SlideShare uma empresa Scribd logo
Sistema Linfático
Prof. Gustavo Martins Pires
E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br
C o n t e ú d o :
É u m s i s t e m a f o r m a d o p o r v a s o s e ó r g ã o s l i n f ó i d e s e n e l e
c i r c u l a a l i n f a , s e n d o b a s i c a m e n t e u m s i s t e m a a u x i l i a r d e
d r e n a g e m , o u s e j a , a u x i l i a r d o s i s t e m a v e n o s o . N e m t o d a s a s
m o l é c u l a s d o l í q u i d o t e c i d u a l p a s s a m p a r a o s c a p i l a r e s
s a n g u í n e o s . É o c a s o d e m o l é c u l a s d e g r a n d e t a m a n h o , q u e s ã o
r e c o l h i d a s e m c a p i l a r e s - o s c a p i l a r e s l i n f á t i c o s , d e o n d e a
l i n f a s e g u e p a r a v a s o s l i n f á t i c o s , e d e s t e s p a r a t r o n c o s
l i n f á t i c o s , o s m a i s v o l u m o s o s , q u e p o r s u a v e z l a n ç a m a l i n f a
e m v e i a s d e m é d i o o u g r a n d e c a l i b r e .
(sistema linfático - fonte: http://cuerpohumanocuerpo.blogspot.com.br/2012/08/sistema-
linfatico.html)
1. Introdução --------------------------------------------------------------------------------------------------------- 03
2. Funções ------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 04
3. Linfa e fluido intersticial ---------------------------------------------------------------------------------------- 04
4. Capilares linfáticos e vasos linfáticos ------------------------------------------------------------------------- 06
5. Tecido linfático --------------------------------------------------------------------------------------------------- 07
6. Circulação linfática ---------------------------------------------------------------------------------------------- 12
7. Atividades --------------------------------------------------------------------------------------------------------- 14
Referências ----------------------------------------------------------------------------------------------------------- 15
www.portaldaanatomia.com.br
Sumário
Prof. Gustavo Martins Pires
E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br
2
1. INTRODUÇÃO
É um sistema formado por vasos e órgãos linfóides e nele circula a linfa, sendo basicamente um
sistema auxiliar de drenagem, ou seja, auxiliar do sistema venoso. Nem todas as moléculas do líquido
tecidual passam para os capilares sanguíneos. É o caso de moléculas de grande tamanho, que são
recolhidas em capilares - os capilares linfáticos, de onde a linfa segue para vasos linfáticos, e destes
para troncos linfáticos, os mais volumosos, que por sua vez lançam a linfa em veias de médio ou grande
calibre. Os capilares linfáticos são mais calibrosos e mais irregulares que os sanguíneos, e terminam em
fundo cego, sendo geralmente encontrados na maioria das áreas onde estão situados os capilares
sanguíneos. São extremamente abundante na pele e nas mucosas. Os vasos linfáticos possuem válvulas
em forma de bolso, como as das veias, e elas asseguram o fluxo da linfa numa só direção, ou seja, para o
coração. O maior tronco linfático recebe o nome de ducto torácico, e geralmente desemboca na junção
da v. jugular interna com a v. subclávia, do lado esquerdo. Os vasos linfáticos estão ausentes no sistema
nervoso central, na medula óssea, nos músculos esqueléticos (mas não no tecido conjuntivo que os
reveste) e em estruturas avasculares.
www.portaldaanatomia.com.br
Sistema Linfático
Prof. Gustavo Martins Pires
E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 3
2. FUNÇÕES
1. Drenagem do fluido intersticial. Os vasos linfáticos drenam os fluidos contendo proteínas
(fluido intersticial) nos espaços intertissulares. Estes fluidos são formados pela filtração nas
terminações arteriais dos capilares.
2.Transporte de lipídios e vitaminas lipossolúveis. Os vasos linfáticos transportam triglicerídeos e
algumas vitaminas do trato gastrintestinal ao sangue.
3.Proteção contra invasões. O tecido linfático funciona na vigilância e na defesa contra invasores.
Os linfócitos, protegem o corpo das células invasoras , dos micróbios e das células cancerosas.
3. LINFA E FLUIDO INTERSTICIAL
O fluido intersticial e a linfa são basicamente o mesmo fluido. A principal diferença entre os dois
é sua localização. Quando o fluido banha as células, ele é chamado de fluido intersticial ou fluido
intercelular. Quando ele flui através dos vasos linfáticos, ele é chamado de linfa (lympha = água clara).
Ambos os fluidos são semelhantes ao plasma, em composição. A principal diferença química é que ele
contêm menos proteína que o plasma porque a maior parte das moléculas proteicas do plasma não pode
ser filtrada através da parede capilar.
A cada dia, por volta de 20 litros de fluidos passam do sangue aos espaços tissulares. Este fluido,
bem como as proteínas plasmáticas nele contidas, deve retornar ao sistema circulatório para manter o
volume e as funções sanguíneas normais. Por volta de 85% do fluido contendo proteína filtrada na
terminação arterial do capilar sanguíneo são reabsorvidos pela terminação venosa do mesmo. Este fluido
é devolvido diretamente ao sangue. Os restantes 15% do fluido retomam o sangue indiretamente.
www.portaldaanatomia.com.br
Sistema Linfático
Prof. Gustavo Martins Pires
E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 4
www.portaldaanatomia.com.br
Sistema Linfático
Prof. Gustavo Martins Pires
E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br
5
(TORTORA, G.J. Principios de anatomia humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007)
4. CAPILARES LINFÁTICOS E VASOS LINFÁTICOS
Os vasos linfáticos originam se como capilares linfáticos, que são vasos microscópicos nos
espaços intercelulares. Eles são encontrados por todo o corpo, com exceção do tecido avascular, do
sistema nervos central e da medula óssea vermelha. Eles são ligeiramente maiores que os capilares
sanguíneos e apresentam uma estrutura única que permite ao fluido intersticial fluir para seu interior,
mas não para fora dos mesmos. As células endoteliais que constituem a parede de um capilar linfático
não são ligadas pelas suas extremidades, mas na verdade suas extremidades se sobrepõem. Quando a
pressão é maior no fluido intersticial que na linfa, as células separam se ligeiramente, como em uma
porta "vai-vem" que se abre em um só sentido, e os fluidos entram no capilar linfático. Quando a
pressão é maior no interior do capilar linfático, as células aderem se mais firmemente e o fluido não
pode escapar de volta ao fluido intersticial. Enquanto os capilares sanguíneos ligam dois vasos
sanguíneos maiores que fazem parte de um circuito, os capilares linfáticos iniciam se nos tecidos e
carregam a linfa que se forma no local em direção a um vaso linfático maior.
Os vasos linfáticos assemelham se estruturalmente às veias, mas têm paredes mais finas,
apresentam mais válvulas e contêm linfonodos em intervalos variáveis. Da mesma forma que os
capilares sanguíneos convergem para formar vênulas e veias, os capilares linfáticos unem se para formar
vasos linfáticos cada vez maiores. Por fim, os vasos linfáticos drenam a linfa para dois canais principais:
o ducto torácico e o ducto linfático direito.
www.portaldaanatomia.com.br
Sistema Linfático
Prof. Gustavo Martins Pires
E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br
6
(TORTORA, G.J. Principios de anatomia humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007)
5. TECIDO LINFÁTICO
Linfonodos
Os linfonodos são órgãos ovais ou em forma de feijão, localizados ao longo dos vasos linfáticos.
Eles estão distribuídos por todo o corpo, geralmente em grupos.
Cada linfonodo é coberto por uma cápsula de tecido conjuntivo denso. Internamente, os
linfonodos são divididos em folículos, que são regiões de linfócitos T, macrófagos e linfócitos B que se
desenvolvem em plasmócitos produtores de anticorpos. Por todo o linfonodo existem canais chamados
de seios linfáticos e fibras reticulares.
A linfa entra em um linfonodo através de vários vasos linfáticos aferentes (ad = para; ferre =
carregar). Estes vasos apresentam válvulas que se abrem em direção ao linfonodo de tal forma que a
linfa é direcionada para o seu interior. A linfa flui através dos seios linfáticos e deixa um linfonodo
através de um ou dois vasos linfáticos eferentes (ef = distância), que contêm válvulas que se abrem em
direção contrária ao linfonodo para drenar a linfa para o seu exterior.
Os linfonodos filtram a linfa que passa dos espaços tissulares através dos vasos linfáticos durante
seu retorno o sistema circulatório. As fibras reticulares apreendem substâncias estranhas, que são então
destruídas de uma ou mais maneiras: pelos macrófagos por fagocitose, pelos linfócitos T pela liberação
de várias substâncias antimicrobianas e pelos plasmócitos, produzidos a partir dos linfócitos B, que
produzem anticorpos. Os plasmócitos e os linfócitos T produzidos nos linfonodos podem circular a
outras partes do corpo.
A localização dos linfonodos e a direção do fluxo da linfa são importantes no diagnóstico e no
prognóstico da disseminação do câncer através de metástases. As células cancerosas podem se espalhar
através do sistema linfático, produzindo agregados de células tumorais onde quer que elas se alojem.
Tais locais de tumores secundários são previsíveis pela direção do fluxo linfático a partir do órgão
primariamente envolvido.
www.portaldaanatomia.com.br
Sistema Linfático
Prof. Gustavo Martins Pires
E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 7
www.portaldaanatomia.com.br
Sistema Linfático
Prof. Gustavo Martins Pires
E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br
8
(TORTORA, G.J. Principios de anatomia humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007)
Tonsilas
As tonsilas são grupos de folículos linfáticos grandes arranjados em forma de anel na junção da
cavidade da boca e faringe (fauce = garganta) e da cavidade do nariz e faringe. As tonsilas então
posicionadas estrategicamente de forma a participarem nas respostas imunes contra as substâncias
estranhas que são ingeridas ou inaladas. Elas contêm linfócitos T e linfócitos B. A tonsila faríngea,
única, ou adenóide (quando inflamada) está aninhada na parede posterior da parte nasal da faringe. As
tonsilas (amígdalas) palatinas estão situadas no fundo da boca. Estas são as tonsilas comumente
removidas por meio de uma tonsilectomia. A tonsila lingual está localizada na base da língua e pode
também ter de ser removida por meio de uma tonsilectomia.
Baço
O baço, oval, é a maior massa individual de tecido linfático no corpo. Ele é coberto por uma
cápsula de tecido conjuntivo denso e situa se entre o estômago e o diafragma. O baço contém
plasmócitos (células sanguíneas vermelhas), macrófagos e leucócitos (células sanguíneas brancas).
Como o baço não apresenta vasos linfáticos aferentes ou seios linfáticos, ele não filtra a linfa.
Entretanto, ele contém espaços para o armazenamento de sangue, uma das suas principais funções.
Durante uma perda intensa de sangue, os impulsos simpáticos causam a liberação do sangue lá
armazenado para manter o volume e a pressão sanguíneas.
O baço é o local de transformação dos linfócitos B em plasmócitos produtores de anticorpos. As
células dentro do baço também fagocitam bactérias, glóbulos vermelhos e plaquetas danificados ou
envelhecidos. Durante o desenvolvimento fetal inicial, o baço participa da formação das células
sanguíneas.
O baço é o órgão mais facilmente danificado em casos de traumatismo abdominal,
particularmente aqueles que envolvem impacto grave na porção inferior esquerda do tórax ou na porção
superior do abdome, ou fraturem as costelas que o protegem. Tal lesão pode causar ruptura do baço, que
determina hemorragia intensa e choque. A remoção imediata do baço, chamada de esplenectomia, é
necessária para evitar que o paciente sangre até a morte.
As funções do baço são, então assumidas por outras estruturas, particularmente a medula óssea.
www.portaldaanatomia.com.br
Sistema Linfático
Prof. Gustavo Martins Pires
E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 9
Timo
O timo é um órgão bilobado localizado atrás do esterno e entre os pulmões. Cada lobo está
coberto por uma cápsula de tecido conjuntivo. Internamente, o timo consiste de linfócitos T, macrófagos
e células epiteliais que produzem hormônios.
O timo é grande nas crianças mas não atinge seu tamanho máximo antes da puberdade. Após a
puberdade, muito do tecido do timo é trocado por gordura e tecido conjuntivo mas as células continuam
funcionais.
Seu papel na imunidade é auxiliar e distribuir os linfócitos T a outros órgãos linfócitos. Estes
linfócitos destroem os micróbios invasores pela produção de várias substâncias. Lembre se de que os
hormônios produzidos pelo timo, tais como a timosina e a timopoietina, promovem a proliferação e a
manutenção dos linfócitos T.
www.portaldaanatomia.com.br
Sistema Linfático
Prof. Gustavo Martins Pires
E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 10
(TORTORA, G.J. Principios de anatomia humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007)
www.portaldaanatomia.com.br
Sistema Linfático
Prof. Gustavo Martins Pires
E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 11
(TORTORA, G.J. Principios de anatomia humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007)
6. CIRCULAÇÃO LINFÁTICA
A linfa dos capilares linfáticos passa aos vasos linfáticos e através dos linfonodos. Os vasos
eferentes dos linfonodos passam para outro linfonodos. Os vasos eferentes dos últimos linfonodos em
uma cadeia unem se para formar os troncos linfáticos.
Os principais troncos transferem sua linfa a dois canais principais: o ducto torácico e o ducto
linfático direito. O ducto torácico é o principal ducto coletor do sistema linfático e recebe linfa do lado
esquerdo da cabeça, pescoço e tórax, do membro superior esquerdo e todo o corpo abaixo das costelas.
O ducto linfático direito drena linfa do lado superior direito do corpo.
Finalmente, o ducto torácico esvazia toda sua linfa na junção da veia jugular interna esquerda e
veia subclávia esquerda, e o ducto linfático direito esvazia-se na junção da veia jugular interna direita e
da veia subclávia direita. Assim, a linfa é drenada de volta ao sangue, e o ciclo repete se continuamente.
A sequência dos fluxo linfático é: artérias (plasma sanguíneo) - capilares sanguíneos (plasma sanguíneo)
- espaços intersticiais (fluido intersticial) - capilares linfáticos (linfa) - vasos linfáticos (linfa) - ductos
linfáticos (linfa) - veias subclávias (plasma sanguíneo).
O fluxo da linfa dos espaços intersticiais até as veias subclávias é mantido primariamente pela
ação de "ordenha" dos músculos estriados esqueléticos.
As contrações musculares esqueléticas comprimem os vasos linfáticos e forçam a linfa em
direção às veias subclávias. Os vasos linfáticos, como as veias, contêm válvulas, cujo conjunto constitui
uma valva, e as válvulas asseguram o movimento unidirecional em direção às veias subclávias.
O fluxo linfático também é mantido pelos movimentos respiratórios, que criam uma diferença de
pressão entre as duas terminações do sistema linfático. A linfa flui da região abdominal, onde a pressão
é maior, em direção a região torácica, onde ela é menor.
o edema, que é uma acumulação excessiva de fluido intersticial nos espaços tissulares, pode ser
causado por uma obstrução, tal como um linfonodo infectado ou vasos linfáticos bloqueados. Outra
causa é uma formação excessiva de linfa e aumento da permeabilidade das parede capilares sanguíneas.
O edema pode também resultar de um aumento na pressão sanguínea capilar, quando o fluido intersticial
é formado mais rapidamente do que ele pode passar aos vasos linfáticos.
www.portaldaanatomia.com.br
Sistema Linfático
Prof. Gustavo Martins Pires
E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 12
www.portaldaanatomia.com.br
Sistema Linfático
Prof. Gustavo Martins Pires
E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 13
(TORTORA, G.J. Principios de anatomia humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007)
7. ATIVIDADES
1. Cite as estruturas que pertencem ao sistema linfático.
2. Qual a função do sistema linfático?
3. O que é linfa?
4. Qual a composição da linfa?
5. Quais estruturas adjacentes são responsáveis pela movimentação da linfa no sistema linfático?
6. Explique a diferença entre a circulação linfática e a sanguínea.
7. Cite as regiões drenadas pelo ducto linfático direito e pelo ducto torácico.
8. Como o sistema linfático atua contra micro-organismos que invadem o corpo humano?
9. Explique a localização do baço.
10. Cite algumas funções do baço.
11. O que são linfonódos?
12. Quais tipos de células são armazenados nos linfonódos? Qual a função dessas células?
13. Qual a função dos macrófagos?
14. Quais são os dois tipos principais de linfócitos? Explique-os.
15. Onde estão localizadas as tonsilas palatinas e a faríngea?
16. Explique a anatomia do timo.
17. Por que o timo é considerado um órgão linfático?
www.portaldaanatomia.com.br
Sistema Linfático
Prof. Gustavo Martins Pires
E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 14
REFERÊNCIAS
MOORE, K. L.; DALLEY, A. F.. Anatomia orientada para a clínica. Rio de Janeiro: Guanabara
Koogan, 2007.
DANGELO, J. G.; FATTINI, C. A.. Anatomia humana sistêmica e segmentar: para o estudante
de medicina. São Paulo: Editora Atheneu, 2002.
GARDNER E ET AL. Anatomia Geral — Introdução. Anatomia — Estudo Regional do Corpo
Humano. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1971. p.3-9.
TORTORA, G.J. Principios de anatomia humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,
2007.
http://www.auladeanatomia.com/
www.portaldaanatomia.com.br
Sistema Linfático
Prof. Gustavo Martins Pires
E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 15
peso e servir como alavanca
para impulsionar o corpo. A
construção do pé com vários
ossos e articulações, permite a
adaptação do pé aos tipos de
superfícies, além de aumentar
sua ação propulsora.
2. ESQUELETO DO PÉ
O esqueleto do pé é formado
pelos ossos tarsais, metatarsais
e falanges. Quase todos os
ossos se unem por articulações
sinoviais, conferindo
mobilidade necessária para se
adaptar a forças longitudinais
aplicadas sobre o pé e, se
moldar aos diferentes tipos de
superfícies durante a marcha.
Os ossos do tarso (do grego –
tarso = superfície plana) a
palavra era usada para uma
série de estruturas planas.
Hipócrates usava a expressão
“tarsós podós” = planta do pé.
Galeno utilizou o termo para o
esqueleto, envolvendo apenas
os ossos cuneiformes e cubóide
como parte do tarso. São ossos
pares e curtos, totalizando sete
ossos em cada pé.
 O tálus (do latim – talus
= tornozelo, dado de
jogar), articula-se,
proximalmente, com a
face inferior da tíbia e,
as porções articulares
PORTAL DA ANATOMIA HUMANA
www.portaldaanatomia.com.br
contato@portaldaanatomia.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

M3 fev
M3 fevM3 fev
M3 fev
Estela Costa
 
Aula 03 anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexos
Aula 03   anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexosAula 03   anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexos
Aula 03 anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexos
Hamilton Nobrega
 
Sistema tegumentar
Sistema tegumentarSistema tegumentar
Sistema tegumentar
Gracieli Henicka
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascular Sistema cardiovascular
Aula 1.1 noções básicas de histologia
Aula 1.1 noções básicas de histologiaAula 1.1 noções básicas de histologia
Aula 1.1 noções básicas de histologia
Cintia Colotoni
 
Aula sobre histologia
Aula sobre   histologiaAula sobre   histologia
Aula sobre histologia
Marcionedes De Souza
 
Anatomia humana
Anatomia humanaAnatomia humana
Anatomia humana
Stephany Strombeck
 
Sistema Linfático
Sistema LinfáticoSistema Linfático
Sistema Linfático
Ubirajara Neves
 
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologiaAula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 
Sistema hematológico
Sistema hematológicoSistema hematológico
Sistema hematológico
Denise Terenzi
 
Sistema esquelético
Sistema esqueléticoSistema esquelético
Sistema esquelético
Juliana Bernardy
 
Sistema linfático
Sistema linfáticoSistema linfático
Sistema linfático
Colégio Batista de Mantena
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
César Milani
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
Andreza Campos
 
1. aula 1 anatomia e fisiologia
1. aula 1 anatomia e fisiologia1. aula 1 anatomia e fisiologia
1. aula 1 anatomia e fisiologia
Ieda Dorneles
 
Sistema esquelético
Sistema esqueléticoSistema esquelético
Sistema esquelético
Patricia de Castilhos
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
Centro Universitário Ages
 
Anatomia e fisiologia
Anatomia e  fisiologiaAnatomia e  fisiologia
Anatomia e fisiologia
Luis Antonio Cezar Junior
 
aula sist linfático
aula sist linfáticoaula sist linfático
aula sist linfático
carlotabuchi
 
Sistema nervoso central
Sistema nervoso centralSistema nervoso central

Mais procurados (20)

M3 fev
M3 fevM3 fev
M3 fev
 
Aula 03 anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexos
Aula 03   anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexosAula 03   anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexos
Aula 03 anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexos
 
Sistema tegumentar
Sistema tegumentarSistema tegumentar
Sistema tegumentar
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascular Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Aula 1.1 noções básicas de histologia
Aula 1.1 noções básicas de histologiaAula 1.1 noções básicas de histologia
Aula 1.1 noções básicas de histologia
 
Aula sobre histologia
Aula sobre   histologiaAula sobre   histologia
Aula sobre histologia
 
Anatomia humana
Anatomia humanaAnatomia humana
Anatomia humana
 
Sistema Linfático
Sistema LinfáticoSistema Linfático
Sistema Linfático
 
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologiaAula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
 
Sistema hematológico
Sistema hematológicoSistema hematológico
Sistema hematológico
 
Sistema esquelético
Sistema esqueléticoSistema esquelético
Sistema esquelético
 
Sistema linfático
Sistema linfáticoSistema linfático
Sistema linfático
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
1. aula 1 anatomia e fisiologia
1. aula 1 anatomia e fisiologia1. aula 1 anatomia e fisiologia
1. aula 1 anatomia e fisiologia
 
Sistema esquelético
Sistema esqueléticoSistema esquelético
Sistema esquelético
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
 
Anatomia e fisiologia
Anatomia e  fisiologiaAnatomia e  fisiologia
Anatomia e fisiologia
 
aula sist linfático
aula sist linfáticoaula sist linfático
aula sist linfático
 
Sistema nervoso central
Sistema nervoso centralSistema nervoso central
Sistema nervoso central
 

Destaque

Sistema circulatório aula 1
Sistema circulatório   aula 1Sistema circulatório   aula 1
Sistema circulatório aula 1
ReginaReiniger
 
Sistema circulatorio 5
Sistema circulatorio 5Sistema circulatorio 5
Sistema circulatorio 5
miguelpim
 
Sistema Circulatório
Sistema CirculatórioSistema Circulatório
Sistema Circulatório
Projecto Alunos Inovadores
 
Sistema Cardiovascular
Sistema CardiovascularSistema Cardiovascular
Sistema Cardiovascular
Carlos Antunes
 
Webquest sistema nervoso
Webquest sistema nervosoWebquest sistema nervoso
Webquest sistema nervoso
Eliani Moraes
 
Sistema circulatório 1
Sistema circulatório 1Sistema circulatório 1
Sistema circulatório 1
rukka
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
Patrícia Oliveira
 
Sistema Circulatório
Sistema CirculatórioSistema Circulatório
Sistema Circulatório
Patrícia Santos
 
Cap 04 circulação e excreção
Cap 04 circulação e excreçãoCap 04 circulação e excreção
Cap 04 circulação e excreção
Grazielly Katarinni Gomes Lemos
 
Sistema cardiovascular bárbara de castro
Sistema cardiovascular   bárbara de castroSistema cardiovascular   bárbara de castro
Sistema cardiovascular bárbara de castro
BarbaraCastroLoureiro
 
Sistema circulatório apresentação 2
Sistema circulatório   apresentação 2Sistema circulatório   apresentação 2
Sistema circulatório apresentação 2
Darlene Santana
 
Sistema circulatório humano
Sistema circulatório humanoSistema circulatório humano
Sistema circulatório humano
davidjpereira
 
Sisitema circulatório - Super med
Sisitema circulatório - Super medSisitema circulatório - Super med
Sisitema circulatório - Super med
emanuel
 
Sistema circulatorio powerpoint
Sistema circulatorio powerpointSistema circulatorio powerpoint
Sistema circulatorio powerpoint
isabelalexandrapinto
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
Cláudia Moura
 
Sistema endócrino
Sistema endócrino Sistema endócrino
Sistema endócrino
laismoraes93
 
Sistema circulatorio slides da aula
Sistema circulatorio slides da aulaSistema circulatorio slides da aula
Sistema circulatorio slides da aula
Fabiano Reis
 
SISTEMA CIRCULATORIO - PRIMARIA
SISTEMA CIRCULATORIO - PRIMARIASISTEMA CIRCULATORIO - PRIMARIA
SISTEMA CIRCULATORIO - PRIMARIA
AULA VIRTUAL CREATIVA
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
Tânia Reis
 

Destaque (19)

Sistema circulatório aula 1
Sistema circulatório   aula 1Sistema circulatório   aula 1
Sistema circulatório aula 1
 
Sistema circulatorio 5
Sistema circulatorio 5Sistema circulatorio 5
Sistema circulatorio 5
 
Sistema Circulatório
Sistema CirculatórioSistema Circulatório
Sistema Circulatório
 
Sistema Cardiovascular
Sistema CardiovascularSistema Cardiovascular
Sistema Cardiovascular
 
Webquest sistema nervoso
Webquest sistema nervosoWebquest sistema nervoso
Webquest sistema nervoso
 
Sistema circulatório 1
Sistema circulatório 1Sistema circulatório 1
Sistema circulatório 1
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
 
Sistema Circulatório
Sistema CirculatórioSistema Circulatório
Sistema Circulatório
 
Cap 04 circulação e excreção
Cap 04 circulação e excreçãoCap 04 circulação e excreção
Cap 04 circulação e excreção
 
Sistema cardiovascular bárbara de castro
Sistema cardiovascular   bárbara de castroSistema cardiovascular   bárbara de castro
Sistema cardiovascular bárbara de castro
 
Sistema circulatório apresentação 2
Sistema circulatório   apresentação 2Sistema circulatório   apresentação 2
Sistema circulatório apresentação 2
 
Sistema circulatório humano
Sistema circulatório humanoSistema circulatório humano
Sistema circulatório humano
 
Sisitema circulatório - Super med
Sisitema circulatório - Super medSisitema circulatório - Super med
Sisitema circulatório - Super med
 
Sistema circulatorio powerpoint
Sistema circulatorio powerpointSistema circulatorio powerpoint
Sistema circulatorio powerpoint
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
 
Sistema endócrino
Sistema endócrino Sistema endócrino
Sistema endócrino
 
Sistema circulatorio slides da aula
Sistema circulatorio slides da aulaSistema circulatorio slides da aula
Sistema circulatorio slides da aula
 
SISTEMA CIRCULATORIO - PRIMARIA
SISTEMA CIRCULATORIO - PRIMARIASISTEMA CIRCULATORIO - PRIMARIA
SISTEMA CIRCULATORIO - PRIMARIA
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
 

Semelhante a Sistema linfático

resumo_sisteeema_linfaticoooooo.docx.pdf
resumo_sisteeema_linfaticoooooo.docx.pdfresumo_sisteeema_linfaticoooooo.docx.pdf
resumo_sisteeema_linfaticoooooo.docx.pdf
KarineOliveira735509
 
Sistema linfáticovaneideceafi
Sistema linfáticovaneideceafiSistema linfáticovaneideceafi
Sistema linfáticovaneideceafi
Karla Carmo
 
Sistema linfáticovaneideceafi
Sistema linfáticovaneideceafiSistema linfáticovaneideceafi
Sistema linfáticovaneideceafi
Karla Carmo
 
Matéria e Seres Vivos
Matéria e Seres VivosMatéria e Seres Vivos
Matéria e Seres Vivos
guest57e587
 
Sistema veno linfático
Sistema veno linfáticoSistema veno linfático
Sistema veno linfático
Teresa Castilho
 
Drenagem linfática
Drenagem linfáticaDrenagem linfática
Drenagem linfática
Claudia Pinto
 
314198883-Aula-de-Sistema-Linfatico.pdf
314198883-Aula-de-Sistema-Linfatico.pdf314198883-Aula-de-Sistema-Linfatico.pdf
314198883-Aula-de-Sistema-Linfatico.pdf
StefanieVilela2
 
Sistema Linfático aula 1.ppt
Sistema Linfático aula 1.pptSistema Linfático aula 1.ppt
Sistema Linfático aula 1.ppt
AndriellyFernanda1
 
2016 Frente 2 módulo 8 sistema linfático
2016 Frente 2 módulo 8 sistema linfático2016 Frente 2 módulo 8 sistema linfático
2016 Frente 2 módulo 8 sistema linfático
Colégio Batista de Mantena
 
sistemalinfaticoaula1-230202135510-ac0a816f.ppt
sistemalinfaticoaula1-230202135510-ac0a816f.pptsistemalinfaticoaula1-230202135510-ac0a816f.ppt
sistemalinfaticoaula1-230202135510-ac0a816f.ppt
IANAHAAS
 
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdf
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdfAula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdf
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdf
Giza Carla Nitz
 
Powerpoint Sistema Circulatório Linfático
Powerpoint Sistema Circulatório LinfáticoPowerpoint Sistema Circulatório Linfático
Powerpoint Sistema Circulatório Linfático
storicardo
 
51940043 anatomia-e-fisiologia-humana-portugues
51940043 anatomia-e-fisiologia-humana-portugues51940043 anatomia-e-fisiologia-humana-portugues
51940043 anatomia-e-fisiologia-humana-portugues
Janaina Alves
 
Drenagem Linfática - Introdução e Revisão - 1.pptx
Drenagem Linfática - Introdução e Revisão - 1.pptxDrenagem Linfática - Introdução e Revisão - 1.pptx
Drenagem Linfática - Introdução e Revisão - 1.pptx
AnglicaZanettiniKonr
 
Fisio linfático
Fisio linfáticoFisio linfático
Fisio linfático
Ana Beatriz Souza
 
Sistema linfático
Sistema linfáticoSistema linfático
Sistema linfático
leiciana
 
Sistema linfático
Sistema linfáticoSistema linfático
Sistema linfático
leiciana
 
Drenagem linfaticamanual teorica
Drenagem linfaticamanual teoricaDrenagem linfaticamanual teorica
Drenagem linfaticamanual teorica
Nathanael Amparo
 
Meninges e lcr
Meninges e lcrMeninges e lcr
Meninges e lcr
Andre Freire
 
Powerpointsistemacirculatrio parteiii-090506093501-phpapp02
Powerpointsistemacirculatrio parteiii-090506093501-phpapp02Powerpointsistemacirculatrio parteiii-090506093501-phpapp02
Powerpointsistemacirculatrio parteiii-090506093501-phpapp02
Simone Alvarenga
 

Semelhante a Sistema linfático (20)

resumo_sisteeema_linfaticoooooo.docx.pdf
resumo_sisteeema_linfaticoooooo.docx.pdfresumo_sisteeema_linfaticoooooo.docx.pdf
resumo_sisteeema_linfaticoooooo.docx.pdf
 
Sistema linfáticovaneideceafi
Sistema linfáticovaneideceafiSistema linfáticovaneideceafi
Sistema linfáticovaneideceafi
 
Sistema linfáticovaneideceafi
Sistema linfáticovaneideceafiSistema linfáticovaneideceafi
Sistema linfáticovaneideceafi
 
Matéria e Seres Vivos
Matéria e Seres VivosMatéria e Seres Vivos
Matéria e Seres Vivos
 
Sistema veno linfático
Sistema veno linfáticoSistema veno linfático
Sistema veno linfático
 
Drenagem linfática
Drenagem linfáticaDrenagem linfática
Drenagem linfática
 
314198883-Aula-de-Sistema-Linfatico.pdf
314198883-Aula-de-Sistema-Linfatico.pdf314198883-Aula-de-Sistema-Linfatico.pdf
314198883-Aula-de-Sistema-Linfatico.pdf
 
Sistema Linfático aula 1.ppt
Sistema Linfático aula 1.pptSistema Linfático aula 1.ppt
Sistema Linfático aula 1.ppt
 
2016 Frente 2 módulo 8 sistema linfático
2016 Frente 2 módulo 8 sistema linfático2016 Frente 2 módulo 8 sistema linfático
2016 Frente 2 módulo 8 sistema linfático
 
sistemalinfaticoaula1-230202135510-ac0a816f.ppt
sistemalinfaticoaula1-230202135510-ac0a816f.pptsistemalinfaticoaula1-230202135510-ac0a816f.ppt
sistemalinfaticoaula1-230202135510-ac0a816f.ppt
 
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdf
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdfAula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdf
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdf
 
Powerpoint Sistema Circulatório Linfático
Powerpoint Sistema Circulatório LinfáticoPowerpoint Sistema Circulatório Linfático
Powerpoint Sistema Circulatório Linfático
 
51940043 anatomia-e-fisiologia-humana-portugues
51940043 anatomia-e-fisiologia-humana-portugues51940043 anatomia-e-fisiologia-humana-portugues
51940043 anatomia-e-fisiologia-humana-portugues
 
Drenagem Linfática - Introdução e Revisão - 1.pptx
Drenagem Linfática - Introdução e Revisão - 1.pptxDrenagem Linfática - Introdução e Revisão - 1.pptx
Drenagem Linfática - Introdução e Revisão - 1.pptx
 
Fisio linfático
Fisio linfáticoFisio linfático
Fisio linfático
 
Sistema linfático
Sistema linfáticoSistema linfático
Sistema linfático
 
Sistema linfático
Sistema linfáticoSistema linfático
Sistema linfático
 
Drenagem linfaticamanual teorica
Drenagem linfaticamanual teoricaDrenagem linfaticamanual teorica
Drenagem linfaticamanual teorica
 
Meninges e lcr
Meninges e lcrMeninges e lcr
Meninges e lcr
 
Powerpointsistemacirculatrio parteiii-090506093501-phpapp02
Powerpointsistemacirculatrio parteiii-090506093501-phpapp02Powerpointsistemacirculatrio parteiii-090506093501-phpapp02
Powerpointsistemacirculatrio parteiii-090506093501-phpapp02
 

Mais de Simone Alvarenga

instrumentação cirurgica
instrumentação cirurgicainstrumentação cirurgica
instrumentação cirurgica
Simone Alvarenga
 
Insuficiência respiratória
Insuficiência respiratóriaInsuficiência respiratória
Insuficiência respiratória
Simone Alvarenga
 
Anatomiaii sistemacardiovascular-120831120501-phpapp02
Anatomiaii sistemacardiovascular-120831120501-phpapp02Anatomiaii sistemacardiovascular-120831120501-phpapp02
Anatomiaii sistemacardiovascular-120831120501-phpapp02
Simone Alvarenga
 
Fisiologiaeanatomiadosistemacardiovascular 090707113151-phpapp01
Fisiologiaeanatomiadosistemacardiovascular 090707113151-phpapp01Fisiologiaeanatomiadosistemacardiovascular 090707113151-phpapp01
Fisiologiaeanatomiadosistemacardiovascular 090707113151-phpapp01
Simone Alvarenga
 
Trabalho202 110816190049-phpapp02
Trabalho202 110816190049-phpapp02Trabalho202 110816190049-phpapp02
Trabalho202 110816190049-phpapp02
Simone Alvarenga
 
2ª aula slides avaliação inicial da vitima
2ª aula slides   avaliação inicial da vitima2ª aula slides   avaliação inicial da vitima
2ª aula slides avaliação inicial da vitima
Simone Alvarenga
 
17ª aula slides sistema digestório
17ª aula slides sistema digestório17ª aula slides sistema digestório
17ª aula slides sistema digestório
Simone Alvarenga
 
6ª aula sistema urinário
6ª aula sistema urinário6ª aula sistema urinário
6ª aula sistema urinário
Simone Alvarenga
 
2ª aula slides sinais vitais
2ª aula slides   sinais vitais2ª aula slides   sinais vitais
2ª aula slides sinais vitais
Simone Alvarenga
 
Aula slides virologia
Aula slides   virologiaAula slides   virologia
Aula slides virologia
Simone Alvarenga
 
Aula slides micologia geral
Aula slides   micologia geralAula slides   micologia geral
Aula slides micologia geral
Simone Alvarenga
 
Aula slides introdu+º+úo a microbiologia
Aula slides   introdu+º+úo a microbiologiaAula slides   introdu+º+úo a microbiologia
Aula slides introdu+º+úo a microbiologia
Simone Alvarenga
 
16 ¬ aula slides sistema genital
16 ¬ aula slides sistema genital16 ¬ aula slides sistema genital
16 ¬ aula slides sistema genital
Simone Alvarenga
 
11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervoso11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervoso
Simone Alvarenga
 
Aula slides bacteriologia
Aula slides   bacteriologiaAula slides   bacteriologia
Aula slides bacteriologia
Simone Alvarenga
 
Alzheimer
AlzheimerAlzheimer
Alzheimer
Simone Alvarenga
 

Mais de Simone Alvarenga (16)

instrumentação cirurgica
instrumentação cirurgicainstrumentação cirurgica
instrumentação cirurgica
 
Insuficiência respiratória
Insuficiência respiratóriaInsuficiência respiratória
Insuficiência respiratória
 
Anatomiaii sistemacardiovascular-120831120501-phpapp02
Anatomiaii sistemacardiovascular-120831120501-phpapp02Anatomiaii sistemacardiovascular-120831120501-phpapp02
Anatomiaii sistemacardiovascular-120831120501-phpapp02
 
Fisiologiaeanatomiadosistemacardiovascular 090707113151-phpapp01
Fisiologiaeanatomiadosistemacardiovascular 090707113151-phpapp01Fisiologiaeanatomiadosistemacardiovascular 090707113151-phpapp01
Fisiologiaeanatomiadosistemacardiovascular 090707113151-phpapp01
 
Trabalho202 110816190049-phpapp02
Trabalho202 110816190049-phpapp02Trabalho202 110816190049-phpapp02
Trabalho202 110816190049-phpapp02
 
2ª aula slides avaliação inicial da vitima
2ª aula slides   avaliação inicial da vitima2ª aula slides   avaliação inicial da vitima
2ª aula slides avaliação inicial da vitima
 
17ª aula slides sistema digestório
17ª aula slides sistema digestório17ª aula slides sistema digestório
17ª aula slides sistema digestório
 
6ª aula sistema urinário
6ª aula sistema urinário6ª aula sistema urinário
6ª aula sistema urinário
 
2ª aula slides sinais vitais
2ª aula slides   sinais vitais2ª aula slides   sinais vitais
2ª aula slides sinais vitais
 
Aula slides virologia
Aula slides   virologiaAula slides   virologia
Aula slides virologia
 
Aula slides micologia geral
Aula slides   micologia geralAula slides   micologia geral
Aula slides micologia geral
 
Aula slides introdu+º+úo a microbiologia
Aula slides   introdu+º+úo a microbiologiaAula slides   introdu+º+úo a microbiologia
Aula slides introdu+º+úo a microbiologia
 
16 ¬ aula slides sistema genital
16 ¬ aula slides sistema genital16 ¬ aula slides sistema genital
16 ¬ aula slides sistema genital
 
11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervoso11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervoso
 
Aula slides bacteriologia
Aula slides   bacteriologiaAula slides   bacteriologia
Aula slides bacteriologia
 
Alzheimer
AlzheimerAlzheimer
Alzheimer
 

Sistema linfático

  • 1. Sistema Linfático Prof. Gustavo Martins Pires E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br C o n t e ú d o : É u m s i s t e m a f o r m a d o p o r v a s o s e ó r g ã o s l i n f ó i d e s e n e l e c i r c u l a a l i n f a , s e n d o b a s i c a m e n t e u m s i s t e m a a u x i l i a r d e d r e n a g e m , o u s e j a , a u x i l i a r d o s i s t e m a v e n o s o . N e m t o d a s a s m o l é c u l a s d o l í q u i d o t e c i d u a l p a s s a m p a r a o s c a p i l a r e s s a n g u í n e o s . É o c a s o d e m o l é c u l a s d e g r a n d e t a m a n h o , q u e s ã o r e c o l h i d a s e m c a p i l a r e s - o s c a p i l a r e s l i n f á t i c o s , d e o n d e a l i n f a s e g u e p a r a v a s o s l i n f á t i c o s , e d e s t e s p a r a t r o n c o s l i n f á t i c o s , o s m a i s v o l u m o s o s , q u e p o r s u a v e z l a n ç a m a l i n f a e m v e i a s d e m é d i o o u g r a n d e c a l i b r e . (sistema linfático - fonte: http://cuerpohumanocuerpo.blogspot.com.br/2012/08/sistema- linfatico.html)
  • 2. 1. Introdução --------------------------------------------------------------------------------------------------------- 03 2. Funções ------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 04 3. Linfa e fluido intersticial ---------------------------------------------------------------------------------------- 04 4. Capilares linfáticos e vasos linfáticos ------------------------------------------------------------------------- 06 5. Tecido linfático --------------------------------------------------------------------------------------------------- 07 6. Circulação linfática ---------------------------------------------------------------------------------------------- 12 7. Atividades --------------------------------------------------------------------------------------------------------- 14 Referências ----------------------------------------------------------------------------------------------------------- 15 www.portaldaanatomia.com.br Sumário Prof. Gustavo Martins Pires E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 2
  • 3. 1. INTRODUÇÃO É um sistema formado por vasos e órgãos linfóides e nele circula a linfa, sendo basicamente um sistema auxiliar de drenagem, ou seja, auxiliar do sistema venoso. Nem todas as moléculas do líquido tecidual passam para os capilares sanguíneos. É o caso de moléculas de grande tamanho, que são recolhidas em capilares - os capilares linfáticos, de onde a linfa segue para vasos linfáticos, e destes para troncos linfáticos, os mais volumosos, que por sua vez lançam a linfa em veias de médio ou grande calibre. Os capilares linfáticos são mais calibrosos e mais irregulares que os sanguíneos, e terminam em fundo cego, sendo geralmente encontrados na maioria das áreas onde estão situados os capilares sanguíneos. São extremamente abundante na pele e nas mucosas. Os vasos linfáticos possuem válvulas em forma de bolso, como as das veias, e elas asseguram o fluxo da linfa numa só direção, ou seja, para o coração. O maior tronco linfático recebe o nome de ducto torácico, e geralmente desemboca na junção da v. jugular interna com a v. subclávia, do lado esquerdo. Os vasos linfáticos estão ausentes no sistema nervoso central, na medula óssea, nos músculos esqueléticos (mas não no tecido conjuntivo que os reveste) e em estruturas avasculares. www.portaldaanatomia.com.br Sistema Linfático Prof. Gustavo Martins Pires E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 3
  • 4. 2. FUNÇÕES 1. Drenagem do fluido intersticial. Os vasos linfáticos drenam os fluidos contendo proteínas (fluido intersticial) nos espaços intertissulares. Estes fluidos são formados pela filtração nas terminações arteriais dos capilares. 2.Transporte de lipídios e vitaminas lipossolúveis. Os vasos linfáticos transportam triglicerídeos e algumas vitaminas do trato gastrintestinal ao sangue. 3.Proteção contra invasões. O tecido linfático funciona na vigilância e na defesa contra invasores. Os linfócitos, protegem o corpo das células invasoras , dos micróbios e das células cancerosas. 3. LINFA E FLUIDO INTERSTICIAL O fluido intersticial e a linfa são basicamente o mesmo fluido. A principal diferença entre os dois é sua localização. Quando o fluido banha as células, ele é chamado de fluido intersticial ou fluido intercelular. Quando ele flui através dos vasos linfáticos, ele é chamado de linfa (lympha = água clara). Ambos os fluidos são semelhantes ao plasma, em composição. A principal diferença química é que ele contêm menos proteína que o plasma porque a maior parte das moléculas proteicas do plasma não pode ser filtrada através da parede capilar. A cada dia, por volta de 20 litros de fluidos passam do sangue aos espaços tissulares. Este fluido, bem como as proteínas plasmáticas nele contidas, deve retornar ao sistema circulatório para manter o volume e as funções sanguíneas normais. Por volta de 85% do fluido contendo proteína filtrada na terminação arterial do capilar sanguíneo são reabsorvidos pela terminação venosa do mesmo. Este fluido é devolvido diretamente ao sangue. Os restantes 15% do fluido retomam o sangue indiretamente. www.portaldaanatomia.com.br Sistema Linfático Prof. Gustavo Martins Pires E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 4
  • 5. www.portaldaanatomia.com.br Sistema Linfático Prof. Gustavo Martins Pires E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 5 (TORTORA, G.J. Principios de anatomia humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007)
  • 6. 4. CAPILARES LINFÁTICOS E VASOS LINFÁTICOS Os vasos linfáticos originam se como capilares linfáticos, que são vasos microscópicos nos espaços intercelulares. Eles são encontrados por todo o corpo, com exceção do tecido avascular, do sistema nervos central e da medula óssea vermelha. Eles são ligeiramente maiores que os capilares sanguíneos e apresentam uma estrutura única que permite ao fluido intersticial fluir para seu interior, mas não para fora dos mesmos. As células endoteliais que constituem a parede de um capilar linfático não são ligadas pelas suas extremidades, mas na verdade suas extremidades se sobrepõem. Quando a pressão é maior no fluido intersticial que na linfa, as células separam se ligeiramente, como em uma porta "vai-vem" que se abre em um só sentido, e os fluidos entram no capilar linfático. Quando a pressão é maior no interior do capilar linfático, as células aderem se mais firmemente e o fluido não pode escapar de volta ao fluido intersticial. Enquanto os capilares sanguíneos ligam dois vasos sanguíneos maiores que fazem parte de um circuito, os capilares linfáticos iniciam se nos tecidos e carregam a linfa que se forma no local em direção a um vaso linfático maior. Os vasos linfáticos assemelham se estruturalmente às veias, mas têm paredes mais finas, apresentam mais válvulas e contêm linfonodos em intervalos variáveis. Da mesma forma que os capilares sanguíneos convergem para formar vênulas e veias, os capilares linfáticos unem se para formar vasos linfáticos cada vez maiores. Por fim, os vasos linfáticos drenam a linfa para dois canais principais: o ducto torácico e o ducto linfático direito. www.portaldaanatomia.com.br Sistema Linfático Prof. Gustavo Martins Pires E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 6 (TORTORA, G.J. Principios de anatomia humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007)
  • 7. 5. TECIDO LINFÁTICO Linfonodos Os linfonodos são órgãos ovais ou em forma de feijão, localizados ao longo dos vasos linfáticos. Eles estão distribuídos por todo o corpo, geralmente em grupos. Cada linfonodo é coberto por uma cápsula de tecido conjuntivo denso. Internamente, os linfonodos são divididos em folículos, que são regiões de linfócitos T, macrófagos e linfócitos B que se desenvolvem em plasmócitos produtores de anticorpos. Por todo o linfonodo existem canais chamados de seios linfáticos e fibras reticulares. A linfa entra em um linfonodo através de vários vasos linfáticos aferentes (ad = para; ferre = carregar). Estes vasos apresentam válvulas que se abrem em direção ao linfonodo de tal forma que a linfa é direcionada para o seu interior. A linfa flui através dos seios linfáticos e deixa um linfonodo através de um ou dois vasos linfáticos eferentes (ef = distância), que contêm válvulas que se abrem em direção contrária ao linfonodo para drenar a linfa para o seu exterior. Os linfonodos filtram a linfa que passa dos espaços tissulares através dos vasos linfáticos durante seu retorno o sistema circulatório. As fibras reticulares apreendem substâncias estranhas, que são então destruídas de uma ou mais maneiras: pelos macrófagos por fagocitose, pelos linfócitos T pela liberação de várias substâncias antimicrobianas e pelos plasmócitos, produzidos a partir dos linfócitos B, que produzem anticorpos. Os plasmócitos e os linfócitos T produzidos nos linfonodos podem circular a outras partes do corpo. A localização dos linfonodos e a direção do fluxo da linfa são importantes no diagnóstico e no prognóstico da disseminação do câncer através de metástases. As células cancerosas podem se espalhar através do sistema linfático, produzindo agregados de células tumorais onde quer que elas se alojem. Tais locais de tumores secundários são previsíveis pela direção do fluxo linfático a partir do órgão primariamente envolvido. www.portaldaanatomia.com.br Sistema Linfático Prof. Gustavo Martins Pires E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 7
  • 8. www.portaldaanatomia.com.br Sistema Linfático Prof. Gustavo Martins Pires E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 8 (TORTORA, G.J. Principios de anatomia humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007)
  • 9. Tonsilas As tonsilas são grupos de folículos linfáticos grandes arranjados em forma de anel na junção da cavidade da boca e faringe (fauce = garganta) e da cavidade do nariz e faringe. As tonsilas então posicionadas estrategicamente de forma a participarem nas respostas imunes contra as substâncias estranhas que são ingeridas ou inaladas. Elas contêm linfócitos T e linfócitos B. A tonsila faríngea, única, ou adenóide (quando inflamada) está aninhada na parede posterior da parte nasal da faringe. As tonsilas (amígdalas) palatinas estão situadas no fundo da boca. Estas são as tonsilas comumente removidas por meio de uma tonsilectomia. A tonsila lingual está localizada na base da língua e pode também ter de ser removida por meio de uma tonsilectomia. Baço O baço, oval, é a maior massa individual de tecido linfático no corpo. Ele é coberto por uma cápsula de tecido conjuntivo denso e situa se entre o estômago e o diafragma. O baço contém plasmócitos (células sanguíneas vermelhas), macrófagos e leucócitos (células sanguíneas brancas). Como o baço não apresenta vasos linfáticos aferentes ou seios linfáticos, ele não filtra a linfa. Entretanto, ele contém espaços para o armazenamento de sangue, uma das suas principais funções. Durante uma perda intensa de sangue, os impulsos simpáticos causam a liberação do sangue lá armazenado para manter o volume e a pressão sanguíneas. O baço é o local de transformação dos linfócitos B em plasmócitos produtores de anticorpos. As células dentro do baço também fagocitam bactérias, glóbulos vermelhos e plaquetas danificados ou envelhecidos. Durante o desenvolvimento fetal inicial, o baço participa da formação das células sanguíneas. O baço é o órgão mais facilmente danificado em casos de traumatismo abdominal, particularmente aqueles que envolvem impacto grave na porção inferior esquerda do tórax ou na porção superior do abdome, ou fraturem as costelas que o protegem. Tal lesão pode causar ruptura do baço, que determina hemorragia intensa e choque. A remoção imediata do baço, chamada de esplenectomia, é necessária para evitar que o paciente sangre até a morte. As funções do baço são, então assumidas por outras estruturas, particularmente a medula óssea. www.portaldaanatomia.com.br Sistema Linfático Prof. Gustavo Martins Pires E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 9
  • 10. Timo O timo é um órgão bilobado localizado atrás do esterno e entre os pulmões. Cada lobo está coberto por uma cápsula de tecido conjuntivo. Internamente, o timo consiste de linfócitos T, macrófagos e células epiteliais que produzem hormônios. O timo é grande nas crianças mas não atinge seu tamanho máximo antes da puberdade. Após a puberdade, muito do tecido do timo é trocado por gordura e tecido conjuntivo mas as células continuam funcionais. Seu papel na imunidade é auxiliar e distribuir os linfócitos T a outros órgãos linfócitos. Estes linfócitos destroem os micróbios invasores pela produção de várias substâncias. Lembre se de que os hormônios produzidos pelo timo, tais como a timosina e a timopoietina, promovem a proliferação e a manutenção dos linfócitos T. www.portaldaanatomia.com.br Sistema Linfático Prof. Gustavo Martins Pires E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 10 (TORTORA, G.J. Principios de anatomia humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007)
  • 11. www.portaldaanatomia.com.br Sistema Linfático Prof. Gustavo Martins Pires E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 11 (TORTORA, G.J. Principios de anatomia humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007)
  • 12. 6. CIRCULAÇÃO LINFÁTICA A linfa dos capilares linfáticos passa aos vasos linfáticos e através dos linfonodos. Os vasos eferentes dos linfonodos passam para outro linfonodos. Os vasos eferentes dos últimos linfonodos em uma cadeia unem se para formar os troncos linfáticos. Os principais troncos transferem sua linfa a dois canais principais: o ducto torácico e o ducto linfático direito. O ducto torácico é o principal ducto coletor do sistema linfático e recebe linfa do lado esquerdo da cabeça, pescoço e tórax, do membro superior esquerdo e todo o corpo abaixo das costelas. O ducto linfático direito drena linfa do lado superior direito do corpo. Finalmente, o ducto torácico esvazia toda sua linfa na junção da veia jugular interna esquerda e veia subclávia esquerda, e o ducto linfático direito esvazia-se na junção da veia jugular interna direita e da veia subclávia direita. Assim, a linfa é drenada de volta ao sangue, e o ciclo repete se continuamente. A sequência dos fluxo linfático é: artérias (plasma sanguíneo) - capilares sanguíneos (plasma sanguíneo) - espaços intersticiais (fluido intersticial) - capilares linfáticos (linfa) - vasos linfáticos (linfa) - ductos linfáticos (linfa) - veias subclávias (plasma sanguíneo). O fluxo da linfa dos espaços intersticiais até as veias subclávias é mantido primariamente pela ação de "ordenha" dos músculos estriados esqueléticos. As contrações musculares esqueléticas comprimem os vasos linfáticos e forçam a linfa em direção às veias subclávias. Os vasos linfáticos, como as veias, contêm válvulas, cujo conjunto constitui uma valva, e as válvulas asseguram o movimento unidirecional em direção às veias subclávias. O fluxo linfático também é mantido pelos movimentos respiratórios, que criam uma diferença de pressão entre as duas terminações do sistema linfático. A linfa flui da região abdominal, onde a pressão é maior, em direção a região torácica, onde ela é menor. o edema, que é uma acumulação excessiva de fluido intersticial nos espaços tissulares, pode ser causado por uma obstrução, tal como um linfonodo infectado ou vasos linfáticos bloqueados. Outra causa é uma formação excessiva de linfa e aumento da permeabilidade das parede capilares sanguíneas. O edema pode também resultar de um aumento na pressão sanguínea capilar, quando o fluido intersticial é formado mais rapidamente do que ele pode passar aos vasos linfáticos. www.portaldaanatomia.com.br Sistema Linfático Prof. Gustavo Martins Pires E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 12
  • 13. www.portaldaanatomia.com.br Sistema Linfático Prof. Gustavo Martins Pires E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 13 (TORTORA, G.J. Principios de anatomia humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007)
  • 14. 7. ATIVIDADES 1. Cite as estruturas que pertencem ao sistema linfático. 2. Qual a função do sistema linfático? 3. O que é linfa? 4. Qual a composição da linfa? 5. Quais estruturas adjacentes são responsáveis pela movimentação da linfa no sistema linfático? 6. Explique a diferença entre a circulação linfática e a sanguínea. 7. Cite as regiões drenadas pelo ducto linfático direito e pelo ducto torácico. 8. Como o sistema linfático atua contra micro-organismos que invadem o corpo humano? 9. Explique a localização do baço. 10. Cite algumas funções do baço. 11. O que são linfonódos? 12. Quais tipos de células são armazenados nos linfonódos? Qual a função dessas células? 13. Qual a função dos macrófagos? 14. Quais são os dois tipos principais de linfócitos? Explique-os. 15. Onde estão localizadas as tonsilas palatinas e a faríngea? 16. Explique a anatomia do timo. 17. Por que o timo é considerado um órgão linfático? www.portaldaanatomia.com.br Sistema Linfático Prof. Gustavo Martins Pires E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 14
  • 15. REFERÊNCIAS MOORE, K. L.; DALLEY, A. F.. Anatomia orientada para a clínica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007. DANGELO, J. G.; FATTINI, C. A.. Anatomia humana sistêmica e segmentar: para o estudante de medicina. São Paulo: Editora Atheneu, 2002. GARDNER E ET AL. Anatomia Geral — Introdução. Anatomia — Estudo Regional do Corpo Humano. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1971. p.3-9. TORTORA, G.J. Principios de anatomia humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007. http://www.auladeanatomia.com/ www.portaldaanatomia.com.br Sistema Linfático Prof. Gustavo Martins Pires E-mail: contato@portaldaanatomia.com.br 15
  • 16. peso e servir como alavanca para impulsionar o corpo. A construção do pé com vários ossos e articulações, permite a adaptação do pé aos tipos de superfícies, além de aumentar sua ação propulsora. 2. ESQUELETO DO PÉ O esqueleto do pé é formado pelos ossos tarsais, metatarsais e falanges. Quase todos os ossos se unem por articulações sinoviais, conferindo mobilidade necessária para se adaptar a forças longitudinais aplicadas sobre o pé e, se moldar aos diferentes tipos de superfícies durante a marcha. Os ossos do tarso (do grego – tarso = superfície plana) a palavra era usada para uma série de estruturas planas. Hipócrates usava a expressão “tarsós podós” = planta do pé. Galeno utilizou o termo para o esqueleto, envolvendo apenas os ossos cuneiformes e cubóide como parte do tarso. São ossos pares e curtos, totalizando sete ossos em cada pé.  O tálus (do latim – talus = tornozelo, dado de jogar), articula-se, proximalmente, com a face inferior da tíbia e, as porções articulares PORTAL DA ANATOMIA HUMANA www.portaldaanatomia.com.br contato@portaldaanatomia.com.br