SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
 A vida dos habitantes das primeiras vilas
fundadas no Brasil colonial durante os
séculos XVI e XVII não era fácil.
 Vivendo em condições insalubres, muitos
colonos temiam constantes ataques de
indígenas inimigos, piratas e corsários, e
tinham muitas dificuldades para se
comunicar, tanto com as outras capitanias
quanto coma metrópole.
 Nas cidades, os grandes comerciantes e
traficantes de escravos era quem tinham
grande poder e prestígio, formando uma
elite privilegiada. Os membros dessa elite
de origem portuguesa eram conhecido
como “homens-bons”.
 Eles podiam se candidatar a cargos
públicos e participar das Câmaras
Municipais.
 Os padres exerciam grande influencia sobre a
população e eram muito respeitados, pois eram
os responsáveis pela condução da vida religiosa
na Colônia, realizando missas, batizados,
casamentos, confissões e enterros.
 Os membros da Igreja também estavam
presentes na educação dos colonos, e a
maioria das escolas do período era comandada
por padres jesuítas. Apenas os filhos da elite
possuíam tempo e dinheiro para estudar.
 Na sociedade colonial, havia pessoas que
exerciam atividades comerciais autônomas,
que eram consideradas inferiores pelos
membros da elite colonial. Entre esses
profissionais estavam artesões, ferreiros,
alfaiates, sapateiros, carpinteiros, pedreiros,
barbeiros e pequenos comerciantes.
 Esses artesãos não podiam se candidatar
aos cargos municipais, nem receber títulos
de honra.
 Os escravos exerceram um importante papel
no desenvolvimento das cidades e da vida
urbana colonial. Ao mesmo tempo em que
trabalhavam na construção de edifícios, ruas
e estradas, realizando atividades que
exigiam esforço físico, eles contribuíram
para a formação de uma cultura em que se
misturam elementos indígenas, africanos e
europeus.
 A ideia do marido dominador e da
mulher submissa estava presente no
período colonial, porém, esse não foi o
único modelo de comportamento
feminino dessa época.
 Muitas mulheres, ao contrário de
viverem enclausuradas, requisitavam
divórcio, praticavam o comércio e
possuíam conhecimento político e
religioso.
 O casamento era quase
uma prática exclusiva da
elite branca, interessada em
manter seu prestígio e
posição na sociedade.
 A maioria da população,
mais pobre, apenas se
“juntava”.
 O modelo da família colonial brasileira
apresentava dois núcleos:
 Um núcleo central, composto pelo pai
(chefe da família), sua mulher, filhos e
netos;
 E um núcleo secundário, formado por
filhos ilegítimos ou de criação, parentes,
afilhados, serviçais, amigos, agregados
e escravos.
 Oficialmente, a religião predominante
no Brasil colonial era a Católica, já que
Portugal seguia essa crença;
 No entanto, quando os escravos
vieram para o Brasil, trouxeram
consigo seus costumes e sua fé. A
mistura de elementos do catolicismo à
tradicional religiosidade africana,
formaram o que viria a ser conhecido
como Umbanda.
• As primeiras vilas
• A elite urbana
• Os membros da Igreja
• Pessoas livres
• Pessoas escravas
• As mulheres
• O casamento
• A família
• Religião

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Historia 6º ano - Mesopotâmia
Historia 6º ano - MesopotâmiaHistoria 6º ano - Mesopotâmia
Historia 6º ano - MesopotâmiaFábio Paiva
 
História 6º ano
História 6º anoHistória 6º ano
História 6º anoEloy Souza
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antigacattonia
 
Abolição da escravidão
Abolição da escravidãoAbolição da escravidão
Abolição da escravidãoedsonfgodoy
 
1 os primeiros povos da america
1 os primeiros povos da america1 os primeiros povos da america
1 os primeiros povos da americaPaulo Alexandre
 
Período regencial (1831 1840)
Período regencial (1831  1840)Período regencial (1831  1840)
Período regencial (1831 1840)Marilia Pimentel
 
Origem do homem americano
Origem do homem americanoOrigem do homem americano
Origem do homem americanoFabiana Tonsis
 
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismoPeríodo entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismoPortal do Vestibulando
 
Antiguidade Clássica: Grécia e Roma
Antiguidade Clássica: Grécia e RomaAntiguidade Clássica: Grécia e Roma
Antiguidade Clássica: Grécia e RomaMarilia Pimentel
 
escravidão na antiguidade e na modernidade
escravidão na antiguidade e na modernidadeescravidão na antiguidade e na modernidade
escravidão na antiguidade e na modernidadeGiovannaPokorny
 
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...Prof. Noe Assunção
 
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaDarlan Campos
 
QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL
QUESTÃO INDÍGENA NO BRASILQUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL
QUESTÃO INDÍGENA NO BRASILGUILHERME FRANÇA
 

Mais procurados (20)

1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
 
Historia 6º ano - Mesopotâmia
Historia 6º ano - MesopotâmiaHistoria 6º ano - Mesopotâmia
Historia 6º ano - Mesopotâmia
 
História 6º ano
História 6º anoHistória 6º ano
História 6º ano
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
Atividades discursivas grécia antiga
Atividades discursivas grécia antigaAtividades discursivas grécia antiga
Atividades discursivas grécia antiga
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
Abolição da escravidão
Abolição da escravidãoAbolição da escravidão
Abolição da escravidão
 
1 os primeiros povos da america
1 os primeiros povos da america1 os primeiros povos da america
1 os primeiros povos da america
 
ESCRAVIDÃO
ESCRAVIDÃOESCRAVIDÃO
ESCRAVIDÃO
 
Período regencial (1831 1840)
Período regencial (1831  1840)Período regencial (1831  1840)
Período regencial (1831 1840)
 
Origem do homem americano
Origem do homem americanoOrigem do homem americano
Origem do homem americano
 
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismoPeríodo entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
Período entre guerras - crise de 1929 - nazifascismo
 
Antiguidade Clássica: Grécia e Roma
Antiguidade Clássica: Grécia e RomaAntiguidade Clássica: Grécia e Roma
Antiguidade Clássica: Grécia e Roma
 
3º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 19173º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 1917
 
escravidão na antiguidade e na modernidade
escravidão na antiguidade e na modernidadeescravidão na antiguidade e na modernidade
escravidão na antiguidade e na modernidade
 
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
 
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
 
QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL
QUESTÃO INDÍGENA NO BRASILQUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL
QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
 

Destaque

Religiosidade no brasil colonial
Religiosidade no brasil colonialReligiosidade no brasil colonial
Religiosidade no brasil colonialRosângela Marques
 
Trabalho de historia: Religiosidade Popular na Colonia
Trabalho de historia: Religiosidade Popular na ColoniaTrabalho de historia: Religiosidade Popular na Colonia
Trabalho de historia: Religiosidade Popular na Coloniabvaguinho
 
Sociedade, cultura e cotidiano no brasil imperial
Sociedade, cultura e cotidiano no brasil imperialSociedade, cultura e cotidiano no brasil imperial
Sociedade, cultura e cotidiano no brasil imperialEdenilson Morais
 
Sociedade, cultura e cotidiano no Brasil Imperial
Sociedade, cultura e cotidiano no Brasil ImperialSociedade, cultura e cotidiano no Brasil Imperial
Sociedade, cultura e cotidiano no Brasil ImperialEdenilson Morais
 
2 abordagem histórica do ensino religioso no brasil
2 abordagem histórica do ensino religioso no brasil2 abordagem histórica do ensino religioso no brasil
2 abordagem histórica do ensino religioso no brasilKlicia Souza
 
A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL Jorge Miklos
 
o diabo e a terra de santa cruz.pdf
o diabo e a terra de santa cruz.pdfo diabo e a terra de santa cruz.pdf
o diabo e a terra de santa cruz.pdfHistoria Line
 
Religião e sociedade na América Portuguesa
Religião e sociedade na América PortuguesaReligião e sociedade na América Portuguesa
Religião e sociedade na América PortuguesaViviane Dilkin Endler
 
A Religiosidade na América Portuguesa
A Religiosidade na América PortuguesaA Religiosidade na América Portuguesa
A Religiosidade na América PortuguesaEdenilson Morais
 
Brasil Colonial, Imperial E Republicano
Brasil Colonial, Imperial E RepublicanoBrasil Colonial, Imperial E Republicano
Brasil Colonial, Imperial E RepublicanoWellington Oliveira
 
Sociedade e vida cotidiana na América Portuguesa
Sociedade e vida cotidiana na América PortuguesaSociedade e vida cotidiana na América Portuguesa
Sociedade e vida cotidiana na América PortuguesaEdenilson Morais
 
Sociedade e vida cotidiana na américa portuguesa
Sociedade e vida cotidiana na américa portuguesaSociedade e vida cotidiana na américa portuguesa
Sociedade e vida cotidiana na américa portuguesaEdenilson Morais
 
História e Cultura durante o Segundo Reinado
História e Cultura durante o Segundo ReinadoHistória e Cultura durante o Segundo Reinado
História e Cultura durante o Segundo ReinadoGrupo Educacional Opet
 
Trabalho de historia: As Várias Faces da Família Colonial.
Trabalho de historia: As Várias Faces da Família Colonial.Trabalho de historia: As Várias Faces da Família Colonial.
Trabalho de historia: As Várias Faces da Família Colonial.bvaguinho
 

Destaque (20)

Cultura e religião no brasil colônia
Cultura e religião no brasil colôniaCultura e religião no brasil colônia
Cultura e religião no brasil colônia
 
Religiosidade no brasil colonial
Religiosidade no brasil colonialReligiosidade no brasil colonial
Religiosidade no brasil colonial
 
Trabalho de historia: Religiosidade Popular na Colonia
Trabalho de historia: Religiosidade Popular na ColoniaTrabalho de historia: Religiosidade Popular na Colonia
Trabalho de historia: Religiosidade Popular na Colonia
 
Sociedade, cultura e cotidiano no brasil imperial
Sociedade, cultura e cotidiano no brasil imperialSociedade, cultura e cotidiano no brasil imperial
Sociedade, cultura e cotidiano no brasil imperial
 
Sociedade, cultura e cotidiano no Brasil Imperial
Sociedade, cultura e cotidiano no Brasil ImperialSociedade, cultura e cotidiano no Brasil Imperial
Sociedade, cultura e cotidiano no Brasil Imperial
 
2 abordagem histórica do ensino religioso no brasil
2 abordagem histórica do ensino religioso no brasil2 abordagem histórica do ensino religioso no brasil
2 abordagem histórica do ensino religioso no brasil
 
Cultura no Brasil imperial
Cultura no Brasil imperialCultura no Brasil imperial
Cultura no Brasil imperial
 
A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
o diabo e a terra de santa cruz.pdf
o diabo e a terra de santa cruz.pdfo diabo e a terra de santa cruz.pdf
o diabo e a terra de santa cruz.pdf
 
Religião e sociedade na América Portuguesa
Religião e sociedade na América PortuguesaReligião e sociedade na América Portuguesa
Religião e sociedade na América Portuguesa
 
07 sociedade colonial
07 sociedade colonial07 sociedade colonial
07 sociedade colonial
 
Sociedade Colonial Brasileira
Sociedade Colonial BrasileiraSociedade Colonial Brasileira
Sociedade Colonial Brasileira
 
A Religiosidade na América Portuguesa
A Religiosidade na América PortuguesaA Religiosidade na América Portuguesa
A Religiosidade na América Portuguesa
 
Brasil Colonial, Imperial E Republicano
Brasil Colonial, Imperial E RepublicanoBrasil Colonial, Imperial E Republicano
Brasil Colonial, Imperial E Republicano
 
Sociedade e vida cotidiana na América Portuguesa
Sociedade e vida cotidiana na América PortuguesaSociedade e vida cotidiana na América Portuguesa
Sociedade e vida cotidiana na América Portuguesa
 
Sociedade e vida cotidiana na américa portuguesa
Sociedade e vida cotidiana na américa portuguesaSociedade e vida cotidiana na américa portuguesa
Sociedade e vida cotidiana na américa portuguesa
 
A época do ouro no brasil
A época do ouro no brasilA época do ouro no brasil
A época do ouro no brasil
 
História e Cultura durante o Segundo Reinado
História e Cultura durante o Segundo ReinadoHistória e Cultura durante o Segundo Reinado
História e Cultura durante o Segundo Reinado
 
Trabalho de historia: As Várias Faces da Família Colonial.
Trabalho de historia: As Várias Faces da Família Colonial.Trabalho de historia: As Várias Faces da Família Colonial.
Trabalho de historia: As Várias Faces da Família Colonial.
 

Semelhante a Religião e cultura no brasil colonial

001 sociedade colonial do brasil adaptado
001 sociedade colonial do brasil adaptado001 sociedade colonial do brasil adaptado
001 sociedade colonial do brasil adaptadoandrecarlosocosta
 
Estado-nação, nacionalismo, instrumentos do capitalismo (1/3)
Estado-nação, nacionalismo, instrumentos do capitalismo (1/3)Estado-nação, nacionalismo, instrumentos do capitalismo (1/3)
Estado-nação, nacionalismo, instrumentos do capitalismo (1/3)GRAZIA TANTA
 
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011andrecarlosocosta
 
7º ano-históri afeudalismo
7º ano-históri afeudalismo7º ano-históri afeudalismo
7º ano-históri afeudalismoNivea Neves
 
7º ano-históri afeudalismo
7º ano-históri afeudalismo7º ano-históri afeudalismo
7º ano-históri afeudalismoNivea Neves
 
O poder da igreja católica no mundo feudal
O poder da igreja católica no mundo feudalO poder da igreja católica no mundo feudal
O poder da igreja católica no mundo feudalPablo Silveira
 
Ficha 1 cultura do mosteiro
Ficha 1  cultura do mosteiroFicha 1  cultura do mosteiro
Ficha 1 cultura do mosteiroCarla Teixeira
 
Brasil síntese histórica
Brasil síntese históricaBrasil síntese histórica
Brasil síntese históricaAEDFL
 
Literatura do século XVII
Literatura do século XVIILiteratura do século XVII
Literatura do século XVIIvinivs
 
Identidades Brasileiras
Identidades BrasileirasIdentidades Brasileiras
Identidades BrasileirasHelio Fagundes
 
Gilberto Freyre Casa Grande & Senzala
Gilberto Freyre Casa Grande & SenzalaGilberto Freyre Casa Grande & Senzala
Gilberto Freyre Casa Grande & SenzalaJorge Miklos
 
A re invenção religiosa da africa negra no brasil
A re invenção religiosa da africa negra no brasilA re invenção religiosa da africa negra no brasil
A re invenção religiosa da africa negra no brasilAline Sesti Cerutti
 
A igreja católica na idade média aula 1 - 2 bi
A igreja católica na idade média   aula 1 - 2 biA igreja católica na idade média   aula 1 - 2 bi
A igreja católica na idade média aula 1 - 2 biCybelle Cardozo
 
As Irmandades Leigas nas Minas Gerais
As Irmandades Leigas nas Minas Gerais As Irmandades Leigas nas Minas Gerais
As Irmandades Leigas nas Minas Gerais Bruce Portes
 
História - Prof Celso Blog SEMEC 7ano aula
História - Prof Celso Blog SEMEC 7ano aulaHistória - Prof Celso Blog SEMEC 7ano aula
História - Prof Celso Blog SEMEC 7ano aulaDiedNuenf
 

Semelhante a Religião e cultura no brasil colonial (20)

001 sociedade colonial do brasil adaptado
001 sociedade colonial do brasil adaptado001 sociedade colonial do brasil adaptado
001 sociedade colonial do brasil adaptado
 
Estado-nação, nacionalismo, instrumentos do capitalismo (1/3)
Estado-nação, nacionalismo, instrumentos do capitalismo (1/3)Estado-nação, nacionalismo, instrumentos do capitalismo (1/3)
Estado-nação, nacionalismo, instrumentos do capitalismo (1/3)
 
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
 
7º ano-históri afeudalismo
7º ano-históri afeudalismo7º ano-históri afeudalismo
7º ano-históri afeudalismo
 
7º ano-históri afeudalismo
7º ano-históri afeudalismo7º ano-históri afeudalismo
7º ano-históri afeudalismo
 
O poder da igreja católica no mundo feudal
O poder da igreja católica no mundo feudalO poder da igreja católica no mundo feudal
O poder da igreja católica no mundo feudal
 
Ficha 1 cultura do mosteiro
Ficha 1  cultura do mosteiroFicha 1  cultura do mosteiro
Ficha 1 cultura do mosteiro
 
Brasil síntese histórica
Brasil síntese históricaBrasil síntese histórica
Brasil síntese histórica
 
Malês
MalêsMalês
Malês
 
Econômia Açucareira.ppt
Econômia Açucareira.pptEconômia Açucareira.ppt
Econômia Açucareira.ppt
 
O feudalismo
O feudalismoO feudalismo
O feudalismo
 
Literatura do século XVII
Literatura do século XVIILiteratura do século XVII
Literatura do século XVII
 
Identidades Brasileiras
Identidades BrasileirasIdentidades Brasileiras
Identidades Brasileiras
 
Escravatura
EscravaturaEscravatura
Escravatura
 
Historia vol 3
Historia vol 3Historia vol 3
Historia vol 3
 
Gilberto Freyre Casa Grande & Senzala
Gilberto Freyre Casa Grande & SenzalaGilberto Freyre Casa Grande & Senzala
Gilberto Freyre Casa Grande & Senzala
 
A re invenção religiosa da africa negra no brasil
A re invenção religiosa da africa negra no brasilA re invenção religiosa da africa negra no brasil
A re invenção religiosa da africa negra no brasil
 
A igreja católica na idade média aula 1 - 2 bi
A igreja católica na idade média   aula 1 - 2 biA igreja católica na idade média   aula 1 - 2 bi
A igreja católica na idade média aula 1 - 2 bi
 
As Irmandades Leigas nas Minas Gerais
As Irmandades Leigas nas Minas Gerais As Irmandades Leigas nas Minas Gerais
As Irmandades Leigas nas Minas Gerais
 
História - Prof Celso Blog SEMEC 7ano aula
História - Prof Celso Blog SEMEC 7ano aulaHistória - Prof Celso Blog SEMEC 7ano aula
História - Prof Celso Blog SEMEC 7ano aula
 

Mais de João Marcelo

A Idade Média e o Feudalismo
A Idade Média e o FeudalismoA Idade Média e o Feudalismo
A Idade Média e o FeudalismoJoão Marcelo
 
Plano de curso sociologia 1 ano
Plano de curso  sociologia 1 anoPlano de curso  sociologia 1 ano
Plano de curso sociologia 1 anoJoão Marcelo
 
Plano de curso historia 1 ano 2015
Plano de curso   historia 1 ano 2015Plano de curso   historia 1 ano 2015
Plano de curso historia 1 ano 2015João Marcelo
 
Projeto de pesquisa - Os Impactos causados pela Independência do Brasil
Projeto de pesquisa - Os Impactos causados pela Independência do BrasilProjeto de pesquisa - Os Impactos causados pela Independência do Brasil
Projeto de pesquisa - Os Impactos causados pela Independência do BrasilJoão Marcelo
 
Relatório de estagio
Relatório de estagioRelatório de estagio
Relatório de estagioJoão Marcelo
 
Interpretação de imagens
Interpretação de imagensInterpretação de imagens
Interpretação de imagensJoão Marcelo
 
Racionalismo (revisão)
Racionalismo (revisão)Racionalismo (revisão)
Racionalismo (revisão)João Marcelo
 
Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)
Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)
Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)João Marcelo
 
Geografia - Os climas do brasil
Geografia - Os climas do brasilGeografia - Os climas do brasil
Geografia - Os climas do brasilJoão Marcelo
 
Revisão – filosofia 2º bimestre (3º Ano)
Revisão – filosofia 2º bimestre (3º Ano)Revisão – filosofia 2º bimestre (3º Ano)
Revisão – filosofia 2º bimestre (3º Ano)João Marcelo
 
Grécia antiga - Revisão com imagens
Grécia antiga - Revisão com imagensGrécia antiga - Revisão com imagens
Grécia antiga - Revisão com imagensJoão Marcelo
 
Resumo - Uma viagem pela história do Brasil
Resumo - Uma viagem pela história do BrasilResumo - Uma viagem pela história do Brasil
Resumo - Uma viagem pela história do BrasilJoão Marcelo
 
Globalização, indústria cultural e consumismo
Globalização, indústria cultural e consumismoGlobalização, indústria cultural e consumismo
Globalização, indústria cultural e consumismoJoão Marcelo
 
Independencia do Brasil
Independencia do BrasilIndependencia do Brasil
Independencia do BrasilJoão Marcelo
 
Vinda da família real para o brasil
Vinda da família real para o brasilVinda da família real para o brasil
Vinda da família real para o brasilJoão Marcelo
 
Eros, Tânatos, Id, Ego, Superego, Freud...
Eros, Tânatos, Id, Ego, Superego, Freud...Eros, Tânatos, Id, Ego, Superego, Freud...
Eros, Tânatos, Id, Ego, Superego, Freud...João Marcelo
 

Mais de João Marcelo (20)

A Idade Média e o Feudalismo
A Idade Média e o FeudalismoA Idade Média e o Feudalismo
A Idade Média e o Feudalismo
 
Plano de curso sociologia 1 ano
Plano de curso  sociologia 1 anoPlano de curso  sociologia 1 ano
Plano de curso sociologia 1 ano
 
Plano de curso historia 1 ano 2015
Plano de curso   historia 1 ano 2015Plano de curso   historia 1 ano 2015
Plano de curso historia 1 ano 2015
 
Projeto de pesquisa - Os Impactos causados pela Independência do Brasil
Projeto de pesquisa - Os Impactos causados pela Independência do BrasilProjeto de pesquisa - Os Impactos causados pela Independência do Brasil
Projeto de pesquisa - Os Impactos causados pela Independência do Brasil
 
Relatório de estagio
Relatório de estagioRelatório de estagio
Relatório de estagio
 
Interpretação de imagens
Interpretação de imagensInterpretação de imagens
Interpretação de imagens
 
Racionalismo (revisão)
Racionalismo (revisão)Racionalismo (revisão)
Racionalismo (revisão)
 
Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)
Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)
Revisão - Filosofia 1 ano (2º Bimestre)
 
Geografia - Os climas do brasil
Geografia - Os climas do brasilGeografia - Os climas do brasil
Geografia - Os climas do brasil
 
Revisão – filosofia 2º bimestre (3º Ano)
Revisão – filosofia 2º bimestre (3º Ano)Revisão – filosofia 2º bimestre (3º Ano)
Revisão – filosofia 2º bimestre (3º Ano)
 
Grécia antiga - Revisão com imagens
Grécia antiga - Revisão com imagensGrécia antiga - Revisão com imagens
Grécia antiga - Revisão com imagens
 
Resumo - Uma viagem pela história do Brasil
Resumo - Uma viagem pela história do BrasilResumo - Uma viagem pela história do Brasil
Resumo - Uma viagem pela história do Brasil
 
Globalização, indústria cultural e consumismo
Globalização, indústria cultural e consumismoGlobalização, indústria cultural e consumismo
Globalização, indústria cultural e consumismo
 
Independencia do Brasil
Independencia do BrasilIndependencia do Brasil
Independencia do Brasil
 
Ideologia
IdeologiaIdeologia
Ideologia
 
Vinda da família real para o brasil
Vinda da família real para o brasilVinda da família real para o brasil
Vinda da família real para o brasil
 
Lógica
LógicaLógica
Lógica
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Propriedade Privada
Propriedade PrivadaPropriedade Privada
Propriedade Privada
 
Eros, Tânatos, Id, Ego, Superego, Freud...
Eros, Tânatos, Id, Ego, Superego, Freud...Eros, Tânatos, Id, Ego, Superego, Freud...
Eros, Tânatos, Id, Ego, Superego, Freud...
 

Último

Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 

Último (20)

Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 

Religião e cultura no brasil colonial

  • 1.
  • 2.  A vida dos habitantes das primeiras vilas fundadas no Brasil colonial durante os séculos XVI e XVII não era fácil.  Vivendo em condições insalubres, muitos colonos temiam constantes ataques de indígenas inimigos, piratas e corsários, e tinham muitas dificuldades para se comunicar, tanto com as outras capitanias quanto coma metrópole.
  • 3.  Nas cidades, os grandes comerciantes e traficantes de escravos era quem tinham grande poder e prestígio, formando uma elite privilegiada. Os membros dessa elite de origem portuguesa eram conhecido como “homens-bons”.  Eles podiam se candidatar a cargos públicos e participar das Câmaras Municipais.
  • 4.  Os padres exerciam grande influencia sobre a população e eram muito respeitados, pois eram os responsáveis pela condução da vida religiosa na Colônia, realizando missas, batizados, casamentos, confissões e enterros.  Os membros da Igreja também estavam presentes na educação dos colonos, e a maioria das escolas do período era comandada por padres jesuítas. Apenas os filhos da elite possuíam tempo e dinheiro para estudar.
  • 5.  Na sociedade colonial, havia pessoas que exerciam atividades comerciais autônomas, que eram consideradas inferiores pelos membros da elite colonial. Entre esses profissionais estavam artesões, ferreiros, alfaiates, sapateiros, carpinteiros, pedreiros, barbeiros e pequenos comerciantes.  Esses artesãos não podiam se candidatar aos cargos municipais, nem receber títulos de honra.
  • 6.  Os escravos exerceram um importante papel no desenvolvimento das cidades e da vida urbana colonial. Ao mesmo tempo em que trabalhavam na construção de edifícios, ruas e estradas, realizando atividades que exigiam esforço físico, eles contribuíram para a formação de uma cultura em que se misturam elementos indígenas, africanos e europeus.
  • 7.  A ideia do marido dominador e da mulher submissa estava presente no período colonial, porém, esse não foi o único modelo de comportamento feminino dessa época.  Muitas mulheres, ao contrário de viverem enclausuradas, requisitavam divórcio, praticavam o comércio e possuíam conhecimento político e religioso.
  • 8.  O casamento era quase uma prática exclusiva da elite branca, interessada em manter seu prestígio e posição na sociedade.  A maioria da população, mais pobre, apenas se “juntava”.
  • 9.  O modelo da família colonial brasileira apresentava dois núcleos:  Um núcleo central, composto pelo pai (chefe da família), sua mulher, filhos e netos;  E um núcleo secundário, formado por filhos ilegítimos ou de criação, parentes, afilhados, serviçais, amigos, agregados e escravos.
  • 10.  Oficialmente, a religião predominante no Brasil colonial era a Católica, já que Portugal seguia essa crença;  No entanto, quando os escravos vieram para o Brasil, trouxeram consigo seus costumes e sua fé. A mistura de elementos do catolicismo à tradicional religiosidade africana, formaram o que viria a ser conhecido como Umbanda.
  • 11. • As primeiras vilas • A elite urbana • Os membros da Igreja • Pessoas livres • Pessoas escravas • As mulheres • O casamento • A família • Religião