SlideShare uma empresa Scribd logo
Cuido
Avisto ao longe o lânguido Mondego
Olho as serras distantes ao luar
E sinto ânsias de nele repousar
Envolvido no aroma do sossego.
Vejo Coimbra, princesa de horizontes,
Onde pairam enleios e harmonias
De rainhas e antigas fantasias
Dispersas pelos vales, pelos montes.
Dom Pedro vive ainda em seu desejo,
No meu amor enorme, amor sem lei,
Que ainda enleia as almas como um beijo.
E eu a pensar na lenda desse rei,
E no cortejo que após ele vejo,
Cuido um instante que também amei...
Dinis da Luz, Ponta da Madrugada,
Antologia Poética
Cavador
Amigo cavador, fica por mim.
Vivo ao pé de ti, e com amor
Aprendi a lição do teu suor...
Como te hei de mentir se te amo assim.
Se alguma vez te for buscar à aldeia
A tentação ruim das capitais,
Olha para a tua enxada... e nunca mais
Te prenderá o canto da sereia.
E ora um pouco sobre a terra fria
Que oculta as cinzas brancas dos avós.
Tu hás de ouvir lá dentro a mesma voz
Que o teu bom pai ouviste na agonia.
Lê pelo campo o poema de valor
Que escreveram, heróis, a breves traços
Com a pena sagrada de seus braços,
Sem outra tinta mais que o seu suor.
Dinis da Luz, Ponta da Madrugada,
Antologia Poética (poema dedicado a seu pai)
Antologia Poética
Férias da Páscoa
Férias da Páscoa, que bom!
Para poder descansar
Pegar na Bicicleta
Dar passeios, viajar
Dormir em casa da avó
Prolongar mais o serão
Ir à praia ou à montanha
Acompanhada pelo cão
Jogar no computador
Comer doces com fartura
Encontrar-se com os amigos
E NÃO ESQUECER A LEITURA.
Isabel Lamas, O Livro da Páscoa
Cuidadinho!
Sabem o que aconteceu
à Maria Jesus?
Caiu-lhe o ovo das mãos
Lá se partiu, catrapus
«Olha o que fizeste!»
Diz-lhe a Galinha a sorrir
«Para a outra vez tem cautela
E não o deixes cair!»
«Desculpa Galinha amiga»
Diz-lhe a menina a chorar
«Fui muito tonta, pateta
Não me podes desculpar?»
«Sempre que agarrares num ovo
Deves ter mais cuidadinho
Deste já não nasce nada
É menos um pintainho!»
Isabel Lamas, O Livro da Páscoa
Ser Poeta
Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!
É ter de mil desejos o esplendos
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!
É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e cetim…
É condensar o mundo num só grito!
E é amar-te, assim, perdidamente…
É seres alma e sangue e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!
Florbela Espanca, Charneca em Flor,
in Poesia Completa
Autopsicografia
O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.
E os que leem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.
E assim nas calhas de roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração.
Fernando Pessoa
Presságio
O amor, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar pra ela,
Mas não lhe sabe falar.
Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há de dizer.
Fala: parece que mente…
Cala: parece esquecer…
Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
Pra saber que a estão a amar!
Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!
Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar…
Fernando Pessoa
O Paço do Milhafre
À beira da água fiz erguer meu Paço
Da Rei-Saudade das distantes milhas:
Meus olhos, minha boca eram as ilhas;
Pranto e cantiga andavam no sargaço.
Atlântico, encontrei no meu regaço
Algas, corais, estranhas maravilhas!
Fiz das gaivotas minhas próprias filhas,
Tive pulmões nas fibras do mormaço.
Enchi infusas nas salgadas ondas
E oleiro fui que as lágrimas redondas
Por fora fiz de vidro e, dentro, de água.
Os vagalhões da noite me salvavam
E, com partes iguais de sal e mágoa,
Minhas altas janelas se lavavam.
Vitorino Nemésio, O Bicho Harmonioso.
Mãe Ilha III
Foi isto outrora na ilha das fadas
Embrumada em hortênsias. Não sonhei.
Sobre as lagoas de águas encantadas
Dormiam os fetos e não havia lei.
As vacas, nas colinas esfumadas
Ruminavam o eterno. Ali folguei
Na festa das crianças coroadas.
Reinava o Amor e não havia Rei.
Dentro da música a casa repousava.
Minha mãe docemente penteava
Os meus cabelos e caíam pérolas.
Rumores longínquos da infância oclusa,
Que num desvão da alma ainda debruça
Uma varanda sobre um mar de auréolas.
Natália Correia, Sonetos românticos
Retrato
Meu corpo é água,
Onda que vai e vem,
Abraça, foge, não para ...
No fundo, mágoa.
Meus olhos, água.
Fundura do mar salgado,
Quem sabe onde tem seu fim?
No fundo, mágoa.
Minh’alma é água,
Que canta, que chora e fala:
Doce cantiga das fontes,
Brando choro das ribeiras,
Marulho eterno das vagas ...
No fundo, mágoa.
Armando Côrtes-Rodrigues,
Horto Fechado e outros Poemas
Mar
Mar, metade da minha alma é feita de maresia
Pois é pela mesma inquietação e nostalgia,
Que há no vasto clamor da maré cheia,
Que nunca nenhum bem me satisfez.
E é porque as tuas ondas desfeitas pela areia
Mais fortes se levantam outra vez,
Que após cada queda caminho para a vida,
Por uma nova ilusão entontecida.
E se vou dizendo aos astros o meu mal
É porque também tu revoltado e teatral
Fazes soar a tua dor pelas alturas.
E se antes de tudo odeio e fujo
O que é impuro, profano e sujo,
É só porque as tuas ondas são puras.
Sophia de Mello Breyner Andresen
Eu …
Eu sou a que no mundo anda perdida,
Eu sou a que na vida não tem norte,
Sou a irmã do Sonho e desta sorte
Sou a crucificada … a dolorida …
Sombra de névoa tênue e esvaecida,
E que o destino amargo, triste e forte,
Impele brutalmente para a morte!
Alma de luto sempre incompreendida!…
Sou aquela que passa e ninguém vê…
Sou a que chamam triste sem o ser…
Sou a que chora sem saber porquê…
Sou talvez a visão que Alguém sonhou,
Alguém que veio ao mundo pra me ver,
E que nunca na vida me encontrou!
Florbela Espanca
Mudam-se os tempos,
mudam-se as vontades
Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança;
Todo o mundo é composto de mudança,
Tomando sempre novas qualidades.
Continuamente vemos novidades,
Diferentes em tudo da esperança;
Do mal ficam as mágoas na lembrança,
E do bem, se algum houve, as saudades.
O tempo cobre o chão de verde manto,
Que já coberto foi de neve fria,
E em mim converte em choro o doce canto.
E, afora este mudar-se cada dia,
Outra mudança faz de mor espanto:
Que não se muda já como soía.
Luís de Camões
Regresso
E contudo perdendo-te encontraste.
E nem deuses nem monstros nem tiranos
te puderam deter. A mim os oceanos.
E foste. E aproximaste.
Antes de ti o mar era mistério.
Tu mostraste que o mar era só mar.
Maior do que qualquer império
foi a aventura de partir e de chegar.
Mas já no mar quem fomos é estrangeiro
e já em Portugal estrangeiros somos.
Se em cada um de nós há ainda um marinheiro
vamos achar em Portugal quem nunca fomos.
De Calicute até Lisboa sobre o sal
e o Tempo. Porque é tempo de voltar
e de voltando achar em Portugal
esse país que se perdeu de mar em mar.
Manuel Alegre
Tempo de Poesia
Todo o tempo é de poesia
Desde a névoa da manhã
à névoa do outo dia.
Desde a quentura do ventre
à frigidez da agonia
Todo o tempo é de poesia
Entre bombas que deflagram.
Corolas que se desdobram.
Corpos que em sangue soçobram.
Vidas qua amar se consagram.
Sob a cúpula sombria
das mãos que pedem vingança.
Sob o arco da aliança
da celeste alegoria.
Todo o tempo é de poesia.
Desde a arrumação ao caos
à confusão da harmonia.
António Gedeão
Lição sobre a água
Este líquido é água.
Quando pura
é inodora, insípida e incolor.
Reduzida a vapor,
sob tensão e a alta temperatura,
move os êmbolos das máquinas que, por isso,
se denominam máquinas de vapor.
É um bom dissolvente.
Embora com excepções mas de um modo geral,
dissolve tudo bem, bases e sais.
Congela a zero graus centesimais
e ferve a 100, quando à pressão normal.
Foi neste líquido que numa noite cálida de Verão,
sob um luar gomoso e branco de camélia,
apareceu a boiar o cadáver de Ofélia
com um nenúfar na mão.
António Gedeão
Heroísmos
Eu temo muito o mar, o mar enorme,
Solene, enraivecido, turbulento,
Erguido em vagalhões, rugindo ao vento;
O mar sublime, o mar que nunca dorme.
Eu temo o largo mar, rebelde, informe,
De vítimas famélico, sedento,
E creio ouvir em cada seu lamento
Os ruídos dum túmulo disforme.
Contudo, num barquinho transparente,
No seu dorso feroz vou blasonar,
Tufada a vela e n'água quase assente,
E ouvindo muito ao perto o seu bramar,
Eu rindo, sem cuidados, simplesmente,
Escarro, com desdém, no grande mar!
Cesário Verde

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ler o mar
Ler o marLer o mar
Ler o mar
casmaria
 
Tiago Aeiou
Tiago AeiouTiago Aeiou
Tiago Aeiou
guestb5f11d
 
A Bruxa Mimi
A Bruxa MimiA Bruxa Mimi
A Bruxa Mimi
JATG
 
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soarespoemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
subel
 
A árvore Generosa
  A árvore Generosa  A árvore Generosa
A árvore Generosa
Fátima Lares Correia
 
A castanha lili-
A castanha lili-A castanha lili-
A castanha lili-
labeques
 
Peixe Arco Iris
Peixe Arco IrisPeixe Arco Iris
Peixe Arco Iris
guestb0f4a46
 
Conto sapo.apaixonado
Conto sapo.apaixonadoConto sapo.apaixonado
Conto sapo.apaixonado
Sheila Santos
 
O que cabe no meu mundo
O que cabe no meu mundoO que cabe no meu mundo
O que cabe no meu mundo
Bartira Tomazini
 
O Peixinho Que Descobriu O Mar
O Peixinho Que Descobriu O MarO Peixinho Que Descobriu O Mar
O Peixinho Que Descobriu O Mar
Cristina Leão Braga da Cruz
 
O leão que temos cá dentro
O leão que temos cá dentroO leão que temos cá dentro
O leão que temos cá dentro
Emília Lima
 
Adivinhas
AdivinhasAdivinhas
Adivinhas
natercia44
 
Adivinhas de natal
Adivinhas de natalAdivinhas de natal
Adivinhas de natal
aasf
 
Livro
LivroLivro
Uma prenda de natal
Uma prenda de natalUma prenda de natal
Uma prenda de natal
Acilu
 
A ovelhinha dá me lã - apresentação
A ovelhinha dá me lã - apresentaçãoA ovelhinha dá me lã - apresentação
A ovelhinha dá me lã - apresentação
Fátima Lares Correia
 
Bruxa mimi
Bruxa mimiBruxa mimi
Bruxa mimi
Ana Alho
 
O Pedro e o Lobo
O Pedro e o LoboO Pedro e o Lobo
O Pedro e o Lobo
yibaldo
 
A lagartinha comilona
A lagartinha comilonaA lagartinha comilona
A lagartinha comilona
anabelasantosmendonca
 
Carochinha
CarochinhaCarochinha

Mais procurados (20)

Ler o mar
Ler o marLer o mar
Ler o mar
 
Tiago Aeiou
Tiago AeiouTiago Aeiou
Tiago Aeiou
 
A Bruxa Mimi
A Bruxa MimiA Bruxa Mimi
A Bruxa Mimi
 
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soarespoemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
 
A árvore Generosa
  A árvore Generosa  A árvore Generosa
A árvore Generosa
 
A castanha lili-
A castanha lili-A castanha lili-
A castanha lili-
 
Peixe Arco Iris
Peixe Arco IrisPeixe Arco Iris
Peixe Arco Iris
 
Conto sapo.apaixonado
Conto sapo.apaixonadoConto sapo.apaixonado
Conto sapo.apaixonado
 
O que cabe no meu mundo
O que cabe no meu mundoO que cabe no meu mundo
O que cabe no meu mundo
 
O Peixinho Que Descobriu O Mar
O Peixinho Que Descobriu O MarO Peixinho Que Descobriu O Mar
O Peixinho Que Descobriu O Mar
 
O leão que temos cá dentro
O leão que temos cá dentroO leão que temos cá dentro
O leão que temos cá dentro
 
Adivinhas
AdivinhasAdivinhas
Adivinhas
 
Adivinhas de natal
Adivinhas de natalAdivinhas de natal
Adivinhas de natal
 
Livro
LivroLivro
Livro
 
Uma prenda de natal
Uma prenda de natalUma prenda de natal
Uma prenda de natal
 
A ovelhinha dá me lã - apresentação
A ovelhinha dá me lã - apresentaçãoA ovelhinha dá me lã - apresentação
A ovelhinha dá me lã - apresentação
 
Bruxa mimi
Bruxa mimiBruxa mimi
Bruxa mimi
 
O Pedro e o Lobo
O Pedro e o LoboO Pedro e o Lobo
O Pedro e o Lobo
 
A lagartinha comilona
A lagartinha comilonaA lagartinha comilona
A lagartinha comilona
 
Carochinha
CarochinhaCarochinha
Carochinha
 

Destaque

Poesias
PoesiasPoesias
Poesias
kys24n17
 
MÚSICA JERUSALÉM / JESUS NA INGLATERRA
MÚSICA JERUSALÉM / JESUS NA INGLATERRAMÚSICA JERUSALÉM / JESUS NA INGLATERRA
MÚSICA JERUSALÉM / JESUS NA INGLATERRA
Claudio José Ayrosa Rosière
 
25 de abril, páscoa, medidas de massa, histórias rosa
25 de abril, páscoa, medidas de massa, histórias   rosa25 de abril, páscoa, medidas de massa, histórias   rosa
25 de abril, páscoa, medidas de massa, histórias rosa
Jaime Silva
 
Poema de Páscoa
Poema de PáscoaPoema de Páscoa
Poema de Páscoa
Susana Pinhal
 
Matematica pascoa
Matematica pascoaMatematica pascoa
Matematica pascoa
Atividades Diversas Cláudia
 
Ciranda das sílabas volume 5
Ciranda das sílabas   volume 5Ciranda das sílabas   volume 5
Ciranda das sílabas volume 5
Eliete Soares E Soares
 
Projeto páscoa com cristo
Projeto páscoa com cristoProjeto páscoa com cristo
Projeto páscoa com cristo
Manoel Júnior
 
Coelhinho da páscoa ilustrado
Coelhinho da páscoa ilustradoCoelhinho da páscoa ilustrado
Coelhinho da páscoa ilustrado
Susana Felix
 
Projeto páscoa feliz
Projeto páscoa felizProjeto páscoa feliz
Projeto páscoa feliz
juviane
 
Projeto Páscoa da Amizade.
Projeto Páscoa da Amizade.Projeto Páscoa da Amizade.
Projeto Páscoa da Amizade.
Elizangela Santos
 
Sequencia didática o coelhinho que não era de páscoa
Sequencia didática o coelhinho que não era de páscoaSequencia didática o coelhinho que não era de páscoa
Sequencia didática o coelhinho que não era de páscoa
Juliana Almeida
 
Planejamento de páscoa
Planejamento de páscoaPlanejamento de páscoa
Planejamento de páscoa
kekinhaborges
 

Destaque (12)

Poesias
PoesiasPoesias
Poesias
 
MÚSICA JERUSALÉM / JESUS NA INGLATERRA
MÚSICA JERUSALÉM / JESUS NA INGLATERRAMÚSICA JERUSALÉM / JESUS NA INGLATERRA
MÚSICA JERUSALÉM / JESUS NA INGLATERRA
 
25 de abril, páscoa, medidas de massa, histórias rosa
25 de abril, páscoa, medidas de massa, histórias   rosa25 de abril, páscoa, medidas de massa, histórias   rosa
25 de abril, páscoa, medidas de massa, histórias rosa
 
Poema de Páscoa
Poema de PáscoaPoema de Páscoa
Poema de Páscoa
 
Matematica pascoa
Matematica pascoaMatematica pascoa
Matematica pascoa
 
Ciranda das sílabas volume 5
Ciranda das sílabas   volume 5Ciranda das sílabas   volume 5
Ciranda das sílabas volume 5
 
Projeto páscoa com cristo
Projeto páscoa com cristoProjeto páscoa com cristo
Projeto páscoa com cristo
 
Coelhinho da páscoa ilustrado
Coelhinho da páscoa ilustradoCoelhinho da páscoa ilustrado
Coelhinho da páscoa ilustrado
 
Projeto páscoa feliz
Projeto páscoa felizProjeto páscoa feliz
Projeto páscoa feliz
 
Projeto Páscoa da Amizade.
Projeto Páscoa da Amizade.Projeto Páscoa da Amizade.
Projeto Páscoa da Amizade.
 
Sequencia didática o coelhinho que não era de páscoa
Sequencia didática o coelhinho que não era de páscoaSequencia didática o coelhinho que não era de páscoa
Sequencia didática o coelhinho que não era de páscoa
 
Planejamento de páscoa
Planejamento de páscoaPlanejamento de páscoa
Planejamento de páscoa
 

Semelhante a Poemas de vários autores

Poemas Ilustrados
Poemas IlustradosPoemas Ilustrados
Poemas Ilustrados
vales
 
Mestresda poesiapps
Mestresda poesiappsMestresda poesiapps
Mestresda poesiapps
Ariana Martins
 
Mestres da poesia
Mestres da poesiaMestres da poesia
Mestres da poesia
Mensagens Virtuais
 
Poetas
PoetasPoetas
Poetas
escola
 
Poetas
PoetasPoetas
Poetas
Helena
 
Poesias mostra cultural
Poesias mostra culturalPoesias mostra cultural
Poesias mostra cultural
Barbara Coelho
 
20120803 caderno poemas_ciclo_3
20120803 caderno poemas_ciclo_320120803 caderno poemas_ciclo_3
20120803 caderno poemas_ciclo_3
bib2009
 
José Saramago - Poesia
José Saramago - PoesiaJosé Saramago - Poesia
José Saramago - Poesia
guida04
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
guest2ffb44
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
Juvenal Lucas
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
Juvenal Lucas
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
Juvenal Lucas
 
Poetas
PoetasPoetas
Poetas
iracemap
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
Juvenal Lucas
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
Juvenal Lucas
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
Juvenal Lucas
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
Juvenal Lucas
 
Poetas An
Poetas AnPoetas An
Poetas An
Juvenal Lucas
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
Juvenal Lucas
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
Juvenal Lucas
 

Semelhante a Poemas de vários autores (20)

Poemas Ilustrados
Poemas IlustradosPoemas Ilustrados
Poemas Ilustrados
 
Mestresda poesiapps
Mestresda poesiappsMestresda poesiapps
Mestresda poesiapps
 
Mestres da poesia
Mestres da poesiaMestres da poesia
Mestres da poesia
 
Poetas
PoetasPoetas
Poetas
 
Poetas
PoetasPoetas
Poetas
 
Poesias mostra cultural
Poesias mostra culturalPoesias mostra cultural
Poesias mostra cultural
 
20120803 caderno poemas_ciclo_3
20120803 caderno poemas_ciclo_320120803 caderno poemas_ciclo_3
20120803 caderno poemas_ciclo_3
 
José Saramago - Poesia
José Saramago - PoesiaJosé Saramago - Poesia
José Saramago - Poesia
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas
PoetasPoetas
Poetas
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas An
Poetas AnPoetas An
Poetas An
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 

Último

FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 

Poemas de vários autores

  • 1. Cuido Avisto ao longe o lânguido Mondego Olho as serras distantes ao luar E sinto ânsias de nele repousar Envolvido no aroma do sossego. Vejo Coimbra, princesa de horizontes, Onde pairam enleios e harmonias De rainhas e antigas fantasias Dispersas pelos vales, pelos montes. Dom Pedro vive ainda em seu desejo, No meu amor enorme, amor sem lei, Que ainda enleia as almas como um beijo. E eu a pensar na lenda desse rei, E no cortejo que após ele vejo, Cuido um instante que também amei... Dinis da Luz, Ponta da Madrugada, Antologia Poética
  • 2. Cavador Amigo cavador, fica por mim. Vivo ao pé de ti, e com amor Aprendi a lição do teu suor... Como te hei de mentir se te amo assim. Se alguma vez te for buscar à aldeia A tentação ruim das capitais, Olha para a tua enxada... e nunca mais Te prenderá o canto da sereia. E ora um pouco sobre a terra fria Que oculta as cinzas brancas dos avós. Tu hás de ouvir lá dentro a mesma voz Que o teu bom pai ouviste na agonia. Lê pelo campo o poema de valor Que escreveram, heróis, a breves traços Com a pena sagrada de seus braços, Sem outra tinta mais que o seu suor. Dinis da Luz, Ponta da Madrugada, Antologia Poética (poema dedicado a seu pai) Antologia Poética
  • 3. Férias da Páscoa Férias da Páscoa, que bom! Para poder descansar Pegar na Bicicleta Dar passeios, viajar Dormir em casa da avó Prolongar mais o serão Ir à praia ou à montanha Acompanhada pelo cão Jogar no computador Comer doces com fartura Encontrar-se com os amigos E NÃO ESQUECER A LEITURA. Isabel Lamas, O Livro da Páscoa
  • 4. Cuidadinho! Sabem o que aconteceu à Maria Jesus? Caiu-lhe o ovo das mãos Lá se partiu, catrapus «Olha o que fizeste!» Diz-lhe a Galinha a sorrir «Para a outra vez tem cautela E não o deixes cair!» «Desculpa Galinha amiga» Diz-lhe a menina a chorar «Fui muito tonta, pateta Não me podes desculpar?» «Sempre que agarrares num ovo Deves ter mais cuidadinho Deste já não nasce nada É menos um pintainho!» Isabel Lamas, O Livro da Páscoa
  • 5. Ser Poeta Ser poeta é ser mais alto, é ser maior Do que os homens! Morder como quem beija! É ser mendigo e dar como quem seja Rei do Reino de Aquém e de Além Dor! É ter de mil desejos o esplendos E não saber sequer que se deseja! É ter cá dentro um astro que flameja, É ter garras e asas de condor! É ter fome, é ter sede de Infinito! Por elmo, as manhãs de oiro e cetim… É condensar o mundo num só grito! E é amar-te, assim, perdidamente… É seres alma e sangue e vida em mim E dizê-lo cantando a toda a gente! Florbela Espanca, Charneca em Flor, in Poesia Completa
  • 6. Autopsicografia O poeta é um fingidor. Finge tão completamente Que chega a fingir que é dor A dor que deveras sente. E os que leem o que escreve, Na dor lida sentem bem, Não as duas que ele teve, Mas só a que eles não têm. E assim nas calhas de roda Gira, a entreter a razão, Esse comboio de corda Que se chama coração. Fernando Pessoa
  • 7. Presságio O amor, quando se revela, Não se sabe revelar. Sabe bem olhar pra ela, Mas não lhe sabe falar. Quem quer dizer o que sente Não sabe o que há de dizer. Fala: parece que mente… Cala: parece esquecer… Ah, mas se ela adivinhasse, Se pudesse ouvir o olhar, E se um olhar lhe bastasse Pra saber que a estão a amar! Mas quem sente muito, cala; Quem quer dizer quanto sente Fica sem alma nem fala, Fica só, inteiramente! Mas se isto puder contar-lhe O que não lhe ouso contar, Já não terei que falar-lhe Porque lhe estou a falar… Fernando Pessoa
  • 8. O Paço do Milhafre À beira da água fiz erguer meu Paço Da Rei-Saudade das distantes milhas: Meus olhos, minha boca eram as ilhas; Pranto e cantiga andavam no sargaço. Atlântico, encontrei no meu regaço Algas, corais, estranhas maravilhas! Fiz das gaivotas minhas próprias filhas, Tive pulmões nas fibras do mormaço. Enchi infusas nas salgadas ondas E oleiro fui que as lágrimas redondas Por fora fiz de vidro e, dentro, de água. Os vagalhões da noite me salvavam E, com partes iguais de sal e mágoa, Minhas altas janelas se lavavam. Vitorino Nemésio, O Bicho Harmonioso.
  • 9. Mãe Ilha III Foi isto outrora na ilha das fadas Embrumada em hortênsias. Não sonhei. Sobre as lagoas de águas encantadas Dormiam os fetos e não havia lei. As vacas, nas colinas esfumadas Ruminavam o eterno. Ali folguei Na festa das crianças coroadas. Reinava o Amor e não havia Rei. Dentro da música a casa repousava. Minha mãe docemente penteava Os meus cabelos e caíam pérolas. Rumores longínquos da infância oclusa, Que num desvão da alma ainda debruça Uma varanda sobre um mar de auréolas. Natália Correia, Sonetos românticos
  • 10. Retrato Meu corpo é água, Onda que vai e vem, Abraça, foge, não para ... No fundo, mágoa. Meus olhos, água. Fundura do mar salgado, Quem sabe onde tem seu fim? No fundo, mágoa. Minh’alma é água, Que canta, que chora e fala: Doce cantiga das fontes, Brando choro das ribeiras, Marulho eterno das vagas ... No fundo, mágoa. Armando Côrtes-Rodrigues, Horto Fechado e outros Poemas
  • 11. Mar Mar, metade da minha alma é feita de maresia Pois é pela mesma inquietação e nostalgia, Que há no vasto clamor da maré cheia, Que nunca nenhum bem me satisfez. E é porque as tuas ondas desfeitas pela areia Mais fortes se levantam outra vez, Que após cada queda caminho para a vida, Por uma nova ilusão entontecida. E se vou dizendo aos astros o meu mal É porque também tu revoltado e teatral Fazes soar a tua dor pelas alturas. E se antes de tudo odeio e fujo O que é impuro, profano e sujo, É só porque as tuas ondas são puras. Sophia de Mello Breyner Andresen
  • 12. Eu … Eu sou a que no mundo anda perdida, Eu sou a que na vida não tem norte, Sou a irmã do Sonho e desta sorte Sou a crucificada … a dolorida … Sombra de névoa tênue e esvaecida, E que o destino amargo, triste e forte, Impele brutalmente para a morte! Alma de luto sempre incompreendida!… Sou aquela que passa e ninguém vê… Sou a que chamam triste sem o ser… Sou a que chora sem saber porquê… Sou talvez a visão que Alguém sonhou, Alguém que veio ao mundo pra me ver, E que nunca na vida me encontrou! Florbela Espanca
  • 13. Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, Muda-se o ser, muda-se a confiança; Todo o mundo é composto de mudança, Tomando sempre novas qualidades. Continuamente vemos novidades, Diferentes em tudo da esperança; Do mal ficam as mágoas na lembrança, E do bem, se algum houve, as saudades. O tempo cobre o chão de verde manto, Que já coberto foi de neve fria, E em mim converte em choro o doce canto. E, afora este mudar-se cada dia, Outra mudança faz de mor espanto: Que não se muda já como soía. Luís de Camões
  • 14. Regresso E contudo perdendo-te encontraste. E nem deuses nem monstros nem tiranos te puderam deter. A mim os oceanos. E foste. E aproximaste. Antes de ti o mar era mistério. Tu mostraste que o mar era só mar. Maior do que qualquer império foi a aventura de partir e de chegar. Mas já no mar quem fomos é estrangeiro e já em Portugal estrangeiros somos. Se em cada um de nós há ainda um marinheiro vamos achar em Portugal quem nunca fomos. De Calicute até Lisboa sobre o sal e o Tempo. Porque é tempo de voltar e de voltando achar em Portugal esse país que se perdeu de mar em mar. Manuel Alegre
  • 15. Tempo de Poesia Todo o tempo é de poesia Desde a névoa da manhã à névoa do outo dia. Desde a quentura do ventre à frigidez da agonia Todo o tempo é de poesia Entre bombas que deflagram. Corolas que se desdobram. Corpos que em sangue soçobram. Vidas qua amar se consagram. Sob a cúpula sombria das mãos que pedem vingança. Sob o arco da aliança da celeste alegoria. Todo o tempo é de poesia. Desde a arrumação ao caos à confusão da harmonia. António Gedeão
  • 16. Lição sobre a água Este líquido é água. Quando pura é inodora, insípida e incolor. Reduzida a vapor, sob tensão e a alta temperatura, move os êmbolos das máquinas que, por isso, se denominam máquinas de vapor. É um bom dissolvente. Embora com excepções mas de um modo geral, dissolve tudo bem, bases e sais. Congela a zero graus centesimais e ferve a 100, quando à pressão normal. Foi neste líquido que numa noite cálida de Verão, sob um luar gomoso e branco de camélia, apareceu a boiar o cadáver de Ofélia com um nenúfar na mão. António Gedeão
  • 17. Heroísmos Eu temo muito o mar, o mar enorme, Solene, enraivecido, turbulento, Erguido em vagalhões, rugindo ao vento; O mar sublime, o mar que nunca dorme. Eu temo o largo mar, rebelde, informe, De vítimas famélico, sedento, E creio ouvir em cada seu lamento Os ruídos dum túmulo disforme. Contudo, num barquinho transparente, No seu dorso feroz vou blasonar, Tufada a vela e n'água quase assente, E ouvindo muito ao perto o seu bramar, Eu rindo, sem cuidados, simplesmente, Escarro, com desdém, no grande mar! Cesário Verde