SlideShare uma empresa Scribd logo
Ano Lectivo 2008/2009



                 PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL

De acordo com:
- Decreto-Lei nº3/2008 de 7 de Janeiro.
- Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (OMS, 2001).

                                                 IDENTIFICAÇÃO

Nome:
Data de Nascimento:
Filiação:
Morada:
Nível de Educação/Ensino: Pré-Escolar 1º CEB 2º CEB 3º CEB
Ano de Escolaridade: 8º ano
Escola:

1. RESUMO DA HISTÓRIA ESCOLAR E OUTROS ANTECEDENTES RELEVANTES

O Terêncio é o 2º filho de uma fratria de quatro (o mais velho tem 18 anos e o mais novo tem 6). Vive com os pais, avós e
irmãos numa quinta, onde se faz exploração agro-pecuária. Os pais são os caseiros da quinta e raramente saem de casa; o
seu nível sócio-económico é médio.
O aluno não frequentou o ensino pré-escolar. Demonstrou, desde cedo, dificuldades específicas na linguagem, pois
começou a falar apenas aos 2 anos, apesar de ser bastante simpático e comunicativo.
Quando iniciou o 1º ciclo, na E.B. 1 de Pardais, o Terêncio revelou grandes dificuldades, tanto na leitura, como na escrita,
apesar de, na Matemática, apresentar uma rara apetência para o cálculo mental e tudo o que exigia raciocínio lógico. Para
além disso, memorizava, com facilidade, quaisquer conteúdos.
No 3º ano, o aluno passou a usufruir das alíneas c) e f) do regime educativo especial, ao abrigo do DL 319/1991. Foi
também acompanhado por uma docente de apoio educativo, que trabalhava com ele os casos de leitura.
Ao longo do seu percurso escolar, nunca ficou retido, frequentando, actualmente, o 8º ano de escolaridade.
Aos 10 anos, foi sujeito a uma avaliação psicológica, tendo-lhe sido diagnosticadas dificuldades específicas na leitura e na
escrita, nomeadamente disgrafia e dislexia. Mais tarde, este diagnóstico foi confirmado numa avaliação neurológica (ver
relatório da especialidade). Foi ainda feito um despiste auditivo, mas não se confirmou um défice auditivo.
Actualmente, o aluno exprime-se claramente, sem qualquer problema. Tem, inclusivamente, grande capacidade de
argumentação. Os seus resultados escolares são excelentes em todas as disciplinas. Continua, não obstante, a fazer trocas
sistemáticas de letras: “m”/”n”, “t”/”q”, “b”/”v”, entre outras. Omite sílabas, escreve como fala, não domina os sinais de
pontuação e tem dificuldades na interpretação de quaisquer enunciados ou textos escritos.




                                                                                                                         1
2. PERFIL DE FUNCIONALIDADE DO ALUNO (por referência à CIF-CJ)

2.1. SÍNTESE DO PERFIL DE FUNCIONALIDADE

O Terêncio acusa dificuldades ligeiras na leitura, compreensão e interpretação de textos

escritos, facto que está intimamente relacionado com um comprometimento não especificado

nas funções da memória de curto prazo (registo e armazenamento de informações,

principalmente quando se trata de letras ou de dígitos). Não obstante, memoriza com

facilidade os conteúdos académicos.

É, no entanto, na escrita que se apresentam os maiores obstáculos à sua funcionalidade, tanto

na utilização das convenções gramaticais e automatizadas nas composições (dificuldades

moderadas), como na utilização de competências e estratégias genéricas para completar

textos, usando vocabulário adequado na expressão de ideias complexas (dificuldades graves).

Dificilmente consegue aplicar, correctamente, as regras de pontuação, de sintaxe, as formas e

os tempos verbais apropriados.

Estas dificuldades específicas na escrita resultam da deficiência moderada na percepção

auditiva (incapacidade na discriminação de sons, tons, intensidade e outros estímulos

acústicos), do défice ligeiro na percepção visual (discriminação da forma, tamanho…) e,

principalmente, do comprometimento nas funções da linguagem, essencialmente na recepção da

linguagem escrita, onde a perturbação, na descodificação de mensagens escritas para a

obtenção do seu significado, é moderada, e na expressão da linguagem escrita, tendo em conta

os graves problemas do aluno na produção de quaisquer textos escritos.

Para colmatar estas dificuldades na escrita, o Terêncio beneficia do uso do computador, com

processador de texto e corrector ortográfico. Este revela-se uma preciosa ajuda na correcção

dos erros ortográficos, traduzindo-se num facilitador substancial à sua funcionalidade.

Nas tarefas e exigências gerais, o Terêncio denuncia dificuldades moderadas em lidar com o

stress, quando sujeito a situações de grande pressão psicológica (testes escritos, exames,

leitura para o grande grupo, entre outras). Neste sentido, existe um facilitador substancial do

seu desempenho, considerando o constante reforço positivo dado pelos docentes, bem como a

antecipação de conteúdos, valorização dos progressos efectuados e diversificação de

estratégias.

A nível de apoios e relacionamentos, existem grandes facilitadores à participação do aluno,


                                                                                              2
sendo de importância relevante o apoio incondicional da família (facilitador substancial),

incansável e sempre pronta a contribuir com tudo o que está ao seu alcance, nomeadamente

através da articulação com a escola, os docentes e os profissionais de saúde.


3. ADEQUAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

                         MEDIDAS EDUCATIVAS A IMPLEMENTAR

a) Apoio pedagógico personalizado                                                          

Reforço das estratégias utilizadas na turma ao nível da organização, do espaço e das actividades;
estímulo e reforço das competências e aptidões envolvidas na aprendizagem, pelos docentes do
Conselho de Turma.
Reforço e desenvolvimento de competências específicas, pela docente de Educação Especial (90
minutos/por semana).



d) Adequações no processo de avaliação                                                     

Nas provas de avaliação, as perguntas deverão ser simplificadas, sem complexidade linguística
(a nível morfo-sintáctico, semântico e lexical); dever-se-á valorizar o conteúdo, em detrimento da
correcção ortográfica; explicitação do significado das palavras escritas que o aluno não
compreende.
Dever-se-á privilegiar a avaliação oral, em vez da escrita, a qual será contínua (forma/meio de
expressão).
Deverão ser concedidos 30 minutos de tolerância na realização dos testes (duração).



f) Tecnologias de apoio                                                                     

Software específico.
Material e equipamentos específicos para a intervenção na dislexia.


4 - DISCRIMINAÇÃO DOS CONTEÚDOS, DOS OBJECTIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS
A ATINGIR, DAS ESTRATÉGIAS E RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS A UTILIZAR
(art.9º, alínea f) – D.L. nº3/08




                                          OBJECTIVOS
                      (Intervenção do docente de Educação Especial)


                                                                                                     3
Objectivos gerais                                           Objectivos Específicos
- Exercitar a memória de    - Fazer desenhos e reproduzi-los posteriormente.
curto prazo.                - Visualizar imagens e reproduzi-las graficamente.
                            - Memorizar pormenores de um desenho.
                            - Reproduzir sequências de números.
                            - Reproduzir histórias, provérbios, lengalengas…

- Treinar a percepção e a   - Distinguir letras com formas idênticas.
memória visuais.
                            - Fazer a correspondência entre figuras iguais.
                            - Fazer a correspondência entre letras ou conjuntos iguais.
                            - Identificar uma determinada letra num texto.
                            - Identificar o número de vezes que uma letra ou um algarismo se repetem.
                            - Identificar semelhanças ou diferenças entre desenhos.
                            - Identificar elementos em falta.
                            - Perceber figuras em fundos diferentes.
                            - Discriminar formas geométricas.
                            - Descobrir num texto palavras iguais ao modelo.
                            - Procurar objectos específicos numa imagem ou num desenho.
                            - Seleccionar conjuntos a partir de um dado critério.

- Desenvolver a
linguagem.                  - Reconhecer /ler os signos linguísticos.
                            - Reconhecer, através da leitura e da escrita, sílabas directas e inversas, por ordem crescente de
                            dificuldade.
                            - Diferenciar fonemas similares no ponto ou modo de articulação.
                            - Formar palavras a partir de sílabas dadas.
                            - Preencher lacunas em frases com palavras dadas.
                            - Construir palavras a partir dos erros cometidos.
                            - Descrever uma situação, um desenho, uma imagem…
                            - Descrever as características de um objecto (cor, tamanho, forma, textura, utilidade).


                            - Ler uma palavra, apesar de faltarem letras.
Desenvolver a
consciência fonológica.     - Ler uma palavra, apesar de faltar uma sílaba.
                            - Dizer oralmente o som das letras.
                            - Dividir silabicamente palavras.
                            - Reconhecer o som das letras com grafia e som semelhantes.
                            - Fazer palavras cruzadas.


- Treinar a percepção e a   - Seleccionar desenhos a partir do som inicial da palavra que o nomeia.
memória auditivas.          - Seleccionar a palavra que indica o plural.
                            - Descobrir palavras a partir da primeira letra.
                            - Completar palavras ou frases.
                            - Seleccionar a palavra correcta, de acordo com o seu significado.
                            - Fazer, oralmente, a divisão silábica das palavras.
                            - Recordar provérbios, canções, lengalengas…
                            - Recordar antónimos e sinónimos.
                            - Construir frases a partir de uma ou mais palavras dadas.
                            - Reproduzir batimentos rítmicos.
                            - Reconhecer frases absurdas.
                            - Reconhecer afirmações verdadeiras ou falsas.
                            - Reconhecer sons do ambiente (gravados ou não).
                            - Relacionar sons ouvidos com a respectiva fonte.
                            - Ouvir e reproduzir diferentes sílabas.


                                                      CONTEÚDOS




                                                                                                                                 4
- Consciência fonológica.
- Consciência fonémica.
- Pontuação.
- Acentuação.
- Ortografia.
- Sintaxe.

                                ESTRATÉGIAS E METODOLOGIAS
- Apoio individualizado.
- Estimulação sensorial.
- Utilização de materiais adequados.
- Compreensão, identificação e reconhecimento de vogais e consoantes e seus valores fonémicos.
- Associação de fonemas a grafemas.
- Segmentação e reconstrução de palavras.
- Construção de acrónimos.
- Treino de rimas (aliteração e assonância).
- Repetição sistemática de determinados conteúdos.
- Treino do uso de dicionários e prontuários.
- Apresentação cuidadosa do material escrito (cabeçalhos destacados, letras claras, uso de esquemas,
poucas palavras escritas…).
- Desenvolvimento da auto-estima e da auto-confiança, através de constante reforço positivo.
- Aprendizagem multissensorial.
- Automatização de competências adquiridas.
- Elaboração de um glossário para algumas disciplinas (vocabulário técnico).
- Utilização de computador (corrector ortográfico e sintáctico).

             RECURSOS HUMANOS                                      RECURSOS MATERIAIS

Docentes do Conselho de Turma.                        Material diverso adaptado ao aluno (fichas
Docente de Educação Especial.                         especialmente concebidas para ele).
                                                      Dicionários.
                                                      Prontuário.
                                                      Computador e software didáctico específico.
                                                      (…)


                 NÍVEL DE PARTICIPAÇÃO NAS ACTIVIDADES DA TURMA




                                                                                                   5
O Terêncio estará integrado em todas as actividades da sala, sendo promovido, paralelamente, um
trabalho individualizado de estimulação das competências a adquirir, no que se refere à leitura e à
escrita.

5. IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PEI


Início da implementação do PEI: ____/____/_________

Avaliação do PEI

                                                                  Momentos de
     Critérios        Instrumentos           Intervenientes                         Data de revisão
                                                                   avaliação

                    Elaboração de um        Docentes.            No final de cada   Início do próximo
Sucesso das
                    relatório final pelos   Docente de           ano lectivo e      ano lectivo.
medidas
                    vários                  Educação Especial.   sempre que se
educativas
                    intervenientes          Encarregado de       justifique.
implementadas.
                    nesta avaliação.
                                            educação.
Transição entre ciclos




6. ELABORAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO

PEI elaborado por:
                 Profissional:                                             Assinatura:
__________________________________                        _________________________________
__________________________________                        _________________________________
__________________________________                        _________________________________
__________________________________                        _________________________________
_________________________________                         _________________________________


Coordenação do PEI a cargo de:

Nome: ____________________________                      Assinatura: __________________________



Aprovado pelo Conselho Pedagógico:


Data: _____/_____/__________                            Assinatura: __________________________


                                                                                                        6
Homologado pelo Conselho Executivo:


Data: _____/_____/__________               Assinatura: __________________________


Concordo com as medidas educativas definidas,


                                           O Encarregado de Educação

Data: _____/_____/__________               Assinatura: __________________________




                                                                                7

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
Kelry Carvalho
 
Pareceres do 1º ano 2º semestre
Pareceres do 1º ano    2º semestrePareceres do 1º ano    2º semestre
Pareceres do 1º ano 2º semestre
Araceli Kleemann
 
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
pipatcleopoldina
 
Plano de atendimento educacional especializado para aluno tgd
Plano de atendimento educacional especializado para aluno tgdPlano de atendimento educacional especializado para aluno tgd
Plano de atendimento educacional especializado para aluno tgd
Lucinaldo Tenório
 
Modelos relatorios
Modelos relatoriosModelos relatorios
Modelos relatorios
Edilania Batalha Batalha
 
Aluna com dificuldade e baixo rendimento escolar1
Aluna com dificuldade e baixo rendimento escolar1Aluna com dificuldade e baixo rendimento escolar1
Aluna com dificuldade e baixo rendimento escolar1
SimoneHelenDrumond
 
Alimentação saudável - Texto e atividade de Ciências
 Alimentação saudável -  Texto  e atividade de Ciências Alimentação saudável -  Texto  e atividade de Ciências
Alimentação saudável - Texto e atividade de Ciências
Mary Alvarenga
 
Gênero textual: O Poema 3º Ano do Ensino Fundamental
Gênero textual: O Poema 3º Ano do Ensino FundamentalGênero textual: O Poema 3º Ano do Ensino Fundamental
Gênero textual: O Poema 3º Ano do Ensino Fundamental
Paulo Alves de Araujo
 
81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação
81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação
81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação
SimoneHelenDrumond
 
Planejamento 4º ano
Planejamento 4º anoPlanejamento 4º ano
Planejamento 4º ano
silvinha331
 
Relatório sindrome de down
Relatório sindrome de down Relatório sindrome de down
Relatório sindrome de down
Victor Said
 
Caderno Pedagogico Autismo
Caderno Pedagogico AutismoCaderno Pedagogico Autismo
Caderno Pedagogico Autismo
Sarah Olliver
 
80 planejamento de atividades para desenvolver a linguagem do autista
80 planejamento de  atividades para desenvolver a linguagem do autista80 planejamento de  atividades para desenvolver a linguagem do autista
80 planejamento de atividades para desenvolver a linguagem do autista
SimoneHelenDrumond
 
Relatório
RelatórioRelatório
Relatório
Assis Queiroz
 
Plano de ensino religião
Plano de ensino  religiãoPlano de ensino  religião
Plano de ensino religião
simonclark
 
Sequencia didática sistema monetario 3 ano a 2016
Sequencia didática sistema monetario  3 ano a   2016Sequencia didática sistema monetario  3 ano a   2016
Sequencia didática sistema monetario 3 ano a 2016
Prefeitura de Cianorte
 
Caça palavras - Bullying
Caça palavras - BullyingCaça palavras - Bullying
Caça palavras - Bullying
Mary Alvarenga
 
Avaliação adaptada_português (alfabetização)
Avaliação adaptada_português (alfabetização)Avaliação adaptada_português (alfabetização)
Avaliação adaptada_português (alfabetização)
Isa ...
 
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém  que precisa de limitesParecer de um bom aluno porém  que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
SimoneHelenDrumond
 
Poema o menino azul de Cecília Meireles - Análise e entendimento
Poema  o menino azul de  Cecília Meireles - Análise e entendimento Poema  o menino azul de  Cecília Meireles - Análise e entendimento
Poema o menino azul de Cecília Meireles - Análise e entendimento
Mary Alvarenga
 

Mais procurados (20)

Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
 
Pareceres do 1º ano 2º semestre
Pareceres do 1º ano    2º semestrePareceres do 1º ano    2º semestre
Pareceres do 1º ano 2º semestre
 
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
 
Plano de atendimento educacional especializado para aluno tgd
Plano de atendimento educacional especializado para aluno tgdPlano de atendimento educacional especializado para aluno tgd
Plano de atendimento educacional especializado para aluno tgd
 
Modelos relatorios
Modelos relatoriosModelos relatorios
Modelos relatorios
 
Aluna com dificuldade e baixo rendimento escolar1
Aluna com dificuldade e baixo rendimento escolar1Aluna com dificuldade e baixo rendimento escolar1
Aluna com dificuldade e baixo rendimento escolar1
 
Alimentação saudável - Texto e atividade de Ciências
 Alimentação saudável -  Texto  e atividade de Ciências Alimentação saudável -  Texto  e atividade de Ciências
Alimentação saudável - Texto e atividade de Ciências
 
Gênero textual: O Poema 3º Ano do Ensino Fundamental
Gênero textual: O Poema 3º Ano do Ensino FundamentalGênero textual: O Poema 3º Ano do Ensino Fundamental
Gênero textual: O Poema 3º Ano do Ensino Fundamental
 
81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação
81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação
81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação
 
Planejamento 4º ano
Planejamento 4º anoPlanejamento 4º ano
Planejamento 4º ano
 
Relatório sindrome de down
Relatório sindrome de down Relatório sindrome de down
Relatório sindrome de down
 
Caderno Pedagogico Autismo
Caderno Pedagogico AutismoCaderno Pedagogico Autismo
Caderno Pedagogico Autismo
 
80 planejamento de atividades para desenvolver a linguagem do autista
80 planejamento de  atividades para desenvolver a linguagem do autista80 planejamento de  atividades para desenvolver a linguagem do autista
80 planejamento de atividades para desenvolver a linguagem do autista
 
Relatório
RelatórioRelatório
Relatório
 
Plano de ensino religião
Plano de ensino  religiãoPlano de ensino  religião
Plano de ensino religião
 
Sequencia didática sistema monetario 3 ano a 2016
Sequencia didática sistema monetario  3 ano a   2016Sequencia didática sistema monetario  3 ano a   2016
Sequencia didática sistema monetario 3 ano a 2016
 
Caça palavras - Bullying
Caça palavras - BullyingCaça palavras - Bullying
Caça palavras - Bullying
 
Avaliação adaptada_português (alfabetização)
Avaliação adaptada_português (alfabetização)Avaliação adaptada_português (alfabetização)
Avaliação adaptada_português (alfabetização)
 
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém  que precisa de limitesParecer de um bom aluno porém  que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
 
Poema o menino azul de Cecília Meireles - Análise e entendimento
Poema  o menino azul de  Cecília Meireles - Análise e entendimento Poema  o menino azul de  Cecília Meireles - Análise e entendimento
Poema o menino azul de Cecília Meireles - Análise e entendimento
 

Destaque

Principios orientadores educação especial
Principios orientadores educação especialPrincipios orientadores educação especial
Principios orientadores educação especial
Adelaide Barbosa
 
Exercícios dislexia / disortografia
Exercícios dislexia  / disortografia Exercícios dislexia  / disortografia
Exercícios dislexia / disortografia
Fmbmrd
 
Trabalho final medidas educativas para alunos com nee
Trabalho final   medidas educativas para alunos com neeTrabalho final   medidas educativas para alunos com nee
Trabalho final medidas educativas para alunos com nee
cacildatavares
 
Prova percepção visual
Prova percepção visualProva percepção visual
Prova percepção visual
Fmbmrd
 
Dislexia
DislexiaDislexia
47566403 class-palavras
47566403 class-palavras47566403 class-palavras
47566403 class-palavras
Pelo Siro
 
Dislexia e tcc_uma_proposta_de_tratamento
Dislexia e tcc_uma_proposta_de_tratamentoDislexia e tcc_uma_proposta_de_tratamento
Dislexia e tcc_uma_proposta_de_tratamento
Elizabeth Barbosa
 
Adequações curriculares-individualizadas
Adequações curriculares-individualizadasAdequações curriculares-individualizadas
Adequações curriculares-individualizadas
genarui
 
Ficha esquema corporal lateralidade
Ficha esquema corporal   lateralidadeFicha esquema corporal   lateralidade
Ficha esquema corporal lateralidade
Fmbmrd
 
PHDA
PHDAPHDA
Bons pensamentos, bons-sentimentos, guia do terapeuta - paul stallard
Bons pensamentos, bons-sentimentos, guia do terapeuta  - paul stallardBons pensamentos, bons-sentimentos, guia do terapeuta  - paul stallard
Bons pensamentos, bons-sentimentos, guia do terapeuta - paul stallard
gabriela cardoso
 
Consciencia fonológica 2
Consciencia fonológica 2Consciencia fonológica 2
Consciencia fonológica 2
José Martins
 
Phda
PhdaPhda
Phda
lidia76
 
Exercícios de consciência fonológica 1
Exercícios de consciência fonológica 1Exercícios de consciência fonológica 1
Exercícios de consciência fonológica 1
Fmbmrd
 
Programa educativo j pl 5ºb
Programa educativo j pl 5ºbPrograma educativo j pl 5ºb
Programa educativo j pl 5ºb
Leo Silva
 
Atividades de consciência fonológica
Atividades de consciência fonológica Atividades de consciência fonológica
Atividades de consciência fonológica
Ana Paula Santos
 
Exercícios consciência fonológica
Exercícios consciência fonológicaExercícios consciência fonológica
Exercícios consciência fonológica
Fmbmrd
 
Nee e respostas educativas
Nee e respostas educativasNee e respostas educativas
Nee e respostas educativas
especial.pombal
 
Consciencia fonologica - o que é e quais são suas etapas de aprendizagem
Consciencia fonologica - o que é e quais são suas etapas de aprendizagemConsciencia fonologica - o que é e quais são suas etapas de aprendizagem
Consciencia fonologica - o que é e quais são suas etapas de aprendizagem
Janaina Spolidorio
 
Portfolio adaptação curricular
Portfolio adaptação curricularPortfolio adaptação curricular
Portfolio adaptação curricular
Juvenal Alves
 

Destaque (20)

Principios orientadores educação especial
Principios orientadores educação especialPrincipios orientadores educação especial
Principios orientadores educação especial
 
Exercícios dislexia / disortografia
Exercícios dislexia  / disortografia Exercícios dislexia  / disortografia
Exercícios dislexia / disortografia
 
Trabalho final medidas educativas para alunos com nee
Trabalho final   medidas educativas para alunos com neeTrabalho final   medidas educativas para alunos com nee
Trabalho final medidas educativas para alunos com nee
 
Prova percepção visual
Prova percepção visualProva percepção visual
Prova percepção visual
 
Dislexia
DislexiaDislexia
Dislexia
 
47566403 class-palavras
47566403 class-palavras47566403 class-palavras
47566403 class-palavras
 
Dislexia e tcc_uma_proposta_de_tratamento
Dislexia e tcc_uma_proposta_de_tratamentoDislexia e tcc_uma_proposta_de_tratamento
Dislexia e tcc_uma_proposta_de_tratamento
 
Adequações curriculares-individualizadas
Adequações curriculares-individualizadasAdequações curriculares-individualizadas
Adequações curriculares-individualizadas
 
Ficha esquema corporal lateralidade
Ficha esquema corporal   lateralidadeFicha esquema corporal   lateralidade
Ficha esquema corporal lateralidade
 
PHDA
PHDAPHDA
PHDA
 
Bons pensamentos, bons-sentimentos, guia do terapeuta - paul stallard
Bons pensamentos, bons-sentimentos, guia do terapeuta  - paul stallardBons pensamentos, bons-sentimentos, guia do terapeuta  - paul stallard
Bons pensamentos, bons-sentimentos, guia do terapeuta - paul stallard
 
Consciencia fonológica 2
Consciencia fonológica 2Consciencia fonológica 2
Consciencia fonológica 2
 
Phda
PhdaPhda
Phda
 
Exercícios de consciência fonológica 1
Exercícios de consciência fonológica 1Exercícios de consciência fonológica 1
Exercícios de consciência fonológica 1
 
Programa educativo j pl 5ºb
Programa educativo j pl 5ºbPrograma educativo j pl 5ºb
Programa educativo j pl 5ºb
 
Atividades de consciência fonológica
Atividades de consciência fonológica Atividades de consciência fonológica
Atividades de consciência fonológica
 
Exercícios consciência fonológica
Exercícios consciência fonológicaExercícios consciência fonológica
Exercícios consciência fonológica
 
Nee e respostas educativas
Nee e respostas educativasNee e respostas educativas
Nee e respostas educativas
 
Consciencia fonologica - o que é e quais são suas etapas de aprendizagem
Consciencia fonologica - o que é e quais são suas etapas de aprendizagemConsciencia fonologica - o que é e quais são suas etapas de aprendizagem
Consciencia fonologica - o que é e quais são suas etapas de aprendizagem
 
Portfolio adaptação curricular
Portfolio adaptação curricularPortfolio adaptação curricular
Portfolio adaptação curricular
 

Semelhante a Pei, exemplo dislexia

Abril
AbrilAbril
Abril
AbrilAbril
Planif.jan
Planif.janPlanif.jan
Planif.jan
Antonio Fernandes
 
2_ANO_EF_PLANO_DE_CURSO_2023.pdf
2_ANO_EF_PLANO_DE_CURSO_2023.pdf2_ANO_EF_PLANO_DE_CURSO_2023.pdf
2_ANO_EF_PLANO_DE_CURSO_2023.pdf
FbioGil9
 
Março.doc
 Março.doc  Março.doc
Março.doc
Antonio Fernandes
 
Março.doc
 Março.doc  Março.doc
Março.doc
Antonio Fernandes
 
Plano de curso 6ano inglês
Plano de curso   6ano inglêsPlano de curso   6ano inglês
Plano de curso 6ano inglês
nandatinoco
 
Plano de curso 6ano inglês
Plano de curso   6ano inglêsPlano de curso   6ano inglês
Plano de curso 6ano inglês
nandatinoco
 
Planejemantodeingls 1anodoensinomdio-120305175312-phpapp01
Planejemantodeingls 1anodoensinomdio-120305175312-phpapp01Planejemantodeingls 1anodoensinomdio-120305175312-phpapp01
Planejemantodeingls 1anodoensinomdio-120305175312-phpapp01
Flavia Peres
 
Planif.dez
Planif.dezPlanif.dez
Planif.dez
Antonio Fernandes
 
Planejemanto de inglês 1º ano do ensino médio
Planejemanto de inglês   1º ano do ensino médioPlanejemanto de inglês   1º ano do ensino médio
Planejemanto de inglês 1º ano do ensino médio
Isabel Araujo
 
Aprendizagens essenciais por ano de escolaridade
Aprendizagens essenciais por ano de escolaridadeAprendizagens essenciais por ano de escolaridade
Aprendizagens essenciais por ano de escolaridade
MargaridaBento8
 
Planif.fev
Planif.fevPlanif.fev
Planif.fev
Antonio Fernandes
 
ROL DE CONTEÚDOS 2º ANO -2022 -BURITI MAIS EM pdf_110831.pdf
ROL DE CONTEÚDOS 2º ANO -2022  -BURITI MAIS EM pdf_110831.pdfROL DE CONTEÚDOS 2º ANO -2022  -BURITI MAIS EM pdf_110831.pdf
ROL DE CONTEÚDOS 2º ANO -2022 -BURITI MAIS EM pdf_110831.pdf
JheneSales
 
Apres Consciência Fonológica.pptx
Apres Consciência Fonológica.pptxApres Consciência Fonológica.pptx
Apres Consciência Fonológica.pptx
AlcioneCosta12
 
78900662 planejamento-lingua-portuguesa-7º-ao-9º-ano-ensino-fundamental-2012
78900662 planejamento-lingua-portuguesa-7º-ao-9º-ano-ensino-fundamental-201278900662 planejamento-lingua-portuguesa-7º-ao-9º-ano-ensino-fundamental-2012
78900662 planejamento-lingua-portuguesa-7º-ao-9º-ano-ensino-fundamental-2012
Franquilim Cerqueira
 
78900662 planejamento-lingua-portuguesa-7-ao-9-ano-ensino-fundamental-2012-14...
78900662 planejamento-lingua-portuguesa-7-ao-9-ano-ensino-fundamental-2012-14...78900662 planejamento-lingua-portuguesa-7-ao-9-ano-ensino-fundamental-2012-14...
78900662 planejamento-lingua-portuguesa-7-ao-9-ano-ensino-fundamental-2012-14...
Simone Franco Martins
 
Socialização de prática cre orla blog
Socialização de prática   cre orla blogSocialização de prática   cre orla blog
Socialização de prática cre orla blog
Marisa Seara
 
Planos de estudos de inglês
Planos de estudos de inglêsPlanos de estudos de inglês
Planos de estudos de inglês
pibiduergsmontenegro
 
3 matrizes disciplinares-do_ensino_fundamental
3 matrizes disciplinares-do_ensino_fundamental3 matrizes disciplinares-do_ensino_fundamental
3 matrizes disciplinares-do_ensino_fundamental
edirceurocha
 

Semelhante a Pei, exemplo dislexia (20)

Abril
AbrilAbril
Abril
 
Abril
AbrilAbril
Abril
 
Planif.jan
Planif.janPlanif.jan
Planif.jan
 
2_ANO_EF_PLANO_DE_CURSO_2023.pdf
2_ANO_EF_PLANO_DE_CURSO_2023.pdf2_ANO_EF_PLANO_DE_CURSO_2023.pdf
2_ANO_EF_PLANO_DE_CURSO_2023.pdf
 
Março.doc
 Março.doc  Março.doc
Março.doc
 
Março.doc
 Março.doc  Março.doc
Março.doc
 
Plano de curso 6ano inglês
Plano de curso   6ano inglêsPlano de curso   6ano inglês
Plano de curso 6ano inglês
 
Plano de curso 6ano inglês
Plano de curso   6ano inglêsPlano de curso   6ano inglês
Plano de curso 6ano inglês
 
Planejemantodeingls 1anodoensinomdio-120305175312-phpapp01
Planejemantodeingls 1anodoensinomdio-120305175312-phpapp01Planejemantodeingls 1anodoensinomdio-120305175312-phpapp01
Planejemantodeingls 1anodoensinomdio-120305175312-phpapp01
 
Planif.dez
Planif.dezPlanif.dez
Planif.dez
 
Planejemanto de inglês 1º ano do ensino médio
Planejemanto de inglês   1º ano do ensino médioPlanejemanto de inglês   1º ano do ensino médio
Planejemanto de inglês 1º ano do ensino médio
 
Aprendizagens essenciais por ano de escolaridade
Aprendizagens essenciais por ano de escolaridadeAprendizagens essenciais por ano de escolaridade
Aprendizagens essenciais por ano de escolaridade
 
Planif.fev
Planif.fevPlanif.fev
Planif.fev
 
ROL DE CONTEÚDOS 2º ANO -2022 -BURITI MAIS EM pdf_110831.pdf
ROL DE CONTEÚDOS 2º ANO -2022  -BURITI MAIS EM pdf_110831.pdfROL DE CONTEÚDOS 2º ANO -2022  -BURITI MAIS EM pdf_110831.pdf
ROL DE CONTEÚDOS 2º ANO -2022 -BURITI MAIS EM pdf_110831.pdf
 
Apres Consciência Fonológica.pptx
Apres Consciência Fonológica.pptxApres Consciência Fonológica.pptx
Apres Consciência Fonológica.pptx
 
78900662 planejamento-lingua-portuguesa-7º-ao-9º-ano-ensino-fundamental-2012
78900662 planejamento-lingua-portuguesa-7º-ao-9º-ano-ensino-fundamental-201278900662 planejamento-lingua-portuguesa-7º-ao-9º-ano-ensino-fundamental-2012
78900662 planejamento-lingua-portuguesa-7º-ao-9º-ano-ensino-fundamental-2012
 
78900662 planejamento-lingua-portuguesa-7-ao-9-ano-ensino-fundamental-2012-14...
78900662 planejamento-lingua-portuguesa-7-ao-9-ano-ensino-fundamental-2012-14...78900662 planejamento-lingua-portuguesa-7-ao-9-ano-ensino-fundamental-2012-14...
78900662 planejamento-lingua-portuguesa-7-ao-9-ano-ensino-fundamental-2012-14...
 
Socialização de prática cre orla blog
Socialização de prática   cre orla blogSocialização de prática   cre orla blog
Socialização de prática cre orla blog
 
Planos de estudos de inglês
Planos de estudos de inglêsPlanos de estudos de inglês
Planos de estudos de inglês
 
3 matrizes disciplinares-do_ensino_fundamental
3 matrizes disciplinares-do_ensino_fundamental3 matrizes disciplinares-do_ensino_fundamental
3 matrizes disciplinares-do_ensino_fundamental
 

Último

Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
Momento da Informática
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Gabriel de Mattos Faustino
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
joaovmp3
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
ATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docx
2m Assessoria
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 

Último (10)

Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
ATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - ESTRUTURA DE DADOS II - 52_2024.docx
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 

Pei, exemplo dislexia

  • 1. Ano Lectivo 2008/2009 PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL De acordo com: - Decreto-Lei nº3/2008 de 7 de Janeiro. - Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (OMS, 2001). IDENTIFICAÇÃO Nome: Data de Nascimento: Filiação: Morada: Nível de Educação/Ensino: Pré-Escolar 1º CEB 2º CEB 3º CEB Ano de Escolaridade: 8º ano Escola: 1. RESUMO DA HISTÓRIA ESCOLAR E OUTROS ANTECEDENTES RELEVANTES O Terêncio é o 2º filho de uma fratria de quatro (o mais velho tem 18 anos e o mais novo tem 6). Vive com os pais, avós e irmãos numa quinta, onde se faz exploração agro-pecuária. Os pais são os caseiros da quinta e raramente saem de casa; o seu nível sócio-económico é médio. O aluno não frequentou o ensino pré-escolar. Demonstrou, desde cedo, dificuldades específicas na linguagem, pois começou a falar apenas aos 2 anos, apesar de ser bastante simpático e comunicativo. Quando iniciou o 1º ciclo, na E.B. 1 de Pardais, o Terêncio revelou grandes dificuldades, tanto na leitura, como na escrita, apesar de, na Matemática, apresentar uma rara apetência para o cálculo mental e tudo o que exigia raciocínio lógico. Para além disso, memorizava, com facilidade, quaisquer conteúdos. No 3º ano, o aluno passou a usufruir das alíneas c) e f) do regime educativo especial, ao abrigo do DL 319/1991. Foi também acompanhado por uma docente de apoio educativo, que trabalhava com ele os casos de leitura. Ao longo do seu percurso escolar, nunca ficou retido, frequentando, actualmente, o 8º ano de escolaridade. Aos 10 anos, foi sujeito a uma avaliação psicológica, tendo-lhe sido diagnosticadas dificuldades específicas na leitura e na escrita, nomeadamente disgrafia e dislexia. Mais tarde, este diagnóstico foi confirmado numa avaliação neurológica (ver relatório da especialidade). Foi ainda feito um despiste auditivo, mas não se confirmou um défice auditivo. Actualmente, o aluno exprime-se claramente, sem qualquer problema. Tem, inclusivamente, grande capacidade de argumentação. Os seus resultados escolares são excelentes em todas as disciplinas. Continua, não obstante, a fazer trocas sistemáticas de letras: “m”/”n”, “t”/”q”, “b”/”v”, entre outras. Omite sílabas, escreve como fala, não domina os sinais de pontuação e tem dificuldades na interpretação de quaisquer enunciados ou textos escritos. 1
  • 2. 2. PERFIL DE FUNCIONALIDADE DO ALUNO (por referência à CIF-CJ) 2.1. SÍNTESE DO PERFIL DE FUNCIONALIDADE O Terêncio acusa dificuldades ligeiras na leitura, compreensão e interpretação de textos escritos, facto que está intimamente relacionado com um comprometimento não especificado nas funções da memória de curto prazo (registo e armazenamento de informações, principalmente quando se trata de letras ou de dígitos). Não obstante, memoriza com facilidade os conteúdos académicos. É, no entanto, na escrita que se apresentam os maiores obstáculos à sua funcionalidade, tanto na utilização das convenções gramaticais e automatizadas nas composições (dificuldades moderadas), como na utilização de competências e estratégias genéricas para completar textos, usando vocabulário adequado na expressão de ideias complexas (dificuldades graves). Dificilmente consegue aplicar, correctamente, as regras de pontuação, de sintaxe, as formas e os tempos verbais apropriados. Estas dificuldades específicas na escrita resultam da deficiência moderada na percepção auditiva (incapacidade na discriminação de sons, tons, intensidade e outros estímulos acústicos), do défice ligeiro na percepção visual (discriminação da forma, tamanho…) e, principalmente, do comprometimento nas funções da linguagem, essencialmente na recepção da linguagem escrita, onde a perturbação, na descodificação de mensagens escritas para a obtenção do seu significado, é moderada, e na expressão da linguagem escrita, tendo em conta os graves problemas do aluno na produção de quaisquer textos escritos. Para colmatar estas dificuldades na escrita, o Terêncio beneficia do uso do computador, com processador de texto e corrector ortográfico. Este revela-se uma preciosa ajuda na correcção dos erros ortográficos, traduzindo-se num facilitador substancial à sua funcionalidade. Nas tarefas e exigências gerais, o Terêncio denuncia dificuldades moderadas em lidar com o stress, quando sujeito a situações de grande pressão psicológica (testes escritos, exames, leitura para o grande grupo, entre outras). Neste sentido, existe um facilitador substancial do seu desempenho, considerando o constante reforço positivo dado pelos docentes, bem como a antecipação de conteúdos, valorização dos progressos efectuados e diversificação de estratégias. A nível de apoios e relacionamentos, existem grandes facilitadores à participação do aluno, 2
  • 3. sendo de importância relevante o apoio incondicional da família (facilitador substancial), incansável e sempre pronta a contribuir com tudo o que está ao seu alcance, nomeadamente através da articulação com a escola, os docentes e os profissionais de saúde. 3. ADEQUAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM MEDIDAS EDUCATIVAS A IMPLEMENTAR a) Apoio pedagógico personalizado  Reforço das estratégias utilizadas na turma ao nível da organização, do espaço e das actividades; estímulo e reforço das competências e aptidões envolvidas na aprendizagem, pelos docentes do Conselho de Turma. Reforço e desenvolvimento de competências específicas, pela docente de Educação Especial (90 minutos/por semana). d) Adequações no processo de avaliação  Nas provas de avaliação, as perguntas deverão ser simplificadas, sem complexidade linguística (a nível morfo-sintáctico, semântico e lexical); dever-se-á valorizar o conteúdo, em detrimento da correcção ortográfica; explicitação do significado das palavras escritas que o aluno não compreende. Dever-se-á privilegiar a avaliação oral, em vez da escrita, a qual será contínua (forma/meio de expressão). Deverão ser concedidos 30 minutos de tolerância na realização dos testes (duração). f) Tecnologias de apoio  Software específico. Material e equipamentos específicos para a intervenção na dislexia. 4 - DISCRIMINAÇÃO DOS CONTEÚDOS, DOS OBJECTIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS A ATINGIR, DAS ESTRATÉGIAS E RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS A UTILIZAR (art.9º, alínea f) – D.L. nº3/08 OBJECTIVOS (Intervenção do docente de Educação Especial) 3
  • 4. Objectivos gerais Objectivos Específicos - Exercitar a memória de - Fazer desenhos e reproduzi-los posteriormente. curto prazo. - Visualizar imagens e reproduzi-las graficamente. - Memorizar pormenores de um desenho. - Reproduzir sequências de números. - Reproduzir histórias, provérbios, lengalengas… - Treinar a percepção e a - Distinguir letras com formas idênticas. memória visuais. - Fazer a correspondência entre figuras iguais. - Fazer a correspondência entre letras ou conjuntos iguais. - Identificar uma determinada letra num texto. - Identificar o número de vezes que uma letra ou um algarismo se repetem. - Identificar semelhanças ou diferenças entre desenhos. - Identificar elementos em falta. - Perceber figuras em fundos diferentes. - Discriminar formas geométricas. - Descobrir num texto palavras iguais ao modelo. - Procurar objectos específicos numa imagem ou num desenho. - Seleccionar conjuntos a partir de um dado critério. - Desenvolver a linguagem. - Reconhecer /ler os signos linguísticos. - Reconhecer, através da leitura e da escrita, sílabas directas e inversas, por ordem crescente de dificuldade. - Diferenciar fonemas similares no ponto ou modo de articulação. - Formar palavras a partir de sílabas dadas. - Preencher lacunas em frases com palavras dadas. - Construir palavras a partir dos erros cometidos. - Descrever uma situação, um desenho, uma imagem… - Descrever as características de um objecto (cor, tamanho, forma, textura, utilidade). - Ler uma palavra, apesar de faltarem letras. Desenvolver a consciência fonológica. - Ler uma palavra, apesar de faltar uma sílaba. - Dizer oralmente o som das letras. - Dividir silabicamente palavras. - Reconhecer o som das letras com grafia e som semelhantes. - Fazer palavras cruzadas. - Treinar a percepção e a - Seleccionar desenhos a partir do som inicial da palavra que o nomeia. memória auditivas. - Seleccionar a palavra que indica o plural. - Descobrir palavras a partir da primeira letra. - Completar palavras ou frases. - Seleccionar a palavra correcta, de acordo com o seu significado. - Fazer, oralmente, a divisão silábica das palavras. - Recordar provérbios, canções, lengalengas… - Recordar antónimos e sinónimos. - Construir frases a partir de uma ou mais palavras dadas. - Reproduzir batimentos rítmicos. - Reconhecer frases absurdas. - Reconhecer afirmações verdadeiras ou falsas. - Reconhecer sons do ambiente (gravados ou não). - Relacionar sons ouvidos com a respectiva fonte. - Ouvir e reproduzir diferentes sílabas. CONTEÚDOS 4
  • 5. - Consciência fonológica. - Consciência fonémica. - Pontuação. - Acentuação. - Ortografia. - Sintaxe. ESTRATÉGIAS E METODOLOGIAS - Apoio individualizado. - Estimulação sensorial. - Utilização de materiais adequados. - Compreensão, identificação e reconhecimento de vogais e consoantes e seus valores fonémicos. - Associação de fonemas a grafemas. - Segmentação e reconstrução de palavras. - Construção de acrónimos. - Treino de rimas (aliteração e assonância). - Repetição sistemática de determinados conteúdos. - Treino do uso de dicionários e prontuários. - Apresentação cuidadosa do material escrito (cabeçalhos destacados, letras claras, uso de esquemas, poucas palavras escritas…). - Desenvolvimento da auto-estima e da auto-confiança, através de constante reforço positivo. - Aprendizagem multissensorial. - Automatização de competências adquiridas. - Elaboração de um glossário para algumas disciplinas (vocabulário técnico). - Utilização de computador (corrector ortográfico e sintáctico). RECURSOS HUMANOS RECURSOS MATERIAIS Docentes do Conselho de Turma. Material diverso adaptado ao aluno (fichas Docente de Educação Especial. especialmente concebidas para ele). Dicionários. Prontuário. Computador e software didáctico específico. (…) NÍVEL DE PARTICIPAÇÃO NAS ACTIVIDADES DA TURMA 5
  • 6. O Terêncio estará integrado em todas as actividades da sala, sendo promovido, paralelamente, um trabalho individualizado de estimulação das competências a adquirir, no que se refere à leitura e à escrita. 5. IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PEI Início da implementação do PEI: ____/____/_________ Avaliação do PEI Momentos de Critérios Instrumentos Intervenientes Data de revisão avaliação Elaboração de um Docentes. No final de cada Início do próximo Sucesso das relatório final pelos Docente de ano lectivo e ano lectivo. medidas vários Educação Especial. sempre que se educativas intervenientes Encarregado de justifique. implementadas. nesta avaliação. educação. Transição entre ciclos 6. ELABORAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO PEI elaborado por: Profissional: Assinatura: __________________________________ _________________________________ __________________________________ _________________________________ __________________________________ _________________________________ __________________________________ _________________________________ _________________________________ _________________________________ Coordenação do PEI a cargo de: Nome: ____________________________ Assinatura: __________________________ Aprovado pelo Conselho Pedagógico: Data: _____/_____/__________ Assinatura: __________________________ 6
  • 7. Homologado pelo Conselho Executivo: Data: _____/_____/__________ Assinatura: __________________________ Concordo com as medidas educativas definidas, O Encarregado de Educação Data: _____/_____/__________ Assinatura: __________________________ 7