SlideShare uma empresa Scribd logo
Doutorandos:
Aílton Reis
Ana Consuelo Ramos
Gisele Boucherville
Maria Helena Morra
TALCOTT PARSONS
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
T. Parsons (1902-1979) foi seguramente o
sociólogo norte-americano mais conhecido em
todo o mundo.
Parsons trabalhou no Departamento de Sociologia
na Universidade de Havard entre 1927 a 1973 e no
Departamento de Relações Sociais.
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 Em geral, seus críticos entenderam-no como
um pensador conservador, preocupado
basicamente com o bom ordenamento da
sociedade, sem ter muita tolerância para com
a desconformidade ou a dissidência dos que
podiam manifestar-se contra ela.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 Considera-se que a concepção social dele
tenha sido influenciada diretamente pelo
antropólogo Bronislaw Malinowski,
fortemente marcado pela biologia, daí verem
em Parsons um admirador da organização de
um formigueiro, no qual o papel dos
indivíduos (das operárias à rainha-mãe) esta
devidamente pré-determinado e ordenado
em função da manutenção e aperfeiçoamento
de um sistema maior.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 Bronislaw Malinowski-Antropólogo inglês, de
origem polaca, nascido em 1884, em Cracóvia, e
falecido em 1942, no Connecticut.
 Foi o fundador da escola funcionalista,
defendendo que todos os elementos de uma
dada cultura (crenças, rituais, objetos, etc.) têm
uma função e um sentido específicos dentro do
sistema cultural em que se integram.
 Entre outros estudos, publicou Myth in Primitive
Psychology (1926), Sex and Repression in Savage
Society (1927) e A Scientific Theory of Culture
(1944).
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 A obsessão de Parsons era determinar a
função que os indivíduos desempenhavam na
estrutura social visando a excelência das
coisas. Era um estudioso da Estratificação
Social não da mudança ou da transformação.
 Intelectual do fordismo
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 Parsons, que também foi tradutor da obra de
Max Weber e seu difusor nos Estados Unidos,
foi contemporâneo das linhas de montagem,
a Scientific Management, o chamado
Gerenciamento Científico, introduzidas por
F.Taylor (1856-1915) e por Henry Ford
(1863-1947), cujas espantosas modificações
no processo produtivo, verdadeiramente
revolucionárias, foram necessárias à
produção em massa.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 A nova maneira de produzir os
manufaturados começou a ser adotada em
larga escala a partir da Primeira Guerra
Mundial, difundindo-se de modo
impressionante nos anos de 1920 por boa
parte do mundo. Pode-se então dizer que
Talcott Parsons foi, antes de tudo, o
intelectual orgânico (termo gramisciano) das
novas técnicas produtivas adotadas pelas
industrias: o taylorismo e o fordismo.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 Desinteressando-se dos aspectos da
transformação social sua inclinação deu-se
em favor do equilíbrio e do consenso.
Naturalmente que isso o posicionou a
entender o indivíduo como expressão das
estruturas, as quais ele devia manter e
preservar. Caso isso não ocorresse entravam
em ação os mecanismos do Controle Social
(moral, ética, sistema jurídico e penal, etc.),
como um instrumento preventivo, corretivo
ou coercivo.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 O objetivo de qualquer sociedade, pois, como ele
defendeu no seu mais conhecido livro The Social
System (O Sistema Social, 1952) era alcançar a
homeostasis, a manutenção da estabilidade, do
equilíbrio permanente, fazendo com que só
pudéssemos entender uma parte qualquer a ser
estudada em função do todo. Se bem que a
organização de formigueiro pudesse atraí-lo,
seguramente foi a racionalidade da produção
fabril quem determinou a concepção da Teoria
Social dele.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 Expressões como “adaptação”, “integração”,
“ manutenção”, largamente utilizadas por
Talcott Parsons, colocam-no claramente no
campo conservador do pensamento
sociológico, alguém que via a política apenas
como um instrumento de garantia do bom
andamento do todo, jamais como
instrumento da transformação.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
O pensamento parsoniano foi visto também
como expressão da sua época, especialmente os
Estados Unidos dos anos de 1950-60. Além de
ter sido testemunha da revolução gerencial dos
anos 20, ele, atingindo a maturidade intelectual
no período do após-guerra, momento em que
os Estados Unidos viviam uma situação de
estabilidade e cooperação (resultado do clima
patriótico e das necessidades ideológicas da
Guerra Fria), fez por tornar inevitável que sua
teoria privilegiasse a coesão, a adaptação, e a
estabilidade familiar.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Adaptação (base
material)
Objetivos a
alcançar (sistema
político)
Integração (sistema
educacional)
Manutenção pela
educação dos
modelos culturais
(na família/pela
elite do poder)
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Raízes intelectuais do livro: Idealismo alemão de
Hegel a Marx e Weber Hegel
Hegel > teoria complexa da evolução societária
geral
Hegel, Marx > fechamento temporal muito
definido
Weber > modernidade ocidental & outras
civilizações (p.11)
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Sistema moderno (para além da Europa) >
Colonização
No Japão > Ocidente como modelo
O Ocidente Moderno tem, ou não, significação
universal?
Ciência + belas artes + sistema racional de direito
+ capitalismo burguês racional = “sistema
sociocultural singular com capacidade adaptativa
sem igual” (p.12)
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Evolução orgânica > Evolução da sociedade >
Evolução da cultura humana
“Os desenvolvimentos na Teoria Biológica e nas
Ciências Sociais criaram bases sólidas para a
aceitação da continuidade fundamental da
sociedade e da cultura como parte de uma
teoria mais geral da evolução dos sistemas
vivos” (p.12).
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Subsistemas
Social
Cultural
Personalidade
Org. Comportamental
Funções primárias
Integração
Manutenção de Padrão
Realização de Objetivo
Adaptação
Ação
“Esta tabela apresenta o esquema mais simples dos subsistemas
primários e suas referências funcionais para o Sistema Geral de
Ação, do qual o sistema social é um dos quatro subsistemas
primários, o concentrado na função integradora” (p.16).
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Sistemas de ação (ambientais) para a ação em
geral
o Ambiente físico (fenômenos > Física,
Química e o mundo de organismos vivos)
o “Realidade última” (“problema do sentido”
de Weber)
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Interpenetração
Sistemas de ação (ambientais) para a ação em geral
Ambiente físico (fenômenos > Física, Química e o
mundo de organismos vivos)
“Realidade última” (problema do sentido de Weber)
X
Subsistemas de ação (Social, Cultural,
Personalidade e Organismo Comportamental)
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
A interpenetração pode ser caracterizada por meio
da interiorização de objetos sociais e normas
culturais pela personalidade do indivíduo e,
também, pelo conteúdo aprendido da experiência,
organizado e guardado nos mecanismos de
memória do organismo, “(...) tal como ocorre com
a institucionalização dos componentes normativos
de sistemas culturais como estruturas
constitutivas de sistemas sociais. (...) É em virtude
das zonas de interpenetração que podem ocorrer
processos de intercâmbio entre sistemas” (p.17).
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Os sistemas sociais são “’abertos’, participando
de um intercâmbio contínuo de recepções e
apresentações com seus ambientes. Além disso,
pensamos que sejam internamente diferenciados
em várias ordens de subcomponentes que
também participam continuamente dos processos
de intercâmbio” (p.17).
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
“A estrutura dos sistemas sociais pode ser analisada
através de quatro tipos de componentes
independentemente variáveis: valores, normas,
coletividades e papéis” (p.18).
Valores > manutenção de padrão dos sistemas sociais
Normas > integração dos sistemas sociais
Coletividades > realização de objetivo (dois critérios:
status definido de participação e diferenciação entre
os participantes nessa coletividade)
Papéis > função adaptativa (interpenetração entre
sistemas sociais e a personalidade)
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
O Conceito de Sociedade
“Definimos a sociedade como o tipo de sistema social
caracterizado pelo nível mais elevado de autossuficiência com
relação ao seu ambiente, onde se incluem outros sistemas
sociais. No entanto, a autossuficiência total seria incompatível
com o status de uma sociedade como um subsistema de ação.
Para sua continuidade, qualquer sociedade depende de um
sistema de ‘recepções’ que a atingem através de intercâmbio
com seus sistemas ambientais. Portanto, a autossuficiência,
com relação aos ambientes, significa estabilidade de relações
de intercâmbio e capacidade para controlar estes últimos em
benefício do funcionamento societário. Esse controle pode
variar, desde a capacidade de impedir ou “enfrentar”
perturbações, até capacidade para conformar, de maneira
favorável, as relações ambientais” (p.19).
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Sociedade e ambiente físico
Ambiente físico > significação adaptativa >
fonte de recursos humanos > Produção
(divisão de trabalho)
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Ambiente físico
X
Autossuficiência da sociedade
Funcionamento econômico > tecnologia
Funcionamento político > uso organizado de
forças (militares e policiais)
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Personalidades (interpenetração)
X
Autossuficiência da sociedade
“Uma sociedade só pode ser autossuficiente na medida em
que de modo geral seja capaz de ‘contar’ com as realizações
de seus participantes como ‘contribuições’ adequadas para
o funcionamento societário. Tal como ocorre nos outros
intercâmbios necessários para a auto suficiência, essa
integração entre personalidade e sociedade não precisa ser
absoluta. No entanto, não se pode dizer que uma sociedade
seja autossuficiente se a grande maioria, de seus
participantes for ‘alienada’” (p.20).
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Personalidades
X
Sistema cultural e Sistema Social
Nível Social: (padrões de valor = representações coletivas –
consenso)
Nível Cultural: valores relacionam-se ao conhecimento
empírico, aos sistemas simbólicos expressivos e estruturas
simbólicas dos sistemas religiosos. Os valores são
legitimados principalmente em termos religiosos (p.21).
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
“Portanto, no contexto de legitimação cultural,
uma sociedade é autossuficiente na medida em
que suas instituições são legitimadas por valores
que seus participantes aceitam com relativo
consenso e que, por sua vez, são legitimados
por sua coerência com outros elementos do
sistema, sobretudo seu simbolismo constitutivo”
(p.21).
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
“É fundamental lembrar que os sistemas culturais
não correspondem exatamente aos sistemas sociais,
onde se incluem as sociedades. Os sistemas culturais
mais importantes geralmente se tornam
institucionalizados em diferentes padrões, em certo
número de sociedades, embora também existam
subculturas dentro das sociedades. Por exemplo, o
sistema cultural centralizado na cristandade
ocidental tem sido, com muitas restrições e muitas
variações, comum a todo o sistema europeu de
sociedades modernizadas” (p.21)
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Relações entre sociedades
“(...) todas as sociedades que denominamos
‘politicamente organizadas’ participam, com
várias outras sociedades, de ‘relações
internacionais’ de vários tipos; amistosos ou
hostis. (...) um sistema social pode interferir na
estrutura social e nos participantes ou na
cultura de duas ou mais sociedades” (p.22).
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Subsistemas Componentes Aspectos de processo Função primária
(estrut. básicos de desenvolvimento (categorias
sistema sociais) funcionais)
Comunidade
societária
(subsistema normas inclusão integração
integrador de
uma sociedade)
Manutenção de
padrão ou fiduciário valores generalização de valores manutenção de Padrão
(sistema cultural >
realidade última)
Governo (subsistema
de realização de coletividade diferenciação realização de objetivos
objetivos –
personalidades)
Economia (organismo papeis ascensão adaptativa adaptação
comportamental –
mundo físico)
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
O Núcleo: A Comunidade Societária
Pouco conhecida (discutida em termos religiosos e políticos e não
sociais)
Função integradora (definir obrigações de lealdade)
“A lealdade é uma prontidão para responder a chamados
adequadamente ‘justificados’ em nome da coletividade ou da
necessidade e interesse ‘públicos’” (p.24).
“Uma comunidade societária é uma rede complexa de
coletividades interpenetrantes e lealdades coletivas (...). O
sistema de normas, que governa as lealdades, precisa integrar os
direitos e as obrigações de várias coletividades e seus
participantes não apenas entre si, mas também com as bases de
legitimação da ordem como um todo” (p.25).
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
A Comunidade Societária e o governo
O governo > “órgão especializado da sociedade que está no
núcleo da política” (p.29).
Responsabilidade para a manutenção da integridade da
comunidade societária contra ameaças generalizadas (inclui a
função de coerção e participação na função de interpenetração)
Refere-se ao executivo – ações para defender o interesse
“público” (controle territorial, manutenção da ordem pública)
No nível das sociedades integralmente modernas há uma
tendência de que o poder de liderança política dependa do apoio
de partes amplas da população (p.29).
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
A Comunidade Societária e a Economia
“Mesmo quando não há interferência dos problemas de
lealdade coletiva, obrigações impostas e moralidade, a ação
de um indivíduo ou de uma coletividade, será desaprovada se
for desnecessariamente descuidada ou de ‘esbanjamento’”
(p.30). O aspecto normativo nesse sentido “fica claro na
regulamentação do uso de trabalho como um fator de
produção em sentido econômico. O compromisso com a força
de trabalho inclui uma obrigação de trabalhar eficientemente
dentro das condições legítimas de emprego” (p.30).
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Métodos de integração em sociedades cada vez
mais diferenciados
O sistema jurídico
Direito: “código geral que regula a ação das
unidades de uma sociedade que, para elas, define
a situação”. (p.31).
Sistemas jurídicos modernos: componentes
constitucionais escritos (EUA) e não-escritos (Grã-
Bretanha) (p.31).
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Participação na Comunidade Societária
“O governo não pode simplesmente ‘governar’,
mas precisa ser legitimado para governar uma
comunidade relativamente comprometida, ao
assumir responsabilidades pela manutenção de
sua ordem normativa” (p.33).
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Participação na Comunidade Societária / Cidadania
1a fase: modelo legal ou civil que definia a fronteira entre a
comunidade societária e o governo.
2a fase: participação nos problemas públicos,
institucionalização do direito ao voto.
3a fase: caracterizada pelo interesse “social” pelo “bem-
estar” dos cidadãos (responsabilidade pública sobre a saúde
e educação para a população).
“É notável que a difusão da educação para círculos cada vez
mais amplos da população, bem como a elevação dos níveis
da educação, tenham estado muito ligadas ao
desenvolvimento complexo de cidadania” (p.35).
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Comunidade Societária, Sistemas de Mercado e
Organização Burocrática
“A categoria econômica refere-se, acima de tudo, ao
desenvolvimento de mercados e a instrumentos
monetários essenciais às funções que, como já notamos,
pressupõem a institucionalização sob novas formas de
contrato e relações de propriedade. Por isso, dependem
dos ‘direitos’ de cidadania, pois uma economia que seja
puramente ‘administrada’ por repartições ou pelo governo
central violaria a liberdade de grupos particulares para
participar, autonomamente, de transações de mercado”
(p.35).
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Organização de associações
Tendências das associações
• Busca de igualitarismo manifestado pela
cidadania
• “Livre arbítrio” (decisão para aceitar e
conservar a participação).
• Importância das instituições processuais.
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Associações
“Juntamente com o desenvolvimento de
associação no governo, tem havido uma
grande proliferação de associações em
outros setores da sociedade. Os partidos
políticos se ligam aos processos
governamentais, mas também a muitos tipos
de ‘grupos de interesse’ associados, os
quais, quase todos representam diferentes
coletividades operativas” (p.30).
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Processos de mudança evolutiva
Diferenciação (interação conjunta)
Ascenção adaptativa
Inclusão
Generalização (na aplicação a sistemas sociais
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Processos de mudança evolutiva
Diferenciação (interação conjunta) “É a divisão de uma
unidade ou estrutura num sistema social, em duas ou
mais unidades ou estruturas que diferem em suas
características e significação funcional para o sistema”
(p.40).
Ascenção adaptativa: “é o processo pelo qual uma
amplitude maior de recursos se torna disponível para
as unidades sociais, de forma que seu funcionamento
pode ser liberado de alguma das restrições de seus
predecessores”(p.40).
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Processos de mudança evolutiva
Inclusão: “A maior complexidade de um sistema que passa por
diferenciação e ascensão necessariamente apresenta problemas de
integração. De modo geral, tais problemas só podem ser
enfrentados pela inclusão de novos mecanismos, unidades e
estruturas no esquema normativo da comunidade societária (p.40).
Generalização (na aplicação a sistemas sociais): Os processos de
diferenciação, de ascensão e inclusão “precisam ser
complementados por generalização de valor, para que as várias
unidades da sociedade conquistem legitimação adequada e modos
de orientação para seus novos padrões de ação. (...) Quando a rede
de situações socialmente estruturadas se torna mais complexa, o
padrão de valor precisa ser apoiado num nível mais elevado de
generalidade, a fim de assegurar estabilidade social” (p.40).
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS

Discute o desenvolvimento da inovação
cultural nas pequenas sociedades
 “ germinativas” de Israel e Grécia da
Antiguidade.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Seu foco foi o Cristianismo. Como um sistema
cultural , o cristianismo revelou-se capaz de, a
longo prazo, absorver componentes fundamentais
da cultura secular da Antiguidade e de forma
matriz a partir da qual foi possível a diferenciação
de uma nova ordem de cultural secular.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 Onde se incluem seus componentes seculares -
pôde conservar diferenciação mais claras e
coerente, em relação aos sistemas sociais com os
quais tinham relações de interdependências, do
que as culturas antecedentes.
 Por causa dessa diferenciação com relação à
sociedade, a cultura cristã passou a servir como
uma força inovadora mais eficiente no
desenvolvimento do sistema sociocultural total
do que qualquer outro complexo cultural até
então criado.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Nesta perspectivas, o Império Romano adquire uma dupla
significação para a nossa análise.
⇚⇛ Em primeiro lugar, constituía o principal ambiente social em que
o cristianismo se desenvolveu.
Como a sociedade romana tinha um imenso debito com relação à
civilização grega a influencia grega entrou no sistema moderno , não
apenas “culturalmente”, através da teologia cristã e da cultura secular
do Renascimento, mas através da estrutura da sociedade romana,
sobretudo no oriente , onde as classes educadas continuaram
helenizadas depois da conquista por Roma.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 ⇚⇛Em segundo lugar, o legado das instituições romanas
foi incorporando aos fundamentos do mundo moderno;
 Começaremos esta análise com esquemas das duas “pontes”
sociais básicas entre o mundo antigo e o moderno: o
cristianismo e algumas instituições do Império romano.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
O Cristianismo surgiu como um movimento de
seita no judaísmo da Palestina. No entanto ele
rompeu com essa sociedade étnica e religiosa:
o acontecimento decisivo foi a decisão de Paulo
de que o gentio poderia tornar-se cristão sem
juntar-se à comunidade judaica e sem obter o
direito judaico.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 se desenvolveu como um grupo religioso
associativo independente de qualquer comunidade.
 Sua missão foi com os mais humildes – artesãos,
pequenos comerciantes e assim por adiante – que
não estavam ligados pelo tradicionalismo de
grupos camponeses e nem por interesses
adquiridos das classes superiores no status quo.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 Que foi mais do que um profeta . Cristo é humano
e divino – o único filho criado por Deus Pai, mas
também um homem de carne e sangue.
 Trindade – as três pessoas – Uma ordenação
teológica que não existiam no judaísmo profético.
Foi aqui que a cultura grega apresentou
contribuição decisiva.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 Os teólogos cristãos do século III ( sobretudo os
padres alexandrinos Orígenes e Clemente )
mobilizaram recursos muito desenvolvidos da
filosofia, para lidar com tais problemas intelectuais
complexos.
 A indiferença cristã em relação aos interesses
mundanos foi posta a prova, à medida eu a
população era convertida.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
No século IV Constantino se converteu e adotou o
cristianismo como religião do Estado. A partir daí a
Igreja tornou se instrumento da autoridade política
secular.
É significativo que, nessa época, se tenha
estabelecido o monasticismo.
O movimento monástico estabeleceu outro tipo de
movimento “ germinativo” dentro do cristianismo,
exercendo uma grande e crescente influencia ,
tanto na igreja e na sociedade.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 A estruturação institucional da missão para o
mundo, em que o monasticismo
desempenhou por toda a parte um papel
importante, passou a ligar-se
fundamentalmente, com amplo processo de
diferenciação entre o ramo ocidental e o
ramo oriental da igreja.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 Em primeiro lugar, uma parte muito legitima
foi estabelecida no nível teológico mais
elevado, par a “cidade dos homens” distinta
da “cidade de Deus”.
 Em segundo lugar ,com o estabelecimento da
ordem beneditina, o monasticismo ocidental
passou a ter interesse muito maior para os
problemas do mundo.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 Em terceiro lugar, a organização da Igreja foi
consolidada através dos sacramentos. O
sacerdócio foi transformado em cargo.
 O legado Institucional de Roma
 A legitimação do Regime de Carlos Magno
gerou em tornou da sua relação com a Igreja.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 Dentro deste esquema institucional a grande
síntese medieval se caracterizou por
diferenciação entre igreja e estado – no
sentido medieval do termo. Essa
diferenciação chegou a ser definida como
existente entre as armas espirituais e
temporais da missão cristã.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 A Igreja adotou grande parte do Direito
Romano para a regulamentação de seus
problemas, através do Direito Canônico.
 Base territorial das institucional é um
componente fundamental das sociedades
modernas que deve mais ao legado romano
do que a qualquer outra fonte.
 Um legado institucional básico do mundo
antigo foi o modelo de organização
municipal.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 A sociedade Medieval
 O período muito consideravel de
desenvolvimento desigual e de transição
entre o fim da Idade Média e a primeira
cristalização da sociedade moderna, resultou
, em grande parte, da sutil combinação, na
sociedade medieval, de aspectos que
favoreciam a modernização e de aspectos
basicamente incompatíveis com a
modernidade.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 A tendência geral do feudalismo era a
eliminação de uma base universalista de
ordem, em favor de lealdades particularistas,
originalmente “tribais” e locais.
 Para os camponeses o sistema feudal
estabeleceu a sujeição hereditária através da
instituição da servidão.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 A organização territorial do estado,
estreitamente ligada ao principio da
monarquia, ganhava constantemente
importância, embora de maneira desigual.
 Em seu desenvolvimento completo, a
aristocracia foi um fenômeno do fim da Idade
Media.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 Admitimos que , em termos gerais, a
estrutura social da igreja era a principal ponte
institucional entre a sociedade ocidental
antiga e a moderna.
 A natureza do componente religiosos na
organização urbana se demonstrava, de
maneira mais tangível, pela catedral, que
nunca era apenas um edifício; era uma
instituição que, tanto como sede do bispado
e como foco do cabido da catedral.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 Principal inovação de Gregório foi sua
insistência quanto ao celibato do clero
secular.
 Qualquer fosse a moralidade sexual dos
padres seculares não poderiam ter herdeiros.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 A Diferenciação do Sistema Europeu
 O ambiente social do sistema europeu
consistia de relações com outras sociedades,
e que variavam muito de acordo com a
localização geográfica.
 A Espanha ocupada pelos os mouros durante
maior parte do Império Medieval;
 Os poloneses , os ciganos e os croatas se
tornaram fundamentalmente católicos.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 Portanto havia uma ampla diferença
Ocidente-Oriente nos ambientes limítrofes da
Europa.
 A Italia desempenhou um papel especifico na
constituição da sociedade medieval –
continha a sede da Igreja católica – maior
área de influencia católica.
 As instituições romanas estavam mais
firmemente enraizadas na Itália e, por isso ,
puderam recuperar-se mais rapidamente
depois de um mínimo de feudalismo.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 Renascimento e a Reforma
 O renascimento provocou uma cultura secular
muito desenvolvida que se diferenciava da
matriz fundamentalmente religiosa.
 A arte renascentista voltou-se cada vez mais
para temas seculares
 O Renascimento não foi, fundamentalmente,
um movimento de síntese; ao contrário foi
um período de rápida inovação cultural
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 Inicio do sistema de sociedades modernas
século XVII na comunidade societária,
sobretudo a significação da religião para a
legitimação da sociedade.
 Depois de a Reforma ter destruído a unidade
religiosa da cristandade ocidental, surgiu
uma divisão relativamente estável - um eixo
norte-sul
 A Contra Reforma impôs uma aliança muito
estreita entre a Igreja e Estado.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 O resultado do conflito entre Reforma e
contra Reforma foi um duplo passo para a
pluralização e a diferenciação. A ala anglo-
holandesa era mais adiantada, precursora do
futuro.
 A pluralização religião era parte de um
processo de diferenciação entre sistema
cultural e o societário, capaz de reduzir a
rigidez e a sua interpenetração.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 De modo geral, nesse período a cultura
secular encontrava no protestantismo um
solo mais adequado do que o catolicismo.
 A Região Noroeste da Europa
 A Inglaterra, a França e a Holanda, cada uma
delas de uma forma diferente, assumiram a
liderança do sistema de poder no século XVII
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 Essas três nações foram as “ pontas de
lanças” da modernidade inicial.
 Religião e a Comunidade Societária
 Na Inglaterra do século XVII, a diferenciação
do sistema religioso com relação à
comunidade societária não poderia ocorrer
sem a grande participação na política.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 Quanto a tolerância religiosa, a Holanda do
século XVII foi consideralvemente mais longe
do que na Inglaterra.
 A França de maneira ainda mais radical do
que a Holanda, não conseguiu resolver o seu
problema religioso.
 O resultado da grande luta da reforma foi a
vitória do cristianismo romano e a supressão
do movimento protestante.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 O Governo e a Comunidade Societária
 Na realidade , a filiação religiosa e a étnica
foram bases primárias em que a sociedade
européia se dividiu em unidades territoriais
políticas no inicio da época moderna.
 Dentro de uma comunidade societária , as
diferenças regionais e étnicas são atravessadas
por eixos verticais de diferenciação baseada em
poder prestigio e riqueza.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 A Economia e a Comunidade Societária
 Em primeiro lugar, tinha diminuído a
proporção de camponeses que eram
rendeiros individuais ou mesmo proprietário
independentes.
 Em segundo lugar, as classes proprietária de
terras tendiam a “desfeudalizar-se.”
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 Conclusão
 Nossa principal tese é que a Inglaterra tinha-se
tornado, por volta dos fins do século XVII a
sociedade mais diferenciada no sistema europeu
tendo avançado mais nessa direção, do que
qualquer sociedade anterior
 Na Inglaterra o compromisso religioso especifico
estava diferenciado do consenso moral ao nível
societário.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
 Surge um compromisso comum com valor de
conhecimento racional do mundo.
 O século XVII foi um período de consideravel
progresso econômico.
 Houve aumentos progressivos na “ extensão
de mercado” tanto na interna quanto
externamente, para cada unidade Política.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
A Revolução Industrial
No século XVIII ocorreram mudanças denominadas revolução
industrial e revolução democrática. A primeira na Grã-Bretanha e
a segunda na França, 1789.
A revolução industrial fazia parte da tendência ativista de valor,
pois grandes aumentos de produtividade econômica exigiam
extraordinária extensão de divisão de trabalho social. Assim,
pode-se ver mudanças tecnológicas, econômicas e sociais.
A chave estrutural para a revolução industrial é a extensão do
sistema de mercado e diferenciação no setor econômico da
estrutura social.
A organização ou companhia fica entre o trabalhador e o mercado
de consumo.
O governo e a economia são interdependente, a qual inclui o
intercâmbio de dinheiro e poder entre o sistema de mercado e o
sistema de organização formal.
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
A Revolução Democrática
Foi parte do processo de diferenciação entre o governo e a
comunidade societária.
Teve como acontecimento determinante a Revolução Francesa,
cujo slogan Liberté, Égalité, Fraternité, representava a nova
concepção de comunidade.
Thomas Marshall analisou a igualdade de participação por meio
de três componentes básicos: civil, político e social.
Com relação a Revolução Francesa o primeiro componente de
igualdade é a universalidade do eleitorado. O segundo
representa certa forma de igualdade de condição social como
um aspecto de justiça social e, o terceiro, sugere uma síntese
das outras duas, em certo sentido é corporificação final das
consequências.
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
A revolução industrial e democrática
enfraqueceram as instituições do sistema moderno
inicial. A primeira estimulou a economia e a
segunda a administração.
Os Estados Unidos constituíram um solo fértil,
tanto para a revolução democrática quanto para a
industrial.
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
A estrutura da Comunidade Societária
O pluralismo religioso das treze colônias e a
cultura racionalista, influenciada pelo Iluminismo,
preparam o ambiente para a primeira Emenda
Constitucional.
Este pluralismo formou a base da tolerância e
inclusão de elementos não-protestantes. A
educação secular teve um papel definitivo para
essa característica.
A população norte-americana era em sua maioria
não-aristocrática em sua origem, e não criou uma
aristocracia.
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Também não possuía uma classe industrial,
como o nível de consciência de classe do
operariado industrial europeu.
Os negros ainda estão no primeiro estágio de
inclusão.
A língua é um foco decisivo para a
participação étnica. É difícil ver como os
interesses católicos romanos poderiam ter
sido defendidos se a população com essa
religião se dividisse em grupo de fala
diferente.
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Por isso, os Estados Unidos conservaram o inglês como a
língua comum da comunidade societária sem um
sentimento difuso de que represente a imposição de
uma hegemonia anglo-saxônica.
A nação independente optou por uma forma republicana
de governo ligada a comunidade societária por meio da
eleição.
A comunidade societária deve ser articulada com os
sistemas religiosos e políticos, assim como também com
a economia.
O esquema constitucional acentua muito os critérios
universalistas de cidadania, que se desenvolveu em
estreita ligação com a revolução democrática e, em
linhas gerais, com o esquematizado por Marshall para a
Grã-Bretanha.
 Assim, parece correto dizer, que pelo menos em
princípio, a nova comunidade societária passou a
ser definida como sociedade de iguais e, se
comparada com as sociedade medievais, assume
um caráter totalmente novo.
 Um aspecto desta nova sociedade é difusão da
educação primária. Assim, um aspecto básico da
revolução educacional foi a contínua extensão da
educação, para além da alfabetização básica,
para toda a população. Decorre daí, a expansão
da educação secundária.
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
A acentuação dada, nos Estados Unidos a um
padrão associativo de desenvolvimento, favoreceu
a imitação inicial da revolução educacional e
extensão maior do que em qualquer outra
sociedade.
O princípio hereditário foi lentamente afastado. O
século XX inaugurou uma nossa fase na transição
de estratificação hereditária atribuída para a
estratificação totalmente não-atribuída.
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Nesse contexto, temos: na revolução industrial a
ideologia exaltava a busca de interesse pessoal
par ao progresso econômico; na revolução
democrática havia a ideologia da igualdade
política entre os cidadãos e na revolução
educacional há uma sintetização das outras duas
a partir da igualdade de oportunidades e
igualdade na cidadania.
A revolução educacional proporciona a ascensão
geral. A profissão liberal, é por excelência, a
acadêmica, isto é, a que pretende transmitir o
conhecimento.
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Manutenção de Padrão e Comunidade Societária
A manutenção do padrão é exigência de qualquer
sociedade. Dentro dele está, em primeiro lugar, a
manutenção dos valores institucionalizados e, em segundo,
a conformação dos compromissos motivacionais adequados
de indivíduos na sociedade.
A sociedade norte-americana e, em formas pouco diversas
outras sociedades modernas, mantém intensos
compromissos morais que sobreviveram ao pluralismos
religioso e à secularização e forma até fortalecidos por
esses dois movimentos.
A dependência da família para status ou renda, com relação
ao que ganha na profissão, dá valor muito grande a
mobilidade de residência.
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
É os sistema educacional e não a família, que
cada vez mais serve como fonte direta de
trabalho para a economia. Também é o
sistema educacional e não a família, que
cada vez mais determina a distribuição dos
indivíduos no sistema de estratificação.
A revolução educacional é o clímax de
mudanças semelhantes entre a comunidade
societária e o sistema de manutenção de
padrão e, por meio deste, o sistema cultural.
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
O Governo e a Comunidade Societária
Quando o cargo eletivo é um complemente da
cidadania, o governo se diferencia da
comunidade societária, e os membros dessa
comunidade se tornam eleitores.
A escolha entre a centralização que acentua a
eficiência coletiva e a descentralização, que
permite a “representatividade”, liberdade de
expressão e realização de interesses para os
grupos, é um dilema geral para as associações
democráticas.
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
A difusão da burocracia tanto particular quanto
pública, tem sido um sinal distintivo da última fase de
modernização na Europa do século XIX.
As profissões liberais participam cada vez mais da
área comercial, outras áreas do setor privado e do
governo.
Hoje o padrão colegiado talvez seja mais
integralmente institucionalizado no mundo acadêmico
que, ao contrário do que muitos pensam, não dá lugar
à burocratização, embora a educação superior tenha
recentemente passado por uma expansão
extraordinária.
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
gisele
“Ao passar para a fase contemporânea , a
economia se afastou do modelo clássico,
delineado na ideologia capitalista do século XlX.”
(p.130)
Se encontra sujeita não apenas ao controle
institucional, mas também a sistema de coerção,
regulamentação, contratos, práticas
oligopolistas, e redistribuição de recursos através
de impostos.
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
“O sistema de mercado é ainda subsistema
autônomo e diferenciado da sociedade norte-
americana”. (p. 130)
“Sob dois aspectos o padrão norte americano de capitalismo foi
bem sucedido.” (p. 130)
• O programa de elevados salários instituídos por Henry Ford
sem pressão dos sindicatos.
• A utilização do conhecimento cientifico para a produção
industrial ( apesar de este ter surgido inicialmente na
Alemanha).
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Também fortaleceram o crescimento econômico nos EUA:
Sistema jurídico
Sistema baseado em emprego e não na propriedade
Mão de obra feminina
Movimento sindical democratizado diferente do movimento
socialista.
Funções de competência e responsabilidades estimulados pela
educação, principalmente aumentando do numero de pessoas na
educação superior.
Maior consumo de bens.
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
“O novo tipo de comunidade societária dos
Estados Unidos, mais do que qualquer outro
fator isolado, justifica que lhe demos a
primazia na ultima fase de modernização. [...]
Institucionalizou uma amplitude muito maior
de liberdade do que qualquer sociedade
anterior” [...] (p. 139)
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
“Evidentemente, existem deficiências
importantes. Uma delas é certamente a guerra,
ou o perigo de guerra [...]
No entanto, existe um contexto claro em que o
problema de igualdade-justiça é central nos
Estados Unidos: a existência de considerável
pobreza, combinada com a grande maioria
negra [...]” ( p. 140)
A “burocracia” tornou-se um proeminente
símbolo negativo [...] (p.141)
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
O autor fala das 3 revoluções na sociedade
moderna: Revolução Francesa, Revolução
Industrial e a revolução educacional. Essa ultima
cita o autor que os estudantes da nova esquerda
( New Left) desempenharam um papel análogo
de revolução.
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
“O principio da igualdade chegou a um novo nível de
difusão e generalidade. [...] Uma comunidade
societária composta basicamente por iguais parece
ser o “fim da linha” no longo processo de destruição
da legitimidade de algumas bases antigas e
particularistas de atribuição de participação.
Algumas ideologias radicais atualmente muito
aceitas parecem exigir que a igualdade autentica
elimine totalmente todas as distinções hierárquicas
de status [...]” (p. 144)
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
A principal direção do
desenvolvimento societário moderno
encaminha-se para o padrão
essencialmente novo de estratificação
[...] portanto os resultados diferentes
do processo educacional competitivo
deve ser legitimado através de
interesse societário”. [ p. 145]
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
“[...] o direito de censurar os norte
americanos por sua insensibilidade no
tratamentos dos negros, ou que pequenos
países independentes bradem contra o
imperialismo. Deste ponto de vista, a
institucionalização inter-societária de um
novo sistema de valores, onde se inclui sua
significação para a estratificação, se torna
decisivo.” (p. 147)
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
A União Soviética
-ditadura do proletariado.
-revolução industrial diminuiu seu ritmo de
crescimento.
-poucos aspectos da revolução democrática.
- Regime czarista maior do que qualquer relação
igreja-estado do ocidente.
- Emprego e liberdade restritas.
- Desigualdade
- Família , divorcio, poupança.
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
- Sistema de decisões hierárquicas
substituiu o mercado.
- Dificuldade entre o direito do governo e o
direito do cidadão.
- Embora universalizou o direito ao voto,
esse se restringe ao sim e não. O partido
sua liderança é auto-escolhida.
- Instabilidades intrínsecas na ditadura do
partido comunista.
- Embora a educação formal atingisse uma
minoria com seu esforço atingiu a
educação de massa e esta entre os mais
educados países do mundo moderno.
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
A Nova Europa
-A França, o foco original da revolução democrática,
ficou para traz na revolução industrial.
- Embora a Alemanha tenha sido pioneira na
previdência social e tenha sido a sede de
movimentos sindicais ativos, sua revolução
democrática foi retardada e limitada as
oportunidades para educação superior.
- O novo sistema democrático alemão depois de 15
anos deu lugar ao movimento nazista, que parece
ter sido somente uma perturbação sociopolítica.
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
- As relações franco-alemãs foram nucleares para as
perturbações que iniciaram as 2 guerras mundiais.
- França, Alemanha e Itália intelectuais proeminentes
ligados a aristocracia e a igreja.
- Embora a revolução industrial e a revolução
democrática ainda sejam fortes na nova Europa,
revolução educacional será a mais importante.
- A inquietação estudantil surgiu tanto nas
sociedades capitalistas quanto nas sociedades
socialistas.
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Modernização das Sociedades Não – Ocidentais
-Japão se tornou modernizado sem cultura ou população
europeia.
-Regime tolerava concentração de renda nas firmas
zaibatsu.
- Apesar de ajustamento entre elementos autóctones e
os estrangeiros criou-se grave tensão.
- Depois da guerra, sob influencia dos EUA criou regime
parlamentar democrático.
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
O declínio dos impérios colonialistas a
partir da guerra fria, criou um clima para o
aparecimento do bloco do terceiro mundo,
como fator de estabilidade no mundo e na
difusão do modernismo. (p. 166)
Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
Os Sistemas da Sociedades Modernas
TALCOTT PARSONS
Parsons - O Sistema das Sociedades Modernas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Marxismo
MarxismoMarxismo
Elementos da teoria da estruturação
Elementos da teoria da estruturaçãoElementos da teoria da estruturação
Elementos da teoria da estruturação
Arare Carvalho Júnior
 
Teoria da Burocracia
Teoria da BurocraciaTeoria da Burocracia
Teoria da Burocracia
Eliseu Fortolan
 
Aula 05 escola de frankfurt e teoria crítica 01
Aula 05   escola de frankfurt e teoria crítica 01Aula 05   escola de frankfurt e teoria crítica 01
Aula 05 escola de frankfurt e teoria crítica 01
Elizeu Nascimento Silva
 
A antropologia
A antropologiaA antropologia
A antropologia
lukinha10
 
Teoria crítica apresentação
Teoria crítica apresentaçãoTeoria crítica apresentação
Teoria crítica apresentação
Paulo Bastos
 
Indivíduo e sociedade
Indivíduo e sociedadeIndivíduo e sociedade
Indivíduo e sociedade
Silvia Cintra
 
Clássicos da sociologia
Clássicos da sociologiaClássicos da sociologia
Clássicos da sociologia
Luciano Carvalho
 
Pierre bourdieu – uma introdução
Pierre bourdieu – uma introduçãoPierre bourdieu – uma introdução
Pierre bourdieu – uma introdução
Marcio Neske
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl Marx
Gabriel Resende
 
Sociologia: Ciência x Senso comum
Sociologia: Ciência x Senso comumSociologia: Ciência x Senso comum
Sociologia: Ciência x Senso comum
Cintia Dozono
 
Aula 1 o que é antropologia
Aula 1   o que é antropologiaAula 1   o que é antropologia
Aula 1 o que é antropologia
Fábio Nogueira, PhD
 
Aula 3 - Durkheim
Aula 3 - DurkheimAula 3 - Durkheim
Aula 3 - Durkheim
Mauricio Serafim
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
O fracasso do iluminismo e da modernidade na construção da felicidade e do p...
O  fracasso do iluminismo e da modernidade na construção da felicidade e do p...O  fracasso do iluminismo e da modernidade na construção da felicidade e do p...
O fracasso do iluminismo e da modernidade na construção da felicidade e do p...
Fernando Alcoforado
 
Max weber-Educação, racionalização e burocratização em Weber
Max weber-Educação, racionalização e burocratização em WeberMax weber-Educação, racionalização e burocratização em Weber
Max weber-Educação, racionalização e burocratização em Weber
Ivone Bezerra
 
Escritos de educação por Pierre Bourdieu
Escritos de educação por Pierre BourdieuEscritos de educação por Pierre Bourdieu
Escritos de educação por Pierre Bourdieu
Governo do Estado de São Paulo
 
Teoria Crítica
Teoria CríticaTeoria Crítica
Teoria Crítica
Beatriz Schnaider Tontini
 
Apresentação metodologia científica
Apresentação metodologia científicaApresentação metodologia científica
Apresentação metodologia científica
Cintia Nogueira de Carvalho
 
Resumo do livro o que é sociologia
Resumo do livro o que é sociologia  Resumo do livro o que é sociologia
Resumo do livro o que é sociologia
Maira Conde
 

Mais procurados (20)

Marxismo
MarxismoMarxismo
Marxismo
 
Elementos da teoria da estruturação
Elementos da teoria da estruturaçãoElementos da teoria da estruturação
Elementos da teoria da estruturação
 
Teoria da Burocracia
Teoria da BurocraciaTeoria da Burocracia
Teoria da Burocracia
 
Aula 05 escola de frankfurt e teoria crítica 01
Aula 05   escola de frankfurt e teoria crítica 01Aula 05   escola de frankfurt e teoria crítica 01
Aula 05 escola de frankfurt e teoria crítica 01
 
A antropologia
A antropologiaA antropologia
A antropologia
 
Teoria crítica apresentação
Teoria crítica apresentaçãoTeoria crítica apresentação
Teoria crítica apresentação
 
Indivíduo e sociedade
Indivíduo e sociedadeIndivíduo e sociedade
Indivíduo e sociedade
 
Clássicos da sociologia
Clássicos da sociologiaClássicos da sociologia
Clássicos da sociologia
 
Pierre bourdieu – uma introdução
Pierre bourdieu – uma introduçãoPierre bourdieu – uma introdução
Pierre bourdieu – uma introdução
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl Marx
 
Sociologia: Ciência x Senso comum
Sociologia: Ciência x Senso comumSociologia: Ciência x Senso comum
Sociologia: Ciência x Senso comum
 
Aula 1 o que é antropologia
Aula 1   o que é antropologiaAula 1   o que é antropologia
Aula 1 o que é antropologia
 
Aula 3 - Durkheim
Aula 3 - DurkheimAula 3 - Durkheim
Aula 3 - Durkheim
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl Marx
 
O fracasso do iluminismo e da modernidade na construção da felicidade e do p...
O  fracasso do iluminismo e da modernidade na construção da felicidade e do p...O  fracasso do iluminismo e da modernidade na construção da felicidade e do p...
O fracasso do iluminismo e da modernidade na construção da felicidade e do p...
 
Max weber-Educação, racionalização e burocratização em Weber
Max weber-Educação, racionalização e burocratização em WeberMax weber-Educação, racionalização e burocratização em Weber
Max weber-Educação, racionalização e burocratização em Weber
 
Escritos de educação por Pierre Bourdieu
Escritos de educação por Pierre BourdieuEscritos de educação por Pierre Bourdieu
Escritos de educação por Pierre Bourdieu
 
Teoria Crítica
Teoria CríticaTeoria Crítica
Teoria Crítica
 
Apresentação metodologia científica
Apresentação metodologia científicaApresentação metodologia científica
Apresentação metodologia científica
 
Resumo do livro o que é sociologia
Resumo do livro o que é sociologia  Resumo do livro o que é sociologia
Resumo do livro o que é sociologia
 

Destaque

A Família em Parsons
A Família em ParsonsA Família em Parsons
A Família em Parsons
Marlos Martins
 
Talcott Parsons
Talcott ParsonsTalcott Parsons
Talcott Parsons
Mónica Quintero
 
Sistema social
Sistema socialSistema social
Sistema social
Ronnie Flowers
 
Conflito e Ação Social
Conflito e Ação SocialConflito e Ação Social
Conflito e Ação Social
Celso Napoleon
 
Teóricos da sociologia trabalho pedro josé
Teóricos da sociologia trabalho pedro joséTeóricos da sociologia trabalho pedro josé
Teóricos da sociologia trabalho pedro josé
Dougjesuspri
 
Parsons power point 1
Parsons power point 1Parsons power point 1
Talcott Parsons
Talcott ParsonsTalcott Parsons
Talcott Parsons
Paul Richardson
 
Mannheim gramsci bourdieu (1)
Mannheim gramsci bourdieu (1)Mannheim gramsci bourdieu (1)
Mannheim gramsci bourdieu (1)
Alexsandra Santana
 
O estado e o espaço geográfico
O estado e o espaço geográficoO estado e o espaço geográfico
O estado e o espaço geográfico
Alexandre Quadrado
 
La mancha de grasa
La mancha de grasaLa mancha de grasa
La mancha de grasa
Francisco Rojas Jiménez
 
Durkheim (1)
Durkheim (1)Durkheim (1)
Durkheim (1)
Alexsandra Santana
 
Apresentação: Papel e sistema social
Apresentação: Papel e sistema socialApresentação: Papel e sistema social
Apresentação: Papel e sistema social
Pedro Saraiva
 
O Estado E A ProduçãO Do EspaçO
O Estado E A ProduçãO Do EspaçOO Estado E A ProduçãO Do EspaçO
O Estado E A ProduçãO Do EspaçO
Almir
 
El sistema-social-talcott-parsons
El sistema-social-talcott-parsonsEl sistema-social-talcott-parsons
El sistema-social-talcott-parsons
Karen Caceres
 
UNA MANCHA DE GRASA - ANALISIS IRMA REYES RICRA
UNA MANCHA DE GRASA - ANALISIS IRMA REYES RICRAUNA MANCHA DE GRASA - ANALISIS IRMA REYES RICRA
UNA MANCHA DE GRASA - ANALISIS IRMA REYES RICRA
IRMA REYES RICRA
 
12 análisis del video la mancha de grasa
12 análisis del video la mancha de grasa12 análisis del video la mancha de grasa
12 análisis del video la mancha de grasa
Alma Hernandez
 
Sociedade moderna e estado 7ano
Sociedade moderna e estado 7anoSociedade moderna e estado 7ano
Sociedade moderna e estado 7ano
Joao Paulo
 
Trabalho na sociedade moderna capitalista
Trabalho na sociedade moderna capitalistaTrabalho na sociedade moderna capitalista
Trabalho na sociedade moderna capitalista
Douglas Barreto
 
Marx a educacao para a sociologia c
Marx a educacao para a sociologia cMarx a educacao para a sociologia c
Marx a educacao para a sociologia c
Alexsandra Santana
 
O Estado e o Espaço Geográfico.
O Estado e o Espaço Geográfico.O Estado e o Espaço Geográfico.
O Estado e o Espaço Geográfico.
secretaria estadual de educação
 

Destaque (20)

A Família em Parsons
A Família em ParsonsA Família em Parsons
A Família em Parsons
 
Talcott Parsons
Talcott ParsonsTalcott Parsons
Talcott Parsons
 
Sistema social
Sistema socialSistema social
Sistema social
 
Conflito e Ação Social
Conflito e Ação SocialConflito e Ação Social
Conflito e Ação Social
 
Teóricos da sociologia trabalho pedro josé
Teóricos da sociologia trabalho pedro joséTeóricos da sociologia trabalho pedro josé
Teóricos da sociologia trabalho pedro josé
 
Parsons power point 1
Parsons power point 1Parsons power point 1
Parsons power point 1
 
Talcott Parsons
Talcott ParsonsTalcott Parsons
Talcott Parsons
 
Mannheim gramsci bourdieu (1)
Mannheim gramsci bourdieu (1)Mannheim gramsci bourdieu (1)
Mannheim gramsci bourdieu (1)
 
O estado e o espaço geográfico
O estado e o espaço geográficoO estado e o espaço geográfico
O estado e o espaço geográfico
 
La mancha de grasa
La mancha de grasaLa mancha de grasa
La mancha de grasa
 
Durkheim (1)
Durkheim (1)Durkheim (1)
Durkheim (1)
 
Apresentação: Papel e sistema social
Apresentação: Papel e sistema socialApresentação: Papel e sistema social
Apresentação: Papel e sistema social
 
O Estado E A ProduçãO Do EspaçO
O Estado E A ProduçãO Do EspaçOO Estado E A ProduçãO Do EspaçO
O Estado E A ProduçãO Do EspaçO
 
El sistema-social-talcott-parsons
El sistema-social-talcott-parsonsEl sistema-social-talcott-parsons
El sistema-social-talcott-parsons
 
UNA MANCHA DE GRASA - ANALISIS IRMA REYES RICRA
UNA MANCHA DE GRASA - ANALISIS IRMA REYES RICRAUNA MANCHA DE GRASA - ANALISIS IRMA REYES RICRA
UNA MANCHA DE GRASA - ANALISIS IRMA REYES RICRA
 
12 análisis del video la mancha de grasa
12 análisis del video la mancha de grasa12 análisis del video la mancha de grasa
12 análisis del video la mancha de grasa
 
Sociedade moderna e estado 7ano
Sociedade moderna e estado 7anoSociedade moderna e estado 7ano
Sociedade moderna e estado 7ano
 
Trabalho na sociedade moderna capitalista
Trabalho na sociedade moderna capitalistaTrabalho na sociedade moderna capitalista
Trabalho na sociedade moderna capitalista
 
Marx a educacao para a sociologia c
Marx a educacao para a sociologia cMarx a educacao para a sociologia c
Marx a educacao para a sociologia c
 
O Estado e o Espaço Geográfico.
O Estado e o Espaço Geográfico.O Estado e o Espaço Geográfico.
O Estado e o Espaço Geográfico.
 

Semelhante a Parsons - O Sistema das Sociedades Modernas

Sociologia Completo.pptx
Sociologia  Completo.pptxSociologia  Completo.pptx
Sociologia Completo.pptx
RonaldOliveira47
 
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 04 - Co...
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 04 - Co...FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 04 - Co...
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 04 - Co...
Jordano Santos Cerqueira
 
Sociologia introducao as teorias sociologicas
Sociologia   introducao as teorias sociologicasSociologia   introducao as teorias sociologicas
Sociologia introducao as teorias sociologicas
Gustavo Soares
 
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 08 - Re...
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 08 - Re...FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 08 - Re...
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 08 - Re...
Jordano Santos Cerqueira
 
Marshall, t. h. cidadania classe-social-e-status
Marshall, t. h. cidadania classe-social-e-statusMarshall, t. h. cidadania classe-social-e-status
Marshall, t. h. cidadania classe-social-e-status
AleSantos24
 
MARSHALL, T. H. Cidadania-Classe-Social-e-Status.pdf
MARSHALL, T. H. Cidadania-Classe-Social-e-Status.pdfMARSHALL, T. H. Cidadania-Classe-Social-e-Status.pdf
MARSHALL, T. H. Cidadania-Classe-Social-e-Status.pdf
OzimarBovi
 
Fatos sociais
Fatos sociaisFatos sociais
Fatos sociais
Analia
 
3EM_Aula 1 - Sociologia uma ciência da sociedade.pptx
3EM_Aula 1 - Sociologia uma ciência da sociedade.pptx3EM_Aula 1 - Sociologia uma ciência da sociedade.pptx
3EM_Aula 1 - Sociologia uma ciência da sociedade.pptx
SamaraDosSantosCarva1
 
201 sociologia
201 sociologia201 sociologia
201 sociologia
rosilane32
 
Funcionalismo sistêmico read
Funcionalismo sistêmico readFuncionalismo sistêmico read
Funcionalismo sistêmico read
R D
 
A Sociologia é uma ciência que estuda as sociedades humanas e os processos qu...
A Sociologia é uma ciência que estuda as sociedades humanas e os processos qu...A Sociologia é uma ciência que estuda as sociedades humanas e os processos qu...
A Sociologia é uma ciência que estuda as sociedades humanas e os processos qu...
Anderson Silva
 
Atrigo. sociologia1 original
Atrigo. sociologia1 originalAtrigo. sociologia1 original
Atrigo. sociologia1 original
Gil Salles
 
Definição de sociologia
Definição de sociologia Definição de sociologia
Definição de sociologia
Matheus Bolzan
 
Sociologia Marx
Sociologia Marx Sociologia Marx
Sociologia Marx
Flávia De Mattos Motta
 
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
LilianeBA
 
As origens e os principais teóricos da sociologia
As origens e os principais teóricos  da sociologiaAs origens e os principais teóricos  da sociologia
As origens e os principais teóricos da sociologia
Lucio Oliveira
 
O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?
guest6a86aa
 
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
Rogerio Silva
 
Teoria da Comunicação Unidade III
Teoria da Comunicação Unidade IIITeoria da Comunicação Unidade III
Teoria da Comunicação Unidade III
Harutchy
 
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologiaA ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
Fernando Alcoforado
 

Semelhante a Parsons - O Sistema das Sociedades Modernas (20)

Sociologia Completo.pptx
Sociologia  Completo.pptxSociologia  Completo.pptx
Sociologia Completo.pptx
 
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 04 - Co...
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 04 - Co...FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 04 - Co...
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 04 - Co...
 
Sociologia introducao as teorias sociologicas
Sociologia   introducao as teorias sociologicasSociologia   introducao as teorias sociologicas
Sociologia introducao as teorias sociologicas
 
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 08 - Re...
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 08 - Re...FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 08 - Re...
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 08 - Re...
 
Marshall, t. h. cidadania classe-social-e-status
Marshall, t. h. cidadania classe-social-e-statusMarshall, t. h. cidadania classe-social-e-status
Marshall, t. h. cidadania classe-social-e-status
 
MARSHALL, T. H. Cidadania-Classe-Social-e-Status.pdf
MARSHALL, T. H. Cidadania-Classe-Social-e-Status.pdfMARSHALL, T. H. Cidadania-Classe-Social-e-Status.pdf
MARSHALL, T. H. Cidadania-Classe-Social-e-Status.pdf
 
Fatos sociais
Fatos sociaisFatos sociais
Fatos sociais
 
3EM_Aula 1 - Sociologia uma ciência da sociedade.pptx
3EM_Aula 1 - Sociologia uma ciência da sociedade.pptx3EM_Aula 1 - Sociologia uma ciência da sociedade.pptx
3EM_Aula 1 - Sociologia uma ciência da sociedade.pptx
 
201 sociologia
201 sociologia201 sociologia
201 sociologia
 
Funcionalismo sistêmico read
Funcionalismo sistêmico readFuncionalismo sistêmico read
Funcionalismo sistêmico read
 
A Sociologia é uma ciência que estuda as sociedades humanas e os processos qu...
A Sociologia é uma ciência que estuda as sociedades humanas e os processos qu...A Sociologia é uma ciência que estuda as sociedades humanas e os processos qu...
A Sociologia é uma ciência que estuda as sociedades humanas e os processos qu...
 
Atrigo. sociologia1 original
Atrigo. sociologia1 originalAtrigo. sociologia1 original
Atrigo. sociologia1 original
 
Definição de sociologia
Definição de sociologia Definição de sociologia
Definição de sociologia
 
Sociologia Marx
Sociologia Marx Sociologia Marx
Sociologia Marx
 
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
2 Slide - Sociologia da Educação.pdf
 
As origens e os principais teóricos da sociologia
As origens e os principais teóricos  da sociologiaAs origens e os principais teóricos  da sociologia
As origens e os principais teóricos da sociologia
 
O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?
 
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
 
Teoria da Comunicação Unidade III
Teoria da Comunicação Unidade IIITeoria da Comunicação Unidade III
Teoria da Comunicação Unidade III
 
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologiaA ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
 

Mais de Gisele Boucherville

Apresentação 1 atividade 2 simão
Apresentação 1  atividade 2 simãoApresentação 1  atividade 2 simão
Apresentação 1 atividade 2 simão
Gisele Boucherville
 
Power point da filosofia da educaçao
Power point da filosofia da educaçaoPower point da filosofia da educaçao
Power point da filosofia da educaçao
Gisele Boucherville
 
Puc anisio teixeira
Puc anisio teixeiraPuc anisio teixeira
Puc anisio teixeira
Gisele Boucherville
 
Puc apresentacao preprojeto puc aprendendo a aprender
Puc apresentacao preprojeto puc aprendendo a aprenderPuc apresentacao preprojeto puc aprendendo a aprender
Puc apresentacao preprojeto puc aprendendo a aprender
Gisele Boucherville
 
Apresentação de filosofia
Apresentação de filosofiaApresentação de filosofia
Apresentação de filosofia
Gisele Boucherville
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
Gisele Boucherville
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
Gisele Boucherville
 
Equipe 1 de filosofia
Equipe 1 de filosofiaEquipe 1 de filosofia
Equipe 1 de filosofia
Gisele Boucherville
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
Gisele Boucherville
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia

Mais de Gisele Boucherville (11)

Apresentação 1 atividade 2 simão
Apresentação 1  atividade 2 simãoApresentação 1  atividade 2 simão
Apresentação 1 atividade 2 simão
 
Power point da filosofia da educaçao
Power point da filosofia da educaçaoPower point da filosofia da educaçao
Power point da filosofia da educaçao
 
Puc anisio teixeira
Puc anisio teixeiraPuc anisio teixeira
Puc anisio teixeira
 
Puc apresentacao preprojeto puc aprendendo a aprender
Puc apresentacao preprojeto puc aprendendo a aprenderPuc apresentacao preprojeto puc aprendendo a aprender
Puc apresentacao preprojeto puc aprendendo a aprender
 
Apresentação de filosofia
Apresentação de filosofiaApresentação de filosofia
Apresentação de filosofia
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
 
Equipe 1 de filosofia
Equipe 1 de filosofiaEquipe 1 de filosofia
Equipe 1 de filosofia
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 

Último

apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 

Último (20)

apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 

Parsons - O Sistema das Sociedades Modernas

  • 1. Doutorandos: Aílton Reis Ana Consuelo Ramos Gisele Boucherville Maria Helena Morra
  • 2. TALCOTT PARSONS Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra
  • 3. T. Parsons (1902-1979) foi seguramente o sociólogo norte-americano mais conhecido em todo o mundo. Parsons trabalhou no Departamento de Sociologia na Universidade de Havard entre 1927 a 1973 e no Departamento de Relações Sociais. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 4.  Em geral, seus críticos entenderam-no como um pensador conservador, preocupado basicamente com o bom ordenamento da sociedade, sem ter muita tolerância para com a desconformidade ou a dissidência dos que podiam manifestar-se contra ela. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 5.  Considera-se que a concepção social dele tenha sido influenciada diretamente pelo antropólogo Bronislaw Malinowski, fortemente marcado pela biologia, daí verem em Parsons um admirador da organização de um formigueiro, no qual o papel dos indivíduos (das operárias à rainha-mãe) esta devidamente pré-determinado e ordenado em função da manutenção e aperfeiçoamento de um sistema maior. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 6.  Bronislaw Malinowski-Antropólogo inglês, de origem polaca, nascido em 1884, em Cracóvia, e falecido em 1942, no Connecticut.  Foi o fundador da escola funcionalista, defendendo que todos os elementos de uma dada cultura (crenças, rituais, objetos, etc.) têm uma função e um sentido específicos dentro do sistema cultural em que se integram.  Entre outros estudos, publicou Myth in Primitive Psychology (1926), Sex and Repression in Savage Society (1927) e A Scientific Theory of Culture (1944). Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 7.  A obsessão de Parsons era determinar a função que os indivíduos desempenhavam na estrutura social visando a excelência das coisas. Era um estudioso da Estratificação Social não da mudança ou da transformação.  Intelectual do fordismo Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 8.  Parsons, que também foi tradutor da obra de Max Weber e seu difusor nos Estados Unidos, foi contemporâneo das linhas de montagem, a Scientific Management, o chamado Gerenciamento Científico, introduzidas por F.Taylor (1856-1915) e por Henry Ford (1863-1947), cujas espantosas modificações no processo produtivo, verdadeiramente revolucionárias, foram necessárias à produção em massa. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 9.  A nova maneira de produzir os manufaturados começou a ser adotada em larga escala a partir da Primeira Guerra Mundial, difundindo-se de modo impressionante nos anos de 1920 por boa parte do mundo. Pode-se então dizer que Talcott Parsons foi, antes de tudo, o intelectual orgânico (termo gramisciano) das novas técnicas produtivas adotadas pelas industrias: o taylorismo e o fordismo. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 10.  Desinteressando-se dos aspectos da transformação social sua inclinação deu-se em favor do equilíbrio e do consenso. Naturalmente que isso o posicionou a entender o indivíduo como expressão das estruturas, as quais ele devia manter e preservar. Caso isso não ocorresse entravam em ação os mecanismos do Controle Social (moral, ética, sistema jurídico e penal, etc.), como um instrumento preventivo, corretivo ou coercivo. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 11.  O objetivo de qualquer sociedade, pois, como ele defendeu no seu mais conhecido livro The Social System (O Sistema Social, 1952) era alcançar a homeostasis, a manutenção da estabilidade, do equilíbrio permanente, fazendo com que só pudéssemos entender uma parte qualquer a ser estudada em função do todo. Se bem que a organização de formigueiro pudesse atraí-lo, seguramente foi a racionalidade da produção fabril quem determinou a concepção da Teoria Social dele. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 12.  Expressões como “adaptação”, “integração”, “ manutenção”, largamente utilizadas por Talcott Parsons, colocam-no claramente no campo conservador do pensamento sociológico, alguém que via a política apenas como um instrumento de garantia do bom andamento do todo, jamais como instrumento da transformação. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 13. O pensamento parsoniano foi visto também como expressão da sua época, especialmente os Estados Unidos dos anos de 1950-60. Além de ter sido testemunha da revolução gerencial dos anos 20, ele, atingindo a maturidade intelectual no período do após-guerra, momento em que os Estados Unidos viviam uma situação de estabilidade e cooperação (resultado do clima patriótico e das necessidades ideológicas da Guerra Fria), fez por tornar inevitável que sua teoria privilegiasse a coesão, a adaptação, e a estabilidade familiar. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 14. Adaptação (base material) Objetivos a alcançar (sistema político) Integração (sistema educacional) Manutenção pela educação dos modelos culturais (na família/pela elite do poder) Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 15. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 16. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Raízes intelectuais do livro: Idealismo alemão de Hegel a Marx e Weber Hegel Hegel > teoria complexa da evolução societária geral Hegel, Marx > fechamento temporal muito definido Weber > modernidade ocidental & outras civilizações (p.11)
  • 17. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Sistema moderno (para além da Europa) > Colonização No Japão > Ocidente como modelo O Ocidente Moderno tem, ou não, significação universal? Ciência + belas artes + sistema racional de direito + capitalismo burguês racional = “sistema sociocultural singular com capacidade adaptativa sem igual” (p.12)
  • 18. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Evolução orgânica > Evolução da sociedade > Evolução da cultura humana “Os desenvolvimentos na Teoria Biológica e nas Ciências Sociais criaram bases sólidas para a aceitação da continuidade fundamental da sociedade e da cultura como parte de uma teoria mais geral da evolução dos sistemas vivos” (p.12).
  • 19. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 20. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Subsistemas Social Cultural Personalidade Org. Comportamental Funções primárias Integração Manutenção de Padrão Realização de Objetivo Adaptação Ação “Esta tabela apresenta o esquema mais simples dos subsistemas primários e suas referências funcionais para o Sistema Geral de Ação, do qual o sistema social é um dos quatro subsistemas primários, o concentrado na função integradora” (p.16).
  • 21. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Sistemas de ação (ambientais) para a ação em geral o Ambiente físico (fenômenos > Física, Química e o mundo de organismos vivos) o “Realidade última” (“problema do sentido” de Weber)
  • 22. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Interpenetração Sistemas de ação (ambientais) para a ação em geral Ambiente físico (fenômenos > Física, Química e o mundo de organismos vivos) “Realidade última” (problema do sentido de Weber) X Subsistemas de ação (Social, Cultural, Personalidade e Organismo Comportamental)
  • 23. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS A interpenetração pode ser caracterizada por meio da interiorização de objetos sociais e normas culturais pela personalidade do indivíduo e, também, pelo conteúdo aprendido da experiência, organizado e guardado nos mecanismos de memória do organismo, “(...) tal como ocorre com a institucionalização dos componentes normativos de sistemas culturais como estruturas constitutivas de sistemas sociais. (...) É em virtude das zonas de interpenetração que podem ocorrer processos de intercâmbio entre sistemas” (p.17).
  • 24. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Os sistemas sociais são “’abertos’, participando de um intercâmbio contínuo de recepções e apresentações com seus ambientes. Além disso, pensamos que sejam internamente diferenciados em várias ordens de subcomponentes que também participam continuamente dos processos de intercâmbio” (p.17).
  • 25. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS “A estrutura dos sistemas sociais pode ser analisada através de quatro tipos de componentes independentemente variáveis: valores, normas, coletividades e papéis” (p.18). Valores > manutenção de padrão dos sistemas sociais Normas > integração dos sistemas sociais Coletividades > realização de objetivo (dois critérios: status definido de participação e diferenciação entre os participantes nessa coletividade) Papéis > função adaptativa (interpenetração entre sistemas sociais e a personalidade)
  • 26. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS O Conceito de Sociedade “Definimos a sociedade como o tipo de sistema social caracterizado pelo nível mais elevado de autossuficiência com relação ao seu ambiente, onde se incluem outros sistemas sociais. No entanto, a autossuficiência total seria incompatível com o status de uma sociedade como um subsistema de ação. Para sua continuidade, qualquer sociedade depende de um sistema de ‘recepções’ que a atingem através de intercâmbio com seus sistemas ambientais. Portanto, a autossuficiência, com relação aos ambientes, significa estabilidade de relações de intercâmbio e capacidade para controlar estes últimos em benefício do funcionamento societário. Esse controle pode variar, desde a capacidade de impedir ou “enfrentar” perturbações, até capacidade para conformar, de maneira favorável, as relações ambientais” (p.19).
  • 27. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Sociedade e ambiente físico Ambiente físico > significação adaptativa > fonte de recursos humanos > Produção (divisão de trabalho)
  • 28. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Ambiente físico X Autossuficiência da sociedade Funcionamento econômico > tecnologia Funcionamento político > uso organizado de forças (militares e policiais)
  • 29. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Personalidades (interpenetração) X Autossuficiência da sociedade “Uma sociedade só pode ser autossuficiente na medida em que de modo geral seja capaz de ‘contar’ com as realizações de seus participantes como ‘contribuições’ adequadas para o funcionamento societário. Tal como ocorre nos outros intercâmbios necessários para a auto suficiência, essa integração entre personalidade e sociedade não precisa ser absoluta. No entanto, não se pode dizer que uma sociedade seja autossuficiente se a grande maioria, de seus participantes for ‘alienada’” (p.20).
  • 30. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Personalidades X Sistema cultural e Sistema Social Nível Social: (padrões de valor = representações coletivas – consenso) Nível Cultural: valores relacionam-se ao conhecimento empírico, aos sistemas simbólicos expressivos e estruturas simbólicas dos sistemas religiosos. Os valores são legitimados principalmente em termos religiosos (p.21).
  • 31. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS “Portanto, no contexto de legitimação cultural, uma sociedade é autossuficiente na medida em que suas instituições são legitimadas por valores que seus participantes aceitam com relativo consenso e que, por sua vez, são legitimados por sua coerência com outros elementos do sistema, sobretudo seu simbolismo constitutivo” (p.21).
  • 32. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS “É fundamental lembrar que os sistemas culturais não correspondem exatamente aos sistemas sociais, onde se incluem as sociedades. Os sistemas culturais mais importantes geralmente se tornam institucionalizados em diferentes padrões, em certo número de sociedades, embora também existam subculturas dentro das sociedades. Por exemplo, o sistema cultural centralizado na cristandade ocidental tem sido, com muitas restrições e muitas variações, comum a todo o sistema europeu de sociedades modernizadas” (p.21)
  • 33. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Relações entre sociedades “(...) todas as sociedades que denominamos ‘politicamente organizadas’ participam, com várias outras sociedades, de ‘relações internacionais’ de vários tipos; amistosos ou hostis. (...) um sistema social pode interferir na estrutura social e nos participantes ou na cultura de duas ou mais sociedades” (p.22).
  • 34. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Subsistemas Componentes Aspectos de processo Função primária (estrut. básicos de desenvolvimento (categorias sistema sociais) funcionais) Comunidade societária (subsistema normas inclusão integração integrador de uma sociedade) Manutenção de padrão ou fiduciário valores generalização de valores manutenção de Padrão (sistema cultural > realidade última) Governo (subsistema de realização de coletividade diferenciação realização de objetivos objetivos – personalidades) Economia (organismo papeis ascensão adaptativa adaptação comportamental – mundo físico)
  • 35. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS O Núcleo: A Comunidade Societária Pouco conhecida (discutida em termos religiosos e políticos e não sociais) Função integradora (definir obrigações de lealdade) “A lealdade é uma prontidão para responder a chamados adequadamente ‘justificados’ em nome da coletividade ou da necessidade e interesse ‘públicos’” (p.24). “Uma comunidade societária é uma rede complexa de coletividades interpenetrantes e lealdades coletivas (...). O sistema de normas, que governa as lealdades, precisa integrar os direitos e as obrigações de várias coletividades e seus participantes não apenas entre si, mas também com as bases de legitimação da ordem como um todo” (p.25).
  • 36. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS A Comunidade Societária e o governo O governo > “órgão especializado da sociedade que está no núcleo da política” (p.29). Responsabilidade para a manutenção da integridade da comunidade societária contra ameaças generalizadas (inclui a função de coerção e participação na função de interpenetração) Refere-se ao executivo – ações para defender o interesse “público” (controle territorial, manutenção da ordem pública) No nível das sociedades integralmente modernas há uma tendência de que o poder de liderança política dependa do apoio de partes amplas da população (p.29).
  • 37. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS A Comunidade Societária e a Economia “Mesmo quando não há interferência dos problemas de lealdade coletiva, obrigações impostas e moralidade, a ação de um indivíduo ou de uma coletividade, será desaprovada se for desnecessariamente descuidada ou de ‘esbanjamento’” (p.30). O aspecto normativo nesse sentido “fica claro na regulamentação do uso de trabalho como um fator de produção em sentido econômico. O compromisso com a força de trabalho inclui uma obrigação de trabalhar eficientemente dentro das condições legítimas de emprego” (p.30).
  • 38. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Métodos de integração em sociedades cada vez mais diferenciados O sistema jurídico Direito: “código geral que regula a ação das unidades de uma sociedade que, para elas, define a situação”. (p.31). Sistemas jurídicos modernos: componentes constitucionais escritos (EUA) e não-escritos (Grã- Bretanha) (p.31).
  • 39. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Participação na Comunidade Societária “O governo não pode simplesmente ‘governar’, mas precisa ser legitimado para governar uma comunidade relativamente comprometida, ao assumir responsabilidades pela manutenção de sua ordem normativa” (p.33).
  • 40. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Participação na Comunidade Societária / Cidadania 1a fase: modelo legal ou civil que definia a fronteira entre a comunidade societária e o governo. 2a fase: participação nos problemas públicos, institucionalização do direito ao voto. 3a fase: caracterizada pelo interesse “social” pelo “bem- estar” dos cidadãos (responsabilidade pública sobre a saúde e educação para a população). “É notável que a difusão da educação para círculos cada vez mais amplos da população, bem como a elevação dos níveis da educação, tenham estado muito ligadas ao desenvolvimento complexo de cidadania” (p.35).
  • 41. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Comunidade Societária, Sistemas de Mercado e Organização Burocrática “A categoria econômica refere-se, acima de tudo, ao desenvolvimento de mercados e a instrumentos monetários essenciais às funções que, como já notamos, pressupõem a institucionalização sob novas formas de contrato e relações de propriedade. Por isso, dependem dos ‘direitos’ de cidadania, pois uma economia que seja puramente ‘administrada’ por repartições ou pelo governo central violaria a liberdade de grupos particulares para participar, autonomamente, de transações de mercado” (p.35).
  • 42. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Organização de associações Tendências das associações • Busca de igualitarismo manifestado pela cidadania • “Livre arbítrio” (decisão para aceitar e conservar a participação). • Importância das instituições processuais.
  • 43. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Associações “Juntamente com o desenvolvimento de associação no governo, tem havido uma grande proliferação de associações em outros setores da sociedade. Os partidos políticos se ligam aos processos governamentais, mas também a muitos tipos de ‘grupos de interesse’ associados, os quais, quase todos representam diferentes coletividades operativas” (p.30).
  • 44. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Processos de mudança evolutiva Diferenciação (interação conjunta) Ascenção adaptativa Inclusão Generalização (na aplicação a sistemas sociais
  • 45. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Processos de mudança evolutiva Diferenciação (interação conjunta) “É a divisão de uma unidade ou estrutura num sistema social, em duas ou mais unidades ou estruturas que diferem em suas características e significação funcional para o sistema” (p.40). Ascenção adaptativa: “é o processo pelo qual uma amplitude maior de recursos se torna disponível para as unidades sociais, de forma que seu funcionamento pode ser liberado de alguma das restrições de seus predecessores”(p.40).
  • 46. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Processos de mudança evolutiva Inclusão: “A maior complexidade de um sistema que passa por diferenciação e ascensão necessariamente apresenta problemas de integração. De modo geral, tais problemas só podem ser enfrentados pela inclusão de novos mecanismos, unidades e estruturas no esquema normativo da comunidade societária (p.40). Generalização (na aplicação a sistemas sociais): Os processos de diferenciação, de ascensão e inclusão “precisam ser complementados por generalização de valor, para que as várias unidades da sociedade conquistem legitimação adequada e modos de orientação para seus novos padrões de ação. (...) Quando a rede de situações socialmente estruturadas se torna mais complexa, o padrão de valor precisa ser apoiado num nível mais elevado de generalidade, a fim de assegurar estabilidade social” (p.40).
  • 47. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 48.  Discute o desenvolvimento da inovação cultural nas pequenas sociedades  “ germinativas” de Israel e Grécia da Antiguidade. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 49. Seu foco foi o Cristianismo. Como um sistema cultural , o cristianismo revelou-se capaz de, a longo prazo, absorver componentes fundamentais da cultura secular da Antiguidade e de forma matriz a partir da qual foi possível a diferenciação de uma nova ordem de cultural secular. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 50.  Onde se incluem seus componentes seculares - pôde conservar diferenciação mais claras e coerente, em relação aos sistemas sociais com os quais tinham relações de interdependências, do que as culturas antecedentes.  Por causa dessa diferenciação com relação à sociedade, a cultura cristã passou a servir como uma força inovadora mais eficiente no desenvolvimento do sistema sociocultural total do que qualquer outro complexo cultural até então criado. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 51. Nesta perspectivas, o Império Romano adquire uma dupla significação para a nossa análise. ⇚⇛ Em primeiro lugar, constituía o principal ambiente social em que o cristianismo se desenvolveu. Como a sociedade romana tinha um imenso debito com relação à civilização grega a influencia grega entrou no sistema moderno , não apenas “culturalmente”, através da teologia cristã e da cultura secular do Renascimento, mas através da estrutura da sociedade romana, sobretudo no oriente , onde as classes educadas continuaram helenizadas depois da conquista por Roma. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 52.  ⇚⇛Em segundo lugar, o legado das instituições romanas foi incorporando aos fundamentos do mundo moderno;  Começaremos esta análise com esquemas das duas “pontes” sociais básicas entre o mundo antigo e o moderno: o cristianismo e algumas instituições do Império romano. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 53. O Cristianismo surgiu como um movimento de seita no judaísmo da Palestina. No entanto ele rompeu com essa sociedade étnica e religiosa: o acontecimento decisivo foi a decisão de Paulo de que o gentio poderia tornar-se cristão sem juntar-se à comunidade judaica e sem obter o direito judaico. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 54.  se desenvolveu como um grupo religioso associativo independente de qualquer comunidade.  Sua missão foi com os mais humildes – artesãos, pequenos comerciantes e assim por adiante – que não estavam ligados pelo tradicionalismo de grupos camponeses e nem por interesses adquiridos das classes superiores no status quo. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 55.  Que foi mais do que um profeta . Cristo é humano e divino – o único filho criado por Deus Pai, mas também um homem de carne e sangue.  Trindade – as três pessoas – Uma ordenação teológica que não existiam no judaísmo profético. Foi aqui que a cultura grega apresentou contribuição decisiva. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 56.  Os teólogos cristãos do século III ( sobretudo os padres alexandrinos Orígenes e Clemente ) mobilizaram recursos muito desenvolvidos da filosofia, para lidar com tais problemas intelectuais complexos.  A indiferença cristã em relação aos interesses mundanos foi posta a prova, à medida eu a população era convertida. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 57. No século IV Constantino se converteu e adotou o cristianismo como religião do Estado. A partir daí a Igreja tornou se instrumento da autoridade política secular. É significativo que, nessa época, se tenha estabelecido o monasticismo. O movimento monástico estabeleceu outro tipo de movimento “ germinativo” dentro do cristianismo, exercendo uma grande e crescente influencia , tanto na igreja e na sociedade. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 58.  A estruturação institucional da missão para o mundo, em que o monasticismo desempenhou por toda a parte um papel importante, passou a ligar-se fundamentalmente, com amplo processo de diferenciação entre o ramo ocidental e o ramo oriental da igreja. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 59.  Em primeiro lugar, uma parte muito legitima foi estabelecida no nível teológico mais elevado, par a “cidade dos homens” distinta da “cidade de Deus”.  Em segundo lugar ,com o estabelecimento da ordem beneditina, o monasticismo ocidental passou a ter interesse muito maior para os problemas do mundo. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 60.  Em terceiro lugar, a organização da Igreja foi consolidada através dos sacramentos. O sacerdócio foi transformado em cargo.  O legado Institucional de Roma  A legitimação do Regime de Carlos Magno gerou em tornou da sua relação com a Igreja. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 61.  Dentro deste esquema institucional a grande síntese medieval se caracterizou por diferenciação entre igreja e estado – no sentido medieval do termo. Essa diferenciação chegou a ser definida como existente entre as armas espirituais e temporais da missão cristã. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 62.  A Igreja adotou grande parte do Direito Romano para a regulamentação de seus problemas, através do Direito Canônico.  Base territorial das institucional é um componente fundamental das sociedades modernas que deve mais ao legado romano do que a qualquer outra fonte.  Um legado institucional básico do mundo antigo foi o modelo de organização municipal. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 63.  A sociedade Medieval  O período muito consideravel de desenvolvimento desigual e de transição entre o fim da Idade Média e a primeira cristalização da sociedade moderna, resultou , em grande parte, da sutil combinação, na sociedade medieval, de aspectos que favoreciam a modernização e de aspectos basicamente incompatíveis com a modernidade. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 64.  A tendência geral do feudalismo era a eliminação de uma base universalista de ordem, em favor de lealdades particularistas, originalmente “tribais” e locais.  Para os camponeses o sistema feudal estabeleceu a sujeição hereditária através da instituição da servidão. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 65.  A organização territorial do estado, estreitamente ligada ao principio da monarquia, ganhava constantemente importância, embora de maneira desigual.  Em seu desenvolvimento completo, a aristocracia foi um fenômeno do fim da Idade Media. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 66.  Admitimos que , em termos gerais, a estrutura social da igreja era a principal ponte institucional entre a sociedade ocidental antiga e a moderna.  A natureza do componente religiosos na organização urbana se demonstrava, de maneira mais tangível, pela catedral, que nunca era apenas um edifício; era uma instituição que, tanto como sede do bispado e como foco do cabido da catedral. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 67.  Principal inovação de Gregório foi sua insistência quanto ao celibato do clero secular.  Qualquer fosse a moralidade sexual dos padres seculares não poderiam ter herdeiros. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 68.  A Diferenciação do Sistema Europeu  O ambiente social do sistema europeu consistia de relações com outras sociedades, e que variavam muito de acordo com a localização geográfica.  A Espanha ocupada pelos os mouros durante maior parte do Império Medieval;  Os poloneses , os ciganos e os croatas se tornaram fundamentalmente católicos. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 69.  Portanto havia uma ampla diferença Ocidente-Oriente nos ambientes limítrofes da Europa.  A Italia desempenhou um papel especifico na constituição da sociedade medieval – continha a sede da Igreja católica – maior área de influencia católica.  As instituições romanas estavam mais firmemente enraizadas na Itália e, por isso , puderam recuperar-se mais rapidamente depois de um mínimo de feudalismo. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 70.  Renascimento e a Reforma  O renascimento provocou uma cultura secular muito desenvolvida que se diferenciava da matriz fundamentalmente religiosa.  A arte renascentista voltou-se cada vez mais para temas seculares  O Renascimento não foi, fundamentalmente, um movimento de síntese; ao contrário foi um período de rápida inovação cultural Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 71. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 72.  Inicio do sistema de sociedades modernas século XVII na comunidade societária, sobretudo a significação da religião para a legitimação da sociedade.  Depois de a Reforma ter destruído a unidade religiosa da cristandade ocidental, surgiu uma divisão relativamente estável - um eixo norte-sul  A Contra Reforma impôs uma aliança muito estreita entre a Igreja e Estado. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 73.  O resultado do conflito entre Reforma e contra Reforma foi um duplo passo para a pluralização e a diferenciação. A ala anglo- holandesa era mais adiantada, precursora do futuro.  A pluralização religião era parte de um processo de diferenciação entre sistema cultural e o societário, capaz de reduzir a rigidez e a sua interpenetração. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 74.  De modo geral, nesse período a cultura secular encontrava no protestantismo um solo mais adequado do que o catolicismo.  A Região Noroeste da Europa  A Inglaterra, a França e a Holanda, cada uma delas de uma forma diferente, assumiram a liderança do sistema de poder no século XVII Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 75.  Essas três nações foram as “ pontas de lanças” da modernidade inicial.  Religião e a Comunidade Societária  Na Inglaterra do século XVII, a diferenciação do sistema religioso com relação à comunidade societária não poderia ocorrer sem a grande participação na política. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 76.  Quanto a tolerância religiosa, a Holanda do século XVII foi consideralvemente mais longe do que na Inglaterra.  A França de maneira ainda mais radical do que a Holanda, não conseguiu resolver o seu problema religioso.  O resultado da grande luta da reforma foi a vitória do cristianismo romano e a supressão do movimento protestante. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 77.  O Governo e a Comunidade Societária  Na realidade , a filiação religiosa e a étnica foram bases primárias em que a sociedade européia se dividiu em unidades territoriais políticas no inicio da época moderna.  Dentro de uma comunidade societária , as diferenças regionais e étnicas são atravessadas por eixos verticais de diferenciação baseada em poder prestigio e riqueza. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 78.  A Economia e a Comunidade Societária  Em primeiro lugar, tinha diminuído a proporção de camponeses que eram rendeiros individuais ou mesmo proprietário independentes.  Em segundo lugar, as classes proprietária de terras tendiam a “desfeudalizar-se.” Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 79.  Conclusão  Nossa principal tese é que a Inglaterra tinha-se tornado, por volta dos fins do século XVII a sociedade mais diferenciada no sistema europeu tendo avançado mais nessa direção, do que qualquer sociedade anterior  Na Inglaterra o compromisso religioso especifico estava diferenciado do consenso moral ao nível societário. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 80.  Surge um compromisso comum com valor de conhecimento racional do mundo.  O século XVII foi um período de consideravel progresso econômico.  Houve aumentos progressivos na “ extensão de mercado” tanto na interna quanto externamente, para cada unidade Política. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 81. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 82. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS A Revolução Industrial No século XVIII ocorreram mudanças denominadas revolução industrial e revolução democrática. A primeira na Grã-Bretanha e a segunda na França, 1789. A revolução industrial fazia parte da tendência ativista de valor, pois grandes aumentos de produtividade econômica exigiam extraordinária extensão de divisão de trabalho social. Assim, pode-se ver mudanças tecnológicas, econômicas e sociais. A chave estrutural para a revolução industrial é a extensão do sistema de mercado e diferenciação no setor econômico da estrutura social. A organização ou companhia fica entre o trabalhador e o mercado de consumo. O governo e a economia são interdependente, a qual inclui o intercâmbio de dinheiro e poder entre o sistema de mercado e o sistema de organização formal.
  • 83. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS A Revolução Democrática Foi parte do processo de diferenciação entre o governo e a comunidade societária. Teve como acontecimento determinante a Revolução Francesa, cujo slogan Liberté, Égalité, Fraternité, representava a nova concepção de comunidade. Thomas Marshall analisou a igualdade de participação por meio de três componentes básicos: civil, político e social. Com relação a Revolução Francesa o primeiro componente de igualdade é a universalidade do eleitorado. O segundo representa certa forma de igualdade de condição social como um aspecto de justiça social e, o terceiro, sugere uma síntese das outras duas, em certo sentido é corporificação final das consequências.
  • 84. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS A revolução industrial e democrática enfraqueceram as instituições do sistema moderno inicial. A primeira estimulou a economia e a segunda a administração. Os Estados Unidos constituíram um solo fértil, tanto para a revolução democrática quanto para a industrial.
  • 85. Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 86. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS A estrutura da Comunidade Societária O pluralismo religioso das treze colônias e a cultura racionalista, influenciada pelo Iluminismo, preparam o ambiente para a primeira Emenda Constitucional. Este pluralismo formou a base da tolerância e inclusão de elementos não-protestantes. A educação secular teve um papel definitivo para essa característica. A população norte-americana era em sua maioria não-aristocrática em sua origem, e não criou uma aristocracia.
  • 87. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Também não possuía uma classe industrial, como o nível de consciência de classe do operariado industrial europeu. Os negros ainda estão no primeiro estágio de inclusão. A língua é um foco decisivo para a participação étnica. É difícil ver como os interesses católicos romanos poderiam ter sido defendidos se a população com essa religião se dividisse em grupo de fala diferente.
  • 88. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Por isso, os Estados Unidos conservaram o inglês como a língua comum da comunidade societária sem um sentimento difuso de que represente a imposição de uma hegemonia anglo-saxônica. A nação independente optou por uma forma republicana de governo ligada a comunidade societária por meio da eleição. A comunidade societária deve ser articulada com os sistemas religiosos e políticos, assim como também com a economia. O esquema constitucional acentua muito os critérios universalistas de cidadania, que se desenvolveu em estreita ligação com a revolução democrática e, em linhas gerais, com o esquematizado por Marshall para a Grã-Bretanha.
  • 89.  Assim, parece correto dizer, que pelo menos em princípio, a nova comunidade societária passou a ser definida como sociedade de iguais e, se comparada com as sociedade medievais, assume um caráter totalmente novo.  Um aspecto desta nova sociedade é difusão da educação primária. Assim, um aspecto básico da revolução educacional foi a contínua extensão da educação, para além da alfabetização básica, para toda a população. Decorre daí, a expansão da educação secundária. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 90. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS A acentuação dada, nos Estados Unidos a um padrão associativo de desenvolvimento, favoreceu a imitação inicial da revolução educacional e extensão maior do que em qualquer outra sociedade. O princípio hereditário foi lentamente afastado. O século XX inaugurou uma nossa fase na transição de estratificação hereditária atribuída para a estratificação totalmente não-atribuída.
  • 91. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Nesse contexto, temos: na revolução industrial a ideologia exaltava a busca de interesse pessoal par ao progresso econômico; na revolução democrática havia a ideologia da igualdade política entre os cidadãos e na revolução educacional há uma sintetização das outras duas a partir da igualdade de oportunidades e igualdade na cidadania. A revolução educacional proporciona a ascensão geral. A profissão liberal, é por excelência, a acadêmica, isto é, a que pretende transmitir o conhecimento.
  • 92. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Manutenção de Padrão e Comunidade Societária A manutenção do padrão é exigência de qualquer sociedade. Dentro dele está, em primeiro lugar, a manutenção dos valores institucionalizados e, em segundo, a conformação dos compromissos motivacionais adequados de indivíduos na sociedade. A sociedade norte-americana e, em formas pouco diversas outras sociedades modernas, mantém intensos compromissos morais que sobreviveram ao pluralismos religioso e à secularização e forma até fortalecidos por esses dois movimentos. A dependência da família para status ou renda, com relação ao que ganha na profissão, dá valor muito grande a mobilidade de residência.
  • 93. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS É os sistema educacional e não a família, que cada vez mais serve como fonte direta de trabalho para a economia. Também é o sistema educacional e não a família, que cada vez mais determina a distribuição dos indivíduos no sistema de estratificação. A revolução educacional é o clímax de mudanças semelhantes entre a comunidade societária e o sistema de manutenção de padrão e, por meio deste, o sistema cultural.
  • 94. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS O Governo e a Comunidade Societária Quando o cargo eletivo é um complemente da cidadania, o governo se diferencia da comunidade societária, e os membros dessa comunidade se tornam eleitores. A escolha entre a centralização que acentua a eficiência coletiva e a descentralização, que permite a “representatividade”, liberdade de expressão e realização de interesses para os grupos, é um dilema geral para as associações democráticas.
  • 95. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS A difusão da burocracia tanto particular quanto pública, tem sido um sinal distintivo da última fase de modernização na Europa do século XIX. As profissões liberais participam cada vez mais da área comercial, outras áreas do setor privado e do governo. Hoje o padrão colegiado talvez seja mais integralmente institucionalizado no mundo acadêmico que, ao contrário do que muitos pensam, não dá lugar à burocratização, embora a educação superior tenha recentemente passado por uma expansão extraordinária.
  • 96. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS gisele “Ao passar para a fase contemporânea , a economia se afastou do modelo clássico, delineado na ideologia capitalista do século XlX.” (p.130) Se encontra sujeita não apenas ao controle institucional, mas também a sistema de coerção, regulamentação, contratos, práticas oligopolistas, e redistribuição de recursos através de impostos.
  • 97. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS “O sistema de mercado é ainda subsistema autônomo e diferenciado da sociedade norte- americana”. (p. 130) “Sob dois aspectos o padrão norte americano de capitalismo foi bem sucedido.” (p. 130) • O programa de elevados salários instituídos por Henry Ford sem pressão dos sindicatos. • A utilização do conhecimento cientifico para a produção industrial ( apesar de este ter surgido inicialmente na Alemanha).
  • 98. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Também fortaleceram o crescimento econômico nos EUA: Sistema jurídico Sistema baseado em emprego e não na propriedade Mão de obra feminina Movimento sindical democratizado diferente do movimento socialista. Funções de competência e responsabilidades estimulados pela educação, principalmente aumentando do numero de pessoas na educação superior. Maior consumo de bens.
  • 99. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS “O novo tipo de comunidade societária dos Estados Unidos, mais do que qualquer outro fator isolado, justifica que lhe demos a primazia na ultima fase de modernização. [...] Institucionalizou uma amplitude muito maior de liberdade do que qualquer sociedade anterior” [...] (p. 139)
  • 100. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS “Evidentemente, existem deficiências importantes. Uma delas é certamente a guerra, ou o perigo de guerra [...] No entanto, existe um contexto claro em que o problema de igualdade-justiça é central nos Estados Unidos: a existência de considerável pobreza, combinada com a grande maioria negra [...]” ( p. 140) A “burocracia” tornou-se um proeminente símbolo negativo [...] (p.141)
  • 101. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS O autor fala das 3 revoluções na sociedade moderna: Revolução Francesa, Revolução Industrial e a revolução educacional. Essa ultima cita o autor que os estudantes da nova esquerda ( New Left) desempenharam um papel análogo de revolução.
  • 102. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS “O principio da igualdade chegou a um novo nível de difusão e generalidade. [...] Uma comunidade societária composta basicamente por iguais parece ser o “fim da linha” no longo processo de destruição da legitimidade de algumas bases antigas e particularistas de atribuição de participação. Algumas ideologias radicais atualmente muito aceitas parecem exigir que a igualdade autentica elimine totalmente todas as distinções hierárquicas de status [...]” (p. 144)
  • 103. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS A principal direção do desenvolvimento societário moderno encaminha-se para o padrão essencialmente novo de estratificação [...] portanto os resultados diferentes do processo educacional competitivo deve ser legitimado através de interesse societário”. [ p. 145]
  • 104. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS “[...] o direito de censurar os norte americanos por sua insensibilidade no tratamentos dos negros, ou que pequenos países independentes bradem contra o imperialismo. Deste ponto de vista, a institucionalização inter-societária de um novo sistema de valores, onde se inclui sua significação para a estratificação, se torna decisivo.” (p. 147)
  • 105. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS
  • 106. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS A União Soviética -ditadura do proletariado. -revolução industrial diminuiu seu ritmo de crescimento. -poucos aspectos da revolução democrática. - Regime czarista maior do que qualquer relação igreja-estado do ocidente. - Emprego e liberdade restritas. - Desigualdade - Família , divorcio, poupança.
  • 107. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS - Sistema de decisões hierárquicas substituiu o mercado. - Dificuldade entre o direito do governo e o direito do cidadão. - Embora universalizou o direito ao voto, esse se restringe ao sim e não. O partido sua liderança é auto-escolhida. - Instabilidades intrínsecas na ditadura do partido comunista. - Embora a educação formal atingisse uma minoria com seu esforço atingiu a educação de massa e esta entre os mais educados países do mundo moderno.
  • 108. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS A Nova Europa -A França, o foco original da revolução democrática, ficou para traz na revolução industrial. - Embora a Alemanha tenha sido pioneira na previdência social e tenha sido a sede de movimentos sindicais ativos, sua revolução democrática foi retardada e limitada as oportunidades para educação superior. - O novo sistema democrático alemão depois de 15 anos deu lugar ao movimento nazista, que parece ter sido somente uma perturbação sociopolítica.
  • 109. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS - As relações franco-alemãs foram nucleares para as perturbações que iniciaram as 2 guerras mundiais. - França, Alemanha e Itália intelectuais proeminentes ligados a aristocracia e a igreja. - Embora a revolução industrial e a revolução democrática ainda sejam fortes na nova Europa, revolução educacional será a mais importante. - A inquietação estudantil surgiu tanto nas sociedades capitalistas quanto nas sociedades socialistas.
  • 110. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS Modernização das Sociedades Não – Ocidentais -Japão se tornou modernizado sem cultura ou população europeia. -Regime tolerava concentração de renda nas firmas zaibatsu. - Apesar de ajustamento entre elementos autóctones e os estrangeiros criou-se grave tensão. - Depois da guerra, sob influencia dos EUA criou regime parlamentar democrático.
  • 111. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS O declínio dos impérios colonialistas a partir da guerra fria, criou um clima para o aparecimento do bloco do terceiro mundo, como fator de estabilidade no mundo e na difusão do modernismo. (p. 166)
  • 112. Aílton Reis, Ana Consuelo Ramos, Gisele Boucherville, Maria Helena Morra Os Sistemas da Sociedades Modernas TALCOTT PARSONS