SlideShare uma empresa Scribd logo
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
REGIMENTO ESCOLAR 
1) Histórico: 
A Escola Estadual “Cornélia Ferreira Ladeira” pertenceu, inicialmente à Rede Municipal de Ensino de 
Santos Dumont e tinha como denominação Escola Municipal “José Guilherme de Almeida”, e 
posteriormente, classificada como 
Escolas Combinadas “José Guilherme de Almeida”. 
A sua transferência para a Rede Estadual, se deu através do Ato de Instalação publicado no Minas Gerais 
de 11 de janeiro de 1966, no Bairro da Glória, passando a ser designada por Escola Estadual do “Bairro 
da Glória”. 
Sua sede foi construída pela Prefeitura Municipal de Santos Dumont e cedida ao Governo de Minas 
Gerais. 
Através do Decreto do Governo de Minas Gerais nº 10.435, de 03 de abril de 1967, foi transformada em 
Grupo Escolar. 
Aos 11 dias do mês de dezembro de 1973, por Ato Governamental, a EE do “Bairro da Gloria” ficou 
ligada pelo sistema de intercomplementaridade curricular sequencial ao Ginásio “Santo Antônio” da 
província Santa Cruz e à EE “João Gomes Velho, 1º Grau, Tipo l.l, tendo em vista o disposto no Artigo 
10, da Lei nº 6.277 de 27 de dezembro de 1973 e nos Artigos 1º e 2º do Decreto nº 16.244, de 08 de maio 
de 1974. 
Através da Resolução 810/74, datada de 06 de julho de 1974, do Senhor Secretário de Estado de 
Educação, que alterou a nomenclatura: EE “do Bairro da Glória” de 1º Grau, Tipo 1.2.0.A. 
Em 03/04/87, através do Decreto nº 10.435, passou a denominar-se EE “Cornélia Ferreira Ladeira” – 1º 
Grau Tipo 1.2. Resolução 6927/91 MG 24/01/92 autoriza extensão de série para funcionamento da 5ª à 8ª 
série a partir de 1992. 
Conforme publicação no Minas Gerais 01/12/92 a sua tipologia é 1.3.0.A. 
Através da Portaria nº 03/2007 foi autorizada a partir do inicio do ano letivo de 2007, o funcionamento do 
Ensino Médio passando a identificar-se como EE Cornélia Ferreira Ladeira, de Ensino Fundamental e 
Médio e através da Portaria 01/2007 ficou modificada a Classificação Tipológica para P045B2. 
2) Da Identificação: 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
Rua: JUSCELINO KUBITSCHEK n.º 187 
Bairro: GLÓRIA. 
Município: Santos Dumont 
(CEP): 36240-000 
(Fone/fax) 32 3251 8117 
(E-Mail): escola.69906@.mg.gov.br 
Página no facebook (WWW.facebook.com.br/escolacornelia.ferreiraladeira) 
Blog da escola: (HTTP://eecorneliaferreiraladeira.spaceblog.com.br) 
2.1- ENTIDADE MANTENEDORA Secretaria de Educação do Estado de Minas Gerais 
DECRETO DE CRIAÇÃO E/OU DE INSTALAÇÃO: Nº 10.345 de 03 de abril de 1967
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
TÍTULO I – DA EDUCAÇÃO 
Art. 1º - A educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência 
humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da 
sociedade civil e nas manifestações culturais. 
TÍTULO II – DOS PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO NACIONAL 
Art. 2º - A educação, dever da família e do Estado, inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de 
solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para exercício da 
cidadania e sua qualificação para o trabalho. 
Art. 3º - As bases que dão sustentação ao projeto nacional de educação responsabilizam o poder público, a 
família, a sociedade e a escola pela garantia a todos os educandos de um ensino ministrado de acordo com os 
princípios de: 
I. igualdade de condições para o acesso, inclusão, permanência e sucesso na escola; 
II. liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a cultura, o pensamento, a arte e o saber; 
III. pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas; 
IV. respeito à liberdade e aos direitos; 
V. gratuidade do ensino público em estabelecimentos oficiais; 
VI. valorização do profissional da educação escolar; 
VII. gestão democrática do ensino público, na forma da legislação e das normas dos respectivos sistemas de 
ensino; 
VIII. garantia de padrão de qualidade; 
IX. valorização da experiência extraescolar; 
X. vinculação entre a educação escolar, o trabalho e as práticas sociais. 
Art. 4º- A Educação Básica é direito universal e alicerce indispensável para o exercício da cidadania em plenitude, 
da qual depende a possibilidade de conquistar todos os demais direitos, definidos na Constituição Federal, no 
Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), na legislação ordinária e nas demais disposições que consagram as 
prerrogativas do cidadão. 
Art. 5º- Na Educação Básica é necessário considerar as dimensões do educar e do cuidar, em sua 
inseparabilidade, buscando recuperar, para a função social desse nível da educação, a sua centralidade, que é o 
educando, pessoa em formação na sua essência humana. 
Art. 6º - A garantia de padrão de qualidade, com pleno acesso, inclusão e permanência dos sujeitos das 
aprendizagens na escola e seu sucesso, com redução da evasão, da retenção e da distorção de idade/ano de 
escolaridade, resulta na qualidade social da educação, que é uma conquista coletiva de todos os sujeitos do 
processo educativo. 
TÍTULO III – DA ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 
Art. 7º - Na organização da Educação Básica devem-se observar as Diretrizes Curriculares Nacionais comuns a 
todas as suas etapas, modalidades e orientações temáticas, respeitadas as suas especificidades e as dos sujeitos 
a que se destinam. 
CAPÍTULO I – DO ENSINO FUNDAMENTAL
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
Art. 8º - O Ensino Fundamental, etapa de escolarização obrigatória, deve comprometer-se com uma educação 
com qualidade social e garantir ao educando: 
I - o desenvolvimento da capacidade de aprender, com pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo; 
II - a compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, da tecnologia, das artes e dos valores em que 
se fundamenta a sociedade; 
III - a aquisição de conhecimentos e habilidades, e a formação de atitudes e valores, como instrumentos para uma 
visão crítica do mundo; 
IV - o fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de solidariedade humana e de tolerância recíproca em que 
se assenta a vida social. 
Parágrafo único. O Ensino Fundamental deve promover um trabalho educativo de inclusão, que reconheça e 
valorize as experiências e habilidades individuais do aluno, atendendo às suas diferenças e necessidades 
específicas, possibilitando, assim, a construção de uma cultura escolar acolhedora, respeitosa e garantidora do 
direito a uma educação que seja relevante, pertinente e equitativa. 
CAPÍTULO II – DO ENSINO MÉDIO 
Art. 9º – O Ensino Médio, etapa conclusiva da Educação Básica, possui duração de 3 (três) anos e tem por 
finalidade: 
I - a consolidação e o aprofundamento dos conhecimentos adquiridos no Ensino Fundamental, possibilitando o 
prosseguimento de estudos; 
II - a compreensão dos fundamentos científico-tecnológicos dos processos produtivos, relacionando a teoria com a 
prática; 
III - a preparação básica para o trabalho e a cidadania do educando para continuar aprendendo, de modo a ser 
capaz de se adaptar a novas condições de ocupação ou de aperfeiçoamento posteriores; 
IV - o aprimoramento do educando como pessoa humana, incluindo a formação ética e o desenvolvimento da 
autonomia intelectual e do pensamento crítico. 
Parágrafo único:As Escolas de Ensino Médio devem prover ensino de qualidade, de forma a ampliar o acesso e 
as taxas de conclusão e garantir a melhoria da eficiência no uso dos recursos disponíveis e na proficiência dos 
alunos. 
CAPÍTULO III – DAS MODALIDADES DA EDUCAÇÃO BÁSICA 
Art. 10 - São modalidades da Educação Básica: 
I - Educação de Jovens e Adultos; 
II - Educação Especial; 
III - Educação Profissional e Tecnológica; 
Parágrafo único. A cada etapa da Educação Básica pode corresponder uma ou mais das modalidades acima. 
TÍTULO IV – DA GESTÃO ESCOLAR
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
CAPÍTULO I – DA ADMINISTRAÇÃO 
SEÇÃO I – DA COMPOSIÇÃO 
Art. 11 - A Administração é composta: 
I. pela Diretoria; 
II. pelo Colegiado. 
Art. 12- A Diretoria é constituída pelo Diretor e pelo Vice-diretor, observado o disposto na legislação vigente. 
SEÇÃO II – DAS COMPETÊNCIAS E ATRIBUIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO 
Art. 13 - À Diretoria da Escola compete: 
I. planejar, junto com os Especialistas de Educação e corpo docente, todo o trabalho escolar; 
II. organizar, orientar, coordenar, supervisionar e controlar os trabalhos educacionais desenvolvidos no 
estabelecimento, referentes às atividades pedagógicas, administrativas e financeiras da escola; 
III. envolver a comunidade escolar nas decisões sobre o funcionamento da escola (gestão participativa); 
IV. elaborar o Projeto Político Pedagógico, com a participação de todos os segmentos representativos da 
comunidade escolar; 
V. estabelecer parcerias com empresas, buscando alternativas para a escola; 
VI. fortalecer a ação colegiada. 
VII. representar a escola perante os órgãos de ensino ou repartições públicas; 
VIII. cumprir e fazer cumprir as determinações da SRE e SEE; 
IX. promover o bom relacionamento de todo o pessoal da escola; 
X. zelar pela observância do regime didático e disciplinar. 
PARÁGRAFO ÚNICO – Compete ao Diretor, além da observância do Termo de Compromisso, ser o articulador 
político-pedagógico e administrativo da Escola, estando suas atribuições previstas em legislação específica. 
Art. 14 - Compete ao Vice-diretor: 
I. substituir o Diretor em suas ausências e impedimentos legais eventuais; 
II. assumir as atribuições delegadas pelo Diretor da Escola; 
III. assessorar o Diretor no planejamento, execução e avaliação de todas as atividades administrativas e 
pedagógicas da escola; 
IV. auxiliar o Diretor no desempenho de suas funções; 
V. comportar-se com urbanidade e respeito no trato com o Diretor, Especialistas da Educação, alunos, 
pais e demais servidores; 
VI. manter as autoridades informadas sobre a vida administrativa do estabelecimento; 
VII. encerrar diariamente os livros de ponto dos professores e servidores, fazendo anotações que se 
fizerem necessárias, no turno sob sua responsabilidade; 
VIII. coordenar o funcionamento geral do turno; 
IX. manter-se informado de todas as atividades desenvolvidas e de todos os assuntos relativos ao ensino 
de forma geral; 
X. supervisionar a manutenção da limpeza, conservação das instalações aos auxiliares de serviços, bem 
como elaborar horários de trabalho; 
XI. elaborar juntamente com as cantineiras o cardápio da merenda oferecida pela escola e fazer o controle 
da merenda escolar; 
XII. manter o controle de recebimento de material, distribuição, estoque e inventários. 
Art. 15 - É competência do Colegiado Escolar: 
I – elaborar e divulgar o cronograma de reuniões ordinárias do Colegiado Escolar; 
II - aprovar e acompanhar a execução do Projeto Pedagógico da Escola, do Plano de Ação e do Regimento 
Escolar; 
III - aprovar o Calendário Escolar e o plano curricular da escola;
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
IV - acompanhar a evolução dos indicadores educacionais (avaliações externa e interna, matrícula e evasão 
escolar) e propor, quando se fizerem necessárias, intervenções pedagógicas e medidas educativas, visando à 
melhoria da qualidade do processo de ensino e de aprendizagem; 
V - indicar, nos termos da legislação vigente, servidor para o provimento do cargo de diretor e para o exercício da 
função de vice-diretor, nos casos de vacância e afastamentos temporários; 
VI - indicar representante para compor a Comissão de Avaliação de Desempenho dos servidores, observadas as 
normas vigentes; 
VII - propor parcerias entre escola, pais, comunidade, instituições públicas e organizações não governamentais - 
ONGs; 
VIII - propor a utilização dos recursos orçamentários e financeiros da Caixa Escolar, observadas as normas 
vigentes e acompanhar sua execução; 
IX - referendar ou não a prestação de contas aprovada pelo Conselho Fiscal; 
X - opinar sobre a adoção de medida administrativa ou disciplinar em caso de violência física ou moral envolvendo 
profissionais de educação e alunos, no âmbito da escola. 
§ 1º- O Colegiado Escolar se reúne por convocação de seu presidente ou por, no mínimo, dois terços dos 
membros titulares ou, ainda, por solicitação formal da comunidade escolar dirigida aos seus representantes 
eleitos; 
I - ordinariamente, uma vez por mês; 
II - extraordinariamente, sempre que necessário. 
§ 2º - As reuniões do Colegiado Escolar devem contar com a presença de mais de 50% dos membros titulares; 
§ 3º - O membro titular que faltar a três reuniões consecutivas ou alternadas, sem justificativa formal, é 
automaticamente desligado e substituído pelo suplente; 
§ 4º- O membro do Colegiado Escolar que não representar efetivamente os interesses do seu segmento, pode ser 
destituído pelos seus pares; 
§ 5º- O cronograma das reuniões ordinárias deve integrar o Calendário Escolar. 
§ 6º – Outras competências, assim como a finalidade, as funções, a constituição e o funcionamento do Colegiado 
estão previstas em legislação vigente. 
CAPÍTULO II – DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS 
SEÇÃO I – DA SECRETARIA 
Art. 16 - A Secretaria está diretamente subordinada à Diretoria do Estabelecimento. 
Art. 17 - A Secretaria tem como finalidade executar toda a escrituração da Escola, sob orientação, coordenação e 
supervisão do Diretor, e os seus serviços são realizados pelo pessoal que a compõe: Secretário e Assistente 
Técnico da Educação Básica. 
Art. 18 - Compete ao Secretário de Escola: 
I. realizar trabalhos no âmbito da Secretaria; 
II. colaborar com a direção da unidade escolar no planejamento, execução e controle das atividades 
escolares; 
III. coordenar atividades da Secretaria e do pessoal auxiliar; 
IV. proceder à escrituração, conforme disposto na legislação vigente; 
V. realizar trabalhos datilografados ou digitados; 
VI. responsabilizar-se, na área de sua competência, pelo cumprimento da legislação de ensino e disposições 
regimentais; 
VII. instruir, informar e decidir sobre expediente e escrituração, submetendo à apreciação superior os 
casos que ultrapassem sua área de decisão; 
VIII. zelar pela conservação do material sob sua guarda, pela boa ordem e higiene em seu setor de trabalho.
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
Art. 19 - Compete ao Assistente Técnico da Educação Básica: 
I. realizar trabalhos de protocolos, registros e arquivamento de formulários e documentos; 
II. atender, orientar e encaminhar partes; 
III. coletar, apurar, selecionar, registrar e consolidar dados para elaboração de informações estatísticas; 
IV. realizar trabalhos de datilografia, mecanografia e/ou informática; 
V. zelar pela conservação dos materiais, mobiliários e equipamentos sob sua responsabilidade; 
VI. desempenhar outras atividades compatíveis com a natureza do cargo que lhe forem atribuídas pelo 
Diretor e/ou Secretário; 
VII. organizar e manter atualizados cadastros, arquivos, fichários, livros e outros instrumentos de escrituração 
da unidade escolar; 
VIII. preparar certidões, atestados, Históricos Escolares, fichas individuais e/ ou documentos solicitados; 
IX. redigir ofícios, exposições de motivos, Atas e outros expedientes; 
X. organizar a documentação dos processos de prestação de contas. 
Art. 20 - Compete ao Assistente Técnico da Educação Básica – Auxiliar Área Financeira: 
I. elaborar, analisar e rever balanços, balancetes, livros, fichas, mapas, planos de contas e outros serviços 
contábeis; 
II. realizar e prestar informações sobre a execução para compras, obras e serviços; 
III. fazer ou compor, revisar e atualizar orçamentos para compras, obras e serviços; 
IV. proceder ao levantamento de dados necessários à licitação e a previsão de compras; 
V. efetuar controle de estocagem e abastecimento de material; 
VI. responsabilizar-se pelo inventario dos bens patrimoniais, manutenção, utilização e controle; 
VII. zelar pela conservação de material sob sua guarda, pela boa ordem e higiene em seu setor de trabalho; 
VIII. desempenhar outras atividades compatíveis com a natureza do cargo que lhe forem atribuídas pelo 
Diretor. 
SEÇÃO II – DOS SERVIÇOS GERAIS 
Art. 21 - A Escola mantém os serviços de conservação, limpeza do prédio, preparo e distribuição da merenda 
escolar. 
Art. 22 - Compete aos Auxiliares de Serviços da Educação Básica; 
I. zelar pelo ambiente escolar mantendo a ordem e a harmonia; 
II. cumprir horário, conforme legislação vigente; 
III. desempenhar tarefas de interesse do serviço, a critério da direção da escola; 
cuidar da limpeza, movimentação e conservação dos móveis e utensílios da escola; 
IV. preparar e distribuir alimentos; 
V. entregar correspondências e documentos diversos; 
VI. cuidar da portaria; 
VII. auxiliar o aluno com necessidades especiais em atividades de locomoção, uso de utensílios, banheiros, e 
outros, na ausência de outro profissional capacitado; 
VIII. conduzir o aluno até sua residência, nos casos em que se fizerem necessários. 
IX. Conviver em harmonia e pautar suas relações pelo respeito e cordialidade com demais funcionários, 
alunos, alunas e seus familiares; 
X. Zelar pelos bens da escola e informar a direção sobre faltas de bens patrimoniais que forem identificadas 
por eles. 
PARÁGRAFO ÚNICO - As atribuições do pessoal responsável pelos serviços gerais são delegadas pelo Diretor 
ou Vice-diretor, em conformidade com as necessidades da escola. 
CAPÍTULO III – DA CAIXA ESCOLAR 
Art. 23 – A ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA mantém uma caixa escolar que tem por 
finalidade congregar iniciativas comunitárias, objetivando:
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
I. gerenciar os recursos financeiros destinados às ações do processo educativo, assegurando que todos 
eles sejam revertidos em benefício do aluno; 
II. promover, em caráter complementar e subsidiário, a melhoria qualitativa do ensino; 
III. colaborar na execução de uma política de concepção da escola, essencialmente democrática, como 
agente de mudanças, que busca melhoria contínua em todas as dimensões; 
IV. contribuir para o funcionamento eficiente e criativo da escola, por meio de ações que garantam sua 
autonomia pedagógica, administrativa e financeira. 
Art. 24 - A CAIXA ESCOLAR JOSÉ GUILHERME DE ALMEIDA realiza, dentre outras, as seguintes ações: 
I. gerenciar recursos próprios e transferidos da União, Estado e Município no cumprimento dos objetivos 
pedagógicos da escola; 
II. adquirir bens de consumo e permanente, obedecendo as dotações orçamentárias, quando se tratar de 
recurso público, para fins necessários às ações pedagógicas e administrativas; 
III. apoiar ações solidárias dos alunos, do Colegiado, Conselhos, Associações de Pais e Mestres, Grêmios 
Estudantis e outros; 
IV. participar de programas e serviços de Educação, Cultura, Saúde e Meio Ambiente, desenvolvidos pela 
comunidade; 
V. garantir, em suas aquisições e contratações, a realização de processo de escolha de proposta mais 
vantajosa para utilização dos recursos recebidos; 
VI. garantir ampla e plena participação do Colegiado Escolar nas atividades e ações da Caixa Escolar. 
Art. 25 - As disposições legais da constituição, do funcionamento e da competência da Caixa Escolar e demais 
normas devidamente registradas em Cartório, em conformidade com a legislação vigente. 
CAPÍTULO IV – DO GRÊMIO ESTUDANTIL (LÍDERES DE TURMAS) 
Art.26 - Os Líderes de Turmas é uma organização sem fins lucrativos que representa o interesse dos estudantes 
e que tem fins cívicos, culturais, educacionais, desportivos e sociais. 
Art. 27 – o Projeto Líderes de Turmas tem como objetivos: 
I. congregar e representar os estudantes da escola; 
II. defender seus direitos e interesses; 
III. cooperar para melhorar a escola e a qualidade do ensino; 
IV. incentivar e promover atividades educacionais, culturais, cívicas, desportivas e sociais. 
V. realizar intercâmbio e colaboração de caráter cultural e educacional com outras instituições de caráter 
educacional 
Art. 28 - A organização, o funcionamento e as atividades dos Grêmios são estabelecidos no seu estatuto, 
aprovado em Assembléia Geral do corpo discente de cada estabelecimento de ensino, convocada para este fim. 
Art. 29 - A aprovação dos estatutos e a escolha dos dirigentes e dos representantes do Projeto Líderes de 
Turmas são realizadas pelo voto direto e secreto de cada estudante, observando-se, no que couber, as normas 
da legislação eleitoral. 
TÍTULO V – DA GESTÃO DE PESSOAL 
CAPÍTULO I – DO PESSOAL DOCENTE E ADMINISTRATIVO 
Art. 30 - O pessoal docente, técnico e administrativo tem seus direitos assegurados em conformidade com a 
legislação pertinente, de acordo com a admissão e o ato que a regulamentou. 
SEÇÃO I – DA CATEGORIA E FORMA DE ADMISSÃO 
Art. 31 - O pessoal a serviço da Escola é constituído de docentes, especialistas de educação e pessoal 
administrativo.
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
Art. 32 - Admissão fica sujeita às exigências legais vigentes. 
Art. 33 - O pessoal docente e administrativo tem seus direitos assegurados, em conformidade com a legislação 
pertinente. 
SEÇÃO II – DA ORGANIZAÇÃO DO QUADRO DE PESSOAL 
Art. 34 - O quadro de Pessoal é composto de acordo com os cargos e quantitativos permitidos pela legislação, em 
caráter efetivo ou por designação. 
PARÁGRAFO ÚNICO - Compete à escola estabelecer critérios complementares para atribuição de turmas, aulas 
e turno aos servidores, conforme legislação vigente. 
SEÇÃO III - DOS DIREITOS 
Art. 35 - São direitos do pessoal docente, técnico e administrativo além dos assegurados pela legislação 
pertinente, de acordo com o respectivo regime de admissão, o ato que regulou os seguintes: 
I. organizar e participar do Órgão Colegiado; 
II. votar ou ser votado como representante do Órgão Colegiado; 
III. ser tratado com urbanidade e respeito por todo o pessoal da escola; 
IV. participar da elaboração da Projeto Político Pedagógico da Escola; 
V. igualdade de acesso a oportunidades de crescimento intelectual e profissional; 
VI. liberdade de manifestação, observado o respeito à imagem da instituição e dos demais agentes 
públicos; 
VII. igualdade de oportunidade nos sistemas de aferição, avaliação e reconhecimento de desempenho, 
conforme legislação vigente; 
VIII. manifestação sobre fatos que possam prejudicar seu desempenho ou sua reputação; 
IX. sigilo a informação de ordem pessoal; 
X. atuação em defesa de interesse ou direito legítimo; 
XI. ter ciência do teor da acusação e vista dos autos, quando estiver sendo investigado; 
XII. gozar os dias de compensação pelo trabalho nas eleições, quando convocado pelo TRE, de acordo 
com conveniência do serviço e após a autorização da direção da escola. 
SEÇÃO IV - DOS DEVERES 
Art. 36 - Constituem deveres do pessoal docente, técnico e administrativo o desempenho de todas as atividades 
que por sua natureza, são inerentes à função que exerce, sendo as atribuições do pessoal às previstas na 
legislação específica. 
Art. 37 - São deveres dos servidores da escola: 
I. assiduidade; 
II. pontualidade; 
III. discrição; 
IV. urbanidade; 
V. disciplina; 
VI. lealdade às instituições constitucionais e administrativas a que servir; 
VII. observância das normas legais e regulamentares; 
VIII. obediência às ordens superiores, exceto quando manifestamente ilegais; 
IX. levar ao conhecimento da autoridade superior irregularidade de que tiver ciência em razão do cargo; 
X. zelar pela economia e conservação do material que lhe for confiado; 
XI. manter atualizada a documentação referente a sua vida funcional; 
XII. atender prontamente: 
a) às requisições para a defesa da Fazenda Pública; 
b) à expedição das certidões requeridas para a defesa de direito; 
XIII. atender aos servidores, alunos e comunidade escolar pronta e adequadamente;
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
XIV. ser justo e honesto no desempenho de suas funções e em suas relações com demais servidores, 
superiores hierárquicos e com os usuários do serviço; 
XV. ser ágil na prestação de contas de suas atividades; 
XVI. aperfeiçoar o processo de comunicação e contato com o público; 
XVII. praticar a cortesia e a urbanidade nas relações do serviço público e respeitar a capacidade e as 
limitações individuais dos usuários , sem qualquer espécie de preconceito ou distinção de raça, sexo, 
nacionalidade, cor, idade, religião, preferência política, posição social e quaisquer outras formas de 
discriminação; 
XVIII. resistir às pressões de superiores hierárquicos, de contratantes, interessados e outros que visem a 
obter quaisquer favores, benesses ou vantagens indevidas, em decorrência de ações ilegais ou 
imorais, denunciando sua prática; 
XIX. manter limpo e em perfeita ordem o local de trabalho; 
XX. participar dos movimentos e estudos que se relacionem com a melhoria do exercício de suas funções, 
tendo por escopo a realização do bem comum; 
XXI. apresentar-se ao trabalho com vestimentas adequadas ao exercício da função; 
XXII. manter-se atualizado com as instruções, as normas de serviço e a legislação pertinentes ao órgão 
onde exerce suas funções; 
XXIII. facilitar as atividades de fiscalização pelos órgãos de controle; 
XXIV. exercer a função, o poder ou a autoridade de acordo com as exigências da administração pública, 
vedado o exercício contrário ao interesse público; 
XXV. observar os princípios e valores da ética pública. 
Art. 38 - São deveres e obrigações específicas de pessoal do magistério, além dos enumerados acima: 
I. participar das atividades do planejamento do ensino dentro da programação escolar; 
II. comparecer às atividades escolares com a pontualidade necessária ao desenvolvimento do trabalho; 
III. participar de reuniões e Comissões para as quais tenha sido convocado; 
IV. tratar com urbanidade e isenção os colegas de trabalho; 
V. respeitar a hierarquia administrativa e pedagógica em suas atitudes, atividades e reivindicações; 
VI. zelar pelo patrimônio da escola, particularmente de sua área de atuação, preocupando-se pela 
conservação de bens e pelo bom uso do material colocado a sua disposição; 
VII. guardar sigilo sobre assuntos reservados que envolvam ou possam envolver pessoas e autoridades 
nos planos administrativos e pedagógicos; 
VIII. zelar pelo bom nome da Unidade de Ensino dentro e fora dela; 
IX. desenvolver suas atividades de acordo com a programação aprovada e empenhando-se pela 
constante qualificação ao processo ensino - aprendizagem; 
X. promover a avaliação constante do processo aprendizagem de acordo com o sistema adotado; 
XI. comunicar ao superior imediato qualquer irregularidade, na atuação ou comportamento do aluno, 
inclusive ausências, no âmbito de suas atividades; 
XII. cooperar com os superiores imediatos na solução de problemas da administração da escola; 
XIII. qualificar-se permanentemente com vistas à melhoria constante de seu desempenho como 
profissional e como educador; 
XIV. apresentar nos prazos hábeis toda a escrita escolar sobre sua responsabilidade; 
XV. participar de atividades de caráter cívico, social e cultural promovidos pelo seu setor de trabalho; 
XVI. ministrar aulas, de acordo com o horário do estabelecimento, cumprindo o número de dias letivos 
fixados pela legislação vigente, registrando, no diário de classe, a matéria lecionada e a freqüência do 
aluno; 
XVII. respeitar a diferença individual do aluno, considerando as possibilidades e limitações de cada um, 
mantendo-o participante durante os períodos de aula; 
XVIII. manter a disciplina de sala e fora dela; 
XIX. desenvolver o espírito de cooperação e solidariedade integrando-se na vida da escola e da 
comunidade; 
XX. manter eficiência do ensino da área e/ou turma específica de sua atuação; 
XXI. elaborar planejamento - de curso, de unidade e de aula - para sua disciplina e/ou turma, com apoio do 
pessoal técnico-pedagógico, adotando a interdisciplinaridade e transdisciplinaridade; 
XXII. atender a família do aluno quando for solicitado.
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
SEÇÃO V - DAS PROIBIÇÕES 
Art. 39 - Aos servidores é vedado: 
I. referir-se de modo depreciativo, em informação, parecer ou despacho, às autoridades e atos da 
administração pública, podendo, porém, em trabalho assinado, criticá-los do ponto de vista doutrinário 
ou da organização do serviço; 
II. retirar sem prévia autorização da autoridade competente qualquer documento ou objeto da repartição; 
III. promover manifestações de apreço ou desapreço e fazer circular ou subscrever lista de donativos no 
recinto da repartição; 
IV. valer-se do cargo para lograr proveito pessoal em detrimento da dignidade da função; 
V. coagir ou aliciar subordinados com objetivos de natureza partidária; 
VI. participar da gerência ou administração de empresa comercial ou industrial, salvo os casos expressos 
em lei; 
VII. exercer comércio ou participar de sociedade comercial, exceto como acionista, quotista ou 
comanditário; 
VIII. praticar a usura em qualquer de suas formas; 
IX. pleitear, como procurador ou intermediário, junto às repartições públicas, salvo quando se tratar de 
percepção de vencimentos e vantagens, de parente até segundo grau; 
X. receber propinas, comissões, presentes e vantagens de qualquer espécie em razão das atribuições; 
XI. cometer a pessoa estranha à repartição, fora dos casos previstos em lei, o desempenho de encargo 
que lhe competir ou a seus subordinados. 
XII. prejudicar deliberadamente a reputação de outros servidores, de superiores hierárquicos ou de 
cidadãos que deles dependam; 
XIII. usar de artifícios para procrastinar ou dificultar o exercício regular de direito por qualquer pessoa; 
XIV. deixar de utilizar os avanços técnicos e científicos ao seu alcance ou do seu conhecimento para 
atendimento do seu mister; 
XV. permitir que perseguições, simpatias, antipatias, caprichos, paixões ou interesses de ordem pessoal 
interfiram no trato com o público ou com colegas hierarquicamente superiores ou inferiores; 
XVI. pleitear, solicitar, provocar, sugerir ou receber qualquer tipo de ajuda financeira, gratificação, prêmio, 
comissão, doação ou vantagem de qualquer espécie, para si, familiares ou qualquer pessoa, para o 
cumprimento da sua missão ou para influenciar outro servidor para o mesmo fim; 
XVII. aceitar presentes, benefícios ou vantagens de terceiros, salvo brindes que não tenham valor 
comercial ou que, sendo distribuídos a título de cortesia, propaganda, divulgação habitual ou por 
ocasião de eventos especiais ou datas comemorativas, não ultrapassem o valor de um salário 
mínimo; 
XVIII. alterar ou deturpar o teor de documentos que deva encaminhar para providências; 
XIX. iludir ou tentar iludir qualquer pessoa que necessite do atendimento em serviços públicos; 
XX. desviar servidor público para atendimento a interesse particular; 
XXI. fazer uso de informações privilegiadas obtidas no âmbito interno de seu serviço, em benefício próprio, 
de parentes, de amigos ou de terceiros; 
XXII. apresentar-se embriagado no serviço ou, habitualmente, fora dele; 
XXIII. dar o seu concurso a qualquer instituição que atente contra a moral, a honestidade ou a dignidade da 
pessoa humana; 
XXIV. exercer atividade profissional antiética ou ligar o seu nome a empreendimentos que atentem contra a 
moral pública; 
XXV. permitir ou concorrer para que interesses particulares prevaleçam sobre o interesse público. 
Art. 40 - Ao pessoal do magistério, além das proibições acima descritas, é vedado: 
I. usar linguagem inadequada em suas atividades de ensino e no convívio escolar, bem como assuntos, que 
não sejam de acordo com aula; 
II. reter os alunos em atividades, em horários destinados à merenda; 
III. impingir castigo corporal ou desmoralizante a qualquer aluno; 
IV. exigir do aluno esforço físico ou mental incompatível com sua aptidão; 
V. suspender o aluno de aula ou colocá-lo fora de sala sem o devido encaminhamento ao serviço 
competente
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
VI. alterar quaisquer resultados da avaliação, após a entrega dos mesmos à secretaria da escola, ressalvados 
os casos de erro manifesto, declarado ou reconhecido pelo professor 
VII. usar de discriminação entre alunos; 
VIII.utilizar horários para excursões, passeios, campeonatos, visitas e que não estejam planejados nos 
projetos específicos dos conteúdos para tal finalidade, aprovados pela equipe pedagógica e/ou Colegiado 
Escolar 
IX. usar telefone celular em salas de aula (Lei Estadual nº 14.486/2002). 
SEÇÃO VI - DAS MEDIDAS DISCIPLINARES 
Art. 41 - É aplicável ao pessoal docente, técnico e administrativo o regime disciplinar com a finalidade de 
aprimorar o ensino, a formação do aluno, o desenvolvimento das atividades escolares, o entrosamento dos 
serviços existentes e a consecução dos objetivos propostos. 
Art. 42 - O pessoal da Escola está sujeito ao regime disciplinar previsto no Estatuto dos Funcionários Públicos 
Civis do Estado - Lei nº 869/52 ( Artigos 216 e 217), no Estatuto do Pessoal do Magistério Público do Estado de 
Minas Gerais – Lei nº 7.109/77 (Artigos: 172, 173, 174, 175, 176 e 177). 
Art. 43 - Todos os servidores da escola estão sujeitos ao cumprimento da Lei Complementar Nº 116 de 
11/01/2011, que dispõe sobre a prevenção e a punição do assédio moral na administração pública estadual. 
Art. 44 - Os servidores da escola são submetidos à Avaliação de Desempenho Individual com periodicidade e 
normas determinadas em legislação própria. 
Art. 45 - Cabe à Direção da Escola oferecer estratégias de ajuda ao professor que tenha dificuldades 
pedagógicas, de relacionamento com a equipe escolar ou em manter a disciplina em sala de aula. 
Art. 46 - É da competência da Direção advertir o funcionário, no momento em que ocorrer um fato de transgressão 
às normas disciplinares: 
§1º - A advertência deve ser: 
I. Oral ( uma ); 
II. Escrita ( documento de repreensão ). 
§2º - A advertência deve ser lavrada em livro próprio e, no caso de recusa de assinatura por parte do funcionário, 
duas ou mais testemunhas devem ser chamadas para assiná-la. 
§3º - O registro das ocorrências e advertências serve de base para a aplicação das penalidades previstas na 
legislação vigente e são arquivados nas pastas de avaliação e funcional do servidor. 
§4º - Dependendo da gravidade da transgressão, em caso de servidor designado, compete ao Colegiado proceder 
à análise da mesma e indicar as medidas cabíveis, em conformidade com a legislação vigente. 
Art. 47 - Os casos omissos são analisados à luz da legislação vigente. 
CAPÍTULO II – DO PESSOAL DISCENTE 
Art. 48 - O pessoal discente compreende todos os alunos matriculados na Escola. 
SEÇÃO I - DOS DIREITOS 
Art. 49 - Constituem direitos do pessoal discente: 
I. ser tratado com urbanidade e respeito por todo o pessoal da escola;
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
II. merecer assistência educacional de acordo com suas necessidades, através de todos os serviços 
instituídos no Estabelecimento de Ensino; 
III. utilizar os livros da Biblioteca, de acordo com os regulamentos e normas próprias; 
IV. recorrer às autoridades escolares quando julgar prejudicados os seus direitos. 
V. ser avaliado conforme seu grau de competência e de acordo com o currículo previsto para seu 
ano; 
VI. ser informado, com antecedência, sobre qualquer atividade escolar ou mudança de sua atividade 
normal; 
VII. tomar conhecimento, através de boletim, do rendimento escolar. 
VIII. usufruir de todos os benefícios de caráter educativo, social e recreativo proporcionados pela 
Escola; 
IX. organizar liderança estudantil, representativa dos alunos, por meio de Grêmio; 
X. afastar-se das atividades escolares, devidamente justificado, para representá-la em atividades 
desportivas em nível regional, estadual, etc. 
XI. apresentar sugestões à diretoria do Estabelecimento. 
XII. defender-se junto ao órgão do Colegiado, quando se sentir punido injustamente. 
SEÇÃO II - DOS DEVERES 
Art. 50 - São deveres do pessoal discente: 
I. obedecer às normas regimentais da Escola; 
II. frequentar as aulas e outras atividades escolares com assiduidade e respeito; 
III. apresentar-se devidamente trajado; 
IV. executar exercícios e tarefas nos prazos determinados pelos professores; 
V. comparecer às comemorações cívicas e outras promoções escolares; 
VI. apresentar aos pais e/ou responsáveis as informações enviadas pela Escola; 
VII. comunicar à Escola seu afastamento temporário por motivo de doença ou outros; 
VIII. ausentar-se das salas de aula, durante as aulas, apenas com a autorização do professor; 
IX. apresentar solicitação, por escrito, e assinado pelo responsável para fins de saídas antecipadas 
da Escola. 
X. contribuir, no que lhe couber, para o prestígio da Escola; 
XI. abster-se de atos que perturbem a ordem, ofendam os bons costumes ou importem em desacato 
às leis, às autoridades escolares, professores ou funcionários e colegas; 
XII. colaborar na conservação do prédio, instalação, equipamentos e material escolar de uso coletivo; 
XIII. indenizar os prejuízos quando produzir danos materiais ao Estabelecimento ou a qualquer 
membro da comunidade escolar, ouvido o Colegiado da escola. 
SEÇÃO III - DAS RESTRIÇÕES AOS ALUNOS 
Art. 51 - É vedado ao corpo discente: 
I. utilizar-se, sem autorização, de qualquer material escolar de propriedade da Escola ou de seus 
colegas; 
II. impedir a entrada dos colegas na Escola ou estimulá-los à ausência coletiva; 
III. promover festas sem antes comunicar à Direção; 
IV. perturbar a ordem no recinto da Escola ou nas suas proximidades; 
V. praticar atos de atentados à moral e aos bons costumes; 
VI. consumir cigarro, bebida ou qualquer outra droga na Escola, conforme a Lei; 
VII. pichar ou praticar atos de vandalismo contra o patrimônio da Escola; 
VIII. namorar nas dependências da Escola; 
IX. sair sem permissão da Escola no horário de aula; 
X. usar telefone celular em salas de aula (Lei Estadual nº 14.486/2002); 
XI. trazer para escola objetos de valor (aparelhos celulares, MP3, MP4 e outros). 
SEÇÃO IV - DAS MEDIDAS DISCIPLINARES DO CORPO DISCENTE
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
Art. 52 - O aluno deve estabelecer, segundo orientações do corpo técnico e docente, os preceitos da boa 
educação nos seus hábitos, atitudes e palavras e estruturar normas de conduta para se manter a ordem e a 
disciplina necessárias à construção do processo educacional. 
Art. 53 - A conduta que não é prevista em lei como crime ou contravenção penal é considerada ato de indisciplina. 
Art. 54 - São considerados atos indisciplinares: 
I. mau comportamento em sala de aula; 
II. passeio pelos corredores no horário de aula; 
III. desrespeito e desobediência às autoridades escolares; 
IV. atos de rebeldia com uso de vocabulário de baixo calão. 
Art. 55 - A conduta prevista em lei como crime ou contravenção penal é considerada ato infracional, se menor e 
crime ou contravenção penal, se maior. 
Art. 56 - São considerados atos infracionais, crime ou contravenção penal, por parte do aluno: 
I. uso de materiais explosivos; 
II. agressão física ao professor, colegas e quaisquer funcionários da Escola; 
III. porte de arma, de droga e tráfico de qualquer natureza; 
IV. roubos no ambiente escolar; 
V. pichações e depredações do patrimônio escolar. 
§1º - Nos atos infracionais, deve haver a intervenção policial, cabe à escola convocar os pais ou responsáveis 
legais e caso não sejam encontrados, a escola deve indicar um funcionário para acompanhar o aluno. 
§2º - Somente o Ministério Público, pode opinar sobre quais as medidas necessárias para a punição dos 
alunos,menores, quando praticados atos infracionais. 
Art. 57 - Toda medida disciplinar é o procedimento aplicado, pelo não cumprimento dos deveres e/ou execução 
das proibições estabelecidos neste Regimento, visando prevenir a repetição de transgressões. 
PARÁGRAFO ÚNICO - Precede às medidas disciplinares, a aplicação de recursos sócio-pedagógicos para os 
atos de indisciplina, a saber: 
I. discutir os valores sociais com o aluno, sensibilizando-o para a solidariedade e o espírito de grupo, que 
devem nortear a convivência em sociedade; 
II. estimular a auto avaliação do aluno acerca de seu comportamento; 
III. prestar esclarecimentos ao aluno sobre as consequências da indisciplina na aprendizagem; 
IV. promover orientação ao aluno quanto à possibilidade de mudança de postura, com intuito de elevar sua 
estima. 
Art. 58 - As medidas disciplinares a serem aplicadas ao pessoal discente, quando necessárias para 
restabelecimento da disciplina, guardam estrita correspondência com as causas do comportamento do aluno e 
suas condições psicológicas, não devendo em nenhuma hipótese, assumir caráter punitivo. 
PARÁGRAFO ÚNICO - As medidas disciplinares são aplicadas de acordo com a maior ou menor gravidade da 
falta, após sindicância disciplinar que deve resguardar o direito de ampla defesa ao aluno, com ciência dos pais ou 
responsáveis, se menor. 
Art. 59 - Se necessário, aos alunos podem ser aplicadas gradativamente e sem se acumularem, as seguintes 
medidas disciplinares, conforme a gravidade e reincidência das transgressões cometidas: 
a) advertência oral pelo professor; 
b) advertência escrita em número de até 03 (três), registradas em livro de ocorrência, pelo professor; 
c) advertência oral, pelo Diretor, Vice-diretor ou Especialista;
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
d) advertência escrita em número de até 03 (três), registradas em livro de ocorrência, pelo Diretor, Vice-diretor 
ou Especialistas e com a assinatura dos pais ou responsáveis, se menor; 
e) transferência de turma pelo Diretor, Vice-diretor ou Especialista; 
f) transferência de turno pelo Diretor, ouvido o Colegiado Escolar, desde que não contrarie as disposições 
da Constituição Federal e da Lei Federal 8069/90 e com comunicação aos pais ou responsáveis; 
g) acionar intervenção da polícia militar para lavratura de boletim de ocorrência e encaminhamento aos 
órgãos competentes, em se tratando de ato infracional cometido por menores, a partir dos 12 anos de 
idade, e crime ou contravenção penal cometido por maiores; 
h) acionar intervenção do Conselho Tutelar, em se tratando de ato infracional cometido por menores, até os 
12 anos de idade; 
i) transferência para outro estabelecimento de ensino público, com garantia de vaga, após análise feita pelo 
Diretor e Colegiado Escolar, desde que não contrarie as disposições da Constituição Federal e da Lei 
Federal 8069/90 e com o conhecimento de seus pais ou responsáveis; 
j) encaminhamento da situação ao Conselho Tutelar e/ou Promotoria de Justiça da Infância e da Juventude, 
quando já tiverem sido utilizados todos os recursos viáveis para a solução dos problemas, quando não se 
tratar de ato infracional. 
§ 1° - A aplicação de medidas disciplinares depende de parecer da direção, nos casos em que estas forem além 
das advertências orais e escritas pelo professor; 
§ 2° - É vedada a aplicação de penalidades físicas ou medidas que não estiverem estabelecidas neste Regimento 
Escolar; 
Art. 60 - São inaplicáveis medidas que atentem contra a dignidade pessoal, contra a saúde física e mental, ou 
prejudiquem o processo formativo do aluno. 
Art. 61 - Ao pessoal discente são garantidos os direitos e os deveres contidos na Constituição Federal, 
Constituição Estadual, Lei 9394/96 e Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei 8.069/90). 
Art. 62 - O regime disciplinar deve visar principalmente o desenvolvimento saudável do educando, o bom 
desempenho nas atividades escolares e o preparo para o exercício consciente e pleno da cidadania. 
Art. 63 - Cabe ao professor articular o processo educativo utilizando de estratégias adequadas que visem a 
integração e o ajustamento do aluno, evitando a sua exclusão da sala de aula. 
Art. 65 - Cabe à escola : 
I. acatar decisões judiciais referente aos alunos; 
II. encaminhar ao Conselho Tutelar, os casos de alunos que apresentam situações familiares mais graves, 
para que o órgão intervenha, aplicando as medidas protetivas necessárias; 
III. juntamente com a família, Conselho Tutelar e Ministério Público, zelar pelo fiel cumprimento do regime 
disciplinar da Escola e da legislação que o rege. 
Art. 64 - Aos alunos é permitida a tolerância de 10 (dez) minutos para a 1ª aula de cada turno, em casos 
emergenciais e esporádicos, com justificativa. 
§ 1º- Os alunos do Ensino Fundamental - 6º ao 9º ano e Ensino Médio - que chegam atrasados para a 1ª aula, 
após a tolerância de 10 (dez) minutos, devem ser conduzidos à biblioteca ou outro local determinado pela direção 
para exercer atividades pedagógicas até o final da mesma. 
§ 2º - O aluno do turno noturno que necessita atrasar-se por motivo de trabalho deve apresentar justificativa por 
escrito, devendo a mesma ser analisada pela direção da escola. 
Art. 65 - Os casos omissos são analisados à luz da legislação vigente.
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
TÍTULO VI – DOS REGISTROS, ESCRITURAÇÃO E 
ARQUIVOS ESCOLARES 
CAPÍTULO I - DAS FORMAS E OBJETIVOS 
Art. 66 - A fim de assegurar a verificação da identidade de cada aluno, a regularidade e autenticidade de sua vida 
escolar, devem ser observados os seguintes aspectos nos serviços de Escrituração Escolar: 
I. A transcrição de todos os dados deve ser exata e como constam nos documentos originais. 
II. A todo documento expedido deve corresponder uma cópia ou segunda via no arquivo do 
estabelecimento. 
III. No documento expedido a escola faz constar obrigatoriamente: a identificação do estabelecimento e 
endereço completo, natureza do ato de sua criação, instalação de funcionamento ou reconhecimento, 
conforme o caso, com citação do órgão e data da respectiva publicação. 
IV. Os documentos expedidos pelo estabelecimento são sempre assinados pelo diretor ou pelo seu substituto 
legal e pelo responsável pela escrituração escolar, devendo seus nomes figurar por extenso, abaixo das 
assinaturas, com respectivos registros ou autorizações e MASP. 
V. Os documentos expedidos pelo estabelecimento devem estar registrados com letra legível, sem rasuras e 
incorreções. 
VI. Os espaços não preenchidos devem ser inutilizados com um traço. 
VII. Os espaços destinados a Observação devem conter todas os registros considerando a maior 
compreensão dos dados contidos no documento. 
VIII. A apresentação de cópia autenticada dispensa a apresentação do documento original. 
IX. Do arquivo Escolar devem constar todos os registros de atividades e atos escolares dos alunos e 
servidores devendo para tanto ser divididos em: 
A - Arquivo Ativo, constituído pelos documentos relativos aos alunos que estão frequentando a escola e aos 
servidores da ativa. 
B - Arquivo Inativo, constituído dos documentos desnecessários ao movimento cotidiano da escola que não 
podem ser incinerados. 
Art. 67 - Os atos escolares, para efeito de registro, comunicação de resultados e arquivamento, são escriturados 
no SIMADE observando, no que couber, os regulamentos e disposições legais aplicáveis. 
PARAGRÁFO ÚNICO – Para fins de arquivamento são consideradas válidas, as cópias xerocadas, desde que 
autenticadas pelo funcionário responsável, mediante documento original. 
Art. 68 - Os livros de escrituração escolar contêm termo de abertura e encerramento, e as fichas que se usam 
devem apresentar características essenciais e comprovações dos atos que se registram, datas e assinaturas que 
as autenticam. 
Art. 69 - Resguardadas as características e autenticidades, em qualquer época podendo o estabelecimento 
substituir os livros, fichas, modelos de registros e escrituração, descritos neste regimento por outros, bem como 
alterar os processos utilizados, simplificando-os. 
CAPÍTULO II – DOS INSTRUMENTOS DE REGISTROS E ESCRITURAÇÃO 
SEÇÃO I – DOS LIVROS 
Art. 70 - São os seguintes os livros de escrituração: 
a) Livro de Registro de Matrícula - destinado ao lançamento, em cada período letivo, do nome, ano, grau, 
curso, filiação, data e local de nascimento de cada aluno matriculado; 
b) Livro de Ata de Resultado Final - em que se lança por ano, os resultados finais obtidos pelos alunos.
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
c) Livro de Atas de Exames de processos especiais de avaliação.- destinado à lavratura de atas, adaptação, 
validação de estudos avaliados e outros processos especiais. 
d) Livro de Atas de Incineração de Documentos – em que se lavram atas de incineração de documentos 
escolares, com assinaturas de um professor, auxiliar da educação, secretário e diretor. 
e) Livro de Termo de Visita do Inspetor – em que o Inspetor registra, com cópias, sua visitas. 
f) Livro de Registro Diário de Presença do Professor (Livro Ponto) – livro ou outro processo próprio em que 
se anota a presença dos funcionários e professores, bem como os dias letivos. 
g) Livro de Termos de Investiduras ou Posse e Exercício - em que se lavram as atas de investidura do 
pessoal do estabelecimento. 
h) Livro de Registro de Expedição de Certificados e/ou Históricos Escolares – em que se anotam a 
expedição de Certificados e Históricos, nome da habilitação, curso ou grau de ensino, nome, filiação, data 
e local do nascimento do aluno, recibo do aluno ou de seu procurador, ao receber o documento. 
i) Livro de Atas do Colegiado – onde se registram as reuniões do Colegiado, as consultas e deliberações. 
j) Livro de Atas Administrativas e Pedagógicas – onde se registram as reuniões da direção e supervisão com 
os professores e funcionários, as consultas e deliberações. 
k) Livro de Ocorrências dos Alunos – onde se registram as ocorrências individuais. 
l) Livro de Ocorrências e Advertências de Professores e Funcionários – registram-se neste livro, após 
esgotadas as tentativas de ajuda pedagógica e administrativa, as falhas cometidas pelos funcionários. 
m) Livro de Atas de Classificação e Reclassificação. 
n) Livro de Atas de Reuniões de Conselhos de Ciclo ou Classe. 
o) Livro de Atas da Caixa Escolar. 
p) Livro de Atas de Regularização de Vida Escolar. 
q) Livro de Atas da Comissão de Avaliação de Desempenho. 
SEÇÃO II – DOS DOCUMENTOS ESCOLARES 
Art. 71 - São adotados os seguintes documentos escolares: 
I. Histórico Escolar – destina-se a certificar toda a vida escolar do aluno, para fins de arquivamento, 
transferência, comprovação de estudos e cursos realizados. 
II. Declaração de Expedição de Histórico Escolar - destina-se a substituir, provisoriamente, o Histórico 
Escolar, no caso em que, excepcionalmente, a expedição deste último não puder ser dada imediatamente. 
III. Ficha Individual ou outro documento equivalente - destina-se ao registro da vida escolar durante o período 
letivo, para uso do estabelecimento. 
IV. Diário de Classe - destina-se ao registro, pelo professor da freqüência diária dos alunos, matéria 
lecionada, resultados das avaliações, movimentação escolar, ocorrências de alunos ou turma e resumo 
anual da turma.] 
V. Boletim Escolar – destina-se a comunicação entre o Estabelecimento e família do educando, de sua 
frequência, resultados de avaliações, identificação do aluno e mais o que se fizer necessário. 
VI. Ficha de Matrícula – destina-se ao aluno, pais do aluno ou seu responsável, que requer a matrícula na 
escola. 
VII. Declaração de dispensa das aulas de Educação Física, com os documentos comprobatórios, conforme Lei 
Federal nº 10.793/2003; 
VIII.Declaração de dispensa das aulas de Educação Religiosa. 
SEÇÃO III – DOS ASSENTAMENTOS INDIVIDUAIS DOS ALUNOS 
Art. 72 - De cada aluno, há uma pasta individual na qual devem constar: 
I. Certidão de Nascimento, Casamento, Carteira de Identidade (obrigatória para os alunos maiores de 16 
anos) ou de quaisquer outros documentos que se fizerem necessários, expedidos por órgãos 
competentes. 
II. Dados pessoais de documento competente destinado à retificação ou modificação de dados anteriores. 
III. Arquivamento dos Atestados Médicos e de Trabalho, quando se fizerem necessários. 
IV. Documento definitivo de transferência recebido pelo Estabelecimento ou comprobatórios de conclusão de 
cursos ou estudos realizados pelo aluno, para arquivamento. 
V. Histórico Escolar com transcrição de dados pessoais, série ou ano, ciclos cursados, dias letivos e faltas-horas 
.
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
VI. Documentos que fundamentam a Classificação ou Reclassificação ( Parecer nº 1132/97 e Parecer nº 
1158/98 ). 
VII. Fichas Individuais de Aproveitamento. 
VIII. Certificado de Reservista para os maiores de dezoito anos, dispensada para os alunos acima de 45 anos. 
SEÇÃO IV – DOS ASSENTAMENTOS INDIVIDUAIS DE 
PROFESSORES E FUNCIONÁRIOS 
Art. 73 - De cada professor ou servidor há uma pasta individual, com uma ficha Funcional, onde se transcrevem 
todos os dados pessoais e funcionais. 
CAPÍTULO III – DA INCINERAÇÃO DE DOCUMENTOS 
Art. 74 - A incineração de documentos escolares segue os procedimentos estabelecidos na legislação em vigor. 
Art. 75 - Lavradas definitivamente as atas, podem ser incinerados os seguintes documentos: 
I. Provas finais ou especiais relativas à recuperação; 
II. Documentos dispensáveis relativos a professores e funcionários, após a transcrição nos assentamentos 
individuais. 
III. Declaração de expedição de Histórico Escolar, após a entrega pelo aluno, do documento definitivo; 
IV. Outros documentos com autorização especial dos órgãos competentes. 
CAPÍTULO IV – DA RESPONSABILIDADE E AUTENTICIDADE 
Art. 76 - Ao Diretor, Inspetor e Secretário cabe a responsabilidade por toda a escrituração e expedição de 
documentos escolares, bem como dar-lhes autenticidade pela aposição de suas assinaturas. 
PARÁGRAFO ÚNICO - Todos os funcionários são responsáveis na respectiva órbita de competência, pela 
guarda, sigilo e inviolabilidade dos arquivos, documentos e escrituração escolar. 
TÍTULO VII – DA GESTÃO PEDAGÓGICA 
CAPÍTULO I – DOS SERVIÇOS DE ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL/SUPERVISÃO PEDAGÓGICA 
Art. 77 - A finalidade do serviço de supervisão pedagógica e/ ou orientação educacional é articular o trabalho 
pedagógico da escola coordenado e integrado ao trabalho dos professores, dos alunos e seus familiares em torno 
de um eixo comum: o ensino-aprendizagem. 
Art. 78 - Compete ao especialista da educação, além das atribuições previstas na legislação vigente: 
I. Coordenar o planejamento e implementação do Projeto Pedagógico da escola, tendo em vista as 
diretrizes no Projeto:Político Pedagógico da Escola: 
a) participar da elaboração do Projeto Político Pedagógico da Escola: 
b) delinear, com os professores, o Projeto Político Pedagógico, explicitando seus componentes de acordo 
com a realidade da escola; 
c) coordenar a elaboração do currículo pleno da escola, envolvendo a comunidade escolar; 
d) promover o desenvolvimento curricular, redefinindo, conforme as necessidades, os métodos e materiais 
de ensino; 
e) participar da elaboração do calendário escolar; 
f) articular os docentes de cada área para o desenvolvimento do trabalho técnico-pedagógico da escola, 
definindo suas atividades específicas; 
g) avaliar o trabalho pedagógico, sistematicamente, com vistas à reorientação de sua dinâmica; 
h) participar, com o corpo docente, do processo de avaliação externa e da análise de seus resultados; 
i) identificar as manifestações culturais características da região e incluí-las no desenvolvimento do 
trabalho da escola; 
II. Coordenar o programa de capacitação do pessoal da escola:
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
a) analisar os resultados da avaliação sistêmica feita juntamente com os professores e identificar as 
necessidades dos mesmos; 
b) realizar a avaliação do desempenho dos professores, identificando as necessidades individuais de 
treinamento e aperfeiçoamento; 
c) efetuar levantamento da necessidade de treinamento e capacitação dos docentes na escola; 
d) manter intercâmbio com instituições educacionais e/ou pessoas visando sua participação nas atividades 
de capacitação; 
e) analisar os resultados obtidos com as atividades de capacitação docente, na melhoria dos processos de 
ensino aprendizagem. 
III. Realizar a orientação dos alunos, articulando o envolvimento da família no processo educativo: 
a) identificar, junto com os professores, as dificuldades de aprendizagem dos alunos; 
b) orientar os professores sobre as estratégias mediante as quais as dificuldades identificadas possam ser 
trabalhadas, em nível pedagógico; 
c) encaminhar a instituições especializadas os alunos com dificuldades que requeiram um atendimento 
terapêutico; 
d) promover a integração do aluno no mundo do trabalho, através da informação profissional e da 
discussão de questões relativas aos interesses profissionais dos alunos e à configuração do trabalho na 
realidade social; 
e) envolver a família no planejamento e desenvolvimento das ações da escola; 
f) proceder, com auxilio de professores, ao levantamento das características sócio-econômicas e 
linguísticas do aluno e sua família; 
g) utilizar os resultados do levantamento como diretriz para diversas atividades de planejamento do 
trabalho escolar; 
h) analisar com a família os resultados do aproveitamento do aluno , orientando-o, se necessário , para 
obtenção de melhores resultados; 
i) oferecer apoio ás instituições escolares discentes, estimulando a vivência da prática democrática dentro 
da escola. 
IV. Realizar estudos e pesquisas que fundamentam a proposta de políticas, diretrizes e normas 
educacionais; 
V. Elaborar normas e instruções relativas ao pedagógico; 
VI. Outras, compatíveis com a natureza do cargo, previstas nas normas legais aplicáveis a espécie. 
CAPÍTULO II – DOS CONSELHOS DE CICLO/CLASSE 
Art. 79 - O Conselho de Ciclo/Classe é um Órgão Colegiado que tem por objetivo a avaliação coletiva do processo 
ensino-aprendizagem. 
Art. 80 - São finalidades dos conselhos de Ciclo/Classe: discutir, refletir, avaliar, planejar, diagnosticar, 
acompanhar, formar e construir, alterar relações e prática escolares. 
Art. 81 - Compete-lhe servir de fórum de discussão para definir sobre: 
I. objetivos a serem alcançados em cada componente curricular, por ano; 
II. metodologias e estratégias de ensino; 
III. critérios para seleção dos conteúdos curriculares; 
IV projetos coletivos de ensino e atividades; 
V formas de acompanhamento dos alunos durante o período letivo; 
VI critérios para apreciação do desempenho do aluno para o acompanhamento no decorrer da série e para 
informações aos pais e/ou responsáveis; 
VII proposta curricular diversificada e inovadora dos alunos; 
VIII adaptação curricular para os alunos com necessidades e especificidades educacionais, inclusive as 
necessidades especiais. 
IX classificação, reclassificação e o avanço escolar. 
Art. 82 - O Conselho de Classe/Ciclo é constituído por todos os professores das turmas, alunos representantes de 
turma, pessoal técnico, especialista da educação e pelo diretor ou outro profissional por ele indicado, que 
coordena o Conselho.
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
Art. 83 - Sempre que for necessário, o Conselho de Classe/Ciclo pode convidar alunos e pais para participar de 
suas reuniões. 
Art. 84 - A Escola promove um mínimo de 04 (quatro) reuniões do Conselho de Classe/Ciclo ao longo do ano 
letivo ou em caráter extraordinário, quando se fizer necessário. 
§1° - As reuniões realizadas devem ter o objetivo de discussão para definir, após análise do processo ensino-aprendizagem, 
a reformulação de currículos, pesquisas de metodologia, elaboração de projetos, classificação ou 
reclassificação' de alunos, esclarecimentos e definições de alunos em situações limítrofes, encaminhamento de 
alunos ao atendimento especializado, atenção às transferências e remanejamentos. 
§ 2° - Cabe à Direção da escola assegurar ao Conselho de Classe/Ciclo as condições mínimas para seu 
funcionamento. 
§3° - A organização dos horários de realização das reuniões deve ser feita de modo a permitir que todos os seus 
membros efetivos participem, em especial os professores, considerando-se que não existe professor dispensável 
no processo de avaliação coletiva do aluno e do trabalho pedagógico da escola. 
Art. 85 - A constituição, as competências , o funcionamento e demais normas dos Conselhos de Ciclo/Classe 
estão contidos em anexo próprio. 
CAPÍTULO III – DO ATENDIMENTO VOLUNTÁRIO E PARCERIA 
Art. 86 - Respeitadas as disposições e normas legais, a escola faz seu trabalho, buscando sempre na comunidade 
e fora dela, parcerias e ações diversas que beneficiem a Projeto Político Pedagógico. 
Art. 87 - O atendimento de voluntários se faz através da parceria com membros da comunidade, com o objetivo de 
apoio à escola, acompanhamento e suporte aos estudantes com dificuldades de aprendizagem. 
Art. 88 - Podem participar do programa de atendimento voluntário: 
I. Professores ativos e inativos; 
II. Especialista da Educação, ativos e inativos; 
III. Pessoas que comprovem à direção da escola, capacidade para o desempenho da atividade, através de 
habilitação; 
IV. Estagiários. 
§1º - Para a implementação do programa, a direção pode articular-se com associações comunitárias, centros 
sociais e de estudos, bibliotecas e outros. 
§2º- O atendimento voluntário não constitui vínculo empregatício com a escola não dando, portanto, ao voluntário, 
o direito a contagens de tempo. 
Art. 89 - Além do suporte aos estudantes com deficiência de aprendizagem a escola pode aproveitar a 
colaboração dos voluntários em: 
I. Esportes e Recreação; 
II. Danças e música; 
III. Artes (artesanato, teatro, pintura, desenho); 
IV. Informática; 
V. Outros. 
CAPÍTULO IV - DAS INSTITUIÇÕES E RECURSOS PEDAGÓGICOS 
SEÇÃO I – DA BIBLIOTECA E VIDEOTECA 
Art. 90 - A biblioteca tem finalidade de fornecer os elementos necessários à realização e enriquecimento dos 
trabalhos pedagógicos, consultas e pesquisas.
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
Art. 91 - A biblioteca funciona em horários paralelos aos do funcionamento dos turnos. 
Art. 92 - Todo o acervo da biblioteca é catalogado e registrado em livro próprio e é de inteira responsabilidade das 
bibliotecárias, as quais deverão estar cientes dos empréstimos de livros realizados e quais alunos pegaram tais 
livros. 
PARAGRAFO ÚNICO: As bibliotecárias da Escola Cornélia deverão ter livro com nomes de alunos por turma, 
bem como um livro de registro que conste: nome do aluno que pegou livro, nome do livro e número de registro, 
data de entrega. As bibliotecárias deverão procurar os alunos que não devolverem os livros no prazo, caso o/a 
aluno(a) não entregue mesmo assim, o serviço de Supervisão e a direção da Escola devem ser cientificados o 
mais rápido possível a fim de recuperar e disponibilizar novamente o livro a outros alunos(as). 
Art. 93 - A organização e funcionamento da Biblioteca estão sujeitos às normas baixadas pela Diretoria da Escola, 
à luz da legislação vigente. 
Art. 94 - O Professor para Ensino do Uso da Biblioteca é o responsável pelo funcionamento da biblioteca e tem 
atribuições inerentes ao cargo especificadas em legislação própria. 
Art. 95 - Compete ao Professor de Ensino do Uso da Biblioteca: 
I. Organizar a biblioteca de forma a facilitar o uso do livro, do vídeo, do retroprojetor, do projetor de slides e 
de outros materiais e/ou equipamentos nela existentes, assegurando ao usuário um ambiente propício à 
reflexão e estimulador da criatividade e imaginação; 
II. Zelar pela conservação do acervo da biblioteca orientando o usuário, docente e discente, com vistas à 
adequada utilização desse acervo. 
III. Promover atividades individuais e/ou coletivas, especialmente as que estimulem os alunos a produzir 
textos; 
IV. Divulgar no âmbito da escola os programas de vídeo disponíveis, fazendo com que sua utilização seja 
instrumento de lazer, cultura, informação, humanização e socialização; 
V. Desenvolver um trabalho articulado de imagem, leitura e outras artes, buscando a integração entre 
Educação e Cultura como fator de melhoria da qualidade de ensino; 
VI. Colaborar com o desenvolvimento das atividades curriculares da Escola, facilitando a interdisciplinaridade 
e criando condições para que o alunos compreendam a realidade em que vivem; 
VII. Ministrar aulas do uso da biblioteca sensibilizando professores e alunos para o ato da leitura; 
VIII. Participar ativamente da vida cultural e social da comunidade escolar incentivando, por meio de 
promoções, o gosto pela leitura. 
Art.96 - Os equipamentos audiovisuais têm por objetivo propiciar aos alunos modernidade de informações, fixação 
dos conteúdos trabalhados e visualização de realidades longínquas; 
Art. 97 - O DVD, o datashow, a máquina fotográfica, o notebook, aparelhos de som, microfones e a TV da escola 
funcionam como serviço de apoio pedagógico aos professores na execução e implementação dos currículos 
escolares; 
Art. 98 - A aquisição de DVD´S, deve ser feita de acordo com os interesses dos professores, para atender os 
conteúdos específicos; 
.Art. 99 - O DVD, o datashow, a máquina fotográfica, o notebook, aparelhos de som, microfones e a TV são 
utilizados de acordo com a previsão dos professores; 
Art. 100 - As turmas fazem uso do equipamento audiovisual, nas salas de aula, na modalidade itinerante. 
PARÁGRAFO ÚNICO – Além do uso dos equipamentos áudio - visuais em sala própria.
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
SEÇÃO II - DA MONITORIA ENTRE ALUNOS 
Art. 101 - São finalidades da monitoria: 
I. descobrir e desenvolver aptidões para liderança; 
II. desenvolver o senso de responsabilidade entre alunos; 
III. promover maior entrosamento entre os professores e alunos e entre os próprios colegas; 
IV. promover recuperação de alunos. 
§ 1º - Para este serviço são aproveitados os alunos mais capacitados de cada turma. 
§ 2º - O funcionamento é feito conforme as possibilidades e necessidades dos alunos, em períodos de 
recuperação ou como atividades extra-classe. 
SEÇÃO III - DOS CURSOS DE EXTENSÃO COMUNITÁRIA 
Art. 102 - A escola ministra cursos e /ou palestras de extensão comunitária visando sensibilizar a família sobre a 
importância de seu papel na educação dos educandos; 
I. promover a interação e a troca de experiência entre família e escola. 
PARÁGRAFO ÚNICO - As palestras, oficinas e cursos podem ser planejados com a parceria da prefeitura, SEE, 
SRE, organizações não governamentais e com a colaboração de profissionais habilitados.( A Escola depende de 
que tais instituições demonstrem interesse em ministrar cursos para a comunidade do bairro e da escola. O CRAS 
da cidade já foi procurado, para firmarmos parceria com SENAC e este trazer cursos que seriam realizados nas 
dependências da escola.) 
SEÇÃO IV - DA EDUCAÇÃO CONTINUADA DA EQUIPE ESCOLAR 
Art. 103 - A Educação Continuada da equipe escolar visa a atualização do pessoal e a melhoria do ensino-aprendizagem. 
Art. 104 - Frequência do servidor em cursos do sistema fica sujeita à determinação superior e a reorganização da 
Escola. 
Art. 105 - A capacitação da equipe escolar é feita através de projetos e programas especiais da SEE, com o apoio 
da equipe pedagógica da escola e da SRE. 
Art. 106 - A equipe escolar reúne-se periodicamente para planejamento, replanejamento e avaliação de seu 
processo educativo, priorizando as suas necessidades de capacitação, conforme legislação vigente. 
SEÇÃO V – DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS 
Art. 107 - A ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA disponibiliza as turmas do Ensino 
Fundamental e Ensino Médio para estágio curricular supervisionado, por estudantes de Curso Normal e 
Licenciaturas, conveniados com a SEE/MG. 
Art. 108 - O estágio é desenvolvido sob a supervisão da Instituição de Ensino Superior, conveniadas com a 
Secretaria de Estado de Educação, observadas as seguintes condições: 
I. a realização do estagio curricular supervisionado não cria vínculo empregatício ou de qualquer natureza 
entre o estagiário e a Secretaria de Estado de Educação. 
II. o número de estagiários na escola não pode exceder a 10% (dez por cento) do número total de seus 
professores e equipe pedagógica. 
Art. 109 - Compete à Escola : 
I. firmar termo de compromisso com a instituição conveniada e com o aluno; 
II. definir junto com a instituição de ensino superior, o plano de estágio na escola;
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
III. facultar o acesso do estagiário às atividades e reuniões pedagógicas da escola. 
IV. indicar um profissional da equipe pedagógica para responsabilizar-se pelo estagiário, sua avaliação e 
validação de documentos pertinentes; 
V. verificar a compatibilidade entre as atividades desenvolvidas no estágio e aquelas previstas no termo de 
compromisso 
SEÇÃO VI – DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA 
Art. 110 - A escola mantém laboratório de informática com o objetivo de utilizar o computador como recurso 
audiovisual e ferramenta que favoreça a construção do conhecimento do educando. 
Art. 111- Compete ao professor responsável pelo uso do laboratório de informática: 
I. Facilitar o uso do computador como ferramenta pedagógica capaz de auxiliar o processo de construção do 
conhecimento; 
II. Articular o processo de construção do conhecimento envolvendo toda a equipe escolar. 
PARÁGRAFO ÚNICO: A E.E. Cornélia Ferreira Ladeira até o dia 20/10/2014 não conta com um laboratório 
de informática, pois as máquinas que temos estão obsoletas, vários pedidos já foram feitos à SEE-MG, 
para que nossos computadores fossem trocados por novos. 
Art. 112 - A organização e funcionamento Do Laboratório de Informática está sujeito às normas baixadas pela 
Diretoria da Escola, à luz da legislação vigente. 
Paragrafo único: até o dia 20 de outubro de 2014 a Escola Cornélia está sem laboratório de inofrmática, pois 
nossas máquinas estão obsoletas e devem ser trocadas, vários pedidos já foram feitos à SER-JF. 
SEÇÃO VII - DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA 
A ESCOLA CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA não conta com LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA. 
TÍTULO VIII – DAS ETAPAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA 
CAPÍTULO I – DO ENSINO FUNDAMENTAL 
Art.117 - O Ensino Fundamental, com duração de nove anos, estrutura-se em 4 (quatro) ciclos de escolaridade, 
considerados como blocos pedagógicos sequenciais: 
I. Ciclo da Alfabetização, com a duração de 3 (três) anos de escolaridade, 1º, 2º e 3º ano; 
II. Ciclo Complementar, com a duração de 2 (dois) anos de escolaridade, 4º e 5º ano; 
III. Ciclo Intermediário, com duração de 2 (dois) anos de escolaridade, 6º e 7º ano; 
IV. Ciclo da Consolidação, com duração de 2 (dois) anos de escolaridade, 8º e 9º ano. 
Art.118- A carga horária mínima anual do Ensino Fundamental regular é de 800 (oitocentas) horas relógio para os 
Anos Iniciais e 833:20 horas (oitocentas e trinta e três horas e vinte minutos) para os Anos Finais, distribuídas em, 
pelo menos, 200 (duzentos) dias de efetivo trabalho escolar. 
Art. 119.-.A escola oferece o Ensino Fundamental completo do 1º (primeiro) ao 9º (nono) ano do Ensino 
Fundamental e o Ensino Médio. 
Art. 120 - Os Anos Iniciais do Ensino Fundamental são organizados em 2 (dois) Ciclos: 
I - Ciclo da Alfabetização, com a duração de 3 (três) anos de escolaridade, 1º, 2º e 3º ano; 
II - Ciclo Complementar, com a duração de 2 (dois) anos de escolaridade, 4º e 5º ano; 
Art. 121 - Os Ciclos da Alfabetização e Complementar devem garantir o princípio da continuidade da 
aprendizagem dos alunos, sem interrupção, com foco na alfabetização e letramento, voltados para ampliar as 
oportunidades de sistematização e aprofundamento das aprendizagens básicas, para todos os alunos, 
imprescindíveis ao prosseguimento dos estudos.
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
Art. 122 - Considerando que o processo de alfabetização e o zelo com o letramento são a base de sustentação 
para o prosseguimento de estudos, com sucesso, as Escolas devem organizar suas atividades de modo a 
assegurar aos alunos um percurso contínuo de aprendizagens e a articulação do Ciclo da Alfabetização com o 
Ciclo Complementar. 
Art. 123 - O Ciclo da Alfabetização, a que terão ingresso os alunos com seis anos de idade, terá suas atividades 
pedagógicas organizadas de modo a assegurar que, ao final de cada ano, todos os alunos tenham garantidos, 
pelo menos, os seguintes direitos de aprendizagem: 
I - 1º Ano: 
a) desenvolver atitudes e disposições favoráveis à leitura; 
b) conhecer os usos e funções sociais da escrita; 
c) compreender o princípio alfabético do sistema da escrita; 
d) ler e escrever palavras e sentenças. 
II - 2º Ano: 
a) ler e compreender pequenos textos; 
b) produzir pequenos textos escritos; 
c) fazer uso da leitura e da escrita nas práticas sociais. 
III - 3º Ano: 
a) ler e compreender textos mais extensos; 
b) localizar informações no texto; 
c) ler oralmente com fluência e expressividade; 
d) produzir frases e pequenos textos com correção ortográfica. 
§ 1º - Ao final do Ciclo da Alfabetização, todos os alunos devem ter consolidado as capacidades referentes à 
leitura e à escrita necessárias para expressar-se, comunicar-se e participar das práticas sociais letradas, e ter 
desenvolvido o gosto e apreço pela leitura. 
§ 2º - Ao final do Ciclo da Alfabetização, na área da Matemática, todos os alunos devem compreender e utilizar o 
sistema de numeração, dominar os fatos fundamentais da adição e subtração, realizar cálculos mentais com 
números pequenos, dominar conceitos básicos relativos a grandezas e medidas, espaço e forma e resolver 
operações matemáticas com autonomia. 
Art. 124 - O Ciclo Complementar, com o objetivo de consolidar a alfabetização e ampliar o letramento, terá suas 
atividades pedagógicas organizadas de modo a assegurar que todos os alunos, ao final de cada ano, tenham 
garantidos, pelo menos, os seguintes direitos de aprendizagem: 
I - 4º ano: 
a) produzir textos adequados a diferentes objetivos, destinatários e contextos; 
b) utilizar princípios e regras ortográficas e conhecer as exceções; 
c) utilizar as diferentes fontes de leitura para obter informações adequadas a diferentes objetivos e interesses; 
d) selecionar textos literários segundo seus interesses. 
II - 5º Ano: 
a) produzir, com autonomia, textos com coerência de ideias, correção ortográfica e gramatical; 
b) ler, compreendendo o conteúdo dos textos, sejam informativos, literários, de comunicação ou outros. 
§ 1º - Ao final do Ciclo Complementar, todos os alunos deverão ser capazes de ler, compreender, retirar 
informações contidas no texto e redigir com coerência, coesão, correção ortográfica e gramatical. 
§ 2º- Ao final do Ciclo Complementar, na área da Matemática, todos os alunos devem dominar e compreender o 
uso do sistema de numeração, os fatos fundamentais da adição, subtração, multiplicação e divisão, realizar 
cálculos mentais, resolver operações matemáticas mais complexas, ter conhecimentos básicos relativos a 
grandezas e medidas, espaço e forma e ao tratamento de dados em gráficos e tabelas. 
Art. 125 - A programação curricular dos Ciclos da Alfabetização e Complementar, tanto no campo da linguagem 
quanto no da Matemática, deve ser estruturada de forma a, gradativamente, ampliar capacidades e 
conhecimentos, dos mais simples aos mais complexos, contemplando, de maneira articulada e simultânea, a 
alfabetização e o letramento.
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
Art. 126 - Na organização curricular dos ciclos dos anos iniciais do Ensino Fundamental, os Componentes 
Curriculares devem ser abordados a partir da prática vivencial dos alunos, possibilitando o aprendizado 
significativo e contextualizado: 
I - Os eixos temáticos dos Componentes Curriculares Ciências, História e Geografia devem ser abordados de 
forma articulada com o processo de alfabetização e letramento e de iniciação à Matemática, crescendo em 
complexidade ao longo dos Ciclos. 
II - A questão ambiental contemporânea deve ser abordada partindo da realidade local, mobilizando as emoções e 
a energia das crianças para a preservação do planeta e do ambiente onde vivem. 
III - O Componente Curricular Arte deve oportunizar aos alunos momentos de recreação e ludicidade, por meio de 
atividades artístico culturais. 
VI - O Ensino Religioso deve reforçar os laços de solidariedade na convivência social e de promoção da paz. 
Art. 127 - A Escola deve, ao longo de cada ano dos Ciclos da Alfabetização e Complementar, acompanhar, 
sistematicamente, a aprendizagem dos alunos, utilizando estratégias e recursos diversos para sanar as 
dificuldades evidenciadas no momento em que ocorrerem e garantir a progressão continuada dos alunos. 
Art. 128 - A passagem dos alunos dos ciclos dos anos iniciais para os ciclos dos anos finais do Ensino 
Fundamental deverá receber atenção especial da Escola, a fim de se garantir a articulação sequencial necessária, 
especialmente entre o Ciclo Complementar e o Ciclo Intermediário, em face das demandas diversificadas exigidas 
dos alunos, pelos diferentes professores, em contraponto à unidocência dos anos iniciais. 
PARÁGRAFO ÚNICO: A Escola deverá, ainda, articular com a Rede Municipal de Ensino, para evitar obstáculos 
de acesso aos ciclos dos anos finais do Ensino Fundamental, dos alunos que se transfiram de uma rede para 
outra, para completar esta etapa da Educação Básica. 
Art. 129 - Os Ciclos Intermediário e da Consolidação do Ensino Fundamental, com o objetivo de consolidar e 
aprofundar os conhecimentos, competências e habilidades adquiridos nos Ciclos da Alfabetização e 
Complementar, terão suas atividades pedagógicas organizadas de forma gradativa e crescente em complexidade, 
considerando os Conteúdos Básicos Comuns – CBC, de modo a assegurar que, ao final desta etapa, todos os 
alunos tenham garantidos, pelo menos, os seguintes direitos de aprendizagem: 
Art. 130 - Os Ciclos Intermediário e da Consolidação do Ensino Fundamental, com o objetivo de consolidar e 
aprofundar os conhecimentos, competências e habilidades adquiridos nos Ciclos da Alfabetização e 
Complementar, terão suas atividades pedagógicas organizadas de forma gradativa e crescente em complexidade, 
considerando os Conteúdos Básicos Comuns – CBC, de modo a assegurar que, ao final desta etapa, todos os 
alunos tenham garantidos, pelo menos, os seguintes direitos de aprendizagem: 
I - Linguagens: 
a) Língua Portuguesa: 
- ler, de maneira autônoma, textos de diferentes gêneros, construindo a compreensão global do texto, identificando 
informações explícitas e implícitas, produzindo inferências, reconhecendo as intenções do enunciador e sendo 
capazes de aderir ou recusar as ideias do autor; 
- identificar e utilizar os diversos gêneros e tipos textuais que circulam na sociedade para a resolução de 
problemas cotidianos que requerem o uso da língua; 
- produzir textos orais e escritos, com coerência, coesão e correção ortográfica e gramatical, utilizando os recursos 
sociolinguísticos adequados ao tema proposto, ao gênero, ao destinatário e ao contexto de produção; 
- analisar e reelaborar seu próprio texto segundo critérios adequados aos objetivos, ao destinatário e ao contexto 
de circulação previstos; 
- desenvolver atitudes e procedimentos de leitor e escritor para a construção autônoma de conhecimentos 
necessários a uma sociedade baseada em informação e em constante mudança. 
b) Língua Estrangeira moderna: 
- compreender textos de diferentes gêneros em Língua Estrangeira moderna, bem como suas condições de 
produção e de recepção;
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
- produzir textos escritos em Língua Estrangeira moderna, coesos e coerentes e com correção lexical e gramatical, 
considerando as condições de produção e circulação; 
utilizar a linguagem oral da Língua Estrangeira moderna como instrumento de interação socio-comunicativa. 
c) Arte: 
- saber se expressar artisticamente, articulando a percepção, imaginação, emoção, sensibilidade e reflexão em 
suas produções artísticas visuais, corporais, cênicas e musicais, compreendendo a arte em todas as suas 
linguagens e manifestações; 
- apreciar e analisar criticamente produções artísticas (artes visuais, dança, teatro e música), estabelecendo 
relações entre análise formal, contextualização, pensamento artístico e identidade cultural; 
- refletir acerca da manifestação artística, sobre si próprio e sobre a experiência estética. 
d) Educação Física: 
- reconhecer o potencial do esporte, dos jogos, das brincadeiras, da dança e da ginástica para o desenvolvimento 
de atitudes e de valores democráticos de solidariedade, respeito, autonomia, confiança, liderança; 
- conhecer as modalidades esportivas, sua história, suas regras, movimentos técnicos e táticos, bem como as 
diferenças na forma de apresentação dos esportes; 
- conhecer e identificar os elementos constitutivos da dança, utilizando as múltiplas linguagens corporais, 
possibilitando a superação dos preconceitos, bem como conhecer e identificar diversos jogos e brincadeiras da 
nossa e de outras culturas; 
- compreender os riscos e benefícios das atividades e práticas esportivas na promoção da saúde e qualidade da 
vida. 
II - Matemática: 
- comparar, ordenar e operar com números naturais, inteiros, racionais, interpretando e resolvendo situações-problema; 
- Identificar e resolver situações-problema que envolvam proporcionalidade direta e inversa; porcentagem e juros; 
equações de primeiro e segundo graus; sistemas de equações de primeira grau; conversão de medidas; cálculo 
de perímetro, de área, de volume e capacidade; probabilidade; utilização de linguagem algébrica; 
- reconhecer as principais relações geométricas entre as figuras planas; 
- interpretar e utilizar informações apresentadas em tabelas e gráficos. 
III - Ciências da Natureza: 
- compreender a inter-relação dos seres vivos entre si e com o meio ambiente; 
- identificar os conhecimentos físicos, químicos e biológicos presentes no cotidiano; 
- compreender o processo de reprodução na evolução e diversidade das espécies, a sexualidade humana, 
métodos contraceptivos e doenças sexualmente transmissíveis; 
- compreender o efeito das drogas e suas consequências no convívio social. 
IV - Ciências Humanas: 
a) História: 
- compreender as relações da natureza com o processo sociocultural, político e econômico, no passado e no 
presente; 
- reconhecer e compreender as diferentes relações de trabalho na realidade atual e em outros momentos 
históricos; 
- compreender o processo de formação dos povos, suas lutas sociais e conquistas, guerras e revoluções, assim 
como cidadania e cultura no mundo contemporâneo; 
- realizar, autonomamente, trabalhos individuais e coletivos usando fontes históricas. 
b) Geografia: 
- compreender as relações de apropriação do território, associadas ao exercício da cidadania, à importância da 
natureza para o homem, bem como às questões socioambientais; 
- compreender as formações socioespaciais do campo e da cidade, sua relação com a modernização capitalista, 
bem como o papel do Estado e das classes sociais, a cultura e o consumo na interação entre o campo e a cidade;
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
- compreender o processo de globalização, os problemas socioambientais e novos modos de vida, dentro de uma 
perspectiva de desenvolvimento humano, social e econômico sustentável. 
V- Ensino Religioso: 
- compreender a religiosidade como fenômeno próprio da vida e da história humana, desenvolvendo um espírito 
de fraternidade e tolerância em relação às diferentes religiões; 
- refletir sobre os princípios éticos e morais, fundamentais para as relações humanas, orientados pelas religiões, e 
agir segundo esses princípios. 
Art. 131 - Nos ciclos finais do Ensino Fundamental, os alunos deverão, ainda, ser capazes de ler e compreender 
textos de diferentes gêneros, inclusive os específicos de cada Componente Curricular, e produzir, com coerência e 
coesão, textos da mesma natureza, utilizando-se dos recursos gramaticais e linguísticos adequados. 
CAPÍTULO III – DO ENSINO MÉDIO 
Art.132 - O Ensino Médio, etapa conclusiva da Educação Básica, possui duração de 3 (três) anos e tem por 
finalidade: 
I - a consolidação e o aprofundamento dos conhecimentos adquiridos no Ensino Fundamental, possibilitando o 
prosseguimento de estudos; 
II - a compreensão dos fundamentos científico-tecnológicos dos processos produtivos, relacionando a teoria com a 
prática; 
III - a preparação básica para o trabalho e a cidadania do educando para continuar aprendendo, de modo a ser 
capaz de se adaptar a novas condições de ocupação ou de aperfeiçoamento posteriores; 
IV - o aprimoramento do educando como pessoa humana, incluindo a formação ética e o desenvolvimento da 
autonomia intelectual e do pensamento crítico. 
Art.133 - As Escolas de Ensino Médio devem prover ensino de qualidade, de forma a ampliar o acesso e as taxas 
de conclusão e garantir a melhoria da eficiência no uso dos recursos disponíveis e na proficiência dos alunos. 
Art.134 - O primeiro ano do Ensino Médio deve assegurar a transição harmoniosa dos alunos provenientes do 9º 
ano do Ensino Fundamental, considerando o aprofundamento dos Componentes Curriculares dos anos finais do 
Ensino Fundamental e a inclusão de novos Componentes Curriculares. 
PARÁGRAFO ÚNICO – O Ensino Médio Regular tem a carga horária e componentes curriculares definidos no 
plano curricular. 
Art. 135 - É adotado no Ensino Médio Regular o regime de Progressão Parcial. 
Art. 136 - A organização curricular do Ensino Médio apresenta uma estrutura comum a todas as alternativas de 
ensino, observando-se as seguintes características: 
I. no 1º ano, obrigatoriedade do ensino dos Conteúdos Básicos Comuns - CBC, definidos pela Resolução 
SEE nº 666, de 08 de abril de 2005, acrescido de uma Língua Estrangeira Moderna, 
II. no 2º ano e 3º ano , a organização, por opção da escola, garantindo-se a oferta de 10 
disciplinas/componentes curriculares. 
III. obrigatoriedade da oferta no currículo do ensino médio regular, em todos os anos, de pelo menos um 
módulo-aula semanal dos componentes curriculares Filosofia e Sociologia; 
IV. obrigatoriedade da oferta no currículo do ensino médio regular, de dois módulos-aula semanais da 
disciplina/componente curricular Educação Física, exceto no 3º ano em 2012; 
V. obrigatoriedade da oferta no currículo do ensino médio regular, em todos os anos, de quatro módulos-aula 
semanais de cada disciplina/componente curricular de Língua Portuguesa e Matemática; 
VI. obrigatoriedade de inclusão no currículo do ensino médio, da disciplina/ componente curricular Língua 
Espanhola, de oferta obrigatória pela escola e de matrícula facultativa pelo aluno, no horário regular de 
aula do aluno, conforme estabelecido na Lei Federal nº 11.161, de 5 de agosto de 2005; 
VII. na organização curricular adotar, sempre que possível, a sistemática de aula geminada.
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
Art. 137 - A carga horária diária do ensino regular noturno pode ser de 5 (cinco) módulos-aula de 40 (quarenta) ou 
50 (cinquenta) minutos, definida pela comunidade escolar em assembleia convocada especificamente para este 
fim. 
PARÁGRAFO ÚNICO – A carga horária do professor é de 50 (cinquenta) minutos, sendo que 10 (dez) minutos 
são destinados à orientação das atividades complementares dos alunos com módulos-aula de 40 (quarenta) 
minutos. 
Art.138 - Os alunos matriculados no ensino médio regular noturno com a opção de módulos de 40 (quarenta) 
minutos cumprem, obrigatoriamente, 200 (duzentos) módulos-aula anuais de 50(cinquenta) minutos, sob a forma 
de atividades complementares fora do horário regular. As atividades complementares devem perfazer um total de 
166:40 h anuais, caso a escola opte por módulos de 40 minutos no noturno. 
Art. 139 - O ensino da Língua Espanhola, de oferta obrigatória pela escola e de matrícula facultativa para o aluno, 
é oferecido no 1º ano do Ensino Médio, no próprio turno do aluno. 
PARÁGRAFO ÚNICO – A opção pelas aulas de Língua Espanhola deve ser feita pelo aluno ou responsável e 
arquivada em sua pasta individual. 
Art.140 - É assegurada a progressão parcial ao aluno que não apresente desempenho satisfatório em até 03 (três) 
conteúdos. 
PARÁGRAFO ÚNICO – O aluno deve cursar os conteúdos objetos da reprovação, sem prejuízo de sua carga 
horária obrigatória. 
TÍTULO IX - DAS MODALIDADES DA EDUCAÇÃO BÁSICA 
CAPÍTULO I – DA EDUCAÇÃO ESPECIAL 
Art. 141 - A Educação Especial, como modalidade transversal a todos os níveis, etapas e modalidades de ensino, 
é parte integrante da educação regular, devendo ser prevista no projeto político-pedagógico da unidade escolar. 
§ 1º - A escola deve matricular os estudantes com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas 
habilidades/superdotação nas classes comuns do ensino regular e no Atendimento Educacional Especializado 
(AEE), complementar ou suplementar à escolarização, ofertado em salas de recursos multifuncionais ou em 
centros de AEE da rede pública ou de instituições comunitárias, confessionais ou filantrópicas sem fins lucrativos. 
§ 2º - A escola deve criar condições para que o professor da classe comum possa explorar as potencialidades de 
todos os estudantes, adotando uma pedagogia dialógica, interativa, interdisciplinar e inclusiva e, na interface, o 
professor do AEE deve identificar habilidades e necessidades dos estudantes, organizar e orientar sobre os 
serviços e recursos pedagógicos e de acessibilidade para a participação e aprendizagem dos estudantes. 
§ 3º - Na organização desta modalidade, a escola deve observar as seguintes orientações fundamentais: 
I. o pleno acesso e a efetiva participação dos estudantes no ensino regular; 
II. a oferta do atendimento educacional especializado; 
III. a formação de professores para o AEE e para o desenvolvimento de práticas educacionais inclusivas; 
IV. a participação da comunidade escolar; 
V. a acessibilidade arquitetônica, nas comunicações e informações, nos mobiliários e equipamentos e nos 
transportes. 
Art. 142 - A Educação Especial considera as situações singulares, os perfis dos estudantes, as características bio-psicossociais 
dos alunos e suas faixas etárias e se pautam em princípios éticos, políticos e estéticos, de modo a 
assegurar: 
I. A dignidade humana e a observância do direito de cada aluno de realizar seus projetos de estudo, de 
trabalho e de inserção na vida social;
59 
REGIMENTO INTERNO 
ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 
A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. 
LEVE A PAZ AONDE FOR. 
II. A busca da identidade própria de cada educando, o reconhecimento e a valorização das suas diferenças e 
potencialidades, bem como de suas necessidades educacionais especiais no processo de ensino e 
aprendizagem, como base para a constituição e ampliação de valores, atitudes, conhecimentos, 
habilidades e competências; 
III. O desenvolvimento para o exercício da cidadania, da capacidade de participação social, política e 
econômica e sua ampliação, mediante o cumprimento de seus deveres e o usufruto de seus direitos. 
Art. 143 - A ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA oferece aos educandos com necessidades 
especiais: 
I. currículos, métodos, técnicas, recursos educativos e organização específicos, para atender as suas 
necessidades; 
II. terminalidade específica para aqueles que não puderam atingir o nível exigido para a conclusão do Ensino 
Fundamental, em virtude de suas deficiências, e aceleração para concluir em menor tempo o programa 
escolar para os superdotados; 
III. acesso igualitário aos benefícios dos programas sociais suplementares disponíveis para o respectivo nível 
de ensino regular. 
CAPÍTULO II – DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS 
SEÇÃO I – GENERALIDADES 
Art. 144 - A Educação de Jovens e Adultos (EJA) destina-se aos que se situam na faixa etária superior à 
considerada própria, no nível de conclusão do Ensino Fundamental e do Ensino Médio. 
PARÁGRAFO ÚNICO – A Educação de Jovens e Adultos (EJA) é desenvolvida numa estratégia diferenciada 
devendo, portanto, ser centralizada na própria história de vida do jovem e adulto, a partir de suas reais 
necessidades e possibilidades. 
Art. 145 - A Educação de Jovens e Adultos tem como objetivos: 
I. sistematizar e consolidar as experiências de vida e os conhecimentos já adquiridos pelos jovens e 
adultos; 
II. oferecer condições especiais para que os jovens e adultos desenvolvam suas potencialidades como 
pessoas humanas, incluindo a formação ética e o desenvolvimento da autonomia intelectual e 
pensamento crítico; 
III. dotar jovens e adultos de uma adequada compreensão dos fundamentos científico-tecnológicos dos 
processos produtivos, relacionando teoria e prática no estudo das disciplinas e no desenvolvimento de 
habilidades relacionadas com o uso de novas tecnologias. 
SEÇÃO II – DA ORGANIZAÇÃO CURRICULAR 
. 
Art. 146 - O plano curricular deve ser constituído pelos componentes curriculares da base nacional comum 
previstos na LDB - Lei 9394/96 – e organizado de acordo com as diretrizes curriculares para o Ensino 
Fundamental, Médio e Educação de Jovens e Adultos, do Conselho Nacional de Educação – CNE. 
§ 1º - O plano curricular deve ser elaborado pela escola com base na Proposta Curricular e nos 
Parâmetros Curriculares Nacionais – Ensino Fundamental e Médio. 
§ 2º - A proposta de EJA deve estar inserida no Projeto Político-Pedagógico da escola e observar as normas 
vigentes do CNE – Conselho Nacional de Educação, CEE – Conselho Estadual de Educação e SEE – Secretaria 
Estadual de Educação. 
§ 3º- O Histórico Escolar deve retratar a carga horária prevista na matriz curricular, tanto da parte presencial 
quanto das atividades de estudos complementares.
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio
Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docxPLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
ssuser6c03a6
 
4 regimento escolar
4  regimento escolar4  regimento escolar
4 regimento escolar
aquinomarisa
 
Diretrizes curriculares nacionais
Diretrizes curriculares nacionaisDiretrizes curriculares nacionais
Diretrizes curriculares nacionais
marcaocampos
 
Relatório de Regências Ensino Fundamental
Relatório de Regências Ensino Fundamental Relatório de Regências Ensino Fundamental
Relatório de Regências Ensino Fundamental
URCA - Universidade Regional do Cariri
 
Modelo proposta pedagógica
Modelo proposta pedagógicaModelo proposta pedagógica
Modelo proposta pedagógica
tatyathaydes
 
Formação sobre o papel do supervisor escolar
Formação sobre o papel do supervisor escolarFormação sobre o papel do supervisor escolar
Formação sobre o papel do supervisor escolar
Maria Cecilia Silva
 
Estudo de caso
Estudo de casoEstudo de caso
Estudo de caso
Danielle Lobato
 
Termo de Advertência Escolar 2012
Termo de Advertência Escolar 2012Termo de Advertência Escolar 2012
Termo de Advertência Escolar 2012
IEE Wilcam
 
Caracterização da escola 2
Caracterização da escola 2Caracterização da escola 2
Caracterização da escola 2
Superestagio
 
1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de pais1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de pais
Colmanetti
 
Legislação Educacional Brasileira
Legislação Educacional BrasileiraLegislação Educacional Brasileira
Legislação Educacional Brasileira
Messias Mota Vieira
 
Organização e gestão da escola
Organização e gestão da escolaOrganização e gestão da escola
Organização e gestão da escola
Ulisses Vakirtzis
 
PPP - Plano Politico Pedagógico - 2015
PPP - Plano Politico Pedagógico - 2015 PPP - Plano Politico Pedagógico - 2015
PPP - Plano Politico Pedagógico - 2015
Marineide Pereira da Cunha
 
TRABALHANDO A AFETIVIDADE COM O TEXTO
TRABALHANDO A AFETIVIDADE COM O TEXTOTRABALHANDO A AFETIVIDADE COM O TEXTO
TRABALHANDO A AFETIVIDADE COM O TEXTO
Iolanda Sá
 
Plano de ação pedagógica 2009 anandreia
Plano de ação pedagógica 2009   anandreiaPlano de ação pedagógica 2009   anandreia
Plano de ação pedagógica 2009 anandreia
COORDENADORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO VILHENA
 
Plano de Trabalho Gestão 2014 / 2016
Plano de Trabalho Gestão 2014 / 2016Plano de Trabalho Gestão 2014 / 2016
Plano de Trabalho Gestão 2014 / 2016
QUEDMA SILVA
 
Estágio Educação Infantil
Estágio Educação InfantilEstágio Educação Infantil
Estágio Educação Infantil
Luúh Reis
 
Slides gestão escolar
Slides gestão escolarSlides gestão escolar
Slides gestão escolar
Ricardo Jorge Araújo Sousa Peres
 
Palestra sobre educação inclusiva
Palestra sobre educação inclusivaPalestra sobre educação inclusiva
Palestra sobre educação inclusiva
Bárbara Delpretto
 
Estagio regencia de sala
Estagio regencia de salaEstagio regencia de sala
Estagio regencia de sala
Alessandra Alves
 

Mais procurados (20)

PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docxPLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
 
4 regimento escolar
4  regimento escolar4  regimento escolar
4 regimento escolar
 
Diretrizes curriculares nacionais
Diretrizes curriculares nacionaisDiretrizes curriculares nacionais
Diretrizes curriculares nacionais
 
Relatório de Regências Ensino Fundamental
Relatório de Regências Ensino Fundamental Relatório de Regências Ensino Fundamental
Relatório de Regências Ensino Fundamental
 
Modelo proposta pedagógica
Modelo proposta pedagógicaModelo proposta pedagógica
Modelo proposta pedagógica
 
Formação sobre o papel do supervisor escolar
Formação sobre o papel do supervisor escolarFormação sobre o papel do supervisor escolar
Formação sobre o papel do supervisor escolar
 
Estudo de caso
Estudo de casoEstudo de caso
Estudo de caso
 
Termo de Advertência Escolar 2012
Termo de Advertência Escolar 2012Termo de Advertência Escolar 2012
Termo de Advertência Escolar 2012
 
Caracterização da escola 2
Caracterização da escola 2Caracterização da escola 2
Caracterização da escola 2
 
1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de pais1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de pais
 
Legislação Educacional Brasileira
Legislação Educacional BrasileiraLegislação Educacional Brasileira
Legislação Educacional Brasileira
 
Organização e gestão da escola
Organização e gestão da escolaOrganização e gestão da escola
Organização e gestão da escola
 
PPP - Plano Politico Pedagógico - 2015
PPP - Plano Politico Pedagógico - 2015 PPP - Plano Politico Pedagógico - 2015
PPP - Plano Politico Pedagógico - 2015
 
TRABALHANDO A AFETIVIDADE COM O TEXTO
TRABALHANDO A AFETIVIDADE COM O TEXTOTRABALHANDO A AFETIVIDADE COM O TEXTO
TRABALHANDO A AFETIVIDADE COM O TEXTO
 
Plano de ação pedagógica 2009 anandreia
Plano de ação pedagógica 2009   anandreiaPlano de ação pedagógica 2009   anandreia
Plano de ação pedagógica 2009 anandreia
 
Plano de Trabalho Gestão 2014 / 2016
Plano de Trabalho Gestão 2014 / 2016Plano de Trabalho Gestão 2014 / 2016
Plano de Trabalho Gestão 2014 / 2016
 
Estágio Educação Infantil
Estágio Educação InfantilEstágio Educação Infantil
Estágio Educação Infantil
 
Slides gestão escolar
Slides gestão escolarSlides gestão escolar
Slides gestão escolar
 
Palestra sobre educação inclusiva
Palestra sobre educação inclusivaPalestra sobre educação inclusiva
Palestra sobre educação inclusiva
 
Estagio regencia de sala
Estagio regencia de salaEstagio regencia de sala
Estagio regencia de sala
 

Destaque

Regras gerais de funcionamento da escola
Regras gerais de funcionamento da escolaRegras gerais de funcionamento da escola
Regras gerais de funcionamento da escola
Dulcilene Figueiredo
 
Regras da Escola
Regras da EscolaRegras da Escola
Regras da Escola
eb1pepsol
 
REGIMENTO ESCOLAR
REGIMENTO ESCOLAR REGIMENTO ESCOLAR
REGIMENTO ESCOLAR
marizetebento
 
Regimento Escolar das Escolas Públicas Estaduais de Educação Básica
Regimento Escolar das Escolas Públicas Estaduais de Educação BásicaRegimento Escolar das Escolas Públicas Estaduais de Educação Básica
Regimento Escolar das Escolas Públicas Estaduais de Educação Básica
Nilson
 
REGIMENTO ESCOLAR DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CUBATÃO
REGIMENTO ESCOLAR DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CUBATÃOREGIMENTO ESCOLAR DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CUBATÃO
REGIMENTO ESCOLAR DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CUBATÃO
conseduccubatao
 
Regimento escolar da_rede_estadual_2012
Regimento escolar da_rede_estadual_2012Regimento escolar da_rede_estadual_2012
Regimento escolar da_rede_estadual_2012
CEGV_ANANAS
 
SLIDE REGIMENTO ESCOLAR
SLIDE REGIMENTO ESCOLARSLIDE REGIMENTO ESCOLAR
SLIDE REGIMENTO ESCOLAR
Paulo David
 
Regras de sala de aula
Regras de sala de aulaRegras de sala de aula
Regras de sala de aula
Sofia Almeida
 
Regimento interno escolar
Regimento interno escolarRegimento interno escolar
Regimento interno escolar
Divino Oliveira Silva
 
28141611 manual-apuracao-preliminar-e-penalidades
28141611 manual-apuracao-preliminar-e-penalidades28141611 manual-apuracao-preliminar-e-penalidades
28141611 manual-apuracao-preliminar-e-penalidades
Jussiani Rosana
 
Normas gerais conduta escolar
Normas gerais conduta escolarNormas gerais conduta escolar
Normas gerais conduta escolar
supersandrica
 
Regimento interno dos direitos e deveres dos alunos da escola eunice .2013
Regimento interno dos direitos e deveres dos alunos da escola eunice .2013Regimento interno dos direitos e deveres dos alunos da escola eunice .2013
Regimento interno dos direitos e deveres dos alunos da escola eunice .2013
Seduc MT
 
LEI DE PROTEÇÃO AO PROFESSOR‏
LEI DE PROTEÇÃO AO PROFESSOR‏LEI DE PROTEÇÃO AO PROFESSOR‏
LEI DE PROTEÇÃO AO PROFESSOR‏
Italo Malta
 
Termo de suspensão escolas
Termo de suspensão   escolasTermo de suspensão   escolas
Termo de suspensão escolas
Maria Sandra
 
Modelo de advertência de EPI
Modelo de advertência de EPIModelo de advertência de EPI
Modelo de advertência de EPI
prevencaonline
 
Aula ufpr-26-6-slideshare
Aula ufpr-26-6-slideshareAula ufpr-26-6-slideshare
Aula ufpr-26-6-slideshare
Gustavo Ávila
 
Regimento 2011
Regimento 2011Regimento 2011
Regimento 2011
proinfoalda
 
Manual de Contabilidade Simplificada para Micros e Pequenas Empresas 2010 - 3...
Manual de Contabilidade Simplificada para Micros e Pequenas Empresas 2010 - 3...Manual de Contabilidade Simplificada para Micros e Pequenas Empresas 2010 - 3...
Manual de Contabilidade Simplificada para Micros e Pequenas Empresas 2010 - 3...
IOB News
 
Regimento 2012
Regimento 2012Regimento 2012
Regimento 2012
EEM Dr. Romão Sampaio
 
Na 001 inspetor de LP
Na 001 inspetor de  LP Na 001 inspetor de  LP
Na 001 inspetor de LP
Rondinelli Almeida de Oliveira
 

Destaque (20)

Regras gerais de funcionamento da escola
Regras gerais de funcionamento da escolaRegras gerais de funcionamento da escola
Regras gerais de funcionamento da escola
 
Regras da Escola
Regras da EscolaRegras da Escola
Regras da Escola
 
REGIMENTO ESCOLAR
REGIMENTO ESCOLAR REGIMENTO ESCOLAR
REGIMENTO ESCOLAR
 
Regimento Escolar das Escolas Públicas Estaduais de Educação Básica
Regimento Escolar das Escolas Públicas Estaduais de Educação BásicaRegimento Escolar das Escolas Públicas Estaduais de Educação Básica
Regimento Escolar das Escolas Públicas Estaduais de Educação Básica
 
REGIMENTO ESCOLAR DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CUBATÃO
REGIMENTO ESCOLAR DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CUBATÃOREGIMENTO ESCOLAR DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CUBATÃO
REGIMENTO ESCOLAR DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CUBATÃO
 
Regimento escolar da_rede_estadual_2012
Regimento escolar da_rede_estadual_2012Regimento escolar da_rede_estadual_2012
Regimento escolar da_rede_estadual_2012
 
SLIDE REGIMENTO ESCOLAR
SLIDE REGIMENTO ESCOLARSLIDE REGIMENTO ESCOLAR
SLIDE REGIMENTO ESCOLAR
 
Regras de sala de aula
Regras de sala de aulaRegras de sala de aula
Regras de sala de aula
 
Regimento interno escolar
Regimento interno escolarRegimento interno escolar
Regimento interno escolar
 
28141611 manual-apuracao-preliminar-e-penalidades
28141611 manual-apuracao-preliminar-e-penalidades28141611 manual-apuracao-preliminar-e-penalidades
28141611 manual-apuracao-preliminar-e-penalidades
 
Normas gerais conduta escolar
Normas gerais conduta escolarNormas gerais conduta escolar
Normas gerais conduta escolar
 
Regimento interno dos direitos e deveres dos alunos da escola eunice .2013
Regimento interno dos direitos e deveres dos alunos da escola eunice .2013Regimento interno dos direitos e deveres dos alunos da escola eunice .2013
Regimento interno dos direitos e deveres dos alunos da escola eunice .2013
 
LEI DE PROTEÇÃO AO PROFESSOR‏
LEI DE PROTEÇÃO AO PROFESSOR‏LEI DE PROTEÇÃO AO PROFESSOR‏
LEI DE PROTEÇÃO AO PROFESSOR‏
 
Termo de suspensão escolas
Termo de suspensão   escolasTermo de suspensão   escolas
Termo de suspensão escolas
 
Modelo de advertência de EPI
Modelo de advertência de EPIModelo de advertência de EPI
Modelo de advertência de EPI
 
Aula ufpr-26-6-slideshare
Aula ufpr-26-6-slideshareAula ufpr-26-6-slideshare
Aula ufpr-26-6-slideshare
 
Regimento 2011
Regimento 2011Regimento 2011
Regimento 2011
 
Manual de Contabilidade Simplificada para Micros e Pequenas Empresas 2010 - 3...
Manual de Contabilidade Simplificada para Micros e Pequenas Empresas 2010 - 3...Manual de Contabilidade Simplificada para Micros e Pequenas Empresas 2010 - 3...
Manual de Contabilidade Simplificada para Micros e Pequenas Empresas 2010 - 3...
 
Regimento 2012
Regimento 2012Regimento 2012
Regimento 2012
 
Na 001 inspetor de LP
Na 001 inspetor de  LP Na 001 inspetor de  LP
Na 001 inspetor de LP
 

Semelhante a Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio

Regimento escola mundo_de_alice-1
Regimento escola mundo_de_alice-1Regimento escola mundo_de_alice-1
Regimento escola mundo_de_alice-1
soniamarys
 
Diretrizes Educação Básica
Diretrizes Educação BásicaDiretrizes Educação Básica
Diretrizes Educação Básica
srentesupor
 
RESOLUÇÃO CMEG 01/2010
RESOLUÇÃO CMEG 01/2010RESOLUÇÃO CMEG 01/2010
RESOLUÇÃO CMEG 01/2010
Anderson Ramos
 
Parecer
ParecerParecer
Parecer
miladiasn
 
Resolução 2873
Resolução 2873Resolução 2873
Resolução 2873
Lúcia Marta de Lira
 
0 escolas estaduais ri-aprovado
0 escolas estaduais   ri-aprovado0 escolas estaduais   ri-aprovado
0 escolas estaduais ri-aprovado
Rejane Souza
 
Regimento Escolar EREM Joaquim Távora
Regimento Escolar EREM Joaquim TávoraRegimento Escolar EREM Joaquim Távora
Regimento Escolar EREM Joaquim Távora
Paulo Alexandre
 
Resolução cee-cp-n.-5-de-10-de-junho-de-2011-rev-13-07
Resolução cee-cp-n.-5-de-10-de-junho-de-2011-rev-13-07Resolução cee-cp-n.-5-de-10-de-junho-de-2011-rev-13-07
Resolução cee-cp-n.-5-de-10-de-junho-de-2011-rev-13-07
Linna Braga
 
Resolução cee-cp-n.-5-de-10-de-junho-de-2011-rev-13-07
Resolução cee-cp-n.-5-de-10-de-junho-de-2011-rev-13-07Resolução cee-cp-n.-5-de-10-de-junho-de-2011-rev-13-07
Resolução cee-cp-n.-5-de-10-de-junho-de-2011-rev-13-07
heliane
 
Boa revisão ECA LDB CONST 205 a 214.ppt
Boa revisão ECA LDB CONST 205 a 214.pptBoa revisão ECA LDB CONST 205 a 214.ppt
Boa revisão ECA LDB CONST 205 a 214.ppt
ClipaA
 
Resolucao 72010
Resolucao 72010Resolucao 72010
Resolucao 72010
tatagsilva
 
Ens fund9
Ens fund9Ens fund9
Ens fund9
educacaomesquita
 
Ppp 2014 cee
Ppp 2014 ceePpp 2014 cee
Ppp 2014 cee
heder oliveira silva
 
Resolução 7/2010
Resolução 7/2010Resolução 7/2010
Resolução 7/2010
Daniela Menezes
 
Prova de estrutura do ensino basicoa 2012 2 - para impressao final
Prova de estrutura do ensino basicoa 2012 2 - para impressao finalProva de estrutura do ensino basicoa 2012 2 - para impressao final
Prova de estrutura do ensino basicoa 2012 2 - para impressao final
FAMETRO/SEDUC
 
Regimento escolar bartolomeu bueno da silva 2010
Regimento escolar bartolomeu bueno da silva   2010Regimento escolar bartolomeu bueno da silva   2010
Regimento escolar bartolomeu bueno da silva 2010
Paulo Sérgio
 
Dcnef 9 anos
Dcnef 9 anosDcnef 9 anos
Dcnef 9 anos
Renata Cunha
 
Ldb curso para concurso professores 2
Ldb   curso para concurso professores 2Ldb   curso para concurso professores 2
Ldb curso para concurso professores 2
appfoz
 
Ldb curso para concurso professores 2
Ldb   curso para concurso professores 2Ldb   curso para concurso professores 2
Ldb curso para concurso professores 2
appfoz
 
Diretrizes curriculares gerais para eb
Diretrizes curriculares gerais para ebDiretrizes curriculares gerais para eb
Diretrizes curriculares gerais para eb
educacaomesquita
 

Semelhante a Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio (20)

Regimento escola mundo_de_alice-1
Regimento escola mundo_de_alice-1Regimento escola mundo_de_alice-1
Regimento escola mundo_de_alice-1
 
Diretrizes Educação Básica
Diretrizes Educação BásicaDiretrizes Educação Básica
Diretrizes Educação Básica
 
RESOLUÇÃO CMEG 01/2010
RESOLUÇÃO CMEG 01/2010RESOLUÇÃO CMEG 01/2010
RESOLUÇÃO CMEG 01/2010
 
Parecer
ParecerParecer
Parecer
 
Resolução 2873
Resolução 2873Resolução 2873
Resolução 2873
 
0 escolas estaduais ri-aprovado
0 escolas estaduais   ri-aprovado0 escolas estaduais   ri-aprovado
0 escolas estaduais ri-aprovado
 
Regimento Escolar EREM Joaquim Távora
Regimento Escolar EREM Joaquim TávoraRegimento Escolar EREM Joaquim Távora
Regimento Escolar EREM Joaquim Távora
 
Resolução cee-cp-n.-5-de-10-de-junho-de-2011-rev-13-07
Resolução cee-cp-n.-5-de-10-de-junho-de-2011-rev-13-07Resolução cee-cp-n.-5-de-10-de-junho-de-2011-rev-13-07
Resolução cee-cp-n.-5-de-10-de-junho-de-2011-rev-13-07
 
Resolução cee-cp-n.-5-de-10-de-junho-de-2011-rev-13-07
Resolução cee-cp-n.-5-de-10-de-junho-de-2011-rev-13-07Resolução cee-cp-n.-5-de-10-de-junho-de-2011-rev-13-07
Resolução cee-cp-n.-5-de-10-de-junho-de-2011-rev-13-07
 
Boa revisão ECA LDB CONST 205 a 214.ppt
Boa revisão ECA LDB CONST 205 a 214.pptBoa revisão ECA LDB CONST 205 a 214.ppt
Boa revisão ECA LDB CONST 205 a 214.ppt
 
Resolucao 72010
Resolucao 72010Resolucao 72010
Resolucao 72010
 
Ens fund9
Ens fund9Ens fund9
Ens fund9
 
Ppp 2014 cee
Ppp 2014 ceePpp 2014 cee
Ppp 2014 cee
 
Resolução 7/2010
Resolução 7/2010Resolução 7/2010
Resolução 7/2010
 
Prova de estrutura do ensino basicoa 2012 2 - para impressao final
Prova de estrutura do ensino basicoa 2012 2 - para impressao finalProva de estrutura do ensino basicoa 2012 2 - para impressao final
Prova de estrutura do ensino basicoa 2012 2 - para impressao final
 
Regimento escolar bartolomeu bueno da silva 2010
Regimento escolar bartolomeu bueno da silva   2010Regimento escolar bartolomeu bueno da silva   2010
Regimento escolar bartolomeu bueno da silva 2010
 
Dcnef 9 anos
Dcnef 9 anosDcnef 9 anos
Dcnef 9 anos
 
Ldb curso para concurso professores 2
Ldb   curso para concurso professores 2Ldb   curso para concurso professores 2
Ldb curso para concurso professores 2
 
Ldb curso para concurso professores 2
Ldb   curso para concurso professores 2Ldb   curso para concurso professores 2
Ldb curso para concurso professores 2
 
Diretrizes curriculares gerais para eb
Diretrizes curriculares gerais para ebDiretrizes curriculares gerais para eb
Diretrizes curriculares gerais para eb
 

Mais de Antônio Fernandes

A CADA 100 JOVENS NO BRASIL. UM TRISTE RELATO
A CADA 100 JOVENS NO BRASIL. UM TRISTE RELATOA CADA 100 JOVENS NO BRASIL. UM TRISTE RELATO
A CADA 100 JOVENS NO BRASIL. UM TRISTE RELATO
Antônio Fernandes
 
JORNAL DIREÇÃO CERTA. SEU INFORMATIVO SOBRE TUDO O QUE ACONTECE NA ESCOLA COR...
JORNAL DIREÇÃO CERTA. SEU INFORMATIVO SOBRE TUDO O QUE ACONTECE NA ESCOLA COR...JORNAL DIREÇÃO CERTA. SEU INFORMATIVO SOBRE TUDO O QUE ACONTECE NA ESCOLA COR...
JORNAL DIREÇÃO CERTA. SEU INFORMATIVO SOBRE TUDO O QUE ACONTECE NA ESCOLA COR...
Antônio Fernandes
 
EXEMPLO MAPA TEXTUAL. REDAÇÃO ENEM. TEMA POLÊMICO. IDEOLOGIA DE GÊNERO
EXEMPLO MAPA TEXTUAL. REDAÇÃO ENEM. TEMA POLÊMICO. IDEOLOGIA DE GÊNEROEXEMPLO MAPA TEXTUAL. REDAÇÃO ENEM. TEMA POLÊMICO. IDEOLOGIA DE GÊNERO
EXEMPLO MAPA TEXTUAL. REDAÇÃO ENEM. TEMA POLÊMICO. IDEOLOGIA DE GÊNERO
Antônio Fernandes
 
AULÃO DE REDAÇÃO PREPARATÓRIO PARA ENEM 2017. PROFESSOR: ANTÔNIO FERNANDES NETO
AULÃO DE REDAÇÃO PREPARATÓRIO PARA ENEM 2017. PROFESSOR: ANTÔNIO FERNANDES NETOAULÃO DE REDAÇÃO PREPARATÓRIO PARA ENEM 2017. PROFESSOR: ANTÔNIO FERNANDES NETO
AULÃO DE REDAÇÃO PREPARATÓRIO PARA ENEM 2017. PROFESSOR: ANTÔNIO FERNANDES NETO
Antônio Fernandes
 
Resolução SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MG 3118 16-r
Resolução SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MG 3118 16-rResolução SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MG 3118 16-r
Resolução SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MG 3118 16-r
Antônio Fernandes
 
PGE EE CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 2017
PGE EE CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 2017PGE EE CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 2017
PGE EE CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 2017
Antônio Fernandes
 
PASSO A PASSO PARA TRABALHO COM DIÁRIO ESCOLAR DIGITAL
PASSO A PASSO PARA TRABALHO COM DIÁRIO ESCOLAR  DIGITALPASSO A PASSO PARA TRABALHO COM DIÁRIO ESCOLAR  DIGITAL
PASSO A PASSO PARA TRABALHO COM DIÁRIO ESCOLAR DIGITAL
Antônio Fernandes
 
PPP. EE CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA encerrado definitivamente 2016
PPP. EE CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA encerrado definitivamente 2016PPP. EE CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA encerrado definitivamente 2016
PPP. EE CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA encerrado definitivamente 2016
Antônio Fernandes
 
Documentos que devem ser apresentados no ato da designação
Documentos que devem ser apresentados no ato da designaçãoDocumentos que devem ser apresentados no ato da designação
Documentos que devem ser apresentados no ato da designação
Antônio Fernandes
 
cadê os batedores de panelas? VERGONHA DE SER BRASILEIRO.
cadê os batedores de panelas? VERGONHA DE SER BRASILEIRO.cadê os batedores de panelas? VERGONHA DE SER BRASILEIRO.
cadê os batedores de panelas? VERGONHA DE SER BRASILEIRO.
Antônio Fernandes
 
CATÁLOGO DE AUTORIAS DA DIVERSIDADE. OBRAS ADQUIRIDAS PELA DIREÇÃO ESCOLA COR...
CATÁLOGO DE AUTORIAS DA DIVERSIDADE. OBRAS ADQUIRIDAS PELA DIREÇÃO ESCOLA COR...CATÁLOGO DE AUTORIAS DA DIVERSIDADE. OBRAS ADQUIRIDAS PELA DIREÇÃO ESCOLA COR...
CATÁLOGO DE AUTORIAS DA DIVERSIDADE. OBRAS ADQUIRIDAS PELA DIREÇÃO ESCOLA COR...
Antônio Fernandes
 
Resolução SEE-MG 3118 2016-estabelece critérios e define procedimentos para ...
Resolução SEE-MG  3118 2016-estabelece critérios e define procedimentos para ...Resolução SEE-MG  3118 2016-estabelece critérios e define procedimentos para ...
Resolução SEE-MG 3118 2016-estabelece critérios e define procedimentos para ...
Antônio Fernandes
 
PLANTÃO DO ENEM. MANUAL DE REDAÇÃO 2016
PLANTÃO DO ENEM. MANUAL DE REDAÇÃO 2016PLANTÃO DO ENEM. MANUAL DE REDAÇÃO 2016
PLANTÃO DO ENEM. MANUAL DE REDAÇÃO 2016
Antônio Fernandes
 
Escola aberta 2016 escola cornélia portfólio finalizado (1)
Escola aberta 2016 escola cornélia portfólio finalizado (1)Escola aberta 2016 escola cornélia portfólio finalizado (1)
Escola aberta 2016 escola cornélia portfólio finalizado (1)
Antônio Fernandes
 
PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018
PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018
PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018
Antônio Fernandes
 
ESTÁGIO NA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PARA ALUNOS MATRICULADOS EM ESCOLAS PÚBLIC...
ESTÁGIO NA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PARA ALUNOS MATRICULADOS EM ESCOLAS PÚBLIC...ESTÁGIO NA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PARA ALUNOS MATRICULADOS EM ESCOLAS PÚBLIC...
ESTÁGIO NA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PARA ALUNOS MATRICULADOS EM ESCOLAS PÚBLIC...
Antônio Fernandes
 
Como pedir isenção de taxa de inscrição em concursos públicos
Como pedir isenção de taxa de inscrição em concursos públicosComo pedir isenção de taxa de inscrição em concursos públicos
Como pedir isenção de taxa de inscrição em concursos públicos
Antônio Fernandes
 
LISTAGEM CONCURSO EDUCAÇÃO MG 2014
LISTAGEM CONCURSO EDUCAÇÃO MG 2014LISTAGEM CONCURSO EDUCAÇÃO MG 2014
LISTAGEM CONCURSO EDUCAÇÃO MG 2014
Antônio Fernandes
 
LISTAGEM FINAL CONCURSO EDUCAÇÃO MINAS GERAIS 2011
LISTAGEM FINAL CONCURSO EDUCAÇÃO MINAS GERAIS  2011LISTAGEM FINAL CONCURSO EDUCAÇÃO MINAS GERAIS  2011
LISTAGEM FINAL CONCURSO EDUCAÇÃO MINAS GERAIS 2011
Antônio Fernandes
 
RESOLUÇÃO SEE Nº 2836, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015
RESOLUÇÃO SEE Nº 2836, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015RESOLUÇÃO SEE Nº 2836, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015
RESOLUÇÃO SEE Nº 2836, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015
Antônio Fernandes
 

Mais de Antônio Fernandes (20)

A CADA 100 JOVENS NO BRASIL. UM TRISTE RELATO
A CADA 100 JOVENS NO BRASIL. UM TRISTE RELATOA CADA 100 JOVENS NO BRASIL. UM TRISTE RELATO
A CADA 100 JOVENS NO BRASIL. UM TRISTE RELATO
 
JORNAL DIREÇÃO CERTA. SEU INFORMATIVO SOBRE TUDO O QUE ACONTECE NA ESCOLA COR...
JORNAL DIREÇÃO CERTA. SEU INFORMATIVO SOBRE TUDO O QUE ACONTECE NA ESCOLA COR...JORNAL DIREÇÃO CERTA. SEU INFORMATIVO SOBRE TUDO O QUE ACONTECE NA ESCOLA COR...
JORNAL DIREÇÃO CERTA. SEU INFORMATIVO SOBRE TUDO O QUE ACONTECE NA ESCOLA COR...
 
EXEMPLO MAPA TEXTUAL. REDAÇÃO ENEM. TEMA POLÊMICO. IDEOLOGIA DE GÊNERO
EXEMPLO MAPA TEXTUAL. REDAÇÃO ENEM. TEMA POLÊMICO. IDEOLOGIA DE GÊNEROEXEMPLO MAPA TEXTUAL. REDAÇÃO ENEM. TEMA POLÊMICO. IDEOLOGIA DE GÊNERO
EXEMPLO MAPA TEXTUAL. REDAÇÃO ENEM. TEMA POLÊMICO. IDEOLOGIA DE GÊNERO
 
AULÃO DE REDAÇÃO PREPARATÓRIO PARA ENEM 2017. PROFESSOR: ANTÔNIO FERNANDES NETO
AULÃO DE REDAÇÃO PREPARATÓRIO PARA ENEM 2017. PROFESSOR: ANTÔNIO FERNANDES NETOAULÃO DE REDAÇÃO PREPARATÓRIO PARA ENEM 2017. PROFESSOR: ANTÔNIO FERNANDES NETO
AULÃO DE REDAÇÃO PREPARATÓRIO PARA ENEM 2017. PROFESSOR: ANTÔNIO FERNANDES NETO
 
Resolução SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MG 3118 16-r
Resolução SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MG 3118 16-rResolução SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MG 3118 16-r
Resolução SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MG 3118 16-r
 
PGE EE CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 2017
PGE EE CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 2017PGE EE CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 2017
PGE EE CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA 2017
 
PASSO A PASSO PARA TRABALHO COM DIÁRIO ESCOLAR DIGITAL
PASSO A PASSO PARA TRABALHO COM DIÁRIO ESCOLAR  DIGITALPASSO A PASSO PARA TRABALHO COM DIÁRIO ESCOLAR  DIGITAL
PASSO A PASSO PARA TRABALHO COM DIÁRIO ESCOLAR DIGITAL
 
PPP. EE CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA encerrado definitivamente 2016
PPP. EE CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA encerrado definitivamente 2016PPP. EE CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA encerrado definitivamente 2016
PPP. EE CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA encerrado definitivamente 2016
 
Documentos que devem ser apresentados no ato da designação
Documentos que devem ser apresentados no ato da designaçãoDocumentos que devem ser apresentados no ato da designação
Documentos que devem ser apresentados no ato da designação
 
cadê os batedores de panelas? VERGONHA DE SER BRASILEIRO.
cadê os batedores de panelas? VERGONHA DE SER BRASILEIRO.cadê os batedores de panelas? VERGONHA DE SER BRASILEIRO.
cadê os batedores de panelas? VERGONHA DE SER BRASILEIRO.
 
CATÁLOGO DE AUTORIAS DA DIVERSIDADE. OBRAS ADQUIRIDAS PELA DIREÇÃO ESCOLA COR...
CATÁLOGO DE AUTORIAS DA DIVERSIDADE. OBRAS ADQUIRIDAS PELA DIREÇÃO ESCOLA COR...CATÁLOGO DE AUTORIAS DA DIVERSIDADE. OBRAS ADQUIRIDAS PELA DIREÇÃO ESCOLA COR...
CATÁLOGO DE AUTORIAS DA DIVERSIDADE. OBRAS ADQUIRIDAS PELA DIREÇÃO ESCOLA COR...
 
Resolução SEE-MG 3118 2016-estabelece critérios e define procedimentos para ...
Resolução SEE-MG  3118 2016-estabelece critérios e define procedimentos para ...Resolução SEE-MG  3118 2016-estabelece critérios e define procedimentos para ...
Resolução SEE-MG 3118 2016-estabelece critérios e define procedimentos para ...
 
PLANTÃO DO ENEM. MANUAL DE REDAÇÃO 2016
PLANTÃO DO ENEM. MANUAL DE REDAÇÃO 2016PLANTÃO DO ENEM. MANUAL DE REDAÇÃO 2016
PLANTÃO DO ENEM. MANUAL DE REDAÇÃO 2016
 
Escola aberta 2016 escola cornélia portfólio finalizado (1)
Escola aberta 2016 escola cornélia portfólio finalizado (1)Escola aberta 2016 escola cornélia portfólio finalizado (1)
Escola aberta 2016 escola cornélia portfólio finalizado (1)
 
PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018
PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018
PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018
 
ESTÁGIO NA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PARA ALUNOS MATRICULADOS EM ESCOLAS PÚBLIC...
ESTÁGIO NA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PARA ALUNOS MATRICULADOS EM ESCOLAS PÚBLIC...ESTÁGIO NA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PARA ALUNOS MATRICULADOS EM ESCOLAS PÚBLIC...
ESTÁGIO NA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PARA ALUNOS MATRICULADOS EM ESCOLAS PÚBLIC...
 
Como pedir isenção de taxa de inscrição em concursos públicos
Como pedir isenção de taxa de inscrição em concursos públicosComo pedir isenção de taxa de inscrição em concursos públicos
Como pedir isenção de taxa de inscrição em concursos públicos
 
LISTAGEM CONCURSO EDUCAÇÃO MG 2014
LISTAGEM CONCURSO EDUCAÇÃO MG 2014LISTAGEM CONCURSO EDUCAÇÃO MG 2014
LISTAGEM CONCURSO EDUCAÇÃO MG 2014
 
LISTAGEM FINAL CONCURSO EDUCAÇÃO MINAS GERAIS 2011
LISTAGEM FINAL CONCURSO EDUCAÇÃO MINAS GERAIS  2011LISTAGEM FINAL CONCURSO EDUCAÇÃO MINAS GERAIS  2011
LISTAGEM FINAL CONCURSO EDUCAÇÃO MINAS GERAIS 2011
 
RESOLUÇÃO SEE Nº 2836, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015
RESOLUÇÃO SEE Nº 2836, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015RESOLUÇÃO SEE Nº 2836, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015
RESOLUÇÃO SEE Nº 2836, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015
 

Último

Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 

Regimento escolar 2014 com adendo modificado antônio

  • 1. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. REGIMENTO ESCOLAR 1) Histórico: A Escola Estadual “Cornélia Ferreira Ladeira” pertenceu, inicialmente à Rede Municipal de Ensino de Santos Dumont e tinha como denominação Escola Municipal “José Guilherme de Almeida”, e posteriormente, classificada como Escolas Combinadas “José Guilherme de Almeida”. A sua transferência para a Rede Estadual, se deu através do Ato de Instalação publicado no Minas Gerais de 11 de janeiro de 1966, no Bairro da Glória, passando a ser designada por Escola Estadual do “Bairro da Glória”. Sua sede foi construída pela Prefeitura Municipal de Santos Dumont e cedida ao Governo de Minas Gerais. Através do Decreto do Governo de Minas Gerais nº 10.435, de 03 de abril de 1967, foi transformada em Grupo Escolar. Aos 11 dias do mês de dezembro de 1973, por Ato Governamental, a EE do “Bairro da Gloria” ficou ligada pelo sistema de intercomplementaridade curricular sequencial ao Ginásio “Santo Antônio” da província Santa Cruz e à EE “João Gomes Velho, 1º Grau, Tipo l.l, tendo em vista o disposto no Artigo 10, da Lei nº 6.277 de 27 de dezembro de 1973 e nos Artigos 1º e 2º do Decreto nº 16.244, de 08 de maio de 1974. Através da Resolução 810/74, datada de 06 de julho de 1974, do Senhor Secretário de Estado de Educação, que alterou a nomenclatura: EE “do Bairro da Glória” de 1º Grau, Tipo 1.2.0.A. Em 03/04/87, através do Decreto nº 10.435, passou a denominar-se EE “Cornélia Ferreira Ladeira” – 1º Grau Tipo 1.2. Resolução 6927/91 MG 24/01/92 autoriza extensão de série para funcionamento da 5ª à 8ª série a partir de 1992. Conforme publicação no Minas Gerais 01/12/92 a sua tipologia é 1.3.0.A. Através da Portaria nº 03/2007 foi autorizada a partir do inicio do ano letivo de 2007, o funcionamento do Ensino Médio passando a identificar-se como EE Cornélia Ferreira Ladeira, de Ensino Fundamental e Médio e através da Portaria 01/2007 ficou modificada a Classificação Tipológica para P045B2. 2) Da Identificação: ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA Rua: JUSCELINO KUBITSCHEK n.º 187 Bairro: GLÓRIA. Município: Santos Dumont (CEP): 36240-000 (Fone/fax) 32 3251 8117 (E-Mail): escola.69906@.mg.gov.br Página no facebook (WWW.facebook.com.br/escolacornelia.ferreiraladeira) Blog da escola: (HTTP://eecorneliaferreiraladeira.spaceblog.com.br) 2.1- ENTIDADE MANTENEDORA Secretaria de Educação do Estado de Minas Gerais DECRETO DE CRIAÇÃO E/OU DE INSTALAÇÃO: Nº 10.345 de 03 de abril de 1967
  • 2. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. TÍTULO I – DA EDUCAÇÃO Art. 1º - A educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais. TÍTULO II – DOS PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO NACIONAL Art. 2º - A educação, dever da família e do Estado, inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. Art. 3º - As bases que dão sustentação ao projeto nacional de educação responsabilizam o poder público, a família, a sociedade e a escola pela garantia a todos os educandos de um ensino ministrado de acordo com os princípios de: I. igualdade de condições para o acesso, inclusão, permanência e sucesso na escola; II. liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a cultura, o pensamento, a arte e o saber; III. pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas; IV. respeito à liberdade e aos direitos; V. gratuidade do ensino público em estabelecimentos oficiais; VI. valorização do profissional da educação escolar; VII. gestão democrática do ensino público, na forma da legislação e das normas dos respectivos sistemas de ensino; VIII. garantia de padrão de qualidade; IX. valorização da experiência extraescolar; X. vinculação entre a educação escolar, o trabalho e as práticas sociais. Art. 4º- A Educação Básica é direito universal e alicerce indispensável para o exercício da cidadania em plenitude, da qual depende a possibilidade de conquistar todos os demais direitos, definidos na Constituição Federal, no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), na legislação ordinária e nas demais disposições que consagram as prerrogativas do cidadão. Art. 5º- Na Educação Básica é necessário considerar as dimensões do educar e do cuidar, em sua inseparabilidade, buscando recuperar, para a função social desse nível da educação, a sua centralidade, que é o educando, pessoa em formação na sua essência humana. Art. 6º - A garantia de padrão de qualidade, com pleno acesso, inclusão e permanência dos sujeitos das aprendizagens na escola e seu sucesso, com redução da evasão, da retenção e da distorção de idade/ano de escolaridade, resulta na qualidade social da educação, que é uma conquista coletiva de todos os sujeitos do processo educativo. TÍTULO III – DA ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA Art. 7º - Na organização da Educação Básica devem-se observar as Diretrizes Curriculares Nacionais comuns a todas as suas etapas, modalidades e orientações temáticas, respeitadas as suas especificidades e as dos sujeitos a que se destinam. CAPÍTULO I – DO ENSINO FUNDAMENTAL
  • 3. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. Art. 8º - O Ensino Fundamental, etapa de escolarização obrigatória, deve comprometer-se com uma educação com qualidade social e garantir ao educando: I - o desenvolvimento da capacidade de aprender, com pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo; II - a compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, da tecnologia, das artes e dos valores em que se fundamenta a sociedade; III - a aquisição de conhecimentos e habilidades, e a formação de atitudes e valores, como instrumentos para uma visão crítica do mundo; IV - o fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de solidariedade humana e de tolerância recíproca em que se assenta a vida social. Parágrafo único. O Ensino Fundamental deve promover um trabalho educativo de inclusão, que reconheça e valorize as experiências e habilidades individuais do aluno, atendendo às suas diferenças e necessidades específicas, possibilitando, assim, a construção de uma cultura escolar acolhedora, respeitosa e garantidora do direito a uma educação que seja relevante, pertinente e equitativa. CAPÍTULO II – DO ENSINO MÉDIO Art. 9º – O Ensino Médio, etapa conclusiva da Educação Básica, possui duração de 3 (três) anos e tem por finalidade: I - a consolidação e o aprofundamento dos conhecimentos adquiridos no Ensino Fundamental, possibilitando o prosseguimento de estudos; II - a compreensão dos fundamentos científico-tecnológicos dos processos produtivos, relacionando a teoria com a prática; III - a preparação básica para o trabalho e a cidadania do educando para continuar aprendendo, de modo a ser capaz de se adaptar a novas condições de ocupação ou de aperfeiçoamento posteriores; IV - o aprimoramento do educando como pessoa humana, incluindo a formação ética e o desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico. Parágrafo único:As Escolas de Ensino Médio devem prover ensino de qualidade, de forma a ampliar o acesso e as taxas de conclusão e garantir a melhoria da eficiência no uso dos recursos disponíveis e na proficiência dos alunos. CAPÍTULO III – DAS MODALIDADES DA EDUCAÇÃO BÁSICA Art. 10 - São modalidades da Educação Básica: I - Educação de Jovens e Adultos; II - Educação Especial; III - Educação Profissional e Tecnológica; Parágrafo único. A cada etapa da Educação Básica pode corresponder uma ou mais das modalidades acima. TÍTULO IV – DA GESTÃO ESCOLAR
  • 4. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. CAPÍTULO I – DA ADMINISTRAÇÃO SEÇÃO I – DA COMPOSIÇÃO Art. 11 - A Administração é composta: I. pela Diretoria; II. pelo Colegiado. Art. 12- A Diretoria é constituída pelo Diretor e pelo Vice-diretor, observado o disposto na legislação vigente. SEÇÃO II – DAS COMPETÊNCIAS E ATRIBUIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO Art. 13 - À Diretoria da Escola compete: I. planejar, junto com os Especialistas de Educação e corpo docente, todo o trabalho escolar; II. organizar, orientar, coordenar, supervisionar e controlar os trabalhos educacionais desenvolvidos no estabelecimento, referentes às atividades pedagógicas, administrativas e financeiras da escola; III. envolver a comunidade escolar nas decisões sobre o funcionamento da escola (gestão participativa); IV. elaborar o Projeto Político Pedagógico, com a participação de todos os segmentos representativos da comunidade escolar; V. estabelecer parcerias com empresas, buscando alternativas para a escola; VI. fortalecer a ação colegiada. VII. representar a escola perante os órgãos de ensino ou repartições públicas; VIII. cumprir e fazer cumprir as determinações da SRE e SEE; IX. promover o bom relacionamento de todo o pessoal da escola; X. zelar pela observância do regime didático e disciplinar. PARÁGRAFO ÚNICO – Compete ao Diretor, além da observância do Termo de Compromisso, ser o articulador político-pedagógico e administrativo da Escola, estando suas atribuições previstas em legislação específica. Art. 14 - Compete ao Vice-diretor: I. substituir o Diretor em suas ausências e impedimentos legais eventuais; II. assumir as atribuições delegadas pelo Diretor da Escola; III. assessorar o Diretor no planejamento, execução e avaliação de todas as atividades administrativas e pedagógicas da escola; IV. auxiliar o Diretor no desempenho de suas funções; V. comportar-se com urbanidade e respeito no trato com o Diretor, Especialistas da Educação, alunos, pais e demais servidores; VI. manter as autoridades informadas sobre a vida administrativa do estabelecimento; VII. encerrar diariamente os livros de ponto dos professores e servidores, fazendo anotações que se fizerem necessárias, no turno sob sua responsabilidade; VIII. coordenar o funcionamento geral do turno; IX. manter-se informado de todas as atividades desenvolvidas e de todos os assuntos relativos ao ensino de forma geral; X. supervisionar a manutenção da limpeza, conservação das instalações aos auxiliares de serviços, bem como elaborar horários de trabalho; XI. elaborar juntamente com as cantineiras o cardápio da merenda oferecida pela escola e fazer o controle da merenda escolar; XII. manter o controle de recebimento de material, distribuição, estoque e inventários. Art. 15 - É competência do Colegiado Escolar: I – elaborar e divulgar o cronograma de reuniões ordinárias do Colegiado Escolar; II - aprovar e acompanhar a execução do Projeto Pedagógico da Escola, do Plano de Ação e do Regimento Escolar; III - aprovar o Calendário Escolar e o plano curricular da escola;
  • 5. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. IV - acompanhar a evolução dos indicadores educacionais (avaliações externa e interna, matrícula e evasão escolar) e propor, quando se fizerem necessárias, intervenções pedagógicas e medidas educativas, visando à melhoria da qualidade do processo de ensino e de aprendizagem; V - indicar, nos termos da legislação vigente, servidor para o provimento do cargo de diretor e para o exercício da função de vice-diretor, nos casos de vacância e afastamentos temporários; VI - indicar representante para compor a Comissão de Avaliação de Desempenho dos servidores, observadas as normas vigentes; VII - propor parcerias entre escola, pais, comunidade, instituições públicas e organizações não governamentais - ONGs; VIII - propor a utilização dos recursos orçamentários e financeiros da Caixa Escolar, observadas as normas vigentes e acompanhar sua execução; IX - referendar ou não a prestação de contas aprovada pelo Conselho Fiscal; X - opinar sobre a adoção de medida administrativa ou disciplinar em caso de violência física ou moral envolvendo profissionais de educação e alunos, no âmbito da escola. § 1º- O Colegiado Escolar se reúne por convocação de seu presidente ou por, no mínimo, dois terços dos membros titulares ou, ainda, por solicitação formal da comunidade escolar dirigida aos seus representantes eleitos; I - ordinariamente, uma vez por mês; II - extraordinariamente, sempre que necessário. § 2º - As reuniões do Colegiado Escolar devem contar com a presença de mais de 50% dos membros titulares; § 3º - O membro titular que faltar a três reuniões consecutivas ou alternadas, sem justificativa formal, é automaticamente desligado e substituído pelo suplente; § 4º- O membro do Colegiado Escolar que não representar efetivamente os interesses do seu segmento, pode ser destituído pelos seus pares; § 5º- O cronograma das reuniões ordinárias deve integrar o Calendário Escolar. § 6º – Outras competências, assim como a finalidade, as funções, a constituição e o funcionamento do Colegiado estão previstas em legislação vigente. CAPÍTULO II – DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS SEÇÃO I – DA SECRETARIA Art. 16 - A Secretaria está diretamente subordinada à Diretoria do Estabelecimento. Art. 17 - A Secretaria tem como finalidade executar toda a escrituração da Escola, sob orientação, coordenação e supervisão do Diretor, e os seus serviços são realizados pelo pessoal que a compõe: Secretário e Assistente Técnico da Educação Básica. Art. 18 - Compete ao Secretário de Escola: I. realizar trabalhos no âmbito da Secretaria; II. colaborar com a direção da unidade escolar no planejamento, execução e controle das atividades escolares; III. coordenar atividades da Secretaria e do pessoal auxiliar; IV. proceder à escrituração, conforme disposto na legislação vigente; V. realizar trabalhos datilografados ou digitados; VI. responsabilizar-se, na área de sua competência, pelo cumprimento da legislação de ensino e disposições regimentais; VII. instruir, informar e decidir sobre expediente e escrituração, submetendo à apreciação superior os casos que ultrapassem sua área de decisão; VIII. zelar pela conservação do material sob sua guarda, pela boa ordem e higiene em seu setor de trabalho.
  • 6. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. Art. 19 - Compete ao Assistente Técnico da Educação Básica: I. realizar trabalhos de protocolos, registros e arquivamento de formulários e documentos; II. atender, orientar e encaminhar partes; III. coletar, apurar, selecionar, registrar e consolidar dados para elaboração de informações estatísticas; IV. realizar trabalhos de datilografia, mecanografia e/ou informática; V. zelar pela conservação dos materiais, mobiliários e equipamentos sob sua responsabilidade; VI. desempenhar outras atividades compatíveis com a natureza do cargo que lhe forem atribuídas pelo Diretor e/ou Secretário; VII. organizar e manter atualizados cadastros, arquivos, fichários, livros e outros instrumentos de escrituração da unidade escolar; VIII. preparar certidões, atestados, Históricos Escolares, fichas individuais e/ ou documentos solicitados; IX. redigir ofícios, exposições de motivos, Atas e outros expedientes; X. organizar a documentação dos processos de prestação de contas. Art. 20 - Compete ao Assistente Técnico da Educação Básica – Auxiliar Área Financeira: I. elaborar, analisar e rever balanços, balancetes, livros, fichas, mapas, planos de contas e outros serviços contábeis; II. realizar e prestar informações sobre a execução para compras, obras e serviços; III. fazer ou compor, revisar e atualizar orçamentos para compras, obras e serviços; IV. proceder ao levantamento de dados necessários à licitação e a previsão de compras; V. efetuar controle de estocagem e abastecimento de material; VI. responsabilizar-se pelo inventario dos bens patrimoniais, manutenção, utilização e controle; VII. zelar pela conservação de material sob sua guarda, pela boa ordem e higiene em seu setor de trabalho; VIII. desempenhar outras atividades compatíveis com a natureza do cargo que lhe forem atribuídas pelo Diretor. SEÇÃO II – DOS SERVIÇOS GERAIS Art. 21 - A Escola mantém os serviços de conservação, limpeza do prédio, preparo e distribuição da merenda escolar. Art. 22 - Compete aos Auxiliares de Serviços da Educação Básica; I. zelar pelo ambiente escolar mantendo a ordem e a harmonia; II. cumprir horário, conforme legislação vigente; III. desempenhar tarefas de interesse do serviço, a critério da direção da escola; cuidar da limpeza, movimentação e conservação dos móveis e utensílios da escola; IV. preparar e distribuir alimentos; V. entregar correspondências e documentos diversos; VI. cuidar da portaria; VII. auxiliar o aluno com necessidades especiais em atividades de locomoção, uso de utensílios, banheiros, e outros, na ausência de outro profissional capacitado; VIII. conduzir o aluno até sua residência, nos casos em que se fizerem necessários. IX. Conviver em harmonia e pautar suas relações pelo respeito e cordialidade com demais funcionários, alunos, alunas e seus familiares; X. Zelar pelos bens da escola e informar a direção sobre faltas de bens patrimoniais que forem identificadas por eles. PARÁGRAFO ÚNICO - As atribuições do pessoal responsável pelos serviços gerais são delegadas pelo Diretor ou Vice-diretor, em conformidade com as necessidades da escola. CAPÍTULO III – DA CAIXA ESCOLAR Art. 23 – A ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA mantém uma caixa escolar que tem por finalidade congregar iniciativas comunitárias, objetivando:
  • 7. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. I. gerenciar os recursos financeiros destinados às ações do processo educativo, assegurando que todos eles sejam revertidos em benefício do aluno; II. promover, em caráter complementar e subsidiário, a melhoria qualitativa do ensino; III. colaborar na execução de uma política de concepção da escola, essencialmente democrática, como agente de mudanças, que busca melhoria contínua em todas as dimensões; IV. contribuir para o funcionamento eficiente e criativo da escola, por meio de ações que garantam sua autonomia pedagógica, administrativa e financeira. Art. 24 - A CAIXA ESCOLAR JOSÉ GUILHERME DE ALMEIDA realiza, dentre outras, as seguintes ações: I. gerenciar recursos próprios e transferidos da União, Estado e Município no cumprimento dos objetivos pedagógicos da escola; II. adquirir bens de consumo e permanente, obedecendo as dotações orçamentárias, quando se tratar de recurso público, para fins necessários às ações pedagógicas e administrativas; III. apoiar ações solidárias dos alunos, do Colegiado, Conselhos, Associações de Pais e Mestres, Grêmios Estudantis e outros; IV. participar de programas e serviços de Educação, Cultura, Saúde e Meio Ambiente, desenvolvidos pela comunidade; V. garantir, em suas aquisições e contratações, a realização de processo de escolha de proposta mais vantajosa para utilização dos recursos recebidos; VI. garantir ampla e plena participação do Colegiado Escolar nas atividades e ações da Caixa Escolar. Art. 25 - As disposições legais da constituição, do funcionamento e da competência da Caixa Escolar e demais normas devidamente registradas em Cartório, em conformidade com a legislação vigente. CAPÍTULO IV – DO GRÊMIO ESTUDANTIL (LÍDERES DE TURMAS) Art.26 - Os Líderes de Turmas é uma organização sem fins lucrativos que representa o interesse dos estudantes e que tem fins cívicos, culturais, educacionais, desportivos e sociais. Art. 27 – o Projeto Líderes de Turmas tem como objetivos: I. congregar e representar os estudantes da escola; II. defender seus direitos e interesses; III. cooperar para melhorar a escola e a qualidade do ensino; IV. incentivar e promover atividades educacionais, culturais, cívicas, desportivas e sociais. V. realizar intercâmbio e colaboração de caráter cultural e educacional com outras instituições de caráter educacional Art. 28 - A organização, o funcionamento e as atividades dos Grêmios são estabelecidos no seu estatuto, aprovado em Assembléia Geral do corpo discente de cada estabelecimento de ensino, convocada para este fim. Art. 29 - A aprovação dos estatutos e a escolha dos dirigentes e dos representantes do Projeto Líderes de Turmas são realizadas pelo voto direto e secreto de cada estudante, observando-se, no que couber, as normas da legislação eleitoral. TÍTULO V – DA GESTÃO DE PESSOAL CAPÍTULO I – DO PESSOAL DOCENTE E ADMINISTRATIVO Art. 30 - O pessoal docente, técnico e administrativo tem seus direitos assegurados em conformidade com a legislação pertinente, de acordo com a admissão e o ato que a regulamentou. SEÇÃO I – DA CATEGORIA E FORMA DE ADMISSÃO Art. 31 - O pessoal a serviço da Escola é constituído de docentes, especialistas de educação e pessoal administrativo.
  • 8. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. Art. 32 - Admissão fica sujeita às exigências legais vigentes. Art. 33 - O pessoal docente e administrativo tem seus direitos assegurados, em conformidade com a legislação pertinente. SEÇÃO II – DA ORGANIZAÇÃO DO QUADRO DE PESSOAL Art. 34 - O quadro de Pessoal é composto de acordo com os cargos e quantitativos permitidos pela legislação, em caráter efetivo ou por designação. PARÁGRAFO ÚNICO - Compete à escola estabelecer critérios complementares para atribuição de turmas, aulas e turno aos servidores, conforme legislação vigente. SEÇÃO III - DOS DIREITOS Art. 35 - São direitos do pessoal docente, técnico e administrativo além dos assegurados pela legislação pertinente, de acordo com o respectivo regime de admissão, o ato que regulou os seguintes: I. organizar e participar do Órgão Colegiado; II. votar ou ser votado como representante do Órgão Colegiado; III. ser tratado com urbanidade e respeito por todo o pessoal da escola; IV. participar da elaboração da Projeto Político Pedagógico da Escola; V. igualdade de acesso a oportunidades de crescimento intelectual e profissional; VI. liberdade de manifestação, observado o respeito à imagem da instituição e dos demais agentes públicos; VII. igualdade de oportunidade nos sistemas de aferição, avaliação e reconhecimento de desempenho, conforme legislação vigente; VIII. manifestação sobre fatos que possam prejudicar seu desempenho ou sua reputação; IX. sigilo a informação de ordem pessoal; X. atuação em defesa de interesse ou direito legítimo; XI. ter ciência do teor da acusação e vista dos autos, quando estiver sendo investigado; XII. gozar os dias de compensação pelo trabalho nas eleições, quando convocado pelo TRE, de acordo com conveniência do serviço e após a autorização da direção da escola. SEÇÃO IV - DOS DEVERES Art. 36 - Constituem deveres do pessoal docente, técnico e administrativo o desempenho de todas as atividades que por sua natureza, são inerentes à função que exerce, sendo as atribuições do pessoal às previstas na legislação específica. Art. 37 - São deveres dos servidores da escola: I. assiduidade; II. pontualidade; III. discrição; IV. urbanidade; V. disciplina; VI. lealdade às instituições constitucionais e administrativas a que servir; VII. observância das normas legais e regulamentares; VIII. obediência às ordens superiores, exceto quando manifestamente ilegais; IX. levar ao conhecimento da autoridade superior irregularidade de que tiver ciência em razão do cargo; X. zelar pela economia e conservação do material que lhe for confiado; XI. manter atualizada a documentação referente a sua vida funcional; XII. atender prontamente: a) às requisições para a defesa da Fazenda Pública; b) à expedição das certidões requeridas para a defesa de direito; XIII. atender aos servidores, alunos e comunidade escolar pronta e adequadamente;
  • 9. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. XIV. ser justo e honesto no desempenho de suas funções e em suas relações com demais servidores, superiores hierárquicos e com os usuários do serviço; XV. ser ágil na prestação de contas de suas atividades; XVI. aperfeiçoar o processo de comunicação e contato com o público; XVII. praticar a cortesia e a urbanidade nas relações do serviço público e respeitar a capacidade e as limitações individuais dos usuários , sem qualquer espécie de preconceito ou distinção de raça, sexo, nacionalidade, cor, idade, religião, preferência política, posição social e quaisquer outras formas de discriminação; XVIII. resistir às pressões de superiores hierárquicos, de contratantes, interessados e outros que visem a obter quaisquer favores, benesses ou vantagens indevidas, em decorrência de ações ilegais ou imorais, denunciando sua prática; XIX. manter limpo e em perfeita ordem o local de trabalho; XX. participar dos movimentos e estudos que se relacionem com a melhoria do exercício de suas funções, tendo por escopo a realização do bem comum; XXI. apresentar-se ao trabalho com vestimentas adequadas ao exercício da função; XXII. manter-se atualizado com as instruções, as normas de serviço e a legislação pertinentes ao órgão onde exerce suas funções; XXIII. facilitar as atividades de fiscalização pelos órgãos de controle; XXIV. exercer a função, o poder ou a autoridade de acordo com as exigências da administração pública, vedado o exercício contrário ao interesse público; XXV. observar os princípios e valores da ética pública. Art. 38 - São deveres e obrigações específicas de pessoal do magistério, além dos enumerados acima: I. participar das atividades do planejamento do ensino dentro da programação escolar; II. comparecer às atividades escolares com a pontualidade necessária ao desenvolvimento do trabalho; III. participar de reuniões e Comissões para as quais tenha sido convocado; IV. tratar com urbanidade e isenção os colegas de trabalho; V. respeitar a hierarquia administrativa e pedagógica em suas atitudes, atividades e reivindicações; VI. zelar pelo patrimônio da escola, particularmente de sua área de atuação, preocupando-se pela conservação de bens e pelo bom uso do material colocado a sua disposição; VII. guardar sigilo sobre assuntos reservados que envolvam ou possam envolver pessoas e autoridades nos planos administrativos e pedagógicos; VIII. zelar pelo bom nome da Unidade de Ensino dentro e fora dela; IX. desenvolver suas atividades de acordo com a programação aprovada e empenhando-se pela constante qualificação ao processo ensino - aprendizagem; X. promover a avaliação constante do processo aprendizagem de acordo com o sistema adotado; XI. comunicar ao superior imediato qualquer irregularidade, na atuação ou comportamento do aluno, inclusive ausências, no âmbito de suas atividades; XII. cooperar com os superiores imediatos na solução de problemas da administração da escola; XIII. qualificar-se permanentemente com vistas à melhoria constante de seu desempenho como profissional e como educador; XIV. apresentar nos prazos hábeis toda a escrita escolar sobre sua responsabilidade; XV. participar de atividades de caráter cívico, social e cultural promovidos pelo seu setor de trabalho; XVI. ministrar aulas, de acordo com o horário do estabelecimento, cumprindo o número de dias letivos fixados pela legislação vigente, registrando, no diário de classe, a matéria lecionada e a freqüência do aluno; XVII. respeitar a diferença individual do aluno, considerando as possibilidades e limitações de cada um, mantendo-o participante durante os períodos de aula; XVIII. manter a disciplina de sala e fora dela; XIX. desenvolver o espírito de cooperação e solidariedade integrando-se na vida da escola e da comunidade; XX. manter eficiência do ensino da área e/ou turma específica de sua atuação; XXI. elaborar planejamento - de curso, de unidade e de aula - para sua disciplina e/ou turma, com apoio do pessoal técnico-pedagógico, adotando a interdisciplinaridade e transdisciplinaridade; XXII. atender a família do aluno quando for solicitado.
  • 10. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. SEÇÃO V - DAS PROIBIÇÕES Art. 39 - Aos servidores é vedado: I. referir-se de modo depreciativo, em informação, parecer ou despacho, às autoridades e atos da administração pública, podendo, porém, em trabalho assinado, criticá-los do ponto de vista doutrinário ou da organização do serviço; II. retirar sem prévia autorização da autoridade competente qualquer documento ou objeto da repartição; III. promover manifestações de apreço ou desapreço e fazer circular ou subscrever lista de donativos no recinto da repartição; IV. valer-se do cargo para lograr proveito pessoal em detrimento da dignidade da função; V. coagir ou aliciar subordinados com objetivos de natureza partidária; VI. participar da gerência ou administração de empresa comercial ou industrial, salvo os casos expressos em lei; VII. exercer comércio ou participar de sociedade comercial, exceto como acionista, quotista ou comanditário; VIII. praticar a usura em qualquer de suas formas; IX. pleitear, como procurador ou intermediário, junto às repartições públicas, salvo quando se tratar de percepção de vencimentos e vantagens, de parente até segundo grau; X. receber propinas, comissões, presentes e vantagens de qualquer espécie em razão das atribuições; XI. cometer a pessoa estranha à repartição, fora dos casos previstos em lei, o desempenho de encargo que lhe competir ou a seus subordinados. XII. prejudicar deliberadamente a reputação de outros servidores, de superiores hierárquicos ou de cidadãos que deles dependam; XIII. usar de artifícios para procrastinar ou dificultar o exercício regular de direito por qualquer pessoa; XIV. deixar de utilizar os avanços técnicos e científicos ao seu alcance ou do seu conhecimento para atendimento do seu mister; XV. permitir que perseguições, simpatias, antipatias, caprichos, paixões ou interesses de ordem pessoal interfiram no trato com o público ou com colegas hierarquicamente superiores ou inferiores; XVI. pleitear, solicitar, provocar, sugerir ou receber qualquer tipo de ajuda financeira, gratificação, prêmio, comissão, doação ou vantagem de qualquer espécie, para si, familiares ou qualquer pessoa, para o cumprimento da sua missão ou para influenciar outro servidor para o mesmo fim; XVII. aceitar presentes, benefícios ou vantagens de terceiros, salvo brindes que não tenham valor comercial ou que, sendo distribuídos a título de cortesia, propaganda, divulgação habitual ou por ocasião de eventos especiais ou datas comemorativas, não ultrapassem o valor de um salário mínimo; XVIII. alterar ou deturpar o teor de documentos que deva encaminhar para providências; XIX. iludir ou tentar iludir qualquer pessoa que necessite do atendimento em serviços públicos; XX. desviar servidor público para atendimento a interesse particular; XXI. fazer uso de informações privilegiadas obtidas no âmbito interno de seu serviço, em benefício próprio, de parentes, de amigos ou de terceiros; XXII. apresentar-se embriagado no serviço ou, habitualmente, fora dele; XXIII. dar o seu concurso a qualquer instituição que atente contra a moral, a honestidade ou a dignidade da pessoa humana; XXIV. exercer atividade profissional antiética ou ligar o seu nome a empreendimentos que atentem contra a moral pública; XXV. permitir ou concorrer para que interesses particulares prevaleçam sobre o interesse público. Art. 40 - Ao pessoal do magistério, além das proibições acima descritas, é vedado: I. usar linguagem inadequada em suas atividades de ensino e no convívio escolar, bem como assuntos, que não sejam de acordo com aula; II. reter os alunos em atividades, em horários destinados à merenda; III. impingir castigo corporal ou desmoralizante a qualquer aluno; IV. exigir do aluno esforço físico ou mental incompatível com sua aptidão; V. suspender o aluno de aula ou colocá-lo fora de sala sem o devido encaminhamento ao serviço competente
  • 11. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. VI. alterar quaisquer resultados da avaliação, após a entrega dos mesmos à secretaria da escola, ressalvados os casos de erro manifesto, declarado ou reconhecido pelo professor VII. usar de discriminação entre alunos; VIII.utilizar horários para excursões, passeios, campeonatos, visitas e que não estejam planejados nos projetos específicos dos conteúdos para tal finalidade, aprovados pela equipe pedagógica e/ou Colegiado Escolar IX. usar telefone celular em salas de aula (Lei Estadual nº 14.486/2002). SEÇÃO VI - DAS MEDIDAS DISCIPLINARES Art. 41 - É aplicável ao pessoal docente, técnico e administrativo o regime disciplinar com a finalidade de aprimorar o ensino, a formação do aluno, o desenvolvimento das atividades escolares, o entrosamento dos serviços existentes e a consecução dos objetivos propostos. Art. 42 - O pessoal da Escola está sujeito ao regime disciplinar previsto no Estatuto dos Funcionários Públicos Civis do Estado - Lei nº 869/52 ( Artigos 216 e 217), no Estatuto do Pessoal do Magistério Público do Estado de Minas Gerais – Lei nº 7.109/77 (Artigos: 172, 173, 174, 175, 176 e 177). Art. 43 - Todos os servidores da escola estão sujeitos ao cumprimento da Lei Complementar Nº 116 de 11/01/2011, que dispõe sobre a prevenção e a punição do assédio moral na administração pública estadual. Art. 44 - Os servidores da escola são submetidos à Avaliação de Desempenho Individual com periodicidade e normas determinadas em legislação própria. Art. 45 - Cabe à Direção da Escola oferecer estratégias de ajuda ao professor que tenha dificuldades pedagógicas, de relacionamento com a equipe escolar ou em manter a disciplina em sala de aula. Art. 46 - É da competência da Direção advertir o funcionário, no momento em que ocorrer um fato de transgressão às normas disciplinares: §1º - A advertência deve ser: I. Oral ( uma ); II. Escrita ( documento de repreensão ). §2º - A advertência deve ser lavrada em livro próprio e, no caso de recusa de assinatura por parte do funcionário, duas ou mais testemunhas devem ser chamadas para assiná-la. §3º - O registro das ocorrências e advertências serve de base para a aplicação das penalidades previstas na legislação vigente e são arquivados nas pastas de avaliação e funcional do servidor. §4º - Dependendo da gravidade da transgressão, em caso de servidor designado, compete ao Colegiado proceder à análise da mesma e indicar as medidas cabíveis, em conformidade com a legislação vigente. Art. 47 - Os casos omissos são analisados à luz da legislação vigente. CAPÍTULO II – DO PESSOAL DISCENTE Art. 48 - O pessoal discente compreende todos os alunos matriculados na Escola. SEÇÃO I - DOS DIREITOS Art. 49 - Constituem direitos do pessoal discente: I. ser tratado com urbanidade e respeito por todo o pessoal da escola;
  • 12. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. II. merecer assistência educacional de acordo com suas necessidades, através de todos os serviços instituídos no Estabelecimento de Ensino; III. utilizar os livros da Biblioteca, de acordo com os regulamentos e normas próprias; IV. recorrer às autoridades escolares quando julgar prejudicados os seus direitos. V. ser avaliado conforme seu grau de competência e de acordo com o currículo previsto para seu ano; VI. ser informado, com antecedência, sobre qualquer atividade escolar ou mudança de sua atividade normal; VII. tomar conhecimento, através de boletim, do rendimento escolar. VIII. usufruir de todos os benefícios de caráter educativo, social e recreativo proporcionados pela Escola; IX. organizar liderança estudantil, representativa dos alunos, por meio de Grêmio; X. afastar-se das atividades escolares, devidamente justificado, para representá-la em atividades desportivas em nível regional, estadual, etc. XI. apresentar sugestões à diretoria do Estabelecimento. XII. defender-se junto ao órgão do Colegiado, quando se sentir punido injustamente. SEÇÃO II - DOS DEVERES Art. 50 - São deveres do pessoal discente: I. obedecer às normas regimentais da Escola; II. frequentar as aulas e outras atividades escolares com assiduidade e respeito; III. apresentar-se devidamente trajado; IV. executar exercícios e tarefas nos prazos determinados pelos professores; V. comparecer às comemorações cívicas e outras promoções escolares; VI. apresentar aos pais e/ou responsáveis as informações enviadas pela Escola; VII. comunicar à Escola seu afastamento temporário por motivo de doença ou outros; VIII. ausentar-se das salas de aula, durante as aulas, apenas com a autorização do professor; IX. apresentar solicitação, por escrito, e assinado pelo responsável para fins de saídas antecipadas da Escola. X. contribuir, no que lhe couber, para o prestígio da Escola; XI. abster-se de atos que perturbem a ordem, ofendam os bons costumes ou importem em desacato às leis, às autoridades escolares, professores ou funcionários e colegas; XII. colaborar na conservação do prédio, instalação, equipamentos e material escolar de uso coletivo; XIII. indenizar os prejuízos quando produzir danos materiais ao Estabelecimento ou a qualquer membro da comunidade escolar, ouvido o Colegiado da escola. SEÇÃO III - DAS RESTRIÇÕES AOS ALUNOS Art. 51 - É vedado ao corpo discente: I. utilizar-se, sem autorização, de qualquer material escolar de propriedade da Escola ou de seus colegas; II. impedir a entrada dos colegas na Escola ou estimulá-los à ausência coletiva; III. promover festas sem antes comunicar à Direção; IV. perturbar a ordem no recinto da Escola ou nas suas proximidades; V. praticar atos de atentados à moral e aos bons costumes; VI. consumir cigarro, bebida ou qualquer outra droga na Escola, conforme a Lei; VII. pichar ou praticar atos de vandalismo contra o patrimônio da Escola; VIII. namorar nas dependências da Escola; IX. sair sem permissão da Escola no horário de aula; X. usar telefone celular em salas de aula (Lei Estadual nº 14.486/2002); XI. trazer para escola objetos de valor (aparelhos celulares, MP3, MP4 e outros). SEÇÃO IV - DAS MEDIDAS DISCIPLINARES DO CORPO DISCENTE
  • 13. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. Art. 52 - O aluno deve estabelecer, segundo orientações do corpo técnico e docente, os preceitos da boa educação nos seus hábitos, atitudes e palavras e estruturar normas de conduta para se manter a ordem e a disciplina necessárias à construção do processo educacional. Art. 53 - A conduta que não é prevista em lei como crime ou contravenção penal é considerada ato de indisciplina. Art. 54 - São considerados atos indisciplinares: I. mau comportamento em sala de aula; II. passeio pelos corredores no horário de aula; III. desrespeito e desobediência às autoridades escolares; IV. atos de rebeldia com uso de vocabulário de baixo calão. Art. 55 - A conduta prevista em lei como crime ou contravenção penal é considerada ato infracional, se menor e crime ou contravenção penal, se maior. Art. 56 - São considerados atos infracionais, crime ou contravenção penal, por parte do aluno: I. uso de materiais explosivos; II. agressão física ao professor, colegas e quaisquer funcionários da Escola; III. porte de arma, de droga e tráfico de qualquer natureza; IV. roubos no ambiente escolar; V. pichações e depredações do patrimônio escolar. §1º - Nos atos infracionais, deve haver a intervenção policial, cabe à escola convocar os pais ou responsáveis legais e caso não sejam encontrados, a escola deve indicar um funcionário para acompanhar o aluno. §2º - Somente o Ministério Público, pode opinar sobre quais as medidas necessárias para a punição dos alunos,menores, quando praticados atos infracionais. Art. 57 - Toda medida disciplinar é o procedimento aplicado, pelo não cumprimento dos deveres e/ou execução das proibições estabelecidos neste Regimento, visando prevenir a repetição de transgressões. PARÁGRAFO ÚNICO - Precede às medidas disciplinares, a aplicação de recursos sócio-pedagógicos para os atos de indisciplina, a saber: I. discutir os valores sociais com o aluno, sensibilizando-o para a solidariedade e o espírito de grupo, que devem nortear a convivência em sociedade; II. estimular a auto avaliação do aluno acerca de seu comportamento; III. prestar esclarecimentos ao aluno sobre as consequências da indisciplina na aprendizagem; IV. promover orientação ao aluno quanto à possibilidade de mudança de postura, com intuito de elevar sua estima. Art. 58 - As medidas disciplinares a serem aplicadas ao pessoal discente, quando necessárias para restabelecimento da disciplina, guardam estrita correspondência com as causas do comportamento do aluno e suas condições psicológicas, não devendo em nenhuma hipótese, assumir caráter punitivo. PARÁGRAFO ÚNICO - As medidas disciplinares são aplicadas de acordo com a maior ou menor gravidade da falta, após sindicância disciplinar que deve resguardar o direito de ampla defesa ao aluno, com ciência dos pais ou responsáveis, se menor. Art. 59 - Se necessário, aos alunos podem ser aplicadas gradativamente e sem se acumularem, as seguintes medidas disciplinares, conforme a gravidade e reincidência das transgressões cometidas: a) advertência oral pelo professor; b) advertência escrita em número de até 03 (três), registradas em livro de ocorrência, pelo professor; c) advertência oral, pelo Diretor, Vice-diretor ou Especialista;
  • 14. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. d) advertência escrita em número de até 03 (três), registradas em livro de ocorrência, pelo Diretor, Vice-diretor ou Especialistas e com a assinatura dos pais ou responsáveis, se menor; e) transferência de turma pelo Diretor, Vice-diretor ou Especialista; f) transferência de turno pelo Diretor, ouvido o Colegiado Escolar, desde que não contrarie as disposições da Constituição Federal e da Lei Federal 8069/90 e com comunicação aos pais ou responsáveis; g) acionar intervenção da polícia militar para lavratura de boletim de ocorrência e encaminhamento aos órgãos competentes, em se tratando de ato infracional cometido por menores, a partir dos 12 anos de idade, e crime ou contravenção penal cometido por maiores; h) acionar intervenção do Conselho Tutelar, em se tratando de ato infracional cometido por menores, até os 12 anos de idade; i) transferência para outro estabelecimento de ensino público, com garantia de vaga, após análise feita pelo Diretor e Colegiado Escolar, desde que não contrarie as disposições da Constituição Federal e da Lei Federal 8069/90 e com o conhecimento de seus pais ou responsáveis; j) encaminhamento da situação ao Conselho Tutelar e/ou Promotoria de Justiça da Infância e da Juventude, quando já tiverem sido utilizados todos os recursos viáveis para a solução dos problemas, quando não se tratar de ato infracional. § 1° - A aplicação de medidas disciplinares depende de parecer da direção, nos casos em que estas forem além das advertências orais e escritas pelo professor; § 2° - É vedada a aplicação de penalidades físicas ou medidas que não estiverem estabelecidas neste Regimento Escolar; Art. 60 - São inaplicáveis medidas que atentem contra a dignidade pessoal, contra a saúde física e mental, ou prejudiquem o processo formativo do aluno. Art. 61 - Ao pessoal discente são garantidos os direitos e os deveres contidos na Constituição Federal, Constituição Estadual, Lei 9394/96 e Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei 8.069/90). Art. 62 - O regime disciplinar deve visar principalmente o desenvolvimento saudável do educando, o bom desempenho nas atividades escolares e o preparo para o exercício consciente e pleno da cidadania. Art. 63 - Cabe ao professor articular o processo educativo utilizando de estratégias adequadas que visem a integração e o ajustamento do aluno, evitando a sua exclusão da sala de aula. Art. 65 - Cabe à escola : I. acatar decisões judiciais referente aos alunos; II. encaminhar ao Conselho Tutelar, os casos de alunos que apresentam situações familiares mais graves, para que o órgão intervenha, aplicando as medidas protetivas necessárias; III. juntamente com a família, Conselho Tutelar e Ministério Público, zelar pelo fiel cumprimento do regime disciplinar da Escola e da legislação que o rege. Art. 64 - Aos alunos é permitida a tolerância de 10 (dez) minutos para a 1ª aula de cada turno, em casos emergenciais e esporádicos, com justificativa. § 1º- Os alunos do Ensino Fundamental - 6º ao 9º ano e Ensino Médio - que chegam atrasados para a 1ª aula, após a tolerância de 10 (dez) minutos, devem ser conduzidos à biblioteca ou outro local determinado pela direção para exercer atividades pedagógicas até o final da mesma. § 2º - O aluno do turno noturno que necessita atrasar-se por motivo de trabalho deve apresentar justificativa por escrito, devendo a mesma ser analisada pela direção da escola. Art. 65 - Os casos omissos são analisados à luz da legislação vigente.
  • 15. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. TÍTULO VI – DOS REGISTROS, ESCRITURAÇÃO E ARQUIVOS ESCOLARES CAPÍTULO I - DAS FORMAS E OBJETIVOS Art. 66 - A fim de assegurar a verificação da identidade de cada aluno, a regularidade e autenticidade de sua vida escolar, devem ser observados os seguintes aspectos nos serviços de Escrituração Escolar: I. A transcrição de todos os dados deve ser exata e como constam nos documentos originais. II. A todo documento expedido deve corresponder uma cópia ou segunda via no arquivo do estabelecimento. III. No documento expedido a escola faz constar obrigatoriamente: a identificação do estabelecimento e endereço completo, natureza do ato de sua criação, instalação de funcionamento ou reconhecimento, conforme o caso, com citação do órgão e data da respectiva publicação. IV. Os documentos expedidos pelo estabelecimento são sempre assinados pelo diretor ou pelo seu substituto legal e pelo responsável pela escrituração escolar, devendo seus nomes figurar por extenso, abaixo das assinaturas, com respectivos registros ou autorizações e MASP. V. Os documentos expedidos pelo estabelecimento devem estar registrados com letra legível, sem rasuras e incorreções. VI. Os espaços não preenchidos devem ser inutilizados com um traço. VII. Os espaços destinados a Observação devem conter todas os registros considerando a maior compreensão dos dados contidos no documento. VIII. A apresentação de cópia autenticada dispensa a apresentação do documento original. IX. Do arquivo Escolar devem constar todos os registros de atividades e atos escolares dos alunos e servidores devendo para tanto ser divididos em: A - Arquivo Ativo, constituído pelos documentos relativos aos alunos que estão frequentando a escola e aos servidores da ativa. B - Arquivo Inativo, constituído dos documentos desnecessários ao movimento cotidiano da escola que não podem ser incinerados. Art. 67 - Os atos escolares, para efeito de registro, comunicação de resultados e arquivamento, são escriturados no SIMADE observando, no que couber, os regulamentos e disposições legais aplicáveis. PARAGRÁFO ÚNICO – Para fins de arquivamento são consideradas válidas, as cópias xerocadas, desde que autenticadas pelo funcionário responsável, mediante documento original. Art. 68 - Os livros de escrituração escolar contêm termo de abertura e encerramento, e as fichas que se usam devem apresentar características essenciais e comprovações dos atos que se registram, datas e assinaturas que as autenticam. Art. 69 - Resguardadas as características e autenticidades, em qualquer época podendo o estabelecimento substituir os livros, fichas, modelos de registros e escrituração, descritos neste regimento por outros, bem como alterar os processos utilizados, simplificando-os. CAPÍTULO II – DOS INSTRUMENTOS DE REGISTROS E ESCRITURAÇÃO SEÇÃO I – DOS LIVROS Art. 70 - São os seguintes os livros de escrituração: a) Livro de Registro de Matrícula - destinado ao lançamento, em cada período letivo, do nome, ano, grau, curso, filiação, data e local de nascimento de cada aluno matriculado; b) Livro de Ata de Resultado Final - em que se lança por ano, os resultados finais obtidos pelos alunos.
  • 16. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. c) Livro de Atas de Exames de processos especiais de avaliação.- destinado à lavratura de atas, adaptação, validação de estudos avaliados e outros processos especiais. d) Livro de Atas de Incineração de Documentos – em que se lavram atas de incineração de documentos escolares, com assinaturas de um professor, auxiliar da educação, secretário e diretor. e) Livro de Termo de Visita do Inspetor – em que o Inspetor registra, com cópias, sua visitas. f) Livro de Registro Diário de Presença do Professor (Livro Ponto) – livro ou outro processo próprio em que se anota a presença dos funcionários e professores, bem como os dias letivos. g) Livro de Termos de Investiduras ou Posse e Exercício - em que se lavram as atas de investidura do pessoal do estabelecimento. h) Livro de Registro de Expedição de Certificados e/ou Históricos Escolares – em que se anotam a expedição de Certificados e Históricos, nome da habilitação, curso ou grau de ensino, nome, filiação, data e local do nascimento do aluno, recibo do aluno ou de seu procurador, ao receber o documento. i) Livro de Atas do Colegiado – onde se registram as reuniões do Colegiado, as consultas e deliberações. j) Livro de Atas Administrativas e Pedagógicas – onde se registram as reuniões da direção e supervisão com os professores e funcionários, as consultas e deliberações. k) Livro de Ocorrências dos Alunos – onde se registram as ocorrências individuais. l) Livro de Ocorrências e Advertências de Professores e Funcionários – registram-se neste livro, após esgotadas as tentativas de ajuda pedagógica e administrativa, as falhas cometidas pelos funcionários. m) Livro de Atas de Classificação e Reclassificação. n) Livro de Atas de Reuniões de Conselhos de Ciclo ou Classe. o) Livro de Atas da Caixa Escolar. p) Livro de Atas de Regularização de Vida Escolar. q) Livro de Atas da Comissão de Avaliação de Desempenho. SEÇÃO II – DOS DOCUMENTOS ESCOLARES Art. 71 - São adotados os seguintes documentos escolares: I. Histórico Escolar – destina-se a certificar toda a vida escolar do aluno, para fins de arquivamento, transferência, comprovação de estudos e cursos realizados. II. Declaração de Expedição de Histórico Escolar - destina-se a substituir, provisoriamente, o Histórico Escolar, no caso em que, excepcionalmente, a expedição deste último não puder ser dada imediatamente. III. Ficha Individual ou outro documento equivalente - destina-se ao registro da vida escolar durante o período letivo, para uso do estabelecimento. IV. Diário de Classe - destina-se ao registro, pelo professor da freqüência diária dos alunos, matéria lecionada, resultados das avaliações, movimentação escolar, ocorrências de alunos ou turma e resumo anual da turma.] V. Boletim Escolar – destina-se a comunicação entre o Estabelecimento e família do educando, de sua frequência, resultados de avaliações, identificação do aluno e mais o que se fizer necessário. VI. Ficha de Matrícula – destina-se ao aluno, pais do aluno ou seu responsável, que requer a matrícula na escola. VII. Declaração de dispensa das aulas de Educação Física, com os documentos comprobatórios, conforme Lei Federal nº 10.793/2003; VIII.Declaração de dispensa das aulas de Educação Religiosa. SEÇÃO III – DOS ASSENTAMENTOS INDIVIDUAIS DOS ALUNOS Art. 72 - De cada aluno, há uma pasta individual na qual devem constar: I. Certidão de Nascimento, Casamento, Carteira de Identidade (obrigatória para os alunos maiores de 16 anos) ou de quaisquer outros documentos que se fizerem necessários, expedidos por órgãos competentes. II. Dados pessoais de documento competente destinado à retificação ou modificação de dados anteriores. III. Arquivamento dos Atestados Médicos e de Trabalho, quando se fizerem necessários. IV. Documento definitivo de transferência recebido pelo Estabelecimento ou comprobatórios de conclusão de cursos ou estudos realizados pelo aluno, para arquivamento. V. Histórico Escolar com transcrição de dados pessoais, série ou ano, ciclos cursados, dias letivos e faltas-horas .
  • 17. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. VI. Documentos que fundamentam a Classificação ou Reclassificação ( Parecer nº 1132/97 e Parecer nº 1158/98 ). VII. Fichas Individuais de Aproveitamento. VIII. Certificado de Reservista para os maiores de dezoito anos, dispensada para os alunos acima de 45 anos. SEÇÃO IV – DOS ASSENTAMENTOS INDIVIDUAIS DE PROFESSORES E FUNCIONÁRIOS Art. 73 - De cada professor ou servidor há uma pasta individual, com uma ficha Funcional, onde se transcrevem todos os dados pessoais e funcionais. CAPÍTULO III – DA INCINERAÇÃO DE DOCUMENTOS Art. 74 - A incineração de documentos escolares segue os procedimentos estabelecidos na legislação em vigor. Art. 75 - Lavradas definitivamente as atas, podem ser incinerados os seguintes documentos: I. Provas finais ou especiais relativas à recuperação; II. Documentos dispensáveis relativos a professores e funcionários, após a transcrição nos assentamentos individuais. III. Declaração de expedição de Histórico Escolar, após a entrega pelo aluno, do documento definitivo; IV. Outros documentos com autorização especial dos órgãos competentes. CAPÍTULO IV – DA RESPONSABILIDADE E AUTENTICIDADE Art. 76 - Ao Diretor, Inspetor e Secretário cabe a responsabilidade por toda a escrituração e expedição de documentos escolares, bem como dar-lhes autenticidade pela aposição de suas assinaturas. PARÁGRAFO ÚNICO - Todos os funcionários são responsáveis na respectiva órbita de competência, pela guarda, sigilo e inviolabilidade dos arquivos, documentos e escrituração escolar. TÍTULO VII – DA GESTÃO PEDAGÓGICA CAPÍTULO I – DOS SERVIÇOS DE ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL/SUPERVISÃO PEDAGÓGICA Art. 77 - A finalidade do serviço de supervisão pedagógica e/ ou orientação educacional é articular o trabalho pedagógico da escola coordenado e integrado ao trabalho dos professores, dos alunos e seus familiares em torno de um eixo comum: o ensino-aprendizagem. Art. 78 - Compete ao especialista da educação, além das atribuições previstas na legislação vigente: I. Coordenar o planejamento e implementação do Projeto Pedagógico da escola, tendo em vista as diretrizes no Projeto:Político Pedagógico da Escola: a) participar da elaboração do Projeto Político Pedagógico da Escola: b) delinear, com os professores, o Projeto Político Pedagógico, explicitando seus componentes de acordo com a realidade da escola; c) coordenar a elaboração do currículo pleno da escola, envolvendo a comunidade escolar; d) promover o desenvolvimento curricular, redefinindo, conforme as necessidades, os métodos e materiais de ensino; e) participar da elaboração do calendário escolar; f) articular os docentes de cada área para o desenvolvimento do trabalho técnico-pedagógico da escola, definindo suas atividades específicas; g) avaliar o trabalho pedagógico, sistematicamente, com vistas à reorientação de sua dinâmica; h) participar, com o corpo docente, do processo de avaliação externa e da análise de seus resultados; i) identificar as manifestações culturais características da região e incluí-las no desenvolvimento do trabalho da escola; II. Coordenar o programa de capacitação do pessoal da escola:
  • 18. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. a) analisar os resultados da avaliação sistêmica feita juntamente com os professores e identificar as necessidades dos mesmos; b) realizar a avaliação do desempenho dos professores, identificando as necessidades individuais de treinamento e aperfeiçoamento; c) efetuar levantamento da necessidade de treinamento e capacitação dos docentes na escola; d) manter intercâmbio com instituições educacionais e/ou pessoas visando sua participação nas atividades de capacitação; e) analisar os resultados obtidos com as atividades de capacitação docente, na melhoria dos processos de ensino aprendizagem. III. Realizar a orientação dos alunos, articulando o envolvimento da família no processo educativo: a) identificar, junto com os professores, as dificuldades de aprendizagem dos alunos; b) orientar os professores sobre as estratégias mediante as quais as dificuldades identificadas possam ser trabalhadas, em nível pedagógico; c) encaminhar a instituições especializadas os alunos com dificuldades que requeiram um atendimento terapêutico; d) promover a integração do aluno no mundo do trabalho, através da informação profissional e da discussão de questões relativas aos interesses profissionais dos alunos e à configuração do trabalho na realidade social; e) envolver a família no planejamento e desenvolvimento das ações da escola; f) proceder, com auxilio de professores, ao levantamento das características sócio-econômicas e linguísticas do aluno e sua família; g) utilizar os resultados do levantamento como diretriz para diversas atividades de planejamento do trabalho escolar; h) analisar com a família os resultados do aproveitamento do aluno , orientando-o, se necessário , para obtenção de melhores resultados; i) oferecer apoio ás instituições escolares discentes, estimulando a vivência da prática democrática dentro da escola. IV. Realizar estudos e pesquisas que fundamentam a proposta de políticas, diretrizes e normas educacionais; V. Elaborar normas e instruções relativas ao pedagógico; VI. Outras, compatíveis com a natureza do cargo, previstas nas normas legais aplicáveis a espécie. CAPÍTULO II – DOS CONSELHOS DE CICLO/CLASSE Art. 79 - O Conselho de Ciclo/Classe é um Órgão Colegiado que tem por objetivo a avaliação coletiva do processo ensino-aprendizagem. Art. 80 - São finalidades dos conselhos de Ciclo/Classe: discutir, refletir, avaliar, planejar, diagnosticar, acompanhar, formar e construir, alterar relações e prática escolares. Art. 81 - Compete-lhe servir de fórum de discussão para definir sobre: I. objetivos a serem alcançados em cada componente curricular, por ano; II. metodologias e estratégias de ensino; III. critérios para seleção dos conteúdos curriculares; IV projetos coletivos de ensino e atividades; V formas de acompanhamento dos alunos durante o período letivo; VI critérios para apreciação do desempenho do aluno para o acompanhamento no decorrer da série e para informações aos pais e/ou responsáveis; VII proposta curricular diversificada e inovadora dos alunos; VIII adaptação curricular para os alunos com necessidades e especificidades educacionais, inclusive as necessidades especiais. IX classificação, reclassificação e o avanço escolar. Art. 82 - O Conselho de Classe/Ciclo é constituído por todos os professores das turmas, alunos representantes de turma, pessoal técnico, especialista da educação e pelo diretor ou outro profissional por ele indicado, que coordena o Conselho.
  • 19. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. Art. 83 - Sempre que for necessário, o Conselho de Classe/Ciclo pode convidar alunos e pais para participar de suas reuniões. Art. 84 - A Escola promove um mínimo de 04 (quatro) reuniões do Conselho de Classe/Ciclo ao longo do ano letivo ou em caráter extraordinário, quando se fizer necessário. §1° - As reuniões realizadas devem ter o objetivo de discussão para definir, após análise do processo ensino-aprendizagem, a reformulação de currículos, pesquisas de metodologia, elaboração de projetos, classificação ou reclassificação' de alunos, esclarecimentos e definições de alunos em situações limítrofes, encaminhamento de alunos ao atendimento especializado, atenção às transferências e remanejamentos. § 2° - Cabe à Direção da escola assegurar ao Conselho de Classe/Ciclo as condições mínimas para seu funcionamento. §3° - A organização dos horários de realização das reuniões deve ser feita de modo a permitir que todos os seus membros efetivos participem, em especial os professores, considerando-se que não existe professor dispensável no processo de avaliação coletiva do aluno e do trabalho pedagógico da escola. Art. 85 - A constituição, as competências , o funcionamento e demais normas dos Conselhos de Ciclo/Classe estão contidos em anexo próprio. CAPÍTULO III – DO ATENDIMENTO VOLUNTÁRIO E PARCERIA Art. 86 - Respeitadas as disposições e normas legais, a escola faz seu trabalho, buscando sempre na comunidade e fora dela, parcerias e ações diversas que beneficiem a Projeto Político Pedagógico. Art. 87 - O atendimento de voluntários se faz através da parceria com membros da comunidade, com o objetivo de apoio à escola, acompanhamento e suporte aos estudantes com dificuldades de aprendizagem. Art. 88 - Podem participar do programa de atendimento voluntário: I. Professores ativos e inativos; II. Especialista da Educação, ativos e inativos; III. Pessoas que comprovem à direção da escola, capacidade para o desempenho da atividade, através de habilitação; IV. Estagiários. §1º - Para a implementação do programa, a direção pode articular-se com associações comunitárias, centros sociais e de estudos, bibliotecas e outros. §2º- O atendimento voluntário não constitui vínculo empregatício com a escola não dando, portanto, ao voluntário, o direito a contagens de tempo. Art. 89 - Além do suporte aos estudantes com deficiência de aprendizagem a escola pode aproveitar a colaboração dos voluntários em: I. Esportes e Recreação; II. Danças e música; III. Artes (artesanato, teatro, pintura, desenho); IV. Informática; V. Outros. CAPÍTULO IV - DAS INSTITUIÇÕES E RECURSOS PEDAGÓGICOS SEÇÃO I – DA BIBLIOTECA E VIDEOTECA Art. 90 - A biblioteca tem finalidade de fornecer os elementos necessários à realização e enriquecimento dos trabalhos pedagógicos, consultas e pesquisas.
  • 20. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. Art. 91 - A biblioteca funciona em horários paralelos aos do funcionamento dos turnos. Art. 92 - Todo o acervo da biblioteca é catalogado e registrado em livro próprio e é de inteira responsabilidade das bibliotecárias, as quais deverão estar cientes dos empréstimos de livros realizados e quais alunos pegaram tais livros. PARAGRAFO ÚNICO: As bibliotecárias da Escola Cornélia deverão ter livro com nomes de alunos por turma, bem como um livro de registro que conste: nome do aluno que pegou livro, nome do livro e número de registro, data de entrega. As bibliotecárias deverão procurar os alunos que não devolverem os livros no prazo, caso o/a aluno(a) não entregue mesmo assim, o serviço de Supervisão e a direção da Escola devem ser cientificados o mais rápido possível a fim de recuperar e disponibilizar novamente o livro a outros alunos(as). Art. 93 - A organização e funcionamento da Biblioteca estão sujeitos às normas baixadas pela Diretoria da Escola, à luz da legislação vigente. Art. 94 - O Professor para Ensino do Uso da Biblioteca é o responsável pelo funcionamento da biblioteca e tem atribuições inerentes ao cargo especificadas em legislação própria. Art. 95 - Compete ao Professor de Ensino do Uso da Biblioteca: I. Organizar a biblioteca de forma a facilitar o uso do livro, do vídeo, do retroprojetor, do projetor de slides e de outros materiais e/ou equipamentos nela existentes, assegurando ao usuário um ambiente propício à reflexão e estimulador da criatividade e imaginação; II. Zelar pela conservação do acervo da biblioteca orientando o usuário, docente e discente, com vistas à adequada utilização desse acervo. III. Promover atividades individuais e/ou coletivas, especialmente as que estimulem os alunos a produzir textos; IV. Divulgar no âmbito da escola os programas de vídeo disponíveis, fazendo com que sua utilização seja instrumento de lazer, cultura, informação, humanização e socialização; V. Desenvolver um trabalho articulado de imagem, leitura e outras artes, buscando a integração entre Educação e Cultura como fator de melhoria da qualidade de ensino; VI. Colaborar com o desenvolvimento das atividades curriculares da Escola, facilitando a interdisciplinaridade e criando condições para que o alunos compreendam a realidade em que vivem; VII. Ministrar aulas do uso da biblioteca sensibilizando professores e alunos para o ato da leitura; VIII. Participar ativamente da vida cultural e social da comunidade escolar incentivando, por meio de promoções, o gosto pela leitura. Art.96 - Os equipamentos audiovisuais têm por objetivo propiciar aos alunos modernidade de informações, fixação dos conteúdos trabalhados e visualização de realidades longínquas; Art. 97 - O DVD, o datashow, a máquina fotográfica, o notebook, aparelhos de som, microfones e a TV da escola funcionam como serviço de apoio pedagógico aos professores na execução e implementação dos currículos escolares; Art. 98 - A aquisição de DVD´S, deve ser feita de acordo com os interesses dos professores, para atender os conteúdos específicos; .Art. 99 - O DVD, o datashow, a máquina fotográfica, o notebook, aparelhos de som, microfones e a TV são utilizados de acordo com a previsão dos professores; Art. 100 - As turmas fazem uso do equipamento audiovisual, nas salas de aula, na modalidade itinerante. PARÁGRAFO ÚNICO – Além do uso dos equipamentos áudio - visuais em sala própria.
  • 21. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. SEÇÃO II - DA MONITORIA ENTRE ALUNOS Art. 101 - São finalidades da monitoria: I. descobrir e desenvolver aptidões para liderança; II. desenvolver o senso de responsabilidade entre alunos; III. promover maior entrosamento entre os professores e alunos e entre os próprios colegas; IV. promover recuperação de alunos. § 1º - Para este serviço são aproveitados os alunos mais capacitados de cada turma. § 2º - O funcionamento é feito conforme as possibilidades e necessidades dos alunos, em períodos de recuperação ou como atividades extra-classe. SEÇÃO III - DOS CURSOS DE EXTENSÃO COMUNITÁRIA Art. 102 - A escola ministra cursos e /ou palestras de extensão comunitária visando sensibilizar a família sobre a importância de seu papel na educação dos educandos; I. promover a interação e a troca de experiência entre família e escola. PARÁGRAFO ÚNICO - As palestras, oficinas e cursos podem ser planejados com a parceria da prefeitura, SEE, SRE, organizações não governamentais e com a colaboração de profissionais habilitados.( A Escola depende de que tais instituições demonstrem interesse em ministrar cursos para a comunidade do bairro e da escola. O CRAS da cidade já foi procurado, para firmarmos parceria com SENAC e este trazer cursos que seriam realizados nas dependências da escola.) SEÇÃO IV - DA EDUCAÇÃO CONTINUADA DA EQUIPE ESCOLAR Art. 103 - A Educação Continuada da equipe escolar visa a atualização do pessoal e a melhoria do ensino-aprendizagem. Art. 104 - Frequência do servidor em cursos do sistema fica sujeita à determinação superior e a reorganização da Escola. Art. 105 - A capacitação da equipe escolar é feita através de projetos e programas especiais da SEE, com o apoio da equipe pedagógica da escola e da SRE. Art. 106 - A equipe escolar reúne-se periodicamente para planejamento, replanejamento e avaliação de seu processo educativo, priorizando as suas necessidades de capacitação, conforme legislação vigente. SEÇÃO V – DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS Art. 107 - A ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA disponibiliza as turmas do Ensino Fundamental e Ensino Médio para estágio curricular supervisionado, por estudantes de Curso Normal e Licenciaturas, conveniados com a SEE/MG. Art. 108 - O estágio é desenvolvido sob a supervisão da Instituição de Ensino Superior, conveniadas com a Secretaria de Estado de Educação, observadas as seguintes condições: I. a realização do estagio curricular supervisionado não cria vínculo empregatício ou de qualquer natureza entre o estagiário e a Secretaria de Estado de Educação. II. o número de estagiários na escola não pode exceder a 10% (dez por cento) do número total de seus professores e equipe pedagógica. Art. 109 - Compete à Escola : I. firmar termo de compromisso com a instituição conveniada e com o aluno; II. definir junto com a instituição de ensino superior, o plano de estágio na escola;
  • 22. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. III. facultar o acesso do estagiário às atividades e reuniões pedagógicas da escola. IV. indicar um profissional da equipe pedagógica para responsabilizar-se pelo estagiário, sua avaliação e validação de documentos pertinentes; V. verificar a compatibilidade entre as atividades desenvolvidas no estágio e aquelas previstas no termo de compromisso SEÇÃO VI – DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA Art. 110 - A escola mantém laboratório de informática com o objetivo de utilizar o computador como recurso audiovisual e ferramenta que favoreça a construção do conhecimento do educando. Art. 111- Compete ao professor responsável pelo uso do laboratório de informática: I. Facilitar o uso do computador como ferramenta pedagógica capaz de auxiliar o processo de construção do conhecimento; II. Articular o processo de construção do conhecimento envolvendo toda a equipe escolar. PARÁGRAFO ÚNICO: A E.E. Cornélia Ferreira Ladeira até o dia 20/10/2014 não conta com um laboratório de informática, pois as máquinas que temos estão obsoletas, vários pedidos já foram feitos à SEE-MG, para que nossos computadores fossem trocados por novos. Art. 112 - A organização e funcionamento Do Laboratório de Informática está sujeito às normas baixadas pela Diretoria da Escola, à luz da legislação vigente. Paragrafo único: até o dia 20 de outubro de 2014 a Escola Cornélia está sem laboratório de inofrmática, pois nossas máquinas estão obsoletas e devem ser trocadas, vários pedidos já foram feitos à SER-JF. SEÇÃO VII - DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA A ESCOLA CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA não conta com LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA. TÍTULO VIII – DAS ETAPAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA CAPÍTULO I – DO ENSINO FUNDAMENTAL Art.117 - O Ensino Fundamental, com duração de nove anos, estrutura-se em 4 (quatro) ciclos de escolaridade, considerados como blocos pedagógicos sequenciais: I. Ciclo da Alfabetização, com a duração de 3 (três) anos de escolaridade, 1º, 2º e 3º ano; II. Ciclo Complementar, com a duração de 2 (dois) anos de escolaridade, 4º e 5º ano; III. Ciclo Intermediário, com duração de 2 (dois) anos de escolaridade, 6º e 7º ano; IV. Ciclo da Consolidação, com duração de 2 (dois) anos de escolaridade, 8º e 9º ano. Art.118- A carga horária mínima anual do Ensino Fundamental regular é de 800 (oitocentas) horas relógio para os Anos Iniciais e 833:20 horas (oitocentas e trinta e três horas e vinte minutos) para os Anos Finais, distribuídas em, pelo menos, 200 (duzentos) dias de efetivo trabalho escolar. Art. 119.-.A escola oferece o Ensino Fundamental completo do 1º (primeiro) ao 9º (nono) ano do Ensino Fundamental e o Ensino Médio. Art. 120 - Os Anos Iniciais do Ensino Fundamental são organizados em 2 (dois) Ciclos: I - Ciclo da Alfabetização, com a duração de 3 (três) anos de escolaridade, 1º, 2º e 3º ano; II - Ciclo Complementar, com a duração de 2 (dois) anos de escolaridade, 4º e 5º ano; Art. 121 - Os Ciclos da Alfabetização e Complementar devem garantir o princípio da continuidade da aprendizagem dos alunos, sem interrupção, com foco na alfabetização e letramento, voltados para ampliar as oportunidades de sistematização e aprofundamento das aprendizagens básicas, para todos os alunos, imprescindíveis ao prosseguimento dos estudos.
  • 23. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. Art. 122 - Considerando que o processo de alfabetização e o zelo com o letramento são a base de sustentação para o prosseguimento de estudos, com sucesso, as Escolas devem organizar suas atividades de modo a assegurar aos alunos um percurso contínuo de aprendizagens e a articulação do Ciclo da Alfabetização com o Ciclo Complementar. Art. 123 - O Ciclo da Alfabetização, a que terão ingresso os alunos com seis anos de idade, terá suas atividades pedagógicas organizadas de modo a assegurar que, ao final de cada ano, todos os alunos tenham garantidos, pelo menos, os seguintes direitos de aprendizagem: I - 1º Ano: a) desenvolver atitudes e disposições favoráveis à leitura; b) conhecer os usos e funções sociais da escrita; c) compreender o princípio alfabético do sistema da escrita; d) ler e escrever palavras e sentenças. II - 2º Ano: a) ler e compreender pequenos textos; b) produzir pequenos textos escritos; c) fazer uso da leitura e da escrita nas práticas sociais. III - 3º Ano: a) ler e compreender textos mais extensos; b) localizar informações no texto; c) ler oralmente com fluência e expressividade; d) produzir frases e pequenos textos com correção ortográfica. § 1º - Ao final do Ciclo da Alfabetização, todos os alunos devem ter consolidado as capacidades referentes à leitura e à escrita necessárias para expressar-se, comunicar-se e participar das práticas sociais letradas, e ter desenvolvido o gosto e apreço pela leitura. § 2º - Ao final do Ciclo da Alfabetização, na área da Matemática, todos os alunos devem compreender e utilizar o sistema de numeração, dominar os fatos fundamentais da adição e subtração, realizar cálculos mentais com números pequenos, dominar conceitos básicos relativos a grandezas e medidas, espaço e forma e resolver operações matemáticas com autonomia. Art. 124 - O Ciclo Complementar, com o objetivo de consolidar a alfabetização e ampliar o letramento, terá suas atividades pedagógicas organizadas de modo a assegurar que todos os alunos, ao final de cada ano, tenham garantidos, pelo menos, os seguintes direitos de aprendizagem: I - 4º ano: a) produzir textos adequados a diferentes objetivos, destinatários e contextos; b) utilizar princípios e regras ortográficas e conhecer as exceções; c) utilizar as diferentes fontes de leitura para obter informações adequadas a diferentes objetivos e interesses; d) selecionar textos literários segundo seus interesses. II - 5º Ano: a) produzir, com autonomia, textos com coerência de ideias, correção ortográfica e gramatical; b) ler, compreendendo o conteúdo dos textos, sejam informativos, literários, de comunicação ou outros. § 1º - Ao final do Ciclo Complementar, todos os alunos deverão ser capazes de ler, compreender, retirar informações contidas no texto e redigir com coerência, coesão, correção ortográfica e gramatical. § 2º- Ao final do Ciclo Complementar, na área da Matemática, todos os alunos devem dominar e compreender o uso do sistema de numeração, os fatos fundamentais da adição, subtração, multiplicação e divisão, realizar cálculos mentais, resolver operações matemáticas mais complexas, ter conhecimentos básicos relativos a grandezas e medidas, espaço e forma e ao tratamento de dados em gráficos e tabelas. Art. 125 - A programação curricular dos Ciclos da Alfabetização e Complementar, tanto no campo da linguagem quanto no da Matemática, deve ser estruturada de forma a, gradativamente, ampliar capacidades e conhecimentos, dos mais simples aos mais complexos, contemplando, de maneira articulada e simultânea, a alfabetização e o letramento.
  • 24. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. Art. 126 - Na organização curricular dos ciclos dos anos iniciais do Ensino Fundamental, os Componentes Curriculares devem ser abordados a partir da prática vivencial dos alunos, possibilitando o aprendizado significativo e contextualizado: I - Os eixos temáticos dos Componentes Curriculares Ciências, História e Geografia devem ser abordados de forma articulada com o processo de alfabetização e letramento e de iniciação à Matemática, crescendo em complexidade ao longo dos Ciclos. II - A questão ambiental contemporânea deve ser abordada partindo da realidade local, mobilizando as emoções e a energia das crianças para a preservação do planeta e do ambiente onde vivem. III - O Componente Curricular Arte deve oportunizar aos alunos momentos de recreação e ludicidade, por meio de atividades artístico culturais. VI - O Ensino Religioso deve reforçar os laços de solidariedade na convivência social e de promoção da paz. Art. 127 - A Escola deve, ao longo de cada ano dos Ciclos da Alfabetização e Complementar, acompanhar, sistematicamente, a aprendizagem dos alunos, utilizando estratégias e recursos diversos para sanar as dificuldades evidenciadas no momento em que ocorrerem e garantir a progressão continuada dos alunos. Art. 128 - A passagem dos alunos dos ciclos dos anos iniciais para os ciclos dos anos finais do Ensino Fundamental deverá receber atenção especial da Escola, a fim de se garantir a articulação sequencial necessária, especialmente entre o Ciclo Complementar e o Ciclo Intermediário, em face das demandas diversificadas exigidas dos alunos, pelos diferentes professores, em contraponto à unidocência dos anos iniciais. PARÁGRAFO ÚNICO: A Escola deverá, ainda, articular com a Rede Municipal de Ensino, para evitar obstáculos de acesso aos ciclos dos anos finais do Ensino Fundamental, dos alunos que se transfiram de uma rede para outra, para completar esta etapa da Educação Básica. Art. 129 - Os Ciclos Intermediário e da Consolidação do Ensino Fundamental, com o objetivo de consolidar e aprofundar os conhecimentos, competências e habilidades adquiridos nos Ciclos da Alfabetização e Complementar, terão suas atividades pedagógicas organizadas de forma gradativa e crescente em complexidade, considerando os Conteúdos Básicos Comuns – CBC, de modo a assegurar que, ao final desta etapa, todos os alunos tenham garantidos, pelo menos, os seguintes direitos de aprendizagem: Art. 130 - Os Ciclos Intermediário e da Consolidação do Ensino Fundamental, com o objetivo de consolidar e aprofundar os conhecimentos, competências e habilidades adquiridos nos Ciclos da Alfabetização e Complementar, terão suas atividades pedagógicas organizadas de forma gradativa e crescente em complexidade, considerando os Conteúdos Básicos Comuns – CBC, de modo a assegurar que, ao final desta etapa, todos os alunos tenham garantidos, pelo menos, os seguintes direitos de aprendizagem: I - Linguagens: a) Língua Portuguesa: - ler, de maneira autônoma, textos de diferentes gêneros, construindo a compreensão global do texto, identificando informações explícitas e implícitas, produzindo inferências, reconhecendo as intenções do enunciador e sendo capazes de aderir ou recusar as ideias do autor; - identificar e utilizar os diversos gêneros e tipos textuais que circulam na sociedade para a resolução de problemas cotidianos que requerem o uso da língua; - produzir textos orais e escritos, com coerência, coesão e correção ortográfica e gramatical, utilizando os recursos sociolinguísticos adequados ao tema proposto, ao gênero, ao destinatário e ao contexto de produção; - analisar e reelaborar seu próprio texto segundo critérios adequados aos objetivos, ao destinatário e ao contexto de circulação previstos; - desenvolver atitudes e procedimentos de leitor e escritor para a construção autônoma de conhecimentos necessários a uma sociedade baseada em informação e em constante mudança. b) Língua Estrangeira moderna: - compreender textos de diferentes gêneros em Língua Estrangeira moderna, bem como suas condições de produção e de recepção;
  • 25. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. - produzir textos escritos em Língua Estrangeira moderna, coesos e coerentes e com correção lexical e gramatical, considerando as condições de produção e circulação; utilizar a linguagem oral da Língua Estrangeira moderna como instrumento de interação socio-comunicativa. c) Arte: - saber se expressar artisticamente, articulando a percepção, imaginação, emoção, sensibilidade e reflexão em suas produções artísticas visuais, corporais, cênicas e musicais, compreendendo a arte em todas as suas linguagens e manifestações; - apreciar e analisar criticamente produções artísticas (artes visuais, dança, teatro e música), estabelecendo relações entre análise formal, contextualização, pensamento artístico e identidade cultural; - refletir acerca da manifestação artística, sobre si próprio e sobre a experiência estética. d) Educação Física: - reconhecer o potencial do esporte, dos jogos, das brincadeiras, da dança e da ginástica para o desenvolvimento de atitudes e de valores democráticos de solidariedade, respeito, autonomia, confiança, liderança; - conhecer as modalidades esportivas, sua história, suas regras, movimentos técnicos e táticos, bem como as diferenças na forma de apresentação dos esportes; - conhecer e identificar os elementos constitutivos da dança, utilizando as múltiplas linguagens corporais, possibilitando a superação dos preconceitos, bem como conhecer e identificar diversos jogos e brincadeiras da nossa e de outras culturas; - compreender os riscos e benefícios das atividades e práticas esportivas na promoção da saúde e qualidade da vida. II - Matemática: - comparar, ordenar e operar com números naturais, inteiros, racionais, interpretando e resolvendo situações-problema; - Identificar e resolver situações-problema que envolvam proporcionalidade direta e inversa; porcentagem e juros; equações de primeiro e segundo graus; sistemas de equações de primeira grau; conversão de medidas; cálculo de perímetro, de área, de volume e capacidade; probabilidade; utilização de linguagem algébrica; - reconhecer as principais relações geométricas entre as figuras planas; - interpretar e utilizar informações apresentadas em tabelas e gráficos. III - Ciências da Natureza: - compreender a inter-relação dos seres vivos entre si e com o meio ambiente; - identificar os conhecimentos físicos, químicos e biológicos presentes no cotidiano; - compreender o processo de reprodução na evolução e diversidade das espécies, a sexualidade humana, métodos contraceptivos e doenças sexualmente transmissíveis; - compreender o efeito das drogas e suas consequências no convívio social. IV - Ciências Humanas: a) História: - compreender as relações da natureza com o processo sociocultural, político e econômico, no passado e no presente; - reconhecer e compreender as diferentes relações de trabalho na realidade atual e em outros momentos históricos; - compreender o processo de formação dos povos, suas lutas sociais e conquistas, guerras e revoluções, assim como cidadania e cultura no mundo contemporâneo; - realizar, autonomamente, trabalhos individuais e coletivos usando fontes históricas. b) Geografia: - compreender as relações de apropriação do território, associadas ao exercício da cidadania, à importância da natureza para o homem, bem como às questões socioambientais; - compreender as formações socioespaciais do campo e da cidade, sua relação com a modernização capitalista, bem como o papel do Estado e das classes sociais, a cultura e o consumo na interação entre o campo e a cidade;
  • 26. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. - compreender o processo de globalização, os problemas socioambientais e novos modos de vida, dentro de uma perspectiva de desenvolvimento humano, social e econômico sustentável. V- Ensino Religioso: - compreender a religiosidade como fenômeno próprio da vida e da história humana, desenvolvendo um espírito de fraternidade e tolerância em relação às diferentes religiões; - refletir sobre os princípios éticos e morais, fundamentais para as relações humanas, orientados pelas religiões, e agir segundo esses princípios. Art. 131 - Nos ciclos finais do Ensino Fundamental, os alunos deverão, ainda, ser capazes de ler e compreender textos de diferentes gêneros, inclusive os específicos de cada Componente Curricular, e produzir, com coerência e coesão, textos da mesma natureza, utilizando-se dos recursos gramaticais e linguísticos adequados. CAPÍTULO III – DO ENSINO MÉDIO Art.132 - O Ensino Médio, etapa conclusiva da Educação Básica, possui duração de 3 (três) anos e tem por finalidade: I - a consolidação e o aprofundamento dos conhecimentos adquiridos no Ensino Fundamental, possibilitando o prosseguimento de estudos; II - a compreensão dos fundamentos científico-tecnológicos dos processos produtivos, relacionando a teoria com a prática; III - a preparação básica para o trabalho e a cidadania do educando para continuar aprendendo, de modo a ser capaz de se adaptar a novas condições de ocupação ou de aperfeiçoamento posteriores; IV - o aprimoramento do educando como pessoa humana, incluindo a formação ética e o desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico. Art.133 - As Escolas de Ensino Médio devem prover ensino de qualidade, de forma a ampliar o acesso e as taxas de conclusão e garantir a melhoria da eficiência no uso dos recursos disponíveis e na proficiência dos alunos. Art.134 - O primeiro ano do Ensino Médio deve assegurar a transição harmoniosa dos alunos provenientes do 9º ano do Ensino Fundamental, considerando o aprofundamento dos Componentes Curriculares dos anos finais do Ensino Fundamental e a inclusão de novos Componentes Curriculares. PARÁGRAFO ÚNICO – O Ensino Médio Regular tem a carga horária e componentes curriculares definidos no plano curricular. Art. 135 - É adotado no Ensino Médio Regular o regime de Progressão Parcial. Art. 136 - A organização curricular do Ensino Médio apresenta uma estrutura comum a todas as alternativas de ensino, observando-se as seguintes características: I. no 1º ano, obrigatoriedade do ensino dos Conteúdos Básicos Comuns - CBC, definidos pela Resolução SEE nº 666, de 08 de abril de 2005, acrescido de uma Língua Estrangeira Moderna, II. no 2º ano e 3º ano , a organização, por opção da escola, garantindo-se a oferta de 10 disciplinas/componentes curriculares. III. obrigatoriedade da oferta no currículo do ensino médio regular, em todos os anos, de pelo menos um módulo-aula semanal dos componentes curriculares Filosofia e Sociologia; IV. obrigatoriedade da oferta no currículo do ensino médio regular, de dois módulos-aula semanais da disciplina/componente curricular Educação Física, exceto no 3º ano em 2012; V. obrigatoriedade da oferta no currículo do ensino médio regular, em todos os anos, de quatro módulos-aula semanais de cada disciplina/componente curricular de Língua Portuguesa e Matemática; VI. obrigatoriedade de inclusão no currículo do ensino médio, da disciplina/ componente curricular Língua Espanhola, de oferta obrigatória pela escola e de matrícula facultativa pelo aluno, no horário regular de aula do aluno, conforme estabelecido na Lei Federal nº 11.161, de 5 de agosto de 2005; VII. na organização curricular adotar, sempre que possível, a sistemática de aula geminada.
  • 27. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. Art. 137 - A carga horária diária do ensino regular noturno pode ser de 5 (cinco) módulos-aula de 40 (quarenta) ou 50 (cinquenta) minutos, definida pela comunidade escolar em assembleia convocada especificamente para este fim. PARÁGRAFO ÚNICO – A carga horária do professor é de 50 (cinquenta) minutos, sendo que 10 (dez) minutos são destinados à orientação das atividades complementares dos alunos com módulos-aula de 40 (quarenta) minutos. Art.138 - Os alunos matriculados no ensino médio regular noturno com a opção de módulos de 40 (quarenta) minutos cumprem, obrigatoriamente, 200 (duzentos) módulos-aula anuais de 50(cinquenta) minutos, sob a forma de atividades complementares fora do horário regular. As atividades complementares devem perfazer um total de 166:40 h anuais, caso a escola opte por módulos de 40 minutos no noturno. Art. 139 - O ensino da Língua Espanhola, de oferta obrigatória pela escola e de matrícula facultativa para o aluno, é oferecido no 1º ano do Ensino Médio, no próprio turno do aluno. PARÁGRAFO ÚNICO – A opção pelas aulas de Língua Espanhola deve ser feita pelo aluno ou responsável e arquivada em sua pasta individual. Art.140 - É assegurada a progressão parcial ao aluno que não apresente desempenho satisfatório em até 03 (três) conteúdos. PARÁGRAFO ÚNICO – O aluno deve cursar os conteúdos objetos da reprovação, sem prejuízo de sua carga horária obrigatória. TÍTULO IX - DAS MODALIDADES DA EDUCAÇÃO BÁSICA CAPÍTULO I – DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Art. 141 - A Educação Especial, como modalidade transversal a todos os níveis, etapas e modalidades de ensino, é parte integrante da educação regular, devendo ser prevista no projeto político-pedagógico da unidade escolar. § 1º - A escola deve matricular os estudantes com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação nas classes comuns do ensino regular e no Atendimento Educacional Especializado (AEE), complementar ou suplementar à escolarização, ofertado em salas de recursos multifuncionais ou em centros de AEE da rede pública ou de instituições comunitárias, confessionais ou filantrópicas sem fins lucrativos. § 2º - A escola deve criar condições para que o professor da classe comum possa explorar as potencialidades de todos os estudantes, adotando uma pedagogia dialógica, interativa, interdisciplinar e inclusiva e, na interface, o professor do AEE deve identificar habilidades e necessidades dos estudantes, organizar e orientar sobre os serviços e recursos pedagógicos e de acessibilidade para a participação e aprendizagem dos estudantes. § 3º - Na organização desta modalidade, a escola deve observar as seguintes orientações fundamentais: I. o pleno acesso e a efetiva participação dos estudantes no ensino regular; II. a oferta do atendimento educacional especializado; III. a formação de professores para o AEE e para o desenvolvimento de práticas educacionais inclusivas; IV. a participação da comunidade escolar; V. a acessibilidade arquitetônica, nas comunicações e informações, nos mobiliários e equipamentos e nos transportes. Art. 142 - A Educação Especial considera as situações singulares, os perfis dos estudantes, as características bio-psicossociais dos alunos e suas faixas etárias e se pautam em princípios éticos, políticos e estéticos, de modo a assegurar: I. A dignidade humana e a observância do direito de cada aluno de realizar seus projetos de estudo, de trabalho e de inserção na vida social;
  • 28. 59 REGIMENTO INTERNO ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA A EDUCAÇÃO É PARA TODOS. LEVE A PAZ AONDE FOR. II. A busca da identidade própria de cada educando, o reconhecimento e a valorização das suas diferenças e potencialidades, bem como de suas necessidades educacionais especiais no processo de ensino e aprendizagem, como base para a constituição e ampliação de valores, atitudes, conhecimentos, habilidades e competências; III. O desenvolvimento para o exercício da cidadania, da capacidade de participação social, política e econômica e sua ampliação, mediante o cumprimento de seus deveres e o usufruto de seus direitos. Art. 143 - A ESCOLA ESTADUAL CORNÉLIA FERREIRA LADEIRA oferece aos educandos com necessidades especiais: I. currículos, métodos, técnicas, recursos educativos e organização específicos, para atender as suas necessidades; II. terminalidade específica para aqueles que não puderam atingir o nível exigido para a conclusão do Ensino Fundamental, em virtude de suas deficiências, e aceleração para concluir em menor tempo o programa escolar para os superdotados; III. acesso igualitário aos benefícios dos programas sociais suplementares disponíveis para o respectivo nível de ensino regular. CAPÍTULO II – DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS SEÇÃO I – GENERALIDADES Art. 144 - A Educação de Jovens e Adultos (EJA) destina-se aos que se situam na faixa etária superior à considerada própria, no nível de conclusão do Ensino Fundamental e do Ensino Médio. PARÁGRAFO ÚNICO – A Educação de Jovens e Adultos (EJA) é desenvolvida numa estratégia diferenciada devendo, portanto, ser centralizada na própria história de vida do jovem e adulto, a partir de suas reais necessidades e possibilidades. Art. 145 - A Educação de Jovens e Adultos tem como objetivos: I. sistematizar e consolidar as experiências de vida e os conhecimentos já adquiridos pelos jovens e adultos; II. oferecer condições especiais para que os jovens e adultos desenvolvam suas potencialidades como pessoas humanas, incluindo a formação ética e o desenvolvimento da autonomia intelectual e pensamento crítico; III. dotar jovens e adultos de uma adequada compreensão dos fundamentos científico-tecnológicos dos processos produtivos, relacionando teoria e prática no estudo das disciplinas e no desenvolvimento de habilidades relacionadas com o uso de novas tecnologias. SEÇÃO II – DA ORGANIZAÇÃO CURRICULAR . Art. 146 - O plano curricular deve ser constituído pelos componentes curriculares da base nacional comum previstos na LDB - Lei 9394/96 – e organizado de acordo com as diretrizes curriculares para o Ensino Fundamental, Médio e Educação de Jovens e Adultos, do Conselho Nacional de Educação – CNE. § 1º - O plano curricular deve ser elaborado pela escola com base na Proposta Curricular e nos Parâmetros Curriculares Nacionais – Ensino Fundamental e Médio. § 2º - A proposta de EJA deve estar inserida no Projeto Político-Pedagógico da escola e observar as normas vigentes do CNE – Conselho Nacional de Educação, CEE – Conselho Estadual de Educação e SEE – Secretaria Estadual de Educação. § 3º- O Histórico Escolar deve retratar a carga horária prevista na matriz curricular, tanto da parte presencial quanto das atividades de estudos complementares.