SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Baixar para ler offline
COORDENADORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL
CÉLULA DE ENSINO FUNDAMENTAL I
SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO DE
FLUÊNCIA LEITORA
A Secretaria Municipal da Educação (SME) apresenta sugestões de atividades para o
desenvolvimento de fluência leitora que podem ser incorporadas ao planejamento pedagógico do
Ensino Fundamental, por considerar a escola como um espaço que promove experiências de
aprendizagens ao garantir a consolidação dos processos de alfabetização e letramento e por
compreender o planejamento como um momento oportuno de congregar ideias e ações.
O presente documento apresenta tópicos importantes que deverão ser considerados na elaboração
do planejamento escolar.
Vale ressaltar que o objetivo maior dessa proposição é ampliar a competência do aluno na leitura,
desenvolvendo a habilidade de ler um texto com ritmo, precisão e entonação, favorecendo a
compreensão do material lido.
A leitura é um processo de interação entre o leitor e o texto para satisfazer um propósito ou
finalidade. Lemos para algo: devanear, preencher um momento de lazer, seguir uma pauta, realizar
uma atividade, entre outras coisas. Para compreender o texto o leitor utiliza seus conhecimentos de
mundo e os conhecimentos de texto.
Alguns aspectos importantes para o trabalho com a leitura em sala de aula.
 Objetivos da leitura
Os objetivos dos leitores, ou propósitos, com relação a um texto podem ser muito variados, de
acordo com as situações e momentos. Segue alguns dos objetivos da leitura que podem e devem ser
trabalhados em sala de aula:
· ler para obter uma informação precisa;
· ler para seguir instruções;
· ler para obter uma informação de caráter geral;
· ler para aprender;
· ler para revisar um escrito próprio;
· ler por prazer;
· ler para comunicar um texto a um auditório;
· ler para praticar a leitura em voz alta; e
· ler para verificar o que se compreendeu.
 Algumas condições para o ensino da leitura
• Partir do que os alunos sabem;
• Favorecer a comunicação e a análise;
• Familiarizar os alunos com a língua escrita e criar uma relação positiva com o escrito;
• Experimentar a diversidade de textos e leituras;
COORDENADORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL
CÉLULA DE ENSINO FUNDAMENTAL I
• Ler sem ter que oralizar;
• Leitura em voz alta (como audiência);
• Leitura individual e coletiva.
 Os processos de leitura envolvem procedimentos (estratégias)
• Decodificação – quando o sujeito faz uma leitura superficial, automática, ainda incompleta,
entende os símbolos escritos, anotando palavras desconhecidas e procurando sinônimos, pareando
as palavras do texto com palavras semelhantes ou idênticas das perguntas ou comentários feitos
sobre o texto. Esse passo é importante para a constituição das demais etapas, mas sozinho não
modifica em nada a visão de mundo do leitor, como ressalta Kleiman (1993);
• Antecipação – São as deduções feitas, imaginando o que virá a seguir. Permite supor o que está
por vir, com base em informações explícitas ou implícitas no texto e em suposições do leitor.
• Inferência: Possibilita ao leitor deduzir o que não está explícito no texto.
• Seleção: Permite que o leitor se atenha apenas aos indícios úteis, desprezando os irrelevantes.
• Verificação: Possibilita ao leitor checar a veracidade, ou não, das previsões e inferências feitas
no decorrer da leitura.
Esses processos consistem em fazer ponte entre o que o leitor supõe (seleção, antecipação e
inferência) e as respostas que vai obter a partir do texto, e devem ser permanentes.
SOLÉ (1998, p.89), salienta-nos que “...muitas das estratégias são passíveis de trocas, e
outras estarão presentes antes, durante e depois da leitura.” Acrescenta ainda que as estratégias
de leitura devem estar presentes ao longo de toda a atividade.
 O trabalho com a leitura em sala de aula é desenvolvido em três etapas de
atividades com o texto: o antes, o durante e o depois da leitura.
1. ANTES DA LEITURA
• Ativar o conhecimento prévio: “o que sei sobre este texto?”;
• Dar pistas para os alunos abordarem o texto;
• Ajudar os alunos a prestar atenção a determinados aspectos do texto que podem ativar seu
conhecimento.
Estabelecer previsões sobre o texto
• Formular hipóteses, fazer previsões. É preciso possibilitar ao aluno um momento para o aluno
fazer suposições sobre o que tem no texto, para que depois da leitura, retorne às previsões para
checar o que se confirmou ou não. Promover perguntas aos alunos sobre o texto;
COORDENADORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL
CÉLULA DE ENSINO FUNDAMENTAL I
Professor como modelo
• Quando o professor formula aos alunos suas próprias previsões, é importante explicar-lhes em
que se baseia para formulá-las; também seria conveniente que algumas das suas previsões não
se realizassem e que verificasse com os alunos porque isso aconteceu. Assim, eles perceberiam
que o importante não é a exatidão, mas o ajuste e a coerência.
2. DURANTE A LEITURA
• Além do professor, é importante que os próprios alunos selecionem marcas e indicadores,
formulem hipóteses, verifiquem, construam interpretações;
• Assim, o aluno assume um papel ativo na leitura e na aprendizagem.
3. DEPOIS DA LEITURA
• Retorno e confronto das previsões com o que foi lido;
• Análise dos objetivos alcançados;
• Levantamento das principais ideais do texto;
• Discussão oral e/ou registro escrito.
Sugestões de atividades
1. Leitura de texto feita pelo professor. O professor deverá realizar os seguintes passos:
Predição
• Apresentar o livro que será lido, explorando o título da obra, a ilustração da capa, o
autor, o ilustrador e a editora;
• Ler as informações sobre o autor;
• Ler as informações sobre o ilustrador;
• Conversar com os alunos sobre as funções de cada um para a conclusão da obra
literária (autor, ilustrador e editora);
• Após esse momento, o professor deverá antecipar e/ou prever acontecimentos do texto
a partir do título e da ilustração. Tudo isso juntamente com os alunos;
• Ler o texto em voz alta, cuidando para realizar uma leitura pausada, observando os
sinais de pontuação, visto que, nesse momento, o professor será modelo de leitor para
os seus alunos.
Inferência: No momento da leitura possibilitar ao aluno deduzir o que não está explícito no texto.
Seleção: Permitir que o leitor se atenha apenas aos indícios úteis, desprezando os irrelevantes.
Verificação:
• Após a leitura, converse com seus alunos para verificar se as predições realizadas pelo
grupo se confirmaram ou não;
• Dialogue sobre: O que compreenderam do texto? O que sentiram ao ouvir a história? O
que gostaram? O que não gostaram na história? O que o texto faz lembrar? O que
mudariam na história?
Em um segundo momento oriente os alunos a realizarem a leitura silenciosa (esse momento
deverá ser realizado de forma individual).
COORDENADORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL
CÉLULA DE ENSINO FUNDAMENTAL I
Neste momento o professor deverá sempre orientar a leitura dos alunos que mais necessitam de
acompanhamento.
2. Leitura em voz alta – enquanto lê em voz alta, a concentração é facilitada, já que a leitura
silenciosa pode sofrer interferências de pensamentos alheios ao assunto tratado no texto.
Uma grande aliada do trabalho com fluência na escola é a leitura em voz alta, pois permite
ao aluno preparar-se para ler, ensaiar, compreender para comunicar e expressar a outros um
sentido. Ler para outras pessoas requer habilidade, concentração e expressividade, ou seja,
envolve entonação, ritmo e ênfase. Para Goodman (1986), a leitura veloz está associada a
uma alta compreensão.
Ler e reler não significa de modo algum repetir várias vezes o que se leu sem ver sentido
algum, apenas para tornar a leitura veloz e garantir fluência. O propósito dessa atividade é
favorecer a compreensão de modo a dar mais ênfase a determinados trechos ou escolher o
ritmo da narração.
Dois exemplos de variações para a leitura em voz alta.
1. O professor também poderá realizar com o grupo uma leitura em voz alta de forma
compartilhada, onde os alunos continuam a leitura já iniciada por um colega, segundo a
indicação do professor.
2. Outra estratégia é promover a leitura coletiva e em voz alta, buscando desenvolver a
entonação e a fluência leitora do grupo.
DESENVOLVIMENTO DE FLUÊNCIA LEITORA
Tipos de textos para desenvolver fluência:
• Textos com vocabulário simples, cujo sentido é facilmente compreendido;
• Textos com palavras simples, de duas ou tres sílabas;
• Textos estruturados, com estruturas de frases repetidas.
Número de palavras lidas (por minuto) pelos alunos com leitura fluente:
Ano/ Série
(Ensino Fundamental em 9 anos)
Número de palavras por minuto
1º ano 60 palavras
2º ano 75 a 90 palavras
3º ano 90 a 110 palavras
4º ano 110 a 130 palavras
5º ano 120 a 140 palavras
COORDENADORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL
CÉLULA DE ENSINO FUNDAMENTAL I
Tipos de avaliação de leitura:
1. Avaliação individual:
O professor deverá realizar mensalmente a avaliação individual de leitura dos
alunos. Isso deve ser feito pelo menos uma vez por mês para cada aluno. Dar
um texto de 60 ou 120 palavras e pedir para o aluno ler. O texto deverá ser
desconhecido. O aluno não deve perceber que você está cronometrando o tempo
ou, pelo menos, não deve sentir pressão para ler mais depressa do que
conseguiria normalmente.
2. Avaliação coletiva:
O professor deverá realizar mensalmente a avaliação coletiva de leitura dos
alunos, seguindo os passos:
 Dar um texto igual para todos os alunos;
 Combinar que você vai dizer a hora de virar o papel (onde está o texto)
e para iniciar a leitura;
 Para terminar. Na hora que o professor disser “parem”, os alunos devem
marcar com lápis a última palavra lida. Depois disso, você ensina a
contar quantas palavras os alunos leram num minuto.
SUGESTÕES DE TEXTOS PARA DESENVOLVER FLUÊNCIA LEITORA
1º GRUPO
(Sugestões colhidas no material do Programa ACELERA do Instituto Ayrton Sena)
O PATO
ELIAS JOSÉ
O PATO PERTO DA PORTA
O PATO PERTO DA PIA
O PATO LONGE DA PATA
O PATO PIA QUE PIA.
O PATO LONGE DA PORTA
O PATO LONGE DA PIA
O PATO PERTO DA PATA
É UM PATO QUE NEM PIA.
A FADA DONDOCA
SYLVIA ORTHOF
A FADA DONDOCAADORA GOIABA.
SÓ COME, NO ESCURO, GOIABA MADURA...
COORDENADORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL
CÉLULA DE ENSINO FUNDAMENTAL I
- TENHO MEDO, TENHO NOJO DE VER BICHO DE GOIABA!
PREFIRO COMER DE NOITE, ASSIM NÃO ENXERGO NADA!
QUEM COCHICHA
O RABO ESPICHA
QUEM CUTUCA
O RABO ENCURTA.
VIVA EU, VIVA TU
VIVA O RABO DO TATU.
O RETRATO
MÁRIO QUINTANA
A MENINA GANHOU BONECA E SAPATO,
FOI LOGO TIRAR RETRATO.
O HOMEM RETRATISTA
ERA MESMO UM GRANDE ARTISTA.
DISSE À MENINA:
“NÃO SE MEXA PARA DEPOIS NÃO TER QUEIXA”.
E A MENINA, DURA E SEM GRAÇA
COMO SE FOSSE DE MASSA!
ÖLHE PARA CÁ DIREITINHO,
VAI PASSAR UM PASSARINHO!”
VACAAMARELA
NÃO FOI PRA PANELA.
VACA MALHADA
SÓ FICA DEITADA.
VACA VIOLETA
É MEIO CAMBETA
VACA AZULÃO
AÍ JÁ É AVACALHAÇÃO.
TACHINHA
RICARDO AZEVEDO
É PEQUENININHA,
REDONDA E BAIXINHA.
PARECE BOBINHA,
MAS É BEM BRAVINHA.
FAZ FURO A ESPERTINHA,
ESPETAA CHATINHA,
BELISCAA SANTINHA,
E NÃO PERDE A LINHA.
AS AVENTURAS DA PULGA
ELIAS JOSÉ
UMA PULGA NA PANÇA
DEU UM PULO, VIROU GANÇA.
COORDENADORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL
CÉLULA DE ENSINO FUNDAMENTAL I
UMA PULGA NO PÉ
DEU UM PULO, VIROU CHULÉ.
UMA PULGA NO FOCINHO
DEU UM PULO, VIROU PORQUINHO.
UMA PULGA NO CAMBITO
DEU UM PULO, VIROU CABRITO.
UMA PULGA NA POUPANÇA
DEU UM PULO E FOI À FRANÇA.
2º GRUPO
(Sugestões colhidas no material do Programa do Instituto Alfa e Beto de João Batista Araújo e
Oliveira)
A FOLIA DO BOI BUMBÁ
Cleise Magalhães
LÁ VAI O BOI... E O BOI VEM!
LÁ VAI ABEL... E BIBI VEM!
LÁ FOI ABÍLIA... E MABEL VEM...
ABEL E BIBI:
É BAIÃO, É BAILE OU É BALÉ?
É O VAI E VEM DA FOLIA, MEU BEM.
NA FOLIA O BOI VAI E ELE VEM. O BOM DA FOLIA É O BOI.
O BOI BUMBÁ VAI... E ELE VEM!
OTÁVIO E O BEM-TE-VI
Cleise C. Magalhães
OTÁVIO VIVE NA VILA. NA VILA EM QUE OTÁVIO VIVE TEM UM TIME.
O TIME DA VILA TEM UMA BOLA. A BOLA DO TIME DA VILA É DE MEIA.
A VILA TEM UM VALE. AAVE VOA NO VALE DA VILA. AAVE QUE VOA NO VALE DA
VILA É O BEM-TE-VI. O BEM-TE-VI QUE É DO OTÁVIO.
OTÁVIO QUE VIVE NA VILA, QUE TEM UM TIME, QUE TEM UMA BOLA, QUE É DE
MEIA.
A BOLA BATE NAAVE QUE VOA. A BOLA BATE E ABATE O BEM-TE-VI QUE VOA
NO VALE. O BEM-TE-VI QUE É DO OTÁVIO QUE VIVE NA VILA, QUE TEM UM TIME,
QUE TEM UMA BOLA QUE É DE MEIA.
OS LOBOS
Maria Celeste Fernandes Leão
OS LOBOS VIVEM EM FAMÍLIA. A FAMÍLIA DOS LOBOS VIVE NA MATA. OS LOBOS
UIVAM, ELES UIVAM MUITO: AUUUUUUU... AUUUUUUUU
FÁBIO VAI ATÉ A MATA, FÁBIO NÃO VÊ OS LOBOS. ELE OUVE O UIVO DOS LOBOS:
AUUUUUUU... AUUUUUU...
FÁBIO TEM MEDO DOS LOBOS E VOLTA PARAA VILA. NA VILA FÁBIO VÊ TIÃO E
FALA: - TIÃO, NA MATA VIVEM MUITOS LOBOS.
- VIVEM, FÁBIO. OS LOBOS VIVEM LÁ.
- OS LOBOS TÊM MUITA FOME?
COORDENADORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL
CÉLULA DE ENSINO FUNDAMENTAL I
- ELES TÊM MUITA FOME, FALOU TIÃO.
- EU OUVI OS UIVOS DOS LOBOS NA MATA.
- FÁBIO, VOCÊ TEM MEDO DOS LOBOS?
- DOS LOBOS E DOS UIVOS DOS LOBOS. E VOCÊ, TIÃO?
A PANELA DE SOPA
Rosane Bassalo Siqueira Lima
PEPITA FAZ SOPA NO PANELÃO. NA SOPA PEPITA PÕE: BATATA, PEPINO, AIPIM E
PIMENTA.
A TAMPA DO PANELÃO TEM UM APITO. PIII... PIIII... APITA O PANELÃO! PEPITA DÁ UM
PULO E FALA: - EPA! É O APITO DO PANELÃO DE SOPA.
ELA PÕE A PANELA DE SOPA NA PIA. PAULO VÊ A PANELA DE SOPA. ELE FALA:
- OBA! EU AMO SOPA! PAULO PÕE SOPA NO POTE E TOMA TUDO.
A PIPA
Iara Silvia Andrade
BETO TEM UMA PIPA. A PIPA DE BETO É NOVA, ELA É MUITO BONITA, ELA É MUITO
LEVE. A PIPA É DE PAPEL FINO. ELA VOA... VOA... ELA VOA NO VENTO.
LÁ NO ALTO A PIPA DÁ UMA VOLTA BONITA! BETO VÊ A PIPA. BETO FALA:
- A PIPA É LINDA! A PIPA VOA SOZINHA! O VENTO LEVAA PIPA! A VOLTA QUE A PIPA
DÁ É MUITO BONITA.
A TUMBA DA MÚMIA
Silvana Menezes
MEIA NOITE! LÁ FOI O TÉO E SUA TURMA, ATÉ A TUMBA DA MÚMIA.
- EI, TÉO! VOCÊ NÃO FICA COM MEDO DA MÚMIA? MEU PAI FALOU QUE A TAL
MÚMIA FOI AVÔ DO AVÔ, DO AVÔ, DO AVÔ DO MEU AVÔ.
- ENTÃO VOCÊ É NETO DA MÚMIA? E NETO DE MÚMIA O QUE É? É MÚMIO
TAMBÉM?
- MÚMIO UMA OVA! NETO DE MÚMIA É MU... MU... MUITO VALENTE!
- NÃO MINTA, TÉO! VOCÊ É TÃO VALENTE QUE NÃO TEM MEDO DE NADA?
- EU NÃO TEMO A MÚMIA, TURMA!
- E O QUE VOCÊ TEME, LÉO? TÉO NÃO FALOU NADA. ELE OUVIU TOC... TOC...
A TURMA TODA OUVIU TAMBÉM. AI QUE MEDO!
- TÉO, VOCÊ AINDA NÃO TEM MEDO DE NADA?
- NÃO TEMAM AS BATIDAS NA TAMPA DA TUMBA, TURMA! A MÚMIA É MEU AVÔ!
E FOI ENTÃO QUE... A MEIA NOITE EM PONTO... PUMBA! A TAMPA DA TUMBA
LEVANTOU! A TURMA TODA DEU NO PÉ! TÉO NÃO FOI. ELE, QUE É VALENTE, VIU A
TUMBA E FALOU - VOVÔ!
REFERÊNCIAS:
Solé, I (1998). Estratégias de Leitura, 6ª edição, Porto Alegre, Artmed, 2008, 194p.
Kleiman, Ângela. Oficina de Leitura – Teoria e Prática. Campinas – São Paulo: Pontes/Ed. Da
UNICAMP, 1993,
Atividades de fluência de leitura para crianças. Disponível em:
http://www.ehow.com.br/atividades-fluencia-leitura-criancas-fatos_188810/. Acesso em:
COORDENADORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL
CÉLULA DE ENSINO FUNDAMENTAL I
24.08.2014
A importância da leitura em sala de aula para a fluência leitora. Disponível em:
http://revistaescola.abril.com.br/fundamental-1/importancia-leitura-sala-aula-fluencia-leitora.
Acesso em: 24.08.2014
Lucicleide Maria de Cantalice. Sugestões Práticas: Ensino de Estratégias de Leitura. Disponível
em: http://www.scielo.br/pdf/pee/v8n1/v8n1a14. Acesso em: 24.08.2014
Estratégias de Leitura. Disponível em: http://www.alunosonline.com.br/portugues/estrategias-de-
leitura.html. Acesso em: 24.08.2014

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano de reposição
Plano de reposiçãoPlano de reposição
Plano de reposição
betynhamarx
 
Projeto de leitura para o 3º bimestre
Projeto de leitura para o 3º bimestreProjeto de leitura para o 3º bimestre
Projeto de leitura para o 3º bimestre
heliane
 
Projeto circuito de leitura e escrita com o uso das tecnologias
Projeto circuito de leitura e escrita com o uso das tecnologiasProjeto circuito de leitura e escrita com o uso das tecnologias
Projeto circuito de leitura e escrita com o uso das tecnologias
Nayane Mertens
 
Sequência II - Cordel
Sequência II - CordelSequência II - Cordel
Sequência II - Cordel
Bruna Maria
 
Sequencia didatica 7º ano + cronicas.docx 2
Sequencia didatica 7º ano + cronicas.docx 2Sequencia didatica 7º ano + cronicas.docx 2
Sequencia didatica 7º ano + cronicas.docx 2
Analita Dias
 
Plano de aula crônica
Plano de aula crônicaPlano de aula crônica
Plano de aula crônica
LucianaProf
 

Mais procurados (20)

Plano de aula pronto
Plano de aula prontoPlano de aula pronto
Plano de aula pronto
 
Plano de reposição
Plano de reposiçãoPlano de reposição
Plano de reposição
 
Projeto de leitura para o 3º bimestre
Projeto de leitura para o 3º bimestreProjeto de leitura para o 3º bimestre
Projeto de leitura para o 3º bimestre
 
Projeto circuito de leitura e escrita com o uso das tecnologias
Projeto circuito de leitura e escrita com o uso das tecnologiasProjeto circuito de leitura e escrita com o uso das tecnologias
Projeto circuito de leitura e escrita com o uso das tecnologias
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LGG201)/ (GO-EMLGG201A)
 
Sequência II - Cordel
Sequência II - CordelSequência II - Cordel
Sequência II - Cordel
 
Plano de aula bncc0
Plano de aula bncc0Plano de aula bncc0
Plano de aula bncc0
 
Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial
Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial
Hipóteses de Escrita: como fazer a sondagem inicial
 
Planejamento dança
Planejamento dançaPlanejamento dança
Planejamento dança
 
Fluencia leitora
Fluencia leitoraFluencia leitora
Fluencia leitora
 
Guia de aprendizagem Português ensino médio
Guia de aprendizagem Português ensino médioGuia de aprendizagem Português ensino médio
Guia de aprendizagem Português ensino médio
 
Plano aula modelo gasparim genero textual
Plano aula modelo gasparim  genero textualPlano aula modelo gasparim  genero textual
Plano aula modelo gasparim genero textual
 
PROJETO POEMA & POESIA
PROJETO POEMA & POESIAPROJETO POEMA & POESIA
PROJETO POEMA & POESIA
 
Sequencia didatica 7º ano + cronicas.docx 2
Sequencia didatica 7º ano + cronicas.docx 2Sequencia didatica 7º ano + cronicas.docx 2
Sequencia didatica 7º ano + cronicas.docx 2
 
Plano de aula crônica
Plano de aula crônicaPlano de aula crônica
Plano de aula crônica
 
Planejamento 2015 - proposta de trabalho para sala de leitura
Planejamento 2015 - proposta de trabalho para sala de leituraPlanejamento 2015 - proposta de trabalho para sala de leitura
Planejamento 2015 - proposta de trabalho para sala de leitura
 
Projeto leitura
Projeto leituraProjeto leitura
Projeto leitura
 
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaOficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
 
A Magia da Poesia
A Magia da Poesia A Magia da Poesia
A Magia da Poesia
 
Sequência didática poema
Sequência didática   poemaSequência didática   poema
Sequência didática poema
 

Destaque

Towards a better understanding of early atruamatic brain injury
Towards a better understanding of early atruamatic brain injuryTowards a better understanding of early atruamatic brain injury
Towards a better understanding of early atruamatic brain injury
Alan Challoner
 
Aula 01 carboidratos e proteínas
Aula 01   carboidratos e proteínasAula 01   carboidratos e proteínas
Aula 01 carboidratos e proteínas
mimmous
 
Practical Handout: Nerve conduction
Practical Handout: Nerve conduction Practical Handout: Nerve conduction
Practical Handout: Nerve conduction
vajira54
 
A level biology specification
A level biology specificationA level biology specification
A level biology specification
andymartin
 
[Medicina] genetica molecular biology of the gene - watson j d , et al (5th e...
[Medicina] genetica molecular biology of the gene - watson j d , et al (5th e...[Medicina] genetica molecular biology of the gene - watson j d , et al (5th e...
[Medicina] genetica molecular biology of the gene - watson j d , et al (5th e...
Alexandra Zegarra
 

Destaque (20)

Towards a better understanding of early atruamatic brain injury
Towards a better understanding of early atruamatic brain injuryTowards a better understanding of early atruamatic brain injury
Towards a better understanding of early atruamatic brain injury
 
Aula 01 carboidratos e proteínas
Aula 01   carboidratos e proteínasAula 01   carboidratos e proteínas
Aula 01 carboidratos e proteínas
 
Dr. Prabhakar Singh SEM-III_Osmotic Fragility
Dr. Prabhakar Singh SEM-III_Osmotic FragilityDr. Prabhakar Singh SEM-III_Osmotic Fragility
Dr. Prabhakar Singh SEM-III_Osmotic Fragility
 
Casenote - Golan v. Holder (10th Cir.)
Casenote - Golan v. Holder (10th Cir.)Casenote - Golan v. Holder (10th Cir.)
Casenote - Golan v. Holder (10th Cir.)
 
Ch 11b
Ch 11bCh 11b
Ch 11b
 
Lotter. Brittany_CV
Lotter. Brittany_CVLotter. Brittany_CV
Lotter. Brittany_CV
 
Bank test biology o ctober 2016 chapter 10 cell reproduction
Bank test biology o ctober 2016 chapter 10 cell reproductionBank test biology o ctober 2016 chapter 10 cell reproduction
Bank test biology o ctober 2016 chapter 10 cell reproduction
 
Biology teacher socr_68929_kd_gcse_spec
Biology teacher socr_68929_kd_gcse_specBiology teacher socr_68929_kd_gcse_spec
Biology teacher socr_68929_kd_gcse_spec
 
Practical Handout: Nerve conduction
Practical Handout: Nerve conduction Practical Handout: Nerve conduction
Practical Handout: Nerve conduction
 
A level biology specification
A level biology specificationA level biology specification
A level biology specification
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Boc2e ch03 dup
Boc2e ch03 dupBoc2e ch03 dup
Boc2e ch03 dup
 
Membrane transport and the membrane potential
Membrane transport and the membrane potentialMembrane transport and the membrane potential
Membrane transport and the membrane potential
 
[Medicina] genetica molecular biology of the gene - watson j d , et al (5th e...
[Medicina] genetica molecular biology of the gene - watson j d , et al (5th e...[Medicina] genetica molecular biology of the gene - watson j d , et al (5th e...
[Medicina] genetica molecular biology of the gene - watson j d , et al (5th e...
 
Physiology
Physiology Physiology
Physiology
 
Nernst Equation
Nernst EquationNernst Equation
Nernst Equation
 
Nerve conduction studies
Nerve conduction studiesNerve conduction studies
Nerve conduction studies
 
Revisão das familias silábicas completo
Revisão das familias silábicas   completoRevisão das familias silábicas   completo
Revisão das familias silábicas completo
 
Molecular.biology.of.the.cell.alberts.6th.ed
Molecular.biology.of.the.cell.alberts.6th.edMolecular.biology.of.the.cell.alberts.6th.ed
Molecular.biology.of.the.cell.alberts.6th.ed
 
Missions at the UN
Missions at the UNMissions at the UN
Missions at the UN
 

Semelhante a Fluencia leitora

Desenvolvendo competencia.leitora
Desenvolvendo competencia.leitoraDesenvolvendo competencia.leitora
Desenvolvendo competencia.leitora
Fatima Costa
 
Objetivos de Leitura de acordo com Isabel Solé
Objetivos de Leitura de acordo com Isabel SoléObjetivos de Leitura de acordo com Isabel Solé
Objetivos de Leitura de acordo com Isabel Solé
Bete Feliciano
 
PNAIC - Avaliação
PNAIC - AvaliaçãoPNAIC - Avaliação
PNAIC - Avaliação
ElieneDias
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Fernanda Tulio
 
LEITURA NOS ANOS INICIAIS - ENSINO FUNDAMENTAL
LEITURA NOS ANOS INICIAIS - ENSINO FUNDAMENTALLEITURA NOS ANOS INICIAIS - ENSINO FUNDAMENTAL
LEITURA NOS ANOS INICIAIS - ENSINO FUNDAMENTAL
Edlauva Santos
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
Ananda Lima
 
Modalidades didáticas(25jun09)
Modalidades didáticas(25jun09)Modalidades didáticas(25jun09)
Modalidades didáticas(25jun09)
franiris
 
PNAIC - Ano 2 unidade 2
PNAIC - Ano 2   unidade 2PNAIC - Ano 2   unidade 2
PNAIC - Ano 2 unidade 2
ElieneDias
 
Como organizar o estudo
Como organizar o estudoComo organizar o estudo
Como organizar o estudo
be23ceb
 
Estudar
EstudarEstudar
Estudar
BE/CRE
 
Como organizar o estudo
Como organizar o estudoComo organizar o estudo
Como organizar o estudo
be23ceb
 

Semelhante a Fluencia leitora (20)

A sequência didática
A sequência didáticaA sequência didática
A sequência didática
 
Desenvolvendo competencia.leitora
Desenvolvendo competencia.leitoraDesenvolvendo competencia.leitora
Desenvolvendo competencia.leitora
 
Objetivos de Leitura de acordo com Isabel Solé
Objetivos de Leitura de acordo com Isabel SoléObjetivos de Leitura de acordo com Isabel Solé
Objetivos de Leitura de acordo com Isabel Solé
 
10 estratégias para aumentar a compreensão de leitura dos alunos.docx
10 estratégias para aumentar a compreensão de leitura dos alunos.docx10 estratégias para aumentar a compreensão de leitura dos alunos.docx
10 estratégias para aumentar a compreensão de leitura dos alunos.docx
 
PNAIC - Avaliação
PNAIC - AvaliaçãoPNAIC - Avaliação
PNAIC - Avaliação
 
Caderno 3 ano lp vol 1
Caderno 3 ano lp   vol 1Caderno 3 ano lp   vol 1
Caderno 3 ano lp vol 1
 
Guião de Leitura
Guião de LeituraGuião de Leitura
Guião de Leitura
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
 
sabores da leitura
sabores da leiturasabores da leitura
sabores da leitura
 
LEITURA NOS ANOS INICIAIS - ENSINO FUNDAMENTAL
LEITURA NOS ANOS INICIAIS - ENSINO FUNDAMENTALLEITURA NOS ANOS INICIAIS - ENSINO FUNDAMENTAL
LEITURA NOS ANOS INICIAIS - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Orientações ensino médio
Orientações ensino médioOrientações ensino médio
Orientações ensino médio
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
 
Modalidades didáticas(25jun09)
Modalidades didáticas(25jun09)Modalidades didáticas(25jun09)
Modalidades didáticas(25jun09)
 
PNAIC - Ano 2 unidade 2
PNAIC - Ano 2   unidade 2PNAIC - Ano 2   unidade 2
PNAIC - Ano 2 unidade 2
 
Como organizar o estudo
Como organizar o estudoComo organizar o estudo
Como organizar o estudo
 
Estudar
EstudarEstudar
Estudar
 
Como organizar o estudo
Como organizar o estudoComo organizar o estudo
Como organizar o estudo
 
Estudar
EstudarEstudar
Estudar
 
Situações didáticas
Situações didáticasSituações didáticas
Situações didáticas
 
Lições de lp para o 5º ano
Lições de lp para o 5º anoLições de lp para o 5º ano
Lições de lp para o 5º ano
 

Último

Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 

Último (20)

Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 

Fluencia leitora

  • 1. COORDENADORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL CÉLULA DE ENSINO FUNDAMENTAL I SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO DE FLUÊNCIA LEITORA A Secretaria Municipal da Educação (SME) apresenta sugestões de atividades para o desenvolvimento de fluência leitora que podem ser incorporadas ao planejamento pedagógico do Ensino Fundamental, por considerar a escola como um espaço que promove experiências de aprendizagens ao garantir a consolidação dos processos de alfabetização e letramento e por compreender o planejamento como um momento oportuno de congregar ideias e ações. O presente documento apresenta tópicos importantes que deverão ser considerados na elaboração do planejamento escolar. Vale ressaltar que o objetivo maior dessa proposição é ampliar a competência do aluno na leitura, desenvolvendo a habilidade de ler um texto com ritmo, precisão e entonação, favorecendo a compreensão do material lido. A leitura é um processo de interação entre o leitor e o texto para satisfazer um propósito ou finalidade. Lemos para algo: devanear, preencher um momento de lazer, seguir uma pauta, realizar uma atividade, entre outras coisas. Para compreender o texto o leitor utiliza seus conhecimentos de mundo e os conhecimentos de texto. Alguns aspectos importantes para o trabalho com a leitura em sala de aula.  Objetivos da leitura Os objetivos dos leitores, ou propósitos, com relação a um texto podem ser muito variados, de acordo com as situações e momentos. Segue alguns dos objetivos da leitura que podem e devem ser trabalhados em sala de aula: · ler para obter uma informação precisa; · ler para seguir instruções; · ler para obter uma informação de caráter geral; · ler para aprender; · ler para revisar um escrito próprio; · ler por prazer; · ler para comunicar um texto a um auditório; · ler para praticar a leitura em voz alta; e · ler para verificar o que se compreendeu.  Algumas condições para o ensino da leitura • Partir do que os alunos sabem; • Favorecer a comunicação e a análise; • Familiarizar os alunos com a língua escrita e criar uma relação positiva com o escrito; • Experimentar a diversidade de textos e leituras;
  • 2. COORDENADORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL CÉLULA DE ENSINO FUNDAMENTAL I • Ler sem ter que oralizar; • Leitura em voz alta (como audiência); • Leitura individual e coletiva.  Os processos de leitura envolvem procedimentos (estratégias) • Decodificação – quando o sujeito faz uma leitura superficial, automática, ainda incompleta, entende os símbolos escritos, anotando palavras desconhecidas e procurando sinônimos, pareando as palavras do texto com palavras semelhantes ou idênticas das perguntas ou comentários feitos sobre o texto. Esse passo é importante para a constituição das demais etapas, mas sozinho não modifica em nada a visão de mundo do leitor, como ressalta Kleiman (1993); • Antecipação – São as deduções feitas, imaginando o que virá a seguir. Permite supor o que está por vir, com base em informações explícitas ou implícitas no texto e em suposições do leitor. • Inferência: Possibilita ao leitor deduzir o que não está explícito no texto. • Seleção: Permite que o leitor se atenha apenas aos indícios úteis, desprezando os irrelevantes. • Verificação: Possibilita ao leitor checar a veracidade, ou não, das previsões e inferências feitas no decorrer da leitura. Esses processos consistem em fazer ponte entre o que o leitor supõe (seleção, antecipação e inferência) e as respostas que vai obter a partir do texto, e devem ser permanentes. SOLÉ (1998, p.89), salienta-nos que “...muitas das estratégias são passíveis de trocas, e outras estarão presentes antes, durante e depois da leitura.” Acrescenta ainda que as estratégias de leitura devem estar presentes ao longo de toda a atividade.  O trabalho com a leitura em sala de aula é desenvolvido em três etapas de atividades com o texto: o antes, o durante e o depois da leitura. 1. ANTES DA LEITURA • Ativar o conhecimento prévio: “o que sei sobre este texto?”; • Dar pistas para os alunos abordarem o texto; • Ajudar os alunos a prestar atenção a determinados aspectos do texto que podem ativar seu conhecimento. Estabelecer previsões sobre o texto • Formular hipóteses, fazer previsões. É preciso possibilitar ao aluno um momento para o aluno fazer suposições sobre o que tem no texto, para que depois da leitura, retorne às previsões para checar o que se confirmou ou não. Promover perguntas aos alunos sobre o texto;
  • 3. COORDENADORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL CÉLULA DE ENSINO FUNDAMENTAL I Professor como modelo • Quando o professor formula aos alunos suas próprias previsões, é importante explicar-lhes em que se baseia para formulá-las; também seria conveniente que algumas das suas previsões não se realizassem e que verificasse com os alunos porque isso aconteceu. Assim, eles perceberiam que o importante não é a exatidão, mas o ajuste e a coerência. 2. DURANTE A LEITURA • Além do professor, é importante que os próprios alunos selecionem marcas e indicadores, formulem hipóteses, verifiquem, construam interpretações; • Assim, o aluno assume um papel ativo na leitura e na aprendizagem. 3. DEPOIS DA LEITURA • Retorno e confronto das previsões com o que foi lido; • Análise dos objetivos alcançados; • Levantamento das principais ideais do texto; • Discussão oral e/ou registro escrito. Sugestões de atividades 1. Leitura de texto feita pelo professor. O professor deverá realizar os seguintes passos: Predição • Apresentar o livro que será lido, explorando o título da obra, a ilustração da capa, o autor, o ilustrador e a editora; • Ler as informações sobre o autor; • Ler as informações sobre o ilustrador; • Conversar com os alunos sobre as funções de cada um para a conclusão da obra literária (autor, ilustrador e editora); • Após esse momento, o professor deverá antecipar e/ou prever acontecimentos do texto a partir do título e da ilustração. Tudo isso juntamente com os alunos; • Ler o texto em voz alta, cuidando para realizar uma leitura pausada, observando os sinais de pontuação, visto que, nesse momento, o professor será modelo de leitor para os seus alunos. Inferência: No momento da leitura possibilitar ao aluno deduzir o que não está explícito no texto. Seleção: Permitir que o leitor se atenha apenas aos indícios úteis, desprezando os irrelevantes. Verificação: • Após a leitura, converse com seus alunos para verificar se as predições realizadas pelo grupo se confirmaram ou não; • Dialogue sobre: O que compreenderam do texto? O que sentiram ao ouvir a história? O que gostaram? O que não gostaram na história? O que o texto faz lembrar? O que mudariam na história? Em um segundo momento oriente os alunos a realizarem a leitura silenciosa (esse momento deverá ser realizado de forma individual).
  • 4. COORDENADORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL CÉLULA DE ENSINO FUNDAMENTAL I Neste momento o professor deverá sempre orientar a leitura dos alunos que mais necessitam de acompanhamento. 2. Leitura em voz alta – enquanto lê em voz alta, a concentração é facilitada, já que a leitura silenciosa pode sofrer interferências de pensamentos alheios ao assunto tratado no texto. Uma grande aliada do trabalho com fluência na escola é a leitura em voz alta, pois permite ao aluno preparar-se para ler, ensaiar, compreender para comunicar e expressar a outros um sentido. Ler para outras pessoas requer habilidade, concentração e expressividade, ou seja, envolve entonação, ritmo e ênfase. Para Goodman (1986), a leitura veloz está associada a uma alta compreensão. Ler e reler não significa de modo algum repetir várias vezes o que se leu sem ver sentido algum, apenas para tornar a leitura veloz e garantir fluência. O propósito dessa atividade é favorecer a compreensão de modo a dar mais ênfase a determinados trechos ou escolher o ritmo da narração. Dois exemplos de variações para a leitura em voz alta. 1. O professor também poderá realizar com o grupo uma leitura em voz alta de forma compartilhada, onde os alunos continuam a leitura já iniciada por um colega, segundo a indicação do professor. 2. Outra estratégia é promover a leitura coletiva e em voz alta, buscando desenvolver a entonação e a fluência leitora do grupo. DESENVOLVIMENTO DE FLUÊNCIA LEITORA Tipos de textos para desenvolver fluência: • Textos com vocabulário simples, cujo sentido é facilmente compreendido; • Textos com palavras simples, de duas ou tres sílabas; • Textos estruturados, com estruturas de frases repetidas. Número de palavras lidas (por minuto) pelos alunos com leitura fluente: Ano/ Série (Ensino Fundamental em 9 anos) Número de palavras por minuto 1º ano 60 palavras 2º ano 75 a 90 palavras 3º ano 90 a 110 palavras 4º ano 110 a 130 palavras 5º ano 120 a 140 palavras
  • 5. COORDENADORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL CÉLULA DE ENSINO FUNDAMENTAL I Tipos de avaliação de leitura: 1. Avaliação individual: O professor deverá realizar mensalmente a avaliação individual de leitura dos alunos. Isso deve ser feito pelo menos uma vez por mês para cada aluno. Dar um texto de 60 ou 120 palavras e pedir para o aluno ler. O texto deverá ser desconhecido. O aluno não deve perceber que você está cronometrando o tempo ou, pelo menos, não deve sentir pressão para ler mais depressa do que conseguiria normalmente. 2. Avaliação coletiva: O professor deverá realizar mensalmente a avaliação coletiva de leitura dos alunos, seguindo os passos:  Dar um texto igual para todos os alunos;  Combinar que você vai dizer a hora de virar o papel (onde está o texto) e para iniciar a leitura;  Para terminar. Na hora que o professor disser “parem”, os alunos devem marcar com lápis a última palavra lida. Depois disso, você ensina a contar quantas palavras os alunos leram num minuto. SUGESTÕES DE TEXTOS PARA DESENVOLVER FLUÊNCIA LEITORA 1º GRUPO (Sugestões colhidas no material do Programa ACELERA do Instituto Ayrton Sena) O PATO ELIAS JOSÉ O PATO PERTO DA PORTA O PATO PERTO DA PIA O PATO LONGE DA PATA O PATO PIA QUE PIA. O PATO LONGE DA PORTA O PATO LONGE DA PIA O PATO PERTO DA PATA É UM PATO QUE NEM PIA. A FADA DONDOCA SYLVIA ORTHOF A FADA DONDOCAADORA GOIABA. SÓ COME, NO ESCURO, GOIABA MADURA...
  • 6. COORDENADORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL CÉLULA DE ENSINO FUNDAMENTAL I - TENHO MEDO, TENHO NOJO DE VER BICHO DE GOIABA! PREFIRO COMER DE NOITE, ASSIM NÃO ENXERGO NADA! QUEM COCHICHA O RABO ESPICHA QUEM CUTUCA O RABO ENCURTA. VIVA EU, VIVA TU VIVA O RABO DO TATU. O RETRATO MÁRIO QUINTANA A MENINA GANHOU BONECA E SAPATO, FOI LOGO TIRAR RETRATO. O HOMEM RETRATISTA ERA MESMO UM GRANDE ARTISTA. DISSE À MENINA: “NÃO SE MEXA PARA DEPOIS NÃO TER QUEIXA”. E A MENINA, DURA E SEM GRAÇA COMO SE FOSSE DE MASSA! ÖLHE PARA CÁ DIREITINHO, VAI PASSAR UM PASSARINHO!” VACAAMARELA NÃO FOI PRA PANELA. VACA MALHADA SÓ FICA DEITADA. VACA VIOLETA É MEIO CAMBETA VACA AZULÃO AÍ JÁ É AVACALHAÇÃO. TACHINHA RICARDO AZEVEDO É PEQUENININHA, REDONDA E BAIXINHA. PARECE BOBINHA, MAS É BEM BRAVINHA. FAZ FURO A ESPERTINHA, ESPETAA CHATINHA, BELISCAA SANTINHA, E NÃO PERDE A LINHA. AS AVENTURAS DA PULGA ELIAS JOSÉ UMA PULGA NA PANÇA DEU UM PULO, VIROU GANÇA.
  • 7. COORDENADORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL CÉLULA DE ENSINO FUNDAMENTAL I UMA PULGA NO PÉ DEU UM PULO, VIROU CHULÉ. UMA PULGA NO FOCINHO DEU UM PULO, VIROU PORQUINHO. UMA PULGA NO CAMBITO DEU UM PULO, VIROU CABRITO. UMA PULGA NA POUPANÇA DEU UM PULO E FOI À FRANÇA. 2º GRUPO (Sugestões colhidas no material do Programa do Instituto Alfa e Beto de João Batista Araújo e Oliveira) A FOLIA DO BOI BUMBÁ Cleise Magalhães LÁ VAI O BOI... E O BOI VEM! LÁ VAI ABEL... E BIBI VEM! LÁ FOI ABÍLIA... E MABEL VEM... ABEL E BIBI: É BAIÃO, É BAILE OU É BALÉ? É O VAI E VEM DA FOLIA, MEU BEM. NA FOLIA O BOI VAI E ELE VEM. O BOM DA FOLIA É O BOI. O BOI BUMBÁ VAI... E ELE VEM! OTÁVIO E O BEM-TE-VI Cleise C. Magalhães OTÁVIO VIVE NA VILA. NA VILA EM QUE OTÁVIO VIVE TEM UM TIME. O TIME DA VILA TEM UMA BOLA. A BOLA DO TIME DA VILA É DE MEIA. A VILA TEM UM VALE. AAVE VOA NO VALE DA VILA. AAVE QUE VOA NO VALE DA VILA É O BEM-TE-VI. O BEM-TE-VI QUE É DO OTÁVIO. OTÁVIO QUE VIVE NA VILA, QUE TEM UM TIME, QUE TEM UMA BOLA, QUE É DE MEIA. A BOLA BATE NAAVE QUE VOA. A BOLA BATE E ABATE O BEM-TE-VI QUE VOA NO VALE. O BEM-TE-VI QUE É DO OTÁVIO QUE VIVE NA VILA, QUE TEM UM TIME, QUE TEM UMA BOLA QUE É DE MEIA. OS LOBOS Maria Celeste Fernandes Leão OS LOBOS VIVEM EM FAMÍLIA. A FAMÍLIA DOS LOBOS VIVE NA MATA. OS LOBOS UIVAM, ELES UIVAM MUITO: AUUUUUUU... AUUUUUUUU FÁBIO VAI ATÉ A MATA, FÁBIO NÃO VÊ OS LOBOS. ELE OUVE O UIVO DOS LOBOS: AUUUUUUU... AUUUUUU... FÁBIO TEM MEDO DOS LOBOS E VOLTA PARAA VILA. NA VILA FÁBIO VÊ TIÃO E FALA: - TIÃO, NA MATA VIVEM MUITOS LOBOS. - VIVEM, FÁBIO. OS LOBOS VIVEM LÁ. - OS LOBOS TÊM MUITA FOME?
  • 8. COORDENADORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL CÉLULA DE ENSINO FUNDAMENTAL I - ELES TÊM MUITA FOME, FALOU TIÃO. - EU OUVI OS UIVOS DOS LOBOS NA MATA. - FÁBIO, VOCÊ TEM MEDO DOS LOBOS? - DOS LOBOS E DOS UIVOS DOS LOBOS. E VOCÊ, TIÃO? A PANELA DE SOPA Rosane Bassalo Siqueira Lima PEPITA FAZ SOPA NO PANELÃO. NA SOPA PEPITA PÕE: BATATA, PEPINO, AIPIM E PIMENTA. A TAMPA DO PANELÃO TEM UM APITO. PIII... PIIII... APITA O PANELÃO! PEPITA DÁ UM PULO E FALA: - EPA! É O APITO DO PANELÃO DE SOPA. ELA PÕE A PANELA DE SOPA NA PIA. PAULO VÊ A PANELA DE SOPA. ELE FALA: - OBA! EU AMO SOPA! PAULO PÕE SOPA NO POTE E TOMA TUDO. A PIPA Iara Silvia Andrade BETO TEM UMA PIPA. A PIPA DE BETO É NOVA, ELA É MUITO BONITA, ELA É MUITO LEVE. A PIPA É DE PAPEL FINO. ELA VOA... VOA... ELA VOA NO VENTO. LÁ NO ALTO A PIPA DÁ UMA VOLTA BONITA! BETO VÊ A PIPA. BETO FALA: - A PIPA É LINDA! A PIPA VOA SOZINHA! O VENTO LEVAA PIPA! A VOLTA QUE A PIPA DÁ É MUITO BONITA. A TUMBA DA MÚMIA Silvana Menezes MEIA NOITE! LÁ FOI O TÉO E SUA TURMA, ATÉ A TUMBA DA MÚMIA. - EI, TÉO! VOCÊ NÃO FICA COM MEDO DA MÚMIA? MEU PAI FALOU QUE A TAL MÚMIA FOI AVÔ DO AVÔ, DO AVÔ, DO AVÔ DO MEU AVÔ. - ENTÃO VOCÊ É NETO DA MÚMIA? E NETO DE MÚMIA O QUE É? É MÚMIO TAMBÉM? - MÚMIO UMA OVA! NETO DE MÚMIA É MU... MU... MUITO VALENTE! - NÃO MINTA, TÉO! VOCÊ É TÃO VALENTE QUE NÃO TEM MEDO DE NADA? - EU NÃO TEMO A MÚMIA, TURMA! - E O QUE VOCÊ TEME, LÉO? TÉO NÃO FALOU NADA. ELE OUVIU TOC... TOC... A TURMA TODA OUVIU TAMBÉM. AI QUE MEDO! - TÉO, VOCÊ AINDA NÃO TEM MEDO DE NADA? - NÃO TEMAM AS BATIDAS NA TAMPA DA TUMBA, TURMA! A MÚMIA É MEU AVÔ! E FOI ENTÃO QUE... A MEIA NOITE EM PONTO... PUMBA! A TAMPA DA TUMBA LEVANTOU! A TURMA TODA DEU NO PÉ! TÉO NÃO FOI. ELE, QUE É VALENTE, VIU A TUMBA E FALOU - VOVÔ! REFERÊNCIAS: Solé, I (1998). Estratégias de Leitura, 6ª edição, Porto Alegre, Artmed, 2008, 194p. Kleiman, Ângela. Oficina de Leitura – Teoria e Prática. Campinas – São Paulo: Pontes/Ed. Da UNICAMP, 1993, Atividades de fluência de leitura para crianças. Disponível em: http://www.ehow.com.br/atividades-fluencia-leitura-criancas-fatos_188810/. Acesso em:
  • 9. COORDENADORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL CÉLULA DE ENSINO FUNDAMENTAL I 24.08.2014 A importância da leitura em sala de aula para a fluência leitora. Disponível em: http://revistaescola.abril.com.br/fundamental-1/importancia-leitura-sala-aula-fluencia-leitora. Acesso em: 24.08.2014 Lucicleide Maria de Cantalice. Sugestões Práticas: Ensino de Estratégias de Leitura. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pee/v8n1/v8n1a14. Acesso em: 24.08.2014 Estratégias de Leitura. Disponível em: http://www.alunosonline.com.br/portugues/estrategias-de- leitura.html. Acesso em: 24.08.2014