SlideShare uma empresa Scribd logo
PROGRAMA BRASIL PROFISSIONALIZADO
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO
Disciplina: Politicas educacionais- organização
e funcionamento da escola básica
Equipe: Marinaldo de Lima Vieira
Tiago Fernando de Holanda
Alexandre de Lima Correia
Jônatas Malaquias Otávio
Docente: Iagrace
CONTEXTO HISTÓRICO QUE ANTECEDEU E LEVOU A
CRIAÇÃO DO PROGRAMA BRASIL
PROFISSIONALIZADO.
 Nos objetivos e metas do Plano Nacional de Educação, no
item Educação Tecnológica e Formação Profissional, prevê-se
o tratamento adequado para aqueles que não concluíram a
Educação Básica no tempo regular.
 Para sistematizar a educação nacional, o Ministério da
Educação propõe fazê-lo na prática, a partir da Educação
Básica. Primeiro com a universalização do financiamento pelo
Fundeb, segundo sendo patrocinador da retomada da
Educação Profissional de nível médio nos Estados. Nesse
segundo aspecto é que nos deteremos.
 Essa retomada vai incentivar o surgimento de um
ensino médio com sua base científica reforçada e
com uma mínima articulação nacional, por via do
Catálogo Nacional dos Cursos Técnicos, com a
nova lei de estágios para todos os alunos do Ensino
Médio, com a profissionalização em caráter
especial para jovens e adultos (Proeja) e com o
ensino técnico a distância (e-Tec Brasil). Isso fará a
sistematização na prática do ensino médio e da
educação profissional em todo o Brasil. O programa
catalisador dessa tarefa é o Brasil
Profissionalizado.
 Mas por que está sendo usado o termo “retomar” e trato da
necessidade de incentivar aos demais entes da federação? Porque a
educação profissional, pública e gratuita, voltada para o mundo do
trabalho, sofreu um duro combate no governo anterior:
 a) O governo federal em 1994 sancionou a Lei 8.948 que impedia
o governo federal de investir na sua rede, a não ser que houvesse
parceria com estado, município ou iniciativa privada. Na prática,
parou de criar novas escolas ou extensões de escolas na rede
federal e não contratou mais professores ou técnicos administrativos.
O governo Lula teve que modificar essa legislação com uma outra
(Lei 11.195/2005), o que está permitindo a criação das 214 novas
escolas técnicas.
 b) Aquele governo criou uma matriz orçamentária que
diminuiu o valor pago para cada matrícula de Ensino
Técnico. Na prática, isso fez com que as instituições federais
passassem a desmontar seus cursos técnicos e criassem
cursos superiores.
 c) Passou a financiar e orientar a iniciativa privada para
também ocupar o espaço da pública, através do PROEP
(Programa de Expansão da Educação Profissional).
 d) Editou o Decreto 2208/1997 que, entre outras ações
nocivas, procurava desarticular a educação profissional do
ensino regular, criando uma dualidade na oferta.
 e) Passou a atrofiar a oferta pública de educação técnica para
ampliar o espaço da iniciativa privada e ainda incentivar
financeiramente o abandono do ensino técnico integrado na
sua própria rede e nas redes estaduais. Para tal, orientou os
estados a criarem organismos paraestatais, como a
Organizações Sociais de direito privado para oferecerem
somente profissionalização nas
 modalidades concomitante e subseqüente, fora das
escolas públicas e nem sempre gratuitas.
 f) Buscou junto a organismos financeiros internacionais o
financiamento para estados que propusessem a abandonar o
ensino técnico e apenas oferecessem o ensino médio
propedêutico. Foi o caso do Paraná, que na gestão anterior
oferecia dinheiro para reforma de escolas públicas, desde que
as mesmas abandonassem os cursos técnicos instalados. O
resultado dessa política reflete-se agora com inúmeras
escolas com laboratórios, máquinas e equipamentos
abandonados e sem manutenção. Em vários estados, as
antigas e bem sucedidas escolas politécnicas foram fechadas.
 Para retomar e superar o tempo perdido, o Ministério da
Educação concebeu o Programa Brasil Profissionalizado,
que prevê R$ 900 milhões para os próximos quatro anos
(2008 – 2011). O Ministério da Educação está tomando pra si
a tarefa de incentivar a expansão e modernização de
matrículas em educação profissional, sobretudo nas redes
estaduais. Faz também a expansão de sua própria rede.
Para além das motivações de ordem social e educacional,
tem o fator
 econômico que exige uma agressividade do Ministério da
Educação. Isso se deve ao fato de que o Brasil está em
permanente ritmo de crescimento e já começa dar sinais de
que faltarão profissionais para este novo momento
econômico.
 É o caso da Petrobrás, que já está importando
mão-de-obra, tanto para serviços mais simples,
como para tarefas de supervisão.
 Partindo de sua própria rede federal, que
deste 1909, quando tudo começou com o
presidente Nilo Peçanha, até 2003, contava com
140 instituições federais de Educação Profissional e
Tecnológica (EPT).
No governo Lula serão acrescentadas mais 214.
Portanto, em apenas oito anos de governo superará
em uma vez e meia o número de instituições
alcançada em cem anos de existência da rede.
Parafraseando JK: cem anos em oito.
 Com o Brasil Profissionalizado, o MEC passará a incentivar
os estados e municípios a retomar o ensino profissional. Para
isso dará assistência financeira e técnica (obras, gestão,
formação de professores, etc) para que os estados e
municípios dêem em contrapartida novas matrículas de EPT
em sua rede de educação pública de forma inteiramente
gratuita, com qualidade e eficiência.
 Retoma, para tanto, de forma democrática, a participação e
interação com o Fórum de Gestores Estaduais de EPT, com
os secretários estaduais, através do Consed, e com os
secretários municipais, através da Undime.
 Retoma também com novas concepções. Uma, de caráter
geral, implica que a educação profissional seja voltada para
todos os cidadãos com o propósito de prepará-los para o
mundo do trabalho. Outras três concepções são mais
específicas: a permanente elevação de escolaridade; a
criação de itinerários formativos e a de ser uma forma atrativa
de incentivar o retorno de jovens e adultos à escola.
 Por outro lado, a expansão da rede federal, para
além de novas unidades, avança num novo modelo
de instituição (que são os Institutos Federais, em
fase de criação) para atender às demandas de toda
a educação nacional, inclusive apoiando e se
articulando com as necessidades de cada estado.
 Nesse aspecto, o Programa Brasil Profissionalizado serve
para catalisar o esforço de retomada da educação
profissional de nível médio nos estados. Essa retomada vai
incentivar o surgimento de um ensino médio com sua base
científica reforçada e com um mínimo de articulação
nacional, por via do Catálogo Nacional dos Cursos Técnicos,
com a nova lei de estágios para todos os alunos do Ensino
 Médio, com a profissionalização para jovens e adultos
(PROEJA), com o ensino técnico a distância (e-Tec Brasil) e
fazendo uma maior integração da Educação
 Profissional com o ensino médio. Isso fará a
sistematização nacional (simetria, coerência e
organicidade), na prática, do ensino médio e da educação
profissional em todo o país.
BRASIL PROFISSIONALIZADO
 O programa Brasil Profissionalizado visa fortalecer as
redes estaduais de educação profissional e tecnológica. A
iniciativa repassa recursos do governo federal para que os
estados invistam em suas escolas técnicas. Criado em 2007,
o programa possibilita a modernização e a expansão das
redes públicas de ensino médio integradas à educação
profissional, uma das metas do Plano de Desenvolvimento da
Educação (PDE). O objetivo é integrar o conhecimento do
ensino médio à prática.
Programa brasil profissionalizado 2
 Mais de R$1,5 bilhão já foi conveniado pelo
Ministério da Educação para estimular a
implementação de ensino médio integrado à
educação profissional nos estados. O dinheiro deve
ser empregado em obras de infraestrutura,
desenvolvimento de gestão, práticas pedagógicas
e formação de professores. Até 2014, o programa
conveniará recursos da ordem de R$1,8 bi aos
estados e municípios que ofertam educação
profissional no país.
 Brasil Profissionalizado leva em consideração o
desenvolvimento da educação básica na rede local de ensino
e faz uma projeção dos resultados para a melhoria da
aprendizagem. Um diagnóstico do ensino médio contém a
descrição dos trabalhos político-pedagógicos, o orçamento
detalhado e o cronograma das atividades. O incremento de
matrículas e os indicadores sociais da região, como
analfabetismo, escolaridade, desemprego, violência e
criminalidade de jovens entre 18 e 29 anos, também são
analisados.
COMO PARTICIPAR DO PROGRAMA
 1º passo: Assinar o Compromisso Todos pela Educação -
Decreto n° 6.094/97
 2º passo: O secretário estadual de educação ou secretaria
afim devem formalizar à Setec sua intenção de participar do
programa. No mesmo documento deve constar o nome e o
CPF dos responsáveis pela execução do Brasil
Profissionalizado no estado. Os dados serão cadastrados no
Simec, plataforma em que serão inseridos o diagnóstico e a
elaboração do plano de expansão e melhoria da educação
profissional.
 3º passo: A secretaria estadual solicita ao MEC a
presença de um técnico para orientar a realização
do diagnóstico e elaboração do plano.
 4º passo: Finalizado o diagnóstico e elaborado o
plano, este será enviado para análise da Setec.
 5º passo: Após análise global do plano pela Setec,
as ações aprovadas são encaminhadas para
celebração de convênio junto ao FNDE ou para
atendimento via assistência técnica.
REFERÊNCIAS:
 http://portal.mec.gov.br/index2.php?option=com_content&view=article&id=12325&Itemid=663
 ABREU, Mariza. Organização da educação nacional na
 Constituição e na LDB. Ijuí: Unijuí, 1998.
 BRASIL. Lei n. 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano
 Nacional de Educação e dá outras providências.
 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Conferência Nacional de Educação
 Profissional e Tecnológica. Anais e deliberações da I Conferência
 Nacional de Educação Profissional e Tecnológica. Brasília: Ministério da
 Educação, Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. 2007.
 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. O Plano de Desenvolvimento da
 Educação (PDE): razões, princípios e programas. 2007.
 SAVIANI, Dermeval. Educação brasileira: estrutura e sistema. 7.ed.
 Campinas : Autores Associados, 1996.
 _________________. A nova lei da educação: LDB, trajetória,
 limites e perspectivas. Campina: Autores Associados, 1997. ‘

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestão da Educação Escolar
Gestão da Educação EscolarGestão da Educação Escolar
Gestão da Educação Escolar
Profuncionario Paranaíba
 
Exemplo de atividades do curso. memorial
Exemplo de atividades do curso. memorialExemplo de atividades do curso. memorial
Exemplo de atividades do curso. memorial
rmarangon07
 
Francinaldo memorial conclusivo
Francinaldo memorial conclusivoFrancinaldo memorial conclusivo
Francinaldo memorial conclusivo
eliane silva
 
Nbr 17240-substituindo-nbr-9441 manutenção spcip
Nbr 17240-substituindo-nbr-9441 manutenção spcipNbr 17240-substituindo-nbr-9441 manutenção spcip
Nbr 17240-substituindo-nbr-9441 manutenção spcip
Laerte Bessa
 
LDB - 9394/96
LDB - 9394/96LDB - 9394/96
LDB - 9394/96
Marcelo Assis
 
Memorial Lúcia Maia
Memorial Lúcia MaiaMemorial Lúcia Maia
Memorial Lúcia Maia
Lúcia Maia
 
PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO ESCOLAR 2016 a 2018 MARCIO.pdf
PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO ESCOLAR 2016 a 2018 MARCIO.pdfPLANO DE AÇÃO NA GESTÃO ESCOLAR 2016 a 2018 MARCIO.pdf
PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO ESCOLAR 2016 a 2018 MARCIO.pdf
ElissandraCabral2
 
HistóRia Da EducaçãO No Brasil Da Colonia Ao ImpéRio
HistóRia Da  EducaçãO No  Brasil  Da Colonia Ao ImpéRioHistóRia Da  EducaçãO No  Brasil  Da Colonia Ao ImpéRio
HistóRia Da EducaçãO No Brasil Da Colonia Ao ImpéRio
Nila Michele Bastos Santos
 
Ppp slide
Ppp slidePpp slide
Ppp slide
lidiane Silva
 
ReflexõEs Estágio
ReflexõEs EstágioReflexõEs Estágio
ReflexõEs Estágio
Socorro
 
Perguntas e respostas de manutenção
Perguntas e respostas de manutençãoPerguntas e respostas de manutenção
Perguntas e respostas de manutenção
oantu
 
Educacão basica no brasil na decada de 90 a lógica do mercado
Educacão basica no brasil na decada de 90   a lógica do mercadoEducacão basica no brasil na decada de 90   a lógica do mercado
Educacão basica no brasil na decada de 90 a lógica do mercado
Darlan Campos
 
Relatorio de estágio final.de estagio Supervisionado Kamilla Martins Rodrigues
Relatorio de estágio final.de estagio Supervisionado Kamilla Martins RodriguesRelatorio de estágio final.de estagio Supervisionado Kamilla Martins Rodrigues
Relatorio de estágio final.de estagio Supervisionado Kamilla Martins Rodrigues
Kamilla Rodrigues
 
Slide história da educação universal e brasileira - pdf
Slide   história da educação universal e brasileira  - pdfSlide   história da educação universal e brasileira  - pdf
Slide história da educação universal e brasileira - pdf
Prof. Antônio Martins de Almeida Filho
 
Plano Nacional de Educação
Plano Nacional de Educação Plano Nacional de Educação
Plano Nacional de Educação
Camila Brito
 
Anexo iii.h modelo diário de obra
Anexo iii.h   modelo diário de obraAnexo iii.h   modelo diário de obra
Anexo iii.h modelo diário de obra
Luiz Carlos Gonçalves Grossi Jr
 
Modelo folha a4 isométrica
Modelo folha a4   isométricaModelo folha a4   isométrica
Modelo folha a4 isométrica
Luciano Otavio
 
A educação jesuítica no brasil
A educação jesuítica no brasilA educação jesuítica no brasil
A educação jesuítica no brasil
Jane Terra
 
Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!
Silvio Medeiros
 
Conselho de classe
Conselho de classeConselho de classe
Conselho de classe
Vadeilza Castilho
 

Mais procurados (20)

Gestão da Educação Escolar
Gestão da Educação EscolarGestão da Educação Escolar
Gestão da Educação Escolar
 
Exemplo de atividades do curso. memorial
Exemplo de atividades do curso. memorialExemplo de atividades do curso. memorial
Exemplo de atividades do curso. memorial
 
Francinaldo memorial conclusivo
Francinaldo memorial conclusivoFrancinaldo memorial conclusivo
Francinaldo memorial conclusivo
 
Nbr 17240-substituindo-nbr-9441 manutenção spcip
Nbr 17240-substituindo-nbr-9441 manutenção spcipNbr 17240-substituindo-nbr-9441 manutenção spcip
Nbr 17240-substituindo-nbr-9441 manutenção spcip
 
LDB - 9394/96
LDB - 9394/96LDB - 9394/96
LDB - 9394/96
 
Memorial Lúcia Maia
Memorial Lúcia MaiaMemorial Lúcia Maia
Memorial Lúcia Maia
 
PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO ESCOLAR 2016 a 2018 MARCIO.pdf
PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO ESCOLAR 2016 a 2018 MARCIO.pdfPLANO DE AÇÃO NA GESTÃO ESCOLAR 2016 a 2018 MARCIO.pdf
PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO ESCOLAR 2016 a 2018 MARCIO.pdf
 
HistóRia Da EducaçãO No Brasil Da Colonia Ao ImpéRio
HistóRia Da  EducaçãO No  Brasil  Da Colonia Ao ImpéRioHistóRia Da  EducaçãO No  Brasil  Da Colonia Ao ImpéRio
HistóRia Da EducaçãO No Brasil Da Colonia Ao ImpéRio
 
Ppp slide
Ppp slidePpp slide
Ppp slide
 
ReflexõEs Estágio
ReflexõEs EstágioReflexõEs Estágio
ReflexõEs Estágio
 
Perguntas e respostas de manutenção
Perguntas e respostas de manutençãoPerguntas e respostas de manutenção
Perguntas e respostas de manutenção
 
Educacão basica no brasil na decada de 90 a lógica do mercado
Educacão basica no brasil na decada de 90   a lógica do mercadoEducacão basica no brasil na decada de 90   a lógica do mercado
Educacão basica no brasil na decada de 90 a lógica do mercado
 
Relatorio de estágio final.de estagio Supervisionado Kamilla Martins Rodrigues
Relatorio de estágio final.de estagio Supervisionado Kamilla Martins RodriguesRelatorio de estágio final.de estagio Supervisionado Kamilla Martins Rodrigues
Relatorio de estágio final.de estagio Supervisionado Kamilla Martins Rodrigues
 
Slide história da educação universal e brasileira - pdf
Slide   história da educação universal e brasileira  - pdfSlide   história da educação universal e brasileira  - pdf
Slide história da educação universal e brasileira - pdf
 
Plano Nacional de Educação
Plano Nacional de Educação Plano Nacional de Educação
Plano Nacional de Educação
 
Anexo iii.h modelo diário de obra
Anexo iii.h   modelo diário de obraAnexo iii.h   modelo diário de obra
Anexo iii.h modelo diário de obra
 
Modelo folha a4 isométrica
Modelo folha a4   isométricaModelo folha a4   isométrica
Modelo folha a4 isométrica
 
A educação jesuítica no brasil
A educação jesuítica no brasilA educação jesuítica no brasil
A educação jesuítica no brasil
 
Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!
 
Conselho de classe
Conselho de classeConselho de classe
Conselho de classe
 

Semelhante a Programa brasil profissionalizado 2

Concepção e implementação do plano nacional de formação de professores da edu...
Concepção e implementação do plano nacional de formação de professores da edu...Concepção e implementação do plano nacional de formação de professores da edu...
Concepção e implementação do plano nacional de formação de professores da edu...
CRIS TORRES
 
Desafios da educação brasileira
Desafios da educação brasileiraDesafios da educação brasileira
Desafios da educação brasileira
Paulo Hartung
 
Carta de betim_para_a_educação_infantil_versão_final (1)
Carta de betim_para_a_educação_infantil_versão_final  (1)Carta de betim_para_a_educação_infantil_versão_final  (1)
Carta de betim_para_a_educação_infantil_versão_final (1)
sindute
 
Brasil: Fortalezas, Oportunidades, Debilidades y Amenazas (FODA) en Educación...
Brasil: Fortalezas, Oportunidades, Debilidades y Amenazas (FODA) en Educación...Brasil: Fortalezas, Oportunidades, Debilidades y Amenazas (FODA) en Educación...
Brasil: Fortalezas, Oportunidades, Debilidades y Amenazas (FODA) en Educación...
EUROsociAL II
 
Andrémario pozzebon
Andrémario pozzebon Andrémario pozzebon
Andrémario pozzebon
equipetics
 
Audiência pública pme
Audiência pública pmeAudiência pública pme
Audiência pública pme
educacaobicas
 
caderno_tecnico_programa_primeira_infancia_v1.pdf
caderno_tecnico_programa_primeira_infancia_v1.pdfcaderno_tecnico_programa_primeira_infancia_v1.pdf
caderno_tecnico_programa_primeira_infancia_v1.pdf
TicianeAndrade5
 
caderno_tecnico_programa_primeira_infancia_v1.pdf
caderno_tecnico_programa_primeira_infancia_v1.pdfcaderno_tecnico_programa_primeira_infancia_v1.pdf
caderno_tecnico_programa_primeira_infancia_v1.pdf
TicianeAndrade6
 
Educacao pdf
Educacao pdfEducacao pdf
Educacao pdf
dceunivates2010
 
Educação profissional, formação docente e a interface com a EJA
Educação profissional, formação docente e a interface com a EJAEducação profissional, formação docente e a interface com a EJA
Educação profissional, formação docente e a interface com a EJA
MAIKON.biz
 
Políticas públicas
Políticas públicasPolíticas públicas
Políticas públicas
PriscillaTomazi2015
 
EIXO V Plenária de discussão.docx
EIXO V Plenária de discussão.docxEIXO V Plenária de discussão.docx
EIXO V Plenária de discussão.docx
RobsonNascimento90
 
EDUCACAO PARA TODOS.pdf
EDUCACAO PARA TODOS.pdfEDUCACAO PARA TODOS.pdf
EDUCACAO PARA TODOS.pdf
Leonildia
 
Intple (12)
Intple (12)Intple (12)
Intple (12)
eadl
 
Plano Decenal
Plano DecenalPlano Decenal
Plano Decenal
SMESLCO
 
Projeto e Sensibilização
Projeto e SensibilizaçãoProjeto e Sensibilização
Projeto e Sensibilização
Patricia Vera
 
Pne tramitação senado (CONTEE)
Pne   tramitação senado (CONTEE)Pne   tramitação senado (CONTEE)
Pne tramitação senado (CONTEE)
Remi Castioni
 
Callegari
CallegariCallegari
Educacao a distancia_no_brasil
Educacao a distancia_no_brasilEducacao a distancia_no_brasil
Educacao a distancia_no_brasil
Sueli Ribeiro
 
Plano Municipal de Educação, Pouso Alegre, MG
Plano Municipal de Educação, Pouso Alegre, MGPlano Municipal de Educação, Pouso Alegre, MG
Plano Municipal de Educação, Pouso Alegre, MG
Marcela Dâmaris
 

Semelhante a Programa brasil profissionalizado 2 (20)

Concepção e implementação do plano nacional de formação de professores da edu...
Concepção e implementação do plano nacional de formação de professores da edu...Concepção e implementação do plano nacional de formação de professores da edu...
Concepção e implementação do plano nacional de formação de professores da edu...
 
Desafios da educação brasileira
Desafios da educação brasileiraDesafios da educação brasileira
Desafios da educação brasileira
 
Carta de betim_para_a_educação_infantil_versão_final (1)
Carta de betim_para_a_educação_infantil_versão_final  (1)Carta de betim_para_a_educação_infantil_versão_final  (1)
Carta de betim_para_a_educação_infantil_versão_final (1)
 
Brasil: Fortalezas, Oportunidades, Debilidades y Amenazas (FODA) en Educación...
Brasil: Fortalezas, Oportunidades, Debilidades y Amenazas (FODA) en Educación...Brasil: Fortalezas, Oportunidades, Debilidades y Amenazas (FODA) en Educación...
Brasil: Fortalezas, Oportunidades, Debilidades y Amenazas (FODA) en Educación...
 
Andrémario pozzebon
Andrémario pozzebon Andrémario pozzebon
Andrémario pozzebon
 
Audiência pública pme
Audiência pública pmeAudiência pública pme
Audiência pública pme
 
caderno_tecnico_programa_primeira_infancia_v1.pdf
caderno_tecnico_programa_primeira_infancia_v1.pdfcaderno_tecnico_programa_primeira_infancia_v1.pdf
caderno_tecnico_programa_primeira_infancia_v1.pdf
 
caderno_tecnico_programa_primeira_infancia_v1.pdf
caderno_tecnico_programa_primeira_infancia_v1.pdfcaderno_tecnico_programa_primeira_infancia_v1.pdf
caderno_tecnico_programa_primeira_infancia_v1.pdf
 
Educacao pdf
Educacao pdfEducacao pdf
Educacao pdf
 
Educação profissional, formação docente e a interface com a EJA
Educação profissional, formação docente e a interface com a EJAEducação profissional, formação docente e a interface com a EJA
Educação profissional, formação docente e a interface com a EJA
 
Políticas públicas
Políticas públicasPolíticas públicas
Políticas públicas
 
EIXO V Plenária de discussão.docx
EIXO V Plenária de discussão.docxEIXO V Plenária de discussão.docx
EIXO V Plenária de discussão.docx
 
EDUCACAO PARA TODOS.pdf
EDUCACAO PARA TODOS.pdfEDUCACAO PARA TODOS.pdf
EDUCACAO PARA TODOS.pdf
 
Intple (12)
Intple (12)Intple (12)
Intple (12)
 
Plano Decenal
Plano DecenalPlano Decenal
Plano Decenal
 
Projeto e Sensibilização
Projeto e SensibilizaçãoProjeto e Sensibilização
Projeto e Sensibilização
 
Pne tramitação senado (CONTEE)
Pne   tramitação senado (CONTEE)Pne   tramitação senado (CONTEE)
Pne tramitação senado (CONTEE)
 
Callegari
CallegariCallegari
Callegari
 
Educacao a distancia_no_brasil
Educacao a distancia_no_brasilEducacao a distancia_no_brasil
Educacao a distancia_no_brasil
 
Plano Municipal de Educação, Pouso Alegre, MG
Plano Municipal de Educação, Pouso Alegre, MGPlano Municipal de Educação, Pouso Alegre, MG
Plano Municipal de Educação, Pouso Alegre, MG
 

Último

escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 

Último (20)

escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 

Programa brasil profissionalizado 2

  • 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Disciplina: Politicas educacionais- organização e funcionamento da escola básica Equipe: Marinaldo de Lima Vieira Tiago Fernando de Holanda Alexandre de Lima Correia Jônatas Malaquias Otávio Docente: Iagrace
  • 3. CONTEXTO HISTÓRICO QUE ANTECEDEU E LEVOU A CRIAÇÃO DO PROGRAMA BRASIL PROFISSIONALIZADO.  Nos objetivos e metas do Plano Nacional de Educação, no item Educação Tecnológica e Formação Profissional, prevê-se o tratamento adequado para aqueles que não concluíram a Educação Básica no tempo regular.  Para sistematizar a educação nacional, o Ministério da Educação propõe fazê-lo na prática, a partir da Educação Básica. Primeiro com a universalização do financiamento pelo Fundeb, segundo sendo patrocinador da retomada da Educação Profissional de nível médio nos Estados. Nesse segundo aspecto é que nos deteremos.
  • 4.  Essa retomada vai incentivar o surgimento de um ensino médio com sua base científica reforçada e com uma mínima articulação nacional, por via do Catálogo Nacional dos Cursos Técnicos, com a nova lei de estágios para todos os alunos do Ensino Médio, com a profissionalização em caráter especial para jovens e adultos (Proeja) e com o ensino técnico a distância (e-Tec Brasil). Isso fará a sistematização na prática do ensino médio e da educação profissional em todo o Brasil. O programa catalisador dessa tarefa é o Brasil Profissionalizado.
  • 5.  Mas por que está sendo usado o termo “retomar” e trato da necessidade de incentivar aos demais entes da federação? Porque a educação profissional, pública e gratuita, voltada para o mundo do trabalho, sofreu um duro combate no governo anterior:  a) O governo federal em 1994 sancionou a Lei 8.948 que impedia o governo federal de investir na sua rede, a não ser que houvesse parceria com estado, município ou iniciativa privada. Na prática, parou de criar novas escolas ou extensões de escolas na rede federal e não contratou mais professores ou técnicos administrativos. O governo Lula teve que modificar essa legislação com uma outra (Lei 11.195/2005), o que está permitindo a criação das 214 novas escolas técnicas.
  • 6.  b) Aquele governo criou uma matriz orçamentária que diminuiu o valor pago para cada matrícula de Ensino Técnico. Na prática, isso fez com que as instituições federais passassem a desmontar seus cursos técnicos e criassem cursos superiores.  c) Passou a financiar e orientar a iniciativa privada para também ocupar o espaço da pública, através do PROEP (Programa de Expansão da Educação Profissional).  d) Editou o Decreto 2208/1997 que, entre outras ações nocivas, procurava desarticular a educação profissional do ensino regular, criando uma dualidade na oferta.
  • 7.  e) Passou a atrofiar a oferta pública de educação técnica para ampliar o espaço da iniciativa privada e ainda incentivar financeiramente o abandono do ensino técnico integrado na sua própria rede e nas redes estaduais. Para tal, orientou os estados a criarem organismos paraestatais, como a Organizações Sociais de direito privado para oferecerem somente profissionalização nas  modalidades concomitante e subseqüente, fora das escolas públicas e nem sempre gratuitas.
  • 8.  f) Buscou junto a organismos financeiros internacionais o financiamento para estados que propusessem a abandonar o ensino técnico e apenas oferecessem o ensino médio propedêutico. Foi o caso do Paraná, que na gestão anterior oferecia dinheiro para reforma de escolas públicas, desde que as mesmas abandonassem os cursos técnicos instalados. O resultado dessa política reflete-se agora com inúmeras escolas com laboratórios, máquinas e equipamentos abandonados e sem manutenção. Em vários estados, as antigas e bem sucedidas escolas politécnicas foram fechadas.
  • 9.  Para retomar e superar o tempo perdido, o Ministério da Educação concebeu o Programa Brasil Profissionalizado, que prevê R$ 900 milhões para os próximos quatro anos (2008 – 2011). O Ministério da Educação está tomando pra si a tarefa de incentivar a expansão e modernização de matrículas em educação profissional, sobretudo nas redes estaduais. Faz também a expansão de sua própria rede. Para além das motivações de ordem social e educacional, tem o fator  econômico que exige uma agressividade do Ministério da Educação. Isso se deve ao fato de que o Brasil está em permanente ritmo de crescimento e já começa dar sinais de que faltarão profissionais para este novo momento econômico.
  • 10.  É o caso da Petrobrás, que já está importando mão-de-obra, tanto para serviços mais simples, como para tarefas de supervisão.  Partindo de sua própria rede federal, que deste 1909, quando tudo começou com o presidente Nilo Peçanha, até 2003, contava com 140 instituições federais de Educação Profissional e Tecnológica (EPT). No governo Lula serão acrescentadas mais 214. Portanto, em apenas oito anos de governo superará em uma vez e meia o número de instituições alcançada em cem anos de existência da rede. Parafraseando JK: cem anos em oito.
  • 11.  Com o Brasil Profissionalizado, o MEC passará a incentivar os estados e municípios a retomar o ensino profissional. Para isso dará assistência financeira e técnica (obras, gestão, formação de professores, etc) para que os estados e municípios dêem em contrapartida novas matrículas de EPT em sua rede de educação pública de forma inteiramente gratuita, com qualidade e eficiência.  Retoma, para tanto, de forma democrática, a participação e interação com o Fórum de Gestores Estaduais de EPT, com os secretários estaduais, através do Consed, e com os secretários municipais, através da Undime.
  • 12.  Retoma também com novas concepções. Uma, de caráter geral, implica que a educação profissional seja voltada para todos os cidadãos com o propósito de prepará-los para o mundo do trabalho. Outras três concepções são mais específicas: a permanente elevação de escolaridade; a criação de itinerários formativos e a de ser uma forma atrativa de incentivar o retorno de jovens e adultos à escola.
  • 13.  Por outro lado, a expansão da rede federal, para além de novas unidades, avança num novo modelo de instituição (que são os Institutos Federais, em fase de criação) para atender às demandas de toda a educação nacional, inclusive apoiando e se articulando com as necessidades de cada estado.
  • 14.  Nesse aspecto, o Programa Brasil Profissionalizado serve para catalisar o esforço de retomada da educação profissional de nível médio nos estados. Essa retomada vai incentivar o surgimento de um ensino médio com sua base científica reforçada e com um mínimo de articulação nacional, por via do Catálogo Nacional dos Cursos Técnicos, com a nova lei de estágios para todos os alunos do Ensino  Médio, com a profissionalização para jovens e adultos (PROEJA), com o ensino técnico a distância (e-Tec Brasil) e fazendo uma maior integração da Educação  Profissional com o ensino médio. Isso fará a sistematização nacional (simetria, coerência e organicidade), na prática, do ensino médio e da educação profissional em todo o país.
  • 15. BRASIL PROFISSIONALIZADO  O programa Brasil Profissionalizado visa fortalecer as redes estaduais de educação profissional e tecnológica. A iniciativa repassa recursos do governo federal para que os estados invistam em suas escolas técnicas. Criado em 2007, o programa possibilita a modernização e a expansão das redes públicas de ensino médio integradas à educação profissional, uma das metas do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE). O objetivo é integrar o conhecimento do ensino médio à prática.
  • 17.  Mais de R$1,5 bilhão já foi conveniado pelo Ministério da Educação para estimular a implementação de ensino médio integrado à educação profissional nos estados. O dinheiro deve ser empregado em obras de infraestrutura, desenvolvimento de gestão, práticas pedagógicas e formação de professores. Até 2014, o programa conveniará recursos da ordem de R$1,8 bi aos estados e municípios que ofertam educação profissional no país.
  • 18.  Brasil Profissionalizado leva em consideração o desenvolvimento da educação básica na rede local de ensino e faz uma projeção dos resultados para a melhoria da aprendizagem. Um diagnóstico do ensino médio contém a descrição dos trabalhos político-pedagógicos, o orçamento detalhado e o cronograma das atividades. O incremento de matrículas e os indicadores sociais da região, como analfabetismo, escolaridade, desemprego, violência e criminalidade de jovens entre 18 e 29 anos, também são analisados.
  • 19. COMO PARTICIPAR DO PROGRAMA  1º passo: Assinar o Compromisso Todos pela Educação - Decreto n° 6.094/97  2º passo: O secretário estadual de educação ou secretaria afim devem formalizar à Setec sua intenção de participar do programa. No mesmo documento deve constar o nome e o CPF dos responsáveis pela execução do Brasil Profissionalizado no estado. Os dados serão cadastrados no Simec, plataforma em que serão inseridos o diagnóstico e a elaboração do plano de expansão e melhoria da educação profissional.
  • 20.  3º passo: A secretaria estadual solicita ao MEC a presença de um técnico para orientar a realização do diagnóstico e elaboração do plano.  4º passo: Finalizado o diagnóstico e elaborado o plano, este será enviado para análise da Setec.  5º passo: Após análise global do plano pela Setec, as ações aprovadas são encaminhadas para celebração de convênio junto ao FNDE ou para atendimento via assistência técnica.
  • 21. REFERÊNCIAS:  http://portal.mec.gov.br/index2.php?option=com_content&view=article&id=12325&Itemid=663  ABREU, Mariza. Organização da educação nacional na  Constituição e na LDB. Ijuí: Unijuí, 1998.  BRASIL. Lei n. 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano  Nacional de Educação e dá outras providências.  MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Conferência Nacional de Educação  Profissional e Tecnológica. Anais e deliberações da I Conferência  Nacional de Educação Profissional e Tecnológica. Brasília: Ministério da  Educação, Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. 2007.  MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. O Plano de Desenvolvimento da  Educação (PDE): razões, princípios e programas. 2007.  SAVIANI, Dermeval. Educação brasileira: estrutura e sistema. 7.ed.  Campinas : Autores Associados, 1996.  _________________. A nova lei da educação: LDB, trajetória,  limites e perspectivas. Campina: Autores Associados, 1997. ‘