SlideShare uma empresa Scribd logo
Modelo de
Carta formal e
informal com
exemplos
Formal e Informal
Mesmo estando vivendo em pleno a
era da informação, algumas
pessoas ainda sentem dúvidas de
como se deve, retratar ao próximo
por meio de escrita. E para que não
tenham essas dúvidas iremos
explicar a vocês de maneira simples
e rápida como tudo deve funcionar.
Sabemos que toda linguagem é um
meio de comunicação. Então
podemos estar nos expressando
por meio de palavras: faladas e
escritas ou então por símbolos,
gestos e objetos. O importante é
transmitir a mensagem, de maneira
correta.
Dentre os meios de comunicação
do gênero escrito, estão os
seguintes: ata, ofício, carta,
relatório e outros. E ambos, pedem
que se tenha uma linguagem
adequada, perante ao remetente.
Então é ai que entra o uso das
formas de linguagem: formal e
informal.
O Formal sempre será utilizada
quando se for, se dirigir
diretamente: a um órgão público,
autoridade, ministério, presidência
ou a alguém que possui grande
renome superior, no caso doutores.
Então, quando for redigir uma carta
ou documento, preste bem atenção
a quem irá remeter, para que o uso
cordial, seja adequado. Vejamos
um exemplo sobre isso, logo a
seguir.
EXEMPLO
Como podem notar, o exemplo
mostra, que o Sr. Simão, se
comunicou de uma maneira
totalmente formal, para com o
próximo. Ele foi preciso em suas
palavras, foi direto ao ponto do
assunto e se despediu de maneira
cordial e sem afetos. E são esses
uns dos primeiros passos, para se
fazer uma carta formal.
Ainda dentro do mesmo exemplo é
possível constatar que Simão,
utilizou a forma padrão de está
montando uma carta ou documento.
Esse padrão, foi estabelecido pela
ABNT (Associação Brasileira de
Normas Técnicas).
Dentro desse contexto, você
deverá fazer da seguinte
maneira: iniciar sempre com o
cabeçalho que deve conter seu
nome e endereço na porção
superior esquerda da página. Logo
abaixo no canto direito coloque as
informações do destinatário,
contendo também nome
(antecedido por pronome de
tratamento) e o logradouro.
Em seguida coloque o local e a data
que a carta está sendo
emitida(direita), e depois comece a
deferir o corpo da carta, abrindo o
texto novamente usando o pronome
de tratamento. Lembre-se que o
texto, deve ser escrito em
linguagem formal e sem
reducionismo.
No momento do fechamento
continue na linha formal,
agradecendo a atenção do leitor ao
seu discurso e também prestandolhe comprimentos. Mas não seja
afetivo a ponto de demonstrar laços.
Para finalizar assine-a no rodapé
direito do documento.
Agora que se aprendeu, como fazer
uma carta formal. Vamos aprender
como fazer uma informal.
Quando se fala de linguagem
informal, logo nos vem a cabeça,
que não seja tão culta assim. E
estamos, corretos de ter tal
pensamento. Pois a linguagem
informal é aquela que utilizamos
com os familiares e amigos.
Então não precisamos ser
totalmente cordiais, um para com o
outro. Nesse tipo de carta,podemos
expressar os nossos sentimentos,
colocar nomes fofinhos, desenhos e
enfim, tudo aquilo, que ambos irão
entender. Então não se pode
esquecer, que ela deve ter
concordância e coerência.
Exemplo de carta informal
Como se pode ver no exemplo, ela
não usou de cordialidade e muito
menos linguagem culta, apenas
alguns bordões, que no qual, a
pessoa que a recebeu, entendeu. E
além disso, o corpo e estrutura
foram totalmente fora do padrão, da
ABNT. O que nesse caso é
realmente desnecessário.
Na estrutura da carta informal,
basta apenas, que coloque: o
cabeçalho, com data e o local do
remetente, no canto superior
esquerdo da carta, em seguida uma
breve saudação e logo após o
desenvolvimento do assunto a ser
tratado. E no fechamento, uma
breve despedida.
Modelo de carta formal e informal com exemplos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modelo de requerimento de UC de usuários com autonomia limitada.
Modelo de requerimento de UC de usuários com autonomia limitada.Modelo de requerimento de UC de usuários com autonomia limitada.
Modelo de requerimento de UC de usuários com autonomia limitada.
apfheob
 
Exemplo. plano de aula
Exemplo. plano de aulaExemplo. plano de aula
Exemplo. plano de aula
Bárbara Caldeira
 
Modelo de pedido de patrocínio
Modelo de pedido de patrocínioModelo de pedido de patrocínio
Modelo de pedido de patrocínio
Monitoria Contabil S/C
 
Descritores spaece - língua portuguesa
Descritores   spaece - língua portuguesaDescritores   spaece - língua portuguesa
Descritores spaece - língua portuguesa
PacatubaLei
 
Oficio 13 2013 solicitação de reunião com preseidência da câmara
Oficio 13 2013 solicitação de reunião com preseidência da câmaraOficio 13 2013 solicitação de reunião com preseidência da câmara
Oficio 13 2013 solicitação de reunião com preseidência da câmara
Folha de Pernambuco
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
Cláudia Heloísa
 
CARTAS - UEM - PAS
CARTAS - UEM  - PASCARTAS - UEM  - PAS
CARTAS - UEM - PAS
VIVIAN TROMBINI
 
DECLARAÇÃO PARA HORAS DE ESTAGIO EM ESCRITORIO
DECLARAÇÃO PARA HORAS DE ESTAGIO EM ESCRITORIODECLARAÇÃO PARA HORAS DE ESTAGIO EM ESCRITORIO
DECLARAÇÃO PARA HORAS DE ESTAGIO EM ESCRITORIO
Juliane Espíndola
 
DISCURSO DE CONCLUSÃO DO ENSINO MÉDIO - Prof. Noe Assunção
DISCURSO DE CONCLUSÃO DO ENSINO MÉDIO - Prof. Noe AssunçãoDISCURSO DE CONCLUSÃO DO ENSINO MÉDIO - Prof. Noe Assunção
DISCURSO DE CONCLUSÃO DO ENSINO MÉDIO - Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Carta comercial materiais
Carta comercial   materiaisCarta comercial   materiais
Carta comercial materiais
Beatriz Zuza
 
Carta formal e informal
Carta formal e informalCarta formal e informal
Carta formal e informal
Murtinheira1964
 
Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio
Giselle Coutinho
 
Autobiografia de sónia baptista
Autobiografia de sónia baptistaAutobiografia de sónia baptista
Autobiografia de sónia baptista
Sonia Batista
 
Modelo de requerimento de desligamento de associado
Modelo de requerimento de desligamento de associadoModelo de requerimento de desligamento de associado
Modelo de requerimento de desligamento de associado
Associação dos Enfermeiros AECGR
 
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTAAULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
Marcelo Cordeiro Souza
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
Cláudia Heloísa
 
Oficio convite à comunidade escolar
Oficio convite à comunidade escolarOficio convite à comunidade escolar
Oficio convite à comunidade escolar
carlasp
 
Slides aula verbos
Slides   aula verbosSlides   aula verbos
Slides aula verbos
Bruno Souza de Oliveira
 
Inferência
InferênciaInferência
Inferência
Marilia Teddy
 
Modelo procuracao
Modelo procuracaoModelo procuracao
Modelo procuracao
Bruno Maciel
 

Mais procurados (20)

Modelo de requerimento de UC de usuários com autonomia limitada.
Modelo de requerimento de UC de usuários com autonomia limitada.Modelo de requerimento de UC de usuários com autonomia limitada.
Modelo de requerimento de UC de usuários com autonomia limitada.
 
Exemplo. plano de aula
Exemplo. plano de aulaExemplo. plano de aula
Exemplo. plano de aula
 
Modelo de pedido de patrocínio
Modelo de pedido de patrocínioModelo de pedido de patrocínio
Modelo de pedido de patrocínio
 
Descritores spaece - língua portuguesa
Descritores   spaece - língua portuguesaDescritores   spaece - língua portuguesa
Descritores spaece - língua portuguesa
 
Oficio 13 2013 solicitação de reunião com preseidência da câmara
Oficio 13 2013 solicitação de reunião com preseidência da câmaraOficio 13 2013 solicitação de reunião com preseidência da câmara
Oficio 13 2013 solicitação de reunião com preseidência da câmara
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
 
CARTAS - UEM - PAS
CARTAS - UEM  - PASCARTAS - UEM  - PAS
CARTAS - UEM - PAS
 
DECLARAÇÃO PARA HORAS DE ESTAGIO EM ESCRITORIO
DECLARAÇÃO PARA HORAS DE ESTAGIO EM ESCRITORIODECLARAÇÃO PARA HORAS DE ESTAGIO EM ESCRITORIO
DECLARAÇÃO PARA HORAS DE ESTAGIO EM ESCRITORIO
 
DISCURSO DE CONCLUSÃO DO ENSINO MÉDIO - Prof. Noe Assunção
DISCURSO DE CONCLUSÃO DO ENSINO MÉDIO - Prof. Noe AssunçãoDISCURSO DE CONCLUSÃO DO ENSINO MÉDIO - Prof. Noe Assunção
DISCURSO DE CONCLUSÃO DO ENSINO MÉDIO - Prof. Noe Assunção
 
Carta comercial materiais
Carta comercial   materiaisCarta comercial   materiais
Carta comercial materiais
 
Carta formal e informal
Carta formal e informalCarta formal e informal
Carta formal e informal
 
Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio
 
Autobiografia de sónia baptista
Autobiografia de sónia baptistaAutobiografia de sónia baptista
Autobiografia de sónia baptista
 
Modelo de requerimento de desligamento de associado
Modelo de requerimento de desligamento de associadoModelo de requerimento de desligamento de associado
Modelo de requerimento de desligamento de associado
 
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTAAULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Oficio convite à comunidade escolar
Oficio convite à comunidade escolarOficio convite à comunidade escolar
Oficio convite à comunidade escolar
 
Slides aula verbos
Slides   aula verbosSlides   aula verbos
Slides aula verbos
 
Inferência
InferênciaInferência
Inferência
 
Modelo procuracao
Modelo procuracaoModelo procuracao
Modelo procuracao
 

Destaque

A estrutura da carta
A estrutura da cartaA estrutura da carta
A estrutura da carta
gifamiliar
 
A Carta Formal e Informal
A Carta Formal e InformalA Carta Formal e Informal
A Carta Formal e Informal
vanda300
 
Estrutura da carta
Estrutura da cartaEstrutura da carta
Estrutura da carta
Sónia Fernandes
 
Carta formal, modelo
Carta formal, modeloCarta formal, modelo
Carta formal, modelo
Adyuri Torres Vivar
 
A Carta: PowerPoint
A Carta: PowerPointA Carta: PowerPoint
A Carta: PowerPoint
A. Simoes
 
LP: A Carta
LP: A CartaLP: A Carta
LP: A Carta
7F
 
Carta empresarial aula
Carta empresarial aulaCarta empresarial aula
Carta empresarial aula
Vânia Franco
 
Carta pessoal
Carta pessoalCarta pessoal
Carta pessoal
Virginia Fortes
 
Edital de pós graduação em gestão pública municipal-ufsm
Edital de pós graduação em gestão pública municipal-ufsmEdital de pós graduação em gestão pública municipal-ufsm
Edital de pós graduação em gestão pública municipal-ufsm
scheibler2009
 
A carta argumentativa na PUC-MG
A carta argumentativa na PUC-MGA carta argumentativa na PUC-MG
A carta argumentativa na PUC-MG
ma.no.el.ne.ves
 
Carta de autoapresentaçaõ
Carta de autoapresentaçaõCarta de autoapresentaçaõ
Carta de autoapresentaçaõ
Manuela Oliveira
 
A carta
A cartaA carta
A carta
Teresa Rocha
 
Como escrever uma carta
Como escrever uma cartaComo escrever uma carta
Como escrever uma carta
23palmela
 
GêNero Textual Carta
GêNero Textual CartaGêNero Textual Carta
GêNero Textual Carta
guest4f8ac9b
 
Estrutura da carta
Estrutura da cartaEstrutura da carta
Estrutura da carta
Sónia Fernandes
 
Carta do leitor
Carta do leitorCarta do leitor
Carta do leitor
Aline Ramalho
 
Conto de terror
Conto de terrorConto de terror
Conto de terror
Rosângela Ferreira Luz
 
Romance
RomanceRomance
Romance
Ivan Monteiro
 
Redação | Carta Argumentativa | 3ª ANO | Profª Maria Luiza
Redação | Carta Argumentativa | 3ª ANO | Profª Maria LuizaRedação | Carta Argumentativa | 3ª ANO | Profª Maria Luiza
Redação | Carta Argumentativa | 3ª ANO | Profª Maria Luiza
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Carta argumantativa
Carta argumantativaCarta argumantativa
Carta argumantativa
Josiane Costa Valeriano Goulart
 

Destaque (20)

A estrutura da carta
A estrutura da cartaA estrutura da carta
A estrutura da carta
 
A Carta Formal e Informal
A Carta Formal e InformalA Carta Formal e Informal
A Carta Formal e Informal
 
Estrutura da carta
Estrutura da cartaEstrutura da carta
Estrutura da carta
 
Carta formal, modelo
Carta formal, modeloCarta formal, modelo
Carta formal, modelo
 
A Carta: PowerPoint
A Carta: PowerPointA Carta: PowerPoint
A Carta: PowerPoint
 
LP: A Carta
LP: A CartaLP: A Carta
LP: A Carta
 
Carta empresarial aula
Carta empresarial aulaCarta empresarial aula
Carta empresarial aula
 
Carta pessoal
Carta pessoalCarta pessoal
Carta pessoal
 
Edital de pós graduação em gestão pública municipal-ufsm
Edital de pós graduação em gestão pública municipal-ufsmEdital de pós graduação em gestão pública municipal-ufsm
Edital de pós graduação em gestão pública municipal-ufsm
 
A carta argumentativa na PUC-MG
A carta argumentativa na PUC-MGA carta argumentativa na PUC-MG
A carta argumentativa na PUC-MG
 
Carta de autoapresentaçaõ
Carta de autoapresentaçaõCarta de autoapresentaçaõ
Carta de autoapresentaçaõ
 
A carta
A cartaA carta
A carta
 
Como escrever uma carta
Como escrever uma cartaComo escrever uma carta
Como escrever uma carta
 
GêNero Textual Carta
GêNero Textual CartaGêNero Textual Carta
GêNero Textual Carta
 
Estrutura da carta
Estrutura da cartaEstrutura da carta
Estrutura da carta
 
Carta do leitor
Carta do leitorCarta do leitor
Carta do leitor
 
Conto de terror
Conto de terrorConto de terror
Conto de terror
 
Romance
RomanceRomance
Romance
 
Redação | Carta Argumentativa | 3ª ANO | Profª Maria Luiza
Redação | Carta Argumentativa | 3ª ANO | Profª Maria LuizaRedação | Carta Argumentativa | 3ª ANO | Profª Maria Luiza
Redação | Carta Argumentativa | 3ª ANO | Profª Maria Luiza
 
Carta argumantativa
Carta argumantativaCarta argumantativa
Carta argumantativa
 

Semelhante a Modelo de carta formal e informal com exemplos

Cv 1ano of_esc1_modulo1_port
Cv 1ano of_esc1_modulo1_portCv 1ano of_esc1_modulo1_port
Cv 1ano of_esc1_modulo1_port
Andréa Simões
 
Aula4 linguagem verbal e não verbal prof andre luiz
Aula4  linguagem verbal e não verbal prof andre luizAula4  linguagem verbal e não verbal prof andre luiz
Aula4 linguagem verbal e não verbal prof andre luiz
André Figundio
 
Aula - Linguagem no ambiente de trabalho.pptx
Aula - Linguagem no ambiente de trabalho.pptxAula - Linguagem no ambiente de trabalho.pptx
Aula - Linguagem no ambiente de trabalho.pptx
Universidade Estadual de Maringá - UEM
 
Aula - gênero carta.pdf
Aula - gênero carta.pdfAula - gênero carta.pdf
Aula - gênero carta.pdf
LuanAguiar9
 
Cartas Comerciais
Cartas ComerciaisCartas Comerciais
Cartas Comerciais
11CPTS
 
Aula 2 e 3 linguagem para fins profissionais v2-
Aula 2 e 3   linguagem para fins profissionais v2-Aula 2 e 3   linguagem para fins profissionais v2-
Aula 2 e 3 linguagem para fins profissionais v2-
profNICODEMOS
 
AULA I COE.pptx
AULA I COE.pptxAULA I COE.pptx
AULA I COE.pptx
PabloGabrielKdabra
 
A carta
A cartaA carta
Ficha informativa e de trabalho sobre cartas
Ficha informativa e de trabalho sobre cartasFicha informativa e de trabalho sobre cartas
Ficha informativa e de trabalho sobre cartas
School help
 
Comunicação por gêneros textuais
Comunicação por gêneros textuaisComunicação por gêneros textuais
Comunicação por gêneros textuais
Daniel L. P. Soares
 
7075924 carta
7075924 carta7075924 carta
7075924 carta
Rosa1969
 
Como escrever para sites e jornais católicos
Como escrever para sites e jornais católicosComo escrever para sites e jornais católicos
Como escrever para sites e jornais católicos
Andréia Gripp
 
Expressão Escrita e Oral Presentes na Leitura, na Produção e na Interpretação...
Expressão Escrita e Oral Presentes na Leitura, na Produção e na Interpretação...Expressão Escrita e Oral Presentes na Leitura, na Produção e na Interpretação...
Expressão Escrita e Oral Presentes na Leitura, na Produção e na Interpretação...
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Tipos de texto
Tipos de textoTipos de texto
Tipos de texto
Lucianne Vasconcelos
 
Aula 2 linguagem para fins profissionais - comunicação interpessoal
Aula 2   linguagem para fins profissionais - comunicação interpessoalAula 2   linguagem para fins profissionais - comunicação interpessoal
Aula 2 linguagem para fins profissionais - comunicação interpessoal
profNICODEMOS
 
Carta02 (1)
Carta02 (1)Carta02 (1)
Carta02 (1)
Patrícia Librenz
 
comunicão escrita.ppt
comunicão escrita.pptcomunicão escrita.ppt
comunicão escrita.ppt
MariaManuelaSampaio
 
Live_Comunicação_O_que_é_editado_versão_final.pptx
Live_Comunicação_O_que_é_editado_versão_final.pptxLive_Comunicação_O_que_é_editado_versão_final.pptx
Live_Comunicação_O_que_é_editado_versão_final.pptx
APARECIDOFUZETTO
 
Live comunicação o_que_é_editado_versão_final
Live comunicação o_que_é_editado_versão_finalLive comunicação o_que_é_editado_versão_final
Live comunicação o_que_é_editado_versão_final
Juscelino Junior
 
Carta02
Carta02Carta02

Semelhante a Modelo de carta formal e informal com exemplos (20)

Cv 1ano of_esc1_modulo1_port
Cv 1ano of_esc1_modulo1_portCv 1ano of_esc1_modulo1_port
Cv 1ano of_esc1_modulo1_port
 
Aula4 linguagem verbal e não verbal prof andre luiz
Aula4  linguagem verbal e não verbal prof andre luizAula4  linguagem verbal e não verbal prof andre luiz
Aula4 linguagem verbal e não verbal prof andre luiz
 
Aula - Linguagem no ambiente de trabalho.pptx
Aula - Linguagem no ambiente de trabalho.pptxAula - Linguagem no ambiente de trabalho.pptx
Aula - Linguagem no ambiente de trabalho.pptx
 
Aula - gênero carta.pdf
Aula - gênero carta.pdfAula - gênero carta.pdf
Aula - gênero carta.pdf
 
Cartas Comerciais
Cartas ComerciaisCartas Comerciais
Cartas Comerciais
 
Aula 2 e 3 linguagem para fins profissionais v2-
Aula 2 e 3   linguagem para fins profissionais v2-Aula 2 e 3   linguagem para fins profissionais v2-
Aula 2 e 3 linguagem para fins profissionais v2-
 
AULA I COE.pptx
AULA I COE.pptxAULA I COE.pptx
AULA I COE.pptx
 
A carta
A cartaA carta
A carta
 
Ficha informativa e de trabalho sobre cartas
Ficha informativa e de trabalho sobre cartasFicha informativa e de trabalho sobre cartas
Ficha informativa e de trabalho sobre cartas
 
Comunicação por gêneros textuais
Comunicação por gêneros textuaisComunicação por gêneros textuais
Comunicação por gêneros textuais
 
7075924 carta
7075924 carta7075924 carta
7075924 carta
 
Como escrever para sites e jornais católicos
Como escrever para sites e jornais católicosComo escrever para sites e jornais católicos
Como escrever para sites e jornais católicos
 
Expressão Escrita e Oral Presentes na Leitura, na Produção e na Interpretação...
Expressão Escrita e Oral Presentes na Leitura, na Produção e na Interpretação...Expressão Escrita e Oral Presentes na Leitura, na Produção e na Interpretação...
Expressão Escrita e Oral Presentes na Leitura, na Produção e na Interpretação...
 
Tipos de texto
Tipos de textoTipos de texto
Tipos de texto
 
Aula 2 linguagem para fins profissionais - comunicação interpessoal
Aula 2   linguagem para fins profissionais - comunicação interpessoalAula 2   linguagem para fins profissionais - comunicação interpessoal
Aula 2 linguagem para fins profissionais - comunicação interpessoal
 
Carta02 (1)
Carta02 (1)Carta02 (1)
Carta02 (1)
 
comunicão escrita.ppt
comunicão escrita.pptcomunicão escrita.ppt
comunicão escrita.ppt
 
Live_Comunicação_O_que_é_editado_versão_final.pptx
Live_Comunicação_O_que_é_editado_versão_final.pptxLive_Comunicação_O_que_é_editado_versão_final.pptx
Live_Comunicação_O_que_é_editado_versão_final.pptx
 
Live comunicação o_que_é_editado_versão_final
Live comunicação o_que_é_editado_versão_finalLive comunicação o_que_é_editado_versão_final
Live comunicação o_que_é_editado_versão_final
 
Carta02
Carta02Carta02
Carta02
 

Último

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 

Modelo de carta formal e informal com exemplos

  • 1. Modelo de Carta formal e informal com exemplos
  • 3. Mesmo estando vivendo em pleno a era da informação, algumas pessoas ainda sentem dúvidas de como se deve, retratar ao próximo por meio de escrita. E para que não tenham essas dúvidas iremos explicar a vocês de maneira simples e rápida como tudo deve funcionar.
  • 4. Sabemos que toda linguagem é um meio de comunicação. Então podemos estar nos expressando por meio de palavras: faladas e escritas ou então por símbolos, gestos e objetos. O importante é transmitir a mensagem, de maneira correta.
  • 5. Dentre os meios de comunicação do gênero escrito, estão os seguintes: ata, ofício, carta, relatório e outros. E ambos, pedem que se tenha uma linguagem adequada, perante ao remetente. Então é ai que entra o uso das formas de linguagem: formal e informal.
  • 6. O Formal sempre será utilizada quando se for, se dirigir diretamente: a um órgão público, autoridade, ministério, presidência ou a alguém que possui grande renome superior, no caso doutores.
  • 7. Então, quando for redigir uma carta ou documento, preste bem atenção a quem irá remeter, para que o uso cordial, seja adequado. Vejamos um exemplo sobre isso, logo a seguir.
  • 9. Como podem notar, o exemplo mostra, que o Sr. Simão, se comunicou de uma maneira totalmente formal, para com o próximo. Ele foi preciso em suas palavras, foi direto ao ponto do assunto e se despediu de maneira cordial e sem afetos. E são esses uns dos primeiros passos, para se fazer uma carta formal.
  • 10. Ainda dentro do mesmo exemplo é possível constatar que Simão, utilizou a forma padrão de está montando uma carta ou documento. Esse padrão, foi estabelecido pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).
  • 11. Dentro desse contexto, você deverá fazer da seguinte maneira: iniciar sempre com o cabeçalho que deve conter seu nome e endereço na porção superior esquerda da página. Logo abaixo no canto direito coloque as informações do destinatário, contendo também nome (antecedido por pronome de tratamento) e o logradouro.
  • 12. Em seguida coloque o local e a data que a carta está sendo emitida(direita), e depois comece a deferir o corpo da carta, abrindo o texto novamente usando o pronome de tratamento. Lembre-se que o texto, deve ser escrito em linguagem formal e sem reducionismo.
  • 13. No momento do fechamento continue na linha formal, agradecendo a atenção do leitor ao seu discurso e também prestandolhe comprimentos. Mas não seja afetivo a ponto de demonstrar laços. Para finalizar assine-a no rodapé direito do documento.
  • 14. Agora que se aprendeu, como fazer uma carta formal. Vamos aprender como fazer uma informal.
  • 15. Quando se fala de linguagem informal, logo nos vem a cabeça, que não seja tão culta assim. E estamos, corretos de ter tal pensamento. Pois a linguagem informal é aquela que utilizamos com os familiares e amigos.
  • 16. Então não precisamos ser totalmente cordiais, um para com o outro. Nesse tipo de carta,podemos expressar os nossos sentimentos, colocar nomes fofinhos, desenhos e enfim, tudo aquilo, que ambos irão entender. Então não se pode esquecer, que ela deve ter concordância e coerência.
  • 17. Exemplo de carta informal
  • 18. Como se pode ver no exemplo, ela não usou de cordialidade e muito menos linguagem culta, apenas alguns bordões, que no qual, a pessoa que a recebeu, entendeu. E além disso, o corpo e estrutura foram totalmente fora do padrão, da ABNT. O que nesse caso é realmente desnecessário.
  • 19. Na estrutura da carta informal, basta apenas, que coloque: o cabeçalho, com data e o local do remetente, no canto superior esquerdo da carta, em seguida uma breve saudação e logo após o desenvolvimento do assunto a ser tratado. E no fechamento, uma breve despedida.