SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA - DCET CAMPUS II –
                        ALAGOINHAS
                  DOCENTE: CLÁUDIA REGINA
  DISCENTES: PAULA GABRIELE FREITAS E CHARLENE RODRIGUES

                       PLANO DE AULA SEMANAL III


COLÉGIO ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA
REGENTE: ANTONIETA NUNES
SÉRIE: 2º ANO TURMA: 01 VESPERTINO - ENSINO MÉDIO
DATA: 02/11/2010 e 05/11/2010
CARGA HORÁRIA: 2 H/ AULA



  TEMA
                   •   Moluscos
                   •   Anelídeos


OBJETIVOS

  ⇒ Conhecer as principais características morfológicas desses animais;
  ⇒ Comparar as características dessa classe como os invertebrados e já
     estudados;
  ⇒ Reconhecer a importância desses animais para o ecossistema

CONTEÚDOS CONCEITUAIS

     ⇒      Conhecimento das características morfológicas desses animais;
     ⇒      Comparação com os outros invertebrados já estudados;
     ⇒      Descrição de suas características principais e modo de
     reprodução;


CONTEÚDOS PROCEDIMENTAIS

  ⇒ Investigação bibliográfica sobre os Moluscos e Anelídeos;
  ⇒ Participação na exposição oral;
⇒ Observações das características das estruturas corpóreas desses
      animais, nas figuras.

CONTEÚDOS ATITUDINAIS

   ⇒ Valorização do conhecimento desses animais para cotidiano;
   ⇒ Respeito a estes animais;



PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

Aula expositiva dialógica com demonstração didática
Técnica
   ⇒ Estudo dirigido

Seqüência Didática
  ⇒ Na aula do dia 02/11/2010 será em um feriado, sendo assim não haverá
     nesse dia, para não atrasar as atividades da IV unidade solicitarei aos
     alunos um estudo dirigido, o qual valerá nota e servirá de para que eles
     tenham um conhecimento prévio antes da aula expositiva.
  ⇒ Na aula do dia 05/11/2010. Inicialmente colocarei no quadro as
     principais características dos Moluscos e Anelídeos;
  ⇒ Recolherei o estudo dirigido solicitado;
  ⇒ Em seguida, começarei a explanar sobre o assunto (Moluscos e
     Anelídeos);
  ⇒ Falarei sobre a origem desses animais, desenvolvimento dos membros e
     suas estruturas;
  ⇒ Farei a chamada;


RECURSOS

   ⇒ Quadro branco;
   ⇒ Piloto;
   ⇒ Figuras e desenhos;
   ⇒ Apostila para aprofundamento dos conteúdos;




AVALIAÇÃO


   ⇒ Estudo dirigido.
REFERÊNCIAS

Lopes, S. Bio – Volume Único – São Paulo, Saraiva, 2004.


OBSERVAÇÕES

Charlene
 A aula foi bem produtiva, apesar de boa parte dos alunos faltarem. Como eles
já haviam feito uma atividade anteriormente, eles já conheciam parte do
assunto e sentir que eles tinham mais dificuldade com as termologias, então
sugerir que eles fizessem um glossário.

Paula
Uma boa parte dos alunos desenvolveu a atividade solicitada, outros por já
estarem passados na disciplina não fizeram. O estudo dirigido foi à primeira
atividade avaliativa, substituindo as aulas do dia 02 e 05 de novembro.


ANEXOS:

Colégio Estadual de Feira de Santana
Disciplina: Biologia
Professora Estagiária: Paula Freitas
Aluno (a):

2º ano               Turma: 01



                                   Apontamento 1


                                    Anelídeos

        Muito comuns nas hortas e terrenos úmidos, as minhocas estão entre os mais
conhecidos anelídeos. O húmus, camada fértil do solo, é em grande parte produto da
ação das minhocas, por isso chamadas de "arados da natureza".
        Os anelídeos constituem um filo do reino animal que compreende os vermes
mais evoluídos. Seu nome deriva do fato de ter o corpo dividido em segmentos ou
"anéis", peculiaridade que o aproxima dos artrópodes, também segmentados. As
semelhanças entre anelídeos e artrópodes levaram alguns autores a reunir os dois grupos
em um único filo, o dos articulados.
        Acredita-se que os anelídeos primitivos tinham o corpo constituído de
segmentos iguais, com os mesmos órgãos. De fato, mesmo nos anelídeos atuais, todos
os segmentos são atravessados pelo tubo digestivo e pelos vasos sangüíneos
longitudinais. Apresentam um par de nefrídios, uma ampla cavidade celomática e um
par de gânglios nervosos unidos aos dos outros segmentos por nervos longitudinais.
Entretanto, a segmentação nunca é totalmente homogênea, pela tendência de alguns
órgãos a se concentrarem em certos segmentos. Assim, os órgãos reprodutivos ficam
geralmente confinados à região mediana do corpo, e os sensoriais, à região anterior
(cefálica).
                                   Morfologia

        O aspecto exterior dos anelídeos varia bastante, conforme a classe, desde a
aparência lisa e homogênea das minhocas e sanguessugas, até os exuberantes penachos
e cabeleiras formados pelas brânquias e órgãos coletores de alimentos de certos
poliquetos tubícolas. No primeiro segmento encontra-se a boca e no último o ânus.
Essas aberturas delimitam o trajeto do tubo digestivo.
        O aparelho digestivo apresenta morfologia variada, conforme os hábitos
alimentares. O aparelho circulatório é basicamente formado por um vaso longitudinal
dorsal, sobre o tubo digestivo, e por dois vasos longitudinais ventrais, um deles situado
sob o tubo digestivo e outro sob o cordão nervoso. A respiração ocorre, em alguns, em
redes capilares nas paredes do corpo (minhocas); em outros, através de contrações
musculares, e a troca gasosa ocorre nas paredes do intestino terminal. O aparelho
excretor é formado por uma série de tubos, com uma extremidade aberta para o exterior
e a outra, para o celoma.
        O padrão do sistema nervoso é o mesmo em todos os anelídeos e os órgãos dos
sentidos refletem o tipo de vida que leva o animal: são mais desenvolvidos em alguns
(sanguessugas e poliquetos) e menos em outros, como as minhocas, que têm vida
subterrânea. Os poliquetos, na maioria dos casos, têm sexos separados, enquanto os
demais anelídeos são hermafroditas. Salvo raríssimas exceções, a fecundação dos
poliquetos é externa. Os gametas são descarregados na água, onde ocorre a fecundação.
Nos anelídeos hermafroditas, ocorre a cópula e troca de espermatozóides entre os
parceiros. A fecundação, todavia, se dá posteriormente, quando os espermatozóides
recebidos pelo animal e armazenados em receptáculos seminais fecundam seus óvulos.

                                     Classificação

        Na maioria dos anelídeos, a superfície do corpo apresenta cerdas, o que serve de
base para a divisão do filo em três classes: poliquetos, oligoquetos e aquetos.
        Poliquetos. Com grandes tufos de cerdas (parápodes) implantadas em expansões
laterais do corpo, os poliquetos são, em geral, marinhos, mas existem alguns de água
doce.
        Oligoquetos. Apresentando em cada segmento uma fileira circular de cerdas
curtas, muitas vezes incompletas, os oligoquetos compreendem os anelídeos
vulgarmente chamados de minhocas, cujo tamanho também varia de milímetros até
cerca de dois metros, como nos minhocuçus (família dos megascolecídeos) das florestas
brasileiras.
        Aquetos. Mais freqüentemente denominados hirudíneos e, vulgarmente,
sanguessugas, os aquetos não apresentam cerdas e sua segmentação é menos nítida. São
predadores ou parasitas, vivem principalmente à custa do sangue de seus hospedeiros,
que sugam com uma ventosa instalada ao redor da boca.


Colégio Estadual de Feira de Santana
Disciplina: Biologia
Professora Estagiária: Paula Freitas
Aluno (a):
2º ano               Turma: 01



                                    Apontamento 2


                                     Moluscos

        Encontrados nos mais diferentes habitats, desde oceanos profundos até altas
montanhas, os moluscos constituem um dos mais diversificados filos animais. Foram
descritas mais de 75.000 espécies vivas -- tão variadas quanto o caracol, o polvo e a
ostra -- e 35.000 fósseis, o que indica que o filo tem sido muito bem-sucedido ao longo
da evolução.
        Moluscos são animais invertebrados dotados de celoma (cavidade situada entre a
parede do corpo e os órgãos internos) e constituídos, em sua maior parte, por três
regiões corporais: cabeça (inexistente nos bivalves e em certos grupos de estrutura
rudimentar); massa visceral, com os órgãos mais importantes, que é envolvida por um
manto carnoso mole, revestido, na maioria das espécies, por uma concha calcária; e pé,
musculoso e de finalidade locomotora.
        Depois dos artrópodes, os moluscos constituem o filo mais importante de
animais invertebrados, tanto pelo número de espécies, quanto pelo desenvolvimento e a
perfeição alcançados por alguns de seus sistemas orgânicos. Presentes nos mais antigos
estratos geológicos em que se encontraram vestígios de vida animal, disseminaram-se
por todos os mares, deixando fósseis característicos em diversos períodos da história
geológica.

                                      Morfologia

         Em alguns moluscos, como os cefalópodes (polvos e lulas, entre outros), o pé se
transformou, ao longo da evolução, num conjunto de tentáculos providos de ventosas.
Em muitos gastrópodes terrestres, como os caramujos e caracóis, o pé é a massa
muscular e viscosa que se arrasta pelo solo, última parte a se introduzir na concha
quando há situação de perigo.
        As camadas externas do corpo formam, na região dorsal, uma prega ou manto
que segrega a concha -- estrutura mineralizada cuja função é proteger o molusco. Dos
diversos componentes da concha, no máximo noventa por cento são substâncias
inorgânicas, principalmente carbonato de cálcio.
         Os moluscos terrestres, como caracóis e lesmas, têm pulmões que os habilitam a
respirar o oxigênio do ar. As espécies aquáticas respiram por brânquias.
         No tegumento, ou tecido de revestimento, há células portadoras de pigmentos
denominadas cromatóforos, que, por contração ou dilatação, provocam mudanças na
coloração do animal. Aparecem também numerosas glândulas, algumas delas capazes de
emitir radiações luminosas, como os fotóforos dos cefalópodes, e outras que elaboram
substâncias coloridas sob a ação da luz, como a púrpura dos múrices, muito apreciada
pelos antigos povos mediterrâneos.
         O aparelho digestivo se compõe de boca, em geral com uma rádula ou "língua"
quitinosa e áspera para ralar alimentos; esôfago e estômago, este último com um estilete
cristalino ou formação mucóide que mistura as partículas nutritivas; hepatopâncreas,
glândula que segrega enzimas digestivas; e intestino, que termina no ânus.
        O sangue contém diferentes pigmentos que transportam o oxigênio do exterior
para os tecidos orgânicos. O coração vai desde uma simples invaginação do pericárdio,
nos escafópodes, até um órgão bem diferenciado, nos cefalópodes, nos quais é
inteiramente arterial e tem um ventrículo mediano e de duas a quatro aurículas. A
circulação, que é essencialmente lacunar nos moluscos inferiores, efetua-se por um
sistema completo de vasos, nos cefalópodes. Geralmente incolor com amebócitos, o
sangue pode ser também azulado, devido ao pigmento hemocianina, ou vermelho, cor
que resulta da hemoglobina, presente em aplacóforos, alguns bivalves e poucos
gastrópodes. O volume do sangue em bivalves e gastrópodes permite a manutenção da
turgescência das diversas partes do tegumento.
        O sistema nervoso apresenta uma série de massas ganglionares, conectadas
entre si e com os gânglios cerebrais, as quais se incumbem de estimular a atividade de
diferentes partes do corpo. Nos polvos, a massa cerebróide adquire grande volume e os
capacita à aprendizagem de numerosas situações importantes à sobrevivência.
Paralelamente ao desenvolvimento cerebral, distinguem-se nos polvos olhos muito
complexos, formados de câmaras, que os dotam de notável visão, fato relacionado ao
tipo de vida eminentemente ativa e predadora desses cefalópodes.
        A reprodução é sexuada e os sexos freqüentemente estão separados, à exceção
de alguns gastrópodes e bivalves, nos quais se registra hermafroditismo (cada indivíduo
tem ao mesmo tempo órgãos reprodutores femininos e masculinos). Os moluscos
marinhos apresentam um estágio larvar característico, a chamada larva trocófora, que
tem aparência cônica e é dotada de numerosos cílios, com os quais produz correntes na
água para se deslocar.

                                     Classificação

        A maioria dos moluscos pertence a uma de três grandes classes: a dos
gastrópodes, que compreende os caracóis terrestres e marinhos; a dos bivalves, também
chamados de lamelibrânquios ou pelecípodes, com espécies representativas como as
ostras e os mexilhões; e a dos cefalópodes, que inclui principalmente polvos e lulas.
        Gastrópodes. Os gastrópodes apresentam cabeça bem diferenciada, com
tentáculos tácteis e outros nos quais se dispõem os olhos. Têm o pé muito típico, grosso
e proeminente, sobre o qual se assenta a massa visceral, encerrada na concha.
        Bivalves. Em sua maior parte, os bivalves -- ou pelecípodes -- são marinhos.
Sua concha se constitui de duas valvas que se fecham como tampas graças à contração
dos chamados músculos adutores; a articulação das valvas se processa mediante a
charneira, freqüentemente denteada, que as mantém unidas.
        Cefalópodes. A classe dos cefalópodes congrega espécies habituais em alto-mar,
capazes de se deslocarem por propulsão, até mesmo em águas profundas, graças à forte
emissão de líquido através de um sifão.


Colégio Estadual de Feira de Santana
Professora Estagiária: Paula Freitas
Disciplina: Biologia
Aluno (a):
2º ano                     Turma: 01
Estudo Dirigido


Assunto: Mollusco e Annelida

1. Descreva a organização básica do corpo de um Mollusco hipotético.

2. Explique o que é rádula e o que é manto. Qual é a função dessas estruturas?

3. Qual classe de Mollusco não possui rádula? Como a maioria dos animais pertencentes
a essa classe obtém alimento.

4. Explique como são e como atuam as estruturas responsáveis pelas trocas gasosas e
pela excreção nos moluscos.

5. Diferencie sistema circulatório aberto e sistema circulatório fechado. Diga quais,
dentre os moluscos, são os grupos que possuem sistema circulatório aberto e quais
possuem sistema fechado.

6. Construa uma tabela resumindo as classes do filo Mollusca mencionadas neste
capítulo, suas características e seus exemplos.

Classes                      Características               Exemplos




7. Caracterize o filo Annelida.

8. Diga como são os sistemas digestório, circulatório, excretor e nervoso dos anelídeos.

9. Compare o modo como os anelídeos efetuam as trocas gasosas como o que ocorre nos
platelmintos, nos nematódeos e nos moluscos.

10. Construa uma tabela resumindo as classes do filo anelídeos mencionadas neste
capítulo, suas características e seus exemplos.

Classes                           Características            Exemplos
11. A minhoca é hermafrodita. O sistema reprodutor masculino possui:
    • Testículo (produzem espermatozóides);
    • Vesículas seminais (recebem os espermatozóides produzidos pelo testículo do
       mesmo animal);
    • Espermioduto, duto que conduz os espermatozóides armazenados nas vesículas
       seminais até o poro genital masculino;
    • Poro genital masculino, abertura por onde os espermatozóides armazenados nas
       vesículas seminais até o poro genital masculino;

   O sistema reprodutor feminino é formado por:
   • Ovário, onde a produção de ovócitos;
   • Oviduto, duto que conduz os ovócitos até o poro genital feminino;
   • Poro genital femenino, abertura por onde os ovócitos saem do corpo da
       minhoca.

Além dessas estruturas, existem os receptáculos seminais ou espermatecas, pequenas
reentrâncias na parede externa do corpo da minhoca e que armazenam os
espermatozóides do parceiro. Analise esses conhecimentos e descreva de forma
resumida a reprodução em minhocas., junto a um desenho.

12. Explique como os húmus são produzidos e qual a importância dele para as plantas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

IV.5 mamíferos
IV.5 mamíferosIV.5 mamíferos
IV.5 mamíferos
Rebeca Vale
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
Nelson Costa
 
IV.2 Anfíbios
IV.2 AnfíbiosIV.2 Anfíbios
IV.2 Anfíbios
Rebeca Vale
 
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
Janaina Alves
 
VI.1 Sistema ósseo
VI.1 Sistema ósseoVI.1 Sistema ósseo
VI.1 Sistema ósseo
Rebeca Vale
 
Os invertebrados
Os invertebrados Os invertebrados
Os invertebrados
unhadecorada
 
Plano de aula 1 poriferos e cnidários
Plano de aula 1  poriferos e cnidáriosPlano de aula 1  poriferos e cnidários
Plano de aula 1 poriferos e cnidários
familiaestagio
 
Tecidos do corpo humano
Tecidos do corpo humanoTecidos do corpo humano
Tecidos do corpo humano
Lilia Nascimento
 
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e NematelmintosIII.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
Rebeca Vale
 
Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)
Leonardo Kaplan
 
Roteiros de aulas práticas roteiro 1 microscópio óptico
Roteiros de aulas práticas roteiro 1 microscópio ópticoRoteiros de aulas práticas roteiro 1 microscópio óptico
Roteiros de aulas práticas roteiro 1 microscópio óptico
Célia Maria Antunes
 
Aula citologia
Aula citologiaAula citologia
Aula citologia
Adrianne Mendonça
 
II. 1 As células
II. 1 As célulasII. 1 As células
II. 1 As células
Rebeca Vale
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
Killer Max
 
Cordados
CordadosCordados
Cordados
emanuel
 
IV.4 aves
IV.4 avesIV.4 aves
IV.4 aves
Rebeca Vale
 
7º ano cap 18 equinodermos
7º ano  cap 18 equinodermos7º ano  cap 18 equinodermos
7º ano cap 18 equinodermos
ISJ
 
Especiação
EspeciaçãoEspeciação
Especiação
URCA
 
Aula sobre células
Aula sobre célulasAula sobre células
Aula sobre células
cienciasdinamica
 
Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivosRelações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos
Silvana Sanches
 

Mais procurados (20)

IV.5 mamíferos
IV.5 mamíferosIV.5 mamíferos
IV.5 mamíferos
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
 
IV.2 Anfíbios
IV.2 AnfíbiosIV.2 Anfíbios
IV.2 Anfíbios
 
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
Aula - Anfíbios e Répteis (7° ano)
 
VI.1 Sistema ósseo
VI.1 Sistema ósseoVI.1 Sistema ósseo
VI.1 Sistema ósseo
 
Os invertebrados
Os invertebrados Os invertebrados
Os invertebrados
 
Plano de aula 1 poriferos e cnidários
Plano de aula 1  poriferos e cnidáriosPlano de aula 1  poriferos e cnidários
Plano de aula 1 poriferos e cnidários
 
Tecidos do corpo humano
Tecidos do corpo humanoTecidos do corpo humano
Tecidos do corpo humano
 
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e NematelmintosIII.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
 
Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (invertebrados)
 
Roteiros de aulas práticas roteiro 1 microscópio óptico
Roteiros de aulas práticas roteiro 1 microscópio ópticoRoteiros de aulas práticas roteiro 1 microscópio óptico
Roteiros de aulas práticas roteiro 1 microscópio óptico
 
Aula citologia
Aula citologiaAula citologia
Aula citologia
 
II. 1 As células
II. 1 As célulasII. 1 As células
II. 1 As células
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Cordados
CordadosCordados
Cordados
 
IV.4 aves
IV.4 avesIV.4 aves
IV.4 aves
 
7º ano cap 18 equinodermos
7º ano  cap 18 equinodermos7º ano  cap 18 equinodermos
7º ano cap 18 equinodermos
 
Especiação
EspeciaçãoEspeciação
Especiação
 
Aula sobre células
Aula sobre célulasAula sobre células
Aula sobre células
 
Relações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivosRelações ecológicas entre seres vivos
Relações ecológicas entre seres vivos
 

Semelhante a Plano de aula 3 moluscos e anelideos

Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago SouzaTrabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
Janaina Luciane Fraga
 
Trabalho de biologia
Trabalho de biologiaTrabalho de biologia
Trabalho de biologia
Roberto Bagatini
 
Agnatha atuais e Chondrichthyes
Agnatha atuais e ChondrichthyesAgnatha atuais e Chondrichthyes
Agnatha atuais e Chondrichthyes
Guellity Marcel
 
Plano de aula 7 aves e mamiferos
Plano de aula 7 aves e mamiferosPlano de aula 7 aves e mamiferos
Plano de aula 7 aves e mamiferos
familiaestagio
 
Plano de aula 7 aves e mamiferos
Plano de aula 7 aves e mamiferosPlano de aula 7 aves e mamiferos
Plano de aula 7 aves e mamiferos
familiaestagio
 
Moluscos, anelídeos e nematelmintos
Moluscos, anelídeos e nematelmintosMoluscos, anelídeos e nematelmintos
Moluscos, anelídeos e nematelmintos
supertrabalhos4
 
Origem, evolução e filogenia de Chordata e Craniata
Origem, evolução e filogenia de Chordata e CraniataOrigem, evolução e filogenia de Chordata e Craniata
Origem, evolução e filogenia de Chordata e Craniata
Guellity Marcel
 
Moluscos1
Moluscos1Moluscos1
Moluscos1
Gaspar Neto
 
Artópodes e Equinodermos
Artópodes e EquinodermosArtópodes e Equinodermos
Artópodes e Equinodermos
Naira Silva
 
APOSTILA ZOOLOGIA PARTE 2
APOSTILA ZOOLOGIA PARTE 2APOSTILA ZOOLOGIA PARTE 2
APOSTILA ZOOLOGIA PARTE 2
Alexandre Pusaudse
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidários Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
Natalia Mikaele Vasconcellos
 
AULA ANIMAIS.pptx
AULA ANIMAIS.pptxAULA ANIMAIS.pptx
AULA ANIMAIS.pptx
GabrielGomes556466
 
Invertebrados marinhos 1o b
Invertebrados marinhos 1o bInvertebrados marinhos 1o b
Invertebrados marinhos 1o b
SESI 422 - Americana
 
Os grandes filos dos metazmetazoidesoários (1).ppt
Os grandes filos dos metazmetazoidesoários (1).pptOs grandes filos dos metazmetazoidesoários (1).ppt
Os grandes filos dos metazmetazoidesoários (1).ppt
Rogério Manuel Sousa Macieira
 
Os grandes filos dos metazoários.ppt
Os grandes filos dos metazoários.pptOs grandes filos dos metazoários.ppt
Os grandes filos dos metazoários.ppt
LucasDeOliveira151637
 
43197 1322499050924
43197 132249905092443197 1322499050924
43197 1322499050924
Estevam de Angelo
 
Plano de aula 6 anfíbios e repteis
Plano de aula 6 anfíbios e repteisPlano de aula 6 anfíbios e repteis
Plano de aula 6 anfíbios e repteis
familiaestagio
 
Plano de aula 6 anfíbios e repteis
Plano de aula 6 anfíbios e repteisPlano de aula 6 anfíbios e repteis
Plano de aula 6 anfíbios e repteis
familiaestagio
 
Crustaceos
CrustaceosCrustaceos
Crustaceos
Altair Hoepers
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
Altair Hoepers
 

Semelhante a Plano de aula 3 moluscos e anelideos (20)

Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago SouzaTrabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
 
Trabalho de biologia
Trabalho de biologiaTrabalho de biologia
Trabalho de biologia
 
Agnatha atuais e Chondrichthyes
Agnatha atuais e ChondrichthyesAgnatha atuais e Chondrichthyes
Agnatha atuais e Chondrichthyes
 
Plano de aula 7 aves e mamiferos
Plano de aula 7 aves e mamiferosPlano de aula 7 aves e mamiferos
Plano de aula 7 aves e mamiferos
 
Plano de aula 7 aves e mamiferos
Plano de aula 7 aves e mamiferosPlano de aula 7 aves e mamiferos
Plano de aula 7 aves e mamiferos
 
Moluscos, anelídeos e nematelmintos
Moluscos, anelídeos e nematelmintosMoluscos, anelídeos e nematelmintos
Moluscos, anelídeos e nematelmintos
 
Origem, evolução e filogenia de Chordata e Craniata
Origem, evolução e filogenia de Chordata e CraniataOrigem, evolução e filogenia de Chordata e Craniata
Origem, evolução e filogenia de Chordata e Craniata
 
Moluscos1
Moluscos1Moluscos1
Moluscos1
 
Artópodes e Equinodermos
Artópodes e EquinodermosArtópodes e Equinodermos
Artópodes e Equinodermos
 
APOSTILA ZOOLOGIA PARTE 2
APOSTILA ZOOLOGIA PARTE 2APOSTILA ZOOLOGIA PARTE 2
APOSTILA ZOOLOGIA PARTE 2
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidários Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
 
AULA ANIMAIS.pptx
AULA ANIMAIS.pptxAULA ANIMAIS.pptx
AULA ANIMAIS.pptx
 
Invertebrados marinhos 1o b
Invertebrados marinhos 1o bInvertebrados marinhos 1o b
Invertebrados marinhos 1o b
 
Os grandes filos dos metazmetazoidesoários (1).ppt
Os grandes filos dos metazmetazoidesoários (1).pptOs grandes filos dos metazmetazoidesoários (1).ppt
Os grandes filos dos metazmetazoidesoários (1).ppt
 
Os grandes filos dos metazoários.ppt
Os grandes filos dos metazoários.pptOs grandes filos dos metazoários.ppt
Os grandes filos dos metazoários.ppt
 
43197 1322499050924
43197 132249905092443197 1322499050924
43197 1322499050924
 
Plano de aula 6 anfíbios e repteis
Plano de aula 6 anfíbios e repteisPlano de aula 6 anfíbios e repteis
Plano de aula 6 anfíbios e repteis
 
Plano de aula 6 anfíbios e repteis
Plano de aula 6 anfíbios e repteisPlano de aula 6 anfíbios e repteis
Plano de aula 6 anfíbios e repteis
 
Crustaceos
CrustaceosCrustaceos
Crustaceos
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
 

Mais de familiaestagio

Portfólio ulisses
Portfólio   ulissesPortfólio   ulisses
Portfólio ulisses
familiaestagio
 
Portfólio daniel
Portfólio   danielPortfólio   daniel
Portfólio daniel
familiaestagio
 
Plano de aula 05
Plano de aula 05Plano de aula 05
Plano de aula 05
familiaestagio
 
Plano de aula 04
Plano de aula 04Plano de aula 04
Plano de aula 04
familiaestagio
 
Plano de aula 04
Plano de aula 04Plano de aula 04
Plano de aula 04
familiaestagio
 
Plano de aula_03[1]
Plano de aula_03[1]Plano de aula_03[1]
Plano de aula_03[1]
familiaestagio
 
Plano de aula 02
Plano de aula 02Plano de aula 02
Plano de aula 02
familiaestagio
 
Plano de aula 01
Plano de aula 01Plano de aula 01
Plano de aula 01
familiaestagio
 
Cronograma cetep iv unidade
Cronograma  cetep iv unidadeCronograma  cetep iv unidade
Cronograma cetep iv unidade
familiaestagio
 
Cronograma cetep iv unidade
Cronograma  cetep iv unidadeCronograma  cetep iv unidade
Cronograma cetep iv unidade
familiaestagio
 
Cronograma
CronogramaCronograma
Cronograma
familiaestagio
 
Planos de unidade corrigido
Planos de unidade corrigidoPlanos de unidade corrigido
Planos de unidade corrigido
familiaestagio
 
Planos de aulas o correto
Planos de aulas  o corretoPlanos de aulas  o correto
Planos de aulas o correto
familiaestagio
 
Plano de unidade adriana fernanades e deiseane meireles
Plano de unidade adriana fernanades e deiseane meirelesPlano de unidade adriana fernanades e deiseane meireles
Plano de unidade adriana fernanades e deiseane meireles
familiaestagio
 
Plano de aula adriana fernandes viii
Plano de aula adriana fernandes viiiPlano de aula adriana fernandes viii
Plano de aula adriana fernandes viii
familiaestagio
 
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
familiaestagio
 
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
familiaestagio
 
Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)
Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)
Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)
familiaestagio
 
Plano de aula adriana fernandes v (teste)
Plano de aula adriana fernandes v (teste)Plano de aula adriana fernandes v (teste)
Plano de aula adriana fernandes v (teste)
familiaestagio
 
Plano aula adriana fernandes iv
Plano aula adriana fernandes ivPlano aula adriana fernandes iv
Plano aula adriana fernandes iv
familiaestagio
 

Mais de familiaestagio (20)

Portfólio ulisses
Portfólio   ulissesPortfólio   ulisses
Portfólio ulisses
 
Portfólio daniel
Portfólio   danielPortfólio   daniel
Portfólio daniel
 
Plano de aula 05
Plano de aula 05Plano de aula 05
Plano de aula 05
 
Plano de aula 04
Plano de aula 04Plano de aula 04
Plano de aula 04
 
Plano de aula 04
Plano de aula 04Plano de aula 04
Plano de aula 04
 
Plano de aula_03[1]
Plano de aula_03[1]Plano de aula_03[1]
Plano de aula_03[1]
 
Plano de aula 02
Plano de aula 02Plano de aula 02
Plano de aula 02
 
Plano de aula 01
Plano de aula 01Plano de aula 01
Plano de aula 01
 
Cronograma cetep iv unidade
Cronograma  cetep iv unidadeCronograma  cetep iv unidade
Cronograma cetep iv unidade
 
Cronograma cetep iv unidade
Cronograma  cetep iv unidadeCronograma  cetep iv unidade
Cronograma cetep iv unidade
 
Cronograma
CronogramaCronograma
Cronograma
 
Planos de unidade corrigido
Planos de unidade corrigidoPlanos de unidade corrigido
Planos de unidade corrigido
 
Planos de aulas o correto
Planos de aulas  o corretoPlanos de aulas  o correto
Planos de aulas o correto
 
Plano de unidade adriana fernanades e deiseane meireles
Plano de unidade adriana fernanades e deiseane meirelesPlano de unidade adriana fernanades e deiseane meireles
Plano de unidade adriana fernanades e deiseane meireles
 
Plano de aula adriana fernandes viii
Plano de aula adriana fernandes viiiPlano de aula adriana fernandes viii
Plano de aula adriana fernandes viii
 
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
 
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
 
Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)
Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)
Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)
 
Plano de aula adriana fernandes v (teste)
Plano de aula adriana fernandes v (teste)Plano de aula adriana fernandes v (teste)
Plano de aula adriana fernandes v (teste)
 
Plano aula adriana fernandes iv
Plano aula adriana fernandes ivPlano aula adriana fernandes iv
Plano aula adriana fernandes iv
 

Plano de aula 3 moluscos e anelideos

  • 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA - DCET CAMPUS II – ALAGOINHAS DOCENTE: CLÁUDIA REGINA DISCENTES: PAULA GABRIELE FREITAS E CHARLENE RODRIGUES PLANO DE AULA SEMANAL III COLÉGIO ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA REGENTE: ANTONIETA NUNES SÉRIE: 2º ANO TURMA: 01 VESPERTINO - ENSINO MÉDIO DATA: 02/11/2010 e 05/11/2010 CARGA HORÁRIA: 2 H/ AULA TEMA • Moluscos • Anelídeos OBJETIVOS ⇒ Conhecer as principais características morfológicas desses animais; ⇒ Comparar as características dessa classe como os invertebrados e já estudados; ⇒ Reconhecer a importância desses animais para o ecossistema CONTEÚDOS CONCEITUAIS ⇒ Conhecimento das características morfológicas desses animais; ⇒ Comparação com os outros invertebrados já estudados; ⇒ Descrição de suas características principais e modo de reprodução; CONTEÚDOS PROCEDIMENTAIS ⇒ Investigação bibliográfica sobre os Moluscos e Anelídeos; ⇒ Participação na exposição oral;
  • 2. ⇒ Observações das características das estruturas corpóreas desses animais, nas figuras. CONTEÚDOS ATITUDINAIS ⇒ Valorização do conhecimento desses animais para cotidiano; ⇒ Respeito a estes animais; PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Aula expositiva dialógica com demonstração didática Técnica ⇒ Estudo dirigido Seqüência Didática ⇒ Na aula do dia 02/11/2010 será em um feriado, sendo assim não haverá nesse dia, para não atrasar as atividades da IV unidade solicitarei aos alunos um estudo dirigido, o qual valerá nota e servirá de para que eles tenham um conhecimento prévio antes da aula expositiva. ⇒ Na aula do dia 05/11/2010. Inicialmente colocarei no quadro as principais características dos Moluscos e Anelídeos; ⇒ Recolherei o estudo dirigido solicitado; ⇒ Em seguida, começarei a explanar sobre o assunto (Moluscos e Anelídeos); ⇒ Falarei sobre a origem desses animais, desenvolvimento dos membros e suas estruturas; ⇒ Farei a chamada; RECURSOS ⇒ Quadro branco; ⇒ Piloto; ⇒ Figuras e desenhos; ⇒ Apostila para aprofundamento dos conteúdos; AVALIAÇÃO ⇒ Estudo dirigido.
  • 3. REFERÊNCIAS Lopes, S. Bio – Volume Único – São Paulo, Saraiva, 2004. OBSERVAÇÕES Charlene A aula foi bem produtiva, apesar de boa parte dos alunos faltarem. Como eles já haviam feito uma atividade anteriormente, eles já conheciam parte do assunto e sentir que eles tinham mais dificuldade com as termologias, então sugerir que eles fizessem um glossário. Paula Uma boa parte dos alunos desenvolveu a atividade solicitada, outros por já estarem passados na disciplina não fizeram. O estudo dirigido foi à primeira atividade avaliativa, substituindo as aulas do dia 02 e 05 de novembro. ANEXOS: Colégio Estadual de Feira de Santana Disciplina: Biologia Professora Estagiária: Paula Freitas Aluno (a): 2º ano Turma: 01 Apontamento 1 Anelídeos Muito comuns nas hortas e terrenos úmidos, as minhocas estão entre os mais conhecidos anelídeos. O húmus, camada fértil do solo, é em grande parte produto da ação das minhocas, por isso chamadas de "arados da natureza". Os anelídeos constituem um filo do reino animal que compreende os vermes mais evoluídos. Seu nome deriva do fato de ter o corpo dividido em segmentos ou "anéis", peculiaridade que o aproxima dos artrópodes, também segmentados. As semelhanças entre anelídeos e artrópodes levaram alguns autores a reunir os dois grupos em um único filo, o dos articulados. Acredita-se que os anelídeos primitivos tinham o corpo constituído de segmentos iguais, com os mesmos órgãos. De fato, mesmo nos anelídeos atuais, todos os segmentos são atravessados pelo tubo digestivo e pelos vasos sangüíneos longitudinais. Apresentam um par de nefrídios, uma ampla cavidade celomática e um par de gânglios nervosos unidos aos dos outros segmentos por nervos longitudinais. Entretanto, a segmentação nunca é totalmente homogênea, pela tendência de alguns
  • 4. órgãos a se concentrarem em certos segmentos. Assim, os órgãos reprodutivos ficam geralmente confinados à região mediana do corpo, e os sensoriais, à região anterior (cefálica). Morfologia O aspecto exterior dos anelídeos varia bastante, conforme a classe, desde a aparência lisa e homogênea das minhocas e sanguessugas, até os exuberantes penachos e cabeleiras formados pelas brânquias e órgãos coletores de alimentos de certos poliquetos tubícolas. No primeiro segmento encontra-se a boca e no último o ânus. Essas aberturas delimitam o trajeto do tubo digestivo. O aparelho digestivo apresenta morfologia variada, conforme os hábitos alimentares. O aparelho circulatório é basicamente formado por um vaso longitudinal dorsal, sobre o tubo digestivo, e por dois vasos longitudinais ventrais, um deles situado sob o tubo digestivo e outro sob o cordão nervoso. A respiração ocorre, em alguns, em redes capilares nas paredes do corpo (minhocas); em outros, através de contrações musculares, e a troca gasosa ocorre nas paredes do intestino terminal. O aparelho excretor é formado por uma série de tubos, com uma extremidade aberta para o exterior e a outra, para o celoma. O padrão do sistema nervoso é o mesmo em todos os anelídeos e os órgãos dos sentidos refletem o tipo de vida que leva o animal: são mais desenvolvidos em alguns (sanguessugas e poliquetos) e menos em outros, como as minhocas, que têm vida subterrânea. Os poliquetos, na maioria dos casos, têm sexos separados, enquanto os demais anelídeos são hermafroditas. Salvo raríssimas exceções, a fecundação dos poliquetos é externa. Os gametas são descarregados na água, onde ocorre a fecundação. Nos anelídeos hermafroditas, ocorre a cópula e troca de espermatozóides entre os parceiros. A fecundação, todavia, se dá posteriormente, quando os espermatozóides recebidos pelo animal e armazenados em receptáculos seminais fecundam seus óvulos. Classificação Na maioria dos anelídeos, a superfície do corpo apresenta cerdas, o que serve de base para a divisão do filo em três classes: poliquetos, oligoquetos e aquetos. Poliquetos. Com grandes tufos de cerdas (parápodes) implantadas em expansões laterais do corpo, os poliquetos são, em geral, marinhos, mas existem alguns de água doce. Oligoquetos. Apresentando em cada segmento uma fileira circular de cerdas curtas, muitas vezes incompletas, os oligoquetos compreendem os anelídeos vulgarmente chamados de minhocas, cujo tamanho também varia de milímetros até cerca de dois metros, como nos minhocuçus (família dos megascolecídeos) das florestas brasileiras. Aquetos. Mais freqüentemente denominados hirudíneos e, vulgarmente, sanguessugas, os aquetos não apresentam cerdas e sua segmentação é menos nítida. São predadores ou parasitas, vivem principalmente à custa do sangue de seus hospedeiros, que sugam com uma ventosa instalada ao redor da boca. Colégio Estadual de Feira de Santana Disciplina: Biologia Professora Estagiária: Paula Freitas Aluno (a):
  • 5. 2º ano Turma: 01 Apontamento 2 Moluscos Encontrados nos mais diferentes habitats, desde oceanos profundos até altas montanhas, os moluscos constituem um dos mais diversificados filos animais. Foram descritas mais de 75.000 espécies vivas -- tão variadas quanto o caracol, o polvo e a ostra -- e 35.000 fósseis, o que indica que o filo tem sido muito bem-sucedido ao longo da evolução. Moluscos são animais invertebrados dotados de celoma (cavidade situada entre a parede do corpo e os órgãos internos) e constituídos, em sua maior parte, por três regiões corporais: cabeça (inexistente nos bivalves e em certos grupos de estrutura rudimentar); massa visceral, com os órgãos mais importantes, que é envolvida por um manto carnoso mole, revestido, na maioria das espécies, por uma concha calcária; e pé, musculoso e de finalidade locomotora. Depois dos artrópodes, os moluscos constituem o filo mais importante de animais invertebrados, tanto pelo número de espécies, quanto pelo desenvolvimento e a perfeição alcançados por alguns de seus sistemas orgânicos. Presentes nos mais antigos estratos geológicos em que se encontraram vestígios de vida animal, disseminaram-se por todos os mares, deixando fósseis característicos em diversos períodos da história geológica. Morfologia Em alguns moluscos, como os cefalópodes (polvos e lulas, entre outros), o pé se transformou, ao longo da evolução, num conjunto de tentáculos providos de ventosas. Em muitos gastrópodes terrestres, como os caramujos e caracóis, o pé é a massa muscular e viscosa que se arrasta pelo solo, última parte a se introduzir na concha quando há situação de perigo. As camadas externas do corpo formam, na região dorsal, uma prega ou manto que segrega a concha -- estrutura mineralizada cuja função é proteger o molusco. Dos diversos componentes da concha, no máximo noventa por cento são substâncias inorgânicas, principalmente carbonato de cálcio. Os moluscos terrestres, como caracóis e lesmas, têm pulmões que os habilitam a respirar o oxigênio do ar. As espécies aquáticas respiram por brânquias. No tegumento, ou tecido de revestimento, há células portadoras de pigmentos denominadas cromatóforos, que, por contração ou dilatação, provocam mudanças na coloração do animal. Aparecem também numerosas glândulas, algumas delas capazes de emitir radiações luminosas, como os fotóforos dos cefalópodes, e outras que elaboram substâncias coloridas sob a ação da luz, como a púrpura dos múrices, muito apreciada pelos antigos povos mediterrâneos. O aparelho digestivo se compõe de boca, em geral com uma rádula ou "língua" quitinosa e áspera para ralar alimentos; esôfago e estômago, este último com um estilete cristalino ou formação mucóide que mistura as partículas nutritivas; hepatopâncreas,
  • 6. glândula que segrega enzimas digestivas; e intestino, que termina no ânus. O sangue contém diferentes pigmentos que transportam o oxigênio do exterior para os tecidos orgânicos. O coração vai desde uma simples invaginação do pericárdio, nos escafópodes, até um órgão bem diferenciado, nos cefalópodes, nos quais é inteiramente arterial e tem um ventrículo mediano e de duas a quatro aurículas. A circulação, que é essencialmente lacunar nos moluscos inferiores, efetua-se por um sistema completo de vasos, nos cefalópodes. Geralmente incolor com amebócitos, o sangue pode ser também azulado, devido ao pigmento hemocianina, ou vermelho, cor que resulta da hemoglobina, presente em aplacóforos, alguns bivalves e poucos gastrópodes. O volume do sangue em bivalves e gastrópodes permite a manutenção da turgescência das diversas partes do tegumento. O sistema nervoso apresenta uma série de massas ganglionares, conectadas entre si e com os gânglios cerebrais, as quais se incumbem de estimular a atividade de diferentes partes do corpo. Nos polvos, a massa cerebróide adquire grande volume e os capacita à aprendizagem de numerosas situações importantes à sobrevivência. Paralelamente ao desenvolvimento cerebral, distinguem-se nos polvos olhos muito complexos, formados de câmaras, que os dotam de notável visão, fato relacionado ao tipo de vida eminentemente ativa e predadora desses cefalópodes. A reprodução é sexuada e os sexos freqüentemente estão separados, à exceção de alguns gastrópodes e bivalves, nos quais se registra hermafroditismo (cada indivíduo tem ao mesmo tempo órgãos reprodutores femininos e masculinos). Os moluscos marinhos apresentam um estágio larvar característico, a chamada larva trocófora, que tem aparência cônica e é dotada de numerosos cílios, com os quais produz correntes na água para se deslocar. Classificação A maioria dos moluscos pertence a uma de três grandes classes: a dos gastrópodes, que compreende os caracóis terrestres e marinhos; a dos bivalves, também chamados de lamelibrânquios ou pelecípodes, com espécies representativas como as ostras e os mexilhões; e a dos cefalópodes, que inclui principalmente polvos e lulas. Gastrópodes. Os gastrópodes apresentam cabeça bem diferenciada, com tentáculos tácteis e outros nos quais se dispõem os olhos. Têm o pé muito típico, grosso e proeminente, sobre o qual se assenta a massa visceral, encerrada na concha. Bivalves. Em sua maior parte, os bivalves -- ou pelecípodes -- são marinhos. Sua concha se constitui de duas valvas que se fecham como tampas graças à contração dos chamados músculos adutores; a articulação das valvas se processa mediante a charneira, freqüentemente denteada, que as mantém unidas. Cefalópodes. A classe dos cefalópodes congrega espécies habituais em alto-mar, capazes de se deslocarem por propulsão, até mesmo em águas profundas, graças à forte emissão de líquido através de um sifão. Colégio Estadual de Feira de Santana Professora Estagiária: Paula Freitas Disciplina: Biologia Aluno (a): 2º ano Turma: 01
  • 7. Estudo Dirigido Assunto: Mollusco e Annelida 1. Descreva a organização básica do corpo de um Mollusco hipotético. 2. Explique o que é rádula e o que é manto. Qual é a função dessas estruturas? 3. Qual classe de Mollusco não possui rádula? Como a maioria dos animais pertencentes a essa classe obtém alimento. 4. Explique como são e como atuam as estruturas responsáveis pelas trocas gasosas e pela excreção nos moluscos. 5. Diferencie sistema circulatório aberto e sistema circulatório fechado. Diga quais, dentre os moluscos, são os grupos que possuem sistema circulatório aberto e quais possuem sistema fechado. 6. Construa uma tabela resumindo as classes do filo Mollusca mencionadas neste capítulo, suas características e seus exemplos. Classes Características Exemplos 7. Caracterize o filo Annelida. 8. Diga como são os sistemas digestório, circulatório, excretor e nervoso dos anelídeos. 9. Compare o modo como os anelídeos efetuam as trocas gasosas como o que ocorre nos platelmintos, nos nematódeos e nos moluscos. 10. Construa uma tabela resumindo as classes do filo anelídeos mencionadas neste capítulo, suas características e seus exemplos. Classes Características Exemplos
  • 8. 11. A minhoca é hermafrodita. O sistema reprodutor masculino possui: • Testículo (produzem espermatozóides); • Vesículas seminais (recebem os espermatozóides produzidos pelo testículo do mesmo animal); • Espermioduto, duto que conduz os espermatozóides armazenados nas vesículas seminais até o poro genital masculino; • Poro genital masculino, abertura por onde os espermatozóides armazenados nas vesículas seminais até o poro genital masculino; O sistema reprodutor feminino é formado por: • Ovário, onde a produção de ovócitos; • Oviduto, duto que conduz os ovócitos até o poro genital feminino; • Poro genital femenino, abertura por onde os ovócitos saem do corpo da minhoca. Além dessas estruturas, existem os receptáculos seminais ou espermatecas, pequenas reentrâncias na parede externa do corpo da minhoca e que armazenam os espermatozóides do parceiro. Analise esses conhecimentos e descreva de forma resumida a reprodução em minhocas., junto a um desenho. 12. Explique como os húmus são produzidos e qual a importância dele para as plantas.