SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 110
Baixar para ler offline
Conceitos Básicos de Recursos
Terapêuticos em Acupuntura/MTC
CURSO INTRODUTÓRIO EM MEDICINA
TRADICIONAL CHINESA
RECURSOS DA MEDICINA
TRADICIONAL CHINESA - MTC
•Acupuntura
•Moxabustão
•Ventosoterapia
•Fitoterapia Chinesa
•Tuina ou Tui Ná (massagem)
•Dietoterapia (terapia alimentar chinesa)
•Auriculoterapia (tratamento pelo microssistema auricular)
•Práticas Corporais (exercícios integrados a respiração e circulação
de energia, e meditação como: Chi Kung, o Tai Chi Chuan.
Nossa abordagem no Curso Introdutório
de MTC
Laserpuntura;
Cromopuntura;
Fitopuntura;
Dietoterapia Chinesa;
Auriculopuntura.
ACUPUNTURA
AS AGULHAS
A agulhas são instrumentos filiformes perfurantes,
de ponta não cortante, e sem cânula, por isso não
é um instrumento de punção, e sim de inserção,
de dimensões e calibres variados. (Maciocia, G.
2007)
Figura 1: Agulhas Filiformes
AS AGULHAS
São os estímulos mais utilizados, denominadas
agulhas filiformes (Sistêmicas) são introduzidas
nos Acupontos (depressões, buracos) anatômicos
localizados ao longo do trajeto dos meridianos. O
ponto quando estimulado desencadeia uma efeito
denominado “The Qi” ou “sensação acupuntural”
que pode apresentar-se como choque elétrico,
peso, calor, frio, sudorese.
(Wen, T.S. 2008)
A inserção da agulha no sentido do fluxo do
meridiano exerce efeito de Tonificação. A
inserção da agulha no sentido contrário ao fluxo
da energia (Qi) exerce efeito de Sedação.(Ross, J.
1994)
Figura 2: Agulhamento Abdominal
AS AGULHAS
AS AGULHAS
Outras técnicas denominadas tradicionais e antigas
são também utilizadas para potencialização dos
efeitos terapêuticos.
Alterações nos ciclos de Geração, Dominação e
Contra Dominação resultam em alterações de
estados energéticos patogênicos, onde o
desequilíbrio de um único Elemento em maior ou
menor grau irá determinar condições agudas ou
crônicas de Xie Qi
(Patógenos/Doenças), conforme a agressão em
cada ciclo. (Souza,J.L.2003)
Método de Localização de Acupontos
pela Acupuntura/MTC
 
A MTC possui um sistema próprio para localização
dos Acupontos, para auxiliar na localização dos
pontos as denominadas “Polegadas Chinesas”
também mensuração denominadas “Tsun” ou
“Cun”. (Wen,T.S. 2014).
Cada parte do corpo divide-se longitudinalmente e
transversalmente, de forma proporcional as diversas
partes do corpo, essa medida é denomina “Cun” ou
“Tsun”.
Figura 3: Polegadas Chinesas CUN / TSUN
12
• A vantagem do método, é que o mesmo pode ser
utilizado em adultos, crianças, jovens, adultos,
magros e obesos, sendo proporcional e
individual para cada pessoa.
• Utilizando-se os dedos do próprio paciente,
podemos identificar cinco diferentes
referenciais:
Largura das quatro falanges, ao nível da
articulação interfalangiana corresponde a 3 cun
Largura da primeira falange interfalangiana,
unindo-se os dedos indicador é médio,
corresponde a 1,5 cun
Realizando-se a flexão da falange média do dedo
médio, a distância entre a falange distal e
proximal corresponde a 1 cun
A distância entre a primeira articulação
interfalangiana do dedo indicador e a ponta do
mesmo dedo (indicador) corresponde a 2 cun
A largura da falange do dedo polegar, medida em
nível transversal corresponde a 1 cun
MEDIDAS TRANSVERSAIS
Temos algumas medidas transversais como: distância
entre os dois mamilos 8 cun, distância da linha cubital
do cotovelo até a linha do punho 12 cun, distância da
linha da axila até a linha cubital 9 cun, entre outras
mensurações que podem ser observadas.
MOXABUSTÃO
• Existe ainda, método com utilização de bastão em forma de
pistonagem como movimentos de sobe e desce sobre o ponto, sem
no em tanto entrar em contato com o ponto, e o método de “passar
roupa”, utilizado ao longo do trajeto de um respectivo meridiano.
• Suas indicações são aumentar o fluxo de Xue (sangue) e dispersar
o frio, recuperar o yang, utilizada principalmente em afecções
crônicas. (Maciocia, G. 2005)
Figura 4: Moxaterapia- Botão nos Acupontos do Meridiano da Bexiga
SALMOXOTERAPIA
Técnica utilizada sobre o umbigo (Salmoxaterapia)
com efeitos vermífugos e imunológicos, preservação
da essência ancestral (Jing Qi), energia inata de
origem parental, gerada no momento da concepção
que se mantém segundo a MTC/Acupuntura
armazenada nos Rins, dela depende toda energia yang
ancestral do corpo, entre outros. (Susman, D. 1995)
Figura 5: Salmoxaterapia no Meridiano Vaso Governador
VENTOSOTERAPIA
É a utilização de copos, tradicionalmente de barro,
bambu e vidros, hoje de plástico ou silicone, onde
pelo meio do vácuo queimando-se o oxigênio de
dentro do recipiente com fogo, ou eliminado o ar
através da sucção com pistão de vácuo, produz-se
um tracionamento da pele em graus leve,
moderado e forte, promovendo a liberação do Xue
(Sangue) e Qi ( energia) estagnados. (Brasil, M.S.
2006).
Figura 6: Ventosas de Vidro e Bambú Figura 7: Ventosaterapia na Região Dorsal
Modernamente é entendida como uma técnica de
liberação miofascial que libera toxinas, melhora a
vascularização, irrigação e oxigenação dos tecidos, com
consequente liberação dos impulsos nervosos que
chegam as placas mio neurais, facilitando assim a
recuperação de tecidos lesados.
Purifica o sangue (xue), elimina o vento, efeitos
sobre a pele (glândulas sudoripas), efeitos
articulares, musculares, sobre o sistema nervoso
autônomo, quando utilizada em pontos laterais a
coluna vertebral em ramo próximo ao processos
espinhosos da coluna vertebral (linha espondiléia),
Figura 8: Conjunto de Ventosas de Acrílico
que corresponde na MTC/Acupuntura ao Meridiano
da Bexiga, em quais pontos denominado Pontos
Shu Dorsais, tem efeito diretamente sobre os
gânglios da cadeia simpática atuando diretamente
sobre a função dos órgão vísceras (Zang/Fu).
(Auteroche, B. 1986)
A Ventosa pode ser associada a moxabustão,
acupuntura e a técnicas de sangrias.
MAGNETOTERAPIA
Utilização de imãs (magnetos de ferro), de acordo
com os polos Sul e Norte, de forma específica para
tratamento de disfunções, principalmente
miosteoarticulares.
Os magnetos são colocados na pele e fixados com
micro poro, de acordo com princípios de
tonificação e sedação de cada polo (NORTE/SUL).
(Matheus,M. 1987).
 
Sedação e Tonificação
• Pontos que devem ser sedados - POLO NORTE
em contato com a pele: afecções agudas;
 
• Pontos que devem ser tonificados - Polo SUL em
contato com a pele: afecções crônicas.
(Matheus,M. 1987).
ELETROACUPUNTURA
Utilização de estímulos elétricos em Acupontos, por meio de correte
elétrica de baixa voltagem e baixa amperagem, através de estímulos
elétricos que variam de frequências entre 1 e 1000Hz.
A Eletroacupuntura é mais frequentemente utilizada em trajetos de
meridianos, principalmente em dores agudas com trajeto neural
específicos que coincidem com o trajetos dos Canais de Energia
(Meridianos). (Souza, J.L. 2003).
 Figura 9: Eletroacupuntura na Articulação do joelho
LASERPUNTURA
Utilização de laser de baixa potência, em zona
neuroativa de acupuntura com laser de baixa
potencia com fins terapêuticos, produzidos por
equipamentos específicos.
A Laserpuntura possui efeitos energéticos,
(através da transferência de gradiente energético
ao longo do meridiano), efeitos antiinflamatórios,
cicatriciais, fibrinolítico, drenagem venosa.
(Lacerda, P. 2002).
CROMOPUNTURA
Utilização de estímulos luminosos de diferentes
frequências do expecto por meio de canetas,
lâmpadas em pontos de acupuntura com fins
terapêuticos. 
A inervação da pele por frequências nervosas
específicas de cada nervo, em cada área anatômica do
corpo, permitem uma alteração específica de foto
percepção cutânea, frequência essa que se altera em
estados patológicos e que podem ser normalizada pela
aplicação de frequências específicas em regiões
determinadas pela frequência normal, com a devida
cor na mesma frequência ( Frequências de Nogier:
2,5Hz; 5Hz; 10hz; 20 Hz; 40Hz; 80Hz; 160 Hz), essas
frequências encontram-se no pavilhão auricular, face
e por todo o corpo humano. (Souza, J.L. 2003).
 
FITOPUNTURA
Utilização de sementes de diversas frutas e
cereais com fins terapêuticos, onde o principio
ativo energético da semente é transferido para o
Acuponto por meio da presença de umidade e
calor do corpo ser um ambiente propicio para
transferência da energia latente germinativa da
semente. (Franceschini,S. 2014).
DIETOTERAPIA CHINESA
Os chineses consideram que a maioria do alimentos são
medicinais, e que quando segue-se uma dieta
adequada, se realiza um pouco de exercício e se
incluem exercícios respiratórios, se cuida da higiene
pessoal, se pode remediar as doenças leves.
(Yamamura, I. 2001).
DIETOTERAPIA CHINESA
A dieta segundo a MTC adaptará a alimentação do
paciente a sua constituição física, ao clima e seu estado
de saúde atual.
A dietética chinesa em conjunto com a Acupuntura,
Fitoterapia e a massagem, formam parte dos pilares
terapêuticos fundamentais da MTC. (Yamamura, I.
2001).
DIETOTERAPIA CHINESA
Com a Acupuntura e Massagem mobilizamos e
regulamos a energia, com a fitoterapia e a dieta
preservamos e nutrimos a essência.
DIETOTERAPIA CHINESA
Se a nutrição é adequada, a energia será abundante, os
órgãos estarão bem nutridos e o “SHEN” florescerá ( o
sistema nervoso, nossas emoções estarão em
harmonia).
DIETOTERAPIA CHINESA
A alimentação é essencial para lograr o equilíbrio, a
harmonia e por tanto a saúde será integral.
A MTC classifica os alimentos segundo a energia
intrínseca e a natureza do alimento. (Yamamura, I.
2001).
Alimentos quentes e temperados tonificam,
esquentam, ascendem e movem.
Alimentos neutros, estabilizam, harmonizam e
vão para o centro.
Alimentos frescos e frios, refrescam, sedam,
adstringentes e hidratam.
ALIMENTOS SEGUNDO O SABOR
Cada sabor tem uma característica energética diferente
segundo o efeito que produzem no organismo e traduz
sua digestão. Em quantidade moderada, cada sabor,
tonifica o órgão, em excesso pode danificá-lo.
Uma dieta equilibrada deve conter todos os sabores,
porem com preponderância do sabor doce.
Sabor Ácido: Tonifica o elemento Madeira, o Fígado e a
Vesícula Biliar, tem natureza YIN, com função nutritiva e
de absorção, controla a energia que se dirige para
dentro do Fígado e Vesícula Biliar ( Elemento Madeira).
Os alimentos ácidos são uteis na perda de liquido
orgânico, sudorese excessiva e hemorragias, promovem
a secreção biliar, desintoxica, são alcalinizantes, evitam
o estancamento do Qi, atuam diretamente sobre os
tendões, em excesso podem causar e criar umidade.
Sabor Salgado: Tonificam o elemento AGUA (Rim e
Bexiga), tem natureza yin, movem a energia para baixo
e para dentro, acima e abaixo, suaviza diretamente
sobre os ossos. Em quantidade moderada umidifica ,
lubrifica, abranda, suaviza, desintoxica, quanto em
excesso, estimula os Rins e em consequência também
pode danificá-los, debilita os ossos, o sangue e o
coração.
Sabor Doce: Tonificam o Elemento TERRA (Baço
Pâncreas e Estômago), tem natureza YAN ( ajudam a
descer a energia). Em quantidade moderada,
Harmoniza, refresca, tonifica, promove a produção de
líquidos orgânicos (lubrifica).Em excesso favorece a
produção de umidade e fleuma. Os alimentos doces
segundo a MTC atuam diretamente sobre a carne
(músculos) e estão em maior ou menor quantidade em
muitos os alimentos.
Picante: Tonifica o elemento Metal ( Pulmão e Intestino
Grosso), tem natureza YANG, .,(ajuda a descer e a
ascender a energia, para cima e para fora). Em
quantidade moderada promove a circulação do XUE e
Qi, evitando as estagnações, e os excessos, estimula os
Pulmões movimentando o Qi e o Sangue (XUE).
(Yamamura, I. 2001).
Nota
Os alimentos podem ter mais
de um sabor.
ALIMENTOS SEGUNDO A COR
A cor é vibração, energia e portanto cada
elemento, segundo sua cor, afetará de
diferentes formas o organismo.
• Vermelho: tem afinidade com o Coração, promove a
circulação de sangue, tonifica, aquece, revitaliza e
estimula a sexualidade;
• Amarelo: laranjas, mamão, -tem afinidade pelo Baço
e Pâncreas e Estômago, estabilizam e o equilibram.
• Verde: tem afinidade pelo Fígado, tonifica o sangue
do Fígado, desintoxica e depura;
• Negro: é a cor mais YIN e mais profundo: tem a
afinidade pelo Rim e pela Bexiga, nutrem a energia,
mais profunda do organismo ( JING) e do Sangue,
adstringente e refresca;
• Branco: reforça o Pulmão e o Intestino Grosso.
Purifica. (Yamamura, I. 2001).
ALIMENTOS SEGUNDO A DIREÇÃO
• Ascendente: os alimentos que induzem a ascensão da
energia são em especial, os de sabor DOCÊ + PICANTE,
de natureza QUENTE + TEMPERADA: cebola, alho,
gengibre, pimenta, canela, cravo, tomilho, orégano,
castanhas e nozes;
• São usados em: prolapsos, diarreias, metrorragias,
pesos nas pernas, cansaço, apatia.
• Descendente: são em especial os de sabor AMARGO
+ SALGADO, são de natureza FRIA +FRESCA: Chicória,
Chá, Cerveja de Trigo, e Algas são usados como
laxantes e diuréticos, em cefaleias, dores em parte da
cabeça, hipertensão, náuseas e vômitos. (Yamamura,
I. 2001).
•Movimento: induz a concentrar a energia para cima e
para dentro, são adstringentes.
•São em especial, os sabor ÁCIDO + SALGADO são de
natureza FRESCA + NEUTRA: framboesa, Laranja,
Tangerina, Escargô, Azuki, Tomate, Algas.
• São usados em caso de perda de líquidos orgânicos:
suor, diarreia, hemorragias, vômitos, em pessoas em
convalescência, no inverno;
• Devem ser evitados em caso de febre, resfriado, pois
podem auxiliar o fator patógeno para dentro
(interiorização).
• DISPERSANTES: Induzem a dispersar a energia para
cima e para fora são afrodisíacos, são em especial os
de sabor PICANTE. Os alimentos;
• PICANTES e QUENTES são utilizados para eliminar o
VENTO FRIO: alho, pimenta, gengibre, canela;
• Os PICANTES E FRIOS se usam para eliminar o VENTO
CALOR: menta, rabanete.
ALIMENTOS SEGUNDO O IMPACTO NO
MERIDIANO
Exemplos:
•Pera pelo Meridiano do Pulmão;
•Espinafre: pelo Meridiano do Fígado;
•Laranja: pelo Meridiano do Baço Pâncreas;
•Castanhas: pelo Meridiano do Coração;
•Azuki: pelo Rins. (Yamamura, I. 2001).
NO PREPARO
• Alimentos mais FROS: menos fogo, menos pressão,
mais água e menos sal;
• Alimentos mais Quentes: mais fogo, mais pressão,
menos agua, mais sal.
ALIMENTOS SEGUNDO O MÉTODO DE
PREPARO
Métodos de preparo interferem na energia do
alimento:
•FRIO: Cru
•FRESCO: Escaldado
•NEUTRO: Vapor – Fervido
•TIBIO: Frito – Empanado
•CALIENTE: Cozido, Assado, Reaquecido (Yamamura, I.
2001).
ALIMENTOS SEGUNDO O CONSTITUCIONAL
• YANG: tomar alimentos frescos e neutros, evitar
alimentos quentes e frios;
• Ante o excesso de YANG, se deve evitar alimentos
como nata, manteiga, carnes defumadas, macarrão,
espaguetes, cebola, gengibre, pimenta do reino e
frutos secos.
As pessoas com muito Yang são corpulentas, hiperativas
com , costumam temer o calor e comem e bebem em
excesso. São propensas a enfermidades como
hipertensão, cefaleia, insônia e consequentes
problemas psicológicos.
Quando existe uma deficiência de Yang, a dieta
segundo a MTC, recomenda-se alimentos como: alho,
canela, batatas, frutos secos, trigo, arroz, soja ,milho,
berinjela, aipo, são alimentos que colocam a energia
em movimento.
As pessoas com pouco Yang, são delgadas, com voz
suave, e baixa, sentem frio, tem tendência a cronificar
as enfermidades, principalmente no inverno:
inflamações, faringites, amigdalites, bronquites, são
doenças mais comuns nessa época, também podem
padecerem de asma, cefaleia.
• As pessoas YIN: ingerir alimentos neutros, pouco de
alimentos quentes , moderadamente alimentos
frescos y evitar os frios.
• Quando ocorre um excesso de yin a dieta segundo a
MTC, nesse caso se devem evitar alimentos como
cebola, gengibre, cravo, aipo, carnes como exemplo
de cordeiro e frango, milho, castanhas, frutos secos,
figos.
Os indivíduos com excesso de YIN, tendem a serem
obesos por serem acometidos por retenção de líquidos,
tem extremidades sempre frias, com seus movimentos
lentos, precisam dormir , tem tendência a serem
pessimistas, são fortes candidatos a sofrerem anomalias
como falta de ilusão, depressão, hipotireoidismo,
hipotensão e hipoglicemias.
Quando ocorrer deficiência de Yin a dieta segundo a
MTC, deve se:
•Para se fazer subir o YIN, os alimentos indicados são
berinjelas, pepino, espinafres, Champion, limão, figos,
mexericas, mamão, melões, peras, maças e mangas.
Os indivíduos com o yin baixo são delgados, tem
face escura e pele seca, com corpo quente, mas com
temperatura corporal baixa, não ficam doentes fácil,
porem quando adoecem são por doenças que se
tornam crônicas fácil, são pessimistas, melancólicos,
impacientes, dentem a desenvolverem lombalgias,
ciatalgias, cálculos renais, problemas digestivos,
possuem uma digestão lenta e pesada. Precisam
comer em intervalos regulares. (Yamamura, I. 2001).
ALIMENTOS SEGUNDO O DESEQUILÍBRIO
Patologias tipo Frio
Alimentos de natureza neutra. Tomar algumas vezes
alimentos quentes , evitar os frescos y proibir os
frios. (Yamamura, I. 2001).
ALIMENTOS SEGUNDO O DESEQUILÍBRIO
Patologias do Tipo Calor
Alimentos frescos e neutros, algo de alimentos frios,
proibir os quentes.
ALIMENTOS SEGUNDO A ESTAÇÃO DO ANO
• Inverno: Alimentos neutros, algo de quente (sem excesso), reduzir
alimentos frescos e evitar os frios.
• Verão: Alimentos frescos o neutros, algo de frio (sem excesso), evitar os
alimentos quentes.
•No verão em países quentes pela manhã podemos
ingerir alimentos neutros, frescos, alguns frios como:
cereais, frutas;
•No inverno em países frios a noite, podemos tomar
alimentos neutros, quentes como arroz, castanhas,
nozes, cebola, algo picante. (Yamamura, I. 2001).
OBSERVAÇÕES GERAIS
De acordo com os critérios e segundo o diagnóstico de
cada pessoa determinar os alimentos mais
convenientes para corrigir os desequilíbrios
existentes.
• Se desejamos ficar mais ativos fisicamente e
mentalmente deve os ingerir alimentos mas quentes,
tipo YANG;
• Se desejamos estar mais relaxados e tranquilos
escolheremos alimentos neutros e frescos, tipo yin.
(Yamamura, I. 2001).
Auriculoterapia/Auriculopuntura
Auriculoterapia/Auriculopuntura: Método
terapêutico e analgésico e de regulação pisiquico
orgânica, através de estímulos no Pavilhão Auricular.
(Souza, J.L.2004)
ESCOLAS
• Escola Chinesa utiliza como base para sua
fundamentação a filosofia chinesa, denominanda-se
de Auriculopuntura;
• A Escola Francesa, escola de Paulo Nogier, tem uma
fundamentação fisiológica e embriológica
denominada de Auriculoterapia. (Garcia, E.G. 1989).
Ambas as escolas realizam a localização de pontos e
suas cartografias considerando o pavilhão auricular
como um feto em posição pré-parto.
Figura 10: Somatotopia Auricular Feto
A ESCOLA BRASILEIRA
Utilizando uma junção de conceitos entre as Escolas
Francesa de (Auriculoterapia) e Escola Chinesa de
(Auriculopuntura) originou-se a Escola Brasileira que
compõem-se da fusão dos conceitos das duas Escolas.
MICROSSISTEMA DA ORELHA
“Assim como é em cima é em baixo”
•O Macrocosmo e o Microcosmo
•Microssistema = a parte pelo todo
•Microssistemas do corpo: Língua, Couro Cabeludo,
Face, Mão, Pés, Dentes e a Orelha.
A orelha é o microssistema mais utilizado porque os
estímulos no pavilhão auricular, além de serem
conduzidos até o Sistema Nervoso Central, mais
rapidamente, produzindo seus efeitos, podem ser
mantidos por um período de tempo mais prolongando,
prolongando também os efeitos terapêuticos.
TRATAMENTOS PELA CAUTERIZAÇÃO
Figura 11: Cautérios de Percy
80
• Na antiguidade os Acupontos Auriculares eram
cauterizados, essa técnica foi descrita por vários
autores
• Abaixo figura demonstrando tipo de cautér utilizado
no pavilhão auricular
Figura 12: Cauterização do Hélix Auricular
Áreas para Tratamento da Ciática: abaixo, principais
pontos Cauterizados localizados no Pavilhão Auricular,
para tratamento da Ciática, esse fato levou Paul Nogier a
se interessar pelo tema quando viu pacientes com áreas
auriculares cauterizadas.
Figura 13: Área de Cauterização Somatotopia - Ciática
No Sirilanka se conhece 89 pontos para controle de
deambulação dos Elefantes Nilos, através de estímulos no
pavilhão auricular. (Dulcetti, O. 1994).
Figura 14: Pontos de Controle da Deambulação Auricular
Na Grécia, Hipócrates já utilizava pontos com sangria
pra tratamento da esterilidade, hipertensão, ente
outras afecções.
“Jardim das Delicias”
Obra de Jerônimo Bosch já retrata o uso de
auriculopuntura em 1850, como pontos representando
aparelho genital e tratamento da libido.
(Dulcetti, O. 1994).
Figura 15: Obra : Trípito de Jerônimo Bosch – Museu do Prado
Figura 16: Obra : Trípito de Jerônimo Bosch –
Museu do Prado
86
A seguir, detalhe das duas orelhas justapostas, na obra
representando os testículos, a lancha representa o
pênis e uma flecha transfixa a área que representa o
aparelho reprodutor masculino e ou feminino.
Ao mesmo tempo um diabrete lancetando o ponto da
libido.
Figura 17: Recorte Trípito de Jerônimo Bosch
88
• ZACUTUS LUZITANUS (Médico Português – Século
XVII), realizava cauterização Auriculares para tratar
ciática;
• Dr. Ralken Curicimati (1850) sem conhecer a
Acupuntura realizou cauterização no Hélix para
tratamento da ciática;
• Dr. Luciciani de Batista (1850), também publicou o
trabalho sobre a cauterização Hélix na cura da ciática,
odontalgia;
MARCO HISTÓRICO DA AURICULOTERAPIA
Figura 18: Paul Nogier
•Década de 50 a 60
•A representação na orelha de um feto em
posição pré-natal foi dada por um médico
francês P. Nogier, o qual também em 1958
realizou um estudo sobre a relação de certas
zonas do pavilhão auricular com os órgãos
internos. (Dulcetti, O. 1994).
Auriculoterapia em 1950 é reconhecida pela
OMS
Figura 19: Convenção da OMS – Reconhecimento da Auriculoterapia
91
REFLEXO VÁSCULO NEURAL DE NOGIER
O Reflexo Vásculo Neural de Nogier demonstra que a
realização de um estímulo periférico, no polegar, por
exemplo, levando a uma vasoconstrição local, levará
a uma vasodilatação em área específica
somatotópica no pavilhão auricular. (Dulcetti, O.
1994).
Tipos de Estímulos utilizados para
tratamento no pavilhão auricular
TIPOS DE ESTÍMULOS UTILIZADOS PARA
TRATAMENTO NO PAVILHÃO AURICULAR
• Agulhas Semi-permanentes;
• Agulhas Filiformes;
• Moxa;
• Elétricos;
• Sementes ( Mostarda e Vacaria);
• Pastilhas de Stiper;
• Pontos Ouro, Prata, Inox, Cobre;
• Sangrias;
• Laserauriloterapia;
• Cromoterápico. (Souza, J.L.2003)
Figura 20: Agulha Semi Permanente em Tamanho Aumentado
95
Figura 21: Agulha Filiforme na Orelha
96
Figura 22: Auriculoterapia Sementes-Mostarda (Vacaria)
97
Figura 23: Auriculoterapia Agulha Semi Permanentes
98
Figura 24: Eletroestimulação Auricular
99
Auriculoterapia / Auriculopuntura
Auriculoterapia/Aruriculopuntura
Tem caráter profilático;
Tem eficiência para uso em massa – vasto acesso no
SUS ( Sistema Único de Saúde);
Possui potenciais reais na estimulação de defesa do
organismo doente, como já atestavam os tratados
antigos. (Souza, J.L. 2003).
7 de julho de 2015
100
OS efeitos gerais da Auriuloterapia são:
•Analgésicos;
•Antiinflamatórios;
•Neuromusculares;
•Imunológicos;
•Efeitos Funcionais de Órgãos e Sistemas;
•Efeitos Psíquicos. (Souza,J.L.2003).
Referências Bibliográficas
• BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria MS/GM nº
971, de 3 de maio de 2006 – Aprova a Política Nacional de Práticas
Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Diário
Oficial [da] República Federativa do Brasil – Edição Número 84, p. 20-24.
Brasília, DF, de 04 de maio de 2006.
• GARCIA, E. G. Auriculoterapia. Escola Huang li Chun. São Paulo: Rocca,
1999.
• DULCETTI, O. J. Acupuntuta e Auriculoterapia, Auriculopuntura. Parma.
São Paulo 1994.
• FRANCESCHINI, S.F. Fitopuntura. Roca. São Paulo 2014.
• LACERDA, P. Manual de Laser Acupuntura em Medicina e Odontologia.
Codi. Rio de Janeiro 2002.
• MACIOCIA, G. Os fundamentos da medicina chinesa: um texto abrangente
para Acupunturistas e fisioterapeutas. São Paulo: Roca, 2007.
Referencias Bibliográficas
• MATHEUS, S. Magnetoterapia, uma maneira natural para recuperar a
saúde. 2ª. Edição. M.Matheus de Souza.DC.DM. São Paulo 1989.
• ROMOLI, M. Diagnóstico Acupuntura Auricular. Roca Eugim. São Paulo
2003.
• ROSS, J. Zang Fu: Sistemas de órgãos e vísceras da medicina tradicional
chinesa. São Paulo: Roca, 1994.
• SOUZA, JEAN LUIS: Sistema de Ensino em Acupuntura (SEA), Módulo 1:
Taoísmo. Uberlândia, Center Fisio-Imes, 2003.
• SUSSMANN, DAVID J.; Acupuntura Teoria Y Práctica, Kier Editoda S.A.,
Buenos Aires- Argentina, 1995.
• WEN, TOM SINTAN; Acupuntura clássica chinesa / - [2.ed., 3. Reimp.] –
São Paulo: Cultrix, 2014.
• WEN, TOM SINTAN; Manual terapêutico de acupuntura / editor Wu Tu
Hsing; tradutora Míriam Akemi Kumatsu. – Barueri, SP: Manole, 2008.
• YAMAMURA, Y. Alimentos: aspectos energéticos. A essência dos
alimentos na saúde e na doença. São Paulo: Triom, 2001.
Figura 1 – Disponível em:
http://focobiomedico.blogspot.com.br/2011/08/especializacoes-na-biomedicina.html
Acesso em Agosto de 2015
Figura 2 – Disponível em:
http://www.ific.es/blog/es-de-fiar-la-acupuntura-para-adelgazar/
Acesso em Agosto de 2015
Figura 3 – Disponível em:
http://www.portalunisaude.com.br/arquivos/taoismo.pdf
Acesso em Agosto de 2015
Figura 4 – Disponível em:
http://cunhaharikyu-in.blogspot.com.br/2010/04/moxa-para-cansaco-e-dores-nos-pes.html
Acesso em Agosto de 2015
Figura 5 – Disponível em:
http://quickmassagepassoapasso.com.br/moxabustao/
Acesso em Agosto de 2015
Figura 6 – Disponível em:
http://www.ebramec.com.br/detalhe-galeria.asp?pasta=Ventosa
Acesso em Agosto de 2015
Figura 7 – Disponível em:
http://ipersonae.net.br/site/ventosaterapia/
Acesso em Agosto de 2015
Figura 8 – Disponível em:
http://www.universodaacupuntura.com.br/produtos/ventosas/kit-ventosa-17-copos/
Acesso em Agosto de 2015
Figura 9 – Disponível em:
http://www.tudoporumamassagem.com.br/eletroacupuntura/
Acesso em Agosto de 2015
Figura 10 – Disponível em:
http://templodeluxor.blogspot.com.br/2011/07/segundo-esta-terapia-existe-
relacao.html
Acesso em Agosto de 2015
Figura 11 – Disponível em:
ROMOLI, M. Diagnóstico Acupuntura Auricular. Roca Eugim. São Paulo, 2003.
Figura 12 – Disponível em:
ROMOLI, M. Diagnóstico Acupuntura Auricular. Roca Eugim. São Paulo, 2003.
Figura 13 – Disponível em:
ROMOLI, M. Diagnóstico Acupuntura Auricular. Roca Eugim. São Paulo, 2003.
Figura 14 – Disponível em:
DULCETTI, O. J. Acupuntuta e Auriculoterapia, Auriculopuntura. Parma. São Paulo
1994.
Figura 15 – Disponível em:
http://www.marxist.com/hieronymus-bosch-e-arte-morte-agonica-do-feudalismo.htm
Acesso em Agosto de 2015
Figura 16 – Disponível em:
http://www.marxist.com/hieronymus-bosch-e-arte-morte-agonica-do-feudalismo.htm
Acesso em Agosto de 2015
Figura 17 – Disponível em:
http://www.marxist.com/hieronymus-bosch-e-arte-morte-agonica-do-feudalismo.htm
Acesso em Agosto de 2015
Figura 18 – Disponível em:
http://www.karinsteinke.de/therapie/aurikulo.htm
Acesso em Agosto de 2015
Figura 19 – Disponível em:
http://www.portalunisaude.com.br/arquivos/auriculoterapia.pdf
Acesso em Agosto de 2015
Figura 20 – Disponível em:
http://iimanature.com/es/2009/11/sterile-press-needle/
Acesso em Agosto de 2015
Figura 21 – Disponível em:
http://www.pontomar.com.br/home/
Acesso em Agosto de 2015
Figura 22 – Disponível em:
http://www.tuasaude.com/acupuntura/
Acesso em Agosto de 2015
Figura 23 – Disponível em:
https://eneidaacupuntura.wordpress.com/2012/08/23/auriculoterapia/
Acesso em Agosto de 2015
Figura 24 – Disponível em:
Neves; M. Lisboa: Manual Prático de Auriucloterapia;Editora Merithus,
Porto Alegre – RS, 2013.
Conceitos Básicos de Recursos Terapêuticos em Acupuntura/MTC

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Oficina de Noções Básicas da Medicina Tradicional Chinesa/Acupuntura
Oficina de Noções Básicas da Medicina Tradicional Chinesa/AcupunturaOficina de Noções Básicas da Medicina Tradicional Chinesa/Acupuntura
Oficina de Noções Básicas da Medicina Tradicional Chinesa/AcupunturaFrankly Eudes
 
Apostila massagem tui na - Edduc
Apostila massagem tui na - EdducApostila massagem tui na - Edduc
Apostila massagem tui na - Edducedduc
 
Qi yin yang apresentação(3)
Qi yin yang apresentação(3)Qi yin yang apresentação(3)
Qi yin yang apresentação(3)Sousa Martins
 
Aula introdução à disciplina de mecanoterapia
Aula introdução à disciplina de mecanoterapiaAula introdução à disciplina de mecanoterapia
Aula introdução à disciplina de mecanoterapiaJaqueline Mancini
 
Apostila de zen shiatsu
Apostila de zen shiatsuApostila de zen shiatsu
Apostila de zen shiatsuEli Júnior
 
Noções Básicas de Acupuntura
Noções Básicas de AcupunturaNoções Básicas de Acupuntura
Noções Básicas de AcupunturaFatima Dinis
 
A massagem chinesa manual de massagem terapêutica
A massagem chinesa   manual de massagem terapêuticaA massagem chinesa   manual de massagem terapêutica
A massagem chinesa manual de massagem terapêuticaprojetacursosba
 
Massagem miofascial
Massagem miofascialMassagem miofascial
Massagem miofascialMah HS
 
Conceitos Básicos MTC parte1
Conceitos Básicos MTC  parte1Conceitos Básicos MTC  parte1
Conceitos Básicos MTC parte1Andreia Moreira
 

Mais procurados (20)

Atlas De Meridianos
Atlas De MeridianosAtlas De Meridianos
Atlas De Meridianos
 
Auriculopuntura
AuriculopunturaAuriculopuntura
Auriculopuntura
 
Oficina de Noções Básicas da Medicina Tradicional Chinesa/Acupuntura
Oficina de Noções Básicas da Medicina Tradicional Chinesa/AcupunturaOficina de Noções Básicas da Medicina Tradicional Chinesa/Acupuntura
Oficina de Noções Básicas da Medicina Tradicional Chinesa/Acupuntura
 
Apresentação do curso de massagem terapêutica & desportiva
Apresentação do curso de massagem terapêutica & desportivaApresentação do curso de massagem terapêutica & desportiva
Apresentação do curso de massagem terapêutica & desportiva
 
Medicina chinesa - fundamentos
Medicina chinesa - fundamentosMedicina chinesa - fundamentos
Medicina chinesa - fundamentos
 
Apostila massagem tui na - Edduc
Apostila massagem tui na - EdducApostila massagem tui na - Edduc
Apostila massagem tui na - Edduc
 
37060073 apostila-meridianos-2009
37060073 apostila-meridianos-200937060073 apostila-meridianos-2009
37060073 apostila-meridianos-2009
 
Historia mtc
Historia mtcHistoria mtc
Historia mtc
 
Meridianos3
Meridianos3Meridianos3
Meridianos3
 
Acupuntura em dor - Evidências Científicas
Acupuntura em dor - Evidências CientíficasAcupuntura em dor - Evidências Científicas
Acupuntura em dor - Evidências Científicas
 
Shumo e assentimento
Shumo e assentimentoShumo e assentimento
Shumo e assentimento
 
Qi yin yang apresentação(3)
Qi yin yang apresentação(3)Qi yin yang apresentação(3)
Qi yin yang apresentação(3)
 
Aula introdução à disciplina de mecanoterapia
Aula introdução à disciplina de mecanoterapiaAula introdução à disciplina de mecanoterapia
Aula introdução à disciplina de mecanoterapia
 
Apostila de zen shiatsu
Apostila de zen shiatsuApostila de zen shiatsu
Apostila de zen shiatsu
 
Técnicas em MTC
Técnicas em MTCTécnicas em MTC
Técnicas em MTC
 
Marco Histórico Nacional da MTC
Marco Histórico Nacional da MTCMarco Histórico Nacional da MTC
Marco Histórico Nacional da MTC
 
Noções Básicas de Acupuntura
Noções Básicas de AcupunturaNoções Básicas de Acupuntura
Noções Básicas de Acupuntura
 
A massagem chinesa manual de massagem terapêutica
A massagem chinesa   manual de massagem terapêuticaA massagem chinesa   manual de massagem terapêutica
A massagem chinesa manual de massagem terapêutica
 
Massagem miofascial
Massagem miofascialMassagem miofascial
Massagem miofascial
 
Conceitos Básicos MTC parte1
Conceitos Básicos MTC  parte1Conceitos Básicos MTC  parte1
Conceitos Básicos MTC parte1
 

Semelhante a Conceitos Básicos de Recursos Terapêuticos em Acupuntura/MTC

DO -IN 216680216 do-in-auto massagem
DO -IN 216680216 do-in-auto massagemDO -IN 216680216 do-in-auto massagem
DO -IN 216680216 do-in-auto massagemAnnalethycia Siqueira
 
52757969 a-acupuntura-veterinria
52757969 a-acupuntura-veterinria52757969 a-acupuntura-veterinria
52757969 a-acupuntura-veterinriaGláucia Luna
 
Conceitos Básicos MTC parte 6
Conceitos Básicos MTC parte 6Conceitos Básicos MTC parte 6
Conceitos Básicos MTC parte 6Andreia Moreira
 
A importância do toque
A importância do toque A importância do toque
A importância do toque Rita Barros
 
Curso de auriculoterapia k1
Curso de auriculoterapia k1Curso de auriculoterapia k1
Curso de auriculoterapia k1kojji
 
Apostila terapias de SPA - Edduc
Apostila terapias de SPA - EdducApostila terapias de SPA - Edduc
Apostila terapias de SPA - Edducedduc
 
Massagemaruricular 130721130125-phpapp01
Massagemaruricular 130721130125-phpapp01Massagemaruricular 130721130125-phpapp01
Massagemaruricular 130721130125-phpapp01Lucia Gaspar
 

Semelhante a Conceitos Básicos de Recursos Terapêuticos em Acupuntura/MTC (20)

124596584 curso-de-do
124596584 curso-de-do124596584 curso-de-do
124596584 curso-de-do
 
124596584 curso-de-do
124596584 curso-de-do124596584 curso-de-do
124596584 curso-de-do
 
DO -IN 216680216 do-in-auto massagem
DO -IN 216680216 do-in-auto massagemDO -IN 216680216 do-in-auto massagem
DO -IN 216680216 do-in-auto massagem
 
52757969 a-acupuntura-veterinria
52757969 a-acupuntura-veterinria52757969 a-acupuntura-veterinria
52757969 a-acupuntura-veterinria
 
Manual.pdf
Manual.pdfManual.pdf
Manual.pdf
 
Conceitos Básicos MTC parte 6
Conceitos Básicos MTC parte 6Conceitos Básicos MTC parte 6
Conceitos Básicos MTC parte 6
 
Técnicas em MTC
Técnicas em MTCTécnicas em MTC
Técnicas em MTC
 
120901322 apostila-mtc
120901322 apostila-mtc120901322 apostila-mtc
120901322 apostila-mtc
 
A importância do toque
A importância do toque A importância do toque
A importância do toque
 
Auriculoterapia lar 03
Auriculoterapia lar   03Auriculoterapia lar   03
Auriculoterapia lar 03
 
Curso de auriculoterapia k1
Curso de auriculoterapia k1Curso de auriculoterapia k1
Curso de auriculoterapia k1
 
Apostila terapias de SPA - Edduc
Apostila terapias de SPA - EdducApostila terapias de SPA - Edduc
Apostila terapias de SPA - Edduc
 
61896119 toque-terapeutico
61896119 toque-terapeutico61896119 toque-terapeutico
61896119 toque-terapeutico
 
61896119 toque-terapeutico(1)
61896119 toque-terapeutico(1)61896119 toque-terapeutico(1)
61896119 toque-terapeutico(1)
 
Acupuntura e mieloma múltiplo
Acupuntura e mieloma múltiploAcupuntura e mieloma múltiplo
Acupuntura e mieloma múltiplo
 
Massagem Auricular
Massagem AuricularMassagem Auricular
Massagem Auricular
 
Massagemaruricular 130721130125-phpapp01
Massagemaruricular 130721130125-phpapp01Massagemaruricular 130721130125-phpapp01
Massagemaruricular 130721130125-phpapp01
 
Acupuntura em odontologia
Acupuntura em odontologiaAcupuntura em odontologia
Acupuntura em odontologia
 
Auriculoterapia lar 02
Auriculoterapia lar   02Auriculoterapia lar   02
Auriculoterapia lar 02
 
aula 1 e 2 _ massoterapia-1.pdf
aula 1 e 2 _ massoterapia-1.pdfaula 1 e 2 _ massoterapia-1.pdf
aula 1 e 2 _ massoterapia-1.pdf
 

Mais de comunidadedepraticas

Programa Academia da Saúde - Informações Básicas
Programa Academia da Saúde - Informações BásicasPrograma Academia da Saúde - Informações Básicas
Programa Academia da Saúde - Informações Básicascomunidadedepraticas
 
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTCDescrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTCcomunidadedepraticas
 
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e MentaisConceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentaiscomunidadedepraticas
 
Histórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional Chinesa
Histórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional ChinesaHistórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional Chinesa
Histórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional Chinesacomunidadedepraticas
 
Apresentacao aprendizagem colaborativa
Apresentacao aprendizagem colaborativaApresentacao aprendizagem colaborativa
Apresentacao aprendizagem colaborativacomunidadedepraticas
 
Interação: ensinando e aprendendo na CdP
Interação: ensinando e aprendendo na CdPInteração: ensinando e aprendendo na CdP
Interação: ensinando e aprendendo na CdPcomunidadedepraticas
 
Plantas medicinais usadas em infecções respiratórias
Plantas medicinais usadas em infecções respiratóriasPlantas medicinais usadas em infecções respiratórias
Plantas medicinais usadas em infecções respiratóriascomunidadedepraticas
 
Remédio caseiros com plantas medicinais
Remédio caseiros com plantas medicinaisRemédio caseiros com plantas medicinais
Remédio caseiros com plantas medicinaiscomunidadedepraticas
 
Plantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhos
Plantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhosPlantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhos
Plantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhoscomunidadedepraticas
 
Plantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pele
Plantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pelePlantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pele
Plantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pelecomunidadedepraticas
 
Plantas medicinais antidiarréicas
Plantas medicinais antidiarréicasPlantas medicinais antidiarréicas
Plantas medicinais antidiarréicascomunidadedepraticas
 
Introdução a fitoterapia - informações básicas
Introdução a fitoterapia - informações básicasIntrodução a fitoterapia - informações básicas
Introdução a fitoterapia - informações básicascomunidadedepraticas
 
Marco Histórico Internacional da MTC
Marco Histórico Internacional da MTCMarco Histórico Internacional da MTC
Marco Histórico Internacional da MTCcomunidadedepraticas
 
Implementação serviços de MTC no SUS
Implementação serviços de MTC no SUSImplementação serviços de MTC no SUS
Implementação serviços de MTC no SUScomunidadedepraticas
 
A utilização da MTC nos Níveis de Atenção em Saúde
A utilização da MTC nos Níveis de Atenção em SaúdeA utilização da MTC nos Níveis de Atenção em Saúde
A utilização da MTC nos Níveis de Atenção em Saúdecomunidadedepraticas
 

Mais de comunidadedepraticas (20)

Tutorial InovaSUS
Tutorial  InovaSUSTutorial  InovaSUS
Tutorial InovaSUS
 
Programa Academia da Saúde - Informações Básicas
Programa Academia da Saúde - Informações BásicasPrograma Academia da Saúde - Informações Básicas
Programa Academia da Saúde - Informações Básicas
 
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTCDescrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
 
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e MentaisConceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
 
Histórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional Chinesa
Histórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional ChinesaHistórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional Chinesa
Histórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional Chinesa
 
Apresentacao aprendizagem colaborativa
Apresentacao aprendizagem colaborativaApresentacao aprendizagem colaborativa
Apresentacao aprendizagem colaborativa
 
Interação: ensinando e aprendendo na CdP
Interação: ensinando e aprendendo na CdPInteração: ensinando e aprendendo na CdP
Interação: ensinando e aprendendo na CdP
 
Plantas medicinais usadas em infecções respiratórias
Plantas medicinais usadas em infecções respiratóriasPlantas medicinais usadas em infecções respiratórias
Plantas medicinais usadas em infecções respiratórias
 
Cadastramento e-SUS
Cadastramento e-SUSCadastramento e-SUS
Cadastramento e-SUS
 
Plantas tóxicas
Plantas tóxicasPlantas tóxicas
Plantas tóxicas
 
Plantas e gravidez
Plantas e gravidezPlantas e gravidez
Plantas e gravidez
 
Remédio caseiros com plantas medicinais
Remédio caseiros com plantas medicinaisRemédio caseiros com plantas medicinais
Remédio caseiros com plantas medicinais
 
Plantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhos
Plantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhosPlantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhos
Plantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhos
 
Plantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pele
Plantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pelePlantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pele
Plantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pele
 
Plantas medicinais antidiarréicas
Plantas medicinais antidiarréicasPlantas medicinais antidiarréicas
Plantas medicinais antidiarréicas
 
Introdução a fitoterapia - informações básicas
Introdução a fitoterapia - informações básicasIntrodução a fitoterapia - informações básicas
Introdução a fitoterapia - informações básicas
 
Passos para Implantação de PICs
Passos para Implantação de PICsPassos para Implantação de PICs
Passos para Implantação de PICs
 
Marco Histórico Internacional da MTC
Marco Histórico Internacional da MTCMarco Histórico Internacional da MTC
Marco Histórico Internacional da MTC
 
Implementação serviços de MTC no SUS
Implementação serviços de MTC no SUSImplementação serviços de MTC no SUS
Implementação serviços de MTC no SUS
 
A utilização da MTC nos Níveis de Atenção em Saúde
A utilização da MTC nos Níveis de Atenção em SaúdeA utilização da MTC nos Níveis de Atenção em Saúde
A utilização da MTC nos Níveis de Atenção em Saúde
 

Último

Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzAlexandrePereira818171
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 

Último (20)

Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 

Conceitos Básicos de Recursos Terapêuticos em Acupuntura/MTC

  • 1. Conceitos Básicos de Recursos Terapêuticos em Acupuntura/MTC CURSO INTRODUTÓRIO EM MEDICINA TRADICIONAL CHINESA
  • 2. RECURSOS DA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA - MTC •Acupuntura •Moxabustão •Ventosoterapia •Fitoterapia Chinesa •Tuina ou Tui Ná (massagem) •Dietoterapia (terapia alimentar chinesa) •Auriculoterapia (tratamento pelo microssistema auricular) •Práticas Corporais (exercícios integrados a respiração e circulação de energia, e meditação como: Chi Kung, o Tai Chi Chuan.
  • 3. Nossa abordagem no Curso Introdutório de MTC Laserpuntura; Cromopuntura; Fitopuntura; Dietoterapia Chinesa; Auriculopuntura.
  • 5. AS AGULHAS A agulhas são instrumentos filiformes perfurantes, de ponta não cortante, e sem cânula, por isso não é um instrumento de punção, e sim de inserção, de dimensões e calibres variados. (Maciocia, G. 2007) Figura 1: Agulhas Filiformes
  • 6. AS AGULHAS São os estímulos mais utilizados, denominadas agulhas filiformes (Sistêmicas) são introduzidas nos Acupontos (depressões, buracos) anatômicos localizados ao longo do trajeto dos meridianos. O ponto quando estimulado desencadeia uma efeito denominado “The Qi” ou “sensação acupuntural” que pode apresentar-se como choque elétrico, peso, calor, frio, sudorese. (Wen, T.S. 2008)
  • 7. A inserção da agulha no sentido do fluxo do meridiano exerce efeito de Tonificação. A inserção da agulha no sentido contrário ao fluxo da energia (Qi) exerce efeito de Sedação.(Ross, J. 1994) Figura 2: Agulhamento Abdominal AS AGULHAS
  • 8. AS AGULHAS Outras técnicas denominadas tradicionais e antigas são também utilizadas para potencialização dos efeitos terapêuticos.
  • 9. Alterações nos ciclos de Geração, Dominação e Contra Dominação resultam em alterações de estados energéticos patogênicos, onde o desequilíbrio de um único Elemento em maior ou menor grau irá determinar condições agudas ou crônicas de Xie Qi (Patógenos/Doenças), conforme a agressão em cada ciclo. (Souza,J.L.2003)
  • 10. Método de Localização de Acupontos pela Acupuntura/MTC   A MTC possui um sistema próprio para localização dos Acupontos, para auxiliar na localização dos pontos as denominadas “Polegadas Chinesas” também mensuração denominadas “Tsun” ou “Cun”. (Wen,T.S. 2014).
  • 11. Cada parte do corpo divide-se longitudinalmente e transversalmente, de forma proporcional as diversas partes do corpo, essa medida é denomina “Cun” ou “Tsun”.
  • 12. Figura 3: Polegadas Chinesas CUN / TSUN 12
  • 13. • A vantagem do método, é que o mesmo pode ser utilizado em adultos, crianças, jovens, adultos, magros e obesos, sendo proporcional e individual para cada pessoa. • Utilizando-se os dedos do próprio paciente, podemos identificar cinco diferentes referenciais:
  • 14. Largura das quatro falanges, ao nível da articulação interfalangiana corresponde a 3 cun Largura da primeira falange interfalangiana, unindo-se os dedos indicador é médio, corresponde a 1,5 cun
  • 15. Realizando-se a flexão da falange média do dedo médio, a distância entre a falange distal e proximal corresponde a 1 cun A distância entre a primeira articulação interfalangiana do dedo indicador e a ponta do mesmo dedo (indicador) corresponde a 2 cun A largura da falange do dedo polegar, medida em nível transversal corresponde a 1 cun
  • 16. MEDIDAS TRANSVERSAIS Temos algumas medidas transversais como: distância entre os dois mamilos 8 cun, distância da linha cubital do cotovelo até a linha do punho 12 cun, distância da linha da axila até a linha cubital 9 cun, entre outras mensurações que podem ser observadas.
  • 17. MOXABUSTÃO • Existe ainda, método com utilização de bastão em forma de pistonagem como movimentos de sobe e desce sobre o ponto, sem no em tanto entrar em contato com o ponto, e o método de “passar roupa”, utilizado ao longo do trajeto de um respectivo meridiano. • Suas indicações são aumentar o fluxo de Xue (sangue) e dispersar o frio, recuperar o yang, utilizada principalmente em afecções crônicas. (Maciocia, G. 2005) Figura 4: Moxaterapia- Botão nos Acupontos do Meridiano da Bexiga
  • 18. SALMOXOTERAPIA Técnica utilizada sobre o umbigo (Salmoxaterapia) com efeitos vermífugos e imunológicos, preservação da essência ancestral (Jing Qi), energia inata de origem parental, gerada no momento da concepção que se mantém segundo a MTC/Acupuntura armazenada nos Rins, dela depende toda energia yang ancestral do corpo, entre outros. (Susman, D. 1995) Figura 5: Salmoxaterapia no Meridiano Vaso Governador
  • 20. É a utilização de copos, tradicionalmente de barro, bambu e vidros, hoje de plástico ou silicone, onde pelo meio do vácuo queimando-se o oxigênio de dentro do recipiente com fogo, ou eliminado o ar através da sucção com pistão de vácuo, produz-se um tracionamento da pele em graus leve, moderado e forte, promovendo a liberação do Xue (Sangue) e Qi ( energia) estagnados. (Brasil, M.S. 2006). Figura 6: Ventosas de Vidro e Bambú Figura 7: Ventosaterapia na Região Dorsal
  • 21. Modernamente é entendida como uma técnica de liberação miofascial que libera toxinas, melhora a vascularização, irrigação e oxigenação dos tecidos, com consequente liberação dos impulsos nervosos que chegam as placas mio neurais, facilitando assim a recuperação de tecidos lesados.
  • 22. Purifica o sangue (xue), elimina o vento, efeitos sobre a pele (glândulas sudoripas), efeitos articulares, musculares, sobre o sistema nervoso autônomo, quando utilizada em pontos laterais a coluna vertebral em ramo próximo ao processos espinhosos da coluna vertebral (linha espondiléia), Figura 8: Conjunto de Ventosas de Acrílico
  • 23. que corresponde na MTC/Acupuntura ao Meridiano da Bexiga, em quais pontos denominado Pontos Shu Dorsais, tem efeito diretamente sobre os gânglios da cadeia simpática atuando diretamente sobre a função dos órgão vísceras (Zang/Fu). (Auteroche, B. 1986) A Ventosa pode ser associada a moxabustão, acupuntura e a técnicas de sangrias.
  • 25. Utilização de imãs (magnetos de ferro), de acordo com os polos Sul e Norte, de forma específica para tratamento de disfunções, principalmente miosteoarticulares. Os magnetos são colocados na pele e fixados com micro poro, de acordo com princípios de tonificação e sedação de cada polo (NORTE/SUL). (Matheus,M. 1987).  
  • 26. Sedação e Tonificação • Pontos que devem ser sedados - POLO NORTE em contato com a pele: afecções agudas;   • Pontos que devem ser tonificados - Polo SUL em contato com a pele: afecções crônicas. (Matheus,M. 1987).
  • 28. Utilização de estímulos elétricos em Acupontos, por meio de correte elétrica de baixa voltagem e baixa amperagem, através de estímulos elétricos que variam de frequências entre 1 e 1000Hz. A Eletroacupuntura é mais frequentemente utilizada em trajetos de meridianos, principalmente em dores agudas com trajeto neural específicos que coincidem com o trajetos dos Canais de Energia (Meridianos). (Souza, J.L. 2003).  Figura 9: Eletroacupuntura na Articulação do joelho
  • 30. Utilização de laser de baixa potência, em zona neuroativa de acupuntura com laser de baixa potencia com fins terapêuticos, produzidos por equipamentos específicos. A Laserpuntura possui efeitos energéticos, (através da transferência de gradiente energético ao longo do meridiano), efeitos antiinflamatórios, cicatriciais, fibrinolítico, drenagem venosa. (Lacerda, P. 2002).
  • 32. Utilização de estímulos luminosos de diferentes frequências do expecto por meio de canetas, lâmpadas em pontos de acupuntura com fins terapêuticos. 
  • 33. A inervação da pele por frequências nervosas específicas de cada nervo, em cada área anatômica do corpo, permitem uma alteração específica de foto percepção cutânea, frequência essa que se altera em estados patológicos e que podem ser normalizada pela aplicação de frequências específicas em regiões determinadas pela frequência normal, com a devida cor na mesma frequência ( Frequências de Nogier: 2,5Hz; 5Hz; 10hz; 20 Hz; 40Hz; 80Hz; 160 Hz), essas frequências encontram-se no pavilhão auricular, face e por todo o corpo humano. (Souza, J.L. 2003).  
  • 34. FITOPUNTURA Utilização de sementes de diversas frutas e cereais com fins terapêuticos, onde o principio ativo energético da semente é transferido para o Acuponto por meio da presença de umidade e calor do corpo ser um ambiente propicio para transferência da energia latente germinativa da semente. (Franceschini,S. 2014).
  • 35. DIETOTERAPIA CHINESA Os chineses consideram que a maioria do alimentos são medicinais, e que quando segue-se uma dieta adequada, se realiza um pouco de exercício e se incluem exercícios respiratórios, se cuida da higiene pessoal, se pode remediar as doenças leves. (Yamamura, I. 2001).
  • 36. DIETOTERAPIA CHINESA A dieta segundo a MTC adaptará a alimentação do paciente a sua constituição física, ao clima e seu estado de saúde atual. A dietética chinesa em conjunto com a Acupuntura, Fitoterapia e a massagem, formam parte dos pilares terapêuticos fundamentais da MTC. (Yamamura, I. 2001).
  • 37. DIETOTERAPIA CHINESA Com a Acupuntura e Massagem mobilizamos e regulamos a energia, com a fitoterapia e a dieta preservamos e nutrimos a essência.
  • 38. DIETOTERAPIA CHINESA Se a nutrição é adequada, a energia será abundante, os órgãos estarão bem nutridos e o “SHEN” florescerá ( o sistema nervoso, nossas emoções estarão em harmonia).
  • 39. DIETOTERAPIA CHINESA A alimentação é essencial para lograr o equilíbrio, a harmonia e por tanto a saúde será integral. A MTC classifica os alimentos segundo a energia intrínseca e a natureza do alimento. (Yamamura, I. 2001).
  • 40. Alimentos quentes e temperados tonificam, esquentam, ascendem e movem. Alimentos neutros, estabilizam, harmonizam e vão para o centro. Alimentos frescos e frios, refrescam, sedam, adstringentes e hidratam.
  • 41. ALIMENTOS SEGUNDO O SABOR Cada sabor tem uma característica energética diferente segundo o efeito que produzem no organismo e traduz sua digestão. Em quantidade moderada, cada sabor, tonifica o órgão, em excesso pode danificá-lo. Uma dieta equilibrada deve conter todos os sabores, porem com preponderância do sabor doce.
  • 42. Sabor Ácido: Tonifica o elemento Madeira, o Fígado e a Vesícula Biliar, tem natureza YIN, com função nutritiva e de absorção, controla a energia que se dirige para dentro do Fígado e Vesícula Biliar ( Elemento Madeira).
  • 43. Os alimentos ácidos são uteis na perda de liquido orgânico, sudorese excessiva e hemorragias, promovem a secreção biliar, desintoxica, são alcalinizantes, evitam o estancamento do Qi, atuam diretamente sobre os tendões, em excesso podem causar e criar umidade.
  • 44. Sabor Salgado: Tonificam o elemento AGUA (Rim e Bexiga), tem natureza yin, movem a energia para baixo e para dentro, acima e abaixo, suaviza diretamente sobre os ossos. Em quantidade moderada umidifica , lubrifica, abranda, suaviza, desintoxica, quanto em excesso, estimula os Rins e em consequência também pode danificá-los, debilita os ossos, o sangue e o coração.
  • 45. Sabor Doce: Tonificam o Elemento TERRA (Baço Pâncreas e Estômago), tem natureza YAN ( ajudam a descer a energia). Em quantidade moderada, Harmoniza, refresca, tonifica, promove a produção de líquidos orgânicos (lubrifica).Em excesso favorece a produção de umidade e fleuma. Os alimentos doces segundo a MTC atuam diretamente sobre a carne (músculos) e estão em maior ou menor quantidade em muitos os alimentos.
  • 46. Picante: Tonifica o elemento Metal ( Pulmão e Intestino Grosso), tem natureza YANG, .,(ajuda a descer e a ascender a energia, para cima e para fora). Em quantidade moderada promove a circulação do XUE e Qi, evitando as estagnações, e os excessos, estimula os Pulmões movimentando o Qi e o Sangue (XUE). (Yamamura, I. 2001).
  • 47. Nota Os alimentos podem ter mais de um sabor.
  • 48. ALIMENTOS SEGUNDO A COR A cor é vibração, energia e portanto cada elemento, segundo sua cor, afetará de diferentes formas o organismo.
  • 49. • Vermelho: tem afinidade com o Coração, promove a circulação de sangue, tonifica, aquece, revitaliza e estimula a sexualidade; • Amarelo: laranjas, mamão, -tem afinidade pelo Baço e Pâncreas e Estômago, estabilizam e o equilibram.
  • 50. • Verde: tem afinidade pelo Fígado, tonifica o sangue do Fígado, desintoxica e depura; • Negro: é a cor mais YIN e mais profundo: tem a afinidade pelo Rim e pela Bexiga, nutrem a energia, mais profunda do organismo ( JING) e do Sangue, adstringente e refresca; • Branco: reforça o Pulmão e o Intestino Grosso. Purifica. (Yamamura, I. 2001).
  • 51. ALIMENTOS SEGUNDO A DIREÇÃO • Ascendente: os alimentos que induzem a ascensão da energia são em especial, os de sabor DOCÊ + PICANTE, de natureza QUENTE + TEMPERADA: cebola, alho, gengibre, pimenta, canela, cravo, tomilho, orégano, castanhas e nozes; • São usados em: prolapsos, diarreias, metrorragias, pesos nas pernas, cansaço, apatia.
  • 52. • Descendente: são em especial os de sabor AMARGO + SALGADO, são de natureza FRIA +FRESCA: Chicória, Chá, Cerveja de Trigo, e Algas são usados como laxantes e diuréticos, em cefaleias, dores em parte da cabeça, hipertensão, náuseas e vômitos. (Yamamura, I. 2001).
  • 53. •Movimento: induz a concentrar a energia para cima e para dentro, são adstringentes. •São em especial, os sabor ÁCIDO + SALGADO são de natureza FRESCA + NEUTRA: framboesa, Laranja, Tangerina, Escargô, Azuki, Tomate, Algas.
  • 54. • São usados em caso de perda de líquidos orgânicos: suor, diarreia, hemorragias, vômitos, em pessoas em convalescência, no inverno; • Devem ser evitados em caso de febre, resfriado, pois podem auxiliar o fator patógeno para dentro (interiorização).
  • 55. • DISPERSANTES: Induzem a dispersar a energia para cima e para fora são afrodisíacos, são em especial os de sabor PICANTE. Os alimentos; • PICANTES e QUENTES são utilizados para eliminar o VENTO FRIO: alho, pimenta, gengibre, canela; • Os PICANTES E FRIOS se usam para eliminar o VENTO CALOR: menta, rabanete.
  • 56. ALIMENTOS SEGUNDO O IMPACTO NO MERIDIANO Exemplos: •Pera pelo Meridiano do Pulmão; •Espinafre: pelo Meridiano do Fígado; •Laranja: pelo Meridiano do Baço Pâncreas; •Castanhas: pelo Meridiano do Coração; •Azuki: pelo Rins. (Yamamura, I. 2001).
  • 57. NO PREPARO • Alimentos mais FROS: menos fogo, menos pressão, mais água e menos sal; • Alimentos mais Quentes: mais fogo, mais pressão, menos agua, mais sal.
  • 58. ALIMENTOS SEGUNDO O MÉTODO DE PREPARO Métodos de preparo interferem na energia do alimento: •FRIO: Cru •FRESCO: Escaldado •NEUTRO: Vapor – Fervido •TIBIO: Frito – Empanado •CALIENTE: Cozido, Assado, Reaquecido (Yamamura, I. 2001).
  • 59. ALIMENTOS SEGUNDO O CONSTITUCIONAL • YANG: tomar alimentos frescos e neutros, evitar alimentos quentes e frios; • Ante o excesso de YANG, se deve evitar alimentos como nata, manteiga, carnes defumadas, macarrão, espaguetes, cebola, gengibre, pimenta do reino e frutos secos.
  • 60. As pessoas com muito Yang são corpulentas, hiperativas com , costumam temer o calor e comem e bebem em excesso. São propensas a enfermidades como hipertensão, cefaleia, insônia e consequentes problemas psicológicos.
  • 61. Quando existe uma deficiência de Yang, a dieta segundo a MTC, recomenda-se alimentos como: alho, canela, batatas, frutos secos, trigo, arroz, soja ,milho, berinjela, aipo, são alimentos que colocam a energia em movimento.
  • 62. As pessoas com pouco Yang, são delgadas, com voz suave, e baixa, sentem frio, tem tendência a cronificar as enfermidades, principalmente no inverno: inflamações, faringites, amigdalites, bronquites, são doenças mais comuns nessa época, também podem padecerem de asma, cefaleia.
  • 63. • As pessoas YIN: ingerir alimentos neutros, pouco de alimentos quentes , moderadamente alimentos frescos y evitar os frios. • Quando ocorre um excesso de yin a dieta segundo a MTC, nesse caso se devem evitar alimentos como cebola, gengibre, cravo, aipo, carnes como exemplo de cordeiro e frango, milho, castanhas, frutos secos, figos.
  • 64. Os indivíduos com excesso de YIN, tendem a serem obesos por serem acometidos por retenção de líquidos, tem extremidades sempre frias, com seus movimentos lentos, precisam dormir , tem tendência a serem pessimistas, são fortes candidatos a sofrerem anomalias como falta de ilusão, depressão, hipotireoidismo, hipotensão e hipoglicemias.
  • 65. Quando ocorrer deficiência de Yin a dieta segundo a MTC, deve se: •Para se fazer subir o YIN, os alimentos indicados são berinjelas, pepino, espinafres, Champion, limão, figos, mexericas, mamão, melões, peras, maças e mangas.
  • 66. Os indivíduos com o yin baixo são delgados, tem face escura e pele seca, com corpo quente, mas com temperatura corporal baixa, não ficam doentes fácil, porem quando adoecem são por doenças que se tornam crônicas fácil, são pessimistas, melancólicos, impacientes, dentem a desenvolverem lombalgias, ciatalgias, cálculos renais, problemas digestivos, possuem uma digestão lenta e pesada. Precisam comer em intervalos regulares. (Yamamura, I. 2001).
  • 67. ALIMENTOS SEGUNDO O DESEQUILÍBRIO Patologias tipo Frio Alimentos de natureza neutra. Tomar algumas vezes alimentos quentes , evitar os frescos y proibir os frios. (Yamamura, I. 2001).
  • 68. ALIMENTOS SEGUNDO O DESEQUILÍBRIO Patologias do Tipo Calor Alimentos frescos e neutros, algo de alimentos frios, proibir os quentes.
  • 69. ALIMENTOS SEGUNDO A ESTAÇÃO DO ANO • Inverno: Alimentos neutros, algo de quente (sem excesso), reduzir alimentos frescos e evitar os frios. • Verão: Alimentos frescos o neutros, algo de frio (sem excesso), evitar os alimentos quentes.
  • 70. •No verão em países quentes pela manhã podemos ingerir alimentos neutros, frescos, alguns frios como: cereais, frutas; •No inverno em países frios a noite, podemos tomar alimentos neutros, quentes como arroz, castanhas, nozes, cebola, algo picante. (Yamamura, I. 2001).
  • 71. OBSERVAÇÕES GERAIS De acordo com os critérios e segundo o diagnóstico de cada pessoa determinar os alimentos mais convenientes para corrigir os desequilíbrios existentes.
  • 72. • Se desejamos ficar mais ativos fisicamente e mentalmente deve os ingerir alimentos mas quentes, tipo YANG; • Se desejamos estar mais relaxados e tranquilos escolheremos alimentos neutros e frescos, tipo yin. (Yamamura, I. 2001).
  • 74. Auriculoterapia/Auriculopuntura: Método terapêutico e analgésico e de regulação pisiquico orgânica, através de estímulos no Pavilhão Auricular. (Souza, J.L.2004)
  • 75. ESCOLAS • Escola Chinesa utiliza como base para sua fundamentação a filosofia chinesa, denominanda-se de Auriculopuntura; • A Escola Francesa, escola de Paulo Nogier, tem uma fundamentação fisiológica e embriológica denominada de Auriculoterapia. (Garcia, E.G. 1989).
  • 76. Ambas as escolas realizam a localização de pontos e suas cartografias considerando o pavilhão auricular como um feto em posição pré-parto. Figura 10: Somatotopia Auricular Feto
  • 77. A ESCOLA BRASILEIRA Utilizando uma junção de conceitos entre as Escolas Francesa de (Auriculoterapia) e Escola Chinesa de (Auriculopuntura) originou-se a Escola Brasileira que compõem-se da fusão dos conceitos das duas Escolas.
  • 78. MICROSSISTEMA DA ORELHA “Assim como é em cima é em baixo” •O Macrocosmo e o Microcosmo •Microssistema = a parte pelo todo •Microssistemas do corpo: Língua, Couro Cabeludo, Face, Mão, Pés, Dentes e a Orelha.
  • 79. A orelha é o microssistema mais utilizado porque os estímulos no pavilhão auricular, além de serem conduzidos até o Sistema Nervoso Central, mais rapidamente, produzindo seus efeitos, podem ser mantidos por um período de tempo mais prolongando, prolongando também os efeitos terapêuticos.
  • 80. TRATAMENTOS PELA CAUTERIZAÇÃO Figura 11: Cautérios de Percy 80
  • 81. • Na antiguidade os Acupontos Auriculares eram cauterizados, essa técnica foi descrita por vários autores • Abaixo figura demonstrando tipo de cautér utilizado no pavilhão auricular Figura 12: Cauterização do Hélix Auricular
  • 82. Áreas para Tratamento da Ciática: abaixo, principais pontos Cauterizados localizados no Pavilhão Auricular, para tratamento da Ciática, esse fato levou Paul Nogier a se interessar pelo tema quando viu pacientes com áreas auriculares cauterizadas. Figura 13: Área de Cauterização Somatotopia - Ciática
  • 83. No Sirilanka se conhece 89 pontos para controle de deambulação dos Elefantes Nilos, através de estímulos no pavilhão auricular. (Dulcetti, O. 1994). Figura 14: Pontos de Controle da Deambulação Auricular
  • 84. Na Grécia, Hipócrates já utilizava pontos com sangria pra tratamento da esterilidade, hipertensão, ente outras afecções.
  • 85. “Jardim das Delicias” Obra de Jerônimo Bosch já retrata o uso de auriculopuntura em 1850, como pontos representando aparelho genital e tratamento da libido. (Dulcetti, O. 1994). Figura 15: Obra : Trípito de Jerônimo Bosch – Museu do Prado
  • 86. Figura 16: Obra : Trípito de Jerônimo Bosch – Museu do Prado 86
  • 87. A seguir, detalhe das duas orelhas justapostas, na obra representando os testículos, a lancha representa o pênis e uma flecha transfixa a área que representa o aparelho reprodutor masculino e ou feminino. Ao mesmo tempo um diabrete lancetando o ponto da libido.
  • 88. Figura 17: Recorte Trípito de Jerônimo Bosch 88
  • 89. • ZACUTUS LUZITANUS (Médico Português – Século XVII), realizava cauterização Auriculares para tratar ciática; • Dr. Ralken Curicimati (1850) sem conhecer a Acupuntura realizou cauterização no Hélix para tratamento da ciática; • Dr. Luciciani de Batista (1850), também publicou o trabalho sobre a cauterização Hélix na cura da ciática, odontalgia;
  • 90. MARCO HISTÓRICO DA AURICULOTERAPIA Figura 18: Paul Nogier •Década de 50 a 60 •A representação na orelha de um feto em posição pré-natal foi dada por um médico francês P. Nogier, o qual também em 1958 realizou um estudo sobre a relação de certas zonas do pavilhão auricular com os órgãos internos. (Dulcetti, O. 1994).
  • 91. Auriculoterapia em 1950 é reconhecida pela OMS Figura 19: Convenção da OMS – Reconhecimento da Auriculoterapia 91
  • 92. REFLEXO VÁSCULO NEURAL DE NOGIER O Reflexo Vásculo Neural de Nogier demonstra que a realização de um estímulo periférico, no polegar, por exemplo, levando a uma vasoconstrição local, levará a uma vasodilatação em área específica somatotópica no pavilhão auricular. (Dulcetti, O. 1994).
  • 93. Tipos de Estímulos utilizados para tratamento no pavilhão auricular
  • 94. TIPOS DE ESTÍMULOS UTILIZADOS PARA TRATAMENTO NO PAVILHÃO AURICULAR • Agulhas Semi-permanentes; • Agulhas Filiformes; • Moxa; • Elétricos; • Sementes ( Mostarda e Vacaria); • Pastilhas de Stiper; • Pontos Ouro, Prata, Inox, Cobre; • Sangrias; • Laserauriloterapia; • Cromoterápico. (Souza, J.L.2003)
  • 95. Figura 20: Agulha Semi Permanente em Tamanho Aumentado 95
  • 96. Figura 21: Agulha Filiforme na Orelha 96
  • 97. Figura 22: Auriculoterapia Sementes-Mostarda (Vacaria) 97
  • 98. Figura 23: Auriculoterapia Agulha Semi Permanentes 98
  • 100. Auriculoterapia / Auriculopuntura Auriculoterapia/Aruriculopuntura Tem caráter profilático; Tem eficiência para uso em massa – vasto acesso no SUS ( Sistema Único de Saúde); Possui potenciais reais na estimulação de defesa do organismo doente, como já atestavam os tratados antigos. (Souza, J.L. 2003). 7 de julho de 2015 100
  • 101. OS efeitos gerais da Auriuloterapia são: •Analgésicos; •Antiinflamatórios; •Neuromusculares; •Imunológicos; •Efeitos Funcionais de Órgãos e Sistemas; •Efeitos Psíquicos. (Souza,J.L.2003).
  • 102. Referências Bibliográficas • BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria MS/GM nº 971, de 3 de maio de 2006 – Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil – Edição Número 84, p. 20-24. Brasília, DF, de 04 de maio de 2006. • GARCIA, E. G. Auriculoterapia. Escola Huang li Chun. São Paulo: Rocca, 1999. • DULCETTI, O. J. Acupuntuta e Auriculoterapia, Auriculopuntura. Parma. São Paulo 1994. • FRANCESCHINI, S.F. Fitopuntura. Roca. São Paulo 2014. • LACERDA, P. Manual de Laser Acupuntura em Medicina e Odontologia. Codi. Rio de Janeiro 2002. • MACIOCIA, G. Os fundamentos da medicina chinesa: um texto abrangente para Acupunturistas e fisioterapeutas. São Paulo: Roca, 2007.
  • 103. Referencias Bibliográficas • MATHEUS, S. Magnetoterapia, uma maneira natural para recuperar a saúde. 2ª. Edição. M.Matheus de Souza.DC.DM. São Paulo 1989. • ROMOLI, M. Diagnóstico Acupuntura Auricular. Roca Eugim. São Paulo 2003. • ROSS, J. Zang Fu: Sistemas de órgãos e vísceras da medicina tradicional chinesa. São Paulo: Roca, 1994. • SOUZA, JEAN LUIS: Sistema de Ensino em Acupuntura (SEA), Módulo 1: Taoísmo. Uberlândia, Center Fisio-Imes, 2003. • SUSSMANN, DAVID J.; Acupuntura Teoria Y Práctica, Kier Editoda S.A., Buenos Aires- Argentina, 1995. • WEN, TOM SINTAN; Acupuntura clássica chinesa / - [2.ed., 3. Reimp.] – São Paulo: Cultrix, 2014. • WEN, TOM SINTAN; Manual terapêutico de acupuntura / editor Wu Tu Hsing; tradutora Míriam Akemi Kumatsu. – Barueri, SP: Manole, 2008. • YAMAMURA, Y. Alimentos: aspectos energéticos. A essência dos alimentos na saúde e na doença. São Paulo: Triom, 2001.
  • 104. Figura 1 – Disponível em: http://focobiomedico.blogspot.com.br/2011/08/especializacoes-na-biomedicina.html Acesso em Agosto de 2015 Figura 2 – Disponível em: http://www.ific.es/blog/es-de-fiar-la-acupuntura-para-adelgazar/ Acesso em Agosto de 2015 Figura 3 – Disponível em: http://www.portalunisaude.com.br/arquivos/taoismo.pdf Acesso em Agosto de 2015 Figura 4 – Disponível em: http://cunhaharikyu-in.blogspot.com.br/2010/04/moxa-para-cansaco-e-dores-nos-pes.html Acesso em Agosto de 2015
  • 105. Figura 5 – Disponível em: http://quickmassagepassoapasso.com.br/moxabustao/ Acesso em Agosto de 2015 Figura 6 – Disponível em: http://www.ebramec.com.br/detalhe-galeria.asp?pasta=Ventosa Acesso em Agosto de 2015 Figura 7 – Disponível em: http://ipersonae.net.br/site/ventosaterapia/ Acesso em Agosto de 2015 Figura 8 – Disponível em: http://www.universodaacupuntura.com.br/produtos/ventosas/kit-ventosa-17-copos/ Acesso em Agosto de 2015
  • 106. Figura 9 – Disponível em: http://www.tudoporumamassagem.com.br/eletroacupuntura/ Acesso em Agosto de 2015 Figura 10 – Disponível em: http://templodeluxor.blogspot.com.br/2011/07/segundo-esta-terapia-existe- relacao.html Acesso em Agosto de 2015 Figura 11 – Disponível em: ROMOLI, M. Diagnóstico Acupuntura Auricular. Roca Eugim. São Paulo, 2003. Figura 12 – Disponível em: ROMOLI, M. Diagnóstico Acupuntura Auricular. Roca Eugim. São Paulo, 2003. Figura 13 – Disponível em: ROMOLI, M. Diagnóstico Acupuntura Auricular. Roca Eugim. São Paulo, 2003.
  • 107. Figura 14 – Disponível em: DULCETTI, O. J. Acupuntuta e Auriculoterapia, Auriculopuntura. Parma. São Paulo 1994. Figura 15 – Disponível em: http://www.marxist.com/hieronymus-bosch-e-arte-morte-agonica-do-feudalismo.htm Acesso em Agosto de 2015 Figura 16 – Disponível em: http://www.marxist.com/hieronymus-bosch-e-arte-morte-agonica-do-feudalismo.htm Acesso em Agosto de 2015 Figura 17 – Disponível em: http://www.marxist.com/hieronymus-bosch-e-arte-morte-agonica-do-feudalismo.htm Acesso em Agosto de 2015
  • 108. Figura 18 – Disponível em: http://www.karinsteinke.de/therapie/aurikulo.htm Acesso em Agosto de 2015 Figura 19 – Disponível em: http://www.portalunisaude.com.br/arquivos/auriculoterapia.pdf Acesso em Agosto de 2015 Figura 20 – Disponível em: http://iimanature.com/es/2009/11/sterile-press-needle/ Acesso em Agosto de 2015 Figura 21 – Disponível em: http://www.pontomar.com.br/home/ Acesso em Agosto de 2015
  • 109. Figura 22 – Disponível em: http://www.tuasaude.com/acupuntura/ Acesso em Agosto de 2015 Figura 23 – Disponível em: https://eneidaacupuntura.wordpress.com/2012/08/23/auriculoterapia/ Acesso em Agosto de 2015 Figura 24 – Disponível em: Neves; M. Lisboa: Manual Prático de Auriucloterapia;Editora Merithus, Porto Alegre – RS, 2013.