SlideShare uma empresa Scribd logo
MMP – minimamente
processados
PROCESSAMENTO MÍNIMO DE FRUTAS EPROCESSAMENTO MÍNIMO DE FRUTAS E
HORTALIÇASHORTALIÇAS
Características: Manter a qualidade do produto fresco
CONSUMIDOR
Praticidade
Economia de tempo
Qualidade
PRODUTOR
Agregar valor ao produto
Garantia de venda e remuneração
DEFINIÇÃODEFINIÇÃO
• São produtos “frescos” tornados
convenientes, oferecendo ao seu usuário,
qualidade constante e garantia de
sanidade (Cantwell, 1992)
• São produtos preparados através de uma
ou várias operações apropriadas, tais
como descascamento, fatiamento, corte e
conservação através de tratamentos
preservatórios isolados ou combinados
(Willey, 1997).
Requerimentos mínimos para aRequerimentos mínimos para a
preparação de frutas e hortaliçaspreparação de frutas e hortaliças
minimamente processadasminimamente processadas
• qualidade inicial
• higiene
• uso de baixa temperatura durante o
preparo
• sanitização
• remoção do excesso de umidade
• correta temperatura durante a
comercialização
FLUXOGRAMA BÁSICOFLUXOGRAMA BÁSICO
Matéria prima
Recepção
Seleção e pré-lavagem
Descascamento (pelagem)
Lavagem e resfriamento
Corte em retalhos
Sanitização e enxágue
Centrifugação
Seleção
Pesagem e embalagem
o
RecepçãoRecepção
Seleção, Pesagem e classificação
• assim que chega a UP, produto
deve ser colocado em câmara de
refrigeração para retirada do calor
de campo
• seleção da matéria prima por peso
e tamanho, originando uniformidade
e padronização do produto final
ClassificaçãoClassificação
•separação dos produtos de boa
qualidade dos de qualidade inferior
• fatores que influem: tamanho, forma,
firmeza, corte da superfície, ausência
de doenças e podridões, grau de
maturação
• equipamentos classificadores:
peneiras, esteiras, flotação em
salmoura, etc
Limpeza e lavagem da matéria primaLimpeza e lavagem da matéria prima
• limpeza: retirada de materiais
estranhos (galhos, talos, insetos, solo,
resíduos de fertilizantes, etc)
• lavagem: imersão em detergentes
(especiais com lato grau de pureza)
para remoção de microrganismos e
sujidades. Tempo de imersão: 10 a 15
minutos
• enxágue: remoção das sujeiras e
resíduos de detergentes
DesinfecçãoDesinfecção
• imersão em meio efetivo para
eliminação dos microrganismos que
tenham permanecido após lavagem
com detergente
• realizada em cuba ou tanque com
água clorada (100 a 200ppm de cloro
ativo por 10 a 15 min)
• enxágue com água potável, contendo
2 a 5ppm de cloro para eliminação dos
resíduos
DescascamentoDescascamento
• manual: lento e oneroso, causa perda
de parte do produto
• mecânico ou lixívia: raízes, tubérculos
e bulbos (batata, cenoura, beterraba,
cebola)
• lixívia: pêssegos, tomates (requer alto
suprimento de água, hidróxido de sódio
e fonte de calor
• após descascamento: podem ser
realizadas aparas e retirada de miolos
ou talos, antes do corte
Fonte: Flickr Fresh Cut
CorteCorte
• redução do produto em peças
menores, com tamanho e forma
definidos
• IMPORTANTE: causa danos
mecânicos às células, provocando
aumento na respiração dos tecidos e
tornando-os mais susceptíveis à
deterioração microbiana e oxidação
• utilizar aparelhos ou facas afiadas
para promover injúria nos tecidos
SanitizaçãoSanitização
1.Colocar imediatamente sob refrigeração a
4o
C após o corte
2.Sanitização com água clorada observando-
se a concentração de cloro recomendada
3.Condições de sanitização de podutos:
• 100 a 200ppm de cloro ativo/L água
• 5 a 10L de água/kg de produto
• Temperatura de água: 4o
C
• Tempo de imersão: 2 a 5 min
• Enxágue com água tratada 2 a 5mg de cloro
ativo/L
Fonte: Youtobe / Programa dia de campo na tv
Aditivos químicosAditivos químicos
utilizados para retardar o crescimento
superficial de leveduras, mofos,
bactérias, e manter características de
cor e sabor
Aditivos mais utilizadosAditivos mais utilizados
AntioxidantesAntioxidantes
• evitam escurecimento enzimático,
perda de sabor e aroma,
amaciamento dos tecidos e perda da
qualidade nutricional
• ácido ascórbico e isoascórbico,
metabissulfito, ácido cítrico, EDTA
(ácido-etileno-diamino-tetracético)
Aditivos mais utilizadosAditivos mais utilizados
AcidulantesAcidulantes
• abaixam o pH (principalmente em
produtos com pH entre 5 e 7, onde
deterioração microbiana é mais
rápida)
• ácido cítrico, málico, láctico e
tartárico
Aditivos mais utilizadosAditivos mais utilizados
Agentes quelantesAgentes quelantes
• ligam-se a metais e atuam na
prevenção de reações oxidativas
•EDTA, metabissulfito
Aditivos mais utilizadosAditivos mais utilizados
ConservantesConservantes
• inibem ou reduzem o
desenvolvimento de leveduras,
fungos e bactérias na superfície dos
produtos
CentrifugaçãoCentrifugação
• remoção da água de lavagem e
líquido exsudado do produto
• realizada em poucos minutos
• evitar secagem excessiva –
ressecamento e murchamento
EmbalagemEmbalagem
filmes plásticos, bandejas, PET
• função: preservar as qualidades do
produto
• ATM modificada: controle de O2,
CO2 e N
•passiva: envolve o produto com
embalagem plástica com menor
permeabilidade de O2 e CO2. Atmosfera
modifica com respiração do produto
•ativa: injeção de ATM controlada
•vácuo: retirada do ar. Embalagem
impermeável a O2, gases e vapor
Uso de atmosfera modificadaUso de atmosfera modificada
• complemento à refrigeração
• redução de perdas
• facilidade de manuseio
• proteção contra injúrias mecânicas
• facilidade para identificação
(informações e marca)
• agregação de valor
Fonte: http://www.sistemafaemg.org.br/Noticia
Refrigeração é fundamental para a
manutenção da qualidade e
conservação dos produtos
minimamente processados
Q10= a cada 10o
C de aumento da
temperatura a velocidade das reações
metabólicas (respiração, perda de gás,
produção de etileno e deterioração)
aumenta em duas a três vezes
Q10= 2 a 3x
Válido para hortaliças intactas,
processadas Q10 é sempre maior
Efeitos da refrigeração
Redução da respiração
Redução da perda de água
Redução da produção de etileno
Redução da deterioração microbiana
Redução no escurecimento
Benefícios práticos
Manutenção da qualidade (redução de perdas)
Aumento no período de conservação
Evita a necessidade de comercialização
imediata
Regularização da oferta de mercado
ALGUNS EXEMPLOS DOALGUNS EXEMPLOS DO
PRODUTOS MINIMAMENTEPRODUTOS MINIMAMENTE
PROCESSADOSPROCESSADOS
Alface
O produto minimamente
processado não possui grandes
sofisticações tecnológicas:
resumidamente, ele é lavado,
selecionado, fracionado e colocado
em sacos plásticos transparentes,
já pronto para uso imediato.
Mandioca
Este produto ainda não é muito
encontrado, mesmo possuindo um
potencial para o processamento
mínimo. O tubérculo pode
fracionado e descascado em
porções menores; em alguns
casos, sofre um pré-cozimento; o
produto assim adquirido é integral e
pronto para preparar os pratos
desejados.
Couve
Esta folhosa rica em
nutrientes e vitaminas
também pode ser
processada: picada e
embalada fica pronta
para o consumo em
saladas ou mesmo para
receitas cozidas.
Cheiro verde
O chamado "cheiro verde"
(salsinha, cebolinha, etc.) pode
ser desidratado, picado e
embalado. O processo não
diminui a qualidade aromática e
aumenta a vida útil do produto.
Cenoura
A cenoura, ao invés de
comercializada "in natura", pode
ser vendida lavada, picada ou
ralada e embalada, facilitando sua
utilização em saladas, pratos,
bolos, doces, etc.
Couve-flor
A cabeça de couve-flor pode ser
lavada, picada e embalada em
pedaços, em bandejas de isopor
envoltas em filme de polietileno.
Brócolis
Brócolis de granulação fina
(também conhecidos como brócolis-
japonês) podem ter suas cabeças
lavadas, picadas e embaladas em
pedaços, em bandejas de isopor
envoltas em filme de polietileno, à
semelhança do que se faz com
couve-flor.
Milho-verde
Espigas de milho verde podem ser
descascadas, limpas (eliminação
dos estigmas ou "cabelos"), e
embaladas em bandejas de isopor
cobertas com filme de polietileno
(em geral 3 espigas por bandeja).
Fonte: http://www.sistemafaemg.org.br/Noticia
Bibliografia:
• Moretti, Celso Luiz Manual de Processamento Mínimo de Frutas e
Hortaliças / Celso Luiz Moretti — Brasília : Embrapa Hortaliças,
2007.
• GOMES, C.A.O.; ALVARENGA, A.L.B.; JUNIOR, M.F.; CENCI, S.A.
Hortaliças Minimamente Processadas. Brasília, D.F.: Embrapa
Informação Tecnológica, 2005, 34 p. (Coleção Agroindústria
Familiar).
• NASCIMENTO, Edson F.; MOLICA, Eliane M.; MORAES, Julio S.
Vegetais minimamente processados (mercado e produção).
Brasília: 2000, EMATER/DF. 53 p.
• PAZINATO, Beatriz Cantusio. Vegetais minimamente processados.
www. Cati.sp.gob.br/ddr/veg.min.proces.htm. Acesso em
20/03/2003.
• WILEY, Robert C. Frutas y hortalizas minimamente procesadas y
refrigeradas. Editorial Acribia S.A. 1997. 361 p.
FIM
Tecnologia de Frutas e Hortalíças - Prof. Márcio José Salvestro
Etec Rubens de Faria e Souza – Sorocaba SP

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transportePós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
Agricultura Sao Paulo
 
Preparo de frutas e hortalicas minimamente processadas em bancos de alimentos
Preparo de frutas e hortalicas minimamente processadas em bancos de alimentosPreparo de frutas e hortalicas minimamente processadas em bancos de alimentos
Preparo de frutas e hortalicas minimamente processadas em bancos de alimentos
Lidiane Martins
 
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1   controle de qualidade na ind. de alimentosAula 1   controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
( UFS ) Universidade Federal de Sergipe
 
Processamento de produtos de origem vegetal
Processamento de produtos de origem vegetalProcessamento de produtos de origem vegetal
Processamento de produtos de origem vegetal
saraerthal
 
Fisiologia pré e pós colheita
Fisiologia pré e pós colheitaFisiologia pré e pós colheita
Fisiologia pré e pós colheita
UERGS
 
Cm tecnologia de produção de doce de frutas
Cm   tecnologia de produção de doce de frutasCm   tecnologia de produção de doce de frutas
Cm tecnologia de produção de doce de frutas
Camila Moresco
 
Aula 01 conceitos embalagens 1
Aula 01  conceitos embalagens 1Aula 01  conceitos embalagens 1
Aula 01 conceitos embalagens 1
andreiafaion
 
Resíduos agroindustriais
Resíduos agroindustriaisResíduos agroindustriais
Resíduos agroindustriais
UERGS
 
Branqueamento
BranqueamentoBranqueamento
Branqueamento
Anderson Formiga
 
Hortaliças em conservas
Hortaliças em conservasHortaliças em conservas
Hortaliças em conservas
Ilânio Luis Luis
 
Apresentação pós colheita
Apresentação pós colheitaApresentação pós colheita
Apresentação pós colheita
Ítalo Arrais
 
Aula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de soluto
Aula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de solutoAula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de soluto
Aula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de soluto
Alvaro Galdos
 
CARACTERIZAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM DE GRÃOS:
CARACTERIZAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM DE GRÃOS:CARACTERIZAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM DE GRÃOS:
CARACTERIZAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM DE GRÃOS:
JODI TECNOLOGIAS INDUSTRIAIS
 
Fabricação de polpa e néctar de frutas
Fabricação de polpa e néctar de frutasFabricação de polpa e néctar de frutas
Fabricação de polpa e néctar de frutas
Camila Moresco
 
Hortaliças minimamente processadas
Hortaliças minimamente processadasHortaliças minimamente processadas
Hortaliças minimamente processadas
Lenildo Araujo
 
Aula 01 embalagens para Alimentos
Aula 01 embalagens para AlimentosAula 01 embalagens para Alimentos
Aula 01 embalagens para Alimentos
LORRANE BRANDÃO
 
Apresentação secagem
Apresentação   secagemApresentação   secagem
Apresentação secagem
Maybi Soares Meca
 
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentosAula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Alvaro Galdos
 
Aula 4 embalagens - papel e papelão
Aula 4   embalagens - papel e papelãoAula 4   embalagens - papel e papelão
Aula 4 embalagens - papel e papelão
andreiafaion
 
Fisiologia do desenvolvimento dos frutos
Fisiologia do desenvolvimento dos frutosFisiologia do desenvolvimento dos frutos
Fisiologia do desenvolvimento dos frutos
UERGS
 

Mais procurados (20)

Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transportePós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
 
Preparo de frutas e hortalicas minimamente processadas em bancos de alimentos
Preparo de frutas e hortalicas minimamente processadas em bancos de alimentosPreparo de frutas e hortalicas minimamente processadas em bancos de alimentos
Preparo de frutas e hortalicas minimamente processadas em bancos de alimentos
 
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1   controle de qualidade na ind. de alimentosAula 1   controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
 
Processamento de produtos de origem vegetal
Processamento de produtos de origem vegetalProcessamento de produtos de origem vegetal
Processamento de produtos de origem vegetal
 
Fisiologia pré e pós colheita
Fisiologia pré e pós colheitaFisiologia pré e pós colheita
Fisiologia pré e pós colheita
 
Cm tecnologia de produção de doce de frutas
Cm   tecnologia de produção de doce de frutasCm   tecnologia de produção de doce de frutas
Cm tecnologia de produção de doce de frutas
 
Aula 01 conceitos embalagens 1
Aula 01  conceitos embalagens 1Aula 01  conceitos embalagens 1
Aula 01 conceitos embalagens 1
 
Resíduos agroindustriais
Resíduos agroindustriaisResíduos agroindustriais
Resíduos agroindustriais
 
Branqueamento
BranqueamentoBranqueamento
Branqueamento
 
Hortaliças em conservas
Hortaliças em conservasHortaliças em conservas
Hortaliças em conservas
 
Apresentação pós colheita
Apresentação pós colheitaApresentação pós colheita
Apresentação pós colheita
 
Aula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de soluto
Aula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de solutoAula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de soluto
Aula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de soluto
 
CARACTERIZAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM DE GRÃOS:
CARACTERIZAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM DE GRÃOS:CARACTERIZAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM DE GRÃOS:
CARACTERIZAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM DE GRÃOS:
 
Fabricação de polpa e néctar de frutas
Fabricação de polpa e néctar de frutasFabricação de polpa e néctar de frutas
Fabricação de polpa e néctar de frutas
 
Hortaliças minimamente processadas
Hortaliças minimamente processadasHortaliças minimamente processadas
Hortaliças minimamente processadas
 
Aula 01 embalagens para Alimentos
Aula 01 embalagens para AlimentosAula 01 embalagens para Alimentos
Aula 01 embalagens para Alimentos
 
Apresentação secagem
Apresentação   secagemApresentação   secagem
Apresentação secagem
 
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentosAula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentos
 
Aula 4 embalagens - papel e papelão
Aula 4   embalagens - papel e papelãoAula 4   embalagens - papel e papelão
Aula 4 embalagens - papel e papelão
 
Fisiologia do desenvolvimento dos frutos
Fisiologia do desenvolvimento dos frutosFisiologia do desenvolvimento dos frutos
Fisiologia do desenvolvimento dos frutos
 

Destaque

São carlos (sp) prog
São carlos (sp)   progSão carlos (sp)   prog
São carlos (sp) prog
comredesan
 
104908236 apostila-desidratacao-de-frutas-e-hortalicas
104908236 apostila-desidratacao-de-frutas-e-hortalicas104908236 apostila-desidratacao-de-frutas-e-hortalicas
104908236 apostila-desidratacao-de-frutas-e-hortalicas
Luciene Mendes da Silva
 
Estudo de caso da cadeia de suprimentos da empresa pescado carioca ltda.
Estudo de caso da cadeia de suprimentos da empresa pescado carioca ltda.Estudo de caso da cadeia de suprimentos da empresa pescado carioca ltda.
Estudo de caso da cadeia de suprimentos da empresa pescado carioca ltda.
Henrique Dacheux
 
Trabalho de agroindústria
Trabalho de agroindústriaTrabalho de agroindústria
Trabalho de agroindústria
IFMT - Campus Juína
 
Agroindustria
AgroindustriaAgroindustria
Agroindustria
IFMT - Campus Juína
 
TCC SLIDE DE APRESENTAÇÃO
TCC SLIDE DE APRESENTAÇÃOTCC SLIDE DE APRESENTAÇÃO
TCC SLIDE DE APRESENTAÇÃO
professsorcarlinho
 

Destaque (6)

São carlos (sp) prog
São carlos (sp)   progSão carlos (sp)   prog
São carlos (sp) prog
 
104908236 apostila-desidratacao-de-frutas-e-hortalicas
104908236 apostila-desidratacao-de-frutas-e-hortalicas104908236 apostila-desidratacao-de-frutas-e-hortalicas
104908236 apostila-desidratacao-de-frutas-e-hortalicas
 
Estudo de caso da cadeia de suprimentos da empresa pescado carioca ltda.
Estudo de caso da cadeia de suprimentos da empresa pescado carioca ltda.Estudo de caso da cadeia de suprimentos da empresa pescado carioca ltda.
Estudo de caso da cadeia de suprimentos da empresa pescado carioca ltda.
 
Trabalho de agroindústria
Trabalho de agroindústriaTrabalho de agroindústria
Trabalho de agroindústria
 
Agroindustria
AgroindustriaAgroindustria
Agroindustria
 
TCC SLIDE DE APRESENTAÇÃO
TCC SLIDE DE APRESENTAÇÃOTCC SLIDE DE APRESENTAÇÃO
TCC SLIDE DE APRESENTAÇÃO
 

Semelhante a H processamento mínimo

HortaliçAs E Frutas Processamento
HortaliçAs E Frutas   ProcessamentoHortaliçAs E Frutas   Processamento
HortaliçAs E Frutas Processamento
Culinaria Fabula
 
HortaliçAs E Frutas Processamento
HortaliçAs E Frutas   ProcessamentoHortaliçAs E Frutas   Processamento
HortaliçAs E Frutas Processamento
Claudia Cozinha
 
Relatório de Aula Prática PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
Relatório de Aula Prática   PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇASRelatório de Aula Prática   PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
Relatório de Aula Prática PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
Railenne De Oliveira Celestino
 
Relatório cenoura minimamente processada
Relatório  cenoura minimamente processadaRelatório  cenoura minimamente processada
Relatório cenoura minimamente processada
Rogerio Moraes
 
Atividade slideshaare
Atividade slideshaareAtividade slideshaare
Atividade slideshaare
gilvanicealves
 
Aula2Substrat.pdf
Aula2Substrat.pdfAula2Substrat.pdf
Aula2Substrat.pdf
RamonRgo2
 
Aula 5 -Mínimo de Produtos Hortifrutícolas.pdf
Aula 5 -Mínimo de Produtos Hortifrutícolas.pdfAula 5 -Mínimo de Produtos Hortifrutícolas.pdf
Aula 5 -Mínimo de Produtos Hortifrutícolas.pdf
fabiocauper
 
Aula 03_Conservação de Alimentos por Calor.pdf
Aula 03_Conservação de Alimentos por Calor.pdfAula 03_Conservação de Alimentos por Calor.pdf
Aula 03_Conservação de Alimentos por Calor.pdf
AndreaGama16
 
Aula 4-introducao-aos-processos-fermentativos
Aula 4-introducao-aos-processos-fermentativosAula 4-introducao-aos-processos-fermentativos
Aula 4-introducao-aos-processos-fermentativos
Heitor Silva
 
Quiabo Desidratado
Quiabo DesidratadoQuiabo Desidratado
Quiabo Desidratado
Luis Aurelio Sanches
 
133444069 desidratacao-de-frutas
133444069 desidratacao-de-frutas133444069 desidratacao-de-frutas
133444069 desidratacao-de-frutas
Rui Rodrigues
 
Tomate seco
Tomate secoTomate seco
Tomate seco
Ricardo Maximo
 
aula_2_2022.2.pptx
aula_2_2022.2.pptxaula_2_2022.2.pptx
aula_2_2022.2.pptx
JuazinCdepato
 
Batata chips e palha pdf
Batata chips e palha   pdfBatata chips e palha   pdf
Batata chips e palha pdf
SergioHBagaglia
 
Manual desidratar-alimentos-figueira
Manual desidratar-alimentos-figueiraManual desidratar-alimentos-figueira
Manual desidratar-alimentos-figueira
Joyce Muzy
 
tecnologia alimentos
tecnologia alimentostecnologia alimentos
tecnologia alimentos
Rudy Altamirano Ruiz
 
09Conservacao dos Alimentos.pptx
09Conservacao dos Alimentos.pptx09Conservacao dos Alimentos.pptx
09Conservacao dos Alimentos.pptx
BrunaSayuriSuzuki
 
Tipos de processos de Conservação dos alimentos
Tipos de processos de Conservação dos alimentosTipos de processos de Conservação dos alimentos
Tipos de processos de Conservação dos alimentos
isildateixeira
 
Cm tecnologia de produção de frutas liofilizadas
Cm   tecnologia de produção de frutas liofilizadasCm   tecnologia de produção de frutas liofilizadas
Cm tecnologia de produção de frutas liofilizadas
Camila Moresco
 
Como fazer biomassa de banana da terra verde
Como fazer biomassa de banana da terra verdeComo fazer biomassa de banana da terra verde
Como fazer biomassa de banana da terra verde
Mário Bittencourt
 

Semelhante a H processamento mínimo (20)

HortaliçAs E Frutas Processamento
HortaliçAs E Frutas   ProcessamentoHortaliçAs E Frutas   Processamento
HortaliçAs E Frutas Processamento
 
HortaliçAs E Frutas Processamento
HortaliçAs E Frutas   ProcessamentoHortaliçAs E Frutas   Processamento
HortaliçAs E Frutas Processamento
 
Relatório de Aula Prática PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
Relatório de Aula Prática   PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇASRelatório de Aula Prática   PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
Relatório de Aula Prática PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
 
Relatório cenoura minimamente processada
Relatório  cenoura minimamente processadaRelatório  cenoura minimamente processada
Relatório cenoura minimamente processada
 
Atividade slideshaare
Atividade slideshaareAtividade slideshaare
Atividade slideshaare
 
Aula2Substrat.pdf
Aula2Substrat.pdfAula2Substrat.pdf
Aula2Substrat.pdf
 
Aula 5 -Mínimo de Produtos Hortifrutícolas.pdf
Aula 5 -Mínimo de Produtos Hortifrutícolas.pdfAula 5 -Mínimo de Produtos Hortifrutícolas.pdf
Aula 5 -Mínimo de Produtos Hortifrutícolas.pdf
 
Aula 03_Conservação de Alimentos por Calor.pdf
Aula 03_Conservação de Alimentos por Calor.pdfAula 03_Conservação de Alimentos por Calor.pdf
Aula 03_Conservação de Alimentos por Calor.pdf
 
Aula 4-introducao-aos-processos-fermentativos
Aula 4-introducao-aos-processos-fermentativosAula 4-introducao-aos-processos-fermentativos
Aula 4-introducao-aos-processos-fermentativos
 
Quiabo Desidratado
Quiabo DesidratadoQuiabo Desidratado
Quiabo Desidratado
 
133444069 desidratacao-de-frutas
133444069 desidratacao-de-frutas133444069 desidratacao-de-frutas
133444069 desidratacao-de-frutas
 
Tomate seco
Tomate secoTomate seco
Tomate seco
 
aula_2_2022.2.pptx
aula_2_2022.2.pptxaula_2_2022.2.pptx
aula_2_2022.2.pptx
 
Batata chips e palha pdf
Batata chips e palha   pdfBatata chips e palha   pdf
Batata chips e palha pdf
 
Manual desidratar-alimentos-figueira
Manual desidratar-alimentos-figueiraManual desidratar-alimentos-figueira
Manual desidratar-alimentos-figueira
 
tecnologia alimentos
tecnologia alimentostecnologia alimentos
tecnologia alimentos
 
09Conservacao dos Alimentos.pptx
09Conservacao dos Alimentos.pptx09Conservacao dos Alimentos.pptx
09Conservacao dos Alimentos.pptx
 
Tipos de processos de Conservação dos alimentos
Tipos de processos de Conservação dos alimentosTipos de processos de Conservação dos alimentos
Tipos de processos de Conservação dos alimentos
 
Cm tecnologia de produção de frutas liofilizadas
Cm   tecnologia de produção de frutas liofilizadasCm   tecnologia de produção de frutas liofilizadas
Cm tecnologia de produção de frutas liofilizadas
 
Como fazer biomassa de banana da terra verde
Como fazer biomassa de banana da terra verdeComo fazer biomassa de banana da terra verde
Como fazer biomassa de banana da terra verde
 

Último

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 

Último (20)

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 

H processamento mínimo

  • 2. PROCESSAMENTO MÍNIMO DE FRUTAS EPROCESSAMENTO MÍNIMO DE FRUTAS E HORTALIÇASHORTALIÇAS Características: Manter a qualidade do produto fresco CONSUMIDOR Praticidade Economia de tempo Qualidade PRODUTOR Agregar valor ao produto Garantia de venda e remuneração
  • 3. DEFINIÇÃODEFINIÇÃO • São produtos “frescos” tornados convenientes, oferecendo ao seu usuário, qualidade constante e garantia de sanidade (Cantwell, 1992) • São produtos preparados através de uma ou várias operações apropriadas, tais como descascamento, fatiamento, corte e conservação através de tratamentos preservatórios isolados ou combinados (Willey, 1997).
  • 4. Requerimentos mínimos para aRequerimentos mínimos para a preparação de frutas e hortaliçaspreparação de frutas e hortaliças minimamente processadasminimamente processadas • qualidade inicial • higiene • uso de baixa temperatura durante o preparo • sanitização • remoção do excesso de umidade • correta temperatura durante a comercialização
  • 5. FLUXOGRAMA BÁSICOFLUXOGRAMA BÁSICO Matéria prima Recepção Seleção e pré-lavagem Descascamento (pelagem) Lavagem e resfriamento Corte em retalhos Sanitização e enxágue Centrifugação Seleção Pesagem e embalagem o
  • 6. RecepçãoRecepção Seleção, Pesagem e classificação • assim que chega a UP, produto deve ser colocado em câmara de refrigeração para retirada do calor de campo • seleção da matéria prima por peso e tamanho, originando uniformidade e padronização do produto final
  • 7. ClassificaçãoClassificação •separação dos produtos de boa qualidade dos de qualidade inferior • fatores que influem: tamanho, forma, firmeza, corte da superfície, ausência de doenças e podridões, grau de maturação • equipamentos classificadores: peneiras, esteiras, flotação em salmoura, etc
  • 8. Limpeza e lavagem da matéria primaLimpeza e lavagem da matéria prima • limpeza: retirada de materiais estranhos (galhos, talos, insetos, solo, resíduos de fertilizantes, etc) • lavagem: imersão em detergentes (especiais com lato grau de pureza) para remoção de microrganismos e sujidades. Tempo de imersão: 10 a 15 minutos • enxágue: remoção das sujeiras e resíduos de detergentes
  • 9. DesinfecçãoDesinfecção • imersão em meio efetivo para eliminação dos microrganismos que tenham permanecido após lavagem com detergente • realizada em cuba ou tanque com água clorada (100 a 200ppm de cloro ativo por 10 a 15 min) • enxágue com água potável, contendo 2 a 5ppm de cloro para eliminação dos resíduos
  • 10. DescascamentoDescascamento • manual: lento e oneroso, causa perda de parte do produto • mecânico ou lixívia: raízes, tubérculos e bulbos (batata, cenoura, beterraba, cebola) • lixívia: pêssegos, tomates (requer alto suprimento de água, hidróxido de sódio e fonte de calor • após descascamento: podem ser realizadas aparas e retirada de miolos ou talos, antes do corte
  • 12. CorteCorte • redução do produto em peças menores, com tamanho e forma definidos • IMPORTANTE: causa danos mecânicos às células, provocando aumento na respiração dos tecidos e tornando-os mais susceptíveis à deterioração microbiana e oxidação • utilizar aparelhos ou facas afiadas para promover injúria nos tecidos
  • 13. SanitizaçãoSanitização 1.Colocar imediatamente sob refrigeração a 4o C após o corte 2.Sanitização com água clorada observando- se a concentração de cloro recomendada 3.Condições de sanitização de podutos: • 100 a 200ppm de cloro ativo/L água • 5 a 10L de água/kg de produto • Temperatura de água: 4o C • Tempo de imersão: 2 a 5 min • Enxágue com água tratada 2 a 5mg de cloro ativo/L
  • 14. Fonte: Youtobe / Programa dia de campo na tv
  • 15. Aditivos químicosAditivos químicos utilizados para retardar o crescimento superficial de leveduras, mofos, bactérias, e manter características de cor e sabor
  • 16. Aditivos mais utilizadosAditivos mais utilizados AntioxidantesAntioxidantes • evitam escurecimento enzimático, perda de sabor e aroma, amaciamento dos tecidos e perda da qualidade nutricional • ácido ascórbico e isoascórbico, metabissulfito, ácido cítrico, EDTA (ácido-etileno-diamino-tetracético)
  • 17. Aditivos mais utilizadosAditivos mais utilizados AcidulantesAcidulantes • abaixam o pH (principalmente em produtos com pH entre 5 e 7, onde deterioração microbiana é mais rápida) • ácido cítrico, málico, láctico e tartárico
  • 18. Aditivos mais utilizadosAditivos mais utilizados Agentes quelantesAgentes quelantes • ligam-se a metais e atuam na prevenção de reações oxidativas •EDTA, metabissulfito
  • 19. Aditivos mais utilizadosAditivos mais utilizados ConservantesConservantes • inibem ou reduzem o desenvolvimento de leveduras, fungos e bactérias na superfície dos produtos
  • 20. CentrifugaçãoCentrifugação • remoção da água de lavagem e líquido exsudado do produto • realizada em poucos minutos • evitar secagem excessiva – ressecamento e murchamento
  • 21. EmbalagemEmbalagem filmes plásticos, bandejas, PET • função: preservar as qualidades do produto • ATM modificada: controle de O2, CO2 e N •passiva: envolve o produto com embalagem plástica com menor permeabilidade de O2 e CO2. Atmosfera modifica com respiração do produto •ativa: injeção de ATM controlada •vácuo: retirada do ar. Embalagem impermeável a O2, gases e vapor
  • 22. Uso de atmosfera modificadaUso de atmosfera modificada • complemento à refrigeração • redução de perdas • facilidade de manuseio • proteção contra injúrias mecânicas • facilidade para identificação (informações e marca) • agregação de valor
  • 24. Refrigeração é fundamental para a manutenção da qualidade e conservação dos produtos minimamente processados Q10= a cada 10o C de aumento da temperatura a velocidade das reações metabólicas (respiração, perda de gás, produção de etileno e deterioração) aumenta em duas a três vezes Q10= 2 a 3x Válido para hortaliças intactas, processadas Q10 é sempre maior
  • 25. Efeitos da refrigeração Redução da respiração Redução da perda de água Redução da produção de etileno Redução da deterioração microbiana Redução no escurecimento Benefícios práticos Manutenção da qualidade (redução de perdas) Aumento no período de conservação Evita a necessidade de comercialização imediata Regularização da oferta de mercado
  • 26. ALGUNS EXEMPLOS DOALGUNS EXEMPLOS DO PRODUTOS MINIMAMENTEPRODUTOS MINIMAMENTE PROCESSADOSPROCESSADOS Alface O produto minimamente processado não possui grandes sofisticações tecnológicas: resumidamente, ele é lavado, selecionado, fracionado e colocado em sacos plásticos transparentes, já pronto para uso imediato.
  • 27. Mandioca Este produto ainda não é muito encontrado, mesmo possuindo um potencial para o processamento mínimo. O tubérculo pode fracionado e descascado em porções menores; em alguns casos, sofre um pré-cozimento; o produto assim adquirido é integral e pronto para preparar os pratos desejados.
  • 28. Couve Esta folhosa rica em nutrientes e vitaminas também pode ser processada: picada e embalada fica pronta para o consumo em saladas ou mesmo para receitas cozidas.
  • 29. Cheiro verde O chamado "cheiro verde" (salsinha, cebolinha, etc.) pode ser desidratado, picado e embalado. O processo não diminui a qualidade aromática e aumenta a vida útil do produto.
  • 30. Cenoura A cenoura, ao invés de comercializada "in natura", pode ser vendida lavada, picada ou ralada e embalada, facilitando sua utilização em saladas, pratos, bolos, doces, etc.
  • 31. Couve-flor A cabeça de couve-flor pode ser lavada, picada e embalada em pedaços, em bandejas de isopor envoltas em filme de polietileno.
  • 32. Brócolis Brócolis de granulação fina (também conhecidos como brócolis- japonês) podem ter suas cabeças lavadas, picadas e embaladas em pedaços, em bandejas de isopor envoltas em filme de polietileno, à semelhança do que se faz com couve-flor.
  • 33. Milho-verde Espigas de milho verde podem ser descascadas, limpas (eliminação dos estigmas ou "cabelos"), e embaladas em bandejas de isopor cobertas com filme de polietileno (em geral 3 espigas por bandeja).
  • 35. Bibliografia: • Moretti, Celso Luiz Manual de Processamento Mínimo de Frutas e Hortaliças / Celso Luiz Moretti — Brasília : Embrapa Hortaliças, 2007. • GOMES, C.A.O.; ALVARENGA, A.L.B.; JUNIOR, M.F.; CENCI, S.A. Hortaliças Minimamente Processadas. Brasília, D.F.: Embrapa Informação Tecnológica, 2005, 34 p. (Coleção Agroindústria Familiar). • NASCIMENTO, Edson F.; MOLICA, Eliane M.; MORAES, Julio S. Vegetais minimamente processados (mercado e produção). Brasília: 2000, EMATER/DF. 53 p. • PAZINATO, Beatriz Cantusio. Vegetais minimamente processados. www. Cati.sp.gob.br/ddr/veg.min.proces.htm. Acesso em 20/03/2003. • WILEY, Robert C. Frutas y hortalizas minimamente procesadas y refrigeradas. Editorial Acribia S.A. 1997. 361 p.
  • 36. FIM Tecnologia de Frutas e Hortalíças - Prof. Márcio José Salvestro Etec Rubens de Faria e Souza – Sorocaba SP

Notas do Editor

  1. A disponibilidade de água é um dos fatores mais importantes para a manutenção da vida no nosso planeta, assim como a presença de macronutrientes como carboidratos, proteínas, lipídeos; micronutrientes como vitaminas e minerais e a qualidade do ar. O conjunto desses fatores em quantidade e qualidade adequadas é responsável pela manutenção do equilíbrio fisiológico da vida. Assim como nós, os microorganismos necessitam de água para a sua manutenção. Ela, como solvente universal, serve, por exemplo, para transportar os nutrientes para todo o espaço intracelular e para solubilizar nutrientes que na sua forma original não poderiam ser aproveitados pelos microorganismos. A conservação por controle de umidade consiste na retirada de água do alimento, ou seja, a sua desidratação. Azeredo (2004), afirma que o objetivo principal da redução da atividade de água de alimentos é a redução das taxas de alterações microbiológicas. Existem, ainda, outros objetivos adicionais, como a redução de alterações químicas, a redução de custos com embalagem, transporte e distribuição, além da conveniência.
  2. A disponibilidade de água é um dos fatores mais importantes para a manutenção da vida no nosso planeta, assim como a presença de macronutrientes como carboidratos, proteínas, lipídeos; micronutrientes como vitaminas e minerais e a qualidade do ar. O conjunto desses fatores em quantidade e qualidade adequadas é responsável pela manutenção do equilíbrio fisiológico da vida. Assim como nós, os microorganismos necessitam de água para a sua manutenção. Ela, como solvente universal, serve, por exemplo, para transportar os nutrientes para todo o espaço intracelular e para solubilizar nutrientes que na sua forma original não poderiam ser aproveitados pelos microorganismos. A conservação por controle de umidade consiste na retirada de água do alimento, ou seja, a sua desidratação. Azeredo (2004), afirma que o objetivo principal da redução da atividade de água de alimentos é a redução das taxas de alterações microbiológicas. Existem, ainda, outros objetivos adicionais, como a redução de alterações químicas, a redução de custos com embalagem, transporte e distribuição, além da conveniência.
  3. A disponibilidade de água é um dos fatores mais importantes para a manutenção da vida no nosso planeta, assim como a presença de macronutrientes como carboidratos, proteínas, lipídeos; micronutrientes como vitaminas e minerais e a qualidade do ar. O conjunto desses fatores em quantidade e qualidade adequadas é responsável pela manutenção do equilíbrio fisiológico da vida. Assim como nós, os microorganismos necessitam de água para a sua manutenção. Ela, como solvente universal, serve, por exemplo, para transportar os nutrientes para todo o espaço intracelular e para solubilizar nutrientes que na sua forma original não poderiam ser aproveitados pelos microorganismos. A conservação por controle de umidade consiste na retirada de água do alimento, ou seja, a sua desidratação. Azeredo (2004), afirma que o objetivo principal da redução da atividade de água de alimentos é a redução das taxas de alterações microbiológicas. Existem, ainda, outros objetivos adicionais, como a redução de alterações químicas, a redução de custos com embalagem, transporte e distribuição, além da conveniência.
  4. A disponibilidade de água é um dos fatores mais importantes para a manutenção da vida no nosso planeta, assim como a presença de macronutrientes como carboidratos, proteínas, lipídeos; micronutrientes como vitaminas e minerais e a qualidade do ar. O conjunto desses fatores em quantidade e qualidade adequadas é responsável pela manutenção do equilíbrio fisiológico da vida. Assim como nós, os microorganismos necessitam de água para a sua manutenção. Ela, como solvente universal, serve, por exemplo, para transportar os nutrientes para todo o espaço intracelular e para solubilizar nutrientes que na sua forma original não poderiam ser aproveitados pelos microorganismos. A conservação por controle de umidade consiste na retirada de água do alimento, ou seja, a sua desidratação. Azeredo (2004), afirma que o objetivo principal da redução da atividade de água de alimentos é a redução das taxas de alterações microbiológicas. Existem, ainda, outros objetivos adicionais, como a redução de alterações químicas, a redução de custos com embalagem, transporte e distribuição, além da conveniência.
  5. A disponibilidade de água é um dos fatores mais importantes para a manutenção da vida no nosso planeta, assim como a presença de macronutrientes como carboidratos, proteínas, lipídeos; micronutrientes como vitaminas e minerais e a qualidade do ar. O conjunto desses fatores em quantidade e qualidade adequadas é responsável pela manutenção do equilíbrio fisiológico da vida. Assim como nós, os microorganismos necessitam de água para a sua manutenção. Ela, como solvente universal, serve, por exemplo, para transportar os nutrientes para todo o espaço intracelular e para solubilizar nutrientes que na sua forma original não poderiam ser aproveitados pelos microorganismos. A conservação por controle de umidade consiste na retirada de água do alimento, ou seja, a sua desidratação. Azeredo (2004), afirma que o objetivo principal da redução da atividade de água de alimentos é a redução das taxas de alterações microbiológicas. Existem, ainda, outros objetivos adicionais, como a redução de alterações químicas, a redução de custos com embalagem, transporte e distribuição, além da conveniência.
  6. A disponibilidade de água é um dos fatores mais importantes para a manutenção da vida no nosso planeta, assim como a presença de macronutrientes como carboidratos, proteínas, lipídeos; micronutrientes como vitaminas e minerais e a qualidade do ar. O conjunto desses fatores em quantidade e qualidade adequadas é responsável pela manutenção do equilíbrio fisiológico da vida. Assim como nós, os microorganismos necessitam de água para a sua manutenção. Ela, como solvente universal, serve, por exemplo, para transportar os nutrientes para todo o espaço intracelular e para solubilizar nutrientes que na sua forma original não poderiam ser aproveitados pelos microorganismos. A conservação por controle de umidade consiste na retirada de água do alimento, ou seja, a sua desidratação. Azeredo (2004), afirma que o objetivo principal da redução da atividade de água de alimentos é a redução das taxas de alterações microbiológicas. Existem, ainda, outros objetivos adicionais, como a redução de alterações químicas, a redução de custos com embalagem, transporte e distribuição, além da conveniência.
  7. A disponibilidade de água é um dos fatores mais importantes para a manutenção da vida no nosso planeta, assim como a presença de macronutrientes como carboidratos, proteínas, lipídeos; micronutrientes como vitaminas e minerais e a qualidade do ar. O conjunto desses fatores em quantidade e qualidade adequadas é responsável pela manutenção do equilíbrio fisiológico da vida. Assim como nós, os microorganismos necessitam de água para a sua manutenção. Ela, como solvente universal, serve, por exemplo, para transportar os nutrientes para todo o espaço intracelular e para solubilizar nutrientes que na sua forma original não poderiam ser aproveitados pelos microorganismos. A conservação por controle de umidade consiste na retirada de água do alimento, ou seja, a sua desidratação. Azeredo (2004), afirma que o objetivo principal da redução da atividade de água de alimentos é a redução das taxas de alterações microbiológicas. Existem, ainda, outros objetivos adicionais, como a redução de alterações químicas, a redução de custos com embalagem, transporte e distribuição, além da conveniência.