SlideShare uma empresa Scribd logo
1ª  A  - 2009
Os Lusíadas Camões Canto V O Gigante Adamastor
Resumo da Obra
Análise da Obra: A estrutura narrativa: Abertura (estrofes 37-38) Porém já cinco sois eram passados Que dali nos partíramos, cortando Os mares nunca de outrem navegados, Prosperamente os ventos assoprando, Quando uma noite, estando descuidados Na cortadora proa vigiando,  Uma nuvem, que os ares escurece, Sobre nossas cabeças aparece

Recomendado para você

Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos

Recursos expressivos são técnicas literárias usadas para transmitir ideias de forma indireta. Algumas dessas técnicas incluem alegoria, aliteração e alusão.

Ilha dos Amores
Ilha dos AmoresIlha dos Amores
Ilha dos Amores

Os bons não sempre têm recompensa e os maus não escapam sempre ao castigo. Embora à primeira vista pareça que os desonestos saem beneficiados, a longo prazo isso não é verdade. Ser desonesto pode trazer vantagens momentâneas, mas trará sempre más consequências. Agir com desonestidade significa viver na mentira e na desconfiança dos outros. As pessoas não querem estar próximas de quem as engana. Isso leva ao isolamento social. Além disso, é impossível construir relações duradouras e de confiança quando se age com

Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]

Este documento apresenta uma análise do episódio do Gigante Adamastor no poema "Os Lusíadas", de Luís Vaz de Camões. O episódio é dividido em duas partes, onde Adamastor aparece como narrador e personagem, descrevendo os sofrimentos que os portugueses enfrentarão em suas viagens. Adamastor revela sua história, como um dos Titãs que se apaixonou por Tétis e foi amaldiçoado por Júpiter a viver no Cabo das Tormentas.

Tão temerosa vinha e carregada, Que pôs nos corações um grande medo. Bramindo o negro mar de longe brada, Como se desse em vão nalgum rochedo. Ó Potestade, disse, sublimada Que ameaço divino ou que segredo  Este clima e este mar nos apresenta Que mor cousa parece que tormenta
2. Presença do Gigante Adamastor  (estrofes 39-59): A) Descrição do gigante (estrofe 39) Não acabava, quando uma figura Se nos mostra no ar, robusta e válida, De disforme e grandíssima estatura, O rosto carregado, a barba esquálida, Os olhos encovados e a postura Medonha e má e a cor terrena e pálida, Cheios de terra e crespos os cabelos, A boca negra, os dentes amarelos.
B) Falas do gigante (dois sentidos) 1. (estrofe 44) Aqui espero tomar, se não me engano, De quem me descobriu suma vingança; E não se acabara só nisto o dano De vossa pertinace confiança: Antes em vossas naus vereis cada ano, Se é verdade o que meu juízo alcança, Naufrágios, perdições de toda a sorte, Que o menor mal de todos seja a morte.
2. (estrofe 52) Amores da alta esposa de Peleu Me fizeram tomar tamanha empresa Todas as Deusas desprezei do Céu Só por amar das águas a princesa; Um dia a vi, coas filhas de Nereu, Sair nua na praia e logo presa A vontade senti de tal maneira, Que ainda não sinto cousa que mais queira.

Recomendado para você

O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça

O poeta expressa sentimentos disfóricos sobre o dia em que nasceu através de uma maldição apocalíptica. Ele deseja que o dia nunca tenha acontecido e que, se voltar a ocorrer, seja acompanhado por fenômenos extraordinários como eclipses e monstros para que todos saibam que nele nasceu a pessoa mais desgraçada.

lírica camoniana
Despedidas em belém
Despedidas em belémDespedidas em belém
Despedidas em belém

Este documento resume o episódio "Despedidas em Belém" dos Lusíadas de Camões. Narra a partida da frota portuguesa liderada por Vasco da Gama das praias de Belém em Lisboa, rumo à Índia. Descreve o estado de espírito ansioso mas destemido dos marinheiros e soldados, prontos para seguir Vasco da Gama nesta grande aventura. Também apresenta a tristeza da população que chora pela partida dos homens.

Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º anoOs lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano

1. A tempestade aumenta de intensidade, com o tom de voz do mestre e o pânico dos homens a crescerem. 2. A violência da tempestade é descrita através do movimento das águas e intensidade dos raios. 3. Vasco da Gama pede clemência à sua "Divina Guarda", argumentando que a viagem é para servir a Deus.

C) A interferencia de Vasco da Gama entre a fala do gigante (estrofe 49) Mas ia por diante o monstro horrendo Dizendo nossos fados, quando, alçado, Lhe disse eu : - Quem és tu? Que esse estupendo Corpo certo me tem maravilhado! A boca e os olhos negros retorcendo E dando um espantoso e grande brado, Me respondeu, com voz pesada e amara, Como quem da pergunta lhe passara:
3. Desfecho: desaparecimento do  gigante e surgimento do promontório (estrofes 60-61) Assim contava; e, cum medondo choro Súbito d’ante os olhos se apartou Desfez-se a nuvem negra e cum sonoro Bramido muito longe o mar soou Eu, levantando a mão ao santo coro Dos Anjos, que tão longe nos guiou, A Deus pedi que removesse os duros Casos que Adamastor contou futuros
Já Flegon e Piróis vinham tirando, Cos outros dois, o carro radiante, Quando a terra alta se nos foi mostrando Em que foi convertido o grão Gigante. Ao longo desta costa, começando Já de cortar as ondas do Levante, Por ela abaixo um pouco navegamos, Onde segunda vez terra tomamos
A essência narrativa do Gigante Adamastor (estrofe 37) A Baía de Santa Helena Porém já cinco  sóis eram passados Que dali nos partiríamos, cortando Os mares nunca de outrem navegados, Prosperamente os ventos assoprando, Quando uma noite, estando descuidados Na cortadora proa vigiando, Uma nuvem, que os ares escurece, Sobre nossas cabeças aparece

Recomendado para você

Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia
Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologiaIlha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia
Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia

O canto IX e início do X de Os Lusíadas descrevem a recompensa divina oferecida por Vénus aos heróis portugueses: uma ilha paradisíaca repleta de belezas naturais e ninfas onde podem saciar todos os sentidos e desfrutar de relações amorosas. A ilha representa a dignificação épica dos navegadores e a supremacia do amor como força motriz do ser humano e do universo, divinizando os heróis e humanizando os deuses.

os lusíadas; ilha dos amores; episódios; epopeia
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente

Este soneto de Camões descreve a beleza da amada ausente através da enumeração de suas qualidades físicas e morais ideais de acordo com a tradição petrarquista. No último terceto, o poeta expressa um intenso desejo de vê-la pessoalmente, reforçado por figuras de linguagem como a interrogação retórica e a exclamação.

lírica camoniana
Velho do Restelo
Velho do ResteloVelho do Restelo
Velho do Restelo

O documento resume o episódio do Velho do Restelo no Canto IV dos Lusíadas. O Velho critica a aventura dos descobrimentos portugueses, citando as mortes, sofrimentos e ganância que causou. Ele propõe que Portugal se volte para conquistas no Norte de África em vez de navegar para a Índia. Finalmente, usa exemplos mitológicos para ilustrar os perigos da ambição humana em desafiar os limites.

anliseliterria
A tempestade no Cabo da Boa Esperança (estrofe 38) Tão temerosa vinha carregada, Que pôs nos corações um grande medo. Bramindo o negro mar de longe brada, Como se desse em vão nalgum rochedo. -Ó Potestade, disse, sublimada, Que ameaço divino ou que segredo Este clima e este mar nos apresenta, Que mor cousa parece que tormenta?
Colosso de Rodes (estrofe 40) Tão grande era de membros, que bem posso Certificar-te que este era o segundo De Rodes estranhíssimo Colosso, Que um dos sete milagres foi do mundo. Cum tom de voz nos fala horrendo e grosso, Que pareceu sair do mar profundo. Arrepiam-se as carnes e o cabelo A mi e a todos, só de ouvi-lo e vê-lo.
1. Bartolomeu Dias (estrofe 44) Aqui espero tomar, senão me engano, De quem me descobriu suma vingança; E não se acabará só nisto o dano De vossa pertinace confiança: Antes em vossas naus vereis cada ano, Se é verdade o que meu juízo alcança, Naufrágios, perdições de toda a sorte, Que o menor mal de todos seja a morte. As previsões do gigante acontecem
2. D. Francisco de Almeida (estrofe 45) E do primeiro ilustre, que a ventura Com fama alta fizer tocar os céus, Serei eterna e nova sepultura, Por juízos incógnitos de Deus; Aqui porá da turca armada dura Os soberbos e prósperos troféus; Comigo de seus danos o ameaça A destruída Quíloa Mombaça

Recomendado para você

Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos

O documento descreve diferentes recursos expressivos da linguagem literária como a aliteração, assonância, onomatopeia, anáfora e outros como a metáfora, hipérbole, ironia e alegoria que podem ser usados para tornar o texto mais belo ou expressivo.

língua portuguesarecursos expressivos
Lusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do AdamastorLusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do Adamastor

Trabalho realizado para Português. Fiz, neste PowerPoint, a análise de cada quadra do episódio do Adamastor, o que permite uma melhor compreensão do mesmo.

Os Lusíadas Canto 8
Os Lusíadas Canto 8Os Lusíadas Canto 8
Os Lusíadas Canto 8

Este documento resume o Canto VIII dos Lusíadas. Apresenta as personagens principais e descreve a chegada dos portugueses à Índia, onde Paulo da Gama explica a bandeira portuguesa para o Catual e narra feitos históricos de Portugal. O Samorim tenta negociar com Vasco da Gama, mas o Catual o prende, sendo libertado em troca de fazendas.

lusíadascanto 8camões
3. Manuel de Sousa de Sepúlveda (estrofes 46 – 47) Outro também virá, de honrada fama, Liberal, cavaleiro, enamorado, E consigo trará a fermosa dama Que Amor por grão mercê lhe terá dado; Triste ventura e negro fado os chama Neste terreno meu, que duro e irado, Os deixará dum cru naufrágio vivos, Pera verem trabalhos excessivos.
Verão morrer com fome os filhos caros, Em tanto amor gerados e nascidos; Verão os Cafres, ásperos e avaros, Tirar è linda dama seus vestidos; Os cristalinos membros e preclaros À calma, ao frio, ao ar verão despidos, Depois de ter pisada longamente Cos delicados pés a areia ardente;
O sentido alegórico do gigante Os perigos do mar Períodos heróicos da expansão européia Significação erótica
Consagração de coragem do povo  português Incomodar o gigante  Camões e o amor do gigante O simbolismo amoroso

Recomendado para você

10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte B10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte B

1. Apresenta o estado de espírito de despedida dos vários elementos - tristeza, desespero e receio generalizados. 2. O Velho do Restelo critica a política dos descobrimentos, apontando os perigos e mortes que acarretará, apenas por vaidade e cobiça. 3. Sugere que seria melhor combater o inimigo mais próximo em vez de procurar outros tão longínquos.

Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"

O documento descreve a viagem da armada de Vasco da Gama rumo à Índia. Os navegadores já se encontram no Oceano Índico quando os deuses se reúnem no Monte Olimpo para decidir se vão ou não ajudar os portugueses em sua jornada.

lusíadas
Resumo despedidas em belém
Resumo despedidas em belémResumo despedidas em belém
Resumo despedidas em belém

O documento descreve as despedidas em Belém antes da partida da frota de Vasco da Gama em 1497. As pessoas se reuniram na capela de Santa Maria de Belém para orar, e depois formaram uma procissão até as naus. Durante as despedidas, uma mãe e esposa expressaram seu medo e tristeza por seus entes queridos partirem para uma longa viagem perigosa. Os nautas embarcaram rapidamente para evitar ficarem deprimidos.

os lusíadas
A fusão dos Gêneros Celebração heróica e decepções amorosa Curiosidades Porque o nome era Cabo das Tormentas?
Até hoje os navios naufragam no Cabo da  Boa Esperança? Porque hoje o nome mudou para cabo da Boa Esperança?
Resumo Escrito
Cinco dias depois de terem deixado a ilha de Santa Helena os lusos viajavam por mares virgens, com o vento de feição, mas certa noite, uma nuvem escura surgiu sobre a armada e eles encheram-se de medo. De repente, uma figura medonha apareceu: era um ser disforme, um gigante, tinha um ar carrancudo, a barba suja e maltrata, os cabelos ásperos/crespos e cheios de terra, a boca escura e os dentes amarelos. Camões ( através do narrador que é agora Vasco da Gama) compara-o a uma das sete maravilhas do mundo: o Colosso de Rodes (ver Sete maravilhas do Mundo). O Gigante dirige-se aos marinheiros num tom de voz “grave e horrendo”, provocando-lhes grande temor: “Ó povo audacioso que não descansa, como ousas navegar estes mares, que nunca foram cortados por qualquer outro navio? Viestes descobrir os segredos marítimos? Pois desde já vos digo que os que tentaram antes de vós pagaram com a vida. E vós, pela ousadia, também sereis castigados. Naufragarão, os vossos barcos e enfrentareis males de toda a espécie, o sofrimento será tal, que será preferível a morte. O primeiro ilustre que passar aqui ficará sepultado. Outros hão-de ver os filhos morrer de fome e eles próprios morrerão também.”

Recomendado para você

Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os LusíadasEpisódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas

1. A tripulação avista uma nuvem negra e temível que os assusta. 2. Dentro da nuvem aparece a figura gigantesca e ameaçadora do Adamastor. 3. O Adamastor profere terríveis profecias sobre os perigos e desastres que encontrará a expedição de Vasco da Gama.

Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97

Este documento resume um poema de Camões que critica a ingratidão dos portugueses e seus defeitos. O poeta lamenta os sofrimentos que enfrentou ao escrever sobre os feitos portugueses sem receber reconhecimento. Ele lista os tipos de nobres portugueses indignos, incluindo aqueles que são ambiciosos, corruptos ou aplicam a lei de forma injusta. No final, elogia aqueles que arriscam suas vidas por Deus e pelo rei.

os lusiadasplano do poeta
Apresentação d.dinis
Apresentação d.dinisApresentação d.dinis
Apresentação d.dinis

D. Dinis foi um rei de Portugal no século XIII que governou por 46 anos promovendo a paz e a identidade nacional. Ele expandiu as fronteiras, instituiu o português como língua oficial e fundou a primeira universidade portuguesa. Além disso, D. Dinis era um poeta e trovador que compôs cantigas de amigo e de amor.

Então, Vasco da Gama, corajosamente, interpela o Gigante perguntando-lhe: Quem és tu? E ele começa a relatar a sua história: “Eu sou o que vós chamais Cabo das Tormentas. Ptolomeu, Plínio, Pompónio, e Estrabo não me conheceram, mas jamais ousariam desafiar-me. Fui outrora um dos gigantes que guerrearam contra Júpiter, chamava-me Adamastor. Apaixonei-me pela “Princesa das Águas” - Tétis; um amor impossível, devido ao meu aspecto assustador. Amedrontei Dóris, mãe dela, que me deu esperanças e combinou um encontro. Cego de amor abandonei a guerra e uma noite, Tétis, vem, toda nua, ao meu encontro. Corri, abracei-a e cobri-a de beijos, mas era apenas uma ilusão, um engano, e de repente dei por mim abraçado a um monte, e eu próprio transformado em monte e rocha, e, sendo eu tão grande, formou-se este Cabo. E também os deuses me castigaram, pois estou rodeado de água, o que significa que Tétis anda sempre à minha volta.” Terminado o discurso Adamastor afastou-se, chorando . Vasco da Gama agradece a Deus por terem chegado até ali e roga-lhe que não permita que se concretizem as profecias do gigante.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Analise os lusiadas 1
Analise os lusiadas 1Analise os lusiadas 1
Analise os lusiadas 1
Célia Gonçalves
 
Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Análise comparativa - Mostrengo e AdamastorAnálise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Marisa Ferreira
 
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
claudiarmarques
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
Bárbara Minhoto
 
Ilha dos Amores
Ilha dos AmoresIlha dos Amores
Ilha dos Amores
Vanda Marques
 
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Maria João Lima
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
Helena Coutinho
 
Despedidas em belém
Despedidas em belémDespedidas em belém
Despedidas em belém
Vanda Marques
 
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º anoOs lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
Gabriel Lima
 
Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia
Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologiaIlha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia
Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia
sin3stesia
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente
Helena Coutinho
 
Velho do Restelo
Velho do ResteloVelho do Restelo
Velho do Restelo
nelsonalves70
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
becastanheiradepera
 
Lusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do AdamastorLusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do Adamastor
cristianavieitas
 
Os Lusíadas Canto 8
Os Lusíadas Canto 8Os Lusíadas Canto 8
Os Lusíadas Canto 8
Gabriel Barbosa Doria
 
10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte B10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte B
Lurdes Augusto
 
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Inês Moreira
 
Resumo despedidas em belém
Resumo despedidas em belémResumo despedidas em belém
Resumo despedidas em belém
João Martins
 
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os LusíadasEpisódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
AnaGomes40
 
Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97
Maria Teresa Soveral
 

Mais procurados (20)

Analise os lusiadas 1
Analise os lusiadas 1Analise os lusiadas 1
Analise os lusiadas 1
 
Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Análise comparativa - Mostrengo e AdamastorAnálise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor
 
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Ilha dos Amores
Ilha dos AmoresIlha dos Amores
Ilha dos Amores
 
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
 
O dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereçaO dia em que eu nasci, morra e pereça
O dia em que eu nasci, morra e pereça
 
Despedidas em belém
Despedidas em belémDespedidas em belém
Despedidas em belém
 
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º anoOs lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
 
Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia
Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologiaIlha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia
Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente
 
Velho do Restelo
Velho do ResteloVelho do Restelo
Velho do Restelo
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Lusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do AdamastorLusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do Adamastor
 
Os Lusíadas Canto 8
Os Lusíadas Canto 8Os Lusíadas Canto 8
Os Lusíadas Canto 8
 
10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte B10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte B
 
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"Análise do episódio "Consílio dos deuses"
Análise do episódio "Consílio dos deuses"
 
Resumo despedidas em belém
Resumo despedidas em belémResumo despedidas em belém
Resumo despedidas em belém
 
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os LusíadasEpisódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
 
Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97
 

Destaque

Apresentação d.dinis
Apresentação d.dinisApresentação d.dinis
Apresentação d.dinis
Teresa Maria Moita Figueiredo
 
Comparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e MostrengoComparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e Mostrengo
Susana Sobrenome
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
luisprista
 
O Mostrengo ( Fernando Pessoa)
O  Mostrengo ( Fernando  Pessoa)O  Mostrengo ( Fernando  Pessoa)
O Mostrengo ( Fernando Pessoa)
MARIA INÊS AGUIAR MARÇALO
 
A Vida Na Corte Do Rei D. Dinis
A Vida Na Corte Do Rei D. DinisA Vida Na Corte Do Rei D. Dinis
A Vida Na Corte Do Rei D. Dinis
Projecto Alunos Inovadores
 
o-gigante-adamastor
 o-gigante-adamastor o-gigante-adamastor
o-gigante-adamastor
Claudia Lazarini
 
D. Dinis
D. DinisD. Dinis
D. Dinis
guest9fa472
 
Poesia trovadoresca e palaciana
Poesia trovadoresca e palacianaPoesia trovadoresca e palaciana
Poesia trovadoresca e palaciana
Paulo Rodrigues
 
Entrevista ao gigante adamastor
Entrevista ao gigante adamastorEntrevista ao gigante adamastor
Entrevista ao gigante adamastor
dsa97
 
Powerpoint mensagem
Powerpoint mensagemPowerpoint mensagem
Powerpoint mensagem
ancrispereira
 
Intertextualidade de uma musica com a historia do Adamastor
Intertextualidade de uma musica com a historia do AdamastorIntertextualidade de uma musica com a historia do Adamastor
Intertextualidade de uma musica com a historia do Adamastor
Rafaellinho40
 
Análise do "Adamastor"
Análise do "Adamastor"Análise do "Adamastor"
Análise do "Adamastor"
Maria Costa
 
D. Dinis
D. DinisD. Dinis
D. Dinis
AnaCCGrilo
 
O Mostrengo mensagem Fernando Pessoa
O Mostrengo mensagem Fernando PessoaO Mostrengo mensagem Fernando Pessoa
O Mostrengo mensagem Fernando Pessoa
Bruno Freitas
 
D dinis
D dinisD dinis
D dinis
20014
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34
luisprista
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Paulo Vitorino
 
Mensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os LusíadasMensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os Lusíadas
Vitor Manuel de Carvalho
 

Destaque (18)

Apresentação d.dinis
Apresentação d.dinisApresentação d.dinis
Apresentação d.dinis
 
Comparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e MostrengoComparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e Mostrengo
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
 
O Mostrengo ( Fernando Pessoa)
O  Mostrengo ( Fernando  Pessoa)O  Mostrengo ( Fernando  Pessoa)
O Mostrengo ( Fernando Pessoa)
 
A Vida Na Corte Do Rei D. Dinis
A Vida Na Corte Do Rei D. DinisA Vida Na Corte Do Rei D. Dinis
A Vida Na Corte Do Rei D. Dinis
 
o-gigante-adamastor
 o-gigante-adamastor o-gigante-adamastor
o-gigante-adamastor
 
D. Dinis
D. DinisD. Dinis
D. Dinis
 
Poesia trovadoresca e palaciana
Poesia trovadoresca e palacianaPoesia trovadoresca e palaciana
Poesia trovadoresca e palaciana
 
Entrevista ao gigante adamastor
Entrevista ao gigante adamastorEntrevista ao gigante adamastor
Entrevista ao gigante adamastor
 
Powerpoint mensagem
Powerpoint mensagemPowerpoint mensagem
Powerpoint mensagem
 
Intertextualidade de uma musica com a historia do Adamastor
Intertextualidade de uma musica com a historia do AdamastorIntertextualidade de uma musica com a historia do Adamastor
Intertextualidade de uma musica com a historia do Adamastor
 
Análise do "Adamastor"
Análise do "Adamastor"Análise do "Adamastor"
Análise do "Adamastor"
 
D. Dinis
D. DinisD. Dinis
D. Dinis
 
O Mostrengo mensagem Fernando Pessoa
O Mostrengo mensagem Fernando PessoaO Mostrengo mensagem Fernando Pessoa
O Mostrengo mensagem Fernando Pessoa
 
D dinis
D dinisD dinis
D dinis
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
 
Mensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os LusíadasMensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os Lusíadas
 

Semelhante a Os Lusíadas - Canto V - O Gigante Adamastor

Gigante adamastor
Gigante adamastorGigante adamastor
Gigante adamastor
armindaalmeida
 
Episódio Adamastor - Os Lusíadas
Episódio Adamastor - Os LusíadasEpisódio Adamastor - Os Lusíadas
Episódio Adamastor - Os Lusíadas
Becre Forte da Casa
 
O Gigante Adamastor
O Gigante AdamastorO Gigante Adamastor
O Gigante Adamastor
Claudia Lazarini
 
Mós - Aldeia Medieval
Mós - Aldeia MedievalMós - Aldeia Medieval
Mós - Aldeia Medieval
Américo Lino Vinhais
 
Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580
Amanda Assenza Fratucci
 
velho do restelo
velho do restelovelho do restelo
velho do restelo
hana kitsune
 
Adamastor
AdamastorAdamastor
Adamastor
antoniosampaio11
 
Versão joao de barros
Versão joao de barrosVersão joao de barros
Versão joao de barros
marianelsa
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Isabella Silva
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Isabella Silva
 
Castro alves navio negreiro
Castro alves   navio negreiroCastro alves   navio negreiro
Castro alves navio negreiro
Talita Travassos
 
Alexandre herculano a tempestade
Alexandre herculano   a tempestadeAlexandre herculano   a tempestade
Alexandre herculano a tempestade
Tulipa Zoá
 
E-book de Alexandre Herculano, A tempestade
E-book de Alexandre Herculano, A tempestadeE-book de Alexandre Herculano, A tempestade
E-book de Alexandre Herculano, A tempestade
Carla Crespo
 
ADAMASTOR - CANTO V.docx
ADAMASTOR - CANTO V.docxADAMASTOR - CANTO V.docx
ADAMASTOR - CANTO V.docx
RitaMag2
 
O mar na literatura portuguesa
O mar na literatura portuguesaO mar na literatura portuguesa
O mar na literatura portuguesa
Maria Manuela Torres Paredes
 
Intertextualidade - Adamastor
Intertextualidade - AdamastorIntertextualidade - Adamastor
Intertextualidade - Adamastor
Rita Costa
 
O velho do restelo - Lusíadas
O velho do restelo - LusíadasO velho do restelo - Lusíadas
O velho do restelo - Lusíadas
João Baptista
 
O navio negreiro e outros poema castro alves
O navio negreiro e outros poema   castro alvesO navio negreiro e outros poema   castro alves
O navio negreiro e outros poema castro alves
Wagner Costa
 
Os Lusíadas O Velho do Restelo - IV Canto
Os Lusíadas   O Velho do Restelo -  IV CantoOs Lusíadas   O Velho do Restelo -  IV Canto
Os Lusíadas O Velho do Restelo - IV Canto
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Intertextualidade lusiadas mensagem
Intertextualidade lusiadas mensagemIntertextualidade lusiadas mensagem
Intertextualidade lusiadas mensagem
Sónia Silva
 

Semelhante a Os Lusíadas - Canto V - O Gigante Adamastor (20)

Gigante adamastor
Gigante adamastorGigante adamastor
Gigante adamastor
 
Episódio Adamastor - Os Lusíadas
Episódio Adamastor - Os LusíadasEpisódio Adamastor - Os Lusíadas
Episódio Adamastor - Os Lusíadas
 
O Gigante Adamastor
O Gigante AdamastorO Gigante Adamastor
O Gigante Adamastor
 
Mós - Aldeia Medieval
Mós - Aldeia MedievalMós - Aldeia Medieval
Mós - Aldeia Medieval
 
Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580
 
velho do restelo
velho do restelovelho do restelo
velho do restelo
 
Adamastor
AdamastorAdamastor
Adamastor
 
Versão joao de barros
Versão joao de barrosVersão joao de barros
Versão joao de barros
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Castro alves navio negreiro
Castro alves   navio negreiroCastro alves   navio negreiro
Castro alves navio negreiro
 
Alexandre herculano a tempestade
Alexandre herculano   a tempestadeAlexandre herculano   a tempestade
Alexandre herculano a tempestade
 
E-book de Alexandre Herculano, A tempestade
E-book de Alexandre Herculano, A tempestadeE-book de Alexandre Herculano, A tempestade
E-book de Alexandre Herculano, A tempestade
 
ADAMASTOR - CANTO V.docx
ADAMASTOR - CANTO V.docxADAMASTOR - CANTO V.docx
ADAMASTOR - CANTO V.docx
 
O mar na literatura portuguesa
O mar na literatura portuguesaO mar na literatura portuguesa
O mar na literatura portuguesa
 
Intertextualidade - Adamastor
Intertextualidade - AdamastorIntertextualidade - Adamastor
Intertextualidade - Adamastor
 
O velho do restelo - Lusíadas
O velho do restelo - LusíadasO velho do restelo - Lusíadas
O velho do restelo - Lusíadas
 
O navio negreiro e outros poema castro alves
O navio negreiro e outros poema   castro alvesO navio negreiro e outros poema   castro alves
O navio negreiro e outros poema castro alves
 
Os Lusíadas O Velho do Restelo - IV Canto
Os Lusíadas   O Velho do Restelo -  IV CantoOs Lusíadas   O Velho do Restelo -  IV Canto
Os Lusíadas O Velho do Restelo - IV Canto
 
Intertextualidade lusiadas mensagem
Intertextualidade lusiadas mensagemIntertextualidade lusiadas mensagem
Intertextualidade lusiadas mensagem
 

Mais de Maria Inês de Souza Vitorino Justino

Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Clara dos anjos   3ª a - 2015Clara dos anjos   3ª a - 2015
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Clara dos anjos   3ª a - 2015Clara dos anjos   3ª a - 2015
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Clara dos Anjos 3º A - 2015
Clara dos Anjos   3º A - 2015Clara dos Anjos   3º A - 2015
Clara dos Anjos 3º A - 2015
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Slides revolução industrial
Slides revolução industrialSlides revolução industrial
Slides revolução industrial
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Sociologia sobre a cidade e as serras
Sociologia   sobre a cidade e as serrasSociologia   sobre a cidade e as serras
Sociologia sobre a cidade e as serras
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Breve histórico
Breve históricoBreve histórico
Apontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvestApontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvest
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
A Cidade e as Serras 3ª B - 2013
A Cidade e as Serras   3ª B - 2013A Cidade e as Serras   3ª B - 2013
A Cidade e as Serras 3ª B - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
O cortiço 3ª b - 2013
O cortiço   3ª b - 2013O cortiço   3ª b - 2013
O cortiço 3ª b - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Til 3ª C - 2013
Til 3ª C -  2013Til 3ª C -  2013
Capitães da Areia 3ª C - 2013
Capitães da Areia   3ª C - 2013Capitães da Areia   3ª C - 2013
Capitães da Areia 3ª C - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Vidas secas graciliano ramos (1)
Vidas secas   graciliano ramos (1)Vidas secas   graciliano ramos (1)
Vidas secas graciliano ramos (1)
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Til 3ª C 2013
Til 3ª C 2013Til 3ª C 2013
Til 3ª A - 2013
Til   3ª A - 2013Til   3ª A - 2013
Til 3ª B - 2013
Til  3ª B -  2013Til  3ª B -  2013

Mais de Maria Inês de Souza Vitorino Justino (20)

Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
 
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015Triste fim de policarpo quaresma 3ª a   2015
Triste fim de policarpo quaresma 3ª a 2015
 
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Clara dos anjos   3ª a - 2015Clara dos anjos   3ª a - 2015
Clara dos anjos 3ª a - 2015
 
Clara dos anjos 3ª a - 2015
Clara dos anjos   3ª a - 2015Clara dos anjos   3ª a - 2015
Clara dos anjos 3ª a - 2015
 
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A -  2015
Triste fim de Policarpo Quaresma 3º A - 2015
 
Clara dos Anjos 3º A - 2015
Clara dos Anjos   3º A - 2015Clara dos Anjos   3º A - 2015
Clara dos Anjos 3º A - 2015
 
Slides revolução industrial
Slides revolução industrialSlides revolução industrial
Slides revolução industrial
 
Sociologia sobre a cidade e as serras
Sociologia   sobre a cidade e as serrasSociologia   sobre a cidade e as serras
Sociologia sobre a cidade e as serras
 
Breve histórico
Breve históricoBreve histórico
Breve histórico
 
Apontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvestApontamentos sobre livros da fuvest
Apontamentos sobre livros da fuvest
 
A Cidade e as Serras 3ª B - 2013
A Cidade e as Serras   3ª B - 2013A Cidade e as Serras   3ª B - 2013
A Cidade e as Serras 3ª B - 2013
 
O cortiço 3ª b - 2013
O cortiço   3ª b - 2013O cortiço   3ª b - 2013
O cortiço 3ª b - 2013
 
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
 
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013Viagens na minha Terra - 3ª A -  2013
Viagens na minha Terra - 3ª A - 2013
 
Til 3ª C - 2013
Til 3ª C -  2013Til 3ª C -  2013
Til 3ª C - 2013
 
Capitães da Areia 3ª C - 2013
Capitães da Areia   3ª C - 2013Capitães da Areia   3ª C - 2013
Capitães da Areia 3ª C - 2013
 
Vidas secas graciliano ramos (1)
Vidas secas   graciliano ramos (1)Vidas secas   graciliano ramos (1)
Vidas secas graciliano ramos (1)
 
Til 3ª C 2013
Til 3ª C 2013Til 3ª C 2013
Til 3ª C 2013
 
Til 3ª A - 2013
Til   3ª A - 2013Til   3ª A - 2013
Til 3ª A - 2013
 
Til 3ª B - 2013
Til  3ª B -  2013Til  3ª B -  2013
Til 3ª B - 2013
 

Os Lusíadas - Canto V - O Gigante Adamastor

  • 1. 1ª A - 2009
  • 2. Os Lusíadas Camões Canto V O Gigante Adamastor
  • 4. Análise da Obra: A estrutura narrativa: Abertura (estrofes 37-38) Porém já cinco sois eram passados Que dali nos partíramos, cortando Os mares nunca de outrem navegados, Prosperamente os ventos assoprando, Quando uma noite, estando descuidados Na cortadora proa vigiando, Uma nuvem, que os ares escurece, Sobre nossas cabeças aparece
  • 5. Tão temerosa vinha e carregada, Que pôs nos corações um grande medo. Bramindo o negro mar de longe brada, Como se desse em vão nalgum rochedo. Ó Potestade, disse, sublimada Que ameaço divino ou que segredo Este clima e este mar nos apresenta Que mor cousa parece que tormenta
  • 6. 2. Presença do Gigante Adamastor (estrofes 39-59): A) Descrição do gigante (estrofe 39) Não acabava, quando uma figura Se nos mostra no ar, robusta e válida, De disforme e grandíssima estatura, O rosto carregado, a barba esquálida, Os olhos encovados e a postura Medonha e má e a cor terrena e pálida, Cheios de terra e crespos os cabelos, A boca negra, os dentes amarelos.
  • 7. B) Falas do gigante (dois sentidos) 1. (estrofe 44) Aqui espero tomar, se não me engano, De quem me descobriu suma vingança; E não se acabara só nisto o dano De vossa pertinace confiança: Antes em vossas naus vereis cada ano, Se é verdade o que meu juízo alcança, Naufrágios, perdições de toda a sorte, Que o menor mal de todos seja a morte.
  • 8. 2. (estrofe 52) Amores da alta esposa de Peleu Me fizeram tomar tamanha empresa Todas as Deusas desprezei do Céu Só por amar das águas a princesa; Um dia a vi, coas filhas de Nereu, Sair nua na praia e logo presa A vontade senti de tal maneira, Que ainda não sinto cousa que mais queira.
  • 9. C) A interferencia de Vasco da Gama entre a fala do gigante (estrofe 49) Mas ia por diante o monstro horrendo Dizendo nossos fados, quando, alçado, Lhe disse eu : - Quem és tu? Que esse estupendo Corpo certo me tem maravilhado! A boca e os olhos negros retorcendo E dando um espantoso e grande brado, Me respondeu, com voz pesada e amara, Como quem da pergunta lhe passara:
  • 10. 3. Desfecho: desaparecimento do gigante e surgimento do promontório (estrofes 60-61) Assim contava; e, cum medondo choro Súbito d’ante os olhos se apartou Desfez-se a nuvem negra e cum sonoro Bramido muito longe o mar soou Eu, levantando a mão ao santo coro Dos Anjos, que tão longe nos guiou, A Deus pedi que removesse os duros Casos que Adamastor contou futuros
  • 11. Já Flegon e Piróis vinham tirando, Cos outros dois, o carro radiante, Quando a terra alta se nos foi mostrando Em que foi convertido o grão Gigante. Ao longo desta costa, começando Já de cortar as ondas do Levante, Por ela abaixo um pouco navegamos, Onde segunda vez terra tomamos
  • 12. A essência narrativa do Gigante Adamastor (estrofe 37) A Baía de Santa Helena Porém já cinco sóis eram passados Que dali nos partiríamos, cortando Os mares nunca de outrem navegados, Prosperamente os ventos assoprando, Quando uma noite, estando descuidados Na cortadora proa vigiando, Uma nuvem, que os ares escurece, Sobre nossas cabeças aparece
  • 13. A tempestade no Cabo da Boa Esperança (estrofe 38) Tão temerosa vinha carregada, Que pôs nos corações um grande medo. Bramindo o negro mar de longe brada, Como se desse em vão nalgum rochedo. -Ó Potestade, disse, sublimada, Que ameaço divino ou que segredo Este clima e este mar nos apresenta, Que mor cousa parece que tormenta?
  • 14. Colosso de Rodes (estrofe 40) Tão grande era de membros, que bem posso Certificar-te que este era o segundo De Rodes estranhíssimo Colosso, Que um dos sete milagres foi do mundo. Cum tom de voz nos fala horrendo e grosso, Que pareceu sair do mar profundo. Arrepiam-se as carnes e o cabelo A mi e a todos, só de ouvi-lo e vê-lo.
  • 15. 1. Bartolomeu Dias (estrofe 44) Aqui espero tomar, senão me engano, De quem me descobriu suma vingança; E não se acabará só nisto o dano De vossa pertinace confiança: Antes em vossas naus vereis cada ano, Se é verdade o que meu juízo alcança, Naufrágios, perdições de toda a sorte, Que o menor mal de todos seja a morte. As previsões do gigante acontecem
  • 16. 2. D. Francisco de Almeida (estrofe 45) E do primeiro ilustre, que a ventura Com fama alta fizer tocar os céus, Serei eterna e nova sepultura, Por juízos incógnitos de Deus; Aqui porá da turca armada dura Os soberbos e prósperos troféus; Comigo de seus danos o ameaça A destruída Quíloa Mombaça
  • 17. 3. Manuel de Sousa de Sepúlveda (estrofes 46 – 47) Outro também virá, de honrada fama, Liberal, cavaleiro, enamorado, E consigo trará a fermosa dama Que Amor por grão mercê lhe terá dado; Triste ventura e negro fado os chama Neste terreno meu, que duro e irado, Os deixará dum cru naufrágio vivos, Pera verem trabalhos excessivos.
  • 18. Verão morrer com fome os filhos caros, Em tanto amor gerados e nascidos; Verão os Cafres, ásperos e avaros, Tirar è linda dama seus vestidos; Os cristalinos membros e preclaros À calma, ao frio, ao ar verão despidos, Depois de ter pisada longamente Cos delicados pés a areia ardente;
  • 19. O sentido alegórico do gigante Os perigos do mar Períodos heróicos da expansão européia Significação erótica
  • 20. Consagração de coragem do povo português Incomodar o gigante Camões e o amor do gigante O simbolismo amoroso
  • 21. A fusão dos Gêneros Celebração heróica e decepções amorosa Curiosidades Porque o nome era Cabo das Tormentas?
  • 22. Até hoje os navios naufragam no Cabo da Boa Esperança? Porque hoje o nome mudou para cabo da Boa Esperança?
  • 24. Cinco dias depois de terem deixado a ilha de Santa Helena os lusos viajavam por mares virgens, com o vento de feição, mas certa noite, uma nuvem escura surgiu sobre a armada e eles encheram-se de medo. De repente, uma figura medonha apareceu: era um ser disforme, um gigante, tinha um ar carrancudo, a barba suja e maltrata, os cabelos ásperos/crespos e cheios de terra, a boca escura e os dentes amarelos. Camões ( através do narrador que é agora Vasco da Gama) compara-o a uma das sete maravilhas do mundo: o Colosso de Rodes (ver Sete maravilhas do Mundo). O Gigante dirige-se aos marinheiros num tom de voz “grave e horrendo”, provocando-lhes grande temor: “Ó povo audacioso que não descansa, como ousas navegar estes mares, que nunca foram cortados por qualquer outro navio? Viestes descobrir os segredos marítimos? Pois desde já vos digo que os que tentaram antes de vós pagaram com a vida. E vós, pela ousadia, também sereis castigados. Naufragarão, os vossos barcos e enfrentareis males de toda a espécie, o sofrimento será tal, que será preferível a morte. O primeiro ilustre que passar aqui ficará sepultado. Outros hão-de ver os filhos morrer de fome e eles próprios morrerão também.”
  • 25. Então, Vasco da Gama, corajosamente, interpela o Gigante perguntando-lhe: Quem és tu? E ele começa a relatar a sua história: “Eu sou o que vós chamais Cabo das Tormentas. Ptolomeu, Plínio, Pompónio, e Estrabo não me conheceram, mas jamais ousariam desafiar-me. Fui outrora um dos gigantes que guerrearam contra Júpiter, chamava-me Adamastor. Apaixonei-me pela “Princesa das Águas” - Tétis; um amor impossível, devido ao meu aspecto assustador. Amedrontei Dóris, mãe dela, que me deu esperanças e combinou um encontro. Cego de amor abandonei a guerra e uma noite, Tétis, vem, toda nua, ao meu encontro. Corri, abracei-a e cobri-a de beijos, mas era apenas uma ilusão, um engano, e de repente dei por mim abraçado a um monte, e eu próprio transformado em monte e rocha, e, sendo eu tão grande, formou-se este Cabo. E também os deuses me castigaram, pois estou rodeado de água, o que significa que Tétis anda sempre à minha volta.” Terminado o discurso Adamastor afastou-se, chorando . Vasco da Gama agradece a Deus por terem chegado até ali e roga-lhe que não permita que se concretizem as profecias do gigante.