SlideShare uma empresa Scribd logo
Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Esterilizada
   Daynara Rayelle
   Teresa Oliveira
   Tatiany Fernandes
   Emanuelle Mayara
   Idener Chagas
   Michelle Souza
   Viviane Moura
   Natália
Central de Material Esterilizado
                   CME

Unidade de apoio a todos os serviços assistenciais e de
diagnóstico que necessitem de artigos odonto-médico-
hospitalares para a prestação da assistência a seus clientes.

Centralização: equipamentos de esterilização em área comum (
gastos com manutenção e compra), padronização de
procedimentos.
Legislação:
RDC nº 307 de 14/11/02 – ANVISA – Dispõe sobre regulamento
técnico, planejamento, programação, elaboração e avaliação de
projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde.

RDC nº 50 de 21/02/02 – ANVISA Dispõe sobre regulamento técnico,
planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetos
físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde.

RDC nº 306 de 07/12/04 – ANVISA Gerenciamento de Resíduos de
serviços de saúde.

Portaria nº 482 de 16/04/99 – Dispõe sobre uso e instalação de ETO.

RDC nº 30 de 15/02/06 – registro, rotulagem e re- processamento de
produtos médicos, e dá outras providências.
Portaria nº 15 de 23/08/88 – Dispõe de regulamento para
registro de produtos saneantes domissanitarios e afins, com
ação antimicrobiana.
 Resolução SS – nº 374 de 15/12/95 – Dispõe sobre
procedimentos em CME.
 Resolução SS – nº 392 de 29/06/94 - Dispõe sobre
procedimentos em CME.
 Lei nº 6514 de 22/12/77 – Dispõe sobre segurança no trabalho.
Portaria nº 3214 de 08/06/78 - Dispõe sobre segurança no
trabalho.
 Portaria nº 2616 de 12/05/98 – Dispõe sobre Diretrizes e
Normas para prevenção e controle das infecções hospitalares.
 RDC nº 48 de 02/06/00 – Roteiro de Inspeção do PCIH –
ANVISA
Roteiro de Inspeção – INAISS - ANVISA
Classificação dos materiais

Material crítico
entra em contato com
vasos sanguíneos ou tecidos   Esterilização
livres de microorganismos
Ex: instrumental

Material semi-crítico
entra em contato com
mucosa ou pele não            Desinfecção
íntegra. Ex: inaladores


 Material não crítico
 entra em contato com         Limpeza
 pele íntegra. Ex: comadre
Processo de remoção mecânica das sujidades, realizado com água,
sabão ou detergente, de forma manual ou automatizada .O principal
fator que reduz até 4 log de organismos contaminantes. Quanto mais
limpo estiver o artigo, menores as chances de falhas na esterilização.




 Finalidade:
  Remoção da sujidade
  Remoção ou redução de microorganismos
  Remoção ou redução de substâncias pirogênicas
Uso de EPIs :
-   é imprescindível o uso correto dos EPIs para o desenvolvimento das
    técnicas de limpeza e desinfecção. São eles: aventais impermeáveis,
    luvas anti-derrapantes de cano longo, óculos de proteção, máscaras.




                                      FACE




                                      CORPO



                                      MÃOS
O que precisa?
Pia exclusiva com cuba funda (preferencialmente).
Bancada para apoio, deve ser lavável.
Cuba plástica para colocar a solução de limpeza(água e sabão ou solução
enzimática).
Escovas e/ou esponjas para a limpeza dos artigos.
Falso tecido descartável ou tecido(deve ser lavado após o uso, e ser
exclusivo) para enxugar os artigos.
A limpeza e secagem do artigo é obrigatória antes da desinfecção ou
esterilização.
Após o procedimento os utensílios devem ser limpos (cuba, escovas, etc),
pode fazer a desinfecção com Hipoclorito de sódio 0,5 – 1%.
Definir qual procedimento o artigo vai se submetido: desinfecção ou
esterilização.
(Resol SS374/95 manual MS /94)
Tipos de Limpeza
 MANUAL
 É realizada manualmente por meio de ação física, sendo utilizado
 água, detergente, escovas de cerdas macias.

AUTOMÁTICA
É realizada por máquinas automatizadas, que removem a sujidade por meio
de ação física e química .
LAVADORA ULTRA-SÔNICA - ação combinada da energia mecânica
(vibração sonora), térmica (temperatura entre 50º e 55ºC) e química
(detergentes).
LAVADORA DESCONTAMINADORA – jatos de água associadas a
detergentes, com ação de braços rotativos e bicos direcionados sob pressão.
LAVADORA TERMO-DESINFECTADORA -                     jatos de água e
turbilhonamento, associados a ação de detergentes. A desinfecção se dá por
meio de ação térmica ou termoquímica.
LAVADORA ESTERILIZADORA – realiza ciclos de pré-limpeza, limpeza
com detergente, enxágüe e esterilização.
Manual

       detergente
        (enzimático)
       escovas
       jatos de água
       água quente



E.P.I. – luvas grossas, avental impermeável, óculos e máscara
Limpeza
Manual
Automatizada

       equipamentos
        específicos
           (lavadoras)
        detergente enzimático
        temperatura



E.P.I. – luvas grossas, avental impermeável, óculos e máscara
Limpeza
Automatizada
Desinfecção:
É um processo que destrói microrganismos, patogênicos ou não,
dos artigos, com exceção de esporos bacterianos, por meios
físicos ou químicos.


Níveis de desinfecção:

Alto nível: destrói todos os microrganismos com exceção a alto
número de esporos => Glutaraldeído 2% - 20 – 30 minutos.
Indicação: área hospitalar preferencialmente.
Médio nível: elimina bactérias vegetativas, a maioria dos vírus,
fungos e micobactérias =>Hipoclorito de sódio 1% - 30 minutos.
Indicação: para UBS, creche, asilos,casa de repouso.
Baixo nível: elimina a maioria das bactérias, alguns vírus e
fungos, mas não elimina micobactérias =>Hipoclorito de sódio
0,025%
Indicação:nutrição.
Desinfecção


PROCESSOS QUÍMICOS
glutaraldeído 2%, ácido peracético,
compostos fenólicos, cloro, álcool 70%




PROCESSOS FÍSICOS
pasteurizadora e lavadoras
termodesinfetadoras
Desinfecção química
               ESPOROS BACTERIANOS
MAIOR             Bacillus subtillis
RESISTÊNCIA                                   Alto Nível

                  MICOBACTÉRIAS              aldeídos e ácido peracético


              VÍRUS PEQUENOS OU        NÃO    Nível Intermediário
                      LIPÍDICOS
                      poliovírus             álcool, hipoclorito de sódio a 1%,
                                             cloro orgânico, fenol sintético
                        FUNGOS
                      Candida spp


               BACTÉRIAS VEGETATIVAS           Baixo Nível
               Pseudomonas aeruginosa
                                             quaternário de amônio
MENOR             VÍRUS MÉDIOS OU            e hipoclorito de sódio 0,2%
RESISTÊNCIA            LIPÍDICOS
                    vírus HBV, HIV
Desinfetantes
     Glutaraldeído
   Desinfetante de alto nível - concentração 2%
   Período de exposição – 20 a 30 minutos
   Enxágüe abundante após imersão do material
   Utilização de EPI

Vantagem: não produz corrosão de instrumentais,
 não altera componentes de borracha ou plástico
Desvantagem: impregna matéria orgânica e pode ser
 retido por materiais porosos. Irritante de vias
 aéreas, ocular e cutânea.
Desinfetantes
     Ácido peracético
   Desinfetante de alto nível - concentração de 0,2%
   Período de exposição – 5 a 10 minutos (seguir
    orientação do fabricante)
   Utilização de EPI

Vantagem: pouco tóxico (água, ácido acético e
 oxigênio). É efetivo na presença de matéria
 orgânica
Desvantagem: é instável quando diluído, corrosivo
 para metais (aço, bronze, latão, ferro galvanizado)
Desinfetantes
     Compostos fenólicos
   Desinfetante de nível médio ou intermediário -
    concentração de 2 a 5%
   Período de exposição – 20 a 30 minutos
   Utilização de EPI

Vantagem: pouco afetados por matéria orgânica
Desvantagem: impregnam materiais porosos não
 sendo indicados para artigos que entrem em
 contato com o trato respiratório (borracha, látex).
 Contra indicados para uso em berços e
 incubadoras.
Desinfetantes
     Compostos clorados
   Variadas concentrações
   Forma líquida (hipoclorito de sódio)
   Forma sólida (hipoclorito de cálcio)
   Utilização de EPI

Vantagem: baixo custo, ação rápida, baixa
 toxicidade
Desvantagem: difícil de ser validado, corrosivo para
 metais, inativado na presença de matéria orgânica,
 odor forte, irritante de mucosa.
Desinfetantes
     Álcool
   Desinfetante de nível intermediário – álcool etílico
    a 70%
   Utilizado para artigos e superfícies por meio de
    fricção (repetir a operação 3 vezes)

Vantagem: ação rápida, fácil uso, baixo custo,
 compatível com metais.
Desvantagem: dilata e enrijece borracha e plástico,
 opacifica acrílico, danifica lentes e materiais com
 verniz, inflamável
Desinfetantes
     Quaternário de amônio
   Desinfetante de baixo nível
   Concentração da fórmula – depende do fabricante
   Utilizados em superfícies, paredes e mobiliários

Vantagem: baixa toxicidade
Desvantagem: podem causar irritação na pele.
 Podem danificar borrachas sintéticas, cimento e
 alumínio.
Desinfetantes
     Seleção dos desinfetantes

   Amplo espectro de ação antimicrobiana
   Não ser corrosivo para metais
   Não danificar artigos ou acessórios de borracha,
    plástico ou equipamentos óticos
   Sofrer pouca interferência de matéria orgânica
   Possuir baixa toxicidade
   Ser inodoro ou ter odor agradável
   Ser compatível com sabões e detergentes
   Ser estável quando concentrado ou diluído
Desinfecção química

    Toxicidade
      (EPI)                            Concentração




  Odor
                 Desinfetantes
                                              Corrosão
Tempo de
exposição
                   Custo x Benefício
Processos físicos

       Pasteurização
    Desinfecção de alto nível – água 75ºC por 30 minutos
    Utilizada para artigos de terapia respiratória.
    Necessita secagem, pode causar queimaduras



     Lavadora termodesinfetadora
    • Lavam e fazem desinfecção de alto nível – 60 a 95ºC
    • Utilizada para artigos de terapia respiratória, acessórios de
      respiradores, comadres, papagaios, cubas.
Termodesinfecção
Embalagem
Deve permitir a esterilização do artigo, mantendo a sua esterilidade
  até a utilização.


Requisitos:
 Ser permeável ao ar para permitir sua
  saída e entrada do agente esterilizante
 Ser permeável ao agente esterilizante,
  mesmo em cobertura dupla
 Permitir sua secagem, bem como a do
  seu conteúdo
 Ser uma barreira efetiva à passagem de
  microorganismos
Embalagem

      Ideal

•   visibilidade do conteúdo
•   indicador químico
•   selagem segura
•   indicação para abertura
•   lote de fabricação
•   tamanhos variados
•   registro MS
   Esterilização de artigos em unidades de saúde – 2ª ed.rev.e
    ampl. – São Paulo: Associação paulista de Estudos e Controle
    de Infecção Hospitalar, 2003

   Graziano KU. Processos de limpeza e desinfecção de artigos
    odonto-médico-hospitalares e cuidados com o ambiente
    cirúrgico. In: Rubia Aparecida Lacerda. Controle de infecção
    em centro cirúrgico: fatos, mitos e controvérsias. São Paulo:
    Atheneu, 2003.

   Aula Prof. REUTONE FERNANDES PRAZERES

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 4 biossegurança ii
Aula 4   biossegurança iiAula 4   biossegurança ii
Aula 4 biossegurança ii
José Vitor Alves
 
Assepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsiaAssepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsia
Fernando de Oliveira Dutra
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
Juliana Maciel
 
Monitoramento da Esterilização
Monitoramento da EsterilizaçãoMonitoramento da Esterilização
Monitoramento da Esterilização
Janaína Lassala
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Will Nunes
 
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
ivanaferraz
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
Janaína Lassala
 
Treinamento de CME
Treinamento de CMETreinamento de CME
Treinamento de CME
Gilson Betta Sevilha
 
Centro cirurgico
Centro cirurgico Centro cirurgico
Centro cirurgico
Alexandre Reis
 
Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
Cintia da Cruz Silva
 
Aula esterilizacao
Aula esterilizacaoAula esterilizacao
Aula esterilizacao
Mario Santos Aguiar
 
Higienização das mãos
Higienização das mãosHigienização das mãos
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
Sheilla Sandes
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
Rafaela Carvalho
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
hospital
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
Viviane da Silva
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Centro Universitário Ages
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
Renatbar
 
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalarPrecauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Grupo Ivan Ervilha
 
Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.
Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.
Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.
Eliete Santos
 

Mais procurados (20)

Aula 4 biossegurança ii
Aula 4   biossegurança iiAula 4   biossegurança ii
Aula 4 biossegurança ii
 
Assepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsiaAssepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsia
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
 
Monitoramento da Esterilização
Monitoramento da EsterilizaçãoMonitoramento da Esterilização
Monitoramento da Esterilização
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Treinamento de CME
Treinamento de CMETreinamento de CME
Treinamento de CME
 
Centro cirurgico
Centro cirurgico Centro cirurgico
Centro cirurgico
 
Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
 
Aula esterilizacao
Aula esterilizacaoAula esterilizacao
Aula esterilizacao
 
Higienização das mãos
Higienização das mãosHigienização das mãos
Higienização das mãos
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalarPrecauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
Precauções para prevenção de transmissão de agentes infecciosos intra-hospitalar
 
Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.
Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.
Apresentação 2 limpeza de materiais e arrumação de caixa.
 

Semelhante a Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Esterilizada

Controle microbiano - Renato Varges
Controle microbiano - Renato VargesControle microbiano - Renato Varges
Controle microbiano - Renato Varges
Renato Varges - UFF
 
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Conceicao Cavalcante
 
Desinfecção e esterilização
Desinfecção e esterilizaçãoDesinfecção e esterilização
Desinfecção e esterilização
Flávia Cunha
 
Aula 06 - Limpeza e esterilização.pdf
Aula 06 - Limpeza e esterilização.pdfAula 06 - Limpeza e esterilização.pdf
Aula 06 - Limpeza e esterilização.pdf
MayaraOliveira228
 
antissepsia, esterilização e desinfecção final.pptx
antissepsia, esterilização e desinfecção final.pptxantissepsia, esterilização e desinfecção final.pptx
antissepsia, esterilização e desinfecção final.pptx
emmanuelesilva3
 
Esterilizacaoesterelização
EsterilizacaoesterelizaçãoEsterilizacaoesterelização
Esterilizacaoesterelização
Willian França
 
Desinfecção e Esterilização
Desinfecção e EsterilizaçãoDesinfecção e Esterilização
Desinfecção e Esterilização
Flavia Carmo
 
Conceitos Básicos - Limpeza Profissional.pdf
Conceitos Básicos - Limpeza Profissional.pdfConceitos Básicos - Limpeza Profissional.pdf
Conceitos Básicos - Limpeza Profissional.pdf
WilianPrado1
 
Aula Biossegurança - Embalagem.pdf
Aula Biossegurança - Embalagem.pdfAula Biossegurança - Embalagem.pdf
Aula Biossegurança - Embalagem.pdf
TedTrindade1
 
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdfAula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf
HerikaValenzuelaferr
 
Tabela Antissepticos e desinfetantes.pdf
Tabela Antissepticos e desinfetantes.pdfTabela Antissepticos e desinfetantes.pdf
Tabela Antissepticos e desinfetantes.pdf
MikaLima4
 
Introdução à higienização - definições, fatores e etapas.ppt
Introdução à higienização -  definições, fatores e etapas.pptIntrodução à higienização -  definições, fatores e etapas.ppt
Introdução à higienização - definições, fatores e etapas.ppt
GUILHERMEERNANDES1
 
áCido peracético
áCido peracéticoáCido peracético
áCido peracético
sandro valente
 
Estudo dirigido
Estudo dirigidoEstudo dirigido
Estudo dirigido
José Lino de Queiroz
 
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdfprocessodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
RaquelOlimpio1
 
Processo de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptx
Processo de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptxProcesso de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptx
Processo de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptx
savesegdotrabalho
 
2. biossegurança
2. biossegurança2. biossegurança
2. biossegurança
Fredson Serejo
 
Trabalhadores higiene das_instalacoes_equipamentos-1
Trabalhadores higiene das_instalacoes_equipamentos-1Trabalhadores higiene das_instalacoes_equipamentos-1
Trabalhadores higiene das_instalacoes_equipamentos-1
Telma Cacém E Juromenha
 
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptxAula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Felipe Ribeiro
 
2ª Edição do 1º Seminário CME - Processo de Limpeza de Instrumentais - Deterg...
2ª Edição do 1º Seminário CME - Processo de Limpeza de Instrumentais - Deterg...2ª Edição do 1º Seminário CME - Processo de Limpeza de Instrumentais - Deterg...
2ª Edição do 1º Seminário CME - Processo de Limpeza de Instrumentais - Deterg...
Seminário CME
 

Semelhante a Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Esterilizada (20)

Controle microbiano - Renato Varges
Controle microbiano - Renato VargesControle microbiano - Renato Varges
Controle microbiano - Renato Varges
 
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
Limpeza, desinfecção e esterilização de artigos como medidas de prevenção e c...
 
Desinfecção e esterilização
Desinfecção e esterilizaçãoDesinfecção e esterilização
Desinfecção e esterilização
 
Aula 06 - Limpeza e esterilização.pdf
Aula 06 - Limpeza e esterilização.pdfAula 06 - Limpeza e esterilização.pdf
Aula 06 - Limpeza e esterilização.pdf
 
antissepsia, esterilização e desinfecção final.pptx
antissepsia, esterilização e desinfecção final.pptxantissepsia, esterilização e desinfecção final.pptx
antissepsia, esterilização e desinfecção final.pptx
 
Esterilizacaoesterelização
EsterilizacaoesterelizaçãoEsterilizacaoesterelização
Esterilizacaoesterelização
 
Desinfecção e Esterilização
Desinfecção e EsterilizaçãoDesinfecção e Esterilização
Desinfecção e Esterilização
 
Conceitos Básicos - Limpeza Profissional.pdf
Conceitos Básicos - Limpeza Profissional.pdfConceitos Básicos - Limpeza Profissional.pdf
Conceitos Básicos - Limpeza Profissional.pdf
 
Aula Biossegurança - Embalagem.pdf
Aula Biossegurança - Embalagem.pdfAula Biossegurança - Embalagem.pdf
Aula Biossegurança - Embalagem.pdf
 
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdfAula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf
Aula 8 - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OK.pdf
 
Tabela Antissepticos e desinfetantes.pdf
Tabela Antissepticos e desinfetantes.pdfTabela Antissepticos e desinfetantes.pdf
Tabela Antissepticos e desinfetantes.pdf
 
Introdução à higienização - definições, fatores e etapas.ppt
Introdução à higienização -  definições, fatores e etapas.pptIntrodução à higienização -  definições, fatores e etapas.ppt
Introdução à higienização - definições, fatores e etapas.ppt
 
áCido peracético
áCido peracéticoáCido peracético
áCido peracético
 
Estudo dirigido
Estudo dirigidoEstudo dirigido
Estudo dirigido
 
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdfprocessodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
processodeesterilizaodemateriaismdicoshospitalares-240313195632-86dbc181.pdf
 
Processo de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptx
Processo de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptxProcesso de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptx
Processo de esterilização de materiais médicos_hospitalares.pptx
 
2. biossegurança
2. biossegurança2. biossegurança
2. biossegurança
 
Trabalhadores higiene das_instalacoes_equipamentos-1
Trabalhadores higiene das_instalacoes_equipamentos-1Trabalhadores higiene das_instalacoes_equipamentos-1
Trabalhadores higiene das_instalacoes_equipamentos-1
 
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptxAula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
 
2ª Edição do 1º Seminário CME - Processo de Limpeza de Instrumentais - Deterg...
2ª Edição do 1º Seminário CME - Processo de Limpeza de Instrumentais - Deterg...2ª Edição do 1º Seminário CME - Processo de Limpeza de Instrumentais - Deterg...
2ª Edição do 1º Seminário CME - Processo de Limpeza de Instrumentais - Deterg...
 

Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Esterilizada

  • 2. Daynara Rayelle  Teresa Oliveira  Tatiany Fernandes  Emanuelle Mayara  Idener Chagas  Michelle Souza  Viviane Moura  Natália
  • 3. Central de Material Esterilizado CME Unidade de apoio a todos os serviços assistenciais e de diagnóstico que necessitem de artigos odonto-médico- hospitalares para a prestação da assistência a seus clientes. Centralização: equipamentos de esterilização em área comum ( gastos com manutenção e compra), padronização de procedimentos.
  • 4. Legislação: RDC nº 307 de 14/11/02 – ANVISA – Dispõe sobre regulamento técnico, planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde. RDC nº 50 de 21/02/02 – ANVISA Dispõe sobre regulamento técnico, planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde. RDC nº 306 de 07/12/04 – ANVISA Gerenciamento de Resíduos de serviços de saúde. Portaria nº 482 de 16/04/99 – Dispõe sobre uso e instalação de ETO. RDC nº 30 de 15/02/06 – registro, rotulagem e re- processamento de produtos médicos, e dá outras providências.
  • 5. Portaria nº 15 de 23/08/88 – Dispõe de regulamento para registro de produtos saneantes domissanitarios e afins, com ação antimicrobiana.  Resolução SS – nº 374 de 15/12/95 – Dispõe sobre procedimentos em CME.  Resolução SS – nº 392 de 29/06/94 - Dispõe sobre procedimentos em CME.  Lei nº 6514 de 22/12/77 – Dispõe sobre segurança no trabalho. Portaria nº 3214 de 08/06/78 - Dispõe sobre segurança no trabalho.  Portaria nº 2616 de 12/05/98 – Dispõe sobre Diretrizes e Normas para prevenção e controle das infecções hospitalares.  RDC nº 48 de 02/06/00 – Roteiro de Inspeção do PCIH – ANVISA Roteiro de Inspeção – INAISS - ANVISA
  • 6. Classificação dos materiais Material crítico entra em contato com vasos sanguíneos ou tecidos Esterilização livres de microorganismos Ex: instrumental Material semi-crítico entra em contato com mucosa ou pele não Desinfecção íntegra. Ex: inaladores Material não crítico entra em contato com Limpeza pele íntegra. Ex: comadre
  • 7. Processo de remoção mecânica das sujidades, realizado com água, sabão ou detergente, de forma manual ou automatizada .O principal fator que reduz até 4 log de organismos contaminantes. Quanto mais limpo estiver o artigo, menores as chances de falhas na esterilização. Finalidade:  Remoção da sujidade  Remoção ou redução de microorganismos  Remoção ou redução de substâncias pirogênicas
  • 8. Uso de EPIs : - é imprescindível o uso correto dos EPIs para o desenvolvimento das técnicas de limpeza e desinfecção. São eles: aventais impermeáveis, luvas anti-derrapantes de cano longo, óculos de proteção, máscaras. FACE CORPO MÃOS
  • 9. O que precisa? Pia exclusiva com cuba funda (preferencialmente). Bancada para apoio, deve ser lavável. Cuba plástica para colocar a solução de limpeza(água e sabão ou solução enzimática). Escovas e/ou esponjas para a limpeza dos artigos. Falso tecido descartável ou tecido(deve ser lavado após o uso, e ser exclusivo) para enxugar os artigos. A limpeza e secagem do artigo é obrigatória antes da desinfecção ou esterilização. Após o procedimento os utensílios devem ser limpos (cuba, escovas, etc), pode fazer a desinfecção com Hipoclorito de sódio 0,5 – 1%. Definir qual procedimento o artigo vai se submetido: desinfecção ou esterilização. (Resol SS374/95 manual MS /94)
  • 10. Tipos de Limpeza MANUAL É realizada manualmente por meio de ação física, sendo utilizado água, detergente, escovas de cerdas macias. AUTOMÁTICA É realizada por máquinas automatizadas, que removem a sujidade por meio de ação física e química . LAVADORA ULTRA-SÔNICA - ação combinada da energia mecânica (vibração sonora), térmica (temperatura entre 50º e 55ºC) e química (detergentes). LAVADORA DESCONTAMINADORA – jatos de água associadas a detergentes, com ação de braços rotativos e bicos direcionados sob pressão. LAVADORA TERMO-DESINFECTADORA - jatos de água e turbilhonamento, associados a ação de detergentes. A desinfecção se dá por meio de ação térmica ou termoquímica. LAVADORA ESTERILIZADORA – realiza ciclos de pré-limpeza, limpeza com detergente, enxágüe e esterilização.
  • 11. Manual  detergente (enzimático)  escovas  jatos de água  água quente E.P.I. – luvas grossas, avental impermeável, óculos e máscara
  • 13. Automatizada  equipamentos específicos (lavadoras)  detergente enzimático  temperatura E.P.I. – luvas grossas, avental impermeável, óculos e máscara
  • 15. Desinfecção: É um processo que destrói microrganismos, patogênicos ou não, dos artigos, com exceção de esporos bacterianos, por meios físicos ou químicos. Níveis de desinfecção: Alto nível: destrói todos os microrganismos com exceção a alto número de esporos => Glutaraldeído 2% - 20 – 30 minutos. Indicação: área hospitalar preferencialmente. Médio nível: elimina bactérias vegetativas, a maioria dos vírus, fungos e micobactérias =>Hipoclorito de sódio 1% - 30 minutos. Indicação: para UBS, creche, asilos,casa de repouso. Baixo nível: elimina a maioria das bactérias, alguns vírus e fungos, mas não elimina micobactérias =>Hipoclorito de sódio 0,025% Indicação:nutrição.
  • 16. Desinfecção PROCESSOS QUÍMICOS glutaraldeído 2%, ácido peracético, compostos fenólicos, cloro, álcool 70% PROCESSOS FÍSICOS pasteurizadora e lavadoras termodesinfetadoras
  • 17. Desinfecção química ESPOROS BACTERIANOS MAIOR Bacillus subtillis RESISTÊNCIA Alto Nível MICOBACTÉRIAS aldeídos e ácido peracético VÍRUS PEQUENOS OU NÃO Nível Intermediário LIPÍDICOS poliovírus álcool, hipoclorito de sódio a 1%, cloro orgânico, fenol sintético FUNGOS Candida spp BACTÉRIAS VEGETATIVAS Baixo Nível Pseudomonas aeruginosa quaternário de amônio MENOR VÍRUS MÉDIOS OU e hipoclorito de sódio 0,2% RESISTÊNCIA LIPÍDICOS vírus HBV, HIV
  • 18. Desinfetantes Glutaraldeído  Desinfetante de alto nível - concentração 2%  Período de exposição – 20 a 30 minutos  Enxágüe abundante após imersão do material  Utilização de EPI Vantagem: não produz corrosão de instrumentais, não altera componentes de borracha ou plástico Desvantagem: impregna matéria orgânica e pode ser retido por materiais porosos. Irritante de vias aéreas, ocular e cutânea.
  • 19. Desinfetantes Ácido peracético  Desinfetante de alto nível - concentração de 0,2%  Período de exposição – 5 a 10 minutos (seguir orientação do fabricante)  Utilização de EPI Vantagem: pouco tóxico (água, ácido acético e oxigênio). É efetivo na presença de matéria orgânica Desvantagem: é instável quando diluído, corrosivo para metais (aço, bronze, latão, ferro galvanizado)
  • 20. Desinfetantes Compostos fenólicos  Desinfetante de nível médio ou intermediário - concentração de 2 a 5%  Período de exposição – 20 a 30 minutos  Utilização de EPI Vantagem: pouco afetados por matéria orgânica Desvantagem: impregnam materiais porosos não sendo indicados para artigos que entrem em contato com o trato respiratório (borracha, látex). Contra indicados para uso em berços e incubadoras.
  • 21. Desinfetantes Compostos clorados  Variadas concentrações  Forma líquida (hipoclorito de sódio)  Forma sólida (hipoclorito de cálcio)  Utilização de EPI Vantagem: baixo custo, ação rápida, baixa toxicidade Desvantagem: difícil de ser validado, corrosivo para metais, inativado na presença de matéria orgânica, odor forte, irritante de mucosa.
  • 22. Desinfetantes Álcool  Desinfetante de nível intermediário – álcool etílico a 70%  Utilizado para artigos e superfícies por meio de fricção (repetir a operação 3 vezes) Vantagem: ação rápida, fácil uso, baixo custo, compatível com metais. Desvantagem: dilata e enrijece borracha e plástico, opacifica acrílico, danifica lentes e materiais com verniz, inflamável
  • 23. Desinfetantes Quaternário de amônio  Desinfetante de baixo nível  Concentração da fórmula – depende do fabricante  Utilizados em superfícies, paredes e mobiliários Vantagem: baixa toxicidade Desvantagem: podem causar irritação na pele. Podem danificar borrachas sintéticas, cimento e alumínio.
  • 24. Desinfetantes Seleção dos desinfetantes  Amplo espectro de ação antimicrobiana  Não ser corrosivo para metais  Não danificar artigos ou acessórios de borracha, plástico ou equipamentos óticos  Sofrer pouca interferência de matéria orgânica  Possuir baixa toxicidade  Ser inodoro ou ter odor agradável  Ser compatível com sabões e detergentes  Ser estável quando concentrado ou diluído
  • 25. Desinfecção química Toxicidade (EPI) Concentração Odor Desinfetantes Corrosão Tempo de exposição Custo x Benefício
  • 26. Processos físicos Pasteurização  Desinfecção de alto nível – água 75ºC por 30 minutos  Utilizada para artigos de terapia respiratória.  Necessita secagem, pode causar queimaduras Lavadora termodesinfetadora • Lavam e fazem desinfecção de alto nível – 60 a 95ºC • Utilizada para artigos de terapia respiratória, acessórios de respiradores, comadres, papagaios, cubas.
  • 28. Embalagem Deve permitir a esterilização do artigo, mantendo a sua esterilidade até a utilização. Requisitos:  Ser permeável ao ar para permitir sua saída e entrada do agente esterilizante  Ser permeável ao agente esterilizante, mesmo em cobertura dupla  Permitir sua secagem, bem como a do seu conteúdo  Ser uma barreira efetiva à passagem de microorganismos
  • 29. Embalagem Ideal • visibilidade do conteúdo • indicador químico • selagem segura • indicação para abertura • lote de fabricação • tamanhos variados • registro MS
  • 30. Esterilização de artigos em unidades de saúde – 2ª ed.rev.e ampl. – São Paulo: Associação paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar, 2003  Graziano KU. Processos de limpeza e desinfecção de artigos odonto-médico-hospitalares e cuidados com o ambiente cirúrgico. In: Rubia Aparecida Lacerda. Controle de infecção em centro cirúrgico: fatos, mitos e controvérsias. São Paulo: Atheneu, 2003.  Aula Prof. REUTONE FERNANDES PRAZERES