SlideShare uma empresa Scribd logo
Há quase dois séculos nascia um ilustre triunfense
       incompreendido em vida e celebrado após a morte
                                                                Gladis Maia




do Decálogo do Jornalista

                 “Sempre foi nossa opinião que para alguém poder redigir uma folha deve
                 possuir ou reunir em si as seguintes qualidades ou dons: 1ª – Não mentir;
                 não injuriar; nem caluniar a pessoa alguma. 2ª - Ter tido sempre ilibada
                 conduta, quer como homem público se o tem sido; quer como homem
                 particular. (...) 6ª - Conservar sempre certa firmeza de Caráter; brio; e
                 dignidade.7ª – Que seja homem dotado de probidade e honra. 8ª - Que
                 tenha a precisa coragem para censurar os maus atos , e a indispensável
                 imparcialidade para louvar os bons. 9ª - Que tenha sempre diante dos
                 olhos – mais o interesse público que o particular, não vendendo por isso
                 mesmo as colunas do seu jornal – a miseráveis, ou malignos
                 especuladores.”Qorpo-Santo

Cercado de riso e sarcasmo durante o seu meio século de existência, nascia há 179 anos atrás,
no dia 19 de abril de 1829, em nossa cidade, então chamada de Vila do Triunfo, um mito que
se chamou na sua ortografia particular: Jozè Joaquim de Qampos Leão Qorpo-Santo. Falava-
se dele como um louco, que escreveu poesias doidivanas. Escarnecido em vida, não foi
poupado nem mesmo depois de morto, até que a crítica teatral o designasse como um gênio
adiante de sua época e por isso mesmo incompreendido a seu tempo.

Insano ou não – quem poderá dizer com certeza que não o é? - o certo é que sua obra chegou
até nós, mais viva do que nunca, e faz sucesso pelos palcos de muitos teatros em diversos
países, tal qual a França.
Nada ao gosto da época em que viveu, suas comédias não eram românticas, nem no tema,
nem na linguagem, muito menos na atmosfera gerada. Apresentavam situações conflituosas
peculiares à sociedade gaúcha do século XIX.

Sob o ponto de vista da expressão verbal, seus textos são verdadeiramente surpreendentes:
desprezam por completo a linguagem ornamental, os rapapés tão comuns ao melhor estilo dos
escritores da época.

Sua literatura eivada de um fundo autobiográfico expressa-se em um tom cru e áspero. Um
realista que parece vingar-se da sociedade e dos desacertos humanos. “O louco manso das
margens do Guaíba” emprega palavras ou expressões cujo sentido nem sempre prima pela
semântica, mas pelo valor melódico encantatório, segundo Guilhermino César, um estudioso
de sua obra.

O riso que o cercou, o escárnio que perseguiu Qorpo-Santo e a pouca cultura do meio, não
deixaram perceber que ele havia alcançado, por entre as pausas da sua “insanidade” uma coisa
raríssima: autenticidade literária. Nada por baixo dos panos, em sentido metafórico ou literal.
Ao contrário dos seus contemporâneos, sua literatura busca motivação e moldura no erotismo,
sem disfarces.

Pressionado pelos tabus, pelas praxes sexuais e cânones morais da sociedade brasileira
escravocrata e latifundiária do século XIX, o mestre-escola fez de sua obra de dramaturgo o
estuário dos conflitos de sua geração, de modo confuso e tumultuário. Ninguém fôra tão longe
antes dele, no seu impulso confessional. Os autores da sua época escreviam tal qual se
apresentavam os álbuns de família, bem arrumadinhos e posados, oferecendo um retrato
convencional de si mesmos e de seus parentes.

Dêem-no como genial ou como louco, deve-se no entanto ressaltar a essencial qualidade de
Qorpo-Santo: a sua singularidade, palavra definida por Machado de Assis como “o espantante
agradável”; e por Arthur de Oliveira como um “saco de espantos”.

Ele foi implacável no combate à desordem ortográfica vigente em sua época, reinante ainda
em nossos dias. Após escrever muitas de suas peças, colocando a letra que mais se
aproximava do fonema para grafar as palavras, voltou a encarar o assunto com o objetivo de
traçar regras práticas que levassem à simplificação gradual da ortografia portuguesa, coisa que
intelectuais do porte de um Howais, no Brasil e tantos outros em Portugal tentaram há pouco
e ainda não o conseguiram...

Poeta, professor, jornalista, teatrólogo, editor, Qorpo-Santo escreveu muito em sua fúria
incontida, pondo a nu coisas que o teatro brasileiro ignorava à sua época, como por exemplo a
homossexualidade e fundou um gênero: o teatro nonsense ou teatro do absurdo, descoberto
pelos europeus muitos anos mais tarde.

Reivindicamos para o homem de letras da Vila do Triunfo, um lugar entre os maiores
dramaturgos da Língua Portuguesa, merecido, com certeza. Que de onde ele esteja proteja aos
seus conterrâneos em geral, e em especial, àqueles que querem desnudar a sua vida e obra,
para vê-la com o reconhecimento merecido em sua terra natal, através da Fundação que leva o
seu nome.

Publicado em abril de 2008, nos jornais O farrapo e Sentinela do Jacuí, de Triunfo/RS.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Dina Baptista
 
Os Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVIOs Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVI
Sara Leonardo
 
Machado De Assis
Machado De AssisMachado De Assis
Machado De Assis
Belinha_Beel
 
"O Cortiço" - Aluísio de Azevedo
"O Cortiço" - Aluísio de Azevedo"O Cortiço" - Aluísio de Azevedo
"O Cortiço" - Aluísio de Azevedo
Fabio Lemes
 
Dom casmurro
Dom casmurroDom casmurro
Dom casmurro
Francis Paula
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
Cláudia Heloísa
 
O cortiço - Aluísio Azevedo - Colégio Cerrado
O cortiço - Aluísio Azevedo - Colégio CerradoO cortiço - Aluísio Azevedo - Colégio Cerrado
O cortiço - Aluísio Azevedo - Colégio Cerrado
Marcus Vinicius
 
João simões lopes neto
João simões lopes netoJoão simões lopes neto
João simões lopes neto
tatisdu
 
Triste fim de policarpo quaresma
Triste fim de policarpo quaresmaTriste fim de policarpo quaresma
Triste fim de policarpo quaresma
Evandro Moraes
 
Toaz.info asa-ep10-teste-farsa-de-ines-pereira1-pr 27a8d8aacf2ac5ae8485b2b045...
Toaz.info asa-ep10-teste-farsa-de-ines-pereira1-pr 27a8d8aacf2ac5ae8485b2b045...Toaz.info asa-ep10-teste-farsa-de-ines-pereira1-pr 27a8d8aacf2ac5ae8485b2b045...
Toaz.info asa-ep10-teste-farsa-de-ines-pereira1-pr 27a8d8aacf2ac5ae8485b2b045...
Aida Cunha
 
Estudo da Língua Portuguesa - Autores Fundamentais
Estudo da Língua Portuguesa - Autores FundamentaisEstudo da Língua Portuguesa - Autores Fundamentais
Estudo da Língua Portuguesa - Autores Fundamentais
Museu Filatelia Sérgio Pedro
 
Os Maias - intriga
Os Maias - intrigaOs Maias - intriga
Os Maias - intriga
António Fernandes
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
Octávio Da Matta
 
Caim 3ª D - 2011
Caim   3ª D - 2011Caim   3ª D - 2011
Triste fim exercícios
Triste fim exercíciosTriste fim exercícios
Triste fim exercícios
João Marcos Professor Literatura
 
Dom casmurro
Dom casmurro Dom casmurro
Dom casmurro
Julimac
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
David Caçador
 
Morte de um homem mau
Morte de um homem mauMorte de um homem mau
Morte de um homem mau
Edgar Castelo
 
Caim 3ª A - 2011
Caim   3ª A - 2011Caim   3ª A - 2011
Trabalho De Literatura
Trabalho De LiteraturaTrabalho De Literatura
Trabalho De Literatura
martinsramon
 

Mais procurados (20)

Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel Central
 
Os Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVIOs Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVI
 
Machado De Assis
Machado De AssisMachado De Assis
Machado De Assis
 
"O Cortiço" - Aluísio de Azevedo
"O Cortiço" - Aluísio de Azevedo"O Cortiço" - Aluísio de Azevedo
"O Cortiço" - Aluísio de Azevedo
 
Dom casmurro
Dom casmurroDom casmurro
Dom casmurro
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
O cortiço - Aluísio Azevedo - Colégio Cerrado
O cortiço - Aluísio Azevedo - Colégio CerradoO cortiço - Aluísio Azevedo - Colégio Cerrado
O cortiço - Aluísio Azevedo - Colégio Cerrado
 
João simões lopes neto
João simões lopes netoJoão simões lopes neto
João simões lopes neto
 
Triste fim de policarpo quaresma
Triste fim de policarpo quaresmaTriste fim de policarpo quaresma
Triste fim de policarpo quaresma
 
Toaz.info asa-ep10-teste-farsa-de-ines-pereira1-pr 27a8d8aacf2ac5ae8485b2b045...
Toaz.info asa-ep10-teste-farsa-de-ines-pereira1-pr 27a8d8aacf2ac5ae8485b2b045...Toaz.info asa-ep10-teste-farsa-de-ines-pereira1-pr 27a8d8aacf2ac5ae8485b2b045...
Toaz.info asa-ep10-teste-farsa-de-ines-pereira1-pr 27a8d8aacf2ac5ae8485b2b045...
 
Estudo da Língua Portuguesa - Autores Fundamentais
Estudo da Língua Portuguesa - Autores FundamentaisEstudo da Língua Portuguesa - Autores Fundamentais
Estudo da Língua Portuguesa - Autores Fundamentais
 
Os Maias - intriga
Os Maias - intrigaOs Maias - intriga
Os Maias - intriga
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
Caim 3ª D - 2011
Caim   3ª D - 2011Caim   3ª D - 2011
Caim 3ª D - 2011
 
Triste fim exercícios
Triste fim exercíciosTriste fim exercícios
Triste fim exercícios
 
Dom casmurro
Dom casmurro Dom casmurro
Dom casmurro
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Morte de um homem mau
Morte de um homem mauMorte de um homem mau
Morte de um homem mau
 
Caim 3ª A - 2011
Caim   3ª A - 2011Caim   3ª A - 2011
Caim 3ª A - 2011
 
Trabalho De Literatura
Trabalho De LiteraturaTrabalho De Literatura
Trabalho De Literatura
 

Destaque

Uma_perspectiva_crista_do_sexo.pps
Uma_perspectiva_crista_do_sexo.ppsUma_perspectiva_crista_do_sexo.pps
Uma_perspectiva_crista_do_sexo.ppsHerbert de Carvalho
 
Mateusemateusa
MateusemateusaMateusemateusa
Mateusemateusa
Gladis Maia
 
Lileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_saLileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_sa
Gladis Maia
 
00758
0075800758
Artigo10 adv06
Artigo10   adv06Artigo10   adv06
Artigo10 adv06
Gladis Maia
 
Dous irmãos
Dous irmãosDous irmãos
Dous irmãos
Gladis Maia
 
Dissertacao douglas ceccagno
Dissertacao douglas ceccagnoDissertacao douglas ceccagno
Dissertacao douglas ceccagno
Gladis Maia
 
Tese caes da_provincia
Tese caes da_provinciaTese caes da_provincia
Tese caes da_provincia
Gladis Maia
 
Final
FinalFinal

Destaque (9)

Uma_perspectiva_crista_do_sexo.pps
Uma_perspectiva_crista_do_sexo.ppsUma_perspectiva_crista_do_sexo.pps
Uma_perspectiva_crista_do_sexo.pps
 
Mateusemateusa
MateusemateusaMateusemateusa
Mateusemateusa
 
Lileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_saLileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_sa
 
00758
0075800758
00758
 
Artigo10 adv06
Artigo10   adv06Artigo10   adv06
Artigo10 adv06
 
Dous irmãos
Dous irmãosDous irmãos
Dous irmãos
 
Dissertacao douglas ceccagno
Dissertacao douglas ceccagnoDissertacao douglas ceccagno
Dissertacao douglas ceccagno
 
Tese caes da_provincia
Tese caes da_provinciaTese caes da_provincia
Tese caes da_provincia
 
Final
FinalFinal
Final
 

Semelhante a Matéria qorpo santo gladis

Port 2_a_4b_1c_roteirodeatividades
 Port 2_a_4b_1c_roteirodeatividades Port 2_a_4b_1c_roteirodeatividades
Port 2_a_4b_1c_roteirodeatividades
Selma Coimbra
 
10 livros para se ler
10 livros para se ler10 livros para se ler
10 livros para se ler
David Souza
 
REALISMO E naturalismo.pptx
REALISMO E naturalismo.pptxREALISMO E naturalismo.pptx
REALISMO E naturalismo.pptx
DiegoHenrique731601
 
Aluísio azevedo o mulato
Aluísio azevedo   o mulatoAluísio azevedo   o mulato
Aluísio azevedo o mulato
thiagofm
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Almeida Garret Viagens na minha terra
Almeida Garret   Viagens na minha terraAlmeida Garret   Viagens na minha terra
Almeida Garret Viagens na minha terra
Escola Secundária do Cartaxo
 
Machado de assis vida e obra
Machado de assis  vida e obraMachado de assis  vida e obra
Machado de assis vida e obra
Mônica Almeida Neves
 
Lima Barreto
Lima BarretoLima Barreto
Lima Barreto
Cláudia Heloísa
 
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo- Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
teresakashino
 
Slide Dom Casmurro
Slide Dom CasmurroSlide Dom Casmurro
Slide Dom Casmurro
clemildapetrolina
 
Cioran, emil silogismos da amargura
Cioran, emil   silogismos da amarguraCioran, emil   silogismos da amargura
Cioran, emil silogismos da amargura
Paulo Guerrah
 
Sombrafrank
SombrafrankSombrafrank
Sombrafrank
Júnior Bedaque
 
sombra julio frank
sombra julio franksombra julio frank
sombra julio frank
Onésimo Remígio
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
Diego
 
realismo-e-naturalismo-resumoparaaprovax
realismo-e-naturalismo-resumoparaaprovaxrealismo-e-naturalismo-resumoparaaprovax
realismo-e-naturalismo-resumoparaaprovax
FernandaRibeiro419723
 
Gregório de Matos Guerra
Gregório de Matos GuerraGregório de Matos Guerra
Gregório de Matos Guerra
aluna1f
 
Segunda tarefa do Face-grupo
Segunda tarefa do Face-grupo Segunda tarefa do Face-grupo
Segunda tarefa do Face-grupo
Vitória Raphaella
 
Uel05 Literatura
Uel05 LiteraturaUel05 Literatura
Uel05 Literatura
guest6789389c
 
kh2 press design pre release informative.pdf
kh2 press design pre release informative.pdfkh2 press design pre release informative.pdf
kh2 press design pre release informative.pdf
JenniferJenkins91
 
Portugues4em
Portugues4emPortugues4em
Portugues4em
Greice Gomes
 

Semelhante a Matéria qorpo santo gladis (20)

Port 2_a_4b_1c_roteirodeatividades
 Port 2_a_4b_1c_roteirodeatividades Port 2_a_4b_1c_roteirodeatividades
Port 2_a_4b_1c_roteirodeatividades
 
10 livros para se ler
10 livros para se ler10 livros para se ler
10 livros para se ler
 
REALISMO E naturalismo.pptx
REALISMO E naturalismo.pptxREALISMO E naturalismo.pptx
REALISMO E naturalismo.pptx
 
Aluísio azevedo o mulato
Aluísio azevedo   o mulatoAluísio azevedo   o mulato
Aluísio azevedo o mulato
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Almeida Garret Viagens na minha terra
Almeida Garret   Viagens na minha terraAlmeida Garret   Viagens na minha terra
Almeida Garret Viagens na minha terra
 
Machado de assis vida e obra
Machado de assis  vida e obraMachado de assis  vida e obra
Machado de assis vida e obra
 
Lima Barreto
Lima BarretoLima Barreto
Lima Barreto
 
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo- Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
 
Slide Dom Casmurro
Slide Dom CasmurroSlide Dom Casmurro
Slide Dom Casmurro
 
Cioran, emil silogismos da amargura
Cioran, emil   silogismos da amarguraCioran, emil   silogismos da amargura
Cioran, emil silogismos da amargura
 
Sombrafrank
SombrafrankSombrafrank
Sombrafrank
 
sombra julio frank
sombra julio franksombra julio frank
sombra julio frank
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
 
realismo-e-naturalismo-resumoparaaprovax
realismo-e-naturalismo-resumoparaaprovaxrealismo-e-naturalismo-resumoparaaprovax
realismo-e-naturalismo-resumoparaaprovax
 
Gregório de Matos Guerra
Gregório de Matos GuerraGregório de Matos Guerra
Gregório de Matos Guerra
 
Segunda tarefa do Face-grupo
Segunda tarefa do Face-grupo Segunda tarefa do Face-grupo
Segunda tarefa do Face-grupo
 
Uel05 Literatura
Uel05 LiteraturaUel05 Literatura
Uel05 Literatura
 
kh2 press design pre release informative.pdf
kh2 press design pre release informative.pdfkh2 press design pre release informative.pdf
kh2 press design pre release informative.pdf
 
Portugues4em
Portugues4emPortugues4em
Portugues4em
 

Mais de Gladis Maia

O qorpo santo_da_escrita
O qorpo santo_da_escritaO qorpo santo_da_escrita
O qorpo santo_da_escrita
Gladis Maia
 
O qorpo santo da escrita
O qorpo santo da escritaO qorpo santo da escrita
O qorpo santo da escrita
Gladis Maia
 
T rvol14sum
T rvol14sumT rvol14sum
T rvol14sum
Gladis Maia
 
Um parto
Um partoUm parto
Um parto
Gladis Maia
 
Um credor da fazenda nacional
Um credor da fazenda nacionalUm credor da fazenda nacional
Um credor da fazenda nacional
Gladis Maia
 
Um atrevido ou um brilhante escondido
Um atrevido ou um brilhante escondidoUm atrevido ou um brilhante escondido
Um atrevido ou um brilhante escondido
Gladis Maia
 
Um assovio univ da amazônia
Um assovio   univ da amazôniaUm assovio   univ da amazônia
Um assovio univ da amazônia
Gladis Maia
 
Parque farroupilha por qsanto
Parque farroupilha por qsantoParque farroupilha por qsanto
Parque farroupilha por qsanto
Gladis Maia
 
O marinheiro escritor
O marinheiro escritorO marinheiro escritor
O marinheiro escritor
Gladis Maia
 
O marido extremosos ou o pai cuidadoso
O marido extremosos ou o pai cuidadosoO marido extremosos ou o pai cuidadoso
O marido extremosos ou o pai cuidadoso
Gladis Maia
 
Mateus e mateusa
Mateus e mateusaMateus e mateusa
Mateus e mateusa
Gladis Maia
 
Eu sou a vida eu não sou a morte
Eu sou a vida  eu não sou a morteEu sou a vida  eu não sou a morte
Eu sou a vida eu não sou a morte
Gladis Maia
 
Duas páginas em branco
Duas páginas em brancoDuas páginas em branco
Duas páginas em branco
Gladis Maia
 
Certa entidade em busca de outra
Certa entidade em busca de outraCerta entidade em busca de outra
Certa entidade em busca de outra
Gladis Maia
 
As relações naturais
As relações naturaisAs relações naturais
As relações naturais
Gladis Maia
 
A separação de dois esposos
A separação de dois espososA separação de dois esposos
A separação de dois esposos
Gladis Maia
 
A impossibilidade da santificação
A impossibilidade da santificaçãoA impossibilidade da santificação
A impossibilidade da santificação
Gladis Maia
 
Uma pitada de rapé
Uma pitada de rapéUma pitada de rapé
Uma pitada de rapé
Gladis Maia
 
06 luiz fernando_ramos
06 luiz fernando_ramos06 luiz fernando_ramos
06 luiz fernando_ramos
Gladis Maia
 
Triunfo defende seu patrimônio histórico
Triunfo defende seu patrimônio históricoTriunfo defende seu patrimônio histórico
Triunfo defende seu patrimônio histórico
Gladis Maia
 

Mais de Gladis Maia (20)

O qorpo santo_da_escrita
O qorpo santo_da_escritaO qorpo santo_da_escrita
O qorpo santo_da_escrita
 
O qorpo santo da escrita
O qorpo santo da escritaO qorpo santo da escrita
O qorpo santo da escrita
 
T rvol14sum
T rvol14sumT rvol14sum
T rvol14sum
 
Um parto
Um partoUm parto
Um parto
 
Um credor da fazenda nacional
Um credor da fazenda nacionalUm credor da fazenda nacional
Um credor da fazenda nacional
 
Um atrevido ou um brilhante escondido
Um atrevido ou um brilhante escondidoUm atrevido ou um brilhante escondido
Um atrevido ou um brilhante escondido
 
Um assovio univ da amazônia
Um assovio   univ da amazôniaUm assovio   univ da amazônia
Um assovio univ da amazônia
 
Parque farroupilha por qsanto
Parque farroupilha por qsantoParque farroupilha por qsanto
Parque farroupilha por qsanto
 
O marinheiro escritor
O marinheiro escritorO marinheiro escritor
O marinheiro escritor
 
O marido extremosos ou o pai cuidadoso
O marido extremosos ou o pai cuidadosoO marido extremosos ou o pai cuidadoso
O marido extremosos ou o pai cuidadoso
 
Mateus e mateusa
Mateus e mateusaMateus e mateusa
Mateus e mateusa
 
Eu sou a vida eu não sou a morte
Eu sou a vida  eu não sou a morteEu sou a vida  eu não sou a morte
Eu sou a vida eu não sou a morte
 
Duas páginas em branco
Duas páginas em brancoDuas páginas em branco
Duas páginas em branco
 
Certa entidade em busca de outra
Certa entidade em busca de outraCerta entidade em busca de outra
Certa entidade em busca de outra
 
As relações naturais
As relações naturaisAs relações naturais
As relações naturais
 
A separação de dois esposos
A separação de dois espososA separação de dois esposos
A separação de dois esposos
 
A impossibilidade da santificação
A impossibilidade da santificaçãoA impossibilidade da santificação
A impossibilidade da santificação
 
Uma pitada de rapé
Uma pitada de rapéUma pitada de rapé
Uma pitada de rapé
 
06 luiz fernando_ramos
06 luiz fernando_ramos06 luiz fernando_ramos
06 luiz fernando_ramos
 
Triunfo defende seu patrimônio histórico
Triunfo defende seu patrimônio históricoTriunfo defende seu patrimônio histórico
Triunfo defende seu patrimônio histórico
 

Matéria qorpo santo gladis

  • 1. Há quase dois séculos nascia um ilustre triunfense incompreendido em vida e celebrado após a morte Gladis Maia do Decálogo do Jornalista “Sempre foi nossa opinião que para alguém poder redigir uma folha deve possuir ou reunir em si as seguintes qualidades ou dons: 1ª – Não mentir; não injuriar; nem caluniar a pessoa alguma. 2ª - Ter tido sempre ilibada conduta, quer como homem público se o tem sido; quer como homem particular. (...) 6ª - Conservar sempre certa firmeza de Caráter; brio; e dignidade.7ª – Que seja homem dotado de probidade e honra. 8ª - Que tenha a precisa coragem para censurar os maus atos , e a indispensável imparcialidade para louvar os bons. 9ª - Que tenha sempre diante dos olhos – mais o interesse público que o particular, não vendendo por isso mesmo as colunas do seu jornal – a miseráveis, ou malignos especuladores.”Qorpo-Santo Cercado de riso e sarcasmo durante o seu meio século de existência, nascia há 179 anos atrás, no dia 19 de abril de 1829, em nossa cidade, então chamada de Vila do Triunfo, um mito que se chamou na sua ortografia particular: Jozè Joaquim de Qampos Leão Qorpo-Santo. Falava- se dele como um louco, que escreveu poesias doidivanas. Escarnecido em vida, não foi poupado nem mesmo depois de morto, até que a crítica teatral o designasse como um gênio adiante de sua época e por isso mesmo incompreendido a seu tempo. Insano ou não – quem poderá dizer com certeza que não o é? - o certo é que sua obra chegou até nós, mais viva do que nunca, e faz sucesso pelos palcos de muitos teatros em diversos países, tal qual a França.
  • 2. Nada ao gosto da época em que viveu, suas comédias não eram românticas, nem no tema, nem na linguagem, muito menos na atmosfera gerada. Apresentavam situações conflituosas peculiares à sociedade gaúcha do século XIX. Sob o ponto de vista da expressão verbal, seus textos são verdadeiramente surpreendentes: desprezam por completo a linguagem ornamental, os rapapés tão comuns ao melhor estilo dos escritores da época. Sua literatura eivada de um fundo autobiográfico expressa-se em um tom cru e áspero. Um realista que parece vingar-se da sociedade e dos desacertos humanos. “O louco manso das margens do Guaíba” emprega palavras ou expressões cujo sentido nem sempre prima pela semântica, mas pelo valor melódico encantatório, segundo Guilhermino César, um estudioso de sua obra. O riso que o cercou, o escárnio que perseguiu Qorpo-Santo e a pouca cultura do meio, não deixaram perceber que ele havia alcançado, por entre as pausas da sua “insanidade” uma coisa raríssima: autenticidade literária. Nada por baixo dos panos, em sentido metafórico ou literal. Ao contrário dos seus contemporâneos, sua literatura busca motivação e moldura no erotismo, sem disfarces. Pressionado pelos tabus, pelas praxes sexuais e cânones morais da sociedade brasileira escravocrata e latifundiária do século XIX, o mestre-escola fez de sua obra de dramaturgo o estuário dos conflitos de sua geração, de modo confuso e tumultuário. Ninguém fôra tão longe antes dele, no seu impulso confessional. Os autores da sua época escreviam tal qual se apresentavam os álbuns de família, bem arrumadinhos e posados, oferecendo um retrato convencional de si mesmos e de seus parentes. Dêem-no como genial ou como louco, deve-se no entanto ressaltar a essencial qualidade de Qorpo-Santo: a sua singularidade, palavra definida por Machado de Assis como “o espantante agradável”; e por Arthur de Oliveira como um “saco de espantos”. Ele foi implacável no combate à desordem ortográfica vigente em sua época, reinante ainda em nossos dias. Após escrever muitas de suas peças, colocando a letra que mais se aproximava do fonema para grafar as palavras, voltou a encarar o assunto com o objetivo de traçar regras práticas que levassem à simplificação gradual da ortografia portuguesa, coisa que intelectuais do porte de um Howais, no Brasil e tantos outros em Portugal tentaram há pouco e ainda não o conseguiram... Poeta, professor, jornalista, teatrólogo, editor, Qorpo-Santo escreveu muito em sua fúria incontida, pondo a nu coisas que o teatro brasileiro ignorava à sua época, como por exemplo a homossexualidade e fundou um gênero: o teatro nonsense ou teatro do absurdo, descoberto pelos europeus muitos anos mais tarde. Reivindicamos para o homem de letras da Vila do Triunfo, um lugar entre os maiores dramaturgos da Língua Portuguesa, merecido, com certeza. Que de onde ele esteja proteja aos seus conterrâneos em geral, e em especial, àqueles que querem desnudar a sua vida e obra, para vê-la com o reconhecimento merecido em sua terra natal, através da Fundação que leva o seu nome. Publicado em abril de 2008, nos jornais O farrapo e Sentinela do Jacuí, de Triunfo/RS.