SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
|  Português – 10º ano  | Poetas do Séc. XX Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2010 /2011 Poesia do Século XX Objectivos a alcançar: .  Poesia e Poeta:  tentativas de definição .  Contextualização:  Modernismo/Geração de Orpheu/Fernando Pessoa; Presencialismo e Neo-realismo . Conhecer vários poetas  portugueses e de expressão lusófona . Identificar várias  temáticas . Identificar  recursos estilísticos  e saber evidenciar o seu  valor expressivo . Saber analisar a estrutura formal de um poema
|  Português – 10º ano  | Poetas do Séc. XX Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2010 /2011 ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
|  Português – 10º ano  | Poetas do Séc. XX Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2010 /2011 Ser poeta é ser mais alto, é ser maior  Do que os homens! Morder como quem beija!  É ser mendigo e dar como quem seja  Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!  É ter de mil desejos o esplendor  E não saber sequer que se deseja!  É ter cá dentro um astro que flameja,  É ter garras e asas de condor!  É ter fome, é ter sede de Infinito!  Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim...  É condensar o mundo num só grito!  E é amar-te, assim, perdidamente...  É seres alma, e sangue, e vida em mim  E dizê-lo cantando a toda a gente!  Florbela Espanca ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
|  Português – 10º ano  | Poetas do Séc. XX Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2010 /2011 O que é a Poesia? Ver Claro  Toda a poesia é luminosa, até  a mais obscura.  O leitor é que tem às vezes,  em lugar de sol, nevoeiro dentro de si.  E o nevoeiro nunca deixa ver claro.  Se regressar  outra vez e outra vez  e outra vez  a essas sílabas acesas  ficará cego de tanta claridade.  Abençoado seja se lá chegar.  Eugénio de Andrade, Os Sulcos da Sede Lavoisier  Na poesia,  natureza variável  das palavras,  nada se perde  ou cria,  tudo se transforma:  cada poema  no seu perfil  incerto  e caligráfico,  já sonha  outra forma.  Carlos de Oliveira  Conselho Sê paciente; espera Que a palavra amadureça E se desprenda como um fruto Ao passar o vento que a ameaça. Eugénio de Andrade, Poesia
|  Português – 10º ano  | Poetas do Séc. XX Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2010 /2011 Vila Viçosa 1894 - 1930  CARAVELAS Cheguei a meio da vida já cansada De tanto caminhar! Já me perdi! Dum estranho país que nunca vi Sou neste mundo imenso a exilada. Tanto tenho aprendido e não sei nada. E as torres de marfim que construí Em trágica loucura as destruí Por minhas próprias mãos de malfadada! Se eu sempre fui assim este Mar morto: Mar sem marés, sem vagas e sem porto Onde velas de sonhos se rasgaram! Caravelas doiradas a bailar... Ai quem me dera as que eu deitei ao Mar! As que eu lancei à vida, e não voltaram!... Florbela Espanca, «Charneca em Flor», 1930 Ideias-Chave .  Sofrimento , solidão e desencanto;  . Imensa ternura e um desejo de  felicidade e plenitude  que só poderão ser alcançados no  absoluto , no  infinito ; . carácter confessional,  sentimental ; .  Poetisa de excessos , cultivou exacerbadamente a  paixão , com voz marcadamente feminina (na qual alguns críticos encontram dom-joanismo no feminino).
|  Português – 10º ano  | Poetas do Séc. XX Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2010 /2011 Porto 1900-1985 " Viver sempre também cansa ! O sol é sempre o mesmo e o céu azul ora é azul, nitidamente azul, ora é cinza, negro, quase verde... Mas nunca tem a cor inesperada. O Mundo não se modifica. As árvores dão flores, folhas, frutos e pássaros como máquinas verdes. As paisagens também não se transformam. Não cai neve vermelha, não há flores que voem, a lua não tem olhos e ninguém vai pintar olhos à lua. Tudo é igual, mecânico e exacto. Ainda por cima os homens são os homens. Soluçam, bebem, riem e digerem sem imaginação. (…) José Gomes Ferreira ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
|  Português – 10º ano  | Poetas do Séc. XX Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2010 /2011 Vila do Conde 1901-1969 Ignoto Deo  Desisti de saber qual é o Teu nome,  Se tens ou não tens nome que Te demos,  Ou que rosto é que toma, se algum tome,  Teu sopro tão além de quanto vemos.  Desisti de Te amar, por mais que a fome  Do Teu amor nos seja o mais que temos,  E empenhei-me em domar, nem que os não dome,  Meus, por Ti, passionais e vãos extremos.  Chamar-Te amante ou pai... grotesco engano  Que por demais tresanda a gosto humano!  Grotesco engano o dar-te forma! E enfim,  Desisti de Te achar no quer que seja,  De Te dar nome, rosto, culto, ou igreja...  –  Tu é que não desistirás de mim!  José Régio, in 'Biografia'  Ideias-Chave: . Fundador  da revista "Presença" .  Conflitos  entre Deus e o Homem, o espírito e a carne, o indivíduo e a sociedade; .  Consciência  da frustração de todo o amor humano; .  Orgulhoso recurso à  solidão ; .  Problemática  da sinceridade e do logro perante os outros e perante a si mesmos.
|  Português – 10º ano  | Poetas do Séc. XX Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2010 /2011 Porto 1904-1984 Encontro  Felicidade, agarrei-te  Como um cão, pelo cachaço!  E, contigo, em mar de azeite  Afoguei-me, passo a passo...  Dei à minha alma a preguiça  Que o meu corpo não tivera.  E foi, assim, que, submissa,  Vi chegar a Primavera...  Quem a colher que a arrecade  (Há, nela, um segredo lento...)  Ó frágil felicidade!  —  Palavra que leva o vento,  E, depois, como se a ideia  De, nos dedos, a ter tido  Bastasse, por fim, larguei-a,  Sem ficar arrependido...  Pedro Homem de Mello, in "Eu Hei-de Voltar um Dia"  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
|  Português – 10º ano  | Poetas do Séc. XX Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2010 /2011 Lisboa 1906-1997 Pedra filosofal Eles não sabem que o sonho é uma constante da vida tão concreta e definida como outra coisa qualquer, como esta pedra cinzenta em que me sento e descanso, como este ribeiro manso em serenos sobressaltos, como estes pinheiros altos que em verde e oiro se agitam, como estas aves que gritam em bebedeiras de azul. Eles não sabem que o sonho é vinho, é espuma, é fermento, bichinho álacre e sedento, de focinho pontiagudo, que fossa através de tudo num perpétuo movimento. (…) António Gedeão Ideias-Chave: . Figura de referência incontornável no imaginário colectivo do povo português, principalmente para toda a geração da  "Pedra Filosofal”; . Sonha a  harmonia do mundo : igualdade na desigualdade; fraternidade na competição ou na luta de instintos; a liberdade íntima e cívica; .  Crença no aperfeiçoamento  incessante e progressivo da espécie humana.
|  Português – 10º ano  | Poetas do Séc. XX Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2010 /2011 S. Martinho de Anta-Sabrosa 1907-1995 Orfeu rebelde , canto como sou: Canto como um possesso Que na casca do tempo, a canivete, Gravasse a fúria de cada momento; Canto, a ver se o meu canto compromete A eternidade do meu sofrimento. Outros, felizes, sejam os rouxinóis... Eu ergo a voz assim, num desafio: Que o céu e a terra, pedras conjugadas Do moinho cruel que me tritura, Saibam que há gritos como há nortadas, Violências famintas de ternura. Bicho instintivo que adivinha a morte No corpo dum poeta que a recusa, Canto como quem usa Os versos em legítima defesa. Canto, sem perguntar à Musa Se o canto é de terror ou de beleza. Miguel Torga ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
|  Português – 10º ano  | Poetas do Séc. XX Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2010011 Fontes: http://www.astormentas.com/ http://alfarrabio.di.uminho.pt/ http://cvc.instituto-camoes.pt/index.php

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reisSíntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reisCatarina Castro
 
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - MensagemIga Almeida
 
Temáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verdeTemáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verdeMariaVerde1995
 
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas" Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas" Mariana Domingues
 
Mensagem - Antemanhã
Mensagem - AntemanhãMensagem - Antemanhã
Mensagem - AntemanhãSofia_Afonso
 
O ano da morte de r. reis
O ano da morte de r. reisO ano da morte de r. reis
O ano da morte de r. reisnatttaas
 
Resumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os MaiasResumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os MaiasRaffaella Ergün
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"MiguelavRodrigues
 
Principais Temáticas de Alberto Caeiro
Principais Temáticas de Alberto CaeiroPrincipais Temáticas de Alberto Caeiro
Principais Temáticas de Alberto CaeiroDina Baptista
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimoDina Baptista
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaVanda Sousa
 

Mais procurados (20)

Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reisSíntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
 
Mensagem síntese
Mensagem   sínteseMensagem   síntese
Mensagem síntese
 
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem
 
Temáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verdeTemáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verde
 
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas" Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
Mensagem - Antemanhã
Mensagem - AntemanhãMensagem - Antemanhã
Mensagem - Antemanhã
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
 
O ano da morte de r. reis
O ano da morte de r. reisO ano da morte de r. reis
O ano da morte de r. reis
 
Ficha de gramática12º
Ficha de gramática12ºFicha de gramática12º
Ficha de gramática12º
 
Resumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os MaiasResumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os Maias
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
Principais Temáticas de Alberto Caeiro
Principais Temáticas de Alberto CaeiroPrincipais Temáticas de Alberto Caeiro
Principais Temáticas de Alberto Caeiro
 
Cesário Verde
Cesário Verde Cesário Verde
Cesário Verde
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
 
Nevoeiro
Nevoeiro   Nevoeiro
Nevoeiro
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Ceifeira
 

Destaque

Poetas do séc.XX - 2
Poetas do séc.XX - 2Poetas do séc.XX - 2
Poetas do séc.XX - 2Dina Baptista
 
Poemas so século xx
Poemas so século xxPoemas so século xx
Poemas so século xxtildocas
 
Poetas do séc.xx Sophia de Mello Breyner
Poetas do séc.xx  Sophia de Mello BreynerPoetas do séc.xx  Sophia de Mello Breyner
Poetas do séc.xx Sophia de Mello BreynerRosário Cunha
 
Poesia do Séc.XX - 3
Poesia do Séc.XX - 3Poesia do Séc.XX - 3
Poesia do Séc.XX - 3Dina Baptista
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Dina Baptista
 
Antologia poética (século XX e XXI)
 Antologia poética  (século XX e XXI) Antologia poética  (século XX e XXI)
Antologia poética (século XX e XXI)Laryssa Prudencio
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasAna Tapadas
 
Sophia de Mello Breyner
Sophia de Mello BreynerSophia de Mello Breyner
Sophia de Mello BreynerDina Baptista
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoDina Baptista
 
Poesia do século XX- 4
Poesia do século XX- 4Poesia do século XX- 4
Poesia do século XX- 4Dina Baptista
 
Poesia do Sec. XXI
Poesia do Sec. XXIPoesia do Sec. XXI
Poesia do Sec. XXIKaique Luan
 
Contos do séculoXX | neo-realismo
Contos do séculoXX | neo-realismoContos do séculoXX | neo-realismo
Contos do séculoXX | neo-realismoDina Baptista
 
Apresentação de Sofia de Mello Breyner Andresen
Apresentação  de  Sofia de Mello Breyner AndresenApresentação  de  Sofia de Mello Breyner Andresen
Apresentação de Sofia de Mello Breyner AndresenMaria Costa
 
Eugénio de Andrade, Mário de Sá Carneiro
Eugénio de Andrade, Mário de Sá CarneiroEugénio de Andrade, Mário de Sá Carneiro
Eugénio de Andrade, Mário de Sá CarneiroRosário Cunha
 
Trabalho dos poetas do sec.xx 1 miguel torga e mário quintana
Trabalho dos poetas do sec.xx 1 miguel torga e mário quintanaTrabalho dos poetas do sec.xx 1 miguel torga e mário quintana
Trabalho dos poetas do sec.xx 1 miguel torga e mário quintanaRosário Cunha
 

Destaque (20)

Poetas do século xx
Poetas do século xx Poetas do século xx
Poetas do século xx
 
Poetas do séc.XX - 2
Poetas do séc.XX - 2Poetas do séc.XX - 2
Poetas do séc.XX - 2
 
Poemas so século xx
Poemas so século xxPoemas so século xx
Poemas so século xx
 
Poetas do séc.xx Sophia de Mello Breyner
Poetas do séc.xx  Sophia de Mello BreynerPoetas do séc.xx  Sophia de Mello Breyner
Poetas do séc.xx Sophia de Mello Breyner
 
Poesia do Séc.XX - 3
Poesia do Séc.XX - 3Poesia do Séc.XX - 3
Poesia do Séc.XX - 3
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
 
Antologia poética (século XX e XXI)
 Antologia poética  (século XX e XXI) Antologia poética  (século XX e XXI)
Antologia poética (século XX e XXI)
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - Poemas
 
Sophia de Mello Breyner
Sophia de Mello BreynerSophia de Mello Breyner
Sophia de Mello Breyner
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
Poesia do século XX- 4
Poesia do século XX- 4Poesia do século XX- 4
Poesia do século XX- 4
 
Poesia do Sec. XXI
Poesia do Sec. XXIPoesia do Sec. XXI
Poesia do Sec. XXI
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
 
Contos do séculoXX | neo-realismo
Contos do séculoXX | neo-realismoContos do séculoXX | neo-realismo
Contos do séculoXX | neo-realismo
 
Miguel torga
Miguel torgaMiguel torga
Miguel torga
 
Felizmente Há Luar
Felizmente Há LuarFelizmente Há Luar
Felizmente Há Luar
 
Apresentação de Sofia de Mello Breyner Andresen
Apresentação  de  Sofia de Mello Breyner AndresenApresentação  de  Sofia de Mello Breyner Andresen
Apresentação de Sofia de Mello Breyner Andresen
 
Manuel Alegre
Manuel AlegreManuel Alegre
Manuel Alegre
 
Eugénio de Andrade, Mário de Sá Carneiro
Eugénio de Andrade, Mário de Sá CarneiroEugénio de Andrade, Mário de Sá Carneiro
Eugénio de Andrade, Mário de Sá Carneiro
 
Trabalho dos poetas do sec.xx 1 miguel torga e mário quintana
Trabalho dos poetas do sec.xx 1 miguel torga e mário quintanaTrabalho dos poetas do sec.xx 1 miguel torga e mário quintana
Trabalho dos poetas do sec.xx 1 miguel torga e mário quintana
 

Semelhante a Poesia do século XX - 1

Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptxModernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptxLUCELIOFERREIRADASIL
 
Passageiros do Tempo
Passageiros do TempoPassageiros do Tempo
Passageiros do Tempopoetadorock
 
Fernando Pessoa Heterónimos
Fernando Pessoa   HeterónimosFernando Pessoa   Heterónimos
Fernando Pessoa HeterónimosESVieira do Minho
 
FPessoa Heterónimos
FPessoa HeterónimosFPessoa Heterónimos
FPessoa Heterónimosguest53f8bc
 
Fernando Pessoa - Heterónimos
Fernando Pessoa - HeterónimosFernando Pessoa - Heterónimos
Fernando Pessoa - HeterónimosESVieira do Minho
 
POEMA PÁTRIA MINHA, de Vinícius de Moraes
POEMA PÁTRIA MINHA, de Vinícius de MoraesPOEMA PÁTRIA MINHA, de Vinícius de Moraes
POEMA PÁTRIA MINHA, de Vinícius de MoraesDaniel Arena
 
Tipos De Poesias
Tipos De PoesiasTipos De Poesias
Tipos De Poesiasklauddia
 
SEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃO
SEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃOSEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃO
SEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃOSérgio Pitaki
 
Literatura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly Mendes
Literatura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly MendesLiteratura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly Mendes
Literatura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly MendesNatália Malheiro
 
Literatura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly Mendes
Literatura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly MendesLiteratura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly Mendes
Literatura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly MendesNatália Malheiro
 
Tropicalia caetano veloso
Tropicalia caetano velosoTropicalia caetano veloso
Tropicalia caetano velosoNome Sobrenome
 
Tropicalia caetano veloso
Tropicalia caetano velosoTropicalia caetano veloso
Tropicalia caetano velosoElvis Live
 
Slide aniversário de recife
Slide   aniversário de recifeSlide   aniversário de recife
Slide aniversário de recifeSandra Cavalcanti
 
en-literatura.blogspot.com
en-literatura.blogspot.comen-literatura.blogspot.com
en-literatura.blogspot.comisaianabrito
 
Parque dos poetas
Parque dos poetasParque dos poetas
Parque dos poetasOracy Filho
 
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)Blog Estudo
 

Semelhante a Poesia do século XX - 1 (20)

Dia mundial da poesia vf
Dia mundial da poesia vfDia mundial da poesia vf
Dia mundial da poesia vf
 
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptxModernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
 
Passageiros do Tempo
Passageiros do TempoPassageiros do Tempo
Passageiros do Tempo
 
Fernando Pessoa Heterónimos
Fernando Pessoa   HeterónimosFernando Pessoa   Heterónimos
Fernando Pessoa Heterónimos
 
FPessoa Heterónimos
FPessoa HeterónimosFPessoa Heterónimos
FPessoa Heterónimos
 
Fernando Pessoa - Heterónimos
Fernando Pessoa - HeterónimosFernando Pessoa - Heterónimos
Fernando Pessoa - Heterónimos
 
POEMA PÁTRIA MINHA, de Vinícius de Moraes
POEMA PÁTRIA MINHA, de Vinícius de MoraesPOEMA PÁTRIA MINHA, de Vinícius de Moraes
POEMA PÁTRIA MINHA, de Vinícius de Moraes
 
Tipos De Poesias
Tipos De PoesiasTipos De Poesias
Tipos De Poesias
 
SEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃO
SEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃOSEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃO
SEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃO
 
Literatura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly Mendes
Literatura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly MendesLiteratura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly Mendes
Literatura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly Mendes
 
Literatura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly Mendes
Literatura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly MendesLiteratura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly Mendes
Literatura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly Mendes
 
Tropicalia caetano veloso
Tropicalia caetano velosoTropicalia caetano veloso
Tropicalia caetano veloso
 
Tropicalia caetano veloso
Tropicalia caetano velosoTropicalia caetano veloso
Tropicalia caetano veloso
 
Slide aniversário de recife
Slide   aniversário de recifeSlide   aniversário de recife
Slide aniversário de recife
 
Literatura de Cordel
Literatura de CordelLiteratura de Cordel
Literatura de Cordel
 
en-literatura.blogspot.com
en-literatura.blogspot.comen-literatura.blogspot.com
en-literatura.blogspot.com
 
Parque dos poetas
Parque dos poetasParque dos poetas
Parque dos poetas
 
Parque dos poetas
Parque dos poetasParque dos poetas
Parque dos poetas
 
Parque dos poetas
Parque dos poetasParque dos poetas
Parque dos poetas
 
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)Modernismo Brasileiro (1ª fase)
Modernismo Brasileiro (1ª fase)
 

Mais de Dina Baptista

Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi Dina Baptista
 
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitais
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitaisO ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitais
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitaisDina Baptista
 
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...Dina Baptista
 
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊS
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊSREPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊS
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊSDina Baptista
 
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficaz
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficazA importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficaz
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficazDina Baptista
 
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)Dina Baptista
 
Análise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel CentralAnálise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel CentralDina Baptista
 
Jantar no Hotel Central
Jantar no Hotel CentralJantar no Hotel Central
Jantar no Hotel CentralDina Baptista
 
Os Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacaoOs Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacaoDina Baptista
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralDina Baptista
 
Repreensões gerais e particulares
Repreensões gerais e particularesRepreensões gerais e particulares
Repreensões gerais e particularesDina Baptista
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e IIISermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e IIIDina Baptista
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasDina Baptista
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade   Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade Dina Baptista
 
Mário Cesariny de Vasconcelos
Mário Cesariny de VasconcelosMário Cesariny de Vasconcelos
Mário Cesariny de VasconcelosDina Baptista
 
José Ary dos Santos
José Ary dos SantosJosé Ary dos Santos
José Ary dos SantosDina Baptista
 
José Gomes Ferreira
José Gomes FerreiraJosé Gomes Ferreira
José Gomes FerreiraDina Baptista
 
Contextualização d'Os Lusíadas
Contextualização d'Os LusíadasContextualização d'Os Lusíadas
Contextualização d'Os LusíadasDina Baptista
 

Mais de Dina Baptista (20)

Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
 
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitais
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitaisO ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitais
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitais
 
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...
 
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊS
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊSREPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊS
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊS
 
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficaz
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficazA importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficaz
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficaz
 
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)
 
Análise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel CentralAnálise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel Central
 
Jantar no Hotel Central
Jantar no Hotel CentralJantar no Hotel Central
Jantar no Hotel Central
 
Os Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacaoOs Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacao
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel Central
 
Repreensões gerais e particulares
Repreensões gerais e particularesRepreensões gerais e particulares
Repreensões gerais e particulares
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e IIISermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade   Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
Mário Cesariny de Vasconcelos
Mário Cesariny de VasconcelosMário Cesariny de Vasconcelos
Mário Cesariny de Vasconcelos
 
José Ary dos Santos
José Ary dos SantosJosé Ary dos Santos
José Ary dos Santos
 
Eugénio de Andrade
Eugénio de AndradeEugénio de Andrade
Eugénio de Andrade
 
Jose Regio
Jose RegioJose Regio
Jose Regio
 
José Gomes Ferreira
José Gomes FerreiraJosé Gomes Ferreira
José Gomes Ferreira
 
Contextualização d'Os Lusíadas
Contextualização d'Os LusíadasContextualização d'Os Lusíadas
Contextualização d'Os Lusíadas
 

Poesia do século XX - 1

  • 1. | Português – 10º ano | Poetas do Séc. XX Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2010 /2011 Poesia do Século XX Objectivos a alcançar: . Poesia e Poeta: tentativas de definição . Contextualização: Modernismo/Geração de Orpheu/Fernando Pessoa; Presencialismo e Neo-realismo . Conhecer vários poetas portugueses e de expressão lusófona . Identificar várias temáticas . Identificar recursos estilísticos e saber evidenciar o seu valor expressivo . Saber analisar a estrutura formal de um poema
  • 2.
  • 3.
  • 4. | Português – 10º ano | Poetas do Séc. XX Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2010 /2011 O que é a Poesia? Ver Claro Toda a poesia é luminosa, até a mais obscura. O leitor é que tem às vezes, em lugar de sol, nevoeiro dentro de si. E o nevoeiro nunca deixa ver claro. Se regressar outra vez e outra vez e outra vez a essas sílabas acesas ficará cego de tanta claridade. Abençoado seja se lá chegar. Eugénio de Andrade, Os Sulcos da Sede Lavoisier Na poesia, natureza variável das palavras, nada se perde ou cria, tudo se transforma: cada poema no seu perfil incerto e caligráfico, já sonha outra forma. Carlos de Oliveira Conselho Sê paciente; espera Que a palavra amadureça E se desprenda como um fruto Ao passar o vento que a ameaça. Eugénio de Andrade, Poesia
  • 5. | Português – 10º ano | Poetas do Séc. XX Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2010 /2011 Vila Viçosa 1894 - 1930 CARAVELAS Cheguei a meio da vida já cansada De tanto caminhar! Já me perdi! Dum estranho país que nunca vi Sou neste mundo imenso a exilada. Tanto tenho aprendido e não sei nada. E as torres de marfim que construí Em trágica loucura as destruí Por minhas próprias mãos de malfadada! Se eu sempre fui assim este Mar morto: Mar sem marés, sem vagas e sem porto Onde velas de sonhos se rasgaram! Caravelas doiradas a bailar... Ai quem me dera as que eu deitei ao Mar! As que eu lancei à vida, e não voltaram!... Florbela Espanca, «Charneca em Flor», 1930 Ideias-Chave . Sofrimento , solidão e desencanto; . Imensa ternura e um desejo de felicidade e plenitude que só poderão ser alcançados no absoluto , no infinito ; . carácter confessional, sentimental ; . Poetisa de excessos , cultivou exacerbadamente a paixão , com voz marcadamente feminina (na qual alguns críticos encontram dom-joanismo no feminino).
  • 6.
  • 7. | Português – 10º ano | Poetas do Séc. XX Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2010 /2011 Vila do Conde 1901-1969 Ignoto Deo Desisti de saber qual é o Teu nome, Se tens ou não tens nome que Te demos, Ou que rosto é que toma, se algum tome, Teu sopro tão além de quanto vemos. Desisti de Te amar, por mais que a fome Do Teu amor nos seja o mais que temos, E empenhei-me em domar, nem que os não dome, Meus, por Ti, passionais e vãos extremos. Chamar-Te amante ou pai... grotesco engano Que por demais tresanda a gosto humano! Grotesco engano o dar-te forma! E enfim, Desisti de Te achar no quer que seja, De Te dar nome, rosto, culto, ou igreja... – Tu é que não desistirás de mim! José Régio, in 'Biografia' Ideias-Chave: . Fundador da revista "Presença" . Conflitos entre Deus e o Homem, o espírito e a carne, o indivíduo e a sociedade; . Consciência da frustração de todo o amor humano; . Orgulhoso recurso à solidão ; . Problemática da sinceridade e do logro perante os outros e perante a si mesmos.
  • 8.
  • 9. | Português – 10º ano | Poetas do Séc. XX Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2010 /2011 Lisboa 1906-1997 Pedra filosofal Eles não sabem que o sonho é uma constante da vida tão concreta e definida como outra coisa qualquer, como esta pedra cinzenta em que me sento e descanso, como este ribeiro manso em serenos sobressaltos, como estes pinheiros altos que em verde e oiro se agitam, como estas aves que gritam em bebedeiras de azul. Eles não sabem que o sonho é vinho, é espuma, é fermento, bichinho álacre e sedento, de focinho pontiagudo, que fossa através de tudo num perpétuo movimento. (…) António Gedeão Ideias-Chave: . Figura de referência incontornável no imaginário colectivo do povo português, principalmente para toda a geração da "Pedra Filosofal”; . Sonha a harmonia do mundo : igualdade na desigualdade; fraternidade na competição ou na luta de instintos; a liberdade íntima e cívica; . Crença no aperfeiçoamento incessante e progressivo da espécie humana.
  • 10.
  • 11. | Português – 10º ano | Poetas do Séc. XX Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2010011 Fontes: http://www.astormentas.com/ http://alfarrabio.di.uminho.pt/ http://cvc.instituto-camoes.pt/index.php