SlideShare uma empresa Scribd logo
Reino Monera (Arqueas e
Bactérias)
HISTÓRICO
 Descobertas no séc. XVI – animálculos
 Redescobertas em XIX – relação com
doenças
 Seres mais abundantes do planeta
• Unicelulares
• Procariontes
• Só podem ser vistas com microscópio
• Sem microscópio é possível ver as colônias
Características:
Árvore Filogenética da vida: Os 3 Domínios
Ancestral
Comum
Semelhanças entre as simples Bactérias
(Domínios Archea e Bacteria) e os demais
organismos Eucariontes (Domínio Eukarya):
 Realizam a Glicólise (Primeira etapa da Respiração
celular; etapa anaeróbia; ocorre no citoplasma);
 Replicam o DNA de forma semiconservativa (ou
seja, para produzirem novas fitas de DNA, elas
necessitam de uma fita molde já existente);
 A partir das informações do DNA produzem
polipeptídeos (fazem Transcrição – DNARNA –
e Tradução – RNA Polipeptídeos);
 Possuem Membrana plasmática e Ribossomos
 Células Procariontes não possuem citoesqueleto
(logo, não realizam mitose. Se reproduzem por fissão
binária ou cissiparidade);
 O DNA dos procariontes fica disperso no citoplasma e
normalmente é um DNA circular (Nucleóide);
 Procariotos não possuem organelas membranosas
(Complexo Golgiense, Retículos endoplasmáticos liso
e rugoso, Mitocôndria...);
 O DNA dos procariontes é bem menor do que o DNA
dos eucariontes.
Diferenças entre as simples Bactérias (Domínios
Archea e Bacteria) e os demais organismos
Eucariontes (Domínio Eukarya):
Diferenças entre os Domínios Archea e Bacteria:
de peptidoglicano Sim Não
Árvore filogenética: Parentesco evolutivo
Ancestral comum à Bacteria,
Archea e Eukarya
Ancestral comum à Archea e
Eukarya
N° de ancestrais em
comum:
• Bacteria, Archea e
Eukarya = 1;
• Archea e Eukarya = 2
Quem possui maior
parentesco evolutivo?
• Surgiram há
aproximadamente 3,5
bilhões anos.
• Graça à estrutura celular
simples, bactérias podem
sobreviver em todos
ambientes da terra: no ar,
no solo, na água, vulcões,
no mar profundo, nas
fontes termais, no gelo, no
sal, na pele dos seres
humanos, etc.
Existência:
As bactérias que vivem em um
único trato gastrointestinal
humano excedem, em número,
todos os humanos que já
viveram!
Estrutura Celular: Bactéria
FÍMBRIAS
FLAGELO
Estrutura Celular: Cianobactéria
(algas azuis)  Aquáticas
(com o pigmento clorofila)
(substância adesiva)
(de peptidoglicano)
• Membrana Plasmática: Formada por fosfolipídeos;
• Nucleóide: Uma única molécula de DNA circular com
toda informação para sua sobrevivência;
• Plasmídeo: moléculas menores de DNA; normalmente
associadas a informação genética para resistência
bacteriana a antibióticos;
• Ribossomos: síntese protéica;
• Possuem Parede celular de Peptidoglicano (Ptn +
carboidrato);
• Não possuem citoesqueleto (logo, não fazem mitose pois
não formam os fusos mitóticos).
TODA Bactéria possui:
Membrana Plasmática +
Parede celular
ALGUMAS Bactérias podem
possuir:
1ª membrana Plasmática + Parede
celular + 2ª Membrana (Cápsula)
Bactérias GRAM - e GRAM +
Técnica de GRAM:
• Técnica desenvolvida por Hans Christian Gram (1884);
• Para facilitar a visualização de bactérias em microscópio;
Hans desenvolveu essa técnica de coração das células
bacterianas utilizando violeta de genciana;
• Diferenciação das bactérias GRAM + e GRAM -:
• GRAM + cor ROXA Parede celular grossa
• GRAN - cor ROSA Parede celular fina +
Cápsula (ou membrana externa)
São exemplos de bactérias Gram-
positivas várias espécies de:
- Estreptococos;
- Estafilococos;
- Enterococos.
São exemplos de bactérias Gram-
negativas:
- Vibrão Colérico;
- Colibacilo;
- Salmonelas.
• Corantes Roxa Gram-positiva – Grossa Parede de pptg.
Rosa  Gram-negativa – Fina Parede de pptg
+ 2ª camada Lipptn+polissac
Mais resistentes
CORANTE DE GRAM
• Cápsula – exterior à parede celular de peptidoglicano 
dificulta a fagocitose realizada pelas células de defesa do
nosso corpo ao tentar eliminar uma bactéria patogênica
• Parede celular – Espessa e rígida  peptidoglicanos (ptns +
carboidrato)  Protege contra o rompimento da membrana
plasmática;
• Citoplasma
• Flagelos – motilidade; locomoção;
• Fímbrias - reprodução
• Ribossomos - menores
• DNA circular - nucleóide
• Plasmídeos – vantagem  informação
genética para resistência a alguns antibióticos
Características relacionadas ao sucesso
evolutivo das Bactérias:
Bacilos (bastões)
Vibrião (virgula)
Espirilo (espiral)
Ação dos Antibióticos:
– Destroem a Parede Celular  Matam a bactéria;
– Alteram a permeabilidade da membrana plasmática;
– Inibem a síntese protéica;
– Inibem a síntese de ácidos nucléicos;
– Atuam na replicação cromossômica
Bacteriostáticos
Bactericida
Bacteriostáticos são medicamentos da classe
dos antibióticos que detêm o crescimento de
determinadas bactérias, dificultando sua proliferação e deixando ao
sistema imune a tarefa de eliminar as bactérias que já estão
presentes no organismo
Quanto a fonte de carbono:
• Autotrófica - Obtém átomos de carbono a partir do CO2;
• Heterótrofica – Obtém átomos de carbono a partir de moléculas Orgânicas;
Quanto a fonte de energia:
 Fototróficas- Luz como fonte primária de energia (Cianobactérias –> algas
azuis)
 Quimiotróficas – dependem da oxi-redução de compostos orgânicos ou
inorgânicos
 Fotoautotróficas, Foto-heterotróficas, quimioautotróficas e quimio-heterotróficas
NUTRIÇÃO:
Bactérias quanto a nutrição
Tipo de nutrição Fonte de energia
Fonte de
carbono Exemplos
Fotoautotrófica Luz Gás carbônico
Cianobactérias (Clorofila a) e
Proclorófitas (clorofila a e b) realizam
um processo similar a fotossítense
Sulfobactérias Substância doadoraa
de H é o H2S. Bacterioclorofila.
Anaeróbias obrigatórias.
Foto-heterotrófica Luz
Compostos
orgânicos
Bactérias não-sulforosas
(anaeróbias), não conseguem
converter gás carbônico em moléculas
orgânicas, por isso, utilizam compostos
orgânicos do meio para produzir os
seus.
Quimioautotrófica
Elétrons
energizados de
compostos
inorgânicos
Gás carbônico
Nitrobactérias e nitrossomonas
(fixam o N2) oxidam compostos
orgânicos a partir de CO2 e de H,
vindos de várias fontes.
Quimio-heterotrófica
Elétrons
energizados de
compostos
orgânicos
Compostos
orgânicos
Maioria das espécies. Saprofágicas ou
Parasitas
RESPIRAÇÃO CELULAR:
• Aeróbia – utilizam oxigênio como aceptor final de
elétrons;
•Anaeróbia – utilizam substâncias inorgânicas como
aceptor final de elétrons (N, S e carbonatos);
• Fermentação – Produz substâncias orgânicas de
interesse comercial.
Etapa 1: Glicólise
 Ocorre no Citosol de todas
as células;
 Em organismos ANAERÓBICOS, o Ácido Pirúvico formado a
partir da quebra da molécula de glicose pode ser
transformado (pelo processo de Fermentação) em : Ácido
Lático, Álcool Etílco ou Ácido Acético;
 Em organismos AERÓBICOS e EUCARIONTES, o Ácido
Pirúvico será encaminhado Pra Mitocôndria (onde ocorrem o
Ciclo de Krebs e a Cadeia Respiratória)
Entrar na
Mitocôndria
(Ciclo de Krebs e
Cadeia
Respiratória)
AeróbicaAnaeróbica
Etapa 2: Destino do Ácido Pirúvico
Fermentação Lática:
Fermentação Alcoólica:
Fermentação Acética:
Ácido
Pirúvico (3C)
Ácido
Pirúvico (3C)
Reprodução:
ASSEXUADA
• Bipartição (ou Cissiparidade)
• Transformação
• Conjugação
• Transdução (com a utilização de um
Bacteriófago)
Realizam troca de fragmentos de DNA
 Recombinação Gênica  Aumento
da variabilidade genética!!!!!
Nesse processo a célula bacteriana duplica seu
cromossomo e se divide ao meio, apoiado no mesossomo,
originando duas novas bactérias idênticas à original.
Obs:Em condições desfavoráveis algumas bactérias formam
esporos, que podem sobreviver milhões de anos.
Bipartição ou Cissiparidade:
Transformação:
Bactéria 1  Morreu e seu
DNA ficou solto no meio.
Bactéria 2  Adquiriu o DNA da Bactéria
1 e o incorporou em seu próprio DNA.
Conjugação:
Pili
Transdução:
É quando uma bactéria tem pedaços de seu material
genético transportado para outra bactéria, através da ação de
vírus bacteriófagos
Bactéria com Genoma
Recombinante
BENEFÍCIO PATOGENIDADE
 Produção de
alimentos
e bebidas;
 Degradação de
lixo problemático
(decompositoras);
 Produção de medicamentos;
 Digestão (Escherichia coli)
 Microrganismos patogênico;
 Deterioração dos
alimentos (decompositores);
 Corrosão.
Diversidade Bacteriana:
ARQUEOBACTÉRIAS (Domínio: Archea)
 Sofreram poucas modificações desde os
Procariontes primitivos que as originaram;
 Podem ser dos tipos:
HALÓFILAS (HALOS, SAL):
Vivem em locais com SALINIDADE elevada,
como o Mar Morto.
TERMOACIDÓFILAS:
Vivem em fontes termais, onde a temperatura
varia de 60°C à 80°C.
METANOGÊNICAS:
Vivem em regiões alagadas e no interior do tubo
digestivo de insetos como o Cupim ou roedores
herbívoros.
 PRODUZEM O GÁS METANO;
 SÃO ANAERÓBICAS.
Reino Monera (Domínio Eubacteria)
 Têm uma grande diversidade metabólica;
 Podem habitar desde o solo, até a superfície
das águas e os tecidos dos organismos vivos
ou em decomposição.
IMPORTÂNCIA DAS BACTÉRIAS:
 INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS: LACTOBACILUS E
STREPTOCOCUS;
 BIOTECNOLOGIA: PRODUÇÃO DE METANOL,
BUTANOL E ACETONA;
 ENGENHARIA GENÉTICA: AS BACTÉRIAS SÃO
ALTERADAS GENETICAMENTE PARA
PRODUZIREM SUBSTÂNCIAS ESPECIAIS COMO A
INSULINA HUMANA;
 BACTÉRIAS PATOGÊNICAS
 DO GREGO:
- PATHOS = DOENCA
- GÊNESIS = QUE GERA.
DOENÇAS CAUSADAS POR
BACTÉRIAS

- PESTE BUBÔNICA
- PESTE PNEUMÔNICA
- LEPTOSPIROSE
- SÍFILIS OU LUES
- DESENTERIAS
- COQUELUCHE
- TÉTANO
- MENINGITE
- CANCRO
- BOTULISMO
DOENÇAS CAUSADAS POR BACTÉRIAS
 LEPRA (HANSENÍASE)
- TUBERCULOSE
- PNEUMONIA
- BLENORRAGIA OU GONORRÉIA
- FEBRE TIFÓIDE
- TIFO
- DIFTERIA OU CRUPE
- CÓLERA
 ANTRAX - DOENÇA CAUSADA PELO
BACILLUS ANTHRACIS.
 A INALAÇÃO DOS ESPOROS COSTUMA
SER FATAL.
 CONTAMINAÇÃO:
 POR INALAÇÃO,
 INGESTÃO DE ALIMENTOS
CONTAMINADOS OU
 CONTATO DOS ESPOROS COM A PELE.
VIBRIÃO:EM FORMA DE VÍRGULA
Treponema pallidum - SÍFILIS
PSEUDOMONAS
Oscilatoria princeps
Neisseria meningitidis
Neisseria gonorrhoeae
Escherichia coli
BIOFILME

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
Nelson Costa
 
V.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
V.5 Angiospermas - flor, fruto e sementeV.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
V.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
Rebeca Vale
 
II.4 Reino Fungi
II.4 Reino FungiII.4 Reino Fungi
II.4 Reino Fungi
Rebeca Vale
 
IV. 1 Formação de novas espécies
IV. 1 Formação de novas espéciesIV. 1 Formação de novas espécies
IV. 1 Formação de novas espécies
Rebeca Vale
 
I.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivosI.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivos
Rebeca Vale
 
Aula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetalAula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetal
BIOLOGIA Associação Pré-FEDERAL
 
Reino plantae primeira aula
Reino plantae primeira aulaReino plantae primeira aula
Reino plantae primeira aula
Professora Raquel
 
Sistematica e filogenia
Sistematica e filogeniaSistematica e filogenia
Sistematica e filogenia
unesp
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Fatima Comiotto
 
As Algas
As AlgasAs Algas
As Algas
thaysribeiro
 
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino MoneraAula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
Leonardo Kaplan
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
Briofitas
jcrrios
 
Reino Plantas
Reino PlantasReino Plantas
Reino Plantas
infoeducp2
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
Fatima Comiotto
 
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicasFluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
Silvana Sanches
 
V.3 Gimnospermas
V.3 GimnospermasV.3 Gimnospermas
V.3 Gimnospermas
Rebeca Vale
 
Evolução das plantas
Evolução das plantasEvolução das plantas
Evolução das plantas
Jaqueline Sarges
 
Bactérias
BactériasBactérias
Bactérias
DeaaSouza
 
Seleção natural e adaptação
Seleção natural e adaptaçãoSeleção natural e adaptação
Seleção natural e adaptação
Kamila Joyce
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
Felipe Cavalcante
 

Mais procurados (20)

Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
 
V.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
V.5 Angiospermas - flor, fruto e sementeV.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
V.5 Angiospermas - flor, fruto e semente
 
II.4 Reino Fungi
II.4 Reino FungiII.4 Reino Fungi
II.4 Reino Fungi
 
IV. 1 Formação de novas espécies
IV. 1 Formação de novas espéciesIV. 1 Formação de novas espécies
IV. 1 Formação de novas espécies
 
I.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivosI.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivos
 
Aula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetalAula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetal
 
Reino plantae primeira aula
Reino plantae primeira aulaReino plantae primeira aula
Reino plantae primeira aula
 
Sistematica e filogenia
Sistematica e filogeniaSistematica e filogenia
Sistematica e filogenia
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
As Algas
As AlgasAs Algas
As Algas
 
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino MoneraAula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
Briofitas
 
Reino Plantas
Reino PlantasReino Plantas
Reino Plantas
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
 
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicasFluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
 
V.3 Gimnospermas
V.3 GimnospermasV.3 Gimnospermas
V.3 Gimnospermas
 
Evolução das plantas
Evolução das plantasEvolução das plantas
Evolução das plantas
 
Bactérias
BactériasBactérias
Bactérias
 
Seleção natural e adaptação
Seleção natural e adaptaçãoSeleção natural e adaptação
Seleção natural e adaptação
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 

Destaque

O reino bactéria e o reino arquea
O reino bactéria e o reino arqueaO reino bactéria e o reino arquea
O reino bactéria e o reino arquea
Glayson Sombra
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
Nati2011Ferrazza
 
Vitaminas
VitaminasVitaminas
Vitaminas
NAPNE
 
Caracteristicas dos seres vivos - Resumo
Caracteristicas dos seres vivos - ResumoCaracteristicas dos seres vivos - Resumo
Caracteristicas dos seres vivos - Resumo
NAPNE
 
Membrana Celular
Membrana CelularMembrana Celular
Membrana Celular
NAPNE
 
Biologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príonBiologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príon
NAPNE
 
Metabolismo de Controle - DNA e RNA
Metabolismo de Controle - DNA e RNAMetabolismo de Controle - DNA e RNA
Metabolismo de Controle - DNA e RNA
NAPNE
 
Biologia - Fenômeno da vida
Biologia - Fenômeno da vidaBiologia - Fenômeno da vida
Biologia - Fenômeno da vida
NAPNE
 
Diagnóstico de rua
Diagnóstico de ruaDiagnóstico de rua
Diagnóstico de rua
Diego Félix
 
Digestão em humanos
Digestão em humanosDigestão em humanos
Digestão em humanos
NAPNE
 
Sistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - ResumoSistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - Resumo
NAPNE
 
2 s aula 3_monera _março_2014
2 s aula 3_monera _março_20142 s aula 3_monera _março_2014
2 s aula 3_monera _março_2014
Ionara Urrutia Moura
 
Durval origem da vida - versão definitiva
Durval   origem da vida - versão definitivaDurval   origem da vida - versão definitiva
Durval origem da vida - versão definitiva
tenraquel
 
Archaea
ArchaeaArchaea
Archaea
emanuel
 
Fisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - ResumoFisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - Resumo
NAPNE
 
Slide e resumo: Reino monera
Slide e resumo: Reino moneraSlide e resumo: Reino monera
Slide e resumo: Reino monera
Ronanzito
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
Rita Galrito
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
Bantim27
 
Aula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia BactériasAula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia Bactérias
Tiago da Silva
 
Aula bactérias
Aula bactériasAula bactérias
Aula bactérias
Erik Macedo
 

Destaque (20)

O reino bactéria e o reino arquea
O reino bactéria e o reino arqueaO reino bactéria e o reino arquea
O reino bactéria e o reino arquea
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 
Vitaminas
VitaminasVitaminas
Vitaminas
 
Caracteristicas dos seres vivos - Resumo
Caracteristicas dos seres vivos - ResumoCaracteristicas dos seres vivos - Resumo
Caracteristicas dos seres vivos - Resumo
 
Membrana Celular
Membrana CelularMembrana Celular
Membrana Celular
 
Biologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príonBiologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príon
 
Metabolismo de Controle - DNA e RNA
Metabolismo de Controle - DNA e RNAMetabolismo de Controle - DNA e RNA
Metabolismo de Controle - DNA e RNA
 
Biologia - Fenômeno da vida
Biologia - Fenômeno da vidaBiologia - Fenômeno da vida
Biologia - Fenômeno da vida
 
Diagnóstico de rua
Diagnóstico de ruaDiagnóstico de rua
Diagnóstico de rua
 
Digestão em humanos
Digestão em humanosDigestão em humanos
Digestão em humanos
 
Sistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - ResumoSistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - Resumo
 
2 s aula 3_monera _março_2014
2 s aula 3_monera _março_20142 s aula 3_monera _março_2014
2 s aula 3_monera _março_2014
 
Durval origem da vida - versão definitiva
Durval   origem da vida - versão definitivaDurval   origem da vida - versão definitiva
Durval origem da vida - versão definitiva
 
Archaea
ArchaeaArchaea
Archaea
 
Fisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - ResumoFisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - Resumo
 
Slide e resumo: Reino monera
Slide e resumo: Reino moneraSlide e resumo: Reino monera
Slide e resumo: Reino monera
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Aula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia BactériasAula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia Bactérias
 
Aula bactérias
Aula bactériasAula bactérias
Aula bactérias
 

Semelhante a Reino Monera (Arqueas e Bactérias)

Bruna Eduarda Silva Ferreira - Reino Monera.pptx
Bruna Eduarda Silva Ferreira - Reino Monera.pptxBruna Eduarda Silva Ferreira - Reino Monera.pptx
Bruna Eduarda Silva Ferreira - Reino Monera.pptx
BrunaFerreira517808
 
Reino Monera Para Anglo
Reino Monera Para AngloReino Monera Para Anglo
Reino Monera Para Anglo
guest8fc71c
 
Aula 2 e 3.pdf
Aula 2 e 3.pdfAula 2 e 3.pdf
Aula 2 e 3.pdf
BelaFortes2
 
reinomonera-090528144523-phpapp01.pptx
reinomonera-090528144523-phpapp01.pptxreinomonera-090528144523-phpapp01.pptx
reinomonera-090528144523-phpapp01.pptx
ManuelCarlosdaCostad
 
ClassificaçãO Dos Seres Vivos (2)
ClassificaçãO Dos Seres Vivos (2)ClassificaçãO Dos Seres Vivos (2)
ClassificaçãO Dos Seres Vivos (2)
Igor Machado Moura
 
Semi virus, monera fungi e protista
Semi   virus, monera fungi e protistaSemi   virus, monera fungi e protista
Semi virus, monera fungi e protista
Marcos Albuquerque
 
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidadeAula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Hamilton Nobrega
 
Fungos e algas
Fungos e algasFungos e algas
Fungos e algas
aulasdotubao
 
Fungos e algas
Fungos e algasFungos e algas
Fungos e algas
aulasdotubao
 
Fungos e algas
Fungos e algasFungos e algas
Fungos e algas
aulasdotubao
 
Monera
MoneraMonera
A1 origem-organização-celular
A1 origem-organização-celularA1 origem-organização-celular
A1 origem-organização-celular
Simone Costa
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
pamelacastro71
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
pamelacastro71
 
BIO_AP_Microbiologia_Reino Monera.pdf
BIO_AP_Microbiologia_Reino Monera.pdfBIO_AP_Microbiologia_Reino Monera.pdf
BIO_AP_Microbiologia_Reino Monera.pdf
CecliaArajo15
 
Especialidade de bactérias
Especialidade de bactériasEspecialidade de bactérias
Especialidade de bactérias
Ed Wilson Santos
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
biohorrores
 
4 monera
4   monera4   monera
4 monera
Pelo Siro
 
Micro ppes2
Micro ppes2Micro ppes2
Micro ppes2
familiaestagio
 
aulabacterias-140407085205-phpapp01.pptx
aulabacterias-140407085205-phpapp01.pptxaulabacterias-140407085205-phpapp01.pptx
aulabacterias-140407085205-phpapp01.pptx
lvaroCosta22
 

Semelhante a Reino Monera (Arqueas e Bactérias) (20)

Bruna Eduarda Silva Ferreira - Reino Monera.pptx
Bruna Eduarda Silva Ferreira - Reino Monera.pptxBruna Eduarda Silva Ferreira - Reino Monera.pptx
Bruna Eduarda Silva Ferreira - Reino Monera.pptx
 
Reino Monera Para Anglo
Reino Monera Para AngloReino Monera Para Anglo
Reino Monera Para Anglo
 
Aula 2 e 3.pdf
Aula 2 e 3.pdfAula 2 e 3.pdf
Aula 2 e 3.pdf
 
reinomonera-090528144523-phpapp01.pptx
reinomonera-090528144523-phpapp01.pptxreinomonera-090528144523-phpapp01.pptx
reinomonera-090528144523-phpapp01.pptx
 
ClassificaçãO Dos Seres Vivos (2)
ClassificaçãO Dos Seres Vivos (2)ClassificaçãO Dos Seres Vivos (2)
ClassificaçãO Dos Seres Vivos (2)
 
Semi virus, monera fungi e protista
Semi   virus, monera fungi e protistaSemi   virus, monera fungi e protista
Semi virus, monera fungi e protista
 
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidadeAula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
 
Fungos e algas
Fungos e algasFungos e algas
Fungos e algas
 
Fungos e algas
Fungos e algasFungos e algas
Fungos e algas
 
Fungos e algas
Fungos e algasFungos e algas
Fungos e algas
 
Monera
MoneraMonera
Monera
 
A1 origem-organização-celular
A1 origem-organização-celularA1 origem-organização-celular
A1 origem-organização-celular
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
BIO_AP_Microbiologia_Reino Monera.pdf
BIO_AP_Microbiologia_Reino Monera.pdfBIO_AP_Microbiologia_Reino Monera.pdf
BIO_AP_Microbiologia_Reino Monera.pdf
 
Especialidade de bactérias
Especialidade de bactériasEspecialidade de bactérias
Especialidade de bactérias
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
4 monera
4   monera4   monera
4 monera
 
Micro ppes2
Micro ppes2Micro ppes2
Micro ppes2
 
aulabacterias-140407085205-phpapp01.pptx
aulabacterias-140407085205-phpapp01.pptxaulabacterias-140407085205-phpapp01.pptx
aulabacterias-140407085205-phpapp01.pptx
 

Mais de NAPNE

Literatura - Naturalismo
Literatura - NaturalismoLiteratura - Naturalismo
Literatura - Naturalismo
NAPNE
 
Slide renascimento cultural
Slide   renascimento culturalSlide   renascimento cultural
Slide renascimento cultural
NAPNE
 
Período composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoPeríodo composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - Introdução
NAPNE
 
Orações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasOrações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivas
NAPNE
 
NAFTA
NAFTANAFTA
NAFTA
NAPNE
 
Imperialismo - EUA
Imperialismo - EUAImperialismo - EUA
Imperialismo - EUA
NAPNE
 
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
NAPNE
 
Literatura - Realismo
Literatura - RealismoLiteratura - Realismo
Literatura - Realismo
NAPNE
 
Romantismo - Exercícios
Romantismo - ExercíciosRomantismo - Exercícios
Romantismo - Exercícios
NAPNE
 
Resumo - Física
Resumo - FísicaResumo - Física
Resumo - Física
NAPNE
 
Atividades - Pré-História
Atividades - Pré-HistóriaAtividades - Pré-História
Atividades - Pré-História
NAPNE
 
Geografia - Paisagens
Geografia - PaisagensGeografia - Paisagens
Geografia - Paisagens
NAPNE
 
Ciências - Atividade
Ciências - AtividadeCiências - Atividade
Ciências - Atividade
NAPNE
 
Cruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e CulturaCruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e Cultura
NAPNE
 
Apostila - Grécia e Roma
Apostila - Grécia e RomaApostila - Grécia e Roma
Apostila - Grécia e Roma
NAPNE
 
Literatura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - ProsaLiteratura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - Prosa
NAPNE
 
Redação (texto dissertativo argumentativo)
Redação (texto dissertativo argumentativo)Redação (texto dissertativo argumentativo)
Redação (texto dissertativo argumentativo)
NAPNE
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
NAPNE
 
Emile Durkheim - Resumo
Emile Durkheim - ResumoEmile Durkheim - Resumo
Emile Durkheim - Resumo
NAPNE
 
Estados Físicos da materia - Resumo
Estados Físicos da materia - ResumoEstados Físicos da materia - Resumo
Estados Físicos da materia - Resumo
NAPNE
 

Mais de NAPNE (20)

Literatura - Naturalismo
Literatura - NaturalismoLiteratura - Naturalismo
Literatura - Naturalismo
 
Slide renascimento cultural
Slide   renascimento culturalSlide   renascimento cultural
Slide renascimento cultural
 
Período composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoPeríodo composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - Introdução
 
Orações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasOrações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivas
 
NAFTA
NAFTANAFTA
NAFTA
 
Imperialismo - EUA
Imperialismo - EUAImperialismo - EUA
Imperialismo - EUA
 
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
 
Literatura - Realismo
Literatura - RealismoLiteratura - Realismo
Literatura - Realismo
 
Romantismo - Exercícios
Romantismo - ExercíciosRomantismo - Exercícios
Romantismo - Exercícios
 
Resumo - Física
Resumo - FísicaResumo - Física
Resumo - Física
 
Atividades - Pré-História
Atividades - Pré-HistóriaAtividades - Pré-História
Atividades - Pré-História
 
Geografia - Paisagens
Geografia - PaisagensGeografia - Paisagens
Geografia - Paisagens
 
Ciências - Atividade
Ciências - AtividadeCiências - Atividade
Ciências - Atividade
 
Cruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e CulturaCruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e Cultura
 
Apostila - Grécia e Roma
Apostila - Grécia e RomaApostila - Grécia e Roma
Apostila - Grécia e Roma
 
Literatura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - ProsaLiteratura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - Prosa
 
Redação (texto dissertativo argumentativo)
Redação (texto dissertativo argumentativo)Redação (texto dissertativo argumentativo)
Redação (texto dissertativo argumentativo)
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Emile Durkheim - Resumo
Emile Durkheim - ResumoEmile Durkheim - Resumo
Emile Durkheim - Resumo
 
Estados Físicos da materia - Resumo
Estados Físicos da materia - ResumoEstados Físicos da materia - Resumo
Estados Físicos da materia - Resumo
 

Último

A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
JohnnyLima16
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
maria-oliveira
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 

Último (20)

A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 

Reino Monera (Arqueas e Bactérias)

  • 1. Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
  • 2. HISTÓRICO  Descobertas no séc. XVI – animálculos  Redescobertas em XIX – relação com doenças  Seres mais abundantes do planeta
  • 3. • Unicelulares • Procariontes • Só podem ser vistas com microscópio • Sem microscópio é possível ver as colônias Características:
  • 4. Árvore Filogenética da vida: Os 3 Domínios Ancestral Comum
  • 5. Semelhanças entre as simples Bactérias (Domínios Archea e Bacteria) e os demais organismos Eucariontes (Domínio Eukarya):  Realizam a Glicólise (Primeira etapa da Respiração celular; etapa anaeróbia; ocorre no citoplasma);  Replicam o DNA de forma semiconservativa (ou seja, para produzirem novas fitas de DNA, elas necessitam de uma fita molde já existente);  A partir das informações do DNA produzem polipeptídeos (fazem Transcrição – DNARNA – e Tradução – RNA Polipeptídeos);  Possuem Membrana plasmática e Ribossomos
  • 6.  Células Procariontes não possuem citoesqueleto (logo, não realizam mitose. Se reproduzem por fissão binária ou cissiparidade);  O DNA dos procariontes fica disperso no citoplasma e normalmente é um DNA circular (Nucleóide);  Procariotos não possuem organelas membranosas (Complexo Golgiense, Retículos endoplasmáticos liso e rugoso, Mitocôndria...);  O DNA dos procariontes é bem menor do que o DNA dos eucariontes. Diferenças entre as simples Bactérias (Domínios Archea e Bacteria) e os demais organismos Eucariontes (Domínio Eukarya):
  • 7. Diferenças entre os Domínios Archea e Bacteria: de peptidoglicano Sim Não
  • 8. Árvore filogenética: Parentesco evolutivo Ancestral comum à Bacteria, Archea e Eukarya Ancestral comum à Archea e Eukarya N° de ancestrais em comum: • Bacteria, Archea e Eukarya = 1; • Archea e Eukarya = 2 Quem possui maior parentesco evolutivo?
  • 9. • Surgiram há aproximadamente 3,5 bilhões anos. • Graça à estrutura celular simples, bactérias podem sobreviver em todos ambientes da terra: no ar, no solo, na água, vulcões, no mar profundo, nas fontes termais, no gelo, no sal, na pele dos seres humanos, etc. Existência: As bactérias que vivem em um único trato gastrointestinal humano excedem, em número, todos os humanos que já viveram!
  • 12. Estrutura Celular: Cianobactéria (algas azuis)  Aquáticas (com o pigmento clorofila) (substância adesiva) (de peptidoglicano)
  • 13. • Membrana Plasmática: Formada por fosfolipídeos; • Nucleóide: Uma única molécula de DNA circular com toda informação para sua sobrevivência; • Plasmídeo: moléculas menores de DNA; normalmente associadas a informação genética para resistência bacteriana a antibióticos; • Ribossomos: síntese protéica; • Possuem Parede celular de Peptidoglicano (Ptn + carboidrato); • Não possuem citoesqueleto (logo, não fazem mitose pois não formam os fusos mitóticos).
  • 14. TODA Bactéria possui: Membrana Plasmática + Parede celular ALGUMAS Bactérias podem possuir: 1ª membrana Plasmática + Parede celular + 2ª Membrana (Cápsula)
  • 15. Bactérias GRAM - e GRAM +
  • 16. Técnica de GRAM: • Técnica desenvolvida por Hans Christian Gram (1884); • Para facilitar a visualização de bactérias em microscópio; Hans desenvolveu essa técnica de coração das células bacterianas utilizando violeta de genciana; • Diferenciação das bactérias GRAM + e GRAM -: • GRAM + cor ROXA Parede celular grossa • GRAN - cor ROSA Parede celular fina + Cápsula (ou membrana externa)
  • 17. São exemplos de bactérias Gram- positivas várias espécies de: - Estreptococos; - Estafilococos; - Enterococos. São exemplos de bactérias Gram- negativas: - Vibrão Colérico; - Colibacilo; - Salmonelas. • Corantes Roxa Gram-positiva – Grossa Parede de pptg. Rosa  Gram-negativa – Fina Parede de pptg + 2ª camada Lipptn+polissac Mais resistentes CORANTE DE GRAM
  • 18. • Cápsula – exterior à parede celular de peptidoglicano  dificulta a fagocitose realizada pelas células de defesa do nosso corpo ao tentar eliminar uma bactéria patogênica • Parede celular – Espessa e rígida  peptidoglicanos (ptns + carboidrato)  Protege contra o rompimento da membrana plasmática; • Citoplasma • Flagelos – motilidade; locomoção; • Fímbrias - reprodução • Ribossomos - menores • DNA circular - nucleóide • Plasmídeos – vantagem  informação genética para resistência a alguns antibióticos Características relacionadas ao sucesso evolutivo das Bactérias:
  • 20. Ação dos Antibióticos: – Destroem a Parede Celular  Matam a bactéria; – Alteram a permeabilidade da membrana plasmática; – Inibem a síntese protéica; – Inibem a síntese de ácidos nucléicos; – Atuam na replicação cromossômica Bacteriostáticos Bactericida Bacteriostáticos são medicamentos da classe dos antibióticos que detêm o crescimento de determinadas bactérias, dificultando sua proliferação e deixando ao sistema imune a tarefa de eliminar as bactérias que já estão presentes no organismo
  • 21. Quanto a fonte de carbono: • Autotrófica - Obtém átomos de carbono a partir do CO2; • Heterótrofica – Obtém átomos de carbono a partir de moléculas Orgânicas; Quanto a fonte de energia:  Fototróficas- Luz como fonte primária de energia (Cianobactérias –> algas azuis)  Quimiotróficas – dependem da oxi-redução de compostos orgânicos ou inorgânicos  Fotoautotróficas, Foto-heterotróficas, quimioautotróficas e quimio-heterotróficas NUTRIÇÃO:
  • 22. Bactérias quanto a nutrição Tipo de nutrição Fonte de energia Fonte de carbono Exemplos Fotoautotrófica Luz Gás carbônico Cianobactérias (Clorofila a) e Proclorófitas (clorofila a e b) realizam um processo similar a fotossítense Sulfobactérias Substância doadoraa de H é o H2S. Bacterioclorofila. Anaeróbias obrigatórias. Foto-heterotrófica Luz Compostos orgânicos Bactérias não-sulforosas (anaeróbias), não conseguem converter gás carbônico em moléculas orgânicas, por isso, utilizam compostos orgânicos do meio para produzir os seus. Quimioautotrófica Elétrons energizados de compostos inorgânicos Gás carbônico Nitrobactérias e nitrossomonas (fixam o N2) oxidam compostos orgânicos a partir de CO2 e de H, vindos de várias fontes. Quimio-heterotrófica Elétrons energizados de compostos orgânicos Compostos orgânicos Maioria das espécies. Saprofágicas ou Parasitas
  • 23. RESPIRAÇÃO CELULAR: • Aeróbia – utilizam oxigênio como aceptor final de elétrons; •Anaeróbia – utilizam substâncias inorgânicas como aceptor final de elétrons (N, S e carbonatos); • Fermentação – Produz substâncias orgânicas de interesse comercial.
  • 24.
  • 25. Etapa 1: Glicólise  Ocorre no Citosol de todas as células;  Em organismos ANAERÓBICOS, o Ácido Pirúvico formado a partir da quebra da molécula de glicose pode ser transformado (pelo processo de Fermentação) em : Ácido Lático, Álcool Etílco ou Ácido Acético;  Em organismos AERÓBICOS e EUCARIONTES, o Ácido Pirúvico será encaminhado Pra Mitocôndria (onde ocorrem o Ciclo de Krebs e a Cadeia Respiratória)
  • 26. Entrar na Mitocôndria (Ciclo de Krebs e Cadeia Respiratória) AeróbicaAnaeróbica Etapa 2: Destino do Ácido Pirúvico
  • 30. Reprodução: ASSEXUADA • Bipartição (ou Cissiparidade) • Transformação • Conjugação • Transdução (com a utilização de um Bacteriófago) Realizam troca de fragmentos de DNA  Recombinação Gênica  Aumento da variabilidade genética!!!!!
  • 31. Nesse processo a célula bacteriana duplica seu cromossomo e se divide ao meio, apoiado no mesossomo, originando duas novas bactérias idênticas à original. Obs:Em condições desfavoráveis algumas bactérias formam esporos, que podem sobreviver milhões de anos. Bipartição ou Cissiparidade:
  • 32. Transformação: Bactéria 1  Morreu e seu DNA ficou solto no meio. Bactéria 2  Adquiriu o DNA da Bactéria 1 e o incorporou em seu próprio DNA.
  • 34. Transdução: É quando uma bactéria tem pedaços de seu material genético transportado para outra bactéria, através da ação de vírus bacteriófagos Bactéria com Genoma Recombinante
  • 35. BENEFÍCIO PATOGENIDADE  Produção de alimentos e bebidas;  Degradação de lixo problemático (decompositoras);  Produção de medicamentos;  Digestão (Escherichia coli)  Microrganismos patogênico;  Deterioração dos alimentos (decompositores);  Corrosão. Diversidade Bacteriana:
  • 36. ARQUEOBACTÉRIAS (Domínio: Archea)  Sofreram poucas modificações desde os Procariontes primitivos que as originaram;  Podem ser dos tipos: HALÓFILAS (HALOS, SAL): Vivem em locais com SALINIDADE elevada, como o Mar Morto.
  • 37. TERMOACIDÓFILAS: Vivem em fontes termais, onde a temperatura varia de 60°C à 80°C. METANOGÊNICAS: Vivem em regiões alagadas e no interior do tubo digestivo de insetos como o Cupim ou roedores herbívoros.  PRODUZEM O GÁS METANO;  SÃO ANAERÓBICAS.
  • 38. Reino Monera (Domínio Eubacteria)  Têm uma grande diversidade metabólica;  Podem habitar desde o solo, até a superfície das águas e os tecidos dos organismos vivos ou em decomposição.
  • 39. IMPORTÂNCIA DAS BACTÉRIAS:  INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS: LACTOBACILUS E STREPTOCOCUS;  BIOTECNOLOGIA: PRODUÇÃO DE METANOL, BUTANOL E ACETONA;  ENGENHARIA GENÉTICA: AS BACTÉRIAS SÃO ALTERADAS GENETICAMENTE PARA PRODUZIREM SUBSTÂNCIAS ESPECIAIS COMO A INSULINA HUMANA;
  • 40.
  • 41.  BACTÉRIAS PATOGÊNICAS  DO GREGO: - PATHOS = DOENCA - GÊNESIS = QUE GERA.
  • 42. DOENÇAS CAUSADAS POR BACTÉRIAS  - PESTE BUBÔNICA - PESTE PNEUMÔNICA - LEPTOSPIROSE - SÍFILIS OU LUES - DESENTERIAS - COQUELUCHE - TÉTANO - MENINGITE - CANCRO - BOTULISMO
  • 43. DOENÇAS CAUSADAS POR BACTÉRIAS  LEPRA (HANSENÍASE) - TUBERCULOSE - PNEUMONIA - BLENORRAGIA OU GONORRÉIA - FEBRE TIFÓIDE - TIFO - DIFTERIA OU CRUPE - CÓLERA
  • 44.  ANTRAX - DOENÇA CAUSADA PELO BACILLUS ANTHRACIS.  A INALAÇÃO DOS ESPOROS COSTUMA SER FATAL.  CONTAMINAÇÃO:  POR INALAÇÃO,  INGESTÃO DE ALIMENTOS CONTAMINADOS OU  CONTATO DOS ESPOROS COM A PELE.