SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 150
Baixar para ler offline
Equipamentos	
  
em	
  	
  
Anestesiologia	
  
Fabrício	
  Tavares	
  Mendonça	
  	
  TEA/TSA	
  
	
  
Preceptor	
  da	
  Residência	
  Medica/MEC	
  do	
  HBDF	
  
Instrutor	
  do	
  CET/SBA	
  do	
  HBDF	
  
Resolução	
  No	
  1802/2006	
  
CONSELHO	
  FEDERAL	
  DE	
  MEDICINA	
  
	
  Dispõe	
  sobre	
  a	
  práPca	
  do	
  ato	
  anestésico	
  
	
  
Art.	
  3	
  -­‐	
  Entende-­‐se	
  por	
  condições	
  mínimas	
  de	
  segurança	
  para	
  a	
  práPca	
  da	
  anestesia	
  a	
  
disponibilidade	
  de:	
  
I	
  -­‐	
  Monitoração	
  da	
  circulação,	
  incluindo	
  a	
  determinação	
  da	
  pressão	
  arterial	
  e	
  dos	
  
baPmentos	
  cardíacos,	
  e	
  determinação	
  conWnua	
  do	
  ritmo	
  cardíaco,	
  incluindo	
  
cardioscopia;	
  
II	
  -­‐	
  Monitoração	
  con/nua	
  da	
  oxigenação	
  do	
  sangue	
  arterial,	
  incluindo	
  a	
  oximetria	
  de	
  
pulso;	
  
III	
  -­‐	
  Monitoração	
  con/nua	
  da	
  ven4lação,	
  incluindo	
  os	
  teores	
  de	
  gás	
  carbônico	
  
exalados	
  nas	
  seguintes	
  situações:	
  anestesia	
  sob	
  via	
  aérea	
  arPficial	
  (como	
  intubação	
  
traqueal,	
  brônquica	
  ou	
  máscara	
  laríngea)	
  e/ou	
  venPlação	
  arPficial	
  e/ou	
  exposição	
  a	
  
agentes	
  capazes	
  de	
  desencadear	
  hipertermia	
  maligna.	
  
.	
  
ObjePvos	
  da	
  Monitorização	
  
A	
  monitorização	
  do	
  pacientes	
  anestesiado	
  tem	
  
como	
  objePvos	
  principais;	
  
	
   -­‐	
   analisar	
   a	
   resposta	
   do	
   paciente	
   a	
   determinado	
  
procedimento,	
   como	
   uso	
   de	
   anestésicos,	
   reposição	
   volêmica,	
  
venPlação,	
  avaliando	
  a	
  eficácia,	
  os	
  efeitos	
  colaterais,	
  toxicidade	
  	
  
	
  	
  
	
  -­‐	
  diagnosPcar	
  problemas	
  ou	
  reconhecer	
  precocemente	
  uma	
  
tendencia	
   prejudicial,	
   acompanhando	
   as	
   alterações	
   produzidas	
  
por	
   hemorragia,	
   transfusão,	
   compressão	
   de	
   vasos	
   e	
   coração,	
  
pulmões,	
  ...	
  	
  
Monitores	
  Circulatórios	
  
ECG
PANI
Monitores	
  de	
  Pressão	
  
Indicador	
  importante	
  da	
  adequação	
  da	
  circulação	
  
	
  
Figura 3.
Medição de pressão arterial pelo método oscilométrico
(Ramsey, 1991).
1)  A	
   largura	
   do	
   manguito	
  
deve	
   corresponder	
   a	
   40%	
  
da	
   circunferência	
   do	
  
braço.	
  
	
  
2)  O	
   c o m p r i m e n t o	
   d o	
  
manguito	
   deve	
   envolver	
  
8 0 % 	
   a 	
   1 0 0 % 	
   d a	
  
circunferência	
  do	
  braço	
  
Pressões	
  falsamente	
  
elevadas:	
  
•  Manguitos	
  pequenos	
  
•  Membro	
  abaixo	
  do	
  
coração	
  
•  Compressão	
  
desuniforme	
  
	
  
Pressões	
  falsamente	
  
baixas:	
  
•  Manguitos	
  grandes	
  
•  Membro	
  acima	
  do	
  
coração	
  
•  Deflações	
  rápidas	
  
Evento	
  Monitorado	
  
Pressão	
  Arterial	
  
– Hipertensão	
  
•  Patologias	
  renais	
  
•  Patologias	
  adrenais	
  	
  
•  Usuários	
  de	
  drogas	
  	
  
•  HiperaPvidade	
  simpáPca	
  	
  
– Hipotensão	
  
•  Sobredose	
  de	
  anestésicos	
  	
  
•  Hipovolemia	
  
•  Isquemia	
  Miocárdica	
  -­‐	
  IAM	
  
•  Fenômenos	
  Tromboembólicos	
  	
  
	
  
ECG
ECG	
  
Segundo	
  a	
  Sociedade	
  Brasileira	
  de	
  Cardiologia	
  há	
  uma	
  
seqüência	
   de	
   eventos	
   eletrocardiográficos	
   que	
   se	
  
seguem	
  a	
  uma	
  oclusão	
  da	
  artéria	
  coronária:	
  	
  
	
  1)	
  minutos	
  iniciais:	
  ondas	
  T	
  amplas,	
  posiPvas,	
  ponPagudas	
  e	
  de	
  base	
  
simétrica,	
  com	
  elevação	
  >	
  0,1	
  mV;	
  	
  
	
  2)	
  após	
  20	
  minutos:	
  supradesnivelamento	
  do	
  segmento	
  ST,	
  que	
  
morfologicamente	
  tende	
  a	
  ser	
  convexo;	
  	
  
	
  3)	
  horas	
  após:	
  aparecimento	
  de	
  ondas	
  Q	
  patológicas	
  e	
  corte	
  nas	
  ondas	
  R;	
  	
  
	
  4)	
  após	
  alguns	
  dias:	
  retorno	
  do	
  segmento	
  ST	
  à	
  linha	
  de	
  base,	
  onda	
  T	
  
negaPva,	
  profunda	
  e	
  simétrica.	
  	
  
	
  
	
  
	
  
Alterãções	
  do	
  Segmento	
  ST	
  
Alterações	
  do	
  Segmento	
  ST	
  
Alterações	
  do	
  Segmento	
  ST	
  
Alterações	
  do	
  QRS	
  
Bloqueio	
  do	
  ramo	
  esquerdo	
  
– Completo	
  	
  
– Incompleto	
  
– BRE:	
  aspecto	
  Wpico-­‐derivações	
  V1	
  e	
  V6	
  
– APARECIMENTO	
  ABRUPTO	
  è	
  IAM	
  
	
  
DHE	
  e	
  ECG	
  
•  Hipercalemia	
  è	
  onda	
  T	
  
apiculada	
  e	
  qrs	
  largo	
  
•  Hipocalemia	
  è	
  onda	
  T	
  
achatada	
  ou	
  inversão	
  
DHE	
  e	
  ECG	
  
Hipercalcemia	
  è	
  QT	
  curto	
  
Hipocalcemia	
  è	
  QT	
  longo	
  
Monitores da Respiração
Oxímetro	
  de	
  Pulso	
  
Oxímetro	
  de	
  Pulso	
  
O	
  oxímetro	
  de	
  pulso	
  é	
  um	
  aparelho	
  não-­‐invasivo	
  
que	
  esPma	
  a	
  saturação	
  da	
  hemoglobina	
  arterial	
  
denominada	
  SpO2%.	
  
	
  
CaO2:	
  Hgb	
  x	
  1,34	
  x	
  SaO2	
  +	
  0,0031	
  x	
  PaO2	
  
619
Review Articles
Peter G. Duncan MDFRCPC,*
Marsha M. Cohen MDMHSc FRCPC'["
Pulse oximetry and
capnography in
anaesthetic practice:
an epidemiological
appraisal
in the evaluation of any medical technology the efficacy,
effectiveness, and efficiency must each be considered before
routine deployment is recommended. Since the wide.ff~read
practice of patient monitoring by pulse oximetry and capnog-
raphy has occurred before the performance of rigorously
controlled trials, definitive proof of worth is lacking. The
purpose of this review is to appraise critically the effectiveness
of this technology. ?'he assessment was performed using
concepts developed in epidemiology and community medicine to
establish a given factor to be causative to a given outcome. The
current literature pertaining to anaesthetic adverse outcomes
was reviewed, and the use of monitors evaluated against the
criteria of a causal relationship. While the conclusions are
based more on the absence of positive data (owing to low
frequency of adverse anaesthetic occurrences) rather than
negative results, it must be concluded that the effectiveness of
such monitoring has yet to be demonstrated. Such a conclusion
should not detract from their use, for the role of an individual
factor in the complex chain of accident evolution will seldom be
demonstrable. Rather, such an appraisal should encourage a
clear perspective of the depth of our clinical science, and
encourage more rigorous critical evaluation in the future.
Darts l'dvaluation de toute technologie mddicale l'efficaciM,
l'opdrabiliM, et le rendement doivent ~tre considdrds avant le
ddploiement de son emploi de routine. Etant donnd que la
Key words
MONITORING:oxygen, carbon dioxide;
EPIDEMIOLOGY.
From the Department of Anaesthesia,* University of
Saskatchewan, Saskatoon, Saskatchewan S7N 0X0, and the
Clinical Epidemiology Unit,i"Sunnybrook Health Science
Centre, A4, 2075 Bayview Avenue, Toronto, Ontario
M4N 3M5.
Acceptedfor publication 18th February, 1991.
pratique courante de la surveillance des patients par saturomd-
trie de pouls et capnographie est survenue avant I'acconlplisse-
ment d'essais rigoureux et contr6lds, la preuve de leur valeur
n'est pas encore dtablie. Le but de cette revue est d'dvaluer
d'une fa~'on critique cette technologie. L'dvaluation fut faite
utilisant des concepts ddveloppds en dpiddmiologie et mddecine
communautaire afin d' dtablir qu'unfacteur donnd est responsa-
ble d'une certaine issue. La littdrature actuelle concernant
r issue anesthdsique ddfavorable fia revue et I'utilisation des
moniteurs dvalude afin d'dtablir la relation de cause fl effet.
Alors que les conclusions sont basdes plus sur I'absence de
donndes positives (cJ cause de la basse frdquence, des issues
anesthdsiques ddfavorables) plut6t que des rdsultats ndgatifs, on
doit conclure que l'efficacitd de ce genre de monitoring demeure
encore d ~tre ddmontrde. Une telle conclusion ne dolt pas nous
emp~cher de les utiliser car le r61ed'un facteur individuel dans
une chagne complexe d'accidents peut ~tre rarement ddmontrd.
Cette dvaluation devrait plut6t encourager une perspective
claire sur notre science clinique et nous encourager tJ une
dvaluation plus rigoureuse et critique clans lefutur.
The last decade has witnessed many changes in the
practice of anaesthesia.I Most gratifying has been the
demonstration that the safety offered to patients is greater
than ever before, while denying nobody the possibility of
surgical treatment if there is a chance of benefit. While
the magnitude of the death rate attributable to anaesthesia
has been a subject of debate, l'2 few would question that
death from anaesthesia has become a rare event. Indeed,
when put in perspective with the other factors predicting
patient survival after surgery, anaesthesia is no longer a
factor, in contrast to patient disease and surgical factors.3
When discussing the reasons for this improvement in
morbidity and mortality, many factors can be cited. For
example, the patients may have changed, with a popula-
tion of subjects of better preoperative health submitting to
CAN J ANAESTH 1991 ! 38:5 / pp619-25
Acceptedfor publication 18th February, 1991.
CAN J ANAESTH 1991 ! 38:5 / pp619-25
Oxímetro	
  de	
  Pulso	
  
É	
  um	
  aparelho	
  de	
  transmissão	
  no	
  qual	
  a	
  ponta	
  
do	
   dedo	
   (ou	
   qq	
   outro	
   local)	
   atua	
   como	
   uma	
  
cubeta	
  in	
  vivo	
  da	
  qual	
  é	
  transmiPda	
  luz	
  em	
  dois	
  
comprimentos	
  de	
  onda	
  diferentes.	
  
Oxímetro	
  de	
  Pulso	
  
Oxímetro	
  de	
  pulso	
  associa	
  as	
  tecnologias:	
  
•  Espectrofotometria	
  
•  PlePsmografia	
  óPca	
  
	
  
Espectrofotometria	
  
No	
  sensor	
  do	
  oxímetro,	
  diodos	
  (Diodo	
  Emissor	
  de	
  
Luz	
  –	
  LED)	
  emitem	
  luz	
  vermelha,	
  em	
  comprimentos	
  
de	
  onda	
  de	
  660	
  nm,	
  e	
  luz	
  infravermelha,	
  em	
  960	
  
nm,	
  que	
  atravessa	
  a	
  ponta	
  do	
  dedo.	
  
	
  
	
  
A	
  oxihemoglobina	
  absorve	
  mais	
  luz	
  infravermelha	
  
– Permite	
  que	
  mais	
  luz	
  vermelha	
  passe	
  por	
  ela	
  
A	
  deoxihemoglobina	
  absorve	
  mais	
  luz	
  vermelha	
  
– Permite	
  que	
  mais	
  luz	
  infravermelha	
  passe	
  por	
  ela	
  
PlePsmografia	
  ÓPca	
  
A	
  detecção	
  do	
  fluxo	
  pulsáPl	
  é	
  feita	
  por	
  
plePsmografia	
  ópPca.	
  	
  
A	
  cada	
  pulsação	
  do	
  sangue	
  arterial,	
  o	
  local	
  onde	
  
está	
  o	
  sensor	
  (ex:	
  dedo)	
  aumenta	
  de	
  volume	
  e	
  o	
  
trajeto	
   percorrido	
   pela	
   luz	
   aumenta,	
   o	
   que	
  
ocasiona	
   aumento	
   também	
   da	
   absorbância	
   da	
  
luz	
  de	
  660	
  nm	
  e	
  960	
  nm.	
  	
  
Resolução	
  CFM	
  nº	
  1.672/03,	
  	
  
de	
  9	
  de	
  julho	
  de	
  2003	
  
Evento	
  Monitorado	
  
Oxímetro	
  de	
  Pulso	
  
–  Desconexão	
  do	
  venPlador	
  
–  HipovenPlação	
  
–  Intubação	
  esofageana	
  
–  Intubação	
  brônquica	
  
–  Mistura	
  Hipóxica	
  
–  Pneumotórax	
  
–  Fenômenos	
  tromboembólicos	
  
–  Broncoaspiração	
  do	
  conteúdo	
  gastrico	
  
–  Sobredose	
  de	
  anestésicos	
  	
  
Atualidades	
  em	
  Oximetria	
  de	
  Pulso	
  
Capnômetro/Capnógrafo	
  
Capnometria/Capnografia	
  
Capnômetro	
  è	
  aparelho	
  que	
  mede	
  a	
  tensão	
  (mmHg)	
  de	
  CO2	
  no	
  gás	
  
próximo	
  das	
  vias	
  respiratórias	
  do	
  paciente	
  durante	
  a	
  venPlação.	
  
	
  
A	
  capnografia	
  é	
  a	
  representação	
  gráfica	
  do	
  nível	
  de	
  CO2.	
  	
  	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
Capnografia	
  
Os	
   equipamentos	
   atuais	
   uPlizam	
   técnicas	
   de	
  
absorção	
  de	
  luz	
  infravermelha	
  
– Um	
  feixe	
  de	
  luz	
  de	
  comprimento	
  de	
  onda	
  estreito	
  
passa	
  através	
  do	
  gás,	
  sendo	
  parte	
  da	
  luz	
  absorvida	
  
pelas	
  moléculas	
  
O	
  sistema	
  faz	
  a	
  comparação	
  entre	
  a	
  quanPdade	
  
de	
  luz	
  infravermelha	
  absorvida	
  e	
  o	
  referencial	
  
–  mostrando	
   quase	
   instantaneamente	
   a	
  
concentração	
  exalada	
  do	
  gás.	
  
Modelos	
  de	
  Capnógrafos	
  
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  Mainstream	
   	
  	
  	
  Sidestream	
  
•  Cal	
  Sodada	
  esgotada	
  
•  Fluxo	
  de	
  oxigenio	
  insuficiente	
  
Monitorização	
  da	
  Função	
  Neuromuscular	
  
•  EsPmulador	
  de	
  Nervo	
  Periférico	
  
FARMACOECONOMIA
Sociedade	
  Brasileira	
  de	
  Anestesiologia	
  –	
  Curso	
  de	
  Ensino	
  à	
  Distância	
  2002	
  	
  
TOF-WATCH®
Vermelho= relação TOF
Azul= altura da contração (T1)
Temperatura da pele
F= m x a
A massa do polegar é
constante, portanto a força
é diretamente proporcional
à aceleração
Fonte: Manual do equipamento TOF-Watch® SX.
1. Limpar a pele com álcool
3. Fixar a mão 4. Fazer indução sem BNM
2. Posicionar eletrodos e sensores
2 a 3 cm
3 a 6 cm
Fonte: Manual do equipamento TOF-Watch® SX
5. Ligar o aparelho
6. Calibrar no modo 1 ou 2
(o ideal é CAL 2)
7. Selecionar o padrão de estímulo: TOF ou ES 8. Administrar o BNM
Fonte: Manual do equipamento TOF-Watch® SX
Fonte: Manual do equipamento TOF-Watch® SXBNM: bloqueador neuromuscular
1. Ligar o aparelho 2. Não calibrar
3. ES sem valor 4. Estimular apenas com
TOF e PTC
Posição incorreta Posição correta
Posição ideal do sensor de temperatura Posição do sensor de temperatura
Fonte: Manual do equipamento TOF-Watch® SX
Positivo branco proximal e
negativo preto distal
Sociedade	
  Brasileira	
  de	
  Anestesiologia	
  –	
  Curso	
  de	
  Ensino	
  à	
  Distância	
  2002	
  	
  
Nervo ulnar Músculo adutor do polegar
Termômetro	
  
+ _
Nervo tibial posterior Flexor curto do hálux
Termômetro
+
_
T oC
+
_
Músculo orbicular do olho
Músculo corrugador do supercílio
Sociedade	
  Brasileira	
  de	
  Anestesiologia	
  –	
  Curso	
  de	
  Ensino	
  à	
  Distância	
  2002	
  	
  
• Padrão de estimulação mais utilizado
•  Consiste em quatro estímulos supramáximos,
aplicados em um período de dois segundos
(frequência de 2 Hz), ou seja, um impulso cada
meio segundo
• A sequência é repetida apenas a cada
15 segundos
SQE	
  ou	
  TOF	
  
Sociedade	
  Brasileira	
  de	
  Anestesiologia	
  –	
  Curso	
  de	
  Ensino	
  à	
  Distância	
  2002	
  	
  
INDICAÇÕES: - momento da intubação
- dose de manutenção
- momento da extubação
Estimulação:
Resposta:
T2
T1
T3
T4
TOF =
T4
T1
T1 T2 T3 T4
TOF: 100%
T1 T2 T3 T4
TOF: 90%
T1 T2 T3 T4
TOF: 50%
T1 T2 T3 T4
TOF: 4%
T1 T2 T3 T4
TOF: 4
T1 < 20%
T1 T2 T3 T4
TOF: 3
T1 T2 T3 T4
TOF: 2
T1 T2 T3 T4
TOF: 1
T1 T2 T3 T4
TOF: 0
BNM: bloqueador neuromuscular
T1 T2 T3 T4
TOF: 100% TOF: 100%
T1 T2 T3 T4
TOF: 100%
T1 T2 T3 T4
TOF: 0
Neste caso, a relação TOF não tem valor. Usa-se o estímulo simples (T1).
T1 T2 T3 T4
T1: 100% T1: 60%
T1 T2 T3 T4
T1: 30%
T1 T2 T3 T4
T1: 0
BNM: bloqueador neuromuscular
•  Contagem usada quando TOF= 0 (bloqueio profundo/
intenso)
•  Consiste na aplicação de:
•  15 estímulos simples de 1 Hz, seguidos por um
estímulo tetânico de 50 Hz por 5 segundos; há
então uma pausa de 3 segundos, e tem início a
contagem das respostas resultantes de 15
estímulos simples de 1 Hz
•  Dependendo do número de respostas registradas, é
possível estimar o tempo da primeira resposta de TOF
(dependendo do BNM usado)
•  O ideal é que a repetição seja feita apenas após
3-6 minutos
BNM: bloqueador neuromuscular
Estimulação:
Resposta: 7
INDICAÇÃO: - bloqueio profundo
15 ES T (5 S) (3 S) 15 ES
 	
  	
  	
  	
  
Adaptado de Baillard C. Br J Anaesth 2005;95:622.
Monitoração
intraoperatória
de ABNMs
1995
n= 435
2000
n= 130
2002
n= 101
2004
n= 218
%pacientes
100
80
60
40
20
0
2 %
60%
PRPO na SRPA
(TOF < 0,9)
3 %
63%
ABNM: Bloqueador neuromuscular adespolarizante
PRPO: Paralisia residual pós-operatória
SRPA: Sala de recuperação de cirurgia
0,47
0,5
0,51
0,52
0,51
0,51
0 0,2 0,4 0,6 0,8 1
Sorriso, deglutição ou fala
Elevação da perna, 5 s
Debilidade geral
Elevação da cabeça, 5 s
Aderência da mão, 5 s
Abaixador de língua
Valor preditivo positivo da identificação do TOF >90%
Adaptado de Cammu G et al. Anesth Analg. 2006;102:426-9.
Adaptado de Eriksson LI et al. Anesthesiology. 1997;87:1035.
T4/T1 < 0,9 è BNM residual
Sociedade	
  Brasileira	
  de	
  Anestesiologia	
  –	
  Curso	
  de	
  Ensino	
  à	
  Distância	
  2002	
  	
  
90	
  %	
  
80	
  %	
  
Sociedade	
  Brasileira	
  de	
  Anestesiologia	
  –	
  Curso	
  de	
  Ensino	
  à	
  Distância	
  2002	
  	
  
Kopman AF, Naguib M. Anesth Analg. 2015;120:51–8.
BNM  “ideal”	
Contagem	
  pós-­‐
tetânica	
  
Resposta	
  
contrá4l	
  
Nível	
  de	
  bloqueio	
  
Resposta	
  a	
  TOF	
  
Resposta	
  a	
  PTC	
  
Bloqueio	
  intenso	
  
Contagem	
  TOF	
  0	
  
PTC	
  0	
  
Bloqueio	
  profundo	
  	
  
Contagem	
  TOF	
  0	
  
PTC	
  ≥	
  1	
  
Bloqueio	
  moderado	
  
Contagem	
  TOF	
  2-­‐3	
  
Reversão	
  BNM	
  
Suggested	
   Evidence-­‐Based	
   Prac4ces	
   for	
  
Decreasing	
   Residual	
   Paralysis	
   and	
   Improving	
  
Pa4ent	
  Outcome	
  
	
  
Murphy	
  GS,	
  Brull	
  SJ:	
  Residual	
  neuromuscular	
  block:	
  lessons	
  unlearned.	
  Part	
  I:	
  
DefiniPons,	
   incidence,	
   and	
   adverse	
   physiologic	
   effects	
   of	
   residual	
  
neuromuscular	
  block.	
  Anesth	
  Analg	
  2010;111:120-­‐128;	
  and	
  	
  
	
  
Brull	
  SJ,	
  Murphy	
  GS:	
  Residual	
  neuromuscular	
  block:	
  lessons	
  unlearned.	
  Part	
  II:	
  
Methods	
   to	
   reduce	
   the	
   risk	
   of	
   residual	
   weakness.	
   Anesth	
   Analg	
  
2010;111:129-­‐140	
  
Reversão	
  BNM	
  
1.	
  Evitar	
  Paralisia	
  Residual:	
  Princípios	
  Gerais	
  
	
  A.	
  Use	
  relaxantes	
  musculares	
  somente	
  quando	
  necessário.	
  
	
  B.	
  Individualizar	
  a	
  dosagem	
  de	
  relaxantes	
  musculares	
  com	
  base	
  em	
  fatores	
  do	
  
paciente,	
  necessidades	
  cirúrgicas	
  e	
  duração	
  e	
  presença	
  de	
  doenças	
  coexistentes.	
  
	
  C.	
  Evitar	
  relaxantes	
  de	
  longa	
  duração	
  (por	
  exemplo,	
  pancurônio).	
  
	
   D.	
   Evitar	
   a	
   dependência	
   de	
   sinais	
   clínicos	
   de	
   reversão,	
   tais	
   como	
   elevação	
   da	
  
cabeça,	
  aperto	
  da	
  mandíbula,	
  volume	
  corrente,	
  etc	
  .;	
  Tais	
  testes	
  são	
  notoriamente	
  não	
  
confiáveis.	
  
	
  E.	
  Em	
  pacientes	
  em	
  risco,	
  descartar	
  paralisia	
  residual	
  usando	
  monitores	
  objePvos	
  
(AMG,	
  MMG,	
  KMG).	
  
	
  F.	
  Idealmente,	
  a	
  função	
  neuromuscular	
  deve	
  ser	
  monitorada	
  quanPtaPvamente	
  
usando	
  monitores	
  objePvos	
  (AMG,	
  MMG,	
  KMG).	
  
	
   G.	
   Deve	
   ser	
   estabelecido	
   um	
   grau	
   mínimo	
   de	
   recuperação	
   (TOF	
   4)	
   antes	
   da	
  
reversão	
  farmacológica	
  com	
  anPcolinesterases.	
  
	
   H.	
   A	
   avaliação	
   táPl	
   do	
   desvanecimento	
   e	
   a	
   uPlização	
   de	
   testes	
   clínicos	
   de	
  
adequação	
   de	
   reversão	
   não	
   garantem	
   recuperação	
   adequada	
   e	
   pronPdão	
   para	
   a	
  
extubação	
  traqueal	
  
Reversão	
  BNM	
  
2.	
   Reversão	
   Farmacológica	
   com	
   anPcolinesterásicos:	
   Princípios	
  
Gerais	
  
A.	
   O	
   grau	
   mínimo	
   de	
   recuperação	
   deve	
   ser	
   uma	
   contagem	
   de	
  
TOF	
  4	
  antes	
  da	
  reversão	
  da	
  anPcolinesterase.	
  
	
  
B.	
   Se	
   a	
   recuperação	
   espontânea	
   para	
   uma	
   razão	
   TOF	
   >	
   0,90	
  
avaliada	
   objePvamente	
   (quanPtaPvamente)	
   é	
   alcançada,	
   a	
  
administração	
  de	
  neosPgmina	
  deve	
  ser	
  evitada.	
  	
  
	
  
O	
   uso	
   de	
   anPcolinesterásicos	
   em	
   pacientes	
   totalmente	
  
recuperados	
   pode	
   induzir	
   enfraquecimento	
   dos	
   músculos	
   das	
  
vias	
  aéreas.	
  
Reversão	
  BNM	
  
3.	
  Decisões	
  RelaPvas	
  à	
  Reversão	
  Farmacológica	
  com	
  AnPcolinestase	
  na	
  
PráPca	
  Clínica	
  
A.	
  Se	
  não	
  esPver	
  disponível	
  nenhum	
  monitor	
  neuromuscular	
  ou	
  esPmulador	
  
de	
  nervo	
  periférico:	
  
	
  
i.	
  Testes	
  clínicos	
  de	
  adequação	
  de	
  reversão	
  não	
  são	
  confiáveis;	
  Sempre	
  use	
  reversão,	
  e	
  
somente	
  quando	
  a	
  aPvidade	
  muscular	
  espontânea	
  está	
  presente.	
  Contudo,	
  esta	
  práPca	
  não	
  
pode	
  garanPr	
  uma	
  recuperação	
  adequada	
  e	
  segura	
  do	
  bloqueio	
  neuromuscular	
  e	
  deve	
  ser	
  
desencorajada.	
  
	
  
B.	
  Se	
  o	
  esPmulador	
  nervoso	
  periférico	
  está	
  disponível,	
  mas	
  não	
  há	
  meios	
  
objePvos	
  de	
  avaliação	
  disponíveis:	
  
	
  
i.	
  Se	
  não	
  houver	
  resposta	
  de	
  TOF,	
  a	
  reversão	
  farmacológica	
  de	
  atraso	
  até	
  a	
  contagem	
  de	
  TOF	
  
é	
  4.	
  
ii.	
  Se	
  TOF	
  contagem	
  de	
  4	
  está	
  presente	
  com	
  fraqueza	
  subjePva,	
  use	
  reversão.	
  
iii.	
  Se	
  a	
  contagem	
  de	
  TOF	
  de	
  4	
  esPver	
  presente	
  sem	
  fraqueza	
  subjePva,	
  considere	
  reversão	
  
de	
  baixa	
  dose	
  (50%	
  da	
  dose	
  usual).	
  
Reversão	
  BNM	
  
C.	
  Se	
  o	
  monitor	
  quanPtaPvo	
  esPver	
  disponível,	
  como	
  AMG,	
  MMG,	
  KMG	
  ou	
  
EMG:	
  
	
  
i.	
  Se	
  nenhuma	
  resposta	
  TOF,	
  ou	
  se	
  a	
  contagem	
  TOF	
  é	
  <4,	
  atrasar	
  a	
  reversão.	
  
	
  
ii.	
  Se	
  a	
  contagem	
  de	
  TOF	
  for	
  4,	
  use	
  reversão.	
  
	
  
iii.	
  Se	
  a	
  razão	
  TOF	
  for	
  <0,40,	
  use	
  reversão	
  (dose	
  plena).	
  
	
  
iv.	
  Se	
  a	
  razão	
  TOF	
  esPver	
  entre	
  0,40	
  e	
  0,90,	
  considere	
  reversão	
  de	
  baixa	
  dose	
  
(50%	
  da	
  dose	
  usual).	
  
	
  
iv.	
  Se	
  a	
  razão	
  TOF	
  for>	
  0,90,	
  não	
  é	
  recomendada	
  nenhuma	
  reversão.	
  
Monitorização	
  da	
  Profundidade	
  da	
  Anestesia	
  
Monitorização	
  da	
  Profundidade	
  da	
  Anestesia	
  
Monitorização	
  Clínica	
  
• A	
   avaliação	
   da	
   profundidade	
   anestésica,	
  
realizada	
   exclusivamente	
   por	
   parâmetros	
  
clínicos,	
   pode	
   incorrer	
   em	
   erros	
   de	
  
interpretação	
   ,	
   principalmente	
   em	
   pacientes	
  
usando:	
  
–  Beta-­‐bloqueadores	
  
–  Alfa-­‐2-­‐agonistas	
  
–  Opioides	
  potentes	
  	
  
–  Instabilidade	
  hemodinâmica	
  
Monitorização	
  da	
  Profundidade	
  da	
  Anestesia	
  
•  O	
   resultado	
   da	
   falta	
   de	
   avaliação	
   do	
   plano	
  
anestésico	
  pode	
  resultar	
  em	
  efeitos	
  adversos	
  
graves	
  ao	
  paciente,	
  como:	
  
– Despertar	
  e	
  a	
  memória	
  no	
  intraoperatório	
  
Trauma	
  pós-­‐anestésico/Transtorno	
  do	
  Estresse	
  
pós-­‐traumáPco	
  
	
  
Monitorização	
  da	
  Profundidade	
  da	
  Anestesia	
  
Os	
  sinais	
  clínicos	
  têm	
  sido	
  a	
  base	
  principal	
  da	
  
monitorização	
  em	
  anestesiologia	
  por	
  mais	
  de	
  
150	
  anos	
  	
  
• frequência	
  respiratória	
  e	
  cardíaca,	
  	
  
• movimento	
  ocular,	
  	
  
• diâmetro	
  pupilar	
  e	
  a	
  reaPvidade	
  a	
  luz,	
  	
  
• pressão	
  arterial,	
  	
  
• lacrimejamento,	
  	
  
• sudorese	
  e	
  	
  
• movimentação	
  corporal	
  são	
  sinais	
  que	
  podem	
  indicar	
  a	
  profundidade	
  anestésica	
  
	
  
Entretanto,	
  a	
  sensibilidade	
  e	
  a	
  especificidade	
  destes	
  sinais	
  são	
  baixas,	
  não	
  sendo	
  
possível	
  uPlizá-­‐los	
  como	
  preditores	
  da	
  profundidade	
  anestésica.	
  	
  
British Journal of Anaesthesia 91 (2): 170±4 (2003)
Date of download: 4/25/2017 Copyright © 2017 American Society of Anesthesiologists. All rights reserved.
Figure 4. Reduction in MAC-BAR, MAC, and MAC-awake of sevoflurane by increasing concentrations of fentanyl. Data for MAC-
BAR and MAC come from the current study and data for MAC-awake come from our previous study. [1]
Figure Legend:
From: The Effect of Fentanyl on Sevoflurane Requirements for Somatic and Sympathetic Responses to Surgical Incision
Anesthes. 1999;90(2):398-405.
N = 5713 pacientes
BIS (40 a 60 versus) CAM (0,7 a 1,3)
 
Monitorização	
  da	
  Profundidade	
  da	
  Anestesia	
  
•  Resposta	
  Autonômica	
  e	
  Clínica	
  
•  Analisador	
  de	
  gases	
  
•  EEG	
  
•  BIS	
  
•  PSI	
  –	
  Sedline	
  (Massimo)	
  
•  Entropia	
  Espectral	
  
•  Doppler	
  Transcraniano	
  
•  Potencial	
  Evocado	
  
EEG	
  
Classicamente	
  composto	
  por	
  quatro	
  faixas	
  de	
  
frequências:	
  
	
  
Vianna	
  PTG	
  -­‐	
  Monitor	
  de	
  Profundidade	
  da	
  Hipnose.	
  A	
  Eletroencefalografia	
  Bispectral.	
  Rev	
  Bras	
  Anestesiol	
  2001;	
  51:	
  5:	
  418	
  –	
  425.	
  
Vianna	
  PTG	
  -­‐	
  Monitor	
  de	
  Profundidade	
  da	
  Hipnose.	
  A	
  Eletroencefalografia	
  Bispectral.	
  Rev	
  Bras	
  Anestesiol	
  2001;	
  51:	
  5:	
  418	
  –	
  425.	
  
Índice	
  Bispectral	
  
	
  
O	
   BIS	
   (índice	
   bispectral)	
   é	
   um	
   índice	
   derivado	
  
empiricamente	
   e	
   dependente	
   da	
   medida	
   da	
  
“coerência”	
   entre	
   os	
   componentes	
   do	
  
eletroencefalograma	
  (EEG)	
  quanPtaPvo.	
  	
  
	
  
Rev Bras Anestesiol 2012; 62: 1: 105-117
Monitor	
  Microprocessado	
  do	
  EEG	
  ou	
  
Indice	
  Bispectral	
  
(BIS)	
  
Parâmetros	
   do	
   EEG	
   clássico	
   são	
   analisados	
   e	
  
processados	
  pelo	
  monitor	
  BIS,	
  transformando	
  a	
  
aPvidade	
  corPcal	
  cerebral	
  em	
  um	
  índice.	
  
Monitor	
  Microprocessado	
  do	
  EEG	
  ou	
  
Indice	
  Bispectral	
  
(BIS)	
  
BIS	
  è	
  amplamente	
  empregado	
  e	
  estudado	
  
Mostrou-­‐se	
   eficaz	
   na	
   diminuição	
   da	
   incidência	
  
de	
  Consciência	
  transoperatória	
  (CTO)	
  
	
  
Redução	
   da	
   quanPdade	
   de	
   dados	
   do	
   EEG,	
   pela	
   transformação	
   das	
   ondas	
  
eletroencefalográficas	
  em	
  derivadas	
  microprocessadas	
  
	
  
	
  
Ghoneim	
  MM	
  –	
  Incidence	
  of	
  and	
  risk	
  factors	
  for	
  awareness	
  during	
  anaesthesia.	
  Best	
  Pract	
  Res	
  Clin	
  Anaesthesiol,	
  2007;21:327-­‐343.	
  
BIS	
  Dados	
  do	
  EEG	
  	
  
–  Digitados	
  
–  Analisados	
  
–  Processados	
  
–  Cálculos	
  matemáPcos	
  
Potenciais	
  pós-­‐sinápPcos	
  das	
  células	
  piramidais	
  è	
  
captados	
  por	
  4	
  eletrodos	
  
–  Eletrodo	
  1:	
  	
  acima	
  do	
  nariz	
  è	
  fronto	
  polar	
  
–  Eletrodos	
  2	
  e	
  3:	
  temporal	
  
–  Eletrodo	
  4:	
  capta	
  aPvidade	
  eletromiográfica	
  do	
  m.	
  da	
  face	
  
•  Inervado	
  pelo	
  n.	
  Facial	
  
Parâmetros	
  do	
  BIS	
  
BIS	
  è	
  Índice	
  Bispectral	
  
SEF	
  è	
  Frequência	
  de	
  Borda	
  Espectral	
  
–  0,5	
  a	
  30	
  Hz	
  	
  	
  	
  
•  5	
  a	
  15	
  Hz	
  è	
  anestesia	
  geral	
  
•  >	
  20	
  Hz	
  è	
  acordado	
  
SQI	
  è	
  Índice	
  de	
  Qualidade	
  de	
  Sinal	
  
•  0	
  a	
  100	
  %	
  
•  Impedância	
  
•  Artefatos	
  	
  
EMG	
  
•  Ideal	
  ≤	
  30	
  dB	
  
•  Aceitável	
  <	
  55	
  dB;	
  
SEF	
  
Parâmetro	
   valioso	
   para	
   o	
   controle	
   trans-­‐
operatório	
   da	
   adequação	
   anestésica:	
   a	
   SEF	
  
(frequência	
  de	
  borda	
  espectral)	
  
Rosa	
  DM	
  -­‐	
  Anestesia	
  em	
  revista	
  -­‐	
  janeiro/fevereiro,	
  2008	
  
A	
   SEF	
   representa	
   a	
   frequência	
   abaixo	
   da	
   qual	
  
estão	
   95%	
   das	
   amplitudes	
   de	
   ondas	
   em	
   um	
  
determinado	
  momento	
  	
  
SEF	
  
Dizer	
  que	
  a	
  SEF	
  é	
  de	
  12	
  Hz,	
  significa	
  dizer	
  que,	
  
naquele	
   momento,	
   95%	
   das	
   ondas	
   cerebrais	
  
tem	
  até	
  12	
  Hz	
  de	
  frequência	
  e	
  que	
  apenas	
  5%	
  
das	
   ondas	
   restantes	
   tem	
   frequência	
   maior	
   do	
  
que	
  12	
  Hz.	
  	
  
Vianna	
  PTG	
  -­‐	
  Monitor	
  de	
  Profundidade	
  da	
  Hipnose.	
  A	
  Eletroencefalografia	
  Bispectral.	
  Rev	
  Bras	
  Anestesiol	
  2001;	
  51:	
  5:	
  418	
  –	
  425.	
  
SEF:	
  8-­‐12	
  Hz	
  
Indicador	
  da	
  qualidade	
  do	
  sinal	
  (SQI	
  
ou	
  IQS)	
  
	
  	
  
Indicador	
   da	
   qualidade	
   do	
   sinal	
   (SQI)	
   é	
   uma	
   medida	
   da	
   qualidade	
   do	
   sinal	
  
para	
  a	
  origem	
  do	
  canal	
  EEG	
  e	
  é	
  calculado	
  com	
  base	
  nos	
  dados	
  da	
  impedância,	
  
artefactos	
  e	
  outras	
  variáveis.	
  	
  
	
  
A	
   qualidade	
   de	
   sinal	
   é	
   ideal	
   quando	
   todas	
   as	
   cinco	
   barras	
   forem	
  
apresentadas.	
  
NUNES,	
  RR	
  et	
  al	
  -­‐	
  Índice	
  bispectral	
  e	
  outros	
  parâmetros	
  processados	
  do	
  eletroencefalograma:	
  uma	
  atualização.	
  Rev.	
  Bras.	
  Anestesiol.	
  2012,62,1:	
  
111-­‐117	
  
Quanto	
  maior	
  o	
  IQS,	
  mais	
  confiável	
  é	
  o	
  BIS	
  exibido	
  
Indicador	
  do	
  Eletromiógrafo	
  (EMG)	
  
Gráfico	
   de	
   barras	
   EMG	
   apresenta	
   a	
   energia	
   (em	
   decibéis)	
   no	
   intervalo	
   de	
  
frequência	
  entre	
  30	
  e	
  300	
  Hz.	
  	
  
–  Este	
   intervalo	
   de	
   frequência	
   contém	
   energia	
   de	
   aPvidade	
   muscular	
   (i.e.,	
  
electromiografia	
  ou	
  “EMG”)	
  tal	
  como	
  energia	
  de	
  outros	
  artefatos	
  de	
  alta	
  frequência.	
  	
  
	
  	
  
Algumas	
   das	
   principais	
   causas	
   de	
   EMG	
   aumentada	
   em	
   um	
   monitor	
   BIS:	
   se	
  
ocorrer	
   a4vidade	
   motora,	
   dor,	
   a4vidade	
   de	
   apreensão,	
   movimentos	
   dos	
  
olhos,	
  e	
  contato	
  deficiente	
  do	
  eletrodo	
  na	
  pele.	
  Quanto	
  maior	
  a	
  aPvidade	
  do	
  
EMG,	
  menor	
  é	
  a	
  confiabilidade	
  do	
  BIS.	
  
NUNES,	
  RR	
  et	
  al	
  -­‐	
  Índice	
  bispectral	
  e	
  outros	
  parâmetros	
  processados	
  do	
  eletroencefalograma:	
  uma	
  atualização.	
  Rev.	
  Bras.	
  Anestesiol.	
  2012,62,1:	
  
111-­‐117	
  
A	
  monitorização	
  BIS	
  é	
  a	
  ideal	
  quando	
  a	
  barra	
  
esPver	
  vazia	
  
Coeficiente	
  de	
  Supressão	
  (SR)	
  
A supressão de surtos é definida como intervalos maiores de 0,5 segundo, nos
quais a voltagem do EEG encontra-se abaixo ± 5mV nos últimos 60 segundos.
Assim, o normal é taxa de supressão igual a zero
Coeficiente	
  de	
  Supressão	
  (SR)	
  
Coeficiente	
   de	
   supressão	
   é	
   um	
   parâmetro	
  
calculado	
   para	
   dar	
   ao	
   uPlizador	
   uma	
   indicação	
  
da	
  existência	
  de	
  uma	
  situação	
  isoelétrica.	
  	
  
NUNES,	
  RR	
  et	
  al	
  -­‐	
  Índice	
  bispectral	
  e	
  outros	
  parâmetros	
  processados	
  do	
  eletroencefalograma:	
  uma	
  atualização.	
  Rev.	
  Bras.	
  Anestesiol.	
  2012,62,1:	
  
111-­‐117	
  
Por	
  exemplo:	
  SR=11	
  (isoelétrico	
  em	
  11%	
  da	
  
análise	
  dos	
  úlPmos	
  60	
  segundos).	
  
BIS	
  e	
  Fármacos:	
  Peculiaridades	
  
•  Cetamina	
  
–  Inalterado	
  
•  Oxido	
  nitroso	
  
–  Inalterado	
  	
  
•  Xenônio	
  
–  Redução	
  dos	
  valores	
  
–  50	
  %	
  com	
  consciência	
  
Vianna	
  PTG	
  -­‐	
  Monitor	
  de	
  Profundidade	
  da	
  Hipnose.	
  A	
  Eletroencefalografia	
  Bispectral.	
  Rev	
  Bras	
  Anestesiol	
  2001;	
  51:	
  5:	
  418	
  –	
  425.	
  
Teixeira	
  L	
  -­‐	
  Quando	
  o	
  Índice	
  Bispectral	
  (BIS)	
  Pode	
  Fornecer	
  Valores	
  Espúrios.	
  Rev	
  Bras	
  Anestesiol	
  2009;	
  59:	
  1:	
  99-­‐109	
  
FIM	
  
	
  
h…p://pt.slideshare.net/
fabriciotmendonca/presentaPons	
  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)Gustavo Oliveira
 
Aula 1. suporte básico de vida
Aula 1. suporte básico de vidaAula 1. suporte básico de vida
Aula 1. suporte básico de vidaGuilhermeRafael22
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Will Nunes
 
Tipos de anestesia
Tipos de anestesiaTipos de anestesia
Tipos de anestesiaGarrote Leal
 
Capnografia e Oximetria Princípios, sensores e circuitos eletrônicos .pdf
Capnografia e Oximetria Princípios, sensores e circuitos eletrônicos .pdfCapnografia e Oximetria Princípios, sensores e circuitos eletrônicos .pdf
Capnografia e Oximetria Princípios, sensores e circuitos eletrônicos .pdfDaniel Entorno
 
Propedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonarPropedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonardapab
 
Aula 07 fisiologia - mecanismos da respiração
Aula 07  fisiologia - mecanismos da respiraçãoAula 07  fisiologia - mecanismos da respiração
Aula 07 fisiologia - mecanismos da respiraçãoFlávia Salame
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaresenfe2013
 
Monitorização Hemodinamica
Monitorização HemodinamicaMonitorização Hemodinamica
Monitorização HemodinamicaRodrigo Biondi
 
Gasometria arterial
Gasometria arterialGasometria arterial
Gasometria arterialBrendel Luis
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIFábio Falcão
 
Manejo da via aérea
Manejo da via aéreaManejo da via aérea
Manejo da via aéreaAnestesiador
 
Histórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratórioHistórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratórioresenfe2013
 
Monitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leitoMonitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leitoresenfe2013
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterialresenfe2013
 

Mais procurados (20)

Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
Semioliga - Aula Sistema Respiratório (Básica)
 
Aula 1. suporte básico de vida
Aula 1. suporte básico de vidaAula 1. suporte básico de vida
Aula 1. suporte básico de vida
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Tipos de anestesia
Tipos de anestesiaTipos de anestesia
Tipos de anestesia
 
Capnografia e Oximetria Princípios, sensores e circuitos eletrônicos .pdf
Capnografia e Oximetria Princípios, sensores e circuitos eletrônicos .pdfCapnografia e Oximetria Princípios, sensores e circuitos eletrônicos .pdf
Capnografia e Oximetria Princípios, sensores e circuitos eletrônicos .pdf
 
Propedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonarPropedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonar
 
Aula 07 fisiologia - mecanismos da respiração
Aula 07  fisiologia - mecanismos da respiraçãoAula 07  fisiologia - mecanismos da respiração
Aula 07 fisiologia - mecanismos da respiração
 
Oxigenoterapia
OxigenoterapiaOxigenoterapia
Oxigenoterapia
 
Ventilação Não Invasiva
Ventilação Não InvasivaVentilação Não Invasiva
Ventilação Não Invasiva
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
 
Princípios da Assistência Ventilatória - UTI
Princípios da Assistência Ventilatória - UTIPrincípios da Assistência Ventilatória - UTI
Princípios da Assistência Ventilatória - UTI
 
Monitorização Hemodinamica
Monitorização HemodinamicaMonitorização Hemodinamica
Monitorização Hemodinamica
 
Gasometria arterial
Gasometria arterialGasometria arterial
Gasometria arterial
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTI
 
Manejo da via aérea
Manejo da via aéreaManejo da via aérea
Manejo da via aérea
 
Oxigenoterapia
Oxigenoterapia Oxigenoterapia
Oxigenoterapia
 
Histórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratórioHistórico e exame físico respiratório
Histórico e exame físico respiratório
 
Monitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leitoMonitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leito
 
Aula - SNC - Anestésicos
Aula - SNC - AnestésicosAula - SNC - Anestésicos
Aula - SNC - Anestésicos
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 

Semelhante a Equipamentos anestesiológicos

Monitorização na área de radiologia intervencionista
Monitorização na área de radiologia intervencionistaMonitorização na área de radiologia intervencionista
Monitorização na área de radiologia intervencionistaCarlos D A Bersot
 
Anestesiologia 11 monitorização - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 11   monitorização - med resumos (set-2011)Anestesiologia 11   monitorização - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 11 monitorização - med resumos (set-2011)Jucie Vasconcelos
 
Anestesiologia 10 anestesia ambulatorial - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 10   anestesia ambulatorial - med resumos (set-2011)Anestesiologia 10   anestesia ambulatorial - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 10 anestesia ambulatorial - med resumos (set-2011)Jucie Vasconcelos
 
Anestesia em Doenças Pulmonares Apresentação.pptx
Anestesia em Doenças Pulmonares Apresentação.pptxAnestesia em Doenças Pulmonares Apresentação.pptx
Anestesia em Doenças Pulmonares Apresentação.pptxLuisFernando375345
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaPaula Oliveira
 
ECO na avaliação da hipotensão
ECO na avaliação da hipotensãoECO na avaliação da hipotensão
ECO na avaliação da hipotensãogisa_legal
 
Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoFagner Athayde
 
Anestesiologia 02 avaliação pré-anestésica
Anestesiologia 02   avaliação pré-anestésicaAnestesiologia 02   avaliação pré-anestésica
Anestesiologia 02 avaliação pré-anestésicaJucie Vasconcelos
 
EVOLUÇÃO CLINICA em UTI (1).pdf
EVOLUÇÃO CLINICA em  UTI (1).pdfEVOLUÇÃO CLINICA em  UTI (1).pdf
EVOLUÇÃO CLINICA em UTI (1).pdfLENISECHIESACITOLIN
 
Monitoriazação Hemodinâmica.pptx
Monitoriazação Hemodinâmica.pptxMonitoriazação Hemodinâmica.pptx
Monitoriazação Hemodinâmica.pptxssuser51d27c1
 
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade Rui Amorim
 
ANESTESIA PARA VIDEO-LAPAROSCOPIAEM UROLOGIA - 2008
ANESTESIA PARA VIDEO-LAPAROSCOPIAEM UROLOGIA - 2008ANESTESIA PARA VIDEO-LAPAROSCOPIAEM UROLOGIA - 2008
ANESTESIA PARA VIDEO-LAPAROSCOPIAEM UROLOGIA - 2008Urovideo.org
 
Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2008
Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2008Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2008
Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2008Urovideo.org
 
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341voceduardomscsousa
 
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.Pediátrica
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.PediátricaArtigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.Pediátrica
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.PediátricaPaulo Sérgio
 
PRÉ-OPERATÓRIO DA CIRURGIA GINECOLÓGICA
PRÉ-OPERATÓRIO DA CIRURGIA GINECOLÓGICAPRÉ-OPERATÓRIO DA CIRURGIA GINECOLÓGICA
PRÉ-OPERATÓRIO DA CIRURGIA GINECOLÓGICASamuel Cevidanes
 
Meios Democráticos no Sistema Respiratório
Meios Democráticos no Sistema RespiratórioMeios Democráticos no Sistema Respiratório
Meios Democráticos no Sistema RespiratórioAlbanoGanga
 

Semelhante a Equipamentos anestesiológicos (20)

Monitorização na área de radiologia intervencionista
Monitorização na área de radiologia intervencionistaMonitorização na área de radiologia intervencionista
Monitorização na área de radiologia intervencionista
 
Aula PCR.pptx
Aula PCR.pptxAula PCR.pptx
Aula PCR.pptx
 
Anestesiologia 11 monitorização - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 11   monitorização - med resumos (set-2011)Anestesiologia 11   monitorização - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 11 monitorização - med resumos (set-2011)
 
Anestesiologia 10 anestesia ambulatorial - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 10   anestesia ambulatorial - med resumos (set-2011)Anestesiologia 10   anestesia ambulatorial - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 10 anestesia ambulatorial - med resumos (set-2011)
 
Anestesia em Doenças Pulmonares Apresentação.pptx
Anestesia em Doenças Pulmonares Apresentação.pptxAnestesia em Doenças Pulmonares Apresentação.pptx
Anestesia em Doenças Pulmonares Apresentação.pptx
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
 
ECO na avaliação da hipotensão
ECO na avaliação da hipotensãoECO na avaliação da hipotensão
ECO na avaliação da hipotensão
 
Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizado
 
Anestesiologia 02 avaliação pré-anestésica
Anestesiologia 02   avaliação pré-anestésicaAnestesiologia 02   avaliação pré-anestésica
Anestesiologia 02 avaliação pré-anestésica
 
Monitorização UTI
Monitorização UTIMonitorização UTI
Monitorização UTI
 
EVOLUÇÃO CLINICA em UTI (1).pdf
EVOLUÇÃO CLINICA em  UTI (1).pdfEVOLUÇÃO CLINICA em  UTI (1).pdf
EVOLUÇÃO CLINICA em UTI (1).pdf
 
Monitoriazação Hemodinâmica.pptx
Monitoriazação Hemodinâmica.pptxMonitoriazação Hemodinâmica.pptx
Monitoriazação Hemodinâmica.pptx
 
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
 
ANESTESIA PARA VIDEO-LAPAROSCOPIAEM UROLOGIA - 2008
ANESTESIA PARA VIDEO-LAPAROSCOPIAEM UROLOGIA - 2008ANESTESIA PARA VIDEO-LAPAROSCOPIAEM UROLOGIA - 2008
ANESTESIA PARA VIDEO-LAPAROSCOPIAEM UROLOGIA - 2008
 
Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2008
Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2008Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2008
Anestesia para Video-Laparoscopia em Urologia - 2008
 
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
 
IEA - I Workshop em pressão intracraniana - Parte 2
IEA - I Workshop em pressão intracraniana - Parte 2IEA - I Workshop em pressão intracraniana - Parte 2
IEA - I Workshop em pressão intracraniana - Parte 2
 
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.Pediátrica
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.PediátricaArtigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.Pediátrica
Artigo_SVcO2 e lactato na CEC_Associação c/ resultados C.C.Pediátrica
 
PRÉ-OPERATÓRIO DA CIRURGIA GINECOLÓGICA
PRÉ-OPERATÓRIO DA CIRURGIA GINECOLÓGICAPRÉ-OPERATÓRIO DA CIRURGIA GINECOLÓGICA
PRÉ-OPERATÓRIO DA CIRURGIA GINECOLÓGICA
 
Meios Democráticos no Sistema Respiratório
Meios Democráticos no Sistema RespiratórioMeios Democráticos no Sistema Respiratório
Meios Democráticos no Sistema Respiratório
 

Mais de Fabricio Mendonca

Avaliação pré anestésica 2017
Avaliação pré anestésica 2017Avaliação pré anestésica 2017
Avaliação pré anestésica 2017Fabricio Mendonca
 
Anestesia para revascularização do miocárdio 2017
Anestesia para revascularização do miocárdio 2017Anestesia para revascularização do miocárdio 2017
Anestesia para revascularização do miocárdio 2017Fabricio Mendonca
 
Anestesia para revascularização do miocárdio 2016
Anestesia para revascularização do miocárdio 2016Anestesia para revascularização do miocárdio 2016
Anestesia para revascularização do miocárdio 2016Fabricio Mendonca
 
Avaliação pré anestésica 2016
Avaliação pré anestésica 2016Avaliação pré anestésica 2016
Avaliação pré anestésica 2016Fabricio Mendonca
 
Cuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmo
Cuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmoCuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmo
Cuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmoFabricio Mendonca
 
Betabloqueadores e anestesia
Betabloqueadores e anestesiaBetabloqueadores e anestesia
Betabloqueadores e anestesiaFabricio Mendonca
 
Anestesia em Urgencias e Trauma 2015
Anestesia em Urgencias e Trauma 2015Anestesia em Urgencias e Trauma 2015
Anestesia em Urgencias e Trauma 2015Fabricio Mendonca
 
Avaliação pré anestésica 2015
Avaliação pré anestésica 2015Avaliação pré anestésica 2015
Avaliação pré anestésica 2015Fabricio Mendonca
 
Anestesia para revascularização do miocárdio 2015
Anestesia para revascularização do miocárdio 2015Anestesia para revascularização do miocárdio 2015
Anestesia para revascularização do miocárdio 2015Fabricio Mendonca
 

Mais de Fabricio Mendonca (12)

Avaliação pré anestésica 2017
Avaliação pré anestésica 2017Avaliação pré anestésica 2017
Avaliação pré anestésica 2017
 
Anestesia para revascularização do miocárdio 2017
Anestesia para revascularização do miocárdio 2017Anestesia para revascularização do miocárdio 2017
Anestesia para revascularização do miocárdio 2017
 
Plataforma brasil
Plataforma brasilPlataforma brasil
Plataforma brasil
 
Anestesia para revascularização do miocárdio 2016
Anestesia para revascularização do miocárdio 2016Anestesia para revascularização do miocárdio 2016
Anestesia para revascularização do miocárdio 2016
 
Avaliação pré anestésica 2016
Avaliação pré anestésica 2016Avaliação pré anestésica 2016
Avaliação pré anestésica 2016
 
Metodologia científica
Metodologia científicaMetodologia científica
Metodologia científica
 
Hipotermia 2015
Hipotermia 2015Hipotermia 2015
Hipotermia 2015
 
Cuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmo
Cuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmoCuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmo
Cuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmo
 
Betabloqueadores e anestesia
Betabloqueadores e anestesiaBetabloqueadores e anestesia
Betabloqueadores e anestesia
 
Anestesia em Urgencias e Trauma 2015
Anestesia em Urgencias e Trauma 2015Anestesia em Urgencias e Trauma 2015
Anestesia em Urgencias e Trauma 2015
 
Avaliação pré anestésica 2015
Avaliação pré anestésica 2015Avaliação pré anestésica 2015
Avaliação pré anestésica 2015
 
Anestesia para revascularização do miocárdio 2015
Anestesia para revascularização do miocárdio 2015Anestesia para revascularização do miocárdio 2015
Anestesia para revascularização do miocárdio 2015
 

Último

Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemCarlosLinsJr
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfAromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfanalucia839701
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfMarceloMonteiro213738
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinajarlianezootecnista
 
CCIH NO CC.pdf comissao da CCIH NO CENTR CIRURGICO
CCIH NO CC.pdf comissao da CCIH NO CENTR CIRURGICOCCIH NO CC.pdf comissao da CCIH NO CENTR CIRURGICO
CCIH NO CC.pdf comissao da CCIH NO CENTR CIRURGICOTHIALYMARIASILVADACU
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999vanessa270433
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoPamelaMariaMoreiraFo
 
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptos-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptfernandoalvescosta3
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALCarlosLinsJr
 

Último (14)

Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfAromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
 
CCIH NO CC.pdf comissao da CCIH NO CENTR CIRURGICO
CCIH NO CC.pdf comissao da CCIH NO CENTR CIRURGICOCCIH NO CC.pdf comissao da CCIH NO CENTR CIRURGICO
CCIH NO CC.pdf comissao da CCIH NO CENTR CIRURGICO
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
 
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptos-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
 

Equipamentos anestesiológicos

  • 1. Equipamentos   em     Anestesiologia   Fabrício  Tavares  Mendonça    TEA/TSA     Preceptor  da  Residência  Medica/MEC  do  HBDF   Instrutor  do  CET/SBA  do  HBDF  
  • 2. Resolução  No  1802/2006   CONSELHO  FEDERAL  DE  MEDICINA    Dispõe  sobre  a  práPca  do  ato  anestésico     Art.  3  -­‐  Entende-­‐se  por  condições  mínimas  de  segurança  para  a  práPca  da  anestesia  a   disponibilidade  de:   I  -­‐  Monitoração  da  circulação,  incluindo  a  determinação  da  pressão  arterial  e  dos   baPmentos  cardíacos,  e  determinação  conWnua  do  ritmo  cardíaco,  incluindo   cardioscopia;   II  -­‐  Monitoração  con/nua  da  oxigenação  do  sangue  arterial,  incluindo  a  oximetria  de   pulso;   III  -­‐  Monitoração  con/nua  da  ven4lação,  incluindo  os  teores  de  gás  carbônico   exalados  nas  seguintes  situações:  anestesia  sob  via  aérea  arPficial  (como  intubação   traqueal,  brônquica  ou  máscara  laríngea)  e/ou  venPlação  arPficial  e/ou  exposição  a   agentes  capazes  de  desencadear  hipertermia  maligna.   .  
  • 3. ObjePvos  da  Monitorização   A  monitorização  do  pacientes  anestesiado  tem   como  objePvos  principais;     -­‐   analisar   a   resposta   do   paciente   a   determinado   procedimento,   como   uso   de   anestésicos,   reposição   volêmica,   venPlação,  avaliando  a  eficácia,  os  efeitos  colaterais,  toxicidade          -­‐  diagnosPcar  problemas  ou  reconhecer  precocemente  uma   tendencia   prejudicial,   acompanhando   as   alterações   produzidas   por   hemorragia,   transfusão,   compressão   de   vasos   e   coração,   pulmões,  ...    
  • 5. Monitores  de  Pressão   Indicador  importante  da  adequação  da  circulação    
  • 6.
  • 7.
  • 8. Figura 3. Medição de pressão arterial pelo método oscilométrico (Ramsey, 1991).
  • 9. 1)  A   largura   do   manguito   deve   corresponder   a   40%   da   circunferência   do   braço.     2)  O   c o m p r i m e n t o   d o   manguito   deve   envolver   8 0 %   a   1 0 0 %   d a   circunferência  do  braço   Pressões  falsamente   elevadas:   •  Manguitos  pequenos   •  Membro  abaixo  do   coração   •  Compressão   desuniforme     Pressões  falsamente   baixas:   •  Manguitos  grandes   •  Membro  acima  do   coração   •  Deflações  rápidas  
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16. Evento  Monitorado   Pressão  Arterial   – Hipertensão   •  Patologias  renais   •  Patologias  adrenais     •  Usuários  de  drogas     •  HiperaPvidade  simpáPca     – Hipotensão   •  Sobredose  de  anestésicos     •  Hipovolemia   •  Isquemia  Miocárdica  -­‐  IAM   •  Fenômenos  Tromboembólicos      
  • 17. ECG
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27. ECG   Segundo  a  Sociedade  Brasileira  de  Cardiologia  há  uma   seqüência   de   eventos   eletrocardiográficos   que   se   seguem  a  uma  oclusão  da  artéria  coronária:      1)  minutos  iniciais:  ondas  T  amplas,  posiPvas,  ponPagudas  e  de  base   simétrica,  com  elevação  >  0,1  mV;      2)  após  20  minutos:  supradesnivelamento  do  segmento  ST,  que   morfologicamente  tende  a  ser  convexo;      3)  horas  após:  aparecimento  de  ondas  Q  patológicas  e  corte  nas  ondas  R;      4)  após  alguns  dias:  retorno  do  segmento  ST  à  linha  de  base,  onda  T   negaPva,  profunda  e  simétrica.          
  • 28.
  • 32. Alterações  do  QRS   Bloqueio  do  ramo  esquerdo   – Completo     – Incompleto   – BRE:  aspecto  Wpico-­‐derivações  V1  e  V6   – APARECIMENTO  ABRUPTO  è  IAM    
  • 33.
  • 34. DHE  e  ECG   •  Hipercalemia  è  onda  T   apiculada  e  qrs  largo   •  Hipocalemia  è  onda  T   achatada  ou  inversão  
  • 35. DHE  e  ECG   Hipercalcemia  è  QT  curto   Hipocalcemia  è  QT  longo  
  • 36.
  • 39. Oxímetro  de  Pulso   O  oxímetro  de  pulso  é  um  aparelho  não-­‐invasivo   que  esPma  a  saturação  da  hemoglobina  arterial   denominada  SpO2%.     CaO2:  Hgb  x  1,34  x  SaO2  +  0,0031  x  PaO2  
  • 40. 619 Review Articles Peter G. Duncan MDFRCPC,* Marsha M. Cohen MDMHSc FRCPC'[" Pulse oximetry and capnography in anaesthetic practice: an epidemiological appraisal in the evaluation of any medical technology the efficacy, effectiveness, and efficiency must each be considered before routine deployment is recommended. Since the wide.ff~read practice of patient monitoring by pulse oximetry and capnog- raphy has occurred before the performance of rigorously controlled trials, definitive proof of worth is lacking. The purpose of this review is to appraise critically the effectiveness of this technology. ?'he assessment was performed using concepts developed in epidemiology and community medicine to establish a given factor to be causative to a given outcome. The current literature pertaining to anaesthetic adverse outcomes was reviewed, and the use of monitors evaluated against the criteria of a causal relationship. While the conclusions are based more on the absence of positive data (owing to low frequency of adverse anaesthetic occurrences) rather than negative results, it must be concluded that the effectiveness of such monitoring has yet to be demonstrated. Such a conclusion should not detract from their use, for the role of an individual factor in the complex chain of accident evolution will seldom be demonstrable. Rather, such an appraisal should encourage a clear perspective of the depth of our clinical science, and encourage more rigorous critical evaluation in the future. Darts l'dvaluation de toute technologie mddicale l'efficaciM, l'opdrabiliM, et le rendement doivent ~tre considdrds avant le ddploiement de son emploi de routine. Etant donnd que la Key words MONITORING:oxygen, carbon dioxide; EPIDEMIOLOGY. From the Department of Anaesthesia,* University of Saskatchewan, Saskatoon, Saskatchewan S7N 0X0, and the Clinical Epidemiology Unit,i"Sunnybrook Health Science Centre, A4, 2075 Bayview Avenue, Toronto, Ontario M4N 3M5. Acceptedfor publication 18th February, 1991. pratique courante de la surveillance des patients par saturomd- trie de pouls et capnographie est survenue avant I'acconlplisse- ment d'essais rigoureux et contr6lds, la preuve de leur valeur n'est pas encore dtablie. Le but de cette revue est d'dvaluer d'une fa~'on critique cette technologie. L'dvaluation fut faite utilisant des concepts ddveloppds en dpiddmiologie et mddecine communautaire afin d' dtablir qu'unfacteur donnd est responsa- ble d'une certaine issue. La littdrature actuelle concernant r issue anesthdsique ddfavorable fia revue et I'utilisation des moniteurs dvalude afin d'dtablir la relation de cause fl effet. Alors que les conclusions sont basdes plus sur I'absence de donndes positives (cJ cause de la basse frdquence, des issues anesthdsiques ddfavorables) plut6t que des rdsultats ndgatifs, on doit conclure que l'efficacitd de ce genre de monitoring demeure encore d ~tre ddmontrde. Une telle conclusion ne dolt pas nous emp~cher de les utiliser car le r61ed'un facteur individuel dans une chagne complexe d'accidents peut ~tre rarement ddmontrd. Cette dvaluation devrait plut6t encourager une perspective claire sur notre science clinique et nous encourager tJ une dvaluation plus rigoureuse et critique clans lefutur. The last decade has witnessed many changes in the practice of anaesthesia.I Most gratifying has been the demonstration that the safety offered to patients is greater than ever before, while denying nobody the possibility of surgical treatment if there is a chance of benefit. While the magnitude of the death rate attributable to anaesthesia has been a subject of debate, l'2 few would question that death from anaesthesia has become a rare event. Indeed, when put in perspective with the other factors predicting patient survival after surgery, anaesthesia is no longer a factor, in contrast to patient disease and surgical factors.3 When discussing the reasons for this improvement in morbidity and mortality, many factors can be cited. For example, the patients may have changed, with a popula- tion of subjects of better preoperative health submitting to CAN J ANAESTH 1991 ! 38:5 / pp619-25 Acceptedfor publication 18th February, 1991. CAN J ANAESTH 1991 ! 38:5 / pp619-25
  • 41. Oxímetro  de  Pulso   É  um  aparelho  de  transmissão  no  qual  a  ponta   do   dedo   (ou   qq   outro   local)   atua   como   uma   cubeta  in  vivo  da  qual  é  transmiPda  luz  em  dois   comprimentos  de  onda  diferentes.  
  • 42. Oxímetro  de  Pulso   Oxímetro  de  pulso  associa  as  tecnologias:   •  Espectrofotometria   •  PlePsmografia  óPca    
  • 43. Espectrofotometria   No  sensor  do  oxímetro,  diodos  (Diodo  Emissor  de   Luz  –  LED)  emitem  luz  vermelha,  em  comprimentos   de  onda  de  660  nm,  e  luz  infravermelha,  em  960   nm,  que  atravessa  a  ponta  do  dedo.      
  • 44. A  oxihemoglobina  absorve  mais  luz  infravermelha   – Permite  que  mais  luz  vermelha  passe  por  ela  
  • 45. A  deoxihemoglobina  absorve  mais  luz  vermelha   – Permite  que  mais  luz  infravermelha  passe  por  ela  
  • 46. PlePsmografia  ÓPca   A  detecção  do  fluxo  pulsáPl  é  feita  por   plePsmografia  ópPca.    
  • 47. A  cada  pulsação  do  sangue  arterial,  o  local  onde   está  o  sensor  (ex:  dedo)  aumenta  de  volume  e  o   trajeto   percorrido   pela   luz   aumenta,   o   que   ocasiona   aumento   também   da   absorbância   da   luz  de  660  nm  e  960  nm.    
  • 48.
  • 49. Resolução  CFM  nº  1.672/03,     de  9  de  julho  de  2003  
  • 50. Evento  Monitorado   Oxímetro  de  Pulso   –  Desconexão  do  venPlador   –  HipovenPlação   –  Intubação  esofageana   –  Intubação  brônquica   –  Mistura  Hipóxica   –  Pneumotórax   –  Fenômenos  tromboembólicos   –  Broncoaspiração  do  conteúdo  gastrico   –  Sobredose  de  anestésicos    
  • 51.
  • 52.
  • 53. Atualidades  em  Oximetria  de  Pulso  
  • 54.
  • 55.
  • 57. Capnometria/Capnografia   Capnômetro  è  aparelho  que  mede  a  tensão  (mmHg)  de  CO2  no  gás   próximo  das  vias  respiratórias  do  paciente  durante  a  venPlação.     A  capnografia  é  a  representação  gráfica  do  nível  de  CO2.              
  • 58. Capnografia   Os   equipamentos   atuais   uPlizam   técnicas   de   absorção  de  luz  infravermelha   – Um  feixe  de  luz  de  comprimento  de  onda  estreito   passa  através  do  gás,  sendo  parte  da  luz  absorvida   pelas  moléculas   O  sistema  faz  a  comparação  entre  a  quanPdade   de  luz  infravermelha  absorvida  e  o  referencial   –  mostrando   quase   instantaneamente   a   concentração  exalada  do  gás.  
  • 59. Modelos  de  Capnógrafos                        Mainstream        Sidestream  
  • 60.
  • 61.
  • 62.
  • 63.
  • 64.
  • 65.
  • 66.
  • 67.
  • 68.
  • 69.
  • 70.
  • 71. •  Cal  Sodada  esgotada   •  Fluxo  de  oxigenio  insuficiente  
  • 72.
  • 73.
  • 74. Monitorização  da  Função  Neuromuscular   •  EsPmulador  de  Nervo  Periférico  
  • 75. FARMACOECONOMIA Sociedade  Brasileira  de  Anestesiologia  –  Curso  de  Ensino  à  Distância  2002    
  • 76. TOF-WATCH® Vermelho= relação TOF Azul= altura da contração (T1) Temperatura da pele F= m x a A massa do polegar é constante, portanto a força é diretamente proporcional à aceleração Fonte: Manual do equipamento TOF-Watch® SX.
  • 77. 1. Limpar a pele com álcool 3. Fixar a mão 4. Fazer indução sem BNM 2. Posicionar eletrodos e sensores 2 a 3 cm 3 a 6 cm Fonte: Manual do equipamento TOF-Watch® SX
  • 78. 5. Ligar o aparelho 6. Calibrar no modo 1 ou 2 (o ideal é CAL 2) 7. Selecionar o padrão de estímulo: TOF ou ES 8. Administrar o BNM Fonte: Manual do equipamento TOF-Watch® SX
  • 79. Fonte: Manual do equipamento TOF-Watch® SXBNM: bloqueador neuromuscular 1. Ligar o aparelho 2. Não calibrar 3. ES sem valor 4. Estimular apenas com TOF e PTC
  • 80. Posição incorreta Posição correta Posição ideal do sensor de temperatura Posição do sensor de temperatura Fonte: Manual do equipamento TOF-Watch® SX Positivo branco proximal e negativo preto distal
  • 81. Sociedade  Brasileira  de  Anestesiologia  –  Curso  de  Ensino  à  Distância  2002    
  • 82. Nervo ulnar Músculo adutor do polegar Termômetro   + _
  • 83. Nervo tibial posterior Flexor curto do hálux Termômetro + _
  • 84. T oC + _ Músculo orbicular do olho Músculo corrugador do supercílio
  • 85. Sociedade  Brasileira  de  Anestesiologia  –  Curso  de  Ensino  à  Distância  2002    
  • 86. • Padrão de estimulação mais utilizado •  Consiste em quatro estímulos supramáximos, aplicados em um período de dois segundos (frequência de 2 Hz), ou seja, um impulso cada meio segundo • A sequência é repetida apenas a cada 15 segundos
  • 87. SQE  ou  TOF   Sociedade  Brasileira  de  Anestesiologia  –  Curso  de  Ensino  à  Distância  2002    
  • 88. INDICAÇÕES: - momento da intubação - dose de manutenção - momento da extubação Estimulação: Resposta: T2 T1 T3 T4 TOF = T4 T1
  • 89. T1 T2 T3 T4 TOF: 100% T1 T2 T3 T4 TOF: 90% T1 T2 T3 T4 TOF: 50% T1 T2 T3 T4 TOF: 4% T1 T2 T3 T4 TOF: 4 T1 < 20% T1 T2 T3 T4 TOF: 3 T1 T2 T3 T4 TOF: 2 T1 T2 T3 T4 TOF: 1 T1 T2 T3 T4 TOF: 0 BNM: bloqueador neuromuscular
  • 90. T1 T2 T3 T4 TOF: 100% TOF: 100% T1 T2 T3 T4 TOF: 100% T1 T2 T3 T4 TOF: 0 Neste caso, a relação TOF não tem valor. Usa-se o estímulo simples (T1). T1 T2 T3 T4 T1: 100% T1: 60% T1 T2 T3 T4 T1: 30% T1 T2 T3 T4 T1: 0 BNM: bloqueador neuromuscular
  • 91. •  Contagem usada quando TOF= 0 (bloqueio profundo/ intenso) •  Consiste na aplicação de: •  15 estímulos simples de 1 Hz, seguidos por um estímulo tetânico de 50 Hz por 5 segundos; há então uma pausa de 3 segundos, e tem início a contagem das respostas resultantes de 15 estímulos simples de 1 Hz •  Dependendo do número de respostas registradas, é possível estimar o tempo da primeira resposta de TOF (dependendo do BNM usado) •  O ideal é que a repetição seja feita apenas após 3-6 minutos BNM: bloqueador neuromuscular
  • 92. Estimulação: Resposta: 7 INDICAÇÃO: - bloqueio profundo 15 ES T (5 S) (3 S) 15 ES
  • 93.
  • 94.
  • 95.
  • 96.          
  • 97.
  • 98.
  • 99.
  • 100.
  • 101.
  • 102.
  • 103.
  • 104.
  • 105.
  • 106.
  • 107. Adaptado de Baillard C. Br J Anaesth 2005;95:622. Monitoração intraoperatória de ABNMs 1995 n= 435 2000 n= 130 2002 n= 101 2004 n= 218 %pacientes 100 80 60 40 20 0 2 % 60% PRPO na SRPA (TOF < 0,9) 3 % 63% ABNM: Bloqueador neuromuscular adespolarizante PRPO: Paralisia residual pós-operatória SRPA: Sala de recuperação de cirurgia
  • 108. 0,47 0,5 0,51 0,52 0,51 0,51 0 0,2 0,4 0,6 0,8 1 Sorriso, deglutição ou fala Elevação da perna, 5 s Debilidade geral Elevação da cabeça, 5 s Aderência da mão, 5 s Abaixador de língua Valor preditivo positivo da identificação do TOF >90% Adaptado de Cammu G et al. Anesth Analg. 2006;102:426-9.
  • 109. Adaptado de Eriksson LI et al. Anesthesiology. 1997;87:1035.
  • 110. T4/T1 < 0,9 è BNM residual Sociedade  Brasileira  de  Anestesiologia  –  Curso  de  Ensino  à  Distância  2002    
  • 111.
  • 112. 90  %   80  %   Sociedade  Brasileira  de  Anestesiologia  –  Curso  de  Ensino  à  Distância  2002    
  • 113. Kopman AF, Naguib M. Anesth Analg. 2015;120:51–8. BNM  “ideal” Contagem  pós-­‐ tetânica   Resposta   contrá4l   Nível  de  bloqueio   Resposta  a  TOF   Resposta  a  PTC   Bloqueio  intenso   Contagem  TOF  0   PTC  0   Bloqueio  profundo     Contagem  TOF  0   PTC  ≥  1   Bloqueio  moderado   Contagem  TOF  2-­‐3  
  • 114. Reversão  BNM   Suggested   Evidence-­‐Based   Prac4ces   for   Decreasing   Residual   Paralysis   and   Improving   Pa4ent  Outcome     Murphy  GS,  Brull  SJ:  Residual  neuromuscular  block:  lessons  unlearned.  Part  I:   DefiniPons,   incidence,   and   adverse   physiologic   effects   of   residual   neuromuscular  block.  Anesth  Analg  2010;111:120-­‐128;  and       Brull  SJ,  Murphy  GS:  Residual  neuromuscular  block:  lessons  unlearned.  Part  II:   Methods   to   reduce   the   risk   of   residual   weakness.   Anesth   Analg   2010;111:129-­‐140  
  • 115. Reversão  BNM   1.  Evitar  Paralisia  Residual:  Princípios  Gerais    A.  Use  relaxantes  musculares  somente  quando  necessário.    B.  Individualizar  a  dosagem  de  relaxantes  musculares  com  base  em  fatores  do   paciente,  necessidades  cirúrgicas  e  duração  e  presença  de  doenças  coexistentes.    C.  Evitar  relaxantes  de  longa  duração  (por  exemplo,  pancurônio).     D.   Evitar   a   dependência   de   sinais   clínicos   de   reversão,   tais   como   elevação   da   cabeça,  aperto  da  mandíbula,  volume  corrente,  etc  .;  Tais  testes  são  notoriamente  não   confiáveis.    E.  Em  pacientes  em  risco,  descartar  paralisia  residual  usando  monitores  objePvos   (AMG,  MMG,  KMG).    F.  Idealmente,  a  função  neuromuscular  deve  ser  monitorada  quanPtaPvamente   usando  monitores  objePvos  (AMG,  MMG,  KMG).     G.   Deve   ser   estabelecido   um   grau   mínimo   de   recuperação   (TOF   4)   antes   da   reversão  farmacológica  com  anPcolinesterases.     H.   A   avaliação   táPl   do   desvanecimento   e   a   uPlização   de   testes   clínicos   de   adequação   de   reversão   não   garantem   recuperação   adequada   e   pronPdão   para   a   extubação  traqueal  
  • 116. Reversão  BNM   2.   Reversão   Farmacológica   com   anPcolinesterásicos:   Princípios   Gerais   A.   O   grau   mínimo   de   recuperação   deve   ser   uma   contagem   de   TOF  4  antes  da  reversão  da  anPcolinesterase.     B.   Se   a   recuperação   espontânea   para   uma   razão   TOF   >   0,90   avaliada   objePvamente   (quanPtaPvamente)   é   alcançada,   a   administração  de  neosPgmina  deve  ser  evitada.       O   uso   de   anPcolinesterásicos   em   pacientes   totalmente   recuperados   pode   induzir   enfraquecimento   dos   músculos   das   vias  aéreas.  
  • 117. Reversão  BNM   3.  Decisões  RelaPvas  à  Reversão  Farmacológica  com  AnPcolinestase  na   PráPca  Clínica   A.  Se  não  esPver  disponível  nenhum  monitor  neuromuscular  ou  esPmulador   de  nervo  periférico:     i.  Testes  clínicos  de  adequação  de  reversão  não  são  confiáveis;  Sempre  use  reversão,  e   somente  quando  a  aPvidade  muscular  espontânea  está  presente.  Contudo,  esta  práPca  não   pode  garanPr  uma  recuperação  adequada  e  segura  do  bloqueio  neuromuscular  e  deve  ser   desencorajada.     B.  Se  o  esPmulador  nervoso  periférico  está  disponível,  mas  não  há  meios   objePvos  de  avaliação  disponíveis:     i.  Se  não  houver  resposta  de  TOF,  a  reversão  farmacológica  de  atraso  até  a  contagem  de  TOF   é  4.   ii.  Se  TOF  contagem  de  4  está  presente  com  fraqueza  subjePva,  use  reversão.   iii.  Se  a  contagem  de  TOF  de  4  esPver  presente  sem  fraqueza  subjePva,  considere  reversão   de  baixa  dose  (50%  da  dose  usual).  
  • 118. Reversão  BNM   C.  Se  o  monitor  quanPtaPvo  esPver  disponível,  como  AMG,  MMG,  KMG  ou   EMG:     i.  Se  nenhuma  resposta  TOF,  ou  se  a  contagem  TOF  é  <4,  atrasar  a  reversão.     ii.  Se  a  contagem  de  TOF  for  4,  use  reversão.     iii.  Se  a  razão  TOF  for  <0,40,  use  reversão  (dose  plena).     iv.  Se  a  razão  TOF  esPver  entre  0,40  e  0,90,  considere  reversão  de  baixa  dose   (50%  da  dose  usual).     iv.  Se  a  razão  TOF  for>  0,90,  não  é  recomendada  nenhuma  reversão.  
  • 119. Monitorização  da  Profundidade  da  Anestesia  
  • 120. Monitorização  da  Profundidade  da  Anestesia   Monitorização  Clínica   • A   avaliação   da   profundidade   anestésica,   realizada   exclusivamente   por   parâmetros   clínicos,   pode   incorrer   em   erros   de   interpretação   ,   principalmente   em   pacientes   usando:   –  Beta-­‐bloqueadores   –  Alfa-­‐2-­‐agonistas   –  Opioides  potentes     –  Instabilidade  hemodinâmica  
  • 121. Monitorização  da  Profundidade  da  Anestesia   •  O   resultado   da   falta   de   avaliação   do   plano   anestésico  pode  resultar  em  efeitos  adversos   graves  ao  paciente,  como:   – Despertar  e  a  memória  no  intraoperatório   Trauma  pós-­‐anestésico/Transtorno  do  Estresse   pós-­‐traumáPco    
  • 122. Monitorização  da  Profundidade  da  Anestesia   Os  sinais  clínicos  têm  sido  a  base  principal  da   monitorização  em  anestesiologia  por  mais  de   150  anos     • frequência  respiratória  e  cardíaca,     • movimento  ocular,     • diâmetro  pupilar  e  a  reaPvidade  a  luz,     • pressão  arterial,     • lacrimejamento,     • sudorese  e     • movimentação  corporal  são  sinais  que  podem  indicar  a  profundidade  anestésica     Entretanto,  a  sensibilidade  e  a  especificidade  destes  sinais  são  baixas,  não  sendo   possível  uPlizá-­‐los  como  preditores  da  profundidade  anestésica.    
  • 123.
  • 124.
  • 125. British Journal of Anaesthesia 91 (2): 170±4 (2003)
  • 126. Date of download: 4/25/2017 Copyright © 2017 American Society of Anesthesiologists. All rights reserved. Figure 4. Reduction in MAC-BAR, MAC, and MAC-awake of sevoflurane by increasing concentrations of fentanyl. Data for MAC- BAR and MAC come from the current study and data for MAC-awake come from our previous study. [1] Figure Legend: From: The Effect of Fentanyl on Sevoflurane Requirements for Somatic and Sympathetic Responses to Surgical Incision Anesthes. 1999;90(2):398-405.
  • 127. N = 5713 pacientes BIS (40 a 60 versus) CAM (0,7 a 1,3)
  • 128.   Monitorização  da  Profundidade  da  Anestesia   •  Resposta  Autonômica  e  Clínica   •  Analisador  de  gases   •  EEG   •  BIS   •  PSI  –  Sedline  (Massimo)   •  Entropia  Espectral   •  Doppler  Transcraniano   •  Potencial  Evocado  
  • 129. EEG   Classicamente  composto  por  quatro  faixas  de   frequências:     Vianna  PTG  -­‐  Monitor  de  Profundidade  da  Hipnose.  A  Eletroencefalografia  Bispectral.  Rev  Bras  Anestesiol  2001;  51:  5:  418  –  425.  
  • 130. Vianna  PTG  -­‐  Monitor  de  Profundidade  da  Hipnose.  A  Eletroencefalografia  Bispectral.  Rev  Bras  Anestesiol  2001;  51:  5:  418  –  425.  
  • 131. Índice  Bispectral     O   BIS   (índice   bispectral)   é   um   índice   derivado   empiricamente   e   dependente   da   medida   da   “coerência”   entre   os   componentes   do   eletroencefalograma  (EEG)  quanPtaPvo.       Rev Bras Anestesiol 2012; 62: 1: 105-117
  • 132. Monitor  Microprocessado  do  EEG  ou   Indice  Bispectral   (BIS)   Parâmetros   do   EEG   clássico   são   analisados   e   processados  pelo  monitor  BIS,  transformando  a   aPvidade  corPcal  cerebral  em  um  índice.  
  • 133. Monitor  Microprocessado  do  EEG  ou   Indice  Bispectral   (BIS)   BIS  è  amplamente  empregado  e  estudado   Mostrou-­‐se   eficaz   na   diminuição   da   incidência   de  Consciência  transoperatória  (CTO)     Redução   da   quanPdade   de   dados   do   EEG,   pela   transformação   das   ondas   eletroencefalográficas  em  derivadas  microprocessadas       Ghoneim  MM  –  Incidence  of  and  risk  factors  for  awareness  during  anaesthesia.  Best  Pract  Res  Clin  Anaesthesiol,  2007;21:327-­‐343.  
  • 134.
  • 135. BIS  Dados  do  EEG     –  Digitados   –  Analisados   –  Processados   –  Cálculos  matemáPcos   Potenciais  pós-­‐sinápPcos  das  células  piramidais  è   captados  por  4  eletrodos   –  Eletrodo  1:    acima  do  nariz  è  fronto  polar   –  Eletrodos  2  e  3:  temporal   –  Eletrodo  4:  capta  aPvidade  eletromiográfica  do  m.  da  face   •  Inervado  pelo  n.  Facial  
  • 136.
  • 137. Parâmetros  do  BIS   BIS  è  Índice  Bispectral   SEF  è  Frequência  de  Borda  Espectral   –  0,5  a  30  Hz         •  5  a  15  Hz  è  anestesia  geral   •  >  20  Hz  è  acordado   SQI  è  Índice  de  Qualidade  de  Sinal   •  0  a  100  %   •  Impedância   •  Artefatos     EMG   •  Ideal  ≤  30  dB   •  Aceitável  <  55  dB;  
  • 138. SEF   Parâmetro   valioso   para   o   controle   trans-­‐ operatório   da   adequação   anestésica:   a   SEF   (frequência  de  borda  espectral)   Rosa  DM  -­‐  Anestesia  em  revista  -­‐  janeiro/fevereiro,  2008   A   SEF   representa   a   frequência   abaixo   da   qual   estão   95%   das   amplitudes   de   ondas   em   um   determinado  momento    
  • 139. SEF   Dizer  que  a  SEF  é  de  12  Hz,  significa  dizer  que,   naquele   momento,   95%   das   ondas   cerebrais   tem  até  12  Hz  de  frequência  e  que  apenas  5%   das   ondas   restantes   tem   frequência   maior   do   que  12  Hz.     Vianna  PTG  -­‐  Monitor  de  Profundidade  da  Hipnose.  A  Eletroencefalografia  Bispectral.  Rev  Bras  Anestesiol  2001;  51:  5:  418  –  425.  
  • 140.
  • 142. Indicador  da  qualidade  do  sinal  (SQI   ou  IQS)       Indicador   da   qualidade   do   sinal   (SQI)   é   uma   medida   da   qualidade   do   sinal   para  a  origem  do  canal  EEG  e  é  calculado  com  base  nos  dados  da  impedância,   artefactos  e  outras  variáveis.       A   qualidade   de   sinal   é   ideal   quando   todas   as   cinco   barras   forem   apresentadas.   NUNES,  RR  et  al  -­‐  Índice  bispectral  e  outros  parâmetros  processados  do  eletroencefalograma:  uma  atualização.  Rev.  Bras.  Anestesiol.  2012,62,1:   111-­‐117   Quanto  maior  o  IQS,  mais  confiável  é  o  BIS  exibido  
  • 143. Indicador  do  Eletromiógrafo  (EMG)   Gráfico   de   barras   EMG   apresenta   a   energia   (em   decibéis)   no   intervalo   de   frequência  entre  30  e  300  Hz.     –  Este   intervalo   de   frequência   contém   energia   de   aPvidade   muscular   (i.e.,   electromiografia  ou  “EMG”)  tal  como  energia  de  outros  artefatos  de  alta  frequência.         Algumas   das   principais   causas   de   EMG   aumentada   em   um   monitor   BIS:   se   ocorrer   a4vidade   motora,   dor,   a4vidade   de   apreensão,   movimentos   dos   olhos,  e  contato  deficiente  do  eletrodo  na  pele.  Quanto  maior  a  aPvidade  do   EMG,  menor  é  a  confiabilidade  do  BIS.   NUNES,  RR  et  al  -­‐  Índice  bispectral  e  outros  parâmetros  processados  do  eletroencefalograma:  uma  atualização.  Rev.  Bras.  Anestesiol.  2012,62,1:   111-­‐117   A  monitorização  BIS  é  a  ideal  quando  a  barra   esPver  vazia  
  • 144.
  • 145. Coeficiente  de  Supressão  (SR)   A supressão de surtos é definida como intervalos maiores de 0,5 segundo, nos quais a voltagem do EEG encontra-se abaixo ± 5mV nos últimos 60 segundos. Assim, o normal é taxa de supressão igual a zero
  • 146. Coeficiente  de  Supressão  (SR)   Coeficiente   de   supressão   é   um   parâmetro   calculado   para   dar   ao   uPlizador   uma   indicação   da  existência  de  uma  situação  isoelétrica.     NUNES,  RR  et  al  -­‐  Índice  bispectral  e  outros  parâmetros  processados  do  eletroencefalograma:  uma  atualização.  Rev.  Bras.  Anestesiol.  2012,62,1:   111-­‐117   Por  exemplo:  SR=11  (isoelétrico  em  11%  da   análise  dos  úlPmos  60  segundos).  
  • 147. BIS  e  Fármacos:  Peculiaridades   •  Cetamina   –  Inalterado   •  Oxido  nitroso   –  Inalterado     •  Xenônio   –  Redução  dos  valores   –  50  %  com  consciência   Vianna  PTG  -­‐  Monitor  de  Profundidade  da  Hipnose.  A  Eletroencefalografia  Bispectral.  Rev  Bras  Anestesiol  2001;  51:  5:  418  –  425.   Teixeira  L  -­‐  Quando  o  Índice  Bispectral  (BIS)  Pode  Fornecer  Valores  Espúrios.  Rev  Bras  Anestesiol  2009;  59:  1:  99-­‐109  
  • 148.
  • 149.