SlideShare uma empresa Scribd logo
PRÁTICA DE LEITURA
PRÁTICA DE PRODUÇÃO DE
TEXTOS
Acadêmicas:
Daoana Serpa
Fernanda Tulio
Francieli Stanqueviski
Katiana Pacianello
PRÁTICA DE LEITURA
 O trabalho com leitura tem como finalidade a
formação de leitores competentes e a formação de
escritores;
 A leitura fornece matéria-prima para a escrita (o
que escrever) e contribui para a constituição de
modelos (como escrever);
 Um leitor competente é capaz de selecionar, dentre
os trechos que circulam socialmente, aqueles que
podem atender uma necessidade sua.
TRATAMENTO DIDÁTICO
 A leitura na escola tem sido um objeto de ensino,
mas deve-se transformar em objeto de
aprendizagem
 Não se formam bons leitores solicitando aos alunos
que leiam apenas durante as atividades na sala de
aula.
 A mais importante estratégia didática para a prática
de leitura é o trabalho com a diversidade textual.
APRENDIZADO INICIAL DE LEITURA
 Superação de concepções antigas:
- Ler é simplesmente decodificar, converter letras em sons,
- A compreensão é consequência natural desse processo.
Resultado: Os alunos decodificam textos, mas com enormes
dificuldades de compreendê-los.
 Não se deve ensinar a ler através de práticas de
decodificação.
―É preciso aprender a ler, lendo‖ : Compreender o sistema
alfabético através de uma prática de leitura.
 Criar uma situação de aprendizagem que valorize a
heterogeneidade da turma, para que esta seja um
instrumento de troca.
 Para aprender a ler é preciso interagir com diversidade
de textos escritos.
 Socialização de leitores mais experientes para os
iniciantes: negociação de conhecimento.
 A leitura como prática social é um meio, não um fim, pois
fora da escola não haverá fichas de leitura a serem
completadas.
 Cada tipo de texto deve ser trabalho conforme sua
complexidade.
 A interpretação não pode ser única.
 O significado constrói-se pelo esforço de interpretação do leitor. Seu
conhecimento prévio deve ser valorizado.
 Desenvolver alunos que tenham de fato gosto pela leitura, que seja
uma atividade prazerosa.
 Permitir ao aluno a escolha de suas leituras.
LEITURA DIÁRIA
 O trabalho com a leitura deve ser diário, ele pode ser feito
silenciosamente, em voz alta, individualmente ou em grupo,
até mesmo pela escuta de alguém que lê.
 Na aplicação da leitura diária em sala de aula, deve –se
tomar alguns cuidados:
 Deve-se sempre explicitar os objetivos da atividade de leitura
e preparar os alunos.
 É necessário refletir com os alunos sobre as modalidades de
leitura e o que cada tipo exige do leitor.
LEITURA COLABORATIVA
 O professor lê um texto com a classe e durante a leitura
discute com os alunos os sentidos que podem ser atribuídos
a ele.
 É uma excelente estratégia para a formação de leitores.
 A possibilidade de interrogar o texto, a diferenciação entre
realidade e ficção, a identificação de elementos
discriminatórios e recursos persuasivos, a interpretação de
sentido figurado, a inferência sobre a intencionalidade do
autor, são alguns dos aspectos dos conteúdos relacionados à
compreensão de textos, para os quais a leitura colaborativa
tem muito a contribuir.
PROJETOS DE LEITURA
 Os projetos são situações em que linguagem oral,
linguagem escrita, leitura e produção de textos se
inter-relacionam de forma contextualizada;
 São situações linguisticamente significativas, em
que faz sentido, por exemplo, ler para escrever,
escrever para ler, ler para decorar, escrever para
não esquecer, ler em voz alta em tom adequado.
ATIVIDADES SEQUENCIADAS DE
LEITURA
 Situações didáticas para promover o gosto pela leitura.
 Funcionam como projetos.
 Não tem um produto final determinado.
 Objetivo explícito: Leitura em si.
 Nas atividades sequenciadas pode-se eleger um tema, autor
ou gênero específico
ATIVIDADES PERMANENTES DE
LEITURA
 Atividades propostas com regularidade com o objetivo de
formar opiniões favoráveis à leitura.
 Exemplo: Os alunos escolhem o material que desejam ler,
levam para casa e na outra semana ou quinzena, se
revezam para fazer a leitura em voz alta e compartilham com
a classe opiniões e impressões que tiveram ao ler o material.
 Pode-se fazer a chamada ‗Roda de Leitores‘
LEITURA FEITA PELO PROFESSOR
 A leitura em voz alta feita pelo professor é uma prática
bastante incomum nas escolas
 Na escola, a prática de leitura é importante pois pode:
 ampliar a visão de mundo e inserir o leitor na cultura letrada;
 estimular o desejo de outras leituras;
 aproximar o leitor dos textos e os tornar familiares —
condição para a leitura fluente e para a produção de textos;
 ensinar a estudar
 favorecer a estabilização de formas ortográficas.
PRÁTICA DE PRODUÇÃO DE TEXTOS
 É preciso formar escritores competentes, capazes de produzir
textos coerentes, coesos e eficazes.
 Sabe selecionar o gênero mais apropriado para cada
finalidade.
 Planeja o discurso e consequentemente seu texto, seu
objetivo e ao leitor a que se destina.
 Olhar para o próprio texto e perceber-se está ambíguo,
redundante, incompleto.
 Revisar/Reescrever/Considerar satisfatório.
 Para escrever é necessário o domínio de dois processos:
A natureza do sistema de escrita da língua
O funcionamento da linguagem que se usa para escrever
 O domínio da linguagem escrita se adquire muito mais pela
leitura que pela própria escrita. Deparar o aluno com os
variados gêneros textuais e com suas especificidades.
 A escrita de determinado gênero deve responder :
- Para que?
- Para quem?
- Onde?
- Como se escreve?
 Prática continuada de produção de textos na sala de aula.
Aproximar o escritor ao contexto textual que ele estará
produzindo, pois diferentes objetivos exigem diferentes
gêneros.
TRATAMENTO DIDÁTICO
 Alguns procedimentos didáticos são necessários
para implementar uma prática continuada de
produção de textos na escola, tais como:
Oferecer textos impressos de boa qualidade;
Solicitar textos mesmo antes do aluno saber
escrever;
Propor atividades de produção de texto em grupos
para que os alunos possam desenvolver diferentes
atividades;
A conversa entre professor e aluno também é uma
importante estratégia.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
Elizabet Tramontin Silveira Camargo
 
2ª formação leitura e escrita
2ª formação   leitura e escrita2ª formação   leitura e escrita
2ª formação leitura e escrita
PNAIC UFSCar
 
Oficinas de leitura 1
Oficinas de leitura 1Oficinas de leitura 1
Oficinas de leitura 1
Rosemary Batista
 
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Denise Oliveira
 
Descritores de Língua Portuguesa 5º Ano
Descritores de Língua Portuguesa 5º AnoDescritores de Língua Portuguesa 5º Ano
Descritores de Língua Portuguesa 5º Ano
Prof Barbosa
 
Produção e intervenção de textos sme 2013
Produção e intervenção de textos sme 2013Produção e intervenção de textos sme 2013
Produção e intervenção de textos sme 2013
Rosemary Batista
 
Metodos
MetodosMetodos
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)
PamelaAschoff
 
Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento
Adriana Pereira
 
Leitura e produção textual
Leitura e produção textualLeitura e produção textual
Leitura e produção textual
Jose Arnaldo Silva
 
Power point, leitura é...
Power point, leitura é...Power point, leitura é...
Power point, leitura é...
Fan Santos
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
Ananda Lima
 
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTOSlides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Edna Monteiro
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
Naysa Taboada
 
Ensino da lingua portuguesa
Ensino da  lingua portuguesaEnsino da  lingua portuguesa
Ensino da lingua portuguesa
Gerdian Teixeira
 
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramentoFundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
Susanne Messias
 
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.
Magda Marques
 
A importância da leitura
A importância da leituraA importância da leitura
A importância da leitura
anapaulaoliveira
 
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
Lygia Souza
 
Literatura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenilLiteratura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenil
Susanne Messias
 

Mais procurados (20)

Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
2ª formação leitura e escrita
2ª formação   leitura e escrita2ª formação   leitura e escrita
2ª formação leitura e escrita
 
Oficinas de leitura 1
Oficinas de leitura 1Oficinas de leitura 1
Oficinas de leitura 1
 
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
 
Descritores de Língua Portuguesa 5º Ano
Descritores de Língua Portuguesa 5º AnoDescritores de Língua Portuguesa 5º Ano
Descritores de Língua Portuguesa 5º Ano
 
Produção e intervenção de textos sme 2013
Produção e intervenção de textos sme 2013Produção e intervenção de textos sme 2013
Produção e intervenção de textos sme 2013
 
Metodos
MetodosMetodos
Metodos
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)
 
Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento
 
Leitura e produção textual
Leitura e produção textualLeitura e produção textual
Leitura e produção textual
 
Power point, leitura é...
Power point, leitura é...Power point, leitura é...
Power point, leitura é...
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
 
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTOSlides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
Slides 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
Ensino da lingua portuguesa
Ensino da  lingua portuguesaEnsino da  lingua portuguesa
Ensino da lingua portuguesa
 
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramentoFundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
Fundamentos teoricos e metodologicos da alfabetização e do letramento
 
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.
 
A importância da leitura
A importância da leituraA importância da leitura
A importância da leitura
 
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
 
Literatura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenilLiteratura infantil-juvenil
Literatura infantil-juvenil
 

Destaque

Apostila gêneros textuais 4º ano
Apostila gêneros textuais  4º anoApostila gêneros textuais  4º ano
Apostila gêneros textuais 4º ano
Roseanne Funchal Olivieira
 
Oficina de produção de texto
Oficina de produção de textoOficina de produção de texto
Oficina de produção de texto
Elia Rejany
 
Jogos matematicos 4_ano_1_e_2_bim
Jogos matematicos 4_ano_1_e_2_bimJogos matematicos 4_ano_1_e_2_bim
Jogos matematicos 4_ano_1_e_2_bim
Elaine Fatima
 
O uso dos quadrinhos em sala de aula
O uso dos quadrinhos em sala de aulaO uso dos quadrinhos em sala de aula
O uso dos quadrinhos em sala de aula
Seed Pr
 
Produção de Texto
Produção de TextoProdução de Texto
Produção de Texto
Editora Moderna
 
Produção de texto
Produção de textoProdução de texto
Produção de texto
elianemaganhabarbosa
 
Levantamento de características de gêneros textuais
Levantamento de características de gêneros textuaisLevantamento de características de gêneros textuais
Levantamento de características de gêneros textuais
Ana Paula
 
Fatores de textualidade
Fatores de textualidadeFatores de textualidade
Fatores de textualidade
ma.no.el.ne.ves
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
Cláudia Heloísa
 
Apostila de portadores de texto. gêneros textuais(1)
Apostila de portadores de texto. gêneros textuais(1)Apostila de portadores de texto. gêneros textuais(1)
Apostila de portadores de texto. gêneros textuais(1)
Jairtes Lima
 
Atividades lúdicas interpretação e produção de texto
Atividades lúdicas interpretação e produção de textoAtividades lúdicas interpretação e produção de texto
Atividades lúdicas interpretação e produção de texto
Silvana Pinto
 
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...
orientadoresdeestudopaic
 
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_3º_e_4º_BIMESTRE-PAIC+ A...
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_3º_e_4º_BIMESTRE-PAIC+ A...LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_3º_e_4º_BIMESTRE-PAIC+ A...
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_3º_e_4º_BIMESTRE-PAIC+ A...
orientadoresdeestudopaic
 

Destaque (13)

Apostila gêneros textuais 4º ano
Apostila gêneros textuais  4º anoApostila gêneros textuais  4º ano
Apostila gêneros textuais 4º ano
 
Oficina de produção de texto
Oficina de produção de textoOficina de produção de texto
Oficina de produção de texto
 
Jogos matematicos 4_ano_1_e_2_bim
Jogos matematicos 4_ano_1_e_2_bimJogos matematicos 4_ano_1_e_2_bim
Jogos matematicos 4_ano_1_e_2_bim
 
O uso dos quadrinhos em sala de aula
O uso dos quadrinhos em sala de aulaO uso dos quadrinhos em sala de aula
O uso dos quadrinhos em sala de aula
 
Produção de Texto
Produção de TextoProdução de Texto
Produção de Texto
 
Produção de texto
Produção de textoProdução de texto
Produção de texto
 
Levantamento de características de gêneros textuais
Levantamento de características de gêneros textuaisLevantamento de características de gêneros textuais
Levantamento de características de gêneros textuais
 
Fatores de textualidade
Fatores de textualidadeFatores de textualidade
Fatores de textualidade
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
 
Apostila de portadores de texto. gêneros textuais(1)
Apostila de portadores de texto. gêneros textuais(1)Apostila de portadores de texto. gêneros textuais(1)
Apostila de portadores de texto. gêneros textuais(1)
 
Atividades lúdicas interpretação e produção de texto
Atividades lúdicas interpretação e produção de textoAtividades lúdicas interpretação e produção de texto
Atividades lúdicas interpretação e produção de texto
 
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_1º_e_2º_BIMESTRE-PAIC+ A...
 
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_3º_e_4º_BIMESTRE-PAIC+ A...
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_3º_e_4º_BIMESTRE-PAIC+ A...LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_3º_e_4º_BIMESTRE-PAIC+ A...
LINGUA PORTUGUESA CADERNO DE PRODUÇÃO TEXTUAL 5º ANO_3º_e_4º_BIMESTRE-PAIC+ A...
 

Semelhante a Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto

Lingua Portuguesa Pcop Ana Luisa
Lingua Portuguesa Pcop Ana LuisaLingua Portuguesa Pcop Ana Luisa
Lingua Portuguesa Pcop Ana Luisa
DIRETORIA DE ENSINO - REGIÃO DE ITU
 
Produção de Texto
Produção de Texto Produção de Texto
Desenvolvendo competencia.leitora
Desenvolvendo competencia.leitoraDesenvolvendo competencia.leitora
Desenvolvendo competencia.leitora
Fatima Costa
 
Produooralcomdestinoescrito 120628130227-phpapp02
Produooralcomdestinoescrito 120628130227-phpapp02Produooralcomdestinoescrito 120628130227-phpapp02
Produooralcomdestinoescrito 120628130227-phpapp02
Kelly Arduino
 
Modalidades didáticas(25jun09)
Modalidades didáticas(25jun09)Modalidades didáticas(25jun09)
Modalidades didáticas(25jun09)
franiris
 
Não apenas o texto mas o diálogo em
Não apenas o texto mas o diálogo emNão apenas o texto mas o diálogo em
Não apenas o texto mas o diálogo em
anabraescher
 
sabores da leitura
sabores da leiturasabores da leitura
sabores da leitura
Cesar Eduardo
 
2slide 1encontro-120628133327-phpapp01
2slide 1encontro-120628133327-phpapp012slide 1encontro-120628133327-phpapp01
2slide 1encontro-120628133327-phpapp01
Flávia Boni
 
2º slide 1º encontro
2º slide  1º encontro2º slide  1º encontro
2º slide 1º encontro
orientacoesdidaticas
 
Produção or al com destino escrito
Produção or al com destino escritoProdução or al com destino escrito
Produção or al com destino escrito
orientacoesdidaticas
 
2slide 1encontro-120628133327-phpapp01
2slide 1encontro-120628133327-phpapp012slide 1encontro-120628133327-phpapp01
2slide 1encontro-120628133327-phpapp01
Isabela Maggot
 
Situções que a rotina deve contemplar
Situções que a rotina deve contemplarSituções que a rotina deve contemplar
Situções que a rotina deve contemplar
Renata Graziela Pereira Renata
 
Ler e escrever lerner
Ler e escrever lernerLer e escrever lerner
Ler e escrever lerner
Karina Reimberg
 
3- O ensino da leitura e da escrita.pptx
3- O ensino da leitura e da escrita.pptx3- O ensino da leitura e da escrita.pptx
3- O ensino da leitura e da escrita.pptx
noadiasilva2
 
CompreensãO E ProduçãO De Texto
CompreensãO E ProduçãO De TextoCompreensãO E ProduçãO De Texto
CompreensãO E ProduçãO De Texto
guest67b92
 
Projeto de leitura
Projeto de leituraProjeto de leitura
Projeto de leitura
Daniel Campos
 
Língua Portuguesa
Língua PortuguesaLíngua Portuguesa
Língua Portuguesa
anabraescher
 
Encontro sobre alfabetização
Encontro sobre alfabetizaçãoEncontro sobre alfabetização
Encontro sobre alfabetização
Magda Marques
 
Palestra para professores ciclo ii
Palestra para professores ciclo iiPalestra para professores ciclo ii
Palestra para professores ciclo ii
Lari Aveiro
 
Paletra alfabetização
Paletra alfabetizaçãoPaletra alfabetização
Paletra alfabetização
Lari Aveiro
 

Semelhante a Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto (20)

Lingua Portuguesa Pcop Ana Luisa
Lingua Portuguesa Pcop Ana LuisaLingua Portuguesa Pcop Ana Luisa
Lingua Portuguesa Pcop Ana Luisa
 
Produção de Texto
Produção de Texto Produção de Texto
Produção de Texto
 
Desenvolvendo competencia.leitora
Desenvolvendo competencia.leitoraDesenvolvendo competencia.leitora
Desenvolvendo competencia.leitora
 
Produooralcomdestinoescrito 120628130227-phpapp02
Produooralcomdestinoescrito 120628130227-phpapp02Produooralcomdestinoescrito 120628130227-phpapp02
Produooralcomdestinoescrito 120628130227-phpapp02
 
Modalidades didáticas(25jun09)
Modalidades didáticas(25jun09)Modalidades didáticas(25jun09)
Modalidades didáticas(25jun09)
 
Não apenas o texto mas o diálogo em
Não apenas o texto mas o diálogo emNão apenas o texto mas o diálogo em
Não apenas o texto mas o diálogo em
 
sabores da leitura
sabores da leiturasabores da leitura
sabores da leitura
 
2slide 1encontro-120628133327-phpapp01
2slide 1encontro-120628133327-phpapp012slide 1encontro-120628133327-phpapp01
2slide 1encontro-120628133327-phpapp01
 
2º slide 1º encontro
2º slide  1º encontro2º slide  1º encontro
2º slide 1º encontro
 
Produção or al com destino escrito
Produção or al com destino escritoProdução or al com destino escrito
Produção or al com destino escrito
 
2slide 1encontro-120628133327-phpapp01
2slide 1encontro-120628133327-phpapp012slide 1encontro-120628133327-phpapp01
2slide 1encontro-120628133327-phpapp01
 
Situções que a rotina deve contemplar
Situções que a rotina deve contemplarSituções que a rotina deve contemplar
Situções que a rotina deve contemplar
 
Ler e escrever lerner
Ler e escrever lernerLer e escrever lerner
Ler e escrever lerner
 
3- O ensino da leitura e da escrita.pptx
3- O ensino da leitura e da escrita.pptx3- O ensino da leitura e da escrita.pptx
3- O ensino da leitura e da escrita.pptx
 
CompreensãO E ProduçãO De Texto
CompreensãO E ProduçãO De TextoCompreensãO E ProduçãO De Texto
CompreensãO E ProduçãO De Texto
 
Projeto de leitura
Projeto de leituraProjeto de leitura
Projeto de leitura
 
Língua Portuguesa
Língua PortuguesaLíngua Portuguesa
Língua Portuguesa
 
Encontro sobre alfabetização
Encontro sobre alfabetizaçãoEncontro sobre alfabetização
Encontro sobre alfabetização
 
Palestra para professores ciclo ii
Palestra para professores ciclo iiPalestra para professores ciclo ii
Palestra para professores ciclo ii
 
Paletra alfabetização
Paletra alfabetizaçãoPaletra alfabetização
Paletra alfabetização
 

Último

oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 

Último (20)

oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 

Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto

  • 1. PRÁTICA DE LEITURA PRÁTICA DE PRODUÇÃO DE TEXTOS Acadêmicas: Daoana Serpa Fernanda Tulio Francieli Stanqueviski Katiana Pacianello
  • 2. PRÁTICA DE LEITURA  O trabalho com leitura tem como finalidade a formação de leitores competentes e a formação de escritores;  A leitura fornece matéria-prima para a escrita (o que escrever) e contribui para a constituição de modelos (como escrever);  Um leitor competente é capaz de selecionar, dentre os trechos que circulam socialmente, aqueles que podem atender uma necessidade sua.
  • 3. TRATAMENTO DIDÁTICO  A leitura na escola tem sido um objeto de ensino, mas deve-se transformar em objeto de aprendizagem  Não se formam bons leitores solicitando aos alunos que leiam apenas durante as atividades na sala de aula.  A mais importante estratégia didática para a prática de leitura é o trabalho com a diversidade textual.
  • 4. APRENDIZADO INICIAL DE LEITURA  Superação de concepções antigas: - Ler é simplesmente decodificar, converter letras em sons, - A compreensão é consequência natural desse processo. Resultado: Os alunos decodificam textos, mas com enormes dificuldades de compreendê-los.  Não se deve ensinar a ler através de práticas de decodificação. ―É preciso aprender a ler, lendo‖ : Compreender o sistema alfabético através de uma prática de leitura.  Criar uma situação de aprendizagem que valorize a heterogeneidade da turma, para que esta seja um instrumento de troca.
  • 5.  Para aprender a ler é preciso interagir com diversidade de textos escritos.  Socialização de leitores mais experientes para os iniciantes: negociação de conhecimento.  A leitura como prática social é um meio, não um fim, pois fora da escola não haverá fichas de leitura a serem completadas.  Cada tipo de texto deve ser trabalho conforme sua complexidade.
  • 6.  A interpretação não pode ser única.  O significado constrói-se pelo esforço de interpretação do leitor. Seu conhecimento prévio deve ser valorizado.  Desenvolver alunos que tenham de fato gosto pela leitura, que seja uma atividade prazerosa.  Permitir ao aluno a escolha de suas leituras.
  • 7. LEITURA DIÁRIA  O trabalho com a leitura deve ser diário, ele pode ser feito silenciosamente, em voz alta, individualmente ou em grupo, até mesmo pela escuta de alguém que lê.  Na aplicação da leitura diária em sala de aula, deve –se tomar alguns cuidados:  Deve-se sempre explicitar os objetivos da atividade de leitura e preparar os alunos.  É necessário refletir com os alunos sobre as modalidades de leitura e o que cada tipo exige do leitor.
  • 8. LEITURA COLABORATIVA  O professor lê um texto com a classe e durante a leitura discute com os alunos os sentidos que podem ser atribuídos a ele.  É uma excelente estratégia para a formação de leitores.  A possibilidade de interrogar o texto, a diferenciação entre realidade e ficção, a identificação de elementos discriminatórios e recursos persuasivos, a interpretação de sentido figurado, a inferência sobre a intencionalidade do autor, são alguns dos aspectos dos conteúdos relacionados à compreensão de textos, para os quais a leitura colaborativa tem muito a contribuir.
  • 9. PROJETOS DE LEITURA  Os projetos são situações em que linguagem oral, linguagem escrita, leitura e produção de textos se inter-relacionam de forma contextualizada;  São situações linguisticamente significativas, em que faz sentido, por exemplo, ler para escrever, escrever para ler, ler para decorar, escrever para não esquecer, ler em voz alta em tom adequado.
  • 10. ATIVIDADES SEQUENCIADAS DE LEITURA  Situações didáticas para promover o gosto pela leitura.  Funcionam como projetos.  Não tem um produto final determinado.  Objetivo explícito: Leitura em si.  Nas atividades sequenciadas pode-se eleger um tema, autor ou gênero específico
  • 11. ATIVIDADES PERMANENTES DE LEITURA  Atividades propostas com regularidade com o objetivo de formar opiniões favoráveis à leitura.  Exemplo: Os alunos escolhem o material que desejam ler, levam para casa e na outra semana ou quinzena, se revezam para fazer a leitura em voz alta e compartilham com a classe opiniões e impressões que tiveram ao ler o material.  Pode-se fazer a chamada ‗Roda de Leitores‘
  • 12. LEITURA FEITA PELO PROFESSOR  A leitura em voz alta feita pelo professor é uma prática bastante incomum nas escolas  Na escola, a prática de leitura é importante pois pode:  ampliar a visão de mundo e inserir o leitor na cultura letrada;  estimular o desejo de outras leituras;  aproximar o leitor dos textos e os tornar familiares — condição para a leitura fluente e para a produção de textos;  ensinar a estudar  favorecer a estabilização de formas ortográficas.
  • 13. PRÁTICA DE PRODUÇÃO DE TEXTOS  É preciso formar escritores competentes, capazes de produzir textos coerentes, coesos e eficazes.  Sabe selecionar o gênero mais apropriado para cada finalidade.  Planeja o discurso e consequentemente seu texto, seu objetivo e ao leitor a que se destina.  Olhar para o próprio texto e perceber-se está ambíguo, redundante, incompleto.  Revisar/Reescrever/Considerar satisfatório.
  • 14.  Para escrever é necessário o domínio de dois processos: A natureza do sistema de escrita da língua O funcionamento da linguagem que se usa para escrever  O domínio da linguagem escrita se adquire muito mais pela leitura que pela própria escrita. Deparar o aluno com os variados gêneros textuais e com suas especificidades.
  • 15.  A escrita de determinado gênero deve responder : - Para que? - Para quem? - Onde? - Como se escreve?  Prática continuada de produção de textos na sala de aula. Aproximar o escritor ao contexto textual que ele estará produzindo, pois diferentes objetivos exigem diferentes gêneros.
  • 16. TRATAMENTO DIDÁTICO  Alguns procedimentos didáticos são necessários para implementar uma prática continuada de produção de textos na escola, tais como: Oferecer textos impressos de boa qualidade; Solicitar textos mesmo antes do aluno saber escrever; Propor atividades de produção de texto em grupos para que os alunos possam desenvolver diferentes atividades; A conversa entre professor e aluno também é uma importante estratégia.