SlideShare uma empresa Scribd logo
Sermão de Santo António aos peixes
Capitulo III
Rémora
Momentos do excerto
O excerto do capitulo III de a Rémora pode ser dividido em dois momentos:
 1º momento entre as linhas 1 a 8 onde o autor identifica e caracteriza a remora como um peixe
pequeno mas com muita força e poder.
 2º momento desde a linha 8 ate ao final do excerto onde estabelece uma comparação entre o
peixe (a rémora) e o Santo António.
Qualidades/Virtudes dos peixes
 No geral segundo padre vieira os peixes eram melhores que os homens pois não se domavam e
não se domesticavam. Foram as primeiras criaturas criadas por deus e são os mais numerosos e
obedientes prestando atenção e respeito ao ouvirem a pregação de Santo António.
 A rémora é um peixe de pequenas dimensões, mas apesar disso consegue determinar o rumo das
naus, revelando assim uma grande força e poder.
Relação entre a Rémora e Santo António
 A Rémora é comparada com a língua do pregador S. António “se alguma Rémora houve na terra,
foi a língua de Santo António” pois mesmo sendo pequena também demonstra força e poder para
dominar as paixões humanas já que com sua língua através da pregação impediu que os homens
pecassem encaminhando as suas naus para a salvação das almas.
As naus que a língua de Santo António travou
As naus referidas no texto que a língua de S. António travou são:
 Nau Soberba (linha 22), “velas inchadas do vento”, o vento simboliza o carater fútil do pecado da
soberba. A língua levou as velas a amainarem e a tempestade interior e exterior a terminar.
 Nau Vingança (linha 27) era carregada de materiais de guerra. O arsenal de guerra pronto a
disparar e o facto de avançarem sem razão simboliza a fúria que arrasta as pessoas que se movem
pelo desejo de vingança. Santo António detém a fúria, acaba com o odio e faz a nau içar bandeiras
de paz.
 Nau Cobiça (linha 31), “sobrecarregada ate as gáveas”. A carga em excesso simboliza o resultado
da cobiça, que leva os homens a acumularem bens materiais. A língua salvou a nau dos ataques
dos corsários que a levariam a perder o que desejavam obter.
 Nau Sensualidade (linha 35), era cega sem sol e engano do canto das sereias. A cegueira e a
desorientação simbolizam o que sucede aos que se deixam levar facilmente pela sensualidade
caindo facilmente na tentação. Santo António impediu a nau de naufragar, devolvendo aos seus
ocupantes a capacidade de ver e voltarem a assumir o rumo certo
Validade dos argumentos do orador
 O orador valida os seus argumentos comas palavras de São Gregório Nazianzeno “na verdade a
língua é pequena, mas vence tudo em força” e também com as do Apostolo Santiago da sua
Epistola.
 Apresenta também S. António como argumento de autoridade contribuindo assim para tornar o
seu discurso mais credível.
Recursos expressivos e o seu valor expressivo
Esta presente :
 Antítese (linha 4/5) “tao pequeno no corpo e tao grande na força, e no poder”. Reforça as virtudes
da remora pois a sua força e poder contrastam com a sua pequena dimensão.
 Comparação (linha 20/21) “mostrou a língua de António quanta força tinha, como Rémora”. O
orador compara a língua de S. António com a Rémora para evidenciar a semelhança nas virtudes
de ambas.
 Anáfora (linha 22 ate 35) “quantos” está associado a alegoria da naus. "Nau Soberba … Nau
Vingança … Nau Cobiça … Nau Sensualidade” cada uma das naus representa um vicio humano que
o orador denuncia e critica. Se S. António não entrevisse cada uma destas naus acabaria destruída
num naufrágio, isto é, todos estes pecados levariam a predição das almas.
 Metáfora (linha 17/19) “leme” o leme do navio é associado ao “alvedrio” ou seja ao livre arbítrio
humano dizendo-nos que este orienta a ação dos homens. (linha 42) “naufrágios” é utlizado no
sentido metafórico dando a ideia da predição das almas.
Objetivo/intenção critica do orador
 O orador como afirma no inicio do sermão, tem a intenção louvar o bem e repreender o mal.
 Ao recorrer a alegoria das naus pretende criticar os vícios que elas representam, procurando
afastar os seus ouvintes desses vícios mostrando-lhes as consequências negativas que os mesmos
têm.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Sermão de santo antónio aos peixes - Capítulo V
Sermão de santo antónio aos peixes - Capítulo VSermão de santo antónio aos peixes - Capítulo V
Sermão de santo antónio aos peixes - Capítulo V
EuniceCarmo
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadores
Sermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadoresSermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadores
Sermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadores
Renata Antunes
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Catarina Castro
 
Os Maias - análise
Os Maias - análiseOs Maias - análise
Os Maias - análise
António Fernandes
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
António Fernandes
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
ameliapadrao
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
Helena Coutinho
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
Paula Oliveira Cruz
 
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixesEstrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
beonline5
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e IIISermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Dina Baptista
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"
gracacruz
 
Sermao de santo antonio aos peixes
Sermao de santo antonio aos peixesSermao de santo antonio aos peixes
Sermao de santo antonio aos peixes
Liliana Matos
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
David Caçador
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
Helena Coutinho
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
António Aragão
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Dina Baptista
 
Louvor dos Peixes do Sermão de Santo António aos Peixes
Louvor dos Peixes do Sermão de Santo António aos PeixesLouvor dos Peixes do Sermão de Santo António aos Peixes
Louvor dos Peixes do Sermão de Santo António aos Peixes
Carolina Sousa
 
Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização
Sofia Yuna
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
Margarida Tomaz
 

Mais procurados (20)

Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Sermão de santo antónio aos peixes - Capítulo V
Sermão de santo antónio aos peixes - Capítulo VSermão de santo antónio aos peixes - Capítulo V
Sermão de santo antónio aos peixes - Capítulo V
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadores
Sermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadoresSermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadores
Sermão de Santo António aos Peixes - Peixes pegadores
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
 
Os Maias - análise
Os Maias - análiseOs Maias - análise
Os Maias - análise
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixesEstrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e IIISermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"
 
Sermao de santo antonio aos peixes
Sermao de santo antonio aos peixesSermao de santo antonio aos peixes
Sermao de santo antonio aos peixes
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel Central
 
Louvor dos Peixes do Sermão de Santo António aos Peixes
Louvor dos Peixes do Sermão de Santo António aos PeixesLouvor dos Peixes do Sermão de Santo António aos Peixes
Louvor dos Peixes do Sermão de Santo António aos Peixes
 
Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 

Semelhante a Sermão de Santo António aos peixes - Rémora

Caderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdf
Caderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdfCaderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdf
Caderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdf
Paula Duarte
 
Teste de preparação 1
Teste de preparação 1Teste de preparação 1
Teste de preparação 1
Isabel Couto
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 118
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 118Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 118
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 118
luisprista
 
O Barroco na Literatura
O Barroco na LiteraturaO Barroco na Literatura
O Barroco na Literatura
Joana Filipa Rodrigues
 
2 dedicatória narração_reflexão _canto_i
2 dedicatória narração_reflexão _canto_i2 dedicatória narração_reflexão _canto_i
2 dedicatória narração_reflexão _canto_i
Filipa Costa
 
Latim e o direito
Latim e o direito Latim e o direito
Latim e o direito
Luci Bonini
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, primeira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, primeira aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, primeira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, primeira aula de cábulas
luisprista
 
Lusiadas resumo2
Lusiadas resumo2Lusiadas resumo2
Lusiadas resumo2
Inês Barão
 
Sermão Santo António
Sermão Santo AntónioSermão Santo António
Sermão Santo António
mariavaicomletras
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
Paula Oliveira Cruz
 
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdfOs Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Paula Vieira
 
Prova_final_9ano_051_245.pdf exercíciosd
Prova_final_9ano_051_245.pdf exercíciosdProva_final_9ano_051_245.pdf exercíciosd
Prova_final_9ano_051_245.pdf exercíciosd
GiselaAlves15
 
Encontro com as profecias 2 trombeta
Encontro com as profecias   2 trombetaEncontro com as profecias   2 trombeta
Encontro com as profecias 2 trombeta
Diego Fortunatto
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Teste de preparação correção
Teste de preparação   correçãoTeste de preparação   correção
Teste de preparação correção
Isabel Couto
 
Batalha de Aljubarrota
Batalha de AljubarrotaBatalha de Aljubarrota
Batalha de Aljubarrota
sin3stesia
 
As sete trombetas
As sete trombetasAs sete trombetas
As sete trombetas
Diego Fortunatto
 
Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415
Laboratório de História
 
Resumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes
Resumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixesResumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes
Resumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes
Cristina Lourenço
 
Resumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes.pdf recursos estilisticos
Resumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes.pdf recursos estilisticosResumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes.pdf recursos estilisticos
Resumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes.pdf recursos estilisticos
Inácio Vitorino
 

Semelhante a Sermão de Santo António aos peixes - Rémora (20)

Caderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdf
Caderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdfCaderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdf
Caderno informativo sobre os lusiadas_fichaapoio.pdf
 
Teste de preparação 1
Teste de preparação 1Teste de preparação 1
Teste de preparação 1
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 118
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 118Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 118
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 118
 
O Barroco na Literatura
O Barroco na LiteraturaO Barroco na Literatura
O Barroco na Literatura
 
2 dedicatória narração_reflexão _canto_i
2 dedicatória narração_reflexão _canto_i2 dedicatória narração_reflexão _canto_i
2 dedicatória narração_reflexão _canto_i
 
Latim e o direito
Latim e o direito Latim e o direito
Latim e o direito
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, primeira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, primeira aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, primeira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, primeira aula de cábulas
 
Lusiadas resumo2
Lusiadas resumo2Lusiadas resumo2
Lusiadas resumo2
 
Sermão Santo António
Sermão Santo AntónioSermão Santo António
Sermão Santo António
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
 
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdfOs Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
 
Prova_final_9ano_051_245.pdf exercíciosd
Prova_final_9ano_051_245.pdf exercíciosdProva_final_9ano_051_245.pdf exercíciosd
Prova_final_9ano_051_245.pdf exercíciosd
 
Encontro com as profecias 2 trombeta
Encontro com as profecias   2 trombetaEncontro com as profecias   2 trombeta
Encontro com as profecias 2 trombeta
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Teste de preparação correção
Teste de preparação   correçãoTeste de preparação   correção
Teste de preparação correção
 
Batalha de Aljubarrota
Batalha de AljubarrotaBatalha de Aljubarrota
Batalha de Aljubarrota
 
As sete trombetas
As sete trombetasAs sete trombetas
As sete trombetas
 
Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415Guia de estudo o modelo romano 1415
Guia de estudo o modelo romano 1415
 
Resumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes
Resumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixesResumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes
Resumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes
 
Resumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes.pdf recursos estilisticos
Resumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes.pdf recursos estilisticosResumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes.pdf recursos estilisticos
Resumo do-sermao-de-santo-antonio-aos-peixes.pdf recursos estilisticos
 

Último

UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 

Último (20)

UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 

Sermão de Santo António aos peixes - Rémora

  • 1. Sermão de Santo António aos peixes Capitulo III Rémora
  • 2. Momentos do excerto O excerto do capitulo III de a Rémora pode ser dividido em dois momentos:  1º momento entre as linhas 1 a 8 onde o autor identifica e caracteriza a remora como um peixe pequeno mas com muita força e poder.  2º momento desde a linha 8 ate ao final do excerto onde estabelece uma comparação entre o peixe (a rémora) e o Santo António.
  • 3. Qualidades/Virtudes dos peixes  No geral segundo padre vieira os peixes eram melhores que os homens pois não se domavam e não se domesticavam. Foram as primeiras criaturas criadas por deus e são os mais numerosos e obedientes prestando atenção e respeito ao ouvirem a pregação de Santo António.  A rémora é um peixe de pequenas dimensões, mas apesar disso consegue determinar o rumo das naus, revelando assim uma grande força e poder.
  • 4. Relação entre a Rémora e Santo António  A Rémora é comparada com a língua do pregador S. António “se alguma Rémora houve na terra, foi a língua de Santo António” pois mesmo sendo pequena também demonstra força e poder para dominar as paixões humanas já que com sua língua através da pregação impediu que os homens pecassem encaminhando as suas naus para a salvação das almas.
  • 5. As naus que a língua de Santo António travou As naus referidas no texto que a língua de S. António travou são:  Nau Soberba (linha 22), “velas inchadas do vento”, o vento simboliza o carater fútil do pecado da soberba. A língua levou as velas a amainarem e a tempestade interior e exterior a terminar.  Nau Vingança (linha 27) era carregada de materiais de guerra. O arsenal de guerra pronto a disparar e o facto de avançarem sem razão simboliza a fúria que arrasta as pessoas que se movem pelo desejo de vingança. Santo António detém a fúria, acaba com o odio e faz a nau içar bandeiras de paz.  Nau Cobiça (linha 31), “sobrecarregada ate as gáveas”. A carga em excesso simboliza o resultado da cobiça, que leva os homens a acumularem bens materiais. A língua salvou a nau dos ataques dos corsários que a levariam a perder o que desejavam obter.  Nau Sensualidade (linha 35), era cega sem sol e engano do canto das sereias. A cegueira e a desorientação simbolizam o que sucede aos que se deixam levar facilmente pela sensualidade caindo facilmente na tentação. Santo António impediu a nau de naufragar, devolvendo aos seus ocupantes a capacidade de ver e voltarem a assumir o rumo certo
  • 6. Validade dos argumentos do orador  O orador valida os seus argumentos comas palavras de São Gregório Nazianzeno “na verdade a língua é pequena, mas vence tudo em força” e também com as do Apostolo Santiago da sua Epistola.  Apresenta também S. António como argumento de autoridade contribuindo assim para tornar o seu discurso mais credível.
  • 7. Recursos expressivos e o seu valor expressivo Esta presente :  Antítese (linha 4/5) “tao pequeno no corpo e tao grande na força, e no poder”. Reforça as virtudes da remora pois a sua força e poder contrastam com a sua pequena dimensão.  Comparação (linha 20/21) “mostrou a língua de António quanta força tinha, como Rémora”. O orador compara a língua de S. António com a Rémora para evidenciar a semelhança nas virtudes de ambas.  Anáfora (linha 22 ate 35) “quantos” está associado a alegoria da naus. "Nau Soberba … Nau Vingança … Nau Cobiça … Nau Sensualidade” cada uma das naus representa um vicio humano que o orador denuncia e critica. Se S. António não entrevisse cada uma destas naus acabaria destruída num naufrágio, isto é, todos estes pecados levariam a predição das almas.  Metáfora (linha 17/19) “leme” o leme do navio é associado ao “alvedrio” ou seja ao livre arbítrio humano dizendo-nos que este orienta a ação dos homens. (linha 42) “naufrágios” é utlizado no sentido metafórico dando a ideia da predição das almas.
  • 8. Objetivo/intenção critica do orador  O orador como afirma no inicio do sermão, tem a intenção louvar o bem e repreender o mal.  Ao recorrer a alegoria das naus pretende criticar os vícios que elas representam, procurando afastar os seus ouvintes desses vícios mostrando-lhes as consequências negativas que os mesmos têm.