SlideShare uma empresa Scribd logo
{
Assistência de Enfermagem
em Clínica Cirúrgica
Instrumental Cirúrgico
O que é instrumental?
Instrumental é todo material
utilizado na realização de intervenções
cirúrgicas, retirada de pontos, exames,
tratamentos e curativos.
Fabricação
O melhor material para
fabricação do instrumental é o aço
inoxidável, pois apresentam maior
durabilidade.
Divisão dos Instrumentais
Podem ser divididos em:
o Especiais: são instrumentais utilizados apenas em
determinadas cirurgias e em tempo específicos.
o Comuns: são os instrumentais básicos utilizados
em qualquer tipo de intervenção cirúrgica nos
tempos fundamentais como DIÉRESE (corte),
HEMOSTASIA (pinçamento de vasos sangrantes)
e SÍNTESE (sutura).
Classificação Divisão Didática dos
Instrumentos
De acordo com sua utilização, temos os
seguintes instrumentos:
 Instrumental para Diérese;
 Instrumental para Hemostasia;
 Instrumental para Síntese;
 Instrumentos Auxiliares;
 Pinça de Campo;
 Afastadores;
 Preensão;
 Instrumentos Especiais.
Instrumental de Diérese
É a fase de abertura, tem a função de cortar e
dissecar os tecidos.
Constituído pelos bisturis, tesouras, trépano,
e outros, utilizados nas cirurgias gerais, assim
como nas especiais.
Bisturi
O bisturi é o melhor instrumento para a
secção dos tecidos, sendo um instrumental de
corte por excelência.
Grande parte dos bisturis são cabos com
uma extremidade destinada à fixação de lâminas
descartáveis.
Bisturi
Os cabos de bisturis são designados por
números, por exemplo: cabo n°3 ou n°4. Quanto
menor o número, menor a lâmina, destinado a
atos cirúrgicos delicados.
Os cabos de bisturis com números maiores
apresentam encaixe maior para lâminas também
maiores, destinados a procedimentos cirúrgicos
gerais.
Instrumental cirúrgico
Tesouras
 São instrumentos de corte, podem ser curvas ou
retas, fortes ou delicadas e em diversos tamanhos;
 Podem apresentar lâmina simples ou serrilhada e
pontas rombas ou pontiagudas ou uma
combinação das duas (Romba-Romba, Romba-
Ponta, Ponta-Ponta);
Instrumental cirúrgico
As tesouras METZENBAUM são
indicadas para a diérese mais delicada
de tecidos, podem ser utilizadas em
cavidades, introduzindo-as a fundo. É
indicada para a diérese de
tecidos orgânicos por ser considerada
menos traumática, pois apresenta sua
porção cortante mais curta que a não-
cortante.
As tesouras de MAYO, são
muito empregadas na rotina cirúrgica,
principalmente na versão R (reta), para
tecidos mais grosseiros, em superfícies
ou em cavidades, e corte de fios. É
considerada mais traumática que a de
Metzenbaum, por apresentar a porção
cortante proporcional à não-cortante.
Indicada para procedimento
cirúrgico do crânio para se
obter acesso as meninges ou
massa encefálica.
Instrumental para Hemostasia
É a fase de contenção do sangramento de vasos.
As pinças hemostáticas são usadas em
situações que exigem instrumentos mais
longos.
As pinças atraumáticas são usadas para
hemostasia temporária.
Representados por pinças nas formas retas e
curvas, por exemplo, as pinças Kelly, Halstead,
Rochester, Moynihan.
Pinça Kelly Reta Pinça Kelly Curva
Pinça de Halstead Reta Pinça de Halstead Curva
Pinça de Rochester Reta Pinça de Rochester Curva
Pinça de Moynihan
Instrumental para Síntese
 Destina-se para fechamento da ferida cirúrgica.
 Representado basicamente pelas agulhas de
sutura, porta agulhas, e principalmente pelos
fios cirúrgicos, grampos e fitas adesivas de
pele.
Fios Cirúrgicos Absorvíveis
 Fios cirúrgicos absorvíveis biológicos
 Fios cirúrgicos absorvíveis sintéticos
Fios Absorvíveis, são assimilados pelo
tecido em que são implantados. Utilizados mais
em estruturas internas.
 Origem animal: são fagocitados por meio de
atividade enzimática durante a cicatrização;
 Origem sintética: são hidrolizados da reação
com as moléculas de água dos líquidos
corporais, que se degradam e são assimilados
pelos tecidos na cicatrização.
o Biológicos: são conhecidos como CATGUT
(nome de origem inglesa = intestino de
gato), mas não se usa esse material. É uma
fibra natural de grande elasticidade e
tenacidade (impacto necessário que leva a
ruptura), preparada com uma dos
intestinos, normalmente bovinos e suínos.
Podem ser simples ou cromados.
• O catgut simples é indicado para os tecidos
de rápida cicatrização, com absorção total em
2 a 3 semanas;
• O catgut cromado, devido à impregnação
com sais de ácido crômico, é totalmente
absorvido em 6 meses.
o Sintéticos: Ácido poliglicólico, fio multifilamentar
com excelente maleabilidade. O ácido poliglicólico
é um material sintético obtido por meio de
polimerização do ácido glicólico, de fácil
manuseio, forte, flexível e de boa tolerância. São
utilizados em cirurgias ginecológicas, cirurgia
geral e operações urológicas.
Fio Sintético
Fio Biológico
Fios não-absorvíveis, permanecem
encapsulados (envolvidos por tecido fibroso)
nas estruturas internas e nas suturas de pele;
devem ser removidos entre o 7° e o 10° dia de
pós-operatório. Utilizado mais em estruturas na
parte da epiderme.
Podem ser de origem animal, como a
seda; de origem vegetal, como o algodão e
linho; de origem sintética, como o nylon, perlon,
poliéster; ou de origem mineral, como o fio de
aço.
Instrumental cirúrgico
Porta Agulha
Grampos
Fitas
Agulhas de Sutura
Instrumental Auxiliares
Servem para facilitar o uso de outros instrumentos.
Pinças anatômicas e dente de rato
Pinça Anatômica
Pinça Dente de Rato
Pinça de Campo
Instrumental de Campo
Serve para fixação de campos que
delimitam a área operatória
Afastadores
Serve para afastar os tecidos abertos.
Podem ser auto estáticos ou dinâmicos.
Auto estáticos: Os auto
estáticos são usados para
a abertura da cavidade
abdominal.
Afastador Finochietto
Afastador Gosset
Dinâmicos: Os afastadores
dinâmicos são usados para a
separação e abertura do
campo operatório em
diversas áreas do corpo.
Afastadores Farabeuf
Preensão
Servem para segurar e suspender vísceras e
órgãos. Ex.: Allis, Collin e Duval
Pinça de Apreensão Allis
Pinça de Apreensão Collin
Pinça de Apreensão Duval
Instrumentos Especiais
São instrumentos específicos usados em
cada tipo de cirurgia. Serão sempre diferentes
para cada tipo de cirurgia e usado no
momento nobre da mesma.
Pinça de Abadie: utilizada
nas cirurgias do trato
digestivo.
Pinça de Satinsky: utilizada
na cirurgia vascular

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Centro cirurgico e instrumentais
Centro cirurgico e instrumentaisCentro cirurgico e instrumentais
Centro cirurgico e instrumentais
RIVANILCE DE SOUZA OLIVEIRA
 
Trabalho centro cirúrgico 3
Trabalho centro cirúrgico  3Trabalho centro cirúrgico  3
Trabalho centro cirúrgico 3
Sthefanie Vieira
 
Tempos cirurgicos
Tempos cirurgicosTempos cirurgicos
Tempos cirurgicos
Edilaine Torrecilha
 
Mesa e Material Cirurgico
Mesa e Material CirurgicoMesa e Material Cirurgico
Mesa e Material Cirurgico
Fernando de Oliveira Dutra
 
Instrumentaocirrgica 140224072828-phpapp01
Instrumentaocirrgica 140224072828-phpapp01Instrumentaocirrgica 140224072828-phpapp01
Instrumentaocirrgica 140224072828-phpapp01
Elisabete Manieri Carazzai
 
Cme completo
Cme completoCme completo
Cme completo
Pinheiropinheironeto
 
Apresentação cc
Apresentação ccApresentação cc
Apresentação cc
Telma Justa Freitas
 
Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Tempo cirurgico e instrumental
Tempo cirurgico e instrumentalTempo cirurgico e instrumental
Tempo cirurgico e instrumental
Caroline Peixoto
 
Classificação das cirurgias
Classificação das cirurgiasClassificação das cirurgias
Classificação das cirurgias
Jéssica Ferreira
 
Aula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgicoAula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgico
Zeca Ribeiro
 
Centro cirurgico
Centro cirurgico Centro cirurgico
Centro cirurgico
Alexandre Reis
 
Equipe cirúrgica
Equipe cirúrgicaEquipe cirúrgica
Equipe cirúrgica
Guilherme Sicuto
 
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Lucas Fontes
 
Intrumentos cirúrgicos - Vanilson Samori
Intrumentos cirúrgicos - Vanilson SamoriIntrumentos cirúrgicos - Vanilson Samori
Intrumentos cirúrgicos - Vanilson Samori
Vanilson UEA
 
Apostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgicoApostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgico
Wilmar Ribeiro
 
3.instrumentais cirúrgicos 2015.2
3.instrumentais cirúrgicos  2015.23.instrumentais cirúrgicos  2015.2
3.instrumentais cirúrgicos 2015.2
Mickael Gomes
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
Cacilda Peixoto
 
Centro cirurgico
Centro cirurgicoCentro cirurgico
Centro cirurgico
shaxa
 
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)
Francisco da silva Torres
 

Mais procurados (20)

Centro cirurgico e instrumentais
Centro cirurgico e instrumentaisCentro cirurgico e instrumentais
Centro cirurgico e instrumentais
 
Trabalho centro cirúrgico 3
Trabalho centro cirúrgico  3Trabalho centro cirúrgico  3
Trabalho centro cirúrgico 3
 
Tempos cirurgicos
Tempos cirurgicosTempos cirurgicos
Tempos cirurgicos
 
Mesa e Material Cirurgico
Mesa e Material CirurgicoMesa e Material Cirurgico
Mesa e Material Cirurgico
 
Instrumentaocirrgica 140224072828-phpapp01
Instrumentaocirrgica 140224072828-phpapp01Instrumentaocirrgica 140224072828-phpapp01
Instrumentaocirrgica 140224072828-phpapp01
 
Cme completo
Cme completoCme completo
Cme completo
 
Apresentação cc
Apresentação ccApresentação cc
Apresentação cc
 
Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1
 
Tempo cirurgico e instrumental
Tempo cirurgico e instrumentalTempo cirurgico e instrumental
Tempo cirurgico e instrumental
 
Classificação das cirurgias
Classificação das cirurgiasClassificação das cirurgias
Classificação das cirurgias
 
Aula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgicoAula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgico
 
Centro cirurgico
Centro cirurgico Centro cirurgico
Centro cirurgico
 
Equipe cirúrgica
Equipe cirúrgicaEquipe cirúrgica
Equipe cirúrgica
 
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
 
Intrumentos cirúrgicos - Vanilson Samori
Intrumentos cirúrgicos - Vanilson SamoriIntrumentos cirúrgicos - Vanilson Samori
Intrumentos cirúrgicos - Vanilson Samori
 
Apostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgicoApostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgico
 
3.instrumentais cirúrgicos 2015.2
3.instrumentais cirúrgicos  2015.23.instrumentais cirúrgicos  2015.2
3.instrumentais cirúrgicos 2015.2
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
 
Centro cirurgico
Centro cirurgicoCentro cirurgico
Centro cirurgico
 
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)
 

Semelhante a Instrumental cirúrgico

Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
Aline Bandeira
 
Tempos Cirúrgicos (5).pdf
Tempos Cirúrgicos (5).pdfTempos Cirúrgicos (5).pdf
Tempos Cirúrgicos (5).pdf
Lucilenesantos56
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
DelcioVumbuca
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
mikashopassos123
 
FIOS DE SULTURA.ppt
FIOS DE SULTURA.pptFIOS DE SULTURA.ppt
FIOS DE SULTURA.ppt
PaulaFernandaLemosVe
 
Manual de sutura
Manual de suturaManual de sutura
Manual de sutura
Rafaela Liberato
 
Manual de sutura
Manual de suturaManual de sutura
Manual de sutura
Lucivânia Oliveeira
 
Manual de Sutura.pdf
Manual de Sutura.pdfManual de Sutura.pdf
Manual de Sutura.pdf
SueEllenMendonaFerre
 
Técnica+cirúrgica
Técnica+cirúrgicaTécnica+cirúrgica
Técnica+cirúrgica
Fernanda Rodrigues
 
fiosdesultura-230225132435-060a6d16.pptauladeclinicacirurgica
fiosdesultura-230225132435-060a6d16.pptauladeclinicacirurgicafiosdesultura-230225132435-060a6d16.pptauladeclinicacirurgica
fiosdesultura-230225132435-060a6d16.pptauladeclinicacirurgica
THIALYMARIASILVADACU
 
AULA INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA PINÇAS.pptx
AULA INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA PINÇAS.pptxAULA INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA PINÇAS.pptx
AULA INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA PINÇAS.pptx
vaniceandrade1
 
Materiais médicos hospitalares 2
Materiais médicos hospitalares 2Materiais médicos hospitalares 2
Materiais médicos hospitalares 2
cristianoafranca
 
Pinças Ci.pptx
Pinças Ci.pptxPinças Ci.pptx
Pinças Ci.pptx
3eMacap
 
instrumentac3a7c3a3o-cirurgica1.pdfMedico
instrumentac3a7c3a3o-cirurgica1.pdfMedicoinstrumentac3a7c3a3o-cirurgica1.pdfMedico
instrumentac3a7c3a3o-cirurgica1.pdfMedico
helenawaya9
 
aula-5-terminologia-especifica-em-situacao-ciurgica.pdf
aula-5-terminologia-especifica-em-situacao-ciurgica.pdfaula-5-terminologia-especifica-em-situacao-ciurgica.pdf
aula-5-terminologia-especifica-em-situacao-ciurgica.pdf
AlanSantos22653
 
Aula cc turma 4
Aula cc turma 4Aula cc turma 4
Aula cc turma 4
Rosalya Kelly
 
SÍNTESE E FIOS DE SUTURA
SÍNTESE E FIOS DE SUTURASÍNTESE E FIOS DE SUTURA
SÍNTESE E FIOS DE SUTURA
Fernando de Oliveira Dutra
 
Fios cirurgicos
Fios cirurgicosFios cirurgicos
Fios cirurgicos
Eduardo Bernardino
 
Princípios de exodontia da disciplina de cururgia i da faculdade de odontolo...
Princípios de  exodontia da disciplina de cururgia i da faculdade de odontolo...Princípios de  exodontia da disciplina de cururgia i da faculdade de odontolo...
Princípios de exodontia da disciplina de cururgia i da faculdade de odontolo...
José Rodrigo Mega Rocha
 
Princípios de exodontia da disciplina de cururgia i da faculdade de odontolo...
Princípios de  exodontia da disciplina de cururgia i da faculdade de odontolo...Princípios de  exodontia da disciplina de cururgia i da faculdade de odontolo...
Princípios de exodontia da disciplina de cururgia i da faculdade de odontolo...
Rodrigo Mega
 

Semelhante a Instrumental cirúrgico (20)

Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
 
Tempos Cirúrgicos (5).pdf
Tempos Cirúrgicos (5).pdfTempos Cirúrgicos (5).pdf
Tempos Cirúrgicos (5).pdf
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
FIOS DE SULTURA.ppt
FIOS DE SULTURA.pptFIOS DE SULTURA.ppt
FIOS DE SULTURA.ppt
 
Manual de sutura
Manual de suturaManual de sutura
Manual de sutura
 
Manual de sutura
Manual de suturaManual de sutura
Manual de sutura
 
Manual de Sutura.pdf
Manual de Sutura.pdfManual de Sutura.pdf
Manual de Sutura.pdf
 
Técnica+cirúrgica
Técnica+cirúrgicaTécnica+cirúrgica
Técnica+cirúrgica
 
fiosdesultura-230225132435-060a6d16.pptauladeclinicacirurgica
fiosdesultura-230225132435-060a6d16.pptauladeclinicacirurgicafiosdesultura-230225132435-060a6d16.pptauladeclinicacirurgica
fiosdesultura-230225132435-060a6d16.pptauladeclinicacirurgica
 
AULA INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA PINÇAS.pptx
AULA INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA PINÇAS.pptxAULA INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA PINÇAS.pptx
AULA INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA PINÇAS.pptx
 
Materiais médicos hospitalares 2
Materiais médicos hospitalares 2Materiais médicos hospitalares 2
Materiais médicos hospitalares 2
 
Pinças Ci.pptx
Pinças Ci.pptxPinças Ci.pptx
Pinças Ci.pptx
 
instrumentac3a7c3a3o-cirurgica1.pdfMedico
instrumentac3a7c3a3o-cirurgica1.pdfMedicoinstrumentac3a7c3a3o-cirurgica1.pdfMedico
instrumentac3a7c3a3o-cirurgica1.pdfMedico
 
aula-5-terminologia-especifica-em-situacao-ciurgica.pdf
aula-5-terminologia-especifica-em-situacao-ciurgica.pdfaula-5-terminologia-especifica-em-situacao-ciurgica.pdf
aula-5-terminologia-especifica-em-situacao-ciurgica.pdf
 
Aula cc turma 4
Aula cc turma 4Aula cc turma 4
Aula cc turma 4
 
SÍNTESE E FIOS DE SUTURA
SÍNTESE E FIOS DE SUTURASÍNTESE E FIOS DE SUTURA
SÍNTESE E FIOS DE SUTURA
 
Fios cirurgicos
Fios cirurgicosFios cirurgicos
Fios cirurgicos
 
Princípios de exodontia da disciplina de cururgia i da faculdade de odontolo...
Princípios de  exodontia da disciplina de cururgia i da faculdade de odontolo...Princípios de  exodontia da disciplina de cururgia i da faculdade de odontolo...
Princípios de exodontia da disciplina de cururgia i da faculdade de odontolo...
 
Princípios de exodontia da disciplina de cururgia i da faculdade de odontolo...
Princípios de  exodontia da disciplina de cururgia i da faculdade de odontolo...Princípios de  exodontia da disciplina de cururgia i da faculdade de odontolo...
Princípios de exodontia da disciplina de cururgia i da faculdade de odontolo...
 

Instrumental cirúrgico

  • 1. { Assistência de Enfermagem em Clínica Cirúrgica
  • 3. O que é instrumental? Instrumental é todo material utilizado na realização de intervenções cirúrgicas, retirada de pontos, exames, tratamentos e curativos.
  • 4. Fabricação O melhor material para fabricação do instrumental é o aço inoxidável, pois apresentam maior durabilidade.
  • 5. Divisão dos Instrumentais Podem ser divididos em: o Especiais: são instrumentais utilizados apenas em determinadas cirurgias e em tempo específicos. o Comuns: são os instrumentais básicos utilizados em qualquer tipo de intervenção cirúrgica nos tempos fundamentais como DIÉRESE (corte), HEMOSTASIA (pinçamento de vasos sangrantes) e SÍNTESE (sutura).
  • 6. Classificação Divisão Didática dos Instrumentos De acordo com sua utilização, temos os seguintes instrumentos:  Instrumental para Diérese;  Instrumental para Hemostasia;  Instrumental para Síntese;  Instrumentos Auxiliares;  Pinça de Campo;  Afastadores;  Preensão;  Instrumentos Especiais.
  • 7. Instrumental de Diérese É a fase de abertura, tem a função de cortar e dissecar os tecidos. Constituído pelos bisturis, tesouras, trépano, e outros, utilizados nas cirurgias gerais, assim como nas especiais.
  • 8. Bisturi O bisturi é o melhor instrumento para a secção dos tecidos, sendo um instrumental de corte por excelência. Grande parte dos bisturis são cabos com uma extremidade destinada à fixação de lâminas descartáveis.
  • 9. Bisturi Os cabos de bisturis são designados por números, por exemplo: cabo n°3 ou n°4. Quanto menor o número, menor a lâmina, destinado a atos cirúrgicos delicados. Os cabos de bisturis com números maiores apresentam encaixe maior para lâminas também maiores, destinados a procedimentos cirúrgicos gerais.
  • 11. Tesouras  São instrumentos de corte, podem ser curvas ou retas, fortes ou delicadas e em diversos tamanhos;  Podem apresentar lâmina simples ou serrilhada e pontas rombas ou pontiagudas ou uma combinação das duas (Romba-Romba, Romba- Ponta, Ponta-Ponta);
  • 13. As tesouras METZENBAUM são indicadas para a diérese mais delicada de tecidos, podem ser utilizadas em cavidades, introduzindo-as a fundo. É indicada para a diérese de tecidos orgânicos por ser considerada menos traumática, pois apresenta sua porção cortante mais curta que a não- cortante.
  • 14. As tesouras de MAYO, são muito empregadas na rotina cirúrgica, principalmente na versão R (reta), para tecidos mais grosseiros, em superfícies ou em cavidades, e corte de fios. É considerada mais traumática que a de Metzenbaum, por apresentar a porção cortante proporcional à não-cortante.
  • 15. Indicada para procedimento cirúrgico do crânio para se obter acesso as meninges ou massa encefálica.
  • 16. Instrumental para Hemostasia É a fase de contenção do sangramento de vasos. As pinças hemostáticas são usadas em situações que exigem instrumentos mais longos. As pinças atraumáticas são usadas para hemostasia temporária. Representados por pinças nas formas retas e curvas, por exemplo, as pinças Kelly, Halstead, Rochester, Moynihan.
  • 17. Pinça Kelly Reta Pinça Kelly Curva
  • 18. Pinça de Halstead Reta Pinça de Halstead Curva
  • 19. Pinça de Rochester Reta Pinça de Rochester Curva
  • 21. Instrumental para Síntese  Destina-se para fechamento da ferida cirúrgica.  Representado basicamente pelas agulhas de sutura, porta agulhas, e principalmente pelos fios cirúrgicos, grampos e fitas adesivas de pele.
  • 22. Fios Cirúrgicos Absorvíveis  Fios cirúrgicos absorvíveis biológicos  Fios cirúrgicos absorvíveis sintéticos
  • 23. Fios Absorvíveis, são assimilados pelo tecido em que são implantados. Utilizados mais em estruturas internas.  Origem animal: são fagocitados por meio de atividade enzimática durante a cicatrização;  Origem sintética: são hidrolizados da reação com as moléculas de água dos líquidos corporais, que se degradam e são assimilados pelos tecidos na cicatrização.
  • 24. o Biológicos: são conhecidos como CATGUT (nome de origem inglesa = intestino de gato), mas não se usa esse material. É uma fibra natural de grande elasticidade e tenacidade (impacto necessário que leva a ruptura), preparada com uma dos intestinos, normalmente bovinos e suínos. Podem ser simples ou cromados.
  • 25. • O catgut simples é indicado para os tecidos de rápida cicatrização, com absorção total em 2 a 3 semanas; • O catgut cromado, devido à impregnação com sais de ácido crômico, é totalmente absorvido em 6 meses.
  • 26. o Sintéticos: Ácido poliglicólico, fio multifilamentar com excelente maleabilidade. O ácido poliglicólico é um material sintético obtido por meio de polimerização do ácido glicólico, de fácil manuseio, forte, flexível e de boa tolerância. São utilizados em cirurgias ginecológicas, cirurgia geral e operações urológicas.
  • 28. Fios não-absorvíveis, permanecem encapsulados (envolvidos por tecido fibroso) nas estruturas internas e nas suturas de pele; devem ser removidos entre o 7° e o 10° dia de pós-operatório. Utilizado mais em estruturas na parte da epiderme.
  • 29. Podem ser de origem animal, como a seda; de origem vegetal, como o algodão e linho; de origem sintética, como o nylon, perlon, poliéster; ou de origem mineral, como o fio de aço.
  • 33. Fitas
  • 35. Instrumental Auxiliares Servem para facilitar o uso de outros instrumentos. Pinças anatômicas e dente de rato
  • 37. Pinça de Campo Instrumental de Campo Serve para fixação de campos que delimitam a área operatória
  • 38. Afastadores Serve para afastar os tecidos abertos. Podem ser auto estáticos ou dinâmicos.
  • 39. Auto estáticos: Os auto estáticos são usados para a abertura da cavidade abdominal. Afastador Finochietto Afastador Gosset
  • 40. Dinâmicos: Os afastadores dinâmicos são usados para a separação e abertura do campo operatório em diversas áreas do corpo. Afastadores Farabeuf
  • 41. Preensão Servem para segurar e suspender vísceras e órgãos. Ex.: Allis, Collin e Duval
  • 42. Pinça de Apreensão Allis Pinça de Apreensão Collin Pinça de Apreensão Duval
  • 43. Instrumentos Especiais São instrumentos específicos usados em cada tipo de cirurgia. Serão sempre diferentes para cada tipo de cirurgia e usado no momento nobre da mesma.
  • 44. Pinça de Abadie: utilizada nas cirurgias do trato digestivo. Pinça de Satinsky: utilizada na cirurgia vascular