SlideShare uma empresa Scribd logo
CURSINHO PRINCIPIA 2013
LISTA DE EXERCÍCIOS: HISTÓRIA DO BRASIL – PROF. FEZÃO
1
1) (Vunesp-2003) “O Brasil foi dividido em quinze
quinhões, por uma série de linhas paralelas ao
equador que iam do litoral ao meridiano de
Tordesilhas, sendo os quinhões entregues (…) [a] um
grupo diversificado, no qual havia gente da pequena
nobreza, burocratas e comerciantes, tendo em
comum suas ligações com a Coroa.”
(B. Fausto, História do Brasil.)
No texto, o historiador refere-se às
a) câmaras setoriais.
b) sesmarias.
c) colônias de povoamento.
d) capitanias hereditárias.
e) controladorias.
2) (UFSCar-2001) Sobre a economia e a sociedade do
Brasil no período colonial, é correto relacionar
a) economia diversificada de subsistência, grande
propriedade agrícola e mão-de-obra livre.
b) produção para o mercado interno, policultura e
exploração da mão-de-obra indígena no litoral.
c) capitalismo industrial, exportação de matérias-
primas e exploração do trabalho escravo temporário.
d) produção de manufaturados, pequenas unidades
agrícolas e exploração do trabalho servil.
e) capitalismo comercial, latifúndio monocultor
exportador e exploração da mão-de-obra escrava.
3) (Vunesp-2005) “A cana-de-açúcar começou a ser
cultivada igualmente em São Vicente e em
Pernambuco, estendendo-se depois à Bahia e ao
Maranhão a sua cultura, que onde logrou êxito —
medíocre como em São Vicente ou máximo como em
Pernambuco, no Recôncavo e no Maranhão — trouxe
em consequência uma sociedade e um gênero de vida
de tendências mais ou menos aristocráticas e
escravocratas.”
(Gilberto Freyre, Casa-Grande e Senzala.)
Tendo por base as afirmações do autor,
a) cite um motivo do maior sucesso da exploração da
cana-de-açúcar em Pernambuco do que em São
Vicente.
b) Explique por que o autor definiu “o gênero de vida”
da sociedade constituída pela cultura da cana-de-
açúcar como apresentando “tendências mais ou
menos aristocráticas”.
4) (FUVEST-2010) Os primeiros jesuítas chegaram à
Bahia com o governador-geral Tomé de Sousa, em
1549, e em pouco tempo se espalharam por outras
regiões da colônia, permanecendo até sua expulsão,
pelo governo de Portugal, em 1759.
Sobre as ações dos jesuítas nesse período, é correto
afirmar que
a) criaram escolas de arte que foram responsáveis
pelo desenvolvimento do barroco mineiro.
b) defenderam os princípios humanistas e lutaram
pelo reconhecimento dos direitos civis dos nativos.
c) foram responsáveis pela educação dos filhos dos
colonos, por meio da criação de colégios secundários
e escolas de “ler e escrever”.
d) causaram constantes atritos com os colonos por
defenderem, esses religiosos, a preservação das
culturas indígenas.
e) formularam acordos políticos e diplomáticos que
garantiram a incorporação da região amazônica ao
domínio português.
5) (UFMG-1994) Leia os versos.
"Seiscentas peças barganhei
- Que pechincha! - no Senegal
A carne é rija, os músculos de aço,
Boa liga do melhor metal.
Em troca dei só aguardente,
Contas, latão - um peso morto!
Eu ganho oitocentos por cento
Se a metade chegar ao porto".
(HEINE, Heinrich. APUD BOSI, Alfredo. DIALÉTICA DA
COLONIZAÇÃO. São Paulo: Cia. das Letras, 1992).
a) IDENTIFIQUE a atividade a que se referem esses
versos.
b) Cada uma das estrofes desenvolve uma ideia
central. IDENTIFIQUE essas ideias.
CURSINHO PRINCIPIA 2013
LISTA DE EXERCÍCIOS: HISTÓRIA DO BRASIL – PROF. FEZÃO
2
6) (Vunesp-2003) “No Brasil, costumam dizer que
para os escravos são necessários três PPP, a saber,
pau, pão e pano. E, posto que comecem mal,
principiando pelo castigo que é o pau, contudo,
prouvera a Deus que tão abundante fosse o comer e o
vestir como muitas vezes é o castigo.”
(André João Antonil, Cultura e opulência do Brasil por
suas drogas e minas, 1711)
a) Qual a crítica ao sistema escravista feita pelo autor
do trecho apresentado?
b) Indique dois motivos que explicam a introdução da
escravidão negra na porção americana do Império
português.
7) (VUNESP-2006) “Efetivamente, ocorriam
casamentos mesmo entre os escravos. É preciso
lembrar que a Igreja incumbia os senhores de manter
seus cativos na religião católica, responsabilizando-os
pelo acesso aos sacramentos e ritos de culto. Dessa
forma, o casamento era não só forma de aculturação,
mas também de estabilidade nos plantéis,
desestimulando fugas e mesmo as alforrias,
revertendo sempre no interesse do próprio senhor.
Como exemplo, no Serro Frio, Francisca da Silva de
Oliveira, a conhecida Chica da Silva, casava
sistematicamente seus escravos. Em 30 de julho de
1765, na matriz de Santo Antônio do Tejuco, casaram-
se seus escravos Joaquim Pardo e Gertrudes Crioula.”
(Júnia Ferreira Furtado, Cultura e sociedade no Brasil
colônia.)
Assim, para os senhores de escravos, permitir e
incentivar o casamento dos seus escravos significava
a) se contrapor aos interesses da Igreja Católica, que
defendia os rituais religiosos apenas aos homens
livres.
b) ampliar, de maneira substancial, as ocorrências de
alforrias das crianças nascidas desses casamentos.
c) resgatar as tradições culturais e religiosas dos povos
africanos, garantindo o casamento entre pessoas da
mesma etnia.
d) ter escravos disciplinados para o trabalho e menos
propensos aos atos de rebeldia contra a escravidão.
e) evitar as uniões entre africanos e colonizadores
brancos, em nome do projeto de
“embranquecimento” do Brasil.
8) (UFMG-1997) “O interesse dos mercadores dos
Países-Baixos pelo Brasil foi um fato que antecedeu de
muito os ataques empreendidos pela Companhia das
Índias Ocidentais, em 1624 contra a Bahia e, em 1630,
contra Pernambuco. Estes ataques explicam-se por
aquele interesse(...). Faz-se, pois, necessário recuar
um pouco no tempo, para uma perspectiva melhor
dos acontecimentos que na segunda e terceira
décadas de 1600 se desenrolam em nosso país.”
(MELLO, J. A. Gonsalves de. O domínio holandês na
Bahia e no Nordeste. In: HOLANDA, S. B.. de (dir.).
História Geral da Civilização„o Brasileira. São Paulo:
Difel, 1981. t. I, v. 1, p. 235.)
CITE a forma de participação dos mercadores dos
Países-Baixos no comércio do açúcar anterior ao
domínio holandês no nordeste açucareiro.
9) (UFPR-2009) Sobre a ocupação holandesa do
nordeste brasileiro em 1630, é correto afirmar:
a) Os holandeses exploravam e financiavam a
indústria açucareira brasileira mesmo antes da
ocupação do nordeste.
b) A principal instituição europeia contrária aos
objetivos expansionistas dos holandeses no Brasil foi a
poderosa Companhia das Índias Ocidentais.
c) A ocupação holandesa encontrou sua mais
persistente oposição entre os senhores de engenho
da região.
d) Maurício de Nassau, governador do território
ocupado pelos holandeses, restringiu a liberdade
religiosa e selou uma vigorosa aliança com a Igreja
Católica.
e) O domínio holandês no nordeste do Brasil agravou
o crônico problema da agricultura de subsistência na
colônia, pois todos os recursos naturais e humanos
foram direcionados à produção de açúcar.
10. (Fuvest-SP) Na segunda metade do século XVII,
Portugal encontrava-se em grave crise econômica.
a) Explique o motivo dessa crise.
b) De que forma o Brasil contribuiu para solucioná-la?
CURSINHO PRINCIPIA 2013
LISTA DE EXERCÍCIOS: HISTÓRIA DO BRASIL – PROF. FEZÃO
3
11. (Unesp) "E o pior é que a maior parte do ouro que
se tira das minas passa em pó e em moedas para os
reinos estranhos e a menor é a que fica em Portugal e
nas cidades do Brasil, salvo o que se gasta em
cordões, arrecadas e outros brincos, dos quais se
vêem hoje carregadas as mulatas de mau viver e as
negras, muito mais que as senhoras".
(André João Antonil. "Cultura e opulência do Brasil",
1711.)
No trecho transcrito, o autor denuncia:
a) a corrupção dos proprietários de lavras no desvio
de ouro em seu próprio benefício e na compra de
escravos.
b) a transferência do ouro brasileiro para outros
países em decorrência de acordos comerciais
internacionais de Portugal.
c) o prejuízo para o desenvolvimento interno da
colônia e da metrópole gerado pelo contrabando de
ouro brasileiro.
d) o controle do ouro por funcionários reais
preocupados em esbanjar dinheiro e dominar o poder
local.
e) a ausência de controle fiscal português no Brasil e o
desvio de ouro para o exterior pelos escravos e
mineradores ingleses.
12. (Unirio) O desenvolvimento da economia
mineradora no século XVII teve diferentes
repercussões sobre a vida colonial, conforme se
apresenta caracterizado numa das opções a seguir.
Assinale-a.
a) Incremento do comércio interno e das atividades
voltadas para o abastecimento na região centro-sul.
b) Movimento de interiorização conhecido como
bandeirismo, responsável pelo fornecimento de mão-
de-obra indígena para as minas.
c) Descentralização da administração colonial para
facilitar o controle da produção.
d) Sufocamento dos movimentos de rebelião, graças à
riqueza material gerada pelo ouro e pela prata.
e) Retorno em massa, para a metrópole, dos colonos
enriquecidos pela nova atividade.
13. (UFV-MG) “O ouro brasileiro deixou buracos no
Brasil, templos em Portugal e fábricas na Inglaterra."
(Eduardo Galeano)
Explique de que forma os fatos contidos na frase
anterior estão relacionados historicamente.
14.(Fuvest-SP) “Não parece fácil determinar a época
em que os habitantes da América lusitana, dispersos
pela distância, pela dificuldade de comunicação, pela
mútua ignorância, pela diversidade, não raro, de
interesses locais, começam a sentir-se unidos por
vínculos mais fortes do que todos os contrastes ou
indiferenças que os separam, e a querer associar esse
sentimento ao desejo de emancipação política. No
Brasil, as duas aspirações – a da independência e a da
unidade – não nascem juntas e, por longo tempo
ainda, não caminham de mãos dadas.”
(Sérgio Buarque de Holanda, “A herança colonial – sua
desagregação”. História geral da civilização brasileira,
tomo II, volume 1, 2ª ed., São Paulo: DIFEL, 1965, p.
9.)
a) Explique qual a diferença entre as aspirações de
“independência” e de “unidade” a que o autor se
refere.
b) Indique e caracterize ao menos um acontecimento
histórico relacionado a cada uma das aspirações
mencionadas no item a).
15. (Vunesp-2010) A pecuária, ao longo de
praticamente todo período colonial brasileiro, foi uma
atividade econômica sempre secundária, mas sempre
em expansão, ao contrário do que ocorreu com a
agricultura canavieira e com a mineração aurífera.
Explique, com relação à pecuária, o porquê destas
características.
16. (Vunesp-2008) O temor da população culta e
ilustrada diante da perspectiva de agitação das
massas explica porque a idéia de realizar a
Independência com o apoio do príncipe pareceria tão
sedutora: permitiria emancipar a nação do jugo
metropolitano sem que para isso fosse necessário
recorrer à rebelião popular.
CURSINHO PRINCIPIA 2013
LISTA DE EXERCÍCIOS: HISTÓRIA DO BRASIL – PROF. FEZÃO
4
(Emilia Viotti da Costa, Introdução ao estudo da
emancipação política do Brasil. In: Brasil em
perspectiva.)
Com base na leitura do texto, explique a emancipação
política do Brasil como um movimento elitista e
conservador.
17. (Fuvest) O governo de D. João VI no Brasil, entre
outras medidas econômicas, assinou, em 1810, um
tratado de comércio com a Inglaterra. Esta decisão
estava relacionada:
a) ao crescimento industrial promovido pelo governo
português, ao revogar as leis que proibiam a
instalação de fábricas na colônia;
b) à política liberal da Corte Portuguesa que
incentivava o livre comércio da colônia com os demais
países europeus;
c) ao crescimento do mercado consumidor brasileiro
provocado pelo aumento da produção interna;
d) à política econômica portuguesa que cedia às
pressões inglesas para decretar o fim do tráfico
negreiro;
e) a acordos anteriores entre os dois países europeus
que asseguravam vantagens comerciais aos ingleses.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho de historia brasil colonia e imperio
Trabalho de historia brasil colonia e imperioTrabalho de historia brasil colonia e imperio
Trabalho de historia brasil colonia e imperio
Atividades Diversas Cláudia
 
Simuladão de história para o paebes 9º ano
Simuladão de história para o paebes 9º anoSimuladão de história para o paebes 9º ano
Simuladão de história para o paebes 9º ano
Merigrei
 
Atividades Brasil pré-colonial
Atividades Brasil pré-colonialAtividades Brasil pré-colonial
Atividades Brasil pré-colonial
Eduardo Mariño Rial
 
Simulado de história do brasil colonial
Simulado de história do brasil colonialSimulado de história do brasil colonial
Simulado de história do brasil colonial
Ricardo Jorge
 
Atividades de-histc3b3ria-5c2ba-ano-2010-123
Atividades de-histc3b3ria-5c2ba-ano-2010-123Atividades de-histc3b3ria-5c2ba-ano-2010-123
Atividades de-histc3b3ria-5c2ba-ano-2010-123
marcos carlos
 
Prova comentada 3 Ano
Prova comentada  3 AnoProva comentada  3 Ano
Prova comentada 3 Ano
KellyCarvalho2011
 
2014 africa-america-questões
2014 africa-america-questões2014 africa-america-questões
2014 africa-america-questões
Jorge Marcos Oliveira
 
Diagnostica historia 7ano
Diagnostica historia 7anoDiagnostica historia 7ano
Diagnostica historia 7ano
Atividades Diversas Cláudia
 
Td 2º anos (27.01.11)
Td 2º anos (27.01.11)Td 2º anos (27.01.11)
Td 2º anos (27.01.11)
Jorge Tales
 
Lista de exercícios 1a fase - história do brasil - uel
Lista de exercícios   1a fase - história do brasil - uelLista de exercícios   1a fase - história do brasil - uel
Lista de exercícios 1a fase - história do brasil - uel
stjamesmkt
 
Avaliação de história colon
Avaliação de história colonAvaliação de história colon
Avaliação de história colon
Atividades Diversas Cláudia
 
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)
História 2013   3º e 4º bim (4º ano)História 2013   3º e 4º bim (4º ano)
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)
smece4e5
 
Simulado História do Brasil e do História do Maranhão
Simulado História do Brasil e do História do MaranhãoSimulado História do Brasil e do História do Maranhão
Simulado História do Brasil e do História do Maranhão
Edenilson Morais
 
H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013
Icobashi
 
Pc mt história e geografia
Pc mt   história e geografiaPc mt   história e geografia
Pc mt história e geografia
Lindiomar Santos Pereira
 
Avaliação diagnóstica de história 8º-2013
Avaliação diagnóstica de história  8º-2013Avaliação diagnóstica de história  8º-2013
Avaliação diagnóstica de história 8º-2013
Atividades Diversas Cláudia
 
Ava historia 7ano
Ava historia 7anoAva historia 7ano
Ava historia 7ano
Atividades Diversas Cláudia
 
AVALIAÇÃO DIAGNOSTICA HISTORIA
AVALIAÇÃO DIAGNOSTICA HISTORIAAVALIAÇÃO DIAGNOSTICA HISTORIA
AVALIAÇÃO DIAGNOSTICA HISTORIA
jose marcelo silva
 
Atividades Brasil Colônia
Atividades Brasil ColôniaAtividades Brasil Colônia
Atividades Brasil Colônia
Eduardo Mariño Rial
 

Mais procurados (19)

Trabalho de historia brasil colonia e imperio
Trabalho de historia brasil colonia e imperioTrabalho de historia brasil colonia e imperio
Trabalho de historia brasil colonia e imperio
 
Simuladão de história para o paebes 9º ano
Simuladão de história para o paebes 9º anoSimuladão de história para o paebes 9º ano
Simuladão de história para o paebes 9º ano
 
Atividades Brasil pré-colonial
Atividades Brasil pré-colonialAtividades Brasil pré-colonial
Atividades Brasil pré-colonial
 
Simulado de história do brasil colonial
Simulado de história do brasil colonialSimulado de história do brasil colonial
Simulado de história do brasil colonial
 
Atividades de-histc3b3ria-5c2ba-ano-2010-123
Atividades de-histc3b3ria-5c2ba-ano-2010-123Atividades de-histc3b3ria-5c2ba-ano-2010-123
Atividades de-histc3b3ria-5c2ba-ano-2010-123
 
Prova comentada 3 Ano
Prova comentada  3 AnoProva comentada  3 Ano
Prova comentada 3 Ano
 
2014 africa-america-questões
2014 africa-america-questões2014 africa-america-questões
2014 africa-america-questões
 
Diagnostica historia 7ano
Diagnostica historia 7anoDiagnostica historia 7ano
Diagnostica historia 7ano
 
Td 2º anos (27.01.11)
Td 2º anos (27.01.11)Td 2º anos (27.01.11)
Td 2º anos (27.01.11)
 
Lista de exercícios 1a fase - história do brasil - uel
Lista de exercícios   1a fase - história do brasil - uelLista de exercícios   1a fase - história do brasil - uel
Lista de exercícios 1a fase - história do brasil - uel
 
Avaliação de história colon
Avaliação de história colonAvaliação de história colon
Avaliação de história colon
 
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)
História 2013   3º e 4º bim (4º ano)História 2013   3º e 4º bim (4º ano)
História 2013 3º e 4º bim (4º ano)
 
Simulado História do Brasil e do História do Maranhão
Simulado História do Brasil e do História do MaranhãoSimulado História do Brasil e do História do Maranhão
Simulado História do Brasil e do História do Maranhão
 
H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013
 
Pc mt história e geografia
Pc mt   história e geografiaPc mt   história e geografia
Pc mt história e geografia
 
Avaliação diagnóstica de história 8º-2013
Avaliação diagnóstica de história  8º-2013Avaliação diagnóstica de história  8º-2013
Avaliação diagnóstica de história 8º-2013
 
Ava historia 7ano
Ava historia 7anoAva historia 7ano
Ava historia 7ano
 
AVALIAÇÃO DIAGNOSTICA HISTORIA
AVALIAÇÃO DIAGNOSTICA HISTORIAAVALIAÇÃO DIAGNOSTICA HISTORIA
AVALIAÇÃO DIAGNOSTICA HISTORIA
 
Atividades Brasil Colônia
Atividades Brasil ColôniaAtividades Brasil Colônia
Atividades Brasil Colônia
 

Destaque

Metodologia Científica
Metodologia CientíficaMetodologia Científica
Metodologia Científica
Rafael Ávila
 
BOLETIM DE MAIO 2015
BOLETIM DE MAIO 2015BOLETIM DE MAIO 2015
BOLETIM DE MAIO 2015
Espaço Pethistória
 
Fichamento e resenha casa grande e senzala
Fichamento e resenha   casa grande e senzalaFichamento e resenha   casa grande e senzala
Fichamento e resenha casa grande e senzala
Glecy Anne Castro
 
Constituição Federal 1988 - Atualizada
Constituição Federal 1988 - AtualizadaConstituição Federal 1988 - Atualizada
Constituição Federal 1988 - Atualizada
Gilvander Dias Queiroz
 
21 o método científico
21 o método científico21 o método científico
21 o método científico
Joao Balbi
 
Uniao iberica slide
Uniao iberica slideUniao iberica slide
Uniao iberica slide
Isabel Aguiar
 
Nascimento da filosofia
Nascimento da filosofiaNascimento da filosofia
Nascimento da filosofia
Filazambuja
 
Metodologia científica
Metodologia científicaMetodologia científica
Como fazer Fichamento de Texto ou Livro
Como fazer Fichamento de Texto ou LivroComo fazer Fichamento de Texto ou Livro
Como fazer Fichamento de Texto ou Livro
INSTITUTO GENS
 
Como fazer fichamento de texto ou livro
Como fazer fichamento de texto ou livroComo fazer fichamento de texto ou livro
Como fazer fichamento de texto ou livro
Luiz Henrique Araujo
 
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
Isabel Aguiar
 
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASILABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
Isabel Aguiar
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
Isabel Aguiar
 
O REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO IO REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO I
Isabel Aguiar
 
Rebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blogRebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blog
Isabel Aguiar
 
A EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIXA EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIX
Isabel Aguiar
 
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIOQUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
Isabel Aguiar
 
Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro
Isabel Aguiar
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
Isabel Aguiar
 
SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889
Isabel Aguiar
 

Destaque (20)

Metodologia Científica
Metodologia CientíficaMetodologia Científica
Metodologia Científica
 
BOLETIM DE MAIO 2015
BOLETIM DE MAIO 2015BOLETIM DE MAIO 2015
BOLETIM DE MAIO 2015
 
Fichamento e resenha casa grande e senzala
Fichamento e resenha   casa grande e senzalaFichamento e resenha   casa grande e senzala
Fichamento e resenha casa grande e senzala
 
Constituição Federal 1988 - Atualizada
Constituição Federal 1988 - AtualizadaConstituição Federal 1988 - Atualizada
Constituição Federal 1988 - Atualizada
 
21 o método científico
21 o método científico21 o método científico
21 o método científico
 
Uniao iberica slide
Uniao iberica slideUniao iberica slide
Uniao iberica slide
 
Nascimento da filosofia
Nascimento da filosofiaNascimento da filosofia
Nascimento da filosofia
 
Metodologia científica
Metodologia científicaMetodologia científica
Metodologia científica
 
Como fazer Fichamento de Texto ou Livro
Como fazer Fichamento de Texto ou LivroComo fazer Fichamento de Texto ou Livro
Como fazer Fichamento de Texto ou Livro
 
Como fazer fichamento de texto ou livro
Como fazer fichamento de texto ou livroComo fazer fichamento de texto ou livro
Como fazer fichamento de texto ou livro
 
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
 
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASILABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
 
O REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO IO REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO I
 
Rebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blogRebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blog
 
A EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIXA EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIX
 
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIOQUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
 
Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
 
SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889
 

Semelhante a Lista de exercícios - 1º semestre

Atividade 11 colegial
Atividade 11 colegialAtividade 11 colegial
Atividade 11 colegial
Elisângela Martins Rodrigues
 
Capítulo 5 Organização político-administrativa na América Portuguesa
Capítulo 5 Organização político-administrativa na América PortuguesaCapítulo 5 Organização político-administrativa na América Portuguesa
Capítulo 5 Organização político-administrativa na América Portuguesa
Vitor Ferreira
 
2 prova das turmas de 2 ano gabarito
2 prova das turmas de 2 ano  gabarito2 prova das turmas de 2 ano  gabarito
2 prova das turmas de 2 ano gabarito
KellyCarvalho2011
 
Prova de historia 1 ano 3bimestree
Prova de historia 1 ano 3bimestreeProva de historia 1 ano 3bimestree
Prova de historia 1 ano 3bimestree
Atividades Diversas Cláudia
 
História Indigena.pdf resumo colorido mapa metntal
História Indigena.pdf resumo colorido mapa metntalHistória Indigena.pdf resumo colorido mapa metntal
História Indigena.pdf resumo colorido mapa metntal
victoriasaint928
 
ENEM OTO Simulado de ciências humanas
ENEM OTO Simulado de ciências humanasENEM OTO Simulado de ciências humanas
ENEM OTO Simulado de ciências humanas
wagnervaneli
 
43639_32c5dc04bd7eb861d0f72590e66ac8d6.pdf
43639_32c5dc04bd7eb861d0f72590e66ac8d6.pdf43639_32c5dc04bd7eb861d0f72590e66ac8d6.pdf
43639_32c5dc04bd7eb861d0f72590e66ac8d6.pdf
DirleySantos2
 
Revisional
RevisionalRevisional
Revisional
Privada
 
Td 3 história i
Td 3   história iTd 3   história i
Td 3 história i
MatheusMesquitaMelo
 
S I M U L A D O E N E M2009 Ciencias Humanas
S I M U L A D O E N E M2009 Ciencias HumanasS I M U L A D O E N E M2009 Ciencias Humanas
S I M U L A D O E N E M2009 Ciencias Humanas
Colégio Adventista de Planaltina CEAP
 
Simu enem inep 2009 ch e suas tecnologias
Simu enem   inep 2009 ch e suas tecnologiasSimu enem   inep 2009 ch e suas tecnologias
Simu enem inep 2009 ch e suas tecnologias
tioivys
 
S I M U L A D O E N E M2009 Ciencias Humanas
S I M U L A D O E N E M2009 Ciencias HumanasS I M U L A D O E N E M2009 Ciencias Humanas
S I M U L A D O E N E M2009 Ciencias Humanas
Colégio Adventista de Planaltina CEAP
 
2009 simulado cienciashumanas
2009 simulado cienciashumanas2009 simulado cienciashumanas
2009 simulado cienciashumanas
newsevoce
 
Enem2009 Ciencias Humanas
Enem2009 Ciencias HumanasEnem2009 Ciencias Humanas
Enem2009 Ciencias Humanas
BIOLOGO TOTAL
 
Prova diagnostica historia 1 ano
Prova diagnostica  historia 1 anoProva diagnostica  historia 1 ano
Prova diagnostica historia 1 ano
Atividades Diversas Cláudia
 
Hist.3 aula02 (2014)
Hist.3 aula02 (2014)Hist.3 aula02 (2014)
Hist.3 aula02 (2014)
Evanildo Pitombeira
 
Brasil síntese histórica
Brasil síntese históricaBrasil síntese histórica
Brasil síntese histórica
AEDFL
 
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Atividades Diversas Cláudia
 
o brasil flamenguista
o brasil flamenguistao brasil flamenguista
o brasil flamenguista
RegisdeSouzaMaxtarc
 
Prova historia 2 ano 2 bimestre11
Prova historia 2 ano 2 bimestre11Prova historia 2 ano 2 bimestre11
Prova historia 2 ano 2 bimestre11
Atividades Diversas Cláudia
 

Semelhante a Lista de exercícios - 1º semestre (20)

Atividade 11 colegial
Atividade 11 colegialAtividade 11 colegial
Atividade 11 colegial
 
Capítulo 5 Organização político-administrativa na América Portuguesa
Capítulo 5 Organização político-administrativa na América PortuguesaCapítulo 5 Organização político-administrativa na América Portuguesa
Capítulo 5 Organização político-administrativa na América Portuguesa
 
2 prova das turmas de 2 ano gabarito
2 prova das turmas de 2 ano  gabarito2 prova das turmas de 2 ano  gabarito
2 prova das turmas de 2 ano gabarito
 
Prova de historia 1 ano 3bimestree
Prova de historia 1 ano 3bimestreeProva de historia 1 ano 3bimestree
Prova de historia 1 ano 3bimestree
 
História Indigena.pdf resumo colorido mapa metntal
História Indigena.pdf resumo colorido mapa metntalHistória Indigena.pdf resumo colorido mapa metntal
História Indigena.pdf resumo colorido mapa metntal
 
ENEM OTO Simulado de ciências humanas
ENEM OTO Simulado de ciências humanasENEM OTO Simulado de ciências humanas
ENEM OTO Simulado de ciências humanas
 
43639_32c5dc04bd7eb861d0f72590e66ac8d6.pdf
43639_32c5dc04bd7eb861d0f72590e66ac8d6.pdf43639_32c5dc04bd7eb861d0f72590e66ac8d6.pdf
43639_32c5dc04bd7eb861d0f72590e66ac8d6.pdf
 
Revisional
RevisionalRevisional
Revisional
 
Td 3 história i
Td 3   história iTd 3   história i
Td 3 história i
 
S I M U L A D O E N E M2009 Ciencias Humanas
S I M U L A D O E N E M2009 Ciencias HumanasS I M U L A D O E N E M2009 Ciencias Humanas
S I M U L A D O E N E M2009 Ciencias Humanas
 
Simu enem inep 2009 ch e suas tecnologias
Simu enem   inep 2009 ch e suas tecnologiasSimu enem   inep 2009 ch e suas tecnologias
Simu enem inep 2009 ch e suas tecnologias
 
S I M U L A D O E N E M2009 Ciencias Humanas
S I M U L A D O E N E M2009 Ciencias HumanasS I M U L A D O E N E M2009 Ciencias Humanas
S I M U L A D O E N E M2009 Ciencias Humanas
 
2009 simulado cienciashumanas
2009 simulado cienciashumanas2009 simulado cienciashumanas
2009 simulado cienciashumanas
 
Enem2009 Ciencias Humanas
Enem2009 Ciencias HumanasEnem2009 Ciencias Humanas
Enem2009 Ciencias Humanas
 
Prova diagnostica historia 1 ano
Prova diagnostica  historia 1 anoProva diagnostica  historia 1 ano
Prova diagnostica historia 1 ano
 
Hist.3 aula02 (2014)
Hist.3 aula02 (2014)Hist.3 aula02 (2014)
Hist.3 aula02 (2014)
 
Brasil síntese histórica
Brasil síntese históricaBrasil síntese histórica
Brasil síntese histórica
 
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
Prova historia topico 8. o “sistema colonial” e a realidade efetiva da coloni...
 
o brasil flamenguista
o brasil flamenguistao brasil flamenguista
o brasil flamenguista
 
Prova historia 2 ano 2 bimestre11
Prova historia 2 ano 2 bimestre11Prova historia 2 ano 2 bimestre11
Prova historia 2 ano 2 bimestre11
 

Mais de Felipe Vaitsman

Lista de exercícios expansão marítima ibérica e período pré-colonial
Lista de exercícios   expansão marítima ibérica e período pré-colonialLista de exercícios   expansão marítima ibérica e período pré-colonial
Lista de exercícios expansão marítima ibérica e período pré-colonial
Felipe Vaitsman
 
Aula 13 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 13 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 13 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 13 - História do Brasil - Prof. Fezão
Felipe Vaitsman
 
Aula 12 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 12 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 12 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 12 - História do Brasil - Prof. Fezão
Felipe Vaitsman
 
Aula 11 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 11 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 11 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 11 - História do Brasil - Prof. Fezão
Felipe Vaitsman
 
Aula 10 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 10 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 10 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 10 - História do Brasil - Prof. Fezão
Felipe Vaitsman
 
Gabarito - Lista de Exercícios 1º Semestre
Gabarito - Lista de Exercícios 1º SemestreGabarito - Lista de Exercícios 1º Semestre
Gabarito - Lista de Exercícios 1º Semestre
Felipe Vaitsman
 
Aula 9 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 9 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 9 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 9 - História do Brasil - Prof. Fezão
Felipe Vaitsman
 
Aula 8 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 8 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 8 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 8 - História do Brasil - Prof. Fezão
Felipe Vaitsman
 
Aula 7
Aula 7Aula 7
Aula 6
Aula 6Aula 6
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 4 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 4 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 4 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 4 - História do Brasil - Prof. Fezão
Felipe Vaitsman
 
Aula 3 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 3 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 3 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 3 - História do Brasil - Prof. Fezão
Felipe Vaitsman
 
Aula 2 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 2 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 2 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 2 - História do Brasil - Prof. Fezão
Felipe Vaitsman
 
Aula 1 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 1 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 1 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 1 - História do Brasil - Prof. Fezão
Felipe Vaitsman
 

Mais de Felipe Vaitsman (15)

Lista de exercícios expansão marítima ibérica e período pré-colonial
Lista de exercícios   expansão marítima ibérica e período pré-colonialLista de exercícios   expansão marítima ibérica e período pré-colonial
Lista de exercícios expansão marítima ibérica e período pré-colonial
 
Aula 13 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 13 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 13 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 13 - História do Brasil - Prof. Fezão
 
Aula 12 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 12 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 12 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 12 - História do Brasil - Prof. Fezão
 
Aula 11 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 11 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 11 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 11 - História do Brasil - Prof. Fezão
 
Aula 10 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 10 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 10 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 10 - História do Brasil - Prof. Fezão
 
Gabarito - Lista de Exercícios 1º Semestre
Gabarito - Lista de Exercícios 1º SemestreGabarito - Lista de Exercícios 1º Semestre
Gabarito - Lista de Exercícios 1º Semestre
 
Aula 9 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 9 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 9 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 9 - História do Brasil - Prof. Fezão
 
Aula 8 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 8 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 8 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 8 - História do Brasil - Prof. Fezão
 
Aula 7
Aula 7Aula 7
Aula 7
 
Aula 6
Aula 6Aula 6
Aula 6
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
 
Aula 4 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 4 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 4 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 4 - História do Brasil - Prof. Fezão
 
Aula 3 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 3 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 3 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 3 - História do Brasil - Prof. Fezão
 
Aula 2 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 2 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 2 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 2 - História do Brasil - Prof. Fezão
 
Aula 1 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 1 - História do Brasil - Prof. FezãoAula 1 - História do Brasil - Prof. Fezão
Aula 1 - História do Brasil - Prof. Fezão
 

Último

Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 

Lista de exercícios - 1º semestre

  • 1. CURSINHO PRINCIPIA 2013 LISTA DE EXERCÍCIOS: HISTÓRIA DO BRASIL – PROF. FEZÃO 1 1) (Vunesp-2003) “O Brasil foi dividido em quinze quinhões, por uma série de linhas paralelas ao equador que iam do litoral ao meridiano de Tordesilhas, sendo os quinhões entregues (…) [a] um grupo diversificado, no qual havia gente da pequena nobreza, burocratas e comerciantes, tendo em comum suas ligações com a Coroa.” (B. Fausto, História do Brasil.) No texto, o historiador refere-se às a) câmaras setoriais. b) sesmarias. c) colônias de povoamento. d) capitanias hereditárias. e) controladorias. 2) (UFSCar-2001) Sobre a economia e a sociedade do Brasil no período colonial, é correto relacionar a) economia diversificada de subsistência, grande propriedade agrícola e mão-de-obra livre. b) produção para o mercado interno, policultura e exploração da mão-de-obra indígena no litoral. c) capitalismo industrial, exportação de matérias- primas e exploração do trabalho escravo temporário. d) produção de manufaturados, pequenas unidades agrícolas e exploração do trabalho servil. e) capitalismo comercial, latifúndio monocultor exportador e exploração da mão-de-obra escrava. 3) (Vunesp-2005) “A cana-de-açúcar começou a ser cultivada igualmente em São Vicente e em Pernambuco, estendendo-se depois à Bahia e ao Maranhão a sua cultura, que onde logrou êxito — medíocre como em São Vicente ou máximo como em Pernambuco, no Recôncavo e no Maranhão — trouxe em consequência uma sociedade e um gênero de vida de tendências mais ou menos aristocráticas e escravocratas.” (Gilberto Freyre, Casa-Grande e Senzala.) Tendo por base as afirmações do autor, a) cite um motivo do maior sucesso da exploração da cana-de-açúcar em Pernambuco do que em São Vicente. b) Explique por que o autor definiu “o gênero de vida” da sociedade constituída pela cultura da cana-de- açúcar como apresentando “tendências mais ou menos aristocráticas”. 4) (FUVEST-2010) Os primeiros jesuítas chegaram à Bahia com o governador-geral Tomé de Sousa, em 1549, e em pouco tempo se espalharam por outras regiões da colônia, permanecendo até sua expulsão, pelo governo de Portugal, em 1759. Sobre as ações dos jesuítas nesse período, é correto afirmar que a) criaram escolas de arte que foram responsáveis pelo desenvolvimento do barroco mineiro. b) defenderam os princípios humanistas e lutaram pelo reconhecimento dos direitos civis dos nativos. c) foram responsáveis pela educação dos filhos dos colonos, por meio da criação de colégios secundários e escolas de “ler e escrever”. d) causaram constantes atritos com os colonos por defenderem, esses religiosos, a preservação das culturas indígenas. e) formularam acordos políticos e diplomáticos que garantiram a incorporação da região amazônica ao domínio português. 5) (UFMG-1994) Leia os versos. "Seiscentas peças barganhei - Que pechincha! - no Senegal A carne é rija, os músculos de aço, Boa liga do melhor metal. Em troca dei só aguardente, Contas, latão - um peso morto! Eu ganho oitocentos por cento Se a metade chegar ao porto". (HEINE, Heinrich. APUD BOSI, Alfredo. DIALÉTICA DA COLONIZAÇÃO. São Paulo: Cia. das Letras, 1992). a) IDENTIFIQUE a atividade a que se referem esses versos. b) Cada uma das estrofes desenvolve uma ideia central. IDENTIFIQUE essas ideias.
  • 2. CURSINHO PRINCIPIA 2013 LISTA DE EXERCÍCIOS: HISTÓRIA DO BRASIL – PROF. FEZÃO 2 6) (Vunesp-2003) “No Brasil, costumam dizer que para os escravos são necessários três PPP, a saber, pau, pão e pano. E, posto que comecem mal, principiando pelo castigo que é o pau, contudo, prouvera a Deus que tão abundante fosse o comer e o vestir como muitas vezes é o castigo.” (André João Antonil, Cultura e opulência do Brasil por suas drogas e minas, 1711) a) Qual a crítica ao sistema escravista feita pelo autor do trecho apresentado? b) Indique dois motivos que explicam a introdução da escravidão negra na porção americana do Império português. 7) (VUNESP-2006) “Efetivamente, ocorriam casamentos mesmo entre os escravos. É preciso lembrar que a Igreja incumbia os senhores de manter seus cativos na religião católica, responsabilizando-os pelo acesso aos sacramentos e ritos de culto. Dessa forma, o casamento era não só forma de aculturação, mas também de estabilidade nos plantéis, desestimulando fugas e mesmo as alforrias, revertendo sempre no interesse do próprio senhor. Como exemplo, no Serro Frio, Francisca da Silva de Oliveira, a conhecida Chica da Silva, casava sistematicamente seus escravos. Em 30 de julho de 1765, na matriz de Santo Antônio do Tejuco, casaram- se seus escravos Joaquim Pardo e Gertrudes Crioula.” (Júnia Ferreira Furtado, Cultura e sociedade no Brasil colônia.) Assim, para os senhores de escravos, permitir e incentivar o casamento dos seus escravos significava a) se contrapor aos interesses da Igreja Católica, que defendia os rituais religiosos apenas aos homens livres. b) ampliar, de maneira substancial, as ocorrências de alforrias das crianças nascidas desses casamentos. c) resgatar as tradições culturais e religiosas dos povos africanos, garantindo o casamento entre pessoas da mesma etnia. d) ter escravos disciplinados para o trabalho e menos propensos aos atos de rebeldia contra a escravidão. e) evitar as uniões entre africanos e colonizadores brancos, em nome do projeto de “embranquecimento” do Brasil. 8) (UFMG-1997) “O interesse dos mercadores dos Países-Baixos pelo Brasil foi um fato que antecedeu de muito os ataques empreendidos pela Companhia das Índias Ocidentais, em 1624 contra a Bahia e, em 1630, contra Pernambuco. Estes ataques explicam-se por aquele interesse(...). Faz-se, pois, necessário recuar um pouco no tempo, para uma perspectiva melhor dos acontecimentos que na segunda e terceira décadas de 1600 se desenrolam em nosso país.” (MELLO, J. A. Gonsalves de. O domínio holandês na Bahia e no Nordeste. In: HOLANDA, S. B.. de (dir.). História Geral da Civilização„o Brasileira. São Paulo: Difel, 1981. t. I, v. 1, p. 235.) CITE a forma de participação dos mercadores dos Países-Baixos no comércio do açúcar anterior ao domínio holandês no nordeste açucareiro. 9) (UFPR-2009) Sobre a ocupação holandesa do nordeste brasileiro em 1630, é correto afirmar: a) Os holandeses exploravam e financiavam a indústria açucareira brasileira mesmo antes da ocupação do nordeste. b) A principal instituição europeia contrária aos objetivos expansionistas dos holandeses no Brasil foi a poderosa Companhia das Índias Ocidentais. c) A ocupação holandesa encontrou sua mais persistente oposição entre os senhores de engenho da região. d) Maurício de Nassau, governador do território ocupado pelos holandeses, restringiu a liberdade religiosa e selou uma vigorosa aliança com a Igreja Católica. e) O domínio holandês no nordeste do Brasil agravou o crônico problema da agricultura de subsistência na colônia, pois todos os recursos naturais e humanos foram direcionados à produção de açúcar. 10. (Fuvest-SP) Na segunda metade do século XVII, Portugal encontrava-se em grave crise econômica. a) Explique o motivo dessa crise. b) De que forma o Brasil contribuiu para solucioná-la?
  • 3. CURSINHO PRINCIPIA 2013 LISTA DE EXERCÍCIOS: HISTÓRIA DO BRASIL – PROF. FEZÃO 3 11. (Unesp) "E o pior é que a maior parte do ouro que se tira das minas passa em pó e em moedas para os reinos estranhos e a menor é a que fica em Portugal e nas cidades do Brasil, salvo o que se gasta em cordões, arrecadas e outros brincos, dos quais se vêem hoje carregadas as mulatas de mau viver e as negras, muito mais que as senhoras". (André João Antonil. "Cultura e opulência do Brasil", 1711.) No trecho transcrito, o autor denuncia: a) a corrupção dos proprietários de lavras no desvio de ouro em seu próprio benefício e na compra de escravos. b) a transferência do ouro brasileiro para outros países em decorrência de acordos comerciais internacionais de Portugal. c) o prejuízo para o desenvolvimento interno da colônia e da metrópole gerado pelo contrabando de ouro brasileiro. d) o controle do ouro por funcionários reais preocupados em esbanjar dinheiro e dominar o poder local. e) a ausência de controle fiscal português no Brasil e o desvio de ouro para o exterior pelos escravos e mineradores ingleses. 12. (Unirio) O desenvolvimento da economia mineradora no século XVII teve diferentes repercussões sobre a vida colonial, conforme se apresenta caracterizado numa das opções a seguir. Assinale-a. a) Incremento do comércio interno e das atividades voltadas para o abastecimento na região centro-sul. b) Movimento de interiorização conhecido como bandeirismo, responsável pelo fornecimento de mão- de-obra indígena para as minas. c) Descentralização da administração colonial para facilitar o controle da produção. d) Sufocamento dos movimentos de rebelião, graças à riqueza material gerada pelo ouro e pela prata. e) Retorno em massa, para a metrópole, dos colonos enriquecidos pela nova atividade. 13. (UFV-MG) “O ouro brasileiro deixou buracos no Brasil, templos em Portugal e fábricas na Inglaterra." (Eduardo Galeano) Explique de que forma os fatos contidos na frase anterior estão relacionados historicamente. 14.(Fuvest-SP) “Não parece fácil determinar a época em que os habitantes da América lusitana, dispersos pela distância, pela dificuldade de comunicação, pela mútua ignorância, pela diversidade, não raro, de interesses locais, começam a sentir-se unidos por vínculos mais fortes do que todos os contrastes ou indiferenças que os separam, e a querer associar esse sentimento ao desejo de emancipação política. No Brasil, as duas aspirações – a da independência e a da unidade – não nascem juntas e, por longo tempo ainda, não caminham de mãos dadas.” (Sérgio Buarque de Holanda, “A herança colonial – sua desagregação”. História geral da civilização brasileira, tomo II, volume 1, 2ª ed., São Paulo: DIFEL, 1965, p. 9.) a) Explique qual a diferença entre as aspirações de “independência” e de “unidade” a que o autor se refere. b) Indique e caracterize ao menos um acontecimento histórico relacionado a cada uma das aspirações mencionadas no item a). 15. (Vunesp-2010) A pecuária, ao longo de praticamente todo período colonial brasileiro, foi uma atividade econômica sempre secundária, mas sempre em expansão, ao contrário do que ocorreu com a agricultura canavieira e com a mineração aurífera. Explique, com relação à pecuária, o porquê destas características. 16. (Vunesp-2008) O temor da população culta e ilustrada diante da perspectiva de agitação das massas explica porque a idéia de realizar a Independência com o apoio do príncipe pareceria tão sedutora: permitiria emancipar a nação do jugo metropolitano sem que para isso fosse necessário recorrer à rebelião popular.
  • 4. CURSINHO PRINCIPIA 2013 LISTA DE EXERCÍCIOS: HISTÓRIA DO BRASIL – PROF. FEZÃO 4 (Emilia Viotti da Costa, Introdução ao estudo da emancipação política do Brasil. In: Brasil em perspectiva.) Com base na leitura do texto, explique a emancipação política do Brasil como um movimento elitista e conservador. 17. (Fuvest) O governo de D. João VI no Brasil, entre outras medidas econômicas, assinou, em 1810, um tratado de comércio com a Inglaterra. Esta decisão estava relacionada: a) ao crescimento industrial promovido pelo governo português, ao revogar as leis que proibiam a instalação de fábricas na colônia; b) à política liberal da Corte Portuguesa que incentivava o livre comércio da colônia com os demais países europeus; c) ao crescimento do mercado consumidor brasileiro provocado pelo aumento da produção interna; d) à política econômica portuguesa que cedia às pressões inglesas para decretar o fim do tráfico negreiro; e) a acordos anteriores entre os dois países europeus que asseguravam vantagens comerciais aos ingleses.