SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 62
INTRODUÇÃO À TERAPIA
COGNITIVO-
COMPORTAMENTAL
PSIC. VICTOR NÓBREGA
Outubro 2018
psicologovictornobrega@gmail.com
PRINCÍPIOS BÁSICOS DA TERAPIA
COGNITIVO-COMPORTAMENTAL
01/11
ORIGENS DA TERAPIA COGNITIVO-
COMPORTAMENTAL
• DOIS PRINCÍPIOS CENTRAIS
• INFLUÊNCIAS FILOSÓFICAS: ESTOICOS, TAOÍSMO E BUDISMO, ZOROASTRO E
DALAI LAMA
• BECK: INFLUÊNCIA DE PÓS-FREUDIANOS; APLICAÇÕES DE TEORIAS E MÉTODOS
CC PARA TRANSTORNOS EMOCIONAIS; CENTROU-SE NO PENSAMENTO
DISFUNCIONAL
• CONCEITUAÇÃO COGNITIVA DA DEPRESSÃO E DA ANSIEDADE
• INFLUÊNCIAS DA TERAPIA COMPORTAMENTAL: TÉCNICAS COMPORTAMENTAIS E
A INCORPORAÇÃO DE ELEMENTOS COGNITIVOS (TRANSTORNOS MENTAIS
APRESENTAM SINTOMAS NAS DUAS DIMENSÕES)
O MODELO COGNITIVO
CONCEITOS BÁSICOS
• PROCESSAMENTO COGNITVO: PAPEL CENTRAL -> AVALIAÇÃO INTERNA E
CONTÍNUA DOS EVENTOS
Tríade Cognitiva: si
mesmo; mundo
(incluindo os
outros) e o futuro
Passar para a
consciência
ERROS COGNITIVOS
• ABSTRAÇÃO SELETIVA: CONCLUSÕES APÓS EXAMINAR UMA PEQUENA PARTE
• INFERÊNCIA ARBITRÁRIA: CONCLUSÃO NA AUSÊNCIA DE EVIDÊNCIAS
• SUPERGENERALIZAÇÃO: CONCLUSÃO ISOLADA É ESTENDIDA PARA OUTRAS
ÁREAS
• MAX/MINIMIZAÇÃO: RELEVÂNCIA DE ALGO É AUMENTADA/ DIMINUÍDA
• PERSONALIZAÇÃO: EVENTOS EXTERNOS SÃO RELACIONADOS A SI
• PENSAMENTOS ABSOLUTISTAS: TOTALMENTE BOAS OU MÁS
ESQUEMAS
• CRENÇAS NUCLEARES QUE AGEM COMO MATRIZES OU REGRAS SUBJACENTES PARA O
PROCESSAMENTO DE INFORMAÇÕES. PERMITE SELECIONAR, FILTRAR, CODIFICAR E
ATRIBUIR SIGNIFICADO ÀS INFORMAÇÕES. SÃO PRINCÍPIOS DURADOUROS DE
PENSAMENTO QUE COMEÇAM A TOMAR FORMA NO INÍCIO DA INFÂNCIA E SÃO
INFLUENCIADOS PELAS EXPERIÊNCIAS BOAS E RUINS
• PARA QUE POSSAMOS LIDAR COM AS GRANDES QUANTIDADES DE INFORMAÇÕES
• SIMPLES; CRENÇAS E PRESSUPOSTOS INTERMEDIÁRIOS; CRENÇAS CENTRAIS SOBRE SI
• NOSSO OBJETIVO É IDENTIFICAR E DESENVOLVER ESQUEMAS ADAPTATIVOS E
MODIFICAR/REDUZIR OS DESADAPTATIVOS
PROCESSAMENTO DE INFORMAÇÕES
DEPRESSÃO: DESESPERANÇA, BAIXA AUTOESTIMA, VISÃO NEGATIVA DO
AMBIENTE, DESEMPENHO COMPROMETIDO.
ESTILO ATRIBUTIVO: INTERNO X EXTERNO, FIXO X MUTÁVEL; DISTORÇÕES NA
RESPOSTA DO FEEDBACK (MENOSPREZAM DADOS POSITIVOS)
ANSIEDADE: MEDO DE FERIR-SE OU DO PERIGO, SUPERESTIMAÇÃO DOS RISCOS E
SUBESTIMAÇÃO DAS CAPACIDADES DE ENFRENTAMENTO.
MAIOR ATENÇÃO A INFORMAÇÕES DO AMBIENTE SOBRE AMEAÇAS EM
POTENCIAL
A RELAÇÃO TERAPÊUTICA
02/11
O EMPIRISMO COLABORATIVO
• RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA
• TRÍADE HUMANISTA: EMPATIA, ACEITAÇÃO INCONDICIONAL E CONGRUÊNCIA
• PROMOÇÃO DE MUDANÇAS: BOA RELAÇÃO TERAPÊUTICA = BONS RESULTADOS
• O CUIDADO NO USO DA EMPATIA
• ALTO GRAU DE AFETIVIDADE (PRINCIPALMENTE NAS PRIMEIRAS SESSÕES)
• TERAPEUTA COMO PROFESSOR/TREINADOR
• ATRIBUTOS: AMIGÁVEL, ENVOLVIDO, CRIATIVO, CAPACITADA O CLIENTE E ORIENTA-
O PARA A AÇÃO
O EMPIRISMO COLABORATIVO
• O USO CUIDADOSO DO HUMOR: NORMALIZA A ALIANÇA; AJUDA A ROMPER
PADRÕES RÍGIDOS; POSSIBILITA QUE HABILIDADES DE HUMOR SEJAM
REVELADAS; FOCADO EM PROBLEMAS EXTERNOS OU EM INCONGRUÊNCIAS (EM
VEZ DE FRAQUEZA PESSOAL)
• ADAPTA A CADA PERFIL DE CLIENTE E SITUAÇÃO
• TRANSFERÊNCIA: PODEMOS OBSERVAR ESQUEMAS E PADRÕES ASSOCIADOS A
RELACIONAMENTOS PASSADOS
• CONTRATRANSFERÊNCIA: CLIENTE ATIVA PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS E
ESQUEMAS NO TERAPEUTA
AVALIAÇÃO E FORMULAÇÃO
03/11
AVALIAÇÃO
• INICIA-SE COM UM A ANAMNESE COMPLETA E UM EXAME DO ESTADO MENTAL
• ATENÇÃO AOS SINTOMAS ATUAIS
• CONTRA INDICADA: DEMÊNCIA GRAVE, DELIRIUM, INTOXICAÇÃO POR DROGAS,
T.P. ANTISSOCIAL GRAVE NA SIMULAÇÃO (COMPROMETEM A ALIANÇA
TERAPÊUTICA)
• COMPROVADO PARA PSICOSES (SOB ANTIPSICÓTICO) E MONOTERAPIA PARA
QUADROS ANSIOSOS E DEPRESSIVOS
DIMENSÕES A SE CONSIDERAR AO AVALIAR
1. CRONICIDADE E COMPLEXIDADE
2. OTIMISMO EM RELAÇÃO AO SUCESSO DA TERAPIA
3. ACEITAÇÃO E RESPONSABILIDADE PELA MUDANÇA
4. COMPATIBILIDADE COM A LINHA DE RACIOCÍNIO COGNITIVO-
COMPORTAMENTAL
5. CAPACIDADE DE ACESSAR OS P.A. E IDENTIFICAR AS EMOÇÕES QUE OS
ACOMPANHAM
6. CAPACIDADE EM ENVOLVER-SE EM UMA ALIANÇA TERAPÊUTICA
7. CAPACIDADE DE MANTER E TRABALHAR DENTRO DE UM FOCO PARA O
PROBLEMA
CONCEITUALIZAÇÃO DE CASO NA TCC
• MAPA ORIENTADO PARA TRABALHAR COM O CLIENTE
• REÚNE INFORMAÇÕES SOBRE OS 7 DOMÍNIOS (DIAGNÓSTICO E SINTOMAS;
CONTRIBUIÇÕES DAS EXPERIENCIAS DA INFÂNCIA E OUTRAS INFLUÊNCIAS DO
DESENVOLVIMENTO; QUESTÕES SITUACIONAIS E INTERPESSOAIS; FATORES
BIOLÓGICOS; PONTOS FORTES E QUALIDADES; PADRÕES TÍPICOS DE
PENSAMENTO AUTOMÁTICO, EMOÇÕES E COMPORTAMENTOS; ESQUEMAS
SUBJACENTES)
CONCEITUALIZAÇÃO DE CASO NA TCC
• A PRINCÍPIO, PODE SER APENAS UMA ANOTAÇÃO. DEPOIS CONVERTE-SE EM UM
PLANO ORQUESTRADO, COM UM DIRECIONAMENTO COERENTE E EFICAZ PARA
CADA INTERVENÇÃO DA TERAPIA.
• RECOMENDA-SE NA AVALIAÇÃO A UTILIZAÇÃO DE UM PONTO VISTA SECCIONAL
(PADRÕES ATUAIS PELOS QUAIS OS PRINCIPAIS PRECIPITANTES E SITUAÇÕES
ATIVADAS ESTIMULAM PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS, EMOÇÕES E
COMPORTAMENTOS) E LONGITUDINAL (EVENTOS DURANTE O
DESENVOLVIMENTO E OUTRAS INFLUÊNCIAS EVOLUTIVAS, RELACIONADAS A
CRIAÇÃO DE CRENÇAS NUCLEARES E ESQUEMAS)
ESTRUTURAÇÃO E EDUCAÇÃO
04/11
ESTRUTURAÇÃO NA TCC
• ESTABELECIMENTO DE METAS: ENSINA O VALOR DE SE ESTABELECER ALVOS
ESPECÍFICOS. É IMPORTANTE FAZER METAS DE CURTO, MÉDIO E LONGO PRAZO,
ELAS PRECISAM SER MENSURÁVEIS. DEVEM SER REVISADAS EM PELO MENOS DE 4
EM 4 SESSÕES
• ESTABELECIMENTO DE AGENDA: DEVE SER FEITA TODA SESSÃO. DIRETAMENTE
LIGADA A ATINGIR METAS. ESPECÍFICAS E MENSURÁVEIS. NÃO DEVE TORNAR A
SESSÃO MECÂNICA E NÃO-CRIATIVA
• AVALIAÇÃO DOS SINTOMAS: NO INÍCIO DAS SESSÕES, PEDE-SE PARA O CLIENTE
AVALIAR SEU HUMOR E SINTOMAS DE 0 A 10, VERIFICANDO OS AVANÇOS
ESTRUTURAÇÃO DA TCC
• PONTE ENTRE AS SESSÕES: REVISAR O QUE FOI TRABALHADO
• FEEDBACK: DAR E SOLICITAR; VERIFICAR A COMPREENSÃO DO CLIENTE A FIM DE
MONTAR A SESSÃO ESTRUTURADA, CONSTRUIR A RELAÇÃO TERAPÊUTICA,
INCENTIVAR E CORRIGIR DISTORÇÕES
• COMPASSO: APROVEITAR O MELHOR DO TEMPO DE TERAPIA, FAZENDO-O
EFICAZ E NÃO SE PRENDER A PONTOS SEM BENEFÍCIOS
• TAREFAS: ESTABELECER UMA LIGAÇÃO ENTRE AS SESSÕES. DESENVOLVER
HABILIDADES PARA LIDAR COM PROBLEMAS EM SITUAÇÕES REAIS. TAMBÉM
SERVE PARA LIGAR AS SESSÕES
ESTRUTURANDO A SESSÃO DURANTE O
CURSO
Inicial
•Cumprimentar
•Avaliação
•Agenda
•Revisar
•Conduzir
•Psicoeducação
•Nova tarefa
•Revisar pontos chaves
•Feedback
Intermediária
•Cumprimentar
•Avaliação
•Agenda
•Revisão
•Conduzir
•Nova tarefa
•Revisar pontos chaves
•Feedback
final
•Cumprimentar
•Avaliação
•Agenda
•Revisão
•Conduzir
•Prevenção de recaída
•Preparação para o término
•Novas tarefas
•Revisar pontos chaves
•Feedback
PSICOEDUCAÇÃO
• BOA PARTE DO PROCESSO TERAPÊUTICO ESTÁ EM SUA CAPACIDADE DE
ENSINAR, POIS PRECISAMOS EDUCAR O CLIENTE PARA APRENDER A E UTILIZAR
OS MÉTODOS EM SEU DIA-A-DIA E TORNA-LO SEU PRÓPRIO TERAPEUTA
• MINIAULAS (TEORIA, MÉTODO OU PSICOPATOLOGIA)
• MODELO DE EXERCÍCIOS
• CADERNO DE TERAPIA
• LEITURA AUXILIARES
• TCC VIA PROGRAMAS DE COMPUTADOR
TRABALHANDO COM PENSAMENTOS
AUTOMÁTICOS
05/11
IDENTIFICAÇÃO DE PENSAMENTOS
AUTOMÁTICOS
• RECONHECIMENTO DAS MUDANÇAS DE HUMOR: ÚTIL POIS O HUMOR GERA
COGNIÇÕES
• PSICOEDUCAÇÃO: ENSINA O QUE SÃO OS PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS
• DESCOBERTA GUIADA: FAÇA QUESTIONAMENTOS QUE ESTIMULEM A EMOÇÃO,
DEVEMOS FOCAR NA SITUAÇÃO, UTILIZANDO A EMPATIA E A FORMULAÇÃO DE
CASO PARA AJUDAR O CLIENTE A LEMBRAR DE SEUS PENSAMENTOS
• REGISTRO DE PENSAMENTO: AJUDA A PENSAR DE FORMA CRÍTICA
• IMAGENS MENTAIS: GERAR MEMÓRIAS MAIS VIVAS DA SITUAÇÃO QUE GEROU P.A.
• ROLE-PLAY: ENCENAR UMA PESSOA PARA DESENVOLVER INSIGHTS SOBRE OS P.A.
• INVENTÁRIOS: TESTES PARA AFERIR P.A.
MODIFICAÇÃO DE PENSAMENTOS
AUTOMÁTICOS
• QUESTIONAMENTO SOCRÁTICO: ESPINHA DORSAL. PERGUNTAS QUE REVELEM
OPORTUNIDADES DE MUDANÇA, QUE TRAGAM RESULTADOS. MÚLTIPLA
ESCOLHA.
• RMP: RECONHECE OS P.A., IDENTIFICA ERROS, EXAMINA EVIDÊNCIAS, GERAM
ALTERNATIVAS.
• GERAÇÃO DE ALTERNATIVAS RACIONAIS: ENCARAR A REALIDADE E
DESENVOLVER TÉCNICAS DE ENFRENTAMENTO. COMO LIDAVA COM ISSO
ANTES?
• IDENTIFICAÇÃO DE ERROS COGNITIVOS
• EXAME DE EVIDÊNCIAS: A FAVOR E CONTRA O PENSAMENTO
MODIFICAÇÃO DE PENSAMENTOS
AUTOMÁTICOS
• DESCATASTROFIZAÇÃO: AVALIAR PREVISÕES CATASTRÓFICAS E ENFRENTAMENTO
ADAPTATIVO CASO SEJAM REAIS. TRABALHAR O ENFRENTAMENTO NA PIOR DAS
HIPÓTESES, MOSTRANDO QUE NEM TUDO ESTÁ PERDIDO
• REATRIBUIÇÃO: UTILIZANDO O GRÁFICO DE FATORES PARA DIMINUIR
TENDÊNCIAS ATRIBUTIVAS ENVIESADAS
• ENSAIO COGNITIVO: PENSAR COM ANTECEDÊNCIA, IDENTIFICANDO
PENSAMENTOS E COMPORTAMENTOS, MODIFICANDO-OS COM RMP OU OUTRO
MÉTODO, ENSAIANDO COM O MODO MAIS ADAPTATIVO DE PENSAR E SE
COMPORTAR, IMPLEMENTANDO NOVA ESTRATÉGIA
• CARTÕES DE ENFRENTAMENTO:
MÉTODOS COMPORTAMENTAIS 1:
QUADROS DEPRESSIVOS
06/11
MÉTODOS COMPORTAMENTAIS PARA
QUADROS DEPRESSIVOS
• CLIENTES DEPRESSIVOS DIMINUEM SUAS ATIVIDADES, O QUE GERA UM CICLO
VICIOSO, POIS A FALTA DE ATIVIDADE INTENSIFICA A DOENÇAS.
• MUDANÇAS COMPORTAMENTAIS GERAM MODIFICAÇÕES NO PENSAMENTOS
AUTOMÁTICOS E NOS ESQUEMAS, PROMOVENDO COMPORTAMENTOS MAIS
ADAPTATIVOS
MÉTODOS COMPORTAMENTAIS PARA
QUADROS DEPRESSIVOS
• ATIVAÇÃO COMPORTAMENTAL: ENVOLVE O CLIENTE EM UM PROCESSO DE
MUDANÇAS E ESTIMULA O MOVIMENTO POSITIVO E A ESPERANÇA. ATIVAR UM
COMPORTAMENTO PARA DIMINUIR A PROCRASTINAÇÃO E SAIR DO CICLO VICIOSO.
PROPOR ATIVIDADE COMPATÍVEL COM O NÍVEL DE ENERGIA
• PROGRAMAÇÃO DE ATIVIDADES: REATIVAR PESSOAS COM FADIGA/ANEDONIA PARA
AJUDA-LAS A ENCONTRAR MANEIRAS DE MELHORAR SEU INTERESSE PELA VIDA.
PLANEJAMENTO EM UM QUADRO SISTEMÁTICO. FOCO NA AVALIAÇÃO DE AÇÕES E
NO AUMENTO DE HABILIDADES DE PRAZER.
• AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES: PREENCHE UM REGISTRO COM TODAS AS ATIVIDADES
REALIZADAS E CLASSIFICA O GRAU DE PRAZER/DIFICULDADE OBTIDO.
MÉTODOS COMPORTAMENTAIS PARA
QUADROS DEPRESSIVOS
• AUMENTANDO AS HABILIDADES E O PRAZER: PROCURE ATRAVÉS DA AVALIAÇÃO DAS
ATIVIDADES AS MAIS PRAZEROSAS E UTILIZE O BRAINSTORM PARA GERAR
COLABORATIVAMENTE UMA LISTA COM ALGUMAS NOVAS ATIVIDADES
• PLANEJAMENTO DE TAREFAS GRADUAIS: TRANSFORMAR TAREFAS GRANDES EM
PARTES MENORES. FAZ-SE UMA LISTA DE PARTES MENORES E DEPOIS COLOCA-AS
EM UMA ORDEM LÓGICA.
• ENSAIO COMPORTAMENTAL: QUALQUER PLANO COMPORTAMENTAL INTERESSANTE
PARA O CLIENTE PODE SER PRIMEIRAMENTE ENSAIADO. 1-VERIFICAR A CAPACIDADE;
2- PRATICAR HABILIDADES; 3- DAR FEEDBACK; 4- IDENTIFICAR OBSTÁCULOS; 5-
TREINAR PARA GARANTIR UM RESULTADO POSITIVO.
SOLUÇÃO DE PROBLEMAS
DÉFICITS DE DESEMPENHO
• COMPROMETIMENTO COGNITIVO: GRAU DE ATENÇÃO É REDUZIDO, IMPEDE QUE UMA
PESSOA SEJA CAPAZ DE FOCAR-SE EM UM PROBLEMA. ORGANIZA-SE O AMBIENTE PARA
EVITAR DISTRATORES.
• SABRECARGA EMOCIONAL: REESTRUTURAÇÃO, EXERCÍCIOS DE RELAXAMENTO (ATV.
FÍSICA E LÚDICAS, BANHO QUENTE, ETC.)
• DISTORÇÕES COGNITIVAS: PSICOEDUCAÇÃO E REESTRUTUTAÇÃO
• EVITAÇÃO: PROGRAMAÇÃO DE ATIVIDADES, PTG, PLANOS SISTEMÁTICOS
• FATORES SOCIAIS: ENFRENTAMENTO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS
• PROBLEMAS PRÁTICOS: COMO RESOLVERIA ISSO ANTES? BRAINSTORM/ SOLUÇÃO DE
PROBLEMAS
• FATORES ESTRATÉGICOS: AVALIAÇÃO DOS RECURSOS A FIM DE GERAR SOLUÇÕES MAIS
MÉTODOS COMPORTAMENTAIS II:
QUADROS ANSIOSOS E EVITATIVOS
07/11
ANÁLISE COMPORTAMENTAL DOS
TRANSTORNOS DE ANSIEDADE
• EXPERIÊNCIAS SUBJACENTES DE MEDO ACOMPANHADAS DE SINTOMAS FÍSICOS
QUANDO EXPOSTAS A UM ESTÍMULO
• AO ENFRENTAR UM ESTÍMULO FÓBICO, PODE TER P.A. PROVOCADORES DE
MEDO, ALÉM DE EMOÇÃO INTENSA E ATIVAÇÃO FISIOLÓGICA
• A EVITAÇÃO É RECOMPENSADA COM O ALÍVIO EMOCIONAL (REFORÇO
NEGATIVO)
ANÁLISE COMPORTAMENTAL DO TOC
• QUANDO UMA PESSOA COM TOC DRIBLA SEUS PENSAMENTOS OBSESSIVOS COM
RITUAIS COMPULSIVOS, O ATO FICA REFORÇADO COMO UMA ESTRATÉGIA DE
ENFRENTAMENTO POIS REDUZ OU DESLIGA O PENSAMENTO (REFORÇO NEGATIVO)
• E (ESTÍMULO) = OBJETO OU CIRCUNSTÂNCIA TEMIDA
• R (RESPOSTA) = REAÇÃO DE ANSIEDADE
• ENC (ESTÍMULO NÃO CONDICIONADO) = ESTÍMULO ORIGINAL QUE LEVOU A TER
MEDO
• RNC (RESPOSTA NÃO CONDICIONADA) = RESPOSTA ORIGINAL DE MEDO
• APÓS O PROCESSO DE PAREAMENTO (ENC + EN) PODE OCORRER UM PROCESSO DE
GENERALIZAÇÃO, ONDE OBJETOS E SITUAÇÕES SEMELHANTES AO EC (ESTÍMULO
CONDICIONADO) PODEM DESENCADEAR A RC (RESPOSTA CONDICIONADA)
• LEMBRANÇAS (EC) -> ANSIEDADE EVOCADA POR ELAS (RC)
CONTRIBUIÇÕES DO BEHAVIORISMO
1. UM ENC PROVOCA UMA RNC DE MEDO QUE PODE SER GENERALIZADA A OUTROS
ECS, OS QUAIS, POR SUA VEZ, PRODUZEM RC
2. UM PADRÃO DE EVITAÇÃO DOS E TEMIDOS REFORÇA NEGATIVAMENTE A CRENÇA
DO CLIENTE DE QUE ELE NÃO CONSEGUE LIDAR COM O OBJETO AMEAÇADOR
3. O PADRÃO DE EVITAÇÃO DEVE SER ROMPIDO PARA SE SUPERAR A ANSIEDADE
COGNIÇÕES DE MEDO PODEM SER MOLDADAS POR MUITAS EXPERIÊNCIAS DE VIDA
QUE AJUDAM A CRIAR CRENÇAS NUCLEARES SOBRE OS RISCOS, PERIGOS E A
CAPACIDADE DE LIDAR COM ELES. O ENC ORIGINAL, MUITAS VEZES, NÃO PODE SER
IDENTIFICADO. OS DIVERSOS TRANSTORNOS DE ANSIEDADE (+ TOC E TEPT) GERAM
UM PADRÃO DE EVITAÇÃO
VISÃO GERAL DOS MÉTODOS DE
TRATAMENTO COMPORTAMENTAL
• FOCADOS EM ROMPER A LIGAÇÕES ENTRE O EC/ENC E A RC/RNC, OU SEJA,
DESPAREAMENTO DO E->R
• A EVITAÇÃO REDUZ O MEDO EVOCADO PELO EC NO CURTO PRAZO, MAS NÃO
DESFAZ A CONEXÃO ENTRE O EC E A RC
• PARA ROMPER ESSE PAREAMENTO, A EVITAÇÃO DEVE SER SUBSTITUÍDA POR UM
COMPORTAMENTO MAIS ADAPTATIVO
ROMPENDO CONEXÕES ESTÍMULO-RESPOSTA
• INIBIÇÃO RECÍPROCA: REDUÇÃO DA EXCITAÇÃO AO AJUDAR A VIVENCIAR UMA
EMOÇÃO POSITIVA QUE SE CONTRAPONHA A RESPOSTA DISFÓRICA.
RELAXAMENTO MUSCULAR, INCOMPATÍVEL COM A ANSIEDADE GERADA PELO
ESTÍMULO ANSIOGÊNICO (CONTRA CONDICIONAMENTO).
• REESTRUTURAÇÃO COGNITIVA: PARADA DE PENSAMENTO, ESFORÇO
CONSCIENTE DE PENSAR EM COISAS BOAS. DESCATASTROFIZAÇÃO: AVALIAÇÃO
RACIONAL E SISTEMÁTICA SOBRE O PERIGO, DESENVOLVENDO UM PLANO PARA
REDUÇÃO DOS RISCOS E ENFRENTAMENTO.
SEQUÊNCIA DE INTERVENÇÕES PARA
SINTOMAS DE ANSIEDADE
1.AVALIAÇÃO DOS GATILHOS E
ENFRENTAMENTO:
I. EVENTOS QUE SERVEM COMO GATILHOS
II. P.A., ERROS COGNITIVOS E ESQUEMAS ENVOLVIDOS NA REAÇÃO EXAGERADA
III. RESPOSTAS EMOCIONAIS E FISIOLÓGICAS, COMPORTAMENTOS HABITUAIS
FEITA POR ENTREVISTA, TESTES E TÉCNICAS (RPD). DEVEMOS TER NOÇÃO DO
REPERTÓRIO COMPORTAMENTAL E DAS CONTINGÊNCIAS REFORÇADORAS E
ORIENTAR OS FAMILIARES PARA NÃO REFORÇAR ESSES PADRÕES. AVERIGUAR SE
EXISTEM COMPORTAMENTOS DE SEGURANÇA. DESENVOLVER UM QUADRO
GLOBAL DE ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO, ELABORANDO INTERVENÇÕES QUE
AJUDEM O CLIENTE A IDENTIFICAR A EVITAÇÃO E ENSINÁ-LO A SE EXPOR
2. IDENTIFICAÇÃO DE ALVOS PARA
INTERVENÇÃO
• COMEÇAR COM METAS MAIS FACILMENTE ATINGÍVEIS (MENOS NÍVEL DE
ANSIEDADE)
• PLANEJAMENTO DE TAREFAS GRADUAIS, CASO AS METAS SEJAM DIFÍCEIS DE
SEREM SUPERADAS DE UMA VEZ SÓ.
3. TREINAMENTO DE HABILIDADES BÁSICAS
I. TREINO DE RELAXAMENTO: LIBERAR TENSÃO MUSCULAR, DIMINUINDO
ANSIEDADE
II. PARADA DE PENSAMENTO (EXCETO TOC): AUTOCONTROLE PARA
INTERROMPER
III. DISTRAÇÃO: IMAGENS OU ATIVIDADES PARA RELAXAR (NÃO USAR NA
EXPOSIÇÃO)
IV. DESCATASTROFIZAÇÃO: AVALIANDO LOGICAMENTE A SITUAÇÃO, ANÁLISE
DAS EVIDÊNCIAS
V. RETREINAMENTO DA RESPIRAÇÃO: MOSTRAR QUE O CLIENTE POSSUI
CONTROLE
4. EXPOSIÇÃO
• PASSO FINAL DO ROMPIMENTO E-R, COMBATER O CICLO DE REFORÇAMENTO
• INUNDAÇÃO X DESSENSIBILIZAÇÃO SISTEMÁTICA
• DESENVOLVENDO UMA HIERARQUIA PARA EXPOSIÇÃO GRADUAL
• EXPOSIÇÃO NO IMAGINÁRIO E EXPOSIÇÃO IN VIVO
• PREVENÇÃO DE RESPOSTA (EXPOR SEM USAR A RESPOSTA ABITUAL DE
EVITAÇÃO)-TOC
• RECOMPENSAS: REFORÇO EQUIVALENTE Á CONQUISTA. ELOGIAR E INCENTIVAR
MODIFICANDO ESQUEMAS
08/11
ESQUEMAS
• ESTÃO ENRAIZADOS NA FORMA DO CLIENTE VER O MUNDO E NO SEU
AUTOCONCEITO (ALICERCES)
• MATRIZES DE SELEÇÃO E FILTRAGEM DE INFORMAÇÕES, TOMADA DE DECISÕES E
DIRECIONAMENTO DE PADRÕES COMPORTAMENTAIS
• REDUZIR OS DISFUNCIONAIS E AUMENTAR OS ADAPTATIVOS
• FORMADAS NAS PRIMEIRAS RELAÇÕES, EXPERIÊNCIAS MARCANTES E TRAUMAS E
PODEM SER TRAGOS DE VOLTA POR EXPERIÊNCIAS ESTRESSANTES
• IDENTIFICAÇÃO E MODIFICAÇÃO DE ESQUEMAS PARA EIXO I
IDENTIDICANDO ESQUEMAS
• TÉCNICAS DE QUESTIONAMENTO: DESCOBERTA GUIADA, GERAÇÃO DE IMAGEM
MENTAL, ROLE-PLAY (MESMAS DE P.A.) + ESPECÍFICAS: DESENVOLVIMENTO DE
HIPÓTESES E PERGUNTAS DIRECIONADAS PARA CONFIMAR OU REFUTAR
• SETA DESCENDENTE: SÉRIE DE PERGUNTAS INTERCALADAS QUE REVELAM NÍVEIS CADA
VEZ MAIS PROFUNDOS DE PENSAMENTO
• PSICOEDUCAÇÃO SOBRE ESQUEMAS
• PADRÕES DE PENSAMENTO AUTOMÁTICO
• REVISÃO DO HISTÓRICO DE VIDA
• INVENTÁRIOS DE ESQUEMA
• LISTA DE ESQUEMAS PESSOAL
MODIFICANDO ESQUEMAS
• QUESTIONAMENTO SOCRÁTICO: LEVA AO CLIENTE A ENXERGAR INCONSITÊNCIAS EM SUAS
CRENÇAS E AVALIAÇÕES. LEVA A UM PENSAMENTO MAIS INDAGADOR E FLEXÍVEL.
• EXAME DE EVIDÊNCIAS: A FAVOR E CONTRA O ESQUEMA. REINTERPRETAR O SIGNIFICADO DOS
RESULTADOS NEGATIVOS E AJUDAR NO ENFRENTAMENTO.
• RELACIONAR AS VANTAGENS E DESVANTAGENS DO ESQUEMA: CONSIDERAR MODIFICAÇÕES QUE
TORNARÃO O ESQUEMA MAIS ADAPTATIVO E MENOS PESADO
• CONTINUUM COGNITIVO: COLOCAR EM UM CONTEXTO MAIS AMPLO PARA MODERAR SUA FORMA
DE PENSAR. CLASSIFICAR 0-100, IMAGINANDO A PIOR SITUAÇÃO POSSÍVEL E DEPOIS
REAVALIANDO
• GERANDO ALTERNATIVAS: CONSIDERAR ESQUEMAS ALTERNATIVOS. USO DE PALAVRAS MENOS
EXTREMAS. ANALISAR OS GANHOS SECUNDÁRIOS E RESULTADOS PREJUDICIAIS
• ENSAIO COGNITIVO/COMPORTAMENTAL: TESTAR ESQUEMAS ALTERNATIVOS IMAGINANDO
ALGUMAS SITUAÇÕES
• TCC DIRECIONADA PARA O CRESCIMENTO: BUSCAR CRENÇAS QUE POSSAM EXPANDIR SEUS
POTENCIAIS PRA O DESENVOLVIMENTO PESSOAL. TCC CONSTRUTIVISTA.
PROBLEMAS E DIFICULDADES COMUNS
09/11
NÃO REALIZAÇÃO DA TAREFA DE CADA
PREVENÇÃO: SOLICITE A CONTRIBUIÇÃO DO CLIENTE AO ELABORAR A TAREFA
DE CASA, TENDO CUIDADO, INCLUSIVE, COM ESSE TERMO.
RECUPERAÇÃO: AVALIAR A ACEITAÇÃO E A UTILIDADE DA TAREFA, CONCLUA A
QUE FALTOU DURANTE A SESSÃO. AVALIE OS PENSAMENTOS NEGATIVOS SOBRE
A TAREFA QUE É FEITA EM CASA.
DIFICULDADE EM EVOCAR PENSAMENTOS
AUTOMÁTICOS
PREVENÇÃO: DEIXE O CLIENTE CONTAR A HISTÓRIA DE UM EVENTO QUE LHE
ABORRECEU. EXPLORE O SIGNIFICADO DOS EVENTOS. TENTE IDENTIFICAR AS
COGNIÇÕES QUENTES. PERGUNTE SOBRE AS ATIVIDADES DO CLIENTE DURANTE
O EVENTO ESTRESSANTE
RECUPERAÇÃO: EVITE FAZER PERGUNTAS QUE INDUZAM RESPOSTAS.
PERMANEÇA EM UM TÓPICO, SE FOR IMPORTANTE. REGISTRE PENSAMENTOS O
MAIS PRÓXIMO POSSÍVEL DE UM EVENTO ESTRESSOR. UTILIZE UM INVENTÁRIO
OU OUTRAS FORMAS AUXILIARES DE TRATAMENTO. REVISE A LISTA DE METAS
CLIENTE EXCESSIVAMENTE VERBAIS
PREVENÇÃO: FAMILIARIZAR O CLIENTE COM A TCC. FALE SOBRE SEU PRÓPRIO
DESCONFORTO EM INTERROMPER OS CLIENTES. ENSINO O CLIENTE A FAZER
BREVE RESUMOS DOS EVENTOS
RECUPERAÇÃO: FAÇA UM BALANÇO ENTRE A ESTRUTURA DA SESSÃO COM AS
DISCUSSÕES ABERTAS. EM VEZ DE DESESTIMULAR O CLIENTE A SE EXPRESSAR,
TENTE FOCAR.
CLIENTES PRESOS EM UM PADRÃO
COMPORTAMENTAL
PREVENÇÃO: DISCUTA COMO OS SINTOMAS ATUAIS DO CLIENTE PODERIAM
INTERFERIR EM SEUS PLANOS DE MUDANÇA DE COMPORTAMENTO. UTILIZE OS
PONTOS FORTES DELE AO ELABORAR INTERVENÇÕES. PREVEJA OS PROBLEMAS
QUE O CLIENTE PODE TER AO ABANDONAR VELHOS HÁBITOS. EVOQUE E
MODIFIQUE COGNIÇÕES QUE ESTEJAM PROMOVENDO PROCRASTINAÇÃO,
EVITAÇÃO OU DESAMPARO. ESTIMULE AUTOMONITORAMENTO.
RECUPERAÇÃO: TENTE NOVAMENTE, UTILIZE O ENSAIO COGNITIVO. AVALIE AS
VANTAGENS E DESVANTAGENS DE MODIFICAR O PADRÃO DO
COMPORTAMENTO.
PROGRESSO PERDIDO PELO ESTRESSE
AMBIENTAL
PREVENÇÃO: TENTE NÃO MERGULHAR NA COMPLEXIDADE DOS PROBLEMAS DO
CLIENTE, ESCOLHA UM PROBLEMA POR VEZ. ENSINE HABILIDADES DE SOLUÇÃO
DE PROBLEMAS.
RECUPERAÇÃO: REORGANIZE-SE, REÚNA REFORÇOS, USE O PASSADO COMO
GUIA
CANSAÇO OU ESGOTAMENTO DO TERAPEUTA
PREVENÇÃO: CUIDE DE SUAS NECESSIDADES BÁSICAS. DESCUBRA SEUS LIMITES,
MANTENHA UM EQUILÍBRIO SAUDÁVEL ENTRE SUA DEDICAÇÃO AO TRABALHO E
O RESTO DE SUA VIDA.
RECUPERAÇÃO: DESCANSE, FAÇA SUPERVISÃO, APRENDA COISAS NOVAS
NÃO ADESÃO ÁS MEDICAÇÕES
PREVENÇÃO: CRIE UM AMBIENTE CONFORTÁVEL PARA DISCUTIR A ADESÃO,
PREVEJA OBSTÁCULOS À ADESÃO. CRIE UM PLANO PARA EVITAR PROBLEMAS DE
ADESÃO. VERIFIQUE A ADESÃO FREQUENTEMENTE.
RECUPERAÇÃO: AVALIE OS PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS E CRENÇAS
NUCLEARES DO CLIENTE SOBRE MEDICAÇÕES. USE ESTRATÉGIAS
COMPORTAMENTAIS SIMPLES. AJUDE O CLIENTE A CONVERSAR SOBRE A ADESÃO
COM UM PROFISSIONAL QUE PRESCREVE. ESTABELEÇA METAS PARA MELHORAR A
ADESÃO
TRATANDO TRANSTORNOS CRÔNICOS,
GRAVES OU COMPLEXOS
10/11
TRANSTORNOS DEPRESSIVOS GRAVES,
CRÔNICOS E RESISTENTES A TRATAMENTOS
• MONOTERAPIA (SEJA PSICOFARMACOTERAPIA OU PSICOTERAPIA) NÃO É RECOMENDADO
• MODIFICAÇÃO NA TCC PADRÃO: ÊNFASE NO INÍCIO EM ESTRATÉGIAS COMPORTAMENTAIS
(PROGRAMAÇÃO DE ATIVIDADES E EVENTOS PRAZEROSOS [TRATAR ANEDONIA E ABULIA]
• REESTRUTURAÇÃO COGNITIVA PARA ABORDAR PADRÕES DE PENSAMENTOS DESADAPTATIVOS,
TRABALHOS PARA SOLUÇÕES DE PROBLEMAS [DIFICULDADES SOCIAIS E PESSOAIS]
• A IDEAÇÃO SUICIDA DEVE SER ABORDADA LOGO E VIGOROSAMENTE: LISTA DE RAZÕES PARA VIVER
• PARADA DE PENSAMENTO OU DISTORÇÕES MENTAIS PARA REDUZIR A INTENSIDADE DE
RUMINAÇÕES DISFÓRICAS
• ATENDIMENTO DUAS VEZES POR SEMANA
• OS MÉTODOS CBASP OBJETIVA ENSINAR OS CLIENTES A LIDAREM DE MANEIRA MAIS EFICAZ COM
SITUAÇÕES SOCIAIS, ALÉM DE REVISAR AS COGNIÇÕES DISFUNCIONAIS, PORÉM, É DADA MENOS
ATENÇÃO A REESTRUTURAÇÃO COGNITIVA
TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR
• TRABALHAR A ADESÃO DO ESTABILIZADOR DE HUMOR E ENFRENTAMENTO DO ESTRESSE
DECORRENTE DE PROBLEMAS INTERPESSOAIS
• PSICOEDUCAÇÃO, ENSINAR AUTOCONHECIMENTO, DESENVOLVER ESTRATÉGIAS DE
PREVENÇÃO DE RECAÍDA. DESENVOLVER UM PLANO PARA O CONTROLE DE LONGO PRAZO
• REGISTRO SOBRE OS PRIMEIROS SINTOMAS DE MANIA/DEPRESSÃO: PLANEJAR EM TERAPIA,
ESTRATÉGIAS PARA REVERTER OS SINTOMAS. REGISTRO DE MUDANÇA DE HUMOR
• NA FASE DEPRESSIVA, O TRATAMENTO É O MESMO DA DEPRESSÃO. NA MANIA, FOCAMOS
NOS SINTOMAS (INSÔNIA, FALA APRESSADA E HIPERATIVIDADE).
• DEVE-SE IDENTIFICAR ERROS COGNITIVOS, UTILIZAR TECNICAS DE REGISTRO DE
PENSAMENTO PARA RECONHECER COGNIÇÕES DE EXPANSIVIDADE OU IRRITABILIDADE.
LISTAS DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS PARA AVALIAR AS IMPLICAÇÕES DE SE APEGAR A
UMA CRENÇA OU PREVISÕES EXCESSIVAMENTE POSITIVAS
TRANSTORNOS DA PERSONALIDADE
• 30-60% DAS PESSOAS COM TRANSTORNO DE HUMOR E DE ANSIEDADE TAMBÉM PREENCHEM CRITÉRIOS
PARA T.P. COM RECUPERAÇÃO MAIS LENTA E PIOR PROGNÓSTICO, ESSES TRANSTORNOS PODEM SER
EXAGERADOS PELA ANSIEDADE (EVITATIVO), DEPRESSÃO (BORDER, DEPENDENTE) OU HIPOMANIA
(NARCISISTA, HISTRIÔNICO)
• É ÚTIL COMEÇAR A TRATAR O EIXO I
• FOCAMOS NA INTERAÇÃO ENTRE OS ESQUEMAS QUE NORTEIAM O COMPORTAMENTO, AS ESTRATÉGIAS
INTERPESSOAIS DISFUNCIONAIS E AS INFLUÊNCIAS AMBIENTAIS
• SÃO ORIGINADOS DE EXPERIÊNCIAS ADVERSAS DURANTE O DESENVOLVIMENTO EM ATÉ 5 ARÉAS:
DESCONEXÃO E REJEIÇÃO; AUTONOMIA E DESEMPENHO PREJUDICADOS; LIMITES PREJUDICADOS;
ORIENTAÇÃO PARA O OUTRO; SUPERVIGILÂNCIA E INIBIÇÃO
• DURAÇÃO MAIS LONGA, ATENÇÃO MAIOR NA RELAÇÃO TERAPEUTICA, PRÁTICAS REPETIDAS DE MÉTODOS
PARA MODIFICAR PROBLEMAS CRÔNICOS RELATIVOS AO CONCEITO DE SI, RELAÇÕES INTERPESSOAIS,
REGULAÇÃO EMOCIONAL E HABILIDADES SOCIAIS
• A TC-DIALÉTICA ACEITA E VALIDA O COMPORTAMENTO NAQUELE MOMENTO; ÊNFASE NA IDENTIFICAÇÃO
E NO TRATAMENTO DE COMPORTAMENTOS QUE INTERFEREM NA TERAPIA; USO DA RELAÇÃO
TERAPEUTICA COMO VÍNCULO ESSENCIAL PARA A MUDANÇA; FOCO NOS PROCESSOS DIALÉTICOS (AJUDA
A RECONHECER SEUS OBJETIVOS FINAIS E SER CAPAZ DE CONSIDERAR E IMPLEMENTAR MÉTODOS
ALTERNATIVOS MAIS SOCIALMENTE ACEITÁVEIS)
TRANSTORNO POR ABUSO DE SUBSTÂNCIA
• PROCESSO SUBJACENTE COMUM LIGA O USO DE SUBSTÂNCIAS A CRENÇAS NUCLEARES,
PREMÊNCIAS E FISSURAS EVOCADAS POR GATILHOS E P.A. NEGATIVOS. (ABSTINÊNCIA GRAVE =
HOSPITALIZAÇÃO)
• O CONTINUUM DA MOTIVAÇÃO PARA TERAPIA (ENTREVISTA MOTIVACIONAL): PRÉ-
CONTEMPLAÇÃO -> COMTEMPLAÇÃO -> PREPARAÇÃO -> AÇÃO. NECESSÁRIO ESTABELECER O
CONTRATO DE ABSTINÊNCIA
• AJUDAR A RECONHECER QUE SUAS PREMÊNCIAS (PREDISPOSIÇÕES COGNITIVAS E
COMPORTAMENTAIS PARA O USO DE DROGAS) E FISSURAS (EXERIÊNCIAS AFETIVAS E
FISIOLÓGICAS) SÃO ASSOCIADAS À LIGAÇÃO DE CRENÇAS RELEVANTES. RECONHECER OS
GATILHOS
• ESTÍMULOS DE RISCO, HUMOR E/OU SINTOMAS DE ABSTINÊNCIA-> VULNERABILIDADE ->
ATIVAÇÃO DE CRENÇAS (+ P.A + PREMÊNCIAS E FISSURAS)-> CRENÇAS PERMISSIVAS -> ABUSO
DE SUBSTÂNCIA (ESSE COMPORTAMENTO GERA ESTÍMULO DE RISCO E O CICLO SE MANTÉM)
• OBJETIVO: ALCANÇAR SOBRIEDADE, IDENTIFICANDO E MODIFICANDO CRENÇAS RELEVANTES
QUE PREDISPÔEM E MANTÉM O USO.
• PONTO CHAVE DO SUCESSO: PREVENÇÃO DE RECAÍDA (ESTRATÉGIAS COMPORTAMENTAIS
TRANSTORNOS ALIMENTARES
• CRENÇAS DISFUNCIONAIS SOBRE MAGREZA E A INSATISFAÇÃO COM A FORMA E
O PESO CORPORAIS NORTEIAM E MANTÉM O COMPORTAMENTO ALIMENTAR
ANORMAL E CARACTERÍSTICOS ASSOCIADOS COMO PURGAÇÃO, DIETAS, ETC.
• O OBJETIVO INICIAL DO TRATAMENTO É DETERMINADO, DE MANEIRA
COLABORATIVA, UMA FAIXA DE PESO ALMEJADA E UM PLANO DE REFEIÇÕES
ESQUIZOFRENIA
• SÓ SE DEVE INICIAR APÓS A ESTABILIZAÇÃO MEDICAMENTOSA
• INICIO: SESSÕES MAIS BREVES, FOCO NO VÍNCULO TERAPEUTICO, PSICOEDUCAÇÃO,
ADESÃO MEDICAMENTOSA. DEPOIS: IDENTIFICAÇÃO E MODIFICAÇÃO DE DELÍRIOS,
AJUDAR A REDUZIR E LIDAR COM ALUCINAÇÕES.
• ANÁLISE LÓGICA, EXAME DE EVIDÊNCIAS E SOLUÇÕES DE ALTERNATIVAS. O EXAME
DE EVIDÊNCIAS AJUDA A RECONHECER AS DISTORÇÕES EM SEU MODO DE PENSAR.
• INTRODUZIR UM RACIOCÍNIO NORMALIZADOR
• LISTA DE COMPORTAMENTOS QUE SILENCIAM AS “VOZES” OU AS TORNEM MENOS
INTRUSIVAS
DESENVOLVENDO COMPETÊNCIAS EM
TCC
11/11
COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS NA TCC
• AGRUPADOS EM: CONHECIMENTO, HABILIDADES E ATITUDES
• CONHECER O MODELO CC, CONCEITOS DE P.A. ERROS COGNITIVOS, ESQUEMAS,
PRINCÍPIOS DO COMPORTAMENTO, FORMULAÇÃO, INDICAÇÃO PARA TCC,
PRINCÍPIOS DE PSICOEDUCAÇÃO, MÉTODOS CC.
• HABILIDADE DE AVALIAR E CONCEITUALIZAR, ESTABELECER E MANTER UMA
RELAÇÃO TERAPEUTICA, EDUCAR SOBRE A TCC, ESQUEMAS, ESTRUTURAR SESSÕES,
UTILIZAR A PROGRAMAÇÃO DE ATIVIDADES. EMPREGAR TÉCNICAS DE REGISTRO DE
PENSAMENTO.
• ATITUDE DE EMPATIA, RESPEITO, NÃO-CRÍTICA E COLABORATIVA. SENSÍVEL A
QUESTÕES SOCIOCULTURAIS, ECONÔMICAS E EDUCACIONAIS. ABERTO AO EXAME DE
OBSERVAÇÕES

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Neuroses
NeurosesNeuroses
Neuroses
UNICEP
 
Métodos Comportamentais
Métodos Comportamentais Métodos Comportamentais
Métodos Comportamentais
Sarah Karenina
 
Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricasAula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Lampsi
 
Terapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentaisTerapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentais
Rodrigo Abreu
 

Mais procurados (20)

Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutasPsicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
 
Conceitualização em Terapia Cognitiva
Conceitualização em Terapia CognitivaConceitualização em Terapia Cognitiva
Conceitualização em Terapia Cognitiva
 
Conceituação cognitiva
Conceituação cognitivaConceituação cognitiva
Conceituação cognitiva
 
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva ComportamentalTCC - Terapia Cognitiva Comportamental
TCC - Terapia Cognitiva Comportamental
 
TERAPIA COGNITIVO COMPORTAMENTAL - Volume 1.pdf
TERAPIA COGNITIVO COMPORTAMENTAL - Volume 1.pdfTERAPIA COGNITIVO COMPORTAMENTAL - Volume 1.pdf
TERAPIA COGNITIVO COMPORTAMENTAL - Volume 1.pdf
 
Trabalhando com os pensamentos automáticos
Trabalhando com os pensamentos automáticosTrabalhando com os pensamentos automáticos
Trabalhando com os pensamentos automáticos
 
Exercícios de Crenças
Exercícios de CrençasExercícios de Crenças
Exercícios de Crenças
 
Psicopatologia – aula 01
Psicopatologia – aula 01Psicopatologia – aula 01
Psicopatologia – aula 01
 
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
 
Neuroses
NeurosesNeuroses
Neuroses
 
Terapia de casal
Terapia de casalTerapia de casal
Terapia de casal
 
Métodos Comportamentais
Métodos Comportamentais Métodos Comportamentais
Métodos Comportamentais
 
Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricasAula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
 
Transtornos ansiosos
Transtornos ansiososTranstornos ansiosos
Transtornos ansiosos
 
Terapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentaisTerapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentais
 
A estrutura da Primeira Sessão Padrão na TCC
A estrutura da Primeira Sessão Padrão na TCCA estrutura da Primeira Sessão Padrão na TCC
A estrutura da Primeira Sessão Padrão na TCC
 
psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2
 
Principais técnicas cognitivo
Principais técnicas cognitivoPrincipais técnicas cognitivo
Principais técnicas cognitivo
 
Introdução à psicopatologia
Introdução à psicopatologiaIntrodução à psicopatologia
Introdução à psicopatologia
 
Modelo cognitivo de beck
Modelo cognitivo de beckModelo cognitivo de beck
Modelo cognitivo de beck
 

Semelhante a Introdução à Terapia cognitivo comportamental

2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_12016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
Flora Couto
 
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e CognitivaTratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Casa de recuperação teste
Casa de recuperação testeCasa de recuperação teste
Casa de recuperação teste
aprendaexiboo
 
I forum urologia[1]
I forum urologia[1]I forum urologia[1]
I forum urologia[1]
Urovideo.org
 
55591762 aula-3-modificando-pensamentos-automaticos
55591762 aula-3-modificando-pensamentos-automaticos55591762 aula-3-modificando-pensamentos-automaticos
55591762 aula-3-modificando-pensamentos-automaticos
José Salomão
 

Semelhante a Introdução à Terapia cognitivo comportamental (20)

Principais Técnicas - TCC.pdf
Principais Técnicas - TCC.pdfPrincipais Técnicas - TCC.pdf
Principais Técnicas - TCC.pdf
 
Porque dependentes quimicos frequentemente interrompem seus tratamentos (1) (...
Porque dependentes quimicos frequentemente interrompem seus tratamentos (1) (...Porque dependentes quimicos frequentemente interrompem seus tratamentos (1) (...
Porque dependentes quimicos frequentemente interrompem seus tratamentos (1) (...
 
Porque dependentes quimicos frequentemente interrompem seus tratamentos (1) (...
Porque dependentes quimicos frequentemente interrompem seus tratamentos (1) (...Porque dependentes quimicos frequentemente interrompem seus tratamentos (1) (...
Porque dependentes quimicos frequentemente interrompem seus tratamentos (1) (...
 
e-book cognitivo.pdf
e-book cognitivo.pdfe-book cognitivo.pdf
e-book cognitivo.pdf
 
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_12016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
 
2016 1_ebm_base histórica e científica_3
2016 1_ebm_base histórica e científica_32016 1_ebm_base histórica e científica_3
2016 1_ebm_base histórica e científica_3
 
Abordagens Tratamento das Drogas.ppt
Abordagens Tratamento das Drogas.pptAbordagens Tratamento das Drogas.ppt
Abordagens Tratamento das Drogas.ppt
 
Centro de Recuperação II
Centro de Recuperação IICentro de Recuperação II
Centro de Recuperação II
 
Contratransferência em Psicoterapia Cognitivo Comportamental
Contratransferência em Psicoterapia Cognitivo ComportamentalContratransferência em Psicoterapia Cognitivo Comportamental
Contratransferência em Psicoterapia Cognitivo Comportamental
 
A consulta em 7 passos trabalho de alunos
A consulta em 7 passos trabalho de alunosA consulta em 7 passos trabalho de alunos
A consulta em 7 passos trabalho de alunos
 
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e CognitivaTratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
 
Casa de recuperação teste
Casa de recuperação testeCasa de recuperação teste
Casa de recuperação teste
 
Acolhimento à Demanda Espontânea na APS
Acolhimento à Demanda Espontânea na APSAcolhimento à Demanda Espontânea na APS
Acolhimento à Demanda Espontânea na APS
 
Clínica de Recuperação
Clínica de RecuperaçãoClínica de Recuperação
Clínica de Recuperação
 
Aula+-+Estrutura+do+tratamento.pdf
Aula+-+Estrutura+do+tratamento.pdfAula+-+Estrutura+do+tratamento.pdf
Aula+-+Estrutura+do+tratamento.pdf
 
AULA J.BECK I - Profª Lina - 2010
AULA J.BECK I - Profª Lina - 2010AULA J.BECK I - Profª Lina - 2010
AULA J.BECK I - Profª Lina - 2010
 
I forum urologia[1]
I forum urologia[1]I forum urologia[1]
I forum urologia[1]
 
I Forum de residência médica em urologia
I Forum de residência médica em urologiaI Forum de residência médica em urologia
I Forum de residência médica em urologia
 
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
Seminário Saúde Mental na Atenção Básica: "Vínculos e Diálogos Necessários" -...
 
55591762 aula-3-modificando-pensamentos-automaticos
55591762 aula-3-modificando-pensamentos-automaticos55591762 aula-3-modificando-pensamentos-automaticos
55591762 aula-3-modificando-pensamentos-automaticos
 

Mais de Victor Nóbrega

Mais de Victor Nóbrega (12)

Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
 
Terapia Cognitiva e Esquizofrenia
Terapia Cognitiva e EsquizofreniaTerapia Cognitiva e Esquizofrenia
Terapia Cognitiva e Esquizofrenia
 
O SELF E O SOCIAL
O SELF E O SOCIALO SELF E O SOCIAL
O SELF E O SOCIAL
 
Psicopatologia 1
Psicopatologia 1Psicopatologia 1
Psicopatologia 1
 
A IMPORTÂNCIA DO AUTOCONHECIMENTO PARA O CRESCIMENTO PESSOAL
A IMPORTÂNCIA DO AUTOCONHECIMENTO PARA O CRESCIMENTO PESSOALA IMPORTÂNCIA DO AUTOCONHECIMENTO PARA O CRESCIMENTO PESSOAL
A IMPORTÂNCIA DO AUTOCONHECIMENTO PARA O CRESCIMENTO PESSOAL
 
Terapia Cognitivo-Comportamental Para Transtorno de Ansiedade Generalizada
Terapia Cognitivo-Comportamental Para Transtorno de Ansiedade GeneralizadaTerapia Cognitivo-Comportamental Para Transtorno de Ansiedade Generalizada
Terapia Cognitivo-Comportamental Para Transtorno de Ansiedade Generalizada
 
Psicopatologia
PsicopatologiaPsicopatologia
Psicopatologia
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 
Neuropsicologia do HIV/Aids e Hepatite C
Neuropsicologia do HIV/Aids e Hepatite CNeuropsicologia do HIV/Aids e Hepatite C
Neuropsicologia do HIV/Aids e Hepatite C
 
Neuropsicologia do Autismo
Neuropsicologia do AutismoNeuropsicologia do Autismo
Neuropsicologia do Autismo
 
Neurofisiologia
NeurofisiologiaNeurofisiologia
Neurofisiologia
 
Neuroanatomia Básica
Neuroanatomia BásicaNeuroanatomia Básica
Neuroanatomia Básica
 

Último

SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdfSINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
Jorge Filho
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
WendelldaLuz
 
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
wilkaccb
 

Último (12)

AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
 
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdfSINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
 
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
 
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptxaula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
 
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
 

Introdução à Terapia cognitivo comportamental

  • 1. INTRODUÇÃO À TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL PSIC. VICTOR NÓBREGA Outubro 2018 psicologovictornobrega@gmail.com
  • 2. PRINCÍPIOS BÁSICOS DA TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL 01/11
  • 3. ORIGENS DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL • DOIS PRINCÍPIOS CENTRAIS • INFLUÊNCIAS FILOSÓFICAS: ESTOICOS, TAOÍSMO E BUDISMO, ZOROASTRO E DALAI LAMA • BECK: INFLUÊNCIA DE PÓS-FREUDIANOS; APLICAÇÕES DE TEORIAS E MÉTODOS CC PARA TRANSTORNOS EMOCIONAIS; CENTROU-SE NO PENSAMENTO DISFUNCIONAL • CONCEITUAÇÃO COGNITIVA DA DEPRESSÃO E DA ANSIEDADE • INFLUÊNCIAS DA TERAPIA COMPORTAMENTAL: TÉCNICAS COMPORTAMENTAIS E A INCORPORAÇÃO DE ELEMENTOS COGNITIVOS (TRANSTORNOS MENTAIS APRESENTAM SINTOMAS NAS DUAS DIMENSÕES)
  • 5. CONCEITOS BÁSICOS • PROCESSAMENTO COGNITVO: PAPEL CENTRAL -> AVALIAÇÃO INTERNA E CONTÍNUA DOS EVENTOS Tríade Cognitiva: si mesmo; mundo (incluindo os outros) e o futuro Passar para a consciência
  • 6. ERROS COGNITIVOS • ABSTRAÇÃO SELETIVA: CONCLUSÕES APÓS EXAMINAR UMA PEQUENA PARTE • INFERÊNCIA ARBITRÁRIA: CONCLUSÃO NA AUSÊNCIA DE EVIDÊNCIAS • SUPERGENERALIZAÇÃO: CONCLUSÃO ISOLADA É ESTENDIDA PARA OUTRAS ÁREAS • MAX/MINIMIZAÇÃO: RELEVÂNCIA DE ALGO É AUMENTADA/ DIMINUÍDA • PERSONALIZAÇÃO: EVENTOS EXTERNOS SÃO RELACIONADOS A SI • PENSAMENTOS ABSOLUTISTAS: TOTALMENTE BOAS OU MÁS
  • 7. ESQUEMAS • CRENÇAS NUCLEARES QUE AGEM COMO MATRIZES OU REGRAS SUBJACENTES PARA O PROCESSAMENTO DE INFORMAÇÕES. PERMITE SELECIONAR, FILTRAR, CODIFICAR E ATRIBUIR SIGNIFICADO ÀS INFORMAÇÕES. SÃO PRINCÍPIOS DURADOUROS DE PENSAMENTO QUE COMEÇAM A TOMAR FORMA NO INÍCIO DA INFÂNCIA E SÃO INFLUENCIADOS PELAS EXPERIÊNCIAS BOAS E RUINS • PARA QUE POSSAMOS LIDAR COM AS GRANDES QUANTIDADES DE INFORMAÇÕES • SIMPLES; CRENÇAS E PRESSUPOSTOS INTERMEDIÁRIOS; CRENÇAS CENTRAIS SOBRE SI • NOSSO OBJETIVO É IDENTIFICAR E DESENVOLVER ESQUEMAS ADAPTATIVOS E MODIFICAR/REDUZIR OS DESADAPTATIVOS
  • 8. PROCESSAMENTO DE INFORMAÇÕES DEPRESSÃO: DESESPERANÇA, BAIXA AUTOESTIMA, VISÃO NEGATIVA DO AMBIENTE, DESEMPENHO COMPROMETIDO. ESTILO ATRIBUTIVO: INTERNO X EXTERNO, FIXO X MUTÁVEL; DISTORÇÕES NA RESPOSTA DO FEEDBACK (MENOSPREZAM DADOS POSITIVOS) ANSIEDADE: MEDO DE FERIR-SE OU DO PERIGO, SUPERESTIMAÇÃO DOS RISCOS E SUBESTIMAÇÃO DAS CAPACIDADES DE ENFRENTAMENTO. MAIOR ATENÇÃO A INFORMAÇÕES DO AMBIENTE SOBRE AMEAÇAS EM POTENCIAL
  • 10. O EMPIRISMO COLABORATIVO • RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA • TRÍADE HUMANISTA: EMPATIA, ACEITAÇÃO INCONDICIONAL E CONGRUÊNCIA • PROMOÇÃO DE MUDANÇAS: BOA RELAÇÃO TERAPÊUTICA = BONS RESULTADOS • O CUIDADO NO USO DA EMPATIA • ALTO GRAU DE AFETIVIDADE (PRINCIPALMENTE NAS PRIMEIRAS SESSÕES) • TERAPEUTA COMO PROFESSOR/TREINADOR • ATRIBUTOS: AMIGÁVEL, ENVOLVIDO, CRIATIVO, CAPACITADA O CLIENTE E ORIENTA- O PARA A AÇÃO
  • 11. O EMPIRISMO COLABORATIVO • O USO CUIDADOSO DO HUMOR: NORMALIZA A ALIANÇA; AJUDA A ROMPER PADRÕES RÍGIDOS; POSSIBILITA QUE HABILIDADES DE HUMOR SEJAM REVELADAS; FOCADO EM PROBLEMAS EXTERNOS OU EM INCONGRUÊNCIAS (EM VEZ DE FRAQUEZA PESSOAL) • ADAPTA A CADA PERFIL DE CLIENTE E SITUAÇÃO • TRANSFERÊNCIA: PODEMOS OBSERVAR ESQUEMAS E PADRÕES ASSOCIADOS A RELACIONAMENTOS PASSADOS • CONTRATRANSFERÊNCIA: CLIENTE ATIVA PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS E ESQUEMAS NO TERAPEUTA
  • 13. AVALIAÇÃO • INICIA-SE COM UM A ANAMNESE COMPLETA E UM EXAME DO ESTADO MENTAL • ATENÇÃO AOS SINTOMAS ATUAIS • CONTRA INDICADA: DEMÊNCIA GRAVE, DELIRIUM, INTOXICAÇÃO POR DROGAS, T.P. ANTISSOCIAL GRAVE NA SIMULAÇÃO (COMPROMETEM A ALIANÇA TERAPÊUTICA) • COMPROVADO PARA PSICOSES (SOB ANTIPSICÓTICO) E MONOTERAPIA PARA QUADROS ANSIOSOS E DEPRESSIVOS
  • 14. DIMENSÕES A SE CONSIDERAR AO AVALIAR 1. CRONICIDADE E COMPLEXIDADE 2. OTIMISMO EM RELAÇÃO AO SUCESSO DA TERAPIA 3. ACEITAÇÃO E RESPONSABILIDADE PELA MUDANÇA 4. COMPATIBILIDADE COM A LINHA DE RACIOCÍNIO COGNITIVO- COMPORTAMENTAL 5. CAPACIDADE DE ACESSAR OS P.A. E IDENTIFICAR AS EMOÇÕES QUE OS ACOMPANHAM 6. CAPACIDADE EM ENVOLVER-SE EM UMA ALIANÇA TERAPÊUTICA 7. CAPACIDADE DE MANTER E TRABALHAR DENTRO DE UM FOCO PARA O PROBLEMA
  • 15. CONCEITUALIZAÇÃO DE CASO NA TCC • MAPA ORIENTADO PARA TRABALHAR COM O CLIENTE • REÚNE INFORMAÇÕES SOBRE OS 7 DOMÍNIOS (DIAGNÓSTICO E SINTOMAS; CONTRIBUIÇÕES DAS EXPERIENCIAS DA INFÂNCIA E OUTRAS INFLUÊNCIAS DO DESENVOLVIMENTO; QUESTÕES SITUACIONAIS E INTERPESSOAIS; FATORES BIOLÓGICOS; PONTOS FORTES E QUALIDADES; PADRÕES TÍPICOS DE PENSAMENTO AUTOMÁTICO, EMOÇÕES E COMPORTAMENTOS; ESQUEMAS SUBJACENTES)
  • 16. CONCEITUALIZAÇÃO DE CASO NA TCC • A PRINCÍPIO, PODE SER APENAS UMA ANOTAÇÃO. DEPOIS CONVERTE-SE EM UM PLANO ORQUESTRADO, COM UM DIRECIONAMENTO COERENTE E EFICAZ PARA CADA INTERVENÇÃO DA TERAPIA. • RECOMENDA-SE NA AVALIAÇÃO A UTILIZAÇÃO DE UM PONTO VISTA SECCIONAL (PADRÕES ATUAIS PELOS QUAIS OS PRINCIPAIS PRECIPITANTES E SITUAÇÕES ATIVADAS ESTIMULAM PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS, EMOÇÕES E COMPORTAMENTOS) E LONGITUDINAL (EVENTOS DURANTE O DESENVOLVIMENTO E OUTRAS INFLUÊNCIAS EVOLUTIVAS, RELACIONADAS A CRIAÇÃO DE CRENÇAS NUCLEARES E ESQUEMAS)
  • 18. ESTRUTURAÇÃO NA TCC • ESTABELECIMENTO DE METAS: ENSINA O VALOR DE SE ESTABELECER ALVOS ESPECÍFICOS. É IMPORTANTE FAZER METAS DE CURTO, MÉDIO E LONGO PRAZO, ELAS PRECISAM SER MENSURÁVEIS. DEVEM SER REVISADAS EM PELO MENOS DE 4 EM 4 SESSÕES • ESTABELECIMENTO DE AGENDA: DEVE SER FEITA TODA SESSÃO. DIRETAMENTE LIGADA A ATINGIR METAS. ESPECÍFICAS E MENSURÁVEIS. NÃO DEVE TORNAR A SESSÃO MECÂNICA E NÃO-CRIATIVA • AVALIAÇÃO DOS SINTOMAS: NO INÍCIO DAS SESSÕES, PEDE-SE PARA O CLIENTE AVALIAR SEU HUMOR E SINTOMAS DE 0 A 10, VERIFICANDO OS AVANÇOS
  • 19. ESTRUTURAÇÃO DA TCC • PONTE ENTRE AS SESSÕES: REVISAR O QUE FOI TRABALHADO • FEEDBACK: DAR E SOLICITAR; VERIFICAR A COMPREENSÃO DO CLIENTE A FIM DE MONTAR A SESSÃO ESTRUTURADA, CONSTRUIR A RELAÇÃO TERAPÊUTICA, INCENTIVAR E CORRIGIR DISTORÇÕES • COMPASSO: APROVEITAR O MELHOR DO TEMPO DE TERAPIA, FAZENDO-O EFICAZ E NÃO SE PRENDER A PONTOS SEM BENEFÍCIOS • TAREFAS: ESTABELECER UMA LIGAÇÃO ENTRE AS SESSÕES. DESENVOLVER HABILIDADES PARA LIDAR COM PROBLEMAS EM SITUAÇÕES REAIS. TAMBÉM SERVE PARA LIGAR AS SESSÕES
  • 20. ESTRUTURANDO A SESSÃO DURANTE O CURSO Inicial •Cumprimentar •Avaliação •Agenda •Revisar •Conduzir •Psicoeducação •Nova tarefa •Revisar pontos chaves •Feedback Intermediária •Cumprimentar •Avaliação •Agenda •Revisão •Conduzir •Nova tarefa •Revisar pontos chaves •Feedback final •Cumprimentar •Avaliação •Agenda •Revisão •Conduzir •Prevenção de recaída •Preparação para o término •Novas tarefas •Revisar pontos chaves •Feedback
  • 21. PSICOEDUCAÇÃO • BOA PARTE DO PROCESSO TERAPÊUTICO ESTÁ EM SUA CAPACIDADE DE ENSINAR, POIS PRECISAMOS EDUCAR O CLIENTE PARA APRENDER A E UTILIZAR OS MÉTODOS EM SEU DIA-A-DIA E TORNA-LO SEU PRÓPRIO TERAPEUTA • MINIAULAS (TEORIA, MÉTODO OU PSICOPATOLOGIA) • MODELO DE EXERCÍCIOS • CADERNO DE TERAPIA • LEITURA AUXILIARES • TCC VIA PROGRAMAS DE COMPUTADOR
  • 23. IDENTIFICAÇÃO DE PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS • RECONHECIMENTO DAS MUDANÇAS DE HUMOR: ÚTIL POIS O HUMOR GERA COGNIÇÕES • PSICOEDUCAÇÃO: ENSINA O QUE SÃO OS PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS • DESCOBERTA GUIADA: FAÇA QUESTIONAMENTOS QUE ESTIMULEM A EMOÇÃO, DEVEMOS FOCAR NA SITUAÇÃO, UTILIZANDO A EMPATIA E A FORMULAÇÃO DE CASO PARA AJUDAR O CLIENTE A LEMBRAR DE SEUS PENSAMENTOS • REGISTRO DE PENSAMENTO: AJUDA A PENSAR DE FORMA CRÍTICA • IMAGENS MENTAIS: GERAR MEMÓRIAS MAIS VIVAS DA SITUAÇÃO QUE GEROU P.A. • ROLE-PLAY: ENCENAR UMA PESSOA PARA DESENVOLVER INSIGHTS SOBRE OS P.A. • INVENTÁRIOS: TESTES PARA AFERIR P.A.
  • 24. MODIFICAÇÃO DE PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS • QUESTIONAMENTO SOCRÁTICO: ESPINHA DORSAL. PERGUNTAS QUE REVELEM OPORTUNIDADES DE MUDANÇA, QUE TRAGAM RESULTADOS. MÚLTIPLA ESCOLHA. • RMP: RECONHECE OS P.A., IDENTIFICA ERROS, EXAMINA EVIDÊNCIAS, GERAM ALTERNATIVAS. • GERAÇÃO DE ALTERNATIVAS RACIONAIS: ENCARAR A REALIDADE E DESENVOLVER TÉCNICAS DE ENFRENTAMENTO. COMO LIDAVA COM ISSO ANTES? • IDENTIFICAÇÃO DE ERROS COGNITIVOS • EXAME DE EVIDÊNCIAS: A FAVOR E CONTRA O PENSAMENTO
  • 25. MODIFICAÇÃO DE PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS • DESCATASTROFIZAÇÃO: AVALIAR PREVISÕES CATASTRÓFICAS E ENFRENTAMENTO ADAPTATIVO CASO SEJAM REAIS. TRABALHAR O ENFRENTAMENTO NA PIOR DAS HIPÓTESES, MOSTRANDO QUE NEM TUDO ESTÁ PERDIDO • REATRIBUIÇÃO: UTILIZANDO O GRÁFICO DE FATORES PARA DIMINUIR TENDÊNCIAS ATRIBUTIVAS ENVIESADAS • ENSAIO COGNITIVO: PENSAR COM ANTECEDÊNCIA, IDENTIFICANDO PENSAMENTOS E COMPORTAMENTOS, MODIFICANDO-OS COM RMP OU OUTRO MÉTODO, ENSAIANDO COM O MODO MAIS ADAPTATIVO DE PENSAR E SE COMPORTAR, IMPLEMENTANDO NOVA ESTRATÉGIA • CARTÕES DE ENFRENTAMENTO:
  • 27. MÉTODOS COMPORTAMENTAIS PARA QUADROS DEPRESSIVOS • CLIENTES DEPRESSIVOS DIMINUEM SUAS ATIVIDADES, O QUE GERA UM CICLO VICIOSO, POIS A FALTA DE ATIVIDADE INTENSIFICA A DOENÇAS. • MUDANÇAS COMPORTAMENTAIS GERAM MODIFICAÇÕES NO PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS E NOS ESQUEMAS, PROMOVENDO COMPORTAMENTOS MAIS ADAPTATIVOS
  • 28. MÉTODOS COMPORTAMENTAIS PARA QUADROS DEPRESSIVOS • ATIVAÇÃO COMPORTAMENTAL: ENVOLVE O CLIENTE EM UM PROCESSO DE MUDANÇAS E ESTIMULA O MOVIMENTO POSITIVO E A ESPERANÇA. ATIVAR UM COMPORTAMENTO PARA DIMINUIR A PROCRASTINAÇÃO E SAIR DO CICLO VICIOSO. PROPOR ATIVIDADE COMPATÍVEL COM O NÍVEL DE ENERGIA • PROGRAMAÇÃO DE ATIVIDADES: REATIVAR PESSOAS COM FADIGA/ANEDONIA PARA AJUDA-LAS A ENCONTRAR MANEIRAS DE MELHORAR SEU INTERESSE PELA VIDA. PLANEJAMENTO EM UM QUADRO SISTEMÁTICO. FOCO NA AVALIAÇÃO DE AÇÕES E NO AUMENTO DE HABILIDADES DE PRAZER. • AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES: PREENCHE UM REGISTRO COM TODAS AS ATIVIDADES REALIZADAS E CLASSIFICA O GRAU DE PRAZER/DIFICULDADE OBTIDO.
  • 29. MÉTODOS COMPORTAMENTAIS PARA QUADROS DEPRESSIVOS • AUMENTANDO AS HABILIDADES E O PRAZER: PROCURE ATRAVÉS DA AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES AS MAIS PRAZEROSAS E UTILIZE O BRAINSTORM PARA GERAR COLABORATIVAMENTE UMA LISTA COM ALGUMAS NOVAS ATIVIDADES • PLANEJAMENTO DE TAREFAS GRADUAIS: TRANSFORMAR TAREFAS GRANDES EM PARTES MENORES. FAZ-SE UMA LISTA DE PARTES MENORES E DEPOIS COLOCA-AS EM UMA ORDEM LÓGICA. • ENSAIO COMPORTAMENTAL: QUALQUER PLANO COMPORTAMENTAL INTERESSANTE PARA O CLIENTE PODE SER PRIMEIRAMENTE ENSAIADO. 1-VERIFICAR A CAPACIDADE; 2- PRATICAR HABILIDADES; 3- DAR FEEDBACK; 4- IDENTIFICAR OBSTÁCULOS; 5- TREINAR PARA GARANTIR UM RESULTADO POSITIVO.
  • 30. SOLUÇÃO DE PROBLEMAS DÉFICITS DE DESEMPENHO • COMPROMETIMENTO COGNITIVO: GRAU DE ATENÇÃO É REDUZIDO, IMPEDE QUE UMA PESSOA SEJA CAPAZ DE FOCAR-SE EM UM PROBLEMA. ORGANIZA-SE O AMBIENTE PARA EVITAR DISTRATORES. • SABRECARGA EMOCIONAL: REESTRUTURAÇÃO, EXERCÍCIOS DE RELAXAMENTO (ATV. FÍSICA E LÚDICAS, BANHO QUENTE, ETC.) • DISTORÇÕES COGNITIVAS: PSICOEDUCAÇÃO E REESTRUTUTAÇÃO • EVITAÇÃO: PROGRAMAÇÃO DE ATIVIDADES, PTG, PLANOS SISTEMÁTICOS • FATORES SOCIAIS: ENFRENTAMENTO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS • PROBLEMAS PRÁTICOS: COMO RESOLVERIA ISSO ANTES? BRAINSTORM/ SOLUÇÃO DE PROBLEMAS • FATORES ESTRATÉGICOS: AVALIAÇÃO DOS RECURSOS A FIM DE GERAR SOLUÇÕES MAIS
  • 31. MÉTODOS COMPORTAMENTAIS II: QUADROS ANSIOSOS E EVITATIVOS 07/11
  • 32. ANÁLISE COMPORTAMENTAL DOS TRANSTORNOS DE ANSIEDADE • EXPERIÊNCIAS SUBJACENTES DE MEDO ACOMPANHADAS DE SINTOMAS FÍSICOS QUANDO EXPOSTAS A UM ESTÍMULO • AO ENFRENTAR UM ESTÍMULO FÓBICO, PODE TER P.A. PROVOCADORES DE MEDO, ALÉM DE EMOÇÃO INTENSA E ATIVAÇÃO FISIOLÓGICA • A EVITAÇÃO É RECOMPENSADA COM O ALÍVIO EMOCIONAL (REFORÇO NEGATIVO)
  • 33. ANÁLISE COMPORTAMENTAL DO TOC • QUANDO UMA PESSOA COM TOC DRIBLA SEUS PENSAMENTOS OBSESSIVOS COM RITUAIS COMPULSIVOS, O ATO FICA REFORÇADO COMO UMA ESTRATÉGIA DE ENFRENTAMENTO POIS REDUZ OU DESLIGA O PENSAMENTO (REFORÇO NEGATIVO) • E (ESTÍMULO) = OBJETO OU CIRCUNSTÂNCIA TEMIDA • R (RESPOSTA) = REAÇÃO DE ANSIEDADE • ENC (ESTÍMULO NÃO CONDICIONADO) = ESTÍMULO ORIGINAL QUE LEVOU A TER MEDO • RNC (RESPOSTA NÃO CONDICIONADA) = RESPOSTA ORIGINAL DE MEDO • APÓS O PROCESSO DE PAREAMENTO (ENC + EN) PODE OCORRER UM PROCESSO DE GENERALIZAÇÃO, ONDE OBJETOS E SITUAÇÕES SEMELHANTES AO EC (ESTÍMULO CONDICIONADO) PODEM DESENCADEAR A RC (RESPOSTA CONDICIONADA) • LEMBRANÇAS (EC) -> ANSIEDADE EVOCADA POR ELAS (RC)
  • 34. CONTRIBUIÇÕES DO BEHAVIORISMO 1. UM ENC PROVOCA UMA RNC DE MEDO QUE PODE SER GENERALIZADA A OUTROS ECS, OS QUAIS, POR SUA VEZ, PRODUZEM RC 2. UM PADRÃO DE EVITAÇÃO DOS E TEMIDOS REFORÇA NEGATIVAMENTE A CRENÇA DO CLIENTE DE QUE ELE NÃO CONSEGUE LIDAR COM O OBJETO AMEAÇADOR 3. O PADRÃO DE EVITAÇÃO DEVE SER ROMPIDO PARA SE SUPERAR A ANSIEDADE COGNIÇÕES DE MEDO PODEM SER MOLDADAS POR MUITAS EXPERIÊNCIAS DE VIDA QUE AJUDAM A CRIAR CRENÇAS NUCLEARES SOBRE OS RISCOS, PERIGOS E A CAPACIDADE DE LIDAR COM ELES. O ENC ORIGINAL, MUITAS VEZES, NÃO PODE SER IDENTIFICADO. OS DIVERSOS TRANSTORNOS DE ANSIEDADE (+ TOC E TEPT) GERAM UM PADRÃO DE EVITAÇÃO
  • 35. VISÃO GERAL DOS MÉTODOS DE TRATAMENTO COMPORTAMENTAL • FOCADOS EM ROMPER A LIGAÇÕES ENTRE O EC/ENC E A RC/RNC, OU SEJA, DESPAREAMENTO DO E->R • A EVITAÇÃO REDUZ O MEDO EVOCADO PELO EC NO CURTO PRAZO, MAS NÃO DESFAZ A CONEXÃO ENTRE O EC E A RC • PARA ROMPER ESSE PAREAMENTO, A EVITAÇÃO DEVE SER SUBSTITUÍDA POR UM COMPORTAMENTO MAIS ADAPTATIVO
  • 36. ROMPENDO CONEXÕES ESTÍMULO-RESPOSTA • INIBIÇÃO RECÍPROCA: REDUÇÃO DA EXCITAÇÃO AO AJUDAR A VIVENCIAR UMA EMOÇÃO POSITIVA QUE SE CONTRAPONHA A RESPOSTA DISFÓRICA. RELAXAMENTO MUSCULAR, INCOMPATÍVEL COM A ANSIEDADE GERADA PELO ESTÍMULO ANSIOGÊNICO (CONTRA CONDICIONAMENTO). • REESTRUTURAÇÃO COGNITIVA: PARADA DE PENSAMENTO, ESFORÇO CONSCIENTE DE PENSAR EM COISAS BOAS. DESCATASTROFIZAÇÃO: AVALIAÇÃO RACIONAL E SISTEMÁTICA SOBRE O PERIGO, DESENVOLVENDO UM PLANO PARA REDUÇÃO DOS RISCOS E ENFRENTAMENTO.
  • 37. SEQUÊNCIA DE INTERVENÇÕES PARA SINTOMAS DE ANSIEDADE
  • 38. 1.AVALIAÇÃO DOS GATILHOS E ENFRENTAMENTO: I. EVENTOS QUE SERVEM COMO GATILHOS II. P.A., ERROS COGNITIVOS E ESQUEMAS ENVOLVIDOS NA REAÇÃO EXAGERADA III. RESPOSTAS EMOCIONAIS E FISIOLÓGICAS, COMPORTAMENTOS HABITUAIS FEITA POR ENTREVISTA, TESTES E TÉCNICAS (RPD). DEVEMOS TER NOÇÃO DO REPERTÓRIO COMPORTAMENTAL E DAS CONTINGÊNCIAS REFORÇADORAS E ORIENTAR OS FAMILIARES PARA NÃO REFORÇAR ESSES PADRÕES. AVERIGUAR SE EXISTEM COMPORTAMENTOS DE SEGURANÇA. DESENVOLVER UM QUADRO GLOBAL DE ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO, ELABORANDO INTERVENÇÕES QUE AJUDEM O CLIENTE A IDENTIFICAR A EVITAÇÃO E ENSINÁ-LO A SE EXPOR
  • 39. 2. IDENTIFICAÇÃO DE ALVOS PARA INTERVENÇÃO • COMEÇAR COM METAS MAIS FACILMENTE ATINGÍVEIS (MENOS NÍVEL DE ANSIEDADE) • PLANEJAMENTO DE TAREFAS GRADUAIS, CASO AS METAS SEJAM DIFÍCEIS DE SEREM SUPERADAS DE UMA VEZ SÓ.
  • 40. 3. TREINAMENTO DE HABILIDADES BÁSICAS I. TREINO DE RELAXAMENTO: LIBERAR TENSÃO MUSCULAR, DIMINUINDO ANSIEDADE II. PARADA DE PENSAMENTO (EXCETO TOC): AUTOCONTROLE PARA INTERROMPER III. DISTRAÇÃO: IMAGENS OU ATIVIDADES PARA RELAXAR (NÃO USAR NA EXPOSIÇÃO) IV. DESCATASTROFIZAÇÃO: AVALIANDO LOGICAMENTE A SITUAÇÃO, ANÁLISE DAS EVIDÊNCIAS V. RETREINAMENTO DA RESPIRAÇÃO: MOSTRAR QUE O CLIENTE POSSUI CONTROLE
  • 41. 4. EXPOSIÇÃO • PASSO FINAL DO ROMPIMENTO E-R, COMBATER O CICLO DE REFORÇAMENTO • INUNDAÇÃO X DESSENSIBILIZAÇÃO SISTEMÁTICA • DESENVOLVENDO UMA HIERARQUIA PARA EXPOSIÇÃO GRADUAL • EXPOSIÇÃO NO IMAGINÁRIO E EXPOSIÇÃO IN VIVO • PREVENÇÃO DE RESPOSTA (EXPOR SEM USAR A RESPOSTA ABITUAL DE EVITAÇÃO)-TOC • RECOMPENSAS: REFORÇO EQUIVALENTE Á CONQUISTA. ELOGIAR E INCENTIVAR
  • 43. ESQUEMAS • ESTÃO ENRAIZADOS NA FORMA DO CLIENTE VER O MUNDO E NO SEU AUTOCONCEITO (ALICERCES) • MATRIZES DE SELEÇÃO E FILTRAGEM DE INFORMAÇÕES, TOMADA DE DECISÕES E DIRECIONAMENTO DE PADRÕES COMPORTAMENTAIS • REDUZIR OS DISFUNCIONAIS E AUMENTAR OS ADAPTATIVOS • FORMADAS NAS PRIMEIRAS RELAÇÕES, EXPERIÊNCIAS MARCANTES E TRAUMAS E PODEM SER TRAGOS DE VOLTA POR EXPERIÊNCIAS ESTRESSANTES • IDENTIFICAÇÃO E MODIFICAÇÃO DE ESQUEMAS PARA EIXO I
  • 44. IDENTIDICANDO ESQUEMAS • TÉCNICAS DE QUESTIONAMENTO: DESCOBERTA GUIADA, GERAÇÃO DE IMAGEM MENTAL, ROLE-PLAY (MESMAS DE P.A.) + ESPECÍFICAS: DESENVOLVIMENTO DE HIPÓTESES E PERGUNTAS DIRECIONADAS PARA CONFIMAR OU REFUTAR • SETA DESCENDENTE: SÉRIE DE PERGUNTAS INTERCALADAS QUE REVELAM NÍVEIS CADA VEZ MAIS PROFUNDOS DE PENSAMENTO • PSICOEDUCAÇÃO SOBRE ESQUEMAS • PADRÕES DE PENSAMENTO AUTOMÁTICO • REVISÃO DO HISTÓRICO DE VIDA • INVENTÁRIOS DE ESQUEMA • LISTA DE ESQUEMAS PESSOAL
  • 45. MODIFICANDO ESQUEMAS • QUESTIONAMENTO SOCRÁTICO: LEVA AO CLIENTE A ENXERGAR INCONSITÊNCIAS EM SUAS CRENÇAS E AVALIAÇÕES. LEVA A UM PENSAMENTO MAIS INDAGADOR E FLEXÍVEL. • EXAME DE EVIDÊNCIAS: A FAVOR E CONTRA O ESQUEMA. REINTERPRETAR O SIGNIFICADO DOS RESULTADOS NEGATIVOS E AJUDAR NO ENFRENTAMENTO. • RELACIONAR AS VANTAGENS E DESVANTAGENS DO ESQUEMA: CONSIDERAR MODIFICAÇÕES QUE TORNARÃO O ESQUEMA MAIS ADAPTATIVO E MENOS PESADO • CONTINUUM COGNITIVO: COLOCAR EM UM CONTEXTO MAIS AMPLO PARA MODERAR SUA FORMA DE PENSAR. CLASSIFICAR 0-100, IMAGINANDO A PIOR SITUAÇÃO POSSÍVEL E DEPOIS REAVALIANDO • GERANDO ALTERNATIVAS: CONSIDERAR ESQUEMAS ALTERNATIVOS. USO DE PALAVRAS MENOS EXTREMAS. ANALISAR OS GANHOS SECUNDÁRIOS E RESULTADOS PREJUDICIAIS • ENSAIO COGNITIVO/COMPORTAMENTAL: TESTAR ESQUEMAS ALTERNATIVOS IMAGINANDO ALGUMAS SITUAÇÕES • TCC DIRECIONADA PARA O CRESCIMENTO: BUSCAR CRENÇAS QUE POSSAM EXPANDIR SEUS POTENCIAIS PRA O DESENVOLVIMENTO PESSOAL. TCC CONSTRUTIVISTA.
  • 46. PROBLEMAS E DIFICULDADES COMUNS 09/11
  • 47. NÃO REALIZAÇÃO DA TAREFA DE CADA PREVENÇÃO: SOLICITE A CONTRIBUIÇÃO DO CLIENTE AO ELABORAR A TAREFA DE CASA, TENDO CUIDADO, INCLUSIVE, COM ESSE TERMO. RECUPERAÇÃO: AVALIAR A ACEITAÇÃO E A UTILIDADE DA TAREFA, CONCLUA A QUE FALTOU DURANTE A SESSÃO. AVALIE OS PENSAMENTOS NEGATIVOS SOBRE A TAREFA QUE É FEITA EM CASA.
  • 48. DIFICULDADE EM EVOCAR PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS PREVENÇÃO: DEIXE O CLIENTE CONTAR A HISTÓRIA DE UM EVENTO QUE LHE ABORRECEU. EXPLORE O SIGNIFICADO DOS EVENTOS. TENTE IDENTIFICAR AS COGNIÇÕES QUENTES. PERGUNTE SOBRE AS ATIVIDADES DO CLIENTE DURANTE O EVENTO ESTRESSANTE RECUPERAÇÃO: EVITE FAZER PERGUNTAS QUE INDUZAM RESPOSTAS. PERMANEÇA EM UM TÓPICO, SE FOR IMPORTANTE. REGISTRE PENSAMENTOS O MAIS PRÓXIMO POSSÍVEL DE UM EVENTO ESTRESSOR. UTILIZE UM INVENTÁRIO OU OUTRAS FORMAS AUXILIARES DE TRATAMENTO. REVISE A LISTA DE METAS
  • 49. CLIENTE EXCESSIVAMENTE VERBAIS PREVENÇÃO: FAMILIARIZAR O CLIENTE COM A TCC. FALE SOBRE SEU PRÓPRIO DESCONFORTO EM INTERROMPER OS CLIENTES. ENSINO O CLIENTE A FAZER BREVE RESUMOS DOS EVENTOS RECUPERAÇÃO: FAÇA UM BALANÇO ENTRE A ESTRUTURA DA SESSÃO COM AS DISCUSSÕES ABERTAS. EM VEZ DE DESESTIMULAR O CLIENTE A SE EXPRESSAR, TENTE FOCAR.
  • 50. CLIENTES PRESOS EM UM PADRÃO COMPORTAMENTAL PREVENÇÃO: DISCUTA COMO OS SINTOMAS ATUAIS DO CLIENTE PODERIAM INTERFERIR EM SEUS PLANOS DE MUDANÇA DE COMPORTAMENTO. UTILIZE OS PONTOS FORTES DELE AO ELABORAR INTERVENÇÕES. PREVEJA OS PROBLEMAS QUE O CLIENTE PODE TER AO ABANDONAR VELHOS HÁBITOS. EVOQUE E MODIFIQUE COGNIÇÕES QUE ESTEJAM PROMOVENDO PROCRASTINAÇÃO, EVITAÇÃO OU DESAMPARO. ESTIMULE AUTOMONITORAMENTO. RECUPERAÇÃO: TENTE NOVAMENTE, UTILIZE O ENSAIO COGNITIVO. AVALIE AS VANTAGENS E DESVANTAGENS DE MODIFICAR O PADRÃO DO COMPORTAMENTO.
  • 51. PROGRESSO PERDIDO PELO ESTRESSE AMBIENTAL PREVENÇÃO: TENTE NÃO MERGULHAR NA COMPLEXIDADE DOS PROBLEMAS DO CLIENTE, ESCOLHA UM PROBLEMA POR VEZ. ENSINE HABILIDADES DE SOLUÇÃO DE PROBLEMAS. RECUPERAÇÃO: REORGANIZE-SE, REÚNA REFORÇOS, USE O PASSADO COMO GUIA
  • 52. CANSAÇO OU ESGOTAMENTO DO TERAPEUTA PREVENÇÃO: CUIDE DE SUAS NECESSIDADES BÁSICAS. DESCUBRA SEUS LIMITES, MANTENHA UM EQUILÍBRIO SAUDÁVEL ENTRE SUA DEDICAÇÃO AO TRABALHO E O RESTO DE SUA VIDA. RECUPERAÇÃO: DESCANSE, FAÇA SUPERVISÃO, APRENDA COISAS NOVAS
  • 53. NÃO ADESÃO ÁS MEDICAÇÕES PREVENÇÃO: CRIE UM AMBIENTE CONFORTÁVEL PARA DISCUTIR A ADESÃO, PREVEJA OBSTÁCULOS À ADESÃO. CRIE UM PLANO PARA EVITAR PROBLEMAS DE ADESÃO. VERIFIQUE A ADESÃO FREQUENTEMENTE. RECUPERAÇÃO: AVALIE OS PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS E CRENÇAS NUCLEARES DO CLIENTE SOBRE MEDICAÇÕES. USE ESTRATÉGIAS COMPORTAMENTAIS SIMPLES. AJUDE O CLIENTE A CONVERSAR SOBRE A ADESÃO COM UM PROFISSIONAL QUE PRESCREVE. ESTABELEÇA METAS PARA MELHORAR A ADESÃO
  • 55. TRANSTORNOS DEPRESSIVOS GRAVES, CRÔNICOS E RESISTENTES A TRATAMENTOS • MONOTERAPIA (SEJA PSICOFARMACOTERAPIA OU PSICOTERAPIA) NÃO É RECOMENDADO • MODIFICAÇÃO NA TCC PADRÃO: ÊNFASE NO INÍCIO EM ESTRATÉGIAS COMPORTAMENTAIS (PROGRAMAÇÃO DE ATIVIDADES E EVENTOS PRAZEROSOS [TRATAR ANEDONIA E ABULIA] • REESTRUTURAÇÃO COGNITIVA PARA ABORDAR PADRÕES DE PENSAMENTOS DESADAPTATIVOS, TRABALHOS PARA SOLUÇÕES DE PROBLEMAS [DIFICULDADES SOCIAIS E PESSOAIS] • A IDEAÇÃO SUICIDA DEVE SER ABORDADA LOGO E VIGOROSAMENTE: LISTA DE RAZÕES PARA VIVER • PARADA DE PENSAMENTO OU DISTORÇÕES MENTAIS PARA REDUZIR A INTENSIDADE DE RUMINAÇÕES DISFÓRICAS • ATENDIMENTO DUAS VEZES POR SEMANA • OS MÉTODOS CBASP OBJETIVA ENSINAR OS CLIENTES A LIDAREM DE MANEIRA MAIS EFICAZ COM SITUAÇÕES SOCIAIS, ALÉM DE REVISAR AS COGNIÇÕES DISFUNCIONAIS, PORÉM, É DADA MENOS ATENÇÃO A REESTRUTURAÇÃO COGNITIVA
  • 56. TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR • TRABALHAR A ADESÃO DO ESTABILIZADOR DE HUMOR E ENFRENTAMENTO DO ESTRESSE DECORRENTE DE PROBLEMAS INTERPESSOAIS • PSICOEDUCAÇÃO, ENSINAR AUTOCONHECIMENTO, DESENVOLVER ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO DE RECAÍDA. DESENVOLVER UM PLANO PARA O CONTROLE DE LONGO PRAZO • REGISTRO SOBRE OS PRIMEIROS SINTOMAS DE MANIA/DEPRESSÃO: PLANEJAR EM TERAPIA, ESTRATÉGIAS PARA REVERTER OS SINTOMAS. REGISTRO DE MUDANÇA DE HUMOR • NA FASE DEPRESSIVA, O TRATAMENTO É O MESMO DA DEPRESSÃO. NA MANIA, FOCAMOS NOS SINTOMAS (INSÔNIA, FALA APRESSADA E HIPERATIVIDADE). • DEVE-SE IDENTIFICAR ERROS COGNITIVOS, UTILIZAR TECNICAS DE REGISTRO DE PENSAMENTO PARA RECONHECER COGNIÇÕES DE EXPANSIVIDADE OU IRRITABILIDADE. LISTAS DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS PARA AVALIAR AS IMPLICAÇÕES DE SE APEGAR A UMA CRENÇA OU PREVISÕES EXCESSIVAMENTE POSITIVAS
  • 57. TRANSTORNOS DA PERSONALIDADE • 30-60% DAS PESSOAS COM TRANSTORNO DE HUMOR E DE ANSIEDADE TAMBÉM PREENCHEM CRITÉRIOS PARA T.P. COM RECUPERAÇÃO MAIS LENTA E PIOR PROGNÓSTICO, ESSES TRANSTORNOS PODEM SER EXAGERADOS PELA ANSIEDADE (EVITATIVO), DEPRESSÃO (BORDER, DEPENDENTE) OU HIPOMANIA (NARCISISTA, HISTRIÔNICO) • É ÚTIL COMEÇAR A TRATAR O EIXO I • FOCAMOS NA INTERAÇÃO ENTRE OS ESQUEMAS QUE NORTEIAM O COMPORTAMENTO, AS ESTRATÉGIAS INTERPESSOAIS DISFUNCIONAIS E AS INFLUÊNCIAS AMBIENTAIS • SÃO ORIGINADOS DE EXPERIÊNCIAS ADVERSAS DURANTE O DESENVOLVIMENTO EM ATÉ 5 ARÉAS: DESCONEXÃO E REJEIÇÃO; AUTONOMIA E DESEMPENHO PREJUDICADOS; LIMITES PREJUDICADOS; ORIENTAÇÃO PARA O OUTRO; SUPERVIGILÂNCIA E INIBIÇÃO • DURAÇÃO MAIS LONGA, ATENÇÃO MAIOR NA RELAÇÃO TERAPEUTICA, PRÁTICAS REPETIDAS DE MÉTODOS PARA MODIFICAR PROBLEMAS CRÔNICOS RELATIVOS AO CONCEITO DE SI, RELAÇÕES INTERPESSOAIS, REGULAÇÃO EMOCIONAL E HABILIDADES SOCIAIS • A TC-DIALÉTICA ACEITA E VALIDA O COMPORTAMENTO NAQUELE MOMENTO; ÊNFASE NA IDENTIFICAÇÃO E NO TRATAMENTO DE COMPORTAMENTOS QUE INTERFEREM NA TERAPIA; USO DA RELAÇÃO TERAPEUTICA COMO VÍNCULO ESSENCIAL PARA A MUDANÇA; FOCO NOS PROCESSOS DIALÉTICOS (AJUDA A RECONHECER SEUS OBJETIVOS FINAIS E SER CAPAZ DE CONSIDERAR E IMPLEMENTAR MÉTODOS ALTERNATIVOS MAIS SOCIALMENTE ACEITÁVEIS)
  • 58. TRANSTORNO POR ABUSO DE SUBSTÂNCIA • PROCESSO SUBJACENTE COMUM LIGA O USO DE SUBSTÂNCIAS A CRENÇAS NUCLEARES, PREMÊNCIAS E FISSURAS EVOCADAS POR GATILHOS E P.A. NEGATIVOS. (ABSTINÊNCIA GRAVE = HOSPITALIZAÇÃO) • O CONTINUUM DA MOTIVAÇÃO PARA TERAPIA (ENTREVISTA MOTIVACIONAL): PRÉ- CONTEMPLAÇÃO -> COMTEMPLAÇÃO -> PREPARAÇÃO -> AÇÃO. NECESSÁRIO ESTABELECER O CONTRATO DE ABSTINÊNCIA • AJUDAR A RECONHECER QUE SUAS PREMÊNCIAS (PREDISPOSIÇÕES COGNITIVAS E COMPORTAMENTAIS PARA O USO DE DROGAS) E FISSURAS (EXERIÊNCIAS AFETIVAS E FISIOLÓGICAS) SÃO ASSOCIADAS À LIGAÇÃO DE CRENÇAS RELEVANTES. RECONHECER OS GATILHOS • ESTÍMULOS DE RISCO, HUMOR E/OU SINTOMAS DE ABSTINÊNCIA-> VULNERABILIDADE -> ATIVAÇÃO DE CRENÇAS (+ P.A + PREMÊNCIAS E FISSURAS)-> CRENÇAS PERMISSIVAS -> ABUSO DE SUBSTÂNCIA (ESSE COMPORTAMENTO GERA ESTÍMULO DE RISCO E O CICLO SE MANTÉM) • OBJETIVO: ALCANÇAR SOBRIEDADE, IDENTIFICANDO E MODIFICANDO CRENÇAS RELEVANTES QUE PREDISPÔEM E MANTÉM O USO. • PONTO CHAVE DO SUCESSO: PREVENÇÃO DE RECAÍDA (ESTRATÉGIAS COMPORTAMENTAIS
  • 59. TRANSTORNOS ALIMENTARES • CRENÇAS DISFUNCIONAIS SOBRE MAGREZA E A INSATISFAÇÃO COM A FORMA E O PESO CORPORAIS NORTEIAM E MANTÉM O COMPORTAMENTO ALIMENTAR ANORMAL E CARACTERÍSTICOS ASSOCIADOS COMO PURGAÇÃO, DIETAS, ETC. • O OBJETIVO INICIAL DO TRATAMENTO É DETERMINADO, DE MANEIRA COLABORATIVA, UMA FAIXA DE PESO ALMEJADA E UM PLANO DE REFEIÇÕES
  • 60. ESQUIZOFRENIA • SÓ SE DEVE INICIAR APÓS A ESTABILIZAÇÃO MEDICAMENTOSA • INICIO: SESSÕES MAIS BREVES, FOCO NO VÍNCULO TERAPEUTICO, PSICOEDUCAÇÃO, ADESÃO MEDICAMENTOSA. DEPOIS: IDENTIFICAÇÃO E MODIFICAÇÃO DE DELÍRIOS, AJUDAR A REDUZIR E LIDAR COM ALUCINAÇÕES. • ANÁLISE LÓGICA, EXAME DE EVIDÊNCIAS E SOLUÇÕES DE ALTERNATIVAS. O EXAME DE EVIDÊNCIAS AJUDA A RECONHECER AS DISTORÇÕES EM SEU MODO DE PENSAR. • INTRODUZIR UM RACIOCÍNIO NORMALIZADOR • LISTA DE COMPORTAMENTOS QUE SILENCIAM AS “VOZES” OU AS TORNEM MENOS INTRUSIVAS
  • 62. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS NA TCC • AGRUPADOS EM: CONHECIMENTO, HABILIDADES E ATITUDES • CONHECER O MODELO CC, CONCEITOS DE P.A. ERROS COGNITIVOS, ESQUEMAS, PRINCÍPIOS DO COMPORTAMENTO, FORMULAÇÃO, INDICAÇÃO PARA TCC, PRINCÍPIOS DE PSICOEDUCAÇÃO, MÉTODOS CC. • HABILIDADE DE AVALIAR E CONCEITUALIZAR, ESTABELECER E MANTER UMA RELAÇÃO TERAPEUTICA, EDUCAR SOBRE A TCC, ESQUEMAS, ESTRUTURAR SESSÕES, UTILIZAR A PROGRAMAÇÃO DE ATIVIDADES. EMPREGAR TÉCNICAS DE REGISTRO DE PENSAMENTO. • ATITUDE DE EMPATIA, RESPEITO, NÃO-CRÍTICA E COLABORATIVA. SENSÍVEL A QUESTÕES SOCIOCULTURAIS, ECONÔMICAS E EDUCACIONAIS. ABERTO AO EXAME DE OBSERVAÇÕES