OT Mediação e Linguagem - II Encontro 13mar

692 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
692
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

OT Mediação e Linguagem - II Encontro 13mar

  1. 1. Diretoria de Ensino Leste 4 Dirigente Regional de Ensino José Carlos Francisco Núcleo Pedagógico ORIENTAÇÃO TÉCNICA DE LÍNGUA PORTUTUESA
  2. 2. por Kátia Lomba Bräkling ORIENTAÇÃO TÉCNICA DE LÍNGUA PORTUTUESA
  3. 3. Para organizar a ação de revisão na sala de aula, é preciso saber: a) sobre o objeto - a linguagem verbal: sua natureza, suas características, os aspectos que a constituem; b) sobre o procedimento de revisão: sua natureza, o que implica, de que maneira deve ser desenvolvido pelo sujeito; c) sobre a ação didática relativa ao ensino da revisão, ou seja, sobre como se deve ensinar a revisar um texto.
  4. 4. Revisar,como ação didática, requer: a) leitura analítica dos textos dos alunos; b) levantamento de aspectos críticos da sala; c)priorização de aspectos que serão trabalhados junto à classe naquele momento, adotando critérios adequados; d)organização do trabalho a partir de um movimento metodológico reflexivo descendente;
  5. 5. e)planejamento da discussão de cada aspecto priorizado a partir do conhecimento do aspecto focalizado e do tratamento didático a ser dado a esse aspecto nas atividades pensadas; f)oferecimento de referências de escrita durante a tematização do aspecto em foco; g)adoção de pequenos procedimentos que facilitem ao aluno a execução das diferentes tarefas que compõem o processo.
  6. 6. Análise da consigna da atividade. SARESP 2012 7º ano do Ensino Fundamental Proposta de Redação Escreva seu texto imaginando que você está participando de um concurso lançado pelo jornal de sua cidade para descobrir novos talentos literários. As trinta melhores narrativas produzidas pelos alunos das escolas estaduais serão publicadas em uma coletânea. Para participar, leia o trecho a seguir e continue a narrativa.
  7. 7. UM EXEMPLO DE CORAGEM E AMOR Num bairro da cidade, havia um barracão abandonado cujas portas estavam lacradas. No andar de cima, Sara, uma gatinha, vivia e alimentava-se de restos de comida que encontrava pelas redondezas. Ela conseguia entrar no barracão por uma janela que tinha o vidro quebrado. Estava, agora, com sua ninhada de cinco filhotes, no andar superior, bem protegidos, quando, no final de uma tarde, iniciou-se um grande incêndio no local.
  8. 8. Considerando o que expressa o título do texto (Um exemplo de coragem e amor), crie um enredo com a história de Sara e seus filhotes. Envolva outros personagens, incluindo humanos. Crie momentos de suspense capazes de despertar a curiosidade e atenção do leitor.
  9. 9. Dê um final à sua história, que poderá ter um desfecho feliz, ou não. Observações: 1. Faça inicialmente um rascunho. 2. Passe seu rascunho para o local indicado, com caneta de tinta azul ou preta. 3. Capriche na letra. 4. Escreva seu texto na modalidade culta (norma-padrão) da língua portuguesa
  10. 10. ANÁLISE DOS TEXTOS DOS ALUNOS
  11. 11. Aspectos discursivo-textuais: a)Eixo de sentido fundamental: o título (Um exemplo de coragem). b)Há falta de informações já apresentadas no trecho conhecido (local onde ficavam a gatinha e os filhotes, p.e.). c)Há, reiteradamente, ausência de explicação ou justificativa para as ações dos personagens.
  12. 12. d)Há situações pouco plausíveis no texto. e)A conexão imediata entre o 1º trecho e o 2º está correta. f)A sequência temporal dos fatos está adequada, embora, por vezes as relações de causalidade e explicações sejam omitidas. g)A organização do texto em períodos e parágrafos precisa ser revista. h)O uso das vírgulas está muito sem critério. i)Emprego equivocado de pontos finais. j)Ausência de pontuação expressiva e estilística.
  13. 13. Aspectos ortográficos: Há vários problemas ortográficos colocados: a)uso do R e RR em vocábulos com valor fonográfico/rr/; b)uso do S e SS em vocábulos com fonográfico/ss/; c)ausência de R final no infinitivo;
  14. 14. d)ausência de U final nos ditongos finais do pretérito; e)presença do I oral em palavras como mais, para MAS; e rapaiz, para RAPAZ ; f)troca de M final por N, em joven; g)ausência de acentuação da palavra cardíaco; h)uso equivocado de hífen no processo de pronominalização.
  15. 15. Conclusão Principal Há problemas de coerência provocados por: ausência de informação presente, ou não, no trecho anterior do texto; informação não plausível; organização dos períodos (incluindo-se a pontuação) equivocada. uso não coordenado de articulador e tempo verbal.
  16. 16. O que priorizar para o trabalho coletivo? Os problemas relativos à coesão e coerência do texto, já que é a textualização que deve ser o foco principal da revisão.
  17. 17. Por que selecionar este texto para trabalho coletivo inicial? Porque estamos supondo que seja representativo das dificuldades e, portanto, das necessidades de aprendizagem da classe.
  18. 18. Planejamento da Sequência Didática de Revisão
  19. 19. Atividade 1 Revisão, na lousa, de um trecho de texto que represente um problema comum à classe. No caso, o trecho deve tratar das questões levantadas como principais na análise feita.
  20. 20. Procedimentos: 1. Selecionar o trecho a ser analisado entre os textos produzidos pelos alunos. 2. Caso se vá utilizar a lousa, dividi-la em quatro espaços, das seguintes dimensões: o 1º e o 3º, mais estreitos que o 2º e o 4º. Estes últimos serão utilizados, respectivamente, para registrar o texto original e para refazer o texto depois da tematização inicial. O 1º e o 3º devem ser mais estreitos, pois funcionarão como abas do texto original, nas quais serão anotadas as respostas às questões que forem apresentadas no processo de tematização. Você também poderá utilizar o computador e o respectivo processador de textos, ou uma lousa smart, caso sua escola disponha dos mesmos.
  21. 21. 3.Escrever o texto no 2º espaço, de modo que os espaços da esquerda e da direita (o 1º e o 3º) possam ficar para anotar as informações que vierem das perguntas que irão sendo feitas ao longo da atividade. 4. À medida que for perguntando, tematizar a maneira como está escrito, focalizando-a bem. Explicar que o problema é que não está escrito para o leitor compreender. 5. Escrever as informações que vierem como resposta nas abas laterais da lousa, utilizando setas para indicar a que se referem e onde devem ser incluídas.
  22. 22. 6.Nesse processo, acolher as respostas dos alunos legitimando as diferentes possibilidades apresentadas por eles e descartando, depois de explicar porque, as inadequadas. 7. Depois de anotar tudo, passar para o 4º espaço e avisar os alunos que o texto será reescrito utilizando-se, agora, as informações que foram anotadas nas abas do texto original. Nesse processo, solicitar que os alunos resolvam os problemas encontrados com as informações obtidas. Caso os alunos tenham dificuldade, comece você, dando um exemplo de textualização. Depois, peça que um aluno textualize de outra maneira. Depois, solicite que mais um aluno o faça do seu jeito, sem esquecer de acrescentar a informação adequada e/ou corrigir o que está confuso.
  23. 23. 8. É fundamental que sejam registradas na lousa as diferentes opções oferecidas para que você possa analisá-las com os alunos, focalizando os seus recursos, sua beleza estilística, por exemplo. Assim, os alunos poderão voltar ao trechos decidindo qual possibilidade escolhem para a retextualização do momento.
  24. 24. Atividade 2 Revisão em duplas de um trecho do texto próprio que contenha as mesmas questões problematizadas no coletivo.
  25. 25. Procedimentos: 1.As duplas recebem os textos – cada um o seu – com um trecho sublinhado verticalmente, na lateral. É esse trecho que precisa ser revisado considerando a discussão coletiva realizada. 2.Os alunos lerão juntos o texto e farão anotações na lateral a respeito do que precisa ser ajustado. Em seguida, pegarão uma folha avulsa e, considerando a conversa com o colega, reescreverão o seu texto, modificando-o. 3.Quando terminarem, um lê o texto do outro e comenta, sugere etc. Em seguida, recortam a tira na qual reescreveram e a colam na folha original sobre o texto grifado pela professora, mas só na beiradinha lateral, de modo que se possa levantá-lo e enxergar o texto anterior. Entregam para a professora ler e comentar, se for o caso.
  26. 26. Atividade 3 Se necessário, a professora poderá repetir esse movimento coletivo - duplas, tematizando um novo aspecto como, por exemplo, pontuação, organização de períodos e paragrafação. Ou, ainda, uma questão ortográfica recorrente da classe, como a ausência de R no infinitivo verbal. O procedimento metodológico é o mesmo: trabalho inicial no coletivo –para identificação da regularidade –e nas duplas, para identificação dos erros correlatos cometidos.
  27. 27. Atividade 4 A professora lê mais uma vez o texto de cada aluno, indicando as questões que são individuais. Devolve os textos com anotações (conferir texto de Bräkling; 2012) e solicite que os alunos passem o texto a limpo considerando todas as revisões que fizeram. Agora, utilizarão uma folha nova. Entregarão todas as folhas para a professora.
  28. 28. OBRIGADA PELA PARTICIPAÇÃO! Tânia e Adriana PCNPs de Língua Portuguesa Contato: Delt4npe@see.sp.gov.br 2742-3102

×