SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Baixar para ler offline
ARTEMÍSIA - (Artemísia Vulgaris)
Também chamada “erva do fogo”.
Família da Planta
Asteracea (família da flor solar), subfamília – Asteroidae.
Natureza
A folha de Artemísia Vulgaris é amarga e picante, produz aquecimento quando usada em
pequenas quantidades e calor forte quando em grandes quantidades.
Sua natureza é Yang.
Origem
Temperada: Europa e Ásia.
Na china é oriunda da região Norte.
Em grego Artemísia significa integridade e boa saúde.
Ela é a erva da mulher, para recompor o Eu feminino, para ajudar a mulher a se
integrar muito mais no seu papel, com sua maternalidade e sensibilidade. É ótima para
mulheres que precisam ser sempre fortes ou que não se assumem inteiramente, pois
precisam fazer numa grande parte da sua vida papel de homens. Essas mulheres têm
normalmente problemas menstruais. Também é conhecida desde a antigüidade por
ajudar nos partos. Seu nome provém da deusa Artemis, que era a protetora dos partos e
deusa da caça na mitologia Grega.
A Artemísia deve ser usada por pessoas que constantemente precisam de uma
limpeza energética profunda, e quando há necessidade de limpeza profunda de toxinas
físicas e energéticas.
Num almanaque médico astrológico de épocas renascentistas apareceu escrito por
um autor desconhecido os segredos da Artemísia: “Infunde alento, ânimo e força, a quem
a trouxer consigo junto do coração. Essa erva, bebida num copo de vinho branco, tira logo
o cansaço do caminho. E tem outra rara virtude, que o caminhante que a trouxer, sentirá
muito menos o caminhar”.
USO CULINÁRIO:
Licor De Artemísia
300 g de erva fresca, lavada e seca.
3 buquês de sabugueiro
Colocar essas ervas num vidro e cobri-las com pinga de boa qualidade e baixo teor
alcoólico.
Deixar repousar por 21 dias
No dia marcado, coar a pinga para garrafas escuras, deixando-as pela metade e o resto
completar com calda grossa de açúcar.
Deixar repousar em lugar escuro por 45 dias.
Esse licor, se tomado regularmente evita a entrada de qualquer energia negativa.
OUTROS USOS:
• Os emplastos de Artemísia no plexo solar, limpam, energizam e dão coragem.
• Os escalda pés de Artemísia evitam doenças renais.
• Ramos de Artemísia presos as portas da casa evitam a entrada de inveja e
qualquer energia negativa.
• As vassouras feitas com Artemísia protegem o ambiente e atraem espíritos
benfazejos.
• Os banhos de imersão com chá forte de Artemísia, facilitam o parto e ajudam os
muito nervosos, neuróticos e histéricos.
A Artemísia é a principal erva do aparelho uro-genital feminino. Previne doenças,
regulariza o ciclo menstrual, alivia as cólicas.
Também é empregada para anemia, cólicas, debilidade do estômago, gastrite,
menstruação deficiente, nervosismo, nevralgia.
Tem excelente ação diurética, e por isso ajuda muito no funcionamento e na limpeza
constante dos rins.
Para prevenção e tratamento dos problemas femininos, usa-se a Artemísia, com a
tanchagem e o sabugueiro.
MOXABUSTÃO
É denominado moxa um material com folha de artemísia moída e preparado sob a
forma de bola de algodão; ela é utilizada para queimar sobre o ponto de aplicação. A
origem da palavra, "moxa" é atualmente derivada do japonês.
Para propósito da terapia pela moxa, é considerado benéfico o uso da planta
moxa, seca e fragmentada até tornar-se pó ou moxa “lã”, tornando-se fácil de modelá-la
em cones ou juntá-la formando “bastões”. Deste modo, além de queimar bem, apresenta
um odor “agradável” e produz um calor penetrante.
A planta cresce em climas variados, tornando-se de baixo custo. Por estas razões,
esta planta (Artemísia Vulgaris) é o material mais popularmente usado para cauterização,
nos últimos 2000 anos.
As folhas frescas da Artemísia Vulgaris são colhidas na primavera e expostas ao
sol para secar, em seguida são trituradas, examinadas e filtradas para remover areia ou
talos mais grosseiros, e depois são novamente expostas ao sol. Este processo é repetido
até que seja obtida a consistência que é de pó fino, macio e branco. A moxa que é
utilizada para cauterização direta sobre a pele de ser extremamente fina, para que possa
ser amassada e modelada em cones firmes que não se desfaçam, enquanto para
cauterização indireta não necessita ser tão fina.
Os médicos chineses referem que quanto mais velha for a moxa, melhores os
resultados obtidos, porém é importante que ela seja guardada em um recipiente seco e
exposta ao sol, periodicamente.
Funções:
Por ter a Moxabustão o efeito de tonificar o Yang do corpo, ela é utilizada na China
de forma caseira, tratando principalmente os idosos para minimizar os desconfortos da
velhice e conseguir uma longevidade saudável. Nas crianças, melhora o crescimento e a
vitalidade para os estudos e trabalhos que queiram realizar. É uma tradição milenar
cultivada no âmago da família, para prevenir e tratar as enfermidades e debilidades mais
comuns do dia-a-dia.
Por ter uma ligação mais próxima com o elemento Fogo, ela é mais utilizada nos
locais de clima frio, onde esse elemento enfraquece, usando também nas pessoas que
apresentam também deficiência nos órgãos ligados a esse elemento.
Em alguns tratamentos, onde o paciente encontra-se extremamente debilitado, é
contra-indicado o uso de agulhas, e indica-se o tratamento com a aplicação gradual e
progressiva de Moxa, melhorando com isso a atividade orgânica (Yang), e dando
melhores condições de defesa orgânica.
Usa-se Moxa também em problemas relacionados com a musculatura (rigidez,
dores, contraturas), afim de liberar a energia perversa ali contida, relaxando e auxiliando o
aporte sangüíneo e energético da área afetada.
A moxa tem a finalidade de aquecer o qi e o sangue nos meridianos, tratando a
Síndrome por frio e umidade, aquecer o útero, regularizar a menstruação e tonificar o
Yang. No Ling Shu existe a referência de que: “Quando a acupuntura é ineficaz, a moxa
é apropriada”. Essa passagem do livro refere-se ao uso da moxa no tratamento pelo frio
em que a aplicação somente das agulhas é relativamente ineficaz.As vezes a moxa
sozinha é mais eficaz do que a aplicação de acupuntura, e outras vezes ambas são
sinérgicas.
A aplicação da moxa esta indicada para um enorme número de enfermidades,
entre algumas podem ser citadas a asma, diarréia, dor reumática, vômito, dor abdominal e
determinadas desordens ginecológicas. Em 1998 um estudo publicado pelo Journal of
the American Medical Association, 75% das mulheres gravidas que possuíam alteração
do posicionamento fetal da criança e utilizaram a moxabustão tiveram os fetos colocados
na posição normal. A moxabustão aumenta significadamente os movimentos fetais na
gestante.
No Su Wen livro do Clássico de medicina interna do Imperador Amarelo, no Cap 12
existe a afirmação:
“No distrito norte em sua maioria terras altas, onde o vento é frio, que se oculta e esconde
como o inverno, o povo vive nas montanhas e colinas, e o vento frio freqüentemente varre
as terras geladas. O povo do local gosta do estado selvagem a fim de beber leite de vaca
e ovelha. Neste caso, suas vísceras podem facilmente contrair frio e ocorrer a
enfermidade da distensão abdominal. Ao tratar a doença, deve ser usada a moxabustão,
por isso a terapia de moxabustão provém do norte.”
Outra função da moxabustão é a indução do fluxo de qi e Xue para cima ou para
baixo. Por exemplo, a moxabustão no Yongguan para tratar desordens causadas por
excesso na parte superior e deficiência na inferior . Se a desordem é uma deficiência na
porção superior e excesso na inferior do corpo causando afundamento do qi pela
deficiência originando prolapso do ânus , prolapso uterino diarréia prolongada, deve-se
utilizar a moxabustão no ponto BaiHui para trazer o qi para região superior.
Para se prevenir de doenças e manter a saúde, existe um ditado chinês que diz:
“Qualquer um que viajar pelo sudoeste da China, pelas províncias de Tunnan e Sichuan,
deve fazer moxabustão em 2 ou 3 para prevenir malaria, doenças epidemicas e
pestilência.”
Existe ainda a seguinte crença: “Deve-se realizar moxabustão no Suzanli, Guangyaun,
qihai, mingmen e Zhongwan, para se ter uma vida longa e saudável de pelo menos uma
centena de anos”.
Tipos de moxa e suas Aplcaçôes
Existem basicamente 2 métodos de aplicação de moxa: O método direto e o indireto. Na
antiguidade utilizava-se mais o método direto, porém com a evolução desenvolveu-se o
método indireto que atualmente são os mais populares.
Moxabustão direta:
Criticada por alguns terapeutas por lesionar a pele no local da aplicação além da
sensação desagradável da queimadura, tem sua utilização precisa e eficaz principalmente se
usada no sentido de tonificar (pontos de tonificação) os meridianos e suas funções, bem
como nos pontos das extremidades dos dedos. Seu efeito de tonificação é muito bom,
compensando o mau estar momentâneo com uma boa vitalização geral e principalmente das
funções inerentes ao ponto cauterizado.
Aplica-se um cone de moxa branca (menor que um grão de arroz) diretamente sobre
o ponto.
Outra forma, menos usada atualmente, consiste em colocar o cone de moxa
diretamente sobre a pele nos pontos de acupuntura selecionados e queimá-los. Para
aumentar a penetração de calor na pele, o pó de moxa pode se misturar com cravo-da-
índia ou canela em pó, assim como o óleo de alho pode ser usado para untar a pele e a
fim de fixar o cone.
Repete-se a aplicação dos cones no total de sempre números impares geralmente
chegando de 7 a 9.
Moxabustão Indireta:
Geralmente um material é colocado sobre a moxa incandescente e a pele, tornando-se
menos doloroso que os métodos diretos, e menos risco de infecção.
São usadas várias substâncias entre elas estão:
Gengibre, Alho e Sal.
Moxa com sal - É utilizada apenas no ponto 8VC. Enche-se o umbigo com sal marinho e
aplica-se pequenos "cones" de moxa no local. A aplicação deve ser feita com o máximo
de cuidado possível, pois o sal retém calor e se o cone não for retirado na hora certa,
pode-se provocar dores e queimaduras.
Moxa com gengibre - Corta-se uma fatia fina de gengibre e faz-se 5 pequenos furos.
Aplica-se os "cones" de moxa por cima do gengibre que deverá estar bem em cima do
ponto a ser trabalhado. Controla-se o aquecimento afastando-se o gengibre da pele.
Moxa com Bastão-O Bastão de Moxa é como um grande charuto que deve ser aplicado
aproximando-se a ponta incandescente do ponto ou da região a ser tratada, procurando,
com o máximo de cuidado, aquecer bem o local. Podendo ser aplicado também em forma
de cigarro, é a maneira mais prática e talvez por isso a mais difundida de se aplicar a
Moxabustão.
O uso do bastão ou cilindro de moxa foi desenvolvido na dinastia Ming como um
método conveniente, com consumo menor de tempo e com controle maior do que as
outras formas de moxa. Estes bastões são manufaturados atualmente e se tornaram
populares.
Tal como todos os métodos indiretos de moxa, a moxa seca não é colocada na
superfície da pele; nem é moldada em cones, mas sim a lã que é enrolada firmemente em
um papel de embrulho, com cerca de 15cm de comprimento, parecendo-se charuto. O pó
de certas outras ervas medicinais podem ser misturadas aos bastões de moxa. Alguns
tipos usados na China, contém 24g de moxa e 6g de pó feito de quantias iguais das
seguintes ervas moídas: canela, gengibre seco, canela da índia, pimenta, realgar
(xionghua), Sassurea Lappa (muxiang), Angélica sp.(duhuo), Asarun sieboldi (xixin),
Angélica dahurica, Atractylodes iancea (cangshu), mirra e olíbano.
O bastão de moxa aceso em uma das pontas é mantido cerca de 1 cm da
superfície da pele, porém, a distância varia de acordo com a tolerância do paciente e da
quantidade de estímulo térmico que se deseja. Normalmente ele é queimado até a pele
ficar vermelha na adjacência do ponto.
Dois métodos:
Movimento circular com o bastão: A finalidade é espalhar o foco do estímulo térmico no
tratamento de dor que abrange áreas grandes de lesões de tecidos moles.
“Picada de pardal”: O bastão de moxa pica rapidamente o ponto sem tocar na pele. Esse
método facilita a penetração de calor e é, por isso, utilizado quando se deseja estímulos
fortes.
Cilindros aquecidos
Consiste em queimar a moxa dentro de um recipiente de metal, usado com
freqüência para tratar crianças ou pacientes que têm medo de outros métodos de
cauterização. Após a moxa ser acesa dentro do recipiente, ela é colocada por pouco
tempo em um ponto de acupuntura selecionado, removendo-se e colocando até que a
pele fique vermelha.
“Moxa” elétrica
Este método, desenvolvido recentemente, representa simplesmente um aparelho
de aquecimento elétrico, especialmente desenhado para aquecimento em pontos
específicos. Esse método possui certa “desvantagem” pois para a acupuntura clássico o
efeito da queima da Artemísia Vulgaris desprende uma energia similar ao do corpo
humano. O efeito neste caso seria puramente térmico. Além da o pinheiro e o eucalipto é
dito possuir o mesmo padrão energético do corpo humano.
Moxabustão com agulha de acupuntura
Utiliza-se por vezes a moxabustão juntamente com a agulha de acupuntura.
Quando se deseja um aquecimento profundo pela moxa a agulha serve de transmissor
para esse estimulo. Pode-se fixar a moxa ao cabo da agulha ou usar um chapéu de moxa
evitando assim acidentes e queimaduras.
Moxabustão Auricular
A orelha está intimamente relacionada aos meridianos e órgãos Zang Fu, a moxabustão
pode aquecer e drenar os meridianos, ativar o qi e a circulação do sangue, reduzir a
sudorese, acabar com a dor e regular as funções dos órgãos. Pode-se usar fumigação do
bastão de moxa ou moxabustão com tubo de junco aceso. A moxabustão auricular
oferece melhor efeito terapêutico ao tratar paralisia facial (Em um estudo com 74
pacientes foram tratados com um índice curativo de 56,76% e o índice efetivo de 98,65%),
dor oftálmica, caxumba, síndrome Bi dolorosas e herpez zoster, síndrome de deficiência
por frio, crianças, mulheres grávidas, pacientes com constituição fraca e sérias doenças
sistêmicas.
Moxabustão com óculos de casca de noz
A armação dos óculos é feita de arame de ferro, provida de um gancho na frente
usado para fixar bastões de moxa. Durante a moxabustão, coloca-se uma casca de noz,
que foi previamente imersa em no chá de crisântemo por 3 a 5 minutos, na armação dos
óculos e então coloca-se um bastão de moxa de 1,5 cm no gancho de ferro. Acende-se o
final externo do bastão de moxa e aplica-se moxabustão de 1 a 3 cones no olho afetado.
Essa técnica mostrou-se eficaz no tratamento da conjuntivite, terçol, miopia, catarata senil
e atrofia óptica.
A noz esta relacionada ao meridiano do rim e tem a função de nutrir o rim e
melhorar a visão; o crisântemo, relacionado ao fígado tem função de nutrir o fígado e o
rim, e disseminar o vento e clarear os olhos; a moxa penetra os meridianos do fígado e
baço, ativando a circulação de sangue e qi, drenar o meridiano e mover o qi removendo a
estagnação e melhorando a visão.
Aplicação de “Moxa em forma Serpente ou Moxa em forma de Corda”
Tem a características de ser utilizada em uma região maior e produz calor ainda
mais forte, sendo mais efetiva que a moxabustão normal. Tem funções de aquecer e
tonificar o Yang do meridiano DM fortalecendo o qi original, e promovendo o fluxo de qi e
sangue. Este método é adequado para todos os sintomas do meridiano DM e algumas
condições crônicas, deficientes ou frias como a Síndrome Bi (incluindo artite reumatoide),
lombalgia, asma, síndrome de deficiência, hepatite crônica e hepatite B.
Procedimento: O paciente deita-se em postura de decúbito ventral, então fazendo uma
esterilização de rotina na região da coluna espinhal, aplicando um pouco de suco de alho
e pó Banshe na linha mediana da coluna espinhal, e depois aplica-se o alho amassado a
partir do Dazhui ao Yaoshu com 2 polegadas de largura e 0,5 polegadas de espessura.
Depois, coloca-se a moxa no alho amassado com o formato de uma “serpente” e então se
acende no ponto inicial, ponto médio e no fim. Depois de queimado deve-se repetir um
total de 2 até 3 vezes. Quando a moxabustão for finalizada remove-se o alho amassado
com uma toalha úmida e aquecida. Podem aparecer bolhas depois da moxabustão.
Durante um mês depois da moxabustão o paciente deve evitar: comida crua, fria,
oleosa, doce e de sabor forte. Recomenda-se o frango, ganso e peixe; não se deve tomar
banho frio, evitar o vento frio e relações sexuais.
Contra - indicações
- Em inchações.
- Gravidez (todo o meridiano do Bp, os pontos abaixo do umbigo, locais onde
passam nervos importantes, e nos pontos 4IG, 60B, 67B, 12E, 11F, 36E, e 3F).
* Em estado febril.
- Na região da cabeça em crianças.
* Em intoxicados.
- Durante fortes manifestações pluviométricas.
- Sobre vasos e artérias.
- O ponto 36E em crianças (pode causar distúrbios no crescimento).
* No rosto.
ALGUNS TRATAMENTOS ATRAVÉS DA MOXABUSTÃO
1) Regularizar as funções gastrointestinais - 36E + 8VC
2 ) Aumentar a energia corporal - 36E + 8VC + 4VG
3 ) Angústia - 17VC
4 ) Dificuldade Respiratória - 17VC
5 ) Ausência de lactação (fora da gravidez) - 17VC
6 ) Tosse - 22VC
7 ) Deglutição difícil - 22VC
8 ) Expelir catarro retido nos brônquios - 12B
9 ) Desenvolvimento físico e intelectual (crianças) - 2BP + 3BP
10) Crise Hipertensiva - 11IG + 7C + 36E
11) Terçol - 3IG + 4IG
Aerofagia VC12 + B21
Afonia C7 + VG14 + IG4 + VC22
Aftas VC12 + R27 + E45
Amenorréia BP6 + VC4 + F9
Angústia B13 + VC17
Ansiedade C7
Apatia C9 + F8
Arritmia VC14 + B15
Artrite Locais + E41
Artrose Locais
Asma B13 + IG4 + VG14 + P5 ou 1P (crise)+ 17VC
(dispnéia)+ 22VC (tosse)+ 12B (catarro)
Azia VC12 + B21 + R27
Bradicardia VC14 + B15 + C9
Bronquite B13 + B11 + IG4 + VG14 + P9 ou 1P (crise)+ 17VC
(dispnéia)+ 22VC (tosse)+ 12B (catarro)+ 13B
Bursite IG15 + TA14
Cervicalgia VG14 + ID3 (lado oposto) + VB21
Ciatalgia B28 + VB30 + B54 + B60
Cistite VC2 + VC3 + B28
Cólicas Menstruais VC4 + B23 + BP6
Colite B25 + E25
Congestão Nasal IG4 + P10 + IG20
Constipação Intestinal E25 + B25 + VC4 + IG4
Depressão C7 + VG20 + VC4 + VC6 + VC17
Diabete BP6 + B20 + F3
Diarréia VC8 + IG4 (fonte) + B25 + E36
Dismenorréia BP6 + B18 + F3
Distensão Local + F9 + VB34
Distensão Abdominal E25 + B25 + E36
Dores de Estômago E36 + VC12 + B21
Dorsalgia B19 + B20 + B21 (locais)
Emagrecimento VC4 + B27 + BP2
Entorse Local + E36 + VB34
Enxaqueca VG20 + VB20 + VB21 + IG4 + BP6 (mulher) + E36
(homem)
Epicondilite ( cotovelo de
tenista )
ID8 + IG10 + IG11 + IG4
Esporão de Calcâneo Moxa Coreana Local
Falta de Apetite E36 + VC4 + E41
Falta de Ar B13 + VC17 + P1
Falta de Energia Pontos abaixo do umbigo + E36 + TA5 (idosos)
Febre Gelo no IG11
Flatulência E25 + VC12 + B21
Gastrite E36 + VC12 + CS6 + E45 + B21
Gengivite E45 + IG4 + R27
Gripe B13 (AsP) + IG4 + VC17
Hemorróidas VG20 + F9 + BP10 + C8
Hepatite F2 + F14 + VC8
Hérnia de Hiato E36 + VC12 + CS6 + VC14
Hipermenorragia BP2 + BP3
Hipertensão IG11 + R7 + sangria na ponta sup. da orelha.
Hipotensão C9 + B23
Incontinência Urinária B23 + R7 + VC4
Inflamação na Garganta VC23 + VG14 + R27 + 4IG
Insônia VG20 + R7 + VB21 + BP5 (se acorda muito) + F2 (se
custa a dormir)
Irritação F2 + VB34
Lombalgia B54 + B23
Luxação Local + E36 + VB34
Má Circulação C9 + B15 + VC14
Má Digestão F2 + E36 + VC12
Medo R7 + VC6
Meniscos Local + E35 + E36 + B54
Náuseas E36 + VC12 + Cs6
Pneumonia B13 + IG4 + VC17 + P1
Raiva F2 + VB34 + B15
Retenção de Líquidos R7 + BP6
Rinite B13 + IG4 + IG11
Rouquidão VC22 + VC23 + VG14 + IG4 + E9
Sinusite B13 + IG4 (1P se tiver dor de cabeça frontal) - Do-in
varrendo a face
Sub-luxação Local + E36 + VB34
Taquicardia VC14 + B15 + C7
Tendinite Locais + E41
Tonteira Moxa - F2 + VB34 ou ID19 + R7 + VB21 Do-in -
Região do labirinto no pé + VB21
Torcicolo ID3 do lado oposto
Tosse B13 + IG4 + VC23 + VC22
Tristeza VC8 + B13
Úlceras E36 + VC12 + B21
Vômitos VC12 + E45 + F2 + Cs6
Localização de Pontos
1) 11IG - No lado externo da articulação do cotovelo, no final da prega
2) 11P- Ângulo externo da unha do polegar.
.
3) 7C - Entre a ulna e o escafóide, por fora do tendão.
4) 9C - Ângulo externo da unha do dedo mínimo.
5) 12B - A 1,5 t'sun do meio da coluna, na linha do espaço entre a
2a e a 3a vértebras torácicas.
6) 1R - Na sola do pé, no meio do côncavo de flexão do dedo.
7) 20IG - Ao lado da narina, abaixo do arco da asa do nariz.
.
8) 1IG - Ângulo externo da unha do dedo indicador.
9) 3IG - Atrás do nódulo do 1o metacarpo, na parte interna.
10) 4IG - Entre os dois primeiros metacarpos.
11) 45E - No Ângulo externo da unha do segundo dedo do pé.
12) 20VB - Na depressão abaixo do osso occipital, a 1,5 t'sun da linha média.
13) 2BP- Na articulação falange-metatarsiana do 1o dedo, onde a pele muda de cor.
14) 3BP- No côncavo atrás do nó do 1o metatarso, onde a pele muda de cor.
15) 3C - No lado interno do cotovelo, no final da prega de flexão.
16) 8VC - No meio do umbigo.
17) 17VC - Na linha dos mamilos, sobre alinha média do corpo.
18) 22VC - No meio do buraco formado pela artic. esterno-clavicular.
19) 9E - Ao lado do Pomo de Adão, próximo à artéria carótida.
20) 25VG - No meio da ponta do nariz.
21) 26VG - Na depressão formada pelo lábio superior.
22) 36E - 3 t'suns abaixo do joelho, entre a tíbia e a fíbula.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A arte da massagem apostila 1
A arte da massagem apostila 1A arte da massagem apostila 1
A arte da massagem apostila 1wellizyf
 
Apostila massagem tui na - Edduc
Apostila massagem tui na - EdducApostila massagem tui na - Edduc
Apostila massagem tui na - Edducedduc
 
Conceitos Fundamentais e diagnóstico em Acupuntura/MTC
Conceitos Fundamentais e diagnóstico em Acupuntura/MTCConceitos Fundamentais e diagnóstico em Acupuntura/MTC
Conceitos Fundamentais e diagnóstico em Acupuntura/MTCcomunidadedepraticas
 
Pontos Fonte E Lo
Pontos  Fonte E  LoPontos  Fonte E  Lo
Pontos Fonte E LoRenata Pudo
 
Reflexologia guia prático
Reflexologia   guia práticoReflexologia   guia prático
Reflexologia guia práticoprojetacursosba
 
A massagem chinesa manual de massagem terapêutica
A massagem chinesa   manual de massagem terapêuticaA massagem chinesa   manual de massagem terapêutica
A massagem chinesa manual de massagem terapêuticaprojetacursosba
 
Reflexologia Podal
Reflexologia PodalReflexologia Podal
Reflexologia PodalHugo Pedrosa
 
História da massagem thiago nishida
História da massagem   thiago nishidaHistória da massagem   thiago nishida
História da massagem thiago nishidaThiago Nishida
 
O clássico do pulso uma tradução do mai jin - wang shu-he & yang shou-zhong[1]
O clássico do pulso   uma tradução do mai jin - wang shu-he & yang shou-zhong[1]O clássico do pulso   uma tradução do mai jin - wang shu-he & yang shou-zhong[1]
O clássico do pulso uma tradução do mai jin - wang shu-he & yang shou-zhong[1]Rodrigo Bastos
 
Conceitos Básicos de Recursos Terapêuticos em Acupuntura/MTC
Conceitos Básicos de Recursos Terapêuticos em Acupuntura/MTCConceitos Básicos de Recursos Terapêuticos em Acupuntura/MTC
Conceitos Básicos de Recursos Terapêuticos em Acupuntura/MTCcomunidadedepraticas
 
Terapias complementares
Terapias complementaresTerapias complementares
Terapias complementaresSônia Marques
 

Mais procurados (20)

Medicina chinesa - fundamentos
Medicina chinesa - fundamentosMedicina chinesa - fundamentos
Medicina chinesa - fundamentos
 
Massagens de Pedras Quentes
Massagens de Pedras QuentesMassagens de Pedras Quentes
Massagens de Pedras Quentes
 
Shiatsu I
Shiatsu IShiatsu I
Shiatsu I
 
A arte da massagem apostila 1
A arte da massagem apostila 1A arte da massagem apostila 1
A arte da massagem apostila 1
 
Anamnese shiatsu
Anamnese shiatsuAnamnese shiatsu
Anamnese shiatsu
 
Diagnóstico em MTC
Diagnóstico em MTCDiagnóstico em MTC
Diagnóstico em MTC
 
Apostila massagem tui na - Edduc
Apostila massagem tui na - EdducApostila massagem tui na - Edduc
Apostila massagem tui na - Edduc
 
Pedras bambu e argila
Pedras bambu e argilaPedras bambu e argila
Pedras bambu e argila
 
Conceitos Fundamentais e diagnóstico em Acupuntura/MTC
Conceitos Fundamentais e diagnóstico em Acupuntura/MTCConceitos Fundamentais e diagnóstico em Acupuntura/MTC
Conceitos Fundamentais e diagnóstico em Acupuntura/MTC
 
Pontos Fonte E Lo
Pontos  Fonte E  LoPontos  Fonte E  Lo
Pontos Fonte E Lo
 
Reflexologia guia prático
Reflexologia   guia práticoReflexologia   guia prático
Reflexologia guia prático
 
A massagem chinesa manual de massagem terapêutica
A massagem chinesa   manual de massagem terapêuticaA massagem chinesa   manual de massagem terapêutica
A massagem chinesa manual de massagem terapêutica
 
Reflexologia Podal
Reflexologia PodalReflexologia Podal
Reflexologia Podal
 
Acupuntura sistêmica(aula)
Acupuntura sistêmica(aula)Acupuntura sistêmica(aula)
Acupuntura sistêmica(aula)
 
História da massagem thiago nishida
História da massagem   thiago nishidaHistória da massagem   thiago nishida
História da massagem thiago nishida
 
O clássico do pulso uma tradução do mai jin - wang shu-he & yang shou-zhong[1]
O clássico do pulso   uma tradução do mai jin - wang shu-he & yang shou-zhong[1]O clássico do pulso   uma tradução do mai jin - wang shu-he & yang shou-zhong[1]
O clássico do pulso uma tradução do mai jin - wang shu-he & yang shou-zhong[1]
 
Massagem com pedras quentes (2)
Massagem com pedras quentes (2)Massagem com pedras quentes (2)
Massagem com pedras quentes (2)
 
Interrogatório
InterrogatórioInterrogatório
Interrogatório
 
Conceitos Básicos de Recursos Terapêuticos em Acupuntura/MTC
Conceitos Básicos de Recursos Terapêuticos em Acupuntura/MTCConceitos Básicos de Recursos Terapêuticos em Acupuntura/MTC
Conceitos Básicos de Recursos Terapêuticos em Acupuntura/MTC
 
Terapias complementares
Terapias complementaresTerapias complementares
Terapias complementares
 

Semelhante a Moxabustao apostila

Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida Michele Pó
 
A arte da_massagem_apostilacompleta
A arte da_massagem_apostilacompletaA arte da_massagem_apostilacompleta
A arte da_massagem_apostilacompletaluiz1964
 
Apostila terapias de SPA - Edduc
Apostila terapias de SPA - EdducApostila terapias de SPA - Edduc
Apostila terapias de SPA - Edducedduc
 
Apostilamassagem 140208162920-phpapp02
Apostilamassagem 140208162920-phpapp02Apostilamassagem 140208162920-phpapp02
Apostilamassagem 140208162920-phpapp02Lucia Gaspar
 
Apostila de fitoterapia prof. rogério versolatto
Apostila de fitoterapia prof. rogério versolattoApostila de fitoterapia prof. rogério versolatto
Apostila de fitoterapia prof. rogério versolattoAugusto Santana
 
Apostila do Curso de Fitoterapia Chinesa
Apostila do Curso de Fitoterapia ChinesaApostila do Curso de Fitoterapia Chinesa
Apostila do Curso de Fitoterapia ChinesaRogério Versolatto
 
Tanxagem - Tembetary
Tanxagem - TembetaryTanxagem - Tembetary
Tanxagem - TembetaryPacha Chanez
 

Semelhante a Moxabustao apostila (20)

Tipos de massagem
Tipos de massagem Tipos de massagem
Tipos de massagem
 
Tipos de massagem
Tipos de massagemTipos de massagem
Tipos de massagem
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
 
Tratamentos
TratamentosTratamentos
Tratamentos
 
A arte da_massagem_apostilacompleta
A arte da_massagem_apostilacompletaA arte da_massagem_apostilacompleta
A arte da_massagem_apostilacompleta
 
Tibicos
TibicosTibicos
Tibicos
 
Banho da longevidade
Banho da longevidadeBanho da longevidade
Banho da longevidade
 
Pedras quentes
Pedras quentesPedras quentes
Pedras quentes
 
Apostila massagem
Apostila massagemApostila massagem
Apostila massagem
 
Massagens corporal
Massagens corporalMassagens corporal
Massagens corporal
 
Apostila terapias de SPA - Edduc
Apostila terapias de SPA - EdducApostila terapias de SPA - Edduc
Apostila terapias de SPA - Edduc
 
Apostilamassagem 140208162920-phpapp02
Apostilamassagem 140208162920-phpapp02Apostilamassagem 140208162920-phpapp02
Apostilamassagem 140208162920-phpapp02
 
Massagem
MassagemMassagem
Massagem
 
Apostila massagem
Apostila massagemApostila massagem
Apostila massagem
 
A artedamassagem apostila completa
A artedamassagem apostila completa A artedamassagem apostila completa
A artedamassagem apostila completa
 
A terapia das pedras quentes tcc
A terapia das pedras quentes   tccA terapia das pedras quentes   tcc
A terapia das pedras quentes tcc
 
BANHO DA LONGEVIDADE
BANHO DA LONGEVIDADEBANHO DA LONGEVIDADE
BANHO DA LONGEVIDADE
 
Apostila de fitoterapia prof. rogério versolatto
Apostila de fitoterapia prof. rogério versolattoApostila de fitoterapia prof. rogério versolatto
Apostila de fitoterapia prof. rogério versolatto
 
Apostila do Curso de Fitoterapia Chinesa
Apostila do Curso de Fitoterapia ChinesaApostila do Curso de Fitoterapia Chinesa
Apostila do Curso de Fitoterapia Chinesa
 
Tanxagem - Tembetary
Tanxagem - TembetaryTanxagem - Tembetary
Tanxagem - Tembetary
 

Mais de Fisio Júnias

Diagnóstico com Acupuntura chinesa
Diagnóstico com Acupuntura chinesaDiagnóstico com Acupuntura chinesa
Diagnóstico com Acupuntura chinesaFisio Júnias
 
Cartilha uso de plantas medicinais na caatinga
Cartilha uso de plantas medicinais na caatingaCartilha uso de plantas medicinais na caatinga
Cartilha uso de plantas medicinais na caatingaFisio Júnias
 
Microssistema dente na medicina chinesa
Microssistema dente na medicina chinesa Microssistema dente na medicina chinesa
Microssistema dente na medicina chinesa Fisio Júnias
 
Microssistemas dente olho e nariz na medicina chinesa
Microssistemas dente olho e  nariz na medicina chinesaMicrossistemas dente olho e  nariz na medicina chinesa
Microssistemas dente olho e nariz na medicina chinesaFisio Júnias
 
Microssistema dos dentes
Microssistema dos dentesMicrossistema dos dentes
Microssistema dos dentesFisio Júnias
 
Palestra: Como ter resultados com Drenagem Linfática
Palestra: Como ter resultados com Drenagem LinfáticaPalestra: Como ter resultados com Drenagem Linfática
Palestra: Como ter resultados com Drenagem LinfáticaFisio Júnias
 
Apostila de auriculo
Apostila de auriculo Apostila de auriculo
Apostila de auriculo Fisio Júnias
 
Atlas fotográfico de anatomia del cuerpo humano [3era edicion]
Atlas fotográfico de anatomia del cuerpo humano [3era edicion]Atlas fotográfico de anatomia del cuerpo humano [3era edicion]
Atlas fotográfico de anatomia del cuerpo humano [3era edicion]Fisio Júnias
 
Anatomia para auriculo beleza de aço
Anatomia para auriculo beleza de açoAnatomia para auriculo beleza de aço
Anatomia para auriculo beleza de açoFisio Júnias
 
Apostila+de+auriculoacupuntura+chinesablzdeaco
Apostila+de+auriculoacupuntura+chinesablzdeacoApostila+de+auriculoacupuntura+chinesablzdeaco
Apostila+de+auriculoacupuntura+chinesablzdeacoFisio Júnias
 
Acupuntura estética módulo v blzdeaco
Acupuntura estética módulo v blzdeacoAcupuntura estética módulo v blzdeaco
Acupuntura estética módulo v blzdeacoFisio Júnias
 
Acupunturaestéticamóduloivblzdeaco
AcupunturaestéticamóduloivblzdeacoAcupunturaestéticamóduloivblzdeaco
AcupunturaestéticamóduloivblzdeacoFisio Júnias
 
AcupunturaestéticamóduloIIIblzdeaco
AcupunturaestéticamóduloIIIblzdeacoAcupunturaestéticamóduloIIIblzdeaco
AcupunturaestéticamóduloIIIblzdeacoFisio Júnias
 
AcupunturaestéticamóduloIIblzdeaco
AcupunturaestéticamóduloIIblzdeacoAcupunturaestéticamóduloIIblzdeaco
AcupunturaestéticamóduloIIblzdeacoFisio Júnias
 
AcupunturaestéticamóduloIblzdeaço
AcupunturaestéticamóduloIblzdeaçoAcupunturaestéticamóduloIblzdeaço
AcupunturaestéticamóduloIblzdeaçoFisio Júnias
 
Craniopunturadeamamoto blzdeaco
Craniopunturadeamamoto blzdeacoCraniopunturadeamamoto blzdeaco
Craniopunturadeamamoto blzdeacoFisio Júnias
 
Fundamentos da medicina tradiciona chinesa-blzdeaco
Fundamentos da medicina tradiciona chinesa-blzdeacoFundamentos da medicina tradiciona chinesa-blzdeaco
Fundamentos da medicina tradiciona chinesa-blzdeacoFisio Júnias
 

Mais de Fisio Júnias (18)

Diagnóstico com Acupuntura chinesa
Diagnóstico com Acupuntura chinesaDiagnóstico com Acupuntura chinesa
Diagnóstico com Acupuntura chinesa
 
Cartilha uso de plantas medicinais na caatinga
Cartilha uso de plantas medicinais na caatingaCartilha uso de plantas medicinais na caatinga
Cartilha uso de plantas medicinais na caatinga
 
Microssistema dente na medicina chinesa
Microssistema dente na medicina chinesa Microssistema dente na medicina chinesa
Microssistema dente na medicina chinesa
 
Microssistemas dente olho e nariz na medicina chinesa
Microssistemas dente olho e  nariz na medicina chinesaMicrossistemas dente olho e  nariz na medicina chinesa
Microssistemas dente olho e nariz na medicina chinesa
 
Microssistema dos dentes
Microssistema dos dentesMicrossistema dos dentes
Microssistema dos dentes
 
Microagulhamento
MicroagulhamentoMicroagulhamento
Microagulhamento
 
Palestra: Como ter resultados com Drenagem Linfática
Palestra: Como ter resultados com Drenagem LinfáticaPalestra: Como ter resultados com Drenagem Linfática
Palestra: Como ter resultados com Drenagem Linfática
 
Apostila de auriculo
Apostila de auriculo Apostila de auriculo
Apostila de auriculo
 
Atlas fotográfico de anatomia del cuerpo humano [3era edicion]
Atlas fotográfico de anatomia del cuerpo humano [3era edicion]Atlas fotográfico de anatomia del cuerpo humano [3era edicion]
Atlas fotográfico de anatomia del cuerpo humano [3era edicion]
 
Anatomia para auriculo beleza de aço
Anatomia para auriculo beleza de açoAnatomia para auriculo beleza de aço
Anatomia para auriculo beleza de aço
 
Apostila+de+auriculoacupuntura+chinesablzdeaco
Apostila+de+auriculoacupuntura+chinesablzdeacoApostila+de+auriculoacupuntura+chinesablzdeaco
Apostila+de+auriculoacupuntura+chinesablzdeaco
 
Acupuntura estética módulo v blzdeaco
Acupuntura estética módulo v blzdeacoAcupuntura estética módulo v blzdeaco
Acupuntura estética módulo v blzdeaco
 
Acupunturaestéticamóduloivblzdeaco
AcupunturaestéticamóduloivblzdeacoAcupunturaestéticamóduloivblzdeaco
Acupunturaestéticamóduloivblzdeaco
 
AcupunturaestéticamóduloIIIblzdeaco
AcupunturaestéticamóduloIIIblzdeacoAcupunturaestéticamóduloIIIblzdeaco
AcupunturaestéticamóduloIIIblzdeaco
 
AcupunturaestéticamóduloIIblzdeaco
AcupunturaestéticamóduloIIblzdeacoAcupunturaestéticamóduloIIblzdeaco
AcupunturaestéticamóduloIIblzdeaco
 
AcupunturaestéticamóduloIblzdeaço
AcupunturaestéticamóduloIblzdeaçoAcupunturaestéticamóduloIblzdeaço
AcupunturaestéticamóduloIblzdeaço
 
Craniopunturadeamamoto blzdeaco
Craniopunturadeamamoto blzdeacoCraniopunturadeamamoto blzdeaco
Craniopunturadeamamoto blzdeaco
 
Fundamentos da medicina tradiciona chinesa-blzdeaco
Fundamentos da medicina tradiciona chinesa-blzdeacoFundamentos da medicina tradiciona chinesa-blzdeaco
Fundamentos da medicina tradiciona chinesa-blzdeaco
 

Moxabustao apostila

  • 1. ARTEMÍSIA - (Artemísia Vulgaris) Também chamada “erva do fogo”. Família da Planta Asteracea (família da flor solar), subfamília – Asteroidae. Natureza A folha de Artemísia Vulgaris é amarga e picante, produz aquecimento quando usada em pequenas quantidades e calor forte quando em grandes quantidades. Sua natureza é Yang. Origem Temperada: Europa e Ásia. Na china é oriunda da região Norte. Em grego Artemísia significa integridade e boa saúde. Ela é a erva da mulher, para recompor o Eu feminino, para ajudar a mulher a se integrar muito mais no seu papel, com sua maternalidade e sensibilidade. É ótima para mulheres que precisam ser sempre fortes ou que não se assumem inteiramente, pois precisam fazer numa grande parte da sua vida papel de homens. Essas mulheres têm normalmente problemas menstruais. Também é conhecida desde a antigüidade por ajudar nos partos. Seu nome provém da deusa Artemis, que era a protetora dos partos e deusa da caça na mitologia Grega. A Artemísia deve ser usada por pessoas que constantemente precisam de uma limpeza energética profunda, e quando há necessidade de limpeza profunda de toxinas físicas e energéticas. Num almanaque médico astrológico de épocas renascentistas apareceu escrito por um autor desconhecido os segredos da Artemísia: “Infunde alento, ânimo e força, a quem a trouxer consigo junto do coração. Essa erva, bebida num copo de vinho branco, tira logo o cansaço do caminho. E tem outra rara virtude, que o caminhante que a trouxer, sentirá muito menos o caminhar”.
  • 2. USO CULINÁRIO: Licor De Artemísia 300 g de erva fresca, lavada e seca. 3 buquês de sabugueiro Colocar essas ervas num vidro e cobri-las com pinga de boa qualidade e baixo teor alcoólico. Deixar repousar por 21 dias No dia marcado, coar a pinga para garrafas escuras, deixando-as pela metade e o resto completar com calda grossa de açúcar. Deixar repousar em lugar escuro por 45 dias. Esse licor, se tomado regularmente evita a entrada de qualquer energia negativa. OUTROS USOS: • Os emplastos de Artemísia no plexo solar, limpam, energizam e dão coragem. • Os escalda pés de Artemísia evitam doenças renais. • Ramos de Artemísia presos as portas da casa evitam a entrada de inveja e qualquer energia negativa. • As vassouras feitas com Artemísia protegem o ambiente e atraem espíritos benfazejos. • Os banhos de imersão com chá forte de Artemísia, facilitam o parto e ajudam os muito nervosos, neuróticos e histéricos. A Artemísia é a principal erva do aparelho uro-genital feminino. Previne doenças, regulariza o ciclo menstrual, alivia as cólicas. Também é empregada para anemia, cólicas, debilidade do estômago, gastrite, menstruação deficiente, nervosismo, nevralgia. Tem excelente ação diurética, e por isso ajuda muito no funcionamento e na limpeza constante dos rins. Para prevenção e tratamento dos problemas femininos, usa-se a Artemísia, com a tanchagem e o sabugueiro.
  • 3. MOXABUSTÃO É denominado moxa um material com folha de artemísia moída e preparado sob a forma de bola de algodão; ela é utilizada para queimar sobre o ponto de aplicação. A origem da palavra, "moxa" é atualmente derivada do japonês. Para propósito da terapia pela moxa, é considerado benéfico o uso da planta moxa, seca e fragmentada até tornar-se pó ou moxa “lã”, tornando-se fácil de modelá-la em cones ou juntá-la formando “bastões”. Deste modo, além de queimar bem, apresenta um odor “agradável” e produz um calor penetrante. A planta cresce em climas variados, tornando-se de baixo custo. Por estas razões, esta planta (Artemísia Vulgaris) é o material mais popularmente usado para cauterização, nos últimos 2000 anos. As folhas frescas da Artemísia Vulgaris são colhidas na primavera e expostas ao sol para secar, em seguida são trituradas, examinadas e filtradas para remover areia ou talos mais grosseiros, e depois são novamente expostas ao sol. Este processo é repetido até que seja obtida a consistência que é de pó fino, macio e branco. A moxa que é utilizada para cauterização direta sobre a pele de ser extremamente fina, para que possa ser amassada e modelada em cones firmes que não se desfaçam, enquanto para cauterização indireta não necessita ser tão fina. Os médicos chineses referem que quanto mais velha for a moxa, melhores os resultados obtidos, porém é importante que ela seja guardada em um recipiente seco e exposta ao sol, periodicamente. Funções: Por ter a Moxabustão o efeito de tonificar o Yang do corpo, ela é utilizada na China de forma caseira, tratando principalmente os idosos para minimizar os desconfortos da velhice e conseguir uma longevidade saudável. Nas crianças, melhora o crescimento e a vitalidade para os estudos e trabalhos que queiram realizar. É uma tradição milenar cultivada no âmago da família, para prevenir e tratar as enfermidades e debilidades mais comuns do dia-a-dia. Por ter uma ligação mais próxima com o elemento Fogo, ela é mais utilizada nos locais de clima frio, onde esse elemento enfraquece, usando também nas pessoas que apresentam também deficiência nos órgãos ligados a esse elemento. Em alguns tratamentos, onde o paciente encontra-se extremamente debilitado, é contra-indicado o uso de agulhas, e indica-se o tratamento com a aplicação gradual e progressiva de Moxa, melhorando com isso a atividade orgânica (Yang), e dando melhores condições de defesa orgânica. Usa-se Moxa também em problemas relacionados com a musculatura (rigidez, dores, contraturas), afim de liberar a energia perversa ali contida, relaxando e auxiliando o aporte sangüíneo e energético da área afetada. A moxa tem a finalidade de aquecer o qi e o sangue nos meridianos, tratando a Síndrome por frio e umidade, aquecer o útero, regularizar a menstruação e tonificar o Yang. No Ling Shu existe a referência de que: “Quando a acupuntura é ineficaz, a moxa é apropriada”. Essa passagem do livro refere-se ao uso da moxa no tratamento pelo frio em que a aplicação somente das agulhas é relativamente ineficaz.As vezes a moxa sozinha é mais eficaz do que a aplicação de acupuntura, e outras vezes ambas são sinérgicas.
  • 4. A aplicação da moxa esta indicada para um enorme número de enfermidades, entre algumas podem ser citadas a asma, diarréia, dor reumática, vômito, dor abdominal e determinadas desordens ginecológicas. Em 1998 um estudo publicado pelo Journal of the American Medical Association, 75% das mulheres gravidas que possuíam alteração do posicionamento fetal da criança e utilizaram a moxabustão tiveram os fetos colocados na posição normal. A moxabustão aumenta significadamente os movimentos fetais na gestante. No Su Wen livro do Clássico de medicina interna do Imperador Amarelo, no Cap 12 existe a afirmação: “No distrito norte em sua maioria terras altas, onde o vento é frio, que se oculta e esconde como o inverno, o povo vive nas montanhas e colinas, e o vento frio freqüentemente varre as terras geladas. O povo do local gosta do estado selvagem a fim de beber leite de vaca e ovelha. Neste caso, suas vísceras podem facilmente contrair frio e ocorrer a enfermidade da distensão abdominal. Ao tratar a doença, deve ser usada a moxabustão, por isso a terapia de moxabustão provém do norte.” Outra função da moxabustão é a indução do fluxo de qi e Xue para cima ou para baixo. Por exemplo, a moxabustão no Yongguan para tratar desordens causadas por excesso na parte superior e deficiência na inferior . Se a desordem é uma deficiência na porção superior e excesso na inferior do corpo causando afundamento do qi pela deficiência originando prolapso do ânus , prolapso uterino diarréia prolongada, deve-se utilizar a moxabustão no ponto BaiHui para trazer o qi para região superior. Para se prevenir de doenças e manter a saúde, existe um ditado chinês que diz: “Qualquer um que viajar pelo sudoeste da China, pelas províncias de Tunnan e Sichuan, deve fazer moxabustão em 2 ou 3 para prevenir malaria, doenças epidemicas e pestilência.” Existe ainda a seguinte crença: “Deve-se realizar moxabustão no Suzanli, Guangyaun, qihai, mingmen e Zhongwan, para se ter uma vida longa e saudável de pelo menos uma centena de anos”.
  • 5. Tipos de moxa e suas Aplcaçôes Existem basicamente 2 métodos de aplicação de moxa: O método direto e o indireto. Na antiguidade utilizava-se mais o método direto, porém com a evolução desenvolveu-se o método indireto que atualmente são os mais populares. Moxabustão direta: Criticada por alguns terapeutas por lesionar a pele no local da aplicação além da sensação desagradável da queimadura, tem sua utilização precisa e eficaz principalmente se usada no sentido de tonificar (pontos de tonificação) os meridianos e suas funções, bem como nos pontos das extremidades dos dedos. Seu efeito de tonificação é muito bom, compensando o mau estar momentâneo com uma boa vitalização geral e principalmente das funções inerentes ao ponto cauterizado. Aplica-se um cone de moxa branca (menor que um grão de arroz) diretamente sobre o ponto. Outra forma, menos usada atualmente, consiste em colocar o cone de moxa diretamente sobre a pele nos pontos de acupuntura selecionados e queimá-los. Para aumentar a penetração de calor na pele, o pó de moxa pode se misturar com cravo-da- índia ou canela em pó, assim como o óleo de alho pode ser usado para untar a pele e a fim de fixar o cone. Repete-se a aplicação dos cones no total de sempre números impares geralmente chegando de 7 a 9.
  • 6. Moxabustão Indireta: Geralmente um material é colocado sobre a moxa incandescente e a pele, tornando-se menos doloroso que os métodos diretos, e menos risco de infecção. São usadas várias substâncias entre elas estão: Gengibre, Alho e Sal. Moxa com sal - É utilizada apenas no ponto 8VC. Enche-se o umbigo com sal marinho e aplica-se pequenos "cones" de moxa no local. A aplicação deve ser feita com o máximo de cuidado possível, pois o sal retém calor e se o cone não for retirado na hora certa, pode-se provocar dores e queimaduras. Moxa com gengibre - Corta-se uma fatia fina de gengibre e faz-se 5 pequenos furos. Aplica-se os "cones" de moxa por cima do gengibre que deverá estar bem em cima do ponto a ser trabalhado. Controla-se o aquecimento afastando-se o gengibre da pele. Moxa com Bastão-O Bastão de Moxa é como um grande charuto que deve ser aplicado aproximando-se a ponta incandescente do ponto ou da região a ser tratada, procurando, com o máximo de cuidado, aquecer bem o local. Podendo ser aplicado também em forma de cigarro, é a maneira mais prática e talvez por isso a mais difundida de se aplicar a Moxabustão. O uso do bastão ou cilindro de moxa foi desenvolvido na dinastia Ming como um método conveniente, com consumo menor de tempo e com controle maior do que as outras formas de moxa. Estes bastões são manufaturados atualmente e se tornaram populares. Tal como todos os métodos indiretos de moxa, a moxa seca não é colocada na superfície da pele; nem é moldada em cones, mas sim a lã que é enrolada firmemente em um papel de embrulho, com cerca de 15cm de comprimento, parecendo-se charuto. O pó de certas outras ervas medicinais podem ser misturadas aos bastões de moxa. Alguns tipos usados na China, contém 24g de moxa e 6g de pó feito de quantias iguais das seguintes ervas moídas: canela, gengibre seco, canela da índia, pimenta, realgar (xionghua), Sassurea Lappa (muxiang), Angélica sp.(duhuo), Asarun sieboldi (xixin), Angélica dahurica, Atractylodes iancea (cangshu), mirra e olíbano. O bastão de moxa aceso em uma das pontas é mantido cerca de 1 cm da superfície da pele, porém, a distância varia de acordo com a tolerância do paciente e da quantidade de estímulo térmico que se deseja. Normalmente ele é queimado até a pele ficar vermelha na adjacência do ponto.
  • 7. Dois métodos: Movimento circular com o bastão: A finalidade é espalhar o foco do estímulo térmico no tratamento de dor que abrange áreas grandes de lesões de tecidos moles. “Picada de pardal”: O bastão de moxa pica rapidamente o ponto sem tocar na pele. Esse método facilita a penetração de calor e é, por isso, utilizado quando se deseja estímulos fortes. Cilindros aquecidos Consiste em queimar a moxa dentro de um recipiente de metal, usado com freqüência para tratar crianças ou pacientes que têm medo de outros métodos de cauterização. Após a moxa ser acesa dentro do recipiente, ela é colocada por pouco tempo em um ponto de acupuntura selecionado, removendo-se e colocando até que a pele fique vermelha. “Moxa” elétrica Este método, desenvolvido recentemente, representa simplesmente um aparelho de aquecimento elétrico, especialmente desenhado para aquecimento em pontos específicos. Esse método possui certa “desvantagem” pois para a acupuntura clássico o efeito da queima da Artemísia Vulgaris desprende uma energia similar ao do corpo humano. O efeito neste caso seria puramente térmico. Além da o pinheiro e o eucalipto é dito possuir o mesmo padrão energético do corpo humano.
  • 8. Moxabustão com agulha de acupuntura Utiliza-se por vezes a moxabustão juntamente com a agulha de acupuntura. Quando se deseja um aquecimento profundo pela moxa a agulha serve de transmissor para esse estimulo. Pode-se fixar a moxa ao cabo da agulha ou usar um chapéu de moxa evitando assim acidentes e queimaduras. Moxabustão Auricular A orelha está intimamente relacionada aos meridianos e órgãos Zang Fu, a moxabustão pode aquecer e drenar os meridianos, ativar o qi e a circulação do sangue, reduzir a sudorese, acabar com a dor e regular as funções dos órgãos. Pode-se usar fumigação do bastão de moxa ou moxabustão com tubo de junco aceso. A moxabustão auricular oferece melhor efeito terapêutico ao tratar paralisia facial (Em um estudo com 74 pacientes foram tratados com um índice curativo de 56,76% e o índice efetivo de 98,65%), dor oftálmica, caxumba, síndrome Bi dolorosas e herpez zoster, síndrome de deficiência por frio, crianças, mulheres grávidas, pacientes com constituição fraca e sérias doenças sistêmicas. Moxabustão com óculos de casca de noz A armação dos óculos é feita de arame de ferro, provida de um gancho na frente usado para fixar bastões de moxa. Durante a moxabustão, coloca-se uma casca de noz, que foi previamente imersa em no chá de crisântemo por 3 a 5 minutos, na armação dos óculos e então coloca-se um bastão de moxa de 1,5 cm no gancho de ferro. Acende-se o final externo do bastão de moxa e aplica-se moxabustão de 1 a 3 cones no olho afetado. Essa técnica mostrou-se eficaz no tratamento da conjuntivite, terçol, miopia, catarata senil e atrofia óptica. A noz esta relacionada ao meridiano do rim e tem a função de nutrir o rim e melhorar a visão; o crisântemo, relacionado ao fígado tem função de nutrir o fígado e o rim, e disseminar o vento e clarear os olhos; a moxa penetra os meridianos do fígado e baço, ativando a circulação de sangue e qi, drenar o meridiano e mover o qi removendo a estagnação e melhorando a visão.
  • 9. Aplicação de “Moxa em forma Serpente ou Moxa em forma de Corda” Tem a características de ser utilizada em uma região maior e produz calor ainda mais forte, sendo mais efetiva que a moxabustão normal. Tem funções de aquecer e tonificar o Yang do meridiano DM fortalecendo o qi original, e promovendo o fluxo de qi e sangue. Este método é adequado para todos os sintomas do meridiano DM e algumas condições crônicas, deficientes ou frias como a Síndrome Bi (incluindo artite reumatoide), lombalgia, asma, síndrome de deficiência, hepatite crônica e hepatite B. Procedimento: O paciente deita-se em postura de decúbito ventral, então fazendo uma esterilização de rotina na região da coluna espinhal, aplicando um pouco de suco de alho e pó Banshe na linha mediana da coluna espinhal, e depois aplica-se o alho amassado a partir do Dazhui ao Yaoshu com 2 polegadas de largura e 0,5 polegadas de espessura. Depois, coloca-se a moxa no alho amassado com o formato de uma “serpente” e então se acende no ponto inicial, ponto médio e no fim. Depois de queimado deve-se repetir um total de 2 até 3 vezes. Quando a moxabustão for finalizada remove-se o alho amassado com uma toalha úmida e aquecida. Podem aparecer bolhas depois da moxabustão. Durante um mês depois da moxabustão o paciente deve evitar: comida crua, fria, oleosa, doce e de sabor forte. Recomenda-se o frango, ganso e peixe; não se deve tomar banho frio, evitar o vento frio e relações sexuais. Contra - indicações - Em inchações. - Gravidez (todo o meridiano do Bp, os pontos abaixo do umbigo, locais onde passam nervos importantes, e nos pontos 4IG, 60B, 67B, 12E, 11F, 36E, e 3F). * Em estado febril. - Na região da cabeça em crianças. * Em intoxicados. - Durante fortes manifestações pluviométricas. - Sobre vasos e artérias. - O ponto 36E em crianças (pode causar distúrbios no crescimento). * No rosto. ALGUNS TRATAMENTOS ATRAVÉS DA MOXABUSTÃO 1) Regularizar as funções gastrointestinais - 36E + 8VC 2 ) Aumentar a energia corporal - 36E + 8VC + 4VG 3 ) Angústia - 17VC 4 ) Dificuldade Respiratória - 17VC 5 ) Ausência de lactação (fora da gravidez) - 17VC 6 ) Tosse - 22VC 7 ) Deglutição difícil - 22VC 8 ) Expelir catarro retido nos brônquios - 12B 9 ) Desenvolvimento físico e intelectual (crianças) - 2BP + 3BP 10) Crise Hipertensiva - 11IG + 7C + 36E 11) Terçol - 3IG + 4IG
  • 10. Aerofagia VC12 + B21 Afonia C7 + VG14 + IG4 + VC22 Aftas VC12 + R27 + E45 Amenorréia BP6 + VC4 + F9 Angústia B13 + VC17 Ansiedade C7 Apatia C9 + F8 Arritmia VC14 + B15 Artrite Locais + E41 Artrose Locais Asma B13 + IG4 + VG14 + P5 ou 1P (crise)+ 17VC (dispnéia)+ 22VC (tosse)+ 12B (catarro) Azia VC12 + B21 + R27 Bradicardia VC14 + B15 + C9 Bronquite B13 + B11 + IG4 + VG14 + P9 ou 1P (crise)+ 17VC (dispnéia)+ 22VC (tosse)+ 12B (catarro)+ 13B Bursite IG15 + TA14 Cervicalgia VG14 + ID3 (lado oposto) + VB21 Ciatalgia B28 + VB30 + B54 + B60 Cistite VC2 + VC3 + B28 Cólicas Menstruais VC4 + B23 + BP6 Colite B25 + E25 Congestão Nasal IG4 + P10 + IG20 Constipação Intestinal E25 + B25 + VC4 + IG4 Depressão C7 + VG20 + VC4 + VC6 + VC17 Diabete BP6 + B20 + F3 Diarréia VC8 + IG4 (fonte) + B25 + E36 Dismenorréia BP6 + B18 + F3 Distensão Local + F9 + VB34 Distensão Abdominal E25 + B25 + E36 Dores de Estômago E36 + VC12 + B21 Dorsalgia B19 + B20 + B21 (locais) Emagrecimento VC4 + B27 + BP2 Entorse Local + E36 + VB34 Enxaqueca VG20 + VB20 + VB21 + IG4 + BP6 (mulher) + E36 (homem) Epicondilite ( cotovelo de tenista ) ID8 + IG10 + IG11 + IG4 Esporão de Calcâneo Moxa Coreana Local Falta de Apetite E36 + VC4 + E41 Falta de Ar B13 + VC17 + P1 Falta de Energia Pontos abaixo do umbigo + E36 + TA5 (idosos) Febre Gelo no IG11 Flatulência E25 + VC12 + B21 Gastrite E36 + VC12 + CS6 + E45 + B21 Gengivite E45 + IG4 + R27 Gripe B13 (AsP) + IG4 + VC17 Hemorróidas VG20 + F9 + BP10 + C8 Hepatite F2 + F14 + VC8 Hérnia de Hiato E36 + VC12 + CS6 + VC14 Hipermenorragia BP2 + BP3
  • 11. Hipertensão IG11 + R7 + sangria na ponta sup. da orelha. Hipotensão C9 + B23 Incontinência Urinária B23 + R7 + VC4 Inflamação na Garganta VC23 + VG14 + R27 + 4IG Insônia VG20 + R7 + VB21 + BP5 (se acorda muito) + F2 (se custa a dormir) Irritação F2 + VB34 Lombalgia B54 + B23 Luxação Local + E36 + VB34 Má Circulação C9 + B15 + VC14 Má Digestão F2 + E36 + VC12 Medo R7 + VC6 Meniscos Local + E35 + E36 + B54 Náuseas E36 + VC12 + Cs6 Pneumonia B13 + IG4 + VC17 + P1 Raiva F2 + VB34 + B15 Retenção de Líquidos R7 + BP6 Rinite B13 + IG4 + IG11 Rouquidão VC22 + VC23 + VG14 + IG4 + E9 Sinusite B13 + IG4 (1P se tiver dor de cabeça frontal) - Do-in varrendo a face Sub-luxação Local + E36 + VB34 Taquicardia VC14 + B15 + C7 Tendinite Locais + E41 Tonteira Moxa - F2 + VB34 ou ID19 + R7 + VB21 Do-in - Região do labirinto no pé + VB21 Torcicolo ID3 do lado oposto Tosse B13 + IG4 + VC23 + VC22 Tristeza VC8 + B13 Úlceras E36 + VC12 + B21 Vômitos VC12 + E45 + F2 + Cs6
  • 12. Localização de Pontos 1) 11IG - No lado externo da articulação do cotovelo, no final da prega 2) 11P- Ângulo externo da unha do polegar. . 3) 7C - Entre a ulna e o escafóide, por fora do tendão. 4) 9C - Ângulo externo da unha do dedo mínimo. 5) 12B - A 1,5 t'sun do meio da coluna, na linha do espaço entre a 2a e a 3a vértebras torácicas.
  • 13. 6) 1R - Na sola do pé, no meio do côncavo de flexão do dedo. 7) 20IG - Ao lado da narina, abaixo do arco da asa do nariz. . 8) 1IG - Ângulo externo da unha do dedo indicador. 9) 3IG - Atrás do nódulo do 1o metacarpo, na parte interna. 10) 4IG - Entre os dois primeiros metacarpos. 11) 45E - No Ângulo externo da unha do segundo dedo do pé.
  • 14. 12) 20VB - Na depressão abaixo do osso occipital, a 1,5 t'sun da linha média. 13) 2BP- Na articulação falange-metatarsiana do 1o dedo, onde a pele muda de cor. 14) 3BP- No côncavo atrás do nó do 1o metatarso, onde a pele muda de cor. 15) 3C - No lado interno do cotovelo, no final da prega de flexão. 16) 8VC - No meio do umbigo. 17) 17VC - Na linha dos mamilos, sobre alinha média do corpo. 18) 22VC - No meio do buraco formado pela artic. esterno-clavicular.
  • 15. 19) 9E - Ao lado do Pomo de Adão, próximo à artéria carótida. 20) 25VG - No meio da ponta do nariz. 21) 26VG - Na depressão formada pelo lábio superior. 22) 36E - 3 t'suns abaixo do joelho, entre a tíbia e a fíbula.