SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO – RIO DE JANEIRO

INTELIGÊNCIA EDUCACIONAL E SISTEMA DE ENSINO / IESDE-PR

 PROGRAMA DE ESPECIALIZAÇÃO DOCENTE / CURITIBA - PR

        PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO INCLUSIVA




    A PRODUÇÃO DE VÍDEO NA ESCOLA: INSTRUMENTO
   DE INCLUSÃO E APRIMORAMENTO DO SENSO CRÍTICO




                     Gladis Xavier Maia

                   Turma 030432200001




            Tutora: Maria das Graças de Campos

               Triunfo, RS, dezembro de 2004.
2




                                                           SUMÁRIO


Tema................................................................................................................................ 03


Problema .........................................................................................................................04


Objetivo Geral..................................................................................................................05


Objetivos Específicos......................................................................................................06


Justificativa.................................................................................................................. ...07


Bibliografia.......................................................................................................................09
3




                                     1. TEMA



      A produção de vídeo na escola, como instrumento de sensibilização e motivação

para o sucesso da inclusão na escola pública regular de Ensino Fundamental e Ensino

Médio e aprimoramento do senso crítico dos alunos, especialmente em relação às TVs

comerciais, através da inter-relação da Educação/Comunicação, constituindo um cam-

po de intervenção social: a Educomunicação, um paradigma       em   construção,   na

América Latina.
4




                                   2. PROBLEMA


      As mudanças pelas quais a sociedade contemporânea vem passando com os

avanços da tecnologia – especialmente em pleno contexto da implantação da Inclusão na

escola brasileira - preocupa a quantos se interessam pela eficiência do ensino, na medi-

da que ocasionam modificações vultosas nos campos da Educação e da Comunicação. A

primeira tornando-se obsoleta em seus métodos e enfoque e despreparada na qualifica-

ção de seus agentes e a segunda mostrando-se, por vezes, perniciosa, principalmente

por estar sujeita a regras do mercado que não se coadunam com os valores da educa-

ção e da ética sustentados pelos educadores.

      Parece natural, que essas mudanças aproximem as duas áreas de atuação -

Educação e Comunicação - pelas necessidades convergentes que suscitam e, isto já

está acontecendo, através do trabalho de vários estudiosos de ambas as áreas – em

nível autodidata, com ou sem apoio público, na efetivação de suas pesquisas e projetos

envolvendo os meios de comunicação de massa - especialmente junto ao NCE/ECA/USP

Núcleo de Comunicação e Educação, da Escola de Comunicação e Artes da Universidade

de São Paulo, coordenado pelo professor Dr. Ismar de Oliveira Soares, que vem traba-

lhando, através de pesquisas que visam reunir tudo que vem sendo desenvolvido nesta

área, em toda a América Latina, passando a constituir um novo campo de estudo, ou pa-

radigma nascente : a Educomunicação, a serviço do ensino.
5




                                3. OBJETIVO GERAL


      Implementar procedimentos voltados à apropriação dos meios e das linguagens de

comunicação, abrangendo os professores da Rede Municipal de Ensino de Triunfo          que

estão cursando as duas turmas de pós-graduação de Educação Inclusiva do IESDE, com

a finalidade de capacitá-los como educomunicadores – profissionais aptos a elaborarem

as   ações comunicativas de inter-relação da Educação/Comunicação no espaço educa-

tivo, seja através da coordenação e gestão do processo ou assessorando os outros Edu-

cadores no adequado uso dos recursos de comunicação ou ainda, promovendo ele mes-

mo o uso, cada vez mais intenso, da tecnologia de produção de vídeo como um recurso

tecnológico que facilita a produção cultural, o resgate da cidadania e a inclusão da diver-

sidade, na medida que remete o sujeito singular para o espaço coletivo e plural da cultura

e da comunicação.
6
                           4.OBJETIVOS ESPECÍFICOS


       Utilizar a produção de vídeo no espaço educativo e na comunidade circunscrita à

Escola como:


4.1. recurso tecnológico a serviço da formação de valores solidários e democráticos para

a transformação do ambiente em que vivem;


4.2. recurso apropriado ao desenvolvimento do currículo, seja através de conteúdos pro-

gramáticos das mais variadas disciplinas ou através de projetos que visem promover

campanhas sociais e humanitárias, em prol da ética e da mudança de comportamento em

relação aos preconceitos de qualquer natureza;


4,3. objeto de estudo e de poder que precisa ser conhecido, para que seus mecanismos

sejam dominados, enquanto linguagem e estudo das tecnologias, favorecendo o espírito

crítico do aluno, especialmente em relação ás TVs comerciais;


4.4. instrumento de aprendizagem da modalidade de trabalho em equipe, onde deve im-

perar o respeito às diferenças, para um bom relacionamento entre as partes;


4.5. instrumento de motivação para provocar o desejo no aluno de freqüentar a escola,

evitando a evasão;


4.6. instrumento que contempla com maior facilidade os diferentes gostos, habilidades e

capacidades dos sujeitos , no processo de ensino-aprendizagem, já que possibilita um

trabalho bastante diversificado,envolvendo pré-produção, produção e pós-produção, e

várias linguagens e conseqüentes formas de apreender as mensagens produzidas a se-

rem comunicadas e re-trabalhadas posteriormente.
7
                                  5. JUSTIFICATIVA


Considerando-se que:


   # os recursos tecnológicos clássicos como o rádio e a televisão tiveram dificuldades

de ser absorvidos pelo campo da educação, especialmente por seu caráter lúdico e

mercantil, que ocasionou a resistência dos educadores em dialogar com a tecnologia,

bem como sua necessidade de reverter-se este quadro para que a escola esteja mais

situada para a vanguarda do que para a obsolescência;


# o vídeo, ao contrário das aulas expositivas é um método que aproxima, ao possibilitar a

releitura do cotidiano, com suas linguagens múltiplas superpostas e interligadas auxilian-

do na informação, sem fragmentá-la, tornando a sua mensagem essencialmente senso-

rial e visual, residindo aí a sua maior força, atuando através da música, do desenho,

da fotografia, da palavra falada e escrita, do gestual, do teatro, da dança, etc., enrique-

cendo a aprendizagem e a comunicação, facilitando a exposição de um tema;


# na cabeça do aluno vídeo não é aula, umbilicalmente ligado à TV , relacionado ao

lazer, colabora para que o aluno aprenda brincando, por assim dizer, motivo pelo qual

precisa ser aproveitada essa expectativa positiva para atraí-lo para os assuntos que

interessam ao planejamento pedagógico;


# é muito difícil resistir aos apelos da linguagem da propaganda em qualquer meio de

comunicação, com suas estratégias usadas para criar o apelo ao consumo, embrulhadas

em pura sedução e convencimento, especialmente na TV, onde conta com o reforço

considerável da força da imagem em movimento, e que esta linguagem, por isso mesmo,

deve ser um objeto de estudo nas escolas;
8
# a aprendizagem da “leitura” das peças publicitárias veiculadas na TV é tão importante

na formação de um telespectador crítico, quanto o estudo e análise dos noticiários e das

telenovelas, onde depois de estabelecidas as diferenças entre ficção e realidade, podem

ser discutidos os modelos de comportamentos apresentados ali, até porque uma parce-

la considerável da população os copia e copiados podem virar hábitos que forjam es-

paços alienígenos na cultura local, com sua peculiar criação de modas;


# os alunos que apresentam NEE, Necessidades          Educativas Especiais,    não são

somente aqueles portadores de deficiência física ou mental, mas todos aqueles que

apresentam alguma dificuldade de aprendizagem e que precisam ser motivados mais

intensamente e o vídeo é muito bom nisto;


# a escola inclusiva necessita caminhar rumo à escola para todos, onde seja celebrada a

diferença e atendidas as NEE, através de uma pedagogia centrada no aluno, dando

oportunidades curriculares que se adaptem a sujeitos com diferentes interesses e capaci-

dades e que o vídeo tem mais facilidade para abranger um leque maior de interesses;



# a escola inclusiva tem a responsabilidade de assegurar que o aluno deficiente seja um

membro integrante e valorizado na sala de aula ou no grupo e que a produção de vídeo

pode inseri-lo até mesmo como assunto, tema, matéria de estudo - no caso o próprio

deficiente pode ser entrevistado - ou seus familiares, na sua impossibilidade - outras

pessoas acometidas da mesma ou de outras deficiências que são exemplos de supera-

ção ao conseguirem se inserir satisfatoriamente na sociedade, suas famílias, a defi-

ciência em si, os especialistas que tratam dela e outros quaisquer elementos a ela liga-

dos, justifica-se este projeto.
9


                                  6. BIBLIOGRAFIA

BABIN, P. ; KOULOUMDJIAN.M.F. Os novos modos de compreender : a geração do

audiovisual e do computador. Trad. Maria Cecília Oliveira Marques. São Paulo: Edições

Paulinas, 1989.

BEZERRA, W. Manual do telespectador insatisfeito. São Paulo: Summus Editorial,

1999.

BOSI, E. Cultura de massa e cultura popular: leituras de operárias. 4. ed. Rio de

Janeiro: Vozes, 1977.

CARVALHO, R.E. Removendo barreiras para a aprendizagem: educação inclusiva. 3.

ed. Porto Alegre: Editora Mediação, 2003.

___________Educação inclusiva:com os pingos nos “is”. Porto Alegre: Editora

Mediação, 2004.

FELTRIN, A.E. Inclusão social na escola: quando a pedagogia se encontra com a

diferença. São Paulo: Paulinas, 2004.

FERRES, J. Vídeo e Educação. 2. ed. Porto Alegre. Artes Médicas, 1996.

________. Televisão e Educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

FREIRE.P.; FREI BETO. Essa escola chamada vida: depoimentos ao repórter Ricardo

Kotscho. 11. ed. 3. impressão. São Paulo: Editora Ática, 2001.

_________. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 28. ed.

Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003.

STAINBACK, S.; STAIMBACK, W. Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre:

Artmed, 1999.

MACHADO, A. A arte do vídeo. São Paulo: Brasiliense, 1988.

MANTOAN, M.T.E. e colaboradores. A integração de pessoas com deficiência:

contribuições para uma reflexão sobre o tema. São Paulo: Memnon Edições Científicas
10
Ltda, 1997.

_________. Inclusão escolar : o que é? por quê? como fazer? São Paulo: Editora

Moderna, 2003.

MITTLER, P. Educação inclusiva: contextos sociais. Porto Alegre: Artmed, 2003.

MORAN, J.M. Leituras dos meios de comunicação. São Paulo: Edições Pancast,

1993.

_______. Como ver Televisão. São Paulo:Edições Paulinas, 1991.

_______. Mudanças na comunicação pessoal. 2. ed. São Paulo: Edições Paulinas,

2000.

_______.; MASETTO, M. e BEHRENS, M. Novas tecnologias e mediação Pedagógica.

7. ed. Campinas: Papirus, 2003.


MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma reformar o pensamento. Trad. Eloá

Jacobina. 8.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.


_______. Cultura de massas no século XX: o espírito do tempo – 1 neurose. 4. ed. Rio

de Janeiro: 1977.

_______. Cultura de massas no século XX: o espírito do tempo – 2 necrose. 4. ed. Rio

de Janeiro: 1977.

Penteado, H.D. televisão e escola: conflito ou comparação? São Paulo: Cortez Editora,
1991.

STAINBACK, S.; STAIMBACK, W. Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre:

Artmed, 1999.

WERNECK,C. Ninguém mais vai ser bonzinho na sociedade inclusiva. Rio de janeiro:

WVA, 1997.

_________ . Sociedade inclusiva: quem cabe no seu todos? Rio de janeiro: WVA, 1999.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aee. sala multifuncional
Aee. sala multifuncionalAee. sala multifuncional
Aee. sala multifuncional
Marcélia Amorim Cardoso
 
Ensino Especial
Ensino EspecialEnsino Especial
Ensino Especial
Margarete Macedo
 
Projeto Político Pedagógico - PPP
Projeto Político Pedagógico - PPPProjeto Político Pedagógico - PPP
Projeto Político Pedagógico - PPP
Hebert Arcanjo
 
AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO
AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADOAEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO
AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO
Danielle Souza
 
E D Especial
E D  EspecialE D  Especial
Educação Especial e Fundamentações Legais
Educação Especial e Fundamentações LegaisEducação Especial e Fundamentações Legais
Educação Especial e Fundamentações Legais
Danielle Souza
 
Projeto de intervenção pedagógica - Como estão sendo utilizadas as tecnologia...
Projeto de intervenção pedagógica - Como estão sendo utilizadas as tecnologia...Projeto de intervenção pedagógica - Como estão sendo utilizadas as tecnologia...
Projeto de intervenção pedagógica - Como estão sendo utilizadas as tecnologia...
Professsor Marcos Marcos
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
Linda-maria12
 
Slide EJA
Slide EJASlide EJA
Slide EJA
GN2713
 
Educação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitosEducação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitos
Thiago de Almeida
 
Inclusão
InclusãoInclusão
Inclusão
Thaisduarte
 
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Instituto Consciência GO
 
Educação Inclusiva
Educação Inclusiva Educação Inclusiva
Educação Inclusiva
Heilane Santos
 
Inclusão escolar fundamentos
Inclusão escolar fundamentosInclusão escolar fundamentos
Inclusão escolar fundamentos
Thiago Tavares
 
Sala de Recursos Multifuncionais
Sala de Recursos MultifuncionaisSala de Recursos Multifuncionais
Sala de Recursos Multifuncionais
Instituto Consciência GO
 
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇASA EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
Pedagogo Santos
 
Salas de Recursos Multifuncionais
Salas de Recursos Multifuncionais Salas de Recursos Multifuncionais
Salas de Recursos Multifuncionais
Instituto Consciência GO
 
Estagio gestão
Estagio gestãoEstagio gestão
Estagio gestão
magrid
 
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO/ SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO/ SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAISATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO/ SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO/ SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS
Classe Especial SZ Inclusão
 
Apresentação gestão educacional
Apresentação gestão  educacionalApresentação gestão  educacional
Apresentação gestão educacional
Cidinha Professora FALC
 

Mais procurados (20)

Aee. sala multifuncional
Aee. sala multifuncionalAee. sala multifuncional
Aee. sala multifuncional
 
Ensino Especial
Ensino EspecialEnsino Especial
Ensino Especial
 
Projeto Político Pedagógico - PPP
Projeto Político Pedagógico - PPPProjeto Político Pedagógico - PPP
Projeto Político Pedagógico - PPP
 
AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO
AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADOAEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO
AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO
 
E D Especial
E D  EspecialE D  Especial
E D Especial
 
Educação Especial e Fundamentações Legais
Educação Especial e Fundamentações LegaisEducação Especial e Fundamentações Legais
Educação Especial e Fundamentações Legais
 
Projeto de intervenção pedagógica - Como estão sendo utilizadas as tecnologia...
Projeto de intervenção pedagógica - Como estão sendo utilizadas as tecnologia...Projeto de intervenção pedagógica - Como estão sendo utilizadas as tecnologia...
Projeto de intervenção pedagógica - Como estão sendo utilizadas as tecnologia...
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
 
Slide EJA
Slide EJASlide EJA
Slide EJA
 
Educação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitosEducação inclusiva: feitos e efeitos
Educação inclusiva: feitos e efeitos
 
Inclusão
InclusãoInclusão
Inclusão
 
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
 
Educação Inclusiva
Educação Inclusiva Educação Inclusiva
Educação Inclusiva
 
Inclusão escolar fundamentos
Inclusão escolar fundamentosInclusão escolar fundamentos
Inclusão escolar fundamentos
 
Sala de Recursos Multifuncionais
Sala de Recursos MultifuncionaisSala de Recursos Multifuncionais
Sala de Recursos Multifuncionais
 
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇASA EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
 
Salas de Recursos Multifuncionais
Salas de Recursos Multifuncionais Salas de Recursos Multifuncionais
Salas de Recursos Multifuncionais
 
Estagio gestão
Estagio gestãoEstagio gestão
Estagio gestão
 
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO/ SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO/ SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAISATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO/ SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO/ SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS
 
Apresentação gestão educacional
Apresentação gestão  educacionalApresentação gestão  educacional
Apresentação gestão educacional
 

Semelhante a Projeto de pesquisa sobre Inclusão

Monos
MonosMonos
Tcc posgraduação
Tcc posgraduaçãoTcc posgraduação
Tcc posgraduação
Gladis Maia
 
Educomunicação no campo impactos e relevância social no terr
Educomunicação no campo impactos e relevância social no terrEducomunicação no campo impactos e relevância social no terr
Educomunicação no campo impactos e relevância social no terr
UNEB
 
175900 Midiaeducacao
175900 Midiaeducacao175900 Midiaeducacao
175900 Midiaeducacao
Rosane Fatima Gotardo Vogel
 
Santana do Livramento - Ana Gládis Fernandes Romeiro
Santana do Livramento - Ana Gládis Fernandes RomeiroSantana do Livramento - Ana Gládis Fernandes Romeiro
Santana do Livramento - Ana Gládis Fernandes Romeiro
CursoTICs
 
Mídias educacionais
Mídias educacionaisMídias educacionais
Mídias educacionais
luciano_haddad
 
O uso-das-midias-na-sala-de-aula-resistencias-e-aprendizagens
O uso-das-midias-na-sala-de-aula-resistencias-e-aprendizagensO uso-das-midias-na-sala-de-aula-resistencias-e-aprendizagens
O uso-das-midias-na-sala-de-aula-resistencias-e-aprendizagens
Secretaria Municipal de Educação de Dona Inês/PB
 
Educação de qualidade e os novos rumos que a tecnologia proporciona
Educação de qualidade e os novos rumos que a tecnologia proporcionaEducação de qualidade e os novos rumos que a tecnologia proporciona
Educação de qualidade e os novos rumos que a tecnologia proporciona
profapaulaa
 
Relatorio candidatura ideias_merito_rbe
Relatorio candidatura ideias_merito_rbeRelatorio candidatura ideias_merito_rbe
Relatorio candidatura ideias_merito_rbe
SaoLivrosSenhor
 
Atividade: 3.1: Diretrizes da Escola frente ao uso das mídias sociais (versão 1)
Atividade: 3.1: Diretrizes da Escola frente ao uso das mídias sociais (versão 1)Atividade: 3.1: Diretrizes da Escola frente ao uso das mídias sociais (versão 1)
Atividade: 3.1: Diretrizes da Escola frente ao uso das mídias sociais (versão 1)
Marcos Angelino
 
portfólio 3° semestre Poliana.docx
portfólio 3° semestre Poliana.docxportfólio 3° semestre Poliana.docx
portfólio 3° semestre Poliana.docx
PolianaMartins29
 
1ª aula de mídia
1ª aula de mídia1ª aula de mídia
1ª aula de mídia
Nazira Marques
 
Silmara candida projeto_pde
Silmara candida projeto_pdeSilmara candida projeto_pde
Silmara candida projeto_pde
carmezini
 
Proposta curriculargeral internet[1]
Proposta curriculargeral internet[1]Proposta curriculargeral internet[1]
Proposta curriculargeral internet[1]
Edson Mamprin
 
Autoria
AutoriaAutoria
Autoria
Dilene Matos
 
Autoria
AutoriaAutoria
Artigo caderno pedagógico tics novo
Artigo caderno pedagógico tics novoArtigo caderno pedagógico tics novo
Artigo caderno pedagógico tics novo
Gilcélia Damascena
 
Formação docente x era do virtual
Formação docente x era do virtualFormação docente x era do virtual
Formação docente x era do virtual
Rosemary Batista
 
MK nas Ondas do Rádio
MK nas Ondas do RádioMK nas Ondas do Rádio
MK nas Ondas do Rádio
Samuel Lourenço
 
São João do Polêsine - Eliane de Avila Colussi
São João do Polêsine - Eliane de Avila ColussiSão João do Polêsine - Eliane de Avila Colussi
São João do Polêsine - Eliane de Avila Colussi
CursoTICs
 

Semelhante a Projeto de pesquisa sobre Inclusão (20)

Monos
MonosMonos
Monos
 
Tcc posgraduação
Tcc posgraduaçãoTcc posgraduação
Tcc posgraduação
 
Educomunicação no campo impactos e relevância social no terr
Educomunicação no campo impactos e relevância social no terrEducomunicação no campo impactos e relevância social no terr
Educomunicação no campo impactos e relevância social no terr
 
175900 Midiaeducacao
175900 Midiaeducacao175900 Midiaeducacao
175900 Midiaeducacao
 
Santana do Livramento - Ana Gládis Fernandes Romeiro
Santana do Livramento - Ana Gládis Fernandes RomeiroSantana do Livramento - Ana Gládis Fernandes Romeiro
Santana do Livramento - Ana Gládis Fernandes Romeiro
 
Mídias educacionais
Mídias educacionaisMídias educacionais
Mídias educacionais
 
O uso-das-midias-na-sala-de-aula-resistencias-e-aprendizagens
O uso-das-midias-na-sala-de-aula-resistencias-e-aprendizagensO uso-das-midias-na-sala-de-aula-resistencias-e-aprendizagens
O uso-das-midias-na-sala-de-aula-resistencias-e-aprendizagens
 
Educação de qualidade e os novos rumos que a tecnologia proporciona
Educação de qualidade e os novos rumos que a tecnologia proporcionaEducação de qualidade e os novos rumos que a tecnologia proporciona
Educação de qualidade e os novos rumos que a tecnologia proporciona
 
Relatorio candidatura ideias_merito_rbe
Relatorio candidatura ideias_merito_rbeRelatorio candidatura ideias_merito_rbe
Relatorio candidatura ideias_merito_rbe
 
Atividade: 3.1: Diretrizes da Escola frente ao uso das mídias sociais (versão 1)
Atividade: 3.1: Diretrizes da Escola frente ao uso das mídias sociais (versão 1)Atividade: 3.1: Diretrizes da Escola frente ao uso das mídias sociais (versão 1)
Atividade: 3.1: Diretrizes da Escola frente ao uso das mídias sociais (versão 1)
 
portfólio 3° semestre Poliana.docx
portfólio 3° semestre Poliana.docxportfólio 3° semestre Poliana.docx
portfólio 3° semestre Poliana.docx
 
1ª aula de mídia
1ª aula de mídia1ª aula de mídia
1ª aula de mídia
 
Silmara candida projeto_pde
Silmara candida projeto_pdeSilmara candida projeto_pde
Silmara candida projeto_pde
 
Proposta curriculargeral internet[1]
Proposta curriculargeral internet[1]Proposta curriculargeral internet[1]
Proposta curriculargeral internet[1]
 
Autoria
AutoriaAutoria
Autoria
 
Autoria
AutoriaAutoria
Autoria
 
Artigo caderno pedagógico tics novo
Artigo caderno pedagógico tics novoArtigo caderno pedagógico tics novo
Artigo caderno pedagógico tics novo
 
Formação docente x era do virtual
Formação docente x era do virtualFormação docente x era do virtual
Formação docente x era do virtual
 
MK nas Ondas do Rádio
MK nas Ondas do RádioMK nas Ondas do Rádio
MK nas Ondas do Rádio
 
São João do Polêsine - Eliane de Avila Colussi
São João do Polêsine - Eliane de Avila ColussiSão João do Polêsine - Eliane de Avila Colussi
São João do Polêsine - Eliane de Avila Colussi
 

Mais de Gladis Maia

Mateusemateusa
MateusemateusaMateusemateusa
Mateusemateusa
Gladis Maia
 
Matéria qorpo santo gladis
Matéria qorpo santo gladisMatéria qorpo santo gladis
Matéria qorpo santo gladis
Gladis Maia
 
Lileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_saLileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_sa
Gladis Maia
 
Final
FinalFinal
Dissertacao douglas ceccagno
Dissertacao douglas ceccagnoDissertacao douglas ceccagno
Dissertacao douglas ceccagno
Gladis Maia
 
Artigo10 adv06
Artigo10   adv06Artigo10   adv06
Artigo10 adv06
Gladis Maia
 
00758
0075800758
Tese caes da_provincia
Tese caes da_provinciaTese caes da_provincia
Tese caes da_provincia
Gladis Maia
 
O qorpo santo_da_escrita
O qorpo santo_da_escritaO qorpo santo_da_escrita
O qorpo santo_da_escrita
Gladis Maia
 
O qorpo santo da escrita
O qorpo santo da escritaO qorpo santo da escrita
O qorpo santo da escrita
Gladis Maia
 
T rvol14sum
T rvol14sumT rvol14sum
T rvol14sum
Gladis Maia
 
Um parto
Um partoUm parto
Um parto
Gladis Maia
 
Um credor da fazenda nacional
Um credor da fazenda nacionalUm credor da fazenda nacional
Um credor da fazenda nacional
Gladis Maia
 
Um atrevido ou um brilhante escondido
Um atrevido ou um brilhante escondidoUm atrevido ou um brilhante escondido
Um atrevido ou um brilhante escondido
Gladis Maia
 
Um assovio univ da amazônia
Um assovio   univ da amazôniaUm assovio   univ da amazônia
Um assovio univ da amazônia
Gladis Maia
 
Parque farroupilha por qsanto
Parque farroupilha por qsantoParque farroupilha por qsanto
Parque farroupilha por qsanto
Gladis Maia
 
O marinheiro escritor
O marinheiro escritorO marinheiro escritor
O marinheiro escritor
Gladis Maia
 
O marido extremosos ou o pai cuidadoso
O marido extremosos ou o pai cuidadosoO marido extremosos ou o pai cuidadoso
O marido extremosos ou o pai cuidadoso
Gladis Maia
 
Mateus e mateusa
Mateus e mateusaMateus e mateusa
Mateus e mateusa
Gladis Maia
 
Eu sou a vida eu não sou a morte
Eu sou a vida  eu não sou a morteEu sou a vida  eu não sou a morte
Eu sou a vida eu não sou a morte
Gladis Maia
 

Mais de Gladis Maia (20)

Mateusemateusa
MateusemateusaMateusemateusa
Mateusemateusa
 
Matéria qorpo santo gladis
Matéria qorpo santo gladisMatéria qorpo santo gladis
Matéria qorpo santo gladis
 
Lileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_saLileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_sa
 
Final
FinalFinal
Final
 
Dissertacao douglas ceccagno
Dissertacao douglas ceccagnoDissertacao douglas ceccagno
Dissertacao douglas ceccagno
 
Artigo10 adv06
Artigo10   adv06Artigo10   adv06
Artigo10 adv06
 
00758
0075800758
00758
 
Tese caes da_provincia
Tese caes da_provinciaTese caes da_provincia
Tese caes da_provincia
 
O qorpo santo_da_escrita
O qorpo santo_da_escritaO qorpo santo_da_escrita
O qorpo santo_da_escrita
 
O qorpo santo da escrita
O qorpo santo da escritaO qorpo santo da escrita
O qorpo santo da escrita
 
T rvol14sum
T rvol14sumT rvol14sum
T rvol14sum
 
Um parto
Um partoUm parto
Um parto
 
Um credor da fazenda nacional
Um credor da fazenda nacionalUm credor da fazenda nacional
Um credor da fazenda nacional
 
Um atrevido ou um brilhante escondido
Um atrevido ou um brilhante escondidoUm atrevido ou um brilhante escondido
Um atrevido ou um brilhante escondido
 
Um assovio univ da amazônia
Um assovio   univ da amazôniaUm assovio   univ da amazônia
Um assovio univ da amazônia
 
Parque farroupilha por qsanto
Parque farroupilha por qsantoParque farroupilha por qsanto
Parque farroupilha por qsanto
 
O marinheiro escritor
O marinheiro escritorO marinheiro escritor
O marinheiro escritor
 
O marido extremosos ou o pai cuidadoso
O marido extremosos ou o pai cuidadosoO marido extremosos ou o pai cuidadoso
O marido extremosos ou o pai cuidadoso
 
Mateus e mateusa
Mateus e mateusaMateus e mateusa
Mateus e mateusa
 
Eu sou a vida eu não sou a morte
Eu sou a vida  eu não sou a morteEu sou a vida  eu não sou a morte
Eu sou a vida eu não sou a morte
 

Último

O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 

Projeto de pesquisa sobre Inclusão

  • 1. UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO – RIO DE JANEIRO INTELIGÊNCIA EDUCACIONAL E SISTEMA DE ENSINO / IESDE-PR PROGRAMA DE ESPECIALIZAÇÃO DOCENTE / CURITIBA - PR PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO INCLUSIVA A PRODUÇÃO DE VÍDEO NA ESCOLA: INSTRUMENTO DE INCLUSÃO E APRIMORAMENTO DO SENSO CRÍTICO Gladis Xavier Maia Turma 030432200001 Tutora: Maria das Graças de Campos Triunfo, RS, dezembro de 2004.
  • 2. 2 SUMÁRIO Tema................................................................................................................................ 03 Problema .........................................................................................................................04 Objetivo Geral..................................................................................................................05 Objetivos Específicos......................................................................................................06 Justificativa.................................................................................................................. ...07 Bibliografia.......................................................................................................................09
  • 3. 3 1. TEMA A produção de vídeo na escola, como instrumento de sensibilização e motivação para o sucesso da inclusão na escola pública regular de Ensino Fundamental e Ensino Médio e aprimoramento do senso crítico dos alunos, especialmente em relação às TVs comerciais, através da inter-relação da Educação/Comunicação, constituindo um cam- po de intervenção social: a Educomunicação, um paradigma em construção, na América Latina.
  • 4. 4 2. PROBLEMA As mudanças pelas quais a sociedade contemporânea vem passando com os avanços da tecnologia – especialmente em pleno contexto da implantação da Inclusão na escola brasileira - preocupa a quantos se interessam pela eficiência do ensino, na medi- da que ocasionam modificações vultosas nos campos da Educação e da Comunicação. A primeira tornando-se obsoleta em seus métodos e enfoque e despreparada na qualifica- ção de seus agentes e a segunda mostrando-se, por vezes, perniciosa, principalmente por estar sujeita a regras do mercado que não se coadunam com os valores da educa- ção e da ética sustentados pelos educadores. Parece natural, que essas mudanças aproximem as duas áreas de atuação - Educação e Comunicação - pelas necessidades convergentes que suscitam e, isto já está acontecendo, através do trabalho de vários estudiosos de ambas as áreas – em nível autodidata, com ou sem apoio público, na efetivação de suas pesquisas e projetos envolvendo os meios de comunicação de massa - especialmente junto ao NCE/ECA/USP Núcleo de Comunicação e Educação, da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, coordenado pelo professor Dr. Ismar de Oliveira Soares, que vem traba- lhando, através de pesquisas que visam reunir tudo que vem sendo desenvolvido nesta área, em toda a América Latina, passando a constituir um novo campo de estudo, ou pa- radigma nascente : a Educomunicação, a serviço do ensino.
  • 5. 5 3. OBJETIVO GERAL Implementar procedimentos voltados à apropriação dos meios e das linguagens de comunicação, abrangendo os professores da Rede Municipal de Ensino de Triunfo que estão cursando as duas turmas de pós-graduação de Educação Inclusiva do IESDE, com a finalidade de capacitá-los como educomunicadores – profissionais aptos a elaborarem as ações comunicativas de inter-relação da Educação/Comunicação no espaço educa- tivo, seja através da coordenação e gestão do processo ou assessorando os outros Edu- cadores no adequado uso dos recursos de comunicação ou ainda, promovendo ele mes- mo o uso, cada vez mais intenso, da tecnologia de produção de vídeo como um recurso tecnológico que facilita a produção cultural, o resgate da cidadania e a inclusão da diver- sidade, na medida que remete o sujeito singular para o espaço coletivo e plural da cultura e da comunicação.
  • 6. 6 4.OBJETIVOS ESPECÍFICOS Utilizar a produção de vídeo no espaço educativo e na comunidade circunscrita à Escola como: 4.1. recurso tecnológico a serviço da formação de valores solidários e democráticos para a transformação do ambiente em que vivem; 4.2. recurso apropriado ao desenvolvimento do currículo, seja através de conteúdos pro- gramáticos das mais variadas disciplinas ou através de projetos que visem promover campanhas sociais e humanitárias, em prol da ética e da mudança de comportamento em relação aos preconceitos de qualquer natureza; 4,3. objeto de estudo e de poder que precisa ser conhecido, para que seus mecanismos sejam dominados, enquanto linguagem e estudo das tecnologias, favorecendo o espírito crítico do aluno, especialmente em relação ás TVs comerciais; 4.4. instrumento de aprendizagem da modalidade de trabalho em equipe, onde deve im- perar o respeito às diferenças, para um bom relacionamento entre as partes; 4.5. instrumento de motivação para provocar o desejo no aluno de freqüentar a escola, evitando a evasão; 4.6. instrumento que contempla com maior facilidade os diferentes gostos, habilidades e capacidades dos sujeitos , no processo de ensino-aprendizagem, já que possibilita um trabalho bastante diversificado,envolvendo pré-produção, produção e pós-produção, e várias linguagens e conseqüentes formas de apreender as mensagens produzidas a se- rem comunicadas e re-trabalhadas posteriormente.
  • 7. 7 5. JUSTIFICATIVA Considerando-se que: # os recursos tecnológicos clássicos como o rádio e a televisão tiveram dificuldades de ser absorvidos pelo campo da educação, especialmente por seu caráter lúdico e mercantil, que ocasionou a resistência dos educadores em dialogar com a tecnologia, bem como sua necessidade de reverter-se este quadro para que a escola esteja mais situada para a vanguarda do que para a obsolescência; # o vídeo, ao contrário das aulas expositivas é um método que aproxima, ao possibilitar a releitura do cotidiano, com suas linguagens múltiplas superpostas e interligadas auxilian- do na informação, sem fragmentá-la, tornando a sua mensagem essencialmente senso- rial e visual, residindo aí a sua maior força, atuando através da música, do desenho, da fotografia, da palavra falada e escrita, do gestual, do teatro, da dança, etc., enrique- cendo a aprendizagem e a comunicação, facilitando a exposição de um tema; # na cabeça do aluno vídeo não é aula, umbilicalmente ligado à TV , relacionado ao lazer, colabora para que o aluno aprenda brincando, por assim dizer, motivo pelo qual precisa ser aproveitada essa expectativa positiva para atraí-lo para os assuntos que interessam ao planejamento pedagógico; # é muito difícil resistir aos apelos da linguagem da propaganda em qualquer meio de comunicação, com suas estratégias usadas para criar o apelo ao consumo, embrulhadas em pura sedução e convencimento, especialmente na TV, onde conta com o reforço considerável da força da imagem em movimento, e que esta linguagem, por isso mesmo, deve ser um objeto de estudo nas escolas;
  • 8. 8 # a aprendizagem da “leitura” das peças publicitárias veiculadas na TV é tão importante na formação de um telespectador crítico, quanto o estudo e análise dos noticiários e das telenovelas, onde depois de estabelecidas as diferenças entre ficção e realidade, podem ser discutidos os modelos de comportamentos apresentados ali, até porque uma parce- la considerável da população os copia e copiados podem virar hábitos que forjam es- paços alienígenos na cultura local, com sua peculiar criação de modas; # os alunos que apresentam NEE, Necessidades Educativas Especiais, não são somente aqueles portadores de deficiência física ou mental, mas todos aqueles que apresentam alguma dificuldade de aprendizagem e que precisam ser motivados mais intensamente e o vídeo é muito bom nisto; # a escola inclusiva necessita caminhar rumo à escola para todos, onde seja celebrada a diferença e atendidas as NEE, através de uma pedagogia centrada no aluno, dando oportunidades curriculares que se adaptem a sujeitos com diferentes interesses e capaci- dades e que o vídeo tem mais facilidade para abranger um leque maior de interesses; # a escola inclusiva tem a responsabilidade de assegurar que o aluno deficiente seja um membro integrante e valorizado na sala de aula ou no grupo e que a produção de vídeo pode inseri-lo até mesmo como assunto, tema, matéria de estudo - no caso o próprio deficiente pode ser entrevistado - ou seus familiares, na sua impossibilidade - outras pessoas acometidas da mesma ou de outras deficiências que são exemplos de supera- ção ao conseguirem se inserir satisfatoriamente na sociedade, suas famílias, a defi- ciência em si, os especialistas que tratam dela e outros quaisquer elementos a ela liga- dos, justifica-se este projeto.
  • 9. 9 6. BIBLIOGRAFIA BABIN, P. ; KOULOUMDJIAN.M.F. Os novos modos de compreender : a geração do audiovisual e do computador. Trad. Maria Cecília Oliveira Marques. São Paulo: Edições Paulinas, 1989. BEZERRA, W. Manual do telespectador insatisfeito. São Paulo: Summus Editorial, 1999. BOSI, E. Cultura de massa e cultura popular: leituras de operárias. 4. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1977. CARVALHO, R.E. Removendo barreiras para a aprendizagem: educação inclusiva. 3. ed. Porto Alegre: Editora Mediação, 2003. ___________Educação inclusiva:com os pingos nos “is”. Porto Alegre: Editora Mediação, 2004. FELTRIN, A.E. Inclusão social na escola: quando a pedagogia se encontra com a diferença. São Paulo: Paulinas, 2004. FERRES, J. Vídeo e Educação. 2. ed. Porto Alegre. Artes Médicas, 1996. ________. Televisão e Educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. FREIRE.P.; FREI BETO. Essa escola chamada vida: depoimentos ao repórter Ricardo Kotscho. 11. ed. 3. impressão. São Paulo: Editora Ática, 2001. _________. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 28. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003. STAINBACK, S.; STAIMBACK, W. Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre: Artmed, 1999. MACHADO, A. A arte do vídeo. São Paulo: Brasiliense, 1988. MANTOAN, M.T.E. e colaboradores. A integração de pessoas com deficiência: contribuições para uma reflexão sobre o tema. São Paulo: Memnon Edições Científicas
  • 10. 10 Ltda, 1997. _________. Inclusão escolar : o que é? por quê? como fazer? São Paulo: Editora Moderna, 2003. MITTLER, P. Educação inclusiva: contextos sociais. Porto Alegre: Artmed, 2003. MORAN, J.M. Leituras dos meios de comunicação. São Paulo: Edições Pancast, 1993. _______. Como ver Televisão. São Paulo:Edições Paulinas, 1991. _______. Mudanças na comunicação pessoal. 2. ed. São Paulo: Edições Paulinas, 2000. _______.; MASETTO, M. e BEHRENS, M. Novas tecnologias e mediação Pedagógica. 7. ed. Campinas: Papirus, 2003. MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma reformar o pensamento. Trad. Eloá Jacobina. 8.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003. _______. Cultura de massas no século XX: o espírito do tempo – 1 neurose. 4. ed. Rio de Janeiro: 1977. _______. Cultura de massas no século XX: o espírito do tempo – 2 necrose. 4. ed. Rio de Janeiro: 1977. Penteado, H.D. televisão e escola: conflito ou comparação? São Paulo: Cortez Editora, 1991. STAINBACK, S.; STAIMBACK, W. Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre: Artmed, 1999. WERNECK,C. Ninguém mais vai ser bonzinho na sociedade inclusiva. Rio de janeiro: WVA, 1997. _________ . Sociedade inclusiva: quem cabe no seu todos? Rio de janeiro: WVA, 1999.