SlideShare uma empresa Scribd logo
A IMPORTÂNCIA DA
LEITURA NA ESCOLA:
Ipirá-Ba
2014
CURSO DE LETRAS 3º
SEMESTRE
 “Entendo aqui por humanização (...) o processo que
confirma no homem aqueles traços que reputamos
essenciais, como o exercício da reflexão, a aquisição do
saber, a boa disposição para com o próximo, o afinamento
das emoções, a capacidade de penetrar nos problemas da
vida, o senso da beleza, a percepção da complexidade do
mundo e dos seres, o cultivo do humor. A literatura
desenvolve em nós a quota de humanidade na medida em
que nos torna mais compreensivos e abertos para a
natureza, a sociedade, o semelhante.” (CANDIDO, 1995,
p.249).
Introdução
A presença da literatura na escola propicia a
exploração de inúmeras possibilidades de
educação no desenvolvimento social, emocional
e cognitivo do aluno.
Tem a função de emancipação da humanidade.
Proporciona o conhecimento a leitura crítica e
reflexiva.
É um instrumento motivador e desafiador, ela é
capaz de transformar o indivíduo em um sujeito
ativo, responsável pela sua aprendizagem, que
sabe compreender o contexto em que vive e
modificá-lo de acordo com a sua necessidade.
 De acordo com as DCEs (Diretrizes
Curriculares Estaduais), “compreende-se a
leitura como um ato dialógico, interlocutivo,
que envolve demandas sociais, históricas,
políticas, econômicas, pedagógicas e
ideológicas de determinado momento”.
Problema
A Literatura na escola acaba sendo
colocada em um segundo plano pelas
dificuldades próprias do seu ensino, ou
seja, os textos de época, antigos, não
atraem os alunos, que passam a
perceber erroneamente a literatura como
uma atividade insossa, totalmente
desvinculada de seu mundo e de seus
interesses.
A leitura Literária
A literatura é um dos campos mais promissores
em termos de potencialidade de
desenvolvimento dos alunos.
Ela tem diversidade nas atividades que
proporciona, e possibilita trabalhar com a
expressão e a subjetividade.
A Leitura Literária tem potencialidade de oferecer
ao leitor um conhecimento intenso do mundo, tal
qual faz, por outro caminho a ciência. Além de a
obra literária ser uma forma de conhecimento,
uma forma de expressão e uma construção
formal artística.
Como trabalhar a Leitura de
Textos Literários em sala de Aula?
 É importante que seja feita uma leitura
aprofundada dos textos literários.
Considerar não somente o período em
que a obra foi produzida, mas também, o
contexto de quem está realizando a
leitura da obra, no caso do ambiente
escolar, o contexto dos alunos.
Buscar alternativas para tornar este
ensino mais atraente, e não
simplesmente recusar de o realizá-lo.
Desenvolvendo suas competências
comunicativa, da capacidade de leitura
reflexiva e de compreensão do texto lido,
garantindo, assim, que estes alunos
sejam capazes de criticarem e opinarem
em relação a cada obra lida.
Conclusões
A escola, muitas vezes, reserva à literatura
um papel equivocado, o de ser, acima de
tudo, um instrumento de aperfeiçoamento
linguístico. Ao contrário dessa perspectiva, o
texto literário oferece inúmeras funções mais
importantes. Com ele aprende-se, compara-
se, questiona-se, diverte-se, amadurecesse,
transforma-se, vive-se, desenvolve-se a
sensibilidade estética, contata-se com as
mais diferentes visões de mundo.
A inserção da leitura, no contexto
escolar, deve ser de forma dinâmica e
agradável, utilizando-se, por exemplo, do
caráter lúdico que pode ser dado às
estratégias de leitura. Dessa forma,
estará ao mesmo tempo, desenvolvendo
a sociabilidade e a integração. O gosto
de ler, portanto, será adquirido
gradativamente, através da prática e de
exercícios constantes.
Outra sugestão é trabalha-la com a
apresentação de filmes de obras literárias
tentando deixar a aula mais diversificada, e
colocando a interdisciplinaridade como objeto
de ensino e aprendizado. O papel da escola é
fundamental nesse processo, no qual o
professor, sendo o principal agente no
processo de melhoria da qualidade do ensino,
poderá realizar uma série de atividades que
favoreçam a aproximação do educando com a
leitura.
COLEÇÃO LITERATURA
EM
MINHA CASA
Como eu te amo
Como se ama o silêncio, a luz, o aroma,
O orvalho numa flor, nos céus a estrela,
No largo mar a sombra de uma vela,
Que lá no extremo do horizonte aponta;
Como se ama o clarão da branca lua,
Da noite a mudez os sons da flauta,
As canções saudosíssimas do nauta,
Quando em mole vai e vem a nau flutua;
Como se ama das aves o gemido,
Da noite as sombras e do dia as cores,
Um céu com luzes, um jardim com flores,
Um canto quase em lágrimas sumido;
Como se ama o crepúsculo da aurora,
O manso vento que nos bosques rondeia,
O sussurro da fonte que passeia,
Uma imagem risonha e sedutora;
Como se ama o calor e a luz querida,
A harmonia, o frescor, os sons, os céus,
Silêncios e cores, perfumes e vida,
Os pais e a pátria e a virtude e a Deus.
Assim eu te amo, assim; mais do que podem
Dizer-te os lábio meus, - mais do que vale
Cantar a voz do trovador cansada:
O que é belo, o que é justo, santo e grande
Amo em tí. - Por tudo quanto sofro,
Por quando já sofri, por quanto ainda
Me resta sofrer, por tudo eu te amo!
Gonçalves Dias
Despedida
Por mim, e por vós, e por mais aquilo
que está onde as outras coisas nunca estão,
deixo o mar bravo e o céu tranqüilo:
quero solidão.
Meu caminho é sem marcos nem paisagens.
E como o conheces? - me perguntarão.
- Por não ter palavras, por não ter imagens.
Nenhum inimigo e nenhum irmão.
Que procuras? Tudo. Que desejas? - Nada.
Viajo sozinha com o meu coração.
Não ando perdida, mas desencontrada.
Levo o meu rumo na minha mão.
A memória voou da minha fronte.
Voou meu amor, minha imaginação...
Talvez eu morra antes do horizonte.
Memória, amor e o resto onde estarão?
Deixo aqui meu corpo, entre o sol e a terra.
(Beijo-te, corpo meu, todo desilusão!
Estandarte triste de uma estranha guerra...)
Quero solidão.
Cecília Meireles
O sonho
Sonhe com aquilo que você quer ser,
porque você possui apenas uma vida
e nela só se tem uma chance
de fazer aquilo que quer.
Tenha felicidade bastante para fazê-la doce.
Dificuldades para fazê-la forte.
Tristeza para fazê-la humana.
E esperança suficiente para fazê-la feliz.
As pessoas mais felizes não tem as melhores coisas.
Elas sabem fazer o melhor das oportunidades
que aparecem em seus caminhos.
A felicidade aparece para aqueles que choram.
Para aqueles que se machucam
Para aqueles que buscam e tentam sempre.
E para aqueles que reconhecem
a importância das pessoas que passaram por suas vidas.
Clarice Lispector
Chega de Saudade
Vai, minha tristeza, e diz a ela
Que sem ela não pode ser
Diz-lhe, numa prece, que ela regresse
Porque eu não posso mais sofrer
Chega de saudade, a realidade é que sem ela
Não há paz, não há beleza
É só tristeza e a melancolia
Que não sai de mim, não sai de mim, não sai
Mas, se ela voltar, se ela voltar
Que coisa linda, que coisa louca
Pois há menos peixinhos a nadar no mar
Do que os beijinhos que eu darei na sua boca
Dentro dos meus braços
Os abraços hão de ser milhões de abraços
Apertado assim, colado assim, calado assim
Abraços e beijinhos e carinhos sem ter fim
Que é pra acabar com esse negócio de viver longe de mim
Não quero mais esse negócio de você viver assim
Vamos deixar desse negócio de você viver sem mim
Vinicius de Moraes
Desencontro
A sua lembrança me dói tanto
Eu canto pra ver
Se espanto esse mal
Mas só sei dizer
Um verso banal
Fala em você
Canta você
É sempre igual
Sobrou desse nosso desencontro
Um conto de amor
Sem ponto final
Retrato sem cor
Jogado aos meus pés
E saudades fúteis
Saudades frágeis
Meros papéis
Não sei se você ainda é a mesma
Ou se cortou os cabelos
Rasgou o que é meu
Se ainda tem saudades
E sofre como eu
Ou tudo já passou
Já tem um novo amor
Já me esquece
Chico Buarque
As sem-razões do amor
Eu te amo porque te amo,
Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga.
Amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira, no eclipse.
Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários.
Eu te amo porque não amo
bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca,
não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.
Amor é primo da morte,
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor.
Carlos Drummond de Andrade
Referências
 CANDIDO, Antonio. A literatura e a formação do homem. In: Ciência e
cultura. , São Paulo. USP, 1972.
 CANDIDO, Antonio. O direito a literatura; O esquema de machado de
Assis. In: Vários Escritos. São Paulo: Duas Cidades, 1995.
 COSSON, R. Letramento literário: teoria e prática. São Paulo:
Contexto, 2006.
 GROSSI, Gabriel Pillar. Leitura e sustentabilidade. Nova Escola, São
Paulo, SP,
n° 18, p. 3, abr 2008.
 MÃE, Valter Hugo. Portugal à Brasileira. Revista Lingua Portuguesa, ano
6, nº70, p.12. Agosto de 2011, Ed. Segmento, Entrevista consedida a
Terciane Alves
 PARANÁ. Diretrizes Curriculares Estaduais: Língua Portuguesa,
ensino fundamental; Curitiba, 2008.
 Poemas disponíveis no site : http://pensador.uol.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A escrita como produção de textos
A escrita como produção de textosA escrita como produção de textos
A escrita como produção de textos
Ana Paula
 
Leitura e produção textual
Leitura e produção textualLeitura e produção textual
Leitura e produção textual
Jose Arnaldo Silva
 
Power point, leitura é...
Power point, leitura é...Power point, leitura é...
Power point, leitura é...
Fan Santos
 
Incentivo a leitura
Incentivo a leituraIncentivo a leitura
Incentivo a leitura
FabianeM
 
Projeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º anoProjeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º ano
jose ebner
 
Aula De Literatura Infantil
Aula De Literatura InfantilAula De Literatura Infantil
Aula De Literatura Infantil
roessencia
 
Estrategias de leitura 2
Estrategias de leitura 2Estrategias de leitura 2
Estrategias de leitura 2
alunosjdbritania
 
Psicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua EscritaPsicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua Escrita
Jessica Nuvens
 
Procedimentos de leitura - ppt
Procedimentos de leitura - pptProcedimentos de leitura - ppt
Procedimentos de leitura - ppt
Jane Pereira
 
Oficinas de leitura3
Oficinas de leitura3Oficinas de leitura3
Oficinas de leitura3
Rosemary Batista
 
Formação de leitores nas séries iniciais
Formação de leitores nas séries iniciaisFormação de leitores nas séries iniciais
Formação de leitores nas séries iniciais
Alex Silva
 
Sistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAICSistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Vera Marlize Schröer
 
Literatura Infantil Slides
Literatura Infantil   SlidesLiteratura Infantil   Slides
Literatura Infantil Slides
estercotrim
 
Oficinas de leitura 1
Oficinas de leitura 1Oficinas de leitura 1
Oficinas de leitura 1
Rosemary Batista
 
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Denise Oliveira
 
Pauta formativa pnaic 5º encontro
Pauta formativa pnaic   5º encontroPauta formativa pnaic   5º encontro
Pauta formativa pnaic 5º encontro
pnaicdertsis
 
Organização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógicoOrganização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógico
Magda Marques
 
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
AULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTOAULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTO
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
Marcelo Cordeiro Souza
 
Literatura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenilLiteratura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenil
Susanne Messias
 
ProduçãO Textual
ProduçãO TextualProduçãO Textual
ProduçãO Textual
Maristela Couto
 

Mais procurados (20)

A escrita como produção de textos
A escrita como produção de textosA escrita como produção de textos
A escrita como produção de textos
 
Leitura e produção textual
Leitura e produção textualLeitura e produção textual
Leitura e produção textual
 
Power point, leitura é...
Power point, leitura é...Power point, leitura é...
Power point, leitura é...
 
Incentivo a leitura
Incentivo a leituraIncentivo a leitura
Incentivo a leitura
 
Projeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º anoProjeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º ano
 
Aula De Literatura Infantil
Aula De Literatura InfantilAula De Literatura Infantil
Aula De Literatura Infantil
 
Estrategias de leitura 2
Estrategias de leitura 2Estrategias de leitura 2
Estrategias de leitura 2
 
Psicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua EscritaPsicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua Escrita
 
Procedimentos de leitura - ppt
Procedimentos de leitura - pptProcedimentos de leitura - ppt
Procedimentos de leitura - ppt
 
Oficinas de leitura3
Oficinas de leitura3Oficinas de leitura3
Oficinas de leitura3
 
Formação de leitores nas séries iniciais
Formação de leitores nas séries iniciaisFormação de leitores nas séries iniciais
Formação de leitores nas séries iniciais
 
Sistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAICSistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAIC
 
Literatura Infantil Slides
Literatura Infantil   SlidesLiteratura Infantil   Slides
Literatura Infantil Slides
 
Oficinas de leitura 1
Oficinas de leitura 1Oficinas de leitura 1
Oficinas de leitura 1
 
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
 
Pauta formativa pnaic 5º encontro
Pauta formativa pnaic   5º encontroPauta formativa pnaic   5º encontro
Pauta formativa pnaic 5º encontro
 
Organização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógicoOrganização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógico
 
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
AULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTOAULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTO
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
 
Literatura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenilLiteratura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenil
 
ProduçãO Textual
ProduçãO TextualProduçãO Textual
ProduçãO Textual
 

Destaque

Salas ambiente
Salas ambienteSalas ambiente
Salas ambiente
Salas ambienteSalas ambiente
A leitura literária e a formação do
A leitura literária e a formação doA leitura literária e a formação do
A leitura literária e a formação do
Elis Silva
 
A leitura literária
A leitura literáriaA leitura literária
A leitura literária
ma.no.el.ne.ves
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
Aparecida Mallagoli
 
Sala ambiente
Sala ambienteSala ambiente
Sala ambiente
donianton
 
Qual é a função dos historiadores
Qual é a função dos historiadoresQual é a função dos historiadores
Qual é a função dos historiadores
André Augusto da Fonseca
 
Leitura literatura
Leitura literaturaLeitura literatura
Leitura literatura
Josiane Amaral
 
A narrativa épica
A narrativa épicaA narrativa épica
A narrativa épica
António Fernandes
 
ESCREVER É PRECISO livro Osório Marques
ESCREVER É PRECISO livro Osório MarquesESCREVER É PRECISO livro Osório Marques
ESCREVER É PRECISO livro Osório Marques
Francione Brito
 
Aprendizagem da leitura e da escrita
Aprendizagem da leitura e da escrita  Aprendizagem da leitura e da escrita
Aprendizagem da leitura e da escrita
angelafreire
 
O texto
O textoO texto
O texto
Josué Brazil
 
O que é texto
O que é textoO que é texto
O que é texto
Patrícia Rabelo Goulart
 
Crônicas de Luis Fernando Veríssimo e Fernando Sabino
Crônicas de Luis Fernando Veríssimo e Fernando SabinoCrônicas de Luis Fernando Veríssimo e Fernando Sabino
Crônicas de Luis Fernando Veríssimo e Fernando Sabino
letrascom
 
Escrever Uma Narrativa
Escrever Uma NarrativaEscrever Uma Narrativa
Escrever Uma Narrativa
Heliadora
 
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
Carlos Fabiano de Souza
 
Leitura e producao de sentido
Leitura e producao de sentidoLeitura e producao de sentido
Leitura e producao de sentido
Ronhely Pereira
 
Proposta De Ensino De LíNgua Portuguesa Dentro Da Sala De Aula
Proposta De Ensino De LíNgua Portuguesa Dentro Da Sala De AulaProposta De Ensino De LíNgua Portuguesa Dentro Da Sala De Aula
Proposta De Ensino De LíNgua Portuguesa Dentro Da Sala De Aula
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Linha cruzada - Luis Fernando Veríssimo
Linha cruzada - Luis Fernando VeríssimoLinha cruzada - Luis Fernando Veríssimo
Linha cruzada - Luis Fernando Veríssimo
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Lingua, linguagem e cultura
Lingua, linguagem e culturaLingua, linguagem e cultura
Lingua, linguagem e cultura
Jhonatan Perotto
 

Destaque (20)

Salas ambiente
Salas ambienteSalas ambiente
Salas ambiente
 
Salas ambiente
Salas ambienteSalas ambiente
Salas ambiente
 
A leitura literária e a formação do
A leitura literária e a formação doA leitura literária e a formação do
A leitura literária e a formação do
 
A leitura literária
A leitura literáriaA leitura literária
A leitura literária
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Sala ambiente
Sala ambienteSala ambiente
Sala ambiente
 
Qual é a função dos historiadores
Qual é a função dos historiadoresQual é a função dos historiadores
Qual é a função dos historiadores
 
Leitura literatura
Leitura literaturaLeitura literatura
Leitura literatura
 
A narrativa épica
A narrativa épicaA narrativa épica
A narrativa épica
 
ESCREVER É PRECISO livro Osório Marques
ESCREVER É PRECISO livro Osório MarquesESCREVER É PRECISO livro Osório Marques
ESCREVER É PRECISO livro Osório Marques
 
Aprendizagem da leitura e da escrita
Aprendizagem da leitura e da escrita  Aprendizagem da leitura e da escrita
Aprendizagem da leitura e da escrita
 
O texto
O textoO texto
O texto
 
O que é texto
O que é textoO que é texto
O que é texto
 
Crônicas de Luis Fernando Veríssimo e Fernando Sabino
Crônicas de Luis Fernando Veríssimo e Fernando SabinoCrônicas de Luis Fernando Veríssimo e Fernando Sabino
Crônicas de Luis Fernando Veríssimo e Fernando Sabino
 
Escrever Uma Narrativa
Escrever Uma NarrativaEscrever Uma Narrativa
Escrever Uma Narrativa
 
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
 
Leitura e producao de sentido
Leitura e producao de sentidoLeitura e producao de sentido
Leitura e producao de sentido
 
Proposta De Ensino De LíNgua Portuguesa Dentro Da Sala De Aula
Proposta De Ensino De LíNgua Portuguesa Dentro Da Sala De AulaProposta De Ensino De LíNgua Portuguesa Dentro Da Sala De Aula
Proposta De Ensino De LíNgua Portuguesa Dentro Da Sala De Aula
 
Linha cruzada - Luis Fernando Veríssimo
Linha cruzada - Luis Fernando VeríssimoLinha cruzada - Luis Fernando Veríssimo
Linha cruzada - Luis Fernando Veríssimo
 
Lingua, linguagem e cultura
Lingua, linguagem e culturaLingua, linguagem e cultura
Lingua, linguagem e cultura
 

Semelhante a Leitura Literária

Carla (poesia)
Carla (poesia)Carla (poesia)
Carla (poesia)
Roosevelt F. Abrantes
 
Antologia poética
Antologia poéticaAntologia poética
Antologia poética
Cesarina Sousa
 
Livro Itinerância Poética
Livro Itinerância PoéticaLivro Itinerância Poética
Livro Itinerância Poética
guieduca
 
Recanto das letras carol
Recanto das letras   carolRecanto das letras   carol
Recanto das letras carol
Rui da Silveira Cruz Ventura
 
Chuva de Poemas 1.pdf
Chuva de Poemas 1.pdfChuva de Poemas 1.pdf
Chuva de Poemas 1.pdf
VitorRibeiro261164
 
Primeira Antologia P
Primeira Antologia PPrimeira Antologia P
Primeira Antologia P
Diana Pilatti
 
4ª Antologia Poética Projeto Jovens Autores ProEMI/JF 2013
4ª Antologia Poética Projeto Jovens Autores ProEMI/JF 20134ª Antologia Poética Projeto Jovens Autores ProEMI/JF 2013
4ª Antologia Poética Projeto Jovens Autores ProEMI/JF 2013
Diana Pilatti
 
POESIAS escrito no site meu lado poético poesias de amor surreal mensagens
POESIAS escrito no site meu lado poético poesias de amor surreal mensagensPOESIAS escrito no site meu lado poético poesias de amor surreal mensagens
POESIAS escrito no site meu lado poético poesias de amor surreal mensagens
Terreza Lima
 
Dia mundial da poesia
Dia mundial da poesiaDia mundial da poesia
Dia mundial da poesia
A E A
 
As mais belas poesias ok
As mais belas poesias   okAs mais belas poesias   ok
As mais belas poesias ok
viniciusmarcos
 
Sinfonia Da Vida
Sinfonia Da VidaSinfonia Da Vida
Sinfonia Da Vida
marcusaurelio53
 
VALE A PENA LER ESTE RELATÓRIO
VALE A PENA LER ESTE RELATÓRIOVALE A PENA LER ESTE RELATÓRIO
VALE A PENA LER ESTE RELATÓRIO
Cecilia andrade
 
Poemas9ano
Poemas9anoPoemas9ano
Poemas9ano
guesta3fd22
 
A terceira idade_na_multi_midia[1][1]
A terceira idade_na_multi_midia[1][1]A terceira idade_na_multi_midia[1][1]
A terceira idade_na_multi_midia[1][1]
ligiaalthaus
 
A terceira idade_na_multi_midia[1]
A terceira idade_na_multi_midia[1]A terceira idade_na_multi_midia[1]
A terceira idade_na_multi_midia[1]
ligiaalthaus
 
Feras da Poetica
Feras da PoeticaFeras da Poetica
Feras da Poetica
Luna Di Primo
 
Letras Leandro de Moraes
Letras Leandro de Moraes Letras Leandro de Moraes
Letras Leandro de Moraes
Leandro Oliveira
 
Folhas em versos
Folhas em versosFolhas em versos
Folhas em versos
Luciano Cordier
 
30 Poemas De Amor Slide
30 Poemas De Amor Slide30 Poemas De Amor Slide
30 Poemas De Amor Slide
Hugo Pereira
 
Pinturase Poesias
Pinturase PoesiasPinturase Poesias
Pinturase Poesias
taigua
 

Semelhante a Leitura Literária (20)

Carla (poesia)
Carla (poesia)Carla (poesia)
Carla (poesia)
 
Antologia poética
Antologia poéticaAntologia poética
Antologia poética
 
Livro Itinerância Poética
Livro Itinerância PoéticaLivro Itinerância Poética
Livro Itinerância Poética
 
Recanto das letras carol
Recanto das letras   carolRecanto das letras   carol
Recanto das letras carol
 
Chuva de Poemas 1.pdf
Chuva de Poemas 1.pdfChuva de Poemas 1.pdf
Chuva de Poemas 1.pdf
 
Primeira Antologia P
Primeira Antologia PPrimeira Antologia P
Primeira Antologia P
 
4ª Antologia Poética Projeto Jovens Autores ProEMI/JF 2013
4ª Antologia Poética Projeto Jovens Autores ProEMI/JF 20134ª Antologia Poética Projeto Jovens Autores ProEMI/JF 2013
4ª Antologia Poética Projeto Jovens Autores ProEMI/JF 2013
 
POESIAS escrito no site meu lado poético poesias de amor surreal mensagens
POESIAS escrito no site meu lado poético poesias de amor surreal mensagensPOESIAS escrito no site meu lado poético poesias de amor surreal mensagens
POESIAS escrito no site meu lado poético poesias de amor surreal mensagens
 
Dia mundial da poesia
Dia mundial da poesiaDia mundial da poesia
Dia mundial da poesia
 
As mais belas poesias ok
As mais belas poesias   okAs mais belas poesias   ok
As mais belas poesias ok
 
Sinfonia Da Vida
Sinfonia Da VidaSinfonia Da Vida
Sinfonia Da Vida
 
VALE A PENA LER ESTE RELATÓRIO
VALE A PENA LER ESTE RELATÓRIOVALE A PENA LER ESTE RELATÓRIO
VALE A PENA LER ESTE RELATÓRIO
 
Poemas9ano
Poemas9anoPoemas9ano
Poemas9ano
 
A terceira idade_na_multi_midia[1][1]
A terceira idade_na_multi_midia[1][1]A terceira idade_na_multi_midia[1][1]
A terceira idade_na_multi_midia[1][1]
 
A terceira idade_na_multi_midia[1]
A terceira idade_na_multi_midia[1]A terceira idade_na_multi_midia[1]
A terceira idade_na_multi_midia[1]
 
Feras da Poetica
Feras da PoeticaFeras da Poetica
Feras da Poetica
 
Letras Leandro de Moraes
Letras Leandro de Moraes Letras Leandro de Moraes
Letras Leandro de Moraes
 
Folhas em versos
Folhas em versosFolhas em versos
Folhas em versos
 
30 Poemas De Amor Slide
30 Poemas De Amor Slide30 Poemas De Amor Slide
30 Poemas De Amor Slide
 
Pinturase Poesias
Pinturase PoesiasPinturase Poesias
Pinturase Poesias
 

Mais de UNOPAR, UNEB

Módulo VII- Comunicação 15h.pdf
Módulo VII- Comunicação 15h.pdfMódulo VII- Comunicação 15h.pdf
Módulo VII- Comunicação 15h.pdf
UNOPAR, UNEB
 
Modulo VI-VSM Fluxo de Valor.pdf
Modulo VI-VSM Fluxo de Valor.pdfModulo VI-VSM Fluxo de Valor.pdf
Modulo VI-VSM Fluxo de Valor.pdf
UNOPAR, UNEB
 
seminario reconcavo.pptx
seminario reconcavo.pptxseminario reconcavo.pptx
seminario reconcavo.pptx
UNOPAR, UNEB
 
Seminário. Diretas Já.pptx
Seminário. Diretas Já.pptxSeminário. Diretas Já.pptx
Seminário. Diretas Já.pptx
UNOPAR, UNEB
 
Seminário África.pptx
Seminário África.pptxSeminário África.pptx
Seminário África.pptx
UNOPAR, UNEB
 
Seminário de Europa século XX.pptx
Seminário de Europa século XX.pptxSeminário de Europa século XX.pptx
Seminário de Europa século XX.pptx
UNOPAR, UNEB
 
Módulo IV- 4s+s.pdf
Módulo IV- 4s+s.pdfMódulo IV- 4s+s.pdf
Módulo IV- 4s+s.pdf
UNOPAR, UNEB
 
Módulo III- Programa de Compliance 15h.pdf
Módulo III- Programa de Compliance 15h.pdfMódulo III- Programa de Compliance 15h.pdf
Módulo III- Programa de Compliance 15h.pdf
UNOPAR, UNEB
 
Modulo II- 08 Perdas Lean 30 h.pdf
Modulo II- 08 Perdas Lean 30 h.pdfModulo II- 08 Perdas Lean 30 h.pdf
Modulo II- 08 Perdas Lean 30 h.pdf
UNOPAR, UNEB
 
Modulo I Introdução e estrutura Lean 15h.pdf
Modulo I Introdução e estrutura Lean 15h.pdfModulo I Introdução e estrutura Lean 15h.pdf
Modulo I Introdução e estrutura Lean 15h.pdf
UNOPAR, UNEB
 
HQs na Sala de Aula.pptx
HQs na Sala de Aula.pptxHQs na Sala de Aula.pptx
HQs na Sala de Aula.pptx
UNOPAR, UNEB
 
PROJETO DE INTERVENÇÃO- FORMAL E INFORMAL.pptx
PROJETO DE INTERVENÇÃO- FORMAL E INFORMAL.pptxPROJETO DE INTERVENÇÃO- FORMAL E INFORMAL.pptx
PROJETO DE INTERVENÇÃO- FORMAL E INFORMAL.pptx
UNOPAR, UNEB
 
Escravidão indígena.pptx
Escravidão indígena.pptxEscravidão indígena.pptx
Escravidão indígena.pptx
UNOPAR, UNEB
 
América Latina- México.pptx
América Latina- México.pptxAmérica Latina- México.pptx
América Latina- México.pptx
UNOPAR, UNEB
 
História da Sexualidade.pptx
História da Sexualidade.pptxHistória da Sexualidade.pptx
História da Sexualidade.pptx
UNOPAR, UNEB
 
Ortográfico.pptx
Ortográfico.pptxOrtográfico.pptx
Ortográfico.pptx
UNOPAR, UNEB
 
Modulo II-Formação em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas.pdf
Modulo II-Formação em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas.pdfModulo II-Formação em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas.pdf
Modulo II-Formação em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas.pdf
UNOPAR, UNEB
 
Modulo I-Formação em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas..pdf
Modulo I-Formação em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas..pdfModulo I-Formação em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas..pdf
Modulo I-Formação em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas..pdf
UNOPAR, UNEB
 
Letramento e Cibercultura
Letramento e Cibercultura Letramento e Cibercultura
Letramento e Cibercultura
UNOPAR, UNEB
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
UNOPAR, UNEB
 

Mais de UNOPAR, UNEB (20)

Módulo VII- Comunicação 15h.pdf
Módulo VII- Comunicação 15h.pdfMódulo VII- Comunicação 15h.pdf
Módulo VII- Comunicação 15h.pdf
 
Modulo VI-VSM Fluxo de Valor.pdf
Modulo VI-VSM Fluxo de Valor.pdfModulo VI-VSM Fluxo de Valor.pdf
Modulo VI-VSM Fluxo de Valor.pdf
 
seminario reconcavo.pptx
seminario reconcavo.pptxseminario reconcavo.pptx
seminario reconcavo.pptx
 
Seminário. Diretas Já.pptx
Seminário. Diretas Já.pptxSeminário. Diretas Já.pptx
Seminário. Diretas Já.pptx
 
Seminário África.pptx
Seminário África.pptxSeminário África.pptx
Seminário África.pptx
 
Seminário de Europa século XX.pptx
Seminário de Europa século XX.pptxSeminário de Europa século XX.pptx
Seminário de Europa século XX.pptx
 
Módulo IV- 4s+s.pdf
Módulo IV- 4s+s.pdfMódulo IV- 4s+s.pdf
Módulo IV- 4s+s.pdf
 
Módulo III- Programa de Compliance 15h.pdf
Módulo III- Programa de Compliance 15h.pdfMódulo III- Programa de Compliance 15h.pdf
Módulo III- Programa de Compliance 15h.pdf
 
Modulo II- 08 Perdas Lean 30 h.pdf
Modulo II- 08 Perdas Lean 30 h.pdfModulo II- 08 Perdas Lean 30 h.pdf
Modulo II- 08 Perdas Lean 30 h.pdf
 
Modulo I Introdução e estrutura Lean 15h.pdf
Modulo I Introdução e estrutura Lean 15h.pdfModulo I Introdução e estrutura Lean 15h.pdf
Modulo I Introdução e estrutura Lean 15h.pdf
 
HQs na Sala de Aula.pptx
HQs na Sala de Aula.pptxHQs na Sala de Aula.pptx
HQs na Sala de Aula.pptx
 
PROJETO DE INTERVENÇÃO- FORMAL E INFORMAL.pptx
PROJETO DE INTERVENÇÃO- FORMAL E INFORMAL.pptxPROJETO DE INTERVENÇÃO- FORMAL E INFORMAL.pptx
PROJETO DE INTERVENÇÃO- FORMAL E INFORMAL.pptx
 
Escravidão indígena.pptx
Escravidão indígena.pptxEscravidão indígena.pptx
Escravidão indígena.pptx
 
América Latina- México.pptx
América Latina- México.pptxAmérica Latina- México.pptx
América Latina- México.pptx
 
História da Sexualidade.pptx
História da Sexualidade.pptxHistória da Sexualidade.pptx
História da Sexualidade.pptx
 
Ortográfico.pptx
Ortográfico.pptxOrtográfico.pptx
Ortográfico.pptx
 
Modulo II-Formação em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas.pdf
Modulo II-Formação em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas.pdfModulo II-Formação em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas.pdf
Modulo II-Formação em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas.pdf
 
Modulo I-Formação em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas..pdf
Modulo I-Formação em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas..pdfModulo I-Formação em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas..pdf
Modulo I-Formação em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas..pdf
 
Letramento e Cibercultura
Letramento e Cibercultura Letramento e Cibercultura
Letramento e Cibercultura
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 

Último

PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
davidreyes364666
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 

Último (20)

PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 

Leitura Literária

  • 1. A IMPORTÂNCIA DA LEITURA NA ESCOLA: Ipirá-Ba 2014
  • 2. CURSO DE LETRAS 3º SEMESTRE
  • 3.  “Entendo aqui por humanização (...) o processo que confirma no homem aqueles traços que reputamos essenciais, como o exercício da reflexão, a aquisição do saber, a boa disposição para com o próximo, o afinamento das emoções, a capacidade de penetrar nos problemas da vida, o senso da beleza, a percepção da complexidade do mundo e dos seres, o cultivo do humor. A literatura desenvolve em nós a quota de humanidade na medida em que nos torna mais compreensivos e abertos para a natureza, a sociedade, o semelhante.” (CANDIDO, 1995, p.249).
  • 4. Introdução A presença da literatura na escola propicia a exploração de inúmeras possibilidades de educação no desenvolvimento social, emocional e cognitivo do aluno. Tem a função de emancipação da humanidade. Proporciona o conhecimento a leitura crítica e reflexiva. É um instrumento motivador e desafiador, ela é capaz de transformar o indivíduo em um sujeito ativo, responsável pela sua aprendizagem, que sabe compreender o contexto em que vive e modificá-lo de acordo com a sua necessidade.
  • 5.  De acordo com as DCEs (Diretrizes Curriculares Estaduais), “compreende-se a leitura como um ato dialógico, interlocutivo, que envolve demandas sociais, históricas, políticas, econômicas, pedagógicas e ideológicas de determinado momento”.
  • 6. Problema A Literatura na escola acaba sendo colocada em um segundo plano pelas dificuldades próprias do seu ensino, ou seja, os textos de época, antigos, não atraem os alunos, que passam a perceber erroneamente a literatura como uma atividade insossa, totalmente desvinculada de seu mundo e de seus interesses.
  • 7. A leitura Literária A literatura é um dos campos mais promissores em termos de potencialidade de desenvolvimento dos alunos. Ela tem diversidade nas atividades que proporciona, e possibilita trabalhar com a expressão e a subjetividade. A Leitura Literária tem potencialidade de oferecer ao leitor um conhecimento intenso do mundo, tal qual faz, por outro caminho a ciência. Além de a obra literária ser uma forma de conhecimento, uma forma de expressão e uma construção formal artística.
  • 8. Como trabalhar a Leitura de Textos Literários em sala de Aula?  É importante que seja feita uma leitura aprofundada dos textos literários. Considerar não somente o período em que a obra foi produzida, mas também, o contexto de quem está realizando a leitura da obra, no caso do ambiente escolar, o contexto dos alunos.
  • 9. Buscar alternativas para tornar este ensino mais atraente, e não simplesmente recusar de o realizá-lo. Desenvolvendo suas competências comunicativa, da capacidade de leitura reflexiva e de compreensão do texto lido, garantindo, assim, que estes alunos sejam capazes de criticarem e opinarem em relação a cada obra lida.
  • 10. Conclusões A escola, muitas vezes, reserva à literatura um papel equivocado, o de ser, acima de tudo, um instrumento de aperfeiçoamento linguístico. Ao contrário dessa perspectiva, o texto literário oferece inúmeras funções mais importantes. Com ele aprende-se, compara- se, questiona-se, diverte-se, amadurecesse, transforma-se, vive-se, desenvolve-se a sensibilidade estética, contata-se com as mais diferentes visões de mundo.
  • 11. A inserção da leitura, no contexto escolar, deve ser de forma dinâmica e agradável, utilizando-se, por exemplo, do caráter lúdico que pode ser dado às estratégias de leitura. Dessa forma, estará ao mesmo tempo, desenvolvendo a sociabilidade e a integração. O gosto de ler, portanto, será adquirido gradativamente, através da prática e de exercícios constantes.
  • 12. Outra sugestão é trabalha-la com a apresentação de filmes de obras literárias tentando deixar a aula mais diversificada, e colocando a interdisciplinaridade como objeto de ensino e aprendizado. O papel da escola é fundamental nesse processo, no qual o professor, sendo o principal agente no processo de melhoria da qualidade do ensino, poderá realizar uma série de atividades que favoreçam a aproximação do educando com a leitura.
  • 14. Como eu te amo Como se ama o silêncio, a luz, o aroma, O orvalho numa flor, nos céus a estrela, No largo mar a sombra de uma vela, Que lá no extremo do horizonte aponta; Como se ama o clarão da branca lua, Da noite a mudez os sons da flauta, As canções saudosíssimas do nauta, Quando em mole vai e vem a nau flutua; Como se ama das aves o gemido, Da noite as sombras e do dia as cores, Um céu com luzes, um jardim com flores, Um canto quase em lágrimas sumido; Como se ama o crepúsculo da aurora, O manso vento que nos bosques rondeia, O sussurro da fonte que passeia, Uma imagem risonha e sedutora; Como se ama o calor e a luz querida, A harmonia, o frescor, os sons, os céus, Silêncios e cores, perfumes e vida, Os pais e a pátria e a virtude e a Deus. Assim eu te amo, assim; mais do que podem Dizer-te os lábio meus, - mais do que vale Cantar a voz do trovador cansada: O que é belo, o que é justo, santo e grande Amo em tí. - Por tudo quanto sofro, Por quando já sofri, por quanto ainda Me resta sofrer, por tudo eu te amo! Gonçalves Dias
  • 15. Despedida Por mim, e por vós, e por mais aquilo que está onde as outras coisas nunca estão, deixo o mar bravo e o céu tranqüilo: quero solidão. Meu caminho é sem marcos nem paisagens. E como o conheces? - me perguntarão. - Por não ter palavras, por não ter imagens. Nenhum inimigo e nenhum irmão. Que procuras? Tudo. Que desejas? - Nada. Viajo sozinha com o meu coração. Não ando perdida, mas desencontrada. Levo o meu rumo na minha mão. A memória voou da minha fronte. Voou meu amor, minha imaginação... Talvez eu morra antes do horizonte. Memória, amor e o resto onde estarão? Deixo aqui meu corpo, entre o sol e a terra. (Beijo-te, corpo meu, todo desilusão! Estandarte triste de uma estranha guerra...) Quero solidão. Cecília Meireles
  • 16. O sonho Sonhe com aquilo que você quer ser, porque você possui apenas uma vida e nela só se tem uma chance de fazer aquilo que quer. Tenha felicidade bastante para fazê-la doce. Dificuldades para fazê-la forte. Tristeza para fazê-la humana. E esperança suficiente para fazê-la feliz. As pessoas mais felizes não tem as melhores coisas. Elas sabem fazer o melhor das oportunidades que aparecem em seus caminhos. A felicidade aparece para aqueles que choram. Para aqueles que se machucam Para aqueles que buscam e tentam sempre. E para aqueles que reconhecem a importância das pessoas que passaram por suas vidas. Clarice Lispector
  • 17. Chega de Saudade Vai, minha tristeza, e diz a ela Que sem ela não pode ser Diz-lhe, numa prece, que ela regresse Porque eu não posso mais sofrer Chega de saudade, a realidade é que sem ela Não há paz, não há beleza É só tristeza e a melancolia Que não sai de mim, não sai de mim, não sai Mas, se ela voltar, se ela voltar Que coisa linda, que coisa louca Pois há menos peixinhos a nadar no mar Do que os beijinhos que eu darei na sua boca Dentro dos meus braços Os abraços hão de ser milhões de abraços Apertado assim, colado assim, calado assim Abraços e beijinhos e carinhos sem ter fim Que é pra acabar com esse negócio de viver longe de mim Não quero mais esse negócio de você viver assim Vamos deixar desse negócio de você viver sem mim Vinicius de Moraes
  • 18. Desencontro A sua lembrança me dói tanto Eu canto pra ver Se espanto esse mal Mas só sei dizer Um verso banal Fala em você Canta você É sempre igual Sobrou desse nosso desencontro Um conto de amor Sem ponto final Retrato sem cor Jogado aos meus pés E saudades fúteis Saudades frágeis Meros papéis Não sei se você ainda é a mesma Ou se cortou os cabelos Rasgou o que é meu Se ainda tem saudades E sofre como eu Ou tudo já passou Já tem um novo amor Já me esquece Chico Buarque
  • 19. As sem-razões do amor Eu te amo porque te amo, Não precisas ser amante, e nem sempre sabes sê-lo. Eu te amo porque te amo. Amor é estado de graça e com amor não se paga. Amor é dado de graça, é semeado no vento, na cachoeira, no eclipse. Amor foge a dicionários e a regulamentos vários. Eu te amo porque não amo bastante ou demais a mim. Porque amor não se troca, não se conjuga nem se ama. Porque amor é amor a nada, feliz e forte em si mesmo. Amor é primo da morte, e da morte vencedor, por mais que o matem (e matam) a cada instante de amor. Carlos Drummond de Andrade
  • 20. Referências  CANDIDO, Antonio. A literatura e a formação do homem. In: Ciência e cultura. , São Paulo. USP, 1972.  CANDIDO, Antonio. O direito a literatura; O esquema de machado de Assis. In: Vários Escritos. São Paulo: Duas Cidades, 1995.  COSSON, R. Letramento literário: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2006.  GROSSI, Gabriel Pillar. Leitura e sustentabilidade. Nova Escola, São Paulo, SP, n° 18, p. 3, abr 2008.  MÃE, Valter Hugo. Portugal à Brasileira. Revista Lingua Portuguesa, ano 6, nº70, p.12. Agosto de 2011, Ed. Segmento, Entrevista consedida a Terciane Alves  PARANÁ. Diretrizes Curriculares Estaduais: Língua Portuguesa, ensino fundamental; Curitiba, 2008.  Poemas disponíveis no site : http://pensador.uol.com.br