Produção e revisão de textos

4.645 visualizações

Publicada em

PNAIC MERITI - PRODUÇÃO E REVISÃO DE TEXTOS

Publicada em: Educação
0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.645
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
238
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Produção e revisão de textos

  1. 1. PRODUÇÃO E REVISÃO DE TEXTOS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO ORIENTADORAS : Marilene Rangel e Marilena Oliveira PNAIC- SÃO JOÃO DE MERITI,RJ
  2. 2. LEITURA DELEITE PARA QUE SERVE UMA RELAÇÃO? MARTHA MEDEIROS
  3. 3. REFLEXÕES
  4. 4. O QUE CONSTRUÍMOS SOBRE O ASSUNTO ATÉ AQUI ? • 1- Produção de textos: uma atividade social e cognitiva • 2- É possível ensinar a produzir textos ? • 3- A concepção que se tem de ensino e aprendizagem faz diferença na avaliação dos textos escritos? • 4- O trabalho a partir de textos, fugindo do trabalho mecânico, e não de frases ou palavras soltas OU primeiro alfabetizar para depois produzir textos ? • 5-Utilizar o texto literário como um aprendizado em si e não como expediente para ensinar valores morais e aspectos gramaticais inibindo a descoberta do prazer da leitura.(leitura deleite / cantinho da leitura) • 6- Invés de uma atitide corretiva, o professor usa a linguagem do aluno para mostrar a diferença e não o erro. • 7- Não existe mais um único jeito de se falar a língua portugues mas o respeito pelos diversos falares que nossa língua ganhou precisa ser cultivado. • 8-Valorizar menos a gramática normativa que termina por dar mais atenção às excessões que à regra. • Aproveitar as situações reais vivenciadas para trabalhar os diferentes tipos de textos.
  5. 5. Psicogênese da Língua Escrita NOVO OLHARES SOBRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO PRODUÇÃO TEXTUAL CORREÇÃO DE TEXTOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO NOVA RELAÇÃO DO ALUNO COM A LEITURA E A ESCRITA
  6. 6. ESCRITA DOCENTE QUAL A DIFERENÇA DE ESCREVER DENTRO E FORA DA ESCOLA ?
  7. 7. O primeiro passo é conhecer os diversos gêneros. Mas é preciso atenção: isso não significa que os recursos discursivos, textuais e linguísticos dos contos de fadas e da reportagem, por exemplo, sejam conteúdos a apresentar aos alunos sem que eles os tenham identificado pela leitura, como ressalta Delia Lerner no livro Ler e Escrever na Escola. Um primeiro risco é o de cair na tentação de transmitir verbalmente as diferentes estruturas textuais. De acordo com a pesquisadora em didática, cabe a todo professor permitir que as crianças adquiram os comportamentos do leitor e do escritor pela participação em situações práticas e não "por meras verbalizações". Ensinar não é transferir conhecimentos,mas criar possibilidades para a sua própria produção ou sua construção.” Paulo Freire
  8. 8. VAMOS BRINCAR... • LER A CANTIGA E DEPOIS TRANFORMÁ-LA EM UM CONTO. É POSSÍVEL ? O Cravo Brigou Com a Rosa O cravo brigou com a rosa, Debaixo de uma sacada, O cravo saiu ferido, E a rosa despedaçada. O cravo ficou doente, A rosa foi visitar, O cravo teve um desmaio, E a rosa pô-se a chorar. COMO FICARIA ? • NUMA CARTA • NUMA MANCHETE DE JORNAL • TEXTO JORNAL DE TV: VAGNER MONTES • CLASSIFICADOS • CARTAZ • PEÇA TEATRAL • ETC
  9. 9. PRÁTICAS
  10. 10. PASSO A PASSO DA PRODUÇÃO DE TEXTOS O PRIMEIRO E GRANDE PASSO É DEIXAR AS CRIANÇAS À VONTADE, SEM MEDO DE SE EXPRESSAR ; SEMPRE OPORTUNIZAR MOMENTOS E CONTATO COM A LEITURA ( LEITURA DELEITE), CULTIVANDO O PRAZER DE LER; PROPOR PRODUÇÕES COLETIVAS E INDIVIDUAIS; RETOMAR PRODUÇÕES DA TURMA OU MÚSICAS, TEXTOS DIVERSOS, INTERPRETANDO, ANALISANDO,MODIFICANDO, CORRIGINDO, MELHORANDO E BRINCANDO COM O TEXTO ESCRITO; ATIVIDADES AUTÊNTICAS, OU SEJA, FUNCIONAIS, SÃO IMPRESCINDÍVEIS PARA QUE HAJA APRENDI-ZAGEM SIGNIFICATIVA. EMPODERAR O ALUNO, DANDO-LHE INFORMAÇÕES QUE AUMENTEM SEUS CONHECIMENTOS ,ELEVAN-DO SUA AUTO ESTIMA E AUTONOMIA CRESCENTE NA PRODUÇÃO DE TEXTOS. POSSIBILITAR QUE SE APRENDA A ESCREVER ESCREVENDO EM UM AMBIENTE MOTIVANTE.
  11. 11. Jornal: ANALISAR UMA EXPERIÊNCIA 1ª AULA –a professora entregou um jornal a cada grupo e propôs a manipulação. Depois fez perguntas sobre o nome do jornal, data, estrutura, a experiência deles com jornal,etc. Chamou a atenção para a parte de carta à redação e leu algumas delas para as crianças. 2ª AULA – A professora levou uma reportagem onde falava de menores abandonados, leu para os alunos e solicitou suas opiniões sobre a reportagem. Depois do debate pediu propôs uma escrita coletiva de uma carta à redação sintetizando o que acharam da reportagem. Os alunos iam ditando e ela escrevia chamando a atençaõ para os diferentes aspectos que iam surgindo, e fez a leitura da carta ao final de sua escrita. 3ª AULA– A professora retomou a escrita da carta, indagando se gostariam de mudar alguma coisa, todos assinram e passaram ao endereçamento do envelope à redação. Como já havia comprado os seleos, pediu que os alunos colassem e passou a carta de mão em mão para que vissem. A professora levou o jornal do dia, leu e comentou a manchete: “Campeonato Brasileiro já tem seu campeão”. Propôs às crianças que elaborassem individualmente uma lista com times de futebol, em ordem alfabética. Se fosse você o que faria: a) Retornaria ao tema carta à redação. b) Continuaria com o tema Manchete. c) Deixaria o jornal e exploraria outro portador de texto d) Trabalharia o jornal até esgotar todas as possibilidades deste portador de textos e) Avaliaria o interesse das crianças
  12. 12. REVISÃO DE TEXTOS - Vídeo • A maneira como o professor escreve e revisa no quadro-negro com os alunos , pode colaborar para que a criança o tome como modelo e se familiarize com o procedimento. "Os bons escritores adultos (...) são pessoas que pensam sobre o que vão escrever, colocam em palavras e voltam sobre o já produzido para julgar sua adequação. Revisão vai além da ortografia e foca os propósitos do texto Produzir textos é um processo que envolve diferentes etapas: planejar, escrever, revisar e re-escrever. A revisão não consiste em corrigir apenas erros ortográficos e gramaticais, como se fazia antes, mas cuidar para que o texto cumpra sua finalidade comunicativa. "Deve-se olhar para a produção dos estudantes e identificar o que provoca estranhamento no leitor dentro dos usos sociais que ela terá", explica Fernanda Liberali
  13. 13. CRIATIVIDADE NAS PROPOSTAS EXPLORANDO... GIBIS PORTADORES DE TEXTOS DIFERENTES GÊNEROS TEXTUAIS SITES BLOGS CONTOS RECEITAS TRAVA LÍNGUAS PARÓDIA BULAS PANFLETOS FÁBULAS AGENDA PIADAS DESCRIÇÃO RELATÓRIOS E-MAIL OUTDOOR CRÔNICA CLASSIFICADOS MANUAL DE INSTRUÇÃO REVISTAS CONVITES RÓTULOS BILHETE CARTA CAUSOS CONTO DE ASSOMBRAÇÃO LENDAS CANTIGAS DICIONÁRIO
  14. 14. ATIVIDADES QUE PODEM RENDER UM BOM TRABALHO
  15. 15. PNAIC – OBJETIVOS DA PRODUÇÃO DE TEXTOS • compreender textos lidos por outras pessoas, • produzir diferentes gêneros e com diferentes propósitos; • reconhecer e produzir textos para diferentes finalidades; • localizar informações explícitas em textos de diferentes gêneros e temáticas, • apreender assuntos, Inter-pretar frases e expressões; • estabelecer relação de intertextualidade entre textos; •revisar textos escritos.
  16. 16. PLANEJANDO A PRÁTICA DE PRODUÇÃO E REVISÃO DE TEXTOS ENTREGAR UM JORNAL PARA CADA DUPLA DE PROFESSOR. SOLICITAR QUE: DENTRO DO JORNAL ESCO-LHAM UM TIPO DE TEXTO NO QUAL TRABALHARIAM DURAN-TE 1 SEMANA COM A AS CRIANÇAS; ELABORAR O PLANEJAMENTO E COMPARTILHAR !
  17. 17. PRAZER DE CASA • UTILIANDO O PASSO A PASSO DADO • TRABALHAR COM O PORTADOR DE TEXTOS JORNAL , TRAZER NA PRÓXIMA AULA PARA COMPARTILHAR SUAS EXPERIÊNCIAS.
  18. 18. DEVOLUTIVA DO PRAZER DE CASA PASSADO
  19. 19. PRÓXIMO ENCONTRO 01 / 10 GEOMETRIA Não falte !

×