SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
OS DISTÚRBIOS DA LEITURA 
O PAPEL DO PROFESSOR FRENTE A ESSAS 
QUESTÕES EM SALA DE AULA
Os distúrbios de aprendizagem na área da leitura 
podem ser atribuídos às mais variáveis causas: 
 Orgânicas 
 Psicológicas 
 Pedagógicas 
 Sócio-culturais 
 Disléxicas
DISLEXIA: Distúrbio de aprendizagem na área de linguagem. 
Apesar da assustadora impressão do termo, a 
dislexia não é uma doença. Ela é um distúrbio genético 
e neurobiológico de funcionamento do cérebro para 
todo processamento linguístico relacionado à leitura. O 
que ocorre são falhas nas conexões cerebrais. Assim, 
a pessoa disléxica tem dificuldade para associar o 
símbolo gráfico e as letras ao som que elas 
representam e não consegue organizá-los 
mentalmente numa sequência coerente. Por exemplo, 
a palavra “PROCURAR” pode ser vista e entendida por 
um disléxico como “PORCURAR”.
Funcionamento do cérebro: 
Origem neurobiológica – verificam-se diferenças nas áreas temporais, parietais e 
occipitais do cérebro de indivíduos com dislexia. 
As mais recentes técnicas de investigação em imagiologia não invasivas, 
mostram que o hemisfério esquerdo posterior não funciona de forma eficaz, 
ativando zonas diferentes do cérebro durante a leitura (em comparação com os 
indivíduos não disléxicos)(Shaywitz, 2003).
Alguns sinais da dislexia: 
 Leitura lenta e segmentada; 
 Fluência na leitura comprometida; 
 Cansaço extremo ao ler e falta de interesse por livros; 
 Inversões de palavras; 
 Perda de linha no texto; 
 Irritabilidade; 
 Sonolência; 
 Distração; 
 Dificuldades em copiar textos; 
 Bom desempenho em provas orais; 
 Letra espelhada.
Em geral, considerada relapsa, desatenta, 
preguiçosa, sem vontade de aprender, o disléxico 
demonstra insegurança e baixa apreciação de si mesmo, 
sendo comum o abandono da escola, as reações rebeldes 
ou de natureza depressiva, havendo necessidade de 
tratamento especializado.
Como o professor deve proceder: 
 Colocá-lo de frente e no centro do quadro, preferencialmente na primeira 
carteira; 
 Escrever claro e espaçado no quadro, delimitando as partes (duas ou três 
partes no máximo); 
 Escrever cada parte do quadro com uma cor diferente; 
 Permitir que o disléxico levante-se, aponte o lápis, vá até o quadro, ou outro 
movimento que o relaxe, exigindo que retorne ao lugar em seguida; 
 Ensinar o aluno a utilizar a agenda; 
 Permitir tempo extra para a resposta às questões e para completar os 
trabalhos escritos; 
 Evitar que tenha que ler em público. Em situações em que isso é 
absolutamente necessário, oportunizar que ele prepare a leitura em casa.
Como o professor deve proceder: 
 Aceitar que se distraia com maior facilidade que os demais, posto que a 
leitura lhe exige um superesforço. 
 O disléxico geralmente tem dificuldade com a orientação e organização 
espaciais. Pode, sem perceber, pular folhas do caderno, pular linhas 
indevidamente, escrever na apostila trocada, fazer anotações em locais 
inadequados. Mostrar sempre o certo, não punir o erro e não criticá-lo pela 
falta de atenção. Diminuir a tolerância à medida que os anos escolares se 
sucedem. 
 Valorizar sempre o conteúdo trabalhado e “tolerar” as dificuldades 
gramaticais, como letra maiúscula, parágrafo, pontuação, acentuação, 
caligrafia irregular, etc. Diminuir a tolerância à medida que os anos escolares 
se sucedem. 
 Ser sempre claro e sucinto nas explicações das ordens dadas oralmente, 
preferencialmente dando exemplos e mostrando onde quer que faça a 
atividade.
Como o professor deve proceder: 
 A leitura do disléxico geralmente é muito ruim, porém a compreensão pode 
estar preservada. Ele pode ler palavras trocadas, de conteúdo semântico 
semelhante. Ex.: /unir/ por /juntar/; /beber/ por /tomar/. Tolerar, desde que a 
compreensão seja preservada; 
 Se o professor não entendeu o que o aluno escreveu, a letra, ou o que ele 
quis dizer, solicitar que ele leia sua escrita, antes de corrigir; 
 Não trabalhar no limite, esperando que com o tempo vai passar; 
 Disciplina, organização e criatividade são os fatores chave para que um 
disléxico tenha sucesso em sala de aula. A rigidez e os modelos pré-concebidos 
não se encaixam com este aluno.
Proposta de ação pedagógica: 
 Evitar a cópia completa de textos longos do quadro , dando-lhe uma xerox 
como complemento; 
 Sublinhar ou salientar de outro modo textos e exercícios para que os 
estudantes localizem melhor o material mais importante; 
 Oferecer instruções tanto oralmente quanto por escrito; 
 Usar sempre mais de um canal de aprendizagem e informação, com 
diferentes recursos audiovisuais; 
 Trabalhar sempre com o erro como forma de aprendizado e nunca como 
meio de punição; 
 Produzir erros “de propósito” para que os alunos descubram; 
 Oferecer fácil acesso a tabelas de matemática, listas de fórmulas, mapas etc; 
 Realizar pré-leitura do material escrito;
Proposta de ação pedagógica: 
 Resumir as ideias principais, extrair as palavras-chave, fazer perguntas, 
inferências; 
 Ensinar o aluno a parafrasear, isto é, dizer com suas palavras o que 
entendeu, passando para a escrita; 
 Ensinar o aluno a ler, parar e avaliar se compreendeu. Não permitir que leia 
toda a página para chegar à conclusão, no final, de que não entendeu nada; 
 Aceitar respostas objetivas, diretas, curtas, desde que contenham a resposta 
solicitada. Aumentar a exigência à medida que os anos escolares avançam; 
 Os textos do disléxico tendem a ser desorganizados, com falhas na 
sequência dos fatos e excesso de pronomes. Explicar e numerar os 
parágrafos; 
 Fazer com que o aluno pratique a leitura de poesias, textos dramáticos, cante 
músicas, faça leitura em coral; pois são métodos excelentes para melhorar 
sua fluência;
Vantagens tecnológicas: 
 Uso do computador: 
Os computadores podem ser usados como ferramentas para encontrar, 
organizar e armazenar informações; como processadores de textos, podendo 
fazer correções ortográficas e revisões gramaticais; como facilitador na 
colocação de ideias no papel. 
 Uso da calculadora: 
Permitir o uso da calculadora nos exercícios e testes escolares. 
 Uso de gravadores/MP3: 
Permitir o uso para registrar as aulas, como um dispositivo de ajuda na 
compreensão dos conteúdos e utilizá-lo também como ferramenta de pré-escrita.
Aprendizagem de língua estrangeira: 
Considerando o esforço que os disléxicos 
fazem para dominar a fonologia de sua língua 
materna desde o nascimento, é difícil também que 
eles dominem uma nova língua.
Método de avaliação: 
 Reduzir o número de questões ou problemas dos testes; 
 Realizar avaliações orais; 
 Evitar a utilização de testes de múltipla escolha; 
 Disponibilizar tempo extra para a realização das avaliações; 
 Valorizar os trabalhos pelo conteúdo, pela ideia e não pela ortografia; 
 Oportunizar um local tranquilo para a realização de testes e avaliações.
O distúrbio da leitura e escrita, quando não 
diagnosticado ainda na infância, leva o adulto a 
apresentar perturbações de ordem emocional, 
social e linguística.
Webgrafia: 
 http://seer.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/2692 
 http://www.dislexia.org.br/category/s2-o-que-e-dislexia/c12-definicao-de- 
dislexia/ 
 http://nunesjanilton.blogspot.com.br/2013/05/dislexia.html

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Distúrbios de aprendizagem na escola
Distúrbios de aprendizagem na escolaDistúrbios de aprendizagem na escola
Distúrbios de aprendizagem na escola
marleneevang
 
ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA
ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICAALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA
ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA
Leonarda Macedo
 
Dificuldade de aprendizagem no contexto pedagógico
Dificuldade de aprendizagem no contexto pedagógicoDificuldade de aprendizagem no contexto pedagógico
Dificuldade de aprendizagem no contexto pedagógico
assessoriapedagogica
 
Consciência Fonológica
Consciência FonológicaConsciência Fonológica
Consciência Fonológica
Ananda Lima
 
Sistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAICSistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Vera Marlize Schröer
 
Workshop emoções e afetos na educação
Workshop emoções e afetos na educaçãoWorkshop emoções e afetos na educação
Workshop emoções e afetos na educação
Anaí Peña
 
A importância da neurociência na educação
A importância da neurociência na educaçãoA importância da neurociência na educação
A importância da neurociência na educação
UNICEP
 

Mais procurados (20)

Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
Distúrbios de aprendizagem na escola
Distúrbios de aprendizagem na escolaDistúrbios de aprendizagem na escola
Distúrbios de aprendizagem na escola
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
DIFICULDADES, TRANSTORNOS OU DIVERSIDADE DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO DE ALFAB...
DIFICULDADES, TRANSTORNOS OU DIVERSIDADE DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO DE ALFAB...DIFICULDADES, TRANSTORNOS OU DIVERSIDADE DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO DE ALFAB...
DIFICULDADES, TRANSTORNOS OU DIVERSIDADE DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO DE ALFAB...
 
ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA
ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICAALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA
ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA
 
Reunião de pais
Reunião de paisReunião de pais
Reunião de pais
 
Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagem
 
Encontro pedagógico
Encontro pedagógicoEncontro pedagógico
Encontro pedagógico
 
Desenvolvimento da Fala e da Linguagem
Desenvolvimento da Fala e da LinguagemDesenvolvimento da Fala e da Linguagem
Desenvolvimento da Fala e da Linguagem
 
Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento
 
Dificuldade de aprendizagem no contexto pedagógico
Dificuldade de aprendizagem no contexto pedagógicoDificuldade de aprendizagem no contexto pedagógico
Dificuldade de aprendizagem no contexto pedagógico
 
Consciência Fonológica
Consciência FonológicaConsciência Fonológica
Consciência Fonológica
 
Sistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAICSistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAIC
 
Disgrafia
DisgrafiaDisgrafia
Disgrafia
 
5. consciencia fonologica
5. consciencia fonologica5. consciencia fonologica
5. consciencia fonologica
 
Workshop emoções e afetos na educação
Workshop emoções e afetos na educaçãoWorkshop emoções e afetos na educação
Workshop emoções e afetos na educação
 
A importância da neurociência na educação
A importância da neurociência na educaçãoA importância da neurociência na educação
A importância da neurociência na educação
 
TDAH, Dislexia e Discalculia
TDAH, Dislexia e DiscalculiaTDAH, Dislexia e Discalculia
TDAH, Dislexia e Discalculia
 
Aula de LIBRAS - Inicial
Aula de LIBRAS - InicialAula de LIBRAS - Inicial
Aula de LIBRAS - Inicial
 
Neurociências e aprendizagem
Neurociências e aprendizagem   Neurociências e aprendizagem
Neurociências e aprendizagem
 

Semelhante a Os distúrbios da leitura para blog

Estratgiasparatrabalharcomalunoscomdislexia 121219130908-phpapp01
Estratgiasparatrabalharcomalunoscomdislexia 121219130908-phpapp01Estratgiasparatrabalharcomalunoscomdislexia 121219130908-phpapp01
Estratgiasparatrabalharcomalunoscomdislexia 121219130908-phpapp01
Júlio Coincas
 
Slidesii 101017152839-phpapp01
Slidesii 101017152839-phpapp01Slidesii 101017152839-phpapp01
Slidesii 101017152839-phpapp01
ERILENE OLIVEIRA
 
Estratégias para trabalhar com alunos com dislexia
Estratégias para trabalhar com alunos com dislexiaEstratégias para trabalhar com alunos com dislexia
Estratégias para trabalhar com alunos com dislexia
Magda Ferreira
 
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
EFIGÊNIA NERES
 
Síndrome asperger
Síndrome aspergerSíndrome asperger
Síndrome asperger
Leo137
 

Semelhante a Os distúrbios da leitura para blog (20)

Lidando com as_dificuldades_de_aprendizagem
Lidando com as_dificuldades_de_aprendizagemLidando com as_dificuldades_de_aprendizagem
Lidando com as_dificuldades_de_aprendizagem
 
Lidando com as_dificuldades_de_aprendizagem
Lidando com as_dificuldades_de_aprendizagemLidando com as_dificuldades_de_aprendizagem
Lidando com as_dificuldades_de_aprendizagem
 
Lidando com as_dificuldades_de_aprendizagem
Lidando com as_dificuldades_de_aprendizagemLidando com as_dificuldades_de_aprendizagem
Lidando com as_dificuldades_de_aprendizagem
 
DISLEXIA (1).pptx
DISLEXIA (1).pptxDISLEXIA (1).pptx
DISLEXIA (1).pptx
 
Estratgiasparatrabalharcomalunoscomdislexia 121219130908-phpapp01
Estratgiasparatrabalharcomalunoscomdislexia 121219130908-phpapp01Estratgiasparatrabalharcomalunoscomdislexia 121219130908-phpapp01
Estratgiasparatrabalharcomalunoscomdislexia 121219130908-phpapp01
 
Dislexia
DislexiaDislexia
Dislexia
 
Discalculia
DiscalculiaDiscalculia
Discalculia
 
Slidesii 101017152839-phpapp01
Slidesii 101017152839-phpapp01Slidesii 101017152839-phpapp01
Slidesii 101017152839-phpapp01
 
Estratégias para trabalhar com alunos com dislexia
Estratégias para trabalhar com alunos com dislexiaEstratégias para trabalhar com alunos com dislexia
Estratégias para trabalhar com alunos com dislexia
 
Dislexia
DislexiaDislexia
Dislexia
 
Dislexia
DislexiaDislexia
Dislexia
 
Na Crista da Onda_Livro do ProfessorU.pdf
Na Crista da Onda_Livro do ProfessorU.pdfNa Crista da Onda_Livro do ProfessorU.pdf
Na Crista da Onda_Livro do ProfessorU.pdf
 
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
 
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
Estrategias de suporte para os transtornos ou dificuldades de leitura e escri...
 
Fluencia leitora
Fluencia leitoraFluencia leitora
Fluencia leitora
 
Fluencia leitora
Fluencia leitoraFluencia leitora
Fluencia leitora
 
Síndrome asperger
Síndrome aspergerSíndrome asperger
Síndrome asperger
 
Síndrome asperger
Síndrome aspergerSíndrome asperger
Síndrome asperger
 
INTERVENÇÃO DO TDAH NA PRÁTICA.pdf
INTERVENÇÃO DO TDAH NA PRÁTICA.pdfINTERVENÇÃO DO TDAH NA PRÁTICA.pdf
INTERVENÇÃO DO TDAH NA PRÁTICA.pdf
 
Dislexia guia
Dislexia   guiaDislexia   guia
Dislexia guia
 

Mais de Latife Frota (8)

Distúrbio da fala
Distúrbio da falaDistúrbio da fala
Distúrbio da fala
 
1 disturbios da visao
1 disturbios da  visao1 disturbios da  visao
1 disturbios da visao
 
Discalculia
DiscalculiaDiscalculia
Discalculia
 
Distúrbios da escrita
 Distúrbios da escrita Distúrbios da escrita
Distúrbios da escrita
 
Hipóteses da escrita
Hipóteses da escritaHipóteses da escrita
Hipóteses da escrita
 
hipóteses da escrita
 hipóteses da escrita hipóteses da escrita
hipóteses da escrita
 
distrbios da escrita
distrbios da escritadistrbios da escrita
distrbios da escrita
 
PSICOMOTRICIDADE E SEUS DISTÚRBIOS
PSICOMOTRICIDADE E SEUS DISTÚRBIOSPSICOMOTRICIDADE E SEUS DISTÚRBIOS
PSICOMOTRICIDADE E SEUS DISTÚRBIOS
 

Último

Último (20)

O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 

Os distúrbios da leitura para blog

  • 1. OS DISTÚRBIOS DA LEITURA O PAPEL DO PROFESSOR FRENTE A ESSAS QUESTÕES EM SALA DE AULA
  • 2. Os distúrbios de aprendizagem na área da leitura podem ser atribuídos às mais variáveis causas:  Orgânicas  Psicológicas  Pedagógicas  Sócio-culturais  Disléxicas
  • 3. DISLEXIA: Distúrbio de aprendizagem na área de linguagem. Apesar da assustadora impressão do termo, a dislexia não é uma doença. Ela é um distúrbio genético e neurobiológico de funcionamento do cérebro para todo processamento linguístico relacionado à leitura. O que ocorre são falhas nas conexões cerebrais. Assim, a pessoa disléxica tem dificuldade para associar o símbolo gráfico e as letras ao som que elas representam e não consegue organizá-los mentalmente numa sequência coerente. Por exemplo, a palavra “PROCURAR” pode ser vista e entendida por um disléxico como “PORCURAR”.
  • 4. Funcionamento do cérebro: Origem neurobiológica – verificam-se diferenças nas áreas temporais, parietais e occipitais do cérebro de indivíduos com dislexia. As mais recentes técnicas de investigação em imagiologia não invasivas, mostram que o hemisfério esquerdo posterior não funciona de forma eficaz, ativando zonas diferentes do cérebro durante a leitura (em comparação com os indivíduos não disléxicos)(Shaywitz, 2003).
  • 5. Alguns sinais da dislexia:  Leitura lenta e segmentada;  Fluência na leitura comprometida;  Cansaço extremo ao ler e falta de interesse por livros;  Inversões de palavras;  Perda de linha no texto;  Irritabilidade;  Sonolência;  Distração;  Dificuldades em copiar textos;  Bom desempenho em provas orais;  Letra espelhada.
  • 6. Em geral, considerada relapsa, desatenta, preguiçosa, sem vontade de aprender, o disléxico demonstra insegurança e baixa apreciação de si mesmo, sendo comum o abandono da escola, as reações rebeldes ou de natureza depressiva, havendo necessidade de tratamento especializado.
  • 7. Como o professor deve proceder:  Colocá-lo de frente e no centro do quadro, preferencialmente na primeira carteira;  Escrever claro e espaçado no quadro, delimitando as partes (duas ou três partes no máximo);  Escrever cada parte do quadro com uma cor diferente;  Permitir que o disléxico levante-se, aponte o lápis, vá até o quadro, ou outro movimento que o relaxe, exigindo que retorne ao lugar em seguida;  Ensinar o aluno a utilizar a agenda;  Permitir tempo extra para a resposta às questões e para completar os trabalhos escritos;  Evitar que tenha que ler em público. Em situações em que isso é absolutamente necessário, oportunizar que ele prepare a leitura em casa.
  • 8. Como o professor deve proceder:  Aceitar que se distraia com maior facilidade que os demais, posto que a leitura lhe exige um superesforço.  O disléxico geralmente tem dificuldade com a orientação e organização espaciais. Pode, sem perceber, pular folhas do caderno, pular linhas indevidamente, escrever na apostila trocada, fazer anotações em locais inadequados. Mostrar sempre o certo, não punir o erro e não criticá-lo pela falta de atenção. Diminuir a tolerância à medida que os anos escolares se sucedem.  Valorizar sempre o conteúdo trabalhado e “tolerar” as dificuldades gramaticais, como letra maiúscula, parágrafo, pontuação, acentuação, caligrafia irregular, etc. Diminuir a tolerância à medida que os anos escolares se sucedem.  Ser sempre claro e sucinto nas explicações das ordens dadas oralmente, preferencialmente dando exemplos e mostrando onde quer que faça a atividade.
  • 9. Como o professor deve proceder:  A leitura do disléxico geralmente é muito ruim, porém a compreensão pode estar preservada. Ele pode ler palavras trocadas, de conteúdo semântico semelhante. Ex.: /unir/ por /juntar/; /beber/ por /tomar/. Tolerar, desde que a compreensão seja preservada;  Se o professor não entendeu o que o aluno escreveu, a letra, ou o que ele quis dizer, solicitar que ele leia sua escrita, antes de corrigir;  Não trabalhar no limite, esperando que com o tempo vai passar;  Disciplina, organização e criatividade são os fatores chave para que um disléxico tenha sucesso em sala de aula. A rigidez e os modelos pré-concebidos não se encaixam com este aluno.
  • 10. Proposta de ação pedagógica:  Evitar a cópia completa de textos longos do quadro , dando-lhe uma xerox como complemento;  Sublinhar ou salientar de outro modo textos e exercícios para que os estudantes localizem melhor o material mais importante;  Oferecer instruções tanto oralmente quanto por escrito;  Usar sempre mais de um canal de aprendizagem e informação, com diferentes recursos audiovisuais;  Trabalhar sempre com o erro como forma de aprendizado e nunca como meio de punição;  Produzir erros “de propósito” para que os alunos descubram;  Oferecer fácil acesso a tabelas de matemática, listas de fórmulas, mapas etc;  Realizar pré-leitura do material escrito;
  • 11. Proposta de ação pedagógica:  Resumir as ideias principais, extrair as palavras-chave, fazer perguntas, inferências;  Ensinar o aluno a parafrasear, isto é, dizer com suas palavras o que entendeu, passando para a escrita;  Ensinar o aluno a ler, parar e avaliar se compreendeu. Não permitir que leia toda a página para chegar à conclusão, no final, de que não entendeu nada;  Aceitar respostas objetivas, diretas, curtas, desde que contenham a resposta solicitada. Aumentar a exigência à medida que os anos escolares avançam;  Os textos do disléxico tendem a ser desorganizados, com falhas na sequência dos fatos e excesso de pronomes. Explicar e numerar os parágrafos;  Fazer com que o aluno pratique a leitura de poesias, textos dramáticos, cante músicas, faça leitura em coral; pois são métodos excelentes para melhorar sua fluência;
  • 12. Vantagens tecnológicas:  Uso do computador: Os computadores podem ser usados como ferramentas para encontrar, organizar e armazenar informações; como processadores de textos, podendo fazer correções ortográficas e revisões gramaticais; como facilitador na colocação de ideias no papel.  Uso da calculadora: Permitir o uso da calculadora nos exercícios e testes escolares.  Uso de gravadores/MP3: Permitir o uso para registrar as aulas, como um dispositivo de ajuda na compreensão dos conteúdos e utilizá-lo também como ferramenta de pré-escrita.
  • 13. Aprendizagem de língua estrangeira: Considerando o esforço que os disléxicos fazem para dominar a fonologia de sua língua materna desde o nascimento, é difícil também que eles dominem uma nova língua.
  • 14. Método de avaliação:  Reduzir o número de questões ou problemas dos testes;  Realizar avaliações orais;  Evitar a utilização de testes de múltipla escolha;  Disponibilizar tempo extra para a realização das avaliações;  Valorizar os trabalhos pelo conteúdo, pela ideia e não pela ortografia;  Oportunizar um local tranquilo para a realização de testes e avaliações.
  • 15. O distúrbio da leitura e escrita, quando não diagnosticado ainda na infância, leva o adulto a apresentar perturbações de ordem emocional, social e linguística.
  • 16. Webgrafia:  http://seer.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/2692  http://www.dislexia.org.br/category/s2-o-que-e-dislexia/c12-definicao-de- dislexia/  http://nunesjanilton.blogspot.com.br/2013/05/dislexia.html