
ACTIVITY
• Total asset turnover= total operating
revenues/average of total assets=2262/1810.5=1.25
•Average of total assets=1879+1742/2=1810.5 (from
balance sheet).
•Total operating revenues is from income statement
Should be more than 1 meaning that the firm is using
effectively its asset to generate sales.
ACTIVITY
Receivable turnover =total operating
revenues/average of accounts receivables
=2262/282=8.02
•Average of accounts receivable=294+270/2=282
•Used to calculate the average collection period.
•Average collection period=days in period/receivable
turnover=365/8.02=45.5 days
Average collection period cannot exceed the time
allowed for payment in credit terms by more than 10
days.
ACTIVITY
• Inventory turnover: how quickly inventory is
produced and sold.
•Inventory turnover=the cost of goods sold/ average
of inventories=1655/274.5=6.03.
•Average of inventories=269+280/2=274.5.
•Days in inventory=days in period/inventory
turnover=365/6.03=60.5 days.
•The ratio of days in inventory represents the number of
days it takes to get goods produced and sold (shelf
life).
•High ratio of days in inventory suggests an high
inventory of unsold goods.
FINANCIAL LEVERAGE
• Financial leverage: the extent the firm relies on debt
to financing rather than equity.
•Debt ratio =total debt (liabilities)/total
assets=1074/1879=0.57
•Debt to equity ratio =total debt (liabilities)/total
equity=1074/805=1.33
•Equity multiplier =total assets/total
equity=1879/805=2.33
Interest coverage =earnings before interest and
taxes/interest expenses=219/49=4.5
Show the ability of the firm to pay interest.
PROFITABILITY
• Profit margins: obtained by dividing profits by total
operating revenues.
•Net profit margin =net income/total operating
revenues=86/2262=0.038 (3.8%).
•Gross profit margin =Earnings before interest and
taxes/total operating revenues=219/2262=0.097 (9.7%)
PROFITABILITY
• Return on assets
•Net return on assets (ROA net) =net income/average
total assets=86/1810.5=0.0475 (4.75%)
•Gross return in assets (ROA gross) =Earnings
before interest and tax/average total
assets=219/1810.5=0.121 (12.1%)
•ROA net =net profit margin* asset turnover
•ROA gross= gross profit margin* asset turnover
Return on equity (ROE)=Net income/average
stockholder’s equity=86/765=0.112 (11.2%)
PROFITABILITY
•Payout ratio =cash dividends/net income=43/86=0.5.
•Retention ratio =retained earnings/net
income=43/86=0.5.
Retained earnings =net income-dividends
VALOR DO DINHEIRO AO LONGO
DO TEMPO
Prof. Doutor Joao Mutondo
VALOR PRESENTE
• VP= Ct/(1+r)t
•Exemplo1: Um investidor agrário espera receber 10,000 Meticais
no terceiro do seu investimento a uma taxa de juro de 8%. Qual e
o valor presente do seu lucro no terceiro ano?
•VP=10.000/(1+0.08)=7.938 Meticais
•Exemplo 2: Um produtor agrário espera receber 2.000 Meticais
no primeiro ano e 5.000 meticais no segundo ando a uma taxa de
juro de 8%. Qual é o valor presente desse fluxo de caixa a uma
taxa de juro de 6%?
•VP=2.000/(1+0.06)+5.000/(1+0.06)2=6.337
•
PERPETUIDADE
• Perpetuidade corresponde o fluxo constante de caixa
que não tem fim.
•VP= C/(1+r)1+ C/(1+r)2+ C/(1+r)3+….
VP=C/r
Exemplo: Considere uma perpetuidade que paga 100 meticais por
ano a uma taxa de 8%. Qual e o valor presente desta
perpetuidade?
VP=100/0.08=1.250
•Perpetuidade crescente: acontece se o fluxo infinito
de caixa cresce anualmente a uma taxa de g.
•
PERPETUIDADE
• Perpetuidade crescente
VP=C/(r-g)
Exemplo: Considere uma perpetuidade que paga 100.000 e que
cresce anualmente 5% a uma taxa de juro de 11%. Qual e o valor
presente desta perpetuidade?
VP=100.000/(0.11-0.05)=1.666.667
•
ANUIDADE
• Anuidade corresponde o fluxo constante de caixa que
tem fim.
•VP= C/(1+r)1+ C/(1+r)2+ C/(1+r)3+… C/(1+r)t.
VP=C[(1/r)-1/r(1+r)t]
Exemplo: Sr. Sitoe ganhou uma lotaria que paga 50.000 meticais
por ano durante 20 anos. Ele vai receber o primeiro pagamento no
próximo ano e a taxa de juro e de 8%. Qual e o valor presente da
lotaria?
• VP=50.000[(1/0.08)-1/(0.08(1+0.08)20)]=490.905
VALOR FUTURO
• VF= C0*(1+r)t
•Exemplo: O Sr. Sitoe tem 500 meticais na sua conta a prazo e
que rende juros de 7% anualmente. Quanto dinheiro o Sr. Sitoe
terá no terceiro ano?
•VF=$500 *1.07 * 1.07* 1.07= $500 * (1.07)3= $612.52
•O período de maturação pode acontecer varias vezes num
determinado ano, isto e, pode ser semestral, trimestral, mensal,
diário…
•VF= C0*(1+r/m)m
•Onde m corresponde o numero de maturações por ano.
VALOR FUTURO
•Exemplo: O Sr. Sitoe tem 1000 meticais na sua conta a prazo e
que rende juros trimestrais de 10% . Quanto dinheiro o Sr. Sitoe
terá no final do ano?
•VF= C0*(1+r/m)m
•VF=1000*(1+0.1/4)4=1.103,81.
•A formula acima e valida para múltiplas maturações durante um
ano. Para calcular VF de múltiplas maturações para mais do que
um ano deve usar a seguinte formula:
•VF= C0*(1+r/m)mt
VALOR FUTURO
•Exemplo: O Sr. Sitoe tem 5.000 meticais na sua conta a prazo e
que rende juros trimestrais de 12% durante 5 anos . Quanto
dinheiro o Sr. Sitoe terá no final do quinto ano?
•VF= C0*(1+r/m)m
•VF=5.000*(1+0.12/4)4*5=9.030,50.
•Valor futuro para maturações continuas
•VF= C0* ert
•Onde r e a taxa de juro e t e o numero de anos que o
investimento vai durar

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Análise econômico financeira de uma organização
Análise econômico financeira de uma organizaçãoAnálise econômico financeira de uma organização
Análise econômico financeira de uma organização
Paulo Henrique Silva
 
Orçamento de Despesas Gerais e Investimentos
Orçamento de Despesas Gerais e InvestimentosOrçamento de Despesas Gerais e Investimentos
Orçamento de Despesas Gerais e Investimentos
Alexandre Pereira
 
Estrutura das demonstrações Cont. modelo da dre - 2015.1
Estrutura das demonstrações Cont.   modelo da dre - 2015.1Estrutura das demonstrações Cont.   modelo da dre - 2015.1
Estrutura das demonstrações Cont. modelo da dre - 2015.1
Eduardo Baroni
 
Empreendedorismo 10
Empreendedorismo 10Empreendedorismo 10
Empreendedorismo 10
Graphic Designer
 
Orçamento de caixa
Orçamento de caixaOrçamento de caixa
Orçamento de caixa
Felipe Leo
 
âMbito da contabilidade de gestão
âMbito da contabilidade de gestãoâMbito da contabilidade de gestão
âMbito da contabilidade de gestão
Universidade Pedagogica
 
Análise economica financeira
Análise economica financeiraAnálise economica financeira
Análise economica financeira
Delza
 
Dicas contabilidade receitas e despesas
Dicas contabilidade receitas e despesasDicas contabilidade receitas e despesas
Dicas contabilidade receitas e despesas
apostilacontabil
 
Contanilidade de gestao exercicios
Contanilidade de gestao exerciciosContanilidade de gestao exercicios
Contanilidade de gestao exercicios
Universidade Pedagogica
 
Zu stm10 020-37
Zu   stm10 020-37Zu   stm10 020-37
Zu stm10 020-37
Igornoliveira
 
Tópicos Especiais em Contabilidade I Alfacastelo Moisés Bagagi
Tópicos Especiais em Contabilidade I Alfacastelo Moisés BagagiTópicos Especiais em Contabilidade I Alfacastelo Moisés Bagagi
Tópicos Especiais em Contabilidade I Alfacastelo Moisés Bagagi
Moises Bagagi
 
Aula 03 dre
Aula 03 dreAula 03 dre
Aula 03 dre
Endryelle Santos
 
Analise financeira
Analise financeiraAnalise financeira
Analise financeira
Erode Souza Leite
 
Balanço e as demonstrações de resultados
Balanço e as demonstrações de resultadosBalanço e as demonstrações de resultados
Balanço e as demonstrações de resultados
Universidade Pedagogica
 
Apostila 03 orçamento de vendas
Apostila 03   orçamento de vendasApostila 03   orçamento de vendas
Apostila 03 orçamento de vendas
katiagomide
 
Dva
DvaDva
17 cpc 09 - demonstração do valor adicionado (dva)
17   cpc 09 - demonstração do valor adicionado (dva)17   cpc 09 - demonstração do valor adicionado (dva)
17 cpc 09 - demonstração do valor adicionado (dva)
Moore Stephens Brasil
 
Dre modelo
Dre modeloDre modelo
Dre modelo
apostilacontabil
 
Resumo das Alterações do CPC PME (R1)
Resumo das Alterações do CPC PME (R1)Resumo das Alterações do CPC PME (R1)
Resumo das Alterações do CPC PME (R1)
Tiago Slavov
 
Unidade i contabilidade de custos
Unidade i   contabilidade de custosUnidade i   contabilidade de custos
Unidade i contabilidade de custos
custos contabil
 

Mais procurados (20)

Análise econômico financeira de uma organização
Análise econômico financeira de uma organizaçãoAnálise econômico financeira de uma organização
Análise econômico financeira de uma organização
 
Orçamento de Despesas Gerais e Investimentos
Orçamento de Despesas Gerais e InvestimentosOrçamento de Despesas Gerais e Investimentos
Orçamento de Despesas Gerais e Investimentos
 
Estrutura das demonstrações Cont. modelo da dre - 2015.1
Estrutura das demonstrações Cont.   modelo da dre - 2015.1Estrutura das demonstrações Cont.   modelo da dre - 2015.1
Estrutura das demonstrações Cont. modelo da dre - 2015.1
 
Empreendedorismo 10
Empreendedorismo 10Empreendedorismo 10
Empreendedorismo 10
 
Orçamento de caixa
Orçamento de caixaOrçamento de caixa
Orçamento de caixa
 
âMbito da contabilidade de gestão
âMbito da contabilidade de gestãoâMbito da contabilidade de gestão
âMbito da contabilidade de gestão
 
Análise economica financeira
Análise economica financeiraAnálise economica financeira
Análise economica financeira
 
Dicas contabilidade receitas e despesas
Dicas contabilidade receitas e despesasDicas contabilidade receitas e despesas
Dicas contabilidade receitas e despesas
 
Contanilidade de gestao exercicios
Contanilidade de gestao exerciciosContanilidade de gestao exercicios
Contanilidade de gestao exercicios
 
Zu stm10 020-37
Zu   stm10 020-37Zu   stm10 020-37
Zu stm10 020-37
 
Tópicos Especiais em Contabilidade I Alfacastelo Moisés Bagagi
Tópicos Especiais em Contabilidade I Alfacastelo Moisés BagagiTópicos Especiais em Contabilidade I Alfacastelo Moisés Bagagi
Tópicos Especiais em Contabilidade I Alfacastelo Moisés Bagagi
 
Aula 03 dre
Aula 03 dreAula 03 dre
Aula 03 dre
 
Analise financeira
Analise financeiraAnalise financeira
Analise financeira
 
Balanço e as demonstrações de resultados
Balanço e as demonstrações de resultadosBalanço e as demonstrações de resultados
Balanço e as demonstrações de resultados
 
Apostila 03 orçamento de vendas
Apostila 03   orçamento de vendasApostila 03   orçamento de vendas
Apostila 03 orçamento de vendas
 
Dva
DvaDva
Dva
 
17 cpc 09 - demonstração do valor adicionado (dva)
17   cpc 09 - demonstração do valor adicionado (dva)17   cpc 09 - demonstração do valor adicionado (dva)
17 cpc 09 - demonstração do valor adicionado (dva)
 
Dre modelo
Dre modeloDre modelo
Dre modelo
 
Resumo das Alterações do CPC PME (R1)
Resumo das Alterações do CPC PME (R1)Resumo das Alterações do CPC PME (R1)
Resumo das Alterações do CPC PME (R1)
 
Unidade i contabilidade de custos
Unidade i   contabilidade de custosUnidade i   contabilidade de custos
Unidade i contabilidade de custos
 

Semelhante a REVISÃO DA ANALISE FINANCEIRA

Administracao financeira - APOSTILA
Administracao financeira - APOSTILAAdministracao financeira - APOSTILA
Administracao financeira - APOSTILA
Roger Guimarães
 
Módulo 4 contabilidade gerencial
Módulo 4   contabilidade gerencialMódulo 4   contabilidade gerencial
Módulo 4 contabilidade gerencial
PUC Minas
 
Análise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações FinanceirasAnálise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações Financeiras
Milton Henrique do Couto Neto
 
Aula de Contabilidade Basica.ppt
Aula de Contabilidade Basica.pptAula de Contabilidade Basica.ppt
Aula de Contabilidade Basica.ppt
Pedro Luis Moraes
 
Aula 1.ppt
Aula 1.pptAula 1.ppt
Aula 1.ppt
ssusercc81d3
 
Demonstração do Resultado do Exercicio
Demonstração do Resultado do ExercicioDemonstração do Resultado do Exercicio
Demonstração do Resultado do Exercicio
Lutenchini
 
DRE - demonstração do resultado do exercício
DRE - demonstração do resultado do exercícioDRE - demonstração do resultado do exercício
DRE - demonstração do resultado do exercício
Aninha Soares
 
Eng. economica análise de custo, volume, lucro e formação de preço
Eng. economica   análise de custo, volume, lucro e formação de preçoEng. economica   análise de custo, volume, lucro e formação de preço
Eng. economica análise de custo, volume, lucro e formação de preço
Paulo Ricardo Matos
 
Aula receita despesa
Aula receita despesaAula receita despesa
Aula receita despesa
apostilacontabil
 
Operações financeiras, salários e encargos e depreciação
Operações financeiras, salários e encargos e depreciaçãoOperações financeiras, salários e encargos e depreciação
Operações financeiras, salários e encargos e depreciação
Concurseiro Antenado
 
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 3 e 4
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 3 e 4 Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 3 e 4
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 3 e 4
Wandick Rocha de Aquino
 
Relatórios Contábeis.pptx
Relatórios Contábeis.pptxRelatórios Contábeis.pptx
Relatórios Contábeis.pptx
Pedro Luis Moraes
 
Slide importantes
Slide importantesSlide importantes
Slide importantes
acmartins9
 
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptxContabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
ssuser129a121
 
ade1770bd6443f94b94f090fe3685194.pdf
ade1770bd6443f94b94f090fe3685194.pdfade1770bd6443f94b94f090fe3685194.pdf
ade1770bd6443f94b94f090fe3685194.pdf
RosanaValeria4
 
2 Contabilidade Para Não Contadores
2   Contabilidade Para Não Contadores2   Contabilidade Para Não Contadores
2 Contabilidade Para Não Contadores
Bolivar Motta
 
Práticas Financeiras e Contábeis - :Aulas 9 e 10
Práticas Financeiras e Contábeis - :Aulas 9 e 10Práticas Financeiras e Contábeis - :Aulas 9 e 10
Práticas Financeiras e Contábeis - :Aulas 9 e 10
Wandick Rocha de Aquino
 
Módulo 1 Contabilidade Gerencial
 Módulo 1   Contabilidade Gerencial Módulo 1   Contabilidade Gerencial
Módulo 1 Contabilidade Gerencial
PUC Minas
 
Contabilidade respostas 019
Contabilidade respostas 019Contabilidade respostas 019
Contabilidade respostas 019
geral contabil
 
Fluxo de caixa 0001
Fluxo de caixa 0001Fluxo de caixa 0001
Fluxo de caixa 0001
albumina
 

Semelhante a REVISÃO DA ANALISE FINANCEIRA (20)

Administracao financeira - APOSTILA
Administracao financeira - APOSTILAAdministracao financeira - APOSTILA
Administracao financeira - APOSTILA
 
Módulo 4 contabilidade gerencial
Módulo 4   contabilidade gerencialMódulo 4   contabilidade gerencial
Módulo 4 contabilidade gerencial
 
Análise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações FinanceirasAnálise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações Financeiras
 
Aula de Contabilidade Basica.ppt
Aula de Contabilidade Basica.pptAula de Contabilidade Basica.ppt
Aula de Contabilidade Basica.ppt
 
Aula 1.ppt
Aula 1.pptAula 1.ppt
Aula 1.ppt
 
Demonstração do Resultado do Exercicio
Demonstração do Resultado do ExercicioDemonstração do Resultado do Exercicio
Demonstração do Resultado do Exercicio
 
DRE - demonstração do resultado do exercício
DRE - demonstração do resultado do exercícioDRE - demonstração do resultado do exercício
DRE - demonstração do resultado do exercício
 
Eng. economica análise de custo, volume, lucro e formação de preço
Eng. economica   análise de custo, volume, lucro e formação de preçoEng. economica   análise de custo, volume, lucro e formação de preço
Eng. economica análise de custo, volume, lucro e formação de preço
 
Aula receita despesa
Aula receita despesaAula receita despesa
Aula receita despesa
 
Operações financeiras, salários e encargos e depreciação
Operações financeiras, salários e encargos e depreciaçãoOperações financeiras, salários e encargos e depreciação
Operações financeiras, salários e encargos e depreciação
 
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 3 e 4
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 3 e 4 Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 3 e 4
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 3 e 4
 
Relatórios Contábeis.pptx
Relatórios Contábeis.pptxRelatórios Contábeis.pptx
Relatórios Contábeis.pptx
 
Slide importantes
Slide importantesSlide importantes
Slide importantes
 
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptxContabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
 
ade1770bd6443f94b94f090fe3685194.pdf
ade1770bd6443f94b94f090fe3685194.pdfade1770bd6443f94b94f090fe3685194.pdf
ade1770bd6443f94b94f090fe3685194.pdf
 
2 Contabilidade Para Não Contadores
2   Contabilidade Para Não Contadores2   Contabilidade Para Não Contadores
2 Contabilidade Para Não Contadores
 
Práticas Financeiras e Contábeis - :Aulas 9 e 10
Práticas Financeiras e Contábeis - :Aulas 9 e 10Práticas Financeiras e Contábeis - :Aulas 9 e 10
Práticas Financeiras e Contábeis - :Aulas 9 e 10
 
Módulo 1 Contabilidade Gerencial
 Módulo 1   Contabilidade Gerencial Módulo 1   Contabilidade Gerencial
Módulo 1 Contabilidade Gerencial
 
Contabilidade respostas 019
Contabilidade respostas 019Contabilidade respostas 019
Contabilidade respostas 019
 
Fluxo de caixa 0001
Fluxo de caixa 0001Fluxo de caixa 0001
Fluxo de caixa 0001
 

Último

AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
MaxwellBentodeOlivei1
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
pereiramarcossantos0
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
ClaudioArez
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
Consultoria Acadêmica
 
Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
RafaelDantas32562
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Sandro Marques Solidario
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
RoemirPeres
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
WeltonAgostinhoDias1
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
bentosst
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Wagner Moraes
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
GabrielGarcia356832
 

Último (13)

AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
 
Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
 

REVISÃO DA ANALISE FINANCEIRA

  • 2. Ching sintetiza o interessa de cada um dos usuários das demonstrações financeiras na seguinte tabela: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA GRÁFICA – PÓS GRADUAÇÃO – GESTÃO INOVADORA DA EMPRESA SENAI - SP 1. Usuários das demonstrações financeiras Usuário Questões Proprietários Rentabilidade, valor do negócio? Aumentar ou diminuir investimentos? Administradores Que operações devem ser incrementadas/ reduzidas? Fornecedores Aumentar ou diminuir crédito? Bancos Ceder empréstimos? Governo IR calculado corretamente? Funcionários A empresa é lucrativa? Concorrentes Vendas, margens de lucro, rentabilidade?Fonte: Ching, H.Y. Contabilidade & Finanças para não especialistas. Pág. 100
  • 3. • Podemos acrescentar mais um grupo de usuário: cliente. Rentabilidade? Capacidade de entrega dos produtos / serviços contratados? • Qualquer que seja a necessidade do usuário, a análise das demonstrações financeiras permite avaliar:  capacidade de liquidez – situação financeira  estrutura patrimonial – origem dos recursos (capital próprio ou de terceiros).  rentabilidade do negócio – retorno sobre o investimento realizado CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA GRÁFICA – PÓS GRADUAÇÃO – GESTÃO INOVADORA DA EMPRESA SENAI - SP 1. Usuários das demonstrações financeiras
  • 4. NATUREZA E SCOPE DA GESTAO FINANCEIRA • Gestao financeira: aquisicão e uso de recursos financeiros e proteccão dos ganhos do empresario de varias fontes de risco. • Financial flow chart
  • 5. Folha de balanço Activos Passivos Correntes Correntes Não correntes Não correntes Capital próprio Total de activos = total de passivos + Capital próprio Fluxo de dinheiro Operações Investimento Financiament o Renda Receitas Despesas -+ Renda e despesas fora da farmas - Taxas = Renda liquida Leased assets Real estate Non real estate Reavaliação de activos Folha de balanco Activos Passivo Correntes Correntes Nao correntes Nao correntes Capital proprio Total de activos = total de passivos + Capital próprio Inicio do ano Fim do ano
  • 6. FOLHA DE BALANÇO •Apresenta a situação patrimonial de uma empresa em determinada data, derivada dos fluxos económicos e financeiros. •Mapa onde se vai fazer a comparação entre o Activo e o Passivo paradestacar a Situação Líquida (capitais próprios) Aspecto Estático - conhecer a situação patrimonial da empresa num dado momento. Aspecto Dinâmico - conhecendo a situação patrimonial agora e a inicial podemos determinar os resultados num dado período
  • 7. FOLHA DE BALANÇO • Activos • Correntes • Não correntes • Passivo • Corrente • Não corrente • Capital próprio
  • 8. FOLHA DE BALANÇO • Activos correntes: Consistem em dinheiro e bens que podem ser convertidos em dinheiro durante o ano financeiro da empresa. • Mercadorias, animais, semente, fertilizantes, químicos e outros activos que rapidamente podem ser convertidos em dinheiro sem mudanças nas operações normais da empresa.
  • 9. FOLHA DE BALANÇO • Activos não correntes: inclui todos os activos que não são facilmente convertidos em dinheiro sem mudar as operações normais da empresa. • Terra e benfeitorias • Maquinaria • Equipamento • Veículos •
  • 10. FOLHA DE BALANCO Activos correntes Dinheiro e bens equivalentes: outros bens que podem ser transformados em dinheiro rapidamente. Contas a receber: valores a receber resultantes da venda de bens e serviços. Inventário: Bens existentes para a venda ou para se usar no processo produtivo (produção de bens para a venda) .
  • 11. FOLHA DE BALANCO Activos correntes Despesas pré pagas: Custos operacionais que foram pagas em adiantado: De notar que quando a despesa é paga esta consta na folha de rendimento. Se uma empresa tem uma despesa anual de 400.000 Meticais para arrendamento e paga este valor em adiantamento, o valor é reduzido no activo dinheiro e adicionado no activo despesas pré pagas. No fim do primeiro trimestre pode-se assumir que a empresa pagou 25% do valor da renda (100.000 Meticais) e assim subtrai-se este valor nos activos despesas pre pagas para a folha de rendimento.
  • 12. FOLHA DE BALANCO Activos tangíveis: Propriedades, Edifícios, Equipamentos e terra. Estes activos são registados na folha de balanço com os respectivos valores que são iguais aos custos menos a depreciação. O custo inclui o valor de compra e o valor necessário para por o activo em funcionamento. De notar que a terra pode não ser depreciada. Activos intangíveis: Activos que não existem de uma forma física tais como patentes, marcas, direitos de autor…
  • 13. FOLHA DE BALANÇO • Passivo: consiste normalmente por dinheiro emprestado para suportar o processo produtivo e comercialização e para financiar investimentos. • Passivo corrente: inclui rubricas que devem ser pagas durante o ano de operação (normalmente 12 meses). • Passivo não corrente
  • 14. FOLHA DE BALANCO Passivo Contas a pagar: valores que a empresa tem de pagar a fornecedores para bens e serviços adquiridos a crédito. Notas a pagar: obrigações da empresa em termos de notas de promessa que a empresa deve pagar aos fornecedores. Estas notas podem ser incluídas no passivo não corrente se devem ser pagas depois de um ano. Taxas a pagar: São taxas reflectidas na folha de rendimento que ainda não foram pagas
  • 15. FOLHA DO BALANCO Despesas por pagar: Despesas que constam na folha de rendimento e que ainda não foram pagas pela empresa. Imagina uma empresa que tem que pagar taxa de juro no fim do ano de 100.000Meticais do empréstimo bancário e no fim do primeiro trimestre assume-se que a empresa devia ter pago 25.000Meticais e sendo assim, a firma vai anotar 25.000 Meticais como despesas de taxas de juro na folha de balanço e também as despesas a pagar devem ser acrescidas em 25.000 Meticais na folha de balanço na rubrica de despesas a pagar apesar de não ter sido pago ainda ao banco.
  • 16. FOLHA DO BALANCO Receitas não produzidas: receitas recebidas em adiantamento e que a empresa ainda não produziu os bens e serviços correspondentes as receitas recebidas. Produção agrícola por contrato de pronto pagamento. Se um produtor recebe 100.000 Meticais para providenciar tomate no futuro, o valor é lançado nos activos na rubrica de activos correntes (dinheiro) e também no passivo corrente (receitas não produzidas). Quando o produtor providenciar o tomate, o valor de 100.000 Meticais é lançado como receitas na folha de rendimento e diminui o valor correspondente na folha de balanço na rubrica receitas não produzidas.
  • 17. BALANCE SHEET Income Statement of GOOD MAIZE COMPANY Assets Year 2 Year 1 Liabilities Year 2 Year 1 Current assets Current liabilities Cash and equivalents 140 107 Accounts payable 213 197 Accounts receivable 294 270 Notes payable 50 53 Inventories 269 280 Accrued expenses* 223 205 Other 58 50 Total current liabilities 486 455 Total current assets 761 707 Long term liabilities Fixed assets Total long term liabilities 588 562 Property, plant and equipment 1423 1274 Stakeholders’ equity Less accumulated depreciation (550) (460) Total stakeholders equity 805 725 Net property, plant and equipment 873 814 Intangible assets and other 245 221 Total fixed asset 1118 1035 Total assets 1879 1742 Total liabilities and stakeholders equity 1879 1742 * Despesa que se espera pagar num futuro proximo
  • 18. FOLHA DE RENDIMENTO Definição: Reporta as receitas e despesas da empresa durante um determinado período. Receitas – Despesas = Renda líquida -Providencia o valor da empresa -Providencia informação sobre a capacidade da empresa de cumprir com as suas obrigações (financeiras e de produção). Folha de rendimento pode ser apresentada num único estágio (todas as receitas e despesas agrupadas separadamente) e múltiplos estágios (incorpora lucros brutos = receitas – custos dos bens produzidos).
  • 19. FOLHA DE RENDIMENTO Receitas Custos dos bens vendidos Lucros brutos = Receitas - custos dos bens produzidos Despesas de comercialização, gerais e administrativos Despesas de depreciação Lucro de operação = Lucro bruto - Despesas de comercialização, gerais e administrativos - Despesas de depreciação.
  • 20. FOLHA DE RENDIMENTO Taxas de juro Renda antes de taxas = Lucro de operação - Taxas de juro Taxas Renda para continuação de operação = Renda antes de taxas – Taxas Ganhos (perdas) devido a descontinuidade de operação Renda líquida = Renda para continuação de operação - Ganhos (perdas) devido a descontinuidade de operação
  • 21. INCOME STATEMENT-CONT. Income Statement of GOOD MAIZE COMPANY YEAR 2 Total operating revenues 2262 Cost of goods sold (1655) Selling, general, and administrative expenses (327) Depreciation (90) Operating income 190 Other income 29 Earnings before interest and taxes 219 Interest expenses (49) Pretax income 170 Taxes (84) Current tax: 71 Deferred tax (84-71=13) Net income 86 Retained earnings 43
  • 22. FLUXO DE CAIXA • Fluxo de caixa indica o fluxo e a fonte de dinheiro usado na empresa. 1. Fluxo de dinheiro derivado das actividades de producao da empresa (usando os activos da empresa) 2. Fluxo de caixa referente as actividades de investimento da empresa 3. Fluxo de caixa referente as actividades de financiamento da empresa
  • 23. PROCESSO DE DETERMINAR O FLUXO DE CAIXA 1. Fluxo de caixa gerado pelos activos da empresa 1.1 Provenientes da operação de produção Ganhos antes de juros e taxas: 219 Depreciação: 90 Taxas: (71) Fluxo de caixa proveniente da operação: 238 1.2 Mudança nos activos fixos Aquisição de activos fixos: 198 Venda de activos fixos (25) Gasto de capital: 173
  • 24. PROCESSO DE DETERMINAR O FLUXO DE CAIXA 1.3 Mudança no capital liquido de operação Capital liquido de operação (NWC)= activos correntes – passivo corrente Ano 1: 707-455=252 Ano 2: 761-486=275 Mudança de NWC=275-252=23 Fluxo de caixa total gerado pelos activos da empresa e a soma de: Fluxo de caixa proveniente da operação: 238 Gasto de capital: (173) Mudança de NWC(23) Total: 42
  • 25. PROCESSO DE DETERMINAR O FLUXO DE CAIXA 2. Fluxo de caixa para os investidores da empresa Juros: 49 Pagamento do valor investido: 73 Total :122 Divida de longo prazo incluindo juros: (86) Total: 36
  • 26. 3. Fluxo de caixa para capital próprio dos investidores Dividendos: 43 Recompra de stocks: 6 Dinheiro para os investidores (stakeholders): 49=43+6 Compra de novos stocks: (43) Total: 6 PROCESSO DE DETERMINAR O FLUXO DE CAIXA
  • 27. CASH FLOW Cash flow of GOOD-MAIZE COMPANY Cash flow of the firm Operating cash flow 238 Capital spending (173) Additions to net working capital (23) Total 42 Cash flow to investors in the firm Debt 36 Equity 6 Total 42
  • 28. METODOS DE ANALISE FINANCEIRA • Comparação de documentos financeiros ao longo do tempo e com empresas da mesma industria • Uso de índices • Medição do crescimento dos elementos dos documentos financeiros. • Crescimento de activos (2008- 2011)=(253,854/98,237)*100=257% • O valor de activos cresceu em 257%
  • 29. SPECIFIC FINANCIAL PERFORMANCE MEASURES Financial statement analysis 1. Short term solvency: the ability of the firm to meet its short-run obligations. The extent the firm has sufficient cash flow to meet its financial obligations 2. Activity: the ability of the firm to control its investment in assets 3. Financial leverage: the extent to which a firm relies on debt financing 4. Profitability: the extent to which a firm is profitable 5. Value: the value of the firm
  • 30. SOLVENCY Short-tem solvency Year 1: Current ratio =Total current assets/total current liabilities=761/486=1.57 Should be more than 1 meaning that the firm has sufficient cash to meet its financial obligation It can be computed over time It can be compared with current ratios from similar firms
  • 31. SOLVENCY Short-tem solvency Year 1: Quick ratio = Quick assets/total current liabilities=492/486=1.01 Quick assets are those that are quickly converted into cash. Inventories are not quick assets and therefore should be subtracted in calculation of quick assets.
  • 32. ACTIVITY Activity: How effectively the firm assets are being managed. Avoid over accumulation of assets Compare assets to the sale to arrive at turnover (how effectively assets are used to generate sales)
  • 33. ACTIVITY • Total asset turnover= total operating revenues/average of total assets=2262/1810.5=1.25 •Average of total assets=1879+1742/2=1810.5 (from balance sheet). •Total operating revenues is from income statement Should be more than 1 meaning that the firm is using effectively its asset to generate sales.
  • 34. ACTIVITY Receivable turnover =total operating revenues/average of accounts receivables =2262/282=8.02 •Average of accounts receivable=294+270/2=282 •Used to calculate the average collection period. •Average collection period=days in period/receivable turnover=365/8.02=45.5 days Average collection period cannot exceed the time allowed for payment in credit terms by more than 10 days.
  • 35. ACTIVITY • Inventory turnover: how quickly inventory is produced and sold. •Inventory turnover=the cost of goods sold/ average of inventories=1655/274.5=6.03. •Average of inventories=269+280/2=274.5. •Days in inventory=days in period/inventory turnover=365/6.03=60.5 days. •The ratio of days in inventory represents the number of days it takes to get goods produced and sold (shelf life). •High ratio of days in inventory suggests an high inventory of unsold goods.
  • 36. FINANCIAL LEVERAGE • Financial leverage: the extent the firm relies on debt to financing rather than equity. •Debt ratio =total debt (liabilities)/total assets=1074/1879=0.57 •Debt to equity ratio =total debt (liabilities)/total equity=1074/805=1.33 •Equity multiplier =total assets/total equity=1879/805=2.33 Interest coverage =earnings before interest and taxes/interest expenses=219/49=4.5 Show the ability of the firm to pay interest.
  • 37. PROFITABILITY • Profit margins: obtained by dividing profits by total operating revenues. •Net profit margin =net income/total operating revenues=86/2262=0.038 (3.8%). •Gross profit margin =Earnings before interest and taxes/total operating revenues=219/2262=0.097 (9.7%)
  • 38. PROFITABILITY • Return on assets •Net return on assets (ROA net) =net income/average total assets=86/1810.5=0.0475 (4.75%) •Gross return in assets (ROA gross) =Earnings before interest and tax/average total assets=219/1810.5=0.121 (12.1%) •ROA net =net profit margin* asset turnover •ROA gross= gross profit margin* asset turnover Return on equity (ROE)=Net income/average stockholder’s equity=86/765=0.112 (11.2%)
  • 39. PROFITABILITY •Payout ratio =cash dividends/net income=43/86=0.5. •Retention ratio =retained earnings/net income=43/86=0.5. Retained earnings =net income-dividends
  • 40. VALOR DO DINHEIRO AO LONGO DO TEMPO Prof. Doutor Joao Mutondo
  • 41. VALOR PRESENTE • VP= Ct/(1+r)t •Exemplo1: Um investidor agrário espera receber 10,000 Meticais no terceiro do seu investimento a uma taxa de juro de 8%. Qual e o valor presente do seu lucro no terceiro ano? •VP=10.000/(1+0.08)=7.938 Meticais •Exemplo 2: Um produtor agrário espera receber 2.000 Meticais no primeiro ano e 5.000 meticais no segundo ando a uma taxa de juro de 8%. Qual é o valor presente desse fluxo de caixa a uma taxa de juro de 6%? •VP=2.000/(1+0.06)+5.000/(1+0.06)2=6.337 •
  • 42. PERPETUIDADE • Perpetuidade corresponde o fluxo constante de caixa que não tem fim. •VP= C/(1+r)1+ C/(1+r)2+ C/(1+r)3+…. VP=C/r Exemplo: Considere uma perpetuidade que paga 100 meticais por ano a uma taxa de 8%. Qual e o valor presente desta perpetuidade? VP=100/0.08=1.250 •Perpetuidade crescente: acontece se o fluxo infinito de caixa cresce anualmente a uma taxa de g. •
  • 43. PERPETUIDADE • Perpetuidade crescente VP=C/(r-g) Exemplo: Considere uma perpetuidade que paga 100.000 e que cresce anualmente 5% a uma taxa de juro de 11%. Qual e o valor presente desta perpetuidade? VP=100.000/(0.11-0.05)=1.666.667 •
  • 44. ANUIDADE • Anuidade corresponde o fluxo constante de caixa que tem fim. •VP= C/(1+r)1+ C/(1+r)2+ C/(1+r)3+… C/(1+r)t. VP=C[(1/r)-1/r(1+r)t] Exemplo: Sr. Sitoe ganhou uma lotaria que paga 50.000 meticais por ano durante 20 anos. Ele vai receber o primeiro pagamento no próximo ano e a taxa de juro e de 8%. Qual e o valor presente da lotaria? • VP=50.000[(1/0.08)-1/(0.08(1+0.08)20)]=490.905
  • 45. VALOR FUTURO • VF= C0*(1+r)t •Exemplo: O Sr. Sitoe tem 500 meticais na sua conta a prazo e que rende juros de 7% anualmente. Quanto dinheiro o Sr. Sitoe terá no terceiro ano? •VF=$500 *1.07 * 1.07* 1.07= $500 * (1.07)3= $612.52 •O período de maturação pode acontecer varias vezes num determinado ano, isto e, pode ser semestral, trimestral, mensal, diário… •VF= C0*(1+r/m)m •Onde m corresponde o numero de maturações por ano.
  • 46. VALOR FUTURO •Exemplo: O Sr. Sitoe tem 1000 meticais na sua conta a prazo e que rende juros trimestrais de 10% . Quanto dinheiro o Sr. Sitoe terá no final do ano? •VF= C0*(1+r/m)m •VF=1000*(1+0.1/4)4=1.103,81. •A formula acima e valida para múltiplas maturações durante um ano. Para calcular VF de múltiplas maturações para mais do que um ano deve usar a seguinte formula: •VF= C0*(1+r/m)mt
  • 47. VALOR FUTURO •Exemplo: O Sr. Sitoe tem 5.000 meticais na sua conta a prazo e que rende juros trimestrais de 12% durante 5 anos . Quanto dinheiro o Sr. Sitoe terá no final do quinto ano? •VF= C0*(1+r/m)m •VF=5.000*(1+0.12/4)4*5=9.030,50. •Valor futuro para maturações continuas •VF= C0* ert •Onde r e a taxa de juro e t e o numero de anos que o investimento vai durar