SlideShare uma empresa Scribd logo
Revisão
Neuroanatomia
“O sistema nervoso é o mais complexo e
diferenciado do organismo, sendo o primeiro a
se diferenciar embriologicamente e o último a
completar o seu desenvolvimento”
João Manoel Chapon Cordeiro – 1996.
CÉLULAS DA GLIA
• São células capazes de exercer uma importância vital aos neurônios, sendo a
principal função a Nutrição.
• Não produzem potencial de ação.
ASTRÓCITOS ....................... Nutrição e metabolismo
MACRÓGLIA
CÉLULAS EPENDIMÁRIAS ........Revestimento dos
Ventrículos cerebrais e do canal espinhal
OLIGODENDRÓLIA .................. Síntese de mielina
MICRÓGLIA
HORTEGÁGLIA .................. Células de limpeza
Células do Sistema Nervoso: Glia
Oligodendrócitos
Bainha isolante
(Bainha de mielina) das
fibras nervosas no SNC
Células de Schwann
Bainha isolante
(Bainha de mielina) das
fibras nervosas no SNP
Astrócitos
Associado aos
capilares
 Suporte nutricional e
físico aos neurônios
http://www.afh.bio.br/nervoso/nervoso2.asp#neurotransmissores
CÉLULAS DA GLIA
ESTRUTURA BÁSICA DO
NEURÔNIO
CORPO
CELULAR
Núcleo
DENDRITO
S AXÔNIO
Bainha
de
mielina
Célula de
Schwann
Axônio
Bainha
de
mielina
Nódulo
de
Ranvier
7
http://www.afh.bio.br/nervoso/nervoso2.asp#neurotransmissor
=== NEURÔNIOS===
NEURÔNIO AFERENTE
Conduz o impulso nervoso do
receptor para o SNC.
Responsável por levar
informações da superfície do
corpo para o interior.
Relaciona o meio interno com
o meio externo.
NEURÔNIO EFERENTE
Conduz o impulso nervoso do
SNC ao efetuador (músculo
ou glândula).
NEURÔNIO
INTERNUNCIAL OU DE
ASSOCIAÇÃO
Faz a união entre os dois
tipos anteriores. O corpo
celular deste está sempre
dentro do SNC.
Quanto à posição
TIPOS DE NEURÔNIOS
DENDRITOS
CORPO
CELULAR CORPO
CELULAR
CORPOCORPO
CELULARCELULAR
DENDRITOS
Direção da
condução AXÔNIO
AXÔNIO
AXÔNIO
NEURÔNIO
SENSORIAL
NEURÔNIO
ASSOCIATIV
O
NEURÔNIO
MOTOR
EVENTOS ELÉTRICOS NA CÉLULA NERVOSA
POTENCIAL DE REPOUSO
⇒é o potencial de membrana antes que ocorra a excitação da célula nervosa.
⇒é o potencial gerado pela bomba de Na+ e K+ que joga 3 Na+ para fora e 2 K+ para dentro
contra os seus gradientes de concentração
=> -75 mV
Imagem: www.octopus.furg.br/ensino/anima/atpase/NaKATPase.html
geocities.yahoo.com.br/jcc5001pt/museuelectrofisiologia.htm#impulsos
EVENTOS ELÉTRICOS NA CÉLULA NERVOSA
PROPAGAÇÃO DO IMPULSO
+ + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + ++ + + + + + + + + + + + + + +
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
- - - - - -
-
+ + + + +
- - - - - -
-
+ + + + +
- - - - - -
-
+ + + + +
PROPAGAÇÃO DO IMPULSO NERVOSO
Potencial de repouso: diferença de
potencial entre a superfície externa e
interna, mantida pela Bomba Na/K
Potencial de ação: inversão
(despolarização) do potencial de repouso,
ocasionado pela mudança temporária de
O POTENCIAL DE MEMBRANA NO IMPULSO
NERVOSO
Potencial de ação
Limiar
 Tudo ou nada
13
======= NEURÔNIO ======
===== direção do impulso nervoso ======
14
Imagem: AMABIS, José Mariano; MARTHO, Gilberto Rodrigues.
Conceitos de Biologia. São Paulo, Ed. Moderna, 2001. vol. 2.
======= NEURÔNIO ======
======NÓDULOS DE RANVIER======
CONDUÇÃO SALTATÓRIA
Potencial de
Ação Condução
saltatória
Mielina
Axônio
SINAPSES
São pontos de união entre as células nervosas e entre estas e as células efetoras
(Músculo ou Glândula).
http://www.afh.bio.br/nervoso/nervoso2.asp#neurotransmissores
Imagem: CÉSAR & CEZAR. Biologia 2. São Paulo, Ed Saraiva,
SINAPSES
QUANTO A LOCALIZAÇÃO.
........ CENTRAIS => Localizadas no cérebro e medula espinhal
......... PERIFÉRICAS => Gânglios e placas motoras
QUANTO A FUNÇÃO......................EXCITATÓRIAS
.......................INIBITÓRIAS
QUANTO AS ESTRUTURAS ENVOLVIDAS
........... AXO-
SOMÁTICA ........... AXO-
DENDRÍTICA
........... AXO-AXÔNICA
........... DENDRO-DENDRÍTICAS
........... AXO-SOMÁTICA-DENDRÍTICA
Sinapse: local de
comunicação entre
neurônios ou entre
neurônios e outras
células
(músculos, por ex.)
MIOFIBRILA
MITOCÔNDRIASMITOCÔNDRIAS
Neurotransmissore
s
Fenda Sináptica
Vesículas
Sinápticas
Potencial de
Ação
Axônio
Proteínas
receptoras
SINAPSE QUÍMICA 
Neurotransmissores:
Acetilcolina,
adrenalina
Dopamina, serotonina
Sinapse inibitória
Dificultam o potencial de
ação
Sinapse excitatória
facilitam” o potencial de
ção
Transferindo informações dos neurônios para outras
células
Neurociência
aula 01
DIVISÃO DO SISTEMA NERVOSO
Sistema
Nervoso
Central
Sistema
Nervoso
Periférico
encéfalo
medula espinhal
cérebro
cerebelo
tronco
encefálico
mesencéfalo
ponte
bulbo
nervos
gânglios
terminações nervosas
espinhais
cranianos
Neurociência
aula 01
DIVISÃO FUNCIONAL DO
SISTEMA NERVOSO
sistema nervoso somático
sistema nervoso visceral
aferente
aferente
eferente
eferente = SN autônomo
simpático
parassimpático
Neurociência
aula 01
DIVISÃO DO SISTEMA NERVOSO
Neurociência
aula 01
ENCÉFALO
Neurociência
ENCÉFALO
• Cérebro
• Cerebelo
• Tronco
Encefálico
Neurociência
aula 01
Cérebro  Telencéfalo e
Diencéfalo
Telencéfalo
É dividido em dois hemisférios cerebrais bastante
desenvolvidos. Nestes, situam-se as sedes da
memória e dos nervos sensitivos e motores.
SULCOS  GIRUS  LOBOS
Neurociência
aula 01
SULCOS  GIRUS  LOBOS
Cérebro  Telencéfalo e Diencéfalo
Neurociência
aula 01
SULCOS  GIRUS  LOBOS
Cérebro  Telencéfalo e Diencéfalo
Á
R
E
A
S
Neurociência
aula 01
SULCOS  GIRUS  LOBOS
F
U
N
Ç
Õ
E
S
Cérebro  Telencéfalo e Diencéfalo
LOBOS CEREBRAIS
LOBO FRONTAL:
Pensamento, emoções
ÁREA DE BROCA
Parte motora
da fala
Área motora voluntária
SULCO CENTRAL Tato e outras áreas
sensoriais
LOBO PARIETAL
Área de interpretação
LOBO OCCIPTAL
Visão
CEREBELO
Equilíbrio
PONTE e BULBO
respiração e
batimentos cardíacos
LOBO TEMPORAL
Audição
Neurociência
aula 01
Corpo Caloso
Cérebro  Telencéfalo e Diencéfalo
Neurociência
Cérebro  Telencéfalo e Diencéfalo
Corpo Caloso
Neurociência
aula 01
A região superficial do telencéfalo, que acomoda bilhões
de corpos celulares de neurônios (substância cinzenta),
constitui o córtex cerebral, formado a partir da fusão das
partes superficiais telencefálicas e diencefálicas. O
córtex recobre um grande centro medular branco,
formado por fibras axonais (substância branca).
SUBSTÂNCIA CINZENTA E BRANCA
Cérebro  Telencéfalo e Diencéfalo
Neurociência
aula 01
Em meio ao centro branco (nas profundezas do
telencéfalo), há agrupamentos de corpos celulares
neuronais que formam os núcleos (gânglios) da base
ou núcleos (gânglios) basais.
NÚCLEOS (GÂNGLIOS) DA BASE
CAUDATO
PUTAMEN
GLOBO PÁLIDO
NÚCLEO SUBTALÂMICO
envolvidos em conjunto,
no controle do movimento
Neurociência
aula 01
NÚCLEOS (GÂNGLIOS) DA BASE
Neurociência
aula 01
Parece que os gânglios da base participam também de
um grande número de circuitos paralelos, sendo
apenas alguns poucos de função motora. Outros
circuitos estão envolvidos em certos aspectos da
memória e da função cognitiva.
NÚCLEOS (GÂNGLIOS) DA BASE
Neurociência
aula 01
1. Núcleo Caudado: controla movimentos intencionais
grosseiros do corpo (isso ocorre a nível sub-consciente
e consciente) e auxilia no controle global dos
movimentos do corpo.
NÚCLEOS (GÂNGLIOS) DA BASE
2. Putamen: funciona em conjunto com o núcleo
caudado no controle de movimentos intencionais
grosseiros. Ambos os núcleos funcionam em associação
com o córtex motor, para controlar diversos padrões de
movimento.
Neurociência
aula 01
3. Globo Pálido: provavelmente controla a posição das
principais partes do corpo, quando uma pessoa inicia
um movimento complexo, Isto é, se uma pessoa
deseja executar uma função precisa com uma de
suas mãos, deve primeiro colocar seu corpo numa
posição apropriada e, então, contrair a musculatura
do braço. Acredita-se que essas funções sejam
iniciadas, principalmente, pelo globo pálido.
4. Núcleo Subtalâmico e áreas associadas: controlam
possivelmente os movimentos da marcha e talvez
outros tipos de motilidade grosseira do corpo.
NÚCLEOS (GÂNGLIOS) DA BASE
Neurociência
aula 01
Diencéfalo
Cérebro  Telencéfalo e
Diencéfalo
Compreende as seguintes
partes: tálamo, hipotálomo,
epitálamo e subtálamo, todas
em relação com o III ventrículo.
Neurociência
aula 01
Cérebro  Telencéfalo e Diencéfalo
TÁLAMO
São duas massas volumosas de substância cinzenta, de
forma ovóide, dispostas uma de cada lado, na porção
látero-dorsal do diencéfalo.
Todas as mensagens sensoriais, com exceção das
provenientes dos receptores do olfato, passam pelo
tálamo antes de atingir o córtex cerebral.
Neurociência
aula 01
O tálamo atua como estação retransmissora de impulsos
nervosos para o córtex cerebral.
Ele é responsável pela condução dos impulsos às
regiões apropriadas do cérebro onde eles devem ser
processados.
Cérebro  Telencéfalo e Diencéfalo
TÁLAMO
O tálamo também está relacionado com alterações no
comportamento emocional; que decorre, não só da
própria atividade, mas também de conexões com outras
estruturas do sistema límbico (que regula as emoções).
Neurociência
aula 01
Cérebro  Telencéfalo e Diencéfalo
HIPOTÁLAMO
O hipotálamo, também constituído por substância
cinzenta, é o principal centro integrador das atividades
dos órgãos viscerais, sendo um dos principais
responsáveis pela homeostase corporal. Ele faz ligação
entre o sistema nervoso e o sistema endócrino,
atuando na ativação de diversas glândulas endócrinas.
É o hipotálamo que controla a temperatura corporal,
regula o apetite e o balanço de água no corpo, o sono
e está envolvido na emoção e no comportamento
sexual.
Neurociência
aula 01
Cérebro
Principais funções:
• Pensamento
• Movimento voluntário
• Linguagem
• Julgamento
• Percepção
Neurociência
aula 01
VENTRÍCULOS CEREBRAIS
Cavidades encontradas entre os hemisférios revestidas
de epêndima que contém o líquido cérebro-espinhal
(céfalo-requidiano) – LCR/LCE; nutrição, proteção e
excreção
Ventrículos Laterais
III Ventrículo
IV Ventrículo
forame interventricular
aqueduto cerebral
Neurociência
aula 01
Cerebelo
Situado atrás do cérebro está o cerebelo, que é
primariamente um centro para o controle dos movimentos
iniciados pelo córtex motor (possui extensivas conexões
com o cérebro e a medula espinhal).
Neurociência
aula 01
Cerebelo
• Dividido em dois hemisférios
• Porém, ao contrário dos hemisférios cerebrais*, o
lado esquerdo do cerebelo está relacionado com os
movimentos do lado esquerdo do corpo, enquanto
o lado direito, com os movimentos do lado direito
do corpo.
Neurociência
aula 01
• O cerebelo recebe informações do córtex motor e dos
gânglios basais de todos os estímulos enviados aos
músculos.
•A partir das informações do córtex motor sobre os
movimentos musculares que pretende executar e de
informações proprioceptivas que recebe diretamente do
corpo (articulações, músculos, áreas de pressão do
corpo, aparelho vestibular e olhos), avalia o movimento
realmente executado.
Cerebelo
RETROALIMENTAÇÃO
Neurociência
aula 01
• Após a comparação entre desempenho e aquilo que se
teve em vista realizar, estímulos corretivos são enviados
de volta ao córtex para que o desempenho real seja igual
ao pretendido.
•Dessa forma, o cerebelo relaciona-se :
•ajustes dos movimentos,
•equilíbrio,
•postura e tônus muscular.
Cerebelo
Neurociência
aula 01
Cerebelo
Principais funções:
• Manutenção do equilíbrio e da postura;
• Controle do tônus muscular;
• Controle dos movimentos voluntários.
Neurociência
aula 01
Tronco Encefálico
O Tronco Encefálico é uma área do encéfalo que
fica entre o tálamo e a medula espinhal. Possui
várias estruturas como o bulbo, o mesencéfalo e a
ponte. Algumas destas áreas são responsáveis
pelas funções básicas para a manutenção da vida
como a respiração, o batimento cardíaco e a
pressão arterial.
BULBO
PONTE
MESENCÉFALO
Neurociência
aula 01
Bulbo
Recebe informações de vários órgãos do corpo,
controlando as funções autônomas (a chamada vida
vegetativa):
• batimento cardíaco,
• respiração,
• pressão do sangue,
• reflexos de salivação,
• tosse,
• espirro e o ato de engolir.
Neurociência
aula 01
Ponte
Participa de algumas atividades do bulbo, interferindo no
controle da respiração, além de ser um centro de
transmissão de impulsos para o cerebelo. Serve ainda de
passagem para as fibras nervosas que ligam o cérebro à
medula.
CENTRO INTEGRADOR
Neurociência
aula 01
MEDULA ESPINHAL
ARCO REFLEXO
DORSAL
VENTRAL
Substância branca
Substância cinzenta
MEDULA
corpo celular
localizado no gânglio
interneurônionio
neurônio sensitivo
neurônio motor
ESTÍMULO
Receptor
Corpúsculo de
Paccini
Músculo efetor

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema nervoso central
Sistema nervoso centralSistema nervoso central
Anatomia do sistema nervoso periférico
Anatomia do sistema nervoso periféricoAnatomia do sistema nervoso periférico
Anatomia do sistema nervoso periférico
Caio Maximino
 
Sistema nervoso slides
Sistema nervoso slidesSistema nervoso slides
Sistema nervoso slides
Fabiano Reis
 
Neurofisiologia 1
Neurofisiologia 1Neurofisiologia 1
Neurofisiologia 1
Leandro Lourenção Duarte
 
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Cleanto Santos Vieira
 
Medula e Nervos Espinhais
Medula e Nervos EspinhaisMedula e Nervos Espinhais
Medula e Nervos Espinhais
Vânia Caldeira
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
Solange Ferreira de Paula
 
Cortex cerebral
Cortex cerebralCortex cerebral
Cortex cerebral
Olavo Valente
 
Coordenação motora
Coordenação motoraCoordenação motora
Coordenação motora
pauloalambert
 
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSOAula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO
Leonardo Delgado
 
Aula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema NervosoAula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema Nervoso
Marco Antonio
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
emanuel
 
Sistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humanaSistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humana
Marília Gomes
 
SISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSOSISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSO
César Milani
 
Mecanismo das Sinapses
Mecanismo das SinapsesMecanismo das Sinapses
Mecanismo das Sinapses
Jose Carlos
 
Anatomia do diencéfalo
Anatomia do diencéfaloAnatomia do diencéfalo
Anatomia do diencéfalo
Caio Maximino
 
Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.
Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.
Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
pauloalambert
 
Neuroplasticidade
NeuroplasticidadeNeuroplasticidade
Neuroplasticidade
Gisele Cortoni Calia
 
Nucleos da base
Nucleos da baseNucleos da base
Nucleos da base
Natha Fisioterapia
 

Mais procurados (20)

Sistema nervoso central
Sistema nervoso centralSistema nervoso central
Sistema nervoso central
 
Anatomia do sistema nervoso periférico
Anatomia do sistema nervoso periféricoAnatomia do sistema nervoso periférico
Anatomia do sistema nervoso periférico
 
Sistema nervoso slides
Sistema nervoso slidesSistema nervoso slides
Sistema nervoso slides
 
Neurofisiologia 1
Neurofisiologia 1Neurofisiologia 1
Neurofisiologia 1
 
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
 
Medula e Nervos Espinhais
Medula e Nervos EspinhaisMedula e Nervos Espinhais
Medula e Nervos Espinhais
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Cortex cerebral
Cortex cerebralCortex cerebral
Cortex cerebral
 
Coordenação motora
Coordenação motoraCoordenação motora
Coordenação motora
 
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSOAula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO
 
Aula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema NervosoAula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema Nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humanaSistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humana
 
SISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSOSISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSO
 
Mecanismo das Sinapses
Mecanismo das SinapsesMecanismo das Sinapses
Mecanismo das Sinapses
 
Anatomia do diencéfalo
Anatomia do diencéfaloAnatomia do diencéfalo
Anatomia do diencéfalo
 
Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.
Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.
Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
 
Neuroplasticidade
NeuroplasticidadeNeuroplasticidade
Neuroplasticidade
 
Nucleos da base
Nucleos da baseNucleos da base
Nucleos da base
 

Semelhante a Aula de Revisão - Neuroanatomia

ANATOMOF neoa sabems daISIOLOGIA DSSO SNC.ppt
ANATOMOF neoa sabems daISIOLOGIA DSSO SNC.pptANATOMOF neoa sabems daISIOLOGIA DSSO SNC.ppt
ANATOMOF neoa sabems daISIOLOGIA DSSO SNC.ppt
LeonardoFicoto
 
Apresentação Fisiologia
Apresentação FisiologiaApresentação Fisiologia
Apresentação Fisiologia
gede31
 
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptxAULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
FabianoDoVale
 
Sistema neurohormonal
Sistema neurohormonalSistema neurohormonal
Sistema neurohormonal
Patrícia Santos
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Natha Fisioterapia
 
Função do sistema nervoso.
Função do sistema nervoso.Função do sistema nervoso.
Função do sistema nervoso.
Maíra Cerqueira
 
11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervoso11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervoso
Simone Alvarenga
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
MatheusMesquitaMelo
 
Vet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptx
Vet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptxVet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptx
Vet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptx
EsterCome1
 
AULA 7 sistema nervoso.pptx
AULA 7 sistema nervoso.pptxAULA 7 sistema nervoso.pptx
AULA 7 sistema nervoso.pptx
EdsondaRitaEgidioArm
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
gueste74a91
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Luis Silio
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Luis Silio
 
anatomia_ii
anatomia_iianatomia_ii
anatomia_ii
Fábio Mendes
 
aula-01.pdf
aula-01.pdfaula-01.pdf
aula-01.pdf
VitoriaSales3
 
Sistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonalSistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonal
Leonardo Alves
 
Sistemanervoso 120618081852-phpapp01
Sistemanervoso 120618081852-phpapp01Sistemanervoso 120618081852-phpapp01
Sistemanervoso 120618081852-phpapp01
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/1
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/1[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/1
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/1
Marcelo Zanotti da Silva
 
Sistema nervoso autnomo aula
Sistema nervoso autnomo aulaSistema nervoso autnomo aula
Sistema nervoso autnomo aula
bymau90
 
Introdução ao sistema nervoso.ppt
Introdução ao sistema nervoso.pptIntrodução ao sistema nervoso.ppt
Introdução ao sistema nervoso.ppt
ThiagoSilva436917
 

Semelhante a Aula de Revisão - Neuroanatomia (20)

ANATOMOF neoa sabems daISIOLOGIA DSSO SNC.ppt
ANATOMOF neoa sabems daISIOLOGIA DSSO SNC.pptANATOMOF neoa sabems daISIOLOGIA DSSO SNC.ppt
ANATOMOF neoa sabems daISIOLOGIA DSSO SNC.ppt
 
Apresentação Fisiologia
Apresentação FisiologiaApresentação Fisiologia
Apresentação Fisiologia
 
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptxAULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
 
Sistema neurohormonal
Sistema neurohormonalSistema neurohormonal
Sistema neurohormonal
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Função do sistema nervoso.
Função do sistema nervoso.Função do sistema nervoso.
Função do sistema nervoso.
 
11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervoso11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Vet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptx
Vet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptxVet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptx
Vet Aula 6 Introducao a Fisiologia do Sistema Nervoso Animal PPT.pptx
 
AULA 7 sistema nervoso.pptx
AULA 7 sistema nervoso.pptxAULA 7 sistema nervoso.pptx
AULA 7 sistema nervoso.pptx
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
anatomia_ii
anatomia_iianatomia_ii
anatomia_ii
 
aula-01.pdf
aula-01.pdfaula-01.pdf
aula-01.pdf
 
Sistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonalSistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonal
 
Sistemanervoso 120618081852-phpapp01
Sistemanervoso 120618081852-phpapp01Sistemanervoso 120618081852-phpapp01
Sistemanervoso 120618081852-phpapp01
 
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/1
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/1[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/1
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/1
 
Sistema nervoso autnomo aula
Sistema nervoso autnomo aulaSistema nervoso autnomo aula
Sistema nervoso autnomo aula
 
Introdução ao sistema nervoso.ppt
Introdução ao sistema nervoso.pptIntrodução ao sistema nervoso.ppt
Introdução ao sistema nervoso.ppt
 

Mais de IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde

Mobilização precoce em pacientes críticos
Mobilização precoce em pacientes críticosMobilização precoce em pacientes críticos
Mobilização precoce em pacientes críticos
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Modos ventilatórios
 Modos ventilatórios  Modos ventilatórios
Tumores do sistema nervoso central
Tumores do sistema nervoso centralTumores do sistema nervoso central
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismoVm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivosNocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
 A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Interpretação de curvas na vm
 Interpretação de curvas na vm Interpretação de curvas na vm
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
A história da Ventilação mecânica
A história da Ventilação mecânicaA história da Ventilação mecânica
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivoInteração interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e ExtubaçãoProcesso de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutasDistúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotróficaBenefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
A importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporteA importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporte
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensivaRelevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação MecânicaManobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 

Mais de IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde (20)

Mobilização precoce em pacientes críticos
Mobilização precoce em pacientes críticosMobilização precoce em pacientes críticos
Mobilização precoce em pacientes críticos
 
Modos ventilatórios
 Modos ventilatórios  Modos ventilatórios
Modos ventilatórios
 
Tumores do sistema nervoso central
Tumores do sistema nervoso centralTumores do sistema nervoso central
Tumores do sistema nervoso central
 
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismoVm no trauma encefálico e neurointensivismo
Vm no trauma encefálico e neurointensivismo
 
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivosNocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
 
A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
 A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
A importância da fisioterapia intensiva na uti oncológica
 
Interpretação de curvas na vm
 Interpretação de curvas na vm Interpretação de curvas na vm
Interpretação de curvas na vm
 
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
A HUMANIZAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI) NA FUNDAÇÃO CENTRO DE CON...
 
A história da Ventilação mecânica
A história da Ventilação mecânicaA história da Ventilação mecânica
A história da Ventilação mecânica
 
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivoInteração interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
Interação interdisciplinar na unidade de tratamento intensivo
 
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e ExtubaçãoProcesso de Desmame Ventilatório e Extubação
Processo de Desmame Ventilatório e Extubação
 
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
Análie das Estratégias de Ventilação Mecânica na Lesão Pulmonar Aguda e na Sí...
 
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...Doença de parkinson  a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
Doença de parkinson a relevância da abordagem fisioterapêutica nas principai...
 
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutasDistúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
Distúrbios osteomusculares em fisioterapeutas
 
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotróficaBenefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
 
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
 
A importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporteA importância da propriocepção no esporte
A importância da propriocepção no esporte
 
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensivaRelevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
 
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
Pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)
 
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação MecânicaManobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
 

Aula de Revisão - Neuroanatomia

  • 2. “O sistema nervoso é o mais complexo e diferenciado do organismo, sendo o primeiro a se diferenciar embriologicamente e o último a completar o seu desenvolvimento” João Manoel Chapon Cordeiro – 1996.
  • 3. CÉLULAS DA GLIA • São células capazes de exercer uma importância vital aos neurônios, sendo a principal função a Nutrição. • Não produzem potencial de ação. ASTRÓCITOS ....................... Nutrição e metabolismo MACRÓGLIA CÉLULAS EPENDIMÁRIAS ........Revestimento dos Ventrículos cerebrais e do canal espinhal OLIGODENDRÓLIA .................. Síntese de mielina MICRÓGLIA HORTEGÁGLIA .................. Células de limpeza
  • 4. Células do Sistema Nervoso: Glia Oligodendrócitos Bainha isolante (Bainha de mielina) das fibras nervosas no SNC Células de Schwann Bainha isolante (Bainha de mielina) das fibras nervosas no SNP Astrócitos Associado aos capilares  Suporte nutricional e físico aos neurônios
  • 6. ESTRUTURA BÁSICA DO NEURÔNIO CORPO CELULAR Núcleo DENDRITO S AXÔNIO Bainha de mielina Célula de Schwann Axônio Bainha de mielina Nódulo de Ranvier
  • 7. 7 http://www.afh.bio.br/nervoso/nervoso2.asp#neurotransmissor === NEURÔNIOS=== NEURÔNIO AFERENTE Conduz o impulso nervoso do receptor para o SNC. Responsável por levar informações da superfície do corpo para o interior. Relaciona o meio interno com o meio externo. NEURÔNIO EFERENTE Conduz o impulso nervoso do SNC ao efetuador (músculo ou glândula). NEURÔNIO INTERNUNCIAL OU DE ASSOCIAÇÃO Faz a união entre os dois tipos anteriores. O corpo celular deste está sempre dentro do SNC. Quanto à posição
  • 8. TIPOS DE NEURÔNIOS DENDRITOS CORPO CELULAR CORPO CELULAR CORPOCORPO CELULARCELULAR DENDRITOS Direção da condução AXÔNIO AXÔNIO AXÔNIO NEURÔNIO SENSORIAL NEURÔNIO ASSOCIATIV O NEURÔNIO MOTOR
  • 9. EVENTOS ELÉTRICOS NA CÉLULA NERVOSA POTENCIAL DE REPOUSO ⇒é o potencial de membrana antes que ocorra a excitação da célula nervosa. ⇒é o potencial gerado pela bomba de Na+ e K+ que joga 3 Na+ para fora e 2 K+ para dentro contra os seus gradientes de concentração => -75 mV Imagem: www.octopus.furg.br/ensino/anima/atpase/NaKATPase.html
  • 11. + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + ++ + + + + + + + + + + + + + + _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ - - - - - - - + + + + + - - - - - - - + + + + + - - - - - - - + + + + + PROPAGAÇÃO DO IMPULSO NERVOSO Potencial de repouso: diferença de potencial entre a superfície externa e interna, mantida pela Bomba Na/K Potencial de ação: inversão (despolarização) do potencial de repouso, ocasionado pela mudança temporária de
  • 12. O POTENCIAL DE MEMBRANA NO IMPULSO NERVOSO Potencial de ação Limiar  Tudo ou nada
  • 13. 13 ======= NEURÔNIO ====== ===== direção do impulso nervoso ======
  • 14. 14 Imagem: AMABIS, José Mariano; MARTHO, Gilberto Rodrigues. Conceitos de Biologia. São Paulo, Ed. Moderna, 2001. vol. 2. ======= NEURÔNIO ====== ======NÓDULOS DE RANVIER======
  • 15. CONDUÇÃO SALTATÓRIA Potencial de Ação Condução saltatória Mielina Axônio
  • 16. SINAPSES São pontos de união entre as células nervosas e entre estas e as células efetoras (Músculo ou Glândula). http://www.afh.bio.br/nervoso/nervoso2.asp#neurotransmissores Imagem: CÉSAR & CEZAR. Biologia 2. São Paulo, Ed Saraiva,
  • 17. SINAPSES QUANTO A LOCALIZAÇÃO. ........ CENTRAIS => Localizadas no cérebro e medula espinhal ......... PERIFÉRICAS => Gânglios e placas motoras QUANTO A FUNÇÃO......................EXCITATÓRIAS .......................INIBITÓRIAS QUANTO AS ESTRUTURAS ENVOLVIDAS ........... AXO- SOMÁTICA ........... AXO- DENDRÍTICA ........... AXO-AXÔNICA ........... DENDRO-DENDRÍTICAS ........... AXO-SOMÁTICA-DENDRÍTICA
  • 18. Sinapse: local de comunicação entre neurônios ou entre neurônios e outras células (músculos, por ex.) MIOFIBRILA MITOCÔNDRIASMITOCÔNDRIAS Neurotransmissore s Fenda Sináptica Vesículas Sinápticas Potencial de Ação Axônio Proteínas receptoras SINAPSE QUÍMICA  Neurotransmissores: Acetilcolina, adrenalina Dopamina, serotonina
  • 19. Sinapse inibitória Dificultam o potencial de ação Sinapse excitatória facilitam” o potencial de ção Transferindo informações dos neurônios para outras células
  • 20. Neurociência aula 01 DIVISÃO DO SISTEMA NERVOSO Sistema Nervoso Central Sistema Nervoso Periférico encéfalo medula espinhal cérebro cerebelo tronco encefálico mesencéfalo ponte bulbo nervos gânglios terminações nervosas espinhais cranianos
  • 21. Neurociência aula 01 DIVISÃO FUNCIONAL DO SISTEMA NERVOSO sistema nervoso somático sistema nervoso visceral aferente aferente eferente eferente = SN autônomo simpático parassimpático
  • 25. Neurociência aula 01 Cérebro  Telencéfalo e Diencéfalo Telencéfalo É dividido em dois hemisférios cerebrais bastante desenvolvidos. Nestes, situam-se as sedes da memória e dos nervos sensitivos e motores. SULCOS  GIRUS  LOBOS
  • 26. Neurociência aula 01 SULCOS  GIRUS  LOBOS Cérebro  Telencéfalo e Diencéfalo
  • 27. Neurociência aula 01 SULCOS  GIRUS  LOBOS Cérebro  Telencéfalo e Diencéfalo Á R E A S
  • 28. Neurociência aula 01 SULCOS  GIRUS  LOBOS F U N Ç Õ E S Cérebro  Telencéfalo e Diencéfalo
  • 29. LOBOS CEREBRAIS LOBO FRONTAL: Pensamento, emoções ÁREA DE BROCA Parte motora da fala Área motora voluntária SULCO CENTRAL Tato e outras áreas sensoriais LOBO PARIETAL Área de interpretação LOBO OCCIPTAL Visão CEREBELO Equilíbrio PONTE e BULBO respiração e batimentos cardíacos LOBO TEMPORAL Audição
  • 30. Neurociência aula 01 Corpo Caloso Cérebro  Telencéfalo e Diencéfalo
  • 31. Neurociência Cérebro  Telencéfalo e Diencéfalo Corpo Caloso
  • 32. Neurociência aula 01 A região superficial do telencéfalo, que acomoda bilhões de corpos celulares de neurônios (substância cinzenta), constitui o córtex cerebral, formado a partir da fusão das partes superficiais telencefálicas e diencefálicas. O córtex recobre um grande centro medular branco, formado por fibras axonais (substância branca). SUBSTÂNCIA CINZENTA E BRANCA Cérebro  Telencéfalo e Diencéfalo
  • 33. Neurociência aula 01 Em meio ao centro branco (nas profundezas do telencéfalo), há agrupamentos de corpos celulares neuronais que formam os núcleos (gânglios) da base ou núcleos (gânglios) basais. NÚCLEOS (GÂNGLIOS) DA BASE CAUDATO PUTAMEN GLOBO PÁLIDO NÚCLEO SUBTALÂMICO envolvidos em conjunto, no controle do movimento
  • 35. Neurociência aula 01 Parece que os gânglios da base participam também de um grande número de circuitos paralelos, sendo apenas alguns poucos de função motora. Outros circuitos estão envolvidos em certos aspectos da memória e da função cognitiva. NÚCLEOS (GÂNGLIOS) DA BASE
  • 36. Neurociência aula 01 1. Núcleo Caudado: controla movimentos intencionais grosseiros do corpo (isso ocorre a nível sub-consciente e consciente) e auxilia no controle global dos movimentos do corpo. NÚCLEOS (GÂNGLIOS) DA BASE 2. Putamen: funciona em conjunto com o núcleo caudado no controle de movimentos intencionais grosseiros. Ambos os núcleos funcionam em associação com o córtex motor, para controlar diversos padrões de movimento.
  • 37. Neurociência aula 01 3. Globo Pálido: provavelmente controla a posição das principais partes do corpo, quando uma pessoa inicia um movimento complexo, Isto é, se uma pessoa deseja executar uma função precisa com uma de suas mãos, deve primeiro colocar seu corpo numa posição apropriada e, então, contrair a musculatura do braço. Acredita-se que essas funções sejam iniciadas, principalmente, pelo globo pálido. 4. Núcleo Subtalâmico e áreas associadas: controlam possivelmente os movimentos da marcha e talvez outros tipos de motilidade grosseira do corpo. NÚCLEOS (GÂNGLIOS) DA BASE
  • 38. Neurociência aula 01 Diencéfalo Cérebro  Telencéfalo e Diencéfalo Compreende as seguintes partes: tálamo, hipotálomo, epitálamo e subtálamo, todas em relação com o III ventrículo.
  • 39. Neurociência aula 01 Cérebro  Telencéfalo e Diencéfalo TÁLAMO São duas massas volumosas de substância cinzenta, de forma ovóide, dispostas uma de cada lado, na porção látero-dorsal do diencéfalo. Todas as mensagens sensoriais, com exceção das provenientes dos receptores do olfato, passam pelo tálamo antes de atingir o córtex cerebral.
  • 40. Neurociência aula 01 O tálamo atua como estação retransmissora de impulsos nervosos para o córtex cerebral. Ele é responsável pela condução dos impulsos às regiões apropriadas do cérebro onde eles devem ser processados. Cérebro  Telencéfalo e Diencéfalo TÁLAMO O tálamo também está relacionado com alterações no comportamento emocional; que decorre, não só da própria atividade, mas também de conexões com outras estruturas do sistema límbico (que regula as emoções).
  • 41. Neurociência aula 01 Cérebro  Telencéfalo e Diencéfalo HIPOTÁLAMO O hipotálamo, também constituído por substância cinzenta, é o principal centro integrador das atividades dos órgãos viscerais, sendo um dos principais responsáveis pela homeostase corporal. Ele faz ligação entre o sistema nervoso e o sistema endócrino, atuando na ativação de diversas glândulas endócrinas. É o hipotálamo que controla a temperatura corporal, regula o apetite e o balanço de água no corpo, o sono e está envolvido na emoção e no comportamento sexual.
  • 42. Neurociência aula 01 Cérebro Principais funções: • Pensamento • Movimento voluntário • Linguagem • Julgamento • Percepção
  • 43. Neurociência aula 01 VENTRÍCULOS CEREBRAIS Cavidades encontradas entre os hemisférios revestidas de epêndima que contém o líquido cérebro-espinhal (céfalo-requidiano) – LCR/LCE; nutrição, proteção e excreção Ventrículos Laterais III Ventrículo IV Ventrículo forame interventricular aqueduto cerebral
  • 44. Neurociência aula 01 Cerebelo Situado atrás do cérebro está o cerebelo, que é primariamente um centro para o controle dos movimentos iniciados pelo córtex motor (possui extensivas conexões com o cérebro e a medula espinhal).
  • 45. Neurociência aula 01 Cerebelo • Dividido em dois hemisférios • Porém, ao contrário dos hemisférios cerebrais*, o lado esquerdo do cerebelo está relacionado com os movimentos do lado esquerdo do corpo, enquanto o lado direito, com os movimentos do lado direito do corpo.
  • 46. Neurociência aula 01 • O cerebelo recebe informações do córtex motor e dos gânglios basais de todos os estímulos enviados aos músculos. •A partir das informações do córtex motor sobre os movimentos musculares que pretende executar e de informações proprioceptivas que recebe diretamente do corpo (articulações, músculos, áreas de pressão do corpo, aparelho vestibular e olhos), avalia o movimento realmente executado. Cerebelo RETROALIMENTAÇÃO
  • 47. Neurociência aula 01 • Após a comparação entre desempenho e aquilo que se teve em vista realizar, estímulos corretivos são enviados de volta ao córtex para que o desempenho real seja igual ao pretendido. •Dessa forma, o cerebelo relaciona-se : •ajustes dos movimentos, •equilíbrio, •postura e tônus muscular. Cerebelo
  • 48. Neurociência aula 01 Cerebelo Principais funções: • Manutenção do equilíbrio e da postura; • Controle do tônus muscular; • Controle dos movimentos voluntários.
  • 49. Neurociência aula 01 Tronco Encefálico O Tronco Encefálico é uma área do encéfalo que fica entre o tálamo e a medula espinhal. Possui várias estruturas como o bulbo, o mesencéfalo e a ponte. Algumas destas áreas são responsáveis pelas funções básicas para a manutenção da vida como a respiração, o batimento cardíaco e a pressão arterial. BULBO PONTE MESENCÉFALO
  • 50. Neurociência aula 01 Bulbo Recebe informações de vários órgãos do corpo, controlando as funções autônomas (a chamada vida vegetativa): • batimento cardíaco, • respiração, • pressão do sangue, • reflexos de salivação, • tosse, • espirro e o ato de engolir.
  • 51. Neurociência aula 01 Ponte Participa de algumas atividades do bulbo, interferindo no controle da respiração, além de ser um centro de transmissão de impulsos para o cerebelo. Serve ainda de passagem para as fibras nervosas que ligam o cérebro à medula. CENTRO INTEGRADOR
  • 53. ARCO REFLEXO DORSAL VENTRAL Substância branca Substância cinzenta MEDULA corpo celular localizado no gânglio interneurônionio neurônio sensitivo neurônio motor ESTÍMULO Receptor Corpúsculo de Paccini Músculo efetor