SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 55
Baixar para ler offline
MONITORIAZAÇÃO HEMODINÂMICA/ PAI,
PVC, PIC e PIA
PROF. FRANCIELLY BORDON
FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR
 Camada externa do coração (pericárdio) e
camada interna (endocárdio).
 Inicialmente os átrios contraem e
o sangue é ejetado para os ventrículos
através das válvulas mitral e tricúspide.
 Quando os átrios relaxam , os ventrículos
contraem e o sangue é ejetado para
as artérias aorta e pulmonar, através das
válvulas aórtica e pulmonar, para que
ocorra a pequena e a grande circulação .
FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR: CONCEITOS IMPORTANTES
MONITORIZAÇÃO HEMODINÂMICA
Consiste na observação contínua das funções vitais.
SITUAÇÕES DA MONITORIZAÇÃO HEMODINÂMICA
PRESSÃO ARTERIAL
Pressão do sangue ejetado pelo coração na parede arterial
PRESSÃO ARTERIAL INVASIVA –PAI
ZERAGEM DO SISTEMA
TESTE DA ONDA QUADRADA / FLUSHING TEST
RETIRADA DO CATETER
PRESSÃO VENOSA CENTRAL – PVC
 A Pressão Venosa Central (PVC) é determinada pela interação entre
voluma intravascular , função de ventrículo direito, tônus
vasomotor e pressão intratorácica.
 Fornece informações sobre três parâmetros: volume sanguíneo,
eficácia do coração como bomba e tônus vascular.
 O acesso é obtido por meio de um cateter intravenoso,
posicionado dentro da veia cava superior , próximo ao átrio direito.
PRESSÃO VENOSA CENTRAL – PVC
ZERAGEM DO SISTEMA
AVALIAÇÃO DA CURVA DE PVC
RETIRADA DO CATETER
PARÂMETROS HEMODINÂMICOS AVANÇADOS
VARIAÇÃO DE VOLUME SISTÓLICO (VVS)
CVC COM FIBRA ÓTICA
CATETER DE ARTÉRIA PULMONAR
CUIDADOS DE ENFERMAGEM
 Instalar fixação adequada de cateteres e dispositivos;
 Programar os parâmetros de alerta dos monitores;
 Realizar calibragem dos sistemas e medidas hemodinâmicas;
 Avaliar posicionamento do paciente e funcionamento dos cabos e sistemas;
 Avaliar exames laboratoriais antes da inserção e retirada de dispositivos;
 Observar atentamente os SSVV, traçado do ECG e diurese do paciente
monitorizado de forma não invasiva; Avaliar presença de sinais flogísticos na
inserção dos cateteres;
 Avaliar presença de sinais flogísticos na inserção dos cateteres;
CUIDADOS DE ENFERMAGEM
 Monitorar perfusão periférica dos membros com cateteres arteriais;
 Avaliar radiografia de tórax após inserção de cateteres centrais;
 Manter o balonete do cateter de artéria pulmonar desinsuflado;
 Avaliar posicionamento do paciente e funcionamento dos cabos e sistemas;
 Monitorar ruptura do balonete do cateter de artéria pulmonar;
 Manter conexões íntegras e estéreis;
 Manter bolsas pressurizadoras a 300mmHg;
 Monitorar formato das curvas de pressão dos cateteres.
PAI E PVC NA BEIRA DO LEITO:
MONITORIZAÇÃO MINIMAMENTE INVASIVA
PRESSÃO INTRACRANIANA - PIC
 Definição de Derivação Ventricular Externa (DVE): Sistema estéril que serve
tanto para medir Pressão Intracraniana (PIC) quanto remover excesso de
Líquido Cefalorraquidiano (LCR). Usada nos casos de aumento de PIC (por ex.:
AVH, TCE grave, AVCs extensos, tumores obstrutivos).
 A monitorização invasiva é importantíssima, pois pode reduzir a morbi-
mortalidade nestes casos. Como o volume do crânio é fixo, edema,
hemorragia ou hidrocefalia aumentam a PIC.
ANATOMIA E FISIOLOGIA DO LÍQUOR
ANATOMIA E FISIOLOGIA DO LÍQUOR
HIPERTENSÃO INTRACRANIANA
 Doutrina de Monroe-Kelli:
PPC (Pressão de Perfusão Cerebral) = PAM (Pressão Arterial Média) - PIC
(Pressão Intracraniana)
Objetivos do cuidado:
✔ Manter PIC < 20mmHg
✔ Manter PPC > 60mmHg
 Examinar as curvas de PIC pode fornecer informações importantes sobre
perfusão e complacência do SNC (imagens no post).
Lembrando:
Produção normal de LCR = 25 ml/hr
LEI DE MONROE-KELLIE
SINAIS E SINTOMAS DE PIC AUMENTADA
MONITORAMENTO DA PRESSÃO INTRACRANIANA
MONITORAMENTO DA PRESSÃO INTRACRANIANA
CURVA PIC
O formato normal da onda apresenta 3 picos, sendo P1>P2>P3, que representam a dinâmica da PIC. Seu formato
pode mudar, como na alteração da complacência cerebral, quando P2>P1 e P3.
 P1: onda de percussão, representa o pulso arterial sistólico.
 P2: onda de maré (tidal wave), representa complacência cerebral.
 P3: onda dicrótica, causada pelo fechamento da válvula aórtica.
MANEJO DA HIPERTENSÃO INTRACRANIANA (HIC)
CUIDADOS DE ENFERMAGEM
 Avaliar nível de consciência e estado mental;
 Monitorar qualidade das ondas de PIC;
 Monitorar ocorrência de convulsões;
 Garantir posicionamento adequado do paciente;
 Manter normotermia;
 Realizar avaliação das pupilas;
 Avaliar características da drenagem do líquor;
 Avaliar possíveis sinais flogísticos na inserção do cateter de PIC.
PRESSÃO INTRA-ABDOMINAL (PIA)
 Pressão intra-abdominal (PIA) é definido como a medida da pressão do
compartimento abdominal, podendo ser realizada diretamente a partir da
inserção de um cateter na região intra abdominal.
 É um procedimento de indicação médica, como qualquer outro na área de
avaliação de monitorização invasiva, contudo é de competência privativa do
enfermeiro a realização da monitorização, fazendo-se necessário que o
mesmo possua conhecimento e habilidade técnica para sua execução.
SÍNDROME COMPARTIMENTALABDOMINAL
TÉCNICA PARA AFERIÇÃO:
 Higienizar as mãos
 Realizar a cateterização vesical (técnica asséptica)
 Conectar a sonda ao sistema de drenagem fechado
 Posicionar o paciente em decúbito dorsal horizontal (posição supina)
 Montar o sistema de transdutor de pressão e preenche-lo com SF, pressurizando o frasco com
300mmHg
 Preparar o SF (com escala de graduação de volume) e conectá-lo ao equipo
 Conectar o sistema pressurizado ao cabo transdutor e adaptá-lo ao módulo de pressão
invasiva do monitor
 Conectar a torneira de 3 vias na terceira via da sonda vesical Foley e em seguida, os equipos
do pressurizador e do SF nas outras duas vias da torneira
TÉCNICA PARA AFERIÇÃO:
 Zerar o sistema com a pressão atmosférica (na linha axilar média, ao nível da crista ilíaca): abrir
a torneira de 3 vias do transdutor de pressão para o ar ambiente e fechar para o paciente,
acionando a tecla zero do monitor
 Clampear o sistema de drenagem na parte distal da conexão do coletor de drenagem
 Fechar a torneira de 3 vias, conectá-la ao equipo com transdutor e abri-la para o equipo
contendo SF. Infundir rapidamente 25ml da solução (mensurar o valor infundido usando a
escala de graduação).
 Observação: A técnica preconiza 25 ml.
 Fechar a pinça do equipo com o SF e abrir a torneira de 3 vias para o equipo com transdutor
 Visualizar as ondas no monitor. Medir a pressão intra-abdominal ao final da expiração, quando
não há contração abdominal (relaxamento do músculo detrusor da bexiga), o que ocorre cerca
de 30 a 60 segundos após a instilação do líquido. Após obter o valor numérico na tela do
monitor, abrir a drenagem da sonda vesical
CUIDADOS DE ENFERMAGEM
 Se possível, manter paciente em decúbito dorsal horizontal;
 Manter vigilância hemodinâmica;
 Monitorar volemia e sinais de disfunção renal;
 Monitorar parâmetros respiratórios;
 Monitorar pressão de perfusão cerebral e sinais de HIC;
Monitoriazação Hemodinâmica.pptx

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Monitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leitoMonitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leitoresenfe2013
 
Ecg básico
Ecg básicoEcg básico
Ecg básicodapab
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaresenfe2013
 
Monitorização Hemodinamica
Monitorização HemodinamicaMonitorização Hemodinamica
Monitorização HemodinamicaRodrigo Biondi
 
Aula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgicoAula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgicoZeca Ribeiro
 
Aula 08 aspiração endotraqueal
Aula 08   aspiração endotraquealAula 08   aspiração endotraqueal
Aula 08 aspiração endotraquealRodrigo Abreu
 
Assistência ao paciente em ventilação mecânica
Assistência ao paciente em ventilação mecânicaAssistência ao paciente em ventilação mecânica
Assistência ao paciente em ventilação mecânicaCaio Veloso da Costa, ICU-PT
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânicaresenfe2013
 
Noçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânicaNoçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânicahelciofonteles
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIFábio Falcão
 
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de EnfermagemVentilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagempryloock
 
Eletrocardiograma aula
Eletrocardiograma   aulaEletrocardiograma   aula
Eletrocardiograma aulaFabio Sampaio
 
Abordagem choque
Abordagem choqueAbordagem choque
Abordagem choqueYuri Assis
 
Acesso venoso central
Acesso venoso centralAcesso venoso central
Acesso venoso centralLAEC UNIVAG
 
Atendimento a PCR
Atendimento a PCRAtendimento a PCR
Atendimento a PCRMarco Lamim
 

Mais procurados (20)

Monitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leitoMonitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leito
 
Ecg básico
Ecg básicoEcg básico
Ecg básico
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
 
Monitorização Hemodinamica
Monitorização HemodinamicaMonitorização Hemodinamica
Monitorização Hemodinamica
 
Aula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgicoAula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgico
 
Aula 08 aspiração endotraqueal
Aula 08   aspiração endotraquealAula 08   aspiração endotraqueal
Aula 08 aspiração endotraqueal
 
Assistência ao paciente em ventilação mecânica
Assistência ao paciente em ventilação mecânicaAssistência ao paciente em ventilação mecânica
Assistência ao paciente em ventilação mecânica
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
 
Noçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânicaNoçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânica
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTI
 
Pressão Venosa Central
Pressão Venosa CentralPressão Venosa Central
Pressão Venosa Central
 
Aula PCR
Aula PCRAula PCR
Aula PCR
 
Novas diretrizes na pcr
Novas diretrizes na pcrNovas diretrizes na pcr
Novas diretrizes na pcr
 
Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica
 
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de EnfermagemVentilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
 
Oximetria De Pulso
Oximetria De PulsoOximetria De Pulso
Oximetria De Pulso
 
Eletrocardiograma aula
Eletrocardiograma   aulaEletrocardiograma   aula
Eletrocardiograma aula
 
Abordagem choque
Abordagem choqueAbordagem choque
Abordagem choque
 
Acesso venoso central
Acesso venoso centralAcesso venoso central
Acesso venoso central
 
Atendimento a PCR
Atendimento a PCRAtendimento a PCR
Atendimento a PCR
 

Semelhante a Monitoriazação Hemodinâmica.pptx

Mercredi monitorização hemodinamica
Mercredi monitorização hemodinamicaMercredi monitorização hemodinamica
Mercredi monitorização hemodinamicactisaolucascopacabana
 
vi a aereas e trauma_de_Tórax_-_Abordagem_NO AHP SIL.ppt
vi a aereas e trauma_de_Tórax_-_Abordagem_NO AHP SIL.pptvi a aereas e trauma_de_Tórax_-_Abordagem_NO AHP SIL.ppt
vi a aereas e trauma_de_Tórax_-_Abordagem_NO AHP SIL.pptLarcioFerreiraSilva
 
GRAN SSVV 5 - PRESSÃO ARTERIAL SISTEMICA
GRAN SSVV 5 - PRESSÃO ARTERIAL SISTEMICAGRAN SSVV 5 - PRESSÃO ARTERIAL SISTEMICA
GRAN SSVV 5 - PRESSÃO ARTERIAL SISTEMICAdouglas870578
 
Monitorização da função pulmonar
Monitorização da função pulmonarMonitorização da função pulmonar
Monitorização da função pulmonarAnestesiador
 
Semiotecnica 2-ano-de-enfermagem-2-capitulo
Semiotecnica 2-ano-de-enfermagem-2-capituloSemiotecnica 2-ano-de-enfermagem-2-capitulo
Semiotecnica 2-ano-de-enfermagem-2-capituloWalquiria Ferreira
 
Atendimento de Enfermagem na PCR em Adulto 16.pptx
Atendimento de Enfermagem na PCR em Adulto 16.pptxAtendimento de Enfermagem na PCR em Adulto 16.pptx
Atendimento de Enfermagem na PCR em Adulto 16.pptxAlexandreTolosa1
 
AULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.pptAULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.pptVILMARZAHN
 
Iv curso teórico prático monitorização hemod
Iv curso teórico prático monitorização hemodIv curso teórico prático monitorização hemod
Iv curso teórico prático monitorização hemodctisaolucascopacabana
 
Meios Democráticos no Sistema Respiratório
Meios Democráticos no Sistema RespiratórioMeios Democráticos no Sistema Respiratório
Meios Democráticos no Sistema RespiratórioAlbanoGanga
 
MonitorizaçãO HemodinâMica
MonitorizaçãO HemodinâMicaMonitorizaçãO HemodinâMica
MonitorizaçãO HemodinâMicagalegoo
 

Semelhante a Monitoriazação Hemodinâmica.pptx (20)

_Monitorização.ppt
_Monitorização.ppt_Monitorização.ppt
_Monitorização.ppt
 
Aula ventilação mecânica
Aula   ventilação mecânicaAula   ventilação mecânica
Aula ventilação mecânica
 
Equipamentos 2017
Equipamentos 2017Equipamentos 2017
Equipamentos 2017
 
Aula PCR.pptx
Aula PCR.pptxAula PCR.pptx
Aula PCR.pptx
 
1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf
 
Mercredi monitorização hemodinamica
Mercredi monitorização hemodinamicaMercredi monitorização hemodinamica
Mercredi monitorização hemodinamica
 
Pressão arterial
Pressão arterialPressão arterial
Pressão arterial
 
vi a aereas e trauma_de_Tórax_-_Abordagem_NO AHP SIL.ppt
vi a aereas e trauma_de_Tórax_-_Abordagem_NO AHP SIL.pptvi a aereas e trauma_de_Tórax_-_Abordagem_NO AHP SIL.ppt
vi a aereas e trauma_de_Tórax_-_Abordagem_NO AHP SIL.ppt
 
GRAN SSVV 5 - PRESSÃO ARTERIAL SISTEMICA
GRAN SSVV 5 - PRESSÃO ARTERIAL SISTEMICAGRAN SSVV 5 - PRESSÃO ARTERIAL SISTEMICA
GRAN SSVV 5 - PRESSÃO ARTERIAL SISTEMICA
 
Monitorização da função pulmonar
Monitorização da função pulmonarMonitorização da função pulmonar
Monitorização da função pulmonar
 
Semiotecnica 2-ano-de-enfermagem-2-capitulo
Semiotecnica 2-ano-de-enfermagem-2-capituloSemiotecnica 2-ano-de-enfermagem-2-capitulo
Semiotecnica 2-ano-de-enfermagem-2-capitulo
 
Trauma Torácico.pptx
Trauma Torácico.pptxTrauma Torácico.pptx
Trauma Torácico.pptx
 
Princípios da Ventilação Invasiva
Princípios da Ventilação InvasivaPrincípios da Ventilação Invasiva
Princípios da Ventilação Invasiva
 
Atendimento de Enfermagem na PCR em Adulto 16.pptx
Atendimento de Enfermagem na PCR em Adulto 16.pptxAtendimento de Enfermagem na PCR em Adulto 16.pptx
Atendimento de Enfermagem na PCR em Adulto 16.pptx
 
Pneumotórax
PneumotóraxPneumotórax
Pneumotórax
 
acessos vasculare 2.pptx
acessos vasculare 2.pptxacessos vasculare 2.pptx
acessos vasculare 2.pptx
 
AULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.pptAULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
 
Iv curso teórico prático monitorização hemod
Iv curso teórico prático monitorização hemodIv curso teórico prático monitorização hemod
Iv curso teórico prático monitorização hemod
 
Meios Democráticos no Sistema Respiratório
Meios Democráticos no Sistema RespiratórioMeios Democráticos no Sistema Respiratório
Meios Democráticos no Sistema Respiratório
 
MonitorizaçãO HemodinâMica
MonitorizaçãO HemodinâMicaMonitorizaçãO HemodinâMica
MonitorizaçãO HemodinâMica
 

Mais de ssuser51d27c1

Trabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxTrabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxssuser51d27c1
 
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptxSISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptxssuser51d27c1
 
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxssuser51d27c1
 
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.pptAS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.pptssuser51d27c1
 
educaçao em saude aula 01.pptx
educaçao em saude aula 01.pptxeducaçao em saude aula 01.pptx
educaçao em saude aula 01.pptxssuser51d27c1
 
slaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptxslaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptxssuser51d27c1
 
DOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptxDOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptxssuser51d27c1
 
AULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptxAULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptxssuser51d27c1
 
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptxVIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptxssuser51d27c1
 
atribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptxatribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptxssuser51d27c1
 
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfAula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfssuser51d27c1
 
aula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptxaula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptxssuser51d27c1
 
impactos ambientais.pptx
 impactos ambientais.pptx impactos ambientais.pptx
impactos ambientais.pptxssuser51d27c1
 
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxDEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxssuser51d27c1
 
TERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptxTERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptxssuser51d27c1
 
indicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptxindicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptxssuser51d27c1
 
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptxBiossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptxssuser51d27c1
 

Mais de ssuser51d27c1 (20)

Trabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxTrabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptx
 
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptxSISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
 
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
 
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.pptAS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
 
educaçao em saude aula 01.pptx
educaçao em saude aula 01.pptxeducaçao em saude aula 01.pptx
educaçao em saude aula 01.pptx
 
slaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptxslaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptx
 
DOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptxDOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptx
 
AULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptxAULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptx
 
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptxVIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
 
atribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptxatribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptx
 
08 abdome.pptx
08 abdome.pptx08 abdome.pptx
08 abdome.pptx
 
DANT DCNT.pptx
DANT DCNT.pptxDANT DCNT.pptx
DANT DCNT.pptx
 
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfAula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
 
aula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptxaula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptx
 
impactos ambientais.pptx
 impactos ambientais.pptx impactos ambientais.pptx
impactos ambientais.pptx
 
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxDEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
 
DHAA.pptx
DHAA.pptxDHAA.pptx
DHAA.pptx
 
TERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptxTERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptx
 
indicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptxindicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptx
 
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptxBiossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
 

Monitoriazação Hemodinâmica.pptx

  • 1. MONITORIAZAÇÃO HEMODINÂMICA/ PAI, PVC, PIC e PIA PROF. FRANCIELLY BORDON
  • 2. FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR  Camada externa do coração (pericárdio) e camada interna (endocárdio).  Inicialmente os átrios contraem e o sangue é ejetado para os ventrículos através das válvulas mitral e tricúspide.  Quando os átrios relaxam , os ventrículos contraem e o sangue é ejetado para as artérias aorta e pulmonar, através das válvulas aórtica e pulmonar, para que ocorra a pequena e a grande circulação .
  • 4. MONITORIZAÇÃO HEMODINÂMICA Consiste na observação contínua das funções vitais.
  • 5.
  • 7. PRESSÃO ARTERIAL Pressão do sangue ejetado pelo coração na parede arterial
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 13.
  • 14.
  • 15. TESTE DA ONDA QUADRADA / FLUSHING TEST
  • 17. PRESSÃO VENOSA CENTRAL – PVC  A Pressão Venosa Central (PVC) é determinada pela interação entre voluma intravascular , função de ventrículo direito, tônus vasomotor e pressão intratorácica.  Fornece informações sobre três parâmetros: volume sanguíneo, eficácia do coração como bomba e tônus vascular.  O acesso é obtido por meio de um cateter intravenoso, posicionado dentro da veia cava superior , próximo ao átrio direito.
  • 19.
  • 23.
  • 25. VARIAÇÃO DE VOLUME SISTÓLICO (VVS)
  • 26. CVC COM FIBRA ÓTICA
  • 28.
  • 29.
  • 30. CUIDADOS DE ENFERMAGEM  Instalar fixação adequada de cateteres e dispositivos;  Programar os parâmetros de alerta dos monitores;  Realizar calibragem dos sistemas e medidas hemodinâmicas;  Avaliar posicionamento do paciente e funcionamento dos cabos e sistemas;  Avaliar exames laboratoriais antes da inserção e retirada de dispositivos;  Observar atentamente os SSVV, traçado do ECG e diurese do paciente monitorizado de forma não invasiva; Avaliar presença de sinais flogísticos na inserção dos cateteres;  Avaliar presença de sinais flogísticos na inserção dos cateteres;
  • 31. CUIDADOS DE ENFERMAGEM  Monitorar perfusão periférica dos membros com cateteres arteriais;  Avaliar radiografia de tórax após inserção de cateteres centrais;  Manter o balonete do cateter de artéria pulmonar desinsuflado;  Avaliar posicionamento do paciente e funcionamento dos cabos e sistemas;  Monitorar ruptura do balonete do cateter de artéria pulmonar;  Manter conexões íntegras e estéreis;  Manter bolsas pressurizadoras a 300mmHg;  Monitorar formato das curvas de pressão dos cateteres.
  • 32. PAI E PVC NA BEIRA DO LEITO: MONITORIZAÇÃO MINIMAMENTE INVASIVA
  • 33. PRESSÃO INTRACRANIANA - PIC  Definição de Derivação Ventricular Externa (DVE): Sistema estéril que serve tanto para medir Pressão Intracraniana (PIC) quanto remover excesso de Líquido Cefalorraquidiano (LCR). Usada nos casos de aumento de PIC (por ex.: AVH, TCE grave, AVCs extensos, tumores obstrutivos).  A monitorização invasiva é importantíssima, pois pode reduzir a morbi- mortalidade nestes casos. Como o volume do crânio é fixo, edema, hemorragia ou hidrocefalia aumentam a PIC.
  • 34.
  • 35. ANATOMIA E FISIOLOGIA DO LÍQUOR
  • 36. ANATOMIA E FISIOLOGIA DO LÍQUOR
  • 38.  Doutrina de Monroe-Kelli: PPC (Pressão de Perfusão Cerebral) = PAM (Pressão Arterial Média) - PIC (Pressão Intracraniana) Objetivos do cuidado: ✔ Manter PIC < 20mmHg ✔ Manter PPC > 60mmHg  Examinar as curvas de PIC pode fornecer informações importantes sobre perfusão e complacência do SNC (imagens no post). Lembrando: Produção normal de LCR = 25 ml/hr
  • 40.
  • 41.
  • 42. SINAIS E SINTOMAS DE PIC AUMENTADA
  • 43. MONITORAMENTO DA PRESSÃO INTRACRANIANA
  • 44. MONITORAMENTO DA PRESSÃO INTRACRANIANA
  • 45. CURVA PIC O formato normal da onda apresenta 3 picos, sendo P1>P2>P3, que representam a dinâmica da PIC. Seu formato pode mudar, como na alteração da complacência cerebral, quando P2>P1 e P3.  P1: onda de percussão, representa o pulso arterial sistólico.  P2: onda de maré (tidal wave), representa complacência cerebral.  P3: onda dicrótica, causada pelo fechamento da válvula aórtica.
  • 46. MANEJO DA HIPERTENSÃO INTRACRANIANA (HIC)
  • 47. CUIDADOS DE ENFERMAGEM  Avaliar nível de consciência e estado mental;  Monitorar qualidade das ondas de PIC;  Monitorar ocorrência de convulsões;  Garantir posicionamento adequado do paciente;  Manter normotermia;  Realizar avaliação das pupilas;  Avaliar características da drenagem do líquor;  Avaliar possíveis sinais flogísticos na inserção do cateter de PIC.
  • 48.
  • 49. PRESSÃO INTRA-ABDOMINAL (PIA)  Pressão intra-abdominal (PIA) é definido como a medida da pressão do compartimento abdominal, podendo ser realizada diretamente a partir da inserção de um cateter na região intra abdominal.  É um procedimento de indicação médica, como qualquer outro na área de avaliação de monitorização invasiva, contudo é de competência privativa do enfermeiro a realização da monitorização, fazendo-se necessário que o mesmo possua conhecimento e habilidade técnica para sua execução.
  • 50.
  • 52. TÉCNICA PARA AFERIÇÃO:  Higienizar as mãos  Realizar a cateterização vesical (técnica asséptica)  Conectar a sonda ao sistema de drenagem fechado  Posicionar o paciente em decúbito dorsal horizontal (posição supina)  Montar o sistema de transdutor de pressão e preenche-lo com SF, pressurizando o frasco com 300mmHg  Preparar o SF (com escala de graduação de volume) e conectá-lo ao equipo  Conectar o sistema pressurizado ao cabo transdutor e adaptá-lo ao módulo de pressão invasiva do monitor  Conectar a torneira de 3 vias na terceira via da sonda vesical Foley e em seguida, os equipos do pressurizador e do SF nas outras duas vias da torneira
  • 53. TÉCNICA PARA AFERIÇÃO:  Zerar o sistema com a pressão atmosférica (na linha axilar média, ao nível da crista ilíaca): abrir a torneira de 3 vias do transdutor de pressão para o ar ambiente e fechar para o paciente, acionando a tecla zero do monitor  Clampear o sistema de drenagem na parte distal da conexão do coletor de drenagem  Fechar a torneira de 3 vias, conectá-la ao equipo com transdutor e abri-la para o equipo contendo SF. Infundir rapidamente 25ml da solução (mensurar o valor infundido usando a escala de graduação).  Observação: A técnica preconiza 25 ml.  Fechar a pinça do equipo com o SF e abrir a torneira de 3 vias para o equipo com transdutor  Visualizar as ondas no monitor. Medir a pressão intra-abdominal ao final da expiração, quando não há contração abdominal (relaxamento do músculo detrusor da bexiga), o que ocorre cerca de 30 a 60 segundos após a instilação do líquido. Após obter o valor numérico na tela do monitor, abrir a drenagem da sonda vesical
  • 54. CUIDADOS DE ENFERMAGEM  Se possível, manter paciente em decúbito dorsal horizontal;  Manter vigilância hemodinâmica;  Monitorar volemia e sinais de disfunção renal;  Monitorar parâmetros respiratórios;  Monitorar pressão de perfusão cerebral e sinais de HIC;