SlideShare uma empresa Scribd logo
“Meu Reino não é deste mundo”
Jesus Cristo, Jo, 18,33, 36 e 37.
Capítulo 2 – Evangelho segundo o Espiritismo
Eduardo Ottonelli Pithan
Grupo Vagalumes – Novo Hamburgo
51.82042277
EVANGELHO SEGUNDO ESPIRITISMO, Allan Kardec, Cap. II.
LIVRO DOS ESPIRITOS, Allan Kardec, questões 132, 166,
167 e 168
O CÉU E O INFERNO, Allan Kardec, Código Penal da Vida
Futura art. 10 e 16.
O CONSOLADOR, de Chico Xavier ditado por Emmanuel
questões 246.
“CÓPIA DA PALESTRA” no SLIDESHARE ou solicitar por email
eduardopithan64@gmail.com
Referências Bibliográficas
Evangelho Segundo o Espiritismo
Evangelho segundo o Espiritismo
1. “Pilatos, entrando de novo no palácio, chamou Jesus e perguntou:
“Você é o rei dos judeus?” E Jesus respondeu: “O meu reino não é
deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, certamente Meus
seguidores teriam lutado para que Eu não caísse nas mãos dos
judeus, mas por enquanto Meu reino ainda não é daqui.” E Pilatos
lhe perguntou: “Então você é rei?”. E Jesus respondeu ”Você está
dizendo que Eu sou rei. Eu nasci e vim a este mundo para dar
testemunho da verdade, e todo aquele que segue a verdade, ouve a
minha voz.
(João, 18: 33, 36 e 37)
VERDADEIRA VIDA não está na Terra, mas no reino
dos Céus; PÁTRIA ESPIRITUAL
Por enquanto a terra ainda não pertence ao meu
Reino (amor, fraternidade, bem, tolerância,
humildade e compaixão ainda NÃO
PREDOMINAM)
Missão de JESUS: Testemunhar a verdade
(Verdadeira vida na pátria espiritual. TERRA só
passagem)
O que Jesus esclareceu com esta
diálogo?
 Por estas palavras, JESUS diz claramente que a vida futura
deve ser a principal preocupação dos homens que vivem na
terra;
 Sem a vida futura, a maioria de seus ensinamentos morais
não teria nenhuma razão de ser. (todas as parábolas e
passagens falam de julgamentos e de avaliações, cujo
resultado será alegrias ou ranger de dentes);
 A vida futura deve ser considerada o principal ensinamento
de Jesus. Ela deve ser meta de todos os homens;
 Somente a continuação da vida pode explicar as grandes
diferenças que existem entre os homens na terra e fazer
com que a justiça de Deus se cumpra ao longo do tempo;
2. VIDA FUTURA
 Os judeus não compreendia muito bem a vida futura e acreditavam que
os anjos eram seres privilegiados da criação; (QUEM SÃO OS ANJOS?)
 Mais tarde, JESUS veio ensinar que existe um outro mundo, onde a
justiça de Deus segue seu curso e onde os bons, que procuram seguir
seus mandamentos, encontram sua recompensa. Esse outro mundo é o
mundo espiritual, para onde Jesus retorna após deixar a terra.
 Com o Espiritismo, a vida futura não é mais um simples artigo de fé,
uma incerteza: é uma realidade material demonstrada pelos fatos. São
as testemunhas oculares que vêm descrevê-la em todas as suas fases e
em todos os seus detalhes;
 Assim, a verdadeira justiça de Deus somente irá se cumprir na vida
futura, onde através das sucessivas reencarnações será possível
resgatar nossos erros.
2. VIDA FUTURA
Imortalidade do Espírito
Através de Jesus aprendemos e
entendemos que as reencarnações,
desde o início, são experiências que
nos possibilitam a evolução.
TERRA
Reencarnar
Desencarnar
Se
preparar
PRIMITIVOS
PROVAS E
EXPIAÇÕES
REGENERAÇÃO FELIZES
CELESTES
OU
DIVINOS
O CÉU E O INFERNO
Código Penal da Vida Futura
10º - O Espírito sofre, quer no mundo corporal, quer no espiritual, a
consequências das suas imperfeições. As misérias, as vicissitudes
padecidas na vida corpórea, são oriundas das nossas imperfeições, são
expiações de faltas cometidas na presente ou em precedentes
existências. Pela natureza dos sofrimentos e vicissitudes da vida
corpórea, pode julgar-se a natureza das faltas cometidas em anterior
existência, e das imperfeições que as originaram.
16º - O ARREPENDIMENTO, conquanto seja o primeiro passo para a
regeneração, não basta por si só; são precisas a EXPIAÇÃO e a
REPARAÇÃO. Arrependimento, expiação e reparação constituem,
portanto, as três condições necessárias para apagar os traços de uma
falta e suas consequências. O arrependimento suaviza os travos da
expiação, abrindo pela esperança o caminho da reabilitação; só a
reparação, contudo, pode anular o efeito destruindo-lhe a causa. Do
contrário, o perdão seria uma graça, não uma anulação.
O CÉU E O INFERNO
Código Penal da Vida Futura
Porque voltamos em diversas situações
tão diferentes?
ARREPENDIMENTO
EXPIAÇÃO/PROVA
REPARAÇÃO
Livro O Consolador
O CONSOLADOR – Chico Xavier, por Emmanuel
246 –Qual a diferença entre provação e expiação?
A provação é a luta que ensina ao discípulo rebelde e
preguiçoso a estrada do trabalho e da edificação espiritual.
A expiação é a pena imposta ao malfeitor que comete um
crime.
PROVAS # EXPIAÇÃO
PROVAS
Escolhidas
EXPIAÇÕES
Impostas
Livro dos Espíritos
Livro dos Espíritos
132. Qual o objetivo da encarnação dos Espíritos?
“Deus lhes impõe a encarnação com o fim de fazê-los chegar à perfeição.
Para uns, é expiação; para outros, missão.
166. Como pode a alma, que não alcançou a perfeição durante a vida
corpórea, acabar de depurar-se?
“Sofrendo a prova de uma nova existência.”
b) - A alma passa então por muitas existências corporais?
“Sim, todos contamos muitas existências. Os que dizem o contrário
pretendem manter-vos na ignorância em que eles próprios se encontram.
Esse o desejo deles.”
c) - Parece resultar desse princípio que a alma, depois de haver deixado
um corpo, toma outro, ou, então, que reencarna em novo corpo. E assim
que se deve entender?
“Evidentemente.”
 A realeza terrena termina com a vida; a realeza moral
ainda governa, sobrepondo-se além da morte. Sob esse
aspecto, Jesus não é um rei mais poderoso do que todos
os soberanos?
 JESUS se impôs pelo seu exemplo, sua moral, sua forma
de agir e se impôs pela paz!
4. A REALEZA DE JESUS
 Para aquele que se coloca, pelo pensamento, na vida espiritual, que é
infinita, a vida corporal não é mais do que uma passagem, uma curta
permanência em um país ingrato.
 Os reveses e as amarguras da vida terrena não são mais do que
incidentes que recebe com paciência, pois sabe que são de curta
duração e devem ser seguidos por um estado mais feliz. A morte não
tem mais nada de assustador; não é mais a porta do nada, mas a da
libertação, que abre para o exilado a entrada de uma morada de
felicidade e de paz.
 Quando o homem não tem certeza na vida futura, concentra todo
seu pensamento na vida terrena, dedicando-se inteiramente ao
presente. Ele não compreende que possam existir bens mais
preciosos que os da terra e age como uma criança que nada vê além
dos seus brinquedos. Assim, o homem faz tudo para adquirir os bens
materiais que, em sua visão, são os únicos que tem valor;
5. O PONTO DE VISTA
 A perda do menor do seus bens causa-lhe um enorme
desgosto. Uma decepção sofrida, uma esperança frustrada,
uma ambição não satisfeita, uma injustiça de que é vítima, a
vaidade ou o orgulho feridos, fazem de sua vida uma eterna
angustia.
 Daí se segue que a importância dada aos bens terrenos está
sempre em razão inversa da fé na vida futura;
5. O PONTO DE VISTA
BENS
TERRENOS
VIDA
FUTURA
 Os prazeres terrenos não são condenados por Deus; o que ele
condena é o abuso desses prazeres em prejuízo dos interesses
da alma.
 O Espiritismo dilata o pensamento e lhe rasga horizontes novos.
Em vez dessa visão, acanhada e mesquinha, que o concentra na
vida atual, que faz do instante que vivemos na Terra único e
frágil eixo do porvir eterno, ele, o Espiritismo, mostra que essa
vida não passa de um elo no harmonioso e magnífico conjunto
da obra do Criador. Mostra a solidariedade que conjuga todas
as existências de um mesmo ser, todos os seres de um mesmo
mundo e os seres de todos os mundos.
6 e 7. O PONTO DE VISTA
 8. Quem melhor do que eu pode compreender a verdade
destas palavras de Nosso Senhor: "O meu reino não é deste
mundo"? O orgulho me perdeu na Terra. Quem, pois,
compreenderia o nenhum valor dos reinos da Terra, se eu o
não compreendia? Que trouxe eu comigo da minha realeza
terrena? Nada, absolutamente nada. E, como que para tornar
mais terrível a lição, ela nem sequer me acompanhou até o
túmulo! Rainha entre os homens, como rainha julguei que
penetrasse no reino dos céus! Que desilusão! Que humilhação,
quando, em vez de ser recebida aqui qual soberana, vi acima
de mim, mas muito acima, homens que eu julgava
insignificantes e aos quais desprezava, por não terem sangue
nobre! Oh! como então compreendi a esterilidade das honras e
grandezas que com tanta avidez se requestam na Terra!
8. UMA REALEZA TERRENA
(Uma rainha da França – Havre, 1863)
 Para se granjear um lugar neste reino, são necessárias a abnegação, a
humildade, a caridade em toda a sua celeste prática, a benevolência para
com todos. Não se vos pergunta o que fostes, nem que posição ocupastes,
mas que bem fizestes, quantas lágrimas enxugastes. Oh! Jesus, tu o
disseste, teu reino não é deste mundo, porque é preciso sofrer para chegar
ao céu, de onde os degraus de um trono a ninguém aproximam. A ele só
conduzem as veredas mais penosas da vida. São os caminhos difíceis da vida
que nos conduzem ao seu reino.
 Correm os homens por alcançar os bens terrestres, como se os houvessem de
guardar para sempre. AQUI, PORÉM, TODAS AS ILUSÕES SE SOMEM. Cedo
se apercebem eles de que apenas apanharam uma sombra e desprezaram
os únicos bens reais e duradouros, os únicos que lhes aproveitam na morada
celeste, os únicos que lhes podem facultar acesso a esta. Compadecei-vos
dos que não ganharam o reino dos céus; ajudai-os com as vossas preces,
porquanto a prece aproxima do Altíssimo o homem; é o traço de união entre
o céu e a Terra: não o esqueçais. - Uma Rainha de França. (Havre, 1863.)
8. UMA REALEZA TERRENA
(Uma rainha da França – Havre, 1863)
 Meu Reino não é deste mundo. A lógica humana é uma e a
de DEUS é outra. São dois mundos com valores muito
diferentes;
O QUE O CAPÍTULO 2 DO ESE NOS
ESCLARECE?
PÁTRIA
ESPIRITUAL
Abnegação e
humildade
Benevolência
Caridade
Amor
TERRA
Bens
materiais
Dinheiro
Poder
Beleza física
 Que perguntas balizam o valor de um espírito?
O QUE O CAPÍTULO 2 DO ESE NOS
ESCLARECE?
PÁTRIA
ESPIRITUAL
Quem bem
fizestes?
Quantas
lágrimas
enxugastes?
TERRA
Quem és?
Que posição
ocupas?
Nossos frutos mostram
quem somos
Sabes com quem estás
falando?
 Precisamos trabalhar pela nossa melhora intelectual e
moral;
 Precisamos trabalhar para conseguir os verdadeiros
tesouros que a traça e a ferrugem não corroem;
 Precisamos evoluir pela ação do nosso esforço e vontade;
 É preciso ser reconhecido por DEUS e não pelos homens.
O QUE O CAPÍTULO 2 DO ESE NOS
ESCLARECE?
DICA
PESSOAS
Paz
Alívio
Conforto
Esclarecimento
VOLTAR
SEMPRE
Casa
Espírita
PESSOAS TRABALHO
Paz
Alívio
Conforto
Esclarecimento
PRATICA
CARIDADE
Casa
Espírita
Depende
dos Outros
Depende
de si
mesmo
Obrigado pela atenção!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O céu e o Inferno
O céu e o InfernoO céu e o Inferno
O céu e o Inferno
igmateus
 
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direita
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerdao que dê a vossa mão direitaCap 13 Não saiba a vossa mão esquerdao que dê a vossa mão direita
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direita
gmo1973
 
O ESPIRITISMO E A NECESSIDADE DO TRABALHO
O ESPIRITISMO E A NECESSIDADE DO TRABALHOO ESPIRITISMO E A NECESSIDADE DO TRABALHO
O ESPIRITISMO E A NECESSIDADE DO TRABALHO
Jorge Luiz dos Santos
 
O Poder da Prece
O Poder da PreceO Poder da Prece
O Poder da Prece
Izabel Cristina Fonseca
 
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMOAMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
Angela Ewerling
 
Palestra Espírita - Missão dos espíritas
Palestra Espírita - Missão dos espíritasPalestra Espírita - Missão dos espíritas
Palestra Espírita - Missão dos espíritas
Divulgador do Espiritismo
 
Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado
Izabel Cristina Fonseca
 
Evangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueire
Evangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueireEvangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueire
Evangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueire
grupodepaisceb
 
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismoCapítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
Eduardo Ottonelli Pithan
 
A família na visão espírita
A família na visão espíritaA família na visão espírita
A família na visão espírita
Jerri Almeida
 
Capítulo 7 do evangelho segundo o espiritismo - Bem-aventurados os pobres de ...
Capítulo 7 do evangelho segundo o espiritismo - Bem-aventurados os pobres de ...Capítulo 7 do evangelho segundo o espiritismo - Bem-aventurados os pobres de ...
Capítulo 7 do evangelho segundo o espiritismo - Bem-aventurados os pobres de ...
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Desencarne na visão espírita
Desencarne na visão espíritaDesencarne na visão espírita
Desencarne na visão espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Reencarnação
ReencarnaçãoReencarnação
Reencarnação
paikachambi
 
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meuProgressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Causas anteriores das aflições
Causas anteriores das afliçõesCausas anteriores das aflições
Causas anteriores das aflições
Marcos Antônio Alves
 
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Divulgador do Espiritismo
 
REFORMA INTIMA E ESPIRITISMO
REFORMA INTIMA E ESPIRITISMOREFORMA INTIMA E ESPIRITISMO
REFORMA INTIMA E ESPIRITISMO
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
Provas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riquezaProvas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riqueza
Graça Maciel
 
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITASMISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
Jorge Luiz dos Santos
 
O Deus de cada um de nós
O Deus de cada um de nósO Deus de cada um de nós
O Deus de cada um de nós
Ricardo Azevedo
 

Mais procurados (20)

O céu e o Inferno
O céu e o InfernoO céu e o Inferno
O céu e o Inferno
 
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direita
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerdao que dê a vossa mão direitaCap 13 Não saiba a vossa mão esquerdao que dê a vossa mão direita
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direita
 
O ESPIRITISMO E A NECESSIDADE DO TRABALHO
O ESPIRITISMO E A NECESSIDADE DO TRABALHOO ESPIRITISMO E A NECESSIDADE DO TRABALHO
O ESPIRITISMO E A NECESSIDADE DO TRABALHO
 
O Poder da Prece
O Poder da PreceO Poder da Prece
O Poder da Prece
 
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMOAMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO
 
Palestra Espírita - Missão dos espíritas
Palestra Espírita - Missão dos espíritasPalestra Espírita - Missão dos espíritas
Palestra Espírita - Missão dos espíritas
 
Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado Aquele que se eleva será rebaixado
Aquele que se eleva será rebaixado
 
Evangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueire
Evangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueireEvangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueire
Evangelho Capítulo XXIV - Não por a candeia debaixo do alqueire
 
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismoCapítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
Capítulo 6 do evangelho segundo o espiritismo
 
A família na visão espírita
A família na visão espíritaA família na visão espírita
A família na visão espírita
 
Capítulo 7 do evangelho segundo o espiritismo - Bem-aventurados os pobres de ...
Capítulo 7 do evangelho segundo o espiritismo - Bem-aventurados os pobres de ...Capítulo 7 do evangelho segundo o espiritismo - Bem-aventurados os pobres de ...
Capítulo 7 do evangelho segundo o espiritismo - Bem-aventurados os pobres de ...
 
Desencarne na visão espírita
Desencarne na visão espíritaDesencarne na visão espírita
Desencarne na visão espírita
 
Reencarnação
ReencarnaçãoReencarnação
Reencarnação
 
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meuProgressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
 
Causas anteriores das aflições
Causas anteriores das afliçõesCausas anteriores das aflições
Causas anteriores das aflições
 
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
 
REFORMA INTIMA E ESPIRITISMO
REFORMA INTIMA E ESPIRITISMOREFORMA INTIMA E ESPIRITISMO
REFORMA INTIMA E ESPIRITISMO
 
Provas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riquezaProvas da pobreza e da riqueza
Provas da pobreza e da riqueza
 
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITASMISSÃO DOS ESPÍRITAS
MISSÃO DOS ESPÍRITAS
 
O Deus de cada um de nós
O Deus de cada um de nósO Deus de cada um de nós
O Deus de cada um de nós
 

Semelhante a Meu reino não é deste mundo

A realeza de jesus
A realeza de jesusA realeza de jesus
A realeza de jesus
Edemilson G Souza
 
Meu-Reino-Não-e-Deste-Mundo.ppt
Meu-Reino-Não-e-Deste-Mundo.pptMeu-Reino-Não-e-Deste-Mundo.ppt
Meu-Reino-Não-e-Deste-Mundo.ppt
JosueMorais3
 
Apresentação.Meu Reino não é deste mundo.pptx
Apresentação.Meu Reino não é deste mundo.pptxApresentação.Meu Reino não é deste mundo.pptx
Apresentação.Meu Reino não é deste mundo.pptx
NilsonGuimares3
 
Ponto de vista
Ponto de vistaPonto de vista
Ponto de vista
eduhpimentel
 
Desencarnar é continuar a vida noutro ambiente
Desencarnar é continuar a vida noutro ambienteDesencarnar é continuar a vida noutro ambiente
Desencarnar é continuar a vida noutro ambiente
OCIMARMC
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 127 - Lei de Retorno
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 127 - Lei de RetornoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 127 - Lei de Retorno
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 127 - Lei de Retorno
Ricardo Azevedo
 
Meu reino nao e desse mundoi
Meu reino nao e desse mundoiMeu reino nao e desse mundoi
Meu reino nao e desse mundoi
Vanda Machado
 
D 07 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 07  Pluralidade dos Mundos HabitadosD 07  Pluralidade dos Mundos Habitados
D 07 Pluralidade dos Mundos Habitados
JPS Junior
 
Sexo e destino chico xavier
Sexo e destino   chico xavierSexo e destino   chico xavier
Sexo e destino chico xavier
Francisco de Morais
 
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Bruno Cechinel Filho
 
Evangeliza - A Vida Futura
Evangeliza - A Vida FuturaEvangeliza - A Vida Futura
Evangeliza - A Vida Futura
Antonino Silva
 
Além da Morte
Além da MorteAlém da Morte
Além da Morte
Antonino Silva
 
Terra escola dos espíritos
Terra escola dos espíritosTerra escola dos espíritos
Terra escola dos espíritos
bonattinho
 
D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos HabitadosD 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
JPS Junior
 
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]gutoFund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Guto Ovsky
 
Obreiros da vida eterna chico xavier
Obreiros da vida eterna  chico xavierObreiros da vida eterna  chico xavier
Obreiros da vida eterna chico xavier
havatar
 
4 obreiros da-vida_eterna-1946
4 obreiros da-vida_eterna-19464 obreiros da-vida_eterna-1946
4 obreiros da-vida_eterna-1946
paulasa pin
 
PONTO DE VISTA.pptx
PONTO DE VISTA.pptxPONTO DE VISTA.pptx
PONTO DE VISTA.pptx
Gilvonete Souza
 
Fonte de paz (psicografia chico xavier espíritos diversos)
Fonte de paz (psicografia chico xavier   espíritos diversos)Fonte de paz (psicografia chico xavier   espíritos diversos)
Fonte de paz (psicografia chico xavier espíritos diversos)
Ricardo Akerman
 
14 sexo e-destino-1963
14 sexo e-destino-196314 sexo e-destino-1963
14 sexo e-destino-1963
paulasa pin
 

Semelhante a Meu reino não é deste mundo (20)

A realeza de jesus
A realeza de jesusA realeza de jesus
A realeza de jesus
 
Meu-Reino-Não-e-Deste-Mundo.ppt
Meu-Reino-Não-e-Deste-Mundo.pptMeu-Reino-Não-e-Deste-Mundo.ppt
Meu-Reino-Não-e-Deste-Mundo.ppt
 
Apresentação.Meu Reino não é deste mundo.pptx
Apresentação.Meu Reino não é deste mundo.pptxApresentação.Meu Reino não é deste mundo.pptx
Apresentação.Meu Reino não é deste mundo.pptx
 
Ponto de vista
Ponto de vistaPonto de vista
Ponto de vista
 
Desencarnar é continuar a vida noutro ambiente
Desencarnar é continuar a vida noutro ambienteDesencarnar é continuar a vida noutro ambiente
Desencarnar é continuar a vida noutro ambiente
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 127 - Lei de Retorno
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 127 - Lei de RetornoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 127 - Lei de Retorno
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 127 - Lei de Retorno
 
Meu reino nao e desse mundoi
Meu reino nao e desse mundoiMeu reino nao e desse mundoi
Meu reino nao e desse mundoi
 
D 07 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 07  Pluralidade dos Mundos HabitadosD 07  Pluralidade dos Mundos Habitados
D 07 Pluralidade dos Mundos Habitados
 
Sexo e destino chico xavier
Sexo e destino   chico xavierSexo e destino   chico xavier
Sexo e destino chico xavier
 
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
 
Evangeliza - A Vida Futura
Evangeliza - A Vida FuturaEvangeliza - A Vida Futura
Evangeliza - A Vida Futura
 
Além da Morte
Além da MorteAlém da Morte
Além da Morte
 
Terra escola dos espíritos
Terra escola dos espíritosTerra escola dos espíritos
Terra escola dos espíritos
 
D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos HabitadosD 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
 
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]gutoFund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
 
Obreiros da vida eterna chico xavier
Obreiros da vida eterna  chico xavierObreiros da vida eterna  chico xavier
Obreiros da vida eterna chico xavier
 
4 obreiros da-vida_eterna-1946
4 obreiros da-vida_eterna-19464 obreiros da-vida_eterna-1946
4 obreiros da-vida_eterna-1946
 
PONTO DE VISTA.pptx
PONTO DE VISTA.pptxPONTO DE VISTA.pptx
PONTO DE VISTA.pptx
 
Fonte de paz (psicografia chico xavier espíritos diversos)
Fonte de paz (psicografia chico xavier   espíritos diversos)Fonte de paz (psicografia chico xavier   espíritos diversos)
Fonte de paz (psicografia chico xavier espíritos diversos)
 
14 sexo e-destino-1963
14 sexo e-destino-196314 sexo e-destino-1963
14 sexo e-destino-1963
 

Mais de Eduardo Ottonelli Pithan

Que sua mão esquerda não saiba o que faz a direita
Que sua mão esquerda não saiba o que faz a direitaQue sua mão esquerda não saiba o que faz a direita
Que sua mão esquerda não saiba o que faz a direita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Honrar pai e mãe
Honrar pai e mãeHonrar pai e mãe
Honrar pai e mãe
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Bem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiososBem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiosos
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Amem seus inimigos
Amem seus inimigosAmem seus inimigos
Amem seus inimigos
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Capítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmo
Capítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmoCapítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmo
Capítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmo
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Bem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coraçãoBem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coração
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Bem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficosBem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficos
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitosCap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meuCapítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Fé pela ótica espírita
Fé pela ótica espíritaFé pela ótica espírita
Fé pela ótica espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Livre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espíritaLivre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Evangelho no lar
Evangelho no larEvangelho no lar
Evangelho no lar
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Dores da Alma, a psicologia das dores humanas
Dores da Alma, a psicologia das dores humanasDores da Alma, a psicologia das dores humanas
Dores da Alma, a psicologia das dores humanas
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Fundamentos espiritas e o evangelho de jesus
Fundamentos espiritas e o evangelho de jesusFundamentos espiritas e o evangelho de jesus
Fundamentos espiritas e o evangelho de jesus
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Homossexualidade, na ótica espirita
Homossexualidade, na ótica espiritaHomossexualidade, na ótica espirita
Homossexualidade, na ótica espirita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Caminhos, na ótica espírita
Caminhos, na ótica espíritaCaminhos, na ótica espírita
Caminhos, na ótica espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Casamento na ótica espirita
Casamento na ótica espiritaCasamento na ótica espirita
Casamento na ótica espirita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Perdão na visão espírita
Perdão na visão espíritaPerdão na visão espírita
Perdão na visão espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Sonhos na visão espírita
Sonhos na visão espíritaSonhos na visão espírita
Sonhos na visão espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Missão do ser humano inteligente na terra
Missão do ser humano inteligente na terraMissão do ser humano inteligente na terra
Missão do ser humano inteligente na terra
Eduardo Ottonelli Pithan
 

Mais de Eduardo Ottonelli Pithan (20)

Que sua mão esquerda não saiba o que faz a direita
Que sua mão esquerda não saiba o que faz a direitaQue sua mão esquerda não saiba o que faz a direita
Que sua mão esquerda não saiba o que faz a direita
 
Honrar pai e mãe
Honrar pai e mãeHonrar pai e mãe
Honrar pai e mãe
 
Bem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiososBem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiosos
 
Amem seus inimigos
Amem seus inimigosAmem seus inimigos
Amem seus inimigos
 
Capítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmo
Capítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmoCapítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmo
Capítulo XI do evangelho Segundo o Espiritismo Amar ao próximo como a si mesmo
 
Bem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coraçãoBem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coração
 
Bem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficosBem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficos
 
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitosCap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
 
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meuCapítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
 
Fé pela ótica espírita
Fé pela ótica espíritaFé pela ótica espírita
Fé pela ótica espírita
 
Livre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espíritaLivre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espírita
 
Evangelho no lar
Evangelho no larEvangelho no lar
Evangelho no lar
 
Dores da Alma, a psicologia das dores humanas
Dores da Alma, a psicologia das dores humanasDores da Alma, a psicologia das dores humanas
Dores da Alma, a psicologia das dores humanas
 
Fundamentos espiritas e o evangelho de jesus
Fundamentos espiritas e o evangelho de jesusFundamentos espiritas e o evangelho de jesus
Fundamentos espiritas e o evangelho de jesus
 
Homossexualidade, na ótica espirita
Homossexualidade, na ótica espiritaHomossexualidade, na ótica espirita
Homossexualidade, na ótica espirita
 
Caminhos, na ótica espírita
Caminhos, na ótica espíritaCaminhos, na ótica espírita
Caminhos, na ótica espírita
 
Casamento na ótica espirita
Casamento na ótica espiritaCasamento na ótica espirita
Casamento na ótica espirita
 
Perdão na visão espírita
Perdão na visão espíritaPerdão na visão espírita
Perdão na visão espírita
 
Sonhos na visão espírita
Sonhos na visão espíritaSonhos na visão espírita
Sonhos na visão espírita
 
Missão do ser humano inteligente na terra
Missão do ser humano inteligente na terraMissão do ser humano inteligente na terra
Missão do ser humano inteligente na terra
 

Último

Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 

Último (10)

Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 

Meu reino não é deste mundo

  • 1. “Meu Reino não é deste mundo” Jesus Cristo, Jo, 18,33, 36 e 37. Capítulo 2 – Evangelho segundo o Espiritismo Eduardo Ottonelli Pithan Grupo Vagalumes – Novo Hamburgo 51.82042277
  • 2. EVANGELHO SEGUNDO ESPIRITISMO, Allan Kardec, Cap. II. LIVRO DOS ESPIRITOS, Allan Kardec, questões 132, 166, 167 e 168 O CÉU E O INFERNO, Allan Kardec, Código Penal da Vida Futura art. 10 e 16. O CONSOLADOR, de Chico Xavier ditado por Emmanuel questões 246. “CÓPIA DA PALESTRA” no SLIDESHARE ou solicitar por email eduardopithan64@gmail.com Referências Bibliográficas
  • 3. Evangelho Segundo o Espiritismo
  • 4. Evangelho segundo o Espiritismo 1. “Pilatos, entrando de novo no palácio, chamou Jesus e perguntou: “Você é o rei dos judeus?” E Jesus respondeu: “O meu reino não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, certamente Meus seguidores teriam lutado para que Eu não caísse nas mãos dos judeus, mas por enquanto Meu reino ainda não é daqui.” E Pilatos lhe perguntou: “Então você é rei?”. E Jesus respondeu ”Você está dizendo que Eu sou rei. Eu nasci e vim a este mundo para dar testemunho da verdade, e todo aquele que segue a verdade, ouve a minha voz. (João, 18: 33, 36 e 37)
  • 5. VERDADEIRA VIDA não está na Terra, mas no reino dos Céus; PÁTRIA ESPIRITUAL Por enquanto a terra ainda não pertence ao meu Reino (amor, fraternidade, bem, tolerância, humildade e compaixão ainda NÃO PREDOMINAM) Missão de JESUS: Testemunhar a verdade (Verdadeira vida na pátria espiritual. TERRA só passagem) O que Jesus esclareceu com esta diálogo?
  • 6.  Por estas palavras, JESUS diz claramente que a vida futura deve ser a principal preocupação dos homens que vivem na terra;  Sem a vida futura, a maioria de seus ensinamentos morais não teria nenhuma razão de ser. (todas as parábolas e passagens falam de julgamentos e de avaliações, cujo resultado será alegrias ou ranger de dentes);  A vida futura deve ser considerada o principal ensinamento de Jesus. Ela deve ser meta de todos os homens;  Somente a continuação da vida pode explicar as grandes diferenças que existem entre os homens na terra e fazer com que a justiça de Deus se cumpra ao longo do tempo; 2. VIDA FUTURA
  • 7.  Os judeus não compreendia muito bem a vida futura e acreditavam que os anjos eram seres privilegiados da criação; (QUEM SÃO OS ANJOS?)  Mais tarde, JESUS veio ensinar que existe um outro mundo, onde a justiça de Deus segue seu curso e onde os bons, que procuram seguir seus mandamentos, encontram sua recompensa. Esse outro mundo é o mundo espiritual, para onde Jesus retorna após deixar a terra.  Com o Espiritismo, a vida futura não é mais um simples artigo de fé, uma incerteza: é uma realidade material demonstrada pelos fatos. São as testemunhas oculares que vêm descrevê-la em todas as suas fases e em todos os seus detalhes;  Assim, a verdadeira justiça de Deus somente irá se cumprir na vida futura, onde através das sucessivas reencarnações será possível resgatar nossos erros. 2. VIDA FUTURA
  • 8. Imortalidade do Espírito Através de Jesus aprendemos e entendemos que as reencarnações, desde o início, são experiências que nos possibilitam a evolução. TERRA Reencarnar Desencarnar Se preparar PRIMITIVOS PROVAS E EXPIAÇÕES REGENERAÇÃO FELIZES CELESTES OU DIVINOS
  • 9. O CÉU E O INFERNO Código Penal da Vida Futura 10º - O Espírito sofre, quer no mundo corporal, quer no espiritual, a consequências das suas imperfeições. As misérias, as vicissitudes padecidas na vida corpórea, são oriundas das nossas imperfeições, são expiações de faltas cometidas na presente ou em precedentes existências. Pela natureza dos sofrimentos e vicissitudes da vida corpórea, pode julgar-se a natureza das faltas cometidas em anterior existência, e das imperfeições que as originaram.
  • 10. 16º - O ARREPENDIMENTO, conquanto seja o primeiro passo para a regeneração, não basta por si só; são precisas a EXPIAÇÃO e a REPARAÇÃO. Arrependimento, expiação e reparação constituem, portanto, as três condições necessárias para apagar os traços de uma falta e suas consequências. O arrependimento suaviza os travos da expiação, abrindo pela esperança o caminho da reabilitação; só a reparação, contudo, pode anular o efeito destruindo-lhe a causa. Do contrário, o perdão seria uma graça, não uma anulação. O CÉU E O INFERNO Código Penal da Vida Futura
  • 11. Porque voltamos em diversas situações tão diferentes? ARREPENDIMENTO EXPIAÇÃO/PROVA REPARAÇÃO
  • 13. O CONSOLADOR – Chico Xavier, por Emmanuel 246 –Qual a diferença entre provação e expiação? A provação é a luta que ensina ao discípulo rebelde e preguiçoso a estrada do trabalho e da edificação espiritual. A expiação é a pena imposta ao malfeitor que comete um crime. PROVAS # EXPIAÇÃO PROVAS Escolhidas EXPIAÇÕES Impostas
  • 15. Livro dos Espíritos 132. Qual o objetivo da encarnação dos Espíritos? “Deus lhes impõe a encarnação com o fim de fazê-los chegar à perfeição. Para uns, é expiação; para outros, missão. 166. Como pode a alma, que não alcançou a perfeição durante a vida corpórea, acabar de depurar-se? “Sofrendo a prova de uma nova existência.” b) - A alma passa então por muitas existências corporais? “Sim, todos contamos muitas existências. Os que dizem o contrário pretendem manter-vos na ignorância em que eles próprios se encontram. Esse o desejo deles.” c) - Parece resultar desse princípio que a alma, depois de haver deixado um corpo, toma outro, ou, então, que reencarna em novo corpo. E assim que se deve entender? “Evidentemente.”
  • 16.  A realeza terrena termina com a vida; a realeza moral ainda governa, sobrepondo-se além da morte. Sob esse aspecto, Jesus não é um rei mais poderoso do que todos os soberanos?  JESUS se impôs pelo seu exemplo, sua moral, sua forma de agir e se impôs pela paz! 4. A REALEZA DE JESUS
  • 17.  Para aquele que se coloca, pelo pensamento, na vida espiritual, que é infinita, a vida corporal não é mais do que uma passagem, uma curta permanência em um país ingrato.  Os reveses e as amarguras da vida terrena não são mais do que incidentes que recebe com paciência, pois sabe que são de curta duração e devem ser seguidos por um estado mais feliz. A morte não tem mais nada de assustador; não é mais a porta do nada, mas a da libertação, que abre para o exilado a entrada de uma morada de felicidade e de paz.  Quando o homem não tem certeza na vida futura, concentra todo seu pensamento na vida terrena, dedicando-se inteiramente ao presente. Ele não compreende que possam existir bens mais preciosos que os da terra e age como uma criança que nada vê além dos seus brinquedos. Assim, o homem faz tudo para adquirir os bens materiais que, em sua visão, são os únicos que tem valor; 5. O PONTO DE VISTA
  • 18.  A perda do menor do seus bens causa-lhe um enorme desgosto. Uma decepção sofrida, uma esperança frustrada, uma ambição não satisfeita, uma injustiça de que é vítima, a vaidade ou o orgulho feridos, fazem de sua vida uma eterna angustia.  Daí se segue que a importância dada aos bens terrenos está sempre em razão inversa da fé na vida futura; 5. O PONTO DE VISTA BENS TERRENOS VIDA FUTURA
  • 19.  Os prazeres terrenos não são condenados por Deus; o que ele condena é o abuso desses prazeres em prejuízo dos interesses da alma.  O Espiritismo dilata o pensamento e lhe rasga horizontes novos. Em vez dessa visão, acanhada e mesquinha, que o concentra na vida atual, que faz do instante que vivemos na Terra único e frágil eixo do porvir eterno, ele, o Espiritismo, mostra que essa vida não passa de um elo no harmonioso e magnífico conjunto da obra do Criador. Mostra a solidariedade que conjuga todas as existências de um mesmo ser, todos os seres de um mesmo mundo e os seres de todos os mundos. 6 e 7. O PONTO DE VISTA
  • 20.  8. Quem melhor do que eu pode compreender a verdade destas palavras de Nosso Senhor: "O meu reino não é deste mundo"? O orgulho me perdeu na Terra. Quem, pois, compreenderia o nenhum valor dos reinos da Terra, se eu o não compreendia? Que trouxe eu comigo da minha realeza terrena? Nada, absolutamente nada. E, como que para tornar mais terrível a lição, ela nem sequer me acompanhou até o túmulo! Rainha entre os homens, como rainha julguei que penetrasse no reino dos céus! Que desilusão! Que humilhação, quando, em vez de ser recebida aqui qual soberana, vi acima de mim, mas muito acima, homens que eu julgava insignificantes e aos quais desprezava, por não terem sangue nobre! Oh! como então compreendi a esterilidade das honras e grandezas que com tanta avidez se requestam na Terra! 8. UMA REALEZA TERRENA (Uma rainha da França – Havre, 1863)
  • 21.  Para se granjear um lugar neste reino, são necessárias a abnegação, a humildade, a caridade em toda a sua celeste prática, a benevolência para com todos. Não se vos pergunta o que fostes, nem que posição ocupastes, mas que bem fizestes, quantas lágrimas enxugastes. Oh! Jesus, tu o disseste, teu reino não é deste mundo, porque é preciso sofrer para chegar ao céu, de onde os degraus de um trono a ninguém aproximam. A ele só conduzem as veredas mais penosas da vida. São os caminhos difíceis da vida que nos conduzem ao seu reino.  Correm os homens por alcançar os bens terrestres, como se os houvessem de guardar para sempre. AQUI, PORÉM, TODAS AS ILUSÕES SE SOMEM. Cedo se apercebem eles de que apenas apanharam uma sombra e desprezaram os únicos bens reais e duradouros, os únicos que lhes aproveitam na morada celeste, os únicos que lhes podem facultar acesso a esta. Compadecei-vos dos que não ganharam o reino dos céus; ajudai-os com as vossas preces, porquanto a prece aproxima do Altíssimo o homem; é o traço de união entre o céu e a Terra: não o esqueçais. - Uma Rainha de França. (Havre, 1863.) 8. UMA REALEZA TERRENA (Uma rainha da França – Havre, 1863)
  • 22.  Meu Reino não é deste mundo. A lógica humana é uma e a de DEUS é outra. São dois mundos com valores muito diferentes; O QUE O CAPÍTULO 2 DO ESE NOS ESCLARECE? PÁTRIA ESPIRITUAL Abnegação e humildade Benevolência Caridade Amor TERRA Bens materiais Dinheiro Poder Beleza física
  • 23.  Que perguntas balizam o valor de um espírito? O QUE O CAPÍTULO 2 DO ESE NOS ESCLARECE? PÁTRIA ESPIRITUAL Quem bem fizestes? Quantas lágrimas enxugastes? TERRA Quem és? Que posição ocupas? Nossos frutos mostram quem somos Sabes com quem estás falando?
  • 24.  Precisamos trabalhar pela nossa melhora intelectual e moral;  Precisamos trabalhar para conseguir os verdadeiros tesouros que a traça e a ferrugem não corroem;  Precisamos evoluir pela ação do nosso esforço e vontade;  É preciso ser reconhecido por DEUS e não pelos homens. O QUE O CAPÍTULO 2 DO ESE NOS ESCLARECE?