SlideShare uma empresa Scribd logo
Liberdade

Ai que prazer
não cumprir um dever.
Ter um livro para ler
e não o fazer!
Ler é maçada,
estudar é nada.
O sol doira sem literatura.
O rio corre bem ou mal,
sem edição original.
E a brisa, essa, de tão naturalmente matinal
como tem tempo, não tem pressa...

Livros são papéis pintados com tinta.
Estudar é uma coisa em que está indistinta
A distinção entre nada e coisa nenhuma.

Quanto melhor é quando há bruma.
Esperar por D. Sebastião,
Quer venha ou não!
Grande é a poesia, a bondade e
as danças...
Mas o melhor do mundo são as
crianças,
Flores, música, o luar, e o sol que
peca
Só quando, em vez de criar, seca.

E mais do que isto
É Jesus Cristo,
Que não sabia nada de finanças,
Nem consta que tivesse
biblioteca...

  Fernando Pessoa
Os espelhos

Os espelhos acendem o seu brilho todo o dia
Nunca são baços
E mesmo sob a pálpebra da treva
Sua lisa pupila cintila e fita
Como a pupila do gato
Eles nos reflectem. Nunca nos decoram

Porém é só na penumbra da hora tardia
Quando a imobilidade se instaura no centro do
silêncio
Que à tona dos espelhos aflora
A luz que os habita e nos apaga:
Luz arrancada
Ao interior de um fogo frio e vítreo

Sophia de Mello Breyner Andresen
Kyrie (O Senhor)

Em nome dos que choram,
Dos que sofrem,
Dos que acendem na noite o facho da revolta
E que de noite morrem,
Com a esperança nos olhos e arames em volta.
Em nome dos que sonham com palavras
De amor e paz que nunca foram ditas,
Em nome dos que rezam em silêncio
E falam em silêncio
E estendem em silêncio as duas mãos aflitas.
Em nome dos que pedem em segredo
A esmola que os humilha e os destrói
E devoram as lágrimas e o medo
Quando a fome lhes dói
Em nome dos que dormem ao relento
Numa cama de chuva com lençóis de vento
O sono da miséria, terrível e profundo.
Em nome dos teus filhos que esqueceste,
Filho de Deus que nunca mais nasceste,
Volta outra vez ao mundo!

Ary dos Santos
Vinte anos de poesia
Trova ao vento que passa
Pergunto ao vento que passa
notícias do meu país
e o vento cala a desgraça
o vento nada me diz.

Pergunto aos rios que levam
tanto sonho à flor das águas
e os rios não me sossegam
levam sonhos deixam mágoas.

Levam sonhos deixam mágoas
ai rios do meu país
minha pátria à flor das águas
para onde vais? Ninguém diz.

Se o verde trevo desfolhas
pede notícias e diz
ao trevo de quatro folhas
que morro por meu país.
Pergunto à gente que passa
por que vai de olhos no chão.
Silêncio -- é tudo o que tem
quem vive na servidão.

Vi florir os verdes ramos
direitos e ao céu voltados.
E a quem gosta de ter amos
vi sempre os ombros curvados.

E o vento não me diz nada
ninguém diz nada de novo.
Vi minha pátria pregada
nos braços em cruz do povo.

Vi minha pátria na margem
dos rios que vão pró mar
como quem ama a viagem
mas tem sempre de ficar.
Vi navios a partir
(minha pátria à flor das águas)
vi minha pátria florir
(verdes folhas verdes mágoas).

Há quem te queira ignorada
e fale pátria em teu nome.
Eu vi-te crucificada
nos braços negros da fome.
E o vento não me diz nada
só o silêncio persiste.
Vi minha pátria parada
à beira de um rio triste.
Ninguém diz nada de novo
se notícias vou pedindo
nas mãos vazias do povo
vi minha pátria florindo.
E a noite cresce por dentro
dos homens do meu país.
Peço notícias ao vento
e o vento nada me diz.

Quatro folhas tem o trevo
liberdade quatro sílabas.
Não sabem ler é verdade
aqueles pra quem eu escrevo.

Mas há sempre uma candeia
dentro da própria desgraça
há sempre alguém que semeia
canções no vento que passa.

Mesmo na noite mais triste
em tempo de servidão
há sempre alguém que resiste
há sempre alguém que diz não.

Manuel Alegre
Urgentemente

É urgente o amor.
É urgente um barco no mar.

É urgente destruir certas palavras,
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos, muitas espadas.

É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é urgente descobrir rosas e rios
e manhãs claras.

Cai o silêncio nos ombros e a luz
impura, até doer.
É urgente o amor, é urgente
permanecer.

Eugénio de Andrade
  Até Amanhã
Recomeça ...
Se puderes,
E os passos que deres,
Nesse caminho duro
do futuro,
Dá-os em liberdade
Enquanto não alcances,
Não descanses.
De nenhum fruto queiras só metade.
               Miguel Torga - Recomeçar
Árvores do Alentejo



Horas mortas... curvadas aos pés do Monte
A planície é um brasido... e, torturadas,
As árvores sangrentas, revoltadas,
Gritam a Deus a bênção duma fonte!

E quando, manhã alta, o sol postonte
A oiro a giesta, a arder, pelas estradas,
Esfíngicas, recortam desgrenhadas
Os trágicos perfis no horizonte!

Árvores! Corações, almas que choram,
Almas iguais à minha, almas que imploram
Em vão remédio para tanta mágoa!

Árvores! Não choreis! Olhai e vede:
-Também ando a gritar, morta de sede,
Pedindo a Deus a minha gota de água!
Procurei o amor que me mentiu.
Pedi à Vida mais do que ela dava.
Eterna sonhadora edificava
Meu castelo de luz que me caiu!

Tanto clarão nas trevas refulgiu,
E tanto beijo a boca me queimava!
E era o sol que os longes deslumbrava
Igual a tanto sol que me fugiu!

Passei a vida a amar e a esquecer...
Um sol a apagar-se e outro a acender
Nas brumas dos atalhos por onde ando...

E este amor que assim me vai fugindo
É igual a outro amor que vai surgindo,
Que há de partir também... nem eu sei
quando...
Florbela Espanca

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa "Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
VniaRodrigues30
 
Caracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeCaracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário Verde
MariaVerde1995
 
O desejado
O desejadoO desejado
O desejado
DianaAzevedo12
 
Eugénio de Andrade, Mário de Sá Carneiro
Eugénio de Andrade, Mário de Sá CarneiroEugénio de Andrade, Mário de Sá Carneiro
Eugénio de Andrade, Mário de Sá Carneiro
Rosário Cunha
 
Eugénio de Andrade
Eugénio de AndradeEugénio de Andrade
Eugénio de Andrade
Dina Baptista
 
Fernando Pessoa Heterónimos
Fernando Pessoa   HeterónimosFernando Pessoa   Heterónimos
Fernando Pessoa Heterónimos
ESVieira do Minho
 
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
AndreiaFilipa63
 
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcçãoAreal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Carla Ribeiro
 
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análiseAlberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
Anabela Fernandes
 
Poemas de Bocage
Poemas de Bocage Poemas de Bocage
Poemas de Bocage
agnes2012
 
Dona tareja
Dona tarejaDona tareja
Dona tareja
GonaloNuno2
 
Tabacaria - Álvaro de Campos
Tabacaria - Álvaro de CamposTabacaria - Álvaro de Campos
Tabacaria - Álvaro de Campos
AMLDRP
 
Poema D. Pedro, Regente de Portugal
Poema D. Pedro, Regente de PortugalPoema D. Pedro, Regente de Portugal
Poema D. Pedro, Regente de Portugal
PEDROG24
 
Livro do desassossego power point
Livro do desassossego power pointLivro do desassossego power point
Livro do desassossego power point
Fátima Teixeira Kika
 
Fernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimoFernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimo
André Andros
 
Resumo Alvaro de Campos.pdf
Resumo Alvaro de Campos.pdfResumo Alvaro de Campos.pdf
Resumo Alvaro de Campos.pdf
Rodrigo Roxo
 
Alberto Caeiro
Alberto CaeiroAlberto Caeiro
Alberto Caeiro
guestde10d2
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
Colégio Santa Luzia
 
A fragmentação do eu
A fragmentação do euA fragmentação do eu
A fragmentação do eu
Paulo Portelada
 
Alvaro de campos
Alvaro de camposAlvaro de campos
Alvaro de campos
ALYNNE FERREIRA
 

Mais procurados (20)

"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa "Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
 
Caracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeCaracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário Verde
 
O desejado
O desejadoO desejado
O desejado
 
Eugénio de Andrade, Mário de Sá Carneiro
Eugénio de Andrade, Mário de Sá CarneiroEugénio de Andrade, Mário de Sá Carneiro
Eugénio de Andrade, Mário de Sá Carneiro
 
Eugénio de Andrade
Eugénio de AndradeEugénio de Andrade
Eugénio de Andrade
 
Fernando Pessoa Heterónimos
Fernando Pessoa   HeterónimosFernando Pessoa   Heterónimos
Fernando Pessoa Heterónimos
 
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
 
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcçãoAreal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
Areal ficha de_avaliação_1_pessoa_ortónimo_e_correcção
 
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análiseAlberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
 
Poemas de Bocage
Poemas de Bocage Poemas de Bocage
Poemas de Bocage
 
Dona tareja
Dona tarejaDona tareja
Dona tareja
 
Tabacaria - Álvaro de Campos
Tabacaria - Álvaro de CamposTabacaria - Álvaro de Campos
Tabacaria - Álvaro de Campos
 
Poema D. Pedro, Regente de Portugal
Poema D. Pedro, Regente de PortugalPoema D. Pedro, Regente de Portugal
Poema D. Pedro, Regente de Portugal
 
Livro do desassossego power point
Livro do desassossego power pointLivro do desassossego power point
Livro do desassossego power point
 
Fernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimoFernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimo
 
Resumo Alvaro de Campos.pdf
Resumo Alvaro de Campos.pdfResumo Alvaro de Campos.pdf
Resumo Alvaro de Campos.pdf
 
Alberto Caeiro
Alberto CaeiroAlberto Caeiro
Alberto Caeiro
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
A fragmentação do eu
A fragmentação do euA fragmentação do eu
A fragmentação do eu
 
Alvaro de campos
Alvaro de camposAlvaro de campos
Alvaro de campos
 

Destaque

Antologia poética (século XX e XXI)
 Antologia poética  (século XX e XXI) Antologia poética  (século XX e XXI)
Antologia poética (século XX e XXI)
Laryssa Prudencio
 
Poesia do Sec. XXI
Poesia do Sec. XXIPoesia do Sec. XXI
Poesia do Sec. XXI
Kaique Luan
 
Poetas do séc.xx Sophia de Mello Breyner
Poetas do séc.xx  Sophia de Mello BreynerPoetas do séc.xx  Sophia de Mello Breyner
Poetas do séc.xx Sophia de Mello Breyner
Rosário Cunha
 
Poetas do século xx
Poetas do século xx Poetas do século xx
Poetas do século xx
Rosário Cunha
 
Poetas do séc.XX - 2
Poetas do séc.XX - 2Poetas do séc.XX - 2
Poetas do séc.XX - 2
Dina Baptista
 
Poesia do Séc.XX - 3
Poesia do Séc.XX - 3Poesia do Séc.XX - 3
Poesia do Séc.XX - 3
Dina Baptista
 
Sophia de Mello Breyner
Sophia de Mello BreynerSophia de Mello Breyner
Sophia de Mello Breyner
Dina Baptista
 
Miguel Torga
Miguel TorgaMiguel Torga
Miguel Torga
Gabriela
 
Miguel torga
Miguel torgaMiguel torga
Miguel torga
Rosário Cunha
 
Manuel alegre
Manuel alegreManuel alegre
Manuel alegre
Liandro Reis
 
Poesia do século XX- 4
Poesia do século XX- 4Poesia do século XX- 4
Poesia do século XX- 4
Dina Baptista
 
Eugénio de Andrade
Eugénio de AndradeEugénio de Andrade
Eugénio de Andrade
Rosário Cunha
 
Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andrade
AnaGomes40
 
Antologia poética
Antologia poéticaAntologia poética
Antologia poética
gustavogeo
 
Jorge de sena
Jorge de senaJorge de sena
Jorge de sena
Januário Esteves
 
Vinte poemas de amor e uma canção desesperada, Pablo Neruda
Vinte poemas de amor e uma canção desesperada, Pablo NerudaVinte poemas de amor e uma canção desesperada, Pablo Neruda
Vinte poemas de amor e uma canção desesperada, Pablo Neruda
Zanah
 
Quadras de amor
Quadras de amorQuadras de amor
Quadras de amor
Simão Gomes
 
Bruna
BrunaBruna
ApresentaçãO2
ApresentaçãO2ApresentaçãO2
ApresentaçãO2
kotwq
 
Serão de Poesia da ALA - Academia de Letras e Artes
Serão de Poesia da ALA - Academia de Letras e ArtesSerão de Poesia da ALA - Academia de Letras e Artes
Serão de Poesia da ALA - Academia de Letras e Artes
Cascais - Portugal
 

Destaque (20)

Antologia poética (século XX e XXI)
 Antologia poética  (século XX e XXI) Antologia poética  (século XX e XXI)
Antologia poética (século XX e XXI)
 
Poesia do Sec. XXI
Poesia do Sec. XXIPoesia do Sec. XXI
Poesia do Sec. XXI
 
Poetas do séc.xx Sophia de Mello Breyner
Poetas do séc.xx  Sophia de Mello BreynerPoetas do séc.xx  Sophia de Mello Breyner
Poetas do séc.xx Sophia de Mello Breyner
 
Poetas do século xx
Poetas do século xx Poetas do século xx
Poetas do século xx
 
Poetas do séc.XX - 2
Poetas do séc.XX - 2Poetas do séc.XX - 2
Poetas do séc.XX - 2
 
Poesia do Séc.XX - 3
Poesia do Séc.XX - 3Poesia do Séc.XX - 3
Poesia do Séc.XX - 3
 
Sophia de Mello Breyner
Sophia de Mello BreynerSophia de Mello Breyner
Sophia de Mello Breyner
 
Miguel Torga
Miguel TorgaMiguel Torga
Miguel Torga
 
Miguel torga
Miguel torgaMiguel torga
Miguel torga
 
Manuel alegre
Manuel alegreManuel alegre
Manuel alegre
 
Poesia do século XX- 4
Poesia do século XX- 4Poesia do século XX- 4
Poesia do século XX- 4
 
Eugénio de Andrade
Eugénio de AndradeEugénio de Andrade
Eugénio de Andrade
 
Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andrade
 
Antologia poética
Antologia poéticaAntologia poética
Antologia poética
 
Jorge de sena
Jorge de senaJorge de sena
Jorge de sena
 
Vinte poemas de amor e uma canção desesperada, Pablo Neruda
Vinte poemas de amor e uma canção desesperada, Pablo NerudaVinte poemas de amor e uma canção desesperada, Pablo Neruda
Vinte poemas de amor e uma canção desesperada, Pablo Neruda
 
Quadras de amor
Quadras de amorQuadras de amor
Quadras de amor
 
Bruna
BrunaBruna
Bruna
 
ApresentaçãO2
ApresentaçãO2ApresentaçãO2
ApresentaçãO2
 
Serão de Poesia da ALA - Academia de Letras e Artes
Serão de Poesia da ALA - Academia de Letras e ArtesSerão de Poesia da ALA - Academia de Letras e Artes
Serão de Poesia da ALA - Academia de Letras e Artes
 

Semelhante a Poemas so século xx

Poemas de vários autores
Poemas de vários autoresPoemas de vários autores
Poemas de vários autores
bibliotecanordeste
 
Biblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre CulturasBiblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre Culturas
Besaf Biblioteca
 
Livre com um livro
Livre com um livroLivre com um livro
Livre com um livro
Maria Paredes
 
Eugenio andrade 4
Eugenio andrade 4Eugenio andrade 4
Eugenio andrade 4
Licinio Borges
 
Eugenio andrade 4
Eugenio andrade 4Eugenio andrade 4
Eugenio andrade 4
Júlio Salgueiral
 
Eugenio Andrade 4
Eugenio Andrade 4Eugenio Andrade 4
Eugenio Andrade 4
Helena
 
Eugenio Andrade
Eugenio AndradeEugenio Andrade
Eugenio Andrade
frutinha
 
Semana da Poesia em Miranda do Corvo
Semana da Poesia  em Miranda do CorvoSemana da Poesia  em Miranda do Corvo
Semana da Poesia em Miranda do Corvo
criscouceiro
 
Poemas
PoemasPoemas
Poemas
xyagox
 
Poesia - aLer+ a Liberdade - Ficheiro B.pdf
Poesia - aLer+ a Liberdade - Ficheiro B.pdfPoesia - aLer+ a Liberdade - Ficheiro B.pdf
Poesia - aLer+ a Liberdade - Ficheiro B.pdf
Bibliotecas Infante D. Henrique
 
José Saramago - Poesia
José Saramago - PoesiaJosé Saramago - Poesia
José Saramago - Poesia
guida04
 
POESIAS escrito no site meu lado poético poesias de amor surreal mensagens
POESIAS escrito no site meu lado poético poesias de amor surreal mensagensPOESIAS escrito no site meu lado poético poesias de amor surreal mensagens
POESIAS escrito no site meu lado poético poesias de amor surreal mensagens
Terreza Lima
 
Natércia Freire
Natércia FreireNatércia Freire
Natércia Freire
davidaaduarte
 
Concurso poesia na_corda_2010
Concurso poesia na_corda_2010Concurso poesia na_corda_2010
Concurso poesia na_corda_2010
Maria Da Graça Oliveira
 
Pablo Neruda Vinte poemas de amor e uma cancao desesperada
Pablo Neruda Vinte poemas de amor e uma cancao desesperadaPablo Neruda Vinte poemas de amor e uma cancao desesperada
Pablo Neruda Vinte poemas de amor e uma cancao desesperada
Carlos Elson Cunha
 
Poemas Ilustrados
Poemas IlustradosPoemas Ilustrados
Poemas Ilustrados
vales
 
Caderno digital de Literatura
Caderno digital de LiteraturaCaderno digital de Literatura
Caderno digital de Literatura
davidaaduarte
 
Sessão leitura poética 2014
Sessão leitura poética 2014Sessão leitura poética 2014
Sessão leitura poética 2014
Arlindo Rodrigues Vieira
 
Em algum lugar de mim
Em algum lugar de mimEm algum lugar de mim
Em algum lugar de mim
Paulo Fernandes
 
Em algum lugar de mim
Em algum lugar de mimEm algum lugar de mim
Em algum lugar de mim
Paulo Fernandes
 

Semelhante a Poemas so século xx (20)

Poemas de vários autores
Poemas de vários autoresPoemas de vários autores
Poemas de vários autores
 
Biblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre CulturasBiblioteca Global - Ponte entre Culturas
Biblioteca Global - Ponte entre Culturas
 
Livre com um livro
Livre com um livroLivre com um livro
Livre com um livro
 
Eugenio andrade 4
Eugenio andrade 4Eugenio andrade 4
Eugenio andrade 4
 
Eugenio andrade 4
Eugenio andrade 4Eugenio andrade 4
Eugenio andrade 4
 
Eugenio Andrade 4
Eugenio Andrade 4Eugenio Andrade 4
Eugenio Andrade 4
 
Eugenio Andrade
Eugenio AndradeEugenio Andrade
Eugenio Andrade
 
Semana da Poesia em Miranda do Corvo
Semana da Poesia  em Miranda do CorvoSemana da Poesia  em Miranda do Corvo
Semana da Poesia em Miranda do Corvo
 
Poemas
PoemasPoemas
Poemas
 
Poesia - aLer+ a Liberdade - Ficheiro B.pdf
Poesia - aLer+ a Liberdade - Ficheiro B.pdfPoesia - aLer+ a Liberdade - Ficheiro B.pdf
Poesia - aLer+ a Liberdade - Ficheiro B.pdf
 
José Saramago - Poesia
José Saramago - PoesiaJosé Saramago - Poesia
José Saramago - Poesia
 
POESIAS escrito no site meu lado poético poesias de amor surreal mensagens
POESIAS escrito no site meu lado poético poesias de amor surreal mensagensPOESIAS escrito no site meu lado poético poesias de amor surreal mensagens
POESIAS escrito no site meu lado poético poesias de amor surreal mensagens
 
Natércia Freire
Natércia FreireNatércia Freire
Natércia Freire
 
Concurso poesia na_corda_2010
Concurso poesia na_corda_2010Concurso poesia na_corda_2010
Concurso poesia na_corda_2010
 
Pablo Neruda Vinte poemas de amor e uma cancao desesperada
Pablo Neruda Vinte poemas de amor e uma cancao desesperadaPablo Neruda Vinte poemas de amor e uma cancao desesperada
Pablo Neruda Vinte poemas de amor e uma cancao desesperada
 
Poemas Ilustrados
Poemas IlustradosPoemas Ilustrados
Poemas Ilustrados
 
Caderno digital de Literatura
Caderno digital de LiteraturaCaderno digital de Literatura
Caderno digital de Literatura
 
Sessão leitura poética 2014
Sessão leitura poética 2014Sessão leitura poética 2014
Sessão leitura poética 2014
 
Em algum lugar de mim
Em algum lugar de mimEm algum lugar de mim
Em algum lugar de mim
 
Em algum lugar de mim
Em algum lugar de mimEm algum lugar de mim
Em algum lugar de mim
 

Poemas so século xx

  • 1. Liberdade Ai que prazer não cumprir um dever. Ter um livro para ler e não o fazer! Ler é maçada, estudar é nada. O sol doira sem literatura. O rio corre bem ou mal, sem edição original. E a brisa, essa, de tão naturalmente matinal como tem tempo, não tem pressa... Livros são papéis pintados com tinta. Estudar é uma coisa em que está indistinta A distinção entre nada e coisa nenhuma. Quanto melhor é quando há bruma. Esperar por D. Sebastião, Quer venha ou não!
  • 2. Grande é a poesia, a bondade e as danças... Mas o melhor do mundo são as crianças, Flores, música, o luar, e o sol que peca Só quando, em vez de criar, seca. E mais do que isto É Jesus Cristo, Que não sabia nada de finanças, Nem consta que tivesse biblioteca... Fernando Pessoa
  • 3. Os espelhos Os espelhos acendem o seu brilho todo o dia Nunca são baços E mesmo sob a pálpebra da treva Sua lisa pupila cintila e fita Como a pupila do gato Eles nos reflectem. Nunca nos decoram Porém é só na penumbra da hora tardia Quando a imobilidade se instaura no centro do silêncio Que à tona dos espelhos aflora A luz que os habita e nos apaga: Luz arrancada Ao interior de um fogo frio e vítreo Sophia de Mello Breyner Andresen
  • 4. Kyrie (O Senhor) Em nome dos que choram, Dos que sofrem, Dos que acendem na noite o facho da revolta E que de noite morrem, Com a esperança nos olhos e arames em volta. Em nome dos que sonham com palavras De amor e paz que nunca foram ditas, Em nome dos que rezam em silêncio E falam em silêncio E estendem em silêncio as duas mãos aflitas. Em nome dos que pedem em segredo A esmola que os humilha e os destrói E devoram as lágrimas e o medo Quando a fome lhes dói Em nome dos que dormem ao relento Numa cama de chuva com lençóis de vento O sono da miséria, terrível e profundo. Em nome dos teus filhos que esqueceste, Filho de Deus que nunca mais nasceste, Volta outra vez ao mundo! Ary dos Santos Vinte anos de poesia
  • 5. Trova ao vento que passa Pergunto ao vento que passa notícias do meu país e o vento cala a desgraça o vento nada me diz. Pergunto aos rios que levam tanto sonho à flor das águas e os rios não me sossegam levam sonhos deixam mágoas. Levam sonhos deixam mágoas ai rios do meu país minha pátria à flor das águas para onde vais? Ninguém diz. Se o verde trevo desfolhas pede notícias e diz ao trevo de quatro folhas que morro por meu país.
  • 6. Pergunto à gente que passa por que vai de olhos no chão. Silêncio -- é tudo o que tem quem vive na servidão. Vi florir os verdes ramos direitos e ao céu voltados. E a quem gosta de ter amos vi sempre os ombros curvados. E o vento não me diz nada ninguém diz nada de novo. Vi minha pátria pregada nos braços em cruz do povo. Vi minha pátria na margem dos rios que vão pró mar como quem ama a viagem mas tem sempre de ficar.
  • 7. Vi navios a partir (minha pátria à flor das águas) vi minha pátria florir (verdes folhas verdes mágoas). Há quem te queira ignorada e fale pátria em teu nome. Eu vi-te crucificada nos braços negros da fome.
  • 8. E o vento não me diz nada só o silêncio persiste. Vi minha pátria parada à beira de um rio triste. Ninguém diz nada de novo se notícias vou pedindo nas mãos vazias do povo vi minha pátria florindo.
  • 9. E a noite cresce por dentro dos homens do meu país. Peço notícias ao vento e o vento nada me diz. Quatro folhas tem o trevo liberdade quatro sílabas. Não sabem ler é verdade aqueles pra quem eu escrevo. Mas há sempre uma candeia dentro da própria desgraça há sempre alguém que semeia canções no vento que passa. Mesmo na noite mais triste em tempo de servidão há sempre alguém que resiste há sempre alguém que diz não. Manuel Alegre
  • 10. Urgentemente É urgente o amor. É urgente um barco no mar. É urgente destruir certas palavras, ódio, solidão e crueldade, alguns lamentos, muitas espadas. É urgente inventar alegria, multiplicar os beijos, as searas, é urgente descobrir rosas e rios e manhãs claras. Cai o silêncio nos ombros e a luz impura, até doer. É urgente o amor, é urgente permanecer. Eugénio de Andrade Até Amanhã
  • 11. Recomeça ... Se puderes, E os passos que deres, Nesse caminho duro do futuro, Dá-os em liberdade Enquanto não alcances, Não descanses. De nenhum fruto queiras só metade. Miguel Torga - Recomeçar
  • 12. Árvores do Alentejo Horas mortas... curvadas aos pés do Monte A planície é um brasido... e, torturadas, As árvores sangrentas, revoltadas, Gritam a Deus a bênção duma fonte! E quando, manhã alta, o sol postonte A oiro a giesta, a arder, pelas estradas, Esfíngicas, recortam desgrenhadas Os trágicos perfis no horizonte! Árvores! Corações, almas que choram, Almas iguais à minha, almas que imploram Em vão remédio para tanta mágoa! Árvores! Não choreis! Olhai e vede: -Também ando a gritar, morta de sede, Pedindo a Deus a minha gota de água!
  • 13. Procurei o amor que me mentiu. Pedi à Vida mais do que ela dava. Eterna sonhadora edificava Meu castelo de luz que me caiu! Tanto clarão nas trevas refulgiu, E tanto beijo a boca me queimava! E era o sol que os longes deslumbrava Igual a tanto sol que me fugiu! Passei a vida a amar e a esquecer... Um sol a apagar-se e outro a acender Nas brumas dos atalhos por onde ando... E este amor que assim me vai fugindo É igual a outro amor que vai surgindo, Que há de partir também... nem eu sei quando... Florbela Espanca