SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
COLÉGIO PEDRO II CAMPUS TIJUCA II
Profs.: Ângela Pereira, Cristina Pierre, Fabiano Oliveira e Germana Lucia de Araújo.
Aluno(a) ________________________________________________
ARTES VISUAIS
Turma _____________
ARTE CLÁSSICA – GRECO-ROMANA
A denominação clássica apresenta dois pensamentos: o primeiro refere-se à produção artística e cultural de dois povos da antiguidade - os gregos e
os romanos - que detiveram a hegemonia política do continente europeu durante a antiguidade entre 800 a.C. e 476 d.C.. A segunda percepção faz
referencia ao tipo específico de arte que eles perseguiam, cuja regra na busca da beleza tinha como norma alguns preceitos de composição,
relacionados ao equilíbrio, à proporção, à harmonia e à observação da natureza. Essa observação da natureza aliada a uma representação mais próxima
do objeto enfocado em artes visuais denomina-se NATURALISMO, que em síntese busca imitar o real, e pode ser definida como uma das formas mais
características da arte desses povos.
O pensamento da cultura ocidental é em grande parte herança dessas civilizações. A civilização grega da antiguidade remonta a 800 a.C. Seu
território situava-se as margens do Mar Mediterrâneo, sua religiosidade pode ser descrita como POLITEÍSTA, dominada por deuses imortais aos quais
são atribuídas predicados tanto dos elementos da natureza, quanto dos sentimentos humanos. MITOLOGIA GREGA é o nome dado ás diversas
lendas e histórias gregas sobre seus deuses, heróis e as explicações que eles traçaram sobre a origem do mundo.
Os gregos são responsáveis pela concepção da democracia e da filosofia como a entendemos hoje, além de influenciarem nossa visão de arte. Sobre
esse último tema, suas ideias estavam relacionadas à fatores como a técnica e ainda a BELEZA, que sempre estava ligada a utilidade e a um valor
moral e ético que se queria alcançar.
O legado grego foi absorvido pelos romanos, povo conquistador oriundo da cidade de Roma, que se apropriou dos seus principais deuses e de
algumas de suas formas arquitetônicas e artísticas. Os romanos foram responsáveis por um vasto império que incorporou territórios na Europa, no
Oriente e na África. Em termos de Arte a diferença mais marcante entre a arte grega e romana deve-se ao
espírito prático destes últimos, delimitada por uma intensa rotina de construções destinadas à manutenção
da cidade, com sua pavimentação, edificação de residência públicas e privadas, de aquedutos, pontes
além de marcos comemorativos relacionados as suas conquistas (como a Coluna de Trajano ou o Arco
de Constantino, por exemplo), baseados em uma forma arquitetônica desenvolvida pelos romanos – o
ARCO.
Mapa com Localização das principais culturas da
Antiguidade
GRÉCIA ROMA
ARQUITETURA
A arquitetura é a forma artística constituída de edificações construídas para abrigar o ser humana das intempéries e também para cumprir determinadas funções
necessárias para a vida cotidiana.
ARQUITETURA GREGA
Os resquícios da arquitetura grega que observamos atualmente,
concentram-se em poucos tipos específicos de prédios: os templos e os
teatros.
TEMPLOS GREGOS
Os templos são exemplos de
arquitetura religiosa, eles são
construídos em homenagem aos
deuses do panteão grego,
presentes em sua mitologia.
Apresentam forma simétrica, com
colunas em todas as suas
fachadas. O conjunto de colunas
mais a parte superior do prédio
são construídos de acordo com
algumas normas formais
denominadas de ordens
arquitetônicas.
O templo era construído sobre
uma base de três degraus. As
colunas sustentavam um
entablamento horizontal formado
por três partes: a arquitrave, o
friso e a cornija.
ARQUITETURA ROMANA
Os Romanos herdaram dos gregos seu panteão de deuses (que foram
rebatizados com outros nomes), dessa forma herdaram também algumas de suas
formas arquetetônicas, como o templo e o teatro que ganharam novas
concepções.
TEMPLOS ROMANOS
Diferente dos templos gregos o templo romano apresenta colunas apenas
externamente, em seu interior eles são construídos com paredes. Utilizam também
o conceito de ordem arquitetônica com os mesmos elementos dos gregos. Em
alguns de seu templos são incorporados ao fundo formas circulares e a cúpula
TEATRO
É a edificação construída para a representação de uma história, originalmente relacionada a um caráter religioso ou mitológico, na Grécia se dividiam basicamente
entre dois gêneros: asTragédias e as Comédias. Apesar de haver uma forma teatral romana, eles se apropiaram dos textos gregos em suas encenações.
Enquanto que na Grécia as encenações obedeciam à um critério moral, em Roma tinham também um fim prático de promover o lazer para seus cidadãos.
TEATRO GREGO
De forma semi-circular o teatro grego era
ao ar livre e aproveitava os terrenos
montanhosos para sua edificação. Suas
principais pruduções, As Tragédias,
apresentavam um fundo moral que servia
como modelo para a conduta do povo.
TEATRO ROMANO
O teatro romano
também era de forma
semi-circular . Entretanto, como lazer os
romanos preferiam os ANFITEATROS, de
formato circular ou elíptico, no qual assistiam
lutas mortais entre guerreiros.
ANFITEATROS
ORDEM ARQUITETÔNICA
1 = COLUNA 2= ENTABLAMENTO
2.1 = FRONTÃO 2.2 = FRISO
2.3= CORNIJA
2
2.2
2.1
1
1
2.3
FUSTE
COLUNA
BASE
CAPITEL
TIPOS DE COLUNAS GREGAS
DÓRICA
JÔNICA
CORÍNTIA
Os exemplos que se seguem se relacionam à arquitetura romana. São sobretudo formas derivadas do arco, que foi utilizado como elemento de
sustentanção e de decoração de diversas edificações no Império Romano, atendem a finalidades práticas ligadas à moradia, ao lazer, ao
urbanismo e as comemorações.
ESCULTURA
A escultura é um meio artístico que se desenvolve no espaço tridimensional de arte, portanto apresenta altura, largura e profundidade.
Ela pode ser plena ou em relevo. A escultura plena é aquela que nos permite circular a sua volta, pois é produzida sobre matéria
modelada, enquanto que os relevos estão agregados à arquitetura, o que nos permite vê-los apenas frontalmente. Geralmente estas
esculturas eram policromadas.
Escultura em Relevo
Escultura plena
Residência em Pompéia
Aquedutos
Coliseu
Acima a direita – esquema do arco romano
Esquerda – Arco de Constantino
Direita - Coluna de Trajano
Panteão de Agripa
ESCULTURA GREGA
Apesar de trabalhar na observação da natureza, a Arte Grega é guiada por um
pensamento idealista, o qual vai configurar sua composiçã a base de regras
construtivas a partir da concepção de modelos. Podemos observar essa norma a
partir da ideia do corpo ideal, que no caso de Policleto(escultor grego) tinha sete
cabeças.
Em sua grande maioria as obras gregas retratam os deuse e heróis, pois
celebram neles sua concepção de modelos e de figuras exemplares. Podemos
constatar nas imagens acima, como gradualmente a representação da figura
humana tornas-e mais próxima da
realidade, em relação aos detalhamentos
corporais da musculatura, ao gestual e
ao posicionamento físico das esculturas.
Frequentemente os materias usados na
escultura são principalmente a pedra, o
mármore e o bronze.
Nos relevos quase sempre eram
retratadas cenas de batalha e ações do
campo das a estórias e epopéias nas quais se incluiam as lutas e batalhas gregas.
ESCULTURA ROMANA
Diferente dos gregos os romanos preocumpam-se não com um modelo,
mas com a concepção de representação da indiviudalidade, assim
apresentavam as marcas de expressão que caracterizavam de maneira mais
enfática a identidade das figuras esculpidas, principalmente das figuras mais
relevantes em sua sociedade como os imperadores e guerreiros.
Os romanos utilizavam com tema de sua escultura os governantes, soldados
e também apresentava um culto aos antepassados, sempre retratados de
maneira realista.
Uma forma bem característica é a escultura equestre, que representa os
imperadores simbolicamente em uma posição elevada em relação a maior
da população. Também apresentavam uma escultura narrativa presente nas
edificações dos arcos e colunas.
PINTURA
Meio de produção visual, que se caracteriza pelo uso da tinta sobre um suporte plano e bidimensional, é uma obra única.
PINTURA GREGA PINTURA ROMANA
São poucos os exemplares encontrados da pintura
grega, a grande maioria se perdeu. Foram
encontrados alguns afrescos em lajes existentes
em Salerno na Itália (1968), antiga possessão grega.
Podemos também ver modelos dessa pintura em
cópias existentes em Pompéia. A pintura grega
apresenta uma forma sintetizada com distinção
cromática clara entre figura e fundo.
Localizamos exemplos dessa pintura principalmente
na cerâmica grega.
Apesar de ser herdeira da tradição grega
a pintura romana apresenta elementos de
representação mais intenso que na arte
grega.
Existe uma busca pelo real, suas pinturas
trabalham com a volumetria e a tentativa
de representar o espaço físico que
habitamos com o máximo de
fidedignidade.
A maioria dos exemplos
encontrados se relacionam à
pintura mural. Não é atoa quea
origem do GRAFITTE está
associada às cidades
romanas.
CÊRAMICA
A cerâmica é a atividade de produção de artefatos a partir de argila umedecida, um material que admite tanto a modelagem de relevos
com também a pintura. Após submetida a uma secagem lenta à sombra para retirar a maior parte da água, a peça moldada é
submetida a altas temperaturas que lhe atribuem rigidez e resistência mediante a fusão de certos componentes da massa, fixando os
esmaltes das superfícies.
CÊRAMICA GREGA
A cerâmica é uma produção artística de caráter utilitário na
sociedade grega. Seus objetos desempanham desde funções de
natureza prática, como guarda, transporte, mistura e preparo de
alimentos, quanto de natureza religiosa, ligada a rituais funerários,
por exemplo. Além disso, seus ornamentos narram pequenas
histórias e lendas de sua mitologia.
Na cerâmica são encontrados os principais exemplos de sua
pintura que muitas vezes apresenta feição narrativa. Pode-se
enumerar os seguintes estilos: 1= geométrico, 2=figuras pretas em
fundo vermelho 3= figuras vermelhas em fundo preto
CÊRAMICA ROMANA
A cerâmica dos romanos cumpria
basicamente função de caráter
utilitário, certamente utilizavam o torno
na maioria de suas produções, em sua
maioria monocromáticas e com relevos.
Apostila - Grécia e Roma

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

2c14 Arte Romana e Museu do Louvre 2012
2c14 Arte Romana e Museu do Louvre 20122c14 Arte Romana e Museu do Louvre 2012
2c14 Arte Romana e Museu do Louvre 2012
 
Cultura do senado
Cultura do senadoCultura do senado
Cultura do senado
 
Pintura de Roma
Pintura de RomaPintura de Roma
Pintura de Roma
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
 
Arte romana
Arte romana Arte romana
Arte romana
 
Arte romana para blog
Arte romana para blogArte romana para blog
Arte romana para blog
 
Arte romana a arte romana desenvolveu
Arte romana a arte romana desenvolveuArte romana a arte romana desenvolveu
Arte romana a arte romana desenvolveu
 
Arte romana , 1º ano Novo Colégio.
Arte romana , 1º ano Novo Colégio.Arte romana , 1º ano Novo Colégio.
Arte romana , 1º ano Novo Colégio.
 
Arte Em Roma
Arte Em RomaArte Em Roma
Arte Em Roma
 
Escultura Romana
Escultura RomanaEscultura Romana
Escultura Romana
 
Cultura do Senado - Escultura romana
Cultura do Senado - Escultura romanaCultura do Senado - Escultura romana
Cultura do Senado - Escultura romana
 
escultura romana
escultura romanaescultura romana
escultura romana
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
 
A escultura romana
A escultura romanaA escultura romana
A escultura romana
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
 
A Arte De Roma CláSsica
A Arte De Roma CláSsicaA Arte De Roma CláSsica
A Arte De Roma CláSsica
 
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
 
A arte em roma
A arte em romaA arte em roma
A arte em roma
 

Destaque

Slide renascimento cultural
Slide   renascimento culturalSlide   renascimento cultural
Slide renascimento culturalNAPNE
 
Civilizações pré-colombianas
Civilizações pré-colombianasCivilizações pré-colombianas
Civilizações pré-colombianasNAPNE
 
As 7 maravilhas do mundo
As 7 maravilhas do mundoAs 7 maravilhas do mundo
As 7 maravilhas do mundoNAPNE
 
Vertebrados - aves e mamíferos
Vertebrados - aves e mamíferosVertebrados - aves e mamíferos
Vertebrados - aves e mamíferosNAPNE
 
Idade Média - História Geral - Prof. Marco Aurélio Gondim [www.gondim.net]
Idade Média - História Geral -  Prof. Marco Aurélio Gondim [www.gondim.net]Idade Média - História Geral -  Prof. Marco Aurélio Gondim [www.gondim.net]
Idade Média - História Geral - Prof. Marco Aurélio Gondim [www.gondim.net]Marco Aurélio Gondim
 
Idade média slide
Idade média slideIdade média slide
Idade média slidefernando1011
 
Idade média feudalismo
Idade média   feudalismoIdade média   feudalismo
Idade média feudalismoFatima Freitas
 
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015João Medeiros
 

Destaque (12)

Slide renascimento cultural
Slide   renascimento culturalSlide   renascimento cultural
Slide renascimento cultural
 
Civilizações pré-colombianas
Civilizações pré-colombianasCivilizações pré-colombianas
Civilizações pré-colombianas
 
As 7 maravilhas do mundo
As 7 maravilhas do mundoAs 7 maravilhas do mundo
As 7 maravilhas do mundo
 
Vertebrados - aves e mamíferos
Vertebrados - aves e mamíferosVertebrados - aves e mamíferos
Vertebrados - aves e mamíferos
 
reformas religiosas na europa
   reformas religiosas na europa   reformas religiosas na europa
reformas religiosas na europa
 
17 sociedade feudal
17   sociedade feudal17   sociedade feudal
17 sociedade feudal
 
Idade Média - História Geral - Prof. Marco Aurélio Gondim [www.gondim.net]
Idade Média - História Geral -  Prof. Marco Aurélio Gondim [www.gondim.net]Idade Média - História Geral -  Prof. Marco Aurélio Gondim [www.gondim.net]
Idade Média - História Geral - Prof. Marco Aurélio Gondim [www.gondim.net]
 
Idade média slide
Idade média slideIdade média slide
Idade média slide
 
Idade média feudalismo
Idade média   feudalismoIdade média   feudalismo
Idade média feudalismo
 
Populaçao brasileira
Populaçao brasileiraPopulaçao brasileira
Populaçao brasileira
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
 

Semelhante a Apostila - Grécia e Roma

Semelhante a Apostila - Grécia e Roma (20)

Arte Grega e Romana.docx
Arte Grega e Romana.docxArte Grega e Romana.docx
Arte Grega e Romana.docx
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
 
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Arte em roma
Arte em romaArte em roma
Arte em roma
 
A arte em roma
A arte em romaA arte em roma
A arte em roma
 
A arte romana
A arte romana A arte romana
A arte romana
 
História da arte grega e romana
História da arte grega e romanaHistória da arte grega e romana
História da arte grega e romana
 
HistóRia Da Arte
HistóRia Da ArteHistóRia Da Arte
HistóRia Da Arte
 
A Arte Em Roma Laysa
A Arte Em Roma   LaysaA Arte Em Roma   Laysa
A Arte Em Roma Laysa
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
 
A Arte em Roma
A Arte em RomaA Arte em Roma
A Arte em Roma
 
Escultura Romana CáTia Pereira
Escultura Romana   CáTia PereiraEscultura Romana   CáTia Pereira
Escultura Romana CáTia Pereira
 
Escola secundária de malhampsene arte greco romana
Escola secundária de malhampsene arte greco romanaEscola secundária de malhampsene arte greco romana
Escola secundária de malhampsene arte greco romana
 
Arte em roma
Arte em romaArte em roma
Arte em roma
 
Arte Clássica - cultura dos gregos e romanos.pptx
Arte Clássica - cultura dos gregos e romanos.pptxArte Clássica - cultura dos gregos e romanos.pptx
Arte Clássica - cultura dos gregos e romanos.pptx
 
Arte Clássica, Características gerais e outras abordagens
Arte Clássica, Características gerais e outras abordagensArte Clássica, Características gerais e outras abordagens
Arte Clássica, Características gerais e outras abordagens
 
Arte da Antiguidade Clássica - Grécia e Roma
Arte da Antiguidade Clássica - Grécia e RomaArte da Antiguidade Clássica - Grécia e Roma
Arte da Antiguidade Clássica - Grécia e Roma
 
41 roma resumos
41 roma resumos41 roma resumos
41 roma resumos
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
 

Mais de NAPNE

Literatura - Naturalismo
Literatura - NaturalismoLiteratura - Naturalismo
Literatura - NaturalismoNAPNE
 
Fisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - ResumoFisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - ResumoNAPNE
 
Sistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - ResumoSistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - ResumoNAPNE
 
Período composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoPeríodo composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoNAPNE
 
Orações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasOrações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasNAPNE
 
NAFTA
NAFTANAFTA
NAFTANAPNE
 
Imperialismo - EUA
Imperialismo - EUAImperialismo - EUA
Imperialismo - EUANAPNE
 
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)NAPNE
 
Literatura - Realismo
Literatura - RealismoLiteratura - Realismo
Literatura - RealismoNAPNE
 
Romantismo - Exercícios
Romantismo - ExercíciosRomantismo - Exercícios
Romantismo - ExercíciosNAPNE
 
Resumo - Física
Resumo - FísicaResumo - Física
Resumo - FísicaNAPNE
 
Digestão em humanos
Digestão em humanosDigestão em humanos
Digestão em humanosNAPNE
 
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)NAPNE
 
Biologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príonBiologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príonNAPNE
 
Atividades - Pré-História
Atividades - Pré-HistóriaAtividades - Pré-História
Atividades - Pré-HistóriaNAPNE
 
Geografia - Paisagens
Geografia - PaisagensGeografia - Paisagens
Geografia - PaisagensNAPNE
 
Ciências - Atividade
Ciências - AtividadeCiências - Atividade
Ciências - AtividadeNAPNE
 
Cruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e CulturaCruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e CulturaNAPNE
 
Literatura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - ProsaLiteratura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - ProsaNAPNE
 
Redação (texto dissertativo argumentativo)
Redação (texto dissertativo argumentativo)Redação (texto dissertativo argumentativo)
Redação (texto dissertativo argumentativo)NAPNE
 

Mais de NAPNE (20)

Literatura - Naturalismo
Literatura - NaturalismoLiteratura - Naturalismo
Literatura - Naturalismo
 
Fisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - ResumoFisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - Resumo
 
Sistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - ResumoSistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - Resumo
 
Período composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoPeríodo composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - Introdução
 
Orações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasOrações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivas
 
NAFTA
NAFTANAFTA
NAFTA
 
Imperialismo - EUA
Imperialismo - EUAImperialismo - EUA
Imperialismo - EUA
 
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
 
Literatura - Realismo
Literatura - RealismoLiteratura - Realismo
Literatura - Realismo
 
Romantismo - Exercícios
Romantismo - ExercíciosRomantismo - Exercícios
Romantismo - Exercícios
 
Resumo - Física
Resumo - FísicaResumo - Física
Resumo - Física
 
Digestão em humanos
Digestão em humanosDigestão em humanos
Digestão em humanos
 
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
 
Biologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príonBiologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príon
 
Atividades - Pré-História
Atividades - Pré-HistóriaAtividades - Pré-História
Atividades - Pré-História
 
Geografia - Paisagens
Geografia - PaisagensGeografia - Paisagens
Geografia - Paisagens
 
Ciências - Atividade
Ciências - AtividadeCiências - Atividade
Ciências - Atividade
 
Cruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e CulturaCruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e Cultura
 
Literatura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - ProsaLiteratura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - Prosa
 
Redação (texto dissertativo argumentativo)
Redação (texto dissertativo argumentativo)Redação (texto dissertativo argumentativo)
Redação (texto dissertativo argumentativo)
 

Último

APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptParticular
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasnarayaskara215
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 

Último (20)

APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 

Apostila - Grécia e Roma

  • 1. COLÉGIO PEDRO II CAMPUS TIJUCA II Profs.: Ângela Pereira, Cristina Pierre, Fabiano Oliveira e Germana Lucia de Araújo. Aluno(a) ________________________________________________ ARTES VISUAIS Turma _____________ ARTE CLÁSSICA – GRECO-ROMANA A denominação clássica apresenta dois pensamentos: o primeiro refere-se à produção artística e cultural de dois povos da antiguidade - os gregos e os romanos - que detiveram a hegemonia política do continente europeu durante a antiguidade entre 800 a.C. e 476 d.C.. A segunda percepção faz referencia ao tipo específico de arte que eles perseguiam, cuja regra na busca da beleza tinha como norma alguns preceitos de composição, relacionados ao equilíbrio, à proporção, à harmonia e à observação da natureza. Essa observação da natureza aliada a uma representação mais próxima do objeto enfocado em artes visuais denomina-se NATURALISMO, que em síntese busca imitar o real, e pode ser definida como uma das formas mais características da arte desses povos. O pensamento da cultura ocidental é em grande parte herança dessas civilizações. A civilização grega da antiguidade remonta a 800 a.C. Seu território situava-se as margens do Mar Mediterrâneo, sua religiosidade pode ser descrita como POLITEÍSTA, dominada por deuses imortais aos quais são atribuídas predicados tanto dos elementos da natureza, quanto dos sentimentos humanos. MITOLOGIA GREGA é o nome dado ás diversas lendas e histórias gregas sobre seus deuses, heróis e as explicações que eles traçaram sobre a origem do mundo. Os gregos são responsáveis pela concepção da democracia e da filosofia como a entendemos hoje, além de influenciarem nossa visão de arte. Sobre esse último tema, suas ideias estavam relacionadas à fatores como a técnica e ainda a BELEZA, que sempre estava ligada a utilidade e a um valor moral e ético que se queria alcançar. O legado grego foi absorvido pelos romanos, povo conquistador oriundo da cidade de Roma, que se apropriou dos seus principais deuses e de algumas de suas formas arquitetônicas e artísticas. Os romanos foram responsáveis por um vasto império que incorporou territórios na Europa, no Oriente e na África. Em termos de Arte a diferença mais marcante entre a arte grega e romana deve-se ao espírito prático destes últimos, delimitada por uma intensa rotina de construções destinadas à manutenção da cidade, com sua pavimentação, edificação de residência públicas e privadas, de aquedutos, pontes além de marcos comemorativos relacionados as suas conquistas (como a Coluna de Trajano ou o Arco de Constantino, por exemplo), baseados em uma forma arquitetônica desenvolvida pelos romanos – o ARCO. Mapa com Localização das principais culturas da Antiguidade
  • 2. GRÉCIA ROMA ARQUITETURA A arquitetura é a forma artística constituída de edificações construídas para abrigar o ser humana das intempéries e também para cumprir determinadas funções necessárias para a vida cotidiana. ARQUITETURA GREGA Os resquícios da arquitetura grega que observamos atualmente, concentram-se em poucos tipos específicos de prédios: os templos e os teatros. TEMPLOS GREGOS Os templos são exemplos de arquitetura religiosa, eles são construídos em homenagem aos deuses do panteão grego, presentes em sua mitologia. Apresentam forma simétrica, com colunas em todas as suas fachadas. O conjunto de colunas mais a parte superior do prédio são construídos de acordo com algumas normas formais denominadas de ordens arquitetônicas. O templo era construído sobre uma base de três degraus. As colunas sustentavam um entablamento horizontal formado por três partes: a arquitrave, o friso e a cornija. ARQUITETURA ROMANA Os Romanos herdaram dos gregos seu panteão de deuses (que foram rebatizados com outros nomes), dessa forma herdaram também algumas de suas formas arquetetônicas, como o templo e o teatro que ganharam novas concepções. TEMPLOS ROMANOS Diferente dos templos gregos o templo romano apresenta colunas apenas externamente, em seu interior eles são construídos com paredes. Utilizam também o conceito de ordem arquitetônica com os mesmos elementos dos gregos. Em alguns de seu templos são incorporados ao fundo formas circulares e a cúpula
  • 3. TEATRO É a edificação construída para a representação de uma história, originalmente relacionada a um caráter religioso ou mitológico, na Grécia se dividiam basicamente entre dois gêneros: asTragédias e as Comédias. Apesar de haver uma forma teatral romana, eles se apropiaram dos textos gregos em suas encenações. Enquanto que na Grécia as encenações obedeciam à um critério moral, em Roma tinham também um fim prático de promover o lazer para seus cidadãos. TEATRO GREGO De forma semi-circular o teatro grego era ao ar livre e aproveitava os terrenos montanhosos para sua edificação. Suas principais pruduções, As Tragédias, apresentavam um fundo moral que servia como modelo para a conduta do povo. TEATRO ROMANO O teatro romano também era de forma semi-circular . Entretanto, como lazer os romanos preferiam os ANFITEATROS, de formato circular ou elíptico, no qual assistiam lutas mortais entre guerreiros. ANFITEATROS ORDEM ARQUITETÔNICA 1 = COLUNA 2= ENTABLAMENTO 2.1 = FRONTÃO 2.2 = FRISO 2.3= CORNIJA 2 2.2 2.1 1 1 2.3 FUSTE COLUNA BASE CAPITEL TIPOS DE COLUNAS GREGAS DÓRICA JÔNICA CORÍNTIA
  • 4. Os exemplos que se seguem se relacionam à arquitetura romana. São sobretudo formas derivadas do arco, que foi utilizado como elemento de sustentanção e de decoração de diversas edificações no Império Romano, atendem a finalidades práticas ligadas à moradia, ao lazer, ao urbanismo e as comemorações. ESCULTURA A escultura é um meio artístico que se desenvolve no espaço tridimensional de arte, portanto apresenta altura, largura e profundidade. Ela pode ser plena ou em relevo. A escultura plena é aquela que nos permite circular a sua volta, pois é produzida sobre matéria modelada, enquanto que os relevos estão agregados à arquitetura, o que nos permite vê-los apenas frontalmente. Geralmente estas esculturas eram policromadas. Escultura em Relevo Escultura plena Residência em Pompéia Aquedutos Coliseu Acima a direita – esquema do arco romano Esquerda – Arco de Constantino Direita - Coluna de Trajano Panteão de Agripa
  • 5. ESCULTURA GREGA Apesar de trabalhar na observação da natureza, a Arte Grega é guiada por um pensamento idealista, o qual vai configurar sua composiçã a base de regras construtivas a partir da concepção de modelos. Podemos observar essa norma a partir da ideia do corpo ideal, que no caso de Policleto(escultor grego) tinha sete cabeças. Em sua grande maioria as obras gregas retratam os deuse e heróis, pois celebram neles sua concepção de modelos e de figuras exemplares. Podemos constatar nas imagens acima, como gradualmente a representação da figura humana tornas-e mais próxima da realidade, em relação aos detalhamentos corporais da musculatura, ao gestual e ao posicionamento físico das esculturas. Frequentemente os materias usados na escultura são principalmente a pedra, o mármore e o bronze. Nos relevos quase sempre eram retratadas cenas de batalha e ações do campo das a estórias e epopéias nas quais se incluiam as lutas e batalhas gregas. ESCULTURA ROMANA Diferente dos gregos os romanos preocumpam-se não com um modelo, mas com a concepção de representação da indiviudalidade, assim apresentavam as marcas de expressão que caracterizavam de maneira mais enfática a identidade das figuras esculpidas, principalmente das figuras mais relevantes em sua sociedade como os imperadores e guerreiros. Os romanos utilizavam com tema de sua escultura os governantes, soldados e também apresentava um culto aos antepassados, sempre retratados de maneira realista. Uma forma bem característica é a escultura equestre, que representa os imperadores simbolicamente em uma posição elevada em relação a maior da população. Também apresentavam uma escultura narrativa presente nas edificações dos arcos e colunas.
  • 6. PINTURA Meio de produção visual, que se caracteriza pelo uso da tinta sobre um suporte plano e bidimensional, é uma obra única. PINTURA GREGA PINTURA ROMANA São poucos os exemplares encontrados da pintura grega, a grande maioria se perdeu. Foram encontrados alguns afrescos em lajes existentes em Salerno na Itália (1968), antiga possessão grega. Podemos também ver modelos dessa pintura em cópias existentes em Pompéia. A pintura grega apresenta uma forma sintetizada com distinção cromática clara entre figura e fundo. Localizamos exemplos dessa pintura principalmente na cerâmica grega. Apesar de ser herdeira da tradição grega a pintura romana apresenta elementos de representação mais intenso que na arte grega. Existe uma busca pelo real, suas pinturas trabalham com a volumetria e a tentativa de representar o espaço físico que habitamos com o máximo de fidedignidade. A maioria dos exemplos encontrados se relacionam à pintura mural. Não é atoa quea origem do GRAFITTE está associada às cidades romanas. CÊRAMICA A cerâmica é a atividade de produção de artefatos a partir de argila umedecida, um material que admite tanto a modelagem de relevos com também a pintura. Após submetida a uma secagem lenta à sombra para retirar a maior parte da água, a peça moldada é submetida a altas temperaturas que lhe atribuem rigidez e resistência mediante a fusão de certos componentes da massa, fixando os esmaltes das superfícies.
  • 7. CÊRAMICA GREGA A cerâmica é uma produção artística de caráter utilitário na sociedade grega. Seus objetos desempanham desde funções de natureza prática, como guarda, transporte, mistura e preparo de alimentos, quanto de natureza religiosa, ligada a rituais funerários, por exemplo. Além disso, seus ornamentos narram pequenas histórias e lendas de sua mitologia. Na cerâmica são encontrados os principais exemplos de sua pintura que muitas vezes apresenta feição narrativa. Pode-se enumerar os seguintes estilos: 1= geométrico, 2=figuras pretas em fundo vermelho 3= figuras vermelhas em fundo preto CÊRAMICA ROMANA A cerâmica dos romanos cumpria basicamente função de caráter utilitário, certamente utilizavam o torno na maioria de suas produções, em sua maioria monocromáticas e com relevos.