SlideShare uma empresa Scribd logo
AS ORIGENS E OS
PRINCIPAIS TEÓRICOS
DA SOCIOLOGIA
Orientações:
Os conceitos destacados em vermelho constituem as
definições e ideias mais importantes a serem assimiladas
e cobradas na avaliação.
Questões:
1. Concepção de Estado para Max Weber.
2. Sociedade e Capitalismo para Weber.
3. Weber e a Ação Social.
4. A Sociedade, as Ciências e o Positivismo.
5. Durkheim – Fato Social e Coercitividade.
6. O papel social dos indivíduos na sociedade segundo Comte e Marx.
7. Marx e a centralidade do Trabalho.
8. A Divisão do trabalho segundo Durkheim.
9. O Crime, a Coesão Social e os conflitos segundo Durkheim.
10. O Positivismo e a compreensão da sociedade.
Não tinha, contudo, a forma de Ciência, estando vinculada mais ao
caráter normativo.
Elementos Precursores
Tem seu ponto de partida na Grécia, em meio as preocupações em
explicar a sociedade, desenvolvidas pelos filósofos e oradores que
buscavam garantir aos homens possibilidades de compreensão dos
elementos que constituem a existência social.
Platão – Obra: A República, constitui os
princípios do modelo ideal de organização
política .
Aristóteles – Obra: Política, defende que os
homens são animais políticos e, portanto,
necessitam estabelecer leis para conviverem
em harmonia.
Apresentava caráter fundamentalmente
normativo e dogmático, determinado pela Fé e
pela busca da salvação.
Elementos Precursores
No contexto da Idade Média, o pensamento e o conhecimento
estiveram sob domínio do teocentrismo cristão, onde se explicava
a existência a partir da Transcedência e da Vontade Divina
Santo Agostinho – obra: Confissões e A Cidade
de Deus, onde defende que a sociedade deve se
guiar pelo Reino de Deus.
Predomínio da ideia de que cada grupo social
desenvolvia uma função específica em benefício
de todos.
Propagam-se valores mais adequados aos interesses sociais,
políticos e econômicos da ascendente burguesia e do capitalismo
Elementos Precursores
Com a Idade Moderna, as influências do Movimento Renascentista
buscam libertar o homem do domínio teocêntrico, estimulando o
resgate do Racionalismo e da laicização do conhecimento.
Maquiavel – Obra: O Príncipe. Concebe o pensamento
político moderno, desvincula os conceitos éticos do
pensamento antigo e dos valores cristãos do período
medieval
Hobbes – Obra: O Leviatã, defende que os homens são,
naturalmente, perversos e egoístas e, portanto,
necessitam de um governo absoluto para conviverem
em harmonia.
A crítica ao Antigo Regime e, por consequência, a defesa da
Liberdade, da Justiça e da Razão como instrumentos da autonomia
humana forjam os princípios revolucionários da Era das Revoluções
Burguesas.
Elementos Precursores
No decorrer do século XVIII, o Iluminismo estabelece os
fundamentos ideológicos da sociedade contemporânea.
A partir da efetivação da sociedade
contemporânea, sob as influências da
Revolução Francesa e da Revolução
Industrial, criam-se as preocupações e
os fundamentos para o surgimento das
Ciências Sociais como campo de análise
das transformações daquele contexto.
A Sociologia surgiu como uma disciplina no século XIX, na
forma de uma resposta acadêmica para um desafio de
modernidade: se o mundo está ficando menor e mais
integrado, a experiência de pessoas do mundo é
crescentemente atomizada e dispersada.
Sociólogos não só esperavam entender o que unia os
grupos sociais, mas também desenvolver um "antídoto"
para a desintegração social.
O surgimento da sociologia
CONTEXTO HISTÓRICO:
A Revolução Industrial (Séculos XVIII/XIX).
• REPERCUSSÕES:
• O fim do produtor independente.
• Êxodo rural
• explosão demográfica urbana
• Processo de proletarização
• Miséria (doenças, prostituição, suicídios, alcoolismo, violências, etc.)
• Primeiras manifestações operárias (ludismo, cartismo)
• Ideologias operárias: comunismo e anarquismo.
• Criava-se uma sociedade altamente competitiva e individualista.
 Existem quatro teóricos considerados os principais
precursores da sociologia:
 Henri de Saint-Simom.
 Pierre-Joseph Proudhon.
 August Comte.
 Herbert Spencer.
 Há três pensadores que são considerados clássicos da
sociologia:
 Émile Durkheim.
 Max Weber.
 Karl Marx.
O surgimento da sociologia
A sociologia tem ao menos três linhas mestras explicativas
desenvolvidas pelos teóricos clássicos da Sociologia.
TeoriasSociológicas
POSITIVISTA-FUNCIONALISTA – Tendo como fundador
Auguste Comte e principal expoente Émile Durkheim,
propondo uma investigação sistêmica dos fatos sociais.
SOCIOLOGIA COMPREENSIVA – Desenvolvida por Max
Weber que pretende entender e interpretar a ação
social, para dessa maneira explicá-la causalmente em
seus desenvolvimentos e efeitos
SOCIOLOGIA HISTÓRICO CRÍTICA – Iniciada por Karl
Marx, que mesmo não sendo sociólogo, e sequer se
pretendendo a tal, deu forma a uma profícua linha de
explicação sociológica
Auguste
Comte
(1798-1857)
Auguste Comte
(1798-1857)
Isidore Auguste Marie François Xavier Comte –
Discípulo de Saint Simon, de quem recebeu influência
significativa.
Após intenso estudo sobre a estática e a dinâmica social
desenvolveu os fundamentos da Sociologia.
Comte, que esperava unificar todos os estudos relativos ao homem
como a História, a Psicologia e a Economia.
Seu esquema sociológico era positivista, (corrente que teve grande
força no século XIX), e ele acreditava que toda a vida humana tinha
atravessado as mesmas fases históricas distintas e que, se a pessoa
pudesse compreender este progresso, poderia prescrever os
remédios para os problemas de ordem social.
POSITIVISMO
A Sociedade é regida por leis
Naturais, independentes da vontade
e da ação humana; na vida social,
reina uma harmonia natural.
A Sociedade pode ser estudada pelo
métodos, trajetória e processos
empregados pelas Ciências da
Natureza.
As Ciências da Sociedade, assim
como as da Natureza, devem limitar-
se à observação e à explicação
causal dos fenômenos, de forma
objetiva, neutra, livre de
julgamentos de valor ou Ideologias
(neutralidade axiológica).
Comte afirmava que a sociedade deveria ser considerada
como um organismo vivo, cujas partes desempenham
funções específicas que contribuem para manter o
equilíbrio do todo.
Ele atribuía importância singular à
noção de “consenso”, ou seja, às
ideias e crenças comuns,
partilhadas por todas as pessoas
de determinada sociedade, que
seriam as responsáveis por
manter a ordem nessa sociedade.
Garantindo, dessa forma, a
coesão social
Na sua perspectiva teórica, Comte rompe com a tradição
católica e monarquista. Defende a República Liberal e
elabora uma proposta que busca resolver as contradições da
sociedade de sua época.
Preocupa-se em organizar a sociedade em meio aos
impactos das Revoluções Burguesas, defendendo a plena
reforma intelectual aos homens.
A Física Social tem o papel de analisar, cientificamente, a
sociedade, suas estruturas e processos de organização,
estabelecendo os mecanismos necessários para tal reforma,
apontando para a evolução da humanidade (Darwinismo
Social)
O DARWINISMO SOCIAL
Segundo Herbert Spencer, a Teoria da Evolução de Darwin,
podia ser perfeitamente aplicada à evolução da sociedade:
assim como existia uma seleção natural entre as espécies,
com o predomínio dos animais e plantas mais capazes, ela
existia também na sociedade.
As sociedades se organizam, se
modificam e se desenvolvem em
um mesmo sentido, avançando
de um estágio inferior para outro
superior, caracterizado pela
sobrevivência dos organismos
mais fortes e evoluídos
Comte e os Três Estágios da Evolução Social
Teológico: Aquele em que os fenômenos e a existência social
são explicados por elementos religiosos, como representação
da vontade dos deuses.
Metafísico: os fenômenos são explicados por meio de forças
ocultas e/ou entidades abstratas. As abstrações personificadas
substituem as vontades sobrenaturais
Positivista: Estágio das sociedades industriais. Onde os
fenômenos são compreendidos e explicados por definições
científicas. No estágio positivo procura-se descobrir as leis
segundo as quais os fenômenos se encadeiam uns aos outros.
Comte ainda avaliou que a sociedade possuía dois
movimentos principais: dinâmico e estático.
Movimento dinâmico:
É o responsável pela evolução social
que imprime sobre as sociedades as
transformações para estágios
superiores e mais complexos.
(progresso)
Movimento estático:
É o responsável pela organização e
equilíbrio do organismo que ajustaria
a sociedade ao seu melhor
funcionamento harmônico. (ordem)
As origens e os principais teóricos  da sociologia
Émile
Durkheim
(1858-1917)
Émile Durkheim
(1858-1917)
David Émile Durkheim foi um sociólogo, antropólogo,
cientista político e filósofo francês. Formalmente,
criou a disciplina acadêmica da sociologia
Muito de seu trabalho estava preocupado com a forma como as
sociedades poderiam manter sua integridade e coerência na
modernidade, tendo deixado como legado uma série de estudos
que se notabilizaram pelo esforço em combinar pesquisa empírica
e teórica, desenvolvendo uma metodologia sociológica.
Durkheim também estava preocupado com a aceitação da
sociologia como ciência legítima. Aperfeiçoou o positivismo,
promovendo o que poderia ser considerado como uma forma de
realismo epistemológico
SOCIOLOGIA FUNCIONALISTA
Émile Durkheim quis fazer da sociologia uma disciplina objetiva,
colocando como regra o FUNCIONAMENTO do método sociológico
a consideração dos FATOS SOCIAIS como coisas.
FATOS SOCIAIS:
COERÇÃO – Obriga um indivíduo a adotar um determinado
comportamento social. O grau de coerção de um fato social pode
ser identificado pelas sanções sociais que ele provoca.
EXTERIORIZAÇÃO – São externos porque são fatos coletivos, como
a religião ou o sistema econômico, por exemplo, independentes
dos indivíduos.
GENERALIDADE – É social todo Fato que é geral, ou seja, que se
manifesta em todos os indivíduos ou, pelo menos, na maioria
deles.
https://beatlescollege.files.wordpress.com/2012/05/028.jpg
Ao expor o conceito de Fato Social, Durkheim mostra como a
sociedade, através de eventos sociais, influencia a forma de
pensar e de estar de um indivíduo.
Apesar de, no início dos seus trabalhos, ter focado no caráter
coercitivo dos fatos sociais, o desenvolvimento dos estudos e o
seu amadurecimento levou-o a explorar previamente as demais
características e, nos seus trabalhos mais recentes, a palavra
"obrigação" quase não aparece relacionada aos fatos sociais.
Émile Durkheim e a coesão social
SherwinCrasto/Reuters//Latinstock
Para Durkheim, a
crescente especialização
do trabalho promovida
pela produção industrial
moderna trouxe uma
forma superior de
solidariedade,
e não de conflito.
Centro de atendimento ao cliente na Índia,
em 2004. Para Durkheim, a especialização e
divisão do trabalho geram a coesão social.
DURKHEIM
Procura compreender o aumento do individualismo na
integração social.
Durkheim tenta entender o funcionamento da sociedade
da mesma forma que a Biologia entende o
funcionamento de um corpo.
Cada indivíduo tem uma função a cumprir que é
importante para o funcionamento de todo o corpo
social.
DIVISÃO SOCIAL DO TRABALHO
SOCIEDADE PRÉ-CAPITALISTA SOCIEDADE CAPITALISTA
Tradicional
Não diversificada
Pré-industrial
Semelhanças de funções:
união
Simples
Causa da coesão social:
união
Pouca divisão do trabalho
Solidariedade mecânica
Moderna
Diversificada
Industrial
Especialização de
funções: dependência
Complexa
Causa da coesão social:
dependência
Muita divisão do trabalho
Solidariedade orgânica
Sociedade
constituída por
Solidariedade
Mecânica
 Divisão do trabalho era pouco
desenvolvida
Não havia um grande número de
especializações.
As pessoas se uniam não porque
dependiam do trabalho das outras, mas
porque tinham a mesma religião, as
mesmas tradições, os mesmos
sentimentos, os mesmos valores.
Nela a consciência coletiva era forte e
pesava sobre o comportamento de todos.
 Predominava o Direito Repressivo (Penal)
pois o crime feria os sentimentos
coletivos.
Sociedade
constituída por
Solidariedade
Orgânica
 Há divisão de trabalho porque há
mais especialização de funções.
 O que une as pessoas é a
interdependência das funções
sociais.
 A consciência coletiva é fraca pois é
difusa, difundindo-se pelas diversas
instituições.
 Predomina o Direito Restitutivo
(Civil), pois a função do Direito mais
do que punir o criminoso, é
restabelecer a ordem que foi
violada.
Durkheim admite que a Solidariedade Orgânica é superior
à Mecânica, pois ao se especializarem as funções, a
individualidade de certo modo é ressaltada, permitindo
maior liberdade de ação
COESÃO, SOLIDARIEDADE E CONSCIÊNCIA
A “solidariedade social”, para Durkheim, é formada
pelos laços que ligam os indivíduos, membros de uma
sociedade, uns aos outros formando a coesão social .
Há dois tipos diferentes de solidariedade social. Esses
tipos tem relação com o espaço ocupado na
mentalidade dos membros da sociedade pela
consciência coletiva e pela consciência individual.
COESÃO, SOLIDARIEDADE E CONSCIÊNCIA
Consciência Coletiva – Conjunto de crenças e de sentimentos
comuns aos membros de uma mesma sociedade, formando um
sistema determinado, com atuação própria. É adquirida mediante
os processos de socialização aos quais somos submetidos ao longo
de nossa existência em sociedade.
Consciência Individual – É aquilo que é próprio do indivíduo, que o
diferencia dos demais. São crenças, hábitos, pensamentos,
vontades, que não são compartilhados pela coletividade, mas que
que são especificamente individuais (idiossincrasias)
FATO PATOLÓGICO E ANOMIA
O crescente desenvolvimento da indústria e da
tecnologia faz com que Durkheim tivesse uma visão
otimista sobre o futuro do capitalismo.
“O capitalismo é uma sociedade perfeita, pois a
maior divisão de trabalho aumenta a especialização
de funções que aumenta a dependência, tendo
maior solidariedade.”
Como explicar os problemas sociais, tais como favela,
criminalidade, suicídio, fome, miséria, poluição,
desemprego?
A crise da sociedade é moral. Ou as normas estão
falhando (fato patológico) ou há ausência de normas
(anomia).
FATO PATOLÓGICO E ANOMIA
As causas do suicídio são sociais, dependendo do maior
ou menor grau de coesão social.
Três tipos de suicídio:
EGOÍSTA
ALTRUÍSTA
ANÔMICO
Falta de integração
Excesso de integração
Falta de limites e regras
SUICÍDIO
Se alguém se desvinculasse das
instituições sociais e passasse a viver
sem limites.
Se alguém valoriza a sociedade mais do
que a sim mesmo e decide morrer em
razão desse valor.
Se alguém não se sente partícipe dos
“laços” de reciprocidade e identidade
ao meio social.
Émile Durkheim, as instituições e o indivíduo
Para Émile Durkheim, a sociedade sempre
prevalece sobre o indivíduo, dispondo de certas
regras, normas, costumes e leis que formam uma
consciência coletiva.
créditodasimagens:Thinkstock/GettyImages
A família, a escola, o sistema judiciário e o Estado são
exemplos de instituições que congregam os elementos
essenciais da sociedade, dando-lhe sustentação e
permanência.
Faculdade de Direito da USP, em
São Paulo, na década de 1930.
Reprodução
Condicionado e controlado pelas instituições, cada
membro de uma sociedade sabe como deve agir para não
desestabilizar a vida comunitária. Sabe também que, se
não agir da forma estabelecida, será repreendido ou
punido, dependendo da falta cometida.
Thinkstock/GettyImages
Segundo Durkheim, o processo de socialização
dissemina as normas e valores gerais da
sociedade e assegura a difusão de ideias
que formam um conjunto
homogêneo, para que
a comunidade
permaneça integrada
e se perpetue no tempo.
Thinkstock/GettyImages
Durkheim compara a sociedade com um corpo. As
patologias são consequências dos desvios morais
presentes na sociedade.
A Sociologia encontraria as “partes” da sociedade
que estão produzindo fatos sociais patológicos e
apontar para a solução do problema.
Como nos referimos aos problemas de ordem moral,
cabe à Sociologia apontar novos valores para que a
sociedade possa escolher aqueles que poderão
ajudar a solucionar os seus problemas.
Max
Weber
(1864-1920)
Max Weber
(1864-1920)
Karl Emil Maximilian Weber, É considerado um dos
fundadores do estudo moderno da sociologia, mas
sua influência também pode ser sentida na economia,
Sua obra mais famosa é A ética protestante e o espírito do
capitalismo, onde Weber argumentou que a religião era uma das
razões do nascimento do capitalismo, da burocracia e do estado
racional e legal nos países ocidentais.
na filosofia, no direito, na ciência política e na administração.
Grande parte de seu trabalho como pensador e estudioso foi
reservado para o estudo do capitalismo e do chamado processo de
racionalização e desencantamento do mundo.
Max Weber, o Indivíduo e a Ação Social
Para o alemão Max Weber, a sociedade existe
concretamente, mas não é algo externo e acima das
pessoas, e sim o conjunto das ações dos indivíduos
relacionando-se. Partindo do indivíduo e de suas
motivações, Weber pretende compreender a
sociedade.
crédito das imagens: Thinkstock/Getty Images
Max Weber, mesmo sem eliminar o estudo das causas e
rigor na coleta de dados e no tratamento dos fatos,
enfatiza a necessidade de se usar o método da
“COMPREENSÃO”, em oposição ao critério da
“explicação”, típico das ciências da natureza.
Destacam-se a AÇÃO SOCIAL e a DOMINAÇÃO LEGÍTIMA.
+
TIPOLOGIAS
TIPOLOGIA DA AÇÃO
SOCIAL
TIPOLOGIA DA
DOMINAÇÃO LEGÍTIMA
WEBER
RELIGIÃO E CAPITALISMO
AÇÃO
TRADICIONAL
AÇÃO AFETIVA
AÇÃO RACIONAL
COM RELAÇÃO A
VALORES
AÇÃO RACIONAL
COM RELAÇÃO A
FINS
Determinada por um costume
“arraigado”.
Ex.: Trocas de presentes no Natal,
Dia dos namorados.
Especialmente emotiva, determinada
por afetos e estados sentimentais
atuais”. Ex.: Torcida do Flamengo
Determinada pela crença consciente
em valores (ético, estético, religioso
ou qualquer outra forma)”
Ex.: trabalho voluntario
Determinada por expectativas,
condições ou meios para alcançar fins
próprios, racionalmente perseguidos.
Ex.: Empresa Capitalista
TIPOLOGIA DA AÇÃO SOCIAL
TIPOLOGIA DA DOMINAÇÃO
LEGÍTIMA
DOMINAÇÃO
TRADICIONAL
Refere-se à autoridade pessoal do
governante, investida por força do
costume. (Leviatã, Thomas Hobbes)
DOMINAÇÃO
CARISMÁTICA
É baseada no carisma. Ou seja, na
capacidade excepcional de liderança de
alguém (Presidente Lula)
DOMINAÇÃO
RACIONAL-
LEGAL
baseada no direito que se liga a aspectos
racionais e técnicos de administração
(Chefes de Governo: Angela Merkel)
O Estado ou alguém detém a capacidade de
dominar a sociedade porque são reconhecidos
como legítimos pelos indivíduos.
O Estado constitui a instituição que tem o uso legítimo da força
pelo controle do aparato legal jurídico (a Lei) e do aparato
repressor (a Ordem / Polícia)
RELIGIÃO E CAPITALISMO
“A Ética Protestante e o Espírito do
Capitalismo” (1904)
ÉTICA PROTESTANTE
ÉTICA DA SALVAÇÃO
ÉTICA CALVINISTA
PREDESTINAÇÃO
RACIONALIDADE
BUSCA RACIONAL DO LUCRO
VALORIZAÇÃO DA PROFISSÃO
DISCIPLINA
PARCIMÔNIA
DISCRIÇÃO
POUPANÇA
ESPÍRITO DO CAPITALSIMO
Karl
Marx
(1818-1883)
Karl Marx
(1818-1883)
foi um filósofo, sociólogo, jornalista e revolucionário
socialista. Nascido na Prússia, ele mais tarde se
tornou apátrida e passou grande parte de sua vida em
Londres, no Reino Unido.
A obra de Marx em economia estabeleceu a base ao entendimento
atual sobre o trabalho e sua relação com o capital, além do
pensamento econômico posterior. Ele publicou vários livros
durante sua vida, sendo que O Manifesto Comunista (1848) e O
Capital (1867-1894) são os mais proeminentes.
Elogiado e criticado, Marx tem sido descrito como uma das figuras
mais influentes na história da humanidade. Muitos intelectuais,
sindicatos e partidos políticos a nível mundial foram influenciados
por suas ideias, com muitas variações sobre o seu trabalho base
Os conceitos de Marx deram ênfase na crítica de uma
dominação com base econômica, sofrendo diversas inflexões
e desdobramentos.
Marx estabeleceu importantes
conceitos para compreender o
funcionamento do capitalismo,
como a “mais-valia”, Reflexão
crítica sobre a realidade por
meio da DIALÉTICA e as formas
de exploração das classes
trabalhadoras, tendo o Estado
como reprodutor ideológico.
ANÁLISE SOBRE O MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISTA
É composto pelos meios de produção e as relações de
produção.
Meios de produção: Máquinas, ferramentas, tecnologia, força
de trabalho
Relações de produção: Somente por meio delas se realiza a
produção. Elas variam de acordo com os meios de produção.
São as próprias relações e organizações entre os homens.
No intercâmbio entre as relações de produção e as forças
produtivas que a riqueza se transformam em capital, somente
por meio do trabalho tal relação é concretizada.
As relações de produção condicionam as relações sociais.
A EXPLORAÇÃO CAPITALISTA
Mais Valia: é a quantidade de trabalho não paga ao trabalhador.
Duas formas de extração da mais-valia:
Absoluta: Aumento da jornada de trabalho
Relativa: Aumento da intensidade do trabalho. Que pode se dar
pelo incremento de tecnologia na produção, aumentando a
produtividade da produção.
Os meios de produção capitalistas se transformam
incessantemente, sua base é revolucionária, ao passo que os modos
de produção anteriores eram essencialmente conservadores.
Essa constante revolução se da às custas dos operários: pois o
trabalho se torna parcelar; o próprio trabalhador não reconhece o
produto do seu trabalho.
ESTADO E SOCIEDADE
O Estado é produto das contradições inerentes à própria
sociedade.
O Estado é a expressão essencial das relações de produção
específicas do capitalismo.
O monopólio do aparelho estatal, diretamente ou por meio de
grupos interpostos, é a condição básica do exercício da
dominação.
O poder político é na verdade o poder organizado de uma classe
para a opressão das outras.
Mercantilização de todas as relações humanas.
A política também se torna mercantilizada. OLHA O SARNEY!
A globalização (ou a mundialização) do capital foi um fenômeno
previsto por Marx em suas análises.
MATERIALISMO HISTÓRICO DIALÉTICO
O materialismo designa um conjunto
de doutrinas filosóficas que, ao
rejeitar a existência de um princípio
espiritual liga toda a realidade à
matéria e a suas modificações.
Materialismo Histórico é uma tese do
marxismo, segundo a qual o modo de
produção da vida material condiciona o
conjunto da vida social, política e
espiritual. É um método de compreensão e
análise da história, das lutas e das
evoluções econômicas e políticas.
método dialético são a tese,
a antítese e a síntese.
Tese = afirmação inicial
Antítese= oposição à
tese
Síntese = resultado do
conflito entre tese e
antítese
De acordo com Marx, as pessoas constroem sua
história, mas não da maneira que querem, pois os
fatos são condicionados por situações anteriores.
AS CONDIÇÕES MATERIAIS DE TODA A SOCIEDADE
CONDICIONAM AS DEMAIS RELAÇÕES .
O estudo de qualquer sociedade deve partir das RELAÇÕES
SOCIAIS que os homens estabelecem entre si para utilizar os
meios de produção e transformar a natureza.
As relações sociais de produção são a base que condiciona todo o resto da sociedade.
Para Marx, só é possível entender as relações
sociais dos indivíduos com base:
nos antagonismos;
nas contradições;
na complementaridade
entre as classes sociais.
Bibliotéque Nationale, Paris, França
O “homem real” faz a História: populares invadem a
Assembleia Constituinte da França em 15 de maio de 1848,
para reivindicar a manutenção de suas conquistas
democráticas e sociais. Pintura de autor desconhecido, s.d.
A chave para
compreender a vida
social contemporânea
está na luta de classes,
que se desenvolve à
medida que homens e
mulheres procuram
satisfazer suas
necessidades, “oriundas
do estômago ou da
fantasia”.
Thinkstock/GettyImages
De acordo com teoria marxista conclui-se que:
a) Podemos conhecer a sociedade concreta a partir das
relações das pessoas no processo produtivo de bens materiais
e,
b) Buscando compreender o estágio de desenvolvimento que
se encontram as forças produtivas.
Dessa forma, podemos afirmar que:
As Relações Sociais de Produção
+
As Forças Produtivas
=
A Base econômica das sociedades hierarquicamente construídas
As relações sociais de produção podem ser entendidas como a
organização e interação das pessoas e das classes na sociedade,
tendo em vista a produção material e a reprodução social, a
manutenção e a ampliação das relações socio-político-
econômicas.
As forças produtivas são a terra, trabalho, capital e tecnologia:
elementos essenciais à produção capitalista.
OU SEJA...
MARX AFIRMA QUE:
“ O MODO DE PRODUÇÃO DA VIDA MATERIAL (base econômica da
produção de bens materiais) CONDICIONA O DESENVOLVIMENTO
DA VIDA SOCIAL, POLÍTICA E INTELECTUAL EM GERAL
(superestrutura da sociedade).”
A base da organização da sociedade é econômica, e a partir dessa
organização surgem as outras estruturas da sociedade (instâncias
políticas, jurídicas e ideológicas).
Tudo isso representa a reprodução das relações de produção
Base econômica da sociedade
=
Forças Produtivas + Relações Sociais de Produção
Instâncias políticas Instâncias Ideológicas Instâncias jurídicas
Método – O PESQUISADOR NÃO DEVE SE LIMITAR À DESCREVER A
REALIDADE SOCIAL, MAS DEVE PROCURAR IDENTIFICAR COMO
ESSA REALIDADE SE PRODUZ E SE REPRODUZ AO LONGO DA
HISTÓRIA.
MARX CIÊNCIA TEM UM PAPEL POLÍTICO
Deve ser INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO DA REALIDADE,
AGINDO COMO INTELECTUAL ORGÂNICO PELA REVOLUÇÃO.
Texto e Contexto
Manifesto Comunista
“Dentre todas as classes que hoje se defrontam com a
burguesia, apenas o proletariado é uma classe
verdadeiramente revolucionária.
Os proletários... têm de destruir tudo o que até agora vem
garantindo e assegurando a propriedade privada existente. O
proletariado fará uso de seu domínio político para retirar
gradualmente todo o capital da burguesia, para centralizar
todos os instrumentos de produção nas mãos do Estado, ou
seja, do proletariado organizado como classe dominante.”
(MARX, Karl & ENGELS, Frederich. O Manifesto Comunista, 1848)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
Over Lane
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
Juliana Corvino de Araújo
 
Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
Portal do Vestibulando
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
Moacyr Anício
 
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Darlan Campos
 
Processo de socialização
Processo de socializaçãoProcesso de socialização
Processo de socialização
homago
 
Sociologia e Sociedade
Sociologia e SociedadeSociologia e Sociedade
Sociologia e Sociedade
Rosane Domingues
 
Max weber
Max weberMax weber
Apostila sociologia - eja fácil
Apostila sociologia - eja fácilApostila sociologia - eja fácil
Apostila sociologia - eja fácil
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Aula 4-sociologia-aula-4-antropologia
Aula 4-sociologia-aula-4-antropologiaAula 4-sociologia-aula-4-antropologia
Aula 4-sociologia-aula-4-antropologia
Suely Lima Lopes
 
Identidade e Alteridade
Identidade e AlteridadeIdentidade e Alteridade
Identidade e Alteridade
Paula Meyer Piagentini
 
Aula 3 - Durkheim
Aula 3 - DurkheimAula 3 - Durkheim
Aula 3 - Durkheim
Mauricio Serafim
 
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
homago
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Clássicos da sociologia
Clássicos da sociologiaClássicos da sociologia
Clássicos da sociologia
Luciano Carvalho
 
A sociologia de Max Weber
A  sociologia de Max WeberA  sociologia de Max Weber
A sociologia de Max Weber
Alison Nunes
 
Sociologia: Ciência x Senso comum
Sociologia: Ciência x Senso comumSociologia: Ciência x Senso comum
Sociologia: Ciência x Senso comum
Cintia Dozono
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologia
Marcelo Freitas
 
Emile Durkheim
Emile DurkheimEmile Durkheim
Emile Durkheim
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Trabalho e sociedade
Trabalho e sociedadeTrabalho e sociedade
Trabalho e sociedade
rblfilos
 

Mais procurados (20)

Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
 
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
 
Processo de socialização
Processo de socializaçãoProcesso de socialização
Processo de socialização
 
Sociologia e Sociedade
Sociologia e SociedadeSociologia e Sociedade
Sociologia e Sociedade
 
Max weber
Max weberMax weber
Max weber
 
Apostila sociologia - eja fácil
Apostila sociologia - eja fácilApostila sociologia - eja fácil
Apostila sociologia - eja fácil
 
Aula 4-sociologia-aula-4-antropologia
Aula 4-sociologia-aula-4-antropologiaAula 4-sociologia-aula-4-antropologia
Aula 4-sociologia-aula-4-antropologia
 
Identidade e Alteridade
Identidade e AlteridadeIdentidade e Alteridade
Identidade e Alteridade
 
Aula 3 - Durkheim
Aula 3 - DurkheimAula 3 - Durkheim
Aula 3 - Durkheim
 
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
1 ano sociologia as relações entre indivíduo e sociedade
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
 
Clássicos da sociologia
Clássicos da sociologiaClássicos da sociologia
Clássicos da sociologia
 
A sociologia de Max Weber
A  sociologia de Max WeberA  sociologia de Max Weber
A sociologia de Max Weber
 
Sociologia: Ciência x Senso comum
Sociologia: Ciência x Senso comumSociologia: Ciência x Senso comum
Sociologia: Ciência x Senso comum
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologia
 
Emile Durkheim
Emile DurkheimEmile Durkheim
Emile Durkheim
 
Trabalho e sociedade
Trabalho e sociedadeTrabalho e sociedade
Trabalho e sociedade
 

Destaque

História da Filosofia dos Pré Socráticos ao Helenismo
História da Filosofia   dos Pré Socráticos ao HelenismoHistória da Filosofia   dos Pré Socráticos ao Helenismo
História da Filosofia dos Pré Socráticos ao Helenismo
Lucio Oliveira
 
Civilização Romana
Civilização RomanaCivilização Romana
Civilização Romana
Lucio Oliveira
 
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
Lucio Oliveira
 
Classical Sociological Theory
Classical Sociological TheoryClassical Sociological Theory
Classical Sociological Theory
St Mary's University, Twickenham, London
 
Acucar e escravidao
Acucar e escravidaoAcucar e escravidao
Acucar e escravidao
Lilian Larroca
 
Governos gerais
Governos geraisGovernos gerais
Governos gerais
Lilian Larroca
 
Pau brasil
Pau brasilPau brasil
Pau brasil
Lilian Larroca
 
Conflitos
ConflitosConflitos
Conflitos
Lilian Larroca
 
Navegadores fenícios e conquistadores persas
Navegadores fenícios e conquistadores persasNavegadores fenícios e conquistadores persas
Navegadores fenícios e conquistadores persas
Lilian Larroca
 
Expedicoes colonizadoras
Expedicoes colonizadorasExpedicoes colonizadoras
Expedicoes colonizadoras
Lilian Larroca
 
Brasil Colônia Módulo I
Brasil Colônia    Módulo IBrasil Colônia    Módulo I
Brasil Colônia Módulo I
Lucio Oliveira
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
Lilian Larroca
 
Marx Weber Durkheim
Marx Weber DurkheimMarx Weber Durkheim
Marx Weber Durkheim
bchozinski
 
Sociologia 1 s_em_volume_1_(2014)
Sociologia 1 s_em_volume_1_(2014)Sociologia 1 s_em_volume_1_(2014)
Sociologia 1 s_em_volume_1_(2014)
Eduardo Oliveira
 
Max Weber
Max WeberMax Weber
Max Weber
Pam Green
 
Descobrimento do brasil
Descobrimento do brasilDescobrimento do brasil
Descobrimento do brasil
Lilian Larroca
 
Soc. 101 rw ch. 2
Soc. 101 rw ch. 2Soc. 101 rw ch. 2
Soc. 101 rw ch. 2
dolphinlove82
 
A agroecologia entre o debate da justiça ambiental e da democracia: alguns de...
A agroecologia entre o debate da justiça ambiental e da democracia: alguns de...A agroecologia entre o debate da justiça ambiental e da democracia: alguns de...
A agroecologia entre o debate da justiça ambiental e da democracia: alguns de...
UFPB
 
O helenismo
O helenismoO helenismo
O helenismo
historiando
 
Apostila nr 10 atualizada (2)
Apostila nr 10 atualizada (2)Apostila nr 10 atualizada (2)
Apostila nr 10 atualizada (2)
Sergio Luiz Sousa Nazario
 

Destaque (20)

História da Filosofia dos Pré Socráticos ao Helenismo
História da Filosofia   dos Pré Socráticos ao HelenismoHistória da Filosofia   dos Pré Socráticos ao Helenismo
História da Filosofia dos Pré Socráticos ao Helenismo
 
Civilização Romana
Civilização RomanaCivilização Romana
Civilização Romana
 
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
 
Classical Sociological Theory
Classical Sociological TheoryClassical Sociological Theory
Classical Sociological Theory
 
Acucar e escravidao
Acucar e escravidaoAcucar e escravidao
Acucar e escravidao
 
Governos gerais
Governos geraisGovernos gerais
Governos gerais
 
Pau brasil
Pau brasilPau brasil
Pau brasil
 
Conflitos
ConflitosConflitos
Conflitos
 
Navegadores fenícios e conquistadores persas
Navegadores fenícios e conquistadores persasNavegadores fenícios e conquistadores persas
Navegadores fenícios e conquistadores persas
 
Expedicoes colonizadoras
Expedicoes colonizadorasExpedicoes colonizadoras
Expedicoes colonizadoras
 
Brasil Colônia Módulo I
Brasil Colônia    Módulo IBrasil Colônia    Módulo I
Brasil Colônia Módulo I
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
Marx Weber Durkheim
Marx Weber DurkheimMarx Weber Durkheim
Marx Weber Durkheim
 
Sociologia 1 s_em_volume_1_(2014)
Sociologia 1 s_em_volume_1_(2014)Sociologia 1 s_em_volume_1_(2014)
Sociologia 1 s_em_volume_1_(2014)
 
Max Weber
Max WeberMax Weber
Max Weber
 
Descobrimento do brasil
Descobrimento do brasilDescobrimento do brasil
Descobrimento do brasil
 
Soc. 101 rw ch. 2
Soc. 101 rw ch. 2Soc. 101 rw ch. 2
Soc. 101 rw ch. 2
 
A agroecologia entre o debate da justiça ambiental e da democracia: alguns de...
A agroecologia entre o debate da justiça ambiental e da democracia: alguns de...A agroecologia entre o debate da justiça ambiental e da democracia: alguns de...
A agroecologia entre o debate da justiça ambiental e da democracia: alguns de...
 
O helenismo
O helenismoO helenismo
O helenismo
 
Apostila nr 10 atualizada (2)
Apostila nr 10 atualizada (2)Apostila nr 10 atualizada (2)
Apostila nr 10 atualizada (2)
 

Semelhante a As origens e os principais teóricos da sociologia

Cp aula 2
Cp aula 2Cp aula 2
Cp aula 2
Maira Conde
 
Sociologia e extensão rural-Victor Fernandes.pptx
Sociologia e extensão rural-Victor Fernandes.pptxSociologia e extensão rural-Victor Fernandes.pptx
Sociologia e extensão rural-Victor Fernandes.pptx
EuvaristaFernandesAl
 
Fundamentos de Sociologia Unidade II
Fundamentos de Sociologia Unidade IIFundamentos de Sociologia Unidade II
Fundamentos de Sociologia Unidade II
Harutchy
 
Aula sobre sociologia clássica
Aula sobre sociologia clássicaAula sobre sociologia clássica
Aula sobre sociologia clássica
josiwedig1
 
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
Rogerio Silva
 
éMile durkheim
éMile durkheiméMile durkheim
éMile durkheim
AUR100
 
Sociologia para o vestibular
Sociologia para o vestibularSociologia para o vestibular
Sociologia para o vestibular
Edenilson Morais
 
O que é sociologia- Jéssica Markline
O que é sociologia- Jéssica MarklineO que é sociologia- Jéssica Markline
O que é sociologia- Jéssica Markline
Marklin's lady
 
O que é sociologia- Jéssica Markline
O que é sociologia- Jéssica MarklineO que é sociologia- Jéssica Markline
O que é sociologia- Jéssica Markline
Marklin's lady
 
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologiaA ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
Fernando Alcoforado
 
Surgimento da Sociologia.ppt
Surgimento da Sociologia.pptSurgimento da Sociologia.ppt
Surgimento da Sociologia.ppt
Igor da Silva
 
Sociologia positivismo, marxismo e sociologia compreensiva
Sociologia   positivismo, marxismo e sociologia compreensivaSociologia   positivismo, marxismo e sociologia compreensiva
Sociologia positivismo, marxismo e sociologia compreensiva
Daniele Rubim
 
Ciencias sociais power point[1][1][1]
Ciencias sociais   power point[1][1][1]Ciencias sociais   power point[1][1][1]
Ciencias sociais power point[1][1][1]
161912
 
Sociologia clássica 1
Sociologia clássica 1Sociologia clássica 1
Sociologia clássica 1
Douglas Gregorio
 
6. apostila de sociologia
6. apostila de sociologia6. apostila de sociologia
6. apostila de sociologia
Noel Anderley Dos Santos
 
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdf
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdfSlides Ciências Sociais Unidade I.pdf
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdf
BrendaBorges35
 
Positivismo
PositivismoPositivismo
Resumo do livro o que é sociologia
Resumo do livro o que é sociologia  Resumo do livro o que é sociologia
Resumo do livro o que é sociologia
Maira Conde
 
Atividades comte, marx, weber, durkheim
Atividades comte, marx, weber, durkheimAtividades comte, marx, weber, durkheim
Atividades comte, marx, weber, durkheim
Atividades Diversas Cláudia
 
Sociologia, os 4 principais idealizadores
Sociologia, os 4 principais idealizadoresSociologia, os 4 principais idealizadores
Sociologia, os 4 principais idealizadores
Roger Jose
 

Semelhante a As origens e os principais teóricos da sociologia (20)

Cp aula 2
Cp aula 2Cp aula 2
Cp aula 2
 
Sociologia e extensão rural-Victor Fernandes.pptx
Sociologia e extensão rural-Victor Fernandes.pptxSociologia e extensão rural-Victor Fernandes.pptx
Sociologia e extensão rural-Victor Fernandes.pptx
 
Fundamentos de Sociologia Unidade II
Fundamentos de Sociologia Unidade IIFundamentos de Sociologia Unidade II
Fundamentos de Sociologia Unidade II
 
Aula sobre sociologia clássica
Aula sobre sociologia clássicaAula sobre sociologia clássica
Aula sobre sociologia clássica
 
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
Sociologia: origens, contexto histórico, político e social Os mestres fundado...
 
éMile durkheim
éMile durkheiméMile durkheim
éMile durkheim
 
Sociologia para o vestibular
Sociologia para o vestibularSociologia para o vestibular
Sociologia para o vestibular
 
O que é sociologia- Jéssica Markline
O que é sociologia- Jéssica MarklineO que é sociologia- Jéssica Markline
O que é sociologia- Jéssica Markline
 
O que é sociologia- Jéssica Markline
O que é sociologia- Jéssica MarklineO que é sociologia- Jéssica Markline
O que é sociologia- Jéssica Markline
 
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologiaA ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
A ciência e os avanços do conhecimento em sociologia
 
Surgimento da Sociologia.ppt
Surgimento da Sociologia.pptSurgimento da Sociologia.ppt
Surgimento da Sociologia.ppt
 
Sociologia positivismo, marxismo e sociologia compreensiva
Sociologia   positivismo, marxismo e sociologia compreensivaSociologia   positivismo, marxismo e sociologia compreensiva
Sociologia positivismo, marxismo e sociologia compreensiva
 
Ciencias sociais power point[1][1][1]
Ciencias sociais   power point[1][1][1]Ciencias sociais   power point[1][1][1]
Ciencias sociais power point[1][1][1]
 
Sociologia clássica 1
Sociologia clássica 1Sociologia clássica 1
Sociologia clássica 1
 
6. apostila de sociologia
6. apostila de sociologia6. apostila de sociologia
6. apostila de sociologia
 
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdf
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdfSlides Ciências Sociais Unidade I.pdf
Slides Ciências Sociais Unidade I.pdf
 
Positivismo
PositivismoPositivismo
Positivismo
 
Resumo do livro o que é sociologia
Resumo do livro o que é sociologia  Resumo do livro o que é sociologia
Resumo do livro o que é sociologia
 
Atividades comte, marx, weber, durkheim
Atividades comte, marx, weber, durkheimAtividades comte, marx, weber, durkheim
Atividades comte, marx, weber, durkheim
 
Sociologia, os 4 principais idealizadores
Sociologia, os 4 principais idealizadoresSociologia, os 4 principais idealizadores
Sociologia, os 4 principais idealizadores
 

Último

UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 

Último (20)

UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 

As origens e os principais teóricos da sociologia

  • 1. AS ORIGENS E OS PRINCIPAIS TEÓRICOS DA SOCIOLOGIA
  • 2. Orientações: Os conceitos destacados em vermelho constituem as definições e ideias mais importantes a serem assimiladas e cobradas na avaliação. Questões: 1. Concepção de Estado para Max Weber. 2. Sociedade e Capitalismo para Weber. 3. Weber e a Ação Social. 4. A Sociedade, as Ciências e o Positivismo. 5. Durkheim – Fato Social e Coercitividade. 6. O papel social dos indivíduos na sociedade segundo Comte e Marx. 7. Marx e a centralidade do Trabalho. 8. A Divisão do trabalho segundo Durkheim. 9. O Crime, a Coesão Social e os conflitos segundo Durkheim. 10. O Positivismo e a compreensão da sociedade.
  • 3. Não tinha, contudo, a forma de Ciência, estando vinculada mais ao caráter normativo. Elementos Precursores Tem seu ponto de partida na Grécia, em meio as preocupações em explicar a sociedade, desenvolvidas pelos filósofos e oradores que buscavam garantir aos homens possibilidades de compreensão dos elementos que constituem a existência social. Platão – Obra: A República, constitui os princípios do modelo ideal de organização política . Aristóteles – Obra: Política, defende que os homens são animais políticos e, portanto, necessitam estabelecer leis para conviverem em harmonia.
  • 4. Apresentava caráter fundamentalmente normativo e dogmático, determinado pela Fé e pela busca da salvação. Elementos Precursores No contexto da Idade Média, o pensamento e o conhecimento estiveram sob domínio do teocentrismo cristão, onde se explicava a existência a partir da Transcedência e da Vontade Divina Santo Agostinho – obra: Confissões e A Cidade de Deus, onde defende que a sociedade deve se guiar pelo Reino de Deus. Predomínio da ideia de que cada grupo social desenvolvia uma função específica em benefício de todos.
  • 5. Propagam-se valores mais adequados aos interesses sociais, políticos e econômicos da ascendente burguesia e do capitalismo Elementos Precursores Com a Idade Moderna, as influências do Movimento Renascentista buscam libertar o homem do domínio teocêntrico, estimulando o resgate do Racionalismo e da laicização do conhecimento. Maquiavel – Obra: O Príncipe. Concebe o pensamento político moderno, desvincula os conceitos éticos do pensamento antigo e dos valores cristãos do período medieval Hobbes – Obra: O Leviatã, defende que os homens são, naturalmente, perversos e egoístas e, portanto, necessitam de um governo absoluto para conviverem em harmonia.
  • 6. A crítica ao Antigo Regime e, por consequência, a defesa da Liberdade, da Justiça e da Razão como instrumentos da autonomia humana forjam os princípios revolucionários da Era das Revoluções Burguesas. Elementos Precursores No decorrer do século XVIII, o Iluminismo estabelece os fundamentos ideológicos da sociedade contemporânea. A partir da efetivação da sociedade contemporânea, sob as influências da Revolução Francesa e da Revolução Industrial, criam-se as preocupações e os fundamentos para o surgimento das Ciências Sociais como campo de análise das transformações daquele contexto.
  • 7. A Sociologia surgiu como uma disciplina no século XIX, na forma de uma resposta acadêmica para um desafio de modernidade: se o mundo está ficando menor e mais integrado, a experiência de pessoas do mundo é crescentemente atomizada e dispersada. Sociólogos não só esperavam entender o que unia os grupos sociais, mas também desenvolver um "antídoto" para a desintegração social. O surgimento da sociologia
  • 8. CONTEXTO HISTÓRICO: A Revolução Industrial (Séculos XVIII/XIX). • REPERCUSSÕES: • O fim do produtor independente. • Êxodo rural • explosão demográfica urbana • Processo de proletarização • Miséria (doenças, prostituição, suicídios, alcoolismo, violências, etc.) • Primeiras manifestações operárias (ludismo, cartismo) • Ideologias operárias: comunismo e anarquismo. • Criava-se uma sociedade altamente competitiva e individualista.
  • 9.  Existem quatro teóricos considerados os principais precursores da sociologia:  Henri de Saint-Simom.  Pierre-Joseph Proudhon.  August Comte.  Herbert Spencer.  Há três pensadores que são considerados clássicos da sociologia:  Émile Durkheim.  Max Weber.  Karl Marx. O surgimento da sociologia
  • 10. A sociologia tem ao menos três linhas mestras explicativas desenvolvidas pelos teóricos clássicos da Sociologia. TeoriasSociológicas POSITIVISTA-FUNCIONALISTA – Tendo como fundador Auguste Comte e principal expoente Émile Durkheim, propondo uma investigação sistêmica dos fatos sociais. SOCIOLOGIA COMPREENSIVA – Desenvolvida por Max Weber que pretende entender e interpretar a ação social, para dessa maneira explicá-la causalmente em seus desenvolvimentos e efeitos SOCIOLOGIA HISTÓRICO CRÍTICA – Iniciada por Karl Marx, que mesmo não sendo sociólogo, e sequer se pretendendo a tal, deu forma a uma profícua linha de explicação sociológica
  • 12. Auguste Comte (1798-1857) Isidore Auguste Marie François Xavier Comte – Discípulo de Saint Simon, de quem recebeu influência significativa. Após intenso estudo sobre a estática e a dinâmica social desenvolveu os fundamentos da Sociologia. Comte, que esperava unificar todos os estudos relativos ao homem como a História, a Psicologia e a Economia. Seu esquema sociológico era positivista, (corrente que teve grande força no século XIX), e ele acreditava que toda a vida humana tinha atravessado as mesmas fases históricas distintas e que, se a pessoa pudesse compreender este progresso, poderia prescrever os remédios para os problemas de ordem social.
  • 13. POSITIVISMO A Sociedade é regida por leis Naturais, independentes da vontade e da ação humana; na vida social, reina uma harmonia natural. A Sociedade pode ser estudada pelo métodos, trajetória e processos empregados pelas Ciências da Natureza. As Ciências da Sociedade, assim como as da Natureza, devem limitar- se à observação e à explicação causal dos fenômenos, de forma objetiva, neutra, livre de julgamentos de valor ou Ideologias (neutralidade axiológica).
  • 14. Comte afirmava que a sociedade deveria ser considerada como um organismo vivo, cujas partes desempenham funções específicas que contribuem para manter o equilíbrio do todo. Ele atribuía importância singular à noção de “consenso”, ou seja, às ideias e crenças comuns, partilhadas por todas as pessoas de determinada sociedade, que seriam as responsáveis por manter a ordem nessa sociedade. Garantindo, dessa forma, a coesão social
  • 15. Na sua perspectiva teórica, Comte rompe com a tradição católica e monarquista. Defende a República Liberal e elabora uma proposta que busca resolver as contradições da sociedade de sua época. Preocupa-se em organizar a sociedade em meio aos impactos das Revoluções Burguesas, defendendo a plena reforma intelectual aos homens. A Física Social tem o papel de analisar, cientificamente, a sociedade, suas estruturas e processos de organização, estabelecendo os mecanismos necessários para tal reforma, apontando para a evolução da humanidade (Darwinismo Social)
  • 16. O DARWINISMO SOCIAL Segundo Herbert Spencer, a Teoria da Evolução de Darwin, podia ser perfeitamente aplicada à evolução da sociedade: assim como existia uma seleção natural entre as espécies, com o predomínio dos animais e plantas mais capazes, ela existia também na sociedade. As sociedades se organizam, se modificam e se desenvolvem em um mesmo sentido, avançando de um estágio inferior para outro superior, caracterizado pela sobrevivência dos organismos mais fortes e evoluídos
  • 17. Comte e os Três Estágios da Evolução Social Teológico: Aquele em que os fenômenos e a existência social são explicados por elementos religiosos, como representação da vontade dos deuses. Metafísico: os fenômenos são explicados por meio de forças ocultas e/ou entidades abstratas. As abstrações personificadas substituem as vontades sobrenaturais Positivista: Estágio das sociedades industriais. Onde os fenômenos são compreendidos e explicados por definições científicas. No estágio positivo procura-se descobrir as leis segundo as quais os fenômenos se encadeiam uns aos outros.
  • 18. Comte ainda avaliou que a sociedade possuía dois movimentos principais: dinâmico e estático. Movimento dinâmico: É o responsável pela evolução social que imprime sobre as sociedades as transformações para estágios superiores e mais complexos. (progresso) Movimento estático: É o responsável pela organização e equilíbrio do organismo que ajustaria a sociedade ao seu melhor funcionamento harmônico. (ordem)
  • 21. Émile Durkheim (1858-1917) David Émile Durkheim foi um sociólogo, antropólogo, cientista político e filósofo francês. Formalmente, criou a disciplina acadêmica da sociologia Muito de seu trabalho estava preocupado com a forma como as sociedades poderiam manter sua integridade e coerência na modernidade, tendo deixado como legado uma série de estudos que se notabilizaram pelo esforço em combinar pesquisa empírica e teórica, desenvolvendo uma metodologia sociológica. Durkheim também estava preocupado com a aceitação da sociologia como ciência legítima. Aperfeiçoou o positivismo, promovendo o que poderia ser considerado como uma forma de realismo epistemológico
  • 22. SOCIOLOGIA FUNCIONALISTA Émile Durkheim quis fazer da sociologia uma disciplina objetiva, colocando como regra o FUNCIONAMENTO do método sociológico a consideração dos FATOS SOCIAIS como coisas. FATOS SOCIAIS: COERÇÃO – Obriga um indivíduo a adotar um determinado comportamento social. O grau de coerção de um fato social pode ser identificado pelas sanções sociais que ele provoca. EXTERIORIZAÇÃO – São externos porque são fatos coletivos, como a religião ou o sistema econômico, por exemplo, independentes dos indivíduos. GENERALIDADE – É social todo Fato que é geral, ou seja, que se manifesta em todos os indivíduos ou, pelo menos, na maioria deles.
  • 23. https://beatlescollege.files.wordpress.com/2012/05/028.jpg Ao expor o conceito de Fato Social, Durkheim mostra como a sociedade, através de eventos sociais, influencia a forma de pensar e de estar de um indivíduo. Apesar de, no início dos seus trabalhos, ter focado no caráter coercitivo dos fatos sociais, o desenvolvimento dos estudos e o seu amadurecimento levou-o a explorar previamente as demais características e, nos seus trabalhos mais recentes, a palavra "obrigação" quase não aparece relacionada aos fatos sociais.
  • 24. Émile Durkheim e a coesão social SherwinCrasto/Reuters//Latinstock Para Durkheim, a crescente especialização do trabalho promovida pela produção industrial moderna trouxe uma forma superior de solidariedade, e não de conflito. Centro de atendimento ao cliente na Índia, em 2004. Para Durkheim, a especialização e divisão do trabalho geram a coesão social.
  • 25. DURKHEIM Procura compreender o aumento do individualismo na integração social. Durkheim tenta entender o funcionamento da sociedade da mesma forma que a Biologia entende o funcionamento de um corpo. Cada indivíduo tem uma função a cumprir que é importante para o funcionamento de todo o corpo social. DIVISÃO SOCIAL DO TRABALHO
  • 26. SOCIEDADE PRÉ-CAPITALISTA SOCIEDADE CAPITALISTA Tradicional Não diversificada Pré-industrial Semelhanças de funções: união Simples Causa da coesão social: união Pouca divisão do trabalho Solidariedade mecânica Moderna Diversificada Industrial Especialização de funções: dependência Complexa Causa da coesão social: dependência Muita divisão do trabalho Solidariedade orgânica
  • 27. Sociedade constituída por Solidariedade Mecânica  Divisão do trabalho era pouco desenvolvida Não havia um grande número de especializações. As pessoas se uniam não porque dependiam do trabalho das outras, mas porque tinham a mesma religião, as mesmas tradições, os mesmos sentimentos, os mesmos valores. Nela a consciência coletiva era forte e pesava sobre o comportamento de todos.  Predominava o Direito Repressivo (Penal) pois o crime feria os sentimentos coletivos.
  • 28. Sociedade constituída por Solidariedade Orgânica  Há divisão de trabalho porque há mais especialização de funções.  O que une as pessoas é a interdependência das funções sociais.  A consciência coletiva é fraca pois é difusa, difundindo-se pelas diversas instituições.  Predomina o Direito Restitutivo (Civil), pois a função do Direito mais do que punir o criminoso, é restabelecer a ordem que foi violada.
  • 29. Durkheim admite que a Solidariedade Orgânica é superior à Mecânica, pois ao se especializarem as funções, a individualidade de certo modo é ressaltada, permitindo maior liberdade de ação
  • 30. COESÃO, SOLIDARIEDADE E CONSCIÊNCIA A “solidariedade social”, para Durkheim, é formada pelos laços que ligam os indivíduos, membros de uma sociedade, uns aos outros formando a coesão social . Há dois tipos diferentes de solidariedade social. Esses tipos tem relação com o espaço ocupado na mentalidade dos membros da sociedade pela consciência coletiva e pela consciência individual.
  • 31. COESÃO, SOLIDARIEDADE E CONSCIÊNCIA Consciência Coletiva – Conjunto de crenças e de sentimentos comuns aos membros de uma mesma sociedade, formando um sistema determinado, com atuação própria. É adquirida mediante os processos de socialização aos quais somos submetidos ao longo de nossa existência em sociedade. Consciência Individual – É aquilo que é próprio do indivíduo, que o diferencia dos demais. São crenças, hábitos, pensamentos, vontades, que não são compartilhados pela coletividade, mas que que são especificamente individuais (idiossincrasias)
  • 32. FATO PATOLÓGICO E ANOMIA O crescente desenvolvimento da indústria e da tecnologia faz com que Durkheim tivesse uma visão otimista sobre o futuro do capitalismo. “O capitalismo é uma sociedade perfeita, pois a maior divisão de trabalho aumenta a especialização de funções que aumenta a dependência, tendo maior solidariedade.”
  • 33. Como explicar os problemas sociais, tais como favela, criminalidade, suicídio, fome, miséria, poluição, desemprego? A crise da sociedade é moral. Ou as normas estão falhando (fato patológico) ou há ausência de normas (anomia). FATO PATOLÓGICO E ANOMIA
  • 34. As causas do suicídio são sociais, dependendo do maior ou menor grau de coesão social. Três tipos de suicídio: EGOÍSTA ALTRUÍSTA ANÔMICO Falta de integração Excesso de integração Falta de limites e regras SUICÍDIO Se alguém se desvinculasse das instituições sociais e passasse a viver sem limites. Se alguém valoriza a sociedade mais do que a sim mesmo e decide morrer em razão desse valor. Se alguém não se sente partícipe dos “laços” de reciprocidade e identidade ao meio social.
  • 35. Émile Durkheim, as instituições e o indivíduo Para Émile Durkheim, a sociedade sempre prevalece sobre o indivíduo, dispondo de certas regras, normas, costumes e leis que formam uma consciência coletiva. créditodasimagens:Thinkstock/GettyImages
  • 36. A família, a escola, o sistema judiciário e o Estado são exemplos de instituições que congregam os elementos essenciais da sociedade, dando-lhe sustentação e permanência. Faculdade de Direito da USP, em São Paulo, na década de 1930. Reprodução
  • 37. Condicionado e controlado pelas instituições, cada membro de uma sociedade sabe como deve agir para não desestabilizar a vida comunitária. Sabe também que, se não agir da forma estabelecida, será repreendido ou punido, dependendo da falta cometida. Thinkstock/GettyImages
  • 38. Segundo Durkheim, o processo de socialização dissemina as normas e valores gerais da sociedade e assegura a difusão de ideias que formam um conjunto homogêneo, para que a comunidade permaneça integrada e se perpetue no tempo. Thinkstock/GettyImages
  • 39. Durkheim compara a sociedade com um corpo. As patologias são consequências dos desvios morais presentes na sociedade. A Sociologia encontraria as “partes” da sociedade que estão produzindo fatos sociais patológicos e apontar para a solução do problema. Como nos referimos aos problemas de ordem moral, cabe à Sociologia apontar novos valores para que a sociedade possa escolher aqueles que poderão ajudar a solucionar os seus problemas.
  • 41. Max Weber (1864-1920) Karl Emil Maximilian Weber, É considerado um dos fundadores do estudo moderno da sociologia, mas sua influência também pode ser sentida na economia, Sua obra mais famosa é A ética protestante e o espírito do capitalismo, onde Weber argumentou que a religião era uma das razões do nascimento do capitalismo, da burocracia e do estado racional e legal nos países ocidentais. na filosofia, no direito, na ciência política e na administração. Grande parte de seu trabalho como pensador e estudioso foi reservado para o estudo do capitalismo e do chamado processo de racionalização e desencantamento do mundo.
  • 42. Max Weber, o Indivíduo e a Ação Social Para o alemão Max Weber, a sociedade existe concretamente, mas não é algo externo e acima das pessoas, e sim o conjunto das ações dos indivíduos relacionando-se. Partindo do indivíduo e de suas motivações, Weber pretende compreender a sociedade. crédito das imagens: Thinkstock/Getty Images
  • 43. Max Weber, mesmo sem eliminar o estudo das causas e rigor na coleta de dados e no tratamento dos fatos, enfatiza a necessidade de se usar o método da “COMPREENSÃO”, em oposição ao critério da “explicação”, típico das ciências da natureza. Destacam-se a AÇÃO SOCIAL e a DOMINAÇÃO LEGÍTIMA. +
  • 44. TIPOLOGIAS TIPOLOGIA DA AÇÃO SOCIAL TIPOLOGIA DA DOMINAÇÃO LEGÍTIMA WEBER RELIGIÃO E CAPITALISMO
  • 45. AÇÃO TRADICIONAL AÇÃO AFETIVA AÇÃO RACIONAL COM RELAÇÃO A VALORES AÇÃO RACIONAL COM RELAÇÃO A FINS Determinada por um costume “arraigado”. Ex.: Trocas de presentes no Natal, Dia dos namorados. Especialmente emotiva, determinada por afetos e estados sentimentais atuais”. Ex.: Torcida do Flamengo Determinada pela crença consciente em valores (ético, estético, religioso ou qualquer outra forma)” Ex.: trabalho voluntario Determinada por expectativas, condições ou meios para alcançar fins próprios, racionalmente perseguidos. Ex.: Empresa Capitalista TIPOLOGIA DA AÇÃO SOCIAL
  • 46. TIPOLOGIA DA DOMINAÇÃO LEGÍTIMA DOMINAÇÃO TRADICIONAL Refere-se à autoridade pessoal do governante, investida por força do costume. (Leviatã, Thomas Hobbes) DOMINAÇÃO CARISMÁTICA É baseada no carisma. Ou seja, na capacidade excepcional de liderança de alguém (Presidente Lula) DOMINAÇÃO RACIONAL- LEGAL baseada no direito que se liga a aspectos racionais e técnicos de administração (Chefes de Governo: Angela Merkel)
  • 47. O Estado ou alguém detém a capacidade de dominar a sociedade porque são reconhecidos como legítimos pelos indivíduos. O Estado constitui a instituição que tem o uso legítimo da força pelo controle do aparato legal jurídico (a Lei) e do aparato repressor (a Ordem / Polícia)
  • 48. RELIGIÃO E CAPITALISMO “A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo” (1904) ÉTICA PROTESTANTE ÉTICA DA SALVAÇÃO ÉTICA CALVINISTA PREDESTINAÇÃO RACIONALIDADE BUSCA RACIONAL DO LUCRO VALORIZAÇÃO DA PROFISSÃO DISCIPLINA PARCIMÔNIA DISCRIÇÃO POUPANÇA ESPÍRITO DO CAPITALSIMO
  • 50. Karl Marx (1818-1883) foi um filósofo, sociólogo, jornalista e revolucionário socialista. Nascido na Prússia, ele mais tarde se tornou apátrida e passou grande parte de sua vida em Londres, no Reino Unido. A obra de Marx em economia estabeleceu a base ao entendimento atual sobre o trabalho e sua relação com o capital, além do pensamento econômico posterior. Ele publicou vários livros durante sua vida, sendo que O Manifesto Comunista (1848) e O Capital (1867-1894) são os mais proeminentes. Elogiado e criticado, Marx tem sido descrito como uma das figuras mais influentes na história da humanidade. Muitos intelectuais, sindicatos e partidos políticos a nível mundial foram influenciados por suas ideias, com muitas variações sobre o seu trabalho base
  • 51. Os conceitos de Marx deram ênfase na crítica de uma dominação com base econômica, sofrendo diversas inflexões e desdobramentos. Marx estabeleceu importantes conceitos para compreender o funcionamento do capitalismo, como a “mais-valia”, Reflexão crítica sobre a realidade por meio da DIALÉTICA e as formas de exploração das classes trabalhadoras, tendo o Estado como reprodutor ideológico.
  • 52. ANÁLISE SOBRE O MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISTA É composto pelos meios de produção e as relações de produção. Meios de produção: Máquinas, ferramentas, tecnologia, força de trabalho Relações de produção: Somente por meio delas se realiza a produção. Elas variam de acordo com os meios de produção. São as próprias relações e organizações entre os homens. No intercâmbio entre as relações de produção e as forças produtivas que a riqueza se transformam em capital, somente por meio do trabalho tal relação é concretizada. As relações de produção condicionam as relações sociais.
  • 53. A EXPLORAÇÃO CAPITALISTA Mais Valia: é a quantidade de trabalho não paga ao trabalhador. Duas formas de extração da mais-valia: Absoluta: Aumento da jornada de trabalho Relativa: Aumento da intensidade do trabalho. Que pode se dar pelo incremento de tecnologia na produção, aumentando a produtividade da produção. Os meios de produção capitalistas se transformam incessantemente, sua base é revolucionária, ao passo que os modos de produção anteriores eram essencialmente conservadores. Essa constante revolução se da às custas dos operários: pois o trabalho se torna parcelar; o próprio trabalhador não reconhece o produto do seu trabalho.
  • 54. ESTADO E SOCIEDADE O Estado é produto das contradições inerentes à própria sociedade. O Estado é a expressão essencial das relações de produção específicas do capitalismo. O monopólio do aparelho estatal, diretamente ou por meio de grupos interpostos, é a condição básica do exercício da dominação. O poder político é na verdade o poder organizado de uma classe para a opressão das outras. Mercantilização de todas as relações humanas. A política também se torna mercantilizada. OLHA O SARNEY! A globalização (ou a mundialização) do capital foi um fenômeno previsto por Marx em suas análises.
  • 55. MATERIALISMO HISTÓRICO DIALÉTICO O materialismo designa um conjunto de doutrinas filosóficas que, ao rejeitar a existência de um princípio espiritual liga toda a realidade à matéria e a suas modificações. Materialismo Histórico é uma tese do marxismo, segundo a qual o modo de produção da vida material condiciona o conjunto da vida social, política e espiritual. É um método de compreensão e análise da história, das lutas e das evoluções econômicas e políticas. método dialético são a tese, a antítese e a síntese. Tese = afirmação inicial Antítese= oposição à tese Síntese = resultado do conflito entre tese e antítese
  • 56. De acordo com Marx, as pessoas constroem sua história, mas não da maneira que querem, pois os fatos são condicionados por situações anteriores. AS CONDIÇÕES MATERIAIS DE TODA A SOCIEDADE CONDICIONAM AS DEMAIS RELAÇÕES . O estudo de qualquer sociedade deve partir das RELAÇÕES SOCIAIS que os homens estabelecem entre si para utilizar os meios de produção e transformar a natureza. As relações sociais de produção são a base que condiciona todo o resto da sociedade.
  • 57. Para Marx, só é possível entender as relações sociais dos indivíduos com base: nos antagonismos; nas contradições; na complementaridade entre as classes sociais. Bibliotéque Nationale, Paris, França O “homem real” faz a História: populares invadem a Assembleia Constituinte da França em 15 de maio de 1848, para reivindicar a manutenção de suas conquistas democráticas e sociais. Pintura de autor desconhecido, s.d.
  • 58. A chave para compreender a vida social contemporânea está na luta de classes, que se desenvolve à medida que homens e mulheres procuram satisfazer suas necessidades, “oriundas do estômago ou da fantasia”. Thinkstock/GettyImages
  • 59. De acordo com teoria marxista conclui-se que: a) Podemos conhecer a sociedade concreta a partir das relações das pessoas no processo produtivo de bens materiais e, b) Buscando compreender o estágio de desenvolvimento que se encontram as forças produtivas. Dessa forma, podemos afirmar que: As Relações Sociais de Produção + As Forças Produtivas = A Base econômica das sociedades hierarquicamente construídas
  • 60. As relações sociais de produção podem ser entendidas como a organização e interação das pessoas e das classes na sociedade, tendo em vista a produção material e a reprodução social, a manutenção e a ampliação das relações socio-político- econômicas. As forças produtivas são a terra, trabalho, capital e tecnologia: elementos essenciais à produção capitalista. OU SEJA... MARX AFIRMA QUE: “ O MODO DE PRODUÇÃO DA VIDA MATERIAL (base econômica da produção de bens materiais) CONDICIONA O DESENVOLVIMENTO DA VIDA SOCIAL, POLÍTICA E INTELECTUAL EM GERAL (superestrutura da sociedade).”
  • 61. A base da organização da sociedade é econômica, e a partir dessa organização surgem as outras estruturas da sociedade (instâncias políticas, jurídicas e ideológicas). Tudo isso representa a reprodução das relações de produção Base econômica da sociedade = Forças Produtivas + Relações Sociais de Produção Instâncias políticas Instâncias Ideológicas Instâncias jurídicas
  • 62. Método – O PESQUISADOR NÃO DEVE SE LIMITAR À DESCREVER A REALIDADE SOCIAL, MAS DEVE PROCURAR IDENTIFICAR COMO ESSA REALIDADE SE PRODUZ E SE REPRODUZ AO LONGO DA HISTÓRIA. MARX CIÊNCIA TEM UM PAPEL POLÍTICO Deve ser INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO DA REALIDADE, AGINDO COMO INTELECTUAL ORGÂNICO PELA REVOLUÇÃO.
  • 63. Texto e Contexto Manifesto Comunista “Dentre todas as classes que hoje se defrontam com a burguesia, apenas o proletariado é uma classe verdadeiramente revolucionária. Os proletários... têm de destruir tudo o que até agora vem garantindo e assegurando a propriedade privada existente. O proletariado fará uso de seu domínio político para retirar gradualmente todo o capital da burguesia, para centralizar todos os instrumentos de produção nas mãos do Estado, ou seja, do proletariado organizado como classe dominante.” (MARX, Karl & ENGELS, Frederich. O Manifesto Comunista, 1848)