SlideShare uma empresa Scribd logo
CURRÍCULO
BNCC/RCG E
PLANO DE ESTUDOS
Com base na Legislação vigente e estudiosos do Currículo Escolar
A LEGISLAÇÃO
• A LDB 9.394/96, em seu artigo 9º, inciso IV, atribui à União: “estabelecer, em
colaboração com os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, competências e
diretrizes para a educação infantil, o ensino fundamental e o ensino médio, que
nortearão os currículos e seus conteúdos mínimos, de modo a assegurar formação
básica comum”.
• Adicionalmente, o artigo 26 determina: “Os currículos do ensino fundamental e
médio devem ter uma base nacional comum, a ser complementada em cada
sistema de ensino e estabelecimento escolar, por uma parte diversificada, exigida
pelas características regionais e locais da sociedade, da cultura, da economia
e da clientela.”
Ireno Antonio Berticelli, em, “Currículo- tendências e filosofia” (1998), afirma que:
• “Hoje, as questões curriculares estão intimamente conectadas aos problemas
sociais e, em dias mais recentes, aos aspectos culturais.
O currículo é o lugar dos eventos micro e macro, dos sistemas educacionais, das
instituições, a um tempo, e o lugar, também, dos desejos mínimos, por outro. As
decisões tomadas a respeito do currículo (micro ou macro) afetam sempre
vidas, sujeitos. Daí, sua importância.”
PPP E CURRÍCULO ESCOLAR
• O currículo é “o projeto cultural que a escola torna possível”, ai está explícita, em seu
próprio conceito, a ideia de projeto , considerado como uma criação da imaginação, uma
declaração de intenções, uma expressão do desejável. Estabelecer uma relação,
portanto, entre o projeto pedagógico da escola e seu currículo.
• O currículo é a implementação – para dado momento e sob determinadas condições – do
projeto pedagógico.
• Enquanto o projeto pedagógico permanece sendo o horizonte mais amplo, para onde a
escola – e sua comunidade – dirige o olhar, procurando destinos, o currículo é a tradução
do “possível agora”, revelando estágios de aproximação maior ou menor do ideal sonhado.
PROJETO CULTURAL
• Na escola, o currículo será sempre a resultante de três elementos – o formal, ação e oculto -
aquilo que se deseja (seja do ponto de vista prescritivo, seja do ponto de vista da
intencionalidade dos sujeitos envolvidos), aquilo que de fato se consegue alcançar (em
decorrência das circunstâncias concretas que condicionam o fazer e da postura e intervenção
pessoal de cada professor) e aquilo de que poucos, na verdade, se dão conta (elementos
culturais e ideológicos subjacentes a todo o pensar, sentir e agir). Essa condição da escola a
torna lugar de cultura, entendida cultura não como o simples conhecimento acumulado pela
humanidade, e nem mesmo como o conjunto de modos de ser, pensar e sentir de uma dada
comunidade, mas como expressão da instabilidade e permanente mutabilidade do conviver
humano, que a cada instante se reconstrói, ressignifica e transforma. Currículo é, por
conseqüência, “o projeto cultural que a escola torna possível”.
PROJETO CULTURAL
• Sendo o currículo um projeto cultural ele é necessariamente dinâmico e mutável, na
medida em que vai sendo posto em prática. A própria prática – mediada pela
reflexão sobre essa prática – engendra as mudanças no currículo. Currículo é, assim,
muito mais “processo” do que “estado” ou “ponto de chegada de um
planejamento”.
• Uma concepção de currículo como projeto cultural exige, por si mesma, que a
escola adote um estilo de trabalho que dê relevo ao esforço conjugado de seus
professores, enquanto equipe pedagógica. É como equipe que o grupo de
professores terá de atuar para, no decorrer dos processos envolvidos no agir
pedagógico, exercitar a reflexão sobre sua prática, procurando – através da análise –
compreendê-la e transformá-la.
PLANEJAMENTO
• Planejar currículo é estabelecer metas, definir estratégias, fixar tempos,
organizar espaços escolares com a intenção de alcançar as finalidades dos
diferentes níveis de ensino, tendo em vista as finalidades maiores da educação
nacional.
• Função do corpo docente e da escola como um todo
PLANEJAMENTO
• “Um currículo básico comum não é necessariamente um currículo
uniforme. Elemento chave no planejamento do currículo é proporcionar
uma variedade de caminhos em direção a áreas importantes do
conhecimento, das habilidades e valores, assim como diferentes vias
de saída que podem desenvolver interesses e capacidades individuais até os
níveis mais altos possível. Parte do planejamento deste tipo de diferenciação
pode ter lugar em escala nacional, mas é provável que resulte mais eficaz,
quando planejada e aplicada em nível de escola e guardando relação com as
necessidades de diferenciação de indivíduos e grupos específicos.”
PLANEJAMENTO
• São inegociáveis os requisitos mínimos quanto a padrões de qualidade do
ensino e as diretrizes básicas comuns definidoras do que deve ser
garantido a todos, em termos de conhecimento, competências e habilidades
- BNCC.
• Sistemas de Ensino e Escolas – autonomia para agregar aspectos
regionais e específicos de seus grupos/comunidade – RCG e Plano de
Estudos da Escola.
BNCC/RCG e PLANO DE ESTUDOS
• “A Base Nacional Comum e sua parte diversificada deverão integrar-se em torno do que
vise a estabelecer a relação entre a educação básica e:
a) a vida cidadã através da articulação entre vários de seus aspectos (…);
b) as áreas de conhecimento (…)”.
• O PLANO DE ESTUDOS é, pois,
a organização formal do currículo, conforme definido pela escola, que relaciona as
áreas do conhecimento, os componentes curriculares, ou projetos e atividades, atribuindo-lhes
tempos, abrangência e intensidade.
• O PLANO DE ESTUDOS é
uma pauta de trabalho, em torno da qual professores e alunos se reúnem para
construir, ao longo do tempo e de forma planejada, a educação. No Plano de Estudos, a escola
fixará a maneira escolhida para oferecer a Base Nacional Comum e a parte diversificada.
BNCC/RCG e PLANO DE ESTUDOS
• Plano de Estudos respeita e valoriza as conexões e inter-relações entre as
diferentes áreas de conhecimento, reforçado pelo tratamento transdisciplinar dos
aspectos de cidadania.
• O Plano de Estudos é uma parcela do currículo, é uma abordagem
essencialmente pedagógica na organização das áreas do conhecimento/dos
componentes curriculares e atividades educativas.
PROFESSOR
• A superação da ideia de que as matérias podem ser tratadas como setores
estanques e de que o conhecimento do aluno se estrutura por justaposição de
aprendizagens, quase sempre desconexas, exige que cada professor tenha
plena consciência das inter-relações entre as diferentes áreas de
conhecimento. Mas, mais do que isso, o professor precisa se dar conta de
que a essência de seu trabalho está “na aquisição [pelo aluno] de
competências cognitivas complexas, cuja importância vem sendo cada vez
mais enfatizada: autonomia intelectual, criatividade, solução de
problemas, análise e prospecção, entre outras.
ELEMENTOS DO PLANO DE ESTUDOS A
SEREM REELABORADOS NA ESCOLA
• Tendo como referência o texto da BNCC e do RCG, o coletivo de professores da escola
assessorados pela equipe pedagógica precisam retomar o que consta nos Planos de Estudos
atuais e o que está proposto nos dois documentos, para reelaborar/reescrever:
- Competências Gerais a serem constituídas na Educação Básica
- Objetivos e Competências da Área do Conhecimento e Específicas dos
Componentes Curriculares
- Objetos de Conhecimentos da Área e específicas dos Componentes Curriculares
- Especificidades do grupo/comunidade escolar – projetos de aprendizagem e
itinerários (EM)
• Reorganização dos Tempos/Espaços de aprendizagem e
• da Metodologia de Trabalho frente aos ajustes pedagógicos necessários a efetivação da nova
proposta curricular

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos
Professor Rômulo Viana
 
As Competências SocioEmocionais
As Competências SocioEmocionaisAs Competências SocioEmocionais
As Competências SocioEmocionais
MnicaAlexandre9
 
Slide implicito e explicito
Slide implicito e explicitoSlide implicito e explicito
Slide implicito e explicito
Vera Moreira Matos
 
"Pedagogia dos Multiletramentos"
"Pedagogia dos Multiletramentos""Pedagogia dos Multiletramentos"
"Pedagogia dos Multiletramentos"
Denise Oliveira
 
Emancipação e construção do conhecimento
Emancipação e construção do conhecimentoEmancipação e construção do conhecimento
Emancipação e construção do conhecimento
Andréa Kochhann
 
Formacao humanas bncc
Formacao humanas   bnccFormacao humanas   bncc
ORTOGRAFIA: ENSINAR E APRENDER (ARTUR GOMES DE MORAIS)
ORTOGRAFIA: ENSINAR E APRENDER (ARTUR GOMES DE MORAIS)ORTOGRAFIA: ENSINAR E APRENDER (ARTUR GOMES DE MORAIS)
ORTOGRAFIA: ENSINAR E APRENDER (ARTUR GOMES DE MORAIS)
Secretaria Municipal de Educação de Dona Inês/PB
 
Apresentação planejamento e avaliação
Apresentação   planejamento e avaliaçãoApresentação   planejamento e avaliação
Apresentação planejamento e avaliação
Ana Lúcia M. Benício
 
EDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTILEDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTIL
Roshelly Milanez
 
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
Lygia Souza
 
Conceituação da Educação Popular no Brasil
Conceituação da Educação Popular no BrasilConceituação da Educação Popular no Brasil
Conceituação da Educação Popular no Brasil
Livia Rodrigues
 
BNCC na prática
BNCC na práticaBNCC na prática
BNCC na prática
Grasiela Dourado
 
Ensino da lingua portuguesa
Ensino da  lingua portuguesaEnsino da  lingua portuguesa
Ensino da lingua portuguesa
Gerdian Teixeira
 
SAEB 2023 Apresentação.pdf
SAEB 2023 Apresentação.pdfSAEB 2023 Apresentação.pdf
SAEB 2023 Apresentação.pdf
juscelinocdd
 
Breve percurso da didática
Breve percurso da didáticaBreve percurso da didática
Breve percurso da didática
Dayane Kajan
 
Guia de-implantacao-do-novo-ensino-medio
Guia de-implantacao-do-novo-ensino-medioGuia de-implantacao-do-novo-ensino-medio
Guia de-implantacao-do-novo-ensino-medio
Heldelene Cavalcanti
 
Português instrumental I
Português instrumental IPortuguês instrumental I
Português instrumental I
Sinara Lustosa
 
Aula De Literatura Infantil
Aula De Literatura InfantilAula De Literatura Infantil
Aula De Literatura Infantil
roessencia
 
Uso Da Tecnologias Em Sala De Aula
Uso Da Tecnologias Em Sala De AulaUso Da Tecnologias Em Sala De Aula
Uso Da Tecnologias Em Sala De Aula
andre alcantara
 
Currículo escolar
Currículo escolarCurrículo escolar

Mais procurados (20)

Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos
 
As Competências SocioEmocionais
As Competências SocioEmocionaisAs Competências SocioEmocionais
As Competências SocioEmocionais
 
Slide implicito e explicito
Slide implicito e explicitoSlide implicito e explicito
Slide implicito e explicito
 
"Pedagogia dos Multiletramentos"
"Pedagogia dos Multiletramentos""Pedagogia dos Multiletramentos"
"Pedagogia dos Multiletramentos"
 
Emancipação e construção do conhecimento
Emancipação e construção do conhecimentoEmancipação e construção do conhecimento
Emancipação e construção do conhecimento
 
Formacao humanas bncc
Formacao humanas   bnccFormacao humanas   bncc
Formacao humanas bncc
 
ORTOGRAFIA: ENSINAR E APRENDER (ARTUR GOMES DE MORAIS)
ORTOGRAFIA: ENSINAR E APRENDER (ARTUR GOMES DE MORAIS)ORTOGRAFIA: ENSINAR E APRENDER (ARTUR GOMES DE MORAIS)
ORTOGRAFIA: ENSINAR E APRENDER (ARTUR GOMES DE MORAIS)
 
Apresentação planejamento e avaliação
Apresentação   planejamento e avaliaçãoApresentação   planejamento e avaliação
Apresentação planejamento e avaliação
 
EDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTILEDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTIL
 
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
 
Conceituação da Educação Popular no Brasil
Conceituação da Educação Popular no BrasilConceituação da Educação Popular no Brasil
Conceituação da Educação Popular no Brasil
 
BNCC na prática
BNCC na práticaBNCC na prática
BNCC na prática
 
Ensino da lingua portuguesa
Ensino da  lingua portuguesaEnsino da  lingua portuguesa
Ensino da lingua portuguesa
 
SAEB 2023 Apresentação.pdf
SAEB 2023 Apresentação.pdfSAEB 2023 Apresentação.pdf
SAEB 2023 Apresentação.pdf
 
Breve percurso da didática
Breve percurso da didáticaBreve percurso da didática
Breve percurso da didática
 
Guia de-implantacao-do-novo-ensino-medio
Guia de-implantacao-do-novo-ensino-medioGuia de-implantacao-do-novo-ensino-medio
Guia de-implantacao-do-novo-ensino-medio
 
Português instrumental I
Português instrumental IPortuguês instrumental I
Português instrumental I
 
Aula De Literatura Infantil
Aula De Literatura InfantilAula De Literatura Infantil
Aula De Literatura Infantil
 
Uso Da Tecnologias Em Sala De Aula
Uso Da Tecnologias Em Sala De AulaUso Da Tecnologias Em Sala De Aula
Uso Da Tecnologias Em Sala De Aula
 
Currículo escolar
Currículo escolarCurrículo escolar
Currículo escolar
 

Semelhante a Plano de Estudos

Plano de Estudos_final
Plano de Estudos_finalPlano de Estudos_final
Plano de Estudos_final
José Augusto Fiorin
 
Parâmetros Curriculares Nacionais
Parâmetros Curriculares NacionaisParâmetros Curriculares Nacionais
Parâmetros Curriculares Nacionais
Marcelo Assis
 
Didaticgeoaula8
Didaticgeoaula8Didaticgeoaula8
Didaticgeoaula8
Ana Beatriz
 
RESUMO PARECER DCNEM Nº: 5/2011 PÁGINA 39 A 52
RESUMO PARECER DCNEM Nº: 5/2011 PÁGINA 39 A 52RESUMO PARECER DCNEM Nº: 5/2011 PÁGINA 39 A 52
RESUMO PARECER DCNEM Nº: 5/2011 PÁGINA 39 A 52
IRACI SARTORI
 
CURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
CURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLACURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
CURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
cefaprodematupa
 
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucarUnid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
bucarbio
 
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucarUnid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
bucarbio
 
Pcns.
Pcns.Pcns.
6a8aa414e3815e1c61e980af467b5870.concepcoes pedagogicas aula 18 04
6a8aa414e3815e1c61e980af467b5870.concepcoes pedagogicas aula 18 046a8aa414e3815e1c61e980af467b5870.concepcoes pedagogicas aula 18 04
6a8aa414e3815e1c61e980af467b5870.concepcoes pedagogicas aula 18 04
prefeitura municipal de logradouro
 
1ciclo projecto 1e2_anos
1ciclo projecto 1e2_anos1ciclo projecto 1e2_anos
1ciclo projecto 1e2_anos
mariacarmcorreia
 
Cbc anos finais - ciências
Cbc   anos finais - ciênciasCbc   anos finais - ciências
Cbc anos finais - ciências
Antônio Fernandes
 
Grade curricular ensinomedia 1o 5o ano
Grade curricular ensinomedia 1o   5o anoGrade curricular ensinomedia 1o   5o ano
Grade curricular ensinomedia 1o 5o ano
Luiz Roberto Olival Costa
 
Organização do Trabalho Pedagogico
Organização do Trabalho PedagogicoOrganização do Trabalho Pedagogico
Organização do Trabalho Pedagogico
mcsales
 
Curriculo no Contexto de Gestão
Curriculo no Contexto de GestãoCurriculo no Contexto de Gestão
Curriculo no Contexto de Gestão
minizao
 
Resumo pc ns ensino médio
Resumo pc ns ensino médioResumo pc ns ensino médio
Resumo pc ns ensino médio
Marivaldo Lopes
 
Resumo do caderno 3 etapa I- O curriculo do ensino médio,seus sujeitos e o de...
Resumo do caderno 3 etapa I- O curriculo do ensino médio,seus sujeitos e o de...Resumo do caderno 3 etapa I- O curriculo do ensino médio,seus sujeitos e o de...
Resumo do caderno 3 etapa I- O curriculo do ensino médio,seus sujeitos e o de...
KATIA CAVALCANTI
 
Nilvânia Estagio 03.doc
Nilvânia Estagio 03.docNilvânia Estagio 03.doc
Nilvânia Estagio 03.doc
abenisiagouveiadasil2
 
Parametros Curriculares Nacionais
Parametros Curriculares NacionaisParametros Curriculares Nacionais
Parametros Curriculares Nacionais
pibidsociais
 
Nb m07t02 porpostacurricular
Nb m07t02 porpostacurricularNb m07t02 porpostacurricular
Nb m07t02 porpostacurricular
Andrea Cortelazzi
 
PCNs - Grupo: Keli, Priscila, Franciele e rRafael
PCNs - Grupo: Keli, Priscila, Franciele e rRafaelPCNs - Grupo: Keli, Priscila, Franciele e rRafael
PCNs - Grupo: Keli, Priscila, Franciele e rRafael
Rossana Barcellos
 

Semelhante a Plano de Estudos (20)

Plano de Estudos_final
Plano de Estudos_finalPlano de Estudos_final
Plano de Estudos_final
 
Parâmetros Curriculares Nacionais
Parâmetros Curriculares NacionaisParâmetros Curriculares Nacionais
Parâmetros Curriculares Nacionais
 
Didaticgeoaula8
Didaticgeoaula8Didaticgeoaula8
Didaticgeoaula8
 
RESUMO PARECER DCNEM Nº: 5/2011 PÁGINA 39 A 52
RESUMO PARECER DCNEM Nº: 5/2011 PÁGINA 39 A 52RESUMO PARECER DCNEM Nº: 5/2011 PÁGINA 39 A 52
RESUMO PARECER DCNEM Nº: 5/2011 PÁGINA 39 A 52
 
CURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
CURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLACURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
CURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
 
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucarUnid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
 
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucarUnid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
 
Pcns.
Pcns.Pcns.
Pcns.
 
6a8aa414e3815e1c61e980af467b5870.concepcoes pedagogicas aula 18 04
6a8aa414e3815e1c61e980af467b5870.concepcoes pedagogicas aula 18 046a8aa414e3815e1c61e980af467b5870.concepcoes pedagogicas aula 18 04
6a8aa414e3815e1c61e980af467b5870.concepcoes pedagogicas aula 18 04
 
1ciclo projecto 1e2_anos
1ciclo projecto 1e2_anos1ciclo projecto 1e2_anos
1ciclo projecto 1e2_anos
 
Cbc anos finais - ciências
Cbc   anos finais - ciênciasCbc   anos finais - ciências
Cbc anos finais - ciências
 
Grade curricular ensinomedia 1o 5o ano
Grade curricular ensinomedia 1o   5o anoGrade curricular ensinomedia 1o   5o ano
Grade curricular ensinomedia 1o 5o ano
 
Organização do Trabalho Pedagogico
Organização do Trabalho PedagogicoOrganização do Trabalho Pedagogico
Organização do Trabalho Pedagogico
 
Curriculo no Contexto de Gestão
Curriculo no Contexto de GestãoCurriculo no Contexto de Gestão
Curriculo no Contexto de Gestão
 
Resumo pc ns ensino médio
Resumo pc ns ensino médioResumo pc ns ensino médio
Resumo pc ns ensino médio
 
Resumo do caderno 3 etapa I- O curriculo do ensino médio,seus sujeitos e o de...
Resumo do caderno 3 etapa I- O curriculo do ensino médio,seus sujeitos e o de...Resumo do caderno 3 etapa I- O curriculo do ensino médio,seus sujeitos e o de...
Resumo do caderno 3 etapa I- O curriculo do ensino médio,seus sujeitos e o de...
 
Nilvânia Estagio 03.doc
Nilvânia Estagio 03.docNilvânia Estagio 03.doc
Nilvânia Estagio 03.doc
 
Parametros Curriculares Nacionais
Parametros Curriculares NacionaisParametros Curriculares Nacionais
Parametros Curriculares Nacionais
 
Nb m07t02 porpostacurricular
Nb m07t02 porpostacurricularNb m07t02 porpostacurricular
Nb m07t02 porpostacurricular
 
PCNs - Grupo: Keli, Priscila, Franciele e rRafael
PCNs - Grupo: Keli, Priscila, Franciele e rRafaelPCNs - Grupo: Keli, Priscila, Franciele e rRafael
PCNs - Grupo: Keli, Priscila, Franciele e rRafael
 

Mais de José Augusto Fiorin

Tutorial para inscrição Curso Currículo em Ação
Tutorial para inscrição Curso Currículo em AçãoTutorial para inscrição Curso Currículo em Ação
Tutorial para inscrição Curso Currículo em Ação
José Augusto Fiorin
 
Metodologias Ativas
Metodologias AtivasMetodologias Ativas
Metodologias Ativas
José Augusto Fiorin
 
Encontro de Diretores 36a. CRE
Encontro de Diretores 36a. CREEncontro de Diretores 36a. CRE
Encontro de Diretores 36a. CRE
José Augusto Fiorin
 
25. guerra fria
25. guerra fria25. guerra fria
25. guerra fria
José Augusto Fiorin
 
24. segunda guerra mundial
24. segunda guerra mundial24. segunda guerra mundial
24. segunda guerra mundial
José Augusto Fiorin
 
23. crise de 1929
23. crise de 192923. crise de 1929
23. crise de 1929
José Augusto Fiorin
 
22. nazifascismo
22. nazifascismo22. nazifascismo
22. nazifascismo
José Augusto Fiorin
 
21.revolução russa
21.revolução russa21.revolução russa
21.revolução russa
José Augusto Fiorin
 
20. primeira guerra mundial
20. primeira guerra mundial20. primeira guerra mundial
20. primeira guerra mundial
José Augusto Fiorin
 
19. imperialismo
19. imperialismo19. imperialismo
19. imperialismo
José Augusto Fiorin
 
18. unificações tardias
18. unificações tardias18. unificações tardias
18. unificações tardias
José Augusto Fiorin
 
17. ideologias na era industrial
17. ideologias na era industrial17. ideologias na era industrial
17. ideologias na era industrial
José Augusto Fiorin
 
16. a américa no século xix
16. a américa no século xix16. a américa no século xix
16. a américa no século xix
José Augusto Fiorin
 
15. revoluções liberais
15. revoluções liberais15. revoluções liberais
15. revoluções liberais
José Augusto Fiorin
 
14. independência dos eua
14. independência dos eua14. independência dos eua
14. independência dos eua
José Augusto Fiorin
 
13. revolução industrial
13. revolução industrial13. revolução industrial
13. revolução industrial
José Augusto Fiorin
 
12. era napoleônica
12. era napoleônica12. era napoleônica
12. era napoleônica
José Augusto Fiorin
 
11. revolução francesa
11. revolução francesa11. revolução francesa
11. revolução francesa
José Augusto Fiorin
 
10. iluminismo
10. iluminismo10. iluminismo
10. iluminismo
José Augusto Fiorin
 
9. revolução inglesa
9. revolução inglesa9. revolução inglesa
9. revolução inglesa
José Augusto Fiorin
 

Mais de José Augusto Fiorin (20)

Tutorial para inscrição Curso Currículo em Ação
Tutorial para inscrição Curso Currículo em AçãoTutorial para inscrição Curso Currículo em Ação
Tutorial para inscrição Curso Currículo em Ação
 
Metodologias Ativas
Metodologias AtivasMetodologias Ativas
Metodologias Ativas
 
Encontro de Diretores 36a. CRE
Encontro de Diretores 36a. CREEncontro de Diretores 36a. CRE
Encontro de Diretores 36a. CRE
 
25. guerra fria
25. guerra fria25. guerra fria
25. guerra fria
 
24. segunda guerra mundial
24. segunda guerra mundial24. segunda guerra mundial
24. segunda guerra mundial
 
23. crise de 1929
23. crise de 192923. crise de 1929
23. crise de 1929
 
22. nazifascismo
22. nazifascismo22. nazifascismo
22. nazifascismo
 
21.revolução russa
21.revolução russa21.revolução russa
21.revolução russa
 
20. primeira guerra mundial
20. primeira guerra mundial20. primeira guerra mundial
20. primeira guerra mundial
 
19. imperialismo
19. imperialismo19. imperialismo
19. imperialismo
 
18. unificações tardias
18. unificações tardias18. unificações tardias
18. unificações tardias
 
17. ideologias na era industrial
17. ideologias na era industrial17. ideologias na era industrial
17. ideologias na era industrial
 
16. a américa no século xix
16. a américa no século xix16. a américa no século xix
16. a américa no século xix
 
15. revoluções liberais
15. revoluções liberais15. revoluções liberais
15. revoluções liberais
 
14. independência dos eua
14. independência dos eua14. independência dos eua
14. independência dos eua
 
13. revolução industrial
13. revolução industrial13. revolução industrial
13. revolução industrial
 
12. era napoleônica
12. era napoleônica12. era napoleônica
12. era napoleônica
 
11. revolução francesa
11. revolução francesa11. revolução francesa
11. revolução francesa
 
10. iluminismo
10. iluminismo10. iluminismo
10. iluminismo
 
9. revolução inglesa
9. revolução inglesa9. revolução inglesa
9. revolução inglesa
 

Último

UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 

Último (20)

UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 

Plano de Estudos

  • 1. CURRÍCULO BNCC/RCG E PLANO DE ESTUDOS Com base na Legislação vigente e estudiosos do Currículo Escolar
  • 2. A LEGISLAÇÃO • A LDB 9.394/96, em seu artigo 9º, inciso IV, atribui à União: “estabelecer, em colaboração com os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, competências e diretrizes para a educação infantil, o ensino fundamental e o ensino médio, que nortearão os currículos e seus conteúdos mínimos, de modo a assegurar formação básica comum”. • Adicionalmente, o artigo 26 determina: “Os currículos do ensino fundamental e médio devem ter uma base nacional comum, a ser complementada em cada sistema de ensino e estabelecimento escolar, por uma parte diversificada, exigida pelas características regionais e locais da sociedade, da cultura, da economia e da clientela.”
  • 3. Ireno Antonio Berticelli, em, “Currículo- tendências e filosofia” (1998), afirma que: • “Hoje, as questões curriculares estão intimamente conectadas aos problemas sociais e, em dias mais recentes, aos aspectos culturais. O currículo é o lugar dos eventos micro e macro, dos sistemas educacionais, das instituições, a um tempo, e o lugar, também, dos desejos mínimos, por outro. As decisões tomadas a respeito do currículo (micro ou macro) afetam sempre vidas, sujeitos. Daí, sua importância.”
  • 4. PPP E CURRÍCULO ESCOLAR • O currículo é “o projeto cultural que a escola torna possível”, ai está explícita, em seu próprio conceito, a ideia de projeto , considerado como uma criação da imaginação, uma declaração de intenções, uma expressão do desejável. Estabelecer uma relação, portanto, entre o projeto pedagógico da escola e seu currículo. • O currículo é a implementação – para dado momento e sob determinadas condições – do projeto pedagógico. • Enquanto o projeto pedagógico permanece sendo o horizonte mais amplo, para onde a escola – e sua comunidade – dirige o olhar, procurando destinos, o currículo é a tradução do “possível agora”, revelando estágios de aproximação maior ou menor do ideal sonhado.
  • 5. PROJETO CULTURAL • Na escola, o currículo será sempre a resultante de três elementos – o formal, ação e oculto - aquilo que se deseja (seja do ponto de vista prescritivo, seja do ponto de vista da intencionalidade dos sujeitos envolvidos), aquilo que de fato se consegue alcançar (em decorrência das circunstâncias concretas que condicionam o fazer e da postura e intervenção pessoal de cada professor) e aquilo de que poucos, na verdade, se dão conta (elementos culturais e ideológicos subjacentes a todo o pensar, sentir e agir). Essa condição da escola a torna lugar de cultura, entendida cultura não como o simples conhecimento acumulado pela humanidade, e nem mesmo como o conjunto de modos de ser, pensar e sentir de uma dada comunidade, mas como expressão da instabilidade e permanente mutabilidade do conviver humano, que a cada instante se reconstrói, ressignifica e transforma. Currículo é, por conseqüência, “o projeto cultural que a escola torna possível”.
  • 6. PROJETO CULTURAL • Sendo o currículo um projeto cultural ele é necessariamente dinâmico e mutável, na medida em que vai sendo posto em prática. A própria prática – mediada pela reflexão sobre essa prática – engendra as mudanças no currículo. Currículo é, assim, muito mais “processo” do que “estado” ou “ponto de chegada de um planejamento”. • Uma concepção de currículo como projeto cultural exige, por si mesma, que a escola adote um estilo de trabalho que dê relevo ao esforço conjugado de seus professores, enquanto equipe pedagógica. É como equipe que o grupo de professores terá de atuar para, no decorrer dos processos envolvidos no agir pedagógico, exercitar a reflexão sobre sua prática, procurando – através da análise – compreendê-la e transformá-la.
  • 7. PLANEJAMENTO • Planejar currículo é estabelecer metas, definir estratégias, fixar tempos, organizar espaços escolares com a intenção de alcançar as finalidades dos diferentes níveis de ensino, tendo em vista as finalidades maiores da educação nacional. • Função do corpo docente e da escola como um todo
  • 8. PLANEJAMENTO • “Um currículo básico comum não é necessariamente um currículo uniforme. Elemento chave no planejamento do currículo é proporcionar uma variedade de caminhos em direção a áreas importantes do conhecimento, das habilidades e valores, assim como diferentes vias de saída que podem desenvolver interesses e capacidades individuais até os níveis mais altos possível. Parte do planejamento deste tipo de diferenciação pode ter lugar em escala nacional, mas é provável que resulte mais eficaz, quando planejada e aplicada em nível de escola e guardando relação com as necessidades de diferenciação de indivíduos e grupos específicos.”
  • 9. PLANEJAMENTO • São inegociáveis os requisitos mínimos quanto a padrões de qualidade do ensino e as diretrizes básicas comuns definidoras do que deve ser garantido a todos, em termos de conhecimento, competências e habilidades - BNCC. • Sistemas de Ensino e Escolas – autonomia para agregar aspectos regionais e específicos de seus grupos/comunidade – RCG e Plano de Estudos da Escola.
  • 10. BNCC/RCG e PLANO DE ESTUDOS • “A Base Nacional Comum e sua parte diversificada deverão integrar-se em torno do que vise a estabelecer a relação entre a educação básica e: a) a vida cidadã através da articulação entre vários de seus aspectos (…); b) as áreas de conhecimento (…)”. • O PLANO DE ESTUDOS é, pois, a organização formal do currículo, conforme definido pela escola, que relaciona as áreas do conhecimento, os componentes curriculares, ou projetos e atividades, atribuindo-lhes tempos, abrangência e intensidade. • O PLANO DE ESTUDOS é uma pauta de trabalho, em torno da qual professores e alunos se reúnem para construir, ao longo do tempo e de forma planejada, a educação. No Plano de Estudos, a escola fixará a maneira escolhida para oferecer a Base Nacional Comum e a parte diversificada.
  • 11. BNCC/RCG e PLANO DE ESTUDOS • Plano de Estudos respeita e valoriza as conexões e inter-relações entre as diferentes áreas de conhecimento, reforçado pelo tratamento transdisciplinar dos aspectos de cidadania. • O Plano de Estudos é uma parcela do currículo, é uma abordagem essencialmente pedagógica na organização das áreas do conhecimento/dos componentes curriculares e atividades educativas.
  • 12. PROFESSOR • A superação da ideia de que as matérias podem ser tratadas como setores estanques e de que o conhecimento do aluno se estrutura por justaposição de aprendizagens, quase sempre desconexas, exige que cada professor tenha plena consciência das inter-relações entre as diferentes áreas de conhecimento. Mas, mais do que isso, o professor precisa se dar conta de que a essência de seu trabalho está “na aquisição [pelo aluno] de competências cognitivas complexas, cuja importância vem sendo cada vez mais enfatizada: autonomia intelectual, criatividade, solução de problemas, análise e prospecção, entre outras.
  • 13. ELEMENTOS DO PLANO DE ESTUDOS A SEREM REELABORADOS NA ESCOLA • Tendo como referência o texto da BNCC e do RCG, o coletivo de professores da escola assessorados pela equipe pedagógica precisam retomar o que consta nos Planos de Estudos atuais e o que está proposto nos dois documentos, para reelaborar/reescrever: - Competências Gerais a serem constituídas na Educação Básica - Objetivos e Competências da Área do Conhecimento e Específicas dos Componentes Curriculares - Objetos de Conhecimentos da Área e específicas dos Componentes Curriculares - Especificidades do grupo/comunidade escolar – projetos de aprendizagem e itinerários (EM) • Reorganização dos Tempos/Espaços de aprendizagem e • da Metodologia de Trabalho frente aos ajustes pedagógicos necessários a efetivação da nova proposta curricular