SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 41
MODERNISMO NA
AMÉRICA LATINA
PAS III
Características gerais
 Negação do arte bastante européia de anos
anteriores
 Valorização da cultura local
 Influências de movimentos europeus
 Rompimento com academias
 Divulgação de idéias, propostas e manifestos
em revistas de arte como a Klaxon,
Antropofágica, etc.
 Impacto das revoluções mexicana e russa
José Clemente Orozco
 Mexicano (1883-1949)
 Cursou agronomia e arquitetura por pressão da
família
 Estudou artes e seguiu trabalhando com
ilustrações, caricaturas e pinturas
 Muralista
 Pintura idealista e para o povo
 Usava como referência os trabalhos maias e
astecas
 Trabalhou ao lado de Diego Rivera e Davi Alfaro
Siqueiros
 Imagens extremamente emotivas e muitas vezes
violentas
 Se influenciou pelos barrocos em termos de
Dioses del mundo moderno (1932)
PAS – UnB
3ª Etapa (2013)
Respostas
 11 – C
 12 – C
 13 – C
Torres García
 Montevidéu, Uruguai 1874 - 1949
 Durante a juventude se muda com a família para a
Espanha onde integrou um grupo de intelectuais que
retomava aspectos da antiguidade clássica.
 Neste período pinta diversos murais em Barcelona
com influência clássica.
 Trabalha coletivamente com o arquiteto Antônio
Gaudí na elaboração de vitrais para a igreja “Sagrada
Família”, sendo que este não aprecia seu trabalho
 É influenciado por artistas de diversas vanguardas
européias
 De volta ao Uruguai procura desenvolver uma arte da
América do Sul, trabalhando sem parar com pintura,
palestras, lecionando e escrevendo sobre arte
 Cria o Universalismo Construtivo
Norte ao sul,
“Tenho dito Escola do Sul porque, na
realidade, nosso norte é o Sul. Não deve
haver norte, para nós, senão por oposição
ao nosso Sul. Por isso agora colocamos o
mapa ao contrário, e então já temos uma
justa ideia de nossa posição, e não como
querem no resto do mundo. A ponta da
América, desde já, prolongando-se, aponta
insistentemente para o Sul, nosso norte.”
Torres Garcia, 1941
Constructivo con campana (1932)
PAS – UnB
3ª Etapa (2013)
Respostas
 38 – C
 39 - E
Semana de arte moderna de 22
 Anita Malfatti expõe em 1917 suas pinturas e recebe
forte crítica de Monteiro Lobato no jornal
 A crítica estimula artistas a se posicionarem e a
produzirem e discutirem abertamente arte moderna.
 A partir dessas discussões organizam uma semana de
arte moderna que abrange as artes visuais, a música
e o teatro, considerada um marco na arte brasileira.
 Os artistas produziam influenciados pelas vanguardas
européias mas com os olhos
voltados para a cultura brasileira.
 Deu origem ao Movimento
Pau-Brasil, o Movimento
Verde-Amarelo, o Grupo da Anta,
e o Movimento Antropofágico.
Portinari
 Nasce em Bródosqui, em 1903, em uma fazenda
de café no interior de São Paulo, filho de
imigrantes italianos. Falece no Rio de Janeiro, em
1962.
 Pintor, gravador, ilustrador e professor.
 Recebe apenas instrução primária e aos 15 anos
vai para o Rio de Janeiro estudar pintura.
 Portinari pintou os painéis Guerra e Paz (14m x
10m) em nove meses, após quatro anos de
estudos preparatórios (cerca de 180).
 Guerra e Paz foi instalado no hall de entrada da
sala da Assembléia Geral, em 1957, o espaço
mais importante da sede da ONU de Nova Iorque.
PAS – UnB
3ª Etapa (2012)
Respostas
 11 – E
 12 - X
Francisco Galeno
 (Parnaíba, 1957) Piauiense radicado em
Brasília
 passou pelo teatro, música e futebol antes de
se estabelecer nas artes visuais
 Foi convidado para pintar o interior da
igrejinha, anteriormente pintado pelo artista
moderno Alfredo Volpi.
 Artista contemporâneo com forte relação com
trabalhos modernos
Arquitetura
 Funcionalidade
 Novos materiais disponíveis ex.: concreto
armado, estruturas de ferro e vidro.
 Pouca ornamentação
 Linhas curvas (Niemeyer)
 Construção de Brasília
Beijódromo
 Projeto de João filgueiras Lelé
 Nome oficial: Memorial Darcy Ribeiro
 Ideia inicial do próprio Darcy Ribeiro, como
espaço de convivência entre estudante
 Baseado nas construções dos povos indígenas
do xingu
 Projeto executado foi a terceira versão
apresentada pelo arquiteto
 Relação com disco voador
 Se assemelha à arquitetura modernista da cidade
PAS – UnB
2014
painel de azulejos FE
 Criado por Luis Humberto Martins Pereira
 Arquiteto e fotógrafo
 Trabalhou em colaboração com Athos Bulcão,
P. E. Salles Gomes e Alfredo Ceschiatti.
 Trabalhou na criação do conjunto
arquitetônico da Faculdade de Educação da
UnB.
Glenio Bianchetti
 Nasce em1928 (Brasil, Rio Grande do Sul, Bagé)
 Pintor, Desenhista, Gravador, Tapeceiro, Professor de artes
plásticas, Ilustrador
 Professor da UnB entre 1962 e 65, sendo reintegrado
novamente em 1988.
 Colabora na criação do Museu de Arte de Brasília a partir de
1970
 Integra em 1940 o Grupo de Bagé e em 1947 o Clube de
Gravuras de Porto Alegre
 Retrata cotidiano das classes mais pobres, trabalhos e
costumes regionais
 É influenciado pelo expressionismo
 Trabalha com grande contraste, sem a presença de cinzas.
 A partir de 1960 se dedica mais a pintura, retratando
paisagens e naturezas mortas e, a partir da década de 70, se
dedica à imagens mais abstratas com grandes áreas de cor
e influência do cubismo
Jogo do osso
Glênio Bianchetti. Jogo do osso. Xilogravura. 1955.
Helio Oiticica
 Nasce em1937 e falece em 1980, no Rio de
Janeiro
 Filho de artistas e com avô anarquista
 Vai morar no morro da mangueira em
determinado momento
 Inicia suas pesquisar de forma concreta e vai
ampliando seus trabalhos para o espaço
 Integrou o grupo Frente e o grupo Neoconcreto
 Trouxe o espectador para dentro da obra,
incialmente com instalações como “Tropicália”, as
quais o artista chamava de “penetráveis”, e
depois com seus “Parangolés”.
Tropicália
 Tropicália
Hélio Oiticica. Tropicália. Instalação. 1967
Parangolés
Modernismo america latina

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Quando a tecnologia vira arte?
Quando a tecnologia vira arte?Quando a tecnologia vira arte?
Quando a tecnologia vira arte?Aline Corso
 
Mudanças culturais e aculturação
Mudanças culturais e aculturaçãoMudanças culturais e aculturação
Mudanças culturais e aculturaçãoJoão Marcelo
 
Introdução à história
Introdução à históriaIntrodução à história
Introdução à históriaPaulo Alexandre
 
5° civilizações do oriente médio
5° civilizações do oriente médio5° civilizações do oriente médio
5° civilizações do oriente médioAjudar Pessoas
 
Aula patrimônio cultural
Aula patrimônio culturalAula patrimônio cultural
Aula patrimônio culturalCurso Letrados
 
ÍNDIOS DO BRASIL
ÍNDIOS DO BRASILÍNDIOS DO BRASIL
ÍNDIOS DO BRASILGeo
 
O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)Nefer19
 
Cultura de massa: que cultura? E que massa?
Cultura de massa: que cultura? E que massa?Cultura de massa: que cultura? E que massa?
Cultura de massa: que cultura? E que massa?Poliana Lopes
 
Representação do negro nas artes plásticas
Representação do negro nas artes plásticasRepresentação do negro nas artes plásticas
Representação do negro nas artes plásticasCEF16
 
SLIDES – O FIM DA ESCRAVIDÃO SIGNIFICOU UMA MELHORIA NA QUALIDADE DE VIDA DOS...
SLIDES – O FIM DA ESCRAVIDÃO SIGNIFICOU UMA MELHORIA NA QUALIDADE DE VIDA DOS...SLIDES – O FIM DA ESCRAVIDÃO SIGNIFICOU UMA MELHORIA NA QUALIDADE DE VIDA DOS...
SLIDES – O FIM DA ESCRAVIDÃO SIGNIFICOU UMA MELHORIA NA QUALIDADE DE VIDA DOS...Tissiane Gomes
 

Mais procurados (20)

Etnia, cultura e cidadania
Etnia, cultura e cidadaniaEtnia, cultura e cidadania
Etnia, cultura e cidadania
 
Arte Urbana.pptx
Arte Urbana.pptxArte Urbana.pptx
Arte Urbana.pptx
 
Arte urbana
Arte urbana Arte urbana
Arte urbana
 
Tempo e história
Tempo e históriaTempo e história
Tempo e história
 
Quando a tecnologia vira arte?
Quando a tecnologia vira arte?Quando a tecnologia vira arte?
Quando a tecnologia vira arte?
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
 
Mudanças culturais e aculturação
Mudanças culturais e aculturaçãoMudanças culturais e aculturação
Mudanças culturais e aculturação
 
Introdução à história
Introdução à históriaIntrodução à história
Introdução à história
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
 
Diretas já
Diretas jáDiretas já
Diretas já
 
Semana da arte moderna 1992
Semana da arte moderna 1992Semana da arte moderna 1992
Semana da arte moderna 1992
 
5° civilizações do oriente médio
5° civilizações do oriente médio5° civilizações do oriente médio
5° civilizações do oriente médio
 
Aula patrimônio cultural
Aula patrimônio culturalAula patrimônio cultural
Aula patrimônio cultural
 
ÍNDIOS DO BRASIL
ÍNDIOS DO BRASILÍNDIOS DO BRASIL
ÍNDIOS DO BRASIL
 
O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)O Renascimento - 7º Ano (2017)
O Renascimento - 7º Ano (2017)
 
Cultura de massa: que cultura? E que massa?
Cultura de massa: que cultura? E que massa?Cultura de massa: que cultura? E que massa?
Cultura de massa: que cultura? E que massa?
 
Cultura indígena
Cultura indígenaCultura indígena
Cultura indígena
 
Representação do negro nas artes plásticas
Representação do negro nas artes plásticasRepresentação do negro nas artes plásticas
Representação do negro nas artes plásticas
 
SLIDES – O FIM DA ESCRAVIDÃO SIGNIFICOU UMA MELHORIA NA QUALIDADE DE VIDA DOS...
SLIDES – O FIM DA ESCRAVIDÃO SIGNIFICOU UMA MELHORIA NA QUALIDADE DE VIDA DOS...SLIDES – O FIM DA ESCRAVIDÃO SIGNIFICOU UMA MELHORIA NA QUALIDADE DE VIDA DOS...
SLIDES – O FIM DA ESCRAVIDÃO SIGNIFICOU UMA MELHORIA NA QUALIDADE DE VIDA DOS...
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
 

Destaque (20)

Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
Multiplos
MultiplosMultiplos
Multiplos
 
Seiscentismo
SeiscentismoSeiscentismo
Seiscentismo
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
 
Arte moderna brasileira
Arte moderna brasileiraArte moderna brasileira
Arte moderna brasileira
 
Pop art jk
Pop art  jkPop art  jk
Pop art jk
 
M. C. Escher
M. C. EscherM. C. Escher
M. C. Escher
 
Arquitetura e artes visuais no período moderno
Arquitetura e artes visuais no período modernoArquitetura e artes visuais no período moderno
Arquitetura e artes visuais no período moderno
 
Pós impressionismo
Pós impressionismoPós impressionismo
Pós impressionismo
 
Frida kahlo
Frida kahloFrida kahlo
Frida kahlo
 
2º ano revisão (4º bimestre)
2º ano   revisão (4º bimestre) 2º ano   revisão (4º bimestre)
2º ano revisão (4º bimestre)
 
Fundamentos da Linguagem Visual
Fundamentos da Linguagem Visual Fundamentos da Linguagem Visual
Fundamentos da Linguagem Visual
 
Arte afro brasileira
Arte afro brasileiraArte afro brasileira
Arte afro brasileira
 
Neoclassicismo, romantismo e realismo
Neoclassicismo, romantismo e realismoNeoclassicismo, romantismo e realismo
Neoclassicismo, romantismo e realismo
 
Arte pré colombiana
Arte pré colombianaArte pré colombiana
Arte pré colombiana
 
Missão artistica francesa, academicismo e impressionismo
Missão artistica francesa, academicismo e impressionismo Missão artistica francesa, academicismo e impressionismo
Missão artistica francesa, academicismo e impressionismo
 
Bruno giorgi - PAS I
Bruno giorgi - PAS IBruno giorgi - PAS I
Bruno giorgi - PAS I
 
Pirâmides
PirâmidesPirâmides
Pirâmides
 

Semelhante a Modernismo america latina

Semelhante a Modernismo america latina (20)

O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
 
Galeria de Arte - Expressionismo e Surrealismo no Brasil
Galeria de Arte - Expressionismo e Surrealismo no BrasilGaleria de Arte - Expressionismo e Surrealismo no Brasil
Galeria de Arte - Expressionismo e Surrealismo no Brasil
 
Arte contemporanea
Arte contemporaneaArte contemporanea
Arte contemporanea
 
Serpa, ivan ferreira
Serpa, ivan ferreiraSerpa, ivan ferreira
Serpa, ivan ferreira
 
Centro de ensino sâmela
Centro de ensino   sâmelaCentro de ensino   sâmela
Centro de ensino sâmela
 
Expressionismo e surrealismo no brasil
Expressionismo e surrealismo no brasilExpressionismo e surrealismo no brasil
Expressionismo e surrealismo no brasil
 
Centro de ensino edison lobão bruno
Centro de ensino edison lobão brunoCentro de ensino edison lobão bruno
Centro de ensino edison lobão bruno
 
Centro de ensino edison lobão1
Centro de ensino edison lobão1Centro de ensino edison lobão1
Centro de ensino edison lobão1
 
Arte do Modernismo ao Contemporâneo Brasil.pptx
Arte  do Modernismo ao Contemporâneo Brasil.pptxArte  do Modernismo ao Contemporâneo Brasil.pptx
Arte do Modernismo ao Contemporâneo Brasil.pptx
 
Modernismo Modernismo
Modernismo   ModernismoModernismo   Modernismo
Modernismo Modernismo
 
Representação do negro nas artes plásticas
Representação do negro nas artes plásticasRepresentação do negro nas artes plásticas
Representação do negro nas artes plásticas
 
História da Arte: Pintura mural
História da Arte: Pintura muralHistória da Arte: Pintura mural
História da Arte: Pintura mural
 
Artistas plásticos brasileiros
Artistas plásticos brasileirosArtistas plásticos brasileiros
Artistas plásticos brasileiros
 
Artes (2) weverton
Artes (2) wevertonArtes (2) weverton
Artes (2) weverton
 
Clark, lígia
Clark, lígiaClark, lígia
Clark, lígia
 
Arte a partir dos anos 1950 contemporânea
Arte  a partir dos anos 1950  contemporânea Arte  a partir dos anos 1950  contemporânea
Arte a partir dos anos 1950 contemporânea
 
Semana de 22
Semana de 22Semana de 22
Semana de 22
 
Artes (6)
Artes (6)Artes (6)
Artes (6)
 
25 arte anos 1950 2020
25 arte anos 1950 202025 arte anos 1950 2020
25 arte anos 1950 2020
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
 

Último

Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persafelipescherner
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 

Último (20)

Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 

Modernismo america latina

  • 2. Características gerais  Negação do arte bastante européia de anos anteriores  Valorização da cultura local  Influências de movimentos europeus  Rompimento com academias  Divulgação de idéias, propostas e manifestos em revistas de arte como a Klaxon, Antropofágica, etc.  Impacto das revoluções mexicana e russa
  • 3. José Clemente Orozco  Mexicano (1883-1949)  Cursou agronomia e arquitetura por pressão da família  Estudou artes e seguiu trabalhando com ilustrações, caricaturas e pinturas  Muralista  Pintura idealista e para o povo  Usava como referência os trabalhos maias e astecas  Trabalhou ao lado de Diego Rivera e Davi Alfaro Siqueiros  Imagens extremamente emotivas e muitas vezes violentas  Se influenciou pelos barrocos em termos de
  • 4. Dioses del mundo moderno (1932)
  • 5. PAS – UnB 3ª Etapa (2013)
  • 6. Respostas  11 – C  12 – C  13 – C
  • 7. Torres García  Montevidéu, Uruguai 1874 - 1949  Durante a juventude se muda com a família para a Espanha onde integrou um grupo de intelectuais que retomava aspectos da antiguidade clássica.  Neste período pinta diversos murais em Barcelona com influência clássica.  Trabalha coletivamente com o arquiteto Antônio Gaudí na elaboração de vitrais para a igreja “Sagrada Família”, sendo que este não aprecia seu trabalho  É influenciado por artistas de diversas vanguardas européias  De volta ao Uruguai procura desenvolver uma arte da América do Sul, trabalhando sem parar com pintura, palestras, lecionando e escrevendo sobre arte  Cria o Universalismo Construtivo
  • 9. “Tenho dito Escola do Sul porque, na realidade, nosso norte é o Sul. Não deve haver norte, para nós, senão por oposição ao nosso Sul. Por isso agora colocamos o mapa ao contrário, e então já temos uma justa ideia de nossa posição, e não como querem no resto do mundo. A ponta da América, desde já, prolongando-se, aponta insistentemente para o Sul, nosso norte.” Torres Garcia, 1941
  • 11. PAS – UnB 3ª Etapa (2013)
  • 12. Respostas  38 – C  39 - E
  • 13. Semana de arte moderna de 22  Anita Malfatti expõe em 1917 suas pinturas e recebe forte crítica de Monteiro Lobato no jornal  A crítica estimula artistas a se posicionarem e a produzirem e discutirem abertamente arte moderna.  A partir dessas discussões organizam uma semana de arte moderna que abrange as artes visuais, a música e o teatro, considerada um marco na arte brasileira.  Os artistas produziam influenciados pelas vanguardas européias mas com os olhos voltados para a cultura brasileira.  Deu origem ao Movimento Pau-Brasil, o Movimento Verde-Amarelo, o Grupo da Anta, e o Movimento Antropofágico.
  • 14. Portinari  Nasce em Bródosqui, em 1903, em uma fazenda de café no interior de São Paulo, filho de imigrantes italianos. Falece no Rio de Janeiro, em 1962.  Pintor, gravador, ilustrador e professor.  Recebe apenas instrução primária e aos 15 anos vai para o Rio de Janeiro estudar pintura.  Portinari pintou os painéis Guerra e Paz (14m x 10m) em nove meses, após quatro anos de estudos preparatórios (cerca de 180).  Guerra e Paz foi instalado no hall de entrada da sala da Assembléia Geral, em 1957, o espaço mais importante da sede da ONU de Nova Iorque.
  • 15.
  • 16.
  • 17. PAS – UnB 3ª Etapa (2012)
  • 18. Respostas  11 – E  12 - X
  • 19.
  • 20. Francisco Galeno  (Parnaíba, 1957) Piauiense radicado em Brasília  passou pelo teatro, música e futebol antes de se estabelecer nas artes visuais  Foi convidado para pintar o interior da igrejinha, anteriormente pintado pelo artista moderno Alfredo Volpi.  Artista contemporâneo com forte relação com trabalhos modernos
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24. Arquitetura  Funcionalidade  Novos materiais disponíveis ex.: concreto armado, estruturas de ferro e vidro.  Pouca ornamentação  Linhas curvas (Niemeyer)  Construção de Brasília
  • 25. Beijódromo  Projeto de João filgueiras Lelé  Nome oficial: Memorial Darcy Ribeiro  Ideia inicial do próprio Darcy Ribeiro, como espaço de convivência entre estudante  Baseado nas construções dos povos indígenas do xingu  Projeto executado foi a terceira versão apresentada pelo arquiteto  Relação com disco voador  Se assemelha à arquitetura modernista da cidade
  • 26.
  • 28. painel de azulejos FE  Criado por Luis Humberto Martins Pereira  Arquiteto e fotógrafo  Trabalhou em colaboração com Athos Bulcão, P. E. Salles Gomes e Alfredo Ceschiatti.  Trabalhou na criação do conjunto arquitetônico da Faculdade de Educação da UnB.
  • 29.
  • 30. Glenio Bianchetti  Nasce em1928 (Brasil, Rio Grande do Sul, Bagé)  Pintor, Desenhista, Gravador, Tapeceiro, Professor de artes plásticas, Ilustrador  Professor da UnB entre 1962 e 65, sendo reintegrado novamente em 1988.  Colabora na criação do Museu de Arte de Brasília a partir de 1970  Integra em 1940 o Grupo de Bagé e em 1947 o Clube de Gravuras de Porto Alegre  Retrata cotidiano das classes mais pobres, trabalhos e costumes regionais  É influenciado pelo expressionismo  Trabalha com grande contraste, sem a presença de cinzas.  A partir de 1960 se dedica mais a pintura, retratando paisagens e naturezas mortas e, a partir da década de 70, se dedica à imagens mais abstratas com grandes áreas de cor e influência do cubismo
  • 31. Jogo do osso Glênio Bianchetti. Jogo do osso. Xilogravura. 1955.
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35. Helio Oiticica  Nasce em1937 e falece em 1980, no Rio de Janeiro  Filho de artistas e com avô anarquista  Vai morar no morro da mangueira em determinado momento  Inicia suas pesquisar de forma concreta e vai ampliando seus trabalhos para o espaço  Integrou o grupo Frente e o grupo Neoconcreto  Trouxe o espectador para dentro da obra, incialmente com instalações como “Tropicália”, as quais o artista chamava de “penetráveis”, e depois com seus “Parangolés”.
  • 36. Tropicália  Tropicália Hélio Oiticica. Tropicália. Instalação. 1967
  • 37.
  • 38.
  • 39.