SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Modernismo brasileiro
PAS II
Semana de arte moderna de 22
• Anita Malfatti expõe em 1917 suas pinturas e recebe forte
crítica de Monteiro Lobato no jornal
• A crítica estimula artistas a se posicionarem e a
produzirem e discutirem abertamente arte moderna.
• A partir dessas discussões organizam uma semana de
arte moderna que abrange as artes visuais, a música e o
teatro, considerada um marco na arte brasileira.
• Os artistas produziam influenciados pelas vanguardas
européias mas com os olhos
voltados para a cultura brasileira.
• Deu origem ao Movimento
Pau-Brasil, o Movimento
Verde-Amarelo, o Grupo da Anta,
e o Movimento Antropofágico.
Vitor Brecheret
• Vittorio Breheret (São Paulo SP 1894 - idem 1955).
• Escultor, estuda e produz no Brasil, na Itália e na França
• É influênciado pela arte decó
• Participa ativamente da semana de arte moderna de 22
• Começa com formas mais naturalistas e vai buscando
formas mais sintéticas, com volume geométrico e
estilizadas
• A partir da década de 40 se aproxima de temas
indígenas, utilizando pedras arredondadas como
material e fazendo pequenas inscrições, de forma que
seu formato natural era mantido. Ele evoca, ainda o
caráter sagrado das pedras.
Monumento às bandeiras (1953)
Bartira (1952)
Bartira
• Localizada na Faculdade de Educação da UnB;
• Inicialmente foi doada para o Ministério da
Educação que, durante administração de Darcy
Ribeiro, em 1962, foi doada para a universidade;
• Retrata a índia Bartira, que foi casada com o
português João Ramalho, amamentando na rede;
• Acredita-se que o casal teve vários filhos dos quais
descendem boa parte da população brasileira;
• A obra foi restaurada em 2013 para que voltasse à
cor original, modificada pela ação do clima.
Questão 9
A Semana de Arte Moderna de 1922 tinha como principal objetivo:
a) A convicção estética e política de modernizar a arte brasileira, livrando-a da
influência européia e buscando criar uma cultura nacional pura.
b) Celebrar a cultura nacional como base ideológica e romper com as correntes
artísticas européias que dominavam a arte brasileira, assimilando e
reelaborando alguns de seus aspectos.
c) Retomar a arte acadêmica como forma de oposição ao barroco, celebrado
até então como verdadeira arte nacional.
d) Usar o nacionalismo romântico com sua busca por uma “cor local” como
principal referência para se criar uma arte nacional.
e) Romper com a influência das culturas “primitivas” dos trópicos (ameríndias
e africanas), buscando aliar a nossa arte à vanguarda européia
UEL – 2009
Resposta
• B
Frans Krajcberg
• nasce em Kozienice, Polônia, 1921
• Perde a familia em um campo de concentração
• Chega ao Brasil em 1948 e naturaliza-se como
brasileiro em 1957
• pintor, escultor, gravador e fotógrafo
• Desde 1971 reside no sul da Bahia e na década de
80 começa a trabalhar com raízes, cipós, caules e
minerais, com trabalhos associados à
preservação do meio ambiente
Flor do mangue (1965)
PAS- UNB 2ª etapa 2010
Frans Krajcberg. Flor do mangue.
Matança (Jatobá)
Cipó caboclo tá subindo na virola Chegou a hora do pinheiro balançar Sentir o cheiro do mato da imburana
Descansar morrer de sono na sombra da barriguda De nada vale tanto esforço do meu canto
Pra nosso espanto tanta mata haja vão matar Tal mata Atlântica e a próxima Amazônica Arvoredos seculares
impossível replantar (...)
Quem pro acaso ouviu falar da sucupira Parece até mentira que o jacarandá Antes de virar poltrona porta
armário Mora no dicionário vida eterna secular
Quem hoje é vivo corre perigo E os inimigos do verde da sombra o ar Que se respira e a clorofila Das matas
virgens destruídas vão lembrar Que quando chegar a hora É certo que não demora Não chame Nossa
Senhora Só quem pode nos salvar é
Caviúna, cerejeira, baraúna Imbuia, pau-d’arco, Juazeiro e jatobá Gonçalo-alves, paraíba, itaúba Louro, ipê,
paracaúba
Peroba, maçaranduba Carvalho, mogno, canela, imbuzeiro Catuaba, janaúba, aroeira, araribá Pau-ferro,
anjico, amargoso, gameleira Andiroba, copaíba, pau-brasil, jequitibá
Considerando o trecho da canção Matança, do compositor Jatobá, e a figura que ilustra a escultura Flor do
mangue, de Frans Krajcberg, julgue os itens de 77 a 79.
78 Krajcberg, por meio de suas obras que apresentam árvores
carbonizadas, ressalta a problemática do desenvolvimento
ecologicamente não sustentável, expressando, assim, um manifesto
a favor da preservação do meio ambiente.
79 A escultura Flor do mangue e a letra da canção Matança, centradas
na mesma temática, a destruição ambiental, aproximam-se na
forma de composição da obra, visto que Krajcberg utiliza resíduos
de árvores mortas, e o compositor Jatobá se expressa por meio de
variedade linguística arcaica, ou seja, fora de uso, morta.
Respostas
• 78 – C
• 79 - E
Waldemar cordeiro
• Nasceu em 1925 (Roma, Itália) e faleceu em 1973 (São Paulo)
• Crítico de arte, Desenhista, Ilustrador, Artista multimídia,
Pintor, Urbanista, Paisagista, Professor universitário
• Filho de uma italiana com um brasileiro, é registrado na
embaixada brasileira, tendo assim a nacionalidade brasileira.
• Durante o regime fascista italiano se aproxima do partido
comunista
• Torna-se teórico e líder do Grupo Ruptura, de caráter
concreto, fundado em 1952
• Em 1968, dá início às pesquisas de arte em computador, em
parceria do físico Giorgio Moscati.
• Acredita na arte como campo de conhecimento que mudaria o
mundo através da criação do novo
Autorretrato Probabilístico, 1967
Waldemar Cordeiro. Auto-retrato probabilístico. Técnica mista. 1967
Internet http://arteseanp.blogspot.com.br/2012/01/waldemar-cordeiro-popcreto.html
PAS – UnB
2ª etapa
2015
Respostas
• 11 – E
• 12 - C

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Artes rafaela camilo
Artes   rafaela camiloArtes   rafaela camilo
Artes rafaela camilo
 
Plano de aula -Arte Contemporânea-Individual
Plano de aula -Arte Contemporânea-IndividualPlano de aula -Arte Contemporânea-Individual
Plano de aula -Arte Contemporânea-Individual
 
Luana lima ribeiro
Luana lima ribeiroLuana lima ribeiro
Luana lima ribeiro
 
Bruno Giorgi - Artes
Bruno Giorgi - Artes Bruno Giorgi - Artes
Bruno Giorgi - Artes
 
Artes (7)
Artes (7)Artes (7)
Artes (7)
 
Centro de ensino sâmela
Centro de ensino   sâmelaCentro de ensino   sâmela
Centro de ensino sâmela
 
Artistas plásticos brasileiros
Artistas plásticos brasileirosArtistas plásticos brasileiros
Artistas plásticos brasileiros
 
Centro de ensino edison lobão bruno
Centro de ensino edison lobão brunoCentro de ensino edison lobão bruno
Centro de ensino edison lobão bruno
 
Século xix no brasil (i)
Século xix no brasil (i)Século xix no brasil (i)
Século xix no brasil (i)
 
Thiago de carvalho caique xavier
Thiago de carvalho   caique xavierThiago de carvalho   caique xavier
Thiago de carvalho caique xavier
 
Tarsila do amaral 2
Tarsila do amaral 2Tarsila do amaral 2
Tarsila do amaral 2
 
Centro de ensino milton
Centro de ensino    miltonCentro de ensino    milton
Centro de ensino milton
 
Século xix na europa (II)
Século xix na europa (II)Século xix na europa (II)
Século xix na europa (II)
 
Artes (2) weverton
Artes (2) wevertonArtes (2) weverton
Artes (2) weverton
 
Obras dos pintores artes
Obras dos pintores  artesObras dos pintores  artes
Obras dos pintores artes
 
Arte moderna principais artistas
Arte moderna   principais artistasArte moderna   principais artistas
Arte moderna principais artistas
 
Serpa, ivan ferreira
Serpa, ivan ferreiraSerpa, ivan ferreira
Serpa, ivan ferreira
 
Século xx no brasil (1) consuello
Século xx no brasil (1)   consuelloSéculo xx no brasil (1)   consuello
Século xx no brasil (1) consuello
 
Modernismo brasileiro2
Modernismo brasileiro2Modernismo brasileiro2
Modernismo brasileiro2
 
Alfredo volpi
Alfredo volpiAlfredo volpi
Alfredo volpi
 

Destaque (14)

Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
 
Arquitetura e artes visuais no período moderno
Arquitetura e artes visuais no período modernoArquitetura e artes visuais no período moderno
Arquitetura e artes visuais no período moderno
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Seiscentismo
SeiscentismoSeiscentismo
Seiscentismo
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
M. C. Escher
M. C. EscherM. C. Escher
M. C. Escher
 
Frida kahlo
Frida kahloFrida kahlo
Frida kahlo
 
Pós impressionismo
Pós impressionismoPós impressionismo
Pós impressionismo
 
2º ano revisão (4º bimestre)
2º ano   revisão (4º bimestre) 2º ano   revisão (4º bimestre)
2º ano revisão (4º bimestre)
 
Arte afro brasileira
Arte afro brasileiraArte afro brasileira
Arte afro brasileira
 
Fundamentos da Linguagem Visual
Fundamentos da Linguagem Visual Fundamentos da Linguagem Visual
Fundamentos da Linguagem Visual
 
Neoclassicismo, romantismo e realismo
Neoclassicismo, romantismo e realismoNeoclassicismo, romantismo e realismo
Neoclassicismo, romantismo e realismo
 
Arte pré colombiana
Arte pré colombianaArte pré colombiana
Arte pré colombiana
 
Pirâmides
PirâmidesPirâmides
Pirâmides
 

Semelhante a Semana de Arte Moderna de 1922 e artistas pioneiros do modernismo brasileiro

Prova 1 unidade ensino medio
Prova  1 unidade  ensino medioProva  1 unidade  ensino medio
Prova 1 unidade ensino medioFátima Soares
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroJunior Onildo
 
QUESTÕES SOBRE A SEMANA DE ARTE MODERNA NO ENEM.docx
QUESTÕES SOBRE A SEMANA DE ARTE MODERNA NO ENEM.docxQUESTÕES SOBRE A SEMANA DE ARTE MODERNA NO ENEM.docx
QUESTÕES SOBRE A SEMANA DE ARTE MODERNA NO ENEM.docxJanelindinha Sempre
 
Arte moderna brasileira
Arte moderna brasileiraArte moderna brasileira
Arte moderna brasileiraArte Educadora
 
Arte do Modernismo ao Contemporâneo Brasil.pptx
Arte  do Modernismo ao Contemporâneo Brasil.pptxArte  do Modernismo ao Contemporâneo Brasil.pptx
Arte do Modernismo ao Contemporâneo Brasil.pptxEdnaAlves81
 
Representação do negro nas artes plásticas
Representação do negro nas artes plásticasRepresentação do negro nas artes plásticas
Representação do negro nas artes plásticasCEF16
 
MATERIAL-QUESTÕES DE ARTE-novembro.docx
MATERIAL-QUESTÕES DE ARTE-novembro.docxMATERIAL-QUESTÕES DE ARTE-novembro.docx
MATERIAL-QUESTÕES DE ARTE-novembro.docxBeto Cavalcante
 
SEMANA DE ARTE MODERNA.pdf
SEMANA DE ARTE MODERNA.pdfSEMANA DE ARTE MODERNA.pdf
SEMANA DE ARTE MODERNA.pdfRenataKiffer5
 
Galeria de Arte - Expressionismo e Surrealismo no Brasil
Galeria de Arte - Expressionismo e Surrealismo no BrasilGaleria de Arte - Expressionismo e Surrealismo no Brasil
Galeria de Arte - Expressionismo e Surrealismo no BrasilSuzy Nobre
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasilJonatas Carlos
 
Modernismo: Semana de 22 e 1ª Fase
Modernismo: Semana de 22 e 1ª FaseModernismo: Semana de 22 e 1ª Fase
Modernismo: Semana de 22 e 1ª FaseNome Sobrenome
 
Expressionismo e surrealismo no brasil
Expressionismo e surrealismo no brasilExpressionismo e surrealismo no brasil
Expressionismo e surrealismo no brasilmundica broda
 
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Aulas 2 - 3 e 4
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Aulas 2 - 3 e 4História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Aulas 2 - 3 e 4
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Aulas 2 - 3 e 4Paula Poiet
 

Semelhante a Semana de Arte Moderna de 1922 e artistas pioneiros do modernismo brasileiro (20)

Prova 1 unidade ensino medio
Prova  1 unidade  ensino medioProva  1 unidade  ensino medio
Prova 1 unidade ensino medio
 
Exercicios semana de arte
Exercicios semana de arteExercicios semana de arte
Exercicios semana de arte
 
Arte contemporanea
Arte contemporaneaArte contemporanea
Arte contemporanea
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
 
QUESTÕES SOBRE A SEMANA DE ARTE MODERNA NO ENEM.docx
QUESTÕES SOBRE A SEMANA DE ARTE MODERNA NO ENEM.docxQUESTÕES SOBRE A SEMANA DE ARTE MODERNA NO ENEM.docx
QUESTÕES SOBRE A SEMANA DE ARTE MODERNA NO ENEM.docx
 
Arte moderna brasileira
Arte moderna brasileiraArte moderna brasileira
Arte moderna brasileira
 
Arte do Modernismo ao Contemporâneo Brasil.pptx
Arte  do Modernismo ao Contemporâneo Brasil.pptxArte  do Modernismo ao Contemporâneo Brasil.pptx
Arte do Modernismo ao Contemporâneo Brasil.pptx
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Representação do negro nas artes plásticas
Representação do negro nas artes plásticasRepresentação do negro nas artes plásticas
Representação do negro nas artes plásticas
 
MATERIAL-QUESTÕES DE ARTE-novembro.docx
MATERIAL-QUESTÕES DE ARTE-novembro.docxMATERIAL-QUESTÕES DE ARTE-novembro.docx
MATERIAL-QUESTÕES DE ARTE-novembro.docx
 
Maiolino 2C15
Maiolino 2C15Maiolino 2C15
Maiolino 2C15
 
SEMANA DE ARTE MODERNA.pdf
SEMANA DE ARTE MODERNA.pdfSEMANA DE ARTE MODERNA.pdf
SEMANA DE ARTE MODERNA.pdf
 
Modernismo Modernismo
Modernismo   ModernismoModernismo   Modernismo
Modernismo Modernismo
 
Galeria de Arte - Expressionismo e Surrealismo no Brasil
Galeria de Arte - Expressionismo e Surrealismo no BrasilGaleria de Arte - Expressionismo e Surrealismo no Brasil
Galeria de Arte - Expressionismo e Surrealismo no Brasil
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
 
Modernismo: Semana de 22 e 1ª Fase
Modernismo: Semana de 22 e 1ª FaseModernismo: Semana de 22 e 1ª Fase
Modernismo: Semana de 22 e 1ª Fase
 
Tarsila do Amaral
Tarsila do AmaralTarsila do Amaral
Tarsila do Amaral
 
Expressionismo e surrealismo no brasil
Expressionismo e surrealismo no brasilExpressionismo e surrealismo no brasil
Expressionismo e surrealismo no brasil
 
Modernismo 8ºano
Modernismo 8ºanoModernismo 8ºano
Modernismo 8ºano
 
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Aulas 2 - 3 e 4
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Aulas 2 - 3 e 4História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Aulas 2 - 3 e 4
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Aulas 2 - 3 e 4
 

Último

Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 

Último (20)

Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 

Semana de Arte Moderna de 1922 e artistas pioneiros do modernismo brasileiro

  • 2. Semana de arte moderna de 22 • Anita Malfatti expõe em 1917 suas pinturas e recebe forte crítica de Monteiro Lobato no jornal • A crítica estimula artistas a se posicionarem e a produzirem e discutirem abertamente arte moderna. • A partir dessas discussões organizam uma semana de arte moderna que abrange as artes visuais, a música e o teatro, considerada um marco na arte brasileira. • Os artistas produziam influenciados pelas vanguardas européias mas com os olhos voltados para a cultura brasileira. • Deu origem ao Movimento Pau-Brasil, o Movimento Verde-Amarelo, o Grupo da Anta, e o Movimento Antropofágico.
  • 3. Vitor Brecheret • Vittorio Breheret (São Paulo SP 1894 - idem 1955). • Escultor, estuda e produz no Brasil, na Itália e na França • É influênciado pela arte decó • Participa ativamente da semana de arte moderna de 22 • Começa com formas mais naturalistas e vai buscando formas mais sintéticas, com volume geométrico e estilizadas • A partir da década de 40 se aproxima de temas indígenas, utilizando pedras arredondadas como material e fazendo pequenas inscrições, de forma que seu formato natural era mantido. Ele evoca, ainda o caráter sagrado das pedras.
  • 6. Bartira • Localizada na Faculdade de Educação da UnB; • Inicialmente foi doada para o Ministério da Educação que, durante administração de Darcy Ribeiro, em 1962, foi doada para a universidade; • Retrata a índia Bartira, que foi casada com o português João Ramalho, amamentando na rede; • Acredita-se que o casal teve vários filhos dos quais descendem boa parte da população brasileira; • A obra foi restaurada em 2013 para que voltasse à cor original, modificada pela ação do clima.
  • 7. Questão 9 A Semana de Arte Moderna de 1922 tinha como principal objetivo: a) A convicção estética e política de modernizar a arte brasileira, livrando-a da influência européia e buscando criar uma cultura nacional pura. b) Celebrar a cultura nacional como base ideológica e romper com as correntes artísticas européias que dominavam a arte brasileira, assimilando e reelaborando alguns de seus aspectos. c) Retomar a arte acadêmica como forma de oposição ao barroco, celebrado até então como verdadeira arte nacional. d) Usar o nacionalismo romântico com sua busca por uma “cor local” como principal referência para se criar uma arte nacional. e) Romper com a influência das culturas “primitivas” dos trópicos (ameríndias e africanas), buscando aliar a nossa arte à vanguarda européia UEL – 2009
  • 9. Frans Krajcberg • nasce em Kozienice, Polônia, 1921 • Perde a familia em um campo de concentração • Chega ao Brasil em 1948 e naturaliza-se como brasileiro em 1957 • pintor, escultor, gravador e fotógrafo • Desde 1971 reside no sul da Bahia e na década de 80 começa a trabalhar com raízes, cipós, caules e minerais, com trabalhos associados à preservação do meio ambiente
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13. Flor do mangue (1965)
  • 14. PAS- UNB 2ª etapa 2010 Frans Krajcberg. Flor do mangue. Matança (Jatobá) Cipó caboclo tá subindo na virola Chegou a hora do pinheiro balançar Sentir o cheiro do mato da imburana Descansar morrer de sono na sombra da barriguda De nada vale tanto esforço do meu canto Pra nosso espanto tanta mata haja vão matar Tal mata Atlântica e a próxima Amazônica Arvoredos seculares impossível replantar (...) Quem pro acaso ouviu falar da sucupira Parece até mentira que o jacarandá Antes de virar poltrona porta armário Mora no dicionário vida eterna secular Quem hoje é vivo corre perigo E os inimigos do verde da sombra o ar Que se respira e a clorofila Das matas virgens destruídas vão lembrar Que quando chegar a hora É certo que não demora Não chame Nossa Senhora Só quem pode nos salvar é Caviúna, cerejeira, baraúna Imbuia, pau-d’arco, Juazeiro e jatobá Gonçalo-alves, paraíba, itaúba Louro, ipê, paracaúba Peroba, maçaranduba Carvalho, mogno, canela, imbuzeiro Catuaba, janaúba, aroeira, araribá Pau-ferro, anjico, amargoso, gameleira Andiroba, copaíba, pau-brasil, jequitibá Considerando o trecho da canção Matança, do compositor Jatobá, e a figura que ilustra a escultura Flor do mangue, de Frans Krajcberg, julgue os itens de 77 a 79. 78 Krajcberg, por meio de suas obras que apresentam árvores carbonizadas, ressalta a problemática do desenvolvimento ecologicamente não sustentável, expressando, assim, um manifesto a favor da preservação do meio ambiente. 79 A escultura Flor do mangue e a letra da canção Matança, centradas na mesma temática, a destruição ambiental, aproximam-se na forma de composição da obra, visto que Krajcberg utiliza resíduos de árvores mortas, e o compositor Jatobá se expressa por meio de variedade linguística arcaica, ou seja, fora de uso, morta.
  • 15. Respostas • 78 – C • 79 - E
  • 16. Waldemar cordeiro • Nasceu em 1925 (Roma, Itália) e faleceu em 1973 (São Paulo) • Crítico de arte, Desenhista, Ilustrador, Artista multimídia, Pintor, Urbanista, Paisagista, Professor universitário • Filho de uma italiana com um brasileiro, é registrado na embaixada brasileira, tendo assim a nacionalidade brasileira. • Durante o regime fascista italiano se aproxima do partido comunista • Torna-se teórico e líder do Grupo Ruptura, de caráter concreto, fundado em 1952 • Em 1968, dá início às pesquisas de arte em computador, em parceria do físico Giorgio Moscati. • Acredita na arte como campo de conhecimento que mudaria o mundo através da criação do novo
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 22. Waldemar Cordeiro. Auto-retrato probabilístico. Técnica mista. 1967 Internet http://arteseanp.blogspot.com.br/2012/01/waldemar-cordeiro-popcreto.html
  • 23. PAS – UnB 2ª etapa 2015
  • 24. Respostas • 11 – E • 12 - C