SlideShare uma empresa Scribd logo
Sistema Nervoso
Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo ao ambiente. Perceber e identificar as condições ambientais externas e as condições internas do organismo.
Célula Nervosa São os  neurônios . É a célula fundamental do Sistema Nervoso, é capaz de produzir e conduzir impulsos elétricos, neste caso, chamados de  impulsos nervosos . Organiza-se em três regiões:  dendritos:  filamentos relativamente curtos e extremamente ramificados;  corpo celular:  região de maior volume onde se encontra o núcleo da célula;  axônio:  uma região filamentosa única e alongada que emerge a partir do corpo celular e se ramifica em sua extremidade, é a região envolvida pelas  células de Schwann , que produzem ao seu redor a  bainha de mielina . A mielina é um lipídio que age como isolante elétrico aumentando a velocidade da condução do impulso nervoso pelo axônio.
Corpo celular  – núcleo e maioria das organelas citoplasmáticas Dendritos  – ramificações do corpo celular. Função: captar estímulos Axônio  – maior prolongamento. Presença de vesículas com neurotransmissores na porção terminal Bainha de Mielina  – células de Schwann que se enrolam no axônio. Isolante elétrico Nódulo de Ranvier  – regiões do axônio não recobertas por bainha
As Sinapses É uma região de contato muito próximo entre a extremidade do axônio de um neurônio e a superfície de outras células. Estas células podem ser tanto outros neurônios como células sensoriais, musculares ou glandulares. Na maioria das sinapses nervosas, as membranas das células que fazem sinapses estão muito próximas, mas não se tocam. Há um pequeno espaço entre as membranas celulares (o espaço sináptico ou fenda sináptica).  Quando os impulsos nervosos atingem as extremidades do axônio da célula pré-sináptica, ocorre liberação, nos espaços sinápticos, de substâncias químicas denominadas  nerormônios  (neurotransmissores).
Neurotransmissores estão presentes em vesículas na terminação do axônio.  Chegada do impulso na terminação resulta na liberação dos neurotransmissores na fenda sináptica Os neurotransmissores atingem o outro neurônio desencadeando impulso nervoso
Sentido de propagação do impulso nervoso O percurso do impulso nervoso no neurônio é sempre no sentido dendrito   corpo celular   axônio . 
Divisão do Sistema Nervoso SNC Encéfalo e Medula SNP Nervos Gânglios Cérebro Cerebelo Mesencéfalo Ponte Bulbo
Sistema Nervoso Central - SNC Função: processamento e integração das informações. Formado pelo encéfalo (alojado no crânio) e pela medula espinhal (interior das vértebras – coluna vertebral).
Meninges Membranas que protegem o SNC de choques mecânicos. Dura-máter: mais espessa e externa. Aracnóide: esponjosa por onde circula o líquor (liquido cefalorraquidiano) Pia-máter: aderida ao encéfalo e medula. Tem vasos sanguíneos, que levam O 2  e nutrientes para as células do SNC.
 
Órgãos do SNC
Parte mais desenvolvida do encéfalo Relacionado com o pensamento, memória, fala, inteligência, sentidos, emoções. Coordena as ações voluntárias (músculos estriados esqueléticos) e também certos atos involuntários (eriçar os pêlos) Hemisfério direito: criatividade e habilidades artísticas Hemisfério esquerdo: habilidades analíticas e matemáticas Cérebro
Córtex cerebral     massa cinzenta    presença de corpos de neurônios  Medula cerebral     massa branca    presença de axônios
Áreas Cerebrais e suas funções
Localiza-se logo abaixo do cérebro.  Tem como funções: - manutenção do equilíbrio corporal; - tônus muscular (grau de contração dos músculos); - Coordena contrações musculares comandadas pelo cérebro. Assim o cérebro e o cerebelo atuam juntos no coordenação da atividades de certos músculos. Enquanto o cérebro comanda a atividade o cerebelo faz os ajustes. Cerebelo
Ponte Localiza-se abaixo do cerebelo e acima do bulbo. Serve para passagem de impulsos nervosos que vão ao cérebro e relacionam-se com reflexos associados às emoções, como o riso e as lágrimas. Bulbo Situa-se logo abaixo da ponte e   recebe informações de vários órgãos do corpo, controlando as funções autônomas (a chamada vida vegetativa): batimento cardíaco, respiração, pressão do sangue, reflexos de salivação, tosse, espirro e o ato de engolir.
 
Medula espinhal É a porção alongada do sistema nervoso central, que se inicia logo abaixo do bulbo, atravessando o canal das vértebras, atingindo entre 44 e 46 cm de comprimento. A medula espinhal ocupa toda a extensão do canal vertebral no indivíduo adulto. A medula espinhal não é apenas um condutor de impulsos nervosos,a medula é importante na produção dos movimentos musculares, pois ela exerce o controle direto sobre os músculos.
A medula espinhal tem a função de conduzir impulsos nervosos das regiões do corpo até o encéfalo, produzir impulsos e coordenar atividades musculares e reflexos. Da medula partem 31 pares de nervos que se ramificam. Por meio dessa rede de nervos, a medula se conecta com diversas partes do corpo, recebendo mensagens de vários pontos e enviando-as para o cérebro e vice versa.
 
Sistema Nervoso Periférico Constituído de nervos e gânglios Nervos:  feixes de fibras nervosas envoltas por tecido conjuntivo Gânglios:  aglomerados de corpos de neurônios fora do SNC Função: conectar o SNC as diversas partes corpo do animal.
 
Nervos Quanto à transmissão dos estímulos nervosos, os nervos podem ser de três tipos: •  Sensitivos:  Levam os estímulos nervosos do corpo para o cérebro. •  Motores:  Levam os estímulos nervosos do cérebro para o corpo. •  Mistos:  São sensitivos e motores, simultaneamente. Os nervos que se ligam ao encéfalo são chamados  nervos cranianos.  O que se ligam a medula espinhal recebem o nome de  nervos raquidianos. Os nervos raquidianos formam 31 pares. Cada nervo é formado por duas raízes nervosas, uma  motora  e outra  sensitiva ; por essa razão, todos os nervos raquidianos são mistos.
Nervos raquidianos
NERVOS CRANIANOS
Sistema Nervoso Autônomo Comanda certas atividades que ocorrem independentemente da nossa vontade. O sistema nervoso autônomo regula funções subconscientes tais como: pressão arterial, frequência cardíaca, motilidade intestinal e o diâmetro pupilar. Este sistema se divide em duas partes:   -  Sistema Nervoso Simpático : formados por nervos que saem da região dorsal e lombar da medula.   -  Sistema Nervoso Parassimpático : formados por nervos que saem do encéfalo de da região sacral da medula.
Esse dois sistemas têm ação antagônica; isto é, o sistema nervoso simpático acelera as batidas do coração e diminui o peristaltismo intestinal e o parassimpático faz o contrário. A ação conjunta desses dois sistema é fundamental pois mantém o equilíbrio interno do corpo
DIFERENÇAS ANATÔMICAS E FUNCIONAIS ENTRE OS SISTEMAS SIMPÁTICO E PARASSIMPÁTICO Imagem: LOPES, SÔNIA. Bio 2.São Paulo, Ed. Saraiva, 2002.
Atos Reflexos O ato reflexo é o mais rápido mecanismo de estímulo e resposta do sistema nervoso. Ocorre quando reagimos de maneira instantânea e involuntária a estímulos ambientais. Alguns reflexos são inatos, como a flexão da perna de um recém nascido ao se fazer cócegas em seus pés. Outros são adquiridos, como o de se assustar ao ver um animal feroz ao nosso lado quando estamos distraídos.
Atos Voluntários Movimentos do nosso corpo que decidimos fazer. Exemplo: nós decidimos movimentar nossas mãos, braços, pernas e etc. Fazemos por vontade própria.
Ato Reflexo – reflexo patelar Atos Voluntários - Locomoção
Cuidados com o Sistema Nervoso - Não fumar; - Não beber bebidas alcoólicas; - Não fazer uso de drogas; - Procure estar ao lado de pessoas que lhe agrade; - Procurem fazer atividades que lhe agrade. Provérbio Latim:  “Mens sana in corpore sano”   “ Mente sadia em corpo sadio”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humanaSistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humana
Marília Gomes
 
Est.mov. m3 - sistema nervoso
Est.mov.   m3 - sistema nervosoEst.mov.   m3 - sistema nervoso
Est.mov. m3 - sistema nervoso
Filipe Matos
 
Aula sistema-nervoso
Aula sistema-nervosoAula sistema-nervoso
Aula sistema-nervoso
propazleite
 
Sistema Endócrino Humano
Sistema Endócrino HumanoSistema Endócrino Humano
Sistema Endócrino Humano
BIOGERALDO
 
Sistema nervoso 8ano
Sistema nervoso 8anoSistema nervoso 8ano
Sistema nervoso 8ano
robioprof
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
Luís Rita
 
04 EMBRIOLOGIA SN.ppt
04 EMBRIOLOGIA SN.ppt04 EMBRIOLOGIA SN.ppt
04 EMBRIOLOGIA SN.ppt
Joao Luiz Macedo
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
isabelourenco
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
Solange Ferreira de Paula
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Tânia Reis
 
Aula 03 sitema nervoso
Aula 03 sitema nervosoAula 03 sitema nervoso
Aula 03 sitema nervoso
Glorinha E David
 
O cortex cerebral
 O cortex cerebral O cortex cerebral
O cortex cerebral
Luis De Sousa Rodrigues
 
Neurofisiologia 1
Neurofisiologia 1Neurofisiologia 1
Neurofisiologia 1
Leandro Lourenção Duarte
 
Sistema nervoso slides
Sistema nervoso slidesSistema nervoso slides
Sistema nervoso slides
Fabiano Reis
 
Sistema nervoso periférico
Sistema nervoso periféricoSistema nervoso periférico
Sistema nervoso periférico
Pedro Klein Garcia
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Andreza Campos
 
Sistema sensorial
Sistema sensorialSistema sensorial
Sistema sensorial
Alcino Castro
 
SISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSOSISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSO
César Milani
 
Aula 10 endocrino
Aula 10   endocrinoAula 10   endocrino
Aula 10 endocrino
Adele Janie
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Andrea Lemos
 

Mais procurados (20)

Sistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humanaSistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humana
 
Est.mov. m3 - sistema nervoso
Est.mov.   m3 - sistema nervosoEst.mov.   m3 - sistema nervoso
Est.mov. m3 - sistema nervoso
 
Aula sistema-nervoso
Aula sistema-nervosoAula sistema-nervoso
Aula sistema-nervoso
 
Sistema Endócrino Humano
Sistema Endócrino HumanoSistema Endócrino Humano
Sistema Endócrino Humano
 
Sistema nervoso 8ano
Sistema nervoso 8anoSistema nervoso 8ano
Sistema nervoso 8ano
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
04 EMBRIOLOGIA SN.ppt
04 EMBRIOLOGIA SN.ppt04 EMBRIOLOGIA SN.ppt
04 EMBRIOLOGIA SN.ppt
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Aula 03 sitema nervoso
Aula 03 sitema nervosoAula 03 sitema nervoso
Aula 03 sitema nervoso
 
O cortex cerebral
 O cortex cerebral O cortex cerebral
O cortex cerebral
 
Neurofisiologia 1
Neurofisiologia 1Neurofisiologia 1
Neurofisiologia 1
 
Sistema nervoso slides
Sistema nervoso slidesSistema nervoso slides
Sistema nervoso slides
 
Sistema nervoso periférico
Sistema nervoso periféricoSistema nervoso periférico
Sistema nervoso periférico
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema sensorial
Sistema sensorialSistema sensorial
Sistema sensorial
 
SISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSOSISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSO
 
Aula 10 endocrino
Aula 10   endocrinoAula 10   endocrino
Aula 10 endocrino
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 

Destaque

La conquesta de mèxic. laia bellart
La conquesta de mèxic. laia bellartLa conquesta de mèxic. laia bellart
La conquesta de mèxic. laia bellart
BlocsArciris
 
Dissertacao 2010-rosane-de-barros-alves-gilson
Dissertacao 2010-rosane-de-barros-alves-gilsonDissertacao 2010-rosane-de-barros-alves-gilson
Dissertacao 2010-rosane-de-barros-alves-gilson
Simone Pinto
 
Parque dos bilhares
Parque dos bilharesParque dos bilhares
Parque dos bilhares
Leslie Estebanez
 
Bases 2012
Bases 2012Bases 2012
Bases 2012
76961237
 
A Floresta como Recurso - Sonae Indústria
A Floresta como Recurso - Sonae IndústriaA Floresta como Recurso - Sonae Indústria
A Floresta como Recurso - Sonae Indústria
EXPONOR
 
Technologie partycypacji. Biznes i społeczeństwo w epoce hiperkomunikacji.
Technologie partycypacji. Biznes i społeczeństwo w epoce hiperkomunikacji.Technologie partycypacji. Biznes i społeczeństwo w epoce hiperkomunikacji.
Technologie partycypacji. Biznes i społeczeństwo w epoce hiperkomunikacji.
Biznes to Rozmowy
 
Análisis del video la sociedad el conocimiento
Análisis del video  la sociedad el conocimientoAnálisis del video  la sociedad el conocimiento
Análisis del video la sociedad el conocimiento
MARTHAtie
 
Estalvi energetic
Estalvi energeticEstalvi energetic
Estalvi energetic
cazuelaroja
 
Shapiro capitulo 4 1° parte
Shapiro capitulo 4 1° parteShapiro capitulo 4 1° parte
Shapiro capitulo 4 1° parte
feraza
 
03 2-el petroli hanan i martí
03 2-el petroli hanan i martí03 2-el petroli hanan i martí
03 2-el petroli hanan i martí
cimioms
 
Infección del tracto urinario ii
Infección del tracto urinario iiInfección del tracto urinario ii
Infección del tracto urinario ii
Stefany Navarro Razuri
 
Irene noticia
Irene noticiaIrene noticia
Irene noticia
mjluquino
 
penyelia latihan mengajar pend moral ismp semester 6 kohort 2
penyelia  latihan mengajar pend moral ismp semester 6 kohort 2penyelia  latihan mengajar pend moral ismp semester 6 kohort 2
penyelia latihan mengajar pend moral ismp semester 6 kohort 2
Edward Batin
 
Bullying Conferencia en British American School México Parte 2 factores que p...
Bullying Conferencia en British American School México Parte 2 factores que p...Bullying Conferencia en British American School México Parte 2 factores que p...
Bullying Conferencia en British American School México Parte 2 factores que p...
British American School
 
Austràlia a
Austràlia aAustràlia a
Austràlia a
mmcasals
 
Primero a
Primero aPrimero a
Primero a
Clon07
 
Literatura árabe persa
Literatura árabe  persaLiteratura árabe  persa
Literatura árabe persa
RicardowMezaFlores
 

Destaque (20)

Poliedroak
PoliedroakPoliedroak
Poliedroak
 
La conquesta de mèxic. laia bellart
La conquesta de mèxic. laia bellartLa conquesta de mèxic. laia bellart
La conquesta de mèxic. laia bellart
 
Dissertacao 2010-rosane-de-barros-alves-gilson
Dissertacao 2010-rosane-de-barros-alves-gilsonDissertacao 2010-rosane-de-barros-alves-gilson
Dissertacao 2010-rosane-de-barros-alves-gilson
 
Parque dos bilhares
Parque dos bilharesParque dos bilhares
Parque dos bilhares
 
Endereços Cultura é Curriculo
Endereços Cultura é CurriculoEndereços Cultura é Curriculo
Endereços Cultura é Curriculo
 
Bases 2012
Bases 2012Bases 2012
Bases 2012
 
A Floresta como Recurso - Sonae Indústria
A Floresta como Recurso - Sonae IndústriaA Floresta como Recurso - Sonae Indústria
A Floresta como Recurso - Sonae Indústria
 
Dientes
DientesDientes
Dientes
 
Technologie partycypacji. Biznes i społeczeństwo w epoce hiperkomunikacji.
Technologie partycypacji. Biznes i społeczeństwo w epoce hiperkomunikacji.Technologie partycypacji. Biznes i społeczeństwo w epoce hiperkomunikacji.
Technologie partycypacji. Biznes i społeczeństwo w epoce hiperkomunikacji.
 
Análisis del video la sociedad el conocimiento
Análisis del video  la sociedad el conocimientoAnálisis del video  la sociedad el conocimiento
Análisis del video la sociedad el conocimiento
 
Estalvi energetic
Estalvi energeticEstalvi energetic
Estalvi energetic
 
Shapiro capitulo 4 1° parte
Shapiro capitulo 4 1° parteShapiro capitulo 4 1° parte
Shapiro capitulo 4 1° parte
 
03 2-el petroli hanan i martí
03 2-el petroli hanan i martí03 2-el petroli hanan i martí
03 2-el petroli hanan i martí
 
Infección del tracto urinario ii
Infección del tracto urinario iiInfección del tracto urinario ii
Infección del tracto urinario ii
 
Irene noticia
Irene noticiaIrene noticia
Irene noticia
 
penyelia latihan mengajar pend moral ismp semester 6 kohort 2
penyelia  latihan mengajar pend moral ismp semester 6 kohort 2penyelia  latihan mengajar pend moral ismp semester 6 kohort 2
penyelia latihan mengajar pend moral ismp semester 6 kohort 2
 
Bullying Conferencia en British American School México Parte 2 factores que p...
Bullying Conferencia en British American School México Parte 2 factores que p...Bullying Conferencia en British American School México Parte 2 factores que p...
Bullying Conferencia en British American School México Parte 2 factores que p...
 
Austràlia a
Austràlia aAustràlia a
Austràlia a
 
Primero a
Primero aPrimero a
Primero a
 
Literatura árabe persa
Literatura árabe  persaLiteratura árabe  persa
Literatura árabe persa
 

Semelhante a Sistema nervoso

(7) 2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
(7)   2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal(7)   2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
(7) 2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
Hugo Martins
 
Sistema nervoso 2° resumo
Sistema nervoso 2° resumoSistema nervoso 2° resumo
Sistema nervoso 2° resumo
BriefCase
 
Resumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoResumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema Nervoso
BriefCase
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Darsoni da Silva
 
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptxAULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
FabianoDoVale
 
Sistema Neuro Hormonal
Sistema Neuro HormonalSistema Neuro Hormonal
Sistema Neuro Hormonal
leonorsm
 
Sistema nervoso resumo
Sistema nervoso resumoSistema nervoso resumo
Sistema nervoso resumo
BriefCase
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Luis Silio
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Luis Silio
 
693153
693153693153
Sistema neurohormonal
Sistema neurohormonalSistema neurohormonal
Sistema neurohormonal
Patrícia Santos
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Catir
 
Elementos estruturais e Funcionais básicos do Sistema Nervoso
Elementos estruturais e Funcionais básicos do Sistema NervosoElementos estruturais e Funcionais básicos do Sistema Nervoso
Elementos estruturais e Funcionais básicos do Sistema Nervoso
Carolina Cruz
 
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdfSISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
Simone Maia
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Rodrigo Sama
 
Sist Neurohormonal
Sist NeurohormonalSist Neurohormonal
Sist Neurohormonal
marco :)
 
Sistema Neurológico
Sistema NeurológicoSistema Neurológico
Sistema Neurológico
GuilhermeMantovani6
 
5 sistema neuro-hormonal
5 sistema neuro-hormonal5 sistema neuro-hormonal
5 sistema neuro-hormonal
Conceição Raposo
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Pedro Kangombe
 

Semelhante a Sistema nervoso (20)

(7) 2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
(7)   2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal(7)   2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
(7) 2008-2009 - 9º ano - sistema neuro-hormonal
 
Sistema nervoso 2° resumo
Sistema nervoso 2° resumoSistema nervoso 2° resumo
Sistema nervoso 2° resumo
 
Resumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoResumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema Nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptxAULA SISTEMA NERVOSO  slide sha.pptx
AULA SISTEMA NERVOSO slide sha.pptx
 
Sistema Neuro Hormonal
Sistema Neuro HormonalSistema Neuro Hormonal
Sistema Neuro Hormonal
 
Sistema nervoso resumo
Sistema nervoso resumoSistema nervoso resumo
Sistema nervoso resumo
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
693153
693153693153
693153
 
Sistema neurohormonal
Sistema neurohormonalSistema neurohormonal
Sistema neurohormonal
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Elementos estruturais e Funcionais básicos do Sistema Nervoso
Elementos estruturais e Funcionais básicos do Sistema NervosoElementos estruturais e Funcionais básicos do Sistema Nervoso
Elementos estruturais e Funcionais básicos do Sistema Nervoso
 
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdfSISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
SISTEMA NERVOSO_6ANO_23.pdf
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sist Neurohormonal
Sist NeurohormonalSist Neurohormonal
Sist Neurohormonal
 
Sistema Neurológico
Sistema NeurológicoSistema Neurológico
Sistema Neurológico
 
5 sistema neuro-hormonal
5 sistema neuro-hormonal5 sistema neuro-hormonal
5 sistema neuro-hormonal
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 

Último

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 

Sistema nervoso

  • 2. Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo ao ambiente. Perceber e identificar as condições ambientais externas e as condições internas do organismo.
  • 3. Célula Nervosa São os neurônios . É a célula fundamental do Sistema Nervoso, é capaz de produzir e conduzir impulsos elétricos, neste caso, chamados de impulsos nervosos . Organiza-se em três regiões: dendritos: filamentos relativamente curtos e extremamente ramificados; corpo celular: região de maior volume onde se encontra o núcleo da célula; axônio: uma região filamentosa única e alongada que emerge a partir do corpo celular e se ramifica em sua extremidade, é a região envolvida pelas células de Schwann , que produzem ao seu redor a bainha de mielina . A mielina é um lipídio que age como isolante elétrico aumentando a velocidade da condução do impulso nervoso pelo axônio.
  • 4. Corpo celular – núcleo e maioria das organelas citoplasmáticas Dendritos – ramificações do corpo celular. Função: captar estímulos Axônio – maior prolongamento. Presença de vesículas com neurotransmissores na porção terminal Bainha de Mielina – células de Schwann que se enrolam no axônio. Isolante elétrico Nódulo de Ranvier – regiões do axônio não recobertas por bainha
  • 5. As Sinapses É uma região de contato muito próximo entre a extremidade do axônio de um neurônio e a superfície de outras células. Estas células podem ser tanto outros neurônios como células sensoriais, musculares ou glandulares. Na maioria das sinapses nervosas, as membranas das células que fazem sinapses estão muito próximas, mas não se tocam. Há um pequeno espaço entre as membranas celulares (o espaço sináptico ou fenda sináptica). Quando os impulsos nervosos atingem as extremidades do axônio da célula pré-sináptica, ocorre liberação, nos espaços sinápticos, de substâncias químicas denominadas nerormônios (neurotransmissores).
  • 6. Neurotransmissores estão presentes em vesículas na terminação do axônio. Chegada do impulso na terminação resulta na liberação dos neurotransmissores na fenda sináptica Os neurotransmissores atingem o outro neurônio desencadeando impulso nervoso
  • 7. Sentido de propagação do impulso nervoso O percurso do impulso nervoso no neurônio é sempre no sentido dendrito corpo celular axônio . 
  • 8. Divisão do Sistema Nervoso SNC Encéfalo e Medula SNP Nervos Gânglios Cérebro Cerebelo Mesencéfalo Ponte Bulbo
  • 9. Sistema Nervoso Central - SNC Função: processamento e integração das informações. Formado pelo encéfalo (alojado no crânio) e pela medula espinhal (interior das vértebras – coluna vertebral).
  • 10. Meninges Membranas que protegem o SNC de choques mecânicos. Dura-máter: mais espessa e externa. Aracnóide: esponjosa por onde circula o líquor (liquido cefalorraquidiano) Pia-máter: aderida ao encéfalo e medula. Tem vasos sanguíneos, que levam O 2 e nutrientes para as células do SNC.
  • 11.  
  • 13. Parte mais desenvolvida do encéfalo Relacionado com o pensamento, memória, fala, inteligência, sentidos, emoções. Coordena as ações voluntárias (músculos estriados esqueléticos) e também certos atos involuntários (eriçar os pêlos) Hemisfério direito: criatividade e habilidades artísticas Hemisfério esquerdo: habilidades analíticas e matemáticas Cérebro
  • 14. Córtex cerebral  massa cinzenta  presença de corpos de neurônios Medula cerebral  massa branca  presença de axônios
  • 15. Áreas Cerebrais e suas funções
  • 16. Localiza-se logo abaixo do cérebro. Tem como funções: - manutenção do equilíbrio corporal; - tônus muscular (grau de contração dos músculos); - Coordena contrações musculares comandadas pelo cérebro. Assim o cérebro e o cerebelo atuam juntos no coordenação da atividades de certos músculos. Enquanto o cérebro comanda a atividade o cerebelo faz os ajustes. Cerebelo
  • 17. Ponte Localiza-se abaixo do cerebelo e acima do bulbo. Serve para passagem de impulsos nervosos que vão ao cérebro e relacionam-se com reflexos associados às emoções, como o riso e as lágrimas. Bulbo Situa-se logo abaixo da ponte e recebe informações de vários órgãos do corpo, controlando as funções autônomas (a chamada vida vegetativa): batimento cardíaco, respiração, pressão do sangue, reflexos de salivação, tosse, espirro e o ato de engolir.
  • 18.  
  • 19. Medula espinhal É a porção alongada do sistema nervoso central, que se inicia logo abaixo do bulbo, atravessando o canal das vértebras, atingindo entre 44 e 46 cm de comprimento. A medula espinhal ocupa toda a extensão do canal vertebral no indivíduo adulto. A medula espinhal não é apenas um condutor de impulsos nervosos,a medula é importante na produção dos movimentos musculares, pois ela exerce o controle direto sobre os músculos.
  • 20. A medula espinhal tem a função de conduzir impulsos nervosos das regiões do corpo até o encéfalo, produzir impulsos e coordenar atividades musculares e reflexos. Da medula partem 31 pares de nervos que se ramificam. Por meio dessa rede de nervos, a medula se conecta com diversas partes do corpo, recebendo mensagens de vários pontos e enviando-as para o cérebro e vice versa.
  • 21.  
  • 22. Sistema Nervoso Periférico Constituído de nervos e gânglios Nervos: feixes de fibras nervosas envoltas por tecido conjuntivo Gânglios: aglomerados de corpos de neurônios fora do SNC Função: conectar o SNC as diversas partes corpo do animal.
  • 23.  
  • 24. Nervos Quanto à transmissão dos estímulos nervosos, os nervos podem ser de três tipos: • Sensitivos: Levam os estímulos nervosos do corpo para o cérebro. • Motores: Levam os estímulos nervosos do cérebro para o corpo. • Mistos: São sensitivos e motores, simultaneamente. Os nervos que se ligam ao encéfalo são chamados nervos cranianos. O que se ligam a medula espinhal recebem o nome de nervos raquidianos. Os nervos raquidianos formam 31 pares. Cada nervo é formado por duas raízes nervosas, uma motora e outra sensitiva ; por essa razão, todos os nervos raquidianos são mistos.
  • 27. Sistema Nervoso Autônomo Comanda certas atividades que ocorrem independentemente da nossa vontade. O sistema nervoso autônomo regula funções subconscientes tais como: pressão arterial, frequência cardíaca, motilidade intestinal e o diâmetro pupilar. Este sistema se divide em duas partes: - Sistema Nervoso Simpático : formados por nervos que saem da região dorsal e lombar da medula. - Sistema Nervoso Parassimpático : formados por nervos que saem do encéfalo de da região sacral da medula.
  • 28. Esse dois sistemas têm ação antagônica; isto é, o sistema nervoso simpático acelera as batidas do coração e diminui o peristaltismo intestinal e o parassimpático faz o contrário. A ação conjunta desses dois sistema é fundamental pois mantém o equilíbrio interno do corpo
  • 29. DIFERENÇAS ANATÔMICAS E FUNCIONAIS ENTRE OS SISTEMAS SIMPÁTICO E PARASSIMPÁTICO Imagem: LOPES, SÔNIA. Bio 2.São Paulo, Ed. Saraiva, 2002.
  • 30. Atos Reflexos O ato reflexo é o mais rápido mecanismo de estímulo e resposta do sistema nervoso. Ocorre quando reagimos de maneira instantânea e involuntária a estímulos ambientais. Alguns reflexos são inatos, como a flexão da perna de um recém nascido ao se fazer cócegas em seus pés. Outros são adquiridos, como o de se assustar ao ver um animal feroz ao nosso lado quando estamos distraídos.
  • 31. Atos Voluntários Movimentos do nosso corpo que decidimos fazer. Exemplo: nós decidimos movimentar nossas mãos, braços, pernas e etc. Fazemos por vontade própria.
  • 32. Ato Reflexo – reflexo patelar Atos Voluntários - Locomoção
  • 33. Cuidados com o Sistema Nervoso - Não fumar; - Não beber bebidas alcoólicas; - Não fazer uso de drogas; - Procure estar ao lado de pessoas que lhe agrade; - Procurem fazer atividades que lhe agrade. Provérbio Latim: “Mens sana in corpore sano” “ Mente sadia em corpo sadio”