SlideShare uma empresa Scribd logo
Lurdes Martins
O poema está escrito em versos decassilábicos, com
predomínio do decassílabo heróico (acentos na 6 a e 10a
sílabas).

É considerado o metro mais adequado à poesia épica,
pelo seu ritmo grave e vigoroso.

Surgem também alguns raros exemplos de decassílabo
sáfico (acentos na 4ª, 8a e 10a sílabas).
As estrofes são de oito versos (oitavas) e
apresentam o seguinte esquema rimático :
abababcc.

A este tipo estrófico costuma chamar-se oitava
rima, oitava heróica ou oitava italiana.
As estrofes estão distribuídas por 10
Cantos. O número de estrofes por canto
varia de 87, no Canto VII, a 156 no Canto
X.

No seu conjunto, o poema apresenta 1102
estrofes.
As partes constituintes

Os Lusíadas constroem-se pela sucessão de quatro partes:




Proposição - parte introdutória, na qual o poeta anuncia o que
vai cantar. (Canto I, ests. 1-3)
Invocação - pedido de ajuda às divindades inspiradoras.

A principal Invocação é feita às Tágides, no Canto I, ests. 4 e 5;
além desta, há mais três: a Calíope, no Canto III, ests. 4 e 5, às
Nin-fas do Tejo e do Mondego, no Canto VII, ests. 78-82 e,
finalmente, a Calíope, no Canto X, est. 8.
Dedicatória - oferecimento do poema a uma personalidade
importante.

Esta parte, facultativa, pode ter origem nas Geórgicas de Virgílio
ou nos Fastos de Ovídio; não existe em nenhuma das epopeias
da Antiguidade.
Narração - parte que constitui o corpo da epopeia; a narrativa
das acções levadas a cabo pelo protagonista.

Começando no Canto I, est. 19, só termina no Canto X, est. 144,
apresentando apenas pequenas interrupções pontuais.
Obra narrativa complexa, Os Lusíadas constroem-se através da articulação
de quatro planos narrativos, não deixando, ainda assim, de apresentar uma
exemplar unidade de ação.

Como plano narrativo fulcral apresenta-nos a Viagem de Vasco da Cama à
índia. Continua-mente articulado a este e paralelo a ele, surge um segundo
plano que diz respeito à intervenção dos Deuses do Olimpo na Viagem.
Encaixado no primeiro plano, tem lugar um terceiro, que é constituído pela
História de Portugal, contada por Vasco da Gama ao Rei de Melinde, por
Paulo da Gama ao Catual de Calecut e por entidades divinas que vaticinam
futuros feitos dos Portugueses. Um quarto plano é constituído pelas
considerações do poeta.
A obra
DEFINIÇÃO DE EPOPEIA
Em Síntese:
O Camões escreveu Os Lusíadas sob a forma de
  narrativa épica ou epopeia, forma muito
  utilizada na Antiguidade Clássica e que Camões
  conhecia bem.
O Definição de epopeia
O Uma epopeia, forma literária da Antiguidade
  Clássica, define-se como uma narrativa,
  estruturada em verso, que narra, através de
  uma linguagem cuidada, os feitos grandiosos de
  um herói, com interesse para toda a
  Humanidade.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Invocação e Dedicarória
Invocação e DedicaróriaInvocação e Dedicarória
Invocação e Dedicarória
Paula Oliveira Cruz
 
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
claudiarmarques
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
Helena Coutinho
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
Helena Coutinho
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
Lurdes Augusto
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
nanasimao
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Dina Baptista
 
Resumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasResumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os Lusíadas
Raffaella Ergün
 
Cantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoCantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumo
Gijasilvelitz 2
 
Canto v 92_100
Canto v 92_100Canto v 92_100
Canto v 92_100
Maria Teresa Soveral
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
Paula Oliveira Cruz
 
Modalidade do verbo
Modalidade do verboModalidade do verbo
Modalidade do verbo
Ana Martins
 
Ondas do mar de vigo
Ondas do mar de vigoOndas do mar de vigo
Ondas do mar de vigo
Paula Oliveira Cruz
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
Lurdes Augusto
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Maria Góis
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
Helena Coutinho
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Joana Azevedo
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Dina Baptista
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Gijasilvelitz 2
 
As cantigas de amigo
As cantigas de amigoAs cantigas de amigo
As cantigas de amigo
Helena Coutinho
 

Mais procurados (20)

Invocação e Dedicarória
Invocação e DedicaróriaInvocação e Dedicarória
Invocação e Dedicarória
 
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Resumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasResumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os Lusíadas
 
Cantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoCantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumo
 
Canto v 92_100
Canto v 92_100Canto v 92_100
Canto v 92_100
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
 
Modalidade do verbo
Modalidade do verboModalidade do verbo
Modalidade do verbo
 
Ondas do mar de vigo
Ondas do mar de vigoOndas do mar de vigo
Ondas do mar de vigo
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
 
As cantigas de amigo
As cantigas de amigoAs cantigas de amigo
As cantigas de amigo
 

Semelhante a Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)

Lusiadas Estruturas
Lusiadas EstruturasLusiadas Estruturas
Lusiadas Estruturas
Teresa Pombo
 
Lusiadas_estruturas
Lusiadas_estruturasLusiadas_estruturas
Lusiadas_estruturas
Teresa Pombo
 
Estrutura lusíadas
Estrutura lusíadasEstrutura lusíadas
Estrutura lusíadas
Ana Ribeiro
 
Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Luís vaz de camões
Joao Bernardo Santos
 
Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Luís vaz de camões
Joao Bernardo Santos
 
Visão geral d´Os Lusíadas.ppttttttttttttttttttttttttttttttttttttttt
Visão geral d´Os Lusíadas.pptttttttttttttttttttttttttttttttttttttttVisão geral d´Os Lusíadas.ppttttttttttttttttttttttttttttttttttttttt
Visão geral d´Os Lusíadas.ppttttttttttttttttttttttttttttttttttttttt
MatildeSilva37
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Simone Giglio
 
Classicismo
Classicismo Classicismo
Classicismo
PATRICIA VIANA
 
00 - Gêneros épico e lírico.pptx
00 - Gêneros épico e lírico.pptx00 - Gêneros épico e lírico.pptx
00 - Gêneros épico e lírico.pptx
CsarMarin3
 
Os+lusíad[1] tainá
Os+lusíad[1] taináOs+lusíad[1] tainá
Os+lusíad[1] tainá
juninhowwave
 
Português
PortuguêsPortuguês
Português
Lilianangelo
 
Camões e o classicismo português
Camões e o classicismo portuguêsCamões e o classicismo português
Camões e o classicismo português
José Vaz
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Francisco
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
luisprista
 
Lusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luis
Lusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luisLusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luis
Lusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luis
juninhowwave
 
Camões lírico-épico-vb
Camões lírico-épico-vbCamões lírico-épico-vb
Camões lírico-épico-vb
Helena Perdigão
 
Os Lusíadas de Luís de Camões
Os Lusíadas de Luís de CamõesOs Lusíadas de Luís de Camões
Os Lusíadas de Luís de Camões
Gijasilvelitz 2
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
olga nunes
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
Maria Gois
 
Resumo literatura portuguesa20143anoEM
Resumo literatura portuguesa20143anoEMResumo literatura portuguesa20143anoEM
Resumo literatura portuguesa20143anoEM
Marly Rodrigues
 

Semelhante a Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões) (20)

Lusiadas Estruturas
Lusiadas EstruturasLusiadas Estruturas
Lusiadas Estruturas
 
Lusiadas_estruturas
Lusiadas_estruturasLusiadas_estruturas
Lusiadas_estruturas
 
Estrutura lusíadas
Estrutura lusíadasEstrutura lusíadas
Estrutura lusíadas
 
Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Luís vaz de camões
 
Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Luís vaz de camões
 
Visão geral d´Os Lusíadas.ppttttttttttttttttttttttttttttttttttttttt
Visão geral d´Os Lusíadas.pptttttttttttttttttttttttttttttttttttttttVisão geral d´Os Lusíadas.ppttttttttttttttttttttttttttttttttttttttt
Visão geral d´Os Lusíadas.ppttttttttttttttttttttttttttttttttttttttt
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Classicismo
Classicismo Classicismo
Classicismo
 
00 - Gêneros épico e lírico.pptx
00 - Gêneros épico e lírico.pptx00 - Gêneros épico e lírico.pptx
00 - Gêneros épico e lírico.pptx
 
Os+lusíad[1] tainá
Os+lusíad[1] taináOs+lusíad[1] tainá
Os+lusíad[1] tainá
 
Português
PortuguêsPortuguês
Português
 
Camões e o classicismo português
Camões e o classicismo portuguêsCamões e o classicismo português
Camões e o classicismo português
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
 
Lusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luis
Lusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luisLusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luis
Lusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luis
 
Camões lírico-épico-vb
Camões lírico-épico-vbCamões lírico-épico-vb
Camões lírico-épico-vb
 
Os Lusíadas de Luís de Camões
Os Lusíadas de Luís de CamõesOs Lusíadas de Luís de Camões
Os Lusíadas de Luís de Camões
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Resumo literatura portuguesa20143anoEM
Resumo literatura portuguesa20143anoEMResumo literatura portuguesa20143anoEM
Resumo literatura portuguesa20143anoEM
 

Mais de lurdesmartins

Apresentação dissertação Competências Tutor Online
Apresentação dissertação Competências Tutor OnlineApresentação dissertação Competências Tutor Online
Apresentação dissertação Competências Tutor Online
lurdesmartins
 
Formar tutores: (para) que competências?
Formar tutores: (para) que competências?Formar tutores: (para) que competências?
Formar tutores: (para) que competências?
lurdesmartins
 
Competências do Tutor no Ensino a Distância
Competências do Tutor no Ensino a DistânciaCompetências do Tutor no Ensino a Distância
Competências do Tutor no Ensino a Distância
lurdesmartins
 
Hifenização
HifenizaçãoHifenização
Hifenização
lurdesmartins
 
Maiúsculas e minúsculas - no Acordo
Maiúsculas e minúsculas - no AcordoMaiúsculas e minúsculas - no Acordo
Maiúsculas e minúsculas - no Acordo
lurdesmartins
 
Guia de ferramentas Moodle
Guia de ferramentas MoodleGuia de ferramentas Moodle
Guia de ferramentas Moodle
lurdesmartins
 
Ferramentas educativas
Ferramentas educativasFerramentas educativas
Ferramentas educativas
lurdesmartins
 
Consoantes mudas
Consoantes mudasConsoantes mudas
Consoantes mudas
lurdesmartins
 
Conselhos sobre o acesso e utilização moodle
Conselhos sobre o acesso e utilização moodleConselhos sobre o acesso e utilização moodle
Conselhos sobre o acesso e utilização moodle
lurdesmartins
 
Acentuação
AcentuaçãoAcentuação
Acentuação
lurdesmartins
 
Utilização da Plataforma Moodle
Utilização da Plataforma MoodleUtilização da Plataforma Moodle
Utilização da Plataforma Moodle
lurdesmartins
 
Alterações no alfabeto
Alterações no alfabetoAlterações no alfabeto
Alterações no alfabeto
lurdesmartins
 
Entrevista semi estruturada
Entrevista semi estruturadaEntrevista semi estruturada
Entrevista semi estruturada
lurdesmartins
 
A teoria da sincronicidade dos media versão final
A teoria da sincronicidade dos media   versão finalA teoria da sincronicidade dos media   versão final
A teoria da sincronicidade dos media versão final
lurdesmartins
 
Acordo resenha
Acordo resenhaAcordo resenha
Acordo resenha
lurdesmartins
 
Trajos
TrajosTrajos
Seminário sobre a Língua Portuguesa
Seminário sobre a Língua PortuguesaSeminário sobre a Língua Portuguesa
Seminário sobre a Língua Portuguesa
lurdesmartins
 

Mais de lurdesmartins (17)

Apresentação dissertação Competências Tutor Online
Apresentação dissertação Competências Tutor OnlineApresentação dissertação Competências Tutor Online
Apresentação dissertação Competências Tutor Online
 
Formar tutores: (para) que competências?
Formar tutores: (para) que competências?Formar tutores: (para) que competências?
Formar tutores: (para) que competências?
 
Competências do Tutor no Ensino a Distância
Competências do Tutor no Ensino a DistânciaCompetências do Tutor no Ensino a Distância
Competências do Tutor no Ensino a Distância
 
Hifenização
HifenizaçãoHifenização
Hifenização
 
Maiúsculas e minúsculas - no Acordo
Maiúsculas e minúsculas - no AcordoMaiúsculas e minúsculas - no Acordo
Maiúsculas e minúsculas - no Acordo
 
Guia de ferramentas Moodle
Guia de ferramentas MoodleGuia de ferramentas Moodle
Guia de ferramentas Moodle
 
Ferramentas educativas
Ferramentas educativasFerramentas educativas
Ferramentas educativas
 
Consoantes mudas
Consoantes mudasConsoantes mudas
Consoantes mudas
 
Conselhos sobre o acesso e utilização moodle
Conselhos sobre o acesso e utilização moodleConselhos sobre o acesso e utilização moodle
Conselhos sobre o acesso e utilização moodle
 
Acentuação
AcentuaçãoAcentuação
Acentuação
 
Utilização da Plataforma Moodle
Utilização da Plataforma MoodleUtilização da Plataforma Moodle
Utilização da Plataforma Moodle
 
Alterações no alfabeto
Alterações no alfabetoAlterações no alfabeto
Alterações no alfabeto
 
Entrevista semi estruturada
Entrevista semi estruturadaEntrevista semi estruturada
Entrevista semi estruturada
 
A teoria da sincronicidade dos media versão final
A teoria da sincronicidade dos media   versão finalA teoria da sincronicidade dos media   versão final
A teoria da sincronicidade dos media versão final
 
Acordo resenha
Acordo resenhaAcordo resenha
Acordo resenha
 
Trajos
TrajosTrajos
Trajos
 
Seminário sobre a Língua Portuguesa
Seminário sobre a Língua PortuguesaSeminário sobre a Língua Portuguesa
Seminário sobre a Língua Portuguesa
 

Último

Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumoESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
SolangeWaltre
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 

Último (20)

Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumoESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 

Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)

  • 2. O poema está escrito em versos decassilábicos, com predomínio do decassílabo heróico (acentos na 6 a e 10a sílabas). É considerado o metro mais adequado à poesia épica, pelo seu ritmo grave e vigoroso. Surgem também alguns raros exemplos de decassílabo sáfico (acentos na 4ª, 8a e 10a sílabas).
  • 3. As estrofes são de oito versos (oitavas) e apresentam o seguinte esquema rimático : abababcc. A este tipo estrófico costuma chamar-se oitava rima, oitava heróica ou oitava italiana.
  • 4. As estrofes estão distribuídas por 10 Cantos. O número de estrofes por canto varia de 87, no Canto VII, a 156 no Canto X. No seu conjunto, o poema apresenta 1102 estrofes.
  • 5. As partes constituintes Os Lusíadas constroem-se pela sucessão de quatro partes: Proposição - parte introdutória, na qual o poeta anuncia o que vai cantar. (Canto I, ests. 1-3)
  • 6. Invocação - pedido de ajuda às divindades inspiradoras. A principal Invocação é feita às Tágides, no Canto I, ests. 4 e 5; além desta, há mais três: a Calíope, no Canto III, ests. 4 e 5, às Nin-fas do Tejo e do Mondego, no Canto VII, ests. 78-82 e, finalmente, a Calíope, no Canto X, est. 8.
  • 7. Dedicatória - oferecimento do poema a uma personalidade importante. Esta parte, facultativa, pode ter origem nas Geórgicas de Virgílio ou nos Fastos de Ovídio; não existe em nenhuma das epopeias da Antiguidade.
  • 8. Narração - parte que constitui o corpo da epopeia; a narrativa das acções levadas a cabo pelo protagonista. Começando no Canto I, est. 19, só termina no Canto X, est. 144, apresentando apenas pequenas interrupções pontuais.
  • 9. Obra narrativa complexa, Os Lusíadas constroem-se através da articulação de quatro planos narrativos, não deixando, ainda assim, de apresentar uma exemplar unidade de ação. Como plano narrativo fulcral apresenta-nos a Viagem de Vasco da Cama à índia. Continua-mente articulado a este e paralelo a ele, surge um segundo plano que diz respeito à intervenção dos Deuses do Olimpo na Viagem. Encaixado no primeiro plano, tem lugar um terceiro, que é constituído pela História de Portugal, contada por Vasco da Gama ao Rei de Melinde, por Paulo da Gama ao Catual de Calecut e por entidades divinas que vaticinam futuros feitos dos Portugueses. Um quarto plano é constituído pelas considerações do poeta.
  • 12. Em Síntese: O Camões escreveu Os Lusíadas sob a forma de narrativa épica ou epopeia, forma muito utilizada na Antiguidade Clássica e que Camões conhecia bem. O Definição de epopeia O Uma epopeia, forma literária da Antiguidade Clássica, define-se como uma narrativa, estruturada em verso, que narra, através de uma linguagem cuidada, os feitos grandiosos de um herói, com interesse para toda a Humanidade.