SlideShare uma empresa Scribd logo
CURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
                                            CLAUCIMERA CURMELATTO LOVISON*
                                                  GENESSI DE FÁTIMA PASQUALI*
                                         ROSEMERI LAZARETTI BASTOS MACHADO*


RESUMO
A elaboração de um currículo depende do tipo de ensino que se quer adotar e da
escola que se deseja para os educandos. Trata-se de uma seleção intencional do
conhecimento, que de forma organizada, objetiva que o aluno alcance os resultados
previstos. Ele é muito mais que uma grade curricular, pois abrange todo o
envolvimento escolar para propiciar o dinamismo do processo educacional. Dessa
forma, o currículo escolar busca as suas fontes de inspiração no saber e nas
necessidades do contexto social. O desenvolvimento da tecnologia educativa e sua
ligação com o currículo escolar sofreram a influência de diferentes paradigmas. A
tecnologia educacional resumia-se inicialmente na utilização de meios e recursos
tecnológicos audiovisuais nas atividades de instrução e treinamento. Com os
estudos que se desenvolveram sobre a conduta humana, sua análise e como
controlá-la, ela assumiu uma nova dimensão, buscando planejamento de
estratégias, uso de meios e controle do sistema de educação. A sociedade em crise
busca, hoje, nos espaços educativos, a possibilidade de formação de indivíduos com
uma nova mentalidade, que enxerguem novas pistas que conduzam à superação
dos dilemas sociais e à construção de uma nova forma de gerenciar os recursos
naturais e históricos da humanidade; uma forma mais adequada socialmente, menos
predatória, e mais solidária nas relações entre os indivíduos e com o planeta. A
escola centrada no pleno desenvolvimento do educando precisa estar buscando
maneiras de fazer deste processo educativo algo prazeroso, desafiador. É função
dos professores, gestores, alunos e comunidade resgatar a função social da escola
para que o aluno participe de maneira ativa e dinâmica na construção do seu
aprendizado, sendo reflexivos e conhecedores de seus direitos e deveres.



Palavras-chave: Currículo. Tecnologia. Função Social da Escola. Processo
educacional.

*Graduadas em Pedagogia. Cursando Pós-graduação em Psicopedagogia Clínica e Institucional
Atuando na educação como professora das Séries Iniciais do Ensino Fundamental.




INTRODUÇÂO


       A sociedade tem avançado em vários aspectos e a escola precisa
acompanhar essas evoluções, sempre conectada a essas transformações que
favorecem o acesso ao conhecimento. Por isso, é importante que se reflita sobre
que tipo de trabalho é desenvolvido nas escolas e quais os resultados alcançados.
Qual é na verdade a função social da escola? A escola está realmente cumprindo ou
procurando cumprir sua função, como agente de intervenção na sociedade?
       Para se conquistar o sucesso se faz necessário que se entenda e que tenha
clareza do que se quer alcançar. A escola precisa ter objetivos bem definidos, para
que possa desempenhar bem o seu papel social, onde a maior preocupação deve
ser o crescimento intelectual, emocional e espiritual do aluno. É aí que entra a
importância do currículo escolar e o uso adequado da tecnologia educativa,
buscando as suas fontes de inspiração no saber e nas necessidades do contexto
social onde a comunidade escolar está inserida.
       Um professor reflexivo trabalha com e sobre o pensar da e na prática
pedagógica, em processo continuamente repensado e reconstruído. Ao profissional
de educação, é necessário dar-se tempo e oportunidade de familiarização com os
eixos de uma renovação curricular e com as novas tecnologias educativas;
possibilitar-lhe condições de reflexão sobre o tipo de educação e de currículo a ser
desenvolvido. Sempre que se pensa criticamente a ação educativa, se entra também
no domínio da ética, além do domínio das dimensões da ciência, da técnica e da
política.
       Diante de vários questionamentos sobre como vem acontecendo o processo
de ensino e aprendizagem, e ainda, como tem sido o trabalho de toda a comunidade
escolar, especialmente dos Professores e Equipe Gestora, para o êxito na
aprendizagem significativa do aluno, utilizou-se uma pesquisa com referências
teóricas de alguns autores de livros e artigos relacionados ao tema abordado, e
também a observação direta no trabalho de uma escola da rede pública estadual,
que atua com alunos do Ensino Fundamental e Ensino Médio.


1. CURRÍCULO ESCOLAR


1.1. Breve retrospectiva histórica


       A tradição escolar sempre apresentou as teorias do currículo como algo
isolado e desprovido de significações mais profundas que pudessem contribuir para
o desenvolvimento das capacidades intelectuais e cognitivas de cada aluno em
particular. O currículo escolar era simplesmente considerado como uma seriação de
conteúdos escolares em que cada disciplina era estruturada e detalhada de acordo
com as exigências e normas da instituição de ensino. O currículo caracterizava-se
pelo modo próprio de ser de cada escola, pelo bom funcionamento de suas
atividades e pela forma padronizada de se trabalhar com a educação e os alunos.
      Dessa forma, se a estrutura planejada no início do ano, a que foi estabelecida
no projeto político pedagógico de cada escola, estivesse sendo rigorosamente
obedecida, significava que o plano curricular estava sendo bem formado e
coerentemente respeitado em suas determinações.


1.2 – Moderna Concepção de Currículo Escolar


      As novas teorias de currículo escolar nos apresentam um recurso, não de
resistência, mas de acréscimo àquelas já existentes e que buscam dar conta de um
universo educacional mais extenso, mais amplo. O currículo escolar atual não é,
portanto, o mesmo proposto pela tradição escolar e conservado de igual maneira por
todas as escolas. Pode-se mesmo dizer que, na era da tecnologia, o currículo
escolar se forma a partir das necessidades de cada escola e de cada aluno. Neste
sentido, o currículo escolar passa a ser definido como sendo todas as situações
vividas pelo aluno dentro e fora da escola, seu cotidiano, suas relações sociais, as
experiências de vida acumuladas por esse aluno ao longo de sua existência.
      É importante dizer que, para a formação do currículo escolar individual de
cada aluno, a organização da vida particular de cada um constitui-se no principal
instrumento de trabalho para que o professor possa explorar no desenvolvimento de
suas atividades. Logo, o que se quer dizer é que a escola deve buscar na
experiência cotidiana do aluno elementos que subsidiem a sua ação pedagógica e,
ao mesmo tempo, recursos que contribuam para a formação do currículo escolar dos
educandos.
      A escola não pode esquecer que quando os alunos chegam, eles já possuem
uma história de vida, recebem influências fora da escola e apresentam um
comportamento individual, social e uma vivência sociocultural específicos ao
ambiente de origem de cada um deles. Todas essas características individuais dos
alunos integram elementos básicos que auxiliam na formação do currículo escolar.
MOREIRA e SILVA nos dizem que,

                               "[...] a cultura popular representa não só um contraditório
                               terreno de luta, mas também um importante espaço pedagógico
                               onde são levantadas relevantes questões sobre os elementos
que organizam a base da subjetividade e da experiência do
                               aluno." (MOREIRA e SILVA, 2002:96)



2. TECNOLOGIA EDUCATIVA


      Em muitas escolas os laboratórios de informática compõem o arsenal
tecnológico. Muitas mudanças já foram realizadas e outras estão previstas, mas
será que os currículos estão sendo observados? É importante avaliar como os
currículos nessas escolas são trabalhados quando aliados à tecnologia. Sabe-se
que muitas vezes isso ainda é feito de forma fragmentada, ou seja, ainda existe a tal
grade curricular que vê as disciplinas isoladamente. É nesse contexto que está a
urgência de se pensa em um currículo transdisciplinar, que faça com que as áreas
do conhecimento estejam integradas e conectadas.
      Cada área do saber tem seu valor e suas especificidades, mas é preciso
reconhecer que nenhuma delas deve prevalecer sobre as outras. Cada uma deve
ser respeitada em sua essência. Porém, os educadores, em conjunto com a
comunidade escolar, devem buscar possibilidades para que as áreas que compõem
o currículo escolar estejam mobilizadas e sejam valorizadas de forma integral.
      No desenvolvimento do currículo, formar alunos reflexivos implica em uma
prática docente reflexiva, de que as instituições escolares são também
responsáveis, pois a construção do projeto político-pedagógico das escolas exige
uma permanente avaliação e formação.


3. FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA


3.1 Favorecer acesso ao conhecimento


      A escola é uma instituição social com objetivo explícito: o desenvolvimento
das potencialidades físicas, cognitivas e afetivas dos alunos, por meio da
aprendizagem dos conteúdos (conhecimentos, habilidades, procedimentos, atitudes,
e valores) que, aliás, deve acontecer de maneira contextualizada, desenvolvendo
nos alunos a capacidade de tornarem-se cidadãos participativos na sociedade em
que vivem.
Eis o grande desafio da escola, fazer do ambiente escolar um meio que
favoreça o aprendizado, onde a escola deixe de ser apenas um ponto de encontro e
passe a ser, além disso, encontro com o saber, com descobertas de forma
prazerosa e funcional, conforme Libâneo (2005, p.117) nos diz:


                               “Devemos inferir, portanto, que a educação de qualidade é
                               aquela mediante a qual a escola promove, para todos, o
                               domínio dos conhecimentos e o desenvolvimento de
                               capacidades cognitivas e afetivas indispensáveis ao
                               atendimento de necessidades individuais e sociais dos alunos.


      Políticas que fortaleçam laços entre comunidade e escola é uma medida, um
caminho que necessita ser trilhado, para assim alcançar melhores resultados. O
aluno é parte da escola, é sujeito que aprende e que constrói seu saber, que
direciona seu projeto de vida. A escola lida com pessoas, valores, tradições, crenças
e opções, e precisa estar preparada para enfrentar tudo isso.


3.2 Atuação da Equipe Pedagógica - Coordenação


      A política de atuação da equipe pedagógica é de suma importância para a
elevação da qualidade de ensino na escola. Existe a necessidade urgente de que os
coordenadores pedagógicos não restrinjam suas atribuições somente à parte
técnica, burocrática, elaborar horários de aulas e ainda ficarem nos corredores da
escola procurando conter a indisciplina dos alunos que saem das salas durante as
aulas, enquanto os professores ficam necessitados de acompanhamento.
      A equipe de suporte pedagógico tem papel determinante no desempenho dos
professores, pois dependendo de como for a política de trabalho do coordenador o
professor se sentirá apoiado, incentivado. Esse deve ser o trabalho do coordenador:
incentivar, reconhecer, e elogiar os avanços e conquistas.


3.3 Função do Professor


      Ao professor compete a promoção de condições que favoreçam o
aprendizado do aluno, fazendo com que ele compreenda o que está sendo
ministrado. Para isso ele deve facilitar a sua aprendizagem, aguçar seu poder de
argumentação, conduzir as aulas de modo questionador para que ele exerça seu
papel de sujeito pensante, questionar e trocar idéias que produzam conhecimento.
      O planejamento é imprescindível para o sucesso cognitivo do aluno e êxito no
desenvolvimento do trabalho do professor, pois é como uma bússola que orienta a
direção a ser seguida. Quando o professor não planeja o aluno é o primeiro a
perceber que algo ficou a desejar, por mais experiente que seja o docente, e esse é
um dos fatores que contribuem para a indisciplina e o desinteresse na sala de aula.
É importante que o planejar aconteça de forma sistematizada e contextualizada com
o cotidiano do aluno – fator que desperta seu interesse e participação ativa, com
aulas dinâmicas e prazerosas.


3.4 Ação do Gestor Escolar


      A cultura organizacional do gestor é decisiva para o sucesso ou fracasso da
qualidade de ensino da escola. A maneira como ele conduz as ações é o foco que
determinará o sucesso ou fracasso da escola. Sobre isso Libâneo diz que,


                                Características organizacionais positivas eficazes para o bom
                                funcionamento de uma escola: professores preparados, com
                                clareza de seus objetivos e conteúdos, que planejem as aulas,
                                cativem os alunos. Um bom clima de trabalho, em que a direção
                                contribua para conseguir o empenho de todos, em que os
                                professores aceitem aprender com a experiência dos colegas.
                                LIBÂNEO, (2005, p. 302):


      O plano de trabalho da gestão escolar deve ir de encontro às reais
necessidades da escola, resolvendo problemas como a falta de professores,
cumprimento de horário e atitudes que assegurem a seriedade, compromisso com o
trabalho de ensino e a aprendizagem, com relação aos professores, coordenadores,
alunos e funcionários.
      Quando o gestor conquista o respeito e admiração da maioria de seus
funcionários e alunos, há um clima de harmonia que predispõe a realização de um
trabalho, onde, apesar das dificuldades, os professores terão prazer em ensinar e os
alunos terão prazer em aprender.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
A sociedade de um modo geral tem feito progressos significativos em vários
aspectos e a escola nem sempre acompanha essas evoluções para favorecer o
acesso ao conhecimento. Para isso, se faz necessário que essa instituição que
trabalha diretamente com o processo educacional do ser humano entenda e tenha
clareza do que quer alcançar e aonde quer chegar.
       A escola precisa ter objetivos bem definidos, para que possa desempenhar
bem o seu papel social, onde a maior preocupação deve ser o crescimento
intelectual, emocional e espiritual do aluno. É aí que entra a importância do currículo
escolar e o uso adequado da tecnologia educativa buscando as suas fontes de
inspiração no saber e nas necessidades do contexto social onde a comunidade
escolar está inserida.
      Sendo assim, acredita-se que na escola observada, a articulação entre a
teoria e a prática do currículo escolar tem sido favorável em determinados aspectos
da prática docente. Os professores têm se esforçado para relacionar os conteúdos
escolares a aspectos da vida dos alunos objetivando o desenvolvimento cognitivo
dos mesmos. Na análise realizada, observou-se que grande parte dos professores
tem buscado a desfragmentação do ensino, mostrando que é possível unir cem por
cento do conteúdo ministrado à experiência de vida dos alunos.
      Nesta linha de raciocínio, percebeu-se que essa escola fundamenta-se nas
novas teorias do currículo e, portanto, está inserida dentro de uma ótica mais
moderna da concepção de ensino-aprendizagem. Logo, pode-se assim considerar, o
desempenho escolar de tais alunos deve ser bem mais elaborado, visto que suas
realidades são conhecidas e levadas em consideração no cotidiano da sala de aula.
É como diz FREIRE:

                                "Por isso mesmo pensar certo coloca ao professor ou, mais
                                amplamente, à escola, o dever de não só respeitar os saberes
                                com que os educandos, sobretudo os das classes populares,
                                chegam a ela – saberes socialmente construídos na prática
                                comunitária – mas também [...] discutir com os alunos a razão
                                de ser de alguns desses saberes em relação com o ensino dos
                                conteúdos." (FREIRE, 2002, p. 33)




REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática
educativa. 25ª Ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

MOREIRA, A. F. & SILVA, T. T. (Orgs.). Cultura popular e pedagogia crítica: a
vida cotidiana com base para o conhecimento curricular. In: Currículo, cultura e
sociedade. 7ª Ed. São Paulo: Cortez, 2002.
LIBÂNEO, J. C.; OLIVEIRA J. F.; TOSCHI M. S.; Educação escolar: políticas
estrutura e organização. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2005. (Coleção Docência em
Formação)

MESQUITA, de Mesquita. A Formação do Currículo Escolar nas Séries Iniciais,
publicado 16/01/2009, por Adriano de Mesquita. Disponível no site:
http://www.webartigos.com. Acessado em 25 de novembro de 2010.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1- Gestão Escolar
Aula 1- Gestão EscolarAula 1- Gestão Escolar
Aula 1- Gestão Escolar
Professora Florio
 
Slide pronto
Slide prontoSlide pronto
Slide pronto
Bia Bernardino
 
Folder jornada pedagógica
Folder jornada pedagógicaFolder jornada pedagógica
Folder jornada pedagógica
8dired
 
Slides gestão escolar
Slides gestão escolarSlides gestão escolar
Slides gestão escolar
Ricardo Jorge Araújo Sousa Peres
 
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADEPPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
QUEDMA SILVA
 
Pedagogia hospitalar multiencontros ufc
Pedagogia hospitalar   multiencontros ufcPedagogia hospitalar   multiencontros ufc
Pedagogia hospitalar multiencontros ufc
Rosalina Moraes
 
Relatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolarRelatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolar
Maryanne Monteiro
 
Correntes Pedagógicas
Correntes PedagógicasCorrentes Pedagógicas
Correntes Pedagógicas
Kogen Gouveia
 
Relatório de Estágio de Prática Docente II - Séries Iniciais
Relatório de Estágio de Prática Docente II - Séries IniciaisRelatório de Estágio de Prática Docente II - Séries Iniciais
Relatório de Estágio de Prática Docente II - Séries Iniciais
pedagogianh
 
Saberes e práticas na ed. infantil
Saberes e práticas na ed. infantilSaberes e práticas na ed. infantil
Saberes e práticas na ed. infantil
VIROUCLIPTAQ
 
REELABORAÇÃO DO PPP - REUNIÃO 29.04.16
REELABORAÇÃO DO PPP - REUNIÃO 29.04.16REELABORAÇÃO DO PPP - REUNIÃO 29.04.16
REELABORAÇÃO DO PPP - REUNIÃO 29.04.16
Coordenação Pedagógica, Entre Rios-BA
 
Resumo inclusão escolar pontos e contrapontos Mantoan
Resumo inclusão escolar  pontos e contrapontos   MantoanResumo inclusão escolar  pontos e contrapontos   Mantoan
Resumo inclusão escolar pontos e contrapontos Mantoan
♥Marcinhatinelli♥
 
PEDAGOGIA HOSPITALAR.
PEDAGOGIA HOSPITALAR.PEDAGOGIA HOSPITALAR.
PEDAGOGIA HOSPITALAR.
Rafael Moreira
 
Projeto politico pedagogico
Projeto politico pedagogicoProjeto politico pedagogico
Projeto politico pedagogico
labteotonio
 
Estágio Educação Infantil
Estágio Educação InfantilEstágio Educação Infantil
Estágio Educação Infantil
Luúh Reis
 
A importância da observação em sala de aula
A importância da observação em sala de aulaA importância da observação em sala de aula
A importância da observação em sala de aula
Marcos Neves
 
Apresentação gestão educacional
Apresentação gestão  educacionalApresentação gestão  educacional
Apresentação gestão educacional
Cidinha Professora FALC
 
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógicoModelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
Elicio Lima
 
Didática geral aula 1
Didática geral aula 1Didática geral aula 1
Didática geral aula 1
Fernanda Câmara
 
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli BorgesReunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
pdescola
 

Mais procurados (20)

Aula 1- Gestão Escolar
Aula 1- Gestão EscolarAula 1- Gestão Escolar
Aula 1- Gestão Escolar
 
Slide pronto
Slide prontoSlide pronto
Slide pronto
 
Folder jornada pedagógica
Folder jornada pedagógicaFolder jornada pedagógica
Folder jornada pedagógica
 
Slides gestão escolar
Slides gestão escolarSlides gestão escolar
Slides gestão escolar
 
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADEPPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
 
Pedagogia hospitalar multiencontros ufc
Pedagogia hospitalar   multiencontros ufcPedagogia hospitalar   multiencontros ufc
Pedagogia hospitalar multiencontros ufc
 
Relatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolarRelatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolar
 
Correntes Pedagógicas
Correntes PedagógicasCorrentes Pedagógicas
Correntes Pedagógicas
 
Relatório de Estágio de Prática Docente II - Séries Iniciais
Relatório de Estágio de Prática Docente II - Séries IniciaisRelatório de Estágio de Prática Docente II - Séries Iniciais
Relatório de Estágio de Prática Docente II - Séries Iniciais
 
Saberes e práticas na ed. infantil
Saberes e práticas na ed. infantilSaberes e práticas na ed. infantil
Saberes e práticas na ed. infantil
 
REELABORAÇÃO DO PPP - REUNIÃO 29.04.16
REELABORAÇÃO DO PPP - REUNIÃO 29.04.16REELABORAÇÃO DO PPP - REUNIÃO 29.04.16
REELABORAÇÃO DO PPP - REUNIÃO 29.04.16
 
Resumo inclusão escolar pontos e contrapontos Mantoan
Resumo inclusão escolar  pontos e contrapontos   MantoanResumo inclusão escolar  pontos e contrapontos   Mantoan
Resumo inclusão escolar pontos e contrapontos Mantoan
 
PEDAGOGIA HOSPITALAR.
PEDAGOGIA HOSPITALAR.PEDAGOGIA HOSPITALAR.
PEDAGOGIA HOSPITALAR.
 
Projeto politico pedagogico
Projeto politico pedagogicoProjeto politico pedagogico
Projeto politico pedagogico
 
Estágio Educação Infantil
Estágio Educação InfantilEstágio Educação Infantil
Estágio Educação Infantil
 
A importância da observação em sala de aula
A importância da observação em sala de aulaA importância da observação em sala de aula
A importância da observação em sala de aula
 
Apresentação gestão educacional
Apresentação gestão  educacionalApresentação gestão  educacional
Apresentação gestão educacional
 
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógicoModelo de proposta para trabalho pedagógico
Modelo de proposta para trabalho pedagógico
 
Didática geral aula 1
Didática geral aula 1Didática geral aula 1
Didática geral aula 1
 
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli BorgesReunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
Reunião Pedagógica - E.M. Norma Sueli Borges
 

Destaque

A função Social da Escola
A função Social da EscolaA função Social da Escola
A função Social da Escola
nadjelena
 
Tecnologia e currículo
Tecnologia e currículoTecnologia e currículo
Tecnologia e currículo
Deusirene Magalhaes de Araujo
 
Função social da escola
Função social da escolaFunção social da escola
Função social da escola
Johnny Ribeiro
 
A FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
A FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLAA FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
A FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
Aclecio Dantas
 
Apresentacao sobre curriculo
Apresentacao sobre curriculoApresentacao sobre curriculo
Apresentacao sobre curriculo
Tatá Oliveira
 
Recursos educacionais abertos
Recursos educacionais abertosRecursos educacionais abertos
Recursos educacionais abertos
Francisco Alberto Saraiva
 
Educação Especial: uma reflexão possivel sobre a realidade histórica e a educ...
Educação Especial: uma reflexão possivel sobre a realidade histórica e a educ...Educação Especial: uma reflexão possivel sobre a realidade histórica e a educ...
Educação Especial: uma reflexão possivel sobre a realidade histórica e a educ...
cefaprodematupa
 
âNgela
âNgelaâNgela
administracao enfermagem
administracao enfermagemadministracao enfermagem
administracao enfermagem
marcio
 
Modelos de organização curricular
Modelos de organização curricularModelos de organização curricular
Modelos de organização curricular
Ministério da Educação
 
o processo de construção curricular da informatica educativa narede municipa...
o processo de construção curricular da informatica  educativa narede municipa...o processo de construção curricular da informatica  educativa narede municipa...
o processo de construção curricular da informatica educativa narede municipa...
Célia Cristina Destro Baldessar
 
Almeida valente
Almeida valenteAlmeida valente
Almeida valente
rositafelix
 
Currículo,projeto e tecnologia.unid.3.tic
Currículo,projeto e tecnologia.unid.3.ticCurrículo,projeto e tecnologia.unid.3.tic
Currículo,projeto e tecnologia.unid.3.tic
Benilde Ramalho
 
Curriculo e Tecnologia na Formação de Professores
Curriculo e Tecnologia na Formação de ProfessoresCurriculo e Tecnologia na Formação de Professores
Curriculo e Tecnologia na Formação de Professores
guest3c4a1
 
Professor Universitario Curriculo Por Competencias
Professor Universitario Curriculo Por CompetenciasProfessor Universitario Curriculo Por Competencias
Professor Universitario Curriculo Por Competencias
rpicorelli
 
NICOLAU
NICOLAUNICOLAU
FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLAFUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
Maria Isaltina Santana
 
Papel da escola na reprodução social trabalho
Papel da escola na reprodução social   trabalhoPapel da escola na reprodução social   trabalho
Papel da escola na reprodução social trabalho
carlonaviola
 
Métodos e Modelos de ensino
Métodos e Modelos de ensinoMétodos e Modelos de ensino
Métodos e Modelos de ensino
Universidade de Lisboa
 
Gestão democrática da escola pública município
Gestão democrática da escola pública municípioGestão democrática da escola pública município
Gestão democrática da escola pública município
nilvacirilo
 

Destaque (20)

A função Social da Escola
A função Social da EscolaA função Social da Escola
A função Social da Escola
 
Tecnologia e currículo
Tecnologia e currículoTecnologia e currículo
Tecnologia e currículo
 
Função social da escola
Função social da escolaFunção social da escola
Função social da escola
 
A FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
A FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLAA FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
A FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
 
Apresentacao sobre curriculo
Apresentacao sobre curriculoApresentacao sobre curriculo
Apresentacao sobre curriculo
 
Recursos educacionais abertos
Recursos educacionais abertosRecursos educacionais abertos
Recursos educacionais abertos
 
Educação Especial: uma reflexão possivel sobre a realidade histórica e a educ...
Educação Especial: uma reflexão possivel sobre a realidade histórica e a educ...Educação Especial: uma reflexão possivel sobre a realidade histórica e a educ...
Educação Especial: uma reflexão possivel sobre a realidade histórica e a educ...
 
âNgela
âNgelaâNgela
âNgela
 
administracao enfermagem
administracao enfermagemadministracao enfermagem
administracao enfermagem
 
Modelos de organização curricular
Modelos de organização curricularModelos de organização curricular
Modelos de organização curricular
 
o processo de construção curricular da informatica educativa narede municipa...
o processo de construção curricular da informatica  educativa narede municipa...o processo de construção curricular da informatica  educativa narede municipa...
o processo de construção curricular da informatica educativa narede municipa...
 
Almeida valente
Almeida valenteAlmeida valente
Almeida valente
 
Currículo,projeto e tecnologia.unid.3.tic
Currículo,projeto e tecnologia.unid.3.ticCurrículo,projeto e tecnologia.unid.3.tic
Currículo,projeto e tecnologia.unid.3.tic
 
Curriculo e Tecnologia na Formação de Professores
Curriculo e Tecnologia na Formação de ProfessoresCurriculo e Tecnologia na Formação de Professores
Curriculo e Tecnologia na Formação de Professores
 
Professor Universitario Curriculo Por Competencias
Professor Universitario Curriculo Por CompetenciasProfessor Universitario Curriculo Por Competencias
Professor Universitario Curriculo Por Competencias
 
NICOLAU
NICOLAUNICOLAU
NICOLAU
 
FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLAFUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA
 
Papel da escola na reprodução social trabalho
Papel da escola na reprodução social   trabalhoPapel da escola na reprodução social   trabalho
Papel da escola na reprodução social trabalho
 
Métodos e Modelos de ensino
Métodos e Modelos de ensinoMétodos e Modelos de ensino
Métodos e Modelos de ensino
 
Gestão democrática da escola pública município
Gestão democrática da escola pública municípioGestão democrática da escola pública município
Gestão democrática da escola pública município
 

Semelhante a CURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA

cp2019tatiana.pptx
cp2019tatiana.pptxcp2019tatiana.pptx
cp2019tatiana.pptx
LUIZFELIPEVIEIRAFERR1
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
Ulisses Vakirtzis
 
Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402
maria152302
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
Ulisses Vakirtzis
 
Nilvânia Estagio 03.doc
Nilvânia Estagio 03.docNilvânia Estagio 03.doc
Nilvânia Estagio 03.doc
abenisiagouveiadasil2
 
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucarUnid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
bucarbio
 
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucarUnid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
bucarbio
 
O papel da didática na perspectiva da formação superior.
O papel da didática na perspectiva da formação superior.O papel da didática na perspectiva da formação superior.
O papel da didática na perspectiva da formação superior.
Jose Gomes DE Abreu
 
Resumo do caderno 3 etapa I- O curriculo do ensino médio,seus sujeitos e o de...
Resumo do caderno 3 etapa I- O curriculo do ensino médio,seus sujeitos e o de...Resumo do caderno 3 etapa I- O curriculo do ensino médio,seus sujeitos e o de...
Resumo do caderno 3 etapa I- O curriculo do ensino médio,seus sujeitos e o de...
KATIA CAVALCANTI
 
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2
♥Marcinhatinelli♥
 
18 jul 2014_aspectos_da_gestao_democratica_nas_atividades_do_coordenador_peda...
18 jul 2014_aspectos_da_gestao_democratica_nas_atividades_do_coordenador_peda...18 jul 2014_aspectos_da_gestao_democratica_nas_atividades_do_coordenador_peda...
18 jul 2014_aspectos_da_gestao_democratica_nas_atividades_do_coordenador_peda...
Sandra Menucelli
 
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINICaderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
Salete Perini
 
14022018-cursoeadcurriculoeinclusao.pptx
14022018-cursoeadcurriculoeinclusao.pptx14022018-cursoeadcurriculoeinclusao.pptx
14022018-cursoeadcurriculoeinclusao.pptx
LinaKelly3
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
Ulisses Vakirtzis
 
O currículo e práticas pedagógicas do cmei madre elísia simone helen drumond ...
O currículo e práticas pedagógicas do cmei madre elísia simone helen drumond ...O currículo e práticas pedagógicas do cmei madre elísia simone helen drumond ...
O currículo e práticas pedagógicas do cmei madre elísia simone helen drumond ...
SimoneHelenDrumond
 
Artigo Docência no Ensino Superior
Artigo Docência no Ensino SuperiorArtigo Docência no Ensino Superior
Artigo Docência no Ensino Superior
VALERIAOLIVEIRAAMORI
 
Educação integral otp
Educação integral   otpEducação integral   otp
Educação integral otp
Jorci Ponce
 
Formação Docente, Culturas, Saberes E Práticas: Desafios Em Face Das Territor...
Formação Docente, Culturas, Saberes E Práticas: Desafios Em Face Das Territor...Formação Docente, Culturas, Saberes E Práticas: Desafios Em Face Das Territor...
Formação Docente, Culturas, Saberes E Práticas: Desafios Em Face Das Territor...
curriculoemmovimentopara
 
Restinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati Pereira
Restinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati PereiraRestinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati Pereira
Restinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati Pereira
CursoTICs
 
programa mais educação sp
programa mais educação spprograma mais educação sp
programa mais educação sp
Ulisses Vakirtzis
 

Semelhante a CURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA (20)

cp2019tatiana.pptx
cp2019tatiana.pptxcp2019tatiana.pptx
cp2019tatiana.pptx
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
 
Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
 
Nilvânia Estagio 03.doc
Nilvânia Estagio 03.docNilvânia Estagio 03.doc
Nilvânia Estagio 03.doc
 
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucarUnid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
 
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucarUnid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
 
O papel da didática na perspectiva da formação superior.
O papel da didática na perspectiva da formação superior.O papel da didática na perspectiva da formação superior.
O papel da didática na perspectiva da formação superior.
 
Resumo do caderno 3 etapa I- O curriculo do ensino médio,seus sujeitos e o de...
Resumo do caderno 3 etapa I- O curriculo do ensino médio,seus sujeitos e o de...Resumo do caderno 3 etapa I- O curriculo do ensino médio,seus sujeitos e o de...
Resumo do caderno 3 etapa I- O curriculo do ensino médio,seus sujeitos e o de...
 
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2
 
18 jul 2014_aspectos_da_gestao_democratica_nas_atividades_do_coordenador_peda...
18 jul 2014_aspectos_da_gestao_democratica_nas_atividades_do_coordenador_peda...18 jul 2014_aspectos_da_gestao_democratica_nas_atividades_do_coordenador_peda...
18 jul 2014_aspectos_da_gestao_democratica_nas_atividades_do_coordenador_peda...
 
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINICaderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
Caderno 3 e 4 - SALETE VARGAS PERINI
 
14022018-cursoeadcurriculoeinclusao.pptx
14022018-cursoeadcurriculoeinclusao.pptx14022018-cursoeadcurriculoeinclusao.pptx
14022018-cursoeadcurriculoeinclusao.pptx
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
 
O currículo e práticas pedagógicas do cmei madre elísia simone helen drumond ...
O currículo e práticas pedagógicas do cmei madre elísia simone helen drumond ...O currículo e práticas pedagógicas do cmei madre elísia simone helen drumond ...
O currículo e práticas pedagógicas do cmei madre elísia simone helen drumond ...
 
Artigo Docência no Ensino Superior
Artigo Docência no Ensino SuperiorArtigo Docência no Ensino Superior
Artigo Docência no Ensino Superior
 
Educação integral otp
Educação integral   otpEducação integral   otp
Educação integral otp
 
Formação Docente, Culturas, Saberes E Práticas: Desafios Em Face Das Territor...
Formação Docente, Culturas, Saberes E Práticas: Desafios Em Face Das Territor...Formação Docente, Culturas, Saberes E Práticas: Desafios Em Face Das Territor...
Formação Docente, Culturas, Saberes E Práticas: Desafios Em Face Das Territor...
 
Restinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati Pereira
Restinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati PereiraRestinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati Pereira
Restinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati Pereira
 
programa mais educação sp
programa mais educação spprograma mais educação sp
programa mais educação sp
 

Mais de cefaprodematupa

Artigo 2f
Artigo 2fArtigo 2f
Artigo 2f
cefaprodematupa
 
Artigo 1
Artigo 1Artigo 1
Artigo 1
cefaprodematupa
 
A IMPORTÂNCIA DA EA NAS ESCOLAS E OS SEUS OBJETIVOS
A IMPORTÂNCIA DA EA NAS ESCOLAS E OS SEUS OBJETIVOSA IMPORTÂNCIA DA EA NAS ESCOLAS E OS SEUS OBJETIVOS
A IMPORTÂNCIA DA EA NAS ESCOLAS E OS SEUS OBJETIVOS
cefaprodematupa
 
4
44
3
33
1
11
2
22
Palavrasmagicas
PalavrasmagicasPalavrasmagicas
Palavrasmagicas
cefaprodematupa
 
Prontp
ProntpProntp
Jornal (1)
Jornal (1)Jornal (1)
Jornal (1)
cefaprodematupa
 
La vem leitura
La vem leituraLa vem leitura
La vem leitura
cefaprodematupa
 
Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017
Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017
Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017
cefaprodematupa
 
O alfabeto em movimento
O alfabeto em movimentoO alfabeto em movimento
O alfabeto em movimento
cefaprodematupa
 
Adaptação e socialização através da ludicidade
Adaptação e socialização através da ludicidadeAdaptação e socialização através da ludicidade
Adaptação e socialização através da ludicidade
cefaprodematupa
 
Reciclar, reutilizar e reduzir
Reciclar, reutilizar e reduzirReciclar, reutilizar e reduzir
Reciclar, reutilizar e reduzir
cefaprodematupa
 
Ensinar e aprender na escola
Ensinar e aprender na escolaEnsinar e aprender na escola
Ensinar e aprender na escola
cefaprodematupa
 
Contagem de história na educação infantil
Contagem de história na educação infantilContagem de história na educação infantil
Contagem de história na educação infantil
cefaprodematupa
 
A avaliação docente
A avaliação docenteA avaliação docente
A avaliação docente
cefaprodematupa
 
4 mortalidade das micro
4   mortalidade das micro4   mortalidade das micro
4 mortalidade das micro
cefaprodematupa
 
1 administrador
1   administrador1   administrador
1 administrador
cefaprodematupa
 

Mais de cefaprodematupa (20)

Artigo 2f
Artigo 2fArtigo 2f
Artigo 2f
 
Artigo 1
Artigo 1Artigo 1
Artigo 1
 
A IMPORTÂNCIA DA EA NAS ESCOLAS E OS SEUS OBJETIVOS
A IMPORTÂNCIA DA EA NAS ESCOLAS E OS SEUS OBJETIVOSA IMPORTÂNCIA DA EA NAS ESCOLAS E OS SEUS OBJETIVOS
A IMPORTÂNCIA DA EA NAS ESCOLAS E OS SEUS OBJETIVOS
 
4
44
4
 
3
33
3
 
1
11
1
 
2
22
2
 
Palavrasmagicas
PalavrasmagicasPalavrasmagicas
Palavrasmagicas
 
Prontp
ProntpProntp
Prontp
 
Jornal (1)
Jornal (1)Jornal (1)
Jornal (1)
 
La vem leitura
La vem leituraLa vem leitura
La vem leitura
 
Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017
Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017
Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017
 
O alfabeto em movimento
O alfabeto em movimentoO alfabeto em movimento
O alfabeto em movimento
 
Adaptação e socialização através da ludicidade
Adaptação e socialização através da ludicidadeAdaptação e socialização através da ludicidade
Adaptação e socialização através da ludicidade
 
Reciclar, reutilizar e reduzir
Reciclar, reutilizar e reduzirReciclar, reutilizar e reduzir
Reciclar, reutilizar e reduzir
 
Ensinar e aprender na escola
Ensinar e aprender na escolaEnsinar e aprender na escola
Ensinar e aprender na escola
 
Contagem de história na educação infantil
Contagem de história na educação infantilContagem de história na educação infantil
Contagem de história na educação infantil
 
A avaliação docente
A avaliação docenteA avaliação docente
A avaliação docente
 
4 mortalidade das micro
4   mortalidade das micro4   mortalidade das micro
4 mortalidade das micro
 
1 administrador
1   administrador1   administrador
1 administrador
 

CURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA

  • 1. CURRÍCULO, TECNOLOGIA E FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA CLAUCIMERA CURMELATTO LOVISON* GENESSI DE FÁTIMA PASQUALI* ROSEMERI LAZARETTI BASTOS MACHADO* RESUMO A elaboração de um currículo depende do tipo de ensino que se quer adotar e da escola que se deseja para os educandos. Trata-se de uma seleção intencional do conhecimento, que de forma organizada, objetiva que o aluno alcance os resultados previstos. Ele é muito mais que uma grade curricular, pois abrange todo o envolvimento escolar para propiciar o dinamismo do processo educacional. Dessa forma, o currículo escolar busca as suas fontes de inspiração no saber e nas necessidades do contexto social. O desenvolvimento da tecnologia educativa e sua ligação com o currículo escolar sofreram a influência de diferentes paradigmas. A tecnologia educacional resumia-se inicialmente na utilização de meios e recursos tecnológicos audiovisuais nas atividades de instrução e treinamento. Com os estudos que se desenvolveram sobre a conduta humana, sua análise e como controlá-la, ela assumiu uma nova dimensão, buscando planejamento de estratégias, uso de meios e controle do sistema de educação. A sociedade em crise busca, hoje, nos espaços educativos, a possibilidade de formação de indivíduos com uma nova mentalidade, que enxerguem novas pistas que conduzam à superação dos dilemas sociais e à construção de uma nova forma de gerenciar os recursos naturais e históricos da humanidade; uma forma mais adequada socialmente, menos predatória, e mais solidária nas relações entre os indivíduos e com o planeta. A escola centrada no pleno desenvolvimento do educando precisa estar buscando maneiras de fazer deste processo educativo algo prazeroso, desafiador. É função dos professores, gestores, alunos e comunidade resgatar a função social da escola para que o aluno participe de maneira ativa e dinâmica na construção do seu aprendizado, sendo reflexivos e conhecedores de seus direitos e deveres. Palavras-chave: Currículo. Tecnologia. Função Social da Escola. Processo educacional. *Graduadas em Pedagogia. Cursando Pós-graduação em Psicopedagogia Clínica e Institucional Atuando na educação como professora das Séries Iniciais do Ensino Fundamental. INTRODUÇÂO A sociedade tem avançado em vários aspectos e a escola precisa acompanhar essas evoluções, sempre conectada a essas transformações que favorecem o acesso ao conhecimento. Por isso, é importante que se reflita sobre que tipo de trabalho é desenvolvido nas escolas e quais os resultados alcançados.
  • 2. Qual é na verdade a função social da escola? A escola está realmente cumprindo ou procurando cumprir sua função, como agente de intervenção na sociedade? Para se conquistar o sucesso se faz necessário que se entenda e que tenha clareza do que se quer alcançar. A escola precisa ter objetivos bem definidos, para que possa desempenhar bem o seu papel social, onde a maior preocupação deve ser o crescimento intelectual, emocional e espiritual do aluno. É aí que entra a importância do currículo escolar e o uso adequado da tecnologia educativa, buscando as suas fontes de inspiração no saber e nas necessidades do contexto social onde a comunidade escolar está inserida. Um professor reflexivo trabalha com e sobre o pensar da e na prática pedagógica, em processo continuamente repensado e reconstruído. Ao profissional de educação, é necessário dar-se tempo e oportunidade de familiarização com os eixos de uma renovação curricular e com as novas tecnologias educativas; possibilitar-lhe condições de reflexão sobre o tipo de educação e de currículo a ser desenvolvido. Sempre que se pensa criticamente a ação educativa, se entra também no domínio da ética, além do domínio das dimensões da ciência, da técnica e da política. Diante de vários questionamentos sobre como vem acontecendo o processo de ensino e aprendizagem, e ainda, como tem sido o trabalho de toda a comunidade escolar, especialmente dos Professores e Equipe Gestora, para o êxito na aprendizagem significativa do aluno, utilizou-se uma pesquisa com referências teóricas de alguns autores de livros e artigos relacionados ao tema abordado, e também a observação direta no trabalho de uma escola da rede pública estadual, que atua com alunos do Ensino Fundamental e Ensino Médio. 1. CURRÍCULO ESCOLAR 1.1. Breve retrospectiva histórica A tradição escolar sempre apresentou as teorias do currículo como algo isolado e desprovido de significações mais profundas que pudessem contribuir para o desenvolvimento das capacidades intelectuais e cognitivas de cada aluno em particular. O currículo escolar era simplesmente considerado como uma seriação de conteúdos escolares em que cada disciplina era estruturada e detalhada de acordo com as exigências e normas da instituição de ensino. O currículo caracterizava-se
  • 3. pelo modo próprio de ser de cada escola, pelo bom funcionamento de suas atividades e pela forma padronizada de se trabalhar com a educação e os alunos. Dessa forma, se a estrutura planejada no início do ano, a que foi estabelecida no projeto político pedagógico de cada escola, estivesse sendo rigorosamente obedecida, significava que o plano curricular estava sendo bem formado e coerentemente respeitado em suas determinações. 1.2 – Moderna Concepção de Currículo Escolar As novas teorias de currículo escolar nos apresentam um recurso, não de resistência, mas de acréscimo àquelas já existentes e que buscam dar conta de um universo educacional mais extenso, mais amplo. O currículo escolar atual não é, portanto, o mesmo proposto pela tradição escolar e conservado de igual maneira por todas as escolas. Pode-se mesmo dizer que, na era da tecnologia, o currículo escolar se forma a partir das necessidades de cada escola e de cada aluno. Neste sentido, o currículo escolar passa a ser definido como sendo todas as situações vividas pelo aluno dentro e fora da escola, seu cotidiano, suas relações sociais, as experiências de vida acumuladas por esse aluno ao longo de sua existência. É importante dizer que, para a formação do currículo escolar individual de cada aluno, a organização da vida particular de cada um constitui-se no principal instrumento de trabalho para que o professor possa explorar no desenvolvimento de suas atividades. Logo, o que se quer dizer é que a escola deve buscar na experiência cotidiana do aluno elementos que subsidiem a sua ação pedagógica e, ao mesmo tempo, recursos que contribuam para a formação do currículo escolar dos educandos. A escola não pode esquecer que quando os alunos chegam, eles já possuem uma história de vida, recebem influências fora da escola e apresentam um comportamento individual, social e uma vivência sociocultural específicos ao ambiente de origem de cada um deles. Todas essas características individuais dos alunos integram elementos básicos que auxiliam na formação do currículo escolar. MOREIRA e SILVA nos dizem que, "[...] a cultura popular representa não só um contraditório terreno de luta, mas também um importante espaço pedagógico onde são levantadas relevantes questões sobre os elementos
  • 4. que organizam a base da subjetividade e da experiência do aluno." (MOREIRA e SILVA, 2002:96) 2. TECNOLOGIA EDUCATIVA Em muitas escolas os laboratórios de informática compõem o arsenal tecnológico. Muitas mudanças já foram realizadas e outras estão previstas, mas será que os currículos estão sendo observados? É importante avaliar como os currículos nessas escolas são trabalhados quando aliados à tecnologia. Sabe-se que muitas vezes isso ainda é feito de forma fragmentada, ou seja, ainda existe a tal grade curricular que vê as disciplinas isoladamente. É nesse contexto que está a urgência de se pensa em um currículo transdisciplinar, que faça com que as áreas do conhecimento estejam integradas e conectadas. Cada área do saber tem seu valor e suas especificidades, mas é preciso reconhecer que nenhuma delas deve prevalecer sobre as outras. Cada uma deve ser respeitada em sua essência. Porém, os educadores, em conjunto com a comunidade escolar, devem buscar possibilidades para que as áreas que compõem o currículo escolar estejam mobilizadas e sejam valorizadas de forma integral. No desenvolvimento do currículo, formar alunos reflexivos implica em uma prática docente reflexiva, de que as instituições escolares são também responsáveis, pois a construção do projeto político-pedagógico das escolas exige uma permanente avaliação e formação. 3. FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA 3.1 Favorecer acesso ao conhecimento A escola é uma instituição social com objetivo explícito: o desenvolvimento das potencialidades físicas, cognitivas e afetivas dos alunos, por meio da aprendizagem dos conteúdos (conhecimentos, habilidades, procedimentos, atitudes, e valores) que, aliás, deve acontecer de maneira contextualizada, desenvolvendo nos alunos a capacidade de tornarem-se cidadãos participativos na sociedade em que vivem.
  • 5. Eis o grande desafio da escola, fazer do ambiente escolar um meio que favoreça o aprendizado, onde a escola deixe de ser apenas um ponto de encontro e passe a ser, além disso, encontro com o saber, com descobertas de forma prazerosa e funcional, conforme Libâneo (2005, p.117) nos diz: “Devemos inferir, portanto, que a educação de qualidade é aquela mediante a qual a escola promove, para todos, o domínio dos conhecimentos e o desenvolvimento de capacidades cognitivas e afetivas indispensáveis ao atendimento de necessidades individuais e sociais dos alunos. Políticas que fortaleçam laços entre comunidade e escola é uma medida, um caminho que necessita ser trilhado, para assim alcançar melhores resultados. O aluno é parte da escola, é sujeito que aprende e que constrói seu saber, que direciona seu projeto de vida. A escola lida com pessoas, valores, tradições, crenças e opções, e precisa estar preparada para enfrentar tudo isso. 3.2 Atuação da Equipe Pedagógica - Coordenação A política de atuação da equipe pedagógica é de suma importância para a elevação da qualidade de ensino na escola. Existe a necessidade urgente de que os coordenadores pedagógicos não restrinjam suas atribuições somente à parte técnica, burocrática, elaborar horários de aulas e ainda ficarem nos corredores da escola procurando conter a indisciplina dos alunos que saem das salas durante as aulas, enquanto os professores ficam necessitados de acompanhamento. A equipe de suporte pedagógico tem papel determinante no desempenho dos professores, pois dependendo de como for a política de trabalho do coordenador o professor se sentirá apoiado, incentivado. Esse deve ser o trabalho do coordenador: incentivar, reconhecer, e elogiar os avanços e conquistas. 3.3 Função do Professor Ao professor compete a promoção de condições que favoreçam o aprendizado do aluno, fazendo com que ele compreenda o que está sendo ministrado. Para isso ele deve facilitar a sua aprendizagem, aguçar seu poder de
  • 6. argumentação, conduzir as aulas de modo questionador para que ele exerça seu papel de sujeito pensante, questionar e trocar idéias que produzam conhecimento. O planejamento é imprescindível para o sucesso cognitivo do aluno e êxito no desenvolvimento do trabalho do professor, pois é como uma bússola que orienta a direção a ser seguida. Quando o professor não planeja o aluno é o primeiro a perceber que algo ficou a desejar, por mais experiente que seja o docente, e esse é um dos fatores que contribuem para a indisciplina e o desinteresse na sala de aula. É importante que o planejar aconteça de forma sistematizada e contextualizada com o cotidiano do aluno – fator que desperta seu interesse e participação ativa, com aulas dinâmicas e prazerosas. 3.4 Ação do Gestor Escolar A cultura organizacional do gestor é decisiva para o sucesso ou fracasso da qualidade de ensino da escola. A maneira como ele conduz as ações é o foco que determinará o sucesso ou fracasso da escola. Sobre isso Libâneo diz que, Características organizacionais positivas eficazes para o bom funcionamento de uma escola: professores preparados, com clareza de seus objetivos e conteúdos, que planejem as aulas, cativem os alunos. Um bom clima de trabalho, em que a direção contribua para conseguir o empenho de todos, em que os professores aceitem aprender com a experiência dos colegas. LIBÂNEO, (2005, p. 302): O plano de trabalho da gestão escolar deve ir de encontro às reais necessidades da escola, resolvendo problemas como a falta de professores, cumprimento de horário e atitudes que assegurem a seriedade, compromisso com o trabalho de ensino e a aprendizagem, com relação aos professores, coordenadores, alunos e funcionários. Quando o gestor conquista o respeito e admiração da maioria de seus funcionários e alunos, há um clima de harmonia que predispõe a realização de um trabalho, onde, apesar das dificuldades, os professores terão prazer em ensinar e os alunos terão prazer em aprender. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  • 7. A sociedade de um modo geral tem feito progressos significativos em vários aspectos e a escola nem sempre acompanha essas evoluções para favorecer o acesso ao conhecimento. Para isso, se faz necessário que essa instituição que trabalha diretamente com o processo educacional do ser humano entenda e tenha clareza do que quer alcançar e aonde quer chegar. A escola precisa ter objetivos bem definidos, para que possa desempenhar bem o seu papel social, onde a maior preocupação deve ser o crescimento intelectual, emocional e espiritual do aluno. É aí que entra a importância do currículo escolar e o uso adequado da tecnologia educativa buscando as suas fontes de inspiração no saber e nas necessidades do contexto social onde a comunidade escolar está inserida. Sendo assim, acredita-se que na escola observada, a articulação entre a teoria e a prática do currículo escolar tem sido favorável em determinados aspectos da prática docente. Os professores têm se esforçado para relacionar os conteúdos escolares a aspectos da vida dos alunos objetivando o desenvolvimento cognitivo dos mesmos. Na análise realizada, observou-se que grande parte dos professores tem buscado a desfragmentação do ensino, mostrando que é possível unir cem por cento do conteúdo ministrado à experiência de vida dos alunos. Nesta linha de raciocínio, percebeu-se que essa escola fundamenta-se nas novas teorias do currículo e, portanto, está inserida dentro de uma ótica mais moderna da concepção de ensino-aprendizagem. Logo, pode-se assim considerar, o desempenho escolar de tais alunos deve ser bem mais elaborado, visto que suas realidades são conhecidas e levadas em consideração no cotidiano da sala de aula. É como diz FREIRE: "Por isso mesmo pensar certo coloca ao professor ou, mais amplamente, à escola, o dever de não só respeitar os saberes com que os educandos, sobretudo os das classes populares, chegam a ela – saberes socialmente construídos na prática comunitária – mas também [...] discutir com os alunos a razão de ser de alguns desses saberes em relação com o ensino dos conteúdos." (FREIRE, 2002, p. 33) REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
  • 8. FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25ª Ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002. MOREIRA, A. F. & SILVA, T. T. (Orgs.). Cultura popular e pedagogia crítica: a vida cotidiana com base para o conhecimento curricular. In: Currículo, cultura e sociedade. 7ª Ed. São Paulo: Cortez, 2002. LIBÂNEO, J. C.; OLIVEIRA J. F.; TOSCHI M. S.; Educação escolar: políticas estrutura e organização. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2005. (Coleção Docência em Formação) MESQUITA, de Mesquita. A Formação do Currículo Escolar nas Séries Iniciais, publicado 16/01/2009, por Adriano de Mesquita. Disponível no site: http://www.webartigos.com. Acessado em 25 de novembro de 2010.