SlideShare uma empresa Scribd logo
Momento lúdico 
Durante a Primeira Guerra Mundial (1914 – 1918) e a Segunda Guerra Mundial 
(1939 – 1945), alguns países trocaram mensagens secretas. Para que elas ficassem 
ocultas do inimigo, foi necessário inventar diferentes códigos. O texto abaixo, tirado de 
um livro de aventura, é também uma mensagem secreta. 
Leia e decifre o código, depois responda as questões propostas 
ORIENO MIT ROP SADI DNOCSE SAT SIPELAT IVMEG ASN 
EMAMU OÃR ARTNOC NE OÃNES “SIAEREC EDSOÃRG REOM A 
RAPOHNEGNE” OÁTSE EDNO RAGU LONZIRAN ORETEM MEDOP 
OÃN OTIPER MEDOP OÃ NSETOX IPSIOD SOESA NOJ OIT 
A literatura e a correspondência 
Todas as cartas de amor 
Fernando Pessoa 
Todas as cartas de amor são 
Ridículas. 
Não seriam carta de amor se não fossem 
Ridículas. 
Também escrevi em meu tempo cartas 
de amor, 
Como as outras, 
Ridículas. 
As cartas de amor, se há amor, 
Têm de ser ridículas. 
Mas, afinal, 
Só as criaturas que nunca escreveram 
Cartas de amor 
É que são 
Ridículas. 
Quem dera no tempo em que escrevia 
Sem dar por isso 
Cartas de amor 
Ridículas. 
A verdade é que hoje 
As minhas memórias 
Dessas cartas de amor 
É que são 
Ridículas 
(Todas as palavras esdrúxulas, 
Como os sentimentos esdrúxulos, 
São naturalmente 
Ridículas)
Interpretação 
1. Qual é a temática (assunto) do texto? 
2. A linguagem do texto abordado é culta-formal ou coloquial-informal? Justifique 
com elementos do texto. 
3. O texto é literário ou não-literário? 
4. Que palavra do trecho “Todas as cartas de amor são/Ridículas” pretende torná-lo 
incontestável? 
5. O eu lírico fala baseado em sua experiência? Em que verso ele afirma isso? 
6. Segundo o eu lírico que fato faz com que, necessariamente, as cartas de amor se 
tornem ridículas? 
7. A 1ª estrofe do poema de Fernando Pessoa deixa claro o seu conteúdo: 
desdenhar das cartas de amor. Essa afirmação é verdadeira? 
8. Lendo a 6ª estrofe, pode-se afirma que o eu lírico está casado ou solteiro ou 
separado? Justifique. 
Intertextualidade 
Pode-se definir a intertextualidade como sendo um "diálogo" entre textos. Esse 
diálogo pressupõe um universo cultural muito amplo e complexo, pois implica a 
identificação e o reconhecimento de remissões a obras ou a trechos mais ou menos 
conhecidos. 
Dependendo da situação, a intertextualidade tem funções diferentes que 
dependem dos textos/contextos em que ela é inserida. 
Evidentemente, o fenômeno da intertextualidade está ligado ao "conhecimento 
do mundo", que deve ser compartilhado, ou seja, comum ao produtor e ao receptor de 
textos. 
O diálogo pode ocorrer em diversas áreas do conhecimento, não se restringindo 
única e exclusivamente a textos literários. 
Na pintura tem-se, por exemplo, o quadro do pintor barroco italiano 
Caravaggio e a fotografia da americana Cindy Sherman, na qual quem posa é ela 
mesma. 
O quadro de Caravaggio foi pintado no final do século XVI, já o trabalho 
fotográfico de Cindy Sherman foi produzido quase quatrocentos anos mais tarde. 
Na foto, Sherman cria o mesmo ambiente e a mesma atmosfera sensual da 
pintura, reunindo um conjunto de elementos: a coroa de flores na cabeça, o contraste 
entre claro e escuro, a sensualidade do ombro nu etc.
A foto 
de Sherman é uma recriação do quadro de Caravaggio e, portanto, é um tipo de 
intertextualidade na pintura. 
Na 
publicidade, por exemplo, em um dos anúncios do Bombril, o ator se veste e se 
posiciona como se fosse a Mona Lisa de Leonardo da Vinci e cujo slogan era "Mon 
Bijou deixa sua roupa uma perfeita obra-prima". 
Esse enunciado sugere ao leitor que o produto anunciado deixa a roupa bem 
macia e mais perfumada, ou seja, uma verdadeira obra-prima (se referindo ao quadro 
de Da Vinci). 
Nesse caso pode-se dizer que a intertextualidade assume a função de não só 
persuadir o leitor como também de difundir a cultura, uma vez que se trata de uma 
relação com a arte (pintura, escultura, literatura etc). 
Intertextualidade é a relação entre dois textos caracterizada por um citar o 
outro. 
Paráfrase 
Paráfrase consiste em reescrever com suas palavras as ideias centrais de um 
texto. 
Consiste em um excelente exercício de redação, uma vez que desenvolve o 
poder de síntese, clareza e precisão vocabular. 
A paráfrase mantém o sentido do texto original. 
Paráfrase representa uma reescritura do texto original com novas palavras sem
que o sentido do mesmo seja modificado. 
Assim, a paráfrase é uma reprodução da idéia do autor com as palavras do 
discente (aluno), utilizando-se de sinônimos, inversões de períodos, etc. Trata-se de 
reescrever o texto original com as palavras do aluno, mas sem alterar o sentido. 
O autor da paráfrase deve demonstrar que entendeu claramente a idéia do texto. 
Além disso, são exigências de uma boa paráfrase: 
1. Utilizar a mesma ordem de idéias que aparece no texto original. 
2. Não omitir nenhuma informação essencial. 
3. Não fazer qualquer comentário acerca do que se diz no texto original. 
4. Utilizar construções que não sejam uma simples repetição daquelas que estão no 
original e, sempre que possível, um vocabulário também diferente 
COMPREENDENDO E PRATICANDO A PARÁFRASE: 
Texto Original: 
PARA ONDE? 
Assim dá para organizar bolsa de apostas: qual será , afinal, o destino de Fernandinho 
Beira-Mar? Os advogados do traficante tentam, no STJ, anular a decisão do Ministério 
da Justiça e garantir sua volta para Bangu 1 Mas o ministro da Justiça, embora afirme 
que Beira –Mar não permanecerá mais do que trinta dias preso em São Paulo, garante 
que ele não voltará para o Rio e nem será transferido para o Acre. 
(Jornal Zero Hora, março de 2003) 
PARÁFRASE: 
PARA ONDE? 
Dessa forma é possível organizar bolão de apostas: qual deverá ser, finalmente, o 
destino de Fernandinho Beira-Mar? Os advogados do traficante buscam, no STJ, a 
anulação da decisão do Ministério da Justiça, o que garantiria seu retorno a Bangu 1. 
Porém, o ministro da Justiça, apesar de afirmar que Beira-Mar permanecerá no máximo 
30 dias preso em São Paulo, assegura que o detento não retornará para o Rio e também 
não será transferido para o Acre. 
Conforme você pode perceber nos textos acima, a PARÁFRASE é uma 
atividade de REFORMULAÇÃO de partes ou da totalidade de um texto . É um 
mecanismo sintático que cria alternativas de expressão para um mesmo conteúdo. 
Há várias maneiras de elaborar paráfrases e transformar um enunciado “ A “ em 
um enunciado “ B”. Observe os exemplos a seguir: 
Exemplo 1: 
Pegue o pano e enxugue a louça. 
Pegue o pano e seque a louça.
Explicação: O verbo "enxugar "foi trocado por seu sinônimo "secar". Essa é uma 
transformação que utiliza sinônimos. 
Exemplo 2 : 
As filhas do gerente do banco foram convidadas para a festa de formatura. 
As moças mais bonitas do meu bairro foram convidadas para a festa de formatura. 
Explicação: "As filhas do gerente do banco" e "As moças mais bonitas do meu 
bairro" não são necessariamente expressões sinônimas, mas, num determinado 
contexto , referem-se às mesmas pessoas. 
Exemplo 3: A mãe contou a história ao filho. 
A história, ao filho, a mãe contou. 
Explicação: Os termos da oração são simplesmente deslocados de lugar, sem que 
haja necessidade de alterar a construção verbal . ( processo de inversão de 
elementos ) 
Paródia 
A Paródia é uma imitação, na maioria das vezes cômica, de uma composição 
literária, (também existem paródias de filmes e músicas), sendo portanto, uma imitação 
que geralmente possui efeito cômico, utilizando a ironia e o deboche. 
Ela geralmente é parecida com a obra de origem, e quase sempre tem sentidos 
diferentes. 
Na literatura a paródia é um processo de intertextualização, com a finalidade de 
desconstruir ou reconstruir um texto. 
A paródia surge a partir de uma nova interpretação, da recriação de uma obra 
já existente e, em geral, consagrada. 
Seu objetivo é adaptar a obra original a um novo contexto, passando diferentes 
versões para um lado mais despojado, e aproveitando o sucesso da obra original para 
passar um pouco de alegria. A paródia pode ter intertextualidade.
As variedades lingüísticas 
CHOPIS CENTIS 
Eu “di” um beijo nela 
E chamei pra passear. 
A gente fomos no shopping 
Pra “mode” a gente lanchar. 
Comi uns bicho estranho, com um tal de gergelim. 
Até que “tava” gostoso, mas eu prefiro 
aipim. 
Quanta gente, 
Quanta alegria, 
A minha felicidade é um crediário nas 
Casas Bahia. 
Esse tal Chopis Centis é muito legalzinho. 
Pra levar a namorada e dar uns 
“rolezinho”, 
Quando eu estou no trabalho, 
Não vejo a hora de descer dos andaime. 
Pra pegar um cinema, ver Schwarzneger 
E também o Van Damme. 
(Dinho e Júlio Rasec, encarte CD Mamonas Assassinas, 1995.) 
1. Nessa música, o grupo intencionalmente explora uma variante lingüística. Para isso, 
cria uma personagem que teria determinadas características de fala. No terceiro verso, 
temos uma construção que está em desacordo com a norma culta. Identifique-a e 
reescreva-a em língua culta. 
2. Pouco sabemos sobre a pessoa que fala nessa música, mas, por algumas pistas do 
texto, podemos 
imaginar. Na sua opinião, qual deve ser: 
a) o grau de escolaridade dela? c) a classe social a que ela pertence?
b) a profissão? d) os filmes a que normalmente ela assiste? 
3. No 3o. verso da 3a. estrofe, é empregada uma gíria: “uns rolezinho”. Imagine o 
sentido dessa expressão, a partir do contexto. 
4. Existem alguns termos na letra da música que também podem nos dar pistas sobre a 
origem da pessoa que fala na música: “mode” e “aipim”. Em que região do país esses 
termos são popularmente empregados? 
À MODA CAIPIRA 
Para a Sonia Junqueira, pela parceria e 
amizade. 
U musquitu ca mutuca 
num cumbina. 
U musquitu pula 
i a mutuca impina. 
U patu ca pata 
num afina. 
U patu comi grama 
i a pata qué coisa fina. 
U gatu cum u ratu 
vivi numa eterna luita. 
U ratu vai cumê queiju, 
vem um gatu i insurta. 
U galu ca galinha 
num pareci casadu. 
A galinha vai atrais deli 
i u galu sarta di ladu. 
U pavão ca pavoa 
mais pareci muléqui. 
A pavoa passa réiva 
e eli só abri u léqui. 
U macacu ca macaca 
num pareci qui si ama: 
ela pedi um abraçu, 
ele dá uma banana… 
Eu mais ocê cumbina 
qui dá gostu di vê: 
eu iscrevu essas poesia 
i ocê cuida di lê… 
(Cantos de encantamento. Belo 
Horizonte: Formato, 1996. p. 22.) 
1. Ao escrever esse poema, o autor não obedeceu às regras ortográficas da língua 
portuguesa. 
a) Por que o autor escreveu o texto desse modo? 
b) Qual é o dialeto que o autor usou para escrever o poema? 
2. Compare as palavras abaixo. As da coluna da esquerda estão escritas de acordo com 
as regras ortográficas, e as da coluna da direita estão escritas conforme aparecem no 
poema. 
mosquito musquitu 
pato patu 
rato ratu 
a) Quais dessas palavras lembram mais o nosso jeito de falar? 
b) Conclua: Nosso jeito de falar sempre corresponde ao modo como as palavras são 
escritas? 
Presada Cenhora, 
Quero candidatarme pra o lugar de auçiliar de iscritório que vi no 
jornau. Eu teclo muito de pressa con um dedo e fasso contas ben.
Axo que sou bom ao tefone em bora seija uma peçoa sem muito 
extudo. 
O meu salario tá aberto há discução pra que a senhora possa ver 
o que mi pode pagar e a Cenhora axar qui eu meresso. 
Pósso comessar imediatamente. Agradessido em avanso pela sua 
resposta. 
Cinceramente, 
José Machado Valente 
PS : Como o meu currico é muinto piqueno, abaicho tem 1 foto 
minha. 
Foto censurada 
Resposta da selecionadora: 
Querido José Machado, 
O emprego é seu. Nós temos correção automática no word. Compareça já 
amanhã.
Figuras de linguagem 
Definição: também chamadas de figuras de estilo, são recursos especiais de que 
se vale quem fala ou quem escreve, para comunicar à expressão mais força, 
intensidade e beleza. 
São 3 tipos: 
 Figuras de palavras (tropos - desvio) 
 Figuras de construção (sintaxe) 
 Figuras de pensamento 
FIGURAS DE PALAVRAS 
Metáfora: comparação mental entre dois seres ou fatos 
Tio José é uma fera. Paulo é um poste. 
Comparação: identificação de elementos a partir de características comuns, 
destacando semelhanças, traços comuns. 
Tio José é bravo como uma fera. Paulo é alto como um poste. 
Antítese/paradoxo: oposição, antônimo, ideias contrastantes no primeiro caso; 
no segundo por ideias absurdas. 
A tristeza de uns é a alegria de outros. Amo-te assim: meio odiosamente. 
Catacrese: metáfora forçada, já desgastada pelo uso. O nome diz significa abuso. 
Pé da mesa, aterrissar em alto mar. 
Metonímia/sinédoque: relação de sentido e a associação de ideias provocam a 
substituição de um termo por outro. 
Estou vendo o filme de Spielberg. (autor pela obra) 
Os aviões semeavam a morte. (causa: bombas, efeito: morte) 
A terra inteira chorou a morte de João Paulo II. (continente pelo conteúdo) 
Ele é um bom garfo. (instrumento pela pessoa) 
Eufemismo: atenuação de ideia desagradável por uma mais suave. 
Ir para o Reino de Deus. Faltar com a verdade (chamar de mentiroso) 
Pessoa problemática (neurótica) Mal incurável (AIDS) 
Apropriar-se (roubar) Amigo do alheio (ladrão) Deixar o mundo dos vivos 
(morrer) 
Perífrase/antonomásia: designar um ser através de uma característica que o tenho 
celebrizado. 
A capital da República. A cidade-luz. O rei dos animais. Ouro negro. 
Cidade maravilhosa. 
Sinestesia: transferência de percepções da esfera de um sentido para a de outro, 
do que resulta uma fusão de impressões sensoriais de grande poder sugestivo, ou 
seja, na utilização simultânea de alguns dos cinco sentidos.
Sons noturnos. Perfumes macios. Fresca musica da brisa Agora, o cheiro áspero 
das flores. 
Hipérbole: exagerar uma ideia para obter maior impacto em sua expressão. 
Ele chorou um rio de lágrimas. Eu estou morrendo de fome. 
Ironia: inverter o sentido de uma afirmação visando a ridicularizarão da ideia. 
RC é o melhor governador do universo. 
Prosopopéia/personificação: personificação ou animismo de seres que não são 
humanos. 
Milho foi o grande vilão da temporada. 
A solidão é fera, solidão devora, é amiga das horas, prima e irmã do tempo. 
FIGURAS DE CONSTRUÇÃO 
Polissíndeto: repetição de uma conjunção no inicio ou meio da oração. 
Trabalha, e temia, e lima, e sofre, e sua. 
Assíndeto: ausência de conectivos, conjunções. 
O mosquito pernilongo/trança as pernas, faz um M,/depois, treme, treme, treme, 
faz um O bastante oblongo,/faz um S. 
Hipérbato/inversão: inversão da ordem direta dos termos da oração a fim de dar 
destaque. 
Justo ela diz que é, mas eu não acho que não. 
Ouviram do Ipiranga as margens plácidas de um povo heróico o brado 
retumbante. 
As margens plácidas do Ipiranga ouviram o brado retumbante de um povo 
heróico. 
Elipse: termo oculto facilmente identificável. 
Fomos à tarde, chegamos à noite. (nós)/ De dia, me lava roupa/ De noite, me 
beija a boca. (ela) 
Zeugma: omissão de um termo já enunciado anteriormente. 
Todo dia ela faz tudo sempre igual,/Me acorda às 6 horas da manhã,/ Me sorri 
um sorriso pontual/ E me beija com a boca de hortelã. 
(zeugma: todo dia) 
Anáfora: repetição de uma palavra no inicio da frase ou de versos. 
Já fui loura. Já fui morena. 
Já fui Margarida e Beatriz, 
Já fui Maria e Madalena. 
Anacoluto: abandonar um termo solto na frase. 
A memória, é em nós que ela existe, 
É como um inventário de coisas. 
A filha dele, a mãe era muito mais alta e mais encorpada.
Pleonasmo: repetição de um termo para reforçar seu significado. 
A mim resta-me a independência para chorar. 
Foi o que eu vi com meus próprios olhos. 
Obs. Cuidado para não virar vício de linguagem, como descer para baixo, subir 
para cima. 
Gradação/clímax: enumeração de palavras de forma organizada, de modo a 
provocar um clímax. 
Tudo na casa era cinza, nebuloso, assustador. Foi um tímido, um frouxo, um 
covarde. 
Apóstrofe: evocação ou interpelação enfática de pessoas ou seres. 
Santa Virgem Maria, vós que sois mãe do canto e do dia, dá-nos a luz do luar. 
Oh! Deus. Onde estás que não respondes... 
Silepse: concordância ideológica e não com os termos da frase. 
São de três tipos: 
 Gênero: Vossa Excelência está ansiosa. (feminino) 
 Número: A família inteira aplaudiram cada palavra dita pelo padre. 
 Pessoa: Alegres, tolerantes, bonachões: todos em Taitara éramos assim 
antigamente, antes da chegada de tio Baltazar. 
Reiteração: retificar uma afirmação anterior 
É uma jóia, ou melhor, uma preciosidade, esse quadro. 
Paradoxo/oxímoro: usar intencionalmente um contra-senso. 
Valentia covarde assaltar e matar pessoas indefesas. 
FIGURAS DE PENSAMENTO 
Aliteração: repetição de uma consoante 
O rato roeu a roupa do rei de Roma e a rainha com raiva rasgou o resto. 
Assonância: repetição de um som vocálico. 
A linha feminina é carimá/ moqueca, pititinga, caruru... 
Onomatopéia: representação de certos sons, produzidos por animais ou coisas, 
ou mesmo de certos sons humanos 
O tic tac do relógio me incomoda. 
A abelha faz zum zum. 
VÍCIOS DE LINGUAGEM 
São incorreções e defeitos na língua falada ou escrita. Originam-se do descaso 
ou do despreparo lingüístico de quem se expressa. Os principais são: 
Ambiguidade: duplo sentido 
Vi Célia passando com sua irmã. 
Barbarismo: palavras erradas, relativamente a pronúncia, forma ou significação
Cidadões, Fazem dez anos... 
Cacofonia: som desagradável ou palavra de sentido ridículo e torpe, resultantes 
da contigüidade de certos vocábulos na frase. 
A boca dela. Mande-me já isso. Nunca Brito vinha aqui. A dis-puta... 
Estrangeirismo: uso de palavras, expressões ou construções próprias de línguas 
estrangeiras (galicismo, francesismo etc.) 
Menu/ lady/ Office-boy 
Hiato: seqüência antifônica de vogais. 
Andréia irá ainda hoje ao oculista. 
Colisão: sucessão desagradável de consoantes iguais ou idênticas. 
O que se sabe sobre o sabre, viaja já, aqui caem cacos 
Eco: concorrência de palavras que tem a mesma terminação. 
A flor tem odor e frescor. Com medo, Alfredo ocultou-se no arvoredo. 
Pleonasmo: redundância, presença de palavras supérfluas na frase. 
Entrar pra dentro, sair pra fora, brisa matinal da manhã. 
Linguagem denotativa: sentido real: O muro é de pedra. 
“Uma sociedade extremamente organizada, que não possui nenhum tipo de 
liderança. Parece impossível? Não no mundo das formigas. Pertencentes ao 
grupo de insetos sociais, elas vivem em colônias. Dentro do ninho, as tarefas são 
divididas entre as castas e cada uma cumpre seu papel. 
A maioria das formigas em uma colônia é formada por fêmeas, reprodutoras 
(rainhas) e não reprodutoras (operárias). Essas últimas fazem o trabalho pesado: 
constroem o ninho, coletam comida e água, limpam, alimentam machos, larvas, 
e em alguns casos a rainha, e protegem o formigueiro. Em certas espécies, as 
soldados diferem-se das operárias comuns por terem partes do corpo maiores, 
principalmente cabeça e mandíbulas.” 
(Juliana Tiraboschi, As poderosas da terra, Galileu, jan/2007) 
Linguagem conotativa: sentido figurado: João tem um coração de pedra. 
Eu vejo um avião no céu 
Que vai pra onde você mora 
Eu sinto a toda hora 
Essa coceira, este calor 
Eu acho que sentei 
No formigueiro do amor 
(Herbert Vianna) 
Linguagem literária X Linguagem não-literária
Linguagem não-literária Linguagem literária 
1. Anoitece. A mão da noite embrulha os 
horizontes. ( Silva Alvarenga) 
2. Aos cinqüenta anos, 
inesperadamente apaixonei-me de 
novo. 
Na curva perigosa dos cinqüenta / 
derrapei neste amor. ( Carlos 
Drummond de Andrade) 
Identifique o tipo de linguagem (literária ou não-literária) nos fragmentos 
abaixo: 
Conto de todas as cores 
Mario Quintana 
Eu escrevi um conto azul, vários até. Mas este é um conto de todas as 
cores. Porque era uma vez um menino azul, uma menina verde, um negrinho 
dourado e um cachorro com todos os tons e entretons do arco-íris. 
Até que apareceu uma Comissão de Doutores – os quais, por mais que 
esfregassem os nossos quatro amigos, viram que não adiantava. E perguntaram 
se aquilo era de nascença ou se... 
- Mas nós não nascemos – interrompeu o cachorro. – Nós fomos 
inventados! 
(QUINTANA, Mário. A vaca e o hipogrifo. 3 ed. Porto Alegre, L&PM, 
1979. p.34.) 
EFEITO ESTUFA 
Aquecimento global está chegando a um ponto crítico, dizem pesquisas. 
Dois novos estudos, publicados no início de 2005, alertam para agravamento do 
efeito estufa. Cientistas ingleses e norte-americanos advertem que problema 
está chegando a um ponto crítico de não-retorno e que apenas o Protocolo de 
Quioto será insuficiente para reverter quadro atual.
Coesão e Coerência 
Coerência e coesão textuais são dois conceitos importantes para uma melhor 
compreensão do texto e para a melhor escrita de trabalhos de redação de 
qualquer área. 
Na construção de um texto, assim como na fala, usamos mecanismos 
para garantir ao interlocutor a compreensão do que se lê / diz. 
Esses mecanismos lingüísticos que estabelecem a conectividade e a 
retomada do que foi escrito / dito são os referentes textuais e buscam garantir a 
coesão textual para que haja coerência, não só entre os elementos que compõem 
a oração, como também entre a seqüência de orações dentro do texto. 
A coesão trata basicamente das articulações gramaticais existentes entre 
as palavras, as orações e frases para garantir uma boa sequenciação de eventos. 
A coerência, por sua vez, aborda a relação lógica entre ideias, situações 
ou acontecimentos, apoiando-se, por vezes, em mecanismos formais, de natureza 
gramatical ou lexical, e no conhecimento compartilhado entro os usuários da 
língua. 
Pode-se dizer que o conceito de coerência está ligado ao conteúdo, ou seja, está 
no sentido constituído pelo leitor. 
Um texto incoerente é o que carece de sentido ou o apresenta de forma 
contraditória. Muitas vezes essa incoerência é resultado do mau uso daqueles 
elementos de coesão textual. Na organização de períodos e de parágrafos, um 
erro no emprego dos mecanismos gramaticais e lexicais prejudica o 
entendimento do texto. Construído com os elementos corretos, confere-se a ele 
uma unidade formal. 
Uma das propriedades que distingue um texto de um amontoado de 
palavras ou frases é o relacionamento existente entre si. De que trata, então, a 
coesão textual? Da ligação, da relação, da conexão entre as palavras de um texto, 
através de elementos formais, que assinalam o vínculo entre os seus 
componentes. 
Uma das modalidades de coesão é a remissão. E a coesão pode 
desempenhar a função de (re)ativação do referente. A reativação do referente no 
texto é realizada por meio da referenciação anafórica ou catafórica, formando-se 
cadeias coesivas mais ou menos longas. 
A remissão anafórica (para trás) realiza-se por meio de pronomes 
pessoais de 3ª pessoa (retos e oblíquos) e os demais pronomes; também por 
numerais, advérbios e artigos. 
Exemplo: André e Pedro são fanáticos torcedores de futebol. Apesar 
disso, são diferentes. Este não briga com quem torce para outro time; aquele o 
faz.
Explicação: O termo isso retoma o predicado são fanáticos torcedores de 
futebol; este recupera a palavra Pedro; aquele , o termo André; o faz, o 
predicado briga com quem torce para o outro time – são anafóricos. 
A remissão catafórica (para a frente) realiza-se preferencialmente através 
de pronomes demonstrativos ou indefinidos neutros, ou de nomes genéricos, 
mas também por meio das demais espécies de pronomes, de advérbios e de 
numerais. 
Exemplo: Qualquer que tivesse sido seu trabalho anterior, ele o 
abandonara, mudara de profissão e passara pesadamente a ensinar no curso 
primário: era tudo o que sabíamos dele, o professor, gordo e silencioso, de 
ombros contraídos. 
Explicação: O pronome possessivo seu e o pronome pessoal reto ele 
antecipam a expressão o professor – são catafóricos. 
De que trata a coerência textual ? Da relação que se estabelece entre as 
diversas partes do texto, criando uma unidade de sentido. Está, portanto, ligada 
ao entendimento, à possibilidade de interpretação daquilo que se ouve ou lê. 
(Núcleo de estudos para a Paz e Direitos Humanos, UnB in: Introdução Crítica 
ao Direito, com adaptações) 
Redação Incoerente
Exemplo de um texto incoerente: Está redação foi feita pelo aluno Rodrigo 
Longo do Colégio Dom Bosco, no dia 20/04/04. Viva a educação brasileira! 
O vestibular é muito polêmico, e agora o governo resolveu fazer cotas para 
negros e prá quem veio de escola pulblica. 
No caso dos negros,é injusto, já que 50% dos negros nascem pretos, e a metade 
não. Mas isso ficaria indeciso, pois existem pessoas como o Maicon Jecksson 
que násceram pretas e não brancas, então pode- se alegar que um loiro têm 
descendência afro-africana, bem como os orientais. 
Logo, podemos dar cotas aos alcólatras, pois estes seguem o exemplo do 
Presidente. Mas para evitar a complicação do vestibular o ideal seria o sorteio de
vagas, assim só os sortudos conseguiriam entrar na faculdade, ou seja, além de 
um profissional competente, o cara iria ser um profissional de sorte. 
É uma pouca vergonha o sistema de cotas, porque os homossexuais seriam 
desfavorecidos perante ao curso superior, novamente mais um motivo para o 
Presidente ser bêbado. E não são todas as pessoas que tem oportunidade de 
estudar em uma boa escola como o COLÉGIO DOM BOSCO. 
Todavia, a metodologia do vestibular é totalmente ineficiente e fálico, pois se 
descobrirem vida em outros planetas o conceitos dos concursos ' Miss Universo' 
teriam de ser repensados.Desejo a todos uma boa viagem. 
** O texto só auxilia na nitidez da redação, não modifica nem interfere no 
conteúdo da mesma.** 
Exemplo de falta de coesão. 
Coesão: plano do texto, das palavras, a ligação entre as frases. 
A Joana não estuda nesta Escola. 
Ela não sabe qual é a Escola 
mais antiga da cidade. 
Esta Escola tem um jardim. 
A Escola não tem laboratório de 
línguas. 
O Paulo estuda Inglês. 
A Elisa vai todas as tardes 
trabalhar no Instituto. 
A Sandra teve 16 valores no 
teste de Matemática. 
Todos os meus filhos são 
estudiosos
Ex. Assinale a opção em que a estrutura sugerida para preenchimento da lacuna 
correspondente provoca defeito de coesão e incoerência nos sentidos do texto. 
A violência no País há muito ultrapassou todos os limites. ___1___ dados 
recentes mostram o Brasil como um dos países mais violentos do mundo, 
levando-se em conta o risco de morte por homicídio. 
Em 1980, tínhamos uma média de, aproximadamente, doze homicídios por cem 
mil habitantes. ___2___, nas duas décadas seguintes, o grau de violência 
intencional aumentou, chegando a mais do que o dobro do índice verificado em 
1980 – 121,6% –, ___3___, ao final dos anos 90 foi superado o patamar de 25 
homicídios por cem mil habitantes. ___4___, o PIB por pessoa em idade de 
trabalho decresceu 26,4%, isto é, em média, a cada queda de 1% do PIB a 
violência crescia mais do que 5% entre os anos 1980 e 1990. 
Estudos do Banco Interamericano de Desenvolvimento mostram que os custos 
da violência consumiram, apenas no setor saúde, 1,9% do PIB entre 1996 e 
1997. ___5___ a vitimização letal se distribui de forma desigual: são, sobretudo, 
os jovens pobres e negros, do sexo 
masculino, entre 15 e 24 anos, que têm pago com a própria vida o preço da 
escalada da violência no Brasil. 
(Adaptado de http:// www.brasil.gov.br/acoes.htm) 
a) 1 – Tanto é assim que b) 2 – Lamentavelmente 
c) 3 – ou seja d) 4 – Simultaneamente 
e) 5 – Se bem que
Coerência: plano das ideias, a ligação das ideias no texto 
É resultante da não-contradição entre os diversos segmentos textuais que devem 
estar encadeados logicamente. 
As árvores estão plantadas no deserto, 
A árvore está grávida, 
Tipos de linguagem 
Coloquial – informal – não padrão: a linguagem da fala, sem regras. 
Exemplo de uma pessoa falando ao juiz (RJ) 
Doutor, o patuá é o seguinte: depois de um gelo na coitadinha, resolvi esquinar e 
caçar uma outra cabrocha que se preparasse a marmita e amarrotasse o meu 
linha no sabão. Quando bordejava pelas visas, abasteci a caveira e troquei por 
centavos um embrulhador. Quando então vi as novas do embrulhador, plantado 
com um poste bem na quebrada da rua, veio um paraquedas se abrindo, eu dei a 
dica, ela bolou, eu fiz a pista, colei; colei, solei, ela aí bronquiou, eu chutei, 
bronquiou mas foi na despista, porque, muito vivaldina, tinha se adernado e 
visto que o cargueiro estava lhe comboiando. Morando na jogada, o Zezinho 
aqui ficou ao largo e viu quando o cargueiro jogou a amarração dando a maior 
sugesta na recortada. Manobrei e procurei ingrupir o pagante, mas sem esperar 
recebi um cataplum no pé do ouvido. Aí dei-lhe um bico com o pisante na altura 
da dobradiça uma muqueada não moradores e taquei-lhe os dois pés na caixa de 
mudança pondo-o por terra. Ele se coçou, sacou a maquinae queimou duas 
espoletas. Papai, muito esperto, virou pulga e fez a dunquerque, pois o vermelho 
não combina com a cor do meu linho. 
Culta-formal – padrão: a linguagem da escrita, com regras determinadas na 
gramática,aceita na sociedade como a padrão. 
Variação lingüística: variação que uma língua apresenta, de acordo com: 
a) Social: Agrupa alguns fatores de diversidade: o nível sócio-econômico, 
determinado pelo meio social onde vive um indivíduo; o grau de educação; a
idade e o gênero. A variação social não compromete a compreensão entre 
indivíduos, como poderia acontecer na variação regional; o uso de certas 
variantes pode indicar qual o nível sócio-econômico de uma pessoa, e há a 
possibilidade de alguém oriundo de um grupo menos favorecido atingir o padrão 
de maior prestígio. 
b) Regional: Trata das diferentes formas de pronúncia, vocabulário e estrutura 
sintática entre regiões. Dentro de uma comunidade mais ampla, formam-se 
comunidades lingüísticas menores em torno de centros polarizadores da cultura, 
política e economia, que acabam por definir os padrões lingüísticos utilizados na 
região de sua influência. As diferenças lingüísticas entre as regiões são graduais, 
nem sempre coincidindo com as fronteiras geográficas,ou seja,pessoas que 
moram em outras regiões tem formas diferentes de falar e cada região tem seu 
devido sotaque. 
c) Etária: é um fenômeno de linguagem especial usada por certos grupos sociais 
pertencentes a uma classe ou a uma profissão em que se usa uma palavra não 
convencional para designar outras palavras formais da língua com intuito de 
fazer segredo, humor ou distinguir o grupo dos demais criando uma linguagem 
própria: o jargão ou gíria. É empregada por jovens e adultos de diferentes classes 
sociais, e observa-se que seu uso cresce entre os meios de comunicação de 
massa. Trata-se de um fenômeno sociolingüístico. 
d) História: Acontece ao longo de um determinado período de tempo, pode ser 
identificada ao se comparar dois estados de uma língua. O processo de mudança 
é gradual: uma variante inicialmente utilizada por um grupo restrito de falantes 
passa a ser adotada por indivíduos socioeconomicamente mais expressivos. A 
forma antiga permanece ainda entre as gerações mais velhas, período em que as 
duas variantes convivem; porém com o tempo a nova variante torna-se normal 
na fala, e finalmente consagra-se pelo uso na modalidade escrita. As mudanças 
podem ser de grafia ou de significado. 
O texto de humor que se segue foi veiculado na Internet no ano de 2003. Leia e 
responda as questões propostas. 
Assaltante nordestino 
- Ei, bichin... Isso é um assalto... Arriba os braços e num se bula nem faça 
muganga... Arrebola o dinheiro no mato e não faça pantim se não enfio a 
peixeira no teu bucho e boto teu fato pra fora! Perdao, meu Padim Ciço, mas é 
que eu tô com uma fome da mulestia. 
Assaltante mineiro
- Ô sô, prestenção... Isso é um assarto, uai... Levanta os braço e fica quetim 
quesse trem na minha mão tá cheio de bala... Mió passá logo os trocado que eu 
num to bão hoje. Vai andando, uai! Tá esperando o quê, uai!!! 
Assaltante gaúcho 
- O, guri, ficas atento... Bah, isso é um assalto... Levantas os braços e te aquietas, 
tchê! Não tentes nada e cuidado que esse facão corta uma barbaridade, tchê. 
Passa as pilas pra cá! E te manda a la cria, senão o quarenta e quatro fala. 
Assaltante carioca 
- Seguinte, bicho... Tu te deu mal. Isso é um assalto. Passa a grana e levanta os 
braços, rapá... Não fica de bobeira que eu atiro bem pra *%#@+&%#@ Vai 
andando e, se olhar pra trás, vira presunto... 
Assaltante baiano 
- Ô, meu rei... (longa pausa) Isso é um assalto... (longa pausa) Levanta os 
braços, mas não se avexe não... (longa pausa). Se num quiser nem precisa 
levantar, pra num ficar cansado... Vai passando a grana, bem devagarinho... 
(longa pausa). Num repare se o berro está sem bala, mas é pra não ficar muito 
pesado... Não esquenta, meu irmãozinho (longa pausa). Vou deixar teus 
documentos na encruzilhada... 
Assaltante paulista 
- Orra, meu... Isso é um assalto, meu... Alevanta os braços, meu... Passa a grana 
logo, meu... Mas rápido, meu, que eu ainda preciso pegar a bilheteria aberta pra 
comprar o ingresso do jogo do Corinthians, meu... Pô, se manda, meu... 
1. O texto retrata várias cenas de assalto, cada uma delas situada em um Estado 
ou região diferente do país. A fala do assaltante tem sempre o mesmo conteúdo, 
enquanto o uso da linguagem e o modo como o assalto é conduzido mudam de 
uma situação para outra. Identifique, em casa uma das cenas, duas palavras ou 
expressões próprias do: 
a) nordestino b) mineiro c) gaúcho 
d) carioca e) baiano f) paulista 
2. Além da linguagem, o texto também revela comportamentos ou hábitos que 
supostamente caracterizam o povo de diferentes Estados ou regiões. O que 
caracteriza, por exemplo: 
a) o nordestino b) o baiano c) paulista
Gêneros literários 
Lírico: sentimento, da emoção. 
Épico: feito heróico ou fato histórico 
Dramático: encenação 
Linguagem verbal: é aquela em que se usa palavras, textos, frases. 
Linguagem não-verbal: é aquela que se usa fotos, gráficos, mapas, sinais, etc. 
Funções da linguagem 
 Emotiva: emoção 
 Apelativa: apelo 
 Poética: poesia 
 Referencial: passa-se a informação, sem emoção 
 Fática: testa-se o canal na conversa 
 Metalingüística: o dicionário 
Interpretação de texto 
1. Em relação à charge acima, pode-se inferir que 
I. O texto verbal apresenta aspectos que se opõem entre si e partilham da 
construção do sentido do texto, como um todo. 
II. O autor incorpora explicitamente uma intertextualidade da linguagem 
popular. 
III. O leitor deve atribuir um único sentido para o enunciado “a coisa tá ficando 
preta”. 
IV. A temática sugere ao leitor um posicionamento crítico sobre as mudanças no 
planeta Terra. 
Está (ão) CORRETA(S) apenas a(s) proposição (ões)
a) III e IV b) I, II e III c) I, II e IV d) II e) I e III 
Leia o texto, a seguir, e responda à questão abaixo. 
Discurso e discussão 
Há r para discurso 
Mas discussão, não 
(discurso é 
pronunciamento 
e debate é discussão): 
“O discurso do prefeito 
causou muita discussão” [...] 
Janduhi Dantas, In: Revista Educação, nov, 2005, p. 61. 
2. Da estrofe acima, pode-se afirmar que: 
I - A função predominante do texto é a metalingüística, tendo em vista que está 
centralizada no código. 
II - As aspas nos dois últimos versos registram a fala do narrador de forma 
direta. 
III - O enunciado grafado entre parênteses apresenta idéias conceituais sobre 
“discurso e debate”. 
IV - Os termos “discurso e discussão” têm sentido equivalentes. 
Analise as proposições, acima, e marque a(s) verdadeira(s). 
Está(ão) CORRETA(S), apenas: 
a) III e IV b) II c) II, III e IV d) I, II e III e) I e III 
3. Leia o texto e responda: 
“Aprendi com meu filho 
de dez anos 
Que a poesia é a 
descoberta 
Das coisas que nunca vi” 
Oswald de Andrade 
As funções de linguagem predominante no texto são: 
a) Referencial e emotiva b) Fática e conativa c) Poética e 
metalingüística 
d) Fática e referencial e) Conativa e poética 
Leia o texto abaixo e responda 
“A professora do Bocão está corrigindo o dever de casa. 
Aí, balança a cabeça, olha para o Bocão e diz: 
– Não sei como uma pessoa só, consegue cometer tantos erros. 
E o Bocão explica:
– Não foi uma pessoa só, professora. Papai me ajudou.” 
(ZIRALDO, Alves Pinto. Rolando de rir. O livro das gargalhadas do Menino 
Maluquinho. São Paulo: Melhoramentos, 2001. p. 20) 
4. Em relação ao texto acima, pode-se concluir que 
I. há predominância da função metalingüística. 
II. as falas dos interlocutores se sucedem sem a presença do narrador. 
III. a comicidade do texto se dá em razão da interpretação literal de 
“Bocão”. 
Analise as proposições e marque a alternativa conveniente. 
a) Apenas II e III estão corretas. b) Apenas I e II estão corretas. 
c) Apenas I e III estão corretas. d) Apenas III está correta. 
e) I, II e III estão corretas. 
Quinze anos. 
Imaginava eu que nessa idade as meninas morenas e loiras sonham sempre 
com longas festas, onde sempre aparece um cara que, além de tocar uma baita 
bateria, consegue um equipamento de luz negra, e tem um conjunto que faz um 
som da pesada, ou então chega com duas caixas e um amplificador, e tudo fica 
muito louco até o momento solene da valsa, com as meninas portando velas 
acesas e os rapazes com flores, enfim, a zorra dos quinze anos que os pais 
curtem com tremor dentro do peito, isso quando não se cotizam para o grande 
baile das debutantes, rigorosamente lindas, apresentadas geralmente por um 
compenetrado colunista social ou por um artista que, como anunciamos ao 
distinto público, acedeu ao convite da cidade, mesmo tendo de abandonar 
compromissos profissionais já assumidos, como a filmagem dos vinte últimos 
capítulos da novela em que é personagem principal. 
Quinze anos. 
Onde terei errado na minha função de pai? 
Pois a menina de quinze anos, que carreguei no colo e que admirei através 
do vidro da maternidade na noite de novembro em que a lâmpada cor-de-rosa se 
acendeu, recusa com um sorriso provocador qualquer coisa que lembre essa festa 
de aniversário, e apenas me deposita um beijo na minha testa, como se esse 
gesto bastasse para ela provar que acaba de completar quinze anos. 
Não sei onde foi buscar esse despojamento e essa indiferença pela vaidade 
frágil que dura o tempo do spray no ar. Chego a me atemorizar. Penso que, por 
desleixo ou falta de prática, falhei nalgum ponto – e criei a filha de um operário, 
de um ferroviário, de um lutador de boxe que perdeu por pontos, de um 
balconista das Casas Pernambucanas, de um lanterninha de cinema, ou – para 
pensar o pior – criei a filha de um mero cronista da Cidade. 
Que Deus me perdoe se falhei. E que Deus me abençoe se minha filha de 
quinze anos pensa exatamente como deve pensar uma garota morena de quinze 
anos, sem os cacoetes e sem os falsetes que nós, os adultos, gostamos de
emprestar a essa idade própria das decisões pessoais, quando se aprende a usar o 
dom – hoje raro e falsificado – chamado: a liberdade de ser. 
DIAFÉRIA, Lourenço. In: NOVAES, C. E. et alii. Para gostar de ler. São 
Paulo: Ática, 1981. (Vol. 7 - Crônicas) 
1. A propósito da expressão “como anunciamos ao distinto público”, 
inserida no segundo parágrafo, considere as afirmativas abaixo e indique o que é 
verdadeiro (V) e o que é falso (F). 
( ) Ela confirma a originalidade estilística do autor. 
( ) Por sua padronização, ela critica o convencionalismo de certos eventos 
sociais. 
( ) Ela reflete o prestígio de uma cerimônia em que a essência vale mais do 
que a aparência. 
A alternativa correspondente à seqüência correta é: 
a) VVF b)VFF 
c) FVF d)VFV e)FVV 
2. NÃO se verifica o registro coloquial da linguagem em: 
a) “... longas festas, onde sempre aparece um cara...”. 
b) “... além de tocar uma baita bateria, consegue um equipamento de luz negra...”. 
c) “... e tem um conjunto que faz um som da pesada...”. 
d) “... e tudo fica muito louco até o momento solene da valsa...”. 
e) “... quando não se cotizam para o grande baile das debutantes...”. 
3. O despojamento e a indiferença da menina 
a) explicam-se por sua humildade social. 
b) atemorizam sinceramente o seu pai. 
c) confirmam as falhas na sua educação. 
d) constituem sinais de liberdade interior. 
e) atestam-lhe o desajuste psicológico. 
4. Sobre o pai-cronista, afirma-se que ele 
I. curtia com tremor a zorra dos quinze anos. 
II. enganou-se ao generalizar sua impressão sobre os quinze anos. 
III. está correto ao reconhecer seu desleixo e falta de prática. 
Das afirmações acima, está(ão) correta(s) 
a) apenas I. b)apenas II. c)apenas III. 
d)I e III. e)II e III. 
5. No trecho: “ ... e tudo fica muito louco até o momento solene da valsa...”, o 
melhor sinônimo para o termo sublinhado é:
a)religioso. b) confuso. 
c)despojado. d) pomposo. 
e)sombrio. 
Tipos de texto 
O texto é uma mensagem: uma passagem falada ou escrita que forma um 
todo significativo independentemente da sua extensão. 
 Os tipos de texto são: Narrativos, Descritivos, Informativos, Argumentativos, 
Injuntivos e poéticos. 
Narrativo: relata fatos e acontecimentos verossímeis (verdadeiros) ou 
inverossímeis (ficção), situados no tempo. 
Não existe texto puramente narrativo. Quando dizemos “A mulher se 
aproximou da penteadeira e pegou o estojo de maquiagem”, fazemos também 
uma descrição. O mesmo não ocorre com texto puramente descritivo: ”O jardim 
é retangular, com muitas rosas e cravos”. 
Tem-se: 
Personagens: protagonista (mocinho), antagonista (vilão – pode ser também 
uma situação) e coadjuvantes (secundários); 
Tempo: cronológico (pode ser contado no relógio) e psicológico (tem-se uma 
ideia) 
Enredo: a síntese da historia; 
Espaço: local em que se passa o enredo. 
Descritivo: representa-se objetos e personagens que participam do texto 
narrativo. Na verdade, contar uma historia é mesclar narrações e descrições. 
Informativo: transmite conhecimentos, esclarece determinado assunto, 
encontramos em obras cientificas, enciclopédias, manuais escolares, guias 
turísticos, relatórios técnicos, notícias, etc. 
O Texto Informativo deve ter uma linguagem objetiva e não se confunde 
com os textos de natureza artística ou literária. É o texto da imprensa, do 
professor, dos relatórios, técnicos ou científicos. Analisa um fenômeno ou uma 
teoria, prestando-se ao uso didático. 
Argumentativo: procura convencer ao se defender uma tese (ideia) com 
argumentos.
O Texto Argumentativo procura convencer, propondo ou impondo ao 
receptor uma interpretação particular de quem o produz. Por isso mesmo, visa 
defender uma tese ou rejeitá-la. 
O texto argumentativo não se confunde com os textos informativos, pois 
nestes os fatos e idéias não são geralmente expostos com o objetivo de 
convencer o receptor. 
Em geral, o desenvolvimento de uma argumentação comporta três etapas: 
 Uma tese, que enuncia o ponto de vista que será objeto de demonstração; 
 Os argumentos, elementos abstratos geralmente apresentados em ordem 
crescente de importância e que justificam a tese; 
 E as provas que sustentam os argumentos e que devem ser elementos 
concretos(fatos ocorridos, depoimentos ou citações de intelectuais reconhecidos, 
fatos históricos e etc.). 
Injuntivo: é usado para convencer alguém, apelando. 
A palavra injunção significa ordem formal, imposição, exigência.Uma das 
formas verbais do texto injuntivo e o imperativo.Os textos injuntivos 
exemplificam o uso da linguagem em sua função apelativa (ou conativa). 
Poético: a construção da mensagem é o objetivo principal ao se valorizar sons, 
ritmos, e sentidos. 
Podemos encontrar textos poéticos narrativos, descritivos, informativos e até 
com passagens ou objetivos injuntivos, como algumas mensagens publicitárias. 
Leia o texto abaixo e responda as questões: 
TEXTO I 
1. Na tira lida, o que o menino forte está fazendo com o Cebolinha?
( ) Procura brigar com Cebolinha por motivo desconhecido. 
( ) Procura fazer com que Cebolinha estude com ele sobre artes marciais. 
2. O que a imagem do menino maior nos indica sobre ele? (Observe o desenho – 
não verbal e verbal) 
( ) Que a coroa indica que ele é o mais forte, o maioral, o rei do lugar. 
( ) Que ele é bom de amizade, pois tem uma coroa que simboliza isso. 
3. O menino maior está segurando o Cebolinha pela gola da camiseta. No primeiro 
quadrinho, a fala e o rosto do Cebolinha nos encaminha para um possível final. 
Qual? 
( ) Cebolinha vai enfrentar o outro menino. 
( ) Cebolinha não quer brigar com o menino. 
4. Na fala: “Me coloca no chão, senão vai ver só o que eu faço!”, que sentido tem 
essa frase? 
( ) Me coloca no chão, caso contrario vai ver só o que eu faço!”. 
( ) Me coloca no chão, somente você vai ver só o que eu faço!”. 
5. O final da tira quebra a expectativa do leitor. Por quê? 
( ) Porque Cebolinha dá uma surra no garoto maior. 
( ) Porque Cebolinha faz xixi nas calças, ao invés de enfrentar o garoto 
maior. 
6. Essa tirinha usa que tipo de linguagem? 
( ) Linguagem verbal ( ) Linguagem não verbal 
( ) Linguagem verbal e não verbal ( ) Nenhuma delas 
7. Quem está simbolizando a fraqueza? 
( ) Cebolinha que fez xixi nas calças. 
( ) O garoto maior, porque está em vantagem no tamanho. 
8. Na fala: “Me coloca no chão, senão vai ver só o que eu faço!”, é exemplo de 
linguagem culta-formal ou coloquial- informal? 
9. Qual a função da linguagem presente no texto?
10. O que Calvin está 
fazendo?________________________________________________________ 
11. No 1º quadrinho, por que Calvin reclama da comida? 
_______________________________________________________________ 
12. O pai usa o universo infantil dos desenhos televisivos. Que tipo de desenho ele 
usa como exemplo para convencer Calvin a jantar? ______________________ 
13. A mãe de Calvin concordou ou não com a atitude do pai de Calvin? Justifique. 
________________________________________________________________ 
14. O gênero literário do texto de Calvin é: 
( ) Gênero Lírico, pois mostra o sentimento dos pais em relação a alimentação 
de Calvin. 
( ) Gênero Épico, pois mostra os pais inventando fatos históricos para Calvin 
se alimentar. 
( ) Gênero Dramático, pois mostra uma encenação dos pais para Calvin se 
alimentar. 
15. As funções da linguagem presentes no texto são: 
( ) Referencial/ Poética ( ) Apelativa/ Fática ( ) Fática/ Poética ( ) 
Metalinguística/Apelativa 
16. Há uma intertextualidade no texto, qual é? 
17. A variedade lingüística usada no texto é culta-formal ou coloquial- informal? 
18. Leia o texto abaixo e responda 
A linguagem 
na ponta da língua 
tão fácil de falar 
e de entender. 
A linguagem 
na superfície estrelada de letras, 
sabe lá o que quer dizer? 
Professor Carlos Góis, ele e quem sabe, 
e vai desmatando 
o amazonas de minha ignorância. 
Figuras de gramática, esquipáticas, 
atropelam-me, aturdem-me, sequestram-me. 
Já esqueci a língua em que comia, 
em que pedia para ir lá fora, 
em que levava e dava pontapé, 
a língua, breve língua entrecortada 
do namoro com a priminha.
O português são dois; o outro, mistério. 
Carlos Drummond de Andrade. Esquecer para lembrar. Rio de Janeiro: José 
Olympio, 1979. 
19. Explorando a função emotiva da linguagem, o poeta expressa o contraste 
(diferença) entre marcas de variação de usos da linguagem em: 
a) culta-formal (situações formais) e coloquial- informal (situação da fala no dia 
a dia). 
b) diferentes regiões do país. 
c) escolas distintas. 
d) textos técnicos e poéticos. 
e) diferentes épocas. 
Leia o texto abaixo e veja a relação da linguagem verbal com a não verbal, 
marcando a figura em que há essa relação. 
Não só de aspectos físicos se constitui a cultura de um povo. Há muito mais, 
contido nas tradições, no folclore, nos saberes, nas línguas, nas festas e em 
diversos outros aspectos e manifestações transmitidos oral ou gestualmente, 
recriados coletivamente e modificados ao longo do tempo. A essa porção 
intangível (que não se atinge) da herança cultural dos povos dá-se o nome de 
patrimônio cultural imaterial. 
Internet: <www.unesco.org.br>. 
Qual das figuras abaixo retrata o patrimônio imaterial (imaginário, popular) da 
cultura de um povo? 
a) Cristo Redentor b) 
Pelourinho 
c) Bumba meu boi d) 
Cataratas do Iguaçu
e) Esfinge de Gisé 
Com base na propaganda reproduzida abaixo, responda as questões abaixo: 
O Ministério da Saúde adverte: 
Crianças começam a fumar ao verem os adultos fumando 
27. Considerando-se isso que o Ministério da Saúde afirma, pode-se concluir: 
A) Existem adultos que compram cigarros em estoque. 
B) Não se deve dar cigarro a quem não sabe tragar. 
C) Existem adultos que dão maus exemplos a crianças. 
D) Não se deve forçar um menor de idade a fumar. 
28. A propaganda sugere que é comum crianças 
A) fumarem menos de um maço por dia. 
B) tentarem imitar os fumantes adultos. 
C) adquirirem o vício antes da fase ideal. 
D) incentivarem os pais a largar o vício. 
29. A ausência do artigo AS diante do substantivo CRIANÇAS possibilita que o 
leitor conclua o seguinte: 
A) Nem toda criança dá início ao hábito de fumar. 
B) Criança fuma sem autorização do responsável. 
C) Nem toda criança continua fumando após tornar-se adulta. 
D) Criança ansiosa começa a fumar mais cedo que as outras. 
30. Assim como o ato de ADVERTIR é denominado ADVERTÊNCIA, o ato de 
A) descuidar é denominado descuidado. 
B) benzer é denominado benzedeira. 
C) capacitar é denominado capacidade. 
D) perceber é denominado percepção. 
31. Equivale ao sentido de AO VEREM: 
A) sempre que vêem. 
B) quando vêem. 
C) tanto quanto vêem.
D) conquanto vêem. 
Com base no texto seguinte, responda as questões abaixo: 
QUANDO CHEGA A HORA DE DECIDIR O FUTURO 
Dr. Luiz Albert Py 
Um período dramático na vida de quase todos os jovens começa quando 
se coloca a questão da escolha da profissão. São raros os que têm certeza do que 
querem fazer na vida, do que pretendem ser [...] Os que já estão se preparando 
para cursar faculdade se perguntam qual seria a melhor escolha e como saber o 
que decidir. Antigamente, os pais procuravam interferir, tentando conseguir que 
os filhos preenchessem seus próprios sonhos, principalmente quando não 
realizados. Os pais viam os filhos como fonte de satisfação para seus antigos 
desejos. 
Atualmente, isso é mais raro: a maioria das pessoas sabe a importância 
de deixar que o outro faça a escolha por si mesmo. 
A grande dúvida é se a escolha deve ser feita a partir de um desejo ou 
vocação, ou se é melhor escolher uma atividade que tenha bom mercado de 
trabalho; escolher com o coração, ou com a cabeça. Acho que o fato de se ter 
facilidade para algum tipo de trabalho não deve ser decisivo, a não ser que tal 
facilidade proporcione alegria e satisfação. Também não acredito na vantagem 
de a escolha ser feita visando-se ao ganho de dinheiro. Creio que melhor é se 
escolher uma profissão como se escolhe um amor: com o coração. Quando 
trabalhamos naquilo de que gostamos, é mais fácil fazermos bem feito. Quando 
trabalhamos bem, a perspectiva de ganharmos dinheiro com o que fazemos é 
maior. Fazer aquilo de que se gosta e bem feito é fonte de alegria e felicidade. 
Disponível em: <http://www.nlnp.net/index.html>. Acesso em: 02 fev. 2009. 
[Adaptado] 
32. A idéia central do texto é: 
A) Prefere-se atividade que tenha mais tradição no mercado de trabalho. 
B) Muito jovem acha que, na vida, é mais fácil optar por um curso 
profissionalizante. 
C) Deve-se escolher uma profissão com o coração, assim como se escolhe um 
amor. 
D) Quem executa bem seu trabalho ganha dinheiro com muita facilidade. 
33. Estabelecendo-se uma relação entre o título e o texto, DECIDIR O FUTURO 
significa 
A) optar por uma profissão. B) acatar sugestões de pessoas experientes. 
C) escolher sem hesitação. D) atender a constantes apelos dos parentes. 
34. Com base no texto, pode-se afirmar: 
A) Trabalhar naquilo que dá prazer traz vantagens para os pais e para os filhos. 
B) Os pais, antes, conseguiam que os filhos tomassem decisões mais acertadas. 
C) Os jovens mais seguros do que querem fazer na vida são os pré-vestibulandos.
D) Hoje, os pais já interferem menos nas escolhas profissionais de seus filhos. 
35. Segundo o texto, 
A) a alegria e a felicidade resultam do dinheiro que se consegue com a profissão. 
B) é importante, nos dias atuais, que ainda se consulte alguém sobre qual a 
melhor escolha. 
C) a facilidade para o desenvolvimento de um trabalho é garantia de satisfação 
profissional. 
D) era mais comum, há algum tempo, que pais tentassem projetar-se nos filhos. 
36. No texto, é sinônimo de DIFÍCIL: 
A) grande (linha 9). 
B) dramático (linha 1). 
C) feito (linha 16). 
D) maior (linha 15). 
Leia o período abaixo para responder às questões 37 e38. 
“São raros os que têm certeza do que querem fazer na vida, do que pretendem 
ser [...]” 
37. Ter certeza de é o mesmo que 
A) estar disposto. C) estar convicto. 
B) estar disponível. D) estar concentrado. 
38. Se o período fosse reescrito no singular, mantendo-se o presente do 
indicativo, as formas verbais sublinhadas passariam a: 
A) É – tem – quer – pretende 
B) É – têm – quer – pretende 
C) É – teria – queria – pretenda 
D) É – teve – queria – pretenda 
39. Seria correta a substituição da palavra QUASE (linha 1) pela palavra 
A) praticamente. C) particularmente. 
B) precisamente. D) persistentemente. 
40. Na linha 3, a palavra PARA exprime 
A) esforço. C) estudo. 
B) preparo. D) propósito. 
41. Na linha 3, a palavra sublinhada indica que os jovens fazem a pergunta 
A) àqueles em quem eles realmente confiam. 
B) a eles mesmos. 
C) àqueles que desejam entrar na faculdade. 
D) a seus familiares.
42. Nas linhas 5 e 6, as palavras sublinhadas referem-se aos 
A) sonhos. C) pais. 
B) filhos. D) desejos. 
Retrato 
Eu não tinha este rosto de hoje, 
assim calmo, assim triste, assim magro, 
nem estes olhos tão vazios, 
nem o lábio amargo. 
Eu não tinha estas mãos sem força, 
tão paradas e frias e mortas; 
eu não tinha este coração 
que nem se mostra. 
Eu não dei por esta mudança, 
tão simples, tão certa, tão fácil: 
– Em que espelho ficou perdida 
a minha face? 
(MEIRELES, Cecília. Retrato. In: _____. Os melhores poemas de Cecília 
Meireles. Seleção de Maria Fernanda. 11 ed. São Paulo: Global, 1999, p. 13). 
4. No poema Retrato, a passagem do tempo é vista pelo eu lírico com: 
a) Tranqüilidade / saudosismo c) Ansiedade / aceitação 
b) Alegria / surpresa d) Insatisfação / tristeza 
e) Indiferença / surpresa 
5. Com base na leitura do texto II, analise as afirmativas abaixo: 
I. O poema retoma a visão de tempo explorada pelos barrocos, que 
se angustiavam diante da efemeridade das coisas do mundo. 
II. O poema resgata a visão de tempo explorada pelos árcades, em 
que o eu lírico procura viver intensamente o tempo presente. 
III. O poema retrata a angústia do eu lírico diante apenas das 
mudanças físicas causadas pela passagem do tempo, tal como fizera a estética 
barroca. 
Está(ão) correta(s) apenas: 
a) II e III b)II c) III d)I e II e)I 
6. Leia os versos abaixo. 
“Eu não dei por esta mudança, tão simples, tão certa, tão 
fácil:”
Quanto à repetição do termo destacado nesses versos, pode-se afirmar: 
I. Constitui recurso estilístico que enfatiza as características da mudança 
constatada pelo eu lírico. 
II. Trata-se de uma repetição usada somente para assegurar a mesma contagem de 
sílaba dos versos. 
III. Compreende um mecanismo de reforço das características daquela mudança 
(simples, certa e fácil), apresentadas sob a forma de antítese. 
Está(ão) correta(s) apenas: 
a)I e III b)II c)III d)I e)II e III 
1. Observe a figura abaixo e responda o que se pede 
Pintura rupestre da Toca do Pajaú – PI. Internet: <www.betocelli.com>. 
A pintura rupestre acima, que é um patrimônio cultural brasileiro, expressa 
a) o conflito entre os povos indígenas e os europeus durante o processo de 
colonização do Brasil. 
b) a organização social e política de um povo indígena e a hierarquia entre seus 
membros. 
c) aspectos da vida cotidiana de grupos que viveram durante a chamada pré-história 
do Brasil. 
d) os rituais que envolvem sacrifícios de grandes dinossauros atualmente 
extintos. 
e) a constante guerra entre diferentes grupos paleoíndios da América durante o 
período colonial. 
52. Leia os textos abaixo e responda: 
Antigamente 
Acontecia o indivíduo apanhar constipação; ficando perrengue, mandava o 
próprio chamar o doutor e, depois, ir à botica para aviar a receita, de cápsulas ou
pílulas fedorentas. Doença nefasta era a phtísica, feia era o gálico. Antigamente, 
os sobrados tinham assombrações, os meninos, lombrigas (...) 
Carlos Drummond de Andrade. Poesia completa e prosa.Rio de Janeiro: 
Companhia José Aguilar, p. 1.184. 
O texto acima está escrito em linguagem de uma época passada. Observe uma 
outra versão, em linguagem atual. 
Antigamente 
Acontecia o indivíduo apanhar um resfriado; ficando mal, mandava o próprio 
chamar o doutor e, depois, ir à farmácia para aviar a receita, de cápsulas ou 
pílulas fedorentas. Doença nefasta era a tuberculose, feia era a sífilis. 
Antigamente, os sobrados tinham assombrações, os meninos, vermes (...) 
Comparando-se esses dois textos, verifica-se que, na segunda versão, houve 
mudanças relativas a 
a) vocabulário. b) construções sintáticas. c) pontuação. 
CARTA-POEMA 
Manuel Bandeira 
Excelentíssimo Prefeito 
Senhor Hildebrando de Góis, 
Permiti que, rendido o preito 
A que fazeis jus por quem sois, 
Um poeta já sexagenário, 
Que não tem outra aspiração 
Senão viver de seu salário 
Na sua limpa solidão, 
[...] 
Que imundície! Tripas de peixe, 
Cascas de fruta e ovo, papéis... 
Não é natural que me queixe? 
Meu Prefeito, vinde e vereis! 
Quando chove, o chão vira lama: 
São atoleiros, lodaçais, 
Que disputam a palma à fama 
Das velhas maremas letais! 
[...] 
Mandai calçar a via pública 
Que, sendo um vasto lagamar, 
Faz a vergonha da República 
Junto à Avenida Beira-Mar!
53 .O texto, acima, tem função da linguagem: 
a) referencial. b) poética. c) emotiva d) apelativa. 
e) metalingüística. 
54. O uso de somente símbolos, imagens, gráficos, figuras e etc. fazem parte da 
linguagem: (1 ponto) 
( ) Verbal ( ) Não verbal 
( ) Verbal e não verbal 
55. O texto acima Carta-poema, de Manuel Bandeira, é exemplo de que tipo de 
linguagem: (1 ponto) 
( ) Verbal ( ) Não verbal 
( ) Verbal e não verbal 
56.O gênero literário do texto é: (1 ponto) 
( ) Gênero Lírico, pois mostra o sentimento do eu lírico sobre o funcionário 
público. 
( ) Gênero Épico, pois mostra o eu lírico inventando fatos históricos sobre o 
funcionário público. 
( ) Gênero Dramático, pois mostra uma encenação do eu lírico sobre o 
funcionário público. 
57. A figura abaixo é parte de uma campanha publicitária, que usa a linguagem 
não verbal. 
NEM SEMPRE É O CRIMINOSOQUEM VAI PARAR ATRÁS DAS 
GRADES 
Com Ciência Ambiental, n.o 10, abr./2007.
Essa campanha publicitária relaciona-se diretamente com a qual afirmação? 
a) O comércio ilícito (ilegal) da fauna silvestre, atividade de grande impacto, é 
uma ameaça para a biodiversidade nacional. 
b) A manutenção do mico-leão-dourado em jaula é a medida que garante a 
preservação dessa espécie animal. 
c) O Brasil, primeiro país a eliminar o tráfico do mico-leão-dourado, garantiu a 
preservação dessa espécie. 
d) O aumento da biodiversidade em outros países depende do comércio ilegal da 
fauna silvestre brasileira. 
e) O tráfico de animais silvestres é benéfico para a preservação das espécies, 
pois garante-lhes a sobrevivência. 
Leia o texto seguinte e responda às questões de 47 a 50. 
16 Novembro, 2007 / Tirinha 406: Mafalda 
(http://clubedamafalda.blogspot.com/2007) 
47. Sobre os quadrinhos é correto afirmar, exceto a alternativa 
A) Há uma crítica à submissão feminina, ao passo que se levanta a bandeira do 
uso das tecnologias como meio de libertação de práticas tradicionais atribuídas à 
mulher. 
B) Há um discurso contraditório de uma das personagens dos quadrinhos, à 
medida que o uso da tecnologia defendido por ela só reforça padrões 
tradicionais. 
C) Ao usar a expressão “Tem razão”, subentendesse que a personagem Mafalda 
tem um posicionamento reativo. 
D) Pode-se inferir do texto que as novas gerações repetem as ações de gerações 
passadas.
E) A linguagem não-verbal não contribui para o entendimento do texto que, na 
fala única de uma das personagens, deixa claro um comportamento pós-moderno. 
48. Quanto à estrutura sintática da frase expressa no primeiro quadrinho “Tem 
razão, Mafalda”, é correto afirmar 
A) Possui um sujeito simples: Mafalda. 
B) Possui uma oração sem sujeito com o verbo impessoal - tem. 
C) Possui um sujeito simples “oculto”: você. D) Possui um sujeito 
indeterminado. 
E) Possui um sujeito simples: razão. 
49. Sobre as frases “Tem razão, Mafalda. Não posso ser como nossas mães, que 
se conformavam...”, é correto afirmar 
A) O termo “que” pode ser classificado como conjunção integrante e retoma a 
palavra“mães”. 
B) Ao se fazer uso do pronome oblíquo átono “se”, temos um caso de ênclise. 
C) Em “que se conformavam”, o termo “que” exerce a função sintática de 
sujeito da oração. 
D) No trecho destacado em negrito, existem apenas duas orações. 
E) O termo “não” é acentuado porque é um monossílabo tônico terminado em 
“o”. 
50. A frase “Portanto, não vou cair na mediocridade” pode ser substituída por 
qual das alternativas abaixo, sem alteração de sentido? 
A) Entretanto, não vou cair na mediocridade... B) Logo, não vou cair 
na mediocridade... 
C) Porém, não vou cair na mediocridade... D) Contudo, não vou 
cair na mediocridade... 
E) Todavia, não vou cair na mediocridade..
Trovadorismo 
Definição: trovador é o poeta que musicaliza a poesia nas cortes. 
A língua utilizada pelos trovadores era o galego-português, uma mistura de 
espanhol (castelhano) com português. 
Início: 1189/1198: surge com a Cantiga da Ribeirinha, de Paio Soares de 
Taveirós. 
Contexto Histórico 
1308 – Fundação da Universidade de Coimbra. 
1415 – Conquista de Ceuta. 
1420 – Início da Expansão marítima. Descoberta da Ilha da Madeira. 
1453 – Os turcos conquistam Constantinopla (capital do Império Romano do 
Oriente). Fim da Idade Media. 
1482 – Diogo Cão descobre a foz do Zaire. 
1487 – Bartolomeu Dias dobra o Cabo da Boa Esperança. 
1492 – Colombo descobre a América. 
1498 – Vasco da Gama descobre o caminho marítimo para as Índias. 
A hierarquia da sociedade feudal: clero, nobreza e povo (vilões, semi-servos e 
escravos) 
O espírito da época é o TEOCÊNTRICO (Deus como o centro do Universo). 
As Cantigas eram as primeiras produções literárias da época e se dividiam em 4: 
 Cantigas de Amor: eu lírico é masculino que sofre por amor. 
 Cantigas de Amigo: eu lírico é feminino que sofre por amor. 
 Cantigas de Escárnio: ataque satírico indireto, não citando o nome da pessoa. 
 Cantigas de Maldizer: ataque satírico direto, citando o nome da pessoa. 
Os artistas dessa época eram: 
 Trovador: pessoa culta, fidalga que escrevia e musicalizava sua poesia sem 
receber nada em troca.
 Segrel: fidalgo decaído, que levava o jogral para se apresentar nas cortes, 
castelos. 
 Jogral: saltimbanco (palhaço) que leva sua apresentação a corte 
 Menestrel: músico ligado a determinada corte. 
Produção literária 
A primeira escola literária galego-portuguesa foi representada pelo 
trovadorismo, onde suas cantigas foram organizadas pelos cancioneiros, que 
eram divididos em: 
 Cancioneiro da Ajuda ou do Real Colégio dos Nobres 
 Cancioneiro da Vaticana 
 Cancioneiro da Biblioteca Nacional de Lisboa ou Collocci-Brancuti 
 Cantigas de Santa Maria. 
 Novelas de cavalaria 
 Crônicões 
 Hagiografias 
 Livros de linhagem (nobiliários) 
Os cancioneiros: 
Como vimos, existiam três tipos de cancioneiros, eles eram classificados de acordo com 
a qualidade e quantidade de suas cantigas. 
Vejamos cada um deles: 
• O cancioneiro da 
Ajuda 
• O Cancioneiro da 
Vaticana 
• Cancioneiro da 
biblioteca nacional 
Com 310 cantigas, 
quase todas de 
amor. Esse é o mais 
velho cancioneiro, 
reunido no reinado 
de D. Afonso III. É o 
único que remota a 
época trovadoresca. 
Com 1.205 cantigas 
de variados autores, 
mas todas com as 
quatro modalidades 
(amor, amigo, 
escárnio e maldizer), 
incluindo 138 
cantigas de D. Diniz, 
que era considerado 
o Rei-Trovador. 
Com 1.647 cantigas 
de todas as 
modalidades. O 
Cancioneiro 
também é chamado 
de Calocci- 
Brancutti em 
homenagem aos 
seus dois 
possuidores 
italianos. 
Os cancioneiros não são coleções de poesia lusa, mas de poesia peninsular na 
língua galego-portuguesa. 
Trovadores – Jograis – Segréis – Menestréis
Em ordem decrescente era constituída a hierarquia dos poetas-músicos 
medievais e que era de bastante importância social e artística. 
1. Trovadores: são poetas nobres, cultos criadores de cantigas e textos. 
2. Jogral: são poetas humildes, eles também eram compositores de cantigas. 
3. Segrel: estabelecia uma classe intermediária entre o trovador e o jogral. É 
importante lembrarmos que o segrel existiu somente na escola galego 
portuguesa. Eles eram da pequena nobreza, que reproduzia suas próprias 
composições. 
4. Menestrel: era o nome que os músicos da corte passaram a ser chamado no 
século XIV, quando o nome jogral passou a ser desagradavelmente usado para 
chamar os bobos. 
As cantigas de amor
Nas cantigas de amor o homem 
se refere à sua amada como 
sendo uma figura idealizada, 
distante. 
O poeta fica na posição de fiel 
vassalo, fica as ordens de sua 
senhora, dama da corte, onde 
esse amor é considerado como 
um objeto de sonho, ou seja, 
impossível, que está longe. Esta 
cantiga teve origem no sul da 
França, apresentando um eu – 
lírico é masculino e também 
sofredor. Nas cantigas de amor o 
poeta chama sua amada de 
senhor, pois naquela época, 
todas as palavras que 
terminavam com “or”, em 
galego-português não tinham 
feminino, portanto ele dizia 
“minha senhor”, ele cantava a 
dor de amar, onde está sempre 
acometido da “coita”. Essa 
palavra (coita)é muito usada 
nessas cantigas, ela significa 
sofrimento por amor.
Cantiga da Ribeirinha, de Paio Soares de Taveirós 
1- No mundo non me sei parelha, 
2- Mentre me for como me vai, 
3- Cá já moiro por vós, e - ai! 
4- Mia senhor branca e vermelha. 
5- Queredes que vos retraya 
6- Quando vos eu vi em saya! 
7- Mau dia me levantei, 
8- Que vos enton non vi fea! 
9- E, mia senhor, desdaqueldi, ai! 
10- Me foi a mi mui mal, 
11- E vós, filha de don Paai 
12- Moniz, e bem vos semelha 
13- Dhaver eu por vós guarvaia, 
14- Pois eu, mia senhor, dalfaia 
15- Nunca de vós houve nem hei 
16- Valia dua correa. 
As cantigas de amigo 
Essa cantiga tem sua origem popular, são marcadas pela literatura oral, ou seja, 
paralelismo, refrão, reiterações e estribilho, onde isso são recursospróprios do 
texto que servem para serem cantados e que propiciam facilitação de 
memorização. Nas cantidas populares, ainda são usasos esses recursos. 
Essa cantiga teve origem na Península Ibérica, ela apresenta um eu-lírico 
feminino, pore´m com um autor masculino, ele canta seu amor pelo seu amigo, 
em um ambiente mais natural, em grande parte, faz um diálogo com a suas 
amigas ou com a sua mãe. Na cantiga de amigo, a figura feminina é de uma 
jovem que começa a amar, lembrando as vezes da ausencia do amado, ou 
cantando a sua alegria por um encontro com ele. Essa cantiga pode mostrar 
também a tristeza da mulher, pelo fato do seu amado ter ido para a guerra. 
Essa cantiga é de amigo, e mostra que a mulher espera ansiosamente pelo amigo, 
visa bastante às ondas do mar de Vigo e sobre o regresso de seu amado.
Humanismo 
O Humanismo foi um grande movimento intelectual, moral e religioso iniciado 
em fins do século XV e todo o século XVI, que buscava uma humanidade 
melhor, pois os idealizadores propunham um ideal de paz e sabedoria, através do 
aperfeiçoamento das qualidades intelectuais e morais dos homens. 
Contexto Histórico 
1448 – Gutenberg inventa a tipografia. 
1453 – Constantinopla cai nas mãos dos turcos. 
1481 – A Inquisição é instaurada na Espanha. 
1500 – Pedro Álvares Cabral chega ao Brasil. 
1531 – Henrique VIII rompe com o papa e funda a igreja anglicana. 
1536 – Paulo III estabelece oficialmente a Inquisição em Portugal. 
O misticismo medieval perde força, e o TEOCENTRISMO dá lugar ao 
ANTROPOCENTRISMO (o homem como o centro do universo). 
O maior artista: Gil Vicente 
A área dele era o teatro. Foi contemporâneo de Michelangelo, Nicolau 
Copérnico, Leonardo da Vinci, Nicolau Maquiavel, etc. 
Começou com a peça Monologo de um vaqueiro – O auto da visitação, 
encenado na câmara real de d. Maria de Castela, por ocasião do nascimento de d. 
João III, filho de d. Manuel. 
Tipos de peças de Gil Vicente: mistérios, milagres e moralidades. 
Outras peças: Auto da barca do inferno; Farsa de Inês Pereira, Auto da Índia, O 
juiz da Beira, etc. 
Novelas de Cavalaria: ciclo arturiano é o mais importante.
Classicismo 
É combinado com o Renascimento, em que se há uma transformação política, 
econômica e cultural nos séculos XV e XVI. 
Exalta-se a natureza, a cultura greco-romana, a razão é maior que a emoção. 
Características 
 Imitação dos autores greco-latinos. 
 Preocupação com a forma. 
 Uso da mitologia greco-latina. 
 Idealismo 
Autores 
 Luis Vaz de Camões – o principal 
 Francisco Sá de Miranda 
 Bernadim Ribeiro 
 Antonio Ferreira 
Camões escreveu Os lusíadas, com 10 cantos, versos decassílabos, 1102 
estrofes, cuja divisão é: 
 Proposição 
 Invocação 
 Dedicatória 
 Narração 
 Epílogo
Quinhentismo 
Literatura dos anos de 1500, em que se tem como base principal a Carta, de Pero 
Vaz de Caminha. 
Ela é a certidão de nascimento do Brasil e nela é visto o deslumbramento do 
europeu com a nova terra, como também seus equívocos e as reais intenções do 
colonizador. 
Há nesse período dois tipos de literatura: 
 Informativa ou dos cronistas (ou viajantes); 
 Dos jesuítas. 
Literatura Informativa 
Existem vários textos que falam da vinda dos europeus ao Brasil, são eles: 
 Tratado da Terra do Brasil; 
 Historia da Província de Santa Cruz a que vulgarmente chamamos Brasil; 
 Tratado descritivo do Brasil; 
 Diálogos das grandezas do Brasil. 
Literatura dos Jesuítas 
Pe. José de Anchieta – o maior nome da catequese no Brasil. 
Escreveu cartas, sermões, poesias e peças teatrais, utilizando-se do latim, do tupi 
e do português em suas obras quase sempre de inspiração missionária.
TEXTO I 
Fragmento da Carta de Pero 
Vaz de Caminha 
10.Após a leitura dos textos I e II, verifica-se que Murilo Mendes ironiza a exaltação da terra 
feita por Caminha. Essa ironia é traduzida claramente pelo(s) verso(s): 
a) Tão fértil eu nunca vi. d)A terra é mui graciosa, 
Diamantes tem à vontade, 
......................................... 
b) No dia seguinte nasce/ Bengala de castão de oiro e)No chão espeta um caniço, 
Quanto aos bichos, tem-nos muitos, 
......................................... 
c)Tem goiabas, melancias, 
Banana que nem chuchu. 
TEXTO II 
Carta de Pero Vaz 
Murilo Mendes 
“... a terra em si, é muito boa 
de ares, tão frios e temperados, 
como os de Entre-Douro e 
Minho, porque, neste tempo de 
agora, assim os achávamos 
como os de lá. Águas são 
muitas e infindas. De tal 
maneira é graciosa que, 
querendo aproveitá-la dar-se-á 
nela tudo por bem das águas 
que tem”. 
A terra é mui graciosa, 
Tão fértil eu nunca vi. 
A gente vai passear, 
No chão espeta um caniço, 
No dia seguinte nasce 
Bengala de castão de oiro. 
Tem goiabas, melancias, 
Banana que nem chuchu. 
Quanto aos bichos, tem-nos 
muitos, 
De plumagens mui vistosas. 
Tem macaco até demais. 
Diamantes tem à vontade, 
Esmeralda é para os trouxas. 
Reforçai, Senhor, a arca, 
Cruzados não faltarão, 
Vossa perna encanareis, 
Salvo o devido respeito. 
Ficarei muito saudoso 
Se for embora daqui.
TEXTO III 
(Texto extraído da revista Rivista. Edição Zero. Fortaleza: Editora RISO, s/d, p. 55). 
12.A intertextualidade é a relação que ocorre entre dois ou mais textos. Essa relação pode 
dar-se em forma de paráfrase ou de paródia. O corpo do Texto III é uma paráfrase da 
Carta de Caminha pois, 
I.apesar da leve mudança no estilo, confirma a visão de Caminha sobre a terra descoberta. 
II.faz críticas explícitas ao aspecto ufanista da Carta. 
III.mantém o mesmo olhar positivo de Caminha sobre o futuro da terra brasileira. 
IV.embora escrita no mesmo estilo, critica de modo disfarçado a visão de Caminha sobre a terra 
descoberta. 
Está(ão) correta(s) apenas a(s) afirmativa(s): 
a)I, II e III. b)I e III. c)I. d)II e IV. e)III e IV. 
13.No texto III, levando-se em conta a norma culta da língua, verifica-se ERRO em: 
a) “... um número sem fim de animais...” 
b) “Ainda não haviam louras, nem surfistas, nem mulatas...” 
c) “Árvores gigantescas e multidões de palmeiras formavam o imenso verde da futura 
bandeira.” 
d) “Era assim o Brasil de Cabral, já quinhentos anos passados.” 
e) “..., quando for a vez desses meninos?” 
14.A respeito da manchete: CABRAL DESCOBRE O CAMINHO DAS ÍNDIAS, é correto 
afirmar que o autor pretendia 
a) dizer que havia muitas índias na terra descoberta.
b) dizer que Cabral descobriu o caminho que o levaria para as Índias. 
c) usar a homonímia para causar um efeito humorístico. 
d) explorar a sinonímia das palavras. 
e) usar a paronímia a fim de confundir o leitor. 
15.Com base nos textos I, II e III, verifica-se que 
I.o elogio à natureza brasileira é observado em todos os textos. 
II.o texto III expressa uma preocupação com o meio ambiente, que não existe nos textos I e II. 
III.os textos II e III são paródias do texto I. 
IV.o texto II é o que menos faz uso do registro popular da linguagem. 
Estão corretas as afirmativas: 
a)apenas I e III. c) apenasIeII. 
b)apenas II, III e IV. d)apenas II e III. 
e)todas. 
7. Sobre a relação entre os jesuítas e os índios, o eu-lírico do texto II 
I. critica o processo de catequização adotado pelos jesuítas. 
II. apresenta uma oposição entre o mártir e o selvagem. 
III. defende radicalmente a preservação dos costumes indígenas. 
Está(ão) correta(s): 
a) apenas I d) apenas II e III 
b) apenas II e) I, II e III 
c) apenas III 
8. Quanto ao uso da linguagem figurada, é INCORRETO afirmar que o texto II 
a) caracteriza os índios como parte da natureza selvagem. 
b) revela, através de comparações com elementos da natureza, uma concepção negativa da fé 
cristã. 
c) estabelece uma relação de comparação entre os jesuítas e as águias, valorizando os feitos 
daqueles. 
d) compara o vento da fé com o tufão. 
e) representa os jesuítas como mártires, propagadores da fé no novo mundo. 
9. A metonímia é a figura de linguagem que consiste em substituir uma palavra por outra, em 
vista de uma relação de proximidade de sentidos que há entre elas. Considerando-se esse 
conceito, verifica-se que as expressões “pó da catequese” (estrofe 2) “estranho pé” (estrofe 3) e 
“mesma cruz” (estrofe 7) podem ser substituídas, respectivamente, por 
a) águias / jesuíta / sol c) palavra de Deus / jesuíta / sol 
b) águias / indígena / cristianismo d) palavra de Deus / indígena / cristianismo 
e) palavra de Deus / jesuíta / cristianismo
Barroco 
Início em 1601, com a obra Prosopopéia, de Bento Teixeira. A religiosidade 
ainda estava muito forte. A Reforma Protestante e a Contra-Reforma estavam se 
organizando. 
O homem vivia em constante tensão por ora querer viver a vida santa ou ora 
querer viver a vida profana. A Inquisição fazia seu papel de controladora da 
moral católica. O índex librorum prohibitorum estava em vigência. 
Características 
 Culto do contraste (uso de antíteses – oposição) 
 Consciência da transitoriedade da vida 
 Gosto pela grandiosidade 
 Cultismo (jogo de palavras) 
 Conceptismo (jogo de ideias) 
 Frases interrogativas 
Autores 
 Gregório de Mattos (Boca do inferno); 
Escreveu poesias lírico-amorosas; religiosa e satírica. 
 Bento Teixeira 
 Manuel Botelho de Oliveira 
 Padre Antonio Vieira 
Defendia os negros e os índios, como também os cristãos novos (judeus 
convertidos ao catolicismo). Sofreu perseguição pela Inquisição. 
Sua obra está dividida em cartas, profecias e sermões. 
Os Sermões são os mais importantes, dentre eles o Sermão da Sexagésima – que 
fala sobre a arte de pregar e ensinar.
TEXTO 
Sermão vigésimo sétimo 
Os senhores poucos, os escravos muitos; os senhores rompendo 
galas, os escravos despidos e nus; os senhores banqueteando, os escravos 
perecendo à fome; os senhores nadando em ouro e prata, os escravos 
carregados de ferros; os senhores tratando-os como brutos, os escravos 
adorando-os e temendo-os como deuses; os senhores em pé apontando para o 
açoite, como estátuas da soberba e da tirania, os escravos prostrados com as 
mãos atadas atrás como imagens vilíssimas da servidão e espetáculos da 
extrema miséria. 
(VIEIRA, Pe. Antônio. Sermão vigésimo sétimo. In: AMORA, Antônio Soares, 
org. Sermões, 2 ed. São Paulo, Cultrix, 1981, p. 58.) 
7. No texto, verificam-se os seguintes traços do barroco: 
I. a presença de um grande número de antíteses. 
II. a predominância dos aspectos denotativos da linguagem. 
III. a utilização do recurso da hipérbole para melhor traduzir o sofrimento dos 
escravos. 
IV. o envolvimento político do jesuíta. 
Estão corretas apenas as afirmativas: 
a)I e II. b)III e IV. c)II e III. d)I e IV. e)I e III. 
8. O trecho a seguir vincula-se ao conceptismo barroco: 
“Sendo, pois, certo que a palavra divina não pode deixar de frutificar 
por parte de Deus, segue-se que ou é por falta do pregador ou por falta dos 
ouvintes. Por qual será? (...) Os ouvintes ou são maus ou são bons; se são 
bons, faz neles grande fruto a palavra de Deus; se são maus, ainda que não 
faça fruto, faz efeito. (...) a palavra de Deus é tão fecunda, que nos bons faz 
muito fruto e é tão eficaz que nos maus, ainda que não faça fruto, faz efeito; 
lançada nos espinhos não frutificou, mas nasceu até nos espinhos; lançada 
nas pedras não frutificou, mas nasceu até nas pedras.” (Padre Antônio 
Vieira. Sermão da Sexagésima). 
Nesse trecho, NÃO ocorre o (a) 
a) elogio da natureza para justificar um ideal pagão de vida.
b) uso de estruturas oracionais que enfatizam as relações de causa, condição e 
conseqüência. 
c) apelo à repetição de palavras e idéias. 
d) progressão gradual do raciocínio, com vistas ao convencimento do ouvinte ou 
leitor. 
e) uso de antíteses e metáforas. 
Arcadismo 
Início em 1768 com o livro Obras Poéticas, de Claudio Manuel da Costa. 
A religião dá lugar à razão, o homem vive no Século das Luzes, diferente do 
anterior, que era o das Trevas. 
Começa a Revolução Industrial na Inglaterra; surgem os Iluministas, organiza-se 
a grande Enciclopédia, com 35 volumes. A Revolução Francesa estaria prestes a 
acontecer, cujo lema era liberdade, igualdade e fraternidade. 
Características 
 Imitação dos clássicos;
 Bucolismo; 
 Pastoralismo; 
 Idealização do amor e da mulher; 
 Uso de pseudônimos (falsos nomes); 
 Uso de frases latinas: carpe diem, fugere urbem, inutilia truncat, etc 
Autores 
 Claudio Manuel da Costa (Glauceste Saturnio) 
 Tomás Antônio Gonzaga (Dirceu) 
Escreveu Cartas Chilenas e Marília de Dirceu 
 José Basílio da Gama (Termindo Simpílio) 
Escreveu O Uraguai. 
 Frei José de Santa Rita Durão 
Escreveu Caramuru. 
Súplica por uma árvore. 
Cecília Meireles.
Um dia, um professor comovido falava-me de árvores. Se avô conhecera 
Andersen, esse pequeno deus que encantou para sempre a infância, todas as infâncias, 
com suas maravilhosas historias. Mas, além de conhecer Andersen, o avô desse 
comovido professor legara a seus descendentes uma recordação extremamente terna: ao 
sentir que se aproximava o fim de sua vida, pediu que o transportassem aos lugares 
amados, onde brincara em menino, para abraçar e beijar as árvores daquele mundo 
antigo – mundo de sonho, pureza, poesia – povoado de crianças, ramos, flores, 
pássaros... O professor comovido transportava-se a esse tempo de ternura, pensava 
nesse avô tão sensível, e continuava a participar, com ele, dessa cordialidade geral, 
desse agradecido amor à Natureza que, em silêncio, nos rodeia com a sua proteção, 
mesmo obscura e enigmática. 
Lembrei-me de tudo isso ao contemplar uma árvore que não conheço, e cujo 
tronco há quinze dias se encontra ferido, lascado pelo choque de um táxi desgovernado. 
Segundo os técnicos, se não for socorrida, essa árvore deverá morrer dentro em breve: 
pois a pancada que a atingiu afetou-a na profundidade de sua vida. 
Meireles, Cecília. Suplica por uma árvore. In: O que se diz e o que se entende. Rio de 
Janeiro, Nova Fronteira, 1980, p. 63. 
1. Embora fique melhor onde está, pois atrai o leitor, o primeiro parágrafo poderia 
vir depois do segundo, se obedecesse à lógica dos acontecimentos. Por que? 
2. O que a paisagem campestre representa para o cronista? 
3. Que objeto urbano contribui, no segundo parágrafo, para o contraste entre o 
campo e a cidade? 
4. Que semelhanças há entre o avô, o professor e a cronista? 
INTERTEXTUALIDADE 
Leia o poema seguinte, de Cláudio Manuel da Costa: 
Aquele adore as roupas de alto preço, 
Um siga a ostentação, outro a vaidade; 
Todos se enganam com igual excesso.
Eu não chamo a isto felicidade: 
Ao campo me recolho, e reconheço, 
Que não há maior bem que a soledade. 
Soledade: lugares ermos, desertos. 
Que elemento comum podemos encontrar nestes versos, escritos no século XVIII, 
quando comparados ao texto de Cecília Meireles?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slides Paráfrase
Slides Paráfrase Slides Paráfrase
Slides Paráfrase
Danielle Galvão
 
Intertextualidade: paródia e paráfrase
Intertextualidade:   paródia e paráfraseIntertextualidade:   paródia e paráfrase
Intertextualidade: paródia e paráfrase
Marcia Facelli
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
Abrahão Costa de Freitas
 
Visão geral das figuras de linguagem
Visão geral das figuras de linguagemVisão geral das figuras de linguagem
Visão geral das figuras de linguagem
ma.no.el.ne.ves
 
Intertextualidade e Paráfrase
Intertextualidade e ParáfraseIntertextualidade e Paráfrase
Intertextualidade e Paráfrase
Jomari
 
Intertextualidade2
Intertextualidade2Intertextualidade2
Intertextualidade2
Fabiana Gomes
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
guest4f8ac9b
 
A intertextualidade: micro-aula
A intertextualidade: micro-aulaA intertextualidade: micro-aula
A intertextualidade: micro-aula
Miquéias Vitorino
 
Gênero dramático no enem
Gênero dramático no enemGênero dramático no enem
Gênero dramático no enem
ma.no.el.ne.ves
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
Walace Cestari
 
Em intertextualidade
Em intertextualidadeEm intertextualidade
Em intertextualidade
Eduardo Aparecido Ambrozeto
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
Renato Rodrigues
 
43733 1322396086230
43733 132239608623043733 1322396086230
43733 1322396086230
Maria Luiza Wilker
 
01. intertextualidade pre
01. intertextualidade pre01. intertextualidade pre
01. intertextualidade pre
literatura_prefederal
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
lisiane23
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
Luciane Souza
 
Oficina de texto - Intertextualidades
Oficina de texto - IntertextualidadesOficina de texto - Intertextualidades
Oficina de texto - Intertextualidades
Vera Lucia Paganini
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 6-7
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 6-7Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 6-7
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 6-7
luisprista
 
Metalinguagem e intertextualidade
Metalinguagem e intertextualidadeMetalinguagem e intertextualidade
Metalinguagem e intertextualidade
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
Francis Paula
 

Mais procurados (20)

Slides Paráfrase
Slides Paráfrase Slides Paráfrase
Slides Paráfrase
 
Intertextualidade: paródia e paráfrase
Intertextualidade:   paródia e paráfraseIntertextualidade:   paródia e paráfrase
Intertextualidade: paródia e paráfrase
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
 
Visão geral das figuras de linguagem
Visão geral das figuras de linguagemVisão geral das figuras de linguagem
Visão geral das figuras de linguagem
 
Intertextualidade e Paráfrase
Intertextualidade e ParáfraseIntertextualidade e Paráfrase
Intertextualidade e Paráfrase
 
Intertextualidade2
Intertextualidade2Intertextualidade2
Intertextualidade2
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
A intertextualidade: micro-aula
A intertextualidade: micro-aulaA intertextualidade: micro-aula
A intertextualidade: micro-aula
 
Gênero dramático no enem
Gênero dramático no enemGênero dramático no enem
Gênero dramático no enem
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Em intertextualidade
Em intertextualidadeEm intertextualidade
Em intertextualidade
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
43733 1322396086230
43733 132239608623043733 1322396086230
43733 1322396086230
 
01. intertextualidade pre
01. intertextualidade pre01. intertextualidade pre
01. intertextualidade pre
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Oficina de texto - Intertextualidades
Oficina de texto - IntertextualidadesOficina de texto - Intertextualidades
Oficina de texto - Intertextualidades
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 6-7
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 6-7Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 6-7
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 6-7
 
Metalinguagem e intertextualidade
Metalinguagem e intertextualidadeMetalinguagem e intertextualidade
Metalinguagem e intertextualidade
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 

Destaque

Modelo de carta formal e informal com exemplos
Modelo de carta formal e informal com exemplosModelo de carta formal e informal com exemplos
Modelo de carta formal e informal com exemplos
DicasFree
 
Apostila plantao portugues_6_ano_1_bim_4_2 (1)
Apostila plantao portugues_6_ano_1_bim_4_2 (1)Apostila plantao portugues_6_ano_1_bim_4_2 (1)
Apostila plantao portugues_6_ano_1_bim_4_2 (1)
PCS Informatica
 
Modelo de atividades para o 3º ano
Modelo de atividades para o 3º anoModelo de atividades para o 3º ano
Modelo de atividades para o 3º ano
pedagogicosjdelrei
 
Apostila gêneros textuais 4º ano
Apostila gêneros textuais  4º anoApostila gêneros textuais  4º ano
Apostila gêneros textuais 4º ano
Roseanne Funchal Olivieira
 
NEJA MÓDULO 01 LCT
NEJA MÓDULO 01 LCTNEJA MÓDULO 01 LCT
Trabalho LPL
Trabalho LPLTrabalho LPL
Trabalho LPL
Taissccp
 
63141288 o-que-e-calatonia-textos-diversos
63141288 o-que-e-calatonia-textos-diversos63141288 o-que-e-calatonia-textos-diversos
63141288 o-que-e-calatonia-textos-diversos
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Cancioneiro - Fernando Pessoa -
Cancioneiro - Fernando Pessoa -Cancioneiro - Fernando Pessoa -
Cancioneiro - Fernando Pessoa -
frodemandacaru
 
Conjugar verbos (presente, passado e futuro)
Conjugar verbos (presente, passado e futuro)Conjugar verbos (presente, passado e futuro)
Conjugar verbos (presente, passado e futuro)
Tânia Sampaio
 
Prova Brasil 8ª 2009 Portugues
Prova Brasil 8ª 2009 PortuguesProva Brasil 8ª 2009 Portugues
Prova Brasil 8ª 2009 Portugues
Antonio Carneiro
 
Trovas ao pé da ponte
Trovas ao pé da ponteTrovas ao pé da ponte
Trovas ao pé da ponte
mvcirino
 
Prova de redação da UFMG-2004
Prova de redação da UFMG-2004Prova de redação da UFMG-2004
Prova de redação da UFMG-2004
ma.no.el.ne.ves
 
A busca pelo conhecimento
A busca pelo conhecimentoA busca pelo conhecimento
A busca pelo conhecimento
Andréa Kochhann
 
Apostila de LTT
Apostila de LTTApostila de LTT
2005 primeira série
2005   primeira série2005   primeira série
2005 primeira série
Cidinha Paulo
 
Resumo da história O Menino Maluquinho
Resumo da história O Menino MaluquinhoResumo da história O Menino Maluquinho
Resumo da história O Menino Maluquinho
Professora Cida
 
Menino maluquinho
Menino maluquinhoMenino maluquinho
Menino maluquinho
ALESSANDRA CASTRO
 
Matriz provinha matematica-2
Matriz provinha matematica-2Matriz provinha matematica-2
Matriz provinha matematica-2
FAETEC - ETESC
 
Educação fiscal pára de minas
Educação fiscal pára de minasEducação fiscal pára de minas
Educação fiscal pára de minas
fpv_transilvania
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Muna Omran
 

Destaque (20)

Modelo de carta formal e informal com exemplos
Modelo de carta formal e informal com exemplosModelo de carta formal e informal com exemplos
Modelo de carta formal e informal com exemplos
 
Apostila plantao portugues_6_ano_1_bim_4_2 (1)
Apostila plantao portugues_6_ano_1_bim_4_2 (1)Apostila plantao portugues_6_ano_1_bim_4_2 (1)
Apostila plantao portugues_6_ano_1_bim_4_2 (1)
 
Modelo de atividades para o 3º ano
Modelo de atividades para o 3º anoModelo de atividades para o 3º ano
Modelo de atividades para o 3º ano
 
Apostila gêneros textuais 4º ano
Apostila gêneros textuais  4º anoApostila gêneros textuais  4º ano
Apostila gêneros textuais 4º ano
 
NEJA MÓDULO 01 LCT
NEJA MÓDULO 01 LCTNEJA MÓDULO 01 LCT
NEJA MÓDULO 01 LCT
 
Trabalho LPL
Trabalho LPLTrabalho LPL
Trabalho LPL
 
63141288 o-que-e-calatonia-textos-diversos
63141288 o-que-e-calatonia-textos-diversos63141288 o-que-e-calatonia-textos-diversos
63141288 o-que-e-calatonia-textos-diversos
 
Cancioneiro - Fernando Pessoa -
Cancioneiro - Fernando Pessoa -Cancioneiro - Fernando Pessoa -
Cancioneiro - Fernando Pessoa -
 
Conjugar verbos (presente, passado e futuro)
Conjugar verbos (presente, passado e futuro)Conjugar verbos (presente, passado e futuro)
Conjugar verbos (presente, passado e futuro)
 
Prova Brasil 8ª 2009 Portugues
Prova Brasil 8ª 2009 PortuguesProva Brasil 8ª 2009 Portugues
Prova Brasil 8ª 2009 Portugues
 
Trovas ao pé da ponte
Trovas ao pé da ponteTrovas ao pé da ponte
Trovas ao pé da ponte
 
Prova de redação da UFMG-2004
Prova de redação da UFMG-2004Prova de redação da UFMG-2004
Prova de redação da UFMG-2004
 
A busca pelo conhecimento
A busca pelo conhecimentoA busca pelo conhecimento
A busca pelo conhecimento
 
Apostila de LTT
Apostila de LTTApostila de LTT
Apostila de LTT
 
2005 primeira série
2005   primeira série2005   primeira série
2005 primeira série
 
Resumo da história O Menino Maluquinho
Resumo da história O Menino MaluquinhoResumo da história O Menino Maluquinho
Resumo da história O Menino Maluquinho
 
Menino maluquinho
Menino maluquinhoMenino maluquinho
Menino maluquinho
 
Matriz provinha matematica-2
Matriz provinha matematica-2Matriz provinha matematica-2
Matriz provinha matematica-2
 
Educação fiscal pára de minas
Educação fiscal pára de minasEducação fiscal pára de minas
Educação fiscal pára de minas
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 

Semelhante a Material do cursinho

A ficção nas mídias
A ficção nas mídiasA ficção nas mídias
A ficção nas mídias
Paula R. Verani
 
INTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADEINTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADE
Cris Damian
 
FIGURAS DE LINGUAGEM edição 2022.ppt português
FIGURAS DE LINGUAGEM edição 2022.ppt portuguêsFIGURAS DE LINGUAGEM edição 2022.ppt português
FIGURAS DE LINGUAGEM edição 2022.ppt português
marcosaurelio945485
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
Ivan Barreto Dos Santos
 
Revisao portugues
Revisao portuguesRevisao portugues
Revisao portugues
Sarah Guimarães Portela
 
Aula intertextualidade.pptx
Aula intertextualidade.pptxAula intertextualidade.pptx
Aula intertextualidade.pptx
CAMILACRISTINASILVAB
 
Intertextualidade eproinfo _
Intertextualidade eproinfo _Intertextualidade eproinfo _
Intertextualidade eproinfo _
Daniel Venâncio
 
Lingua Portuguesa
Lingua PortuguesaLingua Portuguesa
Lingua Portuguesa
otsciepalexandrecarvalho
 
Banco de questões e soluções de língua portuguesa
Banco de questões e soluções de língua portuguesaBanco de questões e soluções de língua portuguesa
Banco de questões e soluções de língua portuguesa
otsciepalexandrecarvalho
 
Seminário Linguagem Figurada
Seminário Linguagem FiguradaSeminário Linguagem Figurada
Seminário Linguagem Figurada
Joana Darc Remigio Coelho
 
Teoria da literatura
Teoria da literaturaTeoria da literatura
Teoria da literatura
Mário Júnior Silva
 
Material de estudo para o enem - linguagens e codigos lingua espanhola
Material de estudo para o enem - linguagens e codigos lingua espanholaMaterial de estudo para o enem - linguagens e codigos lingua espanhola
Material de estudo para o enem - linguagens e codigos lingua espanhola
NathSantana
 
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
Antônio Fernandes
 
1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica
Aline Roma
 
1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica
Aline Roma
 
Figuras de linguagem para o enem 2017
Figuras de linguagem para o enem 2017Figuras de linguagem para o enem 2017
Figuras de linguagem para o enem 2017
Raimundo Nonato de Sousa
 
teoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptx
teoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptxteoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptx
teoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptx
MarluceBrum1
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
professorakathia
 
intertextualidade_.ppt
intertextualidade_.pptintertextualidade_.ppt
intertextualidade_.ppt
VeraGarcia17
 
Aula 05 de linguagens e códigos e suas tecnologias
Aula 05 de linguagens e códigos e suas tecnologiasAula 05 de linguagens e códigos e suas tecnologias
Aula 05 de linguagens e códigos e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 

Semelhante a Material do cursinho (20)

A ficção nas mídias
A ficção nas mídiasA ficção nas mídias
A ficção nas mídias
 
INTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADEINTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADE
 
FIGURAS DE LINGUAGEM edição 2022.ppt português
FIGURAS DE LINGUAGEM edição 2022.ppt portuguêsFIGURAS DE LINGUAGEM edição 2022.ppt português
FIGURAS DE LINGUAGEM edição 2022.ppt português
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Revisao portugues
Revisao portuguesRevisao portugues
Revisao portugues
 
Aula intertextualidade.pptx
Aula intertextualidade.pptxAula intertextualidade.pptx
Aula intertextualidade.pptx
 
Intertextualidade eproinfo _
Intertextualidade eproinfo _Intertextualidade eproinfo _
Intertextualidade eproinfo _
 
Lingua Portuguesa
Lingua PortuguesaLingua Portuguesa
Lingua Portuguesa
 
Banco de questões e soluções de língua portuguesa
Banco de questões e soluções de língua portuguesaBanco de questões e soluções de língua portuguesa
Banco de questões e soluções de língua portuguesa
 
Seminário Linguagem Figurada
Seminário Linguagem FiguradaSeminário Linguagem Figurada
Seminário Linguagem Figurada
 
Teoria da literatura
Teoria da literaturaTeoria da literatura
Teoria da literatura
 
Material de estudo para o enem - linguagens e codigos lingua espanhola
Material de estudo para o enem - linguagens e codigos lingua espanholaMaterial de estudo para o enem - linguagens e codigos lingua espanhola
Material de estudo para o enem - linguagens e codigos lingua espanhola
 
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
 
1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica
 
1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica
 
Figuras de linguagem para o enem 2017
Figuras de linguagem para o enem 2017Figuras de linguagem para o enem 2017
Figuras de linguagem para o enem 2017
 
teoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptx
teoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptxteoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptx
teoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptx
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
intertextualidade_.ppt
intertextualidade_.pptintertextualidade_.ppt
intertextualidade_.ppt
 
Aula 05 de linguagens e códigos e suas tecnologias
Aula 05 de linguagens e códigos e suas tecnologiasAula 05 de linguagens e códigos e suas tecnologias
Aula 05 de linguagens e códigos e suas tecnologias
 

Mais de Marconildo Viegas

Thor e a serpente das profundezas
Thor e a serpente das profundezasThor e a serpente das profundezas
Thor e a serpente das profundezas
Marconildo Viegas
 
Banner da monografia - A EFETIVIDADE DO LABORATORIO DE INFORMATICA
Banner da   monografia - A EFETIVIDADE DO LABORATORIO DE INFORMATICABanner da   monografia - A EFETIVIDADE DO LABORATORIO DE INFORMATICA
Banner da monografia - A EFETIVIDADE DO LABORATORIO DE INFORMATICA
Marconildo Viegas
 
Banner da monografia - Marconildo
Banner da monografia - MarconildoBanner da monografia - Marconildo
Banner da monografia - Marconildo
Marconildo Viegas
 
Banner da monografia - marconildo
Banner da   monografia - marconildoBanner da   monografia - marconildo
Banner da monografia - marconildo
Marconildo Viegas
 
Monografia a efetividade do laboratório de informatica marconildo
Monografia a efetividade do laboratório de informatica   marconildoMonografia a efetividade do laboratório de informatica   marconildo
Monografia a efetividade do laboratório de informatica marconildo
Marconildo Viegas
 
Recuperação 7º ano
Recuperação 7º anoRecuperação 7º ano
Recuperação 7º ano
Marconildo Viegas
 
Recuperação 6º ano
Recuperação 6º anoRecuperação 6º ano
Recuperação 6º ano
Marconildo Viegas
 
Simulado do 9º ano e 1º ano
Simulado do  9º ano e  1º anoSimulado do  9º ano e  1º ano
Simulado do 9º ano e 1º ano
Marconildo Viegas
 
ProfBimestral interpretação 8º ano
ProfBimestral interpretação 8º anoProfBimestral interpretação 8º ano
ProfBimestral interpretação 8º ano
Marconildo Viegas
 
Bimestral interpretação 7º ano
Bimestral interpretação 7º anoBimestral interpretação 7º ano
Bimestral interpretação 7º ano
Marconildo Viegas
 
Oficio pedindo brindes
Oficio pedindo brindesOficio pedindo brindes
Oficio pedindo brindes
Marconildo Viegas
 
Curriculum de marconildo viegas
Curriculum de marconildo viegasCurriculum de marconildo viegas
Curriculum de marconildo viegas
Marconildo Viegas
 
Seminário UEPB Mídia, Cultura e Imaginário Urbano.
Seminário UEPB Mídia, Cultura e Imaginário Urbano.Seminário UEPB Mídia, Cultura e Imaginário Urbano.
Seminário UEPB Mídia, Cultura e Imaginário Urbano.
Marconildo Viegas
 
Projeto pronto da Especialização ppt
Projeto pronto da Especialização pptProjeto pronto da Especialização ppt
Projeto pronto da Especialização ppt
Marconildo Viegas
 
Projeto da uepb sobre midia, cutlura e imaginario popular
Projeto da uepb sobre midia, cutlura e imaginario popularProjeto da uepb sobre midia, cutlura e imaginario popular
Projeto da uepb sobre midia, cutlura e imaginario popular
Marconildo Viegas
 
Instituto nossa senhora da conceição
Instituto nossa senhora da conceiçãoInstituto nossa senhora da conceição
Instituto nossa senhora da conceição
Marconildo Viegas
 
Histórico da escola
Histórico da escolaHistórico da escola
Histórico da escola
Marconildo Viegas
 
E todos os filhos lecionam na escola em diversas disciplinass
E todos os filhos lecionam na escola em diversas disciplinassE todos os filhos lecionam na escola em diversas disciplinass
E todos os filhos lecionam na escola em diversas disciplinass
Marconildo Viegas
 
6º a e b literatura
6º a e b literatura6º a e b literatura
6º a e b literatura
Marconildo Viegas
 

Mais de Marconildo Viegas (20)

Thor e a serpente das profundezas
Thor e a serpente das profundezasThor e a serpente das profundezas
Thor e a serpente das profundezas
 
Banner da monografia - A EFETIVIDADE DO LABORATORIO DE INFORMATICA
Banner da   monografia - A EFETIVIDADE DO LABORATORIO DE INFORMATICABanner da   monografia - A EFETIVIDADE DO LABORATORIO DE INFORMATICA
Banner da monografia - A EFETIVIDADE DO LABORATORIO DE INFORMATICA
 
Banner da monografia - Marconildo
Banner da monografia - MarconildoBanner da monografia - Marconildo
Banner da monografia - Marconildo
 
Banner da monografia - marconildo
Banner da   monografia - marconildoBanner da   monografia - marconildo
Banner da monografia - marconildo
 
Monografia a efetividade do laboratório de informatica marconildo
Monografia a efetividade do laboratório de informatica   marconildoMonografia a efetividade do laboratório de informatica   marconildo
Monografia a efetividade do laboratório de informatica marconildo
 
Untitled Presentation
Untitled PresentationUntitled Presentation
Untitled Presentation
 
Recuperação 7º ano
Recuperação 7º anoRecuperação 7º ano
Recuperação 7º ano
 
Recuperação 6º ano
Recuperação 6º anoRecuperação 6º ano
Recuperação 6º ano
 
Simulado do 9º ano e 1º ano
Simulado do  9º ano e  1º anoSimulado do  9º ano e  1º ano
Simulado do 9º ano e 1º ano
 
ProfBimestral interpretação 8º ano
ProfBimestral interpretação 8º anoProfBimestral interpretação 8º ano
ProfBimestral interpretação 8º ano
 
Bimestral interpretação 7º ano
Bimestral interpretação 7º anoBimestral interpretação 7º ano
Bimestral interpretação 7º ano
 
Oficio pedindo brindes
Oficio pedindo brindesOficio pedindo brindes
Oficio pedindo brindes
 
Curriculum de marconildo viegas
Curriculum de marconildo viegasCurriculum de marconildo viegas
Curriculum de marconildo viegas
 
Seminário UEPB Mídia, Cultura e Imaginário Urbano.
Seminário UEPB Mídia, Cultura e Imaginário Urbano.Seminário UEPB Mídia, Cultura e Imaginário Urbano.
Seminário UEPB Mídia, Cultura e Imaginário Urbano.
 
Projeto pronto da Especialização ppt
Projeto pronto da Especialização pptProjeto pronto da Especialização ppt
Projeto pronto da Especialização ppt
 
Projeto da uepb sobre midia, cutlura e imaginario popular
Projeto da uepb sobre midia, cutlura e imaginario popularProjeto da uepb sobre midia, cutlura e imaginario popular
Projeto da uepb sobre midia, cutlura e imaginario popular
 
Instituto nossa senhora da conceição
Instituto nossa senhora da conceiçãoInstituto nossa senhora da conceição
Instituto nossa senhora da conceição
 
Histórico da escola
Histórico da escolaHistórico da escola
Histórico da escola
 
E todos os filhos lecionam na escola em diversas disciplinass
E todos os filhos lecionam na escola em diversas disciplinassE todos os filhos lecionam na escola em diversas disciplinass
E todos os filhos lecionam na escola em diversas disciplinass
 
6º a e b literatura
6º a e b literatura6º a e b literatura
6º a e b literatura
 

Último

Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 

Último (20)

Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 

Material do cursinho

  • 1. Momento lúdico Durante a Primeira Guerra Mundial (1914 – 1918) e a Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945), alguns países trocaram mensagens secretas. Para que elas ficassem ocultas do inimigo, foi necessário inventar diferentes códigos. O texto abaixo, tirado de um livro de aventura, é também uma mensagem secreta. Leia e decifre o código, depois responda as questões propostas ORIENO MIT ROP SADI DNOCSE SAT SIPELAT IVMEG ASN EMAMU OÃR ARTNOC NE OÃNES “SIAEREC EDSOÃRG REOM A RAPOHNEGNE” OÁTSE EDNO RAGU LONZIRAN ORETEM MEDOP OÃN OTIPER MEDOP OÃ NSETOX IPSIOD SOESA NOJ OIT A literatura e a correspondência Todas as cartas de amor Fernando Pessoa Todas as cartas de amor são Ridículas. Não seriam carta de amor se não fossem Ridículas. Também escrevi em meu tempo cartas de amor, Como as outras, Ridículas. As cartas de amor, se há amor, Têm de ser ridículas. Mas, afinal, Só as criaturas que nunca escreveram Cartas de amor É que são Ridículas. Quem dera no tempo em que escrevia Sem dar por isso Cartas de amor Ridículas. A verdade é que hoje As minhas memórias Dessas cartas de amor É que são Ridículas (Todas as palavras esdrúxulas, Como os sentimentos esdrúxulos, São naturalmente Ridículas)
  • 2. Interpretação 1. Qual é a temática (assunto) do texto? 2. A linguagem do texto abordado é culta-formal ou coloquial-informal? Justifique com elementos do texto. 3. O texto é literário ou não-literário? 4. Que palavra do trecho “Todas as cartas de amor são/Ridículas” pretende torná-lo incontestável? 5. O eu lírico fala baseado em sua experiência? Em que verso ele afirma isso? 6. Segundo o eu lírico que fato faz com que, necessariamente, as cartas de amor se tornem ridículas? 7. A 1ª estrofe do poema de Fernando Pessoa deixa claro o seu conteúdo: desdenhar das cartas de amor. Essa afirmação é verdadeira? 8. Lendo a 6ª estrofe, pode-se afirma que o eu lírico está casado ou solteiro ou separado? Justifique. Intertextualidade Pode-se definir a intertextualidade como sendo um "diálogo" entre textos. Esse diálogo pressupõe um universo cultural muito amplo e complexo, pois implica a identificação e o reconhecimento de remissões a obras ou a trechos mais ou menos conhecidos. Dependendo da situação, a intertextualidade tem funções diferentes que dependem dos textos/contextos em que ela é inserida. Evidentemente, o fenômeno da intertextualidade está ligado ao "conhecimento do mundo", que deve ser compartilhado, ou seja, comum ao produtor e ao receptor de textos. O diálogo pode ocorrer em diversas áreas do conhecimento, não se restringindo única e exclusivamente a textos literários. Na pintura tem-se, por exemplo, o quadro do pintor barroco italiano Caravaggio e a fotografia da americana Cindy Sherman, na qual quem posa é ela mesma. O quadro de Caravaggio foi pintado no final do século XVI, já o trabalho fotográfico de Cindy Sherman foi produzido quase quatrocentos anos mais tarde. Na foto, Sherman cria o mesmo ambiente e a mesma atmosfera sensual da pintura, reunindo um conjunto de elementos: a coroa de flores na cabeça, o contraste entre claro e escuro, a sensualidade do ombro nu etc.
  • 3. A foto de Sherman é uma recriação do quadro de Caravaggio e, portanto, é um tipo de intertextualidade na pintura. Na publicidade, por exemplo, em um dos anúncios do Bombril, o ator se veste e se posiciona como se fosse a Mona Lisa de Leonardo da Vinci e cujo slogan era "Mon Bijou deixa sua roupa uma perfeita obra-prima". Esse enunciado sugere ao leitor que o produto anunciado deixa a roupa bem macia e mais perfumada, ou seja, uma verdadeira obra-prima (se referindo ao quadro de Da Vinci). Nesse caso pode-se dizer que a intertextualidade assume a função de não só persuadir o leitor como também de difundir a cultura, uma vez que se trata de uma relação com a arte (pintura, escultura, literatura etc). Intertextualidade é a relação entre dois textos caracterizada por um citar o outro. Paráfrase Paráfrase consiste em reescrever com suas palavras as ideias centrais de um texto. Consiste em um excelente exercício de redação, uma vez que desenvolve o poder de síntese, clareza e precisão vocabular. A paráfrase mantém o sentido do texto original. Paráfrase representa uma reescritura do texto original com novas palavras sem
  • 4. que o sentido do mesmo seja modificado. Assim, a paráfrase é uma reprodução da idéia do autor com as palavras do discente (aluno), utilizando-se de sinônimos, inversões de períodos, etc. Trata-se de reescrever o texto original com as palavras do aluno, mas sem alterar o sentido. O autor da paráfrase deve demonstrar que entendeu claramente a idéia do texto. Além disso, são exigências de uma boa paráfrase: 1. Utilizar a mesma ordem de idéias que aparece no texto original. 2. Não omitir nenhuma informação essencial. 3. Não fazer qualquer comentário acerca do que se diz no texto original. 4. Utilizar construções que não sejam uma simples repetição daquelas que estão no original e, sempre que possível, um vocabulário também diferente COMPREENDENDO E PRATICANDO A PARÁFRASE: Texto Original: PARA ONDE? Assim dá para organizar bolsa de apostas: qual será , afinal, o destino de Fernandinho Beira-Mar? Os advogados do traficante tentam, no STJ, anular a decisão do Ministério da Justiça e garantir sua volta para Bangu 1 Mas o ministro da Justiça, embora afirme que Beira –Mar não permanecerá mais do que trinta dias preso em São Paulo, garante que ele não voltará para o Rio e nem será transferido para o Acre. (Jornal Zero Hora, março de 2003) PARÁFRASE: PARA ONDE? Dessa forma é possível organizar bolão de apostas: qual deverá ser, finalmente, o destino de Fernandinho Beira-Mar? Os advogados do traficante buscam, no STJ, a anulação da decisão do Ministério da Justiça, o que garantiria seu retorno a Bangu 1. Porém, o ministro da Justiça, apesar de afirmar que Beira-Mar permanecerá no máximo 30 dias preso em São Paulo, assegura que o detento não retornará para o Rio e também não será transferido para o Acre. Conforme você pode perceber nos textos acima, a PARÁFRASE é uma atividade de REFORMULAÇÃO de partes ou da totalidade de um texto . É um mecanismo sintático que cria alternativas de expressão para um mesmo conteúdo. Há várias maneiras de elaborar paráfrases e transformar um enunciado “ A “ em um enunciado “ B”. Observe os exemplos a seguir: Exemplo 1: Pegue o pano e enxugue a louça. Pegue o pano e seque a louça.
  • 5. Explicação: O verbo "enxugar "foi trocado por seu sinônimo "secar". Essa é uma transformação que utiliza sinônimos. Exemplo 2 : As filhas do gerente do banco foram convidadas para a festa de formatura. As moças mais bonitas do meu bairro foram convidadas para a festa de formatura. Explicação: "As filhas do gerente do banco" e "As moças mais bonitas do meu bairro" não são necessariamente expressões sinônimas, mas, num determinado contexto , referem-se às mesmas pessoas. Exemplo 3: A mãe contou a história ao filho. A história, ao filho, a mãe contou. Explicação: Os termos da oração são simplesmente deslocados de lugar, sem que haja necessidade de alterar a construção verbal . ( processo de inversão de elementos ) Paródia A Paródia é uma imitação, na maioria das vezes cômica, de uma composição literária, (também existem paródias de filmes e músicas), sendo portanto, uma imitação que geralmente possui efeito cômico, utilizando a ironia e o deboche. Ela geralmente é parecida com a obra de origem, e quase sempre tem sentidos diferentes. Na literatura a paródia é um processo de intertextualização, com a finalidade de desconstruir ou reconstruir um texto. A paródia surge a partir de uma nova interpretação, da recriação de uma obra já existente e, em geral, consagrada. Seu objetivo é adaptar a obra original a um novo contexto, passando diferentes versões para um lado mais despojado, e aproveitando o sucesso da obra original para passar um pouco de alegria. A paródia pode ter intertextualidade.
  • 6. As variedades lingüísticas CHOPIS CENTIS Eu “di” um beijo nela E chamei pra passear. A gente fomos no shopping Pra “mode” a gente lanchar. Comi uns bicho estranho, com um tal de gergelim. Até que “tava” gostoso, mas eu prefiro aipim. Quanta gente, Quanta alegria, A minha felicidade é um crediário nas Casas Bahia. Esse tal Chopis Centis é muito legalzinho. Pra levar a namorada e dar uns “rolezinho”, Quando eu estou no trabalho, Não vejo a hora de descer dos andaime. Pra pegar um cinema, ver Schwarzneger E também o Van Damme. (Dinho e Júlio Rasec, encarte CD Mamonas Assassinas, 1995.) 1. Nessa música, o grupo intencionalmente explora uma variante lingüística. Para isso, cria uma personagem que teria determinadas características de fala. No terceiro verso, temos uma construção que está em desacordo com a norma culta. Identifique-a e reescreva-a em língua culta. 2. Pouco sabemos sobre a pessoa que fala nessa música, mas, por algumas pistas do texto, podemos imaginar. Na sua opinião, qual deve ser: a) o grau de escolaridade dela? c) a classe social a que ela pertence?
  • 7. b) a profissão? d) os filmes a que normalmente ela assiste? 3. No 3o. verso da 3a. estrofe, é empregada uma gíria: “uns rolezinho”. Imagine o sentido dessa expressão, a partir do contexto. 4. Existem alguns termos na letra da música que também podem nos dar pistas sobre a origem da pessoa que fala na música: “mode” e “aipim”. Em que região do país esses termos são popularmente empregados? À MODA CAIPIRA Para a Sonia Junqueira, pela parceria e amizade. U musquitu ca mutuca num cumbina. U musquitu pula i a mutuca impina. U patu ca pata num afina. U patu comi grama i a pata qué coisa fina. U gatu cum u ratu vivi numa eterna luita. U ratu vai cumê queiju, vem um gatu i insurta. U galu ca galinha num pareci casadu. A galinha vai atrais deli i u galu sarta di ladu. U pavão ca pavoa mais pareci muléqui. A pavoa passa réiva e eli só abri u léqui. U macacu ca macaca num pareci qui si ama: ela pedi um abraçu, ele dá uma banana… Eu mais ocê cumbina qui dá gostu di vê: eu iscrevu essas poesia i ocê cuida di lê… (Cantos de encantamento. Belo Horizonte: Formato, 1996. p. 22.) 1. Ao escrever esse poema, o autor não obedeceu às regras ortográficas da língua portuguesa. a) Por que o autor escreveu o texto desse modo? b) Qual é o dialeto que o autor usou para escrever o poema? 2. Compare as palavras abaixo. As da coluna da esquerda estão escritas de acordo com as regras ortográficas, e as da coluna da direita estão escritas conforme aparecem no poema. mosquito musquitu pato patu rato ratu a) Quais dessas palavras lembram mais o nosso jeito de falar? b) Conclua: Nosso jeito de falar sempre corresponde ao modo como as palavras são escritas? Presada Cenhora, Quero candidatarme pra o lugar de auçiliar de iscritório que vi no jornau. Eu teclo muito de pressa con um dedo e fasso contas ben.
  • 8. Axo que sou bom ao tefone em bora seija uma peçoa sem muito extudo. O meu salario tá aberto há discução pra que a senhora possa ver o que mi pode pagar e a Cenhora axar qui eu meresso. Pósso comessar imediatamente. Agradessido em avanso pela sua resposta. Cinceramente, José Machado Valente PS : Como o meu currico é muinto piqueno, abaicho tem 1 foto minha. Foto censurada Resposta da selecionadora: Querido José Machado, O emprego é seu. Nós temos correção automática no word. Compareça já amanhã.
  • 9. Figuras de linguagem Definição: também chamadas de figuras de estilo, são recursos especiais de que se vale quem fala ou quem escreve, para comunicar à expressão mais força, intensidade e beleza. São 3 tipos:  Figuras de palavras (tropos - desvio)  Figuras de construção (sintaxe)  Figuras de pensamento FIGURAS DE PALAVRAS Metáfora: comparação mental entre dois seres ou fatos Tio José é uma fera. Paulo é um poste. Comparação: identificação de elementos a partir de características comuns, destacando semelhanças, traços comuns. Tio José é bravo como uma fera. Paulo é alto como um poste. Antítese/paradoxo: oposição, antônimo, ideias contrastantes no primeiro caso; no segundo por ideias absurdas. A tristeza de uns é a alegria de outros. Amo-te assim: meio odiosamente. Catacrese: metáfora forçada, já desgastada pelo uso. O nome diz significa abuso. Pé da mesa, aterrissar em alto mar. Metonímia/sinédoque: relação de sentido e a associação de ideias provocam a substituição de um termo por outro. Estou vendo o filme de Spielberg. (autor pela obra) Os aviões semeavam a morte. (causa: bombas, efeito: morte) A terra inteira chorou a morte de João Paulo II. (continente pelo conteúdo) Ele é um bom garfo. (instrumento pela pessoa) Eufemismo: atenuação de ideia desagradável por uma mais suave. Ir para o Reino de Deus. Faltar com a verdade (chamar de mentiroso) Pessoa problemática (neurótica) Mal incurável (AIDS) Apropriar-se (roubar) Amigo do alheio (ladrão) Deixar o mundo dos vivos (morrer) Perífrase/antonomásia: designar um ser através de uma característica que o tenho celebrizado. A capital da República. A cidade-luz. O rei dos animais. Ouro negro. Cidade maravilhosa. Sinestesia: transferência de percepções da esfera de um sentido para a de outro, do que resulta uma fusão de impressões sensoriais de grande poder sugestivo, ou seja, na utilização simultânea de alguns dos cinco sentidos.
  • 10. Sons noturnos. Perfumes macios. Fresca musica da brisa Agora, o cheiro áspero das flores. Hipérbole: exagerar uma ideia para obter maior impacto em sua expressão. Ele chorou um rio de lágrimas. Eu estou morrendo de fome. Ironia: inverter o sentido de uma afirmação visando a ridicularizarão da ideia. RC é o melhor governador do universo. Prosopopéia/personificação: personificação ou animismo de seres que não são humanos. Milho foi o grande vilão da temporada. A solidão é fera, solidão devora, é amiga das horas, prima e irmã do tempo. FIGURAS DE CONSTRUÇÃO Polissíndeto: repetição de uma conjunção no inicio ou meio da oração. Trabalha, e temia, e lima, e sofre, e sua. Assíndeto: ausência de conectivos, conjunções. O mosquito pernilongo/trança as pernas, faz um M,/depois, treme, treme, treme, faz um O bastante oblongo,/faz um S. Hipérbato/inversão: inversão da ordem direta dos termos da oração a fim de dar destaque. Justo ela diz que é, mas eu não acho que não. Ouviram do Ipiranga as margens plácidas de um povo heróico o brado retumbante. As margens plácidas do Ipiranga ouviram o brado retumbante de um povo heróico. Elipse: termo oculto facilmente identificável. Fomos à tarde, chegamos à noite. (nós)/ De dia, me lava roupa/ De noite, me beija a boca. (ela) Zeugma: omissão de um termo já enunciado anteriormente. Todo dia ela faz tudo sempre igual,/Me acorda às 6 horas da manhã,/ Me sorri um sorriso pontual/ E me beija com a boca de hortelã. (zeugma: todo dia) Anáfora: repetição de uma palavra no inicio da frase ou de versos. Já fui loura. Já fui morena. Já fui Margarida e Beatriz, Já fui Maria e Madalena. Anacoluto: abandonar um termo solto na frase. A memória, é em nós que ela existe, É como um inventário de coisas. A filha dele, a mãe era muito mais alta e mais encorpada.
  • 11. Pleonasmo: repetição de um termo para reforçar seu significado. A mim resta-me a independência para chorar. Foi o que eu vi com meus próprios olhos. Obs. Cuidado para não virar vício de linguagem, como descer para baixo, subir para cima. Gradação/clímax: enumeração de palavras de forma organizada, de modo a provocar um clímax. Tudo na casa era cinza, nebuloso, assustador. Foi um tímido, um frouxo, um covarde. Apóstrofe: evocação ou interpelação enfática de pessoas ou seres. Santa Virgem Maria, vós que sois mãe do canto e do dia, dá-nos a luz do luar. Oh! Deus. Onde estás que não respondes... Silepse: concordância ideológica e não com os termos da frase. São de três tipos:  Gênero: Vossa Excelência está ansiosa. (feminino)  Número: A família inteira aplaudiram cada palavra dita pelo padre.  Pessoa: Alegres, tolerantes, bonachões: todos em Taitara éramos assim antigamente, antes da chegada de tio Baltazar. Reiteração: retificar uma afirmação anterior É uma jóia, ou melhor, uma preciosidade, esse quadro. Paradoxo/oxímoro: usar intencionalmente um contra-senso. Valentia covarde assaltar e matar pessoas indefesas. FIGURAS DE PENSAMENTO Aliteração: repetição de uma consoante O rato roeu a roupa do rei de Roma e a rainha com raiva rasgou o resto. Assonância: repetição de um som vocálico. A linha feminina é carimá/ moqueca, pititinga, caruru... Onomatopéia: representação de certos sons, produzidos por animais ou coisas, ou mesmo de certos sons humanos O tic tac do relógio me incomoda. A abelha faz zum zum. VÍCIOS DE LINGUAGEM São incorreções e defeitos na língua falada ou escrita. Originam-se do descaso ou do despreparo lingüístico de quem se expressa. Os principais são: Ambiguidade: duplo sentido Vi Célia passando com sua irmã. Barbarismo: palavras erradas, relativamente a pronúncia, forma ou significação
  • 12. Cidadões, Fazem dez anos... Cacofonia: som desagradável ou palavra de sentido ridículo e torpe, resultantes da contigüidade de certos vocábulos na frase. A boca dela. Mande-me já isso. Nunca Brito vinha aqui. A dis-puta... Estrangeirismo: uso de palavras, expressões ou construções próprias de línguas estrangeiras (galicismo, francesismo etc.) Menu/ lady/ Office-boy Hiato: seqüência antifônica de vogais. Andréia irá ainda hoje ao oculista. Colisão: sucessão desagradável de consoantes iguais ou idênticas. O que se sabe sobre o sabre, viaja já, aqui caem cacos Eco: concorrência de palavras que tem a mesma terminação. A flor tem odor e frescor. Com medo, Alfredo ocultou-se no arvoredo. Pleonasmo: redundância, presença de palavras supérfluas na frase. Entrar pra dentro, sair pra fora, brisa matinal da manhã. Linguagem denotativa: sentido real: O muro é de pedra. “Uma sociedade extremamente organizada, que não possui nenhum tipo de liderança. Parece impossível? Não no mundo das formigas. Pertencentes ao grupo de insetos sociais, elas vivem em colônias. Dentro do ninho, as tarefas são divididas entre as castas e cada uma cumpre seu papel. A maioria das formigas em uma colônia é formada por fêmeas, reprodutoras (rainhas) e não reprodutoras (operárias). Essas últimas fazem o trabalho pesado: constroem o ninho, coletam comida e água, limpam, alimentam machos, larvas, e em alguns casos a rainha, e protegem o formigueiro. Em certas espécies, as soldados diferem-se das operárias comuns por terem partes do corpo maiores, principalmente cabeça e mandíbulas.” (Juliana Tiraboschi, As poderosas da terra, Galileu, jan/2007) Linguagem conotativa: sentido figurado: João tem um coração de pedra. Eu vejo um avião no céu Que vai pra onde você mora Eu sinto a toda hora Essa coceira, este calor Eu acho que sentei No formigueiro do amor (Herbert Vianna) Linguagem literária X Linguagem não-literária
  • 13. Linguagem não-literária Linguagem literária 1. Anoitece. A mão da noite embrulha os horizontes. ( Silva Alvarenga) 2. Aos cinqüenta anos, inesperadamente apaixonei-me de novo. Na curva perigosa dos cinqüenta / derrapei neste amor. ( Carlos Drummond de Andrade) Identifique o tipo de linguagem (literária ou não-literária) nos fragmentos abaixo: Conto de todas as cores Mario Quintana Eu escrevi um conto azul, vários até. Mas este é um conto de todas as cores. Porque era uma vez um menino azul, uma menina verde, um negrinho dourado e um cachorro com todos os tons e entretons do arco-íris. Até que apareceu uma Comissão de Doutores – os quais, por mais que esfregassem os nossos quatro amigos, viram que não adiantava. E perguntaram se aquilo era de nascença ou se... - Mas nós não nascemos – interrompeu o cachorro. – Nós fomos inventados! (QUINTANA, Mário. A vaca e o hipogrifo. 3 ed. Porto Alegre, L&PM, 1979. p.34.) EFEITO ESTUFA Aquecimento global está chegando a um ponto crítico, dizem pesquisas. Dois novos estudos, publicados no início de 2005, alertam para agravamento do efeito estufa. Cientistas ingleses e norte-americanos advertem que problema está chegando a um ponto crítico de não-retorno e que apenas o Protocolo de Quioto será insuficiente para reverter quadro atual.
  • 14. Coesão e Coerência Coerência e coesão textuais são dois conceitos importantes para uma melhor compreensão do texto e para a melhor escrita de trabalhos de redação de qualquer área. Na construção de um texto, assim como na fala, usamos mecanismos para garantir ao interlocutor a compreensão do que se lê / diz. Esses mecanismos lingüísticos que estabelecem a conectividade e a retomada do que foi escrito / dito são os referentes textuais e buscam garantir a coesão textual para que haja coerência, não só entre os elementos que compõem a oração, como também entre a seqüência de orações dentro do texto. A coesão trata basicamente das articulações gramaticais existentes entre as palavras, as orações e frases para garantir uma boa sequenciação de eventos. A coerência, por sua vez, aborda a relação lógica entre ideias, situações ou acontecimentos, apoiando-se, por vezes, em mecanismos formais, de natureza gramatical ou lexical, e no conhecimento compartilhado entro os usuários da língua. Pode-se dizer que o conceito de coerência está ligado ao conteúdo, ou seja, está no sentido constituído pelo leitor. Um texto incoerente é o que carece de sentido ou o apresenta de forma contraditória. Muitas vezes essa incoerência é resultado do mau uso daqueles elementos de coesão textual. Na organização de períodos e de parágrafos, um erro no emprego dos mecanismos gramaticais e lexicais prejudica o entendimento do texto. Construído com os elementos corretos, confere-se a ele uma unidade formal. Uma das propriedades que distingue um texto de um amontoado de palavras ou frases é o relacionamento existente entre si. De que trata, então, a coesão textual? Da ligação, da relação, da conexão entre as palavras de um texto, através de elementos formais, que assinalam o vínculo entre os seus componentes. Uma das modalidades de coesão é a remissão. E a coesão pode desempenhar a função de (re)ativação do referente. A reativação do referente no texto é realizada por meio da referenciação anafórica ou catafórica, formando-se cadeias coesivas mais ou menos longas. A remissão anafórica (para trás) realiza-se por meio de pronomes pessoais de 3ª pessoa (retos e oblíquos) e os demais pronomes; também por numerais, advérbios e artigos. Exemplo: André e Pedro são fanáticos torcedores de futebol. Apesar disso, são diferentes. Este não briga com quem torce para outro time; aquele o faz.
  • 15. Explicação: O termo isso retoma o predicado são fanáticos torcedores de futebol; este recupera a palavra Pedro; aquele , o termo André; o faz, o predicado briga com quem torce para o outro time – são anafóricos. A remissão catafórica (para a frente) realiza-se preferencialmente através de pronomes demonstrativos ou indefinidos neutros, ou de nomes genéricos, mas também por meio das demais espécies de pronomes, de advérbios e de numerais. Exemplo: Qualquer que tivesse sido seu trabalho anterior, ele o abandonara, mudara de profissão e passara pesadamente a ensinar no curso primário: era tudo o que sabíamos dele, o professor, gordo e silencioso, de ombros contraídos. Explicação: O pronome possessivo seu e o pronome pessoal reto ele antecipam a expressão o professor – são catafóricos. De que trata a coerência textual ? Da relação que se estabelece entre as diversas partes do texto, criando uma unidade de sentido. Está, portanto, ligada ao entendimento, à possibilidade de interpretação daquilo que se ouve ou lê. (Núcleo de estudos para a Paz e Direitos Humanos, UnB in: Introdução Crítica ao Direito, com adaptações) Redação Incoerente
  • 16. Exemplo de um texto incoerente: Está redação foi feita pelo aluno Rodrigo Longo do Colégio Dom Bosco, no dia 20/04/04. Viva a educação brasileira! O vestibular é muito polêmico, e agora o governo resolveu fazer cotas para negros e prá quem veio de escola pulblica. No caso dos negros,é injusto, já que 50% dos negros nascem pretos, e a metade não. Mas isso ficaria indeciso, pois existem pessoas como o Maicon Jecksson que násceram pretas e não brancas, então pode- se alegar que um loiro têm descendência afro-africana, bem como os orientais. Logo, podemos dar cotas aos alcólatras, pois estes seguem o exemplo do Presidente. Mas para evitar a complicação do vestibular o ideal seria o sorteio de
  • 17. vagas, assim só os sortudos conseguiriam entrar na faculdade, ou seja, além de um profissional competente, o cara iria ser um profissional de sorte. É uma pouca vergonha o sistema de cotas, porque os homossexuais seriam desfavorecidos perante ao curso superior, novamente mais um motivo para o Presidente ser bêbado. E não são todas as pessoas que tem oportunidade de estudar em uma boa escola como o COLÉGIO DOM BOSCO. Todavia, a metodologia do vestibular é totalmente ineficiente e fálico, pois se descobrirem vida em outros planetas o conceitos dos concursos ' Miss Universo' teriam de ser repensados.Desejo a todos uma boa viagem. ** O texto só auxilia na nitidez da redação, não modifica nem interfere no conteúdo da mesma.** Exemplo de falta de coesão. Coesão: plano do texto, das palavras, a ligação entre as frases. A Joana não estuda nesta Escola. Ela não sabe qual é a Escola mais antiga da cidade. Esta Escola tem um jardim. A Escola não tem laboratório de línguas. O Paulo estuda Inglês. A Elisa vai todas as tardes trabalhar no Instituto. A Sandra teve 16 valores no teste de Matemática. Todos os meus filhos são estudiosos
  • 18. Ex. Assinale a opção em que a estrutura sugerida para preenchimento da lacuna correspondente provoca defeito de coesão e incoerência nos sentidos do texto. A violência no País há muito ultrapassou todos os limites. ___1___ dados recentes mostram o Brasil como um dos países mais violentos do mundo, levando-se em conta o risco de morte por homicídio. Em 1980, tínhamos uma média de, aproximadamente, doze homicídios por cem mil habitantes. ___2___, nas duas décadas seguintes, o grau de violência intencional aumentou, chegando a mais do que o dobro do índice verificado em 1980 – 121,6% –, ___3___, ao final dos anos 90 foi superado o patamar de 25 homicídios por cem mil habitantes. ___4___, o PIB por pessoa em idade de trabalho decresceu 26,4%, isto é, em média, a cada queda de 1% do PIB a violência crescia mais do que 5% entre os anos 1980 e 1990. Estudos do Banco Interamericano de Desenvolvimento mostram que os custos da violência consumiram, apenas no setor saúde, 1,9% do PIB entre 1996 e 1997. ___5___ a vitimização letal se distribui de forma desigual: são, sobretudo, os jovens pobres e negros, do sexo masculino, entre 15 e 24 anos, que têm pago com a própria vida o preço da escalada da violência no Brasil. (Adaptado de http:// www.brasil.gov.br/acoes.htm) a) 1 – Tanto é assim que b) 2 – Lamentavelmente c) 3 – ou seja d) 4 – Simultaneamente e) 5 – Se bem que
  • 19. Coerência: plano das ideias, a ligação das ideias no texto É resultante da não-contradição entre os diversos segmentos textuais que devem estar encadeados logicamente. As árvores estão plantadas no deserto, A árvore está grávida, Tipos de linguagem Coloquial – informal – não padrão: a linguagem da fala, sem regras. Exemplo de uma pessoa falando ao juiz (RJ) Doutor, o patuá é o seguinte: depois de um gelo na coitadinha, resolvi esquinar e caçar uma outra cabrocha que se preparasse a marmita e amarrotasse o meu linha no sabão. Quando bordejava pelas visas, abasteci a caveira e troquei por centavos um embrulhador. Quando então vi as novas do embrulhador, plantado com um poste bem na quebrada da rua, veio um paraquedas se abrindo, eu dei a dica, ela bolou, eu fiz a pista, colei; colei, solei, ela aí bronquiou, eu chutei, bronquiou mas foi na despista, porque, muito vivaldina, tinha se adernado e visto que o cargueiro estava lhe comboiando. Morando na jogada, o Zezinho aqui ficou ao largo e viu quando o cargueiro jogou a amarração dando a maior sugesta na recortada. Manobrei e procurei ingrupir o pagante, mas sem esperar recebi um cataplum no pé do ouvido. Aí dei-lhe um bico com o pisante na altura da dobradiça uma muqueada não moradores e taquei-lhe os dois pés na caixa de mudança pondo-o por terra. Ele se coçou, sacou a maquinae queimou duas espoletas. Papai, muito esperto, virou pulga e fez a dunquerque, pois o vermelho não combina com a cor do meu linho. Culta-formal – padrão: a linguagem da escrita, com regras determinadas na gramática,aceita na sociedade como a padrão. Variação lingüística: variação que uma língua apresenta, de acordo com: a) Social: Agrupa alguns fatores de diversidade: o nível sócio-econômico, determinado pelo meio social onde vive um indivíduo; o grau de educação; a
  • 20. idade e o gênero. A variação social não compromete a compreensão entre indivíduos, como poderia acontecer na variação regional; o uso de certas variantes pode indicar qual o nível sócio-econômico de uma pessoa, e há a possibilidade de alguém oriundo de um grupo menos favorecido atingir o padrão de maior prestígio. b) Regional: Trata das diferentes formas de pronúncia, vocabulário e estrutura sintática entre regiões. Dentro de uma comunidade mais ampla, formam-se comunidades lingüísticas menores em torno de centros polarizadores da cultura, política e economia, que acabam por definir os padrões lingüísticos utilizados na região de sua influência. As diferenças lingüísticas entre as regiões são graduais, nem sempre coincidindo com as fronteiras geográficas,ou seja,pessoas que moram em outras regiões tem formas diferentes de falar e cada região tem seu devido sotaque. c) Etária: é um fenômeno de linguagem especial usada por certos grupos sociais pertencentes a uma classe ou a uma profissão em que se usa uma palavra não convencional para designar outras palavras formais da língua com intuito de fazer segredo, humor ou distinguir o grupo dos demais criando uma linguagem própria: o jargão ou gíria. É empregada por jovens e adultos de diferentes classes sociais, e observa-se que seu uso cresce entre os meios de comunicação de massa. Trata-se de um fenômeno sociolingüístico. d) História: Acontece ao longo de um determinado período de tempo, pode ser identificada ao se comparar dois estados de uma língua. O processo de mudança é gradual: uma variante inicialmente utilizada por um grupo restrito de falantes passa a ser adotada por indivíduos socioeconomicamente mais expressivos. A forma antiga permanece ainda entre as gerações mais velhas, período em que as duas variantes convivem; porém com o tempo a nova variante torna-se normal na fala, e finalmente consagra-se pelo uso na modalidade escrita. As mudanças podem ser de grafia ou de significado. O texto de humor que se segue foi veiculado na Internet no ano de 2003. Leia e responda as questões propostas. Assaltante nordestino - Ei, bichin... Isso é um assalto... Arriba os braços e num se bula nem faça muganga... Arrebola o dinheiro no mato e não faça pantim se não enfio a peixeira no teu bucho e boto teu fato pra fora! Perdao, meu Padim Ciço, mas é que eu tô com uma fome da mulestia. Assaltante mineiro
  • 21. - Ô sô, prestenção... Isso é um assarto, uai... Levanta os braço e fica quetim quesse trem na minha mão tá cheio de bala... Mió passá logo os trocado que eu num to bão hoje. Vai andando, uai! Tá esperando o quê, uai!!! Assaltante gaúcho - O, guri, ficas atento... Bah, isso é um assalto... Levantas os braços e te aquietas, tchê! Não tentes nada e cuidado que esse facão corta uma barbaridade, tchê. Passa as pilas pra cá! E te manda a la cria, senão o quarenta e quatro fala. Assaltante carioca - Seguinte, bicho... Tu te deu mal. Isso é um assalto. Passa a grana e levanta os braços, rapá... Não fica de bobeira que eu atiro bem pra *%#@+&%#@ Vai andando e, se olhar pra trás, vira presunto... Assaltante baiano - Ô, meu rei... (longa pausa) Isso é um assalto... (longa pausa) Levanta os braços, mas não se avexe não... (longa pausa). Se num quiser nem precisa levantar, pra num ficar cansado... Vai passando a grana, bem devagarinho... (longa pausa). Num repare se o berro está sem bala, mas é pra não ficar muito pesado... Não esquenta, meu irmãozinho (longa pausa). Vou deixar teus documentos na encruzilhada... Assaltante paulista - Orra, meu... Isso é um assalto, meu... Alevanta os braços, meu... Passa a grana logo, meu... Mas rápido, meu, que eu ainda preciso pegar a bilheteria aberta pra comprar o ingresso do jogo do Corinthians, meu... Pô, se manda, meu... 1. O texto retrata várias cenas de assalto, cada uma delas situada em um Estado ou região diferente do país. A fala do assaltante tem sempre o mesmo conteúdo, enquanto o uso da linguagem e o modo como o assalto é conduzido mudam de uma situação para outra. Identifique, em casa uma das cenas, duas palavras ou expressões próprias do: a) nordestino b) mineiro c) gaúcho d) carioca e) baiano f) paulista 2. Além da linguagem, o texto também revela comportamentos ou hábitos que supostamente caracterizam o povo de diferentes Estados ou regiões. O que caracteriza, por exemplo: a) o nordestino b) o baiano c) paulista
  • 22. Gêneros literários Lírico: sentimento, da emoção. Épico: feito heróico ou fato histórico Dramático: encenação Linguagem verbal: é aquela em que se usa palavras, textos, frases. Linguagem não-verbal: é aquela que se usa fotos, gráficos, mapas, sinais, etc. Funções da linguagem  Emotiva: emoção  Apelativa: apelo  Poética: poesia  Referencial: passa-se a informação, sem emoção  Fática: testa-se o canal na conversa  Metalingüística: o dicionário Interpretação de texto 1. Em relação à charge acima, pode-se inferir que I. O texto verbal apresenta aspectos que se opõem entre si e partilham da construção do sentido do texto, como um todo. II. O autor incorpora explicitamente uma intertextualidade da linguagem popular. III. O leitor deve atribuir um único sentido para o enunciado “a coisa tá ficando preta”. IV. A temática sugere ao leitor um posicionamento crítico sobre as mudanças no planeta Terra. Está (ão) CORRETA(S) apenas a(s) proposição (ões)
  • 23. a) III e IV b) I, II e III c) I, II e IV d) II e) I e III Leia o texto, a seguir, e responda à questão abaixo. Discurso e discussão Há r para discurso Mas discussão, não (discurso é pronunciamento e debate é discussão): “O discurso do prefeito causou muita discussão” [...] Janduhi Dantas, In: Revista Educação, nov, 2005, p. 61. 2. Da estrofe acima, pode-se afirmar que: I - A função predominante do texto é a metalingüística, tendo em vista que está centralizada no código. II - As aspas nos dois últimos versos registram a fala do narrador de forma direta. III - O enunciado grafado entre parênteses apresenta idéias conceituais sobre “discurso e debate”. IV - Os termos “discurso e discussão” têm sentido equivalentes. Analise as proposições, acima, e marque a(s) verdadeira(s). Está(ão) CORRETA(S), apenas: a) III e IV b) II c) II, III e IV d) I, II e III e) I e III 3. Leia o texto e responda: “Aprendi com meu filho de dez anos Que a poesia é a descoberta Das coisas que nunca vi” Oswald de Andrade As funções de linguagem predominante no texto são: a) Referencial e emotiva b) Fática e conativa c) Poética e metalingüística d) Fática e referencial e) Conativa e poética Leia o texto abaixo e responda “A professora do Bocão está corrigindo o dever de casa. Aí, balança a cabeça, olha para o Bocão e diz: – Não sei como uma pessoa só, consegue cometer tantos erros. E o Bocão explica:
  • 24. – Não foi uma pessoa só, professora. Papai me ajudou.” (ZIRALDO, Alves Pinto. Rolando de rir. O livro das gargalhadas do Menino Maluquinho. São Paulo: Melhoramentos, 2001. p. 20) 4. Em relação ao texto acima, pode-se concluir que I. há predominância da função metalingüística. II. as falas dos interlocutores se sucedem sem a presença do narrador. III. a comicidade do texto se dá em razão da interpretação literal de “Bocão”. Analise as proposições e marque a alternativa conveniente. a) Apenas II e III estão corretas. b) Apenas I e II estão corretas. c) Apenas I e III estão corretas. d) Apenas III está correta. e) I, II e III estão corretas. Quinze anos. Imaginava eu que nessa idade as meninas morenas e loiras sonham sempre com longas festas, onde sempre aparece um cara que, além de tocar uma baita bateria, consegue um equipamento de luz negra, e tem um conjunto que faz um som da pesada, ou então chega com duas caixas e um amplificador, e tudo fica muito louco até o momento solene da valsa, com as meninas portando velas acesas e os rapazes com flores, enfim, a zorra dos quinze anos que os pais curtem com tremor dentro do peito, isso quando não se cotizam para o grande baile das debutantes, rigorosamente lindas, apresentadas geralmente por um compenetrado colunista social ou por um artista que, como anunciamos ao distinto público, acedeu ao convite da cidade, mesmo tendo de abandonar compromissos profissionais já assumidos, como a filmagem dos vinte últimos capítulos da novela em que é personagem principal. Quinze anos. Onde terei errado na minha função de pai? Pois a menina de quinze anos, que carreguei no colo e que admirei através do vidro da maternidade na noite de novembro em que a lâmpada cor-de-rosa se acendeu, recusa com um sorriso provocador qualquer coisa que lembre essa festa de aniversário, e apenas me deposita um beijo na minha testa, como se esse gesto bastasse para ela provar que acaba de completar quinze anos. Não sei onde foi buscar esse despojamento e essa indiferença pela vaidade frágil que dura o tempo do spray no ar. Chego a me atemorizar. Penso que, por desleixo ou falta de prática, falhei nalgum ponto – e criei a filha de um operário, de um ferroviário, de um lutador de boxe que perdeu por pontos, de um balconista das Casas Pernambucanas, de um lanterninha de cinema, ou – para pensar o pior – criei a filha de um mero cronista da Cidade. Que Deus me perdoe se falhei. E que Deus me abençoe se minha filha de quinze anos pensa exatamente como deve pensar uma garota morena de quinze anos, sem os cacoetes e sem os falsetes que nós, os adultos, gostamos de
  • 25. emprestar a essa idade própria das decisões pessoais, quando se aprende a usar o dom – hoje raro e falsificado – chamado: a liberdade de ser. DIAFÉRIA, Lourenço. In: NOVAES, C. E. et alii. Para gostar de ler. São Paulo: Ática, 1981. (Vol. 7 - Crônicas) 1. A propósito da expressão “como anunciamos ao distinto público”, inserida no segundo parágrafo, considere as afirmativas abaixo e indique o que é verdadeiro (V) e o que é falso (F). ( ) Ela confirma a originalidade estilística do autor. ( ) Por sua padronização, ela critica o convencionalismo de certos eventos sociais. ( ) Ela reflete o prestígio de uma cerimônia em que a essência vale mais do que a aparência. A alternativa correspondente à seqüência correta é: a) VVF b)VFF c) FVF d)VFV e)FVV 2. NÃO se verifica o registro coloquial da linguagem em: a) “... longas festas, onde sempre aparece um cara...”. b) “... além de tocar uma baita bateria, consegue um equipamento de luz negra...”. c) “... e tem um conjunto que faz um som da pesada...”. d) “... e tudo fica muito louco até o momento solene da valsa...”. e) “... quando não se cotizam para o grande baile das debutantes...”. 3. O despojamento e a indiferença da menina a) explicam-se por sua humildade social. b) atemorizam sinceramente o seu pai. c) confirmam as falhas na sua educação. d) constituem sinais de liberdade interior. e) atestam-lhe o desajuste psicológico. 4. Sobre o pai-cronista, afirma-se que ele I. curtia com tremor a zorra dos quinze anos. II. enganou-se ao generalizar sua impressão sobre os quinze anos. III. está correto ao reconhecer seu desleixo e falta de prática. Das afirmações acima, está(ão) correta(s) a) apenas I. b)apenas II. c)apenas III. d)I e III. e)II e III. 5. No trecho: “ ... e tudo fica muito louco até o momento solene da valsa...”, o melhor sinônimo para o termo sublinhado é:
  • 26. a)religioso. b) confuso. c)despojado. d) pomposo. e)sombrio. Tipos de texto O texto é uma mensagem: uma passagem falada ou escrita que forma um todo significativo independentemente da sua extensão.  Os tipos de texto são: Narrativos, Descritivos, Informativos, Argumentativos, Injuntivos e poéticos. Narrativo: relata fatos e acontecimentos verossímeis (verdadeiros) ou inverossímeis (ficção), situados no tempo. Não existe texto puramente narrativo. Quando dizemos “A mulher se aproximou da penteadeira e pegou o estojo de maquiagem”, fazemos também uma descrição. O mesmo não ocorre com texto puramente descritivo: ”O jardim é retangular, com muitas rosas e cravos”. Tem-se: Personagens: protagonista (mocinho), antagonista (vilão – pode ser também uma situação) e coadjuvantes (secundários); Tempo: cronológico (pode ser contado no relógio) e psicológico (tem-se uma ideia) Enredo: a síntese da historia; Espaço: local em que se passa o enredo. Descritivo: representa-se objetos e personagens que participam do texto narrativo. Na verdade, contar uma historia é mesclar narrações e descrições. Informativo: transmite conhecimentos, esclarece determinado assunto, encontramos em obras cientificas, enciclopédias, manuais escolares, guias turísticos, relatórios técnicos, notícias, etc. O Texto Informativo deve ter uma linguagem objetiva e não se confunde com os textos de natureza artística ou literária. É o texto da imprensa, do professor, dos relatórios, técnicos ou científicos. Analisa um fenômeno ou uma teoria, prestando-se ao uso didático. Argumentativo: procura convencer ao se defender uma tese (ideia) com argumentos.
  • 27. O Texto Argumentativo procura convencer, propondo ou impondo ao receptor uma interpretação particular de quem o produz. Por isso mesmo, visa defender uma tese ou rejeitá-la. O texto argumentativo não se confunde com os textos informativos, pois nestes os fatos e idéias não são geralmente expostos com o objetivo de convencer o receptor. Em geral, o desenvolvimento de uma argumentação comporta três etapas:  Uma tese, que enuncia o ponto de vista que será objeto de demonstração;  Os argumentos, elementos abstratos geralmente apresentados em ordem crescente de importância e que justificam a tese;  E as provas que sustentam os argumentos e que devem ser elementos concretos(fatos ocorridos, depoimentos ou citações de intelectuais reconhecidos, fatos históricos e etc.). Injuntivo: é usado para convencer alguém, apelando. A palavra injunção significa ordem formal, imposição, exigência.Uma das formas verbais do texto injuntivo e o imperativo.Os textos injuntivos exemplificam o uso da linguagem em sua função apelativa (ou conativa). Poético: a construção da mensagem é o objetivo principal ao se valorizar sons, ritmos, e sentidos. Podemos encontrar textos poéticos narrativos, descritivos, informativos e até com passagens ou objetivos injuntivos, como algumas mensagens publicitárias. Leia o texto abaixo e responda as questões: TEXTO I 1. Na tira lida, o que o menino forte está fazendo com o Cebolinha?
  • 28. ( ) Procura brigar com Cebolinha por motivo desconhecido. ( ) Procura fazer com que Cebolinha estude com ele sobre artes marciais. 2. O que a imagem do menino maior nos indica sobre ele? (Observe o desenho – não verbal e verbal) ( ) Que a coroa indica que ele é o mais forte, o maioral, o rei do lugar. ( ) Que ele é bom de amizade, pois tem uma coroa que simboliza isso. 3. O menino maior está segurando o Cebolinha pela gola da camiseta. No primeiro quadrinho, a fala e o rosto do Cebolinha nos encaminha para um possível final. Qual? ( ) Cebolinha vai enfrentar o outro menino. ( ) Cebolinha não quer brigar com o menino. 4. Na fala: “Me coloca no chão, senão vai ver só o que eu faço!”, que sentido tem essa frase? ( ) Me coloca no chão, caso contrario vai ver só o que eu faço!”. ( ) Me coloca no chão, somente você vai ver só o que eu faço!”. 5. O final da tira quebra a expectativa do leitor. Por quê? ( ) Porque Cebolinha dá uma surra no garoto maior. ( ) Porque Cebolinha faz xixi nas calças, ao invés de enfrentar o garoto maior. 6. Essa tirinha usa que tipo de linguagem? ( ) Linguagem verbal ( ) Linguagem não verbal ( ) Linguagem verbal e não verbal ( ) Nenhuma delas 7. Quem está simbolizando a fraqueza? ( ) Cebolinha que fez xixi nas calças. ( ) O garoto maior, porque está em vantagem no tamanho. 8. Na fala: “Me coloca no chão, senão vai ver só o que eu faço!”, é exemplo de linguagem culta-formal ou coloquial- informal? 9. Qual a função da linguagem presente no texto?
  • 29. 10. O que Calvin está fazendo?________________________________________________________ 11. No 1º quadrinho, por que Calvin reclama da comida? _______________________________________________________________ 12. O pai usa o universo infantil dos desenhos televisivos. Que tipo de desenho ele usa como exemplo para convencer Calvin a jantar? ______________________ 13. A mãe de Calvin concordou ou não com a atitude do pai de Calvin? Justifique. ________________________________________________________________ 14. O gênero literário do texto de Calvin é: ( ) Gênero Lírico, pois mostra o sentimento dos pais em relação a alimentação de Calvin. ( ) Gênero Épico, pois mostra os pais inventando fatos históricos para Calvin se alimentar. ( ) Gênero Dramático, pois mostra uma encenação dos pais para Calvin se alimentar. 15. As funções da linguagem presentes no texto são: ( ) Referencial/ Poética ( ) Apelativa/ Fática ( ) Fática/ Poética ( ) Metalinguística/Apelativa 16. Há uma intertextualidade no texto, qual é? 17. A variedade lingüística usada no texto é culta-formal ou coloquial- informal? 18. Leia o texto abaixo e responda A linguagem na ponta da língua tão fácil de falar e de entender. A linguagem na superfície estrelada de letras, sabe lá o que quer dizer? Professor Carlos Góis, ele e quem sabe, e vai desmatando o amazonas de minha ignorância. Figuras de gramática, esquipáticas, atropelam-me, aturdem-me, sequestram-me. Já esqueci a língua em que comia, em que pedia para ir lá fora, em que levava e dava pontapé, a língua, breve língua entrecortada do namoro com a priminha.
  • 30. O português são dois; o outro, mistério. Carlos Drummond de Andrade. Esquecer para lembrar. Rio de Janeiro: José Olympio, 1979. 19. Explorando a função emotiva da linguagem, o poeta expressa o contraste (diferença) entre marcas de variação de usos da linguagem em: a) culta-formal (situações formais) e coloquial- informal (situação da fala no dia a dia). b) diferentes regiões do país. c) escolas distintas. d) textos técnicos e poéticos. e) diferentes épocas. Leia o texto abaixo e veja a relação da linguagem verbal com a não verbal, marcando a figura em que há essa relação. Não só de aspectos físicos se constitui a cultura de um povo. Há muito mais, contido nas tradições, no folclore, nos saberes, nas línguas, nas festas e em diversos outros aspectos e manifestações transmitidos oral ou gestualmente, recriados coletivamente e modificados ao longo do tempo. A essa porção intangível (que não se atinge) da herança cultural dos povos dá-se o nome de patrimônio cultural imaterial. Internet: <www.unesco.org.br>. Qual das figuras abaixo retrata o patrimônio imaterial (imaginário, popular) da cultura de um povo? a) Cristo Redentor b) Pelourinho c) Bumba meu boi d) Cataratas do Iguaçu
  • 31. e) Esfinge de Gisé Com base na propaganda reproduzida abaixo, responda as questões abaixo: O Ministério da Saúde adverte: Crianças começam a fumar ao verem os adultos fumando 27. Considerando-se isso que o Ministério da Saúde afirma, pode-se concluir: A) Existem adultos que compram cigarros em estoque. B) Não se deve dar cigarro a quem não sabe tragar. C) Existem adultos que dão maus exemplos a crianças. D) Não se deve forçar um menor de idade a fumar. 28. A propaganda sugere que é comum crianças A) fumarem menos de um maço por dia. B) tentarem imitar os fumantes adultos. C) adquirirem o vício antes da fase ideal. D) incentivarem os pais a largar o vício. 29. A ausência do artigo AS diante do substantivo CRIANÇAS possibilita que o leitor conclua o seguinte: A) Nem toda criança dá início ao hábito de fumar. B) Criança fuma sem autorização do responsável. C) Nem toda criança continua fumando após tornar-se adulta. D) Criança ansiosa começa a fumar mais cedo que as outras. 30. Assim como o ato de ADVERTIR é denominado ADVERTÊNCIA, o ato de A) descuidar é denominado descuidado. B) benzer é denominado benzedeira. C) capacitar é denominado capacidade. D) perceber é denominado percepção. 31. Equivale ao sentido de AO VEREM: A) sempre que vêem. B) quando vêem. C) tanto quanto vêem.
  • 32. D) conquanto vêem. Com base no texto seguinte, responda as questões abaixo: QUANDO CHEGA A HORA DE DECIDIR O FUTURO Dr. Luiz Albert Py Um período dramático na vida de quase todos os jovens começa quando se coloca a questão da escolha da profissão. São raros os que têm certeza do que querem fazer na vida, do que pretendem ser [...] Os que já estão se preparando para cursar faculdade se perguntam qual seria a melhor escolha e como saber o que decidir. Antigamente, os pais procuravam interferir, tentando conseguir que os filhos preenchessem seus próprios sonhos, principalmente quando não realizados. Os pais viam os filhos como fonte de satisfação para seus antigos desejos. Atualmente, isso é mais raro: a maioria das pessoas sabe a importância de deixar que o outro faça a escolha por si mesmo. A grande dúvida é se a escolha deve ser feita a partir de um desejo ou vocação, ou se é melhor escolher uma atividade que tenha bom mercado de trabalho; escolher com o coração, ou com a cabeça. Acho que o fato de se ter facilidade para algum tipo de trabalho não deve ser decisivo, a não ser que tal facilidade proporcione alegria e satisfação. Também não acredito na vantagem de a escolha ser feita visando-se ao ganho de dinheiro. Creio que melhor é se escolher uma profissão como se escolhe um amor: com o coração. Quando trabalhamos naquilo de que gostamos, é mais fácil fazermos bem feito. Quando trabalhamos bem, a perspectiva de ganharmos dinheiro com o que fazemos é maior. Fazer aquilo de que se gosta e bem feito é fonte de alegria e felicidade. Disponível em: <http://www.nlnp.net/index.html>. Acesso em: 02 fev. 2009. [Adaptado] 32. A idéia central do texto é: A) Prefere-se atividade que tenha mais tradição no mercado de trabalho. B) Muito jovem acha que, na vida, é mais fácil optar por um curso profissionalizante. C) Deve-se escolher uma profissão com o coração, assim como se escolhe um amor. D) Quem executa bem seu trabalho ganha dinheiro com muita facilidade. 33. Estabelecendo-se uma relação entre o título e o texto, DECIDIR O FUTURO significa A) optar por uma profissão. B) acatar sugestões de pessoas experientes. C) escolher sem hesitação. D) atender a constantes apelos dos parentes. 34. Com base no texto, pode-se afirmar: A) Trabalhar naquilo que dá prazer traz vantagens para os pais e para os filhos. B) Os pais, antes, conseguiam que os filhos tomassem decisões mais acertadas. C) Os jovens mais seguros do que querem fazer na vida são os pré-vestibulandos.
  • 33. D) Hoje, os pais já interferem menos nas escolhas profissionais de seus filhos. 35. Segundo o texto, A) a alegria e a felicidade resultam do dinheiro que se consegue com a profissão. B) é importante, nos dias atuais, que ainda se consulte alguém sobre qual a melhor escolha. C) a facilidade para o desenvolvimento de um trabalho é garantia de satisfação profissional. D) era mais comum, há algum tempo, que pais tentassem projetar-se nos filhos. 36. No texto, é sinônimo de DIFÍCIL: A) grande (linha 9). B) dramático (linha 1). C) feito (linha 16). D) maior (linha 15). Leia o período abaixo para responder às questões 37 e38. “São raros os que têm certeza do que querem fazer na vida, do que pretendem ser [...]” 37. Ter certeza de é o mesmo que A) estar disposto. C) estar convicto. B) estar disponível. D) estar concentrado. 38. Se o período fosse reescrito no singular, mantendo-se o presente do indicativo, as formas verbais sublinhadas passariam a: A) É – tem – quer – pretende B) É – têm – quer – pretende C) É – teria – queria – pretenda D) É – teve – queria – pretenda 39. Seria correta a substituição da palavra QUASE (linha 1) pela palavra A) praticamente. C) particularmente. B) precisamente. D) persistentemente. 40. Na linha 3, a palavra PARA exprime A) esforço. C) estudo. B) preparo. D) propósito. 41. Na linha 3, a palavra sublinhada indica que os jovens fazem a pergunta A) àqueles em quem eles realmente confiam. B) a eles mesmos. C) àqueles que desejam entrar na faculdade. D) a seus familiares.
  • 34. 42. Nas linhas 5 e 6, as palavras sublinhadas referem-se aos A) sonhos. C) pais. B) filhos. D) desejos. Retrato Eu não tinha este rosto de hoje, assim calmo, assim triste, assim magro, nem estes olhos tão vazios, nem o lábio amargo. Eu não tinha estas mãos sem força, tão paradas e frias e mortas; eu não tinha este coração que nem se mostra. Eu não dei por esta mudança, tão simples, tão certa, tão fácil: – Em que espelho ficou perdida a minha face? (MEIRELES, Cecília. Retrato. In: _____. Os melhores poemas de Cecília Meireles. Seleção de Maria Fernanda. 11 ed. São Paulo: Global, 1999, p. 13). 4. No poema Retrato, a passagem do tempo é vista pelo eu lírico com: a) Tranqüilidade / saudosismo c) Ansiedade / aceitação b) Alegria / surpresa d) Insatisfação / tristeza e) Indiferença / surpresa 5. Com base na leitura do texto II, analise as afirmativas abaixo: I. O poema retoma a visão de tempo explorada pelos barrocos, que se angustiavam diante da efemeridade das coisas do mundo. II. O poema resgata a visão de tempo explorada pelos árcades, em que o eu lírico procura viver intensamente o tempo presente. III. O poema retrata a angústia do eu lírico diante apenas das mudanças físicas causadas pela passagem do tempo, tal como fizera a estética barroca. Está(ão) correta(s) apenas: a) II e III b)II c) III d)I e II e)I 6. Leia os versos abaixo. “Eu não dei por esta mudança, tão simples, tão certa, tão fácil:”
  • 35. Quanto à repetição do termo destacado nesses versos, pode-se afirmar: I. Constitui recurso estilístico que enfatiza as características da mudança constatada pelo eu lírico. II. Trata-se de uma repetição usada somente para assegurar a mesma contagem de sílaba dos versos. III. Compreende um mecanismo de reforço das características daquela mudança (simples, certa e fácil), apresentadas sob a forma de antítese. Está(ão) correta(s) apenas: a)I e III b)II c)III d)I e)II e III 1. Observe a figura abaixo e responda o que se pede Pintura rupestre da Toca do Pajaú – PI. Internet: <www.betocelli.com>. A pintura rupestre acima, que é um patrimônio cultural brasileiro, expressa a) o conflito entre os povos indígenas e os europeus durante o processo de colonização do Brasil. b) a organização social e política de um povo indígena e a hierarquia entre seus membros. c) aspectos da vida cotidiana de grupos que viveram durante a chamada pré-história do Brasil. d) os rituais que envolvem sacrifícios de grandes dinossauros atualmente extintos. e) a constante guerra entre diferentes grupos paleoíndios da América durante o período colonial. 52. Leia os textos abaixo e responda: Antigamente Acontecia o indivíduo apanhar constipação; ficando perrengue, mandava o próprio chamar o doutor e, depois, ir à botica para aviar a receita, de cápsulas ou
  • 36. pílulas fedorentas. Doença nefasta era a phtísica, feia era o gálico. Antigamente, os sobrados tinham assombrações, os meninos, lombrigas (...) Carlos Drummond de Andrade. Poesia completa e prosa.Rio de Janeiro: Companhia José Aguilar, p. 1.184. O texto acima está escrito em linguagem de uma época passada. Observe uma outra versão, em linguagem atual. Antigamente Acontecia o indivíduo apanhar um resfriado; ficando mal, mandava o próprio chamar o doutor e, depois, ir à farmácia para aviar a receita, de cápsulas ou pílulas fedorentas. Doença nefasta era a tuberculose, feia era a sífilis. Antigamente, os sobrados tinham assombrações, os meninos, vermes (...) Comparando-se esses dois textos, verifica-se que, na segunda versão, houve mudanças relativas a a) vocabulário. b) construções sintáticas. c) pontuação. CARTA-POEMA Manuel Bandeira Excelentíssimo Prefeito Senhor Hildebrando de Góis, Permiti que, rendido o preito A que fazeis jus por quem sois, Um poeta já sexagenário, Que não tem outra aspiração Senão viver de seu salário Na sua limpa solidão, [...] Que imundície! Tripas de peixe, Cascas de fruta e ovo, papéis... Não é natural que me queixe? Meu Prefeito, vinde e vereis! Quando chove, o chão vira lama: São atoleiros, lodaçais, Que disputam a palma à fama Das velhas maremas letais! [...] Mandai calçar a via pública Que, sendo um vasto lagamar, Faz a vergonha da República Junto à Avenida Beira-Mar!
  • 37. 53 .O texto, acima, tem função da linguagem: a) referencial. b) poética. c) emotiva d) apelativa. e) metalingüística. 54. O uso de somente símbolos, imagens, gráficos, figuras e etc. fazem parte da linguagem: (1 ponto) ( ) Verbal ( ) Não verbal ( ) Verbal e não verbal 55. O texto acima Carta-poema, de Manuel Bandeira, é exemplo de que tipo de linguagem: (1 ponto) ( ) Verbal ( ) Não verbal ( ) Verbal e não verbal 56.O gênero literário do texto é: (1 ponto) ( ) Gênero Lírico, pois mostra o sentimento do eu lírico sobre o funcionário público. ( ) Gênero Épico, pois mostra o eu lírico inventando fatos históricos sobre o funcionário público. ( ) Gênero Dramático, pois mostra uma encenação do eu lírico sobre o funcionário público. 57. A figura abaixo é parte de uma campanha publicitária, que usa a linguagem não verbal. NEM SEMPRE É O CRIMINOSOQUEM VAI PARAR ATRÁS DAS GRADES Com Ciência Ambiental, n.o 10, abr./2007.
  • 38. Essa campanha publicitária relaciona-se diretamente com a qual afirmação? a) O comércio ilícito (ilegal) da fauna silvestre, atividade de grande impacto, é uma ameaça para a biodiversidade nacional. b) A manutenção do mico-leão-dourado em jaula é a medida que garante a preservação dessa espécie animal. c) O Brasil, primeiro país a eliminar o tráfico do mico-leão-dourado, garantiu a preservação dessa espécie. d) O aumento da biodiversidade em outros países depende do comércio ilegal da fauna silvestre brasileira. e) O tráfico de animais silvestres é benéfico para a preservação das espécies, pois garante-lhes a sobrevivência. Leia o texto seguinte e responda às questões de 47 a 50. 16 Novembro, 2007 / Tirinha 406: Mafalda (http://clubedamafalda.blogspot.com/2007) 47. Sobre os quadrinhos é correto afirmar, exceto a alternativa A) Há uma crítica à submissão feminina, ao passo que se levanta a bandeira do uso das tecnologias como meio de libertação de práticas tradicionais atribuídas à mulher. B) Há um discurso contraditório de uma das personagens dos quadrinhos, à medida que o uso da tecnologia defendido por ela só reforça padrões tradicionais. C) Ao usar a expressão “Tem razão”, subentendesse que a personagem Mafalda tem um posicionamento reativo. D) Pode-se inferir do texto que as novas gerações repetem as ações de gerações passadas.
  • 39. E) A linguagem não-verbal não contribui para o entendimento do texto que, na fala única de uma das personagens, deixa claro um comportamento pós-moderno. 48. Quanto à estrutura sintática da frase expressa no primeiro quadrinho “Tem razão, Mafalda”, é correto afirmar A) Possui um sujeito simples: Mafalda. B) Possui uma oração sem sujeito com o verbo impessoal - tem. C) Possui um sujeito simples “oculto”: você. D) Possui um sujeito indeterminado. E) Possui um sujeito simples: razão. 49. Sobre as frases “Tem razão, Mafalda. Não posso ser como nossas mães, que se conformavam...”, é correto afirmar A) O termo “que” pode ser classificado como conjunção integrante e retoma a palavra“mães”. B) Ao se fazer uso do pronome oblíquo átono “se”, temos um caso de ênclise. C) Em “que se conformavam”, o termo “que” exerce a função sintática de sujeito da oração. D) No trecho destacado em negrito, existem apenas duas orações. E) O termo “não” é acentuado porque é um monossílabo tônico terminado em “o”. 50. A frase “Portanto, não vou cair na mediocridade” pode ser substituída por qual das alternativas abaixo, sem alteração de sentido? A) Entretanto, não vou cair na mediocridade... B) Logo, não vou cair na mediocridade... C) Porém, não vou cair na mediocridade... D) Contudo, não vou cair na mediocridade... E) Todavia, não vou cair na mediocridade..
  • 40. Trovadorismo Definição: trovador é o poeta que musicaliza a poesia nas cortes. A língua utilizada pelos trovadores era o galego-português, uma mistura de espanhol (castelhano) com português. Início: 1189/1198: surge com a Cantiga da Ribeirinha, de Paio Soares de Taveirós. Contexto Histórico 1308 – Fundação da Universidade de Coimbra. 1415 – Conquista de Ceuta. 1420 – Início da Expansão marítima. Descoberta da Ilha da Madeira. 1453 – Os turcos conquistam Constantinopla (capital do Império Romano do Oriente). Fim da Idade Media. 1482 – Diogo Cão descobre a foz do Zaire. 1487 – Bartolomeu Dias dobra o Cabo da Boa Esperança. 1492 – Colombo descobre a América. 1498 – Vasco da Gama descobre o caminho marítimo para as Índias. A hierarquia da sociedade feudal: clero, nobreza e povo (vilões, semi-servos e escravos) O espírito da época é o TEOCÊNTRICO (Deus como o centro do Universo). As Cantigas eram as primeiras produções literárias da época e se dividiam em 4:  Cantigas de Amor: eu lírico é masculino que sofre por amor.  Cantigas de Amigo: eu lírico é feminino que sofre por amor.  Cantigas de Escárnio: ataque satírico indireto, não citando o nome da pessoa.  Cantigas de Maldizer: ataque satírico direto, citando o nome da pessoa. Os artistas dessa época eram:  Trovador: pessoa culta, fidalga que escrevia e musicalizava sua poesia sem receber nada em troca.
  • 41.  Segrel: fidalgo decaído, que levava o jogral para se apresentar nas cortes, castelos.  Jogral: saltimbanco (palhaço) que leva sua apresentação a corte  Menestrel: músico ligado a determinada corte. Produção literária A primeira escola literária galego-portuguesa foi representada pelo trovadorismo, onde suas cantigas foram organizadas pelos cancioneiros, que eram divididos em:  Cancioneiro da Ajuda ou do Real Colégio dos Nobres  Cancioneiro da Vaticana  Cancioneiro da Biblioteca Nacional de Lisboa ou Collocci-Brancuti  Cantigas de Santa Maria.  Novelas de cavalaria  Crônicões  Hagiografias  Livros de linhagem (nobiliários) Os cancioneiros: Como vimos, existiam três tipos de cancioneiros, eles eram classificados de acordo com a qualidade e quantidade de suas cantigas. Vejamos cada um deles: • O cancioneiro da Ajuda • O Cancioneiro da Vaticana • Cancioneiro da biblioteca nacional Com 310 cantigas, quase todas de amor. Esse é o mais velho cancioneiro, reunido no reinado de D. Afonso III. É o único que remota a época trovadoresca. Com 1.205 cantigas de variados autores, mas todas com as quatro modalidades (amor, amigo, escárnio e maldizer), incluindo 138 cantigas de D. Diniz, que era considerado o Rei-Trovador. Com 1.647 cantigas de todas as modalidades. O Cancioneiro também é chamado de Calocci- Brancutti em homenagem aos seus dois possuidores italianos. Os cancioneiros não são coleções de poesia lusa, mas de poesia peninsular na língua galego-portuguesa. Trovadores – Jograis – Segréis – Menestréis
  • 42. Em ordem decrescente era constituída a hierarquia dos poetas-músicos medievais e que era de bastante importância social e artística. 1. Trovadores: são poetas nobres, cultos criadores de cantigas e textos. 2. Jogral: são poetas humildes, eles também eram compositores de cantigas. 3. Segrel: estabelecia uma classe intermediária entre o trovador e o jogral. É importante lembrarmos que o segrel existiu somente na escola galego portuguesa. Eles eram da pequena nobreza, que reproduzia suas próprias composições. 4. Menestrel: era o nome que os músicos da corte passaram a ser chamado no século XIV, quando o nome jogral passou a ser desagradavelmente usado para chamar os bobos. As cantigas de amor
  • 43. Nas cantigas de amor o homem se refere à sua amada como sendo uma figura idealizada, distante. O poeta fica na posição de fiel vassalo, fica as ordens de sua senhora, dama da corte, onde esse amor é considerado como um objeto de sonho, ou seja, impossível, que está longe. Esta cantiga teve origem no sul da França, apresentando um eu – lírico é masculino e também sofredor. Nas cantigas de amor o poeta chama sua amada de senhor, pois naquela época, todas as palavras que terminavam com “or”, em galego-português não tinham feminino, portanto ele dizia “minha senhor”, ele cantava a dor de amar, onde está sempre acometido da “coita”. Essa palavra (coita)é muito usada nessas cantigas, ela significa sofrimento por amor.
  • 44. Cantiga da Ribeirinha, de Paio Soares de Taveirós 1- No mundo non me sei parelha, 2- Mentre me for como me vai, 3- Cá já moiro por vós, e - ai! 4- Mia senhor branca e vermelha. 5- Queredes que vos retraya 6- Quando vos eu vi em saya! 7- Mau dia me levantei, 8- Que vos enton non vi fea! 9- E, mia senhor, desdaqueldi, ai! 10- Me foi a mi mui mal, 11- E vós, filha de don Paai 12- Moniz, e bem vos semelha 13- Dhaver eu por vós guarvaia, 14- Pois eu, mia senhor, dalfaia 15- Nunca de vós houve nem hei 16- Valia dua correa. As cantigas de amigo Essa cantiga tem sua origem popular, são marcadas pela literatura oral, ou seja, paralelismo, refrão, reiterações e estribilho, onde isso são recursospróprios do texto que servem para serem cantados e que propiciam facilitação de memorização. Nas cantidas populares, ainda são usasos esses recursos. Essa cantiga teve origem na Península Ibérica, ela apresenta um eu-lírico feminino, pore´m com um autor masculino, ele canta seu amor pelo seu amigo, em um ambiente mais natural, em grande parte, faz um diálogo com a suas amigas ou com a sua mãe. Na cantiga de amigo, a figura feminina é de uma jovem que começa a amar, lembrando as vezes da ausencia do amado, ou cantando a sua alegria por um encontro com ele. Essa cantiga pode mostrar também a tristeza da mulher, pelo fato do seu amado ter ido para a guerra. Essa cantiga é de amigo, e mostra que a mulher espera ansiosamente pelo amigo, visa bastante às ondas do mar de Vigo e sobre o regresso de seu amado.
  • 45. Humanismo O Humanismo foi um grande movimento intelectual, moral e religioso iniciado em fins do século XV e todo o século XVI, que buscava uma humanidade melhor, pois os idealizadores propunham um ideal de paz e sabedoria, através do aperfeiçoamento das qualidades intelectuais e morais dos homens. Contexto Histórico 1448 – Gutenberg inventa a tipografia. 1453 – Constantinopla cai nas mãos dos turcos. 1481 – A Inquisição é instaurada na Espanha. 1500 – Pedro Álvares Cabral chega ao Brasil. 1531 – Henrique VIII rompe com o papa e funda a igreja anglicana. 1536 – Paulo III estabelece oficialmente a Inquisição em Portugal. O misticismo medieval perde força, e o TEOCENTRISMO dá lugar ao ANTROPOCENTRISMO (o homem como o centro do universo). O maior artista: Gil Vicente A área dele era o teatro. Foi contemporâneo de Michelangelo, Nicolau Copérnico, Leonardo da Vinci, Nicolau Maquiavel, etc. Começou com a peça Monologo de um vaqueiro – O auto da visitação, encenado na câmara real de d. Maria de Castela, por ocasião do nascimento de d. João III, filho de d. Manuel. Tipos de peças de Gil Vicente: mistérios, milagres e moralidades. Outras peças: Auto da barca do inferno; Farsa de Inês Pereira, Auto da Índia, O juiz da Beira, etc. Novelas de Cavalaria: ciclo arturiano é o mais importante.
  • 46. Classicismo É combinado com o Renascimento, em que se há uma transformação política, econômica e cultural nos séculos XV e XVI. Exalta-se a natureza, a cultura greco-romana, a razão é maior que a emoção. Características  Imitação dos autores greco-latinos.  Preocupação com a forma.  Uso da mitologia greco-latina.  Idealismo Autores  Luis Vaz de Camões – o principal  Francisco Sá de Miranda  Bernadim Ribeiro  Antonio Ferreira Camões escreveu Os lusíadas, com 10 cantos, versos decassílabos, 1102 estrofes, cuja divisão é:  Proposição  Invocação  Dedicatória  Narração  Epílogo
  • 47. Quinhentismo Literatura dos anos de 1500, em que se tem como base principal a Carta, de Pero Vaz de Caminha. Ela é a certidão de nascimento do Brasil e nela é visto o deslumbramento do europeu com a nova terra, como também seus equívocos e as reais intenções do colonizador. Há nesse período dois tipos de literatura:  Informativa ou dos cronistas (ou viajantes);  Dos jesuítas. Literatura Informativa Existem vários textos que falam da vinda dos europeus ao Brasil, são eles:  Tratado da Terra do Brasil;  Historia da Província de Santa Cruz a que vulgarmente chamamos Brasil;  Tratado descritivo do Brasil;  Diálogos das grandezas do Brasil. Literatura dos Jesuítas Pe. José de Anchieta – o maior nome da catequese no Brasil. Escreveu cartas, sermões, poesias e peças teatrais, utilizando-se do latim, do tupi e do português em suas obras quase sempre de inspiração missionária.
  • 48.
  • 49. TEXTO I Fragmento da Carta de Pero Vaz de Caminha 10.Após a leitura dos textos I e II, verifica-se que Murilo Mendes ironiza a exaltação da terra feita por Caminha. Essa ironia é traduzida claramente pelo(s) verso(s): a) Tão fértil eu nunca vi. d)A terra é mui graciosa, Diamantes tem à vontade, ......................................... b) No dia seguinte nasce/ Bengala de castão de oiro e)No chão espeta um caniço, Quanto aos bichos, tem-nos muitos, ......................................... c)Tem goiabas, melancias, Banana que nem chuchu. TEXTO II Carta de Pero Vaz Murilo Mendes “... a terra em si, é muito boa de ares, tão frios e temperados, como os de Entre-Douro e Minho, porque, neste tempo de agora, assim os achávamos como os de lá. Águas são muitas e infindas. De tal maneira é graciosa que, querendo aproveitá-la dar-se-á nela tudo por bem das águas que tem”. A terra é mui graciosa, Tão fértil eu nunca vi. A gente vai passear, No chão espeta um caniço, No dia seguinte nasce Bengala de castão de oiro. Tem goiabas, melancias, Banana que nem chuchu. Quanto aos bichos, tem-nos muitos, De plumagens mui vistosas. Tem macaco até demais. Diamantes tem à vontade, Esmeralda é para os trouxas. Reforçai, Senhor, a arca, Cruzados não faltarão, Vossa perna encanareis, Salvo o devido respeito. Ficarei muito saudoso Se for embora daqui.
  • 50. TEXTO III (Texto extraído da revista Rivista. Edição Zero. Fortaleza: Editora RISO, s/d, p. 55). 12.A intertextualidade é a relação que ocorre entre dois ou mais textos. Essa relação pode dar-se em forma de paráfrase ou de paródia. O corpo do Texto III é uma paráfrase da Carta de Caminha pois, I.apesar da leve mudança no estilo, confirma a visão de Caminha sobre a terra descoberta. II.faz críticas explícitas ao aspecto ufanista da Carta. III.mantém o mesmo olhar positivo de Caminha sobre o futuro da terra brasileira. IV.embora escrita no mesmo estilo, critica de modo disfarçado a visão de Caminha sobre a terra descoberta. Está(ão) correta(s) apenas a(s) afirmativa(s): a)I, II e III. b)I e III. c)I. d)II e IV. e)III e IV. 13.No texto III, levando-se em conta a norma culta da língua, verifica-se ERRO em: a) “... um número sem fim de animais...” b) “Ainda não haviam louras, nem surfistas, nem mulatas...” c) “Árvores gigantescas e multidões de palmeiras formavam o imenso verde da futura bandeira.” d) “Era assim o Brasil de Cabral, já quinhentos anos passados.” e) “..., quando for a vez desses meninos?” 14.A respeito da manchete: CABRAL DESCOBRE O CAMINHO DAS ÍNDIAS, é correto afirmar que o autor pretendia a) dizer que havia muitas índias na terra descoberta.
  • 51. b) dizer que Cabral descobriu o caminho que o levaria para as Índias. c) usar a homonímia para causar um efeito humorístico. d) explorar a sinonímia das palavras. e) usar a paronímia a fim de confundir o leitor. 15.Com base nos textos I, II e III, verifica-se que I.o elogio à natureza brasileira é observado em todos os textos. II.o texto III expressa uma preocupação com o meio ambiente, que não existe nos textos I e II. III.os textos II e III são paródias do texto I. IV.o texto II é o que menos faz uso do registro popular da linguagem. Estão corretas as afirmativas: a)apenas I e III. c) apenasIeII. b)apenas II, III e IV. d)apenas II e III. e)todas. 7. Sobre a relação entre os jesuítas e os índios, o eu-lírico do texto II I. critica o processo de catequização adotado pelos jesuítas. II. apresenta uma oposição entre o mártir e o selvagem. III. defende radicalmente a preservação dos costumes indígenas. Está(ão) correta(s): a) apenas I d) apenas II e III b) apenas II e) I, II e III c) apenas III 8. Quanto ao uso da linguagem figurada, é INCORRETO afirmar que o texto II a) caracteriza os índios como parte da natureza selvagem. b) revela, através de comparações com elementos da natureza, uma concepção negativa da fé cristã. c) estabelece uma relação de comparação entre os jesuítas e as águias, valorizando os feitos daqueles. d) compara o vento da fé com o tufão. e) representa os jesuítas como mártires, propagadores da fé no novo mundo. 9. A metonímia é a figura de linguagem que consiste em substituir uma palavra por outra, em vista de uma relação de proximidade de sentidos que há entre elas. Considerando-se esse conceito, verifica-se que as expressões “pó da catequese” (estrofe 2) “estranho pé” (estrofe 3) e “mesma cruz” (estrofe 7) podem ser substituídas, respectivamente, por a) águias / jesuíta / sol c) palavra de Deus / jesuíta / sol b) águias / indígena / cristianismo d) palavra de Deus / indígena / cristianismo e) palavra de Deus / jesuíta / cristianismo
  • 52. Barroco Início em 1601, com a obra Prosopopéia, de Bento Teixeira. A religiosidade ainda estava muito forte. A Reforma Protestante e a Contra-Reforma estavam se organizando. O homem vivia em constante tensão por ora querer viver a vida santa ou ora querer viver a vida profana. A Inquisição fazia seu papel de controladora da moral católica. O índex librorum prohibitorum estava em vigência. Características  Culto do contraste (uso de antíteses – oposição)  Consciência da transitoriedade da vida  Gosto pela grandiosidade  Cultismo (jogo de palavras)  Conceptismo (jogo de ideias)  Frases interrogativas Autores  Gregório de Mattos (Boca do inferno); Escreveu poesias lírico-amorosas; religiosa e satírica.  Bento Teixeira  Manuel Botelho de Oliveira  Padre Antonio Vieira Defendia os negros e os índios, como também os cristãos novos (judeus convertidos ao catolicismo). Sofreu perseguição pela Inquisição. Sua obra está dividida em cartas, profecias e sermões. Os Sermões são os mais importantes, dentre eles o Sermão da Sexagésima – que fala sobre a arte de pregar e ensinar.
  • 53. TEXTO Sermão vigésimo sétimo Os senhores poucos, os escravos muitos; os senhores rompendo galas, os escravos despidos e nus; os senhores banqueteando, os escravos perecendo à fome; os senhores nadando em ouro e prata, os escravos carregados de ferros; os senhores tratando-os como brutos, os escravos adorando-os e temendo-os como deuses; os senhores em pé apontando para o açoite, como estátuas da soberba e da tirania, os escravos prostrados com as mãos atadas atrás como imagens vilíssimas da servidão e espetáculos da extrema miséria. (VIEIRA, Pe. Antônio. Sermão vigésimo sétimo. In: AMORA, Antônio Soares, org. Sermões, 2 ed. São Paulo, Cultrix, 1981, p. 58.) 7. No texto, verificam-se os seguintes traços do barroco: I. a presença de um grande número de antíteses. II. a predominância dos aspectos denotativos da linguagem. III. a utilização do recurso da hipérbole para melhor traduzir o sofrimento dos escravos. IV. o envolvimento político do jesuíta. Estão corretas apenas as afirmativas: a)I e II. b)III e IV. c)II e III. d)I e IV. e)I e III. 8. O trecho a seguir vincula-se ao conceptismo barroco: “Sendo, pois, certo que a palavra divina não pode deixar de frutificar por parte de Deus, segue-se que ou é por falta do pregador ou por falta dos ouvintes. Por qual será? (...) Os ouvintes ou são maus ou são bons; se são bons, faz neles grande fruto a palavra de Deus; se são maus, ainda que não faça fruto, faz efeito. (...) a palavra de Deus é tão fecunda, que nos bons faz muito fruto e é tão eficaz que nos maus, ainda que não faça fruto, faz efeito; lançada nos espinhos não frutificou, mas nasceu até nos espinhos; lançada nas pedras não frutificou, mas nasceu até nas pedras.” (Padre Antônio Vieira. Sermão da Sexagésima). Nesse trecho, NÃO ocorre o (a) a) elogio da natureza para justificar um ideal pagão de vida.
  • 54. b) uso de estruturas oracionais que enfatizam as relações de causa, condição e conseqüência. c) apelo à repetição de palavras e idéias. d) progressão gradual do raciocínio, com vistas ao convencimento do ouvinte ou leitor. e) uso de antíteses e metáforas. Arcadismo Início em 1768 com o livro Obras Poéticas, de Claudio Manuel da Costa. A religião dá lugar à razão, o homem vive no Século das Luzes, diferente do anterior, que era o das Trevas. Começa a Revolução Industrial na Inglaterra; surgem os Iluministas, organiza-se a grande Enciclopédia, com 35 volumes. A Revolução Francesa estaria prestes a acontecer, cujo lema era liberdade, igualdade e fraternidade. Características  Imitação dos clássicos;
  • 55.  Bucolismo;  Pastoralismo;  Idealização do amor e da mulher;  Uso de pseudônimos (falsos nomes);  Uso de frases latinas: carpe diem, fugere urbem, inutilia truncat, etc Autores  Claudio Manuel da Costa (Glauceste Saturnio)  Tomás Antônio Gonzaga (Dirceu) Escreveu Cartas Chilenas e Marília de Dirceu  José Basílio da Gama (Termindo Simpílio) Escreveu O Uraguai.  Frei José de Santa Rita Durão Escreveu Caramuru. Súplica por uma árvore. Cecília Meireles.
  • 56. Um dia, um professor comovido falava-me de árvores. Se avô conhecera Andersen, esse pequeno deus que encantou para sempre a infância, todas as infâncias, com suas maravilhosas historias. Mas, além de conhecer Andersen, o avô desse comovido professor legara a seus descendentes uma recordação extremamente terna: ao sentir que se aproximava o fim de sua vida, pediu que o transportassem aos lugares amados, onde brincara em menino, para abraçar e beijar as árvores daquele mundo antigo – mundo de sonho, pureza, poesia – povoado de crianças, ramos, flores, pássaros... O professor comovido transportava-se a esse tempo de ternura, pensava nesse avô tão sensível, e continuava a participar, com ele, dessa cordialidade geral, desse agradecido amor à Natureza que, em silêncio, nos rodeia com a sua proteção, mesmo obscura e enigmática. Lembrei-me de tudo isso ao contemplar uma árvore que não conheço, e cujo tronco há quinze dias se encontra ferido, lascado pelo choque de um táxi desgovernado. Segundo os técnicos, se não for socorrida, essa árvore deverá morrer dentro em breve: pois a pancada que a atingiu afetou-a na profundidade de sua vida. Meireles, Cecília. Suplica por uma árvore. In: O que se diz e o que se entende. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1980, p. 63. 1. Embora fique melhor onde está, pois atrai o leitor, o primeiro parágrafo poderia vir depois do segundo, se obedecesse à lógica dos acontecimentos. Por que? 2. O que a paisagem campestre representa para o cronista? 3. Que objeto urbano contribui, no segundo parágrafo, para o contraste entre o campo e a cidade? 4. Que semelhanças há entre o avô, o professor e a cronista? INTERTEXTUALIDADE Leia o poema seguinte, de Cláudio Manuel da Costa: Aquele adore as roupas de alto preço, Um siga a ostentação, outro a vaidade; Todos se enganam com igual excesso.
  • 57. Eu não chamo a isto felicidade: Ao campo me recolho, e reconheço, Que não há maior bem que a soledade. Soledade: lugares ermos, desertos. Que elemento comum podemos encontrar nestes versos, escritos no século XVIII, quando comparados ao texto de Cecília Meireles?